SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 87
SAÚDEAMBIENTAL
Prof. LUCIANO
COLÉGIO TIPURA – Bom Despacho-MG
2023
Conceitos de Saúde ambiental.
- Modernidade e crise ambiental;
- Importantes questões ambientais globais;
- Os conceitos de Saúde Ambiental;
- “Política de Saúde Ambiental” (principais apontamentos).
A relação Saúde e Ambiente.
- Saúde e ambiente;
- A exposição humana;
- Fatores que influenciam a saúde ambiental
Questões “práticas” de Saúde Ambiental.
-Situações de saúde ambiental no cotidiano;
-Contaminações ambientais e outros riscos.
APRESENTAÇÃO
Saúde Ambiental
Multidisciplinar = profissionais
Estuda o impacto do ambiente
sobre a saúde das populações.
Executa ações de prevenção e
de controle para reduzir ou
eliminar esse impacto
O ambiente – produzido por processos conduzidos pela
sociedade. A saúde – estado de equilíbrio dinâmico entre o
organismo e o seu ambiente.
Saúde Ambiental – campo de atuação da saúde pública que se ocupa
das formas de vida, das substâncias e das condições em torno do ser
humano, que podem exercer alguma influência sobre a sua saúde e do
bem-estar (OMS).
O Ser humano e a natureza, relações históricas...
O ser humano apresenta grande capacidade de adaptação ao ambiente
natural (deserto, frio, profundezas da floresta amazônica, sob o oceano ou
voando na atmosfera e além dela).
Esta incrível capacidade de adaptação só foi possível porque o ser humano
sempre criou no seu entorno um meio ambiente próprio, diferente do natural e
favorável a si (antropocentrismo).
Assim, o ser humano, para sua sobrevivência, de um modo ou de outro sempre
modificou o ambiente natural sem muitos cuidados.
O ser humano e a natureza...
A espécie humana passou a fazer o que todos os outros animais faziam, só que “melhor”:
- Construiu represas maiores e melhores (castores);
- Tecer fibras vegetais melhor do que os animais;
- Construiu abrigos melhor do que outras espécies;
- Métodos de caça e pesca (predador mais temido).
A intervenção humana sobre o meio ambiente ao longo dos anos foi
multiplicada de uma forma jamais imaginada pelo próprio ser humano,
superando seus limites…
O humano e a natureza: Urbanização
Com a concentração humana: aldeias, vilas e cidades…cresceu a
necessidade de atendimento dessa população, e principalmente aumentou
a ocupação de espaços naturais.
Para suprir tudo isso… “grandes impactos ambientais”.
• As pirâmides, destruindo áreas que detinham o material necessário para a sua construção;
• Cursos d’água foram desviados para atender as necessidades das concentrações
humanas (agricultura);
• Florestas foram destruídas para atender a demanda de madeira para as habitações,
agricultura…
• Urbanização e seu crescimento desorganizado…
A criação do ambiente natural: o processo
de urbanização
Maiores aglomerações humanas = mais destruído o ambiente;
E nesse estágio de crescimento humano = muitas espécies desapareceram
gradativamente em ritmo acelerado (grande problema atual é a perda da
biodiversidade);
Surgem pragas, doenças, grandes
epidemias que assolaram as cidades,
trazidas por animais que passaram a
viver no ambiente humano.
Doenças emergentes (novas)
Doenças reemergentes
Industrialização e o meio ambiente...
No século XVIII, ocorreu outra grande transformação na capacidade produtiva
humana;
A Revolução Industrial, início na Inglaterra e rapidamente se espalhou por
quase todo planeta.
A industrialização trouxe benefícios, mas também um quadro de degradação
contínua do meio ambiente como:
- alta concentração populacional (cidades),
- consumo excessivo de recursos naturais (matérias prima),
- contaminação do ar , da água e do solo.
A exploração industrial do meio ambiente manteve-se durante todo o século XIX
e a maior parte do século XX.
A visão equivocada - recursos naturais eram ilimitados e estavam a disposição
do ser humano - começou a ser questionada e refletida na década de 1970
quando os problemas ambientais se tornaram mais evidentes (saúde da
população)…
Dois grandes marcos para questões ambientais
1- A Conferência de Estocolmo de 1972 (Clube de Roma
1968) = relatório intitulado “Os limites do crescimento”,
trouxe importantes marcos para o desenvolvimento de
uma política mundial de proteção ambiental.
Educação para os
jovens visando um
pensamento
“sustentável”
Debater formas de DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL, um conceito relativamente
novo à época. “O primeiro uso do termo é de 1987, norelatório Brundtland, feito pela ONU.
Esse documento norteou as discussões sobre um modelo de crescimento econômico
menos consumista e mais preocupado com questões ambientais”
2- Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento
(Cúpula da Terra), conhecida como Eco-92 (RJ).
Clima ( Protocolo de Kyoto)
Água
Transportes alternativos (diminuição dos combustíveis fósseis)
Turismo ecológico
Reciclagem
Resumindo a relação humana com o Meio
Ambiente
1º- Reduzidíssima população e baixa interferência humana nos ecossistemas.
2º- Início do crescimento populacional aliado a uma pequena degradação
ambiental (impactos nômades – formação de “novas” moradas).
3°- Evolução do conhecimento e do antropocentrismo. Natureza e humanos num
mesmo nível (técnicas agrícolas – desenvolvimento tecnológico).
4º- Conhecimento sobre os fenômenos naturais e adaptação do meio às
necessidades humanas. Grande degradação ambiental (Revolução Industrial).
5º- Mudança comportamental que vem se apresentando na forma de lidarmos
com as questões ambientais (problemas hoje = modo de vida passado).
Como fazer?
Saúde + Meio Ambiente + Educação
Como resolver esse problema
e ter um crescimento
sustentável?
Querer melhorar.
Educação.
Políticas Públicas efetivas e
eficazes.
Gestão.
Problemas na
atualidade!!!
- Crescimento sem
gestão.
- Desigualdades
socioeconômicas.
- Lugares
insalubres.
- Locais de
preservação
ambiental
- Transportes
“ineficientes”.
- Suprimir a
natureza urbana
- Trânsit
o
urbano.
- Poluição
urbana.
- Enchentes nas
cidades.
- “Lixos”.
- Estruturação das
cidades.
- Alterações
climáticas.
- Doenças hídricas
(cólera,
Lepstospirose...)
Efeito Estufa
A emissão interrupta de CO², metano, CFC e óxidos nítricos nos
níveis atuais aumentarão a temperatura média da superfície do
planeta em 0,3 grau centígrado a cada 10 anos.
- Elevação dos níveis dos oceanos (20 cm e 1 m em 100 anos).
- Descontrole do clima mundial.
- Milhões de pessoas terão que viver como refugiados, deixando a
suas comunidades
Acordo de Paris (COP – 21 de 2015) busca combater o efeito dos
gases no planeta para o aquecimento abaixo de 2 ºC – até 2100.
“Lixo” – Resíduos Sólidos
É um dos problemas que atinge desigualmente os países, porque
desigual são tanto as fontes produtoras de lixo quanto os métodos
de remoção e tratamento.
- Precisa estabelecer e gerir melhores as politicas de reciclagem.
- Lixos radioativos é um dos grandes problemas (10 mil anos).
- Oceanos e mares.
- Solo (aterros sanitários e lixões).
- Água (enchentes)
Política Nacional de Resíduos Sólidos – PNRS
A Lei nº 12.305/10
A Política Nacional de Resíduos Sólidos dispõe sobre os
princípios, objetivos e instrumentos e diretrizes relativas à
gestão integrada e ao gerenciamento de resíduos sólidos,
incluídos os perigosos, às responsabilidades dos geradores e do
poder público e aos instrumentos econômicos aplicáveis,
resolvendo problemas sociais e ambientais.
Prioridade das ações: não geração > redução > reutilização > reciclagem >
tratamento dos resíduos sólidos > disposição final ambientalmente adequada
dos rejeitos.
Responsabilidade Compartilhada: pelo ciclo de vida dos produtos
(fabricantes, importadores, distribuidores, comerciantes, consumidores e
titulares dos serviços públicos de limpeza urbana e de manejo de resíduos
sólidos).
Logística Reversa: instrumento da PNRS caracterizado por um conjunto de
ações, procedimentos e meios destinados a viabilizar a coleta e a restituição
dos resíduos sólidos ao setor empresarial, para reaproveitamento, em seu ciclo
ou em outros ciclos produtivos, ou outra destinação final ambientalmente
adequada (empresas especializadas);
Acordos Setoriais: atos de natureza contratual, firmados entre o Poder
Público e os fabricantes, importadores, distribuidores ou comerciantes, visando
a implantação da responsabilidade compartilhada pelo ciclo de vida do
produto.
Princípios da PNRS
Contaminação Ambiental
Com a globalização, crescimento econômico e industrial outro
problema ocasionado ao meio ambiente é a poluição química e
seus impactos sobre a qualidade da água, ar, solo e alimentos
(toxicologia).
Hoje um dos problemas para a gestão pública é as contaminações
no solo e águas subterrâneas, pois não é “visível” se comparado
com outras poluições.
Perda da Biodiversidade
• Processo acelerado de extensão de espécies (fauna e
flora).
• Desconhecimento do patrimônio genético (milhões de
espécies ainda desconhecidas). Esse processo de
extinção inviabilizam o potencial econômico e
terapêutico de maneira sustentável.
Abelhas = agrotóxicos
O Contexto: A Saúde ambiental
"Parte da Saúde Pública que se ocupa das formas de vida, das
substâncias e das condições em torno do homem que podem
exercer alguma influência sobre sua saúde e o bem-estar“ (OMS).
Promoção, proteção e prevenção em saúde, frente aos condicionantes que
afetam, direta ou indiretamente, a qualidade de vida e de saúde dos seres
humanos, em relação com o ambiente, mediada pelos processos produtivos e
