SlideShare uma empresa Scribd logo
Treinamento
3
A
D
C
C
29
Lá um dia, para as cordas das nascentes do Paraíba, via-se, quase
rente do horizonte, um abrir longínquo e espaçado de relâmpago:
era inverno na certa no alto sertão. As experiências confirmavam
que com duas semanas de inverno o Paraíba apontaria na várzea
com a sua primeira cabeça-d’água. O rio no verão ficava seco de se
atravessar a pé enxuto. Apenas, aqui e ali, pelo seu leito,
formavam-se grandes poços, que venciam a estiagem. Nestes
pequenos açudes se pescava, lavavam-se os cavalos, tomava-se
banho.
(Menino do Engenho. 77 Ed. Rio de Janeiro, José Olympio, 2000, p.
54)
O fato de o leito do rio ficar praticamente seco no verão é típico da
hidrografia de áreas do Sertão nordestino, que apresentam como
uma de suas importantes características
a) a reduzida pluviosidade, provocada por múltiplos fatores, entre
eles a dinâmica atmosférica que limita a ação de massas úmidas.
b) o inverno semelhante ao encontrado no clima subtropical do
sul do Brasil: redução das temperaturas devido à presença da
massa polar.
c) o verão pouco chuvoso com elevadas temperaturas que se
assemelham às condições do verão da porção centro-sul do
Brasil.
d) a fraca pluviosidade provocada pelas condições de relevo
pouco acidentado e com baixas altitudes, que impedem a
formação de chuvas orográficas.
e) a reduzida atuação de massas de ar, como a tropical
continental e a polar atlântica, ambas portadoras de elevado grau
de umidade.
A
I. Cerca de da disponibilidade hídrica estão concentrados na
região hidrográfica Amazônica, onde se encontra o menor
contingente populacional e valores reduzidos de demandas de
consumo.
II. O regime de um rio está relacionado à variação do nível de suas
águas. Os rios brasileiros possuem regime pluvial, isto é, são
alimentados pelas chuvas. Apresentam cheias e vazantes de
acordo com as regiões climáticas em que estão situados.
III. O projeto de transposição do Rio São Francisco é um tema
bastante polêmico, pois engloba a suposta tentativa de solucionar
um problema que há muito afeta as populações do cerrado
brasileiro. Trata-se de um projeto delicado do ponto de vista
ambiental, pois irá afetar um dos rios mais importantes do Brasil,
tanto pela sua extensão e importância na manutenção da
biodiversidade, quanto pela sua utilização em transportes e
abastecimento.
IV. A maioria dos rios que formam a Bacia do Paraná apresentam
algum comprometimento na qualidade das águas, além disso, a
demanda hídrica é maior que a oferta de água. Ocorre também o
excesso de poluição industrial e residencial, sendo adequado que
se invista em mecanismos de reciclagem e reutilização de água
utilizada pelas indústrias, bem como implementar obras de
saneamento básico e construir estações de tratamento de
esgotos.
V. O ciclo hidrológico, em condições naturais, pode ser
considerado um sistema em equilíbrio, porém, com a crescente
urbanização das bacias hidrográficas percebem-se alterações que
promovem modificações na dinâmica do ciclo da água. Em áreas
urbanizadas, fatores como a impermeabilização do solo, a
canalização de cursos fluviais e a remoção da vegetação,
desencadeiam ou agravam os processos de erosão e de
inundações, pondo em risco o balanço hídrico.
I II IV V
O Brasil, devido a sua extensão territorial e a sua diversidade
climática, possui sistemas paisagísticos muito heterogêneos. Na
imagem abaixo, está representado um dos biomas mais ricos e
diversificados do território brasileiro. Sobre esse bioma, podemos
afirmar que
a) possui como característica marcante a presença de espécies
perenifoliadas, com a capacidade de armazenamento de água,
como as cactáceas, e uma grande diversidade faunística.
b) está localizado em ambiente semiárido, com índices
pluviométricos que variam entre e ao ano, com formações
vegetais predominantemente arbustivas, xerófilas, das quais
muitas são endêmicas.
c) seus solos são geralmente férteis, profundos e com pouca
umidade, o que dificulta a prática agrícola, apesar dessa ser uma
das principais atividades econômicas na região da Caatinga.
d) não sofreu grande pressão antrópica, devido ao seu aspecto
rudimentar, desse modo ainda possui mais de da sua vegetação
preservada, sem evidência de grandes processos de degradação.
e) é encontrado em regiões de clima tropical e semiárido, dessa
forma se estende pelo Nordeste e Centro-Oeste brasileiro, assim
como também pode ser encontrado em alguns locais do
continente africano.
B
Considerando as características físicas como o relevo com
topografia em “meia laranja”, mamelonar, formado pela ação
erosiva na estrutura cristalina das Serras do Mar, da
Mantinqueira e do Espinhaço, é CORRETO afirmar que em uma
parcela significativa do Rio de Janeiro, bem como dos demais
estados da Região Sudeste, o Domínio Morfoclimático
PREDOMINANTE é
a) Noroeste Subtropical.
b) de Coníferas.
c) de Restingas.
d) Temperado Oceânico.
e) de Mares de Morros.
E
Do ponto de vista ambiental, o processo de transporte e
armazenamento da água leva a um aumento da sua salinidade e da
salinização do solo irrigado. Observando o mapa, e considerando
Petrolina e Juazeiro como a região do médio São Francisco, conclui-
se que a transposição das águas será realizada no
a) médio alto São Francisco, a salinidade da água em Cabrobó
será maior do que a próxima ao Rio Apodi e a salinização do
solo se deverá à evaporação da água.
b) médio alto São Francisco, a salinidade da água próxima ao Rio
Apodi será maior do que em Cabrobó e a salinização do solo se
deverá à condensação da água.
c) médio baixo São Francisco, a salinidade da água em Cabrobó
será maior do que a próxima ao Rio Apodi e a salinização do
solo se deverá à condensação da água.
d) médio baixo São Francisco, a salinidade da água próxima ao
Rio Apodi será maior do que em Cabrobó e a salinização do solo
se deverá à evaporação da água.
D
Em diversos de seus quadros, o pintor Candido Portinari
retratou a temática da cana-de-açúcar, dos canaviais e de seus
trabalhadores. A cana-de-açúcar se faz presente no território
brasileiro desde os primórdios da colonização portuguesa até
os dias de hoje.
Assinale a alternativa que apresenta corretamente a área mais
utilizada no período colonial para o plantio de cana-de-açúcar
e o seu tipo de solo predominante.
a) A zona da mata, com solo massapé, de cor escura.
b) O triângulo mineiro, com solo aluvial vermelho-amarelado.
c) O vale do Paraíba, com solo tchernozion bastante claro.
d) O vale do Ribeira, com solo terra roxa, muito avermelhado.
e) A campanha gaúcha, com predomínio do solo salmorão
alaranjado.
A
A organização do território brasileiro ocorreu a partir da expansão
do capitalismo comercial europeu no qual foram estabelecidos
fluxos mercantis, definindo em seu início uma paisagem colonial
que envolvia a criação de novas estruturas econômicas.
Com base na afirmativa acima, assinale a opção cujos elementos
indicam corretamente a área e a forma de exploração no contexto
da geografia colonial brasileira.
a) Zona da Mata Nordestina – plantation açucareira
b) Depressão sertaneja – atividade mineradora
c) Tabuleiros sublitorâneos – pecuária extensiva
d) Depressão sanfranciscana – exploração extrativista
A
Considerado no século passado, o celeiro de migrantes para o
resto do Brasil, o Nordeste apresenta alguns indicadores
socioeconômicos que estão conseguindo diminuir a migração de
sua população. Entre os fatores, assinale a alternativa correta.
a) O aumento da produção industrial em cidades com a
população inferior a 50 mil habitantes.
b) O desenvolvimento de novos polos agrícolas irrigados onde
desenvolve a fruticultura para a exportação.
c) O projeto de reforma agrária implementado na região do
sertão, favorecendo os pequenos proprietários que desejam
plantar milho.
d) Os subsídios oferecidos pelo governo federal para todos os
nordestinos que decidem permanecer no Nordeste e trabalhar
em atividades autônomas.
B
Sobre características da Região Nordeste do Brasil, assinale o que for
correto.
01) Existência de rios perenes, que não secam durante a estiagem,
mas têm o seu volume reduzido nessa fase, e de rios temporários,
intermitentes, que secam totalmente durante a estiagem.
02) A vegetação predominante é a caatinga, mas nas regiões mais
elevadas das chapadas aparecem vegetações que são características
da tundra e da taiga.
04) É dividida em sub-regiões como o Meio-Norte, Sertão, Agreste e
Zona da Mata.
08) Os maiores problemas da seca são encontrados no Agreste, a
maior das sub-regiões nordestinas, e aí se torna impossível qualquer
atividade agropecuária por causa da constante falta de água.
16) No Sertão nordestino, pratica-se apenas o extrativismo do
babaçu, da carnaúba e da oiticica. Essa sub-região abrange o estado
do Maranhão e pequena porção do estado do Piauí.
05
A região Nordeste do Brasil apresenta uma complexidade
climática própria, em parte fortemente influenciada pelos
mecanismos físicos que interagem entre si e são responsáveis
pela distribuição de chuvas nessa região. Os tipos climáticos que
predominam no Nordeste brasileiro são:
a) equatorial, subtropical e semiárido.
b) semiárido e tropical de altitude.
c) semiárido e subtropical.
d) litorâneo úmido, tropical e tropical semiárido.
D

