SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 35
ABSOLUTISMO


MERCANTILISMO
ANTIGO REGIME
O antigo regime foi um governo que vigorou por
toda a Europa, constituindo uma estrutura
própria, com as principais características abaixo:

• Absolutismo : Rei como autoridade maior.

• Mercantilismo: Acúmulo de riquezas para as
mãos do rei.

• Apoio dos principais teóricos e pensadores:
Nicolau Maquiavel (Itália); Thomas Hobbes
(Inglaterra); Jacques Bossuet (França).
ABSOLUTISMO
O que é absolutismo?
Absolutismo é um regime político em que o
poder está concentrado nas mãos do rei. Em que
o mesmo tinha completa autoridade para fazer o
que quiser, principalmente ao fazer e impor leis.

Qual sua origem?
Teve sua origem com o inicio das monarquias
nacionais, ou seja, com o fim da baixa idade
média surgiu a aliança rei - burguesia em que o
rei tinha completa autoridade e apoio dos
burgueses e nobreza.
Hierarquia Absolutista

                     Rei

                    Clero

                   Nobreza

           Burgueses e comerciantes

                   Artesãos

                 Camponeses
Absolutismo em Portugal

Primeiro país a organizar o Estado Moderno.
Centralização política precoce em virtude da
Guerra de Reconquista travada entre cristãos e
muçulmanos. A centralização do Estado
Português ocorreu em 1385, com a Revolução de
Avis, onde o Mestre da Ordem de Avis (D.
João), com o apoio da burguesia mercantil
consolidou o centralismo político.

• Revolução de Avis – Consolidação da aliança
rei-burguesia o que possibilitou uma
centralização política e possibilitou que Portugal
expandisse seus limites territoriais através das
conquistas ultramarinas.
D. João I – Mestre da ordem de
ABSOLUTISMO NA FRANÇA

Com o fim da Revolução Francesa e com a
Dinastia dos Bourbon houve a evolução do
absolutismo na França.Dinastia dos Bourbon foi
de 1586 a 1789, em que Luís XIV (Rei Sol devido
a uma vestimenta que usou em uma baile da
corte, roupa dourada, parecendo um astro) que
governou de 1638 a 1715 foi o maior monarca
absolutista da França.

Principal Pensador Teórico:
Os pensadores teóricos da época tinha por
objetivo teorizar o poder real. E na França o
principal teórico foi Jacques Bousset, pregando
que os reis eram ministros de Deus, por meio da
REI LUÍS XIV – REI SOL
ABSOLUTISMO NA INGLATERRA

O Absolutismo na Inglaterra teve inicio após a
Guerra das Duas Rosas (luta travada pelas
famílias Lancaster e York que queriam assumir o
reinado da Inglaterra) o que por fim Henrique
Tudor apoiado pela burguesia.
O absolutismo na Inglaterra também teve outro
rei, ou rainha, a Rainha Elizabeth I que reinou de
1558 a 1603, a qual fez cumprir e impôs algumas
leis que Henrique VIII não pode cumprir.

• APOGEU :Henrique VIII – Dinastia Tudor
(Família Tudor no poder). DICA: Filme – The
Tudors.
• DECADENCIA :Rainha Elizabeth I – Dinastia
Henrique VIII – Dinastia Tudor
Rainha Elizabeth I – Dinastia
ABSOLUTISMO NA ESPANHA