padrões de consumo decorrentes, nos diferentes contextos culturais e de
desenvolvimento sócioeconômico, visando torná-los saudáveis e eticamente
sustentáveis (ABRASCO, 2003).
Constituição da República Federativa do Brasil - 1988
Saúde (Art. 196)
“... direito de todos e dever do estado garantindo mediamente políticas sociais e econômicas
que visem à redução de doenças e de outros agravos ao acesso universal e igualitário às
ações e serviços para sua promoção, proteção e recuperação.”
Meio Ambiente (Art. 225)
“... direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e
essencial à sadia qualidade de vidam impondo-se ao Poder Público e à coletividade o dever
de defende-lo e preservá-lo para as presentes e futuras gerações.”
Política Urbana (Art. 182)
“... Ordenar o pleno desenvolvimento das funções da cidade e garantir o bem-estar de seus
habitantes.”
Políticas Públicas
1988 – Nova Constituição: incorpora os princípios
da 8ª Conferência Nacional de Saúde
• 1. Assume a saúde como direito social.
• 2. Determina a responsabilidade do Estado (ações e serviços)
para a garantia do direito à saúde (políticas para a redução de
riscos e acesso universal e igualitário – promoção, proteção e
recuperação da saúde).
Reforma Sanitária
Política Nacional do Meio Ambiente (Lei 6938
de 31/08/1981)
Padrões para desenvolvimento sustentável através de mecanismos e instrumentos
capazes de conferir ao meio ambiente maior proteção: princípios, diretrizes (normas
e planos de orientação) e instrumentos.
Sistema Nacional do Meio Ambiente - SISNAMA
• órgão superior (CONAMA)
• órgão central (SEMA/Ministério do Interior)
• órgãos setorial (administração pública federal e fundações públicas)
• órgãos seccionais (estaduais)
• órgãos locais (municipais)
Trabalho em conjunto
A Lei nº 8.080/90, que institui o SUS, destaca como fatores
determinantes e condicionantes da saúde, entre outros:
“a moradia, o saneamento básico, o meio ambiente, o trabalho, a
renda, a educação, o transporte, o lazer e o acesso aos bens e
serviços essenciais”.
Além disso, salienta que “os níveis de saúde da população
expressam a organização social e econômica do País”
“Política de Saúde Ambiental”
Vigilância em Saúde Ambiental.
Agendas intersetoriais integradas.
Promoção de ambientes saudáveis.
Produção de conhecimento.
Sistema de Informação Integrado.
Vigilância em Saúde Ambiental
A vigilância em saúde ambiental consiste em um
conjunto de ações que proporcionam o conhecimento e
a detecção de mudanças nos fatores determinantes e
condicionantes do meio ambiente que
saúde humana, com a finalidade de
interferem na
identificar as
medidas de prevenção e controle dos fatores de risco
ambientais relacionados às doenças ou a outros agravos
à saúde (Brasil, 2007).
Importância do Meio Ambiente para a Saúde Humana
Estima-se que 30% dos danos a saúde estão relacionados aos
fatores ambientais decorrentes de:
- Saneamento básico inadequado
(água, lixo, esgoto).
- Poluição atmosférica.
- Desastres naturais.
- Fatores biológicos (vetores,
e reservatórios),
hospedeiros
entre outros.
OMS (2001)
Necessidades específicas do homem, flora, fauna e
suas atividades.
 Fisiológicas
 Epidemiológicas
 Psicológicas
Necessidades gerais do meio – “Equilíbrio Ecológico”
A Saúde Ambiental, incluindo a qualidade de vida, que são
determinados por fatores:
• Físicos,
• Químicos,
• Biológicos,
• Sociais;
• Psicológicos no meio ambiente.
Condicionantes que afetam a saúde humana...
Fatores do Ambiente que interferem na saúde do ser humano
• Stress, doenças
do trabalho,
relações
humanas,
situações
perigosas.
• Bactérias, vírus,
parasitas,
vetores,
reservatórios,
hospedeiros
modificados
geneticamente.
• Agrotóxicos,
drogas, fumo,
aditivos
alimentares,
inflamáveis,
solventes,
metais...
• Climáticos,
ruídos,
radiação,
luminosidade,
energia,
pressão...
Físico Químico
Psicossociais
Biológico
Ser humano
Contexto Urbano e Rural – Município/Estado/Federal
Como gerir tudo
isso?
Estado
Uso
sustentável.
É possível?
Gestão.
Políticas Públicas.
Educação...
A importância do
Desenvolvimento
Sustentável
dessas áreas...
Social
Ambiental
Econômico
O Contexto: Educação
Educação Ambiental
Processos que permitem ao indivíduo e a coletividade construírem valores
sociais, conhecimentos, habilidades, atitudes e competências voltadas para a
conservação do meio ambiente, bem de uso comum do povo, essencial à
sadia qualidade de vida e sua sustentabilidade.Art. 1º. da Lei 9795/1999.
A educação então pressupõe: informação, formação, empoderamento e ação
transformadora. Em uma relação dialógica entre sujeitos mediados pelo mundo e
voltada para transformação justiça social e ambiental.
“aquele que atende as necessidades do presente sem
comprometer a capacidade de as gerações futuras
também atenderem as suas” (Relatório Nosso Futuro Comum).
Dimensões da Sustentabilidade
SOCIAL – distribuição de renda e dos recursos/bens disponíveis de forma mais equitativa.
ECONÔMICA - alocação e gerenciamento eficiente dos recursos (função social) e fluxo constante de
investimentos.
ESPACIAL - harmonia na distribuição espacial entre assentamentos humanos, atividades econômicas e
áreas naturais/proteger a biodiversidade.
CULTURAL –processos com raízes endógenas de modernização e de sistemas agrícolas integrados, com
soluções específicas para o local, o ecossistema, a cultura e a área.
ECOLÓGICA – ampliar a capacidade de suporte/otimizar o uso dos renováveis /minimizar o uso dos não –
renováveis.
IGNACY SACHS
Desenvolvimento sustentável
Importância de profissionais que trabalhem
o Desenvolvimento Sustentável com
gestão eficaz.
Vigilância em Saúde
Vigilância em saúde – múltiplos conhecimentos ciências
sociais, ciências do meio ambiente, promoção e educação
em saúde, comunicação social.
Envolve ações coletivas de promoção e prevenção de
doenças.
Conceito de Vigilância em Saúde
Art. 2º - A Vigilância em Saúde constitui um processo
contínuo e sistemático de coleta, consolidação, análise e
disseminação de dados sobre eventos relacionados à saúde,
visando o planejamento e a implementação da saúde da
população, a prevenção e controle de riscos, agravos e
doenças, bem como a promoção da saúde.
(Portaria 1.378 de 2013)
Aspectos históricos
Até meados do século passado – a vigilância em saúde
estava voltada para observação da distribuição de doenças
na população.
Campanha da Erradicação da varíola, entre a década de
1960 e 1970, destacou a importância das ações de
vigilância no contexto da doença.
Vigilância em Saúde
Vigilância em saúde – transformação
assistencial, integralidade das ações.
do modelo
Características básicas:
- Articulação de ações e atuação intersetorial.
- Análise permanente dos riscos e da situação de saúde
da população.
- Intervenção sobre problemas de saúde.
- Ações sobre território.
Vigilância Sanitária.
Vigilância Ambiental.
Vigilância Epidemiológica.
Vigilância à Saúde do Trabalhador.
Promoção da Saúde.
Vigilância da Situação de Saúde.
Vigilância em Saúde é constituída:
Direito Sanitário - Direito à Saúde - Constituição de 1988
“saúde é direito de todos e dever do Estado, garantindo mediante políticas
sociais e econômicas que visem à redução do risco de doença e de outros
agravos e ao acesso universal e igualitário às ações e serviços para sua
promoção, proteção e recuperação”.
Direito Ambiental - Direito a um ambiente equilibrado e sadio -
Constituição de 1988
“todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso
comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder
público e à coletividade o dever de defendê-lo e preservá-lo para as presentes e
futuras gerações”.
Contexto Brasileiro
•Sistema sócio ecológico e saúde.
•Situação dos serviços de abastecimento de água, coleta de lixo e esgotamento
sanitário.
• Capacidade limitada dos municípios de atender às demandas sociais.
• Desenvolvimento e sustentabilidade: processos e vulnerabilidades.
•“Transição epidemiológica” marcada pelo envelhecimento da população, as
doenças emergentes e reemergentes e os agravos à saúde relacionados com os
problemas ambientais.
Tragédias:
•Talidomida (enjoo na gestação) má-formação
congênita/50-60
•Césio 137 ± Acidente radioativo Goiânia/87
•Serviço de hemodiálise (água contaminada)
Caruaru/PE - 1996 (Hepatite tóxica).
•Medicamentos falsificados 1998 (farinha de
trigo) – pílula anticoncepcional placebo
Criação da ANVISA (década de 1990).
•Fragilidade do Sistema.
•Sistema Nacional de Vigilância Sanitária
(Produtos e serviços)
Fatos Históricos:
Formada pela junção do prefixo epí- (em cima de, sobre) com o radical -
demos significando povo. O sufixo -logos, também vem do grego que
corresponde a estudo, doutrina.
Então, etimologicamente a palavra epidemiologia significa “ciência do
que ocorre sobre o povo”.
Etimologia da palavra
EPIDEMIOLOGIA
Existem várias definições para o termo epidemiologia.
O conceito original se restringia ao estudo de doenças
transmissíveis, entretanto, houve uma evolução no conceito que
passou a abranger todos os eventos relacionados ao processo
saúde/doença da população.
Quantitativa - Qualitativa
DEFINIÇÃO DE EPIDEMIOLOGIA
• Segundo Rouquayrol (1999) epidemiologia é a ciência que estuda
o processo saúde/doença em coletividades humanas,
propondo medidas específicas de prevenção, controle ou
erradicação de doenças.
• Enquanto a abordagem clínica se dedica ao estudo da doença
no indivíduo, a epidemiologia estuda os problemas de saúde
em coletividades humanas.
Definição de Epidemiologia
A epidemiologia se constitui na principal ciência
