SlideShare uma empresa Scribd logo
Unindo conhecimento em prol
Alternativas de controle
Cultural e Biológico
Jiordane Medeiros da Costa
 MIP:
 Controle Cultural:
 Rotação de culturas, janela de plantio, vazio
sanitário e outras alternativas.
Sumário
2
 Controle Biológico:
 Principais agentes biológicos juntamente com o seu
mecanismo de ação e alvo a ser controlado;
 Posicionamento.
Manejo Integrado de Pragas
3
Esquematização: Costa, 2019
Controle Cultural
4
 Aumento nos teores de Carbono e Matéria
Orgânica do Solo;
 Diminuição da incidência de doenças e pragas,
por meio da quebra de ciclos;
 A camada formada pelo maior acúmulo de
restos culturais serve como barreira aos
propágulos de agentes causais de doenças, e
hospedeiros reduzindo as chances de
inoculação das plantas pelos patógenos
sobreviventes nos resíduos (FANTIN et al.,
2014).
Rotação de Culturas
5
Exemplos:
 Quebra no ciclo de doenças da soja como a podridão
cinza, mofo-branco e antracnose quando a cultura do
milho está incluída da rotação.
 Diminuição da população de nematoides na utilização
de Crotalária spectabbilis.
Rotação de Culturas
6
Fonte: Revista Rural, 2016.
Janela de plantio - Algodão
7
Fonte: Conab, 2019.
Janela de plantio - Milho
8
Fonte: Conab, 2019.
Janela de plantio - Soja
9
Fonte: Conab, 2019.
Vazio sanitário - Algodão
10
Fonte: Agrodefesa, 2014.
 Atua principalmente na quebra do ciclo de pragas e
doenças.
Vazio sanitário - Soja
11
Fonte: Embrapa, 2018.
 Irrigação:
 Controle da qualidade da água;
 Irrigação por gotejamento reduz incidência de pragas e
doenças.
 Escolha de sementes/mudas sadias:
 Erradicação dos restos culturais:
Outras Alternativas
12
Fonte: Revista Rural, 2014.
 Aração do solo (sistema convencional):
 Exposição de estruturas do patógeno.
Outras Alternativas
13
 Incorporação da matéria orgânica ao solo (sistema
convencional):
 Aumento das populações de microrganismos do
solo devido à incorporação de substrato, resultando
em maior competição para o patógeno presente no
solo.
 Densidade de plantio:
 Evitar microclima favorável e competição por água
e nutrientes.
Outras Alternativas
14
 Quebra-vento:
 Redução na disseminação do patógeno.
Fonte: USP, 2016.
Controle Biológico
15
Agentes Biológicos (microrganismos entomopatogênicos):
 Nematoides;
 Vírus;
 Bactérias;
 Fungos.
Controle Biológico
16
Fonte: UNBciência, 2017.
 Ativo biológico: Baculovírus spp.
Alternativas de controle
17
Classe Ativos Nº de produtos Alvo
Inseticida
microbiológico
Baculovírus
anticarsia
5 Anticarsia
gemmatalis
Baculovírus
Chrysodeixis
includens
4 C. includens
Baculovírus
Helicoverpa
armigera
4 H. armigera
Baculovírus
Spodoptera
frugiperda
3 S. frugiperda
Fonte: Biota Innovations, 2018.
 Mecanismo de ação:
Alternativas de controle
18
Fonte: Andermatt, 2016.
 Ativo biológico: Bacillus spp.
Alternativas de controle
19
Classe Ativos Nº de
produtos
Alvos
Fungicida
microbiológico
B. amyloliquefaciens
B. pumilus
B. subtilis
9 Fungos e
bactérias
Nematicida
microbiológico
B. amyloliquefaciens
B. licheniformis
B. methylotrophicus
8 P. brachiurus
M. Incognita
M. javanica
Inoculante B. subtilis
B. methylotrophicus
3 -
Fonte: Biota Innovations, 2018.
 Mecanismo de ação: O antagonismo direto exercido contra
fitopatógenos tem o envolvimento dos conhecidos
mecanismos de antibiose, como a síntese de substâncias
antimicrobianas, a competição por espaço e nutrientes e a
síntese de compostos voláteis (LEELASUPHAKUL et al.,
2008).
 No caso de controle de nematoides: Podem sintetizar
metabólitos secundários que interferem no ciclo reprodutivo
do nematoide e/ou transformar exudados radiculares em
subprodutos, interferindo o processo de reconhecimento
nematoide-planta.
Alternativas de controle
20
 Ativo biológico: Bacillus thuringiensis – Bt
Alternativas de controle
21
Classe Alvo Nº de produtos
Inseticida
microbiológico
+ de 15 espécies de
lagartas
23