Já na Espanha o absolutismo ocorreu após a
Guerra de Secessão, e com a grande abundancia
de tesouros foi um dos grandes facilitadores, que
através deste poder conseguiam força política e
militar da aristocracia fundiária. Assim os metais
do Novo Mundo estava concentrado na mãos dos
espanhóis, que com a fase do mercantilismo
tiveram grande evolução, impulsionados
principalmente pelo absolutismo. Ou seja, a união
dos reinos de Aragão e Castela se consolidando
1492 e expulsão definitiva dos mouros da
península.
• Fernando e Isabel – governaram a Espanha no
século XVI.
Fernando e Isabel - Espanha
ESTADO ABSOLUTISTA
No Estado Absolutista o mercantilismo era a
principal base do absolutismo em que tinha por
característica acumulo de metais preciosos. E a
burguesia, os nobres e o clero, dava todo apoio
ao rei, que com a submissão dos camponeses e
artesãos acumulava metais preciosos, ou
seja, riquezas. Alguns fatores:
• Os camponeses e artesãos, financiavam
impostos para custear as festas e os luxos da
corte.
• Padronização monetária de pesos e medidas
(mercantilismo).
• Exportar mais e importar menos era o
lema, para que o acumulo de metais não fosse
Governo Absoluto – Absolutismo
• Criação de um Exército Nacional : Instrumento principal
do processo de centralização política. Formado por
mercenários, com a intenção de enfraquecer a nobreza e
não armar os camponeses.
• Controle legislativo: Todas as decisões do reino estavam
controladas diretamente pelo rei, que possuía o direito de
criar as leis.
• Controle sobre a justiça: Criação da Tribunal Real, sendo
superior aos tribunais locais (controlados pelo senhor
feudal).
• Controle sobre as Finanças: intervenção na
economia, mediante o monopólio da cunhagem de
moedas, da padronização monetária, a cobraça de
impostos, da criação de Companhias de Comercio e a
imposição dos monopólios.
• Burocracia Estatal: corpo de funcionários que auxilia na
administração das obras publicas, fortalecimento o
Reforma religiosa

A religião passou a ser um forte elemento para
os poderosos, que queriam controlar a
Igreja, para que o rei fosse a autoridade absoluta
(absolutismo). Assim os reis também podiam
controlar os súditos da igreja. E o clero pregava
que “ o poder real tem origem divina”. Para que
as pessoas não entrassem em conflito. Mas
ainda havia muita perseguição religiosa, das
pessoas que não eram súditas da igreja, na
verdade era uma perseguição política para que a
nova política tivesse todo o vigor.
Filosofia Escolástica – “Razão predomina sobre a
fé”

Nesta época de grandes reformas
religiosas, houve também a filosofia escolástica
que por sua vez pregava a razão sobre a fé, mas
já na era moderna ou absoluta, muda-se esta
concepção e os leigos passam a ter direito a
cultura religiosa. O que dava aos leigos a visão
critica e consciente da sociedade estamental, e
do absolutismo, abrindo condições para o
movimento iluminista.

• Movimento iluminista – Os iluministas
defendiam o pensamento racional, em que agora
tudo passaria a ser justificado, não justificado
MERCANTILISMO
Mercantilismo foi uma política econômica de
acumulo de metais preciosos.

• Porque é chamada de capitalismo comercial?
Pois a medida que o lucro se acumula na
circulação das mercadorias a ênfase da política
mercantilista recai sobre a atividade comercial. E
a agricultura e a industria ficam em segundo
plano por serem orientadas em função do
interesse (dinheiro).

• Qual o objetivo desta política?
Ela queria promover a força do Estado, e
incrementar a riqueza da burguesia (o que era
Metalismo, Bulionismo ou Bulhonismo
O ouro e a prata eram metais que deixavam uma
nação muito rica e poderosa, portanto os
governantes faziam de tudo para acumular estes
metais. Além do comércio externo, que trazia
moedas para a economia interna do país, a
exploração de territórios conquistados era
incentivada neste período. Foi dentro deste
contexto histórico, que a Espanha explorou
toneladas de ouro das sociedades indígenas da
América como, por exemplo, os maias, incas e
astecas.
Balança Comercial Favorável

Diminuição das importações e aumento das
exportações protegendo o capital e as industrias
do país.
Protecionismo Alfandegário

Os reis criavam impostos e taxas para evitar ao
máximo a entrada de produtos vindos do exterior.
Era uma forma de estimular a indústria nacional e
também evitar a saída de moedas para outros
países.

