SlideShare uma empresa Scribd logo
1Meio Ambiente: Histórico e Conferências
Interferência humana nos
Ecossistemas.
Desde que os mais distantes antepassados do homo sapiens atual
surgiram na Terra, há mais de 1 milhão de anos, eles vêm
transformando a natureza. No início, essa transformação causava
impacto ambiental irrelevante, seja pelo fato de haver uma pequena
população vivendo no planeta, seja por não dispor de técnicas que
lhe permitisse fazer grandes transformações no espaço geográfico.
Nessa época, sua ação sobre o meio ambiente restringia-se à
interferência em algumas cadeias alimentares, ao caçar animais e
colher vegetais para o seu consumo. Com o passar do tempo,
alguns humanos descobriram como cultivar alimentos e domesticar
animais. Eles se fixaram em determinados lugares, tornando-se
sedentários.
O homem pré-histórico vivia em constante harmonia com a
natureza.
Com a revolução agrícola, há aproximadamente 10.000 a.C., o
impacto sobre a natureza começou a aumentar gradativamente,
devido à derrubada de parte das florestas para permitir a prática da
agricultura e da pecuária. Além disso, a derrubada de matas
proporcionava madeira para a construção de abrigos mais
confortáveis e a obtenção de lenha. A partir de então, alguns
impactos sobre o meio ambiente já começaram a se fazer notar:
extinção de espécies animais e vegetais; erosão do solo, resultante
de práticas agrícolas impróprias; poluição do ar, em alguns lugares,
pela queima de florestas e da lenha; poluição do solo e da água, em
pontos localizados, por excesso de matéria orgânica.
2Meio Ambiente: Histórico e Conferências
Revolução agrícola - provocou grandes mudanças na relação
homem-natureza
Outro importante resultado da revolução agrícola e de
sedentarização do ser humano foi o surgimento das primeiras
cidades, há mais ou menos 4.500 anos. Nessa época, os impactos
sobre o meio ambiente aumentaram gradativamente, mas sem
nenhuma implicação além da escala local.
Ao longo de séculos, os avanços técnicos foram muito lentos,
assim como o crescimento populacional. Os impactos sobre o meio
ambiente eram sempre locais. As técnicas agrícolas e
manufatureiras e o padrão de consumo de energia permaneceram
praticamente os mesmos desde a Antiguidade até o início dos
tempos modernos.
O surgimento das cidades provocam o aparecimento de problemas
ambientais locais.
Desde o surgimento do homem, a população mundial demorou
milhares de anos para atingir os 170 milhões de habitantes, no
início da era cristã. Depois, precisou de "apenas" 1700 anos para
quadruplicar, atingindo os 700 milhões às vésperas da Revolução
Industrial. A partir daí, passou a crescer num ritmo acelerado,
atingindo quase 1,2 bilhão de pessoas por volta de 1850. Cem anos
depois, em 1950, esse número já tinha dobrado novamente,
atingindo aproximadamente 2,5 bilhões de seres humanos. Desde
então o crescimento foi espantoso. Em 1970, já éramos mais de 3,5
bilhões e, em 1990, mais de 5 bilhões, dobrando em menos de
cinquenta anos. Em 2000, ultrapasou os 6 bilhões, podendo chegar,
em 2050, próximo dos 10 bilhões de habitantes.
Os números são impressionantes e levaram muitas pessoas a
concluir que o crescente aumento dos impactos ambientais na
época contemporânea era resultado apenas do acelerado
3Meio Ambiente: Histórico e Conferências
crescimento demográfico. Além do crescimento demográfico,
ocorreram avanços técnicos inimagináveis, que aumentaram cada
vez mais a capacidade de transformação da natureza.
Assim, o limiar entre o homem submisso à natureza e o que a
controla é marcado pela Revolução Industrial, nos séculos XVIII e
XIX. Nunca até então o ser humano tinha reunido tamanha
capacidade de transformação da natureza. Os impactos ambientais
passaram a crescer em ritmo acelerado, provocando desequilíbrios
em escala regional e global.
Encontros e Protocolos Ambientais
ESTOCOLMO – 72
Os impactos ambientais são decorrentes de modelos de
desenvolvimento que encaram a natureza e seus complexos e
frágeis ecossistemas apenas como inesgotáveis fontes de energia e
de matérias-primas, além de receptáculo dos dejetos produzidos
pelas cidades, indústrias e atividades agrícolas. Todos esses
impactos foram provocados porque a natureza era vista apenas
como fonte de lucros.
A humanidade tanto progrediu em termos tecnológicos que passou
a ver a natureza como algo separado dela mesma. Já nos séculos
XVIII e XIX, os impactos ambientais provocados pela crescente
industrialização eram muito grandes. Entretanto, ainda eram
localizados e atingiam bastante os trabalhadores, as camadas mais
pobre da população. Os proprietários das fábricas moravam
distantes das regiões fabris e tinham como se refugiar das diversas
formas de poluição. Com o passar do tempo, devido à crescente
expansão do processo de industrialização e urbanização, os
impactos ambientais foram aumentando até que, no pós-Segunda
4Meio Ambiente: Histórico e Conferências
Guerra Mundial (1939-1945), passaram a ter consequências
globais.
Para debater tais problemas, foi realizada, de 5 a 16 de junho de
1972, a Conferência das Nações Unidas sobre o Homem e o Meio
Ambiente, em Estocolmo (Suécia). Nesse encontro, foram
rediscutidas as polêmicas sobre o antagonismo entre
desenvolvimento e meio ambiente apresentadas em 1971 pelo
Clube de Roma.
A política do "crescimento zero" propunha o controle da natalidade
e o congelamento do crescimento econômico como única solução
para evitar que os aumento dos impactos ambientais levasse a uma
tragédia ecológica mundial. Essa era uma péssima solução para os
países em desenvolvimento, os que mais necessitavam de
crescimento econômico para promover as melhorias da qualidade
de vida da população.
Importante:
 Uma decisão importante desse encontro foram a criação do
Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma)
e a instituição do dia 5 de junho, data do seu início, como Dia
Internacional do Meio Ambiente.
 Desenvolvimento Sustentável, aquele que atende às
necessidades do presente sem comprometer a possibilidade
de as gerações futuras atenderem suas próprias
necessidades. Já as sociedades sustentáveis estariam
baseadas em igualdade econômica, justiça social,
preservação da diversidade cultural, da autodeterminação
dos povos e da integridade ecológica. Isso obrigaria pessoas
e países a mudanças, não apenas econômicas, mas sociais,
morais e éticas.
RIO-92
5Meio Ambiente: Histórico e Conferências
A Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e
Desenvolvimento, também conhecida com Cúpula da Terra, Rio-
92 ou Eco-92, foi realizada em 1992 no Rio de Janeiro e reuniu
representantes de 178 países, além de milhares de membros de
organizações não governamentais (ONGs), numa conferência
paralela. Esse encontro, que na fase preparatória teve como
subsídio o Relatório Brundtland, definiu uma série de resoluções,
visando alterar o atual modelo consumista de desenvolvimento
para outro, ecologicamente mais sustentável.
O objetivo fundamental era tentar minimizar os impactos
ambientais do planeta, garantindo, assim, o futuro das próximas
gerações. Na busca do desenvolvimento sustentável, foram
elaboradas duas convenções, uma sobre biodiversidade, outra
sobre mudanças climáticas; uma declaração de princípios
relativos às florestas e um plano de ação.
A Convenção sobre Biodiversidade e a Convenção sobre
Mudanças Climáticas têm como agente financiador um
organismo denominado Fundo Global para o Meio Ambiente -
GEF (do inglês, Global Environment Facility). Criado em 1990, o
GEF é dirigido pelo Banco Mundial e recebe apoio técnico e
científico dos Programas das Nações Unidas para o
Desenvolvimento (Pnud) e para o Meio Ambiente (Pnuma).
Protocolo de Kyoto
Esse Protocolo tem como objetivo firmar acordos e discussões
internacionais para conjuntamente estabelecer metas de redução
na emissão de gases-estufa na atmosfera, principalmente por
parte dos países industrializados, além de criar formas de
desenvolvimento de maneira menos impactante àqueles países
em pleno desenvolvimento.
O Protocolo de Kyoto não apenas discute e implanta medidas de