da informação em saúde e é considerada a
ciência básica da saúde coletiva.
A epidemiologia explora a ecologia da doença humana!
Fatores
Biológicos
DOENÇA
Fatores
Ambientais
Fatores
socioeconômicos
Diversos outros
fatores
Exemplos???
Objetivos de um Sistema de Vigilância
Epidemiológica
Prevenção, controle, eliminação ou erradicação
de uma doença.
Estado de saúde da
população
População de risco no estudo de
carcinoma de colo uterino
Busca identificar no meio
ambiente situações de risco
que possam causar doenças,
incapacidades e morte,
recomendando ou adotando
medidas para reduzir a
exposição a esses riscos.
Vigilância em Saúde Ambiental:
Vigilância em Saúde Ambiental (VSA)
Para as situações de desastres naturais, compreende a promoção dos serviços
essenciais como:
◦ fornecimento de água potável,
◦ eliminação de águas residuais,
◦ disposição de excrementos humanos,
◦ disposição de resíduos sólidos,
◦ segurança dos alimentos,
◦ controle de vetores,
◦ higiene doméstica
◦ manejo sanitário e ético dos cadáveres pelas instituições públicas ou privadas
competentes, com vistas à prevenção e controle das enfermidades
transmissíveis para a proteção e garantia do bem estar da população afetada.
Componentes do VIGISUS
- VIGIÁGUA – vigilância da qualidade da água de consumo humano
- VIGISOLO – vigilância de populações expostas a solos contaminados
- VIGIAR – vigilância de populações expostas à poluição do ar
- VIGIDESASTRES - vigilância de populações expostas a desastres
- VIGIFIS – vigilância de populações expostas a fatores físicos (radiações eletromagnéticas e
radiações ionizantes)
- VIGIAPP – vigilância de populações expostas a acidentes com produtos perigosos.
- VIGIQUIM – vigilância de populações expostas a contaminantes ambientais e substâncias
químicas.
- VIGIAMBT – vigilância relacionada a ambiente de trabalho.
VIGIAGUA
O suprimento de água potável pode ser afetado em ocorrência de desastres.
Controle e vigilância da qualidade da água para consumo humano.
O responsável pelo sistema de abastecimento de água deve garantir à população
o acesso à uma água potável e em quantidade adequada e qualidade.
Identificar os pontos críticos e vulneráveis dos sistemas de abastecimento de
água e estratégias para o monitoramento da qualidade da água no período de
emergência.
Enfermidades:
Bactérias, vírus, helmintos e
substâncias químicas
Objetivos do VIGIAGUA
Reduzir a morbidade e mortalidade por doenças e agravos de transmissão hídrica (vigilância
sistemática);
Buscar a melhoria das condições sanitárias das diversas formas de abastecimento de água para
consumo humano;
Avaliar e gerenciar o risco à saúde das condições sanitárias das diversas formas de
abastecimento;
Monitorar sistematicamente a qualidade da água consumida pela população, nos termos da lei;
Informar a população sobre a qualidade da água e riscos à saúde;
Apoiar o desenvolvimento de ações de educação em saúde e mobilização social;
Coordenar o Sistema de Informação de Vigilância da Qualidade da Água (SISAGUA)
VIGISOLO
Desenvolver ações de vigilância em
saúde de populações expostas a
solo contaminado visando adotar
medidas de promoção da saúde,
prevenção dos fatores de risco e
atenção integral conforme
preconizado no SUS.
VIGIAR
O VIGIAR tem como objetivo a promoção da saúde da
população exposta aos fatores ambientais relacionados aos
poluentes atmosféricos.
Seu campo de atuação prioriza as regiões onde existam diferentes
atividades de natureza econômica ou social que gerem poluição atmosférica
de modo a caracterizar um fator de risco para as populações expostas,
denominadas Áreas de Atenção Ambiental Atmosférica de interesse para a
Saúde.
Objetivos do VIGIAR
O VIGIAR tem como característica a
construção coletiva de sua proposta e
estratégia de atuação, indicadores de
saúde e ambiente, instrumento de
operacionalização
e metas, contando com a atuação
conjunta, articulada e integrada das três
esferas do SUS, do setor ambiental, de
outros setores governamentais e do setor
acadêmico.
VIGIFIS
Sua atuação está centrada na noção
de proteção da população contra
exposição a radiações
eletromagnéticas.
Os efeitos da exposição às
irradiações eletromagnéticas são
consequências de dois parâmetros:
a intensidade do campo e a duração
da exposição.
VIGIDESASTRES
Desastre é uma interrupção grave do funcionamento normal de
uma comunidade ou sistema cujos efeitos nas pessoas, assim
como as perdas e danos materiais ou ambientais,
superam a capacidade de resposta e recuperação dessa
comunidade.
No Brasil os principais problemas são
acarretados por eventos como
secas/estiagens, enchentes/inundações,
incêndios florestais,
deslizamentos/escorregamentos,
vendavais, tornados, granizo, furacões.
Rio de Janeiro – Minas Gerais
Efeitos dos desastres
- Provocam um número inesperado de mortes, ferimentos ou enfermidades e
congestionam os serviços de saúde;
- Danificam a infraestrutura local de saúde com graves consequências de morbi-
mortalidade;
- Comprometem o comportamento psicossocial das comunidades;
-Risco epidemiológico (barragem de Mariana e Brumadinho - MG);
-Destroem ou interrompem os sistemas de produção e distribuição de água, dos
serviços de limpeza urbana e esgotamento sanitário, favorecendo a proliferação
de vetores.
Vigiquim
Tem o objetivo central de identificar, caracterizar e monitorar as populações
expostas às substâncias químicas.
A produção, comercialização, uso, armazenagem, transporte, manuseio e
descarte de substâncias químicas incluídas nos resíduos industriais e
domésticos são preocupações constantes do mundo moderno.
Os riscos potenciais oferecidos por substâncias químicas para a saúde humana
envolvem vários níveis e setores governamentais, em especial os que atuam em
questões relativas ao ambiente, trabalho, saúde, transporte e o desenvolvimento
econômico e tecnológico.
Vigiquim
-As substâncias classificadas como
prioritárias: asbesto/amianto, benzeno,
agrotóxicos, mercúrio e chumbo.
-Dentre os grupos de risco prioritários,
expostos a esses contaminantes destacam-
se os trabalhadores e as comunidades que
residem no entorno de áreas industriais.
Saúde do Trabalhador
de Fiscalização de Ambientes e Saúde do
• Coordenação de Vigilância de Saúde do Trabalhador.
• Coordenação
Trabalhador.
• Coordenação do Centro de Referência em Saúde do
Trabalhador (CEREST).
Centro de Referência em Saúde do
Trabalhador
• Participar na elaboração e execução da Política de Saúde do Trabalhador no Estado;
• Participar do planejamento das Ações em Saúde de Trabalhador no âmbito estadual;
• Acompanhar e auxiliar no Planejamento dos CERESTs Regionais;
• Participar do Pólo Estadual de Educação Permanente;
• Estruturar o Observatório Estadual de Saúde do Trabalhador;
• Estimular, prover subsídios e participar da pactuação para definição da Rede Sentinela de
Serviços em Saúde do Trabalhador no Estado;
• Contribuir para as ações de Vigilância em Saúde , com subsídios técnicos e operacionais para
a vigilância epidemiológica, ambiental e sanitária;
•Determinar fluxos de referência e contra referência de cada linha de cuidado
de atenção integral à Saúde do Trabalhador;
•Desenvolver práticas de aplicação, validação e capacitação de Protocolos de
Atenção em Saúde do Trabalhador;
•Desenvolver estudos e pesquisas na área de Saúde do Trabalhador e do
meio ambiente;
• Propor normas relativas a diagnóstico, tratamento e reabilitação de pacientes
portadores de agravos à saúde decorrentes do trabalho;
•Prestar suporte técnico para que os municípios executem a pactuação
regional.
CONCEITOS BÁSICOS DE TOXICOLOGIA
É a ciência que estuda os efeitos nocivos decorrentes das interações das
substâncias químicas com o organismo, com a finalidade de prevenir,
diagnosticar e tratar a intoxicação (CHASIN; LIMA, 2010).
Casareth a define como "ciência que
define os limites de segurança dos
agentes químicos".
Áreas da
Toxicologia
Toxicologia
de alimentos
Toxicologia
ambiental
Toxicologia
de medicamentos
Toxicologia
ocupacional
Toxicologia
social
Aspectos
Clínico Analítico Legislação Pesquisa
Classificação do Riscos
 Agentes Físicos
 Agentes Químicos
 Agentes Biológicos
 Agentes Ergonômicos
 Agentes de Acidentes
Agentes Químicos
São agentes ambientais causadores em
potencial de doenças profissionais devido
a sua ação química (fumaça, vapores...)
sobre o organismo humano.
Agentes Biológicos
São microorganismos presentes no ambiente, causadores de
doenças com as quais estamos em contato.
Principais agentes biológicos:
Bactérias
Parasitas
Vírus
Bacilos
Protozoários
Fungos
Desastre da Barragem de Mariana em
Brumadinho – MG
Quais consequências ?
Todos eles estavam intoxicados
por níquel e metade tinha níveis
de arsênico no sangue acima do
normal. A maioria tinha problemas
de pele e dificuldade para
respirar.
Processo de capacitação da comunidade para atuar na
melhoria da sua qualidade de vida e saúde, incluindo uma
maior participação no controle desse processo.
Não é responsabilidade exclusiva do setor de saúde, e vai
além do estilo de vida saudável, na direção de um bem-
estar global.
Promoção da Saúde
Busca identificar os fatores determinantes e condicionantes
do processo saúde – doença.
Orienta-se por um conjunto de ações individuais e coletivas
que possam favorecer a saúde e trazer melhorias.
Indivíduos com maior capacidade funcional, individual e
coletivamente para condições de vida mais adequadas.
Promoção da Saúde
OBRIGADO!
Prof. LUCIANO
COLÉGIO TIPURA – Bom Despacho-MG
2023