- Aumento da carga tributária sobre a importação
de gêneros agrícolas e manufaturados;
- Criação de diversas regras e normas para a
entrada de produtos estrangeiros;
- Utilização de subsídios para baratear os
produtos nacionais.
Pacto Colonial ou Sistema Colonial

As colônias européias deveriam fazer comércio
apenas com suas metrópoles. Era uma garantia
de vender caro e comprar barato, obtendo ainda
produtos não encontrados na Europa. Dentro
deste contexto histórico ocorreu o ciclo
econômico do açúcar no Brasil Colonial.
Colbertismo ou Mercantilismo Industrial

Procurando manter a balança favorável mediante
a diferença entre preços de compra e venda, a
França com o Colbertismo (por causa do ministro
Colbert), as manufaturas de artigos de luxo
produziam os principais rendimentos do Estado e
da burguesia mercantil.
Ínicio: Colonização da
América
“ O ouro é o tesouro e aquele que o possui tem
tudo de que necessita no mundo; com ele, tem
também o meio de resgatar as almas do
Purgatório e de chamar ao Paraíso”
             ( Cristóvão Colombo, Jamaica, 1503).

Esta frase caracteriza o caráter e a conquista da
América para os mercantilistas da época, em que
o metalismo (metais preciosos) era a poder de
uma nação e a América Latina por possuir boa
parte destes metais foi alvo direto dos
absolutistas. Em que o tráfico negreiro contribui
Tráfico
Despotismo Esclarecido
O Despotismo Esclarecido surgiu na última fase
do absolutismo, quando não tinha mais força. Por
visar a aceleração do processo de modernização
de alguns países e assim aumentar seu poder e
prestígio a fim de enfraquecer a oposição ao seu
governo. Argumentam que governam em nome
da felicidade dos povos.
Os principais déspotas esclarecidos foram:

Frederico II: foi o principal déspota esclarecido
prussiano onde reformou o sistema penal, aboliu
as torturas praticadas por seu pai, fundou escolas
promovendo a educação, incentivou a produção
cultural comercial e manufatureira, decretou a
Catarina II: estrangeira da Prússia assumiu a
Rússia e construiu escolas, hospitais, reformou e
modernizou cidades, racionalizou a administração
pública e limitou a ação da igreja.

José II: imperador da Germânia aboliu a servidão
e a tortura, secularizou seus bens, fundou
escolas, hospitais e asilos, concedeu liberdade
de culto a toda crença religiosa, criou impostos
para o clero e a nobreza, limitou feriados e
peregrinações, tornou a língua alemã como
obrigatória.
Marquês de Pombal: conde português que iniciou
reformas administrativas econômicas e sociais
desenvolveu o comércio colonial, isentou
impostos para exportações, fundou o banco
real, expulsou os jesuítas de
Portugal, modernizou o exército.

Quais os motivos do fracasso?
Muitas reformas promovidas pelos déspotas
esclarecidos tiveram vida curta. Por conta da
reação aristocrática que não foi favorável aos
déspostas, pois ainda acreditavam na agricultura
e também o recuo diante dos acontecimentos da
Revolução Francesa que começava a
eclodir, provocando medo também à aristocracia
e a burguesia que estava muito enfraquecida.
Absolutismo e mercantilismo slide

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Historia Iluminismo 8ano
Historia Iluminismo 8anoHistoria Iluminismo 8ano
Historia Iluminismo 8ano
Leonardo Caputo
 

Mais procurados (20)

O brasil na primeira republica
O brasil na primeira republicaO brasil na primeira republica
O brasil na primeira republica
 
1° ano E.M. - Antigo Egito
1° ano E.M. -  Antigo Egito1° ano E.M. -  Antigo Egito
1° ano E.M. - Antigo Egito
 
Período regencial
Período regencialPeríodo regencial
Período regencial
 
Egito Antigo - 6º Ano (2018)
Egito Antigo - 6º Ano (2018)Egito Antigo - 6º Ano (2018)
Egito Antigo - 6º Ano (2018)
 
As origens do ser humano - 6º Ano (2017)
As origens do ser humano - 6º Ano (2017)As origens do ser humano - 6º Ano (2017)
As origens do ser humano - 6º Ano (2017)
 
Revoluções inglesas
Revoluções inglesasRevoluções inglesas
Revoluções inglesas
 
Revisão 6º ano ASSUNTO : Roma Antiga
Revisão 6º ano ASSUNTO : Roma AntigaRevisão 6º ano ASSUNTO : Roma Antiga
Revisão 6º ano ASSUNTO : Roma Antiga
 