redução de gases, mas também incentiva e estabelece medidas
com intuito de substituir produtos oriundos do petróleo por outros
que provocam menos impacto. Diante das metas estabelecidas,
o maior emissor de gases do mundo, Estados Unidos, desligou-
6Meio Ambiente: Histórico e Conferências
se em 2001 do protocolo, alegando que a redução iria
comprometer o desenvolvimento econômico do país.
Rio + 10
A Rio +10, ou Conferência das Nações Unidas sobre Ambiente e
Desenvolvimento Sustentável, é o segundo encontro do ONU
(Organização das Nações Unidas) a discutir o uso dos recursos
naturais sem ferir o ambiente.
Segundo a organização, cerca de cem chefes de Estado e mais
de 15 mil representantes da sociedade civil e de ONGs
(organizações não-governamentais) devem participar.
O evento, que acontece entre 26 de agosto e 4 de setembro em
Johannesburgo (África do Sul), deve avaliar o progresso feito na
década transcorrida desde a Eco-92 na questão ambiental.
Espera-se que ela produza mecanismos de implementação da
Agenda 21, um volumoso programa de ação global proposto em
1992 no Rio de Janeiro.
Em 1997, durante um sessão especial da Assembléia Geral das
Nações Unidas (chamada de "Rio +5"), percebeu-se que
existiam diversas lacunas nos resultados da Agenda 21.
A assembléia detectou a necessidade de ratificação e
implementação mais eficiente das convenções e acordos
internacionais referentes a ambiente e desenvolvimento. Assim,
em 2000, a Comissão de Desenvolvimento Sustentável da ONU
sugeriu a realização de uma nova cúpula mundial.
Focos
Entre os principais temas a serem tratados, estão a erradicação
da pobreza, a mudança dos padrões de produção, consumo e
manejo de recursos naturais e o desenvolvimento sustentável.
Aqui está a maior crítica feita ao evento: como a Rio +10
pretende cobrir temas amplos, teme-se que o debate perca o
foco e seja diluído.
7Meio Ambiente: Histórico e Conferências
Outra crítica feita é quanto à escolha de Johannesburgo como
sede do encontro. Em um continente devastado pela miséria e
pela Aids, os ambientalistas acreditam que a atenção seja
voltada para a questão africana, jogando-se para escanteio as
discussões sobre o ambiente.
A ausência do presidente George W. Bush também prejudica a
cúpula. Bush mostrou-se menos preocupado com o futuro
ambiental que seu pai, o ex-presidente George Bush, que
chegou a participar - ainda que de forma figurada - da Eco-92.
Bush, filho, já havia indicado sua falta de disposição para o
assunto quando não ratificou o Protocolo de Kyoto - o qual prevê
a redução das emissões de gases causadores do efeito estufa -,
justificando que o acordo prejudicaria a indústria norte-
americana.
http://www1.folha.uol.com.br/folha/especial/2002/riomais10/o_que_e.shtml
Rio + 20
O principal objetivo da Rio+20 foi renovar e reafirmar a
participação dos líderes dos países com relação ao
desenvolvimento sustentável no planeta Terra. Foi, portanto,
uma segunda etapa da Cúpula da Terra (ECO-92) que ocorreu
há 20 anos na cidade do Rio de Janeiro.
Principais temas que foram debatidos:
- Balanço do que foi feito nos últimos 20 anos em relação ao
meio ambiente;
- A importância e os processos da Economia Verde;
- Ações para garantir o desenvolvimento sustentável do planeta;
- Maneiras de eliminar a pobreza;
8Meio Ambiente: Histórico e Conferências
- A governança internacional no campo do desenvolvimento
sustentável.
Infelizmente o resultado da Rio+20 não foi o esperado. Os
impasses, principalmente entre os interesses dos países
desenvolvidos e em desenvolvimento, acabaram por frustrar as
expectativas para o desenvolvimento sustentável do planeta. O
documento final apresenta várias intensões e joga para os
próximos anos a definição de medidas práticas para garantir a
proteção do meio ambiente. Muitos analistas disseram que a
crise econômica mundial, principalmente nos Estados Unidos e
na Europa, prejudicou as negociações e tomadas de decisões
práticas.
Treinamento:
1 - Em junho de 2012, foi realizada na cidade do Rio de Janeiro a
Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento
Sustentável, a Rio+20. O objetivo desse encontro foi a renovação
do compromisso político com o desenvolvimento sustentável, que
apresenta como uma de suas propostas
a) evitar o uso de recursos naturais e de matérias-primas nas
indústrias para não comprometer o meio ambiente.
b) investir em pesquisas sobre alimentos geneticamente
modificados com a finalidade de acabar com a fome no mundo.
c) desenvolver economicamente todas as nações para que estas
possam ter o mesmo padrão de consumo dos Estados Unidos.
d) atender às necessidades da atual geração, sem comprometer a
capacidade das futuras gerações em prover suas próprias
necessidades.
e) incentivar os países desenvolvidos a ampliar o setor
agroindustrial para garantir que não faltem alimentos para os países
subdesenvolvidos.
A base para o desenvolvimento sustentável é utilizar os recursos se
preocupando com as gerações futuras
9Meio Ambiente: Histórico e Conferências
3ª do plural (Engenheiros do Hawaii)
Corrida pra vender cigarro
Cigarro pra vender remédio
Remédio pra curar a tosse
Tossir, cuspir, jogar pra fora
Corrida pra vender os carros
Pneu, cerveja e gasolina
Cabeça pra usar boné
E professar a fé de quem patrocina
Querem te matar a sede, eles querem te
sedar
Eles querem te vender, eles querem te
comprar
(...)
Corrida contra o relógio
Silicone contra a gravidade
Dedo no gatilho, velocidade
Quem mente antes diz a verdade
Satisfação garantida
Obsolescência programada
Eles ganham a corrida antes mesmo da
largada
(...)
letras.terra.com.br
2 - Os diferentes modelos produtivos de cada momento do sistema
capitalista sempre foram o resultado da busca por caminhos para
manter o crescimento da produção e do consumo. A crítica ao
sistema econômico presente na letra da canção está relacionada à
seguinte estratégia própria do atual modelo produtivo toyotista:
a) aceleração do ciclo de renovação dos produtos
b) imposição do tempo de realização das tarefas fabris
c) restrição do crédito rápido para o consumo de mercadorias
d) padronização da produção dos bens industriais de alta tecnologia
O texto deixa claro a política capitalista de incentivo ao constante
consumo
10Meio Ambiente: Histórico e Conferências
3 - A definição de desenvolvimento sustentável mais usualmente
utilizada é a que procura atender às necessidades atuais sem
comprometer a capacidade das gerações futuras. Isso significa
optar pelo consumo de bens produzidos com tecnologia e materiais
menos ofensivos ao meio ambiente, utilização racional dos bens de
consumo, evitando-se o desperdício e o excesso e ainda, após o
consumo, cuidar para que os eventuais resíduos não provoquem
degradação ao meio ambiente. Principalmente: ações no sentido de
rever padrões insustentáveis de consumo e minorar as
desigualdades sociais. O Brasil está em uma posição privilegiada
para enfrentar os enormes desafios que se acumulam. Abriga
elementos fundamentais para o desenvolvimento: parte significativa
da biodiversidade e da água doce existente no planeta; grande
extensão de terras cultiváveis.
De acordo com esta definição, o desenvolvimento sustentável
pressupõe:
a) traçar um novo modelo de desenvolvimento econômico para
nossa sociedade com o uso racional dos recursos naturais
disponíveis e indisponíveis.
b) a redução do consumo das reservas naturais com a consequente
estagnação do desenvolvimento econômico e tecnológico;
c) a preservação do equilíbrio global e do valor das reservas de
capital natural, o que não justifica a desaceleração do
desenvolvimento econômico e político de uma sociedade;
d) a distribuição homogênea das reservas naturais entre as nações
e as regiões em nível global e regional.
e) definir os critérios e instrumentos de avaliação do custo-benefício
e os efeitos socioeconômicos e os valores reais do consumo e da
preservação.
A base para o desenvolvimento sustentável é utilizar os recursos se
preocupando com as gerações futuras
11Meio Ambiente: Histórico e Conferências

