SlideShare uma empresa Scribd logo
A química da célula
Composição química da célula Compostos inorgânicos Compostos orgânicos Água Sais minerais Proteínas Carboidratos (ptn) Lipídios Ácidos nucléicos Vitaminas (carbono) (DNA e RNA)
Carboidratos Classificação Monossacarídeo Oligossacarídeo Polissacarídeo
    Os hidratos de carbono fazem parte de um grupo de macronutrientes que se constitui na mais significativa fonte de energia obtida por meio da alimentação. Os carboidratos são as biomoléculas mais abundantes na natureza. Os carboidratos são também chamados de hidratos de carbono, oses ou simplesmente açúcares.
Para a maioria dos carboidratos, a fórmula geral é:  C n H 2n O n  , daí o nome "carboidrato", ou "hidratos de carbono“.  Funções Fonte de energia imediata      Reserva de energia      Estrutural     
Fonte de Energia :  uma das principais funções dos carboidratos é fornecer energia para o desenvolvimento e manutenção das funções celulares. Glicogênio – carboidrato de reserva dos animais; Amido - carboidrato de reserva dos vegetais.
Observação Reserva de energia:  um nível adequado de carboidratos na dieta impede que ocorra uma degradação das proteínas para geração de energia.
Estrutural:   a função plástica dos hidratos de carbono é representada pela constituição da  ribose  e da  desoxirribose  na estrutura do  D NA e  R NA.  Celulose – parede celular dos vegetais.
Classificação 1)monossacarídeos  (com um açúcar por molécula),é um açúcar mais simples 2)  dissacarídeos  (com dois açúcares por molécula), é obtido pela soma de dois monossacarídeo e perda de uma molécula de água.  3)  polissacarídeos  (com inúmeros açúcares por molécula), obtido pela soma de vários monossacarídeos e perda de moléculas de água.
Monossacarídeos A classificação dos monossacarídeos é baseada no nº de carbonos de suas moléculas; assim sendo, as  TRIOSES,   TETROSES, PENTOSES, HEXOSES, HEPTOSES , etc. Destes, os mais importantes são as Pentoses e as Hexoses. As pentoses mais importantes são:         Ribose,  Desoxirribose,  Arabinose,  Xilose As hexoses mais importantes são: Glicose, Galactose, Frutose
Monossacarídeos C N (H 2 O) N Pentoses Ribose Desoxirribose Hexoses Glicose Frutose Galactose
Pentoses C 5 (H 2 O) 5
Hexoses  C 6 (H 2 O) 6
Oligossacarídeos Açúcares formados pela união de dois até dez  monossacarídeos
Dissacarídeos Os dissacarídeos ou açúcares duplos são formados pela combinação de duas moléculas de monossacarídeos. Os principais são: sacarose, lactose e maltose.  *  Sacarose : glicose + frutose, obtida da cana-de-açúcar.  *  Lactose : glicose + galactose é o principal carboidrato do leite. *  Maltose :  Formado por  duas moléculas de glicose, estão presente no malte (maltose) e são subproduto da digestão do amido e glicogênio (iso-maltose).
Polissacarídeos Polissacarídeos são  macromoléculas  formadas pela união de vários monossacarídeos. Ao contrário da glicose, os polissacarídeos dela derivados não possuem sabor doce, nem são solúveis em água.
Polissacarídeos mais comuns Amido Glicogênio Celulose Quitina Heparina
Amido Polímero de glicose (+ de 1400 moléculas de glicose). Produzido nas folhas  através da fotossíntese. Armazenado em frutos, sementes, caules e raízes. Constitui de 50% a 65% do peso das sementes de cereais secos, e até 80% da substância seca dos tubérculos. Reserva energética vegetal. Detectado pelo corante à base de iodo denominado Lugol.
Amido
Glicogênio Formado por cerca de 30.000 moléculas de glicose. Polissacarídeo de reserva energética animal e de fungos. Em animais é encontrado principalmente no fígado e nos músculos.
Glicogênio Hepático A função do glicogênio hepático é a manutenção da glicemia entre as refeições, ou seja, é uma reserva de glicose que pode ser exportada para outros órgãos (como o cérebro, cuja energia é exclusivamente derivada da glicose,) quando necessário.
Celulose Formada por 4.000 moléculas de glicose Reforço esquelético de vegetais Digerida por microrganismos  Não é digerida pelo organismo humano. Constitui as  fibras vegetais de nossa dieta.
 
