SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 6
ATIVIDADES SEGUNDA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL E IMPERIALISMO.
1. (Cesgranrio) A "partilha do mundo" (1870 -1914) resultou do interesse das potências capitalistas europeias em:
a) investir seus capitais excedentes nas colônias, obter mercados fornecedores de matérias-primas e reservar
mercados para seus produtos industrializados;
b) desenvolver a produção de gêneros alimentícios nas colônias, visando suprir as deficiências de grãos existentes na
Europa na virada do século;
c) buscar "áreas novas" para a emigração, uma vez que a pressão demográfica na Europa exigia uma solução para o
problema;
d) promover o desenvolvimento das colônias através da aplicação de capitais excedentes em programas sociais e
educacionais;
e) favorecer a atuação dos missionários católicos junto aos pagãos e assegurar a livre concorrência comercial.
2. (Cesgranrio) A industrialização acelerada de diversos países, ao longo do século XIX, alterou o equilíbrio e a
dinâmica das relações internacionais. Com a Segunda Revolução Industrial emergiu o Imperialismo, cuja
característica marcante foi o(a):
a) substituição das intervenções militares pelo uso da diplomacia internacional.
b) busca de novos mercados consumidores para as manufaturas e os capitais excedentes dos países
industrializados.
c) manutenção da autonomia administrativa e dos governos nativos nas áreas conquistadas.
d) procura de especiarias, ouro e produtos tropicais inexistentes na Europa.
e) transferência de tecnologia, estimulada por uma política não intervencionista.
3. (Cesgranrio) Um dos aspectos mais importantes do sistema capitalista, na sua passagem do conteúdo liberal ao
monopolista, é a associação entre:
a) os interesses bancários e os capitais oriundos da produção agrícola na forma do capital financeiro.
Escola Estadual Ignácio Paes Leme
MATERIAL AULA DE HISTÓRIA
9º ANO
Professora: Elisângela M. Rodrigues
FOLHA
2
b) o capital bancário e o capital industrial na forma do capital financeiro.
c) o capital financeiro e o capital fundiário como forma de conservação dos ideais fisiocratas.
d) o Estado e a economia garantindo a manutenção da posição não-intervencionista do Estado na produção industrial.
e) o Estado e a economia através da distribuição dos lucros da produção industrial aos pequenos agricultores.
Na segunda fase da Revolução Industrial, a partir de 1850, o sistema fabril buscava formas de otimizar a produção,
garantindo melhor produtividade. Nesse contexto, o engenheiro norte-americano propôs a divisão do trabalho segundo a
qual cada operário ficava responsável por uma única e repetitiva função, desconhecendo o processo total da produção.
Esse método foi largamente utilizado e ficou conhecido como taylorismo. Com base nisso e nas informações discutidas
anteriormente em sala, analise a charge:
4. Qual é a crítica feita na charge?
O fato de o operário trabalhar a 30
anos na mesma função e na
mesma fábrica e mesmo assim não
fazer ideia do que está produzindo.
(ALIENAÇÃO DO TRABALHADOR)
5. O que é mais importante
atualmente: a especialização de
tarefa ou adquirir múltiplas
habilidades? Reflita antes de responder e explique sua resposta.
Resposta pessoal: adquirir múltiplas habilidades se relaciona mais com o momento econômico que vivemos,
exemplo: eu como professora de uma determinada área tenho que saber fazer relações com outros conteúdos e
ainda apresentar alguma habilidade em manipular a tecnologia para oferecer um trabalho melhor.
Leia a seguir um resumo sobre a Segunda Revolução Industrial.
Com o desenvolvimento efetivo da atividade industrial em diversas partes do mundo, os donos dos meios de produção e
capitais começaram a direcionar recursos financeiros para o desvendamento e criação de novas tecnologias como
procedimentos produtivos, máquinas, equipamentos, entre outros. Todos com intuito de dinamizar e acelerar a
produtividade e, automaticamente, os percentuais de lucros.
Desse modo, grande parte dos avanços tecnológicos foi derivada de pesquisas científicas que são realizadas para o
aperfeiçoamento industrial. Esse processo é contínuo, pois constantemente busca novos materiais, novas tecnologias e
métodos de produção com o objetivo de ampliar as margens de lucros.
O período que mais marcou os avanços tecnológicos foi entre o final do século XIX até meados do século XX, quando o
mundo vivenciou uma série de avanços na tecnologia, na medicina, entre outros. Os fatos de maior destaque, assim
como na Primeira Revolução Industrial (1760 a 1860), foram em relação a inventos e descobertas. Dessa vez, porém, o
que impulsionou foi, sem dúvida, o petróleo, o motor a combustão, a utilização do aço e o uso da força das águas na
geração de energia elétrica, com a criação das usinas hidrelétricas.
O conjunto de novidades tecnológicas favoreceu uma flexibilização produtiva na atividade industrial, posicionando países
que lideram o processo de industrialização como algumas nações europeias, além dos Estados Unidos e Japão, que
ingressaram na Segunda Revolução Industrial. (1860 a 1900)
A Segunda Revolução Industrial focalizou a produção no seguimento de indústrias de grande porte (siderúrgicas,
metalúrgicas, petroquímicas, automobilísticas, transporte ferroviário e naval). Essa etapa da indústria mundial produziu
profundas modificações no contexto do espaço geográfico no qual essa revolução foi desenvolvida.
Disponível em: <http://www.mundoeducacao.com.br/geografia/segunda-revolucao-industrial.htm>
