SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 20
+
Acompanhamento
Terapêutico: um
recurso a serviço
da Saúde Mental
Marcelo da Rocha Carvalho
Especialista em Terapia Racional Emotiva
Comportamental(TREC) pelo Albert Ellis Institute, NY
+
Aprendizagem social
 “Problemas abstratos como infelicidade e falta de objetivo não
podem ser modificados com sucesso por nenhuma forma de
tratamento, enquanto permanecem desvinculadas de seus
determinantes experienciais concretos.”
Bandura, 1979
+ Atendente psiquiátrico, amigo
qualificado ou acompanhante
terapêutico, por Luiz Cezar de
Oliveira
 O primeiro registro de AT realizado no Brasil foi em uma
comunidade terapêutica em Porto Alegre (Clínica Pinel
de Porto Alegre) aonde os acompanhantes terapêuticos
que até então eram chamados de atendentes
psiquiátricos, se caracterizavam por serem pessoas que
não possuíam uma formação profissional específica, (...),
que se disponibilizavam a sair com os pacientes
internados, pelas ruas da cidade, afim de fazer passeios
ou acompanhá-los até sua residência, para uma visita
antes da alta.
+
História
 O surgimento no Brasil ocorreu a partir dos anos 60
com a introdução do conceito de psiquiatria dinâmica.
Coincide com o surgimento dos antipsicóticos, com a
influência da psicanálise na atividade psiquiátrica e
com a expansão da prática ambulatorial. Da idéia de
comunidade terapêutica e do tratamento intensivo dos
pacientes surgiu a figura do atendente psiquiátrico, do
emprego de estudantes universitários na atenção e no
acompanhamento dos pacientes.
+
Mais história
 Os primeiros estudantes utilizados foram os de
medicina e enfermagem. Até meados dos anos
sessenta, o Curso de Psicologia era complementar a
outros cursos de nível superior como o de História
Natural por exemplo. Com a lei que regulamentou a
profissão de psicólogo surgiram as Faculdades de
Psicologia com currículos próprios e muitos
estudantes de psicologia e mesmo psicólogos
formados passaram a atuar na área de
acompanhamento terapêutico.
+
Santos - SP
 Luta Anti-Manicomial.
 Prefeita Telma de Souza, Secretário da Saúdo Dr.
Capistrano e Dr. Tikanori.
 NAPS – Núcleos de Atenção Psicossocial.
 Tam Tam, de Renato Di Renzo.
 ACASA – em São Paulo.
 Acompanhamento Comportamental na Clínica Particular,
Psic. Márcia Pinto.
+
Definição Comportamental
 O acompanhante terapêutico é solicitado para uma
intervenção terapêutica de caráter intensivo, em
grande parte dos casos, nos locais nos quais o
cliente vive e atua. Tem como principais objetivos a
reinserção social e o desenvolvimento de repertórios
comportamentais necessários para uma interação
mais satisfatória com o ambiente físico e social, por
meio da aplicação em ambiente extra-consultório de
estratégias terapêuticas propostas pela
equipe.(Núcleo Paradigma)
+
Eduardo Kalina
 Na década de 70, as comunidades terapêuticas são fechadas
e o auxiliar psiquiátrico é nomeado, por Kalina, como “amigo
qualificado”, sendo solicitado pelas famílias dos doentes para
os cuidados rotineiros em suas residências...
 “ocorre uma mudança no papel do auxiliar psiquiátrico, que por
sua vez atua numa modelo de estar com, fazendo companhia
permanente para o paciente e perfazendo papéis de
enfermeiro, conselheiro e confidente”.(Vianna e Ignácio, 2006)
+
O AT e sua modificação
 É em 1979, “por uma distorção interpretativa, a denominação
passa de amigo qualificado para acompanhante
terapêutico(AT). Há um reconceituação das suas funções e um
extensão das suas atribuições, ultrapassando os papéis de
observador e avaliador, adicionando-se a possibilidade de
intervenção no processo terapêutico, incluindo a utilização de
técnicas específicas de acordo com o quadro clínico do
paciente”. (Vianna e Ignácio, 2006)
+
Funções do AT
(Mauer & Resnizky, 1982)
1. Conter o paciente.
2. Oferecer modelo de identificação.
3. Emprestar o Eu.
4. Detectar, reforçar e desenvolver a capacidade criativa do paciente.
5. Informar sobre o mundo objetivo do paciente.
6. Representar o paciente.
7. Atualizar como agente ressocializador.
8. Servir de agente catalisador das relações familiares.
+
Um definição do AT
 “O AT, segundo Vianna e Sampaio, surge, portanto, como um
modelo de atuação assistencial mais diretivo, personalizado e
intensivo para com os pacientes, intervindo no ambiente
natural, diretamente, onde o comportamento problema
ocorre”. (Vianna e Ignácio, 2006)
+
Fatores positivos do uso do AT
 Causa menor impacto do que a internação e promove a
socialização; e podem também, abreviar o processo de
internação.
 Modificação eficiente do ambiente para alterações
comportamentais significativas do paciente.
 Controle dos elementos aversivos e patológicos da família, que
ajudaram a desenvolver o problema, bem como, o sustentam.
 Promove modelos apropriados para o paciente e sua família
sobre: habilidades sociais, assertividade, controle do stress e
resolução de problemas.
+
Avaliação Cognitivo-
Comportamental
 Metáfora do reforço;
 Metáfora dos déficits de habilidades sociais;
 Metáfora do desamparo aprendido ou desesperança;
 Metáfora da distorção cognitiva;
 Metáfora do auto-manejo e
 Metáfora da modelagem social.
Adaptado de Sharp et al. (1999): Metáforas frente clínica
+
Zamignani e o AT comportamentalista
 Para ele o trabalho do AT permite o acesso a dados que
explicam as relações interpessoais e com o ambiente do
paciente. Ele acredita também que o AT é um agente
ressocializador e modelo facilitador da aprendizagem de um
novo repertório comportamental por parte do paciente.
+
Pré-requisitos para ser um AT
 Conhecimento de quadros clínicos e suas características
diagnósticas.
 Saber executar uma análise funcional do comportamento.
 Treino para observação.
 Técnicas de controle e manejo comportamental.
 Capacidade desenvolvida para entrevista psicológica.
 Noções de psicofarmacologia.
 Técnicas cognitivas de confrontação.
+
Quem pode ser um AT?
 O AT pode ser um estudante ou um profissional graduado na
área da Saúde, como enfermeiro, fonoaudiólogo, terapeuta
ocupacional, psicólogo e outros.
 A busca por estudantes para ser um AT é cada vez maior, visto
que é uma chance dele adquirir experiência profissional e se
inserir no mercado de trabalho. Com isso ele também cria
condições de manter despesas escolares.
 Há profissionais que vem no trabalho um forma de atuar que
não envolva custos com consultório, já que é realizado no
ambiente natural.
+ Aquisição de habilidades para a construção
de uma boa relação terapêutica
 Literatura sobre relação terapêutica
 Observação de colegas (co-terapia)
 Supervisão
 Terapia pessoal
+ Desafios freqüentes no trabalho em ambiente natural: o ‘impacto’
de comportamentos do cliente sobre o profissional
 No caso do atendimento extra-consultório  ‘impacto’ ainda
maior
 acesso mais direto e intenso do terapeuta aos
comportamentos-problema do cliente: fuga e esquiva
 Tempo despendido em geral é maior
 Chances de imprevistos
 Realização de atividades desagradáveis para o profissional
 Comportamentos inusitados e/ou agressivos
 Comportamentos auto-lesivos ou potencialmente suicidas
 Possíveis ‘saídas’:
 Sessões mais curtas
 Co-terapia
 Discussões em equipe, supervisão
+
Conteúdo comum do papel do AT
 O AT no ambiente natural do paciente, observa e entrevista para coleta de
dados, para elaboração ou complementação da análise funcional.
 O AT discute com o profissional responsável e os outros membros da
equipe as informações coletadas e participa, de acordo com o caso, da
elaboração do programa de atendimento e objetivos específicos.
 O AT aplica os procedimentos nas situações eleitas.
 O AT discute, em supervisão, o andamento do caso.
 O AT participa de reuniões de equipe para discussão do caso e possíveis
mudanças de procedimento.
 O AT, quando necessário, orienta e aconselha o paciente em suas
dificuldades, com continência.
 Finaliza o processo com desligamento gradual, avaliando a manutenção
dos ganhos.
+
Bibliografia
 Hawton, K. e col – “Terapia Cognitiva-Comportamental dos
Problemas Psiquiátricos – um guia prático”, Martins Fontes,
1997;
 Mauer, S. K. & Resnizky, S. – “O papel do Acompanhante
Terapêutico no tratamento de adolescentes psicóticos”, In.:
Kalina, Eduardo – “Tratamento de adolescentes psicóticos”.
Ed. Francisco Alves, 1982.
 Vianna, A. M. & Ignácio, C. V. – “Acompanhamento
Terapêutico, In.: Savoia, Mariângela G.(Org.) – “A Interface
entre Psicologia e Psiquiatria: novo conceito em Saúde
Mental”. Ed. Roca, 2006.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