Pré História
Pré   História Pré   História
Pré História
 
1° ano - Grécia Antiga
1° ano -  Grécia Antiga1° ano -  Grécia Antiga
1° ano - Grécia Antiga
 
América portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasilAmérica portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasil
 
1° ano império romano - completo
1° ano    império romano - completo1° ano    império romano - completo
1° ano império romano - completo
 
Expansão Marítima
Expansão MarítimaExpansão Marítima
Expansão Marítima
 
A Reforma Protestante - 7º ANO (2017)
A Reforma Protestante - 7º ANO (2017)A Reforma Protestante - 7º ANO (2017)
A Reforma Protestante - 7º ANO (2017)
 
Historia Iluminismo 8ano
Historia Iluminismo 8anoHistoria Iluminismo 8ano
Historia Iluminismo 8ano
 
O Estado Moderno
O Estado ModernoO Estado Moderno
O Estado Moderno
 
Modernos estados nacionais
Modernos estados nacionaisModernos estados nacionais
Modernos estados nacionais
 
República Oligárquica
República OligárquicaRepública Oligárquica
República Oligárquica
 
Mesopotâmia - 6º Ano (2018)
Mesopotâmia - 6º Ano (2018)Mesopotâmia - 6º Ano (2018)
Mesopotâmia - 6º Ano (2018)
 
Astecas maias e incas
Astecas maias e incasAstecas maias e incas
Astecas maias e incas
 
Período regencial (1831 1840)
Período regencial (1831  1840)Período regencial (1831  1840)
Período regencial (1831 1840)
 

Destaque

Presentacion1(2)
Presentacion1(2)Presentacion1(2)
Presentacion1(2)
cris11108
 
Orígenes de la Revolución Industrial
Orígenes de la Revolución Industrial Orígenes de la Revolución Industrial
Orígenes de la Revolución Industrial
anga
 
El parlamento inglés
El parlamento inglésEl parlamento inglés
El parlamento inglés
gazabe
 
Absolutismo en francia luis xiv
Absolutismo en francia luis xivAbsolutismo en francia luis xiv
Absolutismo en francia luis xiv
Andrés Rojas
 
Aula Absolutismo Monárquico
Aula Absolutismo MonárquicoAula Absolutismo Monárquico
Aula Absolutismo Monárquico
seixasmarianas
 
Absolutismo y Parlamentarismo
Absolutismo y ParlamentarismoAbsolutismo y Parlamentarismo
Absolutismo y Parlamentarismo
anga
 
A europa dos parlamentos holanda
A europa dos parlamentos  holandaA europa dos parlamentos  holanda
A europa dos parlamentos holanda
Carla Teixeira
 

Destaque (20)

Aula Mercantilismo e Absolutismo
Aula Mercantilismo e AbsolutismoAula Mercantilismo e Absolutismo
Aula Mercantilismo e Absolutismo
 
Luis XIV de Francia
Luis XIV de FranciaLuis XIV de Francia
Luis XIV de Francia
 
Provincias unidas
Provincias unidasProvincias unidas
Provincias unidas
 
Presentacion1(2)
Presentacion1(2)Presentacion1(2)
Presentacion1(2)
 
Luis XVI
Luis XVILuis XVI
Luis XVI
 
Orígenes de la Revolución Industrial
Orígenes de la Revolución Industrial Orígenes de la Revolución Industrial
Orígenes de la Revolución Industrial
 
El parlamento inglés
El parlamento inglésEl parlamento inglés
El parlamento inglés
 
Absolutismo Monárquico
Absolutismo MonárquicoAbsolutismo Monárquico
Absolutismo Monárquico
 
Absolutismo en francia luis xiv
Absolutismo en francia luis xivAbsolutismo en francia luis xiv
Absolutismo en francia luis xiv
 
La francia de luis xiv
La francia de luis xivLa francia de luis xiv
La francia de luis xiv
 
Mercantilismo
MercantilismoMercantilismo
Mercantilismo
 
Mercantilismo
MercantilismoMercantilismo
Mercantilismo
 
Parlamentarismo inglês
Parlamentarismo inglêsParlamentarismo inglês
Parlamentarismo inglês
 