 
 
 
 
Cervos mosquídeos
Cervídeos
 
GNUS
 
Ovelhas Cabra
Búfalos
 
N  Ã  O N  Ã  O
Quitina Polissacarídeo que apresenta nitrogênio em sua composição. É encontrado no exoesqueleto de  artrópodes , nas cerdas dos  anelídeos  poliquetas, na rádula de certos  moluscos  e parede celular de  fungos.
A quitina é responsável pelo crescimento descontínuo dos artrópodos, com paradas, para a ocorrência de  ecdises  ou mudas, trocas de exoesqueletos enrijecidos que impedem o aumento volumétrico desses animais.
Relação entre carboidratos e metabolismo energético
Para refletir A indústria de papel tem grande interesse no aumento da produção de celulose, uma vez que esse polissacarídeo constitui sua matéria-prima. Para alcançar essa meta, que  estruturas celulares estão sendo intensamente pesquisadas? a) Vacúolo. b) Cloroplasto. c) Parede celular. d) Glicocálix .
Letra C A celulose é o glicídio mais abundante na natureza. Ela e  o amido, correspondem a quase toda a biomassa vegetal. Possui função estrutural na célula vegetal, como um componente  da parede celular .
Para refletir (UFMG) Esta tabela mostra o teor de proteínas, carboidratos e lípides em alguns alimentos, expresso em gramas por 100g de peso seco. ALIMENTO PROTEÍNA CARBOIDRATO LÍPIDE Carne seca 48,0 0 11,0 Farinha de mandioca 1,3 80,8 0,5 Arroz 8,0 76,5 1,4 Toucinho 9,7 0 64,0
Com base nos dados da tabela, assinale a alternativa que contém a dieta mais adequada para um jogador de futebol antes de uma competição. a) Arroz com farinha de mandioca. b) Arroz com toucinho. c) Carne seca com farinha de mandioca. d) Carne seca com toucinho.
Letra A Arroz e farinha são alimentos ricos em amido. O amido é um polissacarídeo formado pela união de vários monossacarídeos  (glicoses). A glicose é rapidamente absorvida pelas células, sendo utilizada como fonte de energia imediata.
Lipídios englobam todas as substâncias gordurosas existentes no reino animal e vegetal  (do grego “lipos” = gordura).  Exemplos comuns são os óleos e as gorduras vegetais e animais, que tem grande importância na alimentação e na constituição das células vivas. Lipídios
Caracterizam-se por serem substâncias untuosas ao tato, por deixarem mancha translúcida no papel (“mancha de gordura”), por serem insolúveis em água e solúveis nos solventes orgânicos, tais como éter, clorofórmio, benzeno e outros Lipídios
Lipídios Complexos ou Compostos Formados de C, H, O e N  podem conter P (fósforo) e S (enxofre); Lipídios
FUNÇÃO DOS LIPÍDIOS Maior reserva corporal de energia    tecidos muscular e subcutâneo Proteção contra traumatismo: 4% Isolamento térmico Carreadores de vitaminas A, D, E e K Depressor da fome saciedade      leptina
Glicerídios São divididos em óleos comestíveis e óleos secativos. Principais: De origem animal : Óleo de peixes: fígados de diversos peixes (bacalhau, tubarão). São ricos em vitamina A e D, e usados como medicamentos; Óleo de capivara: de cor amarela, cheiro e sabor pronunciados e usado como tônico e reconstituinte; Lipídios
Glicerídios De origem vegetal : Óleos comestíveis: algodão, amendoim, babaçu, coco, milho, oliva, soja, dendê, etc. São usados em culinária. Lipídios
Glicerídios GORDURA: São sólidas à temperatura ambiente. Predominam ésteres de glicerol com ácido graxo saturado. As gorduras são sólidos brancos ou levemente amarelados, de origem animal ou vegetal. De origem animal : Sebo: É a gordura branca e consistente que se encontra em volta das vísceras de alguns animais, especialmente do gado bovino e do carneiro adulto. Usado na fabricação de sabões, sabonetes, velas e glicerina; Lipídios
Glicerídios De origem animal : Banha: É obtida pela refinação da gordura dos suínos. É composta, em sua maioria de 62% de oleína e 38% de palmitina e estearina. A oleína é usada como lubrificante; a palmitina é usada para sabonetes e velas; e a estearina na fabricação de sabão, de unguentos e de alguns tipos de manteiga. Manteiga: Consiste principalmente na gordura que existe no leite. Usada na alimentação: como cobertura para o pão; em frituras e como ingrediente de vários alimentos assados. Lipídios
Glicerídios De origem vegetal : Gordura de coco: usada na fabricação de sabonetes e perfumaria em geral. Gordura de cacau: usada na obtenção da manteiga de cacau Lipídios
Cerídios Definição :  As ceras classificam-se em vegetais (ex: cera de carnaúba) e ceras animais (ex: cera de abelhas). Os vegetais, por exemplo, fabricam ceras para revestir suas folhas, evitando assim a evaporação excessiva de água. Os patos e outros pássaros aquáticos, por exemplo, tem suas penas revestidas por gorduras, que assim não se encharcam de água (glândula uropigiana), o que inclusive facilita a flutuação desses animais. Lipídios
Cerídios Ceras Animais: Cera de abelha: constituída por palmitato de melissita C 15 H 31  – C = O  O – CH 2  – C 30 H 61 Ceras Vegetais Cera de carnaúba: constituída por cerotato de melissila C 25 H 51  – C = O O – CH 2  – C 30 H 61 Lipídios
Cerídios Aplicação : Fabricação de velas; Fabricação de sabões; Graxa para sapatos; Ceras para assoalhos; Fabricação de vernizes; Medicamentos. Lipídios
Fosfatídios Ocorrência :  As lecitinas ocorrem principalmente na gema do ovo, no azeite de soja e no cérebro Lipídios
Esteróides No reino animal, os esteróides mais abundantes são os derivados do colesterol C 27 H 46 O, que é um álcool. O colesterol é componente estrutural das membranas celulares e precursor de outros esteróides como, por exemplo, as vitaminas D e os hormônios sexuais testosterona (masculino) e estradiol (feminino). Em nosso organismo, o colesterol é muito importante. Ele é produzido principalmente no fígado, mesmo que nossa alimentação seja pobre em colesterol (um adulto, de peso médio, tem cerca de 250g de colesterol em seu organismo).  Lipídios

