SlideShare uma empresa Scribd logo
FORMAS
FARMACÊUTICAS
Atendente de Farmácia, Drogarias e Consultório Médico
Prof. Cláudio Luís Venturini| Centrus Cursos
Forma Farmacêutica




Comprimidos, drágeas, cápsulas Xarope, gotas, elixir Pomada, cremes, gel
    Injetáveis, aerossol, adesivos   Pirulitos, gomas, implantes ...
Forma Farmacêutica
• Os medicamentos não são administrados no
  seu estado puro ou natural aos pacientes,
  mas sim como parte de uma formulação, ao
  lado de uma ou mais substâncias (Adjuvantes
  (Coadjuvantes), Veículo ou Excipiente) que
  desempenham várias funções farmacêuticas.
• Os adjuvantes farmacêuticos tem por
  finalidade solubilizar, suspender, espessar,
  diluir, emulsionar, estabilizar, preservar, colorir
  e melhorar o sabor da mistura final, a fim de
  fornecer uma forma farmacêutica agradável e
  eficiente
Forma Farmacêutica
• Podem existir várias formas farmacêuticas de
  um determinado princípio ativo.
• Os Motivos são:
  – Facilitar a administração.
  – Garantir a precisão da dose.
  – Proteger a substância durante o percurso pelo
    organismo.
  – Garantir a presença no local de ação.
  – Facilitar a ingestão da substância ativa.
Forma Farmacêutica
• Influenciam na Escolha:
  •   Vias de Administração
      •   Diferentes locais de aplicação e absorção
          •   Enteral
          •   Parenteral

  •   Velocidade (Tempo) de Ação
      •   Imediata
      •   Retardada
      •   Controlada
  •   Tipos de paciente
      •   Adulto
      •   Infantil
Formula
                         Farmacêutica



Fórmulas Oficinais
   • São aquelas cuja fórmula é da autoria do clínico, e que o
     farmacêutico prepara seguindo essas prescrições.
Fórmulas Magistrais
   • São aquelas cuja fórmula e técnica se encontram inscritas
     e descritas na Farmacopéia ou em Formulários.
Fórmulas Especializadas (Especialidades Farmacêuticas)
   • São aquelas que se encontram já preparadas e embaladas
     (especialidade farmacêutica), e que se apresentam sob um
     nome de fantasia ou sob uma denominação (comum ou
     científica) da substância ativa que entra na sua
Forma
                                             Farmacêutica
COMPONENTES

Substância ativa:                      Veículo ou Excipiente:
     Base                              Torna possível a forma
                                             farmacêutica
   Adjuvante
   Terapêutico




                Adjuvantes Técnicos:
                   Estabilizantes
                    Edulcorantes
                     Corantes
Formula Farmacêutica
                                             Componentes
PRINCÍPIO ATIVO
• Substância Ativa
     • representa o componente da formulação responsável pelas
       ações farmacológicas.
No caso de haver mais de uma substância ativa,
  teremos:
• Base:
  – É a substância ativa com maior atividade farmacológica,
    quer pela sua potência, quer pelo seu volume.
• Adjuvante (Coadjuvante) Terapêutico:
  – Outra (s) Substância (s) Ativa (s) que complementam a
    ação da base.
  – Tem por função auxiliar o princípio ativo
     • Sinergismo
         – Ação de uma droga na promoção ou no aumento da efetividade
           de uma outra droga.
Formula Farmacêutica
                                            Componentes
ADJUVANTE TÉCNICO
• Substâncias que suas propriedades visam
  estabilizar, conservar, espessar o meio e
  favorecer a dissolução
• Visa também corrigir o produto final em suas
  propriedades organolépticas (CORRETIVO)
   – Edulcorantes:
      • Conferem sabor doce à preparação.
   – Aromatizantes e Flavorizantes
      • conferem sabor agradável à preparação.
   – Corantes:
      • Conferem cor as formas farmacêuticas
Formula Farmacêutica
                                    Componentes
VEÍCULO OU EXCIPIENTE
• Todo componente de uma formulação que
  serve para dissolver, suspender ou misturar-se
  homogeneamente com outros ingredientes
  para facilitar sua administração ou tornar
  possível sua confecção.
• VEÍCULO:
  • Diz respeito a parte líquida da formulação na qual
    estão dissolvidos os demais componentes
• EXCIPIENTE:
  • Ingrediente inerte, SÓLIDO, que misturado ao
    princípio ativo, servem para dar volume e peso ao
    medicamento.
Forma Farmacêutica
                                          Classificação
QUANTO A FORMA FÍSICA
• Sólidas
  – Cápsulas, Comprimidos (orais e vaginais), Drágeas,
    Hóstias, Implantes, Óvulos, Papéis, Pérolas, Pílulas,
    Pós, Supositórios.
• Pastosas
  – Cataplasma, Cremes, Pastas, Pomadas, Unguentos
• Líquidas
  – Suspensões, Emulsões, Xaropes, Enemas, Óleos
    medicinais, Alcoolatos, Alcoolaturas, Colutório,
    Linimentos, Poções, Tinturas.
• Gasosas
  – inalantes.
• Especiais
  – São aquelas formas farmacêuticas que, ou podem se
    apresentar em mais do que uma forma física, ou se
FORMAS
FARMACÊUTICAS
   SÓLIDAS

Atendente de Farmácia, Drogarias e Consultório Médico
Prof. Cláudio Luís Venturini| Centrus Cursos
FORMAS FARMACÊUTICAS
                Forma Farmacêutica
                   Classificação
SÓLIDAS
• Comprimidos
  – Formas farmacêuticas sólidas contendo princípios
    ativos normalmente preparados com auxilio de
    adjuvantes farmacêuticos adequados (excipientes)
  – Formas farmacêuticas obtidas por compressão da
    mistura de pós, contendo fármaco e adjuvante.
  – Os comprimidos    podem variar em tamanho, forma,
    peso, dureza,      espessura, características de
    desintegração e   em outros aspectos, dependendo
    do uso a que       se destinam e do método de
    fabricação
  – A maioria dos comprimidos é administrada pela via
    oral, também são destinados à administração
Forma Farmacêutica
                                                       SÓLIDA
COMPRIMIDOS
• Vantagens
   – Elegância na apresentação, fácil uso, portáveis (aparência,
     forma, cor)
   – Podem apresentar vincos e gravações
   – Dosagem correta e alto grau de precisão
   – Maior estabilidade em relação as outras formas
   – Maior facilidade em administrar fármacos insolúveis em água
   – Menor sensação de sabores e odores desagradáveis
   – Permitem utilizar revestimentos externos
   – Permite o controle na liberação do fármaco
   – Resistente a choques e abrasão
• Desvantagens
   – Menor absorção comparados as soluções
   – Podem provocar irritação na mucosa gástrica
   – Favorece a formação de complexos com os alimentos
Forma Farmacêutica
                                                   SÓLIDA
     COMPRIMIDOS - USOS
                                      Orais/bucais

                         interno
                                     Injetáveis (hipodérmicos)
                                     Ex.hormônios, insulina
              Direto
                         externo        Vaginais

Terapêutico                         Efervescentes
                          interno

                                    Injetáveis extemporâneos
              Indireto
                         externo          Dissolução extemporânea
                                          Ex. KMnO4
Forma Farmacêutica
                                              SÓLIDA
COMPRIMIDOS - TIPOS
• Comprimidos não revestidos :
  – Possuem camada única, ou múltiplas camadas
    dispostas concentricamente ou paralelamente. Os
    primeiros resultam de uma única compressão e os
    segundos de compressões sucessivas efetuadas com
    partículas de diferentes composições.
• DRÁGEAS         -   Comprimidos         revestidos      e
  drágeas:
  – São recobertos por uma ou mais camadas constituídas
    por misturas de substâncias diversas, como resinas
    naturais ou sintéticas, gomas, açúcares, plastificantes,
    ceras, matérias corantes e, por vezes, aromatizantes. As
    substâncias utilizadas para o revestimento são
    geralmente aplicadas sob a forma de solução ou de
    suspensão em condições que favoreçam a evaporação
    do veículo.
     • Revestimento Gastro-solúvel
Forma Farmacêutica
                                                  SÓLIDA
COMPRIMIDOS - TIPOS
• Comprimidos        de     liberação      Controlada         ou
  modificada:
  – São    formas    farmacêuticas     que   não     liberam
    imediatamente todo o fármaco, fazendo-o de forma
    gradual e contínua em diferentes tempos e locais.
     • Dexedrine Spansule®, fabricado pela Smith Kline & French
  – são formulados para uma liberação lenta e gradual,
    controlando a velocidade de absorção durante um
    determinado período de tempo
  – São preparados com adjuvantes especiais ou por
    processos particulares, ou recorrendo aos dois meios,
    simultaneamente, de modo a mundificar-lhes a
    velocidade ou o local de liberação do ou dos princípios
    ativos
  – Siglas nos Medicamentos
CURIOSIDADE
• Adalat oros
Forma Farmacêutica
COMPRIMIDOS                      LIBERAÇÃO      SÓLIDA
CONTROLADA
• Tipos:
   – Liberação Sustentada
       • manter constante a concentração plasmática do fármaco por um período,
         geralmente, de 8 a 12 horas, intervalo de tempo maior que a forma
         convencional
   – Liberação Retardada (Revestimento entérico)
       • As formas de liberação retardada prolongam o período de latência, ou seja, o
         intervalo de tempo entre a administração e a detecção do fármaco na corrente
         sanguínea
            – (1) proteger a mucosa gástrica da ação irritante do fármaco;
            – (2) proteger o fármaco da destruição pelo suco gástrico;
            – (3) proteger fármacos melhor absorvidos em regiões definidas do intestino
   – Liberação repetida
       • Possibilitam a manutenção do efeito terapêutico por um maior período de
         tempo em relação a forma convencional, substituindo uma nova
         administração do fármaco .
       • ocorre a liberação de uma dose individual logo após a sua administração,
         que se apresenta na camada mais externa do comprimido, e uma
         segunda ou terceira doses liberadas de 4 a 6 horas após a ingestão
   – Liberação Prolongada
Forma Farmacêutica SÓLIDA
FORMAS FARMACÊUTICAS SÓLIDAS ORAIS
DE LIBERAÇÃO PROLONGADA
Forma Farmacêutica SÓLIDA
FORMAS FARMACÊUTICAS SÓLIDAS ORAIS
DE LIBERAÇÃO PROLONGADA
Forma Farmacêutica
                                                     SÓLIDA
COMPRIMIDOS - TIPOS
• Comprimido Tamponado:
   – Comprimido revestido por uma película protetora de hidróxido de
     alumínio ou hidróxido de magnésio, permitindo a utilização deste
     medicamento por pessoas que sofram de gastrite ou úlcera.
• Comprimidos Efervescentes:
   – Comprimido não revestido em cuja composição existe
     geralmente um ácido e um carbonato ou bicarbonato capaz de
     reagir rapidamente em presença de água libertando gás
     carbônico. Destina-se a ser dissolvido ou disperso em água antes
     da administração
• Comprimidos Mastigável e Sublingual:
   – Na maioria das vezes não são revestidos.
   – A sua forma é estabelecida de tal modo que vai permitir a
     liberação lenta e uma ação local ou libertação e absorção por via
     sublingual ou pelas paredes da cavidade bucal.
   – Desintegram suavemente na boca com ou sem mastigação,
     sendo preparados por granulação úmida e compressão,
     utilizando-se graus mínimos de dureza.
• Comprimido Vaginal:
FORMAS FARMACÊUTICAS
                Forma Farmacêutica
                   Classificação
SÓLIDAS
• Cápsulas
  – São preparações de consistência sólida, constituídas por um invólucro
    duro ou mole, de forma e capacidade variáveis, que contêm uma
    quantidade de princípio ativo que normalmente se usa de uma só vez.
  – Tem forma cilíndrica ou ovóide e é formado por duas partes que se
    encaixam, que devem ser soldadas e, se destinam a conter
    substâncias medicinais sólidas, pastosas ou líquidas.
  – Geralmente o invólucro é feito de gelatina (cápsula dura) ou de gelatina
    adicionada de emolientes como glicerina e sorbitol (cápsula mole ou
    elástica), este pode ainda ser opaco ou transparente e corado ou
    incolor
  – As cápsulas gelatinosas podem ser administradas por vias diferentes
    da bucal preparando -se cápsulas para aplicação retal, nasal e vaginal
  – Vantagens
      •   administração de substâncias nauseosas ou de sabor desagradável
      •   libertam, rapidamente os medicamentos depois da ingestão
      •   mais fácil deglutição do que os comprimidos
      •   Possibilidade de desenvolvimento de Liberação Controlada