Aula Absolutismo Monárquico
Aula Absolutismo MonárquicoAula Absolutismo Monárquico
Aula Absolutismo Monárquico
 
La Europa del siglo XVIII
La Europa del siglo XVIIILa Europa del siglo XVIII
La Europa del siglo XVIII
 
El Absolutismo
El AbsolutismoEl Absolutismo
El Absolutismo
 
Parlamentarismo inglês
Parlamentarismo inglêsParlamentarismo inglês
Parlamentarismo inglês
 
Absolutismo y Parlamentarismo
Absolutismo y ParlamentarismoAbsolutismo y Parlamentarismo
Absolutismo y Parlamentarismo
 
Aula 6e 7
Aula 6e 7Aula 6e 7
Aula 6e 7
 
A europa dos parlamentos holanda
A europa dos parlamentos  holandaA europa dos parlamentos  holanda
A europa dos parlamentos holanda
 

Semelhante a Absolutismo e mercantilismo slide

Politica e economia no estado moderno
Politica e economia no estado modernoPolitica e economia no estado moderno
Politica e economia no estado moderno
Adriana Gomes Messias
 
Cap10 1º ano 2013 - política e economia na idade moderna
Cap10   1º ano 2013 - política e economia na idade modernaCap10   1º ano 2013 - política e economia na idade moderna
Cap10 1º ano 2013 - política e economia na idade moderna
Gustavo Cuin
 
Idade moderna 2 site
Idade moderna 2 siteIdade moderna 2 site
Idade moderna 2 site
Carlos Glufke
 
Cap. 16 iluminismo
Cap. 16 iluminismoCap. 16 iluminismo
Cap. 16 iluminismo
Gustavo Cuin
 

Semelhante a Absolutismo e mercantilismo slide (20)

Absolutismo e Mercantilismo
Absolutismo e MercantilismoAbsolutismo e Mercantilismo
Absolutismo e Mercantilismo
 
Politica e economia no estado moderno
Politica e economia no estado modernoPolitica e economia no estado moderno
Politica e economia no estado moderno
 
Idade moderna
Idade modernaIdade moderna
Idade moderna
 
Absolutismo e mercantilismo
Absolutismo e mercantilismoAbsolutismo e mercantilismo
Absolutismo e mercantilismo
 
Slides Historia : Os teóricos do absolutismo e Mercantilismo.pdf
Slides Historia : Os teóricos do absolutismo e Mercantilismo.pdfSlides Historia : Os teóricos do absolutismo e Mercantilismo.pdf
Slides Historia : Os teóricos do absolutismo e Mercantilismo.pdf
 
IDADE MODERNA.pdf
IDADE MODERNA.pdfIDADE MODERNA.pdf
IDADE MODERNA.pdf
 
Absolutismo e Mercatilismo
Absolutismo e MercatilismoAbsolutismo e Mercatilismo
Absolutismo e Mercatilismo
 
Cap10 1º ano 2013 - política e economia na idade moderna
Cap10   1º ano 2013 - política e economia na idade modernaCap10   1º ano 2013 - política e economia na idade moderna
Cap10 1º ano 2013 - política e economia na idade moderna
 
Absolutismo europeu
Absolutismo europeuAbsolutismo europeu
Absolutismo europeu
 
Formação das Monarquias Nacionais Europeias (Parte 1)
Formação das Monarquias Nacionais Europeias (Parte 1)Formação das Monarquias Nacionais Europeias (Parte 1)
Formação das Monarquias Nacionais Europeias (Parte 1)
 
Aula 06 absolutismo mercantilismo
Aula 06   absolutismo mercantilismoAula 06   absolutismo mercantilismo
Aula 06 absolutismo mercantilismo
 
Absolutismo e mercantilismo 7° ano
Absolutismo e mercantilismo 7° anoAbsolutismo e mercantilismo 7° ano
Absolutismo e mercantilismo 7° ano
 
Quem manda-agora-sao-os-reis (1)
Quem manda-agora-sao-os-reis (1)Quem manda-agora-sao-os-reis (1)
Quem manda-agora-sao-os-reis (1)
 