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sustentabilidade
SustentabilidadeSustentabilidade
Sustentabilidade
debbyguapa
 
Formação do povo brasileiro
Formação do povo brasileiroFormação do povo brasileiro
Formação do povo brasileiro
feraps
 
2f117998a4f04f501ebef25ce92d28a3
2f117998a4f04f501ebef25ce92d28a32f117998a4f04f501ebef25ce92d28a3
2f117998a4f04f501ebef25ce92d28a3
Nivea Neves
 
Agricultura mundial
Agricultura mundialAgricultura mundial
Agricultura mundial
Thamires Bragança
 
Conteúdo complementar de geografia 2º ano ensino médio
Conteúdo complementar de geografia 2º  ano ensino médioConteúdo complementar de geografia 2º  ano ensino médio
Conteúdo complementar de geografia 2º ano ensino médio
Atividades Diversas Cláudia
 
AVALIAÇÃO DE GEOGRAFIA: 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 - II CICLO - 4º BIMEST...
AVALIAÇÃO DE GEOGRAFIA: 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 - II CICLO - 4º BIMEST...AVALIAÇÃO DE GEOGRAFIA: 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 - II CICLO - 4º BIMEST...
AVALIAÇÃO DE GEOGRAFIA: 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 - II CICLO - 4º BIMEST...
Secretaria de Estado de Educação e Qualidade do Ensino
 
Desenvolvimento Sustentavel
Desenvolvimento SustentavelDesenvolvimento Sustentavel
Desenvolvimento Sustentavel
Rui Raul
 
Atividade sobre o filme viagem ao centro da terra
Atividade sobre o filme viagem ao centro da terraAtividade sobre o filme viagem ao centro da terra
Atividade sobre o filme viagem ao centro da terra
Alex Santos
 
Módulo 1 (7º ano) povos indígenas - saberes e técnicas - prof. silvânio bar...
Módulo 1 (7º ano)   povos indígenas - saberes e técnicas - prof. silvânio bar...Módulo 1 (7º ano)   povos indígenas - saberes e técnicas - prof. silvânio bar...
Módulo 1 (7º ano) povos indígenas - saberes e técnicas - prof. silvânio bar...
Silvânio Barcelos
 
Geo 7º ano mt espaço rural parte 1 2ª etapa 2014 gabarito
Geo 7º ano mt espaço rural parte 1 2ª etapa 2014 gabaritoGeo 7º ano mt espaço rural parte 1 2ª etapa 2014 gabarito
Geo 7º ano mt espaço rural parte 1 2ª etapa 2014 gabarito
CBM
 
ATIVIDADES religiao 6 ano.pdf
ATIVIDADES religiao 6 ano.pdfATIVIDADES religiao 6 ano.pdf
ATIVIDADES religiao 6 ano.pdf
GilmarVasconcelos
 
Atividade de estudo orientado final da segunda etapa - via e-mail - ilmar...
Atividade de estudo orientado   final da segunda etapa -  via e-mail -  ilmar...Atividade de estudo orientado   final da segunda etapa -  via e-mail -  ilmar...
Atividade de estudo orientado final da segunda etapa - via e-mail - ilmar...
Danilo Padrão
 
Conferencias ambientais-e-cops.
Conferencias ambientais-e-cops.Conferencias ambientais-e-cops.
Conferencias ambientais-e-cops.
Jakson Raphael Pereira Barbosa
 
Atividade sobre o filme - Viva - A vida é uma festa.pdf
Atividade sobre o filme - Viva - A vida é uma festa.pdfAtividade sobre o filme - Viva - A vida é uma festa.pdf
Atividade sobre o filme - Viva - A vida é uma festa.pdf
JoseaneFeitosa2
 
Cruzadinha de História (A ocupação humana na América)
Cruzadinha  de História  (A ocupação humana na América)Cruzadinha  de História  (A ocupação humana na América)
Cruzadinha de História (A ocupação humana na América)
Mary Alvarenga
 
Exercícios de geografia paisagem
Exercícios de geografia paisagemExercícios de geografia paisagem
Exercícios de geografia paisagem
Atividades Diversas Cláudia
 
1ª atividade avaliativa de ciencias ingá.docx
1ª atividade avaliativa de ciencias ingá.docx1ª atividade avaliativa de ciencias ingá.docx
1ª atividade avaliativa de ciencias ingá.docx
Maria dos remédios
 
Exercícios mapas e escalas 2
Exercícios mapas e escalas 2Exercícios mapas e escalas 2
Exercícios mapas e escalas 2
Bruno Curcio
 
Aula 1 desenvolvimento sustentável
Aula 1 desenvolvimento sustentávelAula 1 desenvolvimento sustentável
Aula 1 desenvolvimento sustentável
Carlos Priante
 
Paisagem, espaço e lugar
Paisagem, espaço e lugarPaisagem, espaço e lugar
Paisagem, espaço e lugar
André Luiz Marques
 

Mais procurados (20)

Sustentabilidade
SustentabilidadeSustentabilidade
Sustentabilidade
 
Formação do povo brasileiro
Formação do povo brasileiroFormação do povo brasileiro
Formação do povo brasileiro
 
2f117998a4f04f501ebef25ce92d28a3
2f117998a4f04f501ebef25ce92d28a32f117998a4f04f501ebef25ce92d28a3
2f117998a4f04f501ebef25ce92d28a3
 
Agricultura mundial
Agricultura mundialAgricultura mundial
Agricultura mundial
 
Conteúdo complementar de geografia 2º ano ensino médio
Conteúdo complementar de geografia 2º  ano ensino médioConteúdo complementar de geografia 2º  ano ensino médio
Conteúdo complementar de geografia 2º ano ensino médio
 
AVALIAÇÃO DE GEOGRAFIA: 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 - II CICLO - 4º BIMEST...
AVALIAÇÃO DE GEOGRAFIA: 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 - II CICLO - 4º BIMEST...AVALIAÇÃO DE GEOGRAFIA: 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 - II CICLO - 4º BIMEST...
AVALIAÇÃO DE GEOGRAFIA: 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 - II CICLO - 4º BIMEST...
 
Desenvolvimento Sustentavel
Desenvolvimento SustentavelDesenvolvimento Sustentavel
Desenvolvimento Sustentavel
 
Atividade sobre o filme viagem ao centro da terra
Atividade sobre o filme viagem ao centro da terraAtividade sobre o filme viagem ao centro da terra
Atividade sobre o filme viagem ao centro da terra
 
Módulo 1 (7º ano) povos indígenas - saberes e técnicas - prof. silvânio bar...
Módulo 1 (7º ano)   povos indígenas - saberes e técnicas - prof. silvânio bar...Módulo 1 (7º ano)   povos indígenas - saberes e técnicas - prof. silvânio bar...
Módulo 1 (7º ano) povos indígenas - saberes e técnicas - prof. silvânio bar...
 
Geo 7º ano mt espaço rural parte 1 2ª etapa 2014 gabarito
Geo 7º ano mt espaço rural parte 1 2ª etapa 2014 gabaritoGeo 7º ano mt espaço rural parte 1 2ª etapa 2014 gabarito
Geo 7º ano mt espaço rural parte 1 2ª etapa 2014 gabarito
 
ATIVIDADES religiao 6 ano.pdf
ATIVIDADES religiao 6 ano.pdfATIVIDADES religiao 6 ano.pdf
ATIVIDADES religiao 6 ano.pdf
 
Atividade de estudo orientado final da segunda etapa - via e-mail - ilmar...
Atividade de estudo orientado   final da segunda etapa -  via e-mail -  ilmar...Atividade de estudo orientado   final da segunda etapa -  via e-mail -  ilmar...
Atividade de estudo orientado final da segunda etapa - via e-mail - ilmar...
 