  – Desvantagens
Forma Farmacêutica
                                            SÓLIDA
CÁPSULAS
• Cápsulas Duras
  – São constituídas por duas partes cilíndricas,
    arredondadas nos extremos, apresentando diâmetros e
    comprimentos diferentes. A parte mais comprida serve
    para adicionar as substâncias medicamentosas, e a
    outra atua como uma espécie de tampa na qual se
    encaixa a primeira. O ajustamento das duas metades
    consegue-se por simples ação mecânica, podendo
    proceder-se à colagem das duas porções, mediante o
    emprego de soluções de gelatina ou goma arábica.
  – As cápsulas gelatinosas duras são consideradas,
    atualmente, uma das melhores formas para
    acondicionar   substâncias   medicamentosas,      pois
    protegem contra a ação da luz, do ar e da umidade,
    além disso, são facilmente administradas; possibilitam
    em alguns casos a associação de substâncias
    normalmente incompatíveis; impedem que se notam o
    sabor e o odor desagradável dos fármacos; preparadas
    facilmente e com grande precisão de dosagem (+ ou –
Forma Farmacêutica
                                                                   SÓLIDA
CÁPSULAS
• Cápsulas Moles
   – O invólucro é mais espesso que o das cápsulas duras. É constituído
     por uma só parte que pode apresentar variadas formas.
   – Geralmente os invólucros são formados, cheios e fechados durante
     um único ciclo de fabricação e na sua composição pode, às vezes,
     figurar uma substância ativa.
   – Líquidos podem ser incluídos diretamente, sólidos são normalmente
     dissolvidos ou dispersos em excipientes apropriados para obter uma
     solução ou dispersão de consistência pastosa.
• Cápsulas gastro-resistentes:
   – Podem ser duras ou moles.
   – São preparadas com um invólucro que resiste à ação do suco gástrico, sendo de
     queratina, quitina ou glúten.
   – São múltiplas as razões de preparo:
        • O princípio ativo não deve ser digerido nem degradado no estômago
        • A substância medicamentosa é irritante para a mucosa gástrica
        • O Fármaco produz náuseas ou vômitos se atuar no estômago
        • A substância medicamentosa só deve produzir o seu efeito máximo no duodeno ou
          no jejuno.
FORMAS FARMACÊUTICAS
                Forma Farmacêutica
                   Classificação
SÓLIDAS
• Pílulas
  – São preparações farmacêuticas pequenas de consistência
    firme, sensivelmente esférica, e que se destinam a serem
    deglutidas sem mastigar.
  – Seu peso varia entre 0,1 e 0,5g.
  – Podem ser Gastro-solúvel ou Gastro-resistente
  – Vantagens:
     • Mascaram o cheiro e sabor desagradável
     • Pequeno volume e fácil administração
     • Resistentes às alterações pela luz, umidade e ar
     • Podem ser revestidas para proteção dos agentes medicinais,
       para promover desagregação no suco entérico
     • Produção relativamente fácil
  – A especialidade médica que mais a utiliza é a ginecologia.
  – São administradas por via oral.
FORMAS FARMACÊUTICAS
                Forma Farmacêutica
                   Classificação
SÓLIDAS
• Grânulos
  – São      constituídos     por     substâncias
    medicamentosas associadas a açúcar e/ou
    adjuvantes, cujo conjunto tem aspecto
    homogêneo.
  – São preparados umedecendo-se o pó ou
    mistura de pós desejada, e passando a massa
    umedecida por uma tela para que produza os
    grânulos no tamanho desejado.
  – Podem ser revestidos ou efervescentes.
  – vantagens :
     • Os grãos constituintes não aderem entre si
     • Mais agradáveis de ingerir que os pós
     • A posologia é facilmente mantida
     • Podem ser envolvidos com revestimentos protetores, ao contrário dos
FORMAS FARMACÊUTICAS
                Forma Farmacêutica
                   Classificação
SÓLIDAS
• Pós
 – Mistura de fármacos e/ou substâncias químicas finamente divididas
   e na forma seca.
 – Obtidos por pulverização de substâncias dessecadas à mais baixa
   temperatura possível não devendo ultrapassar os 45ºC.
 – Tipos:
     • Pós para administração oral:
         – São geralmente administrados com ou em água ou outro líquido
           apropriado. Podem também ser deglutidos diretamente. Apresentam-
           se em embalagens unitárias, quer como preparações multi dose.
     • Pós-efervescentes:
         – Apresentam-se como os anteriores, porém contêm em sua formulação
           substâncias ácidas e carbonatos ou bicarbonatos (básicos) que
           reagem rapidamente na presença de água liberando dióxido de
           carbono.
     • Pó para aplicação local:
         – São isentos de aglomeráveis palpáveis de partículas. Quando
           se destinar especificamente a ser aplicado em ferida aberta
           extensa ou em pele gravemente afetada, a preparação deve
Forma Farmacêutica
                                                 SÓLIDA
PÓS
• Vantagens:
   – Possuem efeito farmacológico mais rápido e regular
   – Possui maior absorção gastro-intestinal
   – Diminui o risco de irritações (Uso tópico)
   – Facilidade de deglutição (-)
• Desvantagens:
   – Pronunciado Sabor e Odor
   – Decomposição de materiais higroscópicos,
     deliqüescentes ou aromáticos,
   – Custos elevados na fabricação de doses uniformes e
     individuais.
• Podem ser administrados por via tópica, oral e
  parenteral.
FORMAS FARMACÊUTICAS
                Forma Farmacêutica
                   Classificação
SÓLIDAS
• Supositórios
  – São formas farmacêuticas destinadas à inserção em
    orifícios corporais nos quais, amolecem, se dissolvem e
    exercem efeitos sistêmicos ou localizados.
  – São preparações farmacêuticas sólidas com formato
    adequado para introdução no reto, devendo fundir à
    temperatura do organismo ou dispersar em meio aquoso.
  – A via de administração é retal

  – Usos:
     • Efeito Local
         – Anti-hemorroidais,    Laxativos,      fármacos   adstringente,
           desinfetantes, anestésicos, anti-inflamatório.
     • Efeito Sistêmico
Forma Farmacêutica
                                                         SÓLIDA
SUPOSITÓRIOS
• Usos:
   – Substituem as preparações que se administram por via
     gastrointestinal
      • fármacos irritantes, nauseosos, com cheiro e sabor desagradável
   – Há diversos princípios ativos que são melhor absorvidos por via
     retal do que por via oral
      • Sais de cálcio, vitamina D, meticilina.
   – Substituem medicações parenterais, hipodérmicas e
     intramusculares
      • Quando os fármacos determinam reações locais ou quando
        influenciam no metabolismo muscular.
   – Substituem a administração endovenosa quando esta for
     arriscada, ou o doente não tolerar injeções.
• Desvantagem:
   – Desconforto terapêutico
• As especialidades médicas que mais utilizam os
  supositórios são a pediatria e a geriatria.
FORMAS FARMACÊUTICAS
                Forma Farmacêutica
                   Classificação
SÓLIDAS
• Óvulos
  – São preparações farmacêuticas sólidas, como formato
    adequado, para a aplicação vaginal; devendo dispersar ou
    fundir à temperatura do organismo.
  – São preparações de forma ovóide com consistência sólida,
    destinadas à serem introduzidos na vagina.
  – São obtidos por incorporação de princípios medicamentosos em
    excipientes hidrodispersíveis, como a glicerina gelatinada, e
    menos vezes em excipientes lipofílicos.
  – Via de administração: Vaginal.
  – Usos:
      • Efeito Local
            – Fármacos Adstringentes e Anti-infecciosos
  – Desvantagens:
      • Pode ocorrer irritação na mucosa vaginal
      • Pode ocorrer absorção de substâncias que deveriam agir apenas no local
        de aplicação e o mesmo passa a agir sistematicamente
FORMAS FARMACÊUTICAS
                Forma Farmacêutica
                   Classificação
SÓLIDAS
• Pastilhas
  – São preparações farmacêuticas sólidas, de formato variados,
    contendo substâncias aromatizantes, destinadas a dissolverem
    lentamente na cavidade oral sendo de uso local ou sistêmicos.
  – São formas sólidas destinadas a se dissolverem lentamente na boca,
    constituída por grande quantidade de açúcar e mucilagens
    associadas a princípios medicamentosos.
  – Sãos as formas farmacêuticas sólidas de maior aceitação pelo
    paciente
  – Tipos:
      • Pastilhas Duras
             – Sacaróleos sólidos, é o tipo mais comum
             – Pastilha de açúcar cozido para chupar, de consistência sólida.
             – Destinada a se dissolver na cavidade bucal, compreendendo pelo
               menos um princípio ativo, caracterizada em que ela compreende,
               por outro lado, pelo menos um agente matricial permitindo retardar a
               liberação do ou dos princípios ativos que permanece, então, em
               contato prolongado com a esfera bucofaríngea, o tempo de
               dissolução na cavidade bucal sendo de, pelo menos, 15 minutos.
      • Pastilhas Gomosa
FORMAS
FARMACÊUTICAS
 SEMI-SÓLIDAS

Atendente de Farmácia, Drogarias e Consultório Médico
Prof. Cláudio Luís Venturini| Centrus Cursos
Forma Farmacêutica
FORMAS FARMACÊUTICAS                       Classificação
SEMI-SÓLIDAS
• Pomadas
 – São preparações de consistência semi-sólidas, de
   aspecto homogêneo, destinadas a serem aplicadas na
   pele ou em certas mucosas, com a finalidade de
   exercerem uma ação local ou de promoverem a
   penetração percutânea dos princípios medicamentosos.
 – Tem ação emoliente ou protetora.
 – As pomadas mantêm-se fixas no local de aplicação,
   devido a sua adesividade, são agentes hidratantes muito
   eficazes e possibilitam a máxima ação terapêutica do
   fármaco incorporado, se adaptam as cavidades
   mucosas e a superfície da pele.
 – As pomadas obturam poros originando a diminuição da
   transpiração, favorecendo os edemas.
Forma Farmacêutica
                                                        SEMI-SÓLIDA
POMADAS
• Tipos:
   – Pomadas propriamente ditas:
      • São constituídas por um excipiente de fase única no qual podem ser
        dispersas as substâncias líquidas ou sólidas.
      • O veículo é constituído por excipientes lipofílicos, sendo uma
        pomada gordurosa.
   – Pomadas hidrófobas:
      • Absorvem pequenas quantidades de água.
      • Os excipientes mais vulgarmente utilizados são a vaselina, parafina,
        óleos vegetais ou gorduras animais.
   – Pomadas absorventes de água:
      • Absorvem quantidades apreciáveis de água.
      • Os excipientes são os de uma pomada hidrófoba nos quais são
        incorporados emulsionantes do tipo água – óleo, tais como a
        lanolina, álcoois de lanolina, ésteres de sorbitano, monoglicerídeos e
        álcoois gordos
   – Pomadas hidrófilas:
Forma Farmacêutica
                                                 SEMI-SÓLIDA
POMADAS
• Usos:
  – A principal via de administração é a Tópica.
  – As especialidades médicas que mais as utilizam é a
    dermatologia, oftalmologia.
  – Pomadas de aplicação vaginal:
     • São pomadas mais ácidas, devido ao fato de o pH vaginal ser
       bem menor, nos casos normais, que o pH cutâneo.
  – Pomadas oftálmicas:
     • São preparações semi-sólidas, estéreis, destinadas a ser
       aplicadas nas conjuntivas.
     • Contêm uma ou várias substâncias medicamentosas
       dissolvidas ou dispersas em excipiente apropriado, isentos de
       propriedades irritantes para as conjuntivas.
Forma Farmacêutica
FORMAS FARMACÊUTICAS                               Classificação
SEMI-SÓLIDAS
• Pomada Cremosa ou Cremes
  – São     emulsões     semi-sólidas   contendo     substância
    medicamentosa, dissolvida ou suspensa na fase aquosa ou
    oleosa. A maioria dos cremes são emulsões de óleo em água,
    embora se preparem numerosos cremes de água em óleo.
  – Na preparação de um creme (Água/Óleo ou Óleo/Água) a
    escolha do emulgente é extremamente importante, pois o
    equilíbrio hidrófilo - lipófilo é uma propriedade aditiva, podendo
    eleger dois ou mais emulsivos de sinal contrário, desde que a
    mistura proporcione o EHL adequado a emulsão água/óleo ou
    óleo/água.
  – Os cremes óleo/água de emulgente de ânion ativo,
    apresentam geralmente elevado poder de penetração na pele;
    tem propriedades umectantes que lhes permitem atravessar a
    barreira lipídica cutânea que emulsionam. Já os de
    emulgentes tensoativos não iônicos possuem uma penetração
    mais difícil e fraca poder umectante.
  – Os cremes óleo/água são de fácil remoção da pele e da roupa
    por simples lavagem, miscibilidade com exsudatos cutâneos.
Forma Farmacêutica
                                   SEMI-SÓLIDA
CREMES
• A desvantagem é que possuem efeitos mais
  lentos e intensos que as pomadas.
• Administração Tópica.
• As especialidades médicas que mais utiliza os
  Cremes são a Dermatologia e Ginecologia.
Forma Farmacêutica
FORMAS FARMACÊUTICAS                                 Classificação
SEMI-SÓLIDAS
• Pomada Geleia ou Gel
   – Os géis são definidos como sistemas semi-sólidos composto
     por dispersões de pequenas partículas inorgânicas ou de
     grandes moléculas orgânicas, encerradas por um líquido.
   – Os géis nos quais as macromoléculas se distribuem por todo o
     líquido, de tal maneira que não há ligações aparentes entre
     elas e o líquido, são conhecidos como géis monofásicos.
   – Os géis são considerados dispersões coloidais porque contêm
     partículas de dimensão coloidal.
• Tipos:
   – Géis hidrófobos (óleo gel):
      • São aqueles cujos excipientes são constituídos habitualmente
        por parafina líquida adicionada de compostos polietilênicos, por
        óleos gordos gelificados pelo óxido de silício coloidal ou por
        sabões de alumínio ou de zinco.
   – Géis hidrófilos (hidrogel):
Forma Farmacêutica
                                 SEMI-SÓLIDA
GEL
• Administração Tópica.
• A especialidade médica que mais utiliza os
  Géis é a Dermatologia.
Forma Farmacêutica
FORMAS FARMACÊUTICAS                    Classificação
SEMI-SÓLIDAS
• Pomada pastosa ou Pasta
  – São preparações de aplicação cutânea que contém
    apreciável quantidade de substâncias
    pulverulentas.
  – Pomada espessa devido a grande quantidade de
    pós finamente dispersos no ou nos excipientes.
  – A presença de elevadas concentrações de pós,
    torna as pastas completamente diferentes das
    pomadas propriamente ditas, pois apresentam um
    ligeiro efeito secante, absorvendo os exsudados
    cutâneos, o que se deve à adsorção ou à
    capilaridade, não causando congestão dos tecidos,
    como sucede com as pomadas.
Forma Farmacêutica
                                         SEMI-SÓLIDA
PASTAS
• As pastas são utilizadas para ações
  estritamente epidérmicas, já que o poder de
  penetração dos fármacos que transportam é
  diminuto, são especialmente empregadas
  como veículo de fármacos anti-sépticos e
  adstringentes.
• Podem também ser administradas em
  superfícies úmidas ou molhadas.
• De acordo com os excipientes utilizados em
  sua preparação, as pastas podem ser divididas
  em dois grupos principais:
  – Pastas preparadas com excipientes hidrófilos:
Forma Farmacêutica
                                       SEMI-SÓLIDA
PASTAS
• Vantagens:
  – Podem ser aplicadas tanto em superfícies úmidas
    quanto molhadas, já que apresentam poder de
    absorver      secreções,       atuam        como
    descongestionante, e apresentam ação refrescante,
    pois há evaporação dos constituintes líquidos da
    pasta.
• Desvantagem:
  – Menor atividade terapêutica, se comparada com as
    pomadas.
• Administração Tópica.
• A especialidade médica que mais utiliza as
Forma Farmacêutica
FORMAS FARMACÊUTICAS                         Classificação
SEMI-SÓLIDAS
• Cataplasmas
  – São formas farmacêuticas constituídas por massas
    moles e úmidas de matérias sólidas, podendo
    veicular substâncias medicamentosas.
  – Podem apresentar diversos efeitos quando
    aplicadas sobre a superfície cutânea, como por
    exemplo:
     • Ações emolientes e anti-séptica.
  – É geralmente um medicamento magistral, de uso
    exclusivamente externo.
  – A vantagem da cataplasma é que ele apresenta
    capacidade absorvente.
Forma Farmacêutica
FORMAS FARMACÊUTICAS                     Classificação
SEMI-SÓLIDAS
• Pomada Resinosa ou Unguento
  – São pomadas mais resistentes que contém, além
    da base, uma resina.
  – São utilizados quando se pretende um maior tempo
    de atuação e um efeito de proteção nas superfícies
    externas sem elasticidade.
  – A vantagem é que o unguento sofre menos
    alterações que as pomadas, além de conferir uma
    consistência maior.
  – Administração Tópica.
  – A especialidade médica que mais a utiliza é a
    dermatologia.
Forma Farmacêutica
FORMAS FARMACÊUTICAS                        Classificação
SEMI-SÓLIDAS
• Emplastros
  – Forma farmacêutica semi-sólida para aplicação externa.
    Consiste de uma base adesiva contendo um ou mais
    princípios ativos distribuídos em uma camada uniforme
    num suporte apropriado feito de material sintético ou
    natural. Destinado a manter o princípio ativo em contato
    com a pele, atuando como protetor ou como agente
    queratolítico.
  – Formas farmacêuticas de consistência firme que
    amolecem quando em contato com a superfície cutânea.
    Então, originam uma massa plástica e adesiva que pode
    apresentar tão somente uma ação protetora como
    também uma função terapêutica.
  – Emprega-se com fim de proteção ou como excipiente de
    princípios ativos que podem desempenhar suas funções
    na pele.
Forma Farmacêutica
                                                 SEMI-SÓLIDA
EMPLASTROS
• Tipos:
  – Emplastros epidérmico:
     • Ação protetora ou anti-séptica (emplastros adesivos, de
       mostarda);
  – Emplastros endodérmicos:
     • Provocam um efeito sedativo, estimulante, adstringente
       (emplastros de beladona, de chumbo, de ceras);
  – Emplastros diadérmicos:
     • Ação sistemática.
  – Quanto à forma de apresentação dos emplastros, divide-
    se em dois grupos:
     • Emplastros propriamente ditos: os que se apresentam em
       cilindros podendo a massa adesivo estar ligada a materiais
       elásticos;
     • Esparadrapo: preparações constituídas por tecidos espessos
       de algodão, pelica, recobertos numa das faces por um
       material plástico.
FORMAS
FARMACÊUTICAS
   LÍQUIDAS