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Saúde Ambiental.pptx

Aula1 sgaecertificao-140310095637-phpapp01
Aula1 sgaecertificao-140310095637-phpapp01Aula1 sgaecertificao-140310095637-phpapp01
Aula1 sgaecertificao-140310095637-phpapp01
Sara Ceron Hentges
 
Histórico da interferência humana nos ecossistemas e Conferências sobre o mei...
Histórico da interferência humana nos ecossistemas e Conferências sobre o mei...Histórico da interferência humana nos ecossistemas e Conferências sobre o mei...
Histórico da interferência humana nos ecossistemas e Conferências sobre o mei...
Rogério Bartilotti
 
Meio ambiente bases hist. capítulo 1 - marília brandão
Meio ambiente bases hist.  capítulo 1 - marília brandãoMeio ambiente bases hist.  capítulo 1 - marília brandão
Meio ambiente bases hist. capítulo 1 - marília brandão
Edmo Filho
 
Resenha ambiente, ecologia, biodiversidade e desenvolvimento sustentavel
Resenha ambiente, ecologia, biodiversidade e desenvolvimento sustentavelResenha ambiente, ecologia, biodiversidade e desenvolvimento sustentavel
Resenha ambiente, ecologia, biodiversidade e desenvolvimento sustentavel
Caroline Pegorari
 

Semelhante a Saúde Ambiental.pptx (20)

gestão ambiental
gestão ambientalgestão ambiental
gestão ambiental
 
Aula1
Aula1Aula1
Aula1
 
Gestão ambiental
Gestão ambiental Gestão ambiental
Gestão ambiental
 
Gestao ambiental _ completo.ppt
Gestao ambiental _ completo.pptGestao ambiental _ completo.ppt
Gestao ambiental _ completo.ppt
 
A importância da auditoria ambiental
A importância da auditoria ambientalA importância da auditoria ambiental
A importância da auditoria ambiental
 
Aula1 sgaecertificao-140310095637-phpapp01
Aula1 sgaecertificao-140310095637-phpapp01Aula1 sgaecertificao-140310095637-phpapp01
Aula1 sgaecertificao-140310095637-phpapp01
 
Responsabilidade ecologica
Responsabilidade ecologicaResponsabilidade ecologica
Responsabilidade ecologica
 
Desenvolvimento Sustentavel
Desenvolvimento SustentavelDesenvolvimento Sustentavel
Desenvolvimento Sustentavel
 
MEIO AMBIENTE E GESTAO AMBIENTAL.TST.PDF
MEIO AMBIENTE E GESTAO AMBIENTAL.TST.PDFMEIO AMBIENTE E GESTAO AMBIENTAL.TST.PDF
MEIO AMBIENTE E GESTAO AMBIENTAL.TST.PDF
 
Histórico da interferência humana nos ecossistemas e Conferências sobre o mei...
Histórico da interferência humana nos ecossistemas e Conferências sobre o mei...Histórico da interferência humana nos ecossistemas e Conferências sobre o mei...
Histórico da interferência humana nos ecossistemas e Conferências sobre o mei...
 