Quem cuida do cuidador?
Quem cuida do cuidador?Quem cuida do cuidador?
Quem cuida do cuidador?
 
Slide do autismo oficial (1)
Slide do autismo oficial (1)Slide do autismo oficial (1)
Slide do autismo oficial (1)
 
ApresentaçãO Autismo
ApresentaçãO AutismoApresentaçãO Autismo
ApresentaçãO Autismo
 
Apresentação sobre acolhimento
Apresentação sobre acolhimentoApresentação sobre acolhimento
Apresentação sobre acolhimento
 
Acolhimentoehumanização
AcolhimentoehumanizaçãoAcolhimentoehumanização
Acolhimentoehumanização
 
Aula Saúde Mental
Aula Saúde MentalAula Saúde Mental
Aula Saúde Mental
 
Conceitualização em Terapia Cognitiva
Conceitualização em Terapia CognitivaConceitualização em Terapia Cognitiva
Conceitualização em Terapia Cognitiva
 
Processo histórico da psiquiatria e da saúde mental
 Processo histórico da psiquiatria e da saúde mental Processo histórico da psiquiatria e da saúde mental
Processo histórico da psiquiatria e da saúde mental
 
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mentalO Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
 
Equipe multiprofissional de saúde
Equipe multiprofissional de saúdeEquipe multiprofissional de saúde
Equipe multiprofissional de saúde
 
Slide Autismo
Slide   AutismoSlide   Autismo
Slide Autismo
 
Autismo aula
Autismo aulaAutismo aula
Autismo aula
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
 
Comunicação na relação terapêutica
Comunicação na relação terapêutica   Comunicação na relação terapêutica
Comunicação na relação terapêutica
 
Saude mental aula 3
Saude mental aula 3Saude mental aula 3
Saude mental aula 3
 
A terapia cognitivo comportamental
A terapia cognitivo comportamentalA terapia cognitivo comportamental
A terapia cognitivo comportamental
 