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Dominio Caatinga
Dominio Caatinga Dominio Caatinga
Dominio Caatinga
Laguat
 
As sub regiões
As sub regiõesAs sub regiões
As sub regiões
Nonato Bouth
 
Domínios cerrado
Domínios cerradoDomínios cerrado
Domínios cerrado
karolpoa
 
Brasil – domínios morfoclimáticos
Brasil – domínios morfoclimáticosBrasil – domínios morfoclimáticos
Brasil – domínios morfoclimáticos
Professor
 
Dominio Amazonico
Dominio AmazonicoDominio Amazonico
Dominio Amazonico
Laguat
 
Domínios mares de morros
Domínios mares de morrosDomínios mares de morros
Domínios mares de morros
karolpoa
 
Domínios morfoclimáticos brasileiros
Domínios morfoclimáticos brasileirosDomínios morfoclimáticos brasileiros
Domínios morfoclimáticos brasileiros
karolpoa
 
Dominios morfoclimaticos exercicios
Dominios morfoclimaticos exerciciosDominios morfoclimaticos exercicios
Dominios morfoclimaticos exercicios
Ademir Aquino
 
O DomíNio Das Caatingas
O DomíNio Das CaatingasO DomíNio Das Caatingas
O DomíNio Das Caatingas
alekissann
 
