SlideShare uma empresa Scribd logo
CONTROLO DE PRAGAS



                                                 Nuno Correia
Exploração das Potencialidades da
Biosfera
Espécie indesejável
para o ser humano
pelos danos que causa
em bens materiais,
como culturas
agrícolas – que se
traduz em competição
alimentar – ou, na
saúde humana,




                         Nuno Correia
designa-se p r a g a .
Pesticidas ou
agentes
biocidas, são
produtos
químicos, nos
quais se
incluem os
insecticidas,




                 Nuno Correia
herbicidas, os
rodenticidas e
os fungicidas.
Os diversos
pesticidas
diferem quando
ao espectro
de acção e à
persistência.




                 Nuno Correia
Largo espectro
são tóxicos para
um elevado
número de
espécies.




                   Nuno Correia
Persistentes,
quando se
mantêm activos
durante longos
períodos de
tempo (superior
a um ano).




                  Nuno Correia
A utilização de
pesticidas permite
aumentar a
produtividade
agrícola e
combater doenças
como a malária e
o paludismo.




                     Nuno Correia
Pode levar ao
desenvolvimento de
espécies resistentes
por um mecanismo de
selecção natural dirigida.




                             Nuno Correia
Afecta outros como
predadores naturais das
pragas, introduzindo
desequilibrios nos
ecossistemas.




                          Nuno Correia
Pode originar bioacumulação
e bioampliação.




                              Nuno Correia
Métodos alternativos de controlo de
                     pragas




Práticas de cultura alternativas




                                             Nuno Correia
Controlo biológico
Esterilização de insectos
Uso de ferormonas
Hormonas juvenis e de muda
Biopesticidas
Engenharia genética
Luta Integrada
Certas práticas agrícolas
permitem reduzir os danos
causados pelas pragas. Entre
essas práticas encontram-se as
seguintes:
- rotação de culturas;
- plantação de sebes em redor
das culturas, o que cria
habitais para os inimigos
naturais das pragas;
- cultivo de espécies em locais
onde não existam as pragas
que as atacam;
- ajuste dos ciclos de cultura de
forma a fazer coincidir a altura
de maior produção com a fase




                                    Nuno Correia
do ciclo de vida em que a
praga é menos activa.
- culturas marginais, que
desviam as pragas.
Regulação das populações de pragas
pelos seus inimigos naturais, como
predadores, parasitas e agentes
patogénicos.
É um método de regulação selectivo
e não tóxico. Apresenta, contudo, as
seguintes desvantagens:
- a tarefa de seleccionar o melhor
inimigo natural e produzi-lo em
grande quantidade é complexa e
demorada;
- a acção dos inimigos naturais sobre
as pragas é mais lenta do que a dos
pesticidas químicos;
- na falta de um controlo rigoroso, as




                                         Nuno Correia
populações dos inimigos naturais
podem aumentar e transformar-se
numa nova praga.
Machos de insectos criados em
laboratório e tornados estéreis são
libertados numa zona infestada.

O seu acasalamento com as fêmeas
não produz descendência e a
população da praga diminui. Este
método tem as seguintes
desvantagens:

•funciona apenas com algumas
espécies;
•é dispendioso;




                                        Nuno Correia
•tem de ser aplicado continuamente, o
que implica a necessidade de grandes
quantidades de machos.
As feromonas são substâncias produzidas
pelos animais e que lhes permitem
estabelecer comunicação. Nos insectos,são
libertadas na altura do acasalamento para
atrair o parceiro.
As feromonas podem ser colocadas em
armadilhas, atraindo os insectos e
desviando-os das culturas. Podem,
também, ser utilizadas para atrair os
predadores ou parasitas naturais.
Tem uma acção muito específica, mas a
identificação, o isolamento e a produção de
uma feromona é um processo demorado e
dispendioso.




                                              Nuno Correia
As hormonas juvenis e de
muda controlam o
desenvolvimento e a
reprodução dos insectos em
diferentes momentos do seu
ciclo de vida. A aplicação de
hormonas sintéticas ou
outras substâncias que
interfiram com as hormonas
naturais pode impedir que
se complete o ciclo de vida
do insecto.




                                Nuno Correia
Alguns microrganismos
produzem toxinas, específicas
e biodegradáveis, que podem
ser utilizadas como pesticidas
biológicos.
As subespécies da bactéria do
solo Bacillus thuríngiensis
produzem uma variedade de
toxinas, designadas toxinas Bt,
que são aplicadas às culturas,
protegendo-as das pragas de




                                  Nuno Correia
insectos, sem afectar os
organismos de outros grupos.
A tecnologia do DNA recombinante pode
ser usada para a introdução nas plantas
de genes que codificam a produção de
toxinas ou outras substâncias com acção
pesticida. As toxinas Bt, quitinases e
lisozima são algumas dessas substâncias.
A transformação genética permite
aumentar a especificidade, eficiência e
estabilidade dos biopesticidas e já foi
testada em várias espécies de plantas,
como o tomateiro,o milho e o algodão.
A criação de plantas transgénicas torna
possível:
•aumentar a produtividade das culturas;
•reduzir o impacto ambiental da aplicação
de pesticidas sintéticos.