Psicologia hospitalar
Psicologia hospitalarPsicologia hospitalar
Psicologia hospitalar
 
Apresentação do caps
Apresentação do capsApresentação do caps
Apresentação do caps
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
 

Destaque

Anorexia, bulimia e os Transtornos Alimentares: psicoterapia comportamental e...
Anorexia, bulimia e os Transtornos Alimentares: psicoterapia comportamental e...Anorexia, bulimia e os Transtornos Alimentares: psicoterapia comportamental e...
Anorexia, bulimia e os Transtornos Alimentares: psicoterapia comportamental e...Marcelo da Rocha Carvalho
 
Palestra na Residência em Psicologia UNIFESP 2016
Palestra na Residência em Psicologia UNIFESP 2016Palestra na Residência em Psicologia UNIFESP 2016
Palestra na Residência em Psicologia UNIFESP 2016Marcelo da Rocha Carvalho
 
É possível reduzir o impacto das adversidades na infância?
É possível reduzir o impacto das adversidades na infância? É possível reduzir o impacto das adversidades na infância?
É possível reduzir o impacto das adversidades na infância? Marcelo da Rocha Carvalho
 
COMO MELHORAR A COMUNICAÇÃO ENTRE OS PAIS PARA TERAPIA COGNITIVA COMPORTAMENT...
COMO MELHORAR A COMUNICAÇÃO ENTRE OS PAIS PARA TERAPIA COGNITIVA COMPORTAMENT...COMO MELHORAR A COMUNICAÇÃO ENTRE OS PAIS PARA TERAPIA COGNITIVA COMPORTAMENT...
COMO MELHORAR A COMUNICAÇÃO ENTRE OS PAIS PARA TERAPIA COGNITIVA COMPORTAMENT...Marcelo da Rocha Carvalho
 
Acompanhante - Acompanhado , história a dois* / Psicologia da Saúde.
Acompanhante - Acompanhado , história a dois* / Psicologia da Saúde.Acompanhante - Acompanhado , história a dois* / Psicologia da Saúde.
Acompanhante - Acompanhado , história a dois* / Psicologia da Saúde.Deisiane Cazaroto
 
Slides sextas inclusivas needi tea
Slides sextas inclusivas needi  teaSlides sextas inclusivas needi  tea
Slides sextas inclusivas needi teaMarily Oliveira
 
Psicoterapia para funcionários a pedido da empresa
Psicoterapia para funcionários a pedido da empresaPsicoterapia para funcionários a pedido da empresa
Psicoterapia para funcionários a pedido da empresaMarcelo da Rocha Carvalho
 
Terapia Racional Emotiva Comportamental: visão geral.
Terapia Racional Emotiva Comportamental: visão geral.Terapia Racional Emotiva Comportamental: visão geral.
Terapia Racional Emotiva Comportamental: visão geral.Marcelo da Rocha Carvalho
 
Rangkuman Ping -h dan Route -h
Rangkuman Ping -h dan Route -hRangkuman Ping -h dan Route -h
Rangkuman Ping -h dan Route -hRobby Firmansyah
 
upcoming commercial projects in dwarka expressway 7428424386
upcoming commercial projects in dwarka expressway 7428424386upcoming commercial projects in dwarka expressway 7428424386
upcoming commercial projects in dwarka expressway 7428424386Adore Global Pvt. Ltd
 
Steve Wiggins: Agricultural_policy - issues of consensus and debate
Steve Wiggins: Agricultural_policy - issues of consensus and debateSteve Wiggins: Agricultural_policy - issues of consensus and debate
Steve Wiggins: Agricultural_policy - issues of consensus and debatefutureagricultures
 
เครื่องใช้ไฟฟ้า
เครื่องใช้ไฟฟ้าเครื่องใช้ไฟฟ้า
เครื่องใช้ไฟฟ้าthananat
 
Anexo 12 pc 66707 alimentação (1)
Anexo 12   pc 66707 alimentação (1)Anexo 12   pc 66707 alimentação (1)
Anexo 12 pc 66707 alimentação (1)Miguel Rosario
 

Destaque (20)

Anorexia, bulimia e os Transtornos Alimentares: psicoterapia comportamental e...
Anorexia, bulimia e os Transtornos Alimentares: psicoterapia comportamental e...Anorexia, bulimia e os Transtornos Alimentares: psicoterapia comportamental e...
Anorexia, bulimia e os Transtornos Alimentares: psicoterapia comportamental e...
 
Palestra na Residência em Psicologia UNIFESP 2016
Palestra na Residência em Psicologia UNIFESP 2016Palestra na Residência em Psicologia UNIFESP 2016
Palestra na Residência em Psicologia UNIFESP 2016
 
É possível reduzir o impacto das adversidades na infância?
É possível reduzir o impacto das adversidades na infância? É possível reduzir o impacto das adversidades na infância?
É possível reduzir o impacto das adversidades na infância?
 
COMO MELHORAR A COMUNICAÇÃO ENTRE OS PAIS PARA TERAPIA COGNITIVA COMPORTAMENT...
COMO MELHORAR A COMUNICAÇÃO ENTRE OS PAIS PARA TERAPIA COGNITIVA COMPORTAMENT...COMO MELHORAR A COMUNICAÇÃO ENTRE OS PAIS PARA TERAPIA COGNITIVA COMPORTAMENT...
COMO MELHORAR A COMUNICAÇÃO ENTRE OS PAIS PARA TERAPIA COGNITIVA COMPORTAMENT...
 