Conferencias ambientais-e-cops.
Conferencias ambientais-e-cops.Conferencias ambientais-e-cops.
Conferencias ambientais-e-cops.
 
Atividade sobre o filme - Viva - A vida é uma festa.pdf
Atividade sobre o filme - Viva - A vida é uma festa.pdfAtividade sobre o filme - Viva - A vida é uma festa.pdf
Atividade sobre o filme - Viva - A vida é uma festa.pdf
 
Cruzadinha de História (A ocupação humana na América)
Cruzadinha  de História  (A ocupação humana na América)Cruzadinha  de História  (A ocupação humana na América)
Cruzadinha de História (A ocupação humana na América)
 
Exercícios de geografia paisagem
Exercícios de geografia paisagemExercícios de geografia paisagem
Exercícios de geografia paisagem
 
1ª atividade avaliativa de ciencias ingá.docx
1ª atividade avaliativa de ciencias ingá.docx1ª atividade avaliativa de ciencias ingá.docx
1ª atividade avaliativa de ciencias ingá.docx
 
Exercícios mapas e escalas 2
Exercícios mapas e escalas 2Exercícios mapas e escalas 2
Exercícios mapas e escalas 2
 
Aula 1 desenvolvimento sustentável
Aula 1 desenvolvimento sustentávelAula 1 desenvolvimento sustentável
Aula 1 desenvolvimento sustentável
 
Paisagem, espaço e lugar
Paisagem, espaço e lugarPaisagem, espaço e lugar
Paisagem, espaço e lugar
 

Destaque

Recursos Minerais
Recursos MineraisRecursos Minerais
Recursos Minerais
Rogério Bartilotti
 
Treinamento - Recursos Minerais e Fontes de Energia
Treinamento - Recursos Minerais e Fontes de EnergiaTreinamento - Recursos Minerais e Fontes de Energia
Treinamento - Recursos Minerais e Fontes de Energia
Rogério Bartilotti
 
Treinamento - Meio Ambiente
Treinamento - Meio AmbienteTreinamento - Meio Ambiente
Treinamento - Meio Ambiente
Rogério Bartilotti
 
Porradão do Bartinho
Porradão do BartinhoPorradão do Bartinho
Porradão do Bartinho
Rogério Bartilotti
 
Problemas Atmosféricos e Geopolítica da Água
Problemas Atmosféricos e Geopolítica da ÁguaProblemas Atmosféricos e Geopolítica da Água
Problemas Atmosféricos e Geopolítica da Água
Rogério Bartilotti
 
Migrações internacionais Teoria e Questões
Migrações internacionais Teoria e QuestõesMigrações internacionais Teoria e Questões
Migrações internacionais Teoria e Questões
Rogério Bartilotti
 
Porradão do Bartinho II
Porradão do Bartinho IIPorradão do Bartinho II
Porradão do Bartinho II
Rogério Bartilotti
 
Áreas de Transição - Brasil
Áreas de Transição - BrasilÁreas de Transição - Brasil
Áreas de Transição - Brasil
Rogério Bartilotti
 
Fases do crescimento populacional
Fases do crescimento populacionalFases do crescimento populacional
Fases do crescimento populacional
Rogério Bartilotti
 
Lista - Fatores e Elementos Climáticos
Lista - Fatores e Elementos ClimáticosLista - Fatores e Elementos Climáticos
Lista - Fatores e Elementos Climáticos
Rogério Bartilotti
 
Bacia do São Francisco
Bacia do São FranciscoBacia do São Francisco
Bacia do São Francisco
Rogério Bartilotti
 
Como analisar um climograma
Como analisar um climogramaComo analisar um climograma
Como analisar um climograma
Rogério Bartilotti
 
Bacias Secundárias do Brasil
Bacias Secundárias do BrasilBacias Secundárias do Brasil
Bacias Secundárias do Brasil
Rogério Bartilotti
 
Exercícios - Geologia e Geomorfologia Brasileira
Exercícios - Geologia e Geomorfologia BrasileiraExercícios - Geologia e Geomorfologia Brasileira
Exercícios - Geologia e Geomorfologia Brasileira
Rogério Bartilotti
 
Roteiro básico - Domínio Amazônico
Roteiro básico - Domínio AmazônicoRoteiro básico - Domínio Amazônico
Roteiro básico - Domínio Amazônico
Rogério Bartilotti
 
Classificação do Relevo Brasileiro
Classificação do Relevo BrasileiroClassificação do Relevo Brasileiro
Classificação do Relevo Brasileiro
Rogério Bartilotti
 
Tabela de Eras Geológicas - Brasil
Tabela de Eras Geológicas - BrasilTabela de Eras Geológicas - Brasil
Tabela de Eras Geológicas - Brasil
Rogério Bartilotti
 
Lista de Exercícos - Introdução Brasil
Lista de Exercícos - Introdução BrasilLista de Exercícos - Introdução Brasil
Lista de Exercícos - Introdução Brasil
Rogério Bartilotti
 
Divisão Regional Brasileira
Divisão Regional BrasileiraDivisão Regional Brasileira
Divisão Regional Brasileira
Rogério Bartilotti
 
Lista inicial - Exercícios Recentes
Lista inicial - Exercícios RecentesLista inicial - Exercícios Recentes
Lista inicial - Exercícios Recentes
Rogério Bartilotti
 

Destaque (20)

Recursos Minerais
Recursos MineraisRecursos Minerais
Recursos Minerais
 
Treinamento - Recursos Minerais e Fontes de Energia
Treinamento - Recursos Minerais e Fontes de EnergiaTreinamento - Recursos Minerais e Fontes de Energia
Treinamento - Recursos Minerais e Fontes de Energia
 
Treinamento - Meio Ambiente
Treinamento - Meio AmbienteTreinamento - Meio Ambiente
Treinamento - Meio Ambiente
 
Porradão do Bartinho
Porradão do BartinhoPorradão do Bartinho
Porradão do Bartinho
 
Problemas Atmosféricos e Geopolítica da Água
Problemas Atmosféricos e Geopolítica da ÁguaProblemas Atmosféricos e Geopolítica da Água
Problemas Atmosféricos e Geopolítica da Água
 
Migrações internacionais Teoria e Questões
Migrações internacionais Teoria e QuestõesMigrações internacionais Teoria e Questões
Migrações internacionais Teoria e Questões
 
Porradão do Bartinho II
Porradão do Bartinho IIPorradão do Bartinho II
Porradão do Bartinho II
 
Áreas de Transição - Brasil
Áreas de Transição - BrasilÁreas de Transição - Brasil
Áreas de Transição - Brasil
 
Fases do crescimento populacional
Fases do crescimento populacionalFases do crescimento populacional
Fases do crescimento populacional
 
Lista - Fatores e Elementos Climáticos
Lista - Fatores e Elementos ClimáticosLista - Fatores e Elementos Climáticos
Lista - Fatores e Elementos Climáticos
 
Bacia do São Francisco
Bacia do São FranciscoBacia do São Francisco
Bacia do São Francisco
 
Como analisar um climograma
Como analisar um climogramaComo analisar um climograma
Como analisar um climograma
 
Bacias Secundárias do Brasil
Bacias Secundárias do BrasilBacias Secundárias do Brasil
Bacias Secundárias do Brasil
 
Exercícios - Geologia e Geomorfologia Brasileira
Exercícios - Geologia e Geomorfologia BrasileiraExercícios - Geologia e Geomorfologia Brasileira
Exercícios - Geologia e Geomorfologia Brasileira
 
Roteiro básico - Domínio Amazônico
Roteiro básico - Domínio AmazônicoRoteiro básico - Domínio Amazônico
Roteiro básico - Domínio Amazônico
 
Classificação do Relevo Brasileiro
Classificação do Relevo BrasileiroClassificação do Relevo Brasileiro
Classificação do Relevo Brasileiro
 