Ambiente_Segurança_Higiene_e_Saúde_no_Trabalho.pdf
Ambiente_Segurança_Higiene_e_Saúde_no_Trabalho.pdfAmbiente_Segurança_Higiene_e_Saúde_no_Trabalho.pdf
Ambiente_Segurança_Higiene_e_Saúde_no_Trabalho.pdf
 
Introdução aula 5
Introdução   aula 5Introdução   aula 5
Introdução aula 5
 
Desequilíbrios ambientais
Desequilíbrios ambientaisDesequilíbrios ambientais
Desequilíbrios ambientais
 
AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL.pdf
AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL.pdfAMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL.pdf
AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL.pdf
 
Aula 1 ciência ambiental
Aula 1 ciência ambientalAula 1 ciência ambiental
Aula 1 ciência ambiental
 
Meio ambiente bases hist. capítulo 1 - marília brandão
Meio ambiente bases hist.  capítulo 1 - marília brandãoMeio ambiente bases hist.  capítulo 1 - marília brandão
Meio ambiente bases hist. capítulo 1 - marília brandão
 
Resenha ambiente, ecologia, biodiversidade e desenvolvimento sustentavel
Resenha ambiente, ecologia, biodiversidade e desenvolvimento sustentavelResenha ambiente, ecologia, biodiversidade e desenvolvimento sustentavel
Resenha ambiente, ecologia, biodiversidade e desenvolvimento sustentavel
 
Rcman35
Rcman35Rcman35
Rcman35
 
Aula 2
Aula 2Aula 2
Aula 2
 
Pcn 10.3 Tt Meio Ambiente
Pcn   10.3   Tt Meio AmbientePcn   10.3   Tt Meio Ambiente
Pcn 10.3 Tt Meio Ambiente
 

Mais de LucianoSoares624804 (8)

Aula Biossegurança.pptx
Aula Biossegurança.pptxAula Biossegurança.pptx
Aula Biossegurança.pptx
 
Aula - Conceito Geral da Sociologia.pptx
Aula - Conceito Geral da Sociologia.pptxAula - Conceito Geral da Sociologia.pptx
Aula - Conceito Geral da Sociologia.pptx
 
AULA 04 - Espiritualidade e Luto.pptx
AULA 04 - Espiritualidade e Luto.pptxAULA 04 - Espiritualidade e Luto.pptx
AULA 04 - Espiritualidade e Luto.pptx
 
zygmunt-bauman.pptx
zygmunt-bauman.pptxzygmunt-bauman.pptx
zygmunt-bauman.pptx
 
Saude_das_Populacoes_Indigenas.ppt
Saude_das_Populacoes_Indigenas.pptSaude_das_Populacoes_Indigenas.ppt
Saude_das_Populacoes_Indigenas.ppt
 
PPT-Violencia_Genero.pptx
PPT-Violencia_Genero.pptxPPT-Violencia_Genero.pptx
PPT-Violencia_Genero.pptx
 
aula-5-planejamento-e-abordagens-terap-uticas-em-sa-de-mental.pdf
aula-5-planejamento-e-abordagens-terap-uticas-em-sa-de-mental.pdfaula-5-planejamento-e-abordagens-terap-uticas-em-sa-de-mental.pdf
aula-5-planejamento-e-abordagens-terap-uticas-em-sa-de-mental.pdf
 
POLÍTICAS PÚBLICAS E PARTICIPAÇÃO.pdf
POLÍTICAS PÚBLICAS E PARTICIPAÇÃO.pdfPOLÍTICAS PÚBLICAS E PARTICIPAÇÃO.pdf
POLÍTICAS PÚBLICAS E PARTICIPAÇÃO.pdf
 

Último

SINAIS VITAIS guia prático do cuidador de idoso.pdf
SINAIS VITAIS guia prático do cuidador de idoso.pdfSINAIS VITAIS guia prático do cuidador de idoso.pdf
SINAIS VITAIS guia prático do cuidador de idoso.pdf
Jorge Filho
 
CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...
CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...
CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...
wilkaccb
 
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdfATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
WendelldaLuz
 

Último (12)

Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...
Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...
Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...
 
SINAIS VITAIS guia prático do cuidador de idoso.pdf
SINAIS VITAIS guia prático do cuidador de idoso.pdfSINAIS VITAIS guia prático do cuidador de idoso.pdf
SINAIS VITAIS guia prático do cuidador de idoso.pdf
 
aula sobre HELMINTOS E DOENÇAS CAUSADAS.pptx
aula sobre HELMINTOS E DOENÇAS CAUSADAS.pptxaula sobre HELMINTOS E DOENÇAS CAUSADAS.pptx
aula sobre HELMINTOS E DOENÇAS CAUSADAS.pptx
 
Slides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptx
Slides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptxSlides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptx
Slides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptx
 
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismo
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismoEscala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismo
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismo
 
AULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptx
AULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptxAULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptx
AULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptx
 
aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...
aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...
aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...
 
CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...
CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...
CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...
 
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdfATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
 
anemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptx
anemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptxanemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptx
anemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptx
 
Farmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
Farmacologia do Sistema Nervoso AutonomoFarmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
Farmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
 
Protocolo Zero Rugas - formato digital01
Protocolo Zero Rugas - formato digital01Protocolo Zero Rugas - formato digital01
Protocolo Zero Rugas - formato digital01
 