Atendente de Farmácia, Drogarias e Consultório Médico
Prof. Cláudio Luís Venturini| Centrus Cursos
FORMAS FARMACÊUTICAS
                 Forma Farmacêutica
                    Classificação
LÍQUIDAS
• Suspensões
 – Forma farmacêutica líquida que contém partículas
   sólidas dispersas em um veículo líquido, no qual as
   partículas não são solúveis.
 – As suspensões são preparações geralmente
   líquidas, constituídas de um ou vários princípios
   sólidos sob a forma de finas partículas em meio
   dispersante.
 – As suspensões são muito utilizadas por via oral e
   também suspensões para administração parenteral
 – Apresentam-se geralmente prontas para o uso
 – Aumenta ou prolonga a ação de medicamentos.
 – Além das suspensões líquidas prontas, existem
Forma Farmacêutica
                                              LÍQUIDA
SUSPENSÕES
• Vantagens:
  – Melhoram a estabilidade de fármacos instáveis na
    forma de solução mas estáveis na forma de
    suspensão (sal solúvel x forma livre) (partículas
    insolúveis: menor contato do fármaco com solvente)
    (antibióticos);
  – Mascara sabor e odor desagradável
     • partículas insolúveis têm menor capacidade de entrar em
       contato com as papilas gustativas do que o fármaco em
       solução
     • Exemplo: cloranfenicol solução é amargo; palmitato de
       cloranfenicol suspensão é insípido;
  – Forma farmacêutica líquida de fácil deglutição e
Forma Farmacêutica
                                                LÍQUIDA
SUSPENSÕES
• Vantagens (continuação):
  – Permite ajuste de dose pelo volume a ser
    administrado (relação dose x peso corporal);
  – Possibilidade de injeções intramusculares para
    liberação lenta e ação prolongada
     • metilprednisolona suspensão injetável - ação por 14 dias;
  – Possibilidade  de  adição de                edulcorantes,
    flavorizantes e corantes que                melhoram a
    palatabilidade e os aspectos                visuais das
    suspensões.
• Desvantagens:
  – Sistema instável
     • partículas sofrem sedimentação (força da gravidade),
Forma Farmacêutica
                                                      LÍQUIDA
SUSPENSÕES
• Tipos:
  – SUSPENSÕES ORAIS(Enteral)
     • Os fármacos devem sofrer dissolução nos fluídos no trato
       gastrintestinal formando soluções que são absorvidas no
       intestino.
     • É uma forma de apresentação que deixada em repouso deixa visível
       partículas misturadas no líquido ou depositadas no fundo do frasco.
     • Antes da administração, o frasco com a suspensão deve ser bem
       agitado para que as partículas se misturem com o líquido.
     • A suspensão pode vir pronta da fábrica ou pode trazer apenas o
       frasco com o pó e instruções para a sua preparação
       (Extemporâneas)
           – Medicamentos dispensados na forma de pó seco que devem ser
             reconstituídos com água e agitados antes do uso.
           – Indicação:
               » fármacos instáveis em solução e suspensão, estáveis na
                 forma de pó.
           – Vantagens:
               » mantém a estabilidade do fármaco até o momento do uso.
Forma Farmacêutica
                                                  LÍQUIDA
SUSPENSÕES
• Suspensões extemporâneas
  – Uso oral:
     • 2 frascos, um contendo o pó seco e o outro o veículo
       (água).
     • Acrescentar o veículo no volume correto e agitar antes do
       uso.
     • Exemplos Comerciais: Amoxil® (amoxacilina), Keflex®
       (cefalexina), Omnipen® (ampicilina)
  – Injetável:
     • Frasco contendo pós seco para resuspensão e ampola
       com água estéril para injeção.
     • Esterilização do pó pode ser feita por radiação ionizante.
     • Exemplos: Penicilina V + Procaína, Bezetacil®
Forma Farmacêutica
                                                LÍQUIDA
SUSPENSÕES
• Tipos:
  – Suspensões Injetáveis(Parenteral)
     • Estéreis com partículas entre 1-10μm.
     • Veículos: água (fármacos lipofílicos) e óleo
       vegetal (fármacos hidrossolúveis)
     • Vantagens: partículas do fármaco têm
       dissolução lenta e ação prolongada,
     • Desvantagem: injeção dolorida (depósito).
     • A suspensão pode vir pronta da fábrica ou pode trazer o
       frasco com o pó, diluente e instruções para a sua
       preparação.
     • Antes da administração, o frasco com a suspensão deve
Forma Farmacêutica
                                                    LÍQUIDA
SUSPENSÕES
• Tipos (continuação)
  – Suspensões Tópicas
     • suspensão aplicada na superfície da pele.
     • Partículas com tamanho entre 1-10μm (pequenas) para
       evita sensação de aspereza
     • Ação sobre a pele:
        – Protetora (formação de filme protetor sobre a pele),
        – Secante (partículas podem absorver secreções cutâneos),
        – Medicamentosa (anestésico local).

  – Suspensões Oftálmicas
     • Estéreis, partículas com tamanho entre 1-10μm
       (pequenas) evita-se a sensação de areia nos olhos.
FORMAS FARMACÊUTICAS
                 Forma Farmacêutica
                    Classificação
LÍQUIDAS
• Soluções
 – São misturas homogêneas de duas ou mais
   substâncias, resultando em um produto final com
   uma única fase, de aspecto límpido.
    • Solvente    Maior quantidade
    • Soluto     Menor quantidade
 – Contém uma ou mais substâncias ativas dissolvidas
   em água ou em um sistema água-co-solvente.
   Podem conter adjuvantes farmacotécnicos para
   prover      maior estabilidade    (antioxidantes,
   conservantes) e ou palatabilidade (edulcorantes,
   flavorizantes ).
Forma Farmacêutica
                                             LÍQUIDA
SOLUÇÕES
• Vantagens:
  – Rapidez de absorção no trato gastrointestinal (em
    relação às cápsulas e comprimidos);
  – Facilidade de deglutição (adequado para idosos e
    crianças );
  – Homogeneidade na dose (melhor que suspensão
    independe de agitação);
  – Flexibilidade de doses.

• Desvantagens:
  – Dificuldade de acondicionamento e transporte;
  – Apresentam menor estabilidade físico-química e
    microbiológica, do que as formas sólidas;
  – A solubilização realça o sabor do fármaco, para
    princípios ativos com sabor desagradável;
FORMAS FARMACÊUTICAS  Forma Farmacêutica
                         Classificação
LÍQUIDAS
• Sacaróleos Líquidos - Xarope
  – São preparações farmacêuticas aquosas e límpidas
    que contêm um açúcar, como a sacarose em
    concentrações próxima da saturação, formando
    uma solução hipertônica.
  – Forma farmacêutica líquida resultante da mistura de
    água e açúcar, podendo conter também
    flavorizantes/aromatizantes(morango, framboesa).
  – Preparação aquosa contendo açúcares que lhe dá
    uma consistência própria, assegura a sua
    conservação e mascara as características
    organolépticas     desagradáveis de  eventuais
    princípios ativos nelas contido.
  – Pode-se distinguir dois grandes grupos de xaropes:
Forma Farmacêutica
                                          LÍQUIDA
XAROPE
• Vantagens
  – Possibilidade de correção de sabor (efeito
    edulcorante )
  – Boa conservação (formulação auto-preservante )
• Desvantagens
  – Restrição de uso em diabéticos
FORMAS FARMACÊUTICAS
                 Forma Farmacêutica
                    Classificação
LÍQUIDAS
• Elixir
 – São soluções alcóolicas medicamentosas
   edulcoradas com sacarina ou glicóis.
 – Apresentam-se claras, edulcoradas e flavorizadas.
 – Vantagens:
     • Adequado para fármacos insolúveis em água, mas
       solúveis em misturas hidroalcoólicas.
 –   Desvantagens
     • Menos doce e menos viscoso que os xaropes.
     • Menos efetivo no mascaramento do sabor.
     • Alta graduação alcóolica varia de 15 a 50%.
FORMAS FARMACÊUTICAS
                 Forma Farmacêutica
                    Classificação
LÍQUIDAS
• Edulito
 – São formas farmacêutica para uso oral edulcorada
   isenta de sacarose, podendo ser soluções ou
   dispersões farmacêuticas;
 – Também conhecido como “Xarope sem Açúcar ou
   Xarope para Diabéticos”.
 – São utilizados para substituir xarope clássico na
   forma de veículo;
 – Sua formulação é composta de veículos aquosos ,
   ou a base de sorbitol 70 e até mesmo mistura de
   glicerina e água;
 – Pode ser encontrado também na forma de
FORMAS FARMACÊUTICAS
                  Forma Farmacêutica
                     Classificação
LÍQUIDAS
• Solução para Administração
  Oral:
 – Forma farmacêutica líquida límpida e homogênea,
   que contém um ou mais princípios ativos
   dissolvidos em um solvente adequado ou numa
   mistura de solventes miscíveis.
 – São misturas homogêneas de duas ou mais
   substâncias, resultando em um produto final com
   uma única fase.
 – Vantagens:
    • Rapidez de absorção no trato gastrointestinal
    • Facilidade de deglutição
Forma Farmacêutica
SOLUÇÃO PARA ADMINISTRAÇÃO
                        LÍQUIDA
ORAL
• Desvantagens:
  – Dificuldade de acondicionamento e transporte;
  – Apresentam menor estabilidade físico-química e
    microbiológica, do que as formas sólidas;
  – A solubilização realça o sabor do fármaco, para
    princípios ativos com sabor desagradável;
  – Difícil acesso ao sistema de medida de volume uniforme.
• Apresentação:
  – Grandes volumes
     • Frascos de Vidro ou Plástico
     • Flaconetes
  – Pequenos volumes
     • Frasco conta-gotas
Forma Farmacêutica
                                       LÍQUIDA
  MEDIDAS UTILIZADAS PARA DOSEAR MEDICAMENTOS
  LÍQUIDOS DE USO ORAL
• A medida geralmente acompanha a embalagem do produto
   – Copo-Medida - Colher-de-Chá - Seringa Dosadora
       • Observe bem as marcas existentes nessas medidas. Os Laboratórios
         Farmacêuticos utilizam copos-medidas, colheres e seringas dosadoras com
         diferentes capacidades (5 mL, 10 mL ou outra capacidade).
       • As duas principais medidas dosadoras utilizadas para administração de
         medicamentos são o copo-medida (geralmente de 10 mL) e a colher-de-chá (5
         mL), ambas tem marcas de subdivisões.
           – ALERTA SOBRE SERINGA DOSEADORA: deve-se tomar cuidado com as seringas
             doseadoras que muitas vezes vêm acompanhadas de uma tampinha no bico. Essa
             tampinha, por medida de segurança, não deveria existir e deve ser descartada de
             imediato; se deixada ao alcance das crianças, ou se for inadvertidamente recolocada
             no bico da seringa, antes da administração da dose, pode ser espirrada para a
             garganta da criança e ser aspirada para a via respiratória causando sufocamento

   – Após a administração de medicamentos líquidos deve-se ingerir um
     copo de água.
• Compreenda o significado de algumas medidas mais utilizadas
  para dosagem de medicamentos:
   – COLHER-DE-CAFÉ: significa uma medida igual a 2 mL (dois mililitros).
   – COLHER-DE-CHÁ: significa uma medida igual a 5 mL (cinco mililitros).
FORMAS FARMACÊUTICAS
                   Forma Farmacêutica
                      Classificação
LÍQUIDAS
• Soluções Oftálmicas            –
  COLIRIOS
  – Formas farmacêuticas líquidas isotônica com pH de
    7,4 e estéreis
  – Acondicionados em frasco conta-gotas
     • Volume de 1 gota é suficiente para cobrir o olho