Depressão Infância e Adolescência
Depressão Infância e AdolescênciaDepressão Infância e Adolescência
Depressão Infância e Adolescência
 
Acompanhante - Acompanhado , história a dois* / Psicologia da Saúde.
Acompanhante - Acompanhado , história a dois* / Psicologia da Saúde.Acompanhante - Acompanhado , história a dois* / Psicologia da Saúde.
Acompanhante - Acompanhado , história a dois* / Psicologia da Saúde.
 
Slides sextas inclusivas needi tea
Slides sextas inclusivas needi  teaSlides sextas inclusivas needi  tea
Slides sextas inclusivas needi tea
 
Obesidade
ObesidadeObesidade
Obesidade
 
Psicoterapia para funcionários a pedido da empresa
Psicoterapia para funcionários a pedido da empresaPsicoterapia para funcionários a pedido da empresa
Psicoterapia para funcionários a pedido da empresa
 
Comprendiendo el autismo
Comprendiendo el autismoComprendiendo el autismo
Comprendiendo el autismo
 
Crenças irracionais e sua contestação
Crenças irracionais e sua contestaçãoCrenças irracionais e sua contestação
Crenças irracionais e sua contestação
 
Terapia Racional Emotiva Comportamental: visão geral.
Terapia Racional Emotiva Comportamental: visão geral.Terapia Racional Emotiva Comportamental: visão geral.
Terapia Racional Emotiva Comportamental: visão geral.
 
Cloud computing
Cloud computingCloud computing
Cloud computing
 
Rangkuman Ping -h dan Route -h
Rangkuman Ping -h dan Route -hRangkuman Ping -h dan Route -h
Rangkuman Ping -h dan Route -h
 
Precipitation
PrecipitationPrecipitation
Precipitation
 
upcoming commercial projects in dwarka expressway 7428424386
upcoming commercial projects in dwarka expressway 7428424386upcoming commercial projects in dwarka expressway 7428424386
upcoming commercial projects in dwarka expressway 7428424386
 
Steve Wiggins: Agricultural_policy - issues of consensus and debate
Steve Wiggins: Agricultural_policy - issues of consensus and debateSteve Wiggins: Agricultural_policy - issues of consensus and debate
Steve Wiggins: Agricultural_policy - issues of consensus and debate
 
เครื่องใช้ไฟฟ้า
เครื่องใช้ไฟฟ้าเครื่องใช้ไฟฟ้า
เครื่องใช้ไฟฟ้า
 
Slackline
SlacklineSlackline
Slackline
 
Anexo 12 pc 66707 alimentação (1)
Anexo 12   pc 66707 alimentação (1)Anexo 12   pc 66707 alimentação (1)
Anexo 12 pc 66707 alimentação (1)
 

Semelhante a Acompanhamento Terapêutico

1 fichamento-diagnostico-do-paciente-e-a-escolha-da-psicoterapia
1 fichamento-diagnostico-do-paciente-e-a-escolha-da-psicoterapia1 fichamento-diagnostico-do-paciente-e-a-escolha-da-psicoterapia
1 fichamento-diagnostico-do-paciente-e-a-escolha-da-psicoterapianarasc
 
Trabalho de Conclusão de Curso
Trabalho de Conclusão de Curso Trabalho de Conclusão de Curso
Trabalho de Conclusão de Curso Camila Caleffi
 
Terapias Cognitivas- compoortamentais
Terapias Cognitivas- compoortamentaisTerapias Cognitivas- compoortamentais
Terapias Cognitivas- compoortamentaisRodrigo Abreu
 
Acolhimento Institucional
Acolhimento InstitucionalAcolhimento Institucional
Acolhimento Institucionalgabibernardi
 
Grupos terapêuticos e intervenção em família
Grupos terapêuticos e intervenção em famíliaGrupos terapêuticos e intervenção em família
Grupos terapêuticos e intervenção em famíliaAroldo Gavioli
 
Aula 02_Aconselhamento e Psico. Breve[1].pptx
Aula 02_Aconselhamento e Psico. Breve[1].pptxAula 02_Aconselhamento e Psico. Breve[1].pptx
Aula 02_Aconselhamento e Psico. Breve[1].pptxCarlaNishimura3
 
Psicologia e clinica medica
Psicologia e clinica medicaPsicologia e clinica medica
Psicologia e clinica medicaPsicologia_2015
 
Psicoterapia orientações aos psicoterapeutas
Psicoterapia orientações aos psicoterapeutasPsicoterapia orientações aos psicoterapeutas
Psicoterapia orientações aos psicoterapeutasMarcelo da Rocha Carvalho
 
Trabalho em Power Point
Trabalho em Power PointTrabalho em Power Point
Trabalho em Power PointBetaBetuxa
 
e-book cognitivo.pdf
e-book cognitivo.pdfe-book cognitivo.pdf
e-book cognitivo.pdfMarcio Amoedo
 
Avaliação cognitivo comportamental
Avaliação cognitivo comportamentalAvaliação cognitivo comportamental
Avaliação cognitivo comportamentalElizabeth Barbosa
 
Relatório "Nunca é Tarde Demais"
Relatório "Nunca é Tarde Demais"Relatório "Nunca é Tarde Demais"
Relatório "Nunca é Tarde Demais"BetaBetuxa
 
A clínica analítico-comportamental
A clínica analítico-comportamentalA clínica analítico-comportamental
A clínica analítico-comportamentalTaís Calheiros
 
Diferenças de abordagens
Diferenças de abordagensDiferenças de abordagens
Diferenças de abordagensLuciana Freitas
 