6. COMPARE a primeira fase e a segunda fase da Revolução Industrial, elabore um parágrafo pontuando ao menos
duas diferenças.
A Primeira Revolução Industrial ocorreu na Inglaterra, enquanto a Segunda se estendeu a outros países
europeus, EUA e Japão.
No primeiro foi usado o carvão, ferro e vapor d’água e no segundo a energia elétrica, aço e petróleo, diferenças
essas se referem às fontes de energia.
7. ASSOCIE o surgimento de novas tecnologias e o desenvolvimento da produção ao processo do imperialismo no
século XIX.
A 2ª R.I. (Segunda Revolução Industrial) ampliou o volume da produção, tornando-se necessário a busca de
novos mercados consumidores e também a exploração de matérias primas, esses interesses levaram ao
processo denominado Imperialismo ou Neocolonialismo.
(Fuvest) Leia este texto, que se refere à dominação europeia sobre os povos e terras africanas.
“Desde o século XVI, os portugueses e, trezentos anos mais tarde, os franceses, britânicos e alemães souberam usar os
povos [africanos] mais fracos contra os mais fortes que desejavam submeter. Aliaram-se àqueles e somaram os seus
grandes números aos contingentes, em geral pequenos, de militares europeus”
Alberto da Costa e Silva. A África explicada aos meus filhos. Rio de Janeiro: Agir, 2008, p. 98.
8. Diferencie a presença europeia na África nos dois períodos aos quais o texto se refere.
No século XVI a presença portuguesa na África está relacionada ao processo de expansão marítima e ao
momento que chamamos de capitalismo comercial, com ênfase na obtenção de mão de obra escrava.
O processo do Neocolonialismo realizou-se no contexto do séc. XIX, quando houve a necessidade de escoar a
produção industrial.
9. Indique uma decorrência, para o continente africano, dessa política colonial de estimular conflitos internos.
Esses conflitos fragilizam as relações entre os povos e acirra as disputas entre grupos, fragilizando os mesmos
frente ao processo de expansão imperialista e impedindo uma administração própria dos recursos naturais. A
divisão do continente desconsidera questões culturais e diferenças na forma de organização.
Para Casa de História: Leia o texto a seguir para responder à próxima questão.
“A Revolução Industrial teve consequências dramáticas para todos os grupos de trabalhadores. (...) Os males sociais das
fábricas, das cidades fabris e das mineiras e as tragédias dos trabalhadores domésticos agora desempregados estavam
entre os primeiros aspectos da ordem que requeria a atenção dos reformadores. (...)
HENDERSON, W. O. A Revolução Industrial. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1979. p. 122-128.
Várias ideologias surgiram para combater os “males sociais das fábricas”. Foram elas, o socialismo utópico, o marxismo,
o anarquismo, entre outras. Ao mesmo tempo, o liberalismo econômico defendia os interesses da classe que mais se
beneficiava com o processo de industrialização.
10. Faça uma pesquisa buscando conhecimentos sobre o tema, depois elabore um quadro comparativo como
esse no caderno ou em folha sulfite e preencha as informações sobre cada uma dessas ideologias.
Defende o (a): Métodos Classe/grupo que apoia:
Liberalismo A não intervenção do Estado na
economia. Livre concorrência e a
lei da oferta e da procura.
O Estado, que deve proteger as
liberdades individuais, capaz e
impor restrições aos indivíduos.
‘onde não há lei, não há liberdade’.
John Locke.
Classe média em ascensão.
Socialismo
Utópico
Igualdade social sem levar em
conta as dificuldades e sem
apontar os caminhos viáveis para
se conquistá-las.
A transformação social
aconteceria de forma pacífica, sem
conflitos entre patrões e
empregados.
Intelectuais e grupos de
trabalhadores.
Socialismo
Científico
Projeto social que buscava formas
para superar as dificuldades
sociais.
Luta de classes, da revolução
proletária e da luta armada.
Os trabalhadores (classe
explorada).
Anarquismo O fim de qualquer forma de
autoridade e dominação.
Debates sobre a necessidade de
uma moral anarquista, de uma
plataforma organizacional.
Movimento de massas.
Socialismo
Cristão
Defendem o socialismo baseado
em princípios cristãos.
Socialismo baseado nos ideais do
cristianismo, oposto à luta de
classes e ao ateísmo.
Alguns membros da Igreja
Católica.
Defende o (a): Métodos Classe/grupo que apoia:
Liberalismo A não intervenção do Estado na
economia. Livre concorrência e a
lei da oferta e da procura.
O Estado, que deve proteger as
liberdades individuais, capaz e
impor restrições aos indivíduos.
‘onde não há lei, não há liberdade’.
John Locke.
Classe média em ascensão.
Socialismo
Utópico
Igualdade social sem levar em
conta as dificuldades e sem
apontar os caminhos viáveis para
se conquistá-las.
A transformação social
aconteceria de forma pacífica, sem
conflitos entre patrões e
empregados.
Intelectuais e grupos de
trabalhadores.
Socialismo
Científico
Projeto social que buscava formas
para superar as dificuldades
sociais.
Luta de classes, da revolução
proletária e da luta armada.
Os trabalhadores (classe
explorada).
Anarquismo O fim de qualquer forma de
autoridade e dominação.
Debates sobre a necessidade de
uma moral anarquista, de uma
plataforma organizacional.
Movimento de massas.
Socialismo
Cristão
Defendem o socialismo baseado
em princípios cristãos.
Socialismo baseado nos ideais do
cristianismo, oposto à luta de
classes e ao ateísmo.
Alguns membros da Igreja
Católica.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

AVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CONCEITO DE TRABALHO - Prof. Noe Assunção
AVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CONCEITO DE TRABALHO -  Prof. Noe AssunçãoAVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CONCEITO DE TRABALHO -  Prof. Noe Assunção
AVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CONCEITO DE TRABALHO - Prof. Noe AssunçãoProf. Noe Assunção
 
Aula 1 Participação política e cidadania - 3º Sociologia - Prof. Noe Assunção
Aula 1   Participação política e cidadania - 3º Sociologia - Prof. Noe AssunçãoAula 1   Participação política e cidadania - 3º Sociologia - Prof. Noe Assunção
Aula 1 Participação política e cidadania - 3º Sociologia - Prof. Noe AssunçãoProf. Noe Assunção
 
AVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CIDADANIA- DEMOCRACIA- PARTICIPAÇÃO CIDADÃ - Prof. ...
AVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CIDADANIA- DEMOCRACIA- PARTICIPAÇÃO CIDADÃ - Prof. ...AVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CIDADANIA- DEMOCRACIA- PARTICIPAÇÃO CIDADÃ - Prof. ...
AVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CIDADANIA- DEMOCRACIA- PARTICIPAÇÃO CIDADÃ - Prof. ...Prof. Noe Assunção
 
atividade de geografia
atividade de geografiaatividade de geografia
atividade de geografiaBroma Spazi
 
Atividade de História - Ditadura Militar no Brasil
Atividade de História - Ditadura Militar no BrasilAtividade de História - Ditadura Militar no Brasil
Atividade de História - Ditadura Militar no BrasilEdilene Ruth Pereira
 
L ista de exercicios 8º ano abdamides
L ista de exercicios 8º ano abdamidesL ista de exercicios 8º ano abdamides
L ista de exercicios 8º ano abdamidesAbdamides Carvalho
 
Avaliação democracia e cidadania - 3º Sociologia - Prof. Noe Assunção
Avaliação democracia e cidadania - 3º Sociologia - Prof. Noe AssunçãoAvaliação democracia e cidadania - 3º Sociologia - Prof. Noe Assunção
Avaliação democracia e cidadania - 3º Sociologia - Prof. Noe AssunçãoProf. Noe Assunção
 
Prova Parcial 8serie A 2 Etapa Emei Vicente Fialho Gabarito
Prova Parcial 8serie A 2 Etapa Emei Vicente Fialho GabaritoProva Parcial 8serie A 2 Etapa Emei Vicente Fialho Gabarito
Prova Parcial 8serie A 2 Etapa Emei Vicente Fialho GabaritoJana Bento
 
Avaliaçao sociologia 2º ano
Avaliaçao sociologia 2º anoAvaliaçao sociologia 2º ano
Avaliaçao sociologia 2º anoananiasdoamaral
 
Prova 2 ano de historia 3 bimestre r russa, 1 e 2 guerra
Prova 2 ano de historia 3 bimestre  r russa, 1 e 2 guerraProva 2 ano de historia 3 bimestre  r russa, 1 e 2 guerra
Prova 2 ano de historia 3 bimestre r russa, 1 e 2 guerraAtividades Diversas Cláudia
 
ATIVIDADE - CONCEITO DE CULTURA COM JOGO DA CRUZADINHA
ATIVIDADE - CONCEITO DE CULTURA COM JOGO DA CRUZADINHAATIVIDADE - CONCEITO DE CULTURA COM JOGO DA CRUZADINHA
ATIVIDADE - CONCEITO DE CULTURA COM JOGO DA CRUZADINHAProf. Noe Assunção
 
Atividades de sociologia interpretação de textos e charges
Atividades de sociologia interpretação de textos e chargesAtividades de sociologia interpretação de textos e charges
Atividades de sociologia interpretação de textos e chargesAtividades Diversas Cláudia
 
ATIVIDADE - INDÚSTRIA CULTURAL - Prof. Noe Assunção
ATIVIDADE - INDÚSTRIA CULTURAL - Prof. Noe AssunçãoATIVIDADE - INDÚSTRIA CULTURAL - Prof. Noe Assunção
ATIVIDADE - INDÚSTRIA CULTURAL - Prof. Noe AssunçãoProf. Noe Assunção
 
Atividades primeira republica (as questoes são um resumo de toda a 1 republica)
Atividades primeira republica (as questoes são um resumo de toda a 1 republica)Atividades primeira republica (as questoes são um resumo de toda a 1 republica)
Atividades primeira republica (as questoes são um resumo de toda a 1 republica)Atividades Diversas Cláudia
 

Mais procurados (20)

AVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CONCEITO DE TRABALHO - Prof. Noe Assunção
AVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CONCEITO DE TRABALHO -  Prof. Noe AssunçãoAVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CONCEITO DE TRABALHO -  Prof. Noe Assunção
AVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CONCEITO DE TRABALHO - Prof. Noe Assunção
 
Aula 1 Participação política e cidadania - 3º Sociologia - Prof. Noe Assunção
Aula 1   Participação política e cidadania - 3º Sociologia - Prof. Noe AssunçãoAula 1   Participação política e cidadania - 3º Sociologia - Prof. Noe Assunção
Aula 1 Participação política e cidadania - 3º Sociologia - Prof. Noe Assunção
 
AVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CIDADANIA- DEMOCRACIA- PARTICIPAÇÃO CIDADÃ - Prof. ...
AVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CIDADANIA- DEMOCRACIA- PARTICIPAÇÃO CIDADÃ - Prof. ...AVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CIDADANIA- DEMOCRACIA- PARTICIPAÇÃO CIDADÃ - Prof. ...
AVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CIDADANIA- DEMOCRACIA- PARTICIPAÇÃO CIDADÃ - Prof. ...
 