  – Produção de lágrimas dificulta a absorção do
    princípio ativo.
  – Se tiver que aplicar mais de 1 colírio dar um
    intervalo de 5 min entre os colírios.
  – Para uso nos Olhos e Pálpebras
Forma Farmacêutica
               LÍQUIDA
COLÍRIOS
FORMAS FARMACÊUTICAS  Forma Farmacêutica
                         Classificação
LÍQUIDAS
• Soluções otológicas
  – Formas farmacêuticas líquidas isotônica com pH de
    5 a 7,8 e viscosas
  – Acondicionados em frasco conta-gotas
  – Administração no Ouvido externo
  • Usos:
     - Remoção do cerúmen, Infecções, Inflamações
     - Frasco deve ser previamente aquecido entre as mãos
     - Após instilação, deve-se permitir que as gotas penetrem
       profundamente, segurando o lóbulo da orelha para cima e para
       trás.
FORMAS FARMACÊUTICAS   Forma Farmacêutica
                          Classificação
LÍQUIDAS
• Soluções nasais - Errinos
  – Forma farmacêutica líquida, isotônica, estéreis com
    pH variando de 6,4 a 9,0         a    destinadas à
    administração nasal de fármacos para ação local ou
    sistêmica.
  – pH ideal é entre pH 5 a 7
     • pH maior que 7 favorece o crescimento bacteriano
  – As soluções nasais são destinadas ao tratamento
    de doenças do nariz ou das vias respiratórias.
  – Seu emprego deve se limitar aos casos de absoluta
    necessidade, pois seu uso abusivo e prolongado
    pode eliminar os benefícios de sua utilização.
  – As posologias prescritas (adulto, crianças) devem
    ser rigorosamente respeitadas.
  – As gotas nasais devem ser pingadas na cavidade
FORMAS FARMACÊUTICAS  Forma Farmacêutica
                         Classificação
LÍQUIDAS
• Soluções Injetáveis
  – As soluções injetáveis são destinadas a ser
    administradas pela via parenteral (injeções).
  – São utilizadas quando se quer uma resposta rápida,
    quando a substância ativa é inativada por outra via
    de administração ou quando o medicamento causa
    repugnância ao paciente.
  – Sua utilização requer cuidados de higiene e
    assepsia rigorosa para evitar problemas de
    contaminação do produto e infecções graves ao
    paciente.
  – Por esta razão devem ser administradas ao
    paciente por um profissional habilitado
FORMAS FARMACÊUTICAS
                 Forma Farmacêutica
                    Classificação
LÍQUIDAS
• Emulsões
 – Emulsões são sistemas heterogêneos, de aspecto
   leitoso, constituído por um líquido imiscível
   intimamente disperso num outro líquido sob a forma
   de gotículas por ação de um agente tensoativo
   (Agente Emulsivo).
 – Vantagens:
    • Destinadas tanto ao uso interno como ao uso externo;
    • Possibilidade de mistura de substância imiscíveis;
    • Mascaramento de odor e sabor;
    • Influência na biodisponibilidade de fármacos.
Forma Farmacêutica
                                               LÍQUIDA
EMULSÕES
• Vantagens:
  – Formas farmacêuticas líquidas de fácil deglutição
    indicadas para pacientes com dificuldade de engolir
    cápsulas e comprimidos;
  – Fármacos    lipossolúveis   administrados    em    veículo
    aquoso;
  – Administração   conjunta    de   fármacos    lipofílicos   e
    hidrofílicos;
  – Mascara sabor e odor desagradável de ativos
     • fármaco na fase interna não tem contato com as papilas
       gustativas, há possibilidade de adição de flavorizante e
       adoçantes na Fase Externa para mascarar possível sabor e
       odor desagradável;
  – Proteção de fármacos (oxidação),
  – Emulsões têm gotículas com grande área superficial de
    exposição melhorando a absorção de fármacos na pele
    e mucosa: NANO>MICRO>EMULSÕES.
FORMAS FARMACÊUTICAS
                 Forma Farmacêutica
                    Classificação
LÍQUIDAS
• Colutórios
 – forma farmacêutica líquida viscosa que se destina à
   aplicação tópica sobre as gengivas e partes
   internas da boca , deve apresentar, além de
   estabilidade adequada, sabor agradável.
 – Formas farmacêuticas viscosas que visam o
   tratamento da gengiva e parte interna da boca.
 – Veículos principais
    • Glicerina , Propilenoglicol, Xarope
 – Exemplos:
    • Colubiazol®, Flogoral®, hexamedine® e preparações com
      própolis e mel
 – A forma de apresentação:
FORMAS FARMACÊUTICAS
                 Forma Farmacêutica
                    Classificação
LÍQUIDAS
• Soluções Cavitárias
  – Enemas ou Clisteres:
     • Usos:
        –   Laxativa: Glicerina; Antiinflamatória: indometacina;
            Sedativa: Cloral hidratado; Adstringente: Tanino;

  – Duchas: Vaginais, nasais, uretrais, oculares e
    faríngeas.
FORMAS
FARMACÊUTICAS
ESPECIAIS/DIFER
   ENCIADAS

Atendente de Farmácia, Drogarias e Consultório Médico
Prof. Cláudio Luís Venturini| Centrus Cursos
FORMAS FARMACÊUTICAS
ESPECIAIS
• Denominam-se        Formas    Farmacêuticas
  Especiais aquelas que, ou não se podem
  facilmente inserir num determinado grupo, ou
  que tem inserção em mais de um grupo.
FORMAS FARMACÊUTICAS
ESPECIAIS
• Aerossóis
  – É uma suspensão de partículas líquidas ou sólidas de tamanho
    tão pequeno que flutuam temporariamente no ar ou noutros
    gases.
     • Embora existam aerossóis em estado natural, no campo médico
       são obtidos através da nebulização de medicamentos líquidos.
         – Um aparelho nebulizador serve para transformar uma preparação
           líquida em aerossol.
         – Nebulizar significa "transformar um líquido em aerossol".
         – O aparelho nebulizador é composto por uma câmara de reserva
           onde se introduz o líquido a nebulizar, uma câmara de nebulização
           onde se gera o aerossol e uma fonte de energia utilizada para esse
           fim.
  – Os aerossóis fazem a nebulização de substâncias ativas sobre a
    pele ou mucosas acessíveis externamente (trato respiratório)
  – Um aerossol compreende a dispersão de agentes farmacêuticos
    ativos em um gás dentro de um cilindro ou recipiente
    pressurizado.
  – Se caracterizam por constituírem um “nevoeiro não molhante”
FORMAS FARMACÊUTICAS
ESPECIAIS
• Sprays
  – São semelhantes aos aerossóis, mas o diâmetro da
    partícula é maior (0,5 micrômetro), podem ser
    considerados “nevoeiros molhantes
FORMAS FARMACÊUTICAS
ESPECIAIS
• Ampolas
  – Recipiente fechado hermeticamente, destinado ao
    armazenamento de líquidos estéreis para uso por via
    parenteral e cujo conteúdo é utilizado em dose única.
  – Fraco-ampola: Recipiente normalmente de formato
    tubular, para o acondicionamento de medicamentos
    administrados por via parenteral, lacrado com material
    flexível que deve ser perfurado para a administração do
    medicamento
  – São tubos de vidro ou plástico, colorido ou incolor, ou
    pequenos frascos seladas, podem conter líquido ou pó.
     • Servem para facilitar a esterilização e conservação do seu
       conteúdo;
     • O pó normalmente é utilizado na preparação extemporânea de
       soluções ou suspensões injetáveis.
     • O conteúdo poder ser aplicado via parenteral, oral ou tópico
FORMAS FARMACÊUTICAS
ESPECIAIS
• Adesivos Transdérmico:
  – Sistema destinado a produzir um efeito sistêmico pela
    difusão do(s) princípio(s) ativo(s) numa velocidade
    constante, por um período de tempo prolongado.
• Filme:
  – Forma farmacêutica sólida que consiste de uma película
    fina e alongada, contendo uma dose única de um ou
    mais princípios ativos, com ou sem excipientes.
• Implantes:
  – Forma farmacêutica sólida estéril contendo um ou mais
    princípios ativos e de tamanho e formato adequados
    para ser inserido em um tecido do corpo, a fim de liberar
    o(s) princípio(s) ativo(s) por um período prolongado de
FORMAS FARMACÊUTICAS
ESPECIAIS
• Sabonete:
  – forma farmacêutica sólida com forma variável
    dependendo do molde de obtenção, derivada da
    ação de uma solução de álcali em gorduras ou
    óleos de origem animal ou vegetal. Destinado à
    aplicação na superfície cutânea.
FORMAS FARMACÊUTICAS
DIFERENCIADAS
• O tipo de paciente tem estimulado a indústria
  farmacêutica    a    diferenciar suas  formas
  farmacêuticas e tornar seus medicamentos mais
  "agradáveis" ao uso.
• As farmácia de manipulação também produzem
  formas diferentes de administração.
• As formas farmacêuticas diferenciadas facilita a
  adesão ao tratamento.
• As farmácias de manipulação de Houston (Texas)
  aviam medicamentos em formas farmacêuticas
  que vão do pirulito, passando pelo sorvete, balas,
  chiclets, formulações transdérmicas e outros, onde
FORMAS FARMACÊUTICAS
DIFERENCIADAS
• Pirulitos medicamentosos
  – O fato de dissolver lentamente na boca, torna a
    escolha certa para fármacos que precisam ficar
    mais tempo em contato com a mucosa, como por
    exemplo antifúgico para tratar candidíase oral
    (nistatina) e o fluoreto de sódio, na prevenção de
    cárie oral.
  – Devido a aparência e sabor agradável, se torna
    uma alternativa eficiente para uso pediátrico.
  – Nos Estados Unidos, o primeiro medicamento
    industrializado lançado como pirulito foi o Dimetapp.
  – A forma farmacêutica bala possui vários
    diferenciais, como a bala de Echinacea e Zinco,
    utilizada como preventivos de resfriados com a
FORMAS FARMACÊUTICAS
DIFERENCIADAS
• Gomas e jujubas
  – Forma farmacêutica a base de gelatina e glicerina,
    sendo utilizada para a administração de
    medicamentos.
  – Devido a aparência e o sabor agradável aumenta a
    adesão ao tratamento.
  – Apresentar uma consistência macia e agradável de
    mastigar.
• Goma de Mascar:
  – Forma farmacêutica sólida de dose única contendo
    um ou mais princípios ativos, que consiste de
    material plástico insolúvel, doce e saboroso.
FORMAS FARMACÊUTICAS
DIFERENCIADAS
• Chocolates terapêuticos
  – É elaborado sem açúcar e sem lactose, sua base
    contem 54% de cacau.
  – Cada chocolate pesa cerca de 5 g e é possível
    incorporar até 2 g de prícipio ativo.
  – Os chocolates terapêuticos são excelentes veículos
    de ativos porque mascaram o gosto amargo de
    alguns remédios, além de possuirem os efeitos
    benéficos do cacau.
  – Além de tudo saciam o desejo por doces,
    principalmente para chocólatras.
FORMAS FARMACÊUTICAS
DIFERENCIADAS
• Gel transdérmico
  – Microemulsão que facilita a permeabilidade do
    fármaco no local de ação, tais como
    antinflamatórios, antieméticos, analgésicos, entre
    outros.
  – Além disso, pequenas doses são necessárias em
    comparação ao medicamento via oral.
  – E como o fármaco não passa pelo trato
    gastrointestinal, diminui os efeitos adversos
    gástricos, facilitando o tratamento de uso
    prolongado

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Atendente de Farmácia - Classificação dos Fármacos
Atendente de Farmácia - Classificação dos FármacosAtendente de Farmácia - Classificação dos Fármacos
Atendente de Farmácia - Classificação dos Fármacos
Luis Antonio Cezar Junior
 
Farmacia Hospitalar Introducao
Farmacia Hospitalar IntroducaoFarmacia Hospitalar Introducao
Farmacia Hospitalar Introducao
Jose Carlos
 
Aula 6 pomadas 2020
Aula 6 pomadas 2020Aula 6 pomadas 2020
Aula 6 pomadas 2020
Nemesio Silva
 
introdução à farmacologia
 introdução à farmacologia introdução à farmacologia
introdução à farmacologia
Jaqueline Almeida
 
Aula 1 (1)
Aula 1 (1)Aula 1 (1)
Farmacodinâmica e farmacocinética
Farmacodinâmica e farmacocinéticaFarmacodinâmica e farmacocinética
Farmacodinâmica e farmacocinética
anafreato
 
INTERAÇ
INTERAÇINTERAÇ
Farmacologia aula-1
Farmacologia aula-1Farmacologia aula-1
Farmacologia aula-1
Renata de O. Marinho Sampaio
 
2 aula de farmacologia
2 aula de farmacologia2 aula de farmacologia
2 aula de farmacologia
marigrace23
 
1 PRINCIPIOS DE FARMACOLOGIA.pdf
1 PRINCIPIOS DE FARMACOLOGIA.pdf1 PRINCIPIOS DE FARMACOLOGIA.pdf
1 PRINCIPIOS DE FARMACOLOGIA.pdf
VivianeGomes694450
 
3ª aula conceitos básicos sobre medicamentos
3ª aula   conceitos básicos sobre medicamentos3ª aula   conceitos básicos sobre medicamentos
3ª aula conceitos básicos sobre medicamentos
Claudio Luis Venturini
 
Líquidos Semissólidos
Líquidos SemissólidosLíquidos Semissólidos
Líquidos Semissólidos
Janaina Villanova
 
Introdução à Farmacologia
Introdução à FarmacologiaIntrodução à Farmacologia
Introdução à Farmacologia
Maria Silene Silva
 
7ª aula classes de medicamentos
7ª aula   classes de medicamentos7ª aula   classes de medicamentos
7ª aula classes de medicamentos
Claudio Luis Venturini
 
Noções de farmacologia
Noções de farmacologiaNoções de farmacologia
Noções de farmacologia
Sheilla Sandes
 
Aula 3 operações farmacêuticas
Aula 3 operações farmacêuticasAula 3 operações farmacêuticas
Aula 3 operações farmacêuticas
Talita Gonçalves
 
Aula 04 farmacologia - prof. clara mota
Aula 04   farmacologia - prof. clara motaAula 04   farmacologia - prof. clara mota
Aula 04 farmacologia - prof. clara mota
Clara Mota Brum
 
Apostila Farmacotécnica II - Prática 2016
Apostila Farmacotécnica II - Prática 2016Apostila Farmacotécnica II - Prática 2016
Apostila Farmacotécnica II - Prática 2016
Herbert Cristian de Souza
 
Introdução à farmacologia
Introdução à farmacologiaIntrodução à farmacologia
Introdução à farmacologia
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Farmacognosia- drogas e princípio ativos
Farmacognosia- drogas e princípio ativosFarmacognosia- drogas e princípio ativos
Farmacognosia- drogas e princípio ativos
Maria Luiza
 

Mais procurados (20)

Atendente de Farmácia - Classificação dos Fármacos
Atendente de Farmácia - Classificação dos FármacosAtendente de Farmácia - Classificação dos Fármacos
Atendente de Farmácia - Classificação dos Fármacos
 
Farmacia Hospitalar Introducao
Farmacia Hospitalar IntroducaoFarmacia Hospitalar Introducao
Farmacia Hospitalar Introducao
 
Aula 6 pomadas 2020
Aula 6 pomadas 2020Aula 6 pomadas 2020
Aula 6 pomadas 2020
 
introdução à farmacologia
 introdução à farmacologia introdução à farmacologia
introdução à farmacologia
 
Aula 1 (1)
Aula 1 (1)Aula 1 (1)
Aula 1 (1)
 
Farmacodinâmica e farmacocinética
Farmacodinâmica e farmacocinéticaFarmacodinâmica e farmacocinética
Farmacodinâmica e farmacocinética
 
INTERAÇ
INTERAÇINTERAÇ
INTERAÇ
 
Farmacologia aula-1
Farmacologia aula-1Farmacologia aula-1
Farmacologia aula-1
 
2 aula de farmacologia
2 aula de farmacologia2 aula de farmacologia
2 aula de farmacologia
 
1 PRINCIPIOS DE FARMACOLOGIA.pdf
1 PRINCIPIOS DE FARMACOLOGIA.pdf1 PRINCIPIOS DE FARMACOLOGIA.pdf
1 PRINCIPIOS DE FARMACOLOGIA.pdf
 
3ª aula conceitos básicos sobre medicamentos
3ª aula   conceitos básicos sobre medicamentos3ª aula   conceitos básicos sobre medicamentos
3ª aula conceitos básicos sobre medicamentos
 
Líquidos Semissólidos
Líquidos SemissólidosLíquidos Semissólidos
Líquidos Semissólidos
 