2016 1_ebm_base histórica e científica_3
2016 1_ebm_base histórica e científica_32016 1_ebm_base histórica e científica_3
2016 1_ebm_base histórica e científica_3Flora Couto
 

Semelhante a Acompanhamento Terapêutico (20)

Etica em Psicoterapia
Etica em PsicoterapiaEtica em Psicoterapia
Etica em Psicoterapia
 
1 fichamento-diagnostico-do-paciente-e-a-escolha-da-psicoterapia
1 fichamento-diagnostico-do-paciente-e-a-escolha-da-psicoterapia1 fichamento-diagnostico-do-paciente-e-a-escolha-da-psicoterapia
1 fichamento-diagnostico-do-paciente-e-a-escolha-da-psicoterapia
 
Trabalho de Conclusão de Curso
Trabalho de Conclusão de Curso Trabalho de Conclusão de Curso
Trabalho de Conclusão de Curso
 
Psicoterapia
PsicoterapiaPsicoterapia
Psicoterapia
 
Terapias Cognitivas- compoortamentais
Terapias Cognitivas- compoortamentaisTerapias Cognitivas- compoortamentais
Terapias Cognitivas- compoortamentais
 
Psicologo hospitalar
Psicologo hospitalarPsicologo hospitalar
Psicologo hospitalar
 
Acolhimento Institucional
Acolhimento InstitucionalAcolhimento Institucional
Acolhimento Institucional
 
Grupos terapêuticos e intervenção em família
Grupos terapêuticos e intervenção em famíliaGrupos terapêuticos e intervenção em família
Grupos terapêuticos e intervenção em família
 
Aula 02_Aconselhamento e Psico. Breve[1].pptx
Aula 02_Aconselhamento e Psico. Breve[1].pptxAula 02_Aconselhamento e Psico. Breve[1].pptx
Aula 02_Aconselhamento e Psico. Breve[1].pptx
 
Psicologia e clinica medica
Psicologia e clinica medicaPsicologia e clinica medica
Psicologia e clinica medica
 
Psicoterapia orientações aos psicoterapeutas
Psicoterapia orientações aos psicoterapeutasPsicoterapia orientações aos psicoterapeutas
Psicoterapia orientações aos psicoterapeutas
 
Trabalho em Power Point
Trabalho em Power PointTrabalho em Power Point
Trabalho em Power Point
 
e-book cognitivo.pdf
e-book cognitivo.pdfe-book cognitivo.pdf
e-book cognitivo.pdf
 
Avaliação cognitivo comportamental
Avaliação cognitivo comportamentalAvaliação cognitivo comportamental
Avaliação cognitivo comportamental
 
Relatório "Nunca é Tarde Demais"
Relatório "Nunca é Tarde Demais"Relatório "Nunca é Tarde Demais"
Relatório "Nunca é Tarde Demais"
 
Entrevis
EntrevisEntrevis
Entrevis
 
A clínica analítico-comportamental
A clínica analítico-comportamentalA clínica analítico-comportamental
A clínica analítico-comportamental
 
Texto 10 -
Texto 10 - Texto 10 -
Texto 10 -
 
Diferenças de abordagens
Diferenças de abordagensDiferenças de abordagens
Diferenças de abordagens
 
2016 1_ebm_base histórica e científica_3
2016 1_ebm_base histórica e científica_32016 1_ebm_base histórica e científica_3
2016 1_ebm_base histórica e científica_3
 

Mais de Marcelo da Rocha Carvalho

Treino de habilidades sociais e terapia de casais
Treino de habilidades sociais e terapia de casaisTreino de habilidades sociais e terapia de casais
Treino de habilidades sociais e terapia de casaisMarcelo da Rocha Carvalho
 
Acompanhamento Terapêutico, Transtornos Alimentares e Terapia Cognitiva
Acompanhamento Terapêutico, Transtornos Alimentares e Terapia CognitivaAcompanhamento Terapêutico, Transtornos Alimentares e Terapia Cognitiva
Acompanhamento Terapêutico, Transtornos Alimentares e Terapia CognitivaMarcelo da Rocha Carvalho
 
Terapia Comportamental e Cognitiva, uma introdução.
Terapia Comportamental e Cognitiva, uma introdução.Terapia Comportamental e Cognitiva, uma introdução.
Terapia Comportamental e Cognitiva, uma introdução.Marcelo da Rocha Carvalho
 
Terapia Comportamental-Cognitiva(TCC) e Arteterapia
Terapia Comportamental-Cognitiva(TCC) e ArteterapiaTerapia Comportamental-Cognitiva(TCC) e Arteterapia
Terapia Comportamental-Cognitiva(TCC) e ArteterapiaMarcelo da Rocha Carvalho
 
Como as pessoas mudam? Modelo transteórico(Prochaska e Di Clemente)
Como as pessoas mudam? Modelo transteórico(Prochaska e Di Clemente)Como as pessoas mudam? Modelo transteórico(Prochaska e Di Clemente)
Como as pessoas mudam? Modelo transteórico(Prochaska e Di Clemente)Marcelo da Rocha Carvalho
 
Como conquistar sua própria felicidade, Terapia Racional Emotiva Comportament...
Como conquistar sua própria felicidade, Terapia Racional Emotiva Comportament...Como conquistar sua própria felicidade, Terapia Racional Emotiva Comportament...
Como conquistar sua própria felicidade, Terapia Racional Emotiva Comportament...Marcelo da Rocha Carvalho
 
Método Socrático em Terapia Cognitiva-Comportamental
Método Socrático em Terapia Cognitiva-ComportamentalMétodo Socrático em Terapia Cognitiva-Comportamental
Método Socrático em Terapia Cognitiva-ComportamentalMarcelo da Rocha Carvalho
 