Fonte: Biota Innovations, 2018.
 Mecanismo de ação:
 Ativo biológico: Pasteuria nishizawae.
Alternativas de controle
22
Classe Nº de produtos Alvo
Nematicida
microbiológico
2 Heterodera glycines
 Mecanismo de ação: são parasitas obrigatórios, gram
positivas, formadoras de endósporos, que parasitam as
formas ativas do nematoide, reduzindo a penetração
e/ou reprodução.
Fonte: Biota Innovations, 2018.
 Ativo biológico: Trichoderma spp.
Alternativas de controle
23
Classe Nº de produtos Alvo
Fungicida
microbiológico
22 Sclerotinia sclerotiorum
Rhizoctonia solani
Fusarium
Moniliophthora perniciosa
Nematicida
microbiológico
2 P. zeae
P. brachiurus
M. incognita
H. glycines
Fonte: Biota Innovations, 2018.
 Mecanismo de ação:
Alternativas de controle
24
Fonte: ABC bio, 2018.
 Ativo biológico: Paecilomyces lilacinus.
Alternativas de controle
25
Classe Nº de produtos Alvo
Nematicida
microbiológico
4 M. incognita
M. javanica
P. brachiurus
 Mecanismo de ação: O fungo se achata sobre o ovo do
nematoide e, através de uma estrutura de fixação, prende-
se a ele, hifas se desenvolvem na superfície do ovo.
Ocorre o desenvolvimento de uma hifa que penetra a
casca, destruindo o embrião, do qual o fungo se alimento e
se desenvolve, crescendo para fora da casca, produzindo
conidióforos e infectando outros ovos.
Fonte: Biota Innovations, 2018.
 Ativo biológico: Beauveria bassiana.
Alternativas de controle
26
Classe Nº de produtos Alvo
Inseticida
microbiológicos
21 Bemisia tabaci
Tetranychus urticae
Cosmopolites sordidus
Dalbulus maydis
1 Diabrotica speciosa
1 Gonipterus scutellatus
Hypothenemus hampei
Fonte: Biota Innovations, 2018.
 Mecanismo de ação: Os esporos ligam-se à cutícula do
inseto, os conídios germinam na superfície, após
germinação as hifas penetram o tegumento e coloniza
internamente o hospedeiro.
 Ativo biológico: Metarhizium anisopliae.
Alternativas de controle
27
Classe Nº de produtos Alvo
Inseticida
microbiológico
35 Cigarrinhas das
pastagens e cana
1 Euschistus heros
 Mecanismo de ação: os conídios entram em contato
com a praga, germinando em poucas horas e penetrando
posteriormente por diversos pontos do corpo do inseto
(tegumento). A liberação de toxinas no interior do inseto
reduz sua mobilidade. A partir do quarto dia após a
aplicação, os primeiros insetos mortos são observados
Fonte: Biota Innovations, 2018.
 Ativo biológico: Isaria fumosorosea.
Alternativas de controle
28
Classe Nº de produtos Alvo
Inseticida
microbiológico
2 Diaphorina citri
Helicoverpa armigera
Fonte: Biota Innovations, 2018.
 Mecanismo de ação:
Fonte: Fundecitros, 2018.
Posicionamento
29
Esquematização: Costa, 2019.
Posicionamento sugerido por Agrônomo:
 No tratamento de semente 100 ml/ha para o controle
de fusarium, nematoide e mofo branco.
 Pulverizado em V2/V3 em feijão e soja, visando mofo
branco e Macrophomina phaseolina (100 ml/há).
Posicionamento
30
Posicionamento sugerido por empresa do setor para
milho:
 Controle biológico através do uso de Trichogramma sp.
com foco em lepidópteros.
 4 aplicações a partir de 15 a 20 dias desde a emergência
da cultura, com um intervalo de uma semana entre elas.
Aplicação de 100.000 vespas por ha.
Posicionamento
31
Fonte: Agro em dia, 2019.
Posicionamento sugerido por empresa do setor para
algodão:
 No início da infestação, ao primeiro aparecimento de
Spodoptera frugiperda (no máximo 3% incidência),
aplicar Cartugen sozinho.
 Quando a incidência estiver acima de 3% e/ou as
lagartas acima de 3º ínstar, aplicar Cartugen associado
com inseticida químico.
Posicionamento
32
Unindo conhecimento em prol
Jiordane Medeiros da Costa
jiordane@hotmail.com.br
Obrigado!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Tratos Culturais: Aplicação de Fungicidas
Tratos Culturais: Aplicação de FungicidasTratos Culturais: Aplicação de Fungicidas
Tratos Culturais: Aplicação de Fungicidas
Geagra UFG
 