Introdução à Farmacologia
Introdução à FarmacologiaIntrodução à Farmacologia
Introdução à Farmacologia
 
7ª aula classes de medicamentos
7ª aula   classes de medicamentos7ª aula   classes de medicamentos
7ª aula classes de medicamentos
 
Noções de farmacologia
Noções de farmacologiaNoções de farmacologia
Noções de farmacologia
 
Aula 3 operações farmacêuticas
Aula 3 operações farmacêuticasAula 3 operações farmacêuticas
Aula 3 operações farmacêuticas
 
Aula 04 farmacologia - prof. clara mota
Aula 04   farmacologia - prof. clara motaAula 04   farmacologia - prof. clara mota
Aula 04 farmacologia - prof. clara mota
 
Apostila Farmacotécnica II - Prática 2016
Apostila Farmacotécnica II - Prática 2016Apostila Farmacotécnica II - Prática 2016
Apostila Farmacotécnica II - Prática 2016
 
Introdução à farmacologia
Introdução à farmacologiaIntrodução à farmacologia
Introdução à farmacologia
 
Farmacognosia- drogas e princípio ativos
Farmacognosia- drogas e princípio ativosFarmacognosia- drogas e princípio ativos
Farmacognosia- drogas e princípio ativos
 

Semelhante a Formas farmacêuticas

Formas Farmacêuticas.pptx
Formas Farmacêuticas.pptxFormas Farmacêuticas.pptx
Formas Farmacêuticas.pptx
DanielleBraga22
 
Introducao farmacotecnica-i
Introducao farmacotecnica-iIntroducao farmacotecnica-i
Introducao farmacotecnica-i
Francisco De Assis Silva Costa
 
Aula 1 - Formas farmacêuticas Conceitos.pptx
Aula 1 - Formas farmacêuticas Conceitos.pptxAula 1 - Formas farmacêuticas Conceitos.pptx
Aula 1 - Formas farmacêuticas Conceitos.pptx
LyanaSilva
 
PES 2.0 Dispensação de Medicamentos e Formas Farmacêuticas
PES 2.0 Dispensação de Medicamentos e Formas FarmacêuticasPES 2.0 Dispensação de Medicamentos e Formas Farmacêuticas
PES 2.0 Dispensação de Medicamentos e Formas Farmacêuticas
Farmacêutico Digital
 
AULA 03- FORMAS FARMACEUTICAS.pptx
AULA 03- FORMAS FARMACEUTICAS.pptxAULA 03- FORMAS FARMACEUTICAS.pptx
AULA 03- FORMAS FARMACEUTICAS.pptx
LanaMonteiro6
 
FARMACOTÉCNICA.pptx
FARMACOTÉCNICA.pptxFARMACOTÉCNICA.pptx
FARMACOTÉCNICA.pptx
LanaMonteiro8
 
AULA DE FARMACOLOGIA.pptx
AULA DE FARMACOLOGIA.pptxAULA DE FARMACOLOGIA.pptx
AULA DE FARMACOLOGIA.pptx
GlaudiovaneJnior
 
Formas de apresentaçao dos medicamentos.pdf
Formas de apresentaçao dos medicamentos.pdfFormas de apresentaçao dos medicamentos.pdf
Formas de apresentaçao dos medicamentos.pdf
JulianaNogueira339547
 
2572008184802manual medicamentos injetaveis
2572008184802manual medicamentos injetaveis2572008184802manual medicamentos injetaveis
2572008184802manual medicamentos injetaveis
karol_ribeiro
 
2572008184802manual medicamentos injetaveis
2572008184802manual medicamentos injetaveis2572008184802manual medicamentos injetaveis
2572008184802manual medicamentos injetaveis
karol_ribeiro
 
aula 2 farmacologia – Farmacocinética.ppt
aula 2 farmacologia – Farmacocinética.pptaula 2 farmacologia – Farmacocinética.ppt
aula 2 farmacologia – Farmacocinética.ppt
AnaLuizaMenezes8
 
2._NOÇÕES_DE_FARMACOLOGIA.ppt
2._NOÇÕES_DE_FARMACOLOGIA.ppt2._NOÇÕES_DE_FARMACOLOGIA.ppt
2._NOÇÕES_DE_FARMACOLOGIA.ppt
CassianoOliveira8
 
farmacotcnica-130319204605-phpapp02.pdf
farmacotcnica-130319204605-phpapp02.pdffarmacotcnica-130319204605-phpapp02.pdf
farmacotcnica-130319204605-phpapp02.pdf
BrbaraSoares52
 
slide-farmacologia.pptx
slide-farmacologia.pptxslide-farmacologia.pptx
slide-farmacologia.pptx
Fernando Naize
 
Introdução a Farmacologia.pptx
Introdução a Farmacologia.pptxIntrodução a Farmacologia.pptx
Introdução a Farmacologia.pptx
GustavoWallaceAlvesd
 
As formas farmacêuticas e sua influência na absorção dos nutracêuticos final
As formas farmacêuticas e sua influência na absorção dos nutracêuticos finalAs formas farmacêuticas e sua influência na absorção dos nutracêuticos final
As formas farmacêuticas e sua influência na absorção dos nutracêuticos final
Kali Nardino
 
Aula farmacologis
Aula farmacologisAula farmacologis
Aula farmacologis
Andrea Pecce Bento
 
Aula 1 logos
Aula 1   logos Aula 1   logos
Aula 1 logos
Andrea Pecce Bento
 
MÓDULO IV - FARMACOTÉCNICA E COSMETOLOGIA.pptx
MÓDULO IV - FARMACOTÉCNICA E COSMETOLOGIA.pptxMÓDULO IV - FARMACOTÉCNICA E COSMETOLOGIA.pptx
MÓDULO IV - FARMACOTÉCNICA E COSMETOLOGIA.pptx
EdevaniaLeite1
 
introduoafarmacologia-221102180142-bc7d9420.pptx
introduoafarmacologia-221102180142-bc7d9420.pptxintroduoafarmacologia-221102180142-bc7d9420.pptx
introduoafarmacologia-221102180142-bc7d9420.pptx
BruceCosta5
 

Semelhante a Formas farmacêuticas (20)

Formas Farmacêuticas.pptx
Formas Farmacêuticas.pptxFormas Farmacêuticas.pptx
Formas Farmacêuticas.pptx
 
Introducao farmacotecnica-i
Introducao farmacotecnica-iIntroducao farmacotecnica-i
Introducao farmacotecnica-i
 
Aula 1 - Formas farmacêuticas Conceitos.pptx
Aula 1 - Formas farmacêuticas Conceitos.pptxAula 1 - Formas farmacêuticas Conceitos.pptx
Aula 1 - Formas farmacêuticas Conceitos.pptx
 
PES 2.0 Dispensação de Medicamentos e Formas Farmacêuticas
PES 2.0 Dispensação de Medicamentos e Formas FarmacêuticasPES 2.0 Dispensação de Medicamentos e Formas Farmacêuticas
PES 2.0 Dispensação de Medicamentos e Formas Farmacêuticas
 
AULA 03- FORMAS FARMACEUTICAS.pptx
AULA 03- FORMAS FARMACEUTICAS.pptxAULA 03- FORMAS FARMACEUTICAS.pptx
AULA 03- FORMAS FARMACEUTICAS.pptx
 
FARMACOTÉCNICA.pptx
FARMACOTÉCNICA.pptxFARMACOTÉCNICA.pptx
FARMACOTÉCNICA.pptx
 
AULA DE FARMACOLOGIA.pptx
AULA DE FARMACOLOGIA.pptxAULA DE FARMACOLOGIA.pptx
AULA DE FARMACOLOGIA.pptx
 
Formas de apresentaçao dos medicamentos.pdf
Formas de apresentaçao dos medicamentos.pdfFormas de apresentaçao dos medicamentos.pdf
Formas de apresentaçao dos medicamentos.pdf
 
2572008184802manual medicamentos injetaveis
2572008184802manual medicamentos injetaveis2572008184802manual medicamentos injetaveis
2572008184802manual medicamentos injetaveis
 
2572008184802manual medicamentos injetaveis
2572008184802manual medicamentos injetaveis2572008184802manual medicamentos injetaveis
2572008184802manual medicamentos injetaveis
 
aula 2 farmacologia – Farmacocinética.ppt
aula 2 farmacologia – Farmacocinética.pptaula 2 farmacologia – Farmacocinética.ppt
aula 2 farmacologia – Farmacocinética.ppt
 
2._NOÇÕES_DE_FARMACOLOGIA.ppt
2._NOÇÕES_DE_FARMACOLOGIA.ppt2._NOÇÕES_DE_FARMACOLOGIA.ppt
2._NOÇÕES_DE_FARMACOLOGIA.ppt
 
farmacotcnica-130319204605-phpapp02.pdf
farmacotcnica-130319204605-phpapp02.pdffarmacotcnica-130319204605-phpapp02.pdf
farmacotcnica-130319204605-phpapp02.pdf
 
slide-farmacologia.pptx
slide-farmacologia.pptxslide-farmacologia.pptx
slide-farmacologia.pptx
 
Introdução a Farmacologia.pptx
Introdução a Farmacologia.pptxIntrodução a Farmacologia.pptx
Introdução a Farmacologia.pptx
 
As formas farmacêuticas e sua influência na absorção dos nutracêuticos final
As formas farmacêuticas e sua influência na absorção dos nutracêuticos finalAs formas farmacêuticas e sua influência na absorção dos nutracêuticos final
As formas farmacêuticas e sua influência na absorção dos nutracêuticos final
 
Aula farmacologis
Aula farmacologisAula farmacologis
Aula farmacologis
 
Aula 1 logos
Aula 1   logos Aula 1   logos
Aula 1 logos
 
MÓDULO IV - FARMACOTÉCNICA E COSMETOLOGIA.pptx
MÓDULO IV - FARMACOTÉCNICA E COSMETOLOGIA.pptxMÓDULO IV - FARMACOTÉCNICA E COSMETOLOGIA.pptx
MÓDULO IV - FARMACOTÉCNICA E COSMETOLOGIA.pptx
 
introduoafarmacologia-221102180142-bc7d9420.pptx
introduoafarmacologia-221102180142-bc7d9420.pptxintroduoafarmacologia-221102180142-bc7d9420.pptx
introduoafarmacologia-221102180142-bc7d9420.pptx
 