Idade moderna 2 site
Idade moderna 2 siteIdade moderna 2 site
Idade moderna 2 site
 
Aulas da 7 serie 8 ano do absolu a 13 colonias
Aulas da 7 serie 8 ano do absolu a 13 coloniasAulas da 7 serie 8 ano do absolu a 13 colonias
Aulas da 7 serie 8 ano do absolu a 13 colonias
 
Idade moderna
Idade modernaIdade moderna
Idade moderna
 
absolutismoeuropeu-110607134212-phpapp02.pdf
absolutismoeuropeu-110607134212-phpapp02.pdfabsolutismoeuropeu-110607134212-phpapp02.pdf
absolutismoeuropeu-110607134212-phpapp02.pdf
 
Cap. 16 iluminismo
Cap. 16 iluminismoCap. 16 iluminismo
Cap. 16 iluminismo
 
Texto causas da revol. francesa (1)
Texto causas da revol. francesa (1)Texto causas da revol. francesa (1)
Texto causas da revol. francesa (1)
 
Antigo Regime
Antigo RegimeAntigo Regime
Antigo Regime
 

Último

Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Pastor Robson Colaço
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
ssuserbb4ac2
 

Último (20)

Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdfDiálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
 
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_AssisMemórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em crianças
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em criançasSlide - HIV (1) edit.pptx hiv em crianças
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em crianças
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
Trabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e Senegal
Trabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e SenegalTrabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e Senegal
Trabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e Senegal
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 