Tabela de Eras Geológicas - Brasil
Tabela de Eras Geológicas - BrasilTabela de Eras Geológicas - Brasil
Tabela de Eras Geológicas - Brasil
 
Lista de Exercícos - Introdução Brasil
Lista de Exercícos - Introdução BrasilLista de Exercícos - Introdução Brasil
Lista de Exercícos - Introdução Brasil
 
Divisão Regional Brasileira
Divisão Regional BrasileiraDivisão Regional Brasileira
Divisão Regional Brasileira
 
Lista inicial - Exercícios Recentes
Lista inicial - Exercícios RecentesLista inicial - Exercícios Recentes
Lista inicial - Exercícios Recentes
 

Semelhante a Histórico da interferência humana nos ecossistemas e Conferências sobre o meio ambiente

Desenvolvimento Sustentavel
Desenvolvimento SustentavelDesenvolvimento Sustentavel
Desenvolvimento Sustentavel
Universal.org.mx
 
Meio ambiente e desenvolvimento sustentvel
Meio ambiente e desenvolvimento sustentvelMeio ambiente e desenvolvimento sustentvel
Meio ambiente e desenvolvimento sustentvel
janeibe
 
Meio ambiente e desenvolvimento sustentável conhecimentos gerais - história...
Meio ambiente e desenvolvimento sustentável   conhecimentos gerais - história...Meio ambiente e desenvolvimento sustentável   conhecimentos gerais - história...
Meio ambiente e desenvolvimento sustentável conhecimentos gerais - história...
História Pensante
 
mini seminário 'Em busca da qualidade de vida'
mini seminário 'Em busca da qualidade de vida'mini seminário 'Em busca da qualidade de vida'
mini seminário 'Em busca da qualidade de vida'
Suellen Vitória
 
Meio ambiente e sustentabilidade aula
Meio ambiente e sustentabilidade aulaMeio ambiente e sustentabilidade aula
Meio ambiente e sustentabilidade aula
Alenilson De Sousa Nobre
 
Questão Ambiental
Questão AmbientalQuestão Ambiental
Questão Ambiental
Rogerio Silveira
 
Consciência Ecológica
Consciência Ecológica Consciência Ecológica
Consciência Ecológica
Hellen Freitas
 
Meio ambiente bases hist. capítulo 1 - marília brandão
Meio ambiente bases hist.  capítulo 1 - marília brandãoMeio ambiente bases hist.  capítulo 1 - marília brandão
Meio ambiente bases hist. capítulo 1 - marília brandão
Edmo Filho
 
Café & gestão - gestão ambiental e sustentabilidade
Café & gestão -  gestão ambiental e sustentabilidadeCafé & gestão -  gestão ambiental e sustentabilidade
Café & gestão - gestão ambiental e sustentabilidade
Cra-es Conselho
 
Histórico da Educação Ambiental
Histórico da Educação AmbientalHistórico da Educação Ambiental
Histórico da Educação Ambiental
Jéssica Asencio
 
Declaração de estocolmo - TRAB. ACADÊMICO
Declaração de estocolmo - TRAB. ACADÊMICODeclaração de estocolmo - TRAB. ACADÊMICO
Declaração de estocolmo - TRAB. ACADÊMICO
Larissa Chianca
 
Atualidades p bnb aula 06
Atualidades p bnb   aula 06Atualidades p bnb   aula 06
Atualidades p bnb aula 06
IraniceInacio
 
Problemas ambientais em debate
Problemas ambientais em debateProblemas ambientais em debate
Problemas ambientais em debate
Rodolpho Nunes
 
Desenvolvimento sustentavel rgtsd
Desenvolvimento sustentavel  rgtsdDesenvolvimento sustentavel  rgtsd
Desenvolvimento sustentavel rgtsd
Ilda Bicacro
 
Saúde Ambiental.pptx
Saúde Ambiental.pptxSaúde Ambiental.pptx
Saúde Ambiental.pptx
LucianoSoares624804
 
EDUCAÇÃO AMBIENTAL. NOVO.pptx
EDUCAÇÃO AMBIENTAL. NOVO.pptxEDUCAÇÃO AMBIENTAL. NOVO.pptx
EDUCAÇÃO AMBIENTAL. NOVO.pptx
TeresaSantosSeabra
 
EDUCAÇÃO AMBIENTAL. NOVO.pptx
EDUCAÇÃO AMBIENTAL. NOVO.pptxEDUCAÇÃO AMBIENTAL. NOVO.pptx
EDUCAÇÃO AMBIENTAL. NOVO.pptx
TeresaSantosSeabra
 
EDUCAÇÃO AMBIENTAL. NOVO.pptx
EDUCAÇÃO AMBIENTAL. NOVO.pptxEDUCAÇÃO AMBIENTAL. NOVO.pptx
EDUCAÇÃO AMBIENTAL. NOVO.pptx
isabelkakunga
 
Desenvolvimento sustentavel rgtsd
Desenvolvimento sustentavel  rgtsdDesenvolvimento sustentavel  rgtsd
Desenvolvimento sustentavel rgtsd
Ilda Bicacro
 
evolucao_historica_ambiental.pdf
evolucao_historica_ambiental.pdfevolucao_historica_ambiental.pdf
evolucao_historica_ambiental.pdf
OlgaPortodaSilvaGald
 

Semelhante a Histórico da interferência humana nos ecossistemas e Conferências sobre o meio ambiente (20)

Desenvolvimento Sustentavel
Desenvolvimento SustentavelDesenvolvimento Sustentavel
Desenvolvimento Sustentavel
 
Meio ambiente e desenvolvimento sustentvel
Meio ambiente e desenvolvimento sustentvelMeio ambiente e desenvolvimento sustentvel
Meio ambiente e desenvolvimento sustentvel
 
Meio ambiente e desenvolvimento sustentável conhecimentos gerais - história...
Meio ambiente e desenvolvimento sustentável   conhecimentos gerais - história...Meio ambiente e desenvolvimento sustentável   conhecimentos gerais - história...
Meio ambiente e desenvolvimento sustentável conhecimentos gerais - história...
 
mini seminário 'Em busca da qualidade de vida'
mini seminário 'Em busca da qualidade de vida'mini seminário 'Em busca da qualidade de vida'
mini seminário 'Em busca da qualidade de vida'
 
Meio ambiente e sustentabilidade aula
Meio ambiente e sustentabilidade aulaMeio ambiente e sustentabilidade aula
Meio ambiente e sustentabilidade aula
 
Questão Ambiental
Questão AmbientalQuestão Ambiental
Questão Ambiental
 
Consciência Ecológica
Consciência Ecológica Consciência Ecológica
Consciência Ecológica
 
Meio ambiente bases hist. capítulo 1 - marília brandão
Meio ambiente bases hist.  capítulo 1 - marília brandãoMeio ambiente bases hist.  capítulo 1 - marília brandão
Meio ambiente bases hist. capítulo 1 - marília brandão
 
Café & gestão - gestão ambiental e sustentabilidade
Café & gestão -  gestão ambiental e sustentabilidadeCafé & gestão -  gestão ambiental e sustentabilidade
Café & gestão - gestão ambiental e sustentabilidade
 
Histórico da Educação Ambiental
Histórico da Educação AmbientalHistórico da Educação Ambiental
Histórico da Educação Ambiental
 
Declaração de estocolmo - TRAB. ACADÊMICO
Declaração de estocolmo - TRAB. ACADÊMICODeclaração de estocolmo - TRAB. ACADÊMICO
Declaração de estocolmo - TRAB. ACADÊMICO
 
Atualidades p bnb aula 06
Atualidades p bnb   aula 06Atualidades p bnb   aula 06
Atualidades p bnb aula 06
 
Problemas ambientais em debate
Problemas ambientais em debateProblemas ambientais em debate
Problemas ambientais em debate
 
Desenvolvimento sustentavel rgtsd
Desenvolvimento sustentavel  rgtsdDesenvolvimento sustentavel  rgtsd
Desenvolvimento sustentavel rgtsd
 