Formas farmacêuticas

  • 1. FORMAS FARMACÊUTICAS Atendente de Farmácia, Drogarias e Consultório Médico Prof. Cláudio Luís Venturini| Centrus Cursos
  • 2. Forma Farmacêutica Comprimidos, drágeas, cápsulas Xarope, gotas, elixir Pomada, cremes, gel Injetáveis, aerossol, adesivos Pirulitos, gomas, implantes ...
  • 3. Forma Farmacêutica • Os medicamentos não são administrados no seu estado puro ou natural aos pacientes, mas sim como parte de uma formulação, ao lado de uma ou mais substâncias (Adjuvantes (Coadjuvantes), Veículo ou Excipiente) que desempenham várias funções farmacêuticas. • Os adjuvantes farmacêuticos tem por finalidade solubilizar, suspender, espessar, diluir, emulsionar, estabilizar, preservar, colorir e melhorar o sabor da mistura final, a fim de fornecer uma forma farmacêutica agradável e eficiente
  • 4. Forma Farmacêutica • Podem existir várias formas farmacêuticas de um determinado princípio ativo. • Os Motivos são: – Facilitar a administração. – Garantir a precisão da dose. – Proteger a substância durante o percurso pelo organismo. – Garantir a presença no local de ação. – Facilitar a ingestão da substância ativa.
  • 5. Forma Farmacêutica • Influenciam na Escolha: • Vias de Administração • Diferentes locais de aplicação e absorção • Enteral • Parenteral • Velocidade (Tempo) de Ação • Imediata • Retardada • Controlada • Tipos de paciente • Adulto • Infantil
  • 6. Formula Farmacêutica Fórmulas Oficinais • São aquelas cuja fórmula é da autoria do clínico, e que o farmacêutico prepara seguindo essas prescrições. Fórmulas Magistrais • São aquelas cuja fórmula e técnica se encontram inscritas e descritas na Farmacopéia ou em Formulários. Fórmulas Especializadas (Especialidades Farmacêuticas) • São aquelas que se encontram já preparadas e embaladas (especialidade farmacêutica), e que se apresentam sob um nome de fantasia ou sob uma denominação (comum ou científica) da substância ativa que entra na sua
  • 7. Forma Farmacêutica COMPONENTES Substância ativa: Veículo ou Excipiente: Base Torna possível a forma farmacêutica Adjuvante Terapêutico Adjuvantes Técnicos: Estabilizantes Edulcorantes Corantes
  • 8. Formula Farmacêutica Componentes PRINCÍPIO ATIVO • Substância Ativa • representa o componente da formulação responsável pelas ações farmacológicas. No caso de haver mais de uma substância ativa, teremos: • Base: – É a substância ativa com maior atividade farmacológica, quer pela sua potência, quer pelo seu volume. • Adjuvante (Coadjuvante) Terapêutico: – Outra (s) Substância (s) Ativa (s) que complementam a ação da base. – Tem por função auxiliar o princípio ativo • Sinergismo – Ação de uma droga na promoção ou no aumento da efetividade de uma outra droga.
  • 9. Formula Farmacêutica Componentes ADJUVANTE TÉCNICO • Substâncias que suas propriedades visam estabilizar, conservar, espessar o meio e favorecer a dissolução • Visa também corrigir o produto final em suas propriedades organolépticas (CORRETIVO) – Edulcorantes: • Conferem sabor doce à preparação. – Aromatizantes e Flavorizantes • conferem sabor agradável à preparação. – Corantes: • Conferem cor as formas farmacêuticas
  • 10. Formula Farmacêutica Componentes VEÍCULO OU EXCIPIENTE • Todo componente de uma formulação que serve para dissolver, suspender ou misturar-se homogeneamente com outros ingredientes para facilitar sua administração ou tornar possível sua confecção. • VEÍCULO: • Diz respeito a parte líquida da formulação na qual estão dissolvidos os demais componentes • EXCIPIENTE: • Ingrediente inerte, SÓLIDO, que misturado ao princípio ativo, servem para dar volume e peso ao medicamento.
  • 11. Forma Farmacêutica Classificação QUANTO A FORMA FÍSICA • Sólidas – Cápsulas, Comprimidos (orais e vaginais), Drágeas, Hóstias, Implantes, Óvulos, Papéis, Pérolas, Pílulas, Pós, Supositórios. • Pastosas – Cataplasma, Cremes, Pastas, Pomadas, Unguentos • Líquidas – Suspensões, Emulsões, Xaropes, Enemas, Óleos medicinais, Alcoolatos, Alcoolaturas, Colutório, Linimentos, Poções, Tinturas. • Gasosas – inalantes. • Especiais – São aquelas formas farmacêuticas que, ou podem se apresentar em mais do que uma forma física, ou se
  • 12. FORMAS FARMACÊUTICAS SÓLIDAS Atendente de Farmácia, Drogarias e Consultório Médico Prof. Cláudio Luís Venturini| Centrus Cursos
  • 13. FORMAS FARMACÊUTICAS Forma Farmacêutica Classificação SÓLIDAS • Comprimidos – Formas farmacêuticas sólidas contendo princípios ativos normalmente preparados com auxilio de adjuvantes farmacêuticos adequados (excipientes) – Formas farmacêuticas obtidas por compressão da mistura de pós, contendo fármaco e adjuvante. – Os comprimidos podem variar em tamanho, forma, peso, dureza, espessura, características de desintegração e em outros aspectos, dependendo do uso a que se destinam e do método de fabricação – A maioria dos comprimidos é administrada pela via oral, também são destinados à administração
  • 14. Forma Farmacêutica SÓLIDA COMPRIMIDOS • Vantagens – Elegância na apresentação, fácil uso, portáveis (aparência, forma, cor) – Podem apresentar vincos e gravações – Dosagem correta e alto grau de precisão – Maior estabilidade em relação as outras formas – Maior facilidade em administrar fármacos insolúveis em água – Menor sensação de sabores e odores desagradáveis – Permitem utilizar revestimentos externos – Permite o controle na liberação do fármaco – Resistente a choques e abrasão • Desvantagens – Menor absorção comparados as soluções – Podem provocar irritação na mucosa gástrica – Favorece a formação de complexos com os alimentos
  • 15. Forma Farmacêutica SÓLIDA COMPRIMIDOS - USOS Orais/bucais interno Injetáveis (hipodérmicos) Ex.hormônios, insulina Direto externo Vaginais Terapêutico Efervescentes interno Injetáveis extemporâneos Indireto externo Dissolução extemporânea Ex. KMnO4
  • 16. Forma Farmacêutica SÓLIDA COMPRIMIDOS - TIPOS • Comprimidos não revestidos : – Possuem camada única, ou múltiplas camadas dispostas concentricamente ou paralelamente. Os primeiros resultam de uma única compressão e os segundos de compressões sucessivas efetuadas com partículas de diferentes composições. • DRÁGEAS - Comprimidos revestidos e drágeas: – São recobertos por uma ou mais camadas constituídas por misturas de substâncias diversas, como resinas naturais ou sintéticas, gomas, açúcares, plastificantes, ceras, matérias corantes e, por vezes, aromatizantes. As substâncias utilizadas para o revestimento são geralmente aplicadas sob a forma de solução ou de suspensão em condições que favoreçam a evaporação do veículo. • Revestimento Gastro-solúvel
  • 17. Forma Farmacêutica SÓLIDA COMPRIMIDOS - TIPOS • Comprimidos de liberação Controlada ou modificada: – São formas farmacêuticas que não liberam imediatamente todo o fármaco, fazendo-o de forma gradual e contínua em diferentes tempos e locais. • Dexedrine Spansule®, fabricado pela Smith Kline & French – são formulados para uma liberação lenta e gradual, controlando a velocidade de absorção durante um determinado período de tempo – São preparados com adjuvantes especiais ou por processos particulares, ou recorrendo aos dois meios, simultaneamente, de modo a mundificar-lhes a velocidade ou o local de liberação do ou dos princípios ativos – Siglas nos Medicamentos
  • 19. Forma Farmacêutica COMPRIMIDOS LIBERAÇÃO SÓLIDA CONTROLADA • Tipos: – Liberação Sustentada • manter constante a concentração plasmática do fármaco por um período, geralmente, de 8 a 12 horas, intervalo de tempo maior que a forma convencional – Liberação Retardada (Revestimento entérico) • As formas de liberação retardada prolongam o período de latência, ou seja, o intervalo de tempo entre a administração e a detecção do fármaco na corrente sanguínea – (1) proteger a mucosa gástrica da ação irritante do fármaco; – (2) proteger o fármaco da destruição pelo suco gástrico; – (3) proteger fármacos melhor absorvidos em regiões definidas do intestino – Liberação repetida • Possibilitam a manutenção do efeito terapêutico por um maior período de tempo em relação a forma convencional, substituindo uma nova administração do fármaco . • ocorre a liberação de uma dose individual logo após a sua administração, que se apresenta na camada mais externa do comprimido, e uma segunda ou terceira doses liberadas de 4 a 6 horas após a ingestão – Liberação Prolongada
  • 20. Forma Farmacêutica SÓLIDA FORMAS FARMACÊUTICAS SÓLIDAS ORAIS DE LIBERAÇÃO PROLONGADA
  • 21. Forma Farmacêutica SÓLIDA FORMAS FARMACÊUTICAS SÓLIDAS ORAIS DE LIBERAÇÃO PROLONGADA
  • 22. Forma Farmacêutica SÓLIDA COMPRIMIDOS - TIPOS • Comprimido Tamponado: – Comprimido revestido por uma película protetora de hidróxido de alumínio ou hidróxido de magnésio, permitindo a utilização deste medicamento por pessoas que sofram de gastrite ou úlcera. • Comprimidos Efervescentes: – Comprimido não revestido em cuja composição existe geralmente um ácido e um carbonato ou bicarbonato capaz de reagir rapidamente em presença de água libertando gás carbônico. Destina-se a ser dissolvido ou disperso em água antes da administração • Comprimidos Mastigável e Sublingual: – Na maioria das vezes não são revestidos. – A sua forma é estabelecida de tal modo que vai permitir a liberação lenta e uma ação local ou libertação e absorção por via sublingual ou pelas paredes da cavidade bucal. – Desintegram suavemente na boca com ou sem mastigação, sendo preparados por granulação úmida e compressão, utilizando-se graus mínimos de dureza. • Comprimido Vaginal:
  • 23. FORMAS FARMACÊUTICAS Forma Farmacêutica Classificação SÓLIDAS • Cápsulas – São preparações de consistência sólida, constituídas por um invólucro duro ou mole, de forma e capacidade variáveis, que contêm uma quantidade de princípio ativo que normalmente se usa de uma só vez. – Tem forma cilíndrica ou ovóide e é formado por duas partes que se encaixam, que devem ser soldadas e, se destinam a conter substâncias medicinais sólidas, pastosas ou líquidas. – Geralmente o invólucro é feito de gelatina (cápsula dura) ou de gelatina adicionada de emolientes como glicerina e sorbitol (cápsula mole ou elástica), este pode ainda ser opaco ou transparente e corado ou incolor – As cápsulas gelatinosas podem ser administradas por vias diferentes da bucal preparando -se cápsulas para aplicação retal, nasal e vaginal – Vantagens • administração de substâncias nauseosas ou de sabor desagradável • libertam, rapidamente os medicamentos depois da ingestão • mais fácil deglutição do que os comprimidos • Possibilidade de desenvolvimento de Liberação Controlada – Desvantagens
  • 24. Forma Farmacêutica SÓLIDA CÁPSULAS • Cápsulas Duras – São constituídas por duas partes cilíndricas, arredondadas nos extremos, apresentando diâmetros e comprimentos diferentes. A parte mais comprida serve para adicionar as substâncias medicamentosas, e a outra atua como uma espécie de tampa na qual se encaixa a primeira. O ajustamento das duas metades consegue-se por simples ação mecânica, podendo proceder-se à colagem das duas porções, mediante o emprego de soluções de gelatina ou goma arábica. – As cápsulas gelatinosas duras são consideradas, atualmente, uma das melhores formas para acondicionar substâncias medicamentosas, pois protegem contra a ação da luz, do ar e da umidade, além disso, são facilmente administradas; possibilitam em alguns casos a associação de substâncias normalmente incompatíveis; impedem que se notam o sabor e o odor desagradável dos fármacos; preparadas facilmente e com grande precisão de dosagem (+ ou –
  • 25. Forma Farmacêutica SÓLIDA CÁPSULAS • Cápsulas Moles – O invólucro é mais espesso que o das cápsulas duras. É constituído por uma só parte que pode apresentar variadas formas. – Geralmente os invólucros são formados, cheios e fechados durante um único ciclo de fabricação e na sua composição pode, às vezes, figurar uma substância ativa. – Líquidos podem ser incluídos diretamente, sólidos são normalmente dissolvidos ou dispersos em excipientes apropriados para obter uma solução ou dispersão de consistência pastosa. • Cápsulas gastro-resistentes: – Podem ser duras ou moles. – São preparadas com um invólucro que resiste à ação do suco gástrico, sendo de queratina, quitina ou glúten. – São múltiplas as razões de preparo: • O princípio ativo não deve ser digerido nem degradado no estômago • A substância medicamentosa é irritante para a mucosa gástrica • O Fármaco produz náuseas ou vômitos se atuar no estômago • A substância medicamentosa só deve produzir o seu efeito máximo no duodeno ou no jejuno.
  • 26. FORMAS FARMACÊUTICAS Forma Farmacêutica Classificação SÓLIDAS • Pílulas – São preparações farmacêuticas pequenas de consistência firme, sensivelmente esférica, e que se destinam a serem deglutidas sem mastigar. – Seu peso varia entre 0,1 e 0,5g. – Podem ser Gastro-solúvel ou Gastro-resistente – Vantagens: • Mascaram o cheiro e sabor desagradável • Pequeno volume e fácil administração • Resistentes às alterações pela luz, umidade e ar • Podem ser revestidas para proteção dos agentes medicinais, para promover desagregação no suco entérico • Produção relativamente fácil – A especialidade médica que mais a utiliza é a ginecologia. – São administradas por via oral.
  • 27. FORMAS FARMACÊUTICAS Forma Farmacêutica Classificação SÓLIDAS • Grânulos – São constituídos por substâncias medicamentosas associadas a açúcar e/ou adjuvantes, cujo conjunto tem aspecto homogêneo. – São preparados umedecendo-se o pó ou mistura de pós desejada, e passando a massa umedecida por uma tela para que produza os grânulos no tamanho desejado. – Podem ser revestidos ou efervescentes. – vantagens : • Os grãos constituintes não aderem entre si • Mais agradáveis de ingerir que os pós • A posologia é facilmente mantida • Podem ser envolvidos com revestimentos protetores, ao contrário dos
  • 28. FORMAS FARMACÊUTICAS Forma Farmacêutica Classificação SÓLIDAS • Pós – Mistura de fármacos e/ou substâncias químicas finamente divididas e na forma seca. – Obtidos por pulverização de substâncias dessecadas à mais baixa temperatura possível não devendo ultrapassar os 45ºC. – Tipos: • Pós para administração oral: – São geralmente administrados com ou em água ou outro líquido apropriado. Podem também ser deglutidos diretamente. Apresentam- se em embalagens unitárias, quer como preparações multi dose. • Pós-efervescentes: – Apresentam-se como os anteriores, porém contêm em sua formulação substâncias ácidas e carbonatos ou bicarbonatos (básicos) que reagem rapidamente na presença de água liberando dióxido de carbono. • Pó para aplicação local: – São isentos de aglomeráveis palpáveis de partículas. Quando se destinar especificamente a ser aplicado em ferida aberta extensa ou em pele gravemente afetada, a preparação deve
  • 29. Forma Farmacêutica SÓLIDA PÓS • Vantagens: – Possuem efeito farmacológico mais rápido e regular – Possui maior absorção gastro-intestinal – Diminui o risco de irritações (Uso tópico) – Facilidade de deglutição (-) • Desvantagens: – Pronunciado Sabor e Odor – Decomposição de materiais higroscópicos, deliqüescentes ou aromáticos, – Custos elevados na fabricação de doses uniformes e individuais. • Podem ser administrados por via tópica, oral e parenteral.