                                            Nuno Correia
No entanto, a transferência dos genes
estranhos para espécies selvagens pode
introduzir desequilíbrios nos
ecossistemas.
A luta integrada não tem como objectivo a erradicação das pragas, mas a
sua redução e manutenção em níveis economicamente aceitáveis.
Os programas de controlo integrado de pragas baseiam-se no
conhecimento e na avaliação do sistema ecológico formado pela
cultura, pragas que a atacam, inimigos naturais, condições ambientais e
outras, e associam diferentes métodos com o objectivo de aliar a
produtividade das culturas à redução dos riscos ambientais.
A aplicação destes programas é complexa e demorada.




                                                                          Nuno Correia
•Não há consenso sobre a problemática dos OGM, existindo duas visões
completamente antagónicas. Por um lado, defende-se a sua utilização, mas,
por outro, apontam-se exemplos que põem em causa a sua viabilidade para
consumo e utilização.
•Os OGM podem ser encarados como uma solução do problema da fome no
mundo.
•O aumento da produtividade pode ser conseguido através do controlo de
pragas.
•O controlo de pragas pode ser feito com recurso a métodos químicos.
•Os biocídas utilizados no controlo de pragas podem ter repercussões
negativas no ambiente e no próprio Homem.
•As pragas podem ser controladas por métodos naturais, em que se incluem
o dadores, as feromonas e a esterilização.
•As feromonas, substâncias químicas odoríferas, são usadas para atrair os
inimigos (pragas) até às armadilhas. Apresentam vantagens, principalmente,
por serem inócuas ao Homem e aos animais domésticos e respeitarem o




                                                                             Nuno Correia
equilíbrio ecológico.
•Apenas o conhecimento das características próprias de cada espécie,
nomeadamente, do seu ciclo de vida, permite uma actuação mais eficaz no
ataque às pragas.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apresenta..
Apresenta..Apresenta..
Apresenta..
catarinagalaio
 
Controle Biológico
Controle BiológicoControle Biológico
Controle Biológico
João Felix
 
Controlo de pragas
Controlo de pragasControlo de pragas
Controlo de pragas
rita51096
 
Controlo de Pragas
Controlo de PragasControlo de Pragas
Controlo de Pragas
Luís Rita
 
Controle biológico
Controle biológicoControle biológico
Controle biológico
unesp
 
Controlo de pragas 12ect-mariana graca e catia cardoso
Controlo de pragas 12ect-mariana graca e catia cardosoControlo de pragas 12ect-mariana graca e catia cardoso
Controlo de pragas 12ect-mariana graca e catia cardoso
becresforte
 
1235043384 produto fitormaceutico
1235043384 produto fitormaceutico1235043384 produto fitormaceutico
1235043384 produto fitormaceutico
Pelo Siro
 
Problemática do uso de biocidas e de métodos alternativos no controlo de pragas
Problemática do uso de biocidas e de métodos alternativos no controlo de pragasProblemática do uso de biocidas e de métodos alternativos no controlo de pragas
Problemática do uso de biocidas e de métodos alternativos no controlo de pragas
Maria Paredes
 
Controlo de pragas
Controlo de pragasControlo de pragas
Controlo de pragas
rita51096
 
Controlo de pragas bio 12
Controlo de pragas bio 12Controlo de pragas bio 12
Controlo de pragas bio 12
Joannedream
 
Como usar o controle biologico na agricultura orgânica
Como usar o controle biologico na agricultura orgânicaComo usar o controle biologico na agricultura orgânica
Como usar o controle biologico na agricultura orgânica
Vida Agroecologia - Agricultura do Futuro
 
Controle biológico no Brasil
Controle biológico no BrasilControle biológico no Brasil
Controle biológico no Brasil
NetNexusBrasil
 
Controle biológico de pragas e doenças, organismos de controle e especificações
Controle biológico de pragas e doenças, organismos de controle e especificaçõesControle biológico de pragas e doenças, organismos de controle e especificações
Controle biológico de pragas e doenças, organismos de controle e especificações
Leonardo Minaré Braúna
 
Entomologia Agrícola - Heteroptera
Entomologia Agrícola - HeteropteraEntomologia Agrícola - Heteroptera
Entomologia Agrícola - Heteroptera
Faculdade Guaraí - FAG
 
Controle biológico de_pragas
Controle biológico de_pragasControle biológico de_pragas
Controle biológico de_pragas
João Siqueira da Mata
 
Biotecnologia e aliementos transgênicos
Biotecnologia e aliementos transgênicosBiotecnologia e aliementos transgênicos
Biotecnologia e aliementos transgênicos
Josenilson S'ilva
 
Fungos Entomopatogênicos
Fungos EntomopatogênicosFungos Entomopatogênicos
Fungos Entomopatogênicos
Agricultura Sao Paulo
 
Controle biológico
Controle biológicoControle biológico
Controle biológico
Agropec Consultoria
 
Ems baculovirus bt_fernando_valicente
Ems baculovirus bt_fernando_valicenteEms baculovirus bt_fernando_valicente
Ems baculovirus bt_fernando_valicente
Embrapa Milho e Sorgo
 
Controle de pragas para hospitais
Controle de pragas para hospitaisControle de pragas para hospitais
Controle de pragas para hospitais
BIOMAX Controle de Pragas
 

Mais procurados (20)

Apresenta..
Apresenta..Apresenta..
Apresenta..
 