Saúde Ambiental.pptx
Saúde Ambiental.pptxSaúde Ambiental.pptx
Saúde Ambiental.pptx
 
EDUCAÇÃO AMBIENTAL. NOVO.pptx
EDUCAÇÃO AMBIENTAL. NOVO.pptxEDUCAÇÃO AMBIENTAL. NOVO.pptx
EDUCAÇÃO AMBIENTAL. NOVO.pptx
 
EDUCAÇÃO AMBIENTAL. NOVO.pptx
EDUCAÇÃO AMBIENTAL. NOVO.pptxEDUCAÇÃO AMBIENTAL. NOVO.pptx
EDUCAÇÃO AMBIENTAL. NOVO.pptx
 
EDUCAÇÃO AMBIENTAL. NOVO.pptx
EDUCAÇÃO AMBIENTAL. NOVO.pptxEDUCAÇÃO AMBIENTAL. NOVO.pptx
EDUCAÇÃO AMBIENTAL. NOVO.pptx
 
Desenvolvimento sustentavel rgtsd
Desenvolvimento sustentavel  rgtsdDesenvolvimento sustentavel  rgtsd
Desenvolvimento sustentavel rgtsd
 
evolucao_historica_ambiental.pdf
evolucao_historica_ambiental.pdfevolucao_historica_ambiental.pdf
evolucao_historica_ambiental.pdf
 

Mais de Rogério Bartilotti

Transportes
TransportesTransportes
Transportes
Rogério Bartilotti
 
Agentes externos e Relevo Brasileiro
Agentes externos e Relevo BrasileiroAgentes externos e Relevo Brasileiro
Agentes externos e Relevo Brasileiro
Rogério Bartilotti
 
Treinamento - Climatologia - parte II
Treinamento - Climatologia - parte IITreinamento - Climatologia - parte II
Treinamento - Climatologia - parte II
Rogério Bartilotti
 
Fatores e elementos do clima parte ii
Fatores e elementos do clima   parte iiFatores e elementos do clima   parte ii
Fatores e elementos do clima parte ii
Rogério Bartilotti
 
Treinamento blocos
Treinamento blocosTreinamento blocos
Treinamento blocos
Rogério Bartilotti
 
Treinamento: Geologia, Geomorfologia e Solos
Treinamento: Geologia, Geomorfologia e SolosTreinamento: Geologia, Geomorfologia e Solos
Treinamento: Geologia, Geomorfologia e Solos
Rogério Bartilotti
 
Pedologia
PedologiaPedologia
Revisao 2 - Aulas de Sexta
Revisao 2 - Aulas de SextaRevisao 2 - Aulas de Sexta
Revisao 2 - Aulas de Sexta
Rogério Bartilotti
 
Da URSS a Rússia
Da URSS a RússiaDa URSS a Rússia
Da URSS a Rússia
Rogério Bartilotti
 
Treinamento: Hidrografia, Pedologia e Prob. Ambientais
Treinamento: Hidrografia, Pedologia e Prob. AmbientaisTreinamento: Hidrografia, Pedologia e Prob. Ambientais
Treinamento: Hidrografia, Pedologia e Prob. Ambientais
Rogério Bartilotti
 
Treinamento Cartografia
Treinamento CartografiaTreinamento Cartografia
Treinamento Cartografia
Rogério Bartilotti
 
Treinamento do Bartinho - Fatores e Elementos do Clima
Treinamento do Bartinho - Fatores e Elementos do ClimaTreinamento do Bartinho - Fatores e Elementos do Clima
Treinamento do Bartinho - Fatores e Elementos do Clima
Rogério Bartilotti
 
Eras Geológicas
Eras GeológicasEras Geológicas
Eras Geológicas
Rogério Bartilotti
 
Ordens Mundiais
Ordens MundiaisOrdens Mundiais
Ordens Mundiais
Rogério Bartilotti
 
Capitalismo
CapitalismoCapitalismo
Capitalismo
Rogério Bartilotti
 
Domínio: Caatinga, Araucária, Pradarias, Transição
Domínio: Caatinga, Araucária, Pradarias, TransiçãoDomínio: Caatinga, Araucária, Pradarias, Transição
Domínio: Caatinga, Araucária, Pradarias, Transição
Rogério Bartilotti
 
Focos de tensão na Áfrcia
Focos de tensão na ÁfrciaFocos de tensão na Áfrcia
Focos de tensão na Áfrcia
Rogério Bartilotti
 
Treinamento: Cerrado, Caatinga e Mares de morro
Treinamento: Cerrado, Caatinga e Mares de morroTreinamento: Cerrado, Caatinga e Mares de morro
Treinamento: Cerrado, Caatinga e Mares de morro
Rogério Bartilotti
 
Comércio Internacional
Comércio InternacionalComércio Internacional
Comércio Internacional
Rogério Bartilotti
 

Mais de Rogério Bartilotti (19)

Transportes
TransportesTransportes
Transportes
 
Agentes externos e Relevo Brasileiro
Agentes externos e Relevo BrasileiroAgentes externos e Relevo Brasileiro
Agentes externos e Relevo Brasileiro
 
Treinamento - Climatologia - parte II
Treinamento - Climatologia - parte IITreinamento - Climatologia - parte II
Treinamento - Climatologia - parte II
 
Fatores e elementos do clima parte ii
Fatores e elementos do clima   parte iiFatores e elementos do clima   parte ii
Fatores e elementos do clima parte ii
 
Treinamento blocos
Treinamento blocosTreinamento blocos
Treinamento blocos
 
Treinamento: Geologia, Geomorfologia e Solos
Treinamento: Geologia, Geomorfologia e SolosTreinamento: Geologia, Geomorfologia e Solos
Treinamento: Geologia, Geomorfologia e Solos
 
Pedologia
PedologiaPedologia
Pedologia
 
Revisao 2 - Aulas de Sexta
Revisao 2 - Aulas de SextaRevisao 2 - Aulas de Sexta
Revisao 2 - Aulas de Sexta
 
Da URSS a Rússia
Da URSS a RússiaDa URSS a Rússia
Da URSS a Rússia
 
Treinamento: Hidrografia, Pedologia e Prob. Ambientais
Treinamento: Hidrografia, Pedologia e Prob. AmbientaisTreinamento: Hidrografia, Pedologia e Prob. Ambientais
Treinamento: Hidrografia, Pedologia e Prob. Ambientais
 
Treinamento Cartografia
Treinamento CartografiaTreinamento Cartografia
Treinamento Cartografia
 
Treinamento do Bartinho - Fatores e Elementos do Clima
Treinamento do Bartinho - Fatores e Elementos do ClimaTreinamento do Bartinho - Fatores e Elementos do Clima
Treinamento do Bartinho - Fatores e Elementos do Clima
 
Eras Geológicas
Eras GeológicasEras Geológicas
Eras Geológicas
 
Ordens Mundiais
Ordens MundiaisOrdens Mundiais
Ordens Mundiais
 
Capitalismo
CapitalismoCapitalismo
Capitalismo
 
Domínio: Caatinga, Araucária, Pradarias, Transição
Domínio: Caatinga, Araucária, Pradarias, TransiçãoDomínio: Caatinga, Araucária, Pradarias, Transição
Domínio: Caatinga, Araucária, Pradarias, Transição
 
Focos de tensão na Áfrcia
Focos de tensão na ÁfrciaFocos de tensão na Áfrcia
Focos de tensão na Áfrcia
 
Treinamento: Cerrado, Caatinga e Mares de morro
Treinamento: Cerrado, Caatinga e Mares de morroTreinamento: Cerrado, Caatinga e Mares de morro
Treinamento: Cerrado, Caatinga e Mares de morro
 
Comércio Internacional
Comércio InternacionalComércio Internacional
Comércio Internacional
 

Último

Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
jonny615148
 
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdfNorma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Pastor Robson Colaço
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
JakiraCosta
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Demetrio Ccesa Rayme
 