Plantas daninhas e seu controle
Plantas daninhas e seu controlePlantas daninhas e seu controle
Plantas daninhas e seu controle
Geagra UFG
 
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NA SOJA
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NA SOJAMANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NA SOJA
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NA SOJA
Geagra UFG
 
Manejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhasManejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhas
CETEP, FTC, FASA..
 
Manejo de doenças na soja
Manejo de doenças na soja Manejo de doenças na soja
Manejo de doenças na soja
Geagra UFG
 
Cana-de-açúcar - Doenças e Pragas
Cana-de-açúcar - Doenças e PragasCana-de-açúcar - Doenças e Pragas
Cana-de-açúcar - Doenças e Pragas
Sávio Sardinha
 
Mecanismos de ação de herbicidas
Mecanismos de ação de herbicidasMecanismos de ação de herbicidas
Mecanismos de ação de herbicidas
Geagra UFG
 
Herbicidas
HerbicidasHerbicidas
Herbicidas
Geagra UFG
 
Introdução ao Manejo de Herbicidas
Introdução ao Manejo de Herbicidas Introdução ao Manejo de Herbicidas
Introdução ao Manejo de Herbicidas
Geagra UFG
 
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA
Geagra UFG
 
Simulado manejo de plantas daninhas
Simulado manejo de plantas daninhasSimulado manejo de plantas daninhas
Simulado manejo de plantas daninhas
André Fontana Weber
 
Manejo integrado de pragas
Manejo integrado de pragasManejo integrado de pragas
Manejo integrado de pragas
Evangela Gielow
 
INSETICIDAS (Organofosforados, Diamidas e Benzoiluréias)
INSETICIDAS (Organofosforados, Diamidas e Benzoiluréias)INSETICIDAS (Organofosforados, Diamidas e Benzoiluréias)
INSETICIDAS (Organofosforados, Diamidas e Benzoiluréias)
Geagra UFG
 
FUNGICIDAS (Trazóis, Estrobirulina e Carboxamidas)
FUNGICIDAS (Trazóis, Estrobirulina e Carboxamidas)FUNGICIDAS (Trazóis, Estrobirulina e Carboxamidas)
FUNGICIDAS (Trazóis, Estrobirulina e Carboxamidas)
Geagra UFG
 
Fungos fitopatogenicos
Fungos fitopatogenicosFungos fitopatogenicos
Fungos fitopatogenicos
Rogger Wins
 
Grupo 6 fitopatologia
Grupo 6 fitopatologiaGrupo 6 fitopatologia
Grupo 6 fitopatologia
Ivaristo Americo
 
Melhoramento Genético e Biotecnologias de Milho
Melhoramento Genético e Biotecnologias de MilhoMelhoramento Genético e Biotecnologias de Milho
Melhoramento Genético e Biotecnologias de Milho
Geagra UFG
 
Ecologia de insetos
Ecologia de insetosEcologia de insetos
Manejo de Pragas da Soja
Manejo de Pragas da SojaManejo de Pragas da Soja
Manejo de Pragas da Soja
Geagra UFG
 
Fitopatologia estudo de fungos
Fitopatologia estudo de fungosFitopatologia estudo de fungos
Fitopatologia estudo de fungos
Luciano Marques
 

Mais procurados (20)

Tratos Culturais: Aplicação de Fungicidas
Tratos Culturais: Aplicação de FungicidasTratos Culturais: Aplicação de Fungicidas
Tratos Culturais: Aplicação de Fungicidas
 
Plantas daninhas e seu controle
Plantas daninhas e seu controlePlantas daninhas e seu controle
Plantas daninhas e seu controle
 
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NA SOJA
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NA SOJAMANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NA SOJA
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NA SOJA
 
Manejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhasManejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhas
 
Manejo de doenças na soja
Manejo de doenças na soja Manejo de doenças na soja
Manejo de doenças na soja
 
Cana-de-açúcar - Doenças e Pragas
Cana-de-açúcar - Doenças e PragasCana-de-açúcar - Doenças e Pragas
Cana-de-açúcar - Doenças e Pragas
 