Exercicio revolução russa
Exercicio revolução russaExercicio revolução russa
Exercicio revolução russa
 
atividade de geografia
atividade de geografiaatividade de geografia
atividade de geografia
 
Atividade de História - Ditadura Militar no Brasil
Atividade de História - Ditadura Militar no BrasilAtividade de História - Ditadura Militar no Brasil
Atividade de História - Ditadura Militar no Brasil
 
L ista de exercicios 8º ano abdamides
L ista de exercicios 8º ano abdamidesL ista de exercicios 8º ano abdamides
L ista de exercicios 8º ano abdamides
 
Avaliação democracia e cidadania - 3º Sociologia - Prof. Noe Assunção
Avaliação democracia e cidadania - 3º Sociologia - Prof. Noe AssunçãoAvaliação democracia e cidadania - 3º Sociologia - Prof. Noe Assunção
Avaliação democracia e cidadania - 3º Sociologia - Prof. Noe Assunção
 
Lista de exercícios (Sociologia)
Lista de exercícios (Sociologia)Lista de exercícios (Sociologia)
Lista de exercícios (Sociologia)
 
Prova Parcial 8serie A 2 Etapa Emei Vicente Fialho Gabarito
Prova Parcial 8serie A 2 Etapa Emei Vicente Fialho GabaritoProva Parcial 8serie A 2 Etapa Emei Vicente Fialho Gabarito
Prova Parcial 8serie A 2 Etapa Emei Vicente Fialho Gabarito
 
Absolutismo lista (1)
Absolutismo lista (1)Absolutismo lista (1)
Absolutismo lista (1)
 
Avaliação de recuperação 9º ano (1)
Avaliação de recuperação 9º ano (1)Avaliação de recuperação 9º ano (1)
Avaliação de recuperação 9º ano (1)
 
Avaliaçao sociologia 2º ano
Avaliaçao sociologia 2º anoAvaliaçao sociologia 2º ano
Avaliaçao sociologia 2º ano
 
Prova 2 ano de historia 3 bimestre r russa, 1 e 2 guerra
Prova 2 ano de historia 3 bimestre  r russa, 1 e 2 guerraProva 2 ano de historia 3 bimestre  r russa, 1 e 2 guerra
Prova 2 ano de historia 3 bimestre r russa, 1 e 2 guerra
 
ATIVIDADE - CONCEITO DE CULTURA COM JOGO DA CRUZADINHA
ATIVIDADE - CONCEITO DE CULTURA COM JOGO DA CRUZADINHAATIVIDADE - CONCEITO DE CULTURA COM JOGO DA CRUZADINHA
ATIVIDADE - CONCEITO DE CULTURA COM JOGO DA CRUZADINHA
 
Guerra fria
Guerra friaGuerra fria
Guerra fria
 
Atividades de sociologia interpretação de textos e charges
Atividades de sociologia interpretação de textos e chargesAtividades de sociologia interpretação de textos e charges
Atividades de sociologia interpretação de textos e charges
 
Prova revoluçao russa
Prova revoluçao russaProva revoluçao russa
Prova revoluçao russa
 
ATIVIDADE - INDÚSTRIA CULTURAL - Prof. Noe Assunção
ATIVIDADE - INDÚSTRIA CULTURAL - Prof. Noe AssunçãoATIVIDADE - INDÚSTRIA CULTURAL - Prof. Noe Assunção
ATIVIDADE - INDÚSTRIA CULTURAL - Prof. Noe Assunção
 
Atividades primeira republica (as questoes são um resumo de toda a 1 republica)
Atividades primeira republica (as questoes são um resumo de toda a 1 republica)Atividades primeira republica (as questoes são um resumo de toda a 1 republica)
Atividades primeira republica (as questoes são um resumo de toda a 1 republica)
 

Destaque

Atividades de História: Segunda Revolução Industrial, Imperialismo, Primeira ...
Atividades de História: Segunda Revolução Industrial, Imperialismo, Primeira ...Atividades de História: Segunda Revolução Industrial, Imperialismo, Primeira ...
Atividades de História: Segunda Revolução Industrial, Imperialismo, Primeira ...Doug Caesar
 
Imperialismo e industrialização - 9º Ano
Imperialismo e industrialização - 9º AnoImperialismo e industrialização - 9º Ano
Imperialismo e industrialização - 9º AnoItalo Colares
 
Td 9º anos (09.02.11)
Td 9º anos (09.02.11)Td 9º anos (09.02.11)
Td 9º anos (09.02.11)Jorge Tales
 
Imperialismo e colonialismos
Imperialismo e colonialismosImperialismo e colonialismos
Imperialismo e colonialismosdanizinhaw
 
Artesanato e corporatismo na Idade média
Artesanato e corporatismo na Idade médiaArtesanato e corporatismo na Idade média
Artesanato e corporatismo na Idade médiaMelissa Porto
 
Ideologias políticas do século xix
Ideologias políticas do século xixIdeologias políticas do século xix
Ideologias políticas do século xixPrivada
 
CANCERS MAMMAIRES ET COMPTES RENDUS FICHES STANDARDISES
CANCERS MAMMAIRES ET COMPTES RENDUS FICHES STANDARDISESCANCERS MAMMAIRES ET COMPTES RENDUS FICHES STANDARDISES
CANCERS MAMMAIRES ET COMPTES RENDUS FICHES STANDARDISESElisabeth RUSS
 
Revolução industrial atividade revisão
Revolução industrial   atividade revisãoRevolução industrial   atividade revisão
Revolução industrial atividade revisãoCarlos Zaranza
 

Destaque (20)

Pchist 09março
Pchist 09marçoPchist 09março
Pchist 09março
 
Atividades de História: Segunda Revolução Industrial, Imperialismo, Primeira ...
Atividades de História: Segunda Revolução Industrial, Imperialismo, Primeira ...Atividades de História: Segunda Revolução Industrial, Imperialismo, Primeira ...
Atividades de História: Segunda Revolução Industrial, Imperialismo, Primeira ...
 