7º ano unidade 5 - Região Norte
7º ano   unidade 5 - Região Norte7º ano   unidade 5 - Região Norte
7º ano unidade 5 - Região Norte
Christie Freitas
 
Vegetação do brasil
Vegetação do brasilVegetação do brasil
Vegetação do brasil
Atividades Diversas Cláudia
 
Regiao Nordeste
Regiao NordesteRegiao Nordeste
Regiao Nordeste
Walquiria Dutra
 
Sertão: um olhar numa breve jornada geográfica
Sertão: um olhar numa breve jornada geográficaSertão: um olhar numa breve jornada geográfica
Sertão: um olhar numa breve jornada geográfica
Luiz C. da Silva
 
Região Nordeste
Região NordesteRegião Nordeste
Região Nordeste
Joemille Leal
 
Regiao do pantanal_caderno_geoambiental
Regiao do pantanal_caderno_geoambientalRegiao do pantanal_caderno_geoambiental
Regiao do pantanal_caderno_geoambiental
Wanly Pereira Arantes
 
Faixas de Transicao
Faixas de Transicao Faixas de Transicao
Faixas de Transicao
Laguat
 
Geografia do Brasil
Geografia do BrasilGeografia do Brasil
Geografia do Brasil
Dário Melo
 
Relevo nordestino
Relevo nordestinoRelevo nordestino
Relevo nordestino
profleofonseca
 
UE5 - 6S - EF - Biomas Brasilieros
UE5 - 6S - EF - Biomas BrasilierosUE5 - 6S - EF - Biomas Brasilieros
UE5 - 6S - EF - Biomas Brasilieros
Silvio Araujo de Sousa
 
Domínios morfoclimáticos
Domínios morfoclimáticosDomínios morfoclimáticos
Domínios morfoclimáticos
profleofonseca
 

Mais procurados (20)

Dominio Caatinga
Dominio Caatinga Dominio Caatinga
Dominio Caatinga
 
As sub regiões
As sub regiõesAs sub regiões
As sub regiões
 
Domínios cerrado
Domínios cerradoDomínios cerrado
Domínios cerrado
 
Brasil – domínios morfoclimáticos
Brasil – domínios morfoclimáticosBrasil – domínios morfoclimáticos
Brasil – domínios morfoclimáticos
 
Dominio Amazonico
Dominio AmazonicoDominio Amazonico
Dominio Amazonico
 
Domínios mares de morros
Domínios mares de morrosDomínios mares de morros
Domínios mares de morros
 
Domínios morfoclimáticos brasileiros
Domínios morfoclimáticos brasileirosDomínios morfoclimáticos brasileiros
Domínios morfoclimáticos brasileiros
 
Dominios morfoclimaticos exercicios
Dominios morfoclimaticos exerciciosDominios morfoclimaticos exercicios
Dominios morfoclimaticos exercicios
 
O DomíNio Das Caatingas
O DomíNio Das CaatingasO DomíNio Das Caatingas
O DomíNio Das Caatingas
 
7º ano unidade 5 - Região Norte
7º ano   unidade 5 - Região Norte7º ano   unidade 5 - Região Norte
7º ano unidade 5 - Região Norte
 
Vegetação do brasil
Vegetação do brasilVegetação do brasil
Vegetação do brasil
 
Regiao Nordeste
Regiao NordesteRegiao Nordeste
Regiao Nordeste
 
Sertão: um olhar numa breve jornada geográfica
Sertão: um olhar numa breve jornada geográficaSertão: um olhar numa breve jornada geográfica
Sertão: um olhar numa breve jornada geográfica
 
Região Nordeste
Região NordesteRegião Nordeste
Região Nordeste
 
Regiao do pantanal_caderno_geoambiental
Regiao do pantanal_caderno_geoambientalRegiao do pantanal_caderno_geoambiental
Regiao do pantanal_caderno_geoambiental
 
Faixas de Transicao
Faixas de Transicao Faixas de Transicao
Faixas de Transicao
 
Geografia do Brasil
Geografia do BrasilGeografia do Brasil
Geografia do Brasil
 
Relevo nordestino
Relevo nordestinoRelevo nordestino
Relevo nordestino
 
UE5 - 6S - EF - Biomas Brasilieros
UE5 - 6S - EF - Biomas BrasilierosUE5 - 6S - EF - Biomas Brasilieros
UE5 - 6S - EF - Biomas Brasilieros
 
Domínios morfoclimáticos
Domínios morfoclimáticosDomínios morfoclimáticos
Domínios morfoclimáticos
 

Destaque

Treinamento - Recursos Minerais e Fontes de Energia
Treinamento - Recursos Minerais e Fontes de EnergiaTreinamento - Recursos Minerais e Fontes de Energia
Treinamento - Recursos Minerais e Fontes de Energia
Rogério Bartilotti
 
Focos de tensão na Áfrcia
Focos de tensão na ÁfrciaFocos de tensão na Áfrcia
Focos de tensão na Áfrcia
Rogério Bartilotti
 
Comércio Internacional
Comércio InternacionalComércio Internacional
Comércio Internacional
Rogério Bartilotti
 
Recursos Minerais
Recursos MineraisRecursos Minerais
Recursos Minerais
Rogério Bartilotti
 
Domínios Morfoclimáticos do Brasil
Domínios Morfoclimáticos do BrasilDomínios Morfoclimáticos do Brasil
Domínios Morfoclimáticos do Brasil
Rogério Bartilotti
 