Mecanismos de ação de herbicidas
Mecanismos de ação de herbicidasMecanismos de ação de herbicidas
Mecanismos de ação de herbicidas
 
Herbicidas
HerbicidasHerbicidas
Herbicidas
 
Introdução ao Manejo de Herbicidas
Introdução ao Manejo de Herbicidas Introdução ao Manejo de Herbicidas
Introdução ao Manejo de Herbicidas
 
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA
 
Simulado manejo de plantas daninhas
Simulado manejo de plantas daninhasSimulado manejo de plantas daninhas
Simulado manejo de plantas daninhas
 
Manejo integrado de pragas
Manejo integrado de pragasManejo integrado de pragas
Manejo integrado de pragas
 
INSETICIDAS (Organofosforados, Diamidas e Benzoiluréias)
INSETICIDAS (Organofosforados, Diamidas e Benzoiluréias)INSETICIDAS (Organofosforados, Diamidas e Benzoiluréias)
INSETICIDAS (Organofosforados, Diamidas e Benzoiluréias)
 
FUNGICIDAS (Trazóis, Estrobirulina e Carboxamidas)
FUNGICIDAS (Trazóis, Estrobirulina e Carboxamidas)FUNGICIDAS (Trazóis, Estrobirulina e Carboxamidas)
FUNGICIDAS (Trazóis, Estrobirulina e Carboxamidas)
 
Fungos fitopatogenicos
Fungos fitopatogenicosFungos fitopatogenicos
Fungos fitopatogenicos
 
Grupo 6 fitopatologia
Grupo 6 fitopatologiaGrupo 6 fitopatologia
Grupo 6 fitopatologia
 
Melhoramento Genético e Biotecnologias de Milho
Melhoramento Genético e Biotecnologias de MilhoMelhoramento Genético e Biotecnologias de Milho
Melhoramento Genético e Biotecnologias de Milho
 
Ecologia de insetos
Ecologia de insetosEcologia de insetos
Ecologia de insetos
 
Manejo de Pragas da Soja
Manejo de Pragas da SojaManejo de Pragas da Soja
Manejo de Pragas da Soja
 
Fitopatologia estudo de fungos
Fitopatologia estudo de fungosFitopatologia estudo de fungos
Fitopatologia estudo de fungos
 

Semelhante a Alternativas de controle cultural e biologico

Manejo de Pragas do Girassol
Manejo de Pragas do GirassolManejo de Pragas do Girassol
Manejo de Pragas do Girassol
Geagra UFG
 
Manejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e Helmintosporiose
Manejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e HelmintosporioseManejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e Helmintosporiose
Manejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e Helmintosporiose
Geagra UFG
 
Controle biológico de pragas e doenças, organismos de controle e especificações
Controle biológico de pragas e doenças, organismos de controle e especificaçõesControle biológico de pragas e doenças, organismos de controle e especificações
Controle biológico de pragas e doenças, organismos de controle e especificações
Leonardo Minaré Braúna
 
CONTROLE BIOLÓGICO NA SOJA
CONTROLE BIOLÓGICO NA SOJACONTROLE BIOLÓGICO NA SOJA
CONTROLE BIOLÓGICO NA SOJA
Geagra UFG
 
Controle Biológico
Controle BiológicoControle Biológico
Controle Biológico
João Felix
 
Seminario micro solo_controle_pragas
Seminario micro solo_controle_pragasSeminario micro solo_controle_pragas
Seminario micro solo_controle_pragas
MICROBIOLOGIA-CSL-UFSJ
 
ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera Controlo De Pragas
ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera   Controlo De PragasExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera   Controlo De Pragas
ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera Controlo De Pragas
Nuno Correia
 
Trabalho escrito problemática do uso de biocidas e de métodos alternativos no...
Trabalho escrito problemática do uso de biocidas e de métodos alternativos no...Trabalho escrito problemática do uso de biocidas e de métodos alternativos no...
Trabalho escrito problemática do uso de biocidas e de métodos alternativos no...
Maria Paredes
 
Entomologia aplicada controle microbiano de pragas 2016
Entomologia aplicada controle microbiano de pragas 2016Entomologia aplicada controle microbiano de pragas 2016
Entomologia aplicada controle microbiano de pragas 2016
Juliana Queiroz
 
Powerpoint 8 ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera Controlo De Pragas
Powerpoint 8   ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera   Controlo De PragasPowerpoint 8   ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera   Controlo De Pragas
Powerpoint 8 ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera Controlo De Pragas
Nuno Correia
 