Controle Biológico
Controle BiológicoControle Biológico
Controle Biológico
 
Controlo de pragas
Controlo de pragasControlo de pragas
Controlo de pragas
 
Controlo de Pragas
Controlo de PragasControlo de Pragas
Controlo de Pragas
 
Controle biológico
Controle biológicoControle biológico
Controle biológico
 
Controlo de pragas 12ect-mariana graca e catia cardoso
Controlo de pragas 12ect-mariana graca e catia cardosoControlo de pragas 12ect-mariana graca e catia cardoso
Controlo de pragas 12ect-mariana graca e catia cardoso
 
1235043384 produto fitormaceutico
1235043384 produto fitormaceutico1235043384 produto fitormaceutico
1235043384 produto fitormaceutico
 
Problemática do uso de biocidas e de métodos alternativos no controlo de pragas
Problemática do uso de biocidas e de métodos alternativos no controlo de pragasProblemática do uso de biocidas e de métodos alternativos no controlo de pragas
Problemática do uso de biocidas e de métodos alternativos no controlo de pragas
 
Controlo de pragas
Controlo de pragasControlo de pragas
Controlo de pragas
 
Controlo de pragas bio 12
Controlo de pragas bio 12Controlo de pragas bio 12
Controlo de pragas bio 12
 
Como usar o controle biologico na agricultura orgânica
Como usar o controle biologico na agricultura orgânicaComo usar o controle biologico na agricultura orgânica
Como usar o controle biologico na agricultura orgânica
 
Controle biológico no Brasil
Controle biológico no BrasilControle biológico no Brasil
Controle biológico no Brasil
 
Controle biológico de pragas e doenças, organismos de controle e especificações
Controle biológico de pragas e doenças, organismos de controle e especificaçõesControle biológico de pragas e doenças, organismos de controle e especificações
Controle biológico de pragas e doenças, organismos de controle e especificações
 
Entomologia Agrícola - Heteroptera
Entomologia Agrícola - HeteropteraEntomologia Agrícola - Heteroptera
Entomologia Agrícola - Heteroptera
 
Controle biológico de_pragas
Controle biológico de_pragasControle biológico de_pragas
Controle biológico de_pragas
 
Biotecnologia e aliementos transgênicos
Biotecnologia e aliementos transgênicosBiotecnologia e aliementos transgênicos
Biotecnologia e aliementos transgênicos
 
Fungos Entomopatogênicos
Fungos EntomopatogênicosFungos Entomopatogênicos
Fungos Entomopatogênicos
 
Controle biológico
Controle biológicoControle biológico
Controle biológico
 
Ems baculovirus bt_fernando_valicente
Ems baculovirus bt_fernando_valicenteEms baculovirus bt_fernando_valicente
Ems baculovirus bt_fernando_valicente
 
Controle de pragas para hospitais
Controle de pragas para hospitaisControle de pragas para hospitais
Controle de pragas para hospitais
 

Destaque

1ª aula sustentabilidade na produção de alimentos 2015
1ª aula  sustentabilidade na produção de alimentos 20151ª aula  sustentabilidade na produção de alimentos 2015
1ª aula sustentabilidade na produção de alimentos 2015
Lcfsouza
 
ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera (2)
ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera (2)ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera (2)
ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera (2)
Nuno Correia
 
Bioacumulacao2
Bioacumulacao2Bioacumulacao2
Bioacumulacao2
SerranoNeves
 
06 bioaccumulation
06 bioaccumulation06 bioaccumulation
06 bioaccumulation
mrtangextrahelp
 
Enzimas
Enzimas Enzimas
Enzimas
Isabel Lopes
 
Exploração das potencialidades da biosfera
Exploração das potencialidades da biosferaExploração das potencialidades da biosfera
Exploração das potencialidades da biosfera
Isabel Lopes
 
Regulação do funcionamento dos sistemas reprodutores
Regulação do funcionamento dos sistemas reprodutoresRegulação do funcionamento dos sistemas reprodutores
Regulação do funcionamento dos sistemas reprodutores
Isabel Lopes
 
Métodos contraceptivos
Métodos contraceptivosMétodos contraceptivos
Métodos contraceptivos
Isabel Lopes
 
Causas de infertilidade
Causas de infertilidade  Causas de infertilidade
Causas de infertilidade
Isabel Lopes
 
Poluição e degradação de recursos
Poluição e degradação de recursosPoluição e degradação de recursos
Poluição e degradação de recursos
Isabel Lopes
 