Imperialismo e industrialização - 9º Ano
Imperialismo e industrialização - 9º AnoImperialismo e industrialização - 9º Ano
Imperialismo e industrialização - 9º Ano
 
Trabalho 1ª GM
Trabalho 1ª GMTrabalho 1ª GM
Trabalho 1ª GM
 
Td 9º anos (09.02.11)
Td 9º anos (09.02.11)Td 9º anos (09.02.11)
Td 9º anos (09.02.11)
 
2º história
2º história2º história
2º história
 
Revisão 2 ano
Revisão 2 anoRevisão 2 ano
Revisão 2 ano
 
Blog material do trabalho
Blog material do trabalhoBlog material do trabalho
Blog material do trabalho
 
2016 Shareholder Meeting
2016 Shareholder Meeting2016 Shareholder Meeting
2016 Shareholder Meeting
 
Imperialismo e colonialismos
Imperialismo e colonialismosImperialismo e colonialismos
Imperialismo e colonialismos
 
Artesanato e corporatismo na Idade média
Artesanato e corporatismo na Idade médiaArtesanato e corporatismo na Idade média
Artesanato e corporatismo na Idade média
 
Como seria sua_vida_na_idade_media
Como seria sua_vida_na_idade_mediaComo seria sua_vida_na_idade_media
Como seria sua_vida_na_idade_media
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
 
Ideologias políticas do século xix
Ideologias políticas do século xixIdeologias políticas do século xix
Ideologias políticas do século xix
 
CANCERS MAMMAIRES ET COMPTES RENDUS FICHES STANDARDISES
CANCERS MAMMAIRES ET COMPTES RENDUS FICHES STANDARDISESCANCERS MAMMAIRES ET COMPTES RENDUS FICHES STANDARDISES
CANCERS MAMMAIRES ET COMPTES RENDUS FICHES STANDARDISES
 
Correções livro _ 9º ano
Correções livro _ 9º anoCorreções livro _ 9º ano
Correções livro _ 9º ano
 
wifi aware
 wifi aware wifi aware
wifi aware
 
Jueves 16.00 Dr. Palacios
Jueves 16.00 Dr. PalaciosJueves 16.00 Dr. Palacios
Jueves 16.00 Dr. Palacios
 
Revolução industrial atividade revisão
Revolução industrial   atividade revisãoRevolução industrial   atividade revisão
Revolução industrial atividade revisão
 
Neocolonialismo texto 8 2012
Neocolonialismo texto 8 2012Neocolonialismo texto 8 2012
Neocolonialismo texto 8 2012
 

Semelhante a Atividade 2 - 9º ano gabaritada

Geografia ppt capitalismo e a revolução industrial
Geografia ppt   capitalismo e a revolução industrialGeografia ppt   capitalismo e a revolução industrial
Geografia ppt capitalismo e a revolução industrialBeatriz EAloísio
 
Geografia ppt capitalismo e a revolução industrial
Geografia ppt   capitalismo e a revolução industrialGeografia ppt   capitalismo e a revolução industrial
Geografia ppt capitalismo e a revolução industrialAmadeu Neto
 
Industrialização - Revoluções.ppt
Industrialização - Revoluções.pptIndustrialização - Revoluções.ppt
Industrialização - Revoluções.pptIgor da Silva
 
Revolução industrial complementos.pdf
Revolução industrial complementos.pdfRevolução industrial complementos.pdf
Revolução industrial complementos.pdfRAFAELASCARI1
 
Caderno diário As Transformações Económicas na Europa e no Mundo n.º10 1415
Caderno diário As Transformações Económicas na Europa e no Mundo n.º10 1415Caderno diário As Transformações Económicas na Europa e no Mundo n.º10 1415
Caderno diário As Transformações Económicas na Europa e no Mundo n.º10 1415Laboratório de História
 
01 capitalismo%20e%20 socialismo%20
01 capitalismo%20e%20 socialismo%2001 capitalismo%20e%20 socialismo%20
01 capitalismo%20e%20 socialismo%20AVP90
 
01 capitalismo%20e%20 socialismo%20
01 capitalismo%20e%20 socialismo%2001 capitalismo%20e%20 socialismo%20
01 capitalismo%20e%20 socialismo%20AVP90
 
Guia de Estudos CB SIA 2013
Guia de Estudos CB SIA 2013Guia de Estudos CB SIA 2013
Guia de Estudos CB SIA 2013Déborah Guedes
 
GUIA DE ESTUDOS CB SIA 2013 .1
GUIA DE ESTUDOS CB SIA 2013 .1GUIA DE ESTUDOS CB SIA 2013 .1
GUIA DE ESTUDOS CB SIA 2013 .1Déborah Guedes
 
Aula 6 revolução industrial
Aula 6   revolução industrialAula 6   revolução industrial
Aula 6 revolução industrialProfdaltonjunior
 
Aula 11 rev. industrial e socialismo
Aula 11   rev. industrial e socialismoAula 11   rev. industrial e socialismo
Aula 11 rev. industrial e socialismoJonatas Carlos
 
Conferência de berlim final de verdade
Conferência de berlim final de verdadeConferência de berlim final de verdade
Conferência de berlim final de verdadeDéborah Guedes
 
Texto escolar3anoconstrucaoespacomundialnumaperspectivacapitalismo
Texto escolar3anoconstrucaoespacomundialnumaperspectivacapitalismoTexto escolar3anoconstrucaoespacomundialnumaperspectivacapitalismo
Texto escolar3anoconstrucaoespacomundialnumaperspectivacapitalismoechechurry
 
Transformações de um mundo industrial – desiguldades,
Transformações de um mundo industrial – desiguldades,Transformações de um mundo industrial – desiguldades,
Transformações de um mundo industrial – desiguldades,Rodrigo Teixeira
 
Movimentos operários
Movimentos operáriosMovimentos operários
Movimentos operáriosJornal Ovale
 
Formação do espaço geográfico mundial
Formação do espaço geográfico mundialFormação do espaço geográfico mundial
Formação do espaço geográfico mundialSuely Takahashi
 

Semelhante a Atividade 2 - 9º ano gabaritada (20)