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Militao Ricardo
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
GracinhaSantos6
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
vitorreissouzasilva
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
KarollayneRodriguesV1
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Centro Jacques Delors
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
Manuais Formação
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
ConservoConstrues
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 

Último (20)

Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
 
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdfNorma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
 
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 

Histórico da interferência humana nos ecossistemas e Conferências sobre o meio ambiente

  • 1. 1Meio Ambiente: Histórico e Conferências Interferência humana nos Ecossistemas. Desde que os mais distantes antepassados do homo sapiens atual surgiram na Terra, há mais de 1 milhão de anos, eles vêm transformando a natureza. No início, essa transformação causava impacto ambiental irrelevante, seja pelo fato de haver uma pequena população vivendo no planeta, seja por não dispor de técnicas que lhe permitisse fazer grandes transformações no espaço geográfico. Nessa época, sua ação sobre o meio ambiente restringia-se à interferência em algumas cadeias alimentares, ao caçar animais e colher vegetais para o seu consumo. Com o passar do tempo, alguns humanos descobriram como cultivar alimentos e domesticar animais. Eles se fixaram em determinados lugares, tornando-se sedentários. O homem pré-histórico vivia em constante harmonia com a natureza. Com a revolução agrícola, há aproximadamente 10.000 a.C., o impacto sobre a natureza começou a aumentar gradativamente, devido à derrubada de parte das florestas para permitir a prática da agricultura e da pecuária. Além disso, a derrubada de matas proporcionava madeira para a construção de abrigos mais confortáveis e a obtenção de lenha. A partir de então, alguns impactos sobre o meio ambiente já começaram a se fazer notar: extinção de espécies animais e vegetais; erosão do solo, resultante de práticas agrícolas impróprias; poluição do ar, em alguns lugares, pela queima de florestas e da lenha; poluição do solo e da água, em pontos localizados, por excesso de matéria orgânica.
  • 2. 2Meio Ambiente: Histórico e Conferências Revolução agrícola - provocou grandes mudanças na relação homem-natureza Outro importante resultado da revolução agrícola e de sedentarização do ser humano foi o surgimento das primeiras cidades, há mais ou menos 4.500 anos. Nessa época, os impactos sobre o meio ambiente aumentaram gradativamente, mas sem nenhuma implicação além da escala local. Ao longo de séculos, os avanços técnicos foram muito lentos, assim como o crescimento populacional. Os impactos sobre o meio ambiente eram sempre locais. As técnicas agrícolas e manufatureiras e o padrão de consumo de energia permaneceram praticamente os mesmos desde a Antiguidade até o início dos tempos modernos. O surgimento das cidades provocam o aparecimento de problemas ambientais locais. Desde o surgimento do homem, a população mundial demorou milhares de anos para atingir os 170 milhões de habitantes, no início da era cristã. Depois, precisou de "apenas" 1700 anos para quadruplicar, atingindo os 700 milhões às vésperas da Revolução Industrial. A partir daí, passou a crescer num ritmo acelerado, atingindo quase 1,2 bilhão de pessoas por volta de 1850. Cem anos depois, em 1950, esse número já tinha dobrado novamente, atingindo aproximadamente 2,5 bilhões de seres humanos. Desde então o crescimento foi espantoso. Em 1970, já éramos mais de 3,5 bilhões e, em 1990, mais de 5 bilhões, dobrando em menos de cinquenta anos. Em 2000, ultrapasou os 6 bilhões, podendo chegar, em 2050, próximo dos 10 bilhões de habitantes. Os números são impressionantes e levaram muitas pessoas a concluir que o crescente aumento dos impactos ambientais na época contemporânea era resultado apenas do acelerado
  • 3. 3Meio Ambiente: Histórico e Conferências crescimento demográfico. Além do crescimento demográfico, ocorreram avanços técnicos inimagináveis, que aumentaram cada vez mais a capacidade de transformação da natureza. Assim, o limiar entre o homem submisso à natureza e o que a controla é marcado pela Revolução Industrial, nos séculos XVIII e XIX. Nunca até então o ser humano tinha reunido tamanha capacidade de transformação da natureza. Os impactos ambientais passaram a crescer em ritmo acelerado, provocando desequilíbrios em escala regional e global. Encontros e Protocolos Ambientais ESTOCOLMO – 72 Os impactos ambientais são decorrentes de modelos de desenvolvimento que encaram a natureza e seus complexos e frágeis ecossistemas apenas como inesgotáveis fontes de energia e de matérias-primas, além de receptáculo dos dejetos produzidos pelas cidades, indústrias e atividades agrícolas. Todos esses impactos foram provocados porque a natureza era vista apenas como fonte de lucros. A humanidade tanto progrediu em termos tecnológicos que passou a ver a natureza como algo separado dela mesma. Já nos séculos XVIII e XIX, os impactos ambientais provocados pela crescente industrialização eram muito grandes. Entretanto, ainda eram localizados e atingiam bastante os trabalhadores, as camadas mais pobre da população. Os proprietários das fábricas moravam distantes das regiões fabris e tinham como se refugiar das diversas formas de poluição. Com o passar do tempo, devido à crescente expansão do processo de industrialização e urbanização, os impactos ambientais foram aumentando até que, no pós-Segunda
  • 4. 4Meio Ambiente: Histórico e Conferências Guerra Mundial (1939-1945), passaram a ter consequências globais. Para debater tais problemas, foi realizada, de 5 a 16 de junho de 1972, a Conferência das Nações Unidas sobre o Homem e o Meio Ambiente, em Estocolmo (Suécia). Nesse encontro, foram rediscutidas as polêmicas sobre o antagonismo entre desenvolvimento e meio ambiente apresentadas em 1971 pelo Clube de Roma. A política do "crescimento zero" propunha o controle da natalidade e o congelamento do crescimento econômico como única solução para evitar que os aumento dos impactos ambientais levasse a uma tragédia ecológica mundial. Essa era uma péssima solução para os países em desenvolvimento, os que mais necessitavam de crescimento econômico para promover as melhorias da qualidade de vida da população. Importante:  Uma decisão importante desse encontro foram a criação do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma) e a instituição do dia 5 de junho, data do seu início, como Dia Internacional do Meio Ambiente.  Desenvolvimento Sustentável, aquele que atende às necessidades do presente sem comprometer a possibilidade de as gerações futuras atenderem suas próprias necessidades. Já as sociedades sustentáveis estariam baseadas em igualdade econômica, justiça social, preservação da diversidade cultural, da autodeterminação dos povos e da integridade ecológica. Isso obrigaria pessoas e países a mudanças, não apenas econômicas, mas sociais, morais e éticas. RIO-92
  • 5. 5Meio Ambiente: Histórico e Conferências A Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, também conhecida com Cúpula da Terra, Rio- 92 ou Eco-92, foi realizada em 1992 no Rio de Janeiro e reuniu representantes de 178 países, além de milhares de membros de organizações não governamentais (ONGs), numa conferência paralela. Esse encontro, que na fase preparatória teve como subsídio o Relatório Brundtland, definiu uma série de resoluções, visando alterar o atual modelo consumista de desenvolvimento para outro, ecologicamente mais sustentável. O objetivo fundamental era tentar minimizar os impactos ambientais do planeta, garantindo, assim, o futuro das próximas gerações. Na busca do desenvolvimento sustentável, foram elaboradas duas convenções, uma sobre biodiversidade, outra sobre mudanças climáticas; uma declaração de princípios relativos às florestas e um plano de ação. A Convenção sobre Biodiversidade e a Convenção sobre Mudanças Climáticas têm como agente financiador um organismo denominado Fundo Global para o Meio Ambiente - GEF (do inglês, Global Environment Facility). Criado em 1990, o GEF é dirigido pelo Banco Mundial e recebe apoio técnico e científico dos Programas das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud) e para o Meio Ambiente (Pnuma). Protocolo de Kyoto Esse Protocolo tem como objetivo firmar acordos e discussões internacionais para conjuntamente estabelecer metas de redução na emissão de gases-estufa na atmosfera, principalmente por parte dos países industrializados, além de criar formas de desenvolvimento de maneira menos impactante àqueles países em pleno desenvolvimento. O Protocolo de Kyoto não apenas discute e implanta medidas de redução de gases, mas também incentiva e estabelece medidas com intuito de substituir produtos oriundos do petróleo por outros que provocam menos impacto. Diante das metas estabelecidas, o maior emissor de gases do mundo, Estados Unidos, desligou-