Cartilha sobre Trichoderma
Cartilha sobre TrichodermaCartilha sobre Trichoderma
Cartilha sobre Trichoderma
BMP2015
 
Controle biológico de_pragas
Controle biológico de_pragasControle biológico de_pragas
Controle biológico de_pragas
João Siqueira da Mata
 
Manejo ecológico de pragas
Manejo ecológico de pragasManejo ecológico de pragas
Manejo ecológico de pragas
Cácia Viana
 
Nyre boone
Nyre booneNyre boone
Nyre boone
Juan Kiceno II
 
Nyre boone
Nyre booneNyre boone
Nyre boone
Juan Kiceno II
 
Bacillus thuringiensis características gerais e fermentação
Bacillus thuringiensis características gerais e fermentaçãoBacillus thuringiensis características gerais e fermentação
Bacillus thuringiensis características gerais e fermentação
faccamp
 
Controle biologico.pptx
Controle biologico.pptxControle biologico.pptx
Controle biologico.pptx
AryaneAhy
 
MANEJO DE DOENÇAS NO ALGODOEIRO
MANEJO DE DOENÇAS NO ALGODOEIROMANEJO DE DOENÇAS NO ALGODOEIRO
MANEJO DE DOENÇAS NO ALGODOEIRO
Geagra UFG
 
ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera Controlo De Pragas
ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera   Controlo De PragasExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera   Controlo De Pragas
ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera Controlo De Pragas
Nuno Correia
 
Controle Biológico dos Pulgões do Trigo
Controle Biológico dos Pulgões do TrigoControle Biológico dos Pulgões do Trigo
Controle Biológico dos Pulgões do Trigo
Pedro Arthur de Azevedo Silva
 

Semelhante a Alternativas de controle cultural e biologico (20)

Manejo de Pragas do Girassol
Manejo de Pragas do GirassolManejo de Pragas do Girassol
Manejo de Pragas do Girassol
 
Manejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e Helmintosporiose
Manejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e HelmintosporioseManejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e Helmintosporiose
Manejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e Helmintosporiose
 
Controle biológico de pragas e doenças, organismos de controle e especificações
Controle biológico de pragas e doenças, organismos de controle e especificaçõesControle biológico de pragas e doenças, organismos de controle e especificações
Controle biológico de pragas e doenças, organismos de controle e especificações
 
CONTROLE BIOLÓGICO NA SOJA
CONTROLE BIOLÓGICO NA SOJACONTROLE BIOLÓGICO NA SOJA
CONTROLE BIOLÓGICO NA SOJA
 
Controle Biológico
Controle BiológicoControle Biológico
Controle Biológico
 
Seminario micro solo_controle_pragas
Seminario micro solo_controle_pragasSeminario micro solo_controle_pragas
Seminario micro solo_controle_pragas
 
ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera Controlo De Pragas
ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera   Controlo De PragasExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera   Controlo De Pragas
ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera Controlo De Pragas
 
Trabalho escrito problemática do uso de biocidas e de métodos alternativos no...
Trabalho escrito problemática do uso de biocidas e de métodos alternativos no...Trabalho escrito problemática do uso de biocidas e de métodos alternativos no...
Trabalho escrito problemática do uso de biocidas e de métodos alternativos no...
 
Entomologia aplicada controle microbiano de pragas 2016
Entomologia aplicada controle microbiano de pragas 2016Entomologia aplicada controle microbiano de pragas 2016
Entomologia aplicada controle microbiano de pragas 2016
 
Powerpoint 8 ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera Controlo De Pragas
Powerpoint 8   ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera   Controlo De PragasPowerpoint 8   ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera   Controlo De Pragas
Powerpoint 8 ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera Controlo De Pragas
 
Cartilha sobre Trichoderma
Cartilha sobre TrichodermaCartilha sobre Trichoderma
Cartilha sobre Trichoderma
 
Controle biológico de_pragas
Controle biológico de_pragasControle biológico de_pragas
Controle biológico de_pragas
 
Manejo ecológico de pragas
Manejo ecológico de pragasManejo ecológico de pragas
Manejo ecológico de pragas
 
Nyre boone
Nyre booneNyre boone
Nyre boone
 
Nyre boone
Nyre booneNyre boone
Nyre boone
 
Bacillus thuringiensis características gerais e fermentação
Bacillus thuringiensis características gerais e fermentaçãoBacillus thuringiensis características gerais e fermentação
Bacillus thuringiensis características gerais e fermentação
 
Controle biologico.pptx
Controle biologico.pptxControle biologico.pptx
Controle biologico.pptx
 