Porradão do Bartinho II
Porradão do Bartinho IIPorradão do Bartinho II
Porradão do Bartinho II
Rogério Bartilotti
 
Treinamento - Meio Ambiente
Treinamento - Meio AmbienteTreinamento - Meio Ambiente
Treinamento - Meio Ambiente
Rogério Bartilotti
 
Migrações internacionais Teoria e Questões
Migrações internacionais Teoria e QuestõesMigrações internacionais Teoria e Questões
Migrações internacionais Teoria e Questões
Rogério Bartilotti
 
Pedologia
PedologiaPedologia
Tabela de Eras Geológicas - Brasil
Tabela de Eras Geológicas - BrasilTabela de Eras Geológicas - Brasil
Tabela de Eras Geológicas - Brasil
Rogério Bartilotti
 
Porradão do Bartinho
Porradão do BartinhoPorradão do Bartinho
Porradão do Bartinho
Rogério Bartilotti
 
Exercícios - Geologia e Geomorfologia Brasileira
Exercícios - Geologia e Geomorfologia BrasileiraExercícios - Geologia e Geomorfologia Brasileira
Exercícios - Geologia e Geomorfologia Brasileira
Rogério Bartilotti
 
Lista - Fatores e Elementos Climáticos
Lista - Fatores e Elementos ClimáticosLista - Fatores e Elementos Climáticos
Lista - Fatores e Elementos Climáticos
Rogério Bartilotti
 
Recursos Minerais - Mundo e Brasil
Recursos Minerais - Mundo e BrasilRecursos Minerais - Mundo e Brasil
Recursos Minerais - Mundo e Brasil
Rogério Bartilotti
 
Como analisar um climograma
Como analisar um climogramaComo analisar um climograma
Como analisar um climograma
Rogério Bartilotti
 
Classificação do Relevo Brasileiro
Classificação do Relevo BrasileiroClassificação do Relevo Brasileiro
Classificação do Relevo Brasileiro
Rogério Bartilotti
 
Fases do crescimento populacional
Fases do crescimento populacionalFases do crescimento populacional
Fases do crescimento populacional
Rogério Bartilotti
 
Transportes
TransportesTransportes
Transportes
Rogério Bartilotti
 
Bacias Secundárias do Brasil
Bacias Secundárias do BrasilBacias Secundárias do Brasil
Bacias Secundárias do Brasil
Rogério Bartilotti
 
Histórico da interferência humana nos ecossistemas e Conferências sobre o mei...
Histórico da interferência humana nos ecossistemas e Conferências sobre o mei...Histórico da interferência humana nos ecossistemas e Conferências sobre o mei...
Histórico da interferência humana nos ecossistemas e Conferências sobre o mei...
Rogério Bartilotti
 

Destaque (20)

Treinamento - Recursos Minerais e Fontes de Energia
Treinamento - Recursos Minerais e Fontes de EnergiaTreinamento - Recursos Minerais e Fontes de Energia
Treinamento - Recursos Minerais e Fontes de Energia
 
Focos de tensão na Áfrcia
Focos de tensão na ÁfrciaFocos de tensão na Áfrcia
Focos de tensão na Áfrcia
 
Comércio Internacional
Comércio InternacionalComércio Internacional
Comércio Internacional
 
Recursos Minerais
Recursos MineraisRecursos Minerais
Recursos Minerais
 
Domínios Morfoclimáticos do Brasil
Domínios Morfoclimáticos do BrasilDomínios Morfoclimáticos do Brasil
Domínios Morfoclimáticos do Brasil
 
Porradão do Bartinho II
Porradão do Bartinho IIPorradão do Bartinho II
Porradão do Bartinho II
 
Treinamento - Meio Ambiente
Treinamento - Meio AmbienteTreinamento - Meio Ambiente
Treinamento - Meio Ambiente
 
Migrações internacionais Teoria e Questões
Migrações internacionais Teoria e QuestõesMigrações internacionais Teoria e Questões
Migrações internacionais Teoria e Questões
 
Pedologia
PedologiaPedologia
Pedologia
 
Tabela de Eras Geológicas - Brasil
Tabela de Eras Geológicas - BrasilTabela de Eras Geológicas - Brasil
Tabela de Eras Geológicas - Brasil
 
Porradão do Bartinho
Porradão do BartinhoPorradão do Bartinho
Porradão do Bartinho
 
Exercícios - Geologia e Geomorfologia Brasileira
Exercícios - Geologia e Geomorfologia BrasileiraExercícios - Geologia e Geomorfologia Brasileira
Exercícios - Geologia e Geomorfologia Brasileira
 
Lista - Fatores e Elementos Climáticos
Lista - Fatores e Elementos ClimáticosLista - Fatores e Elementos Climáticos
Lista - Fatores e Elementos Climáticos
 
Recursos Minerais - Mundo e Brasil
Recursos Minerais - Mundo e BrasilRecursos Minerais - Mundo e Brasil
Recursos Minerais - Mundo e Brasil
 
Como analisar um climograma
Como analisar um climogramaComo analisar um climograma
Como analisar um climograma
 
Classificação do Relevo Brasileiro
Classificação do Relevo BrasileiroClassificação do Relevo Brasileiro
Classificação do Relevo Brasileiro
 
Fases do crescimento populacional
Fases do crescimento populacionalFases do crescimento populacional
Fases do crescimento populacional
 
Transportes
TransportesTransportes
Transportes
 
Bacias Secundárias do Brasil
Bacias Secundárias do BrasilBacias Secundárias do Brasil
Bacias Secundárias do Brasil
 
Histórico da interferência humana nos ecossistemas e Conferências sobre o mei...
Histórico da interferência humana nos ecossistemas e Conferências sobre o mei...Histórico da interferência humana nos ecossistemas e Conferências sobre o mei...
Histórico da interferência humana nos ecossistemas e Conferências sobre o mei...
 