Parto e lactação regulação hormonal
Parto e lactação   regulação hormonalParto e lactação   regulação hormonal
Parto e lactação regulação hormonal
Isabel Lopes
 
Cultivo de plantas e criação de animais
Cultivo de plantas e criação de animaisCultivo de plantas e criação de animais
Cultivo de plantas e criação de animais
Isabel Lopes
 
Gravidez e desenvolvimento embrionário
Gravidez e desenvolvimento embrionárioGravidez e desenvolvimento embrionário
Gravidez e desenvolvimento embrionário
Isabel Lopes
 
www.aulasdebiologiaapoio.com - Teia Alimentar e Cadeia Alimentar
www.aulasdebiologiaapoio.com - Teia Alimentar e Cadeia Alimentarwww.aulasdebiologiaapoio.com - Teia Alimentar e Cadeia Alimentar
www.aulasdebiologiaapoio.com - Teia Alimentar e Cadeia Alimentar
Videoaulas De Biologia Apoio
 
Microrganismos e Fermentação
Microrganismos e FermentaçãoMicrorganismos e Fermentação
Microrganismos e Fermentação
Isabel Lopes
 
Tema 11 sinergismo de farmacología
Tema 11 sinergismo de farmacologíaTema 11 sinergismo de farmacología
Tema 11 sinergismo de farmacología
Anika Villaverde
 
Enzimas
EnzimasEnzimas
Enzimas
Catir
 

Destaque (17)

1ª aula sustentabilidade na produção de alimentos 2015
1ª aula  sustentabilidade na produção de alimentos 20151ª aula  sustentabilidade na produção de alimentos 2015
1ª aula sustentabilidade na produção de alimentos 2015
 
ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera (2)
ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera (2)ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera (2)
ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera (2)
 
Bioacumulacao2
Bioacumulacao2Bioacumulacao2
Bioacumulacao2
 
06 bioaccumulation
06 bioaccumulation06 bioaccumulation
06 bioaccumulation
 
Enzimas
Enzimas Enzimas
Enzimas
 
Exploração das potencialidades da biosfera
Exploração das potencialidades da biosferaExploração das potencialidades da biosfera
Exploração das potencialidades da biosfera
 
Regulação do funcionamento dos sistemas reprodutores
Regulação do funcionamento dos sistemas reprodutoresRegulação do funcionamento dos sistemas reprodutores
Regulação do funcionamento dos sistemas reprodutores
 
Métodos contraceptivos
Métodos contraceptivosMétodos contraceptivos
Métodos contraceptivos
 
Causas de infertilidade
Causas de infertilidade  Causas de infertilidade
Causas de infertilidade
 
Poluição e degradação de recursos
Poluição e degradação de recursosPoluição e degradação de recursos
Poluição e degradação de recursos
 
Parto e lactação regulação hormonal
Parto e lactação   regulação hormonalParto e lactação   regulação hormonal
Parto e lactação regulação hormonal
 
Cultivo de plantas e criação de animais
Cultivo de plantas e criação de animaisCultivo de plantas e criação de animais
Cultivo de plantas e criação de animais
 
Gravidez e desenvolvimento embrionário
Gravidez e desenvolvimento embrionárioGravidez e desenvolvimento embrionário
Gravidez e desenvolvimento embrionário
 
www.aulasdebiologiaapoio.com - Teia Alimentar e Cadeia Alimentar
www.aulasdebiologiaapoio.com - Teia Alimentar e Cadeia Alimentarwww.aulasdebiologiaapoio.com - Teia Alimentar e Cadeia Alimentar
www.aulasdebiologiaapoio.com - Teia Alimentar e Cadeia Alimentar
 
Microrganismos e Fermentação
Microrganismos e FermentaçãoMicrorganismos e Fermentação
Microrganismos e Fermentação
 
Tema 11 sinergismo de farmacología
Tema 11 sinergismo de farmacologíaTema 11 sinergismo de farmacología
Tema 11 sinergismo de farmacología
 
Enzimas
EnzimasEnzimas
Enzimas
 

Semelhante a ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera Controlo De Pragas

ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera Controlo De Pragas
ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera   Controlo De PragasExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera   Controlo De Pragas
ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera Controlo De Pragas
Nuno Correia
 
Controlo de pragas
Controlo de pragasControlo de pragas
Controlo de pragas
Dani Malheiro
 
Ino impacto das pragas exoticas no ambiente
Ino impacto das pragas exoticas no ambienteIno impacto das pragas exoticas no ambiente
Ino impacto das pragas exoticas no ambiente
edsondecristo3
 
Trabalho escrito problemática do uso de biocidas e de métodos alternativos no...
Trabalho escrito problemática do uso de biocidas e de métodos alternativos no...Trabalho escrito problemática do uso de biocidas e de métodos alternativos no...
Trabalho escrito problemática do uso de biocidas e de métodos alternativos no...
Maria Paredes
 
Manejo ecológico de pragas
Manejo ecológico de pragasManejo ecológico de pragas
Manejo ecológico de pragas
Cácia Viana
 