  • 6. 6Meio Ambiente: Histórico e Conferências se em 2001 do protocolo, alegando que a redução iria comprometer o desenvolvimento econômico do país. Rio + 10 A Rio +10, ou Conferência das Nações Unidas sobre Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, é o segundo encontro do ONU (Organização das Nações Unidas) a discutir o uso dos recursos naturais sem ferir o ambiente. Segundo a organização, cerca de cem chefes de Estado e mais de 15 mil representantes da sociedade civil e de ONGs (organizações não-governamentais) devem participar. O evento, que acontece entre 26 de agosto e 4 de setembro em Johannesburgo (África do Sul), deve avaliar o progresso feito na década transcorrida desde a Eco-92 na questão ambiental. Espera-se que ela produza mecanismos de implementação da Agenda 21, um volumoso programa de ação global proposto em 1992 no Rio de Janeiro. Em 1997, durante um sessão especial da Assembléia Geral das Nações Unidas (chamada de "Rio +5"), percebeu-se que existiam diversas lacunas nos resultados da Agenda 21. A assembléia detectou a necessidade de ratificação e implementação mais eficiente das convenções e acordos internacionais referentes a ambiente e desenvolvimento. Assim, em 2000, a Comissão de Desenvolvimento Sustentável da ONU sugeriu a realização de uma nova cúpula mundial. Focos Entre os principais temas a serem tratados, estão a erradicação da pobreza, a mudança dos padrões de produção, consumo e manejo de recursos naturais e o desenvolvimento sustentável. Aqui está a maior crítica feita ao evento: como a Rio +10 pretende cobrir temas amplos, teme-se que o debate perca o foco e seja diluído.
  • 7. 7Meio Ambiente: Histórico e Conferências Outra crítica feita é quanto à escolha de Johannesburgo como sede do encontro. Em um continente devastado pela miséria e pela Aids, os ambientalistas acreditam que a atenção seja voltada para a questão africana, jogando-se para escanteio as discussões sobre o ambiente. A ausência do presidente George W. Bush também prejudica a cúpula. Bush mostrou-se menos preocupado com o futuro ambiental que seu pai, o ex-presidente George Bush, que chegou a participar - ainda que de forma figurada - da Eco-92. Bush, filho, já havia indicado sua falta de disposição para o assunto quando não ratificou o Protocolo de Kyoto - o qual prevê a redução das emissões de gases causadores do efeito estufa -, justificando que o acordo prejudicaria a indústria norte- americana. http://www1.folha.uol.com.br/folha/especial/2002/riomais10/o_que_e.shtml Rio + 20 O principal objetivo da Rio+20 foi renovar e reafirmar a participação dos líderes dos países com relação ao desenvolvimento sustentável no planeta Terra. Foi, portanto, uma segunda etapa da Cúpula da Terra (ECO-92) que ocorreu há 20 anos na cidade do Rio de Janeiro. Principais temas que foram debatidos: - Balanço do que foi feito nos últimos 20 anos em relação ao meio ambiente; - A importância e os processos da Economia Verde; - Ações para garantir o desenvolvimento sustentável do planeta; - Maneiras de eliminar a pobreza;
  • 8. 8Meio Ambiente: Histórico e Conferências - A governança internacional no campo do desenvolvimento sustentável. Infelizmente o resultado da Rio+20 não foi o esperado. Os impasses, principalmente entre os interesses dos países desenvolvidos e em desenvolvimento, acabaram por frustrar as expectativas para o desenvolvimento sustentável do planeta. O documento final apresenta várias intensões e joga para os próximos anos a definição de medidas práticas para garantir a proteção do meio ambiente. Muitos analistas disseram que a crise econômica mundial, principalmente nos Estados Unidos e na Europa, prejudicou as negociações e tomadas de decisões práticas. Treinamento: 1 - Em junho de 2012, foi realizada na cidade do Rio de Janeiro a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20. O objetivo desse encontro foi a renovação do compromisso político com o desenvolvimento sustentável, que apresenta como uma de suas propostas a) evitar o uso de recursos naturais e de matérias-primas nas indústrias para não comprometer o meio ambiente. b) investir em pesquisas sobre alimentos geneticamente modificados com a finalidade de acabar com a fome no mundo. c) desenvolver economicamente todas as nações para que estas possam ter o mesmo padrão de consumo dos Estados Unidos. d) atender às necessidades da atual geração, sem comprometer a capacidade das futuras gerações em prover suas próprias necessidades. e) incentivar os países desenvolvidos a ampliar o setor agroindustrial para garantir que não faltem alimentos para os países subdesenvolvidos. A base para o desenvolvimento sustentável é utilizar os recursos se preocupando com as gerações futuras
  • 9. 9Meio Ambiente: Histórico e Conferências 3ª do plural (Engenheiros do Hawaii) Corrida pra vender cigarro Cigarro pra vender remédio Remédio pra curar a tosse Tossir, cuspir, jogar pra fora Corrida pra vender os carros Pneu, cerveja e gasolina Cabeça pra usar boné E professar a fé de quem patrocina Querem te matar a sede, eles querem te sedar Eles querem te vender, eles querem te comprar (...) Corrida contra o relógio Silicone contra a gravidade Dedo no gatilho, velocidade Quem mente antes diz a verdade Satisfação garantida Obsolescência programada Eles ganham a corrida antes mesmo da largada (...) letras.terra.com.br 2 - Os diferentes modelos produtivos de cada momento do sistema capitalista sempre foram o resultado da busca por caminhos para manter o crescimento da produção e do consumo. A crítica ao sistema econômico presente na letra da canção está relacionada à seguinte estratégia própria do atual modelo produtivo toyotista: a) aceleração do ciclo de renovação dos produtos b) imposição do tempo de realização das tarefas fabris c) restrição do crédito rápido para o consumo de mercadorias d) padronização da produção dos bens industriais de alta tecnologia O texto deixa claro a política capitalista de incentivo ao constante consumo
  • 10. 10Meio Ambiente: Histórico e Conferências 3 - A definição de desenvolvimento sustentável mais usualmente utilizada é a que procura atender às necessidades atuais sem comprometer a capacidade das gerações futuras. Isso significa optar pelo consumo de bens produzidos com tecnologia e materiais menos ofensivos ao meio ambiente, utilização racional dos bens de consumo, evitando-se o desperdício e o excesso e ainda, após o consumo, cuidar para que os eventuais resíduos não provoquem degradação ao meio ambiente. Principalmente: ações no sentido de rever padrões insustentáveis de consumo e minorar as desigualdades sociais. O Brasil está em uma posição privilegiada para enfrentar os enormes desafios que se acumulam. Abriga elementos fundamentais para o desenvolvimento: parte significativa da biodiversidade e da água doce existente no planeta; grande extensão de terras cultiváveis. De acordo com esta definição, o desenvolvimento sustentável pressupõe: a) traçar um novo modelo de desenvolvimento econômico para nossa sociedade com o uso racional dos recursos naturais disponíveis e indisponíveis. b) a redução do consumo das reservas naturais com a consequente estagnação do desenvolvimento econômico e tecnológico; c) a preservação do equilíbrio global e do valor das reservas de capital natural, o que não justifica a desaceleração do desenvolvimento econômico e político de uma sociedade; d) a distribuição homogênea das reservas naturais entre as nações e as regiões em nível global e regional. e) definir os critérios e instrumentos de avaliação do custo-benefício e os efeitos socioeconômicos e os valores reais do consumo e da preservação. A base para o desenvolvimento sustentável é utilizar os recursos se preocupando com as gerações futuras
  • 11. 11Meio Ambiente: Histórico e Conferências