Geografia ppt capitalismo e a revolução industrial
Geografia ppt   capitalismo e a revolução industrialGeografia ppt   capitalismo e a revolução industrial
Geografia ppt capitalismo e a revolução industrial
 
Geografia ppt capitalismo e a revolução industrial
Geografia ppt   capitalismo e a revolução industrialGeografia ppt   capitalismo e a revolução industrial
Geografia ppt capitalismo e a revolução industrial
 
Os modos de produção capitalista e socialista
Os modos de produção capitalista e socialistaOs modos de produção capitalista e socialista
Os modos de produção capitalista e socialista
 
Industrialização - Revoluções.ppt
Industrialização - Revoluções.pptIndustrialização - Revoluções.ppt
Industrialização - Revoluções.ppt
 
Revolução industrial complementos.pdf
Revolução industrial complementos.pdfRevolução industrial complementos.pdf
Revolução industrial complementos.pdf
 
Caderno diário As Transformações Económicas na Europa e no Mundo n.º10 1415
Caderno diário As Transformações Económicas na Europa e no Mundo n.º10 1415Caderno diário As Transformações Económicas na Europa e no Mundo n.º10 1415
Caderno diário As Transformações Económicas na Europa e no Mundo n.º10 1415
 
01 capitalismo%20e%20 socialismo%20
01 capitalismo%20e%20 socialismo%2001 capitalismo%20e%20 socialismo%20
01 capitalismo%20e%20 socialismo%20
 
01 capitalismo%20e%20 socialismo%20
01 capitalismo%20e%20 socialismo%2001 capitalismo%20e%20 socialismo%20
01 capitalismo%20e%20 socialismo%20
 
Top 5: Resumos Enem
Top 5: Resumos Enem Top 5: Resumos Enem
Top 5: Resumos Enem
 
Guia de Estudos CB SIA 2013
Guia de Estudos CB SIA 2013Guia de Estudos CB SIA 2013
Guia de Estudos CB SIA 2013
 
GUIA DE ESTUDOS CB SIA 2013 .1
GUIA DE ESTUDOS CB SIA 2013 .1GUIA DE ESTUDOS CB SIA 2013 .1
GUIA DE ESTUDOS CB SIA 2013 .1
 
Aula 6 revolução industrial
Aula 6   revolução industrialAula 6   revolução industrial
Aula 6 revolução industrial
 
Aula 11 rev. industrial e socialismo
Aula 11   rev. industrial e socialismoAula 11   rev. industrial e socialismo
Aula 11 rev. industrial e socialismo
 
História 9ºano
História 9ºanoHistória 9ºano
História 9ºano
 
Conferência de berlim final de verdade
Conferência de berlim final de verdadeConferência de berlim final de verdade
Conferência de berlim final de verdade
 
C30 slides
C30 slidesC30 slides
C30 slides
 
Texto escolar3anoconstrucaoespacomundialnumaperspectivacapitalismo
Texto escolar3anoconstrucaoespacomundialnumaperspectivacapitalismoTexto escolar3anoconstrucaoespacomundialnumaperspectivacapitalismo
Texto escolar3anoconstrucaoespacomundialnumaperspectivacapitalismo
 
Transformações de um mundo industrial – desiguldades,
Transformações de um mundo industrial – desiguldades,Transformações de um mundo industrial – desiguldades,
Transformações de um mundo industrial – desiguldades,
 
Movimentos operários
Movimentos operáriosMovimentos operários
Movimentos operários
 
Formação do espaço geográfico mundial
Formação do espaço geográfico mundialFormação do espaço geográfico mundial
Formação do espaço geográfico mundial
 

Mais de Elisângela Martins Rodrigues

Mais de Elisângela Martins Rodrigues (20)

Correcoes de exercícios do livro 9º ano
Correcoes de exercícios do livro 9º anoCorrecoes de exercícios do livro 9º ano
Correcoes de exercícios do livro 9º ano
 
Correcoes livro
Correcoes livroCorrecoes livro
Correcoes livro
 
Guerra Fria
Guerra FriaGuerra Fria
Guerra Fria
 
Colonizacao da America
Colonizacao da AmericaColonizacao da America
Colonizacao da America
 
Correcoes de exercicios trabalhados em sala
Correcoes de exercicios trabalhados em salaCorrecoes de exercicios trabalhados em sala
Correcoes de exercicios trabalhados em sala
 
Lista exercícios grandes navegações
Lista exercícios grandes navegaçõesLista exercícios grandes navegações
Lista exercícios grandes navegações
 
Revisão 3º bi
Revisão 3º biRevisão 3º bi
Revisão 3º bi
 
Trabalho interdisciplinar história e português
Trabalho interdisciplinar história e portuguêsTrabalho interdisciplinar história e português
Trabalho interdisciplinar história e português
 
Era vargas
Era vargasEra vargas
Era vargas
 
Resumo formacao dos estados modernos
Resumo formacao dos estados modernosResumo formacao dos estados modernos
Resumo formacao dos estados modernos
 
Lista exercícios reformaprotestante
Lista exercícios reformaprotestanteLista exercícios reformaprotestante
Lista exercícios reformaprotestante
 
Temas trabalho 2ª gm
Temas trabalho   2ª gmTemas trabalho   2ª gm
Temas trabalho 2ª gm
 
Reforma Protestante
Reforma ProtestanteReforma Protestante
Reforma Protestante
 
Exercícios Renascimento Cultural
Exercícios Renascimento CulturalExercícios Renascimento Cultural
Exercícios Renascimento Cultural
 
Revolução russa
Revolução russaRevolução russa
Revolução russa
 
Renascimento cultural e_cientifico
Renascimento cultural e_cientificoRenascimento cultural e_cientifico
Renascimento cultural e_cientifico
 