Controle biológico pela ação de microrganismos
Controle biológico pela ação de microrganismosControle biológico pela ação de microrganismos
Controle biológico pela ação de microrganismos
Faculdade Guaraí - FAG
 
Manejo de pragas em hortaliças durante a transição agroecológica
Manejo de pragas em hortaliças durante a transição agroecológicaManejo de pragas em hortaliças durante a transição agroecológica
Manejo de pragas em hortaliças durante a transição agroecológica
João Siqueira da Mata
 
Trabalho escrito problemática-do-uso-de-biocidas-e-de-métodos-alternativos-n...
Trabalho escrito  problemática-do-uso-de-biocidas-e-de-métodos-alternativos-n...Trabalho escrito  problemática-do-uso-de-biocidas-e-de-métodos-alternativos-n...
Trabalho escrito problemática-do-uso-de-biocidas-e-de-métodos-alternativos-n...
Maria Paredes
 
Apresentação robótica 2014
Apresentação robótica 2014Apresentação robótica 2014
Apresentação robótica 2014
Ligia palacio
 
Controlo de pragas
Controlo de pragasControlo de pragas
Controlo de pragas
rita51096
 
Seminario micro solo_controle_pragas
Seminario micro solo_controle_pragasSeminario micro solo_controle_pragas
Seminario micro solo_controle_pragas
MICROBIOLOGIA-CSL-UFSJ
 
Agrotóxicos
AgrotóxicosAgrotóxicos
Agrotóxicos
Gabriela Suman
 
DEFENCIVOS AGRICOLAS
DEFENCIVOS AGRICOLASDEFENCIVOS AGRICOLAS
DEFENCIVOS AGRICOLAS
Victor Lopes
 
I.2 Meios de Proteção das culturas.pdf
I.2 Meios de Proteção das culturas.pdfI.2 Meios de Proteção das culturas.pdf
I.2 Meios de Proteção das culturas.pdf
Judite Silva
 
Como funcionam os pesticidas
Como funcionam os pesticidasComo funcionam os pesticidas
Como funcionam os pesticidas
Carlos Alves
 
Comocontrolar.pdf
Comocontrolar.pdfComocontrolar.pdf
Comocontrolar.pdf
denizereis3
 
Defensivos Agrícolas Louvre
Defensivos Agrícolas LouvreDefensivos Agrícolas Louvre
Defensivos Agrícolas Louvre
horcelfelipe
 
Apostila entomologia
Apostila entomologiaApostila entomologia
Apostila entomologia
Jean Marcel
 
I.2 Meios de Proteção das culturass.pptx
I.2 Meios de Proteção das culturass.pptxI.2 Meios de Proteção das culturass.pptx
I.2 Meios de Proteção das culturass.pptx
Judite Silva
 
A Química dos Agrotóxicos
A Química dos AgrotóxicosA Química dos Agrotóxicos
A Química dos Agrotóxicos
Adriano S Rodrigues
 

Semelhante a ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera Controlo De Pragas (20)

ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera Controlo De Pragas
ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera   Controlo De PragasExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera   Controlo De Pragas
ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera Controlo De Pragas
 
Controlo de pragas
Controlo de pragasControlo de pragas
Controlo de pragas
 
Ino impacto das pragas exoticas no ambiente
Ino impacto das pragas exoticas no ambienteIno impacto das pragas exoticas no ambiente
Ino impacto das pragas exoticas no ambiente
 
Trabalho escrito problemática do uso de biocidas e de métodos alternativos no...
Trabalho escrito problemática do uso de biocidas e de métodos alternativos no...Trabalho escrito problemática do uso de biocidas e de métodos alternativos no...
Trabalho escrito problemática do uso de biocidas e de métodos alternativos no...
 
Manejo ecológico de pragas
Manejo ecológico de pragasManejo ecológico de pragas
Manejo ecológico de pragas
 
Controle biológico pela ação de microrganismos
Controle biológico pela ação de microrganismosControle biológico pela ação de microrganismos
Controle biológico pela ação de microrganismos
 
Manejo de pragas em hortaliças durante a transição agroecológica
Manejo de pragas em hortaliças durante a transição agroecológicaManejo de pragas em hortaliças durante a transição agroecológica
Manejo de pragas em hortaliças durante a transição agroecológica
 
Trabalho escrito problemática-do-uso-de-biocidas-e-de-métodos-alternativos-n...
Trabalho escrito  problemática-do-uso-de-biocidas-e-de-métodos-alternativos-n...Trabalho escrito  problemática-do-uso-de-biocidas-e-de-métodos-alternativos-n...
Trabalho escrito problemática-do-uso-de-biocidas-e-de-métodos-alternativos-n...
 