Mais de Marcelo da Rocha Carvalho (19)

Transtornos Alimentares e Psicoterapia
Transtornos Alimentares e PsicoterapiaTranstornos Alimentares e Psicoterapia
Transtornos Alimentares e Psicoterapia
 
Treino de habilidades sociais e terapia de casais
Treino de habilidades sociais e terapia de casaisTreino de habilidades sociais e terapia de casais
Treino de habilidades sociais e terapia de casais
 
Suicídio: aspectos preventivos e TCC
Suicídio: aspectos preventivos e TCCSuicídio: aspectos preventivos e TCC
Suicídio: aspectos preventivos e TCC
 
Acompanhamento Terapêutico, Transtornos Alimentares e Terapia Cognitiva
Acompanhamento Terapêutico, Transtornos Alimentares e Terapia CognitivaAcompanhamento Terapêutico, Transtornos Alimentares e Terapia Cognitiva
Acompanhamento Terapêutico, Transtornos Alimentares e Terapia Cognitiva
 
Ansiedade estratégias de tratamento em TCC
Ansiedade estratégias de tratamento em TCCAnsiedade estratégias de tratamento em TCC
Ansiedade estratégias de tratamento em TCC
 
Karen horney e o pré-cognitivismo clínico
Karen horney e o pré-cognitivismo clínicoKaren horney e o pré-cognitivismo clínico
Karen horney e o pré-cognitivismo clínico
 
Terapia Comportamental e Cognitiva, uma introdução.
Terapia Comportamental e Cognitiva, uma introdução.Terapia Comportamental e Cognitiva, uma introdução.
Terapia Comportamental e Cognitiva, uma introdução.
 
Terapia casal e TREC
Terapia casal e TRECTerapia casal e TREC
Terapia casal e TREC
 
CONCRIAD 2004, Limites nos tempos modernos.
CONCRIAD 2004, Limites nos tempos modernos.CONCRIAD 2004, Limites nos tempos modernos.
CONCRIAD 2004, Limites nos tempos modernos.
 
Terapia Comportamental-Cognitiva(TCC) e Arteterapia
Terapia Comportamental-Cognitiva(TCC) e ArteterapiaTerapia Comportamental-Cognitiva(TCC) e Arteterapia
Terapia Comportamental-Cognitiva(TCC) e Arteterapia
 
Terapia Comportamental e Cognitiva
Terapia Comportamental e CognitivaTerapia Comportamental e Cognitiva
Terapia Comportamental e Cognitiva
 
MBA - Saúde do Trabalhador, UNIFESP
MBA - Saúde do Trabalhador, UNIFESPMBA - Saúde do Trabalhador, UNIFESP
MBA - Saúde do Trabalhador, UNIFESP
 
Terapia Comportamental e Cognitiva Infantil
Terapia Comportamental e Cognitiva InfantilTerapia Comportamental e Cognitiva Infantil
Terapia Comportamental e Cognitiva Infantil
 
Transtornos alimentares 2014
Transtornos alimentares 2014Transtornos alimentares 2014
Transtornos alimentares 2014
 
Como as pessoas mudam? Modelo transteórico(Prochaska e Di Clemente)
Como as pessoas mudam? Modelo transteórico(Prochaska e Di Clemente)Como as pessoas mudam? Modelo transteórico(Prochaska e Di Clemente)
Como as pessoas mudam? Modelo transteórico(Prochaska e Di Clemente)
 
Como conquistar sua própria felicidade, Terapia Racional Emotiva Comportament...
Como conquistar sua própria felicidade, Terapia Racional Emotiva Comportament...Como conquistar sua própria felicidade, Terapia Racional Emotiva Comportament...
Como conquistar sua própria felicidade, Terapia Racional Emotiva Comportament...
 
Dependência a internet, modelo de Young,K.
Dependência a internet, modelo de Young,K.Dependência a internet, modelo de Young,K.
Dependência a internet, modelo de Young,K.
 
Ensinando terapia comportamental ao pais
Ensinando terapia comportamental ao paisEnsinando terapia comportamental ao pais
Ensinando terapia comportamental ao pais
 
Método Socrático em Terapia Cognitiva-Comportamental
Método Socrático em Terapia Cognitiva-ComportamentalMétodo Socrático em Terapia Cognitiva-Comportamental
Método Socrático em Terapia Cognitiva-Comportamental
 

Último

Farmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
Farmacologia do Sistema Nervoso AutonomoFarmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
Farmacologia do Sistema Nervoso AutonomoPAULOVINICIUSDOSSANT1
 
Protocolo Zero Rugas - formato digital01
Protocolo Zero Rugas - formato digital01Protocolo Zero Rugas - formato digital01
Protocolo Zero Rugas - formato digital01perfilnovo3rich
 
Não podemos esquecer que outros critérios são necessários para se fazer o dia...
Não podemos esquecer que outros critérios são necessários para se fazer o dia...Não podemos esquecer que outros critérios são necessários para se fazer o dia...
Não podemos esquecer que outros critérios são necessários para se fazer o dia...TaniaN8
 
aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...
aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...
aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...quelenfermeira
 
Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...
Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...
Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...Astrid Mühle Moreira Ferreira
 
Slides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptx
Slides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptxSlides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptx
Slides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptxsaraferraz09
 
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismo
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismoEscala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismo
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismoJose Ribamar
 
AULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptx
AULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptxAULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptx
AULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptxLanaMonteiro8
 