Islamismo2017
Islamismo2017Islamismo2017
Islamismo2017
 
República velha
República velhaRepública velha
República velha
 
Independencia dos eua
Independencia dos euaIndependencia dos eua
Independencia dos eua
 
Independencia dos eua
Independencia dos euaIndependencia dos eua
Independencia dos eua
 

Último

O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaHenrique Santos
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.HandersonFabio
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptxlucioalmeida2702
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalcarlamgalves5
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Mary Alvarenga
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...LuizHenriquedeAlmeid6
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfRILTONNOGUEIRADOSSAN
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 
Plano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaPlano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaanapsuls
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisIlda Bicacro
 
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptAula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptParticular
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxIlda Bicacro
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoIlda Bicacro
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"Ilda Bicacro
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Rosana Andrea Miranda
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfssuserbb4ac2
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAElianeAlves383563
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"Ilda Bicacro
 

Último (20)

O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
 
Plano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaPlano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola pública
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptAula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 

Atividade 2 - 9º ano gabaritada

  • 1. ATIVIDADES SEGUNDA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL E IMPERIALISMO. 1. (Cesgranrio) A "partilha do mundo" (1870 -1914) resultou do interesse das potências capitalistas europeias em: a) investir seus capitais excedentes nas colônias, obter mercados fornecedores de matérias-primas e reservar mercados para seus produtos industrializados; b) desenvolver a produção de gêneros alimentícios nas colônias, visando suprir as deficiências de grãos existentes na Europa na virada do século; c) buscar "áreas novas" para a emigração, uma vez que a pressão demográfica na Europa exigia uma solução para o problema; d) promover o desenvolvimento das colônias através da aplicação de capitais excedentes em programas sociais e educacionais; e) favorecer a atuação dos missionários católicos junto aos pagãos e assegurar a livre concorrência comercial. 2. (Cesgranrio) A industrialização acelerada de diversos países, ao longo do século XIX, alterou o equilíbrio e a dinâmica das relações internacionais. Com a Segunda Revolução Industrial emergiu o Imperialismo, cuja característica marcante foi o(a): a) substituição das intervenções militares pelo uso da diplomacia internacional. b) busca de novos mercados consumidores para as manufaturas e os capitais excedentes dos países industrializados. c) manutenção da autonomia administrativa e dos governos nativos nas áreas conquistadas. d) procura de especiarias, ouro e produtos tropicais inexistentes na Europa. e) transferência de tecnologia, estimulada por uma política não intervencionista. 3. (Cesgranrio) Um dos aspectos mais importantes do sistema capitalista, na sua passagem do conteúdo liberal ao monopolista, é a associação entre: a) os interesses bancários e os capitais oriundos da produção agrícola na forma do capital financeiro. Escola Estadual Ignácio Paes Leme MATERIAL AULA DE HISTÓRIA 9º ANO Professora: Elisângela M. Rodrigues FOLHA 2
  • 2. b) o capital bancário e o capital industrial na forma do capital financeiro. c) o capital financeiro e o capital fundiário como forma de conservação dos ideais fisiocratas. d) o Estado e a economia garantindo a manutenção da posição não-intervencionista do Estado na produção industrial. e) o Estado e a economia através da distribuição dos lucros da produção industrial aos pequenos agricultores. Na segunda fase da Revolução Industrial, a partir de 1850, o sistema fabril buscava formas de otimizar a produção, garantindo melhor produtividade. Nesse contexto, o engenheiro norte-americano propôs a divisão do trabalho segundo a qual cada operário ficava responsável por uma única e repetitiva função, desconhecendo o processo total da produção. Esse método foi largamente utilizado e ficou conhecido como taylorismo. Com base nisso e nas informações discutidas anteriormente em sala, analise a charge: 4. Qual é a crítica feita na charge? O fato de o operário trabalhar a 30 anos na mesma função e na mesma fábrica e mesmo assim não fazer ideia do que está produzindo. (ALIENAÇÃO DO TRABALHADOR) 5. O que é mais importante atualmente: a especialização de tarefa ou adquirir múltiplas habilidades? Reflita antes de responder e explique sua resposta. Resposta pessoal: adquirir múltiplas habilidades se relaciona mais com o momento econômico que vivemos, exemplo: eu como professora de uma determinada área tenho que saber fazer relações com outros conteúdos e ainda apresentar alguma habilidade em manipular a tecnologia para oferecer um trabalho melhor. Leia a seguir um resumo sobre a Segunda Revolução Industrial. Com o desenvolvimento efetivo da atividade industrial em diversas partes do mundo, os donos dos meios de produção e capitais começaram a direcionar recursos financeiros para o desvendamento e criação de novas tecnologias como procedimentos produtivos, máquinas, equipamentos, entre outros. Todos com intuito de dinamizar e acelerar a produtividade e, automaticamente, os percentuais de lucros.