Apresentação robótica 2014
Apresentação robótica 2014Apresentação robótica 2014
Apresentação robótica 2014
 
Controlo de pragas
Controlo de pragasControlo de pragas
Controlo de pragas
 
Seminario micro solo_controle_pragas
Seminario micro solo_controle_pragasSeminario micro solo_controle_pragas
Seminario micro solo_controle_pragas
 
Agrotóxicos
AgrotóxicosAgrotóxicos
Agrotóxicos
 
DEFENCIVOS AGRICOLAS
DEFENCIVOS AGRICOLASDEFENCIVOS AGRICOLAS
DEFENCIVOS AGRICOLAS
 
I.2 Meios de Proteção das culturas.pdf
I.2 Meios de Proteção das culturas.pdfI.2 Meios de Proteção das culturas.pdf
I.2 Meios de Proteção das culturas.pdf
 
Como funcionam os pesticidas
Como funcionam os pesticidasComo funcionam os pesticidas
Como funcionam os pesticidas
 
Comocontrolar.pdf
Comocontrolar.pdfComocontrolar.pdf
Comocontrolar.pdf
 
Defensivos Agrícolas Louvre
Defensivos Agrícolas LouvreDefensivos Agrícolas Louvre
Defensivos Agrícolas Louvre
 
Apostila entomologia
Apostila entomologiaApostila entomologia
Apostila entomologia
 
I.2 Meios de Proteção das culturass.pptx
I.2 Meios de Proteção das culturass.pptxI.2 Meios de Proteção das culturass.pptx
I.2 Meios de Proteção das culturass.pptx
 
A Química dos Agrotóxicos
A Química dos AgrotóxicosA Química dos Agrotóxicos
A Química dos Agrotóxicos
 

Mais de Nuno Correia

Sismologia parte 1
Sismologia   parte 1Sismologia   parte 1
Sismologia parte 1
Nuno Correia
 
Geologia - Variações Climáticas
Geologia   - Variações ClimáticasGeologia   - Variações Climáticas
Geologia - Variações Climáticas
Nuno Correia
 
Biologia 12 imunidade celular
Biologia 12   imunidade celularBiologia 12   imunidade celular
Biologia 12 imunidade celular
Nuno Correia
 
Biologia 12 imunidade humoral
Biologia 12   imunidade humoralBiologia 12   imunidade humoral
Biologia 12 imunidade humoral
Nuno Correia
 
Geologia 12 estratotipo
Geologia 12   estratotipoGeologia 12   estratotipo
Geologia 12 estratotipo
Nuno Correia
 
Geologia 12 biozonas
Geologia 12   biozonasGeologia 12   biozonas
Geologia 12 biozonas
Nuno Correia
 
Geologia 12 movimentos horizontais
Geologia 12   movimentos horizontaisGeologia 12   movimentos horizontais
Geologia 12 movimentos horizontais
Nuno Correia
 
Geologia 12 isostasia
Geologia 12   isostasiaGeologia 12   isostasia
Geologia 12 isostasia
Nuno Correia
 
Geologia 12 paleomagnetismo
Geologia 12   paleomagnetismoGeologia 12   paleomagnetismo
Geologia 12 paleomagnetismo
Nuno Correia
 
Geologia 12 deriva dos continentes
Geologia 12   deriva dos continentesGeologia 12   deriva dos continentes
Geologia 12 deriva dos continentes
Nuno Correia
 
Biologia 12 biologia e os desafios da atualidade
Biologia 12   biologia e os desafios da atualidadeBiologia 12   biologia e os desafios da atualidade
Biologia 12 biologia e os desafios da atualidade
Nuno Correia
 
Geologia 12 paleoclimas
Geologia 12   paleoclimasGeologia 12   paleoclimas
Geologia 12 paleoclimas
Nuno Correia
 
Geologia 12 arcos insulares
Geologia 12   arcos insularesGeologia 12   arcos insulares
Geologia 12 arcos insulares
Nuno Correia
 
Deriva dos continentes
Deriva dos continentesDeriva dos continentes
Deriva dos continentes
Nuno Correia
 
Zonas costeiras
Zonas costeirasZonas costeiras
Zonas costeiras
Nuno Correia
 
Genética
GenéticaGenética
Genética
Nuno Correia
 
Genética (monobridismo)
Genética (monobridismo)Genética (monobridismo)
Genética (monobridismo)
Nuno Correia
 
Genética (monobridismo exercícios)
Genética (monobridismo   exercícios)Genética (monobridismo   exercícios)
Genética (monobridismo exercícios)
Nuno Correia
 
Genética (dominância incompleta)
Genética (dominância incompleta)Genética (dominância incompleta)
Genética (dominância incompleta)
Nuno Correia
 
Genética (diibridismo)
Genética (diibridismo)Genética (diibridismo)
Genética (diibridismo)
Nuno Correia
 

Mais de Nuno Correia (20)

Sismologia parte 1
Sismologia   parte 1Sismologia   parte 1
Sismologia parte 1
 
Geologia - Variações Climáticas
Geologia   - Variações ClimáticasGeologia   - Variações Climáticas
Geologia - Variações Climáticas
 
Biologia 12 imunidade celular
Biologia 12   imunidade celularBiologia 12   imunidade celular
Biologia 12 imunidade celular
 
Biologia 12 imunidade humoral
Biologia 12   imunidade humoralBiologia 12   imunidade humoral
Biologia 12 imunidade humoral
 