Semelhante a Treinamento: Cerrado, Caatinga e Mares de morro

1º SIMULADO_ROFRAN_3º ANO 2023.docx
1º SIMULADO_ROFRAN_3º ANO 2023.docx1º SIMULADO_ROFRAN_3º ANO 2023.docx
1º SIMULADO_ROFRAN_3º ANO 2023.docx
Antonio Ednelson
 
Geografia – hidrografia 01 – 2013 – ifba
Geografia – hidrografia 01 – 2013 – ifbaGeografia – hidrografia 01 – 2013 – ifba
Geografia – hidrografia 01 – 2013 – ifba
Jakson Raphael Pereira Barbosa
 
Geografia – hidrografia 01 – 2013 – ifba
Geografia – hidrografia 01 – 2013 – ifbaGeografia – hidrografia 01 – 2013 – ifba
Geografia – hidrografia 01 – 2013 – ifba
Jakson Raphael Pereira Barbosa
 
Lista 2 - geografia
Lista 2 - geografiaLista 2 - geografia
Lista 2 - geografia
Gerson Coppes
 
HIDROGRAFIA, CICLO DA ÁGUA E USINA DE BELO MONTE
HIDROGRAFIA, CICLO DA ÁGUA E USINA DE BELO MONTEHIDROGRAFIA, CICLO DA ÁGUA E USINA DE BELO MONTE
HIDROGRAFIA, CICLO DA ÁGUA E USINA DE BELO MONTE
Paes Viana
 
Geo 7 resp
Geo 7 respGeo 7 resp
Geo 7 resp
julio2012souto
 
Nascentes do Brasil – Proteção e recuperação de nascentes e áreas de recarga ...
Nascentes do Brasil – Proteção e recuperação de nascentes e áreas de recarga ...Nascentes do Brasil – Proteção e recuperação de nascentes e áreas de recarga ...
Nascentes do Brasil – Proteção e recuperação de nascentes e áreas de recarga ...
ambev
 
Dominios morfoclimaticos superhumanas
Dominios morfoclimaticos superhumanasDominios morfoclimaticos superhumanas
Dominios morfoclimaticos superhumanas
Ademir Aquino
 
Geografia Prof. Neto
Geografia   Prof. NetoGeografia   Prof. Neto
Geografia Prof. Neto
Pré-Enem Seduc
 
Domínios morfoclimáticos do brasil
Domínios morfoclimáticos do brasilDomínios morfoclimáticos do brasil
Domínios morfoclimáticos do brasil
Privada
 
Dinamica costeira 304
Dinamica costeira 304Dinamica costeira 304
Dinamica costeira 304
RCCBONFIM
 
1º Médio
1º Médio 1º Médio
Sub regiões e suas especificidades
Sub regiões e suas especificidadesSub regiões e suas especificidades
Sub regiões e suas especificidades
Pedro Neves
 
Hidrografia
HidrografiaHidrografia
Hidrografia
Alexandre Gangorra
 
Recursos hídricos2
Recursos hídricos2Recursos hídricos2
Recursos hídricos2
manjosp
 
Dinamica hidrografica
Dinamica hidrograficaDinamica hidrografica
Dinamica hidrografica
Débora Sales
 
TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO
TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCOTRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO
TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO
Conceição Fontolan
 
Biologia da restauracao e da conservaçao
Biologia da restauracao e da conservaçaoBiologia da restauracao e da conservaçao
Biologia da restauracao e da conservaçao
Fabio Dias
 
Geografia rh perguntas
Geografia rh perguntasGeografia rh perguntas
Geografia rh perguntas
Carlos Ferreira
 
Questões de geografia da paraíba (comvest)
Questões de geografia da paraíba (comvest)Questões de geografia da paraíba (comvest)
Questões de geografia da paraíba (comvest)
Concursista Arretado
 

Semelhante a Treinamento: Cerrado, Caatinga e Mares de morro (20)

1º SIMULADO_ROFRAN_3º ANO 2023.docx
1º SIMULADO_ROFRAN_3º ANO 2023.docx1º SIMULADO_ROFRAN_3º ANO 2023.docx
1º SIMULADO_ROFRAN_3º ANO 2023.docx
 
Geografia – hidrografia 01 – 2013 – ifba
Geografia – hidrografia 01 – 2013 – ifbaGeografia – hidrografia 01 – 2013 – ifba
Geografia – hidrografia 01 – 2013 – ifba
 
Geografia – hidrografia 01 – 2013 – ifba
Geografia – hidrografia 01 – 2013 – ifbaGeografia – hidrografia 01 – 2013 – ifba
Geografia – hidrografia 01 – 2013 – ifba
 
Lista 2 - geografia
Lista 2 - geografiaLista 2 - geografia
Lista 2 - geografia
 
HIDROGRAFIA, CICLO DA ÁGUA E USINA DE BELO MONTE
HIDROGRAFIA, CICLO DA ÁGUA E USINA DE BELO MONTEHIDROGRAFIA, CICLO DA ÁGUA E USINA DE BELO MONTE
HIDROGRAFIA, CICLO DA ÁGUA E USINA DE BELO MONTE
 
Geo 7 resp
Geo 7 respGeo 7 resp
Geo 7 resp
 
Nascentes do Brasil – Proteção e recuperação de nascentes e áreas de recarga ...
Nascentes do Brasil – Proteção e recuperação de nascentes e áreas de recarga ...Nascentes do Brasil – Proteção e recuperação de nascentes e áreas de recarga ...
Nascentes do Brasil – Proteção e recuperação de nascentes e áreas de recarga ...
 