  • 3. Desse modo, grande parte dos avanços tecnológicos foi derivada de pesquisas científicas que são realizadas para o aperfeiçoamento industrial. Esse processo é contínuo, pois constantemente busca novos materiais, novas tecnologias e métodos de produção com o objetivo de ampliar as margens de lucros. O período que mais marcou os avanços tecnológicos foi entre o final do século XIX até meados do século XX, quando o mundo vivenciou uma série de avanços na tecnologia, na medicina, entre outros. Os fatos de maior destaque, assim como na Primeira Revolução Industrial (1760 a 1860), foram em relação a inventos e descobertas. Dessa vez, porém, o que impulsionou foi, sem dúvida, o petróleo, o motor a combustão, a utilização do aço e o uso da força das águas na geração de energia elétrica, com a criação das usinas hidrelétricas. O conjunto de novidades tecnológicas favoreceu uma flexibilização produtiva na atividade industrial, posicionando países que lideram o processo de industrialização como algumas nações europeias, além dos Estados Unidos e Japão, que ingressaram na Segunda Revolução Industrial. (1860 a 1900) A Segunda Revolução Industrial focalizou a produção no seguimento de indústrias de grande porte (siderúrgicas, metalúrgicas, petroquímicas, automobilísticas, transporte ferroviário e naval). Essa etapa da indústria mundial produziu profundas modificações no contexto do espaço geográfico no qual essa revolução foi desenvolvida. Disponível em: <http://www.mundoeducacao.com.br/geografia/segunda-revolucao-industrial.htm> 6. COMPARE a primeira fase e a segunda fase da Revolução Industrial, elabore um parágrafo pontuando ao menos duas diferenças. A Primeira Revolução Industrial ocorreu na Inglaterra, enquanto a Segunda se estendeu a outros países europeus, EUA e Japão. No primeiro foi usado o carvão, ferro e vapor d’água e no segundo a energia elétrica, aço e petróleo, diferenças essas se referem às fontes de energia. 7. ASSOCIE o surgimento de novas tecnologias e o desenvolvimento da produção ao processo do imperialismo no século XIX. A 2ª R.I. (Segunda Revolução Industrial) ampliou o volume da produção, tornando-se necessário a busca de novos mercados consumidores e também a exploração de matérias primas, esses interesses levaram ao processo denominado Imperialismo ou Neocolonialismo. (Fuvest) Leia este texto, que se refere à dominação europeia sobre os povos e terras africanas.
  • 4. “Desde o século XVI, os portugueses e, trezentos anos mais tarde, os franceses, britânicos e alemães souberam usar os povos [africanos] mais fracos contra os mais fortes que desejavam submeter. Aliaram-se àqueles e somaram os seus grandes números aos contingentes, em geral pequenos, de militares europeus” Alberto da Costa e Silva. A África explicada aos meus filhos. Rio de Janeiro: Agir, 2008, p. 98. 8. Diferencie a presença europeia na África nos dois períodos aos quais o texto se refere. No século XVI a presença portuguesa na África está relacionada ao processo de expansão marítima e ao momento que chamamos de capitalismo comercial, com ênfase na obtenção de mão de obra escrava. O processo do Neocolonialismo realizou-se no contexto do séc. XIX, quando houve a necessidade de escoar a produção industrial. 9. Indique uma decorrência, para o continente africano, dessa política colonial de estimular conflitos internos. Esses conflitos fragilizam as relações entre os povos e acirra as disputas entre grupos, fragilizando os mesmos frente ao processo de expansão imperialista e impedindo uma administração própria dos recursos naturais. A divisão do continente desconsidera questões culturais e diferenças na forma de organização. Para Casa de História: Leia o texto a seguir para responder à próxima questão. “A Revolução Industrial teve consequências dramáticas para todos os grupos de trabalhadores. (...) Os males sociais das fábricas, das cidades fabris e das mineiras e as tragédias dos trabalhadores domésticos agora desempregados estavam entre os primeiros aspectos da ordem que requeria a atenção dos reformadores. (...) HENDERSON, W. O. A Revolução Industrial. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1979. p. 122-128. Várias ideologias surgiram para combater os “males sociais das fábricas”. Foram elas, o socialismo utópico, o marxismo, o anarquismo, entre outras. Ao mesmo tempo, o liberalismo econômico defendia os interesses da classe que mais se beneficiava com o processo de industrialização. 10. Faça uma pesquisa buscando conhecimentos sobre o tema, depois elabore um quadro comparativo como esse no caderno ou em folha sulfite e preencha as informações sobre cada uma dessas ideologias.
  • 5. Defende o (a): Métodos Classe/grupo que apoia: Liberalismo A não intervenção do Estado na economia. Livre concorrência e a lei da oferta e da procura. O Estado, que deve proteger as liberdades individuais, capaz e impor restrições aos indivíduos. ‘onde não há lei, não há liberdade’. John Locke. Classe média em ascensão. Socialismo Utópico Igualdade social sem levar em conta as dificuldades e sem apontar os caminhos viáveis para se conquistá-las. A transformação social aconteceria de forma pacífica, sem conflitos entre patrões e empregados. Intelectuais e grupos de trabalhadores. Socialismo Científico Projeto social que buscava formas para superar as dificuldades sociais. Luta de classes, da revolução proletária e da luta armada. Os trabalhadores (classe explorada). Anarquismo O fim de qualquer forma de autoridade e dominação. Debates sobre a necessidade de uma moral anarquista, de uma plataforma organizacional. Movimento de massas. Socialismo Cristão Defendem o socialismo baseado em princípios cristãos. Socialismo baseado nos ideais do cristianismo, oposto à luta de classes e ao ateísmo. Alguns membros da Igreja Católica.
  • 6. Defende o (a): Métodos Classe/grupo que apoia: Liberalismo A não intervenção do Estado na economia. Livre concorrência e a lei da oferta e da procura. O Estado, que deve proteger as liberdades individuais, capaz e impor restrições aos indivíduos. ‘onde não há lei, não há liberdade’. John Locke. Classe média em ascensão. Socialismo Utópico Igualdade social sem levar em conta as dificuldades e sem apontar os caminhos viáveis para se conquistá-las. A transformação social aconteceria de forma pacífica, sem conflitos entre patrões e empregados. Intelectuais e grupos de trabalhadores. Socialismo Científico Projeto social que buscava formas para superar as dificuldades sociais. Luta de classes, da revolução proletária e da luta armada. Os trabalhadores (classe explorada). Anarquismo O fim de qualquer forma de autoridade e dominação. Debates sobre a necessidade de uma moral anarquista, de uma plataforma organizacional. Movimento de massas. Socialismo Cristão Defendem o socialismo baseado em princípios cristãos. Socialismo baseado nos ideais do cristianismo, oposto à luta de classes e ao ateísmo. Alguns membros da Igreja Católica.