Saúde Ambiental.pptx

  • 2. Conceitos de Saúde ambiental. - Modernidade e crise ambiental; - Importantes questões ambientais globais; - Os conceitos de Saúde Ambiental; - “Política de Saúde Ambiental” (principais apontamentos). A relação Saúde e Ambiente. - Saúde e ambiente; - A exposição humana; - Fatores que influenciam a saúde ambiental Questões “práticas” de Saúde Ambiental. -Situações de saúde ambiental no cotidiano; -Contaminações ambientais e outros riscos. APRESENTAÇÃO
  • 3. Saúde Ambiental Multidisciplinar = profissionais Estuda o impacto do ambiente sobre a saúde das populações. Executa ações de prevenção e de controle para reduzir ou eliminar esse impacto O ambiente – produzido por processos conduzidos pela sociedade. A saúde – estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente. Saúde Ambiental – campo de atuação da saúde pública que se ocupa das formas de vida, das substâncias e das condições em torno do ser humano, que podem exercer alguma influência sobre a sua saúde e do bem-estar (OMS).
  • 4. O Ser humano e a natureza, relações históricas... O ser humano apresenta grande capacidade de adaptação ao ambiente natural (deserto, frio, profundezas da floresta amazônica, sob o oceano ou voando na atmosfera e além dela). Esta incrível capacidade de adaptação só foi possível porque o ser humano sempre criou no seu entorno um meio ambiente próprio, diferente do natural e favorável a si (antropocentrismo). Assim, o ser humano, para sua sobrevivência, de um modo ou de outro sempre modificou o ambiente natural sem muitos cuidados.
  • 5. O ser humano e a natureza... A espécie humana passou a fazer o que todos os outros animais faziam, só que “melhor”: - Construiu represas maiores e melhores (castores); - Tecer fibras vegetais melhor do que os animais; - Construiu abrigos melhor do que outras espécies; - Métodos de caça e pesca (predador mais temido). A intervenção humana sobre o meio ambiente ao longo dos anos foi multiplicada de uma forma jamais imaginada pelo próprio ser humano, superando seus limites…
  • 6. O humano e a natureza: Urbanização Com a concentração humana: aldeias, vilas e cidades…cresceu a necessidade de atendimento dessa população, e principalmente aumentou a ocupação de espaços naturais. Para suprir tudo isso… “grandes impactos ambientais”. • As pirâmides, destruindo áreas que detinham o material necessário para a sua construção; • Cursos d’água foram desviados para atender as necessidades das concentrações humanas (agricultura); • Florestas foram destruídas para atender a demanda de madeira para as habitações, agricultura… • Urbanização e seu crescimento desorganizado…
  • 7. A criação do ambiente natural: o processo de urbanização Maiores aglomerações humanas = mais destruído o ambiente; E nesse estágio de crescimento humano = muitas espécies desapareceram gradativamente em ritmo acelerado (grande problema atual é a perda da biodiversidade); Surgem pragas, doenças, grandes epidemias que assolaram as cidades, trazidas por animais que passaram a viver no ambiente humano. Doenças emergentes (novas) Doenças reemergentes
  • 8. Industrialização e o meio ambiente... No século XVIII, ocorreu outra grande transformação na capacidade produtiva humana; A Revolução Industrial, início na Inglaterra e rapidamente se espalhou por quase todo planeta. A industrialização trouxe benefícios, mas também um quadro de degradação contínua do meio ambiente como: - alta concentração populacional (cidades), - consumo excessivo de recursos naturais (matérias prima), - contaminação do ar , da água e do solo.
  • 9. A exploração industrial do meio ambiente manteve-se durante todo o século XIX e a maior parte do século XX. A visão equivocada - recursos naturais eram ilimitados e estavam a disposição do ser humano - começou a ser questionada e refletida na década de 1970 quando os problemas ambientais se tornaram mais evidentes (saúde da população)… Dois grandes marcos para questões ambientais 1- A Conferência de Estocolmo de 1972 (Clube de Roma 1968) = relatório intitulado “Os limites do crescimento”, trouxe importantes marcos para o desenvolvimento de uma política mundial de proteção ambiental. Educação para os jovens visando um pensamento “sustentável”
  • 10. Debater formas de DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL, um conceito relativamente novo à época. “O primeiro uso do termo é de 1987, norelatório Brundtland, feito pela ONU. Esse documento norteou as discussões sobre um modelo de crescimento econômico menos consumista e mais preocupado com questões ambientais” 2- Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento (Cúpula da Terra), conhecida como Eco-92 (RJ). Clima ( Protocolo de Kyoto) Água Transportes alternativos (diminuição dos combustíveis fósseis) Turismo ecológico Reciclagem
  • 11. Resumindo a relação humana com o Meio Ambiente 1º- Reduzidíssima população e baixa interferência humana nos ecossistemas. 2º- Início do crescimento populacional aliado a uma pequena degradação ambiental (impactos nômades – formação de “novas” moradas). 3°- Evolução do conhecimento e do antropocentrismo. Natureza e humanos num mesmo nível (técnicas agrícolas – desenvolvimento tecnológico). 4º- Conhecimento sobre os fenômenos naturais e adaptação do meio às necessidades humanas. Grande degradação ambiental (Revolução Industrial). 5º- Mudança comportamental que vem se apresentando na forma de lidarmos com as questões ambientais (problemas hoje = modo de vida passado).
  • 12. Como fazer? Saúde + Meio Ambiente + Educação
  • 13. Como resolver esse problema e ter um crescimento sustentável? Querer melhorar. Educação. Políticas Públicas efetivas e eficazes. Gestão.
  • 14. Problemas na atualidade!!! - Crescimento sem gestão. - Desigualdades socioeconômicas. - Lugares insalubres. - Locais de preservação ambiental
  • 17. - Enchentes nas cidades. - “Lixos”. - Estruturação das cidades. - Alterações climáticas. - Doenças hídricas (cólera, Lepstospirose...)
  • 18. Efeito Estufa A emissão interrupta de CO², metano, CFC e óxidos nítricos nos níveis atuais aumentarão a temperatura média da superfície do planeta em 0,3 grau centígrado a cada 10 anos. - Elevação dos níveis dos oceanos (20 cm e 1 m em 100 anos). - Descontrole do clima mundial. - Milhões de pessoas terão que viver como refugiados, deixando a suas comunidades Acordo de Paris (COP – 21 de 2015) busca combater o efeito dos gases no planeta para o aquecimento abaixo de 2 ºC – até 2100.
  • 19. “Lixo” – Resíduos Sólidos É um dos problemas que atinge desigualmente os países, porque desigual são tanto as fontes produtoras de lixo quanto os métodos de remoção e tratamento. - Precisa estabelecer e gerir melhores as politicas de reciclagem. - Lixos radioativos é um dos grandes problemas (10 mil anos). - Oceanos e mares. - Solo (aterros sanitários e lixões). - Água (enchentes)
  • 20. Política Nacional de Resíduos Sólidos – PNRS A Lei nº 12.305/10 A Política Nacional de Resíduos Sólidos dispõe sobre os princípios, objetivos e instrumentos e diretrizes relativas à gestão integrada e ao gerenciamento de resíduos sólidos, incluídos os perigosos, às responsabilidades dos geradores e do poder público e aos instrumentos econômicos aplicáveis, resolvendo problemas sociais e ambientais.
  • 21. Prioridade das ações: não geração > redução > reutilização > reciclagem > tratamento dos resíduos sólidos > disposição final ambientalmente adequada dos rejeitos. Responsabilidade Compartilhada: pelo ciclo de vida dos produtos (fabricantes, importadores, distribuidores, comerciantes, consumidores e titulares dos serviços públicos de limpeza urbana e de manejo de resíduos sólidos). Logística Reversa: instrumento da PNRS caracterizado por um conjunto de ações, procedimentos e meios destinados a viabilizar a coleta e a restituição dos resíduos sólidos ao setor empresarial, para reaproveitamento, em seu ciclo ou em outros ciclos produtivos, ou outra destinação final ambientalmente adequada (empresas especializadas); Acordos Setoriais: atos de natureza contratual, firmados entre o Poder Público e os fabricantes, importadores, distribuidores ou comerciantes, visando a implantação da responsabilidade compartilhada pelo ciclo de vida do produto. Princípios da PNRS
  • 22. Contaminação Ambiental Com a globalização, crescimento econômico e industrial outro problema ocasionado ao meio ambiente é a poluição química e seus impactos sobre a qualidade da água, ar, solo e alimentos (toxicologia). Hoje um dos problemas para a gestão pública é as contaminações no solo e águas subterrâneas, pois não é “visível” se comparado com outras poluições.
  • 23. Perda da Biodiversidade • Processo acelerado de extensão de espécies (fauna e flora). • Desconhecimento do patrimônio genético (milhões de espécies ainda desconhecidas). Esse processo de extinção inviabilizam o potencial econômico e terapêutico de maneira sustentável. Abelhas = agrotóxicos
  • 24. O Contexto: A Saúde ambiental "Parte da Saúde Pública que se ocupa das formas de vida, das substâncias e das condições em torno do homem que podem exercer alguma influência sobre sua saúde e o bem-estar“ (OMS). Promoção, proteção e prevenção em saúde, frente aos condicionantes que afetam, direta ou indiretamente, a qualidade de vida e de saúde dos seres humanos, em relação com o ambiente, mediada pelos processos produtivos e padrões de consumo decorrentes, nos diferentes contextos culturais e de desenvolvimento sócioeconômico, visando torná-los saudáveis e eticamente sustentáveis (ABRASCO, 2003).