MANEJO DE DOENÇAS NO ALGODOEIRO
MANEJO DE DOENÇAS NO ALGODOEIROMANEJO DE DOENÇAS NO ALGODOEIRO
MANEJO DE DOENÇAS NO ALGODOEIRO
 
ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera Controlo De Pragas
ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera   Controlo De PragasExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera   Controlo De Pragas
ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera Controlo De Pragas
 
Controle Biológico dos Pulgões do Trigo
Controle Biológico dos Pulgões do TrigoControle Biológico dos Pulgões do Trigo
Controle Biológico dos Pulgões do Trigo
 

Mais de Geagra UFG

Apresentação de Manejo do solo - Slides.pptx
Apresentação de Manejo do solo - Slides.pptxApresentação de Manejo do solo - Slides.pptx
Apresentação de Manejo do solo - Slides.pptx
Geagra UFG
 
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline CastroMICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline Castro
Geagra UFG
 
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline CastroMICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline Castro
Geagra UFG
 
BIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARES
BIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARESBIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARES
BIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARES
Geagra UFG
 
MACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptx
MACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptxMACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptx
MACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptx
Geagra UFG
 
Biotecnologias e manejos de cultivares .
Biotecnologias e manejos de cultivares .Biotecnologias e manejos de cultivares .
Biotecnologias e manejos de cultivares .
Geagra UFG
 
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.
Geagra UFG
 
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptxINTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
Geagra UFG
 
Colheita e armazenamento da soja........
Colheita e armazenamento da soja........Colheita e armazenamento da soja........
Colheita e armazenamento da soja........
Geagra UFG
 
Manejo de doenças da soja...............
Manejo de doenças da soja...............Manejo de doenças da soja...............
Manejo de doenças da soja...............
Geagra UFG
 
Mecanismo de ação de fungicidas.........
Mecanismo de ação de fungicidas.........Mecanismo de ação de fungicidas.........
Mecanismo de ação de fungicidas.........
Geagra UFG
 
Mecanismo de ação de inseticidas........
Mecanismo de ação de inseticidas........Mecanismo de ação de inseticidas........
Mecanismo de ação de inseticidas........
Geagra UFG
 
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptxSLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
Geagra UFG
 
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdfCópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Geagra UFG
 
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptxSLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
Geagra UFG
 
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptxMANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
Geagra UFG
 
Manejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de sojaManejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de soja
Geagra UFG
 
Tecnologia de aplicação
Tecnologia de aplicaçãoTecnologia de aplicação
Tecnologia de aplicação
Geagra UFG
 
Manejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de sojaManejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de soja
Geagra UFG
 
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptx
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptxinoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptx
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptx
Geagra UFG
 

Mais de Geagra UFG (20)

Apresentação de Manejo do solo - Slides.pptx
Apresentação de Manejo do solo - Slides.pptxApresentação de Manejo do solo - Slides.pptx
Apresentação de Manejo do solo - Slides.pptx
 
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline CastroMICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline Castro
 
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline CastroMICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline Castro
 
BIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARES
BIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARESBIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARES
BIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARES
 
MACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptx
MACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptxMACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptx
MACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptx
 
Biotecnologias e manejos de cultivares .
Biotecnologias e manejos de cultivares .Biotecnologias e manejos de cultivares .
Biotecnologias e manejos de cultivares .
 
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.
 
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptxINTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
 
Colheita e armazenamento da soja........
Colheita e armazenamento da soja........Colheita e armazenamento da soja........
Colheita e armazenamento da soja........
 
Manejo de doenças da soja...............
Manejo de doenças da soja...............Manejo de doenças da soja...............
Manejo de doenças da soja...............
 
Mecanismo de ação de fungicidas.........
Mecanismo de ação de fungicidas.........Mecanismo de ação de fungicidas.........
Mecanismo de ação de fungicidas.........
 
Mecanismo de ação de inseticidas........
Mecanismo de ação de inseticidas........Mecanismo de ação de inseticidas........
Mecanismo de ação de inseticidas........
 