Absolutismo e mercantilismo slide

  • 2. ANTIGO REGIME O antigo regime foi um governo que vigorou por toda a Europa, constituindo uma estrutura própria, com as principais características abaixo: • Absolutismo : Rei como autoridade maior. • Mercantilismo: Acúmulo de riquezas para as mãos do rei. • Apoio dos principais teóricos e pensadores: Nicolau Maquiavel (Itália); Thomas Hobbes (Inglaterra); Jacques Bossuet (França).
  • 3.
  • 4. ABSOLUTISMO O que é absolutismo? Absolutismo é um regime político em que o poder está concentrado nas mãos do rei. Em que o mesmo tinha completa autoridade para fazer o que quiser, principalmente ao fazer e impor leis. Qual sua origem? Teve sua origem com o inicio das monarquias nacionais, ou seja, com o fim da baixa idade média surgiu a aliança rei - burguesia em que o rei tinha completa autoridade e apoio dos burgueses e nobreza.
  • 5. Hierarquia Absolutista Rei Clero Nobreza Burgueses e comerciantes Artesãos Camponeses
  • 6.
  • 7. Absolutismo em Portugal Primeiro país a organizar o Estado Moderno. Centralização política precoce em virtude da Guerra de Reconquista travada entre cristãos e muçulmanos. A centralização do Estado Português ocorreu em 1385, com a Revolução de Avis, onde o Mestre da Ordem de Avis (D. João), com o apoio da burguesia mercantil consolidou o centralismo político. • Revolução de Avis – Consolidação da aliança rei-burguesia o que possibilitou uma centralização política e possibilitou que Portugal expandisse seus limites territoriais através das conquistas ultramarinas.
  • 8. D. João I – Mestre da ordem de
  • 9. ABSOLUTISMO NA FRANÇA Com o fim da Revolução Francesa e com a Dinastia dos Bourbon houve a evolução do absolutismo na França.Dinastia dos Bourbon foi de 1586 a 1789, em que Luís XIV (Rei Sol devido a uma vestimenta que usou em uma baile da corte, roupa dourada, parecendo um astro) que governou de 1638 a 1715 foi o maior monarca absolutista da França. Principal Pensador Teórico: Os pensadores teóricos da época tinha por objetivo teorizar o poder real. E na França o principal teórico foi Jacques Bousset, pregando que os reis eram ministros de Deus, por meio da
  • 10. REI LUÍS XIV – REI SOL
  • 11.
  • 12. ABSOLUTISMO NA INGLATERRA O Absolutismo na Inglaterra teve inicio após a Guerra das Duas Rosas (luta travada pelas famílias Lancaster e York que queriam assumir o reinado da Inglaterra) o que por fim Henrique Tudor apoiado pela burguesia. O absolutismo na Inglaterra também teve outro rei, ou rainha, a Rainha Elizabeth I que reinou de 1558 a 1603, a qual fez cumprir e impôs algumas leis que Henrique VIII não pode cumprir. • APOGEU :Henrique VIII – Dinastia Tudor (Família Tudor no poder). DICA: Filme – The Tudors. • DECADENCIA :Rainha Elizabeth I – Dinastia
  • 13. Henrique VIII – Dinastia Tudor
  • 14. Rainha Elizabeth I – Dinastia
  • 15. ABSOLUTISMO NA ESPANHA Já na Espanha o absolutismo ocorreu após a Guerra de Secessão, e com a grande abundancia de tesouros foi um dos grandes facilitadores, que através deste poder conseguiam força política e militar da aristocracia fundiária. Assim os metais do Novo Mundo estava concentrado na mãos dos espanhóis, que com a fase do mercantilismo tiveram grande evolução, impulsionados principalmente pelo absolutismo. Ou seja, a união dos reinos de Aragão e Castela se consolidando 1492 e expulsão definitiva dos mouros da península. • Fernando e Isabel – governaram a Espanha no século XVI.
  • 16. Fernando e Isabel - Espanha
  • 17. ESTADO ABSOLUTISTA No Estado Absolutista o mercantilismo era a principal base do absolutismo em que tinha por característica acumulo de metais preciosos. E a burguesia, os nobres e o clero, dava todo apoio ao rei, que com a submissão dos camponeses e artesãos acumulava metais preciosos, ou seja, riquezas. Alguns fatores: • Os camponeses e artesãos, financiavam impostos para custear as festas e os luxos da corte. • Padronização monetária de pesos e medidas (mercantilismo). • Exportar mais e importar menos era o lema, para que o acumulo de metais não fosse
  • 18.
  • 19. Governo Absoluto – Absolutismo • Criação de um Exército Nacional : Instrumento principal do processo de centralização política. Formado por mercenários, com a intenção de enfraquecer a nobreza e não armar os camponeses. • Controle legislativo: Todas as decisões do reino estavam controladas diretamente pelo rei, que possuía o direito de criar as leis. • Controle sobre a justiça: Criação da Tribunal Real, sendo superior aos tribunais locais (controlados pelo senhor feudal). • Controle sobre as Finanças: intervenção na economia, mediante o monopólio da cunhagem de moedas, da padronização monetária, a cobraça de impostos, da criação de Companhias de Comercio e a imposição dos monopólios. • Burocracia Estatal: corpo de funcionários que auxilia na administração das obras publicas, fortalecimento o
  • 20. Reforma religiosa A religião passou a ser um forte elemento para os poderosos, que queriam controlar a Igreja, para que o rei fosse a autoridade absoluta (absolutismo). Assim os reis também podiam controlar os súditos da igreja. E o clero pregava que “ o poder real tem origem divina”. Para que as pessoas não entrassem em conflito. Mas ainda havia muita perseguição religiosa, das pessoas que não eram súditas da igreja, na verdade era uma perseguição política para que a nova política tivesse todo o vigor.