  • 25. Constituição da República Federativa do Brasil - 1988 Saúde (Art. 196) “... direito de todos e dever do estado garantindo mediamente políticas sociais e econômicas que visem à redução de doenças e de outros agravos ao acesso universal e igualitário às ações e serviços para sua promoção, proteção e recuperação.” Meio Ambiente (Art. 225) “... direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vidam impondo-se ao Poder Público e à coletividade o dever de defende-lo e preservá-lo para as presentes e futuras gerações.” Política Urbana (Art. 182) “... Ordenar o pleno desenvolvimento das funções da cidade e garantir o bem-estar de seus habitantes.”
  • 27. 1988 – Nova Constituição: incorpora os princípios da 8ª Conferência Nacional de Saúde • 1. Assume a saúde como direito social. • 2. Determina a responsabilidade do Estado (ações e serviços) para a garantia do direito à saúde (políticas para a redução de riscos e acesso universal e igualitário – promoção, proteção e recuperação da saúde). Reforma Sanitária
  • 28. Política Nacional do Meio Ambiente (Lei 6938 de 31/08/1981) Padrões para desenvolvimento sustentável através de mecanismos e instrumentos capazes de conferir ao meio ambiente maior proteção: princípios, diretrizes (normas e planos de orientação) e instrumentos. Sistema Nacional do Meio Ambiente - SISNAMA • órgão superior (CONAMA) • órgão central (SEMA/Ministério do Interior) • órgãos setorial (administração pública federal e fundações públicas) • órgãos seccionais (estaduais) • órgãos locais (municipais) Trabalho em conjunto
  • 29. A Lei nº 8.080/90, que institui o SUS, destaca como fatores determinantes e condicionantes da saúde, entre outros: “a moradia, o saneamento básico, o meio ambiente, o trabalho, a renda, a educação, o transporte, o lazer e o acesso aos bens e serviços essenciais”. Além disso, salienta que “os níveis de saúde da população expressam a organização social e econômica do País”
  • 30. “Política de Saúde Ambiental” Vigilância em Saúde Ambiental. Agendas intersetoriais integradas. Promoção de ambientes saudáveis. Produção de conhecimento. Sistema de Informação Integrado.
  • 31. Vigilância em Saúde Ambiental A vigilância em saúde ambiental consiste em um conjunto de ações que proporcionam o conhecimento e a detecção de mudanças nos fatores determinantes e condicionantes do meio ambiente que saúde humana, com a finalidade de interferem na identificar as medidas de prevenção e controle dos fatores de risco ambientais relacionados às doenças ou a outros agravos à saúde (Brasil, 2007).
  • 32. Importância do Meio Ambiente para a Saúde Humana Estima-se que 30% dos danos a saúde estão relacionados aos fatores ambientais decorrentes de: - Saneamento básico inadequado (água, lixo, esgoto). - Poluição atmosférica. - Desastres naturais. - Fatores biológicos (vetores, e reservatórios), hospedeiros entre outros. OMS (2001)
  • 33. Necessidades específicas do homem, flora, fauna e suas atividades.  Fisiológicas  Epidemiológicas  Psicológicas Necessidades gerais do meio – “Equilíbrio Ecológico”
  • 34. A Saúde Ambiental, incluindo a qualidade de vida, que são determinados por fatores: • Físicos, • Químicos, • Biológicos, • Sociais; • Psicológicos no meio ambiente. Condicionantes que afetam a saúde humana...
  • 35. Fatores do Ambiente que interferem na saúde do ser humano • Stress, doenças do trabalho, relações humanas, situações perigosas. • Bactérias, vírus, parasitas, vetores, reservatórios, hospedeiros modificados geneticamente. • Agrotóxicos, drogas, fumo, aditivos alimentares, inflamáveis, solventes, metais... • Climáticos, ruídos, radiação, luminosidade, energia, pressão... Físico Químico Psicossociais Biológico Ser humano
  • 36. Contexto Urbano e Rural – Município/Estado/Federal
  • 39. A importância do Desenvolvimento Sustentável dessas áreas... Social Ambiental Econômico
  • 40. O Contexto: Educação Educação Ambiental Processos que permitem ao indivíduo e a coletividade construírem valores sociais, conhecimentos, habilidades, atitudes e competências voltadas para a conservação do meio ambiente, bem de uso comum do povo, essencial à sadia qualidade de vida e sua sustentabilidade.Art. 1º. da Lei 9795/1999. A educação então pressupõe: informação, formação, empoderamento e ação transformadora. Em uma relação dialógica entre sujeitos mediados pelo mundo e voltada para transformação justiça social e ambiental.
  • 41. “aquele que atende as necessidades do presente sem comprometer a capacidade de as gerações futuras também atenderem as suas” (Relatório Nosso Futuro Comum). Dimensões da Sustentabilidade SOCIAL – distribuição de renda e dos recursos/bens disponíveis de forma mais equitativa. ECONÔMICA - alocação e gerenciamento eficiente dos recursos (função social) e fluxo constante de investimentos. ESPACIAL - harmonia na distribuição espacial entre assentamentos humanos, atividades econômicas e áreas naturais/proteger a biodiversidade. CULTURAL –processos com raízes endógenas de modernização e de sistemas agrícolas integrados, com soluções específicas para o local, o ecossistema, a cultura e a área. ECOLÓGICA – ampliar a capacidade de suporte/otimizar o uso dos renováveis /minimizar o uso dos não – renováveis. IGNACY SACHS Desenvolvimento sustentável
  • 42. Importância de profissionais que trabalhem o Desenvolvimento Sustentável com gestão eficaz.
  • 43.
  • 44.
  • 45. Vigilância em Saúde Vigilância em saúde – múltiplos conhecimentos ciências sociais, ciências do meio ambiente, promoção e educação em saúde, comunicação social. Envolve ações coletivas de promoção e prevenção de doenças.
  • 46. Conceito de Vigilância em Saúde Art. 2º - A Vigilância em Saúde constitui um processo contínuo e sistemático de coleta, consolidação, análise e disseminação de dados sobre eventos relacionados à saúde, visando o planejamento e a implementação da saúde da população, a prevenção e controle de riscos, agravos e doenças, bem como a promoção da saúde. (Portaria 1.378 de 2013)
  • 47. Aspectos históricos Até meados do século passado – a vigilância em saúde estava voltada para observação da distribuição de doenças na população. Campanha da Erradicação da varíola, entre a década de 1960 e 1970, destacou a importância das ações de vigilância no contexto da doença.
  • 48. Vigilância em Saúde Vigilância em saúde – transformação assistencial, integralidade das ações. do modelo Características básicas: - Articulação de ações e atuação intersetorial. - Análise permanente dos riscos e da situação de saúde da população. - Intervenção sobre problemas de saúde. - Ações sobre território.
  • 49. Vigilância Sanitária. Vigilância Ambiental. Vigilância Epidemiológica. Vigilância à Saúde do Trabalhador. Promoção da Saúde. Vigilância da Situação de Saúde. Vigilância em Saúde é constituída:
  • 50. Direito Sanitário - Direito à Saúde - Constituição de 1988 “saúde é direito de todos e dever do Estado, garantindo mediante políticas sociais e econômicas que visem à redução do risco de doença e de outros agravos e ao acesso universal e igualitário às ações e serviços para sua promoção, proteção e recuperação”. Direito Ambiental - Direito a um ambiente equilibrado e sadio - Constituição de 1988 “todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder público e à coletividade o dever de defendê-lo e preservá-lo para as presentes e futuras gerações”.
  • 51. Contexto Brasileiro •Sistema sócio ecológico e saúde. •Situação dos serviços de abastecimento de água, coleta de lixo e esgotamento sanitário. • Capacidade limitada dos municípios de atender às demandas sociais. • Desenvolvimento e sustentabilidade: processos e vulnerabilidades. •“Transição epidemiológica” marcada pelo envelhecimento da população, as doenças emergentes e reemergentes e os agravos à saúde relacionados com os problemas ambientais.
  • 52. Tragédias: •Talidomida (enjoo na gestação) má-formação congênita/50-60 •Césio 137 ± Acidente radioativo Goiânia/87 •Serviço de hemodiálise (água contaminada) Caruaru/PE - 1996 (Hepatite tóxica). •Medicamentos falsificados 1998 (farinha de trigo) – pílula anticoncepcional placebo Criação da ANVISA (década de 1990). •Fragilidade do Sistema. •Sistema Nacional de Vigilância Sanitária (Produtos e serviços) Fatos Históricos:
  • 53.
  • 54. Formada pela junção do prefixo epí- (em cima de, sobre) com o radical - demos significando povo. O sufixo -logos, também vem do grego que corresponde a estudo, doutrina. Então, etimologicamente a palavra epidemiologia significa “ciência do que ocorre sobre o povo”. Etimologia da palavra EPIDEMIOLOGIA
  • 55. Existem várias definições para o termo epidemiologia. O conceito original se restringia ao estudo de doenças transmissíveis, entretanto, houve uma evolução no conceito que passou a abranger todos os eventos relacionados ao processo saúde/doença da população. Quantitativa - Qualitativa DEFINIÇÃO DE EPIDEMIOLOGIA
  • 56. • Segundo Rouquayrol (1999) epidemiologia é a ciência que estuda o processo saúde/doença em coletividades humanas, propondo medidas específicas de prevenção, controle ou erradicação de doenças. • Enquanto a abordagem clínica se dedica ao estudo da doença no indivíduo, a epidemiologia estuda os problemas de saúde em coletividades humanas. Definição de Epidemiologia
  • 57. A epidemiologia se constitui na principal ciência da informação em saúde e é considerada a ciência básica da saúde coletiva.