Dominios morfoclimaticos superhumanas
Dominios morfoclimaticos superhumanasDominios morfoclimaticos superhumanas
Dominios morfoclimaticos superhumanas
 
Geografia Prof. Neto
Geografia   Prof. NetoGeografia   Prof. Neto
Geografia Prof. Neto
 
Domínios morfoclimáticos do brasil
Domínios morfoclimáticos do brasilDomínios morfoclimáticos do brasil
Domínios morfoclimáticos do brasil
 
Dinamica costeira 304
Dinamica costeira 304Dinamica costeira 304
Dinamica costeira 304
 
1º Médio
1º Médio 1º Médio
1º Médio
 
Sub regiões e suas especificidades
Sub regiões e suas especificidadesSub regiões e suas especificidades
Sub regiões e suas especificidades
 
Hidrografia
HidrografiaHidrografia
Hidrografia
 
Recursos hídricos2
Recursos hídricos2Recursos hídricos2
Recursos hídricos2
 
Dinamica hidrografica
Dinamica hidrograficaDinamica hidrografica
Dinamica hidrografica
 
TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO
TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCOTRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO
TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO
 
Biologia da restauracao e da conservaçao
Biologia da restauracao e da conservaçaoBiologia da restauracao e da conservaçao
Biologia da restauracao e da conservaçao
 
Geografia rh perguntas
Geografia rh perguntasGeografia rh perguntas
Geografia rh perguntas
 
Questões de geografia da paraíba (comvest)
Questões de geografia da paraíba (comvest)Questões de geografia da paraíba (comvest)
Questões de geografia da paraíba (comvest)
 

Mais de Rogério Bartilotti

Transportes
TransportesTransportes
Transportes
Rogério Bartilotti
 
Agentes externos e Relevo Brasileiro
Agentes externos e Relevo BrasileiroAgentes externos e Relevo Brasileiro
Agentes externos e Relevo Brasileiro
Rogério Bartilotti
 
Treinamento - Climatologia - parte II
Treinamento - Climatologia - parte IITreinamento - Climatologia - parte II
Treinamento - Climatologia - parte II
Rogério Bartilotti
 
Fatores e elementos do clima parte ii
Fatores e elementos do clima   parte iiFatores e elementos do clima   parte ii
Fatores e elementos do clima parte ii
Rogério Bartilotti
 
Treinamento blocos
Treinamento blocosTreinamento blocos
Treinamento blocos
Rogério Bartilotti
 
Treinamento: Geologia, Geomorfologia e Solos
Treinamento: Geologia, Geomorfologia e SolosTreinamento: Geologia, Geomorfologia e Solos
Treinamento: Geologia, Geomorfologia e Solos
Rogério Bartilotti
 
Pedologia
PedologiaPedologia
Revisao 2 - Aulas de Sexta
Revisao 2 - Aulas de SextaRevisao 2 - Aulas de Sexta
Revisao 2 - Aulas de Sexta
Rogério Bartilotti
 
Da URSS a Rússia
Da URSS a RússiaDa URSS a Rússia
Da URSS a Rússia
Rogério Bartilotti
 
Treinamento Cartografia
Treinamento CartografiaTreinamento Cartografia
Treinamento Cartografia
Rogério Bartilotti
 
Treinamento do Bartinho - Fatores e Elementos do Clima
Treinamento do Bartinho - Fatores e Elementos do ClimaTreinamento do Bartinho - Fatores e Elementos do Clima
Treinamento do Bartinho - Fatores e Elementos do Clima
Rogério Bartilotti
 
Eras Geológicas
Eras GeológicasEras Geológicas
Eras Geológicas
Rogério Bartilotti
 
Ordens Mundiais
Ordens MundiaisOrdens Mundiais
Ordens Mundiais
Rogério Bartilotti
 
Capitalismo
CapitalismoCapitalismo
Capitalismo
Rogério Bartilotti
 
Problemas Atmosféricos e Geopolítica da Água
Problemas Atmosféricos e Geopolítica da ÁguaProblemas Atmosféricos e Geopolítica da Água
Problemas Atmosféricos e Geopolítica da Água
Rogério Bartilotti
 

Mais de Rogério Bartilotti (15)

Transportes
TransportesTransportes
Transportes
 
Agentes externos e Relevo Brasileiro
Agentes externos e Relevo BrasileiroAgentes externos e Relevo Brasileiro
Agentes externos e Relevo Brasileiro
 
Treinamento - Climatologia - parte II
Treinamento - Climatologia - parte IITreinamento - Climatologia - parte II
Treinamento - Climatologia - parte II
 
Fatores e elementos do clima parte ii
Fatores e elementos do clima   parte iiFatores e elementos do clima   parte ii
Fatores e elementos do clima parte ii
 
Treinamento blocos
Treinamento blocosTreinamento blocos
Treinamento blocos
 
Treinamento: Geologia, Geomorfologia e Solos
Treinamento: Geologia, Geomorfologia e SolosTreinamento: Geologia, Geomorfologia e Solos
Treinamento: Geologia, Geomorfologia e Solos
 