  • 30. FORMAS FARMACÊUTICAS Forma Farmacêutica Classificação SÓLIDAS • Supositórios – São formas farmacêuticas destinadas à inserção em orifícios corporais nos quais, amolecem, se dissolvem e exercem efeitos sistêmicos ou localizados. – São preparações farmacêuticas sólidas com formato adequado para introdução no reto, devendo fundir à temperatura do organismo ou dispersar em meio aquoso. – A via de administração é retal – Usos: • Efeito Local – Anti-hemorroidais, Laxativos, fármacos adstringente, desinfetantes, anestésicos, anti-inflamatório. • Efeito Sistêmico
  • 31. Forma Farmacêutica SÓLIDA SUPOSITÓRIOS • Usos: – Substituem as preparações que se administram por via gastrointestinal • fármacos irritantes, nauseosos, com cheiro e sabor desagradável – Há diversos princípios ativos que são melhor absorvidos por via retal do que por via oral • Sais de cálcio, vitamina D, meticilina. – Substituem medicações parenterais, hipodérmicas e intramusculares • Quando os fármacos determinam reações locais ou quando influenciam no metabolismo muscular. – Substituem a administração endovenosa quando esta for arriscada, ou o doente não tolerar injeções. • Desvantagem: – Desconforto terapêutico • As especialidades médicas que mais utilizam os supositórios são a pediatria e a geriatria.
  • 32. FORMAS FARMACÊUTICAS Forma Farmacêutica Classificação SÓLIDAS • Óvulos – São preparações farmacêuticas sólidas, como formato adequado, para a aplicação vaginal; devendo dispersar ou fundir à temperatura do organismo. – São preparações de forma ovóide com consistência sólida, destinadas à serem introduzidos na vagina. – São obtidos por incorporação de princípios medicamentosos em excipientes hidrodispersíveis, como a glicerina gelatinada, e menos vezes em excipientes lipofílicos. – Via de administração: Vaginal. – Usos: • Efeito Local – Fármacos Adstringentes e Anti-infecciosos – Desvantagens: • Pode ocorrer irritação na mucosa vaginal • Pode ocorrer absorção de substâncias que deveriam agir apenas no local de aplicação e o mesmo passa a agir sistematicamente
  • 33. FORMAS FARMACÊUTICAS Forma Farmacêutica Classificação SÓLIDAS • Pastilhas – São preparações farmacêuticas sólidas, de formato variados, contendo substâncias aromatizantes, destinadas a dissolverem lentamente na cavidade oral sendo de uso local ou sistêmicos. – São formas sólidas destinadas a se dissolverem lentamente na boca, constituída por grande quantidade de açúcar e mucilagens associadas a princípios medicamentosos. – Sãos as formas farmacêuticas sólidas de maior aceitação pelo paciente – Tipos: • Pastilhas Duras – Sacaróleos sólidos, é o tipo mais comum – Pastilha de açúcar cozido para chupar, de consistência sólida. – Destinada a se dissolver na cavidade bucal, compreendendo pelo menos um princípio ativo, caracterizada em que ela compreende, por outro lado, pelo menos um agente matricial permitindo retardar a liberação do ou dos princípios ativos que permanece, então, em contato prolongado com a esfera bucofaríngea, o tempo de dissolução na cavidade bucal sendo de, pelo menos, 15 minutos. • Pastilhas Gomosa
  • 34. FORMAS FARMACÊUTICAS SEMI-SÓLIDAS Atendente de Farmácia, Drogarias e Consultório Médico Prof. Cláudio Luís Venturini| Centrus Cursos
  • 35. Forma Farmacêutica FORMAS FARMACÊUTICAS Classificação SEMI-SÓLIDAS • Pomadas – São preparações de consistência semi-sólidas, de aspecto homogêneo, destinadas a serem aplicadas na pele ou em certas mucosas, com a finalidade de exercerem uma ação local ou de promoverem a penetração percutânea dos princípios medicamentosos. – Tem ação emoliente ou protetora. – As pomadas mantêm-se fixas no local de aplicação, devido a sua adesividade, são agentes hidratantes muito eficazes e possibilitam a máxima ação terapêutica do fármaco incorporado, se adaptam as cavidades mucosas e a superfície da pele. – As pomadas obturam poros originando a diminuição da transpiração, favorecendo os edemas.
  • 36. Forma Farmacêutica SEMI-SÓLIDA POMADAS • Tipos: – Pomadas propriamente ditas: • São constituídas por um excipiente de fase única no qual podem ser dispersas as substâncias líquidas ou sólidas. • O veículo é constituído por excipientes lipofílicos, sendo uma pomada gordurosa. – Pomadas hidrófobas: • Absorvem pequenas quantidades de água. • Os excipientes mais vulgarmente utilizados são a vaselina, parafina, óleos vegetais ou gorduras animais. – Pomadas absorventes de água: • Absorvem quantidades apreciáveis de água. • Os excipientes são os de uma pomada hidrófoba nos quais são incorporados emulsionantes do tipo água – óleo, tais como a lanolina, álcoois de lanolina, ésteres de sorbitano, monoglicerídeos e álcoois gordos – Pomadas hidrófilas:
  • 37. Forma Farmacêutica SEMI-SÓLIDA POMADAS • Usos: – A principal via de administração é a Tópica. – As especialidades médicas que mais as utilizam é a dermatologia, oftalmologia. – Pomadas de aplicação vaginal: • São pomadas mais ácidas, devido ao fato de o pH vaginal ser bem menor, nos casos normais, que o pH cutâneo. – Pomadas oftálmicas: • São preparações semi-sólidas, estéreis, destinadas a ser aplicadas nas conjuntivas. • Contêm uma ou várias substâncias medicamentosas dissolvidas ou dispersas em excipiente apropriado, isentos de propriedades irritantes para as conjuntivas.
  • 38. Forma Farmacêutica FORMAS FARMACÊUTICAS Classificação SEMI-SÓLIDAS • Pomada Cremosa ou Cremes – São emulsões semi-sólidas contendo substância medicamentosa, dissolvida ou suspensa na fase aquosa ou oleosa. A maioria dos cremes são emulsões de óleo em água, embora se preparem numerosos cremes de água em óleo. – Na preparação de um creme (Água/Óleo ou Óleo/Água) a escolha do emulgente é extremamente importante, pois o equilíbrio hidrófilo - lipófilo é uma propriedade aditiva, podendo eleger dois ou mais emulsivos de sinal contrário, desde que a mistura proporcione o EHL adequado a emulsão água/óleo ou óleo/água. – Os cremes óleo/água de emulgente de ânion ativo, apresentam geralmente elevado poder de penetração na pele; tem propriedades umectantes que lhes permitem atravessar a barreira lipídica cutânea que emulsionam. Já os de emulgentes tensoativos não iônicos possuem uma penetração mais difícil e fraca poder umectante. – Os cremes óleo/água são de fácil remoção da pele e da roupa por simples lavagem, miscibilidade com exsudatos cutâneos.
  • 39. Forma Farmacêutica SEMI-SÓLIDA CREMES • A desvantagem é que possuem efeitos mais lentos e intensos que as pomadas. • Administração Tópica. • As especialidades médicas que mais utiliza os Cremes são a Dermatologia e Ginecologia.
  • 40. Forma Farmacêutica FORMAS FARMACÊUTICAS Classificação SEMI-SÓLIDAS • Pomada Geleia ou Gel – Os géis são definidos como sistemas semi-sólidos composto por dispersões de pequenas partículas inorgânicas ou de grandes moléculas orgânicas, encerradas por um líquido. – Os géis nos quais as macromoléculas se distribuem por todo o líquido, de tal maneira que não há ligações aparentes entre elas e o líquido, são conhecidos como géis monofásicos. – Os géis são considerados dispersões coloidais porque contêm partículas de dimensão coloidal. • Tipos: – Géis hidrófobos (óleo gel): • São aqueles cujos excipientes são constituídos habitualmente por parafina líquida adicionada de compostos polietilênicos, por óleos gordos gelificados pelo óxido de silício coloidal ou por sabões de alumínio ou de zinco. – Géis hidrófilos (hidrogel):
  • 41. Forma Farmacêutica SEMI-SÓLIDA GEL • Administração Tópica. • A especialidade médica que mais utiliza os Géis é a Dermatologia.
  • 42. Forma Farmacêutica FORMAS FARMACÊUTICAS Classificação SEMI-SÓLIDAS • Pomada pastosa ou Pasta – São preparações de aplicação cutânea que contém apreciável quantidade de substâncias pulverulentas. – Pomada espessa devido a grande quantidade de pós finamente dispersos no ou nos excipientes. – A presença de elevadas concentrações de pós, torna as pastas completamente diferentes das pomadas propriamente ditas, pois apresentam um ligeiro efeito secante, absorvendo os exsudados cutâneos, o que se deve à adsorção ou à capilaridade, não causando congestão dos tecidos, como sucede com as pomadas.
  • 43. Forma Farmacêutica SEMI-SÓLIDA PASTAS • As pastas são utilizadas para ações estritamente epidérmicas, já que o poder de penetração dos fármacos que transportam é diminuto, são especialmente empregadas como veículo de fármacos anti-sépticos e adstringentes. • Podem também ser administradas em superfícies úmidas ou molhadas. • De acordo com os excipientes utilizados em sua preparação, as pastas podem ser divididas em dois grupos principais: – Pastas preparadas com excipientes hidrófilos:
  • 44. Forma Farmacêutica SEMI-SÓLIDA PASTAS • Vantagens: – Podem ser aplicadas tanto em superfícies úmidas quanto molhadas, já que apresentam poder de absorver secreções, atuam como descongestionante, e apresentam ação refrescante, pois há evaporação dos constituintes líquidos da pasta. • Desvantagem: – Menor atividade terapêutica, se comparada com as pomadas. • Administração Tópica. • A especialidade médica que mais utiliza as
  • 45. Forma Farmacêutica FORMAS FARMACÊUTICAS Classificação SEMI-SÓLIDAS • Cataplasmas – São formas farmacêuticas constituídas por massas moles e úmidas de matérias sólidas, podendo veicular substâncias medicamentosas. – Podem apresentar diversos efeitos quando aplicadas sobre a superfície cutânea, como por exemplo: • Ações emolientes e anti-séptica. – É geralmente um medicamento magistral, de uso exclusivamente externo. – A vantagem da cataplasma é que ele apresenta capacidade absorvente.
  • 46. Forma Farmacêutica FORMAS FARMACÊUTICAS Classificação SEMI-SÓLIDAS • Pomada Resinosa ou Unguento – São pomadas mais resistentes que contém, além da base, uma resina. – São utilizados quando se pretende um maior tempo de atuação e um efeito de proteção nas superfícies externas sem elasticidade. – A vantagem é que o unguento sofre menos alterações que as pomadas, além de conferir uma consistência maior. – Administração Tópica. – A especialidade médica que mais a utiliza é a dermatologia.
  • 47. Forma Farmacêutica FORMAS FARMACÊUTICAS Classificação SEMI-SÓLIDAS • Emplastros – Forma farmacêutica semi-sólida para aplicação externa. Consiste de uma base adesiva contendo um ou mais princípios ativos distribuídos em uma camada uniforme num suporte apropriado feito de material sintético ou natural. Destinado a manter o princípio ativo em contato com a pele, atuando como protetor ou como agente queratolítico. – Formas farmacêuticas de consistência firme que amolecem quando em contato com a superfície cutânea. Então, originam uma massa plástica e adesiva que pode apresentar tão somente uma ação protetora como também uma função terapêutica. – Emprega-se com fim de proteção ou como excipiente de princípios ativos que podem desempenhar suas funções na pele.
  • 48. Forma Farmacêutica SEMI-SÓLIDA EMPLASTROS • Tipos: – Emplastros epidérmico: • Ação protetora ou anti-séptica (emplastros adesivos, de mostarda); – Emplastros endodérmicos: • Provocam um efeito sedativo, estimulante, adstringente (emplastros de beladona, de chumbo, de ceras); – Emplastros diadérmicos: • Ação sistemática. – Quanto à forma de apresentação dos emplastros, divide- se em dois grupos: • Emplastros propriamente ditos: os que se apresentam em cilindros podendo a massa adesivo estar ligada a materiais elásticos; • Esparadrapo: preparações constituídas por tecidos espessos de algodão, pelica, recobertos numa das faces por um material plástico.
  • 49. FORMAS FARMACÊUTICAS LÍQUIDAS Atendente de Farmácia, Drogarias e Consultório Médico Prof. Cláudio Luís Venturini| Centrus Cursos
  • 50. FORMAS FARMACÊUTICAS Forma Farmacêutica Classificação LÍQUIDAS • Suspensões – Forma farmacêutica líquida que contém partículas sólidas dispersas em um veículo líquido, no qual as partículas não são solúveis. – As suspensões são preparações geralmente líquidas, constituídas de um ou vários princípios sólidos sob a forma de finas partículas em meio dispersante. – As suspensões são muito utilizadas por via oral e também suspensões para administração parenteral – Apresentam-se geralmente prontas para o uso – Aumenta ou prolonga a ação de medicamentos. – Além das suspensões líquidas prontas, existem
  • 51. Forma Farmacêutica LÍQUIDA SUSPENSÕES • Vantagens: – Melhoram a estabilidade de fármacos instáveis na forma de solução mas estáveis na forma de suspensão (sal solúvel x forma livre) (partículas insolúveis: menor contato do fármaco com solvente) (antibióticos); – Mascara sabor e odor desagradável • partículas insolúveis têm menor capacidade de entrar em contato com as papilas gustativas do que o fármaco em solução • Exemplo: cloranfenicol solução é amargo; palmitato de cloranfenicol suspensão é insípido; – Forma farmacêutica líquida de fácil deglutição e
  • 52. Forma Farmacêutica LÍQUIDA SUSPENSÕES • Vantagens (continuação): – Permite ajuste de dose pelo volume a ser administrado (relação dose x peso corporal); – Possibilidade de injeções intramusculares para liberação lenta e ação prolongada • metilprednisolona suspensão injetável - ação por 14 dias; – Possibilidade de adição de edulcorantes, flavorizantes e corantes que melhoram a palatabilidade e os aspectos visuais das suspensões. • Desvantagens: – Sistema instável • partículas sofrem sedimentação (força da gravidade),
  • 53. Forma Farmacêutica LÍQUIDA SUSPENSÕES • Tipos: – SUSPENSÕES ORAIS(Enteral) • Os fármacos devem sofrer dissolução nos fluídos no trato gastrintestinal formando soluções que são absorvidas no intestino. • É uma forma de apresentação que deixada em repouso deixa visível partículas misturadas no líquido ou depositadas no fundo do frasco. • Antes da administração, o frasco com a suspensão deve ser bem agitado para que as partículas se misturem com o líquido. • A suspensão pode vir pronta da fábrica ou pode trazer apenas o frasco com o pó e instruções para a sua preparação (Extemporâneas) – Medicamentos dispensados na forma de pó seco que devem ser reconstituídos com água e agitados antes do uso. – Indicação: » fármacos instáveis em solução e suspensão, estáveis na forma de pó. – Vantagens: » mantém a estabilidade do fármaco até o momento do uso.
  • 54. Forma Farmacêutica LÍQUIDA SUSPENSÕES • Suspensões extemporâneas – Uso oral: • 2 frascos, um contendo o pó seco e o outro o veículo (água). • Acrescentar o veículo no volume correto e agitar antes do uso. • Exemplos Comerciais: Amoxil® (amoxacilina), Keflex® (cefalexina), Omnipen® (ampicilina) – Injetável: • Frasco contendo pós seco para resuspensão e ampola com água estéril para injeção. • Esterilização do pó pode ser feita por radiação ionizante. • Exemplos: Penicilina V + Procaína, Bezetacil®
  • 55. Forma Farmacêutica LÍQUIDA SUSPENSÕES • Tipos: – Suspensões Injetáveis(Parenteral) • Estéreis com partículas entre 1-10μm. • Veículos: água (fármacos lipofílicos) e óleo vegetal (fármacos hidrossolúveis) • Vantagens: partículas do fármaco têm dissolução lenta e ação prolongada, • Desvantagem: injeção dolorida (depósito). • A suspensão pode vir pronta da fábrica ou pode trazer o frasco com o pó, diluente e instruções para a sua preparação. • Antes da administração, o frasco com a suspensão deve
  • 56. Forma Farmacêutica LÍQUIDA SUSPENSÕES • Tipos (continuação) – Suspensões Tópicas • suspensão aplicada na superfície da pele. • Partículas com tamanho entre 1-10μm (pequenas) para evita sensação de aspereza • Ação sobre a pele: – Protetora (formação de filme protetor sobre a pele), – Secante (partículas podem absorver secreções cutâneos), – Medicamentosa (anestésico local). – Suspensões Oftálmicas • Estéreis, partículas com tamanho entre 1-10μm (pequenas) evita-se a sensação de areia nos olhos.