Geologia 12 estratotipo
Geologia 12   estratotipoGeologia 12   estratotipo
Geologia 12 estratotipo
 
Geologia 12 biozonas
Geologia 12   biozonasGeologia 12   biozonas
Geologia 12 biozonas
 
Geologia 12 movimentos horizontais
Geologia 12   movimentos horizontaisGeologia 12   movimentos horizontais
Geologia 12 movimentos horizontais
 
Geologia 12 isostasia
Geologia 12   isostasiaGeologia 12   isostasia
Geologia 12 isostasia
 
Geologia 12 paleomagnetismo
Geologia 12   paleomagnetismoGeologia 12   paleomagnetismo
Geologia 12 paleomagnetismo
 
Geologia 12 deriva dos continentes
Geologia 12   deriva dos continentesGeologia 12   deriva dos continentes
Geologia 12 deriva dos continentes
 
Biologia 12 biologia e os desafios da atualidade
Biologia 12   biologia e os desafios da atualidadeBiologia 12   biologia e os desafios da atualidade
Biologia 12 biologia e os desafios da atualidade
 
Geologia 12 paleoclimas
Geologia 12   paleoclimasGeologia 12   paleoclimas
Geologia 12 paleoclimas
 
Geologia 12 arcos insulares
Geologia 12   arcos insularesGeologia 12   arcos insulares
Geologia 12 arcos insulares
 
Deriva dos continentes
Deriva dos continentesDeriva dos continentes
Deriva dos continentes
 
Zonas costeiras
Zonas costeirasZonas costeiras
Zonas costeiras
 
Genética
GenéticaGenética
Genética
 
Genética (monobridismo)
Genética (monobridismo)Genética (monobridismo)
Genética (monobridismo)
 
Genética (monobridismo exercícios)
Genética (monobridismo   exercícios)Genética (monobridismo   exercícios)
Genética (monobridismo exercícios)
 
Genética (dominância incompleta)
Genética (dominância incompleta)Genética (dominância incompleta)
Genética (dominância incompleta)
 
Genética (diibridismo)
Genética (diibridismo)Genética (diibridismo)
Genética (diibridismo)
 

Último

ATIVIDADE 1 - ADSIS - ESTRUTURA DE DADOS II - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - ADSIS - ESTRUTURA DE DADOS II - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - ADSIS - ESTRUTURA DE DADOS II - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - ADSIS - ESTRUTURA DE DADOS II - 52_2024.docx
2m Assessoria
 
DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdfDESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
Momento da Informática
 
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdfTOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
Momento da Informática
 
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas PráticasSegurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Danilo Pinotti
 
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdfEscola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Gabriel de Mattos Faustino
 
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdfManual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
WELITONNOGUEIRA3
 
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptxLogica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Momento da Informática
 
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdfCertificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
joaovmp3
 
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptxHistória da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
TomasSousa7
 
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
Faga1939
 

Último (10)

ATIVIDADE 1 - ADSIS - ESTRUTURA DE DADOS II - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - ADSIS - ESTRUTURA DE DADOS II - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - ADSIS - ESTRUTURA DE DADOS II - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - ADSIS - ESTRUTURA DE DADOS II - 52_2024.docx
 
DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdfDESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
 
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdfTOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
 
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas PráticasSegurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
 
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdfEscola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
 
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdfManual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
 
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptxLogica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
 
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdfCertificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
 
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptxHistória da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
 