  • 21. Filosofia Escolástica – “Razão predomina sobre a fé” Nesta época de grandes reformas religiosas, houve também a filosofia escolástica que por sua vez pregava a razão sobre a fé, mas já na era moderna ou absoluta, muda-se esta concepção e os leigos passam a ter direito a cultura religiosa. O que dava aos leigos a visão critica e consciente da sociedade estamental, e do absolutismo, abrindo condições para o movimento iluminista. • Movimento iluminista – Os iluministas defendiam o pensamento racional, em que agora tudo passaria a ser justificado, não justificado
  • 22. MERCANTILISMO Mercantilismo foi uma política econômica de acumulo de metais preciosos. • Porque é chamada de capitalismo comercial? Pois a medida que o lucro se acumula na circulação das mercadorias a ênfase da política mercantilista recai sobre a atividade comercial. E a agricultura e a industria ficam em segundo plano por serem orientadas em função do interesse (dinheiro). • Qual o objetivo desta política? Ela queria promover a força do Estado, e incrementar a riqueza da burguesia (o que era
  • 23. Metalismo, Bulionismo ou Bulhonismo O ouro e a prata eram metais que deixavam uma nação muito rica e poderosa, portanto os governantes faziam de tudo para acumular estes metais. Além do comércio externo, que trazia moedas para a economia interna do país, a exploração de territórios conquistados era incentivada neste período. Foi dentro deste contexto histórico, que a Espanha explorou toneladas de ouro das sociedades indígenas da América como, por exemplo, os maias, incas e astecas.
  • 24. Balança Comercial Favorável Diminuição das importações e aumento das exportações protegendo o capital e as industrias do país.
  • 25. Protecionismo Alfandegário Os reis criavam impostos e taxas para evitar ao máximo a entrada de produtos vindos do exterior. Era uma forma de estimular a indústria nacional e também evitar a saída de moedas para outros países. - Aumento da carga tributária sobre a importação de gêneros agrícolas e manufaturados; - Criação de diversas regras e normas para a entrada de produtos estrangeiros; - Utilização de subsídios para baratear os produtos nacionais.
  • 26. Pacto Colonial ou Sistema Colonial As colônias européias deveriam fazer comércio apenas com suas metrópoles. Era uma garantia de vender caro e comprar barato, obtendo ainda produtos não encontrados na Europa. Dentro deste contexto histórico ocorreu o ciclo econômico do açúcar no Brasil Colonial.
  • 27. Colbertismo ou Mercantilismo Industrial Procurando manter a balança favorável mediante a diferença entre preços de compra e venda, a França com o Colbertismo (por causa do ministro Colbert), as manufaturas de artigos de luxo produziam os principais rendimentos do Estado e da burguesia mercantil.
  • 28.
  • 29. Ínicio: Colonização da América “ O ouro é o tesouro e aquele que o possui tem tudo de que necessita no mundo; com ele, tem também o meio de resgatar as almas do Purgatório e de chamar ao Paraíso” ( Cristóvão Colombo, Jamaica, 1503). Esta frase caracteriza o caráter e a conquista da América para os mercantilistas da época, em que o metalismo (metais preciosos) era a poder de uma nação e a América Latina por possuir boa parte destes metais foi alvo direto dos absolutistas. Em que o tráfico negreiro contribui
  • 30.
  • 32. Despotismo Esclarecido O Despotismo Esclarecido surgiu na última fase do absolutismo, quando não tinha mais força. Por visar a aceleração do processo de modernização de alguns países e assim aumentar seu poder e prestígio a fim de enfraquecer a oposição ao seu governo. Argumentam que governam em nome da felicidade dos povos. Os principais déspotas esclarecidos foram: Frederico II: foi o principal déspota esclarecido prussiano onde reformou o sistema penal, aboliu as torturas praticadas por seu pai, fundou escolas promovendo a educação, incentivou a produção cultural comercial e manufatureira, decretou a
  • 33. Catarina II: estrangeira da Prússia assumiu a Rússia e construiu escolas, hospitais, reformou e modernizou cidades, racionalizou a administração pública e limitou a ação da igreja. José II: imperador da Germânia aboliu a servidão e a tortura, secularizou seus bens, fundou escolas, hospitais e asilos, concedeu liberdade de culto a toda crença religiosa, criou impostos para o clero e a nobreza, limitou feriados e peregrinações, tornou a língua alemã como obrigatória.
  • 34. Marquês de Pombal: conde português que iniciou reformas administrativas econômicas e sociais desenvolveu o comércio colonial, isentou impostos para exportações, fundou o banco real, expulsou os jesuítas de Portugal, modernizou o exército. Quais os motivos do fracasso? Muitas reformas promovidas pelos déspotas esclarecidos tiveram vida curta. Por conta da reação aristocrática que não foi favorável aos déspostas, pois ainda acreditavam na agricultura e também o recuo diante dos acontecimentos da Revolução Francesa que começava a eclodir, provocando medo também à aristocracia e a burguesia que estava muito enfraquecida.