Pedologia
PedologiaPedologia
Pedologia
 
Revisao 2 - Aulas de Sexta
Revisao 2 - Aulas de SextaRevisao 2 - Aulas de Sexta
Revisao 2 - Aulas de Sexta
 
Da URSS a Rússia
Da URSS a RússiaDa URSS a Rússia
Da URSS a Rússia
 
Treinamento Cartografia
Treinamento CartografiaTreinamento Cartografia
Treinamento Cartografia
 
Treinamento do Bartinho - Fatores e Elementos do Clima
Treinamento do Bartinho - Fatores e Elementos do ClimaTreinamento do Bartinho - Fatores e Elementos do Clima
Treinamento do Bartinho - Fatores e Elementos do Clima
 
Eras Geológicas
Eras GeológicasEras Geológicas
Eras Geológicas
 
Ordens Mundiais
Ordens MundiaisOrdens Mundiais
Ordens Mundiais
 
Capitalismo
CapitalismoCapitalismo
Capitalismo
 
Problemas Atmosféricos e Geopolítica da Água
Problemas Atmosféricos e Geopolítica da ÁguaProblemas Atmosféricos e Geopolítica da Água
Problemas Atmosféricos e Geopolítica da Água
 

Último

UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdfJOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
ClaudiaMainoth
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 

Último (20)

UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdfJOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 