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
 

ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera Controlo De Pragas

  • 1. CONTROLO DE PRAGAS Nuno Correia Exploração das Potencialidades da Biosfera
  • 2. Espécie indesejável para o ser humano pelos danos que causa em bens materiais, como culturas agrícolas – que se traduz em competição alimentar – ou, na saúde humana, Nuno Correia designa-se p r a g a .
  • 3. Pesticidas ou agentes biocidas, são produtos químicos, nos quais se incluem os insecticidas, Nuno Correia herbicidas, os rodenticidas e os fungicidas.
  • 4. Os diversos pesticidas diferem quando ao espectro de acção e à persistência. Nuno Correia
  • 5. Largo espectro são tóxicos para um elevado número de espécies. Nuno Correia
  • 6. Persistentes, quando se mantêm activos durante longos períodos de tempo (superior a um ano). Nuno Correia
  • 7. A utilização de pesticidas permite aumentar a produtividade agrícola e combater doenças como a malária e o paludismo. Nuno Correia
  • 8. Pode levar ao desenvolvimento de espécies resistentes por um mecanismo de selecção natural dirigida. Nuno Correia
  • 9. Afecta outros como predadores naturais das pragas, introduzindo desequilibrios nos ecossistemas. Nuno Correia
  • 10. Pode originar bioacumulação e bioampliação. Nuno Correia
  • 11. Métodos alternativos de controlo de pragas Práticas de cultura alternativas Nuno Correia Controlo biológico Esterilização de insectos Uso de ferormonas Hormonas juvenis e de muda Biopesticidas Engenharia genética Luta Integrada
  • 12. Certas práticas agrícolas permitem reduzir os danos causados pelas pragas. Entre essas práticas encontram-se as seguintes: - rotação de culturas; - plantação de sebes em redor das culturas, o que cria habitais para os inimigos naturais das pragas; - cultivo de espécies em locais onde não existam as pragas que as atacam; - ajuste dos ciclos de cultura de forma a fazer coincidir a altura de maior produção com a fase Nuno Correia do ciclo de vida em que a praga é menos activa. - culturas marginais, que desviam as pragas.
  • 13. Regulação das populações de pragas pelos seus inimigos naturais, como predadores, parasitas e agentes patogénicos. É um método de regulação selectivo e não tóxico. Apresenta, contudo, as seguintes desvantagens: - a tarefa de seleccionar o melhor inimigo natural e produzi-lo em grande quantidade é complexa e demorada; - a acção dos inimigos naturais sobre as pragas é mais lenta do que a dos pesticidas químicos; - na falta de um controlo rigoroso, as Nuno Correia populações dos inimigos naturais podem aumentar e transformar-se numa nova praga.
  • 14. Machos de insectos criados em laboratório e tornados estéreis são libertados numa zona infestada. O seu acasalamento com as fêmeas não produz descendência e a população da praga diminui. Este método tem as seguintes desvantagens: •funciona apenas com algumas espécies; •é dispendioso; Nuno Correia •tem de ser aplicado continuamente, o que implica a necessidade de grandes quantidades de machos.
  • 15. As feromonas são substâncias produzidas pelos animais e que lhes permitem estabelecer comunicação. Nos insectos,são libertadas na altura do acasalamento para atrair o parceiro. As feromonas podem ser colocadas em armadilhas, atraindo os insectos e desviando-os das culturas. Podem, também, ser utilizadas para atrair os predadores ou parasitas naturais. Tem uma acção muito específica, mas a identificação, o isolamento e a produção de uma feromona é um processo demorado e dispendioso. Nuno Correia
  • 16. As hormonas juvenis e de muda controlam o desenvolvimento e a reprodução dos insectos em diferentes momentos do seu ciclo de vida. A aplicação de hormonas sintéticas ou outras substâncias que interfiram com as hormonas naturais pode impedir que se complete o ciclo de vida do insecto. Nuno Correia
  • 17. Alguns microrganismos produzem toxinas, específicas e biodegradáveis, que podem ser utilizadas como pesticidas biológicos. As subespécies da bactéria do solo Bacillus thuríngiensis produzem uma variedade de toxinas, designadas toxinas Bt, que são aplicadas às culturas, protegendo-as das pragas de Nuno Correia insectos, sem afectar os organismos de outros grupos.
  • 18. A tecnologia do DNA recombinante pode ser usada para a introdução nas plantas de genes que codificam a produção de toxinas ou outras substâncias com acção pesticida. As toxinas Bt, quitinases e lisozima são algumas dessas substâncias. A transformação genética permite aumentar a especificidade, eficiência e estabilidade dos biopesticidas e já foi testada em várias espécies de plantas, como o tomateiro,o milho e o algodão. A criação de plantas transgénicas torna possível: •aumentar a produtividade das culturas; •reduzir o impacto ambiental da aplicação de pesticidas sintéticos. Nuno Correia No entanto, a transferência dos genes estranhos para espécies selvagens pode introduzir desequilíbrios nos ecossistemas.
  • 19. A luta integrada não tem como objectivo a erradicação das pragas, mas a sua redução e manutenção em níveis economicamente aceitáveis. Os programas de controlo integrado de pragas baseiam-se no conhecimento e na avaliação do sistema ecológico formado pela cultura, pragas que a atacam, inimigos naturais, condições ambientais e outras, e associam diferentes métodos com o objectivo de aliar a produtividade das culturas à redução dos riscos ambientais. A aplicação destes programas é complexa e demorada. Nuno Correia
  • 20. •Não há consenso sobre a problemática dos OGM, existindo duas visões completamente antagónicas. Por um lado, defende-se a sua utilização, mas, por outro, apontam-se exemplos que põem em causa a sua viabilidade para consumo e utilização. •Os OGM podem ser encarados como uma solução do problema da fome no mundo. •O aumento da produtividade pode ser conseguido através do controlo de pragas. •O controlo de pragas pode ser feito com recurso a métodos químicos. •Os biocídas utilizados no controlo de pragas podem ter repercussões negativas no ambiente e no próprio Homem. •As pragas podem ser controladas por métodos naturais, em que se incluem o dadores, as feromonas e a esterilização. •As feromonas, substâncias químicas odoríferas, são usadas para atrair os inimigos (pragas) até às armadilhas. Apresentam vantagens, principalmente, por serem inócuas ao Homem e aos animais domésticos e respeitarem o Nuno Correia equilíbrio ecológico. •Apenas o conhecimento das características próprias de cada espécie, nomeadamente, do seu ciclo de vida, permite uma actuação mais eficaz no ataque às pragas.