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptxSLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
 
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdfCópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
 
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptxSLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
 
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptxMANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
 
Manejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de sojaManejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de soja
 
Tecnologia de aplicação
Tecnologia de aplicaçãoTecnologia de aplicação
Tecnologia de aplicação
 
Manejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de sojaManejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de soja
 
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptx
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptxinoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptx
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptx
 

Último

Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
soaresdesouzaamanda8
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
YeniferGarcia36
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 

Último (20)

Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 

Alternativas de controle cultural e biologico

  • 1. Unindo conhecimento em prol Alternativas de controle Cultural e Biológico Jiordane Medeiros da Costa
  • 2.  MIP:  Controle Cultural:  Rotação de culturas, janela de plantio, vazio sanitário e outras alternativas. Sumário 2  Controle Biológico:  Principais agentes biológicos juntamente com o seu mecanismo de ação e alvo a ser controlado;  Posicionamento.
  • 3. Manejo Integrado de Pragas 3 Esquematização: Costa, 2019
  • 5.  Aumento nos teores de Carbono e Matéria Orgânica do Solo;  Diminuição da incidência de doenças e pragas, por meio da quebra de ciclos;  A camada formada pelo maior acúmulo de restos culturais serve como barreira aos propágulos de agentes causais de doenças, e hospedeiros reduzindo as chances de inoculação das plantas pelos patógenos sobreviventes nos resíduos (FANTIN et al., 2014). Rotação de Culturas 5
  • 6. Exemplos:  Quebra no ciclo de doenças da soja como a podridão cinza, mofo-branco e antracnose quando a cultura do milho está incluída da rotação.  Diminuição da população de nematoides na utilização de Crotalária spectabbilis. Rotação de Culturas 6 Fonte: Revista Rural, 2016.
  • 7. Janela de plantio - Algodão 7 Fonte: Conab, 2019.
  • 8. Janela de plantio - Milho 8 Fonte: Conab, 2019.
  • 9. Janela de plantio - Soja 9 Fonte: Conab, 2019.
  • 10. Vazio sanitário - Algodão 10 Fonte: Agrodefesa, 2014.  Atua principalmente na quebra do ciclo de pragas e doenças.
  • 11. Vazio sanitário - Soja 11 Fonte: Embrapa, 2018.
  • 12.  Irrigação:  Controle da qualidade da água;  Irrigação por gotejamento reduz incidência de pragas e doenças.  Escolha de sementes/mudas sadias:  Erradicação dos restos culturais: Outras Alternativas 12 Fonte: Revista Rural, 2014.
  • 13.  Aração do solo (sistema convencional):  Exposição de estruturas do patógeno. Outras Alternativas 13  Incorporação da matéria orgânica ao solo (sistema convencional):  Aumento das populações de microrganismos do solo devido à incorporação de substrato, resultando em maior competição para o patógeno presente no solo.
  • 14.  Densidade de plantio:  Evitar microclima favorável e competição por água e nutrientes. Outras Alternativas 14  Quebra-vento:  Redução na disseminação do patógeno. Fonte: USP, 2016.
  • 16. Agentes Biológicos (microrganismos entomopatogênicos):  Nematoides;  Vírus;  Bactérias;  Fungos. Controle Biológico 16 Fonte: UNBciência, 2017.
  • 17.  Ativo biológico: Baculovírus spp. Alternativas de controle 17 Classe Ativos Nº de produtos Alvo Inseticida microbiológico Baculovírus anticarsia 5 Anticarsia gemmatalis Baculovírus Chrysodeixis includens 4 C. includens Baculovírus Helicoverpa armigera 4 H. armigera Baculovírus Spodoptera frugiperda 3 S. frugiperda Fonte: Biota Innovations, 2018.
  • 18.  Mecanismo de ação: Alternativas de controle 18 Fonte: Andermatt, 2016.
  • 19.  Ativo biológico: Bacillus spp. Alternativas de controle 19 Classe Ativos Nº de produtos Alvos Fungicida microbiológico B. amyloliquefaciens B. pumilus B. subtilis 9 Fungos e bactérias Nematicida microbiológico B. amyloliquefaciens B. licheniformis B. methylotrophicus 8 P. brachiurus M. Incognita M. javanica Inoculante B. subtilis B. methylotrophicus 3 - Fonte: Biota Innovations, 2018.