Treinamento: Cerrado, Caatinga e Mares de morro

  • 2. 3
  • 3. A
  • 4. D
  • 5. C
  • 6. C
  • 7. 29
  • 8. Lá um dia, para as cordas das nascentes do Paraíba, via-se, quase rente do horizonte, um abrir longínquo e espaçado de relâmpago: era inverno na certa no alto sertão. As experiências confirmavam que com duas semanas de inverno o Paraíba apontaria na várzea com a sua primeira cabeça-d’água. O rio no verão ficava seco de se atravessar a pé enxuto. Apenas, aqui e ali, pelo seu leito, formavam-se grandes poços, que venciam a estiagem. Nestes pequenos açudes se pescava, lavavam-se os cavalos, tomava-se banho. (Menino do Engenho. 77 Ed. Rio de Janeiro, José Olympio, 2000, p. 54) O fato de o leito do rio ficar praticamente seco no verão é típico da hidrografia de áreas do Sertão nordestino, que apresentam como uma de suas importantes características a) a reduzida pluviosidade, provocada por múltiplos fatores, entre eles a dinâmica atmosférica que limita a ação de massas úmidas.
  • 9. b) o inverno semelhante ao encontrado no clima subtropical do sul do Brasil: redução das temperaturas devido à presença da massa polar. c) o verão pouco chuvoso com elevadas temperaturas que se assemelham às condições do verão da porção centro-sul do Brasil. d) a fraca pluviosidade provocada pelas condições de relevo pouco acidentado e com baixas altitudes, que impedem a formação de chuvas orográficas. e) a reduzida atuação de massas de ar, como a tropical continental e a polar atlântica, ambas portadoras de elevado grau de umidade. A
  • 10. I. Cerca de da disponibilidade hídrica estão concentrados na região hidrográfica Amazônica, onde se encontra o menor contingente populacional e valores reduzidos de demandas de consumo. II. O regime de um rio está relacionado à variação do nível de suas águas. Os rios brasileiros possuem regime pluvial, isto é, são alimentados pelas chuvas. Apresentam cheias e vazantes de acordo com as regiões climáticas em que estão situados. III. O projeto de transposição do Rio São Francisco é um tema bastante polêmico, pois engloba a suposta tentativa de solucionar um problema que há muito afeta as populações do cerrado brasileiro. Trata-se de um projeto delicado do ponto de vista ambiental, pois irá afetar um dos rios mais importantes do Brasil, tanto pela sua extensão e importância na manutenção da biodiversidade, quanto pela sua utilização em transportes e abastecimento.
  • 11. IV. A maioria dos rios que formam a Bacia do Paraná apresentam algum comprometimento na qualidade das águas, além disso, a demanda hídrica é maior que a oferta de água. Ocorre também o excesso de poluição industrial e residencial, sendo adequado que se invista em mecanismos de reciclagem e reutilização de água utilizada pelas indústrias, bem como implementar obras de saneamento básico e construir estações de tratamento de esgotos. V. O ciclo hidrológico, em condições naturais, pode ser considerado um sistema em equilíbrio, porém, com a crescente urbanização das bacias hidrográficas percebem-se alterações que promovem modificações na dinâmica do ciclo da água. Em áreas urbanizadas, fatores como a impermeabilização do solo, a canalização de cursos fluviais e a remoção da vegetação, desencadeiam ou agravam os processos de erosão e de inundações, pondo em risco o balanço hídrico. I II IV V
  • 12. O Brasil, devido a sua extensão territorial e a sua diversidade climática, possui sistemas paisagísticos muito heterogêneos. Na imagem abaixo, está representado um dos biomas mais ricos e diversificados do território brasileiro. Sobre esse bioma, podemos afirmar que
  • 13. a) possui como característica marcante a presença de espécies perenifoliadas, com a capacidade de armazenamento de água, como as cactáceas, e uma grande diversidade faunística. b) está localizado em ambiente semiárido, com índices pluviométricos que variam entre e ao ano, com formações vegetais predominantemente arbustivas, xerófilas, das quais muitas são endêmicas. c) seus solos são geralmente férteis, profundos e com pouca umidade, o que dificulta a prática agrícola, apesar dessa ser uma das principais atividades econômicas na região da Caatinga. d) não sofreu grande pressão antrópica, devido ao seu aspecto rudimentar, desse modo ainda possui mais de da sua vegetação preservada, sem evidência de grandes processos de degradação. e) é encontrado em regiões de clima tropical e semiárido, dessa forma se estende pelo Nordeste e Centro-Oeste brasileiro, assim como também pode ser encontrado em alguns locais do continente africano. B
  • 14. Considerando as características físicas como o relevo com topografia em “meia laranja”, mamelonar, formado pela ação erosiva na estrutura cristalina das Serras do Mar, da Mantinqueira e do Espinhaço, é CORRETO afirmar que em uma parcela significativa do Rio de Janeiro, bem como dos demais estados da Região Sudeste, o Domínio Morfoclimático PREDOMINANTE é a) Noroeste Subtropical. b) de Coníferas. c) de Restingas. d) Temperado Oceânico. e) de Mares de Morros. E
  • 15. Do ponto de vista ambiental, o processo de transporte e armazenamento da água leva a um aumento da sua salinidade e da salinização do solo irrigado. Observando o mapa, e considerando Petrolina e Juazeiro como a região do médio São Francisco, conclui- se que a transposição das águas será realizada no
  • 16. a) médio alto São Francisco, a salinidade da água em Cabrobó será maior do que a próxima ao Rio Apodi e a salinização do solo se deverá à evaporação da água. b) médio alto São Francisco, a salinidade da água próxima ao Rio Apodi será maior do que em Cabrobó e a salinização do solo se deverá à condensação da água. c) médio baixo São Francisco, a salinidade da água em Cabrobó será maior do que a próxima ao Rio Apodi e a salinização do solo se deverá à condensação da água. d) médio baixo São Francisco, a salinidade da água próxima ao Rio Apodi será maior do que em Cabrobó e a salinização do solo se deverá à evaporação da água. D
  • 17. Em diversos de seus quadros, o pintor Candido Portinari retratou a temática da cana-de-açúcar, dos canaviais e de seus trabalhadores. A cana-de-açúcar se faz presente no território brasileiro desde os primórdios da colonização portuguesa até os dias de hoje. Assinale a alternativa que apresenta corretamente a área mais utilizada no período colonial para o plantio de cana-de-açúcar e o seu tipo de solo predominante. a) A zona da mata, com solo massapé, de cor escura. b) O triângulo mineiro, com solo aluvial vermelho-amarelado. c) O vale do Paraíba, com solo tchernozion bastante claro. d) O vale do Ribeira, com solo terra roxa, muito avermelhado. e) A campanha gaúcha, com predomínio do solo salmorão alaranjado. A
  • 18. A organização do território brasileiro ocorreu a partir da expansão do capitalismo comercial europeu no qual foram estabelecidos fluxos mercantis, definindo em seu início uma paisagem colonial que envolvia a criação de novas estruturas econômicas. Com base na afirmativa acima, assinale a opção cujos elementos indicam corretamente a área e a forma de exploração no contexto da geografia colonial brasileira. a) Zona da Mata Nordestina – plantation açucareira b) Depressão sertaneja – atividade mineradora c) Tabuleiros sublitorâneos – pecuária extensiva d) Depressão sanfranciscana – exploração extrativista A
  • 19. Considerado no século passado, o celeiro de migrantes para o resto do Brasil, o Nordeste apresenta alguns indicadores socioeconômicos que estão conseguindo diminuir a migração de sua população. Entre os fatores, assinale a alternativa correta. a) O aumento da produção industrial em cidades com a população inferior a 50 mil habitantes. b) O desenvolvimento de novos polos agrícolas irrigados onde desenvolve a fruticultura para a exportação. c) O projeto de reforma agrária implementado na região do sertão, favorecendo os pequenos proprietários que desejam plantar milho. d) Os subsídios oferecidos pelo governo federal para todos os nordestinos que decidem permanecer no Nordeste e trabalhar em atividades autônomas. B
  • 20. Sobre características da Região Nordeste do Brasil, assinale o que for correto. 01) Existência de rios perenes, que não secam durante a estiagem, mas têm o seu volume reduzido nessa fase, e de rios temporários, intermitentes, que secam totalmente durante a estiagem. 02) A vegetação predominante é a caatinga, mas nas regiões mais elevadas das chapadas aparecem vegetações que são características da tundra e da taiga. 04) É dividida em sub-regiões como o Meio-Norte, Sertão, Agreste e Zona da Mata. 08) Os maiores problemas da seca são encontrados no Agreste, a maior das sub-regiões nordestinas, e aí se torna impossível qualquer atividade agropecuária por causa da constante falta de água. 16) No Sertão nordestino, pratica-se apenas o extrativismo do babaçu, da carnaúba e da oiticica. Essa sub-região abrange o estado do Maranhão e pequena porção do estado do Piauí. 05
  • 21. A região Nordeste do Brasil apresenta uma complexidade climática própria, em parte fortemente influenciada pelos mecanismos físicos que interagem entre si e são responsáveis pela distribuição de chuvas nessa região. Os tipos climáticos que predominam no Nordeste brasileiro são: a) equatorial, subtropical e semiárido. b) semiárido e tropical de altitude. c) semiárido e subtropical. d) litorâneo úmido, tropical e tropical semiárido. D