Treinamento Básico em Primeiros Socorros.ppt
Treinamento Básico em Primeiros Socorros.pptTreinamento Básico em Primeiros Socorros.ppt
Treinamento Básico em Primeiros Socorros.pptFabioSouza270
 
anemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptx
anemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptxanemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptx
anemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptxnarayaskara215
 
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdfATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdfWendelldaLuz
 
Humanização na Enfermagem: o que é e qual a importância?
Humanização na Enfermagem: o que é e qual a importância?Humanização na Enfermagem: o que é e qual a importância?
Humanização na Enfermagem: o que é e qual a importância?carloslins20
 

Último (12)

Farmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
Farmacologia do Sistema Nervoso AutonomoFarmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
Farmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
 
Protocolo Zero Rugas - formato digital01
Protocolo Zero Rugas - formato digital01Protocolo Zero Rugas - formato digital01
Protocolo Zero Rugas - formato digital01
 
Não podemos esquecer que outros critérios são necessários para se fazer o dia...
Não podemos esquecer que outros critérios são necessários para se fazer o dia...Não podemos esquecer que outros critérios são necessários para se fazer o dia...
Não podemos esquecer que outros critérios são necessários para se fazer o dia...
 
aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...
aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...
aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...
 
Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...
Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...
Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...
 
Slides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptx
Slides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptxSlides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptx
Slides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptx
 
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismo
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismoEscala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismo
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismo
 
AULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptx
AULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptxAULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptx
AULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptx
 
Treinamento Básico em Primeiros Socorros.ppt
Treinamento Básico em Primeiros Socorros.pptTreinamento Básico em Primeiros Socorros.ppt
Treinamento Básico em Primeiros Socorros.ppt
 
anemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptx
anemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptxanemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptx
anemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptx
 
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdfATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
 
Humanização na Enfermagem: o que é e qual a importância?
Humanização na Enfermagem: o que é e qual a importância?Humanização na Enfermagem: o que é e qual a importância?
Humanização na Enfermagem: o que é e qual a importância?
 