  • 20.  Mecanismo de ação: O antagonismo direto exercido contra fitopatógenos tem o envolvimento dos conhecidos mecanismos de antibiose, como a síntese de substâncias antimicrobianas, a competição por espaço e nutrientes e a síntese de compostos voláteis (LEELASUPHAKUL et al., 2008).  No caso de controle de nematoides: Podem sintetizar metabólitos secundários que interferem no ciclo reprodutivo do nematoide e/ou transformar exudados radiculares em subprodutos, interferindo o processo de reconhecimento nematoide-planta. Alternativas de controle 20
  • 21.  Ativo biológico: Bacillus thuringiensis – Bt Alternativas de controle 21 Classe Alvo Nº de produtos Inseticida microbiológico + de 15 espécies de lagartas 23 Fonte: Biota Innovations, 2018.  Mecanismo de ação:
  • 22.  Ativo biológico: Pasteuria nishizawae. Alternativas de controle 22 Classe Nº de produtos Alvo Nematicida microbiológico 2 Heterodera glycines  Mecanismo de ação: são parasitas obrigatórios, gram positivas, formadoras de endósporos, que parasitam as formas ativas do nematoide, reduzindo a penetração e/ou reprodução. Fonte: Biota Innovations, 2018.
  • 23.  Ativo biológico: Trichoderma spp. Alternativas de controle 23 Classe Nº de produtos Alvo Fungicida microbiológico 22 Sclerotinia sclerotiorum Rhizoctonia solani Fusarium Moniliophthora perniciosa Nematicida microbiológico 2 P. zeae P. brachiurus M. incognita H. glycines Fonte: Biota Innovations, 2018.
  • 24.  Mecanismo de ação: Alternativas de controle 24 Fonte: ABC bio, 2018.
  • 25.  Ativo biológico: Paecilomyces lilacinus. Alternativas de controle 25 Classe Nº de produtos Alvo Nematicida microbiológico 4 M. incognita M. javanica P. brachiurus  Mecanismo de ação: O fungo se achata sobre o ovo do nematoide e, através de uma estrutura de fixação, prende- se a ele, hifas se desenvolvem na superfície do ovo. Ocorre o desenvolvimento de uma hifa que penetra a casca, destruindo o embrião, do qual o fungo se alimento e se desenvolve, crescendo para fora da casca, produzindo conidióforos e infectando outros ovos. Fonte: Biota Innovations, 2018.
  • 26.  Ativo biológico: Beauveria bassiana. Alternativas de controle 26 Classe Nº de produtos Alvo Inseticida microbiológicos 21 Bemisia tabaci Tetranychus urticae Cosmopolites sordidus Dalbulus maydis 1 Diabrotica speciosa 1 Gonipterus scutellatus Hypothenemus hampei Fonte: Biota Innovations, 2018.  Mecanismo de ação: Os esporos ligam-se à cutícula do inseto, os conídios germinam na superfície, após germinação as hifas penetram o tegumento e coloniza internamente o hospedeiro.
  • 27.  Ativo biológico: Metarhizium anisopliae. Alternativas de controle 27 Classe Nº de produtos Alvo Inseticida microbiológico 35 Cigarrinhas das pastagens e cana 1 Euschistus heros  Mecanismo de ação: os conídios entram em contato com a praga, germinando em poucas horas e penetrando posteriormente por diversos pontos do corpo do inseto (tegumento). A liberação de toxinas no interior do inseto reduz sua mobilidade. A partir do quarto dia após a aplicação, os primeiros insetos mortos são observados Fonte: Biota Innovations, 2018.
  • 28.  Ativo biológico: Isaria fumosorosea. Alternativas de controle 28 Classe Nº de produtos Alvo Inseticida microbiológico 2 Diaphorina citri Helicoverpa armigera Fonte: Biota Innovations, 2018.  Mecanismo de ação: Fonte: Fundecitros, 2018.
  • 30. Posicionamento sugerido por Agrônomo:  No tratamento de semente 100 ml/ha para o controle de fusarium, nematoide e mofo branco.  Pulverizado em V2/V3 em feijão e soja, visando mofo branco e Macrophomina phaseolina (100 ml/há). Posicionamento 30
  • 31. Posicionamento sugerido por empresa do setor para milho:  Controle biológico através do uso de Trichogramma sp. com foco em lepidópteros.  4 aplicações a partir de 15 a 20 dias desde a emergência da cultura, com um intervalo de uma semana entre elas. Aplicação de 100.000 vespas por ha. Posicionamento 31 Fonte: Agro em dia, 2019.
  • 32. Posicionamento sugerido por empresa do setor para algodão:  No início da infestação, ao primeiro aparecimento de Spodoptera frugiperda (no máximo 3% incidência), aplicar Cartugen sozinho.  Quando a incidência estiver acima de 3% e/ou as lagartas acima de 3º ínstar, aplicar Cartugen associado com inseticida químico. Posicionamento 32
  • 33. Unindo conhecimento em prol Jiordane Medeiros da Costa jiordane@hotmail.com.br Obrigado!