  • 57. FORMAS FARMACÊUTICAS Forma Farmacêutica Classificação LÍQUIDAS • Soluções – São misturas homogêneas de duas ou mais substâncias, resultando em um produto final com uma única fase, de aspecto límpido. • Solvente Maior quantidade • Soluto Menor quantidade – Contém uma ou mais substâncias ativas dissolvidas em água ou em um sistema água-co-solvente. Podem conter adjuvantes farmacotécnicos para prover maior estabilidade (antioxidantes, conservantes) e ou palatabilidade (edulcorantes, flavorizantes ).
  • 58. Forma Farmacêutica LÍQUIDA SOLUÇÕES • Vantagens: – Rapidez de absorção no trato gastrointestinal (em relação às cápsulas e comprimidos); – Facilidade de deglutição (adequado para idosos e crianças ); – Homogeneidade na dose (melhor que suspensão independe de agitação); – Flexibilidade de doses. • Desvantagens: – Dificuldade de acondicionamento e transporte; – Apresentam menor estabilidade físico-química e microbiológica, do que as formas sólidas; – A solubilização realça o sabor do fármaco, para princípios ativos com sabor desagradável;
  • 59. FORMAS FARMACÊUTICAS Forma Farmacêutica Classificação LÍQUIDAS • Sacaróleos Líquidos - Xarope – São preparações farmacêuticas aquosas e límpidas que contêm um açúcar, como a sacarose em concentrações próxima da saturação, formando uma solução hipertônica. – Forma farmacêutica líquida resultante da mistura de água e açúcar, podendo conter também flavorizantes/aromatizantes(morango, framboesa). – Preparação aquosa contendo açúcares que lhe dá uma consistência própria, assegura a sua conservação e mascara as características organolépticas desagradáveis de eventuais princípios ativos nelas contido. – Pode-se distinguir dois grandes grupos de xaropes:
  • 60. Forma Farmacêutica LÍQUIDA XAROPE • Vantagens – Possibilidade de correção de sabor (efeito edulcorante ) – Boa conservação (formulação auto-preservante ) • Desvantagens – Restrição de uso em diabéticos
  • 61. FORMAS FARMACÊUTICAS Forma Farmacêutica Classificação LÍQUIDAS • Elixir – São soluções alcóolicas medicamentosas edulcoradas com sacarina ou glicóis. – Apresentam-se claras, edulcoradas e flavorizadas. – Vantagens: • Adequado para fármacos insolúveis em água, mas solúveis em misturas hidroalcoólicas. – Desvantagens • Menos doce e menos viscoso que os xaropes. • Menos efetivo no mascaramento do sabor. • Alta graduação alcóolica varia de 15 a 50%.
  • 62. FORMAS FARMACÊUTICAS Forma Farmacêutica Classificação LÍQUIDAS • Edulito – São formas farmacêutica para uso oral edulcorada isenta de sacarose, podendo ser soluções ou dispersões farmacêuticas; – Também conhecido como “Xarope sem Açúcar ou Xarope para Diabéticos”. – São utilizados para substituir xarope clássico na forma de veículo; – Sua formulação é composta de veículos aquosos , ou a base de sorbitol 70 e até mesmo mistura de glicerina e água; – Pode ser encontrado também na forma de
  • 63. FORMAS FARMACÊUTICAS Forma Farmacêutica Classificação LÍQUIDAS • Solução para Administração Oral: – Forma farmacêutica líquida límpida e homogênea, que contém um ou mais princípios ativos dissolvidos em um solvente adequado ou numa mistura de solventes miscíveis. – São misturas homogêneas de duas ou mais substâncias, resultando em um produto final com uma única fase. – Vantagens: • Rapidez de absorção no trato gastrointestinal • Facilidade de deglutição
  • 64. Forma Farmacêutica SOLUÇÃO PARA ADMINISTRAÇÃO LÍQUIDA ORAL • Desvantagens: – Dificuldade de acondicionamento e transporte; – Apresentam menor estabilidade físico-química e microbiológica, do que as formas sólidas; – A solubilização realça o sabor do fármaco, para princípios ativos com sabor desagradável; – Difícil acesso ao sistema de medida de volume uniforme. • Apresentação: – Grandes volumes • Frascos de Vidro ou Plástico • Flaconetes – Pequenos volumes • Frasco conta-gotas
  • 65. Forma Farmacêutica LÍQUIDA MEDIDAS UTILIZADAS PARA DOSEAR MEDICAMENTOS LÍQUIDOS DE USO ORAL • A medida geralmente acompanha a embalagem do produto – Copo-Medida - Colher-de-Chá - Seringa Dosadora • Observe bem as marcas existentes nessas medidas. Os Laboratórios Farmacêuticos utilizam copos-medidas, colheres e seringas dosadoras com diferentes capacidades (5 mL, 10 mL ou outra capacidade). • As duas principais medidas dosadoras utilizadas para administração de medicamentos são o copo-medida (geralmente de 10 mL) e a colher-de-chá (5 mL), ambas tem marcas de subdivisões. – ALERTA SOBRE SERINGA DOSEADORA: deve-se tomar cuidado com as seringas doseadoras que muitas vezes vêm acompanhadas de uma tampinha no bico. Essa tampinha, por medida de segurança, não deveria existir e deve ser descartada de imediato; se deixada ao alcance das crianças, ou se for inadvertidamente recolocada no bico da seringa, antes da administração da dose, pode ser espirrada para a garganta da criança e ser aspirada para a via respiratória causando sufocamento – Após a administração de medicamentos líquidos deve-se ingerir um copo de água. • Compreenda o significado de algumas medidas mais utilizadas para dosagem de medicamentos: – COLHER-DE-CAFÉ: significa uma medida igual a 2 mL (dois mililitros). – COLHER-DE-CHÁ: significa uma medida igual a 5 mL (cinco mililitros).
  • 66. FORMAS FARMACÊUTICAS Forma Farmacêutica Classificação LÍQUIDAS • Soluções Oftálmicas – COLIRIOS – Formas farmacêuticas líquidas isotônica com pH de 7,4 e estéreis – Acondicionados em frasco conta-gotas • Volume de 1 gota é suficiente para cobrir o olho – Produção de lágrimas dificulta a absorção do princípio ativo. – Se tiver que aplicar mais de 1 colírio dar um intervalo de 5 min entre os colírios. – Para uso nos Olhos e Pálpebras
  • 67. Forma Farmacêutica LÍQUIDA COLÍRIOS
  • 68. FORMAS FARMACÊUTICAS Forma Farmacêutica Classificação LÍQUIDAS • Soluções otológicas – Formas farmacêuticas líquidas isotônica com pH de 5 a 7,8 e viscosas – Acondicionados em frasco conta-gotas – Administração no Ouvido externo • Usos: - Remoção do cerúmen, Infecções, Inflamações - Frasco deve ser previamente aquecido entre as mãos - Após instilação, deve-se permitir que as gotas penetrem profundamente, segurando o lóbulo da orelha para cima e para trás.
  • 69. FORMAS FARMACÊUTICAS Forma Farmacêutica Classificação LÍQUIDAS • Soluções nasais - Errinos – Forma farmacêutica líquida, isotônica, estéreis com pH variando de 6,4 a 9,0 a destinadas à administração nasal de fármacos para ação local ou sistêmica. – pH ideal é entre pH 5 a 7 • pH maior que 7 favorece o crescimento bacteriano – As soluções nasais são destinadas ao tratamento de doenças do nariz ou das vias respiratórias. – Seu emprego deve se limitar aos casos de absoluta necessidade, pois seu uso abusivo e prolongado pode eliminar os benefícios de sua utilização. – As posologias prescritas (adulto, crianças) devem ser rigorosamente respeitadas. – As gotas nasais devem ser pingadas na cavidade
  • 70. FORMAS FARMACÊUTICAS Forma Farmacêutica Classificação LÍQUIDAS • Soluções Injetáveis – As soluções injetáveis são destinadas a ser administradas pela via parenteral (injeções). – São utilizadas quando se quer uma resposta rápida, quando a substância ativa é inativada por outra via de administração ou quando o medicamento causa repugnância ao paciente. – Sua utilização requer cuidados de higiene e assepsia rigorosa para evitar problemas de contaminação do produto e infecções graves ao paciente. – Por esta razão devem ser administradas ao paciente por um profissional habilitado
  • 71. FORMAS FARMACÊUTICAS Forma Farmacêutica Classificação LÍQUIDAS • Emulsões – Emulsões são sistemas heterogêneos, de aspecto leitoso, constituído por um líquido imiscível intimamente disperso num outro líquido sob a forma de gotículas por ação de um agente tensoativo (Agente Emulsivo). – Vantagens: • Destinadas tanto ao uso interno como ao uso externo; • Possibilidade de mistura de substância imiscíveis; • Mascaramento de odor e sabor; • Influência na biodisponibilidade de fármacos.
  • 72. Forma Farmacêutica LÍQUIDA EMULSÕES • Vantagens: – Formas farmacêuticas líquidas de fácil deglutição indicadas para pacientes com dificuldade de engolir cápsulas e comprimidos; – Fármacos lipossolúveis administrados em veículo aquoso; – Administração conjunta de fármacos lipofílicos e hidrofílicos; – Mascara sabor e odor desagradável de ativos • fármaco na fase interna não tem contato com as papilas gustativas, há possibilidade de adição de flavorizante e adoçantes na Fase Externa para mascarar possível sabor e odor desagradável; – Proteção de fármacos (oxidação), – Emulsões têm gotículas com grande área superficial de exposição melhorando a absorção de fármacos na pele e mucosa: NANO>MICRO>EMULSÕES.
  • 73. FORMAS FARMACÊUTICAS Forma Farmacêutica Classificação LÍQUIDAS • Colutórios – forma farmacêutica líquida viscosa que se destina à aplicação tópica sobre as gengivas e partes internas da boca , deve apresentar, além de estabilidade adequada, sabor agradável. – Formas farmacêuticas viscosas que visam o tratamento da gengiva e parte interna da boca. – Veículos principais • Glicerina , Propilenoglicol, Xarope – Exemplos: • Colubiazol®, Flogoral®, hexamedine® e preparações com própolis e mel – A forma de apresentação:
  • 74. FORMAS FARMACÊUTICAS Forma Farmacêutica Classificação LÍQUIDAS • Soluções Cavitárias – Enemas ou Clisteres: • Usos: – Laxativa: Glicerina; Antiinflamatória: indometacina; Sedativa: Cloral hidratado; Adstringente: Tanino; – Duchas: Vaginais, nasais, uretrais, oculares e faríngeas.
  • 75. FORMAS FARMACÊUTICAS ESPECIAIS/DIFER ENCIADAS Atendente de Farmácia, Drogarias e Consultório Médico Prof. Cláudio Luís Venturini| Centrus Cursos
  • 76. FORMAS FARMACÊUTICAS ESPECIAIS • Denominam-se Formas Farmacêuticas Especiais aquelas que, ou não se podem facilmente inserir num determinado grupo, ou que tem inserção em mais de um grupo.
  • 77. FORMAS FARMACÊUTICAS ESPECIAIS • Aerossóis – É uma suspensão de partículas líquidas ou sólidas de tamanho tão pequeno que flutuam temporariamente no ar ou noutros gases. • Embora existam aerossóis em estado natural, no campo médico são obtidos através da nebulização de medicamentos líquidos. – Um aparelho nebulizador serve para transformar uma preparação líquida em aerossol. – Nebulizar significa "transformar um líquido em aerossol". – O aparelho nebulizador é composto por uma câmara de reserva onde se introduz o líquido a nebulizar, uma câmara de nebulização onde se gera o aerossol e uma fonte de energia utilizada para esse fim. – Os aerossóis fazem a nebulização de substâncias ativas sobre a pele ou mucosas acessíveis externamente (trato respiratório) – Um aerossol compreende a dispersão de agentes farmacêuticos ativos em um gás dentro de um cilindro ou recipiente pressurizado. – Se caracterizam por constituírem um “nevoeiro não molhante”
  • 78. FORMAS FARMACÊUTICAS ESPECIAIS • Sprays – São semelhantes aos aerossóis, mas o diâmetro da partícula é maior (0,5 micrômetro), podem ser considerados “nevoeiros molhantes
  • 79. FORMAS FARMACÊUTICAS ESPECIAIS • Ampolas – Recipiente fechado hermeticamente, destinado ao armazenamento de líquidos estéreis para uso por via parenteral e cujo conteúdo é utilizado em dose única. – Fraco-ampola: Recipiente normalmente de formato tubular, para o acondicionamento de medicamentos administrados por via parenteral, lacrado com material flexível que deve ser perfurado para a administração do medicamento – São tubos de vidro ou plástico, colorido ou incolor, ou pequenos frascos seladas, podem conter líquido ou pó. • Servem para facilitar a esterilização e conservação do seu conteúdo; • O pó normalmente é utilizado na preparação extemporânea de soluções ou suspensões injetáveis. • O conteúdo poder ser aplicado via parenteral, oral ou tópico
  • 80. FORMAS FARMACÊUTICAS ESPECIAIS • Adesivos Transdérmico: – Sistema destinado a produzir um efeito sistêmico pela difusão do(s) princípio(s) ativo(s) numa velocidade constante, por um período de tempo prolongado. • Filme: – Forma farmacêutica sólida que consiste de uma película fina e alongada, contendo uma dose única de um ou mais princípios ativos, com ou sem excipientes. • Implantes: – Forma farmacêutica sólida estéril contendo um ou mais princípios ativos e de tamanho e formato adequados para ser inserido em um tecido do corpo, a fim de liberar o(s) princípio(s) ativo(s) por um período prolongado de
  • 81. FORMAS FARMACÊUTICAS ESPECIAIS • Sabonete: – forma farmacêutica sólida com forma variável dependendo do molde de obtenção, derivada da ação de uma solução de álcali em gorduras ou óleos de origem animal ou vegetal. Destinado à aplicação na superfície cutânea.
  • 82. FORMAS FARMACÊUTICAS DIFERENCIADAS • O tipo de paciente tem estimulado a indústria farmacêutica a diferenciar suas formas farmacêuticas e tornar seus medicamentos mais "agradáveis" ao uso. • As farmácia de manipulação também produzem formas diferentes de administração. • As formas farmacêuticas diferenciadas facilita a adesão ao tratamento. • As farmácias de manipulação de Houston (Texas) aviam medicamentos em formas farmacêuticas que vão do pirulito, passando pelo sorvete, balas, chiclets, formulações transdérmicas e outros, onde
  • 83. FORMAS FARMACÊUTICAS DIFERENCIADAS • Pirulitos medicamentosos – O fato de dissolver lentamente na boca, torna a escolha certa para fármacos que precisam ficar mais tempo em contato com a mucosa, como por exemplo antifúgico para tratar candidíase oral (nistatina) e o fluoreto de sódio, na prevenção de cárie oral. – Devido a aparência e sabor agradável, se torna uma alternativa eficiente para uso pediátrico. – Nos Estados Unidos, o primeiro medicamento industrializado lançado como pirulito foi o Dimetapp. – A forma farmacêutica bala possui vários diferenciais, como a bala de Echinacea e Zinco, utilizada como preventivos de resfriados com a
  • 84. FORMAS FARMACÊUTICAS DIFERENCIADAS • Gomas e jujubas – Forma farmacêutica a base de gelatina e glicerina, sendo utilizada para a administração de medicamentos. – Devido a aparência e o sabor agradável aumenta a adesão ao tratamento. – Apresentar uma consistência macia e agradável de mastigar. • Goma de Mascar: – Forma farmacêutica sólida de dose única contendo um ou mais princípios ativos, que consiste de material plástico insolúvel, doce e saboroso.
  • 85. FORMAS FARMACÊUTICAS DIFERENCIADAS • Chocolates terapêuticos – É elaborado sem açúcar e sem lactose, sua base contem 54% de cacau. – Cada chocolate pesa cerca de 5 g e é possível incorporar até 2 g de prícipio ativo. – Os chocolates terapêuticos são excelentes veículos de ativos porque mascaram o gosto amargo de alguns remédios, além de possuirem os efeitos benéficos do cacau. – Além de tudo saciam o desejo por doces, principalmente para chocólatras.
  • 86. FORMAS FARMACÊUTICAS DIFERENCIADAS • Gel transdérmico – Microemulsão que facilita a permeabilidade do fármaco no local de ação, tais como antinflamatórios, antieméticos, analgésicos, entre outros. – Além disso, pequenas doses são necessárias em comparação ao medicamento via oral. – E como o fármaco não passa pelo trato gastrointestinal, diminui os efeitos adversos gástricos, facilitando o tratamento de uso prolongado