Acompanhamento Terapêutico

  • 1. + Acompanhamento Terapêutico: um recurso a serviço da Saúde Mental Marcelo da Rocha Carvalho Especialista em Terapia Racional Emotiva Comportamental(TREC) pelo Albert Ellis Institute, NY
  • 2. + Aprendizagem social  “Problemas abstratos como infelicidade e falta de objetivo não podem ser modificados com sucesso por nenhuma forma de tratamento, enquanto permanecem desvinculadas de seus determinantes experienciais concretos.” Bandura, 1979
  • 3. + Atendente psiquiátrico, amigo qualificado ou acompanhante terapêutico, por Luiz Cezar de Oliveira  O primeiro registro de AT realizado no Brasil foi em uma comunidade terapêutica em Porto Alegre (Clínica Pinel de Porto Alegre) aonde os acompanhantes terapêuticos que até então eram chamados de atendentes psiquiátricos, se caracterizavam por serem pessoas que não possuíam uma formação profissional específica, (...), que se disponibilizavam a sair com os pacientes internados, pelas ruas da cidade, afim de fazer passeios ou acompanhá-los até sua residência, para uma visita antes da alta.
  • 4. + História  O surgimento no Brasil ocorreu a partir dos anos 60 com a introdução do conceito de psiquiatria dinâmica. Coincide com o surgimento dos antipsicóticos, com a influência da psicanálise na atividade psiquiátrica e com a expansão da prática ambulatorial. Da idéia de comunidade terapêutica e do tratamento intensivo dos pacientes surgiu a figura do atendente psiquiátrico, do emprego de estudantes universitários na atenção e no acompanhamento dos pacientes.
  • 5. + Mais história  Os primeiros estudantes utilizados foram os de medicina e enfermagem. Até meados dos anos sessenta, o Curso de Psicologia era complementar a outros cursos de nível superior como o de História Natural por exemplo. Com a lei que regulamentou a profissão de psicólogo surgiram as Faculdades de Psicologia com currículos próprios e muitos estudantes de psicologia e mesmo psicólogos formados passaram a atuar na área de acompanhamento terapêutico.
  • 6. + Santos - SP  Luta Anti-Manicomial.  Prefeita Telma de Souza, Secretário da Saúdo Dr. Capistrano e Dr. Tikanori.  NAPS – Núcleos de Atenção Psicossocial.  Tam Tam, de Renato Di Renzo.  ACASA – em São Paulo.  Acompanhamento Comportamental na Clínica Particular, Psic. Márcia Pinto.
  • 7. + Definição Comportamental  O acompanhante terapêutico é solicitado para uma intervenção terapêutica de caráter intensivo, em grande parte dos casos, nos locais nos quais o cliente vive e atua. Tem como principais objetivos a reinserção social e o desenvolvimento de repertórios comportamentais necessários para uma interação mais satisfatória com o ambiente físico e social, por meio da aplicação em ambiente extra-consultório de estratégias terapêuticas propostas pela equipe.(Núcleo Paradigma)
  • 8. + Eduardo Kalina  Na década de 70, as comunidades terapêuticas são fechadas e o auxiliar psiquiátrico é nomeado, por Kalina, como “amigo qualificado”, sendo solicitado pelas famílias dos doentes para os cuidados rotineiros em suas residências...  “ocorre uma mudança no papel do auxiliar psiquiátrico, que por sua vez atua numa modelo de estar com, fazendo companhia permanente para o paciente e perfazendo papéis de enfermeiro, conselheiro e confidente”.(Vianna e Ignácio, 2006)
  • 9. + O AT e sua modificação  É em 1979, “por uma distorção interpretativa, a denominação passa de amigo qualificado para acompanhante terapêutico(AT). Há um reconceituação das suas funções e um extensão das suas atribuições, ultrapassando os papéis de observador e avaliador, adicionando-se a possibilidade de intervenção no processo terapêutico, incluindo a utilização de técnicas específicas de acordo com o quadro clínico do paciente”. (Vianna e Ignácio, 2006)
  • 10. + Funções do AT (Mauer & Resnizky, 1982) 1. Conter o paciente. 2. Oferecer modelo de identificação. 3. Emprestar o Eu. 4. Detectar, reforçar e desenvolver a capacidade criativa do paciente. 5. Informar sobre o mundo objetivo do paciente. 6. Representar o paciente. 7. Atualizar como agente ressocializador. 8. Servir de agente catalisador das relações familiares.
  • 11. + Um definição do AT  “O AT, segundo Vianna e Sampaio, surge, portanto, como um modelo de atuação assistencial mais diretivo, personalizado e intensivo para com os pacientes, intervindo no ambiente natural, diretamente, onde o comportamento problema ocorre”. (Vianna e Ignácio, 2006)
  • 12. + Fatores positivos do uso do AT  Causa menor impacto do que a internação e promove a socialização; e podem também, abreviar o processo de internação.  Modificação eficiente do ambiente para alterações comportamentais significativas do paciente.  Controle dos elementos aversivos e patológicos da família, que ajudaram a desenvolver o problema, bem como, o sustentam.  Promove modelos apropriados para o paciente e sua família sobre: habilidades sociais, assertividade, controle do stress e resolução de problemas.
  • 13. + Avaliação Cognitivo- Comportamental  Metáfora do reforço;  Metáfora dos déficits de habilidades sociais;  Metáfora do desamparo aprendido ou desesperança;  Metáfora da distorção cognitiva;  Metáfora do auto-manejo e  Metáfora da modelagem social. Adaptado de Sharp et al. (1999): Metáforas frente clínica
  • 14. + Zamignani e o AT comportamentalista  Para ele o trabalho do AT permite o acesso a dados que explicam as relações interpessoais e com o ambiente do paciente. Ele acredita também que o AT é um agente ressocializador e modelo facilitador da aprendizagem de um novo repertório comportamental por parte do paciente.
  • 15. + Pré-requisitos para ser um AT  Conhecimento de quadros clínicos e suas características diagnósticas.  Saber executar uma análise funcional do comportamento.  Treino para observação.  Técnicas de controle e manejo comportamental.  Capacidade desenvolvida para entrevista psicológica.  Noções de psicofarmacologia.  Técnicas cognitivas de confrontação.
  • 16. + Quem pode ser um AT?  O AT pode ser um estudante ou um profissional graduado na área da Saúde, como enfermeiro, fonoaudiólogo, terapeuta ocupacional, psicólogo e outros.  A busca por estudantes para ser um AT é cada vez maior, visto que é uma chance dele adquirir experiência profissional e se inserir no mercado de trabalho. Com isso ele também cria condições de manter despesas escolares.  Há profissionais que vem no trabalho um forma de atuar que não envolva custos com consultório, já que é realizado no ambiente natural.
  • 17. + Aquisição de habilidades para a construção de uma boa relação terapêutica  Literatura sobre relação terapêutica  Observação de colegas (co-terapia)  Supervisão  Terapia pessoal
  • 18. + Desafios freqüentes no trabalho em ambiente natural: o ‘impacto’ de comportamentos do cliente sobre o profissional  No caso do atendimento extra-consultório  ‘impacto’ ainda maior  acesso mais direto e intenso do terapeuta aos comportamentos-problema do cliente: fuga e esquiva  Tempo despendido em geral é maior  Chances de imprevistos  Realização de atividades desagradáveis para o profissional  Comportamentos inusitados e/ou agressivos  Comportamentos auto-lesivos ou potencialmente suicidas  Possíveis ‘saídas’:  Sessões mais curtas  Co-terapia  Discussões em equipe, supervisão
  • 19. + Conteúdo comum do papel do AT  O AT no ambiente natural do paciente, observa e entrevista para coleta de dados, para elaboração ou complementação da análise funcional.  O AT discute com o profissional responsável e os outros membros da equipe as informações coletadas e participa, de acordo com o caso, da elaboração do programa de atendimento e objetivos específicos.  O AT aplica os procedimentos nas situações eleitas.  O AT discute, em supervisão, o andamento do caso.  O AT participa de reuniões de equipe para discussão do caso e possíveis mudanças de procedimento.  O AT, quando necessário, orienta e aconselha o paciente em suas dificuldades, com continência.  Finaliza o processo com desligamento gradual, avaliando a manutenção dos ganhos.
  • 20. + Bibliografia  Hawton, K. e col – “Terapia Cognitiva-Comportamental dos Problemas Psiquiátricos – um guia prático”, Martins Fontes, 1997;  Mauer, S. K. & Resnizky, S. – “O papel do Acompanhante Terapêutico no tratamento de adolescentes psicóticos”, In.: Kalina, Eduardo – “Tratamento de adolescentes psicóticos”. Ed. Francisco Alves, 1982.  Vianna, A. M. & Ignácio, C. V. – “Acompanhamento Terapêutico, In.: Savoia, Mariângela G.(Org.) – “A Interface entre Psicologia e Psiquiatria: novo conceito em Saúde Mental”. Ed. Roca, 2006.