  • 58. A epidemiologia explora a ecologia da doença humana! Fatores Biológicos DOENÇA Fatores Ambientais Fatores socioeconômicos Diversos outros fatores Exemplos???
  • 59. Objetivos de um Sistema de Vigilância Epidemiológica Prevenção, controle, eliminação ou erradicação de uma doença.
  • 60. Estado de saúde da população
  • 61. População de risco no estudo de carcinoma de colo uterino
  • 62. Busca identificar no meio ambiente situações de risco que possam causar doenças, incapacidades e morte, recomendando ou adotando medidas para reduzir a exposição a esses riscos. Vigilância em Saúde Ambiental:
  • 63. Vigilância em Saúde Ambiental (VSA) Para as situações de desastres naturais, compreende a promoção dos serviços essenciais como: ◦ fornecimento de água potável, ◦ eliminação de águas residuais, ◦ disposição de excrementos humanos, ◦ disposição de resíduos sólidos, ◦ segurança dos alimentos, ◦ controle de vetores, ◦ higiene doméstica ◦ manejo sanitário e ético dos cadáveres pelas instituições públicas ou privadas competentes, com vistas à prevenção e controle das enfermidades transmissíveis para a proteção e garantia do bem estar da população afetada.
  • 64. Componentes do VIGISUS - VIGIÁGUA – vigilância da qualidade da água de consumo humano - VIGISOLO – vigilância de populações expostas a solos contaminados - VIGIAR – vigilância de populações expostas à poluição do ar - VIGIDESASTRES - vigilância de populações expostas a desastres - VIGIFIS – vigilância de populações expostas a fatores físicos (radiações eletromagnéticas e radiações ionizantes) - VIGIAPP – vigilância de populações expostas a acidentes com produtos perigosos. - VIGIQUIM – vigilância de populações expostas a contaminantes ambientais e substâncias químicas. - VIGIAMBT – vigilância relacionada a ambiente de trabalho.
  • 65. VIGIAGUA O suprimento de água potável pode ser afetado em ocorrência de desastres. Controle e vigilância da qualidade da água para consumo humano. O responsável pelo sistema de abastecimento de água deve garantir à população o acesso à uma água potável e em quantidade adequada e qualidade. Identificar os pontos críticos e vulneráveis dos sistemas de abastecimento de água e estratégias para o monitoramento da qualidade da água no período de emergência. Enfermidades: Bactérias, vírus, helmintos e substâncias químicas
  • 66. Objetivos do VIGIAGUA Reduzir a morbidade e mortalidade por doenças e agravos de transmissão hídrica (vigilância sistemática); Buscar a melhoria das condições sanitárias das diversas formas de abastecimento de água para consumo humano; Avaliar e gerenciar o risco à saúde das condições sanitárias das diversas formas de abastecimento; Monitorar sistematicamente a qualidade da água consumida pela população, nos termos da lei; Informar a população sobre a qualidade da água e riscos à saúde; Apoiar o desenvolvimento de ações de educação em saúde e mobilização social; Coordenar o Sistema de Informação de Vigilância da Qualidade da Água (SISAGUA)
  • 67. VIGISOLO Desenvolver ações de vigilância em saúde de populações expostas a solo contaminado visando adotar medidas de promoção da saúde, prevenção dos fatores de risco e atenção integral conforme preconizado no SUS.
  • 68. VIGIAR O VIGIAR tem como objetivo a promoção da saúde da população exposta aos fatores ambientais relacionados aos poluentes atmosféricos. Seu campo de atuação prioriza as regiões onde existam diferentes atividades de natureza econômica ou social que gerem poluição atmosférica de modo a caracterizar um fator de risco para as populações expostas, denominadas Áreas de Atenção Ambiental Atmosférica de interesse para a Saúde.
  • 69. Objetivos do VIGIAR O VIGIAR tem como característica a construção coletiva de sua proposta e estratégia de atuação, indicadores de saúde e ambiente, instrumento de operacionalização e metas, contando com a atuação conjunta, articulada e integrada das três esferas do SUS, do setor ambiental, de outros setores governamentais e do setor acadêmico.
  • 70. VIGIFIS Sua atuação está centrada na noção de proteção da população contra exposição a radiações eletromagnéticas. Os efeitos da exposição às irradiações eletromagnéticas são consequências de dois parâmetros: a intensidade do campo e a duração da exposição.
  • 71. VIGIDESASTRES Desastre é uma interrupção grave do funcionamento normal de uma comunidade ou sistema cujos efeitos nas pessoas, assim como as perdas e danos materiais ou ambientais, superam a capacidade de resposta e recuperação dessa comunidade. No Brasil os principais problemas são acarretados por eventos como secas/estiagens, enchentes/inundações, incêndios florestais, deslizamentos/escorregamentos, vendavais, tornados, granizo, furacões. Rio de Janeiro – Minas Gerais
  • 72. Efeitos dos desastres - Provocam um número inesperado de mortes, ferimentos ou enfermidades e congestionam os serviços de saúde; - Danificam a infraestrutura local de saúde com graves consequências de morbi- mortalidade; - Comprometem o comportamento psicossocial das comunidades; -Risco epidemiológico (barragem de Mariana e Brumadinho - MG); -Destroem ou interrompem os sistemas de produção e distribuição de água, dos serviços de limpeza urbana e esgotamento sanitário, favorecendo a proliferação de vetores.
  • 73. Vigiquim Tem o objetivo central de identificar, caracterizar e monitorar as populações expostas às substâncias químicas. A produção, comercialização, uso, armazenagem, transporte, manuseio e descarte de substâncias químicas incluídas nos resíduos industriais e domésticos são preocupações constantes do mundo moderno. Os riscos potenciais oferecidos por substâncias químicas para a saúde humana envolvem vários níveis e setores governamentais, em especial os que atuam em questões relativas ao ambiente, trabalho, saúde, transporte e o desenvolvimento econômico e tecnológico.
  • 74. Vigiquim -As substâncias classificadas como prioritárias: asbesto/amianto, benzeno, agrotóxicos, mercúrio e chumbo. -Dentre os grupos de risco prioritários, expostos a esses contaminantes destacam- se os trabalhadores e as comunidades que residem no entorno de áreas industriais.
  • 75. Saúde do Trabalhador de Fiscalização de Ambientes e Saúde do • Coordenação de Vigilância de Saúde do Trabalhador. • Coordenação Trabalhador. • Coordenação do Centro de Referência em Saúde do Trabalhador (CEREST).
  • 76. Centro de Referência em Saúde do Trabalhador • Participar na elaboração e execução da Política de Saúde do Trabalhador no Estado; • Participar do planejamento das Ações em Saúde de Trabalhador no âmbito estadual; • Acompanhar e auxiliar no Planejamento dos CERESTs Regionais; • Participar do Pólo Estadual de Educação Permanente; • Estruturar o Observatório Estadual de Saúde do Trabalhador; • Estimular, prover subsídios e participar da pactuação para definição da Rede Sentinela de Serviços em Saúde do Trabalhador no Estado; • Contribuir para as ações de Vigilância em Saúde , com subsídios técnicos e operacionais para a vigilância epidemiológica, ambiental e sanitária;
  • 77. •Determinar fluxos de referência e contra referência de cada linha de cuidado de atenção integral à Saúde do Trabalhador; •Desenvolver práticas de aplicação, validação e capacitação de Protocolos de Atenção em Saúde do Trabalhador; •Desenvolver estudos e pesquisas na área de Saúde do Trabalhador e do meio ambiente; • Propor normas relativas a diagnóstico, tratamento e reabilitação de pacientes portadores de agravos à saúde decorrentes do trabalho; •Prestar suporte técnico para que os municípios executem a pactuação regional.
  • 78. CONCEITOS BÁSICOS DE TOXICOLOGIA É a ciência que estuda os efeitos nocivos decorrentes das interações das substâncias químicas com o organismo, com a finalidade de prevenir, diagnosticar e tratar a intoxicação (CHASIN; LIMA, 2010). Casareth a define como "ciência que define os limites de segurança dos agentes químicos".
  • 79. Áreas da Toxicologia Toxicologia de alimentos Toxicologia ambiental Toxicologia de medicamentos Toxicologia ocupacional Toxicologia social Aspectos Clínico Analítico Legislação Pesquisa
  • 80. Classificação do Riscos  Agentes Físicos  Agentes Químicos  Agentes Biológicos  Agentes Ergonômicos  Agentes de Acidentes
  • 81. Agentes Químicos São agentes ambientais causadores em potencial de doenças profissionais devido a sua ação química (fumaça, vapores...) sobre o organismo humano.
  • 82. Agentes Biológicos São microorganismos presentes no ambiente, causadores de doenças com as quais estamos em contato. Principais agentes biológicos: Bactérias Parasitas Vírus Bacilos Protozoários Fungos
  • 83. Desastre da Barragem de Mariana em Brumadinho – MG Quais consequências ? Todos eles estavam intoxicados por níquel e metade tinha níveis de arsênico no sangue acima do normal. A maioria tinha problemas de pele e dificuldade para respirar.
  • 84. Processo de capacitação da comunidade para atuar na melhoria da sua qualidade de vida e saúde, incluindo uma maior participação no controle desse processo. Não é responsabilidade exclusiva do setor de saúde, e vai além do estilo de vida saudável, na direção de um bem- estar global. Promoção da Saúde
  • 85. Busca identificar os fatores determinantes e condicionantes do processo saúde – doença. Orienta-se por um conjunto de ações individuais e coletivas que possam favorecer a saúde e trazer melhorias. Indivíduos com maior capacidade funcional, individual e coletivamente para condições de vida mais adequadas. Promoção da Saúde
  • 86.
  • 87. OBRIGADO! Prof. LUCIANO COLÉGIO TIPURA – Bom Despacho-MG 2023