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

IV. 1 Formação de novas espécies
IV. 1 Formação de novas espéciesIV. 1 Formação de novas espécies
IV. 1 Formação de novas espécies
Rebeca Vale
 
Células
CélulasCélulas
Células
Cláudia Moura
 
Teoria Celular
Teoria CelularTeoria Celular
Teoria Celular
Tânia Reis
 
Núcleo celular
Núcleo celularNúcleo celular
Núcleo celular
Silvana Sanches
 
I.2 características dos seres vivos
I.2 características dos seres vivosI.2 características dos seres vivos
I.2 características dos seres vivos
Rebeca Vale
 
Introdução a citologia
Introdução a citologiaIntrodução a citologia
Introdução a citologia
emanuel
 
Protozoários
ProtozoáriosProtozoários
Núcleo celular
Núcleo celularNúcleo celular
Núcleo celular
MARCIAMP
 
Ecologia
EcologiaEcologia
Ecologia
Bio Sem Limites
 
Aula relações ecológicas
Aula relações ecológicasAula relações ecológicas
Aula relações ecológicas
Gabriela de Lima
 
Sucessão ecologica
Sucessão ecologicaSucessão ecologica
Sucessão ecologica
Marcia Bantim
 
Desenvolvimento Embrionário!
Desenvolvimento Embrionário!Desenvolvimento Embrionário!
Desenvolvimento Embrionário!
Rosalia Azambuja
 
II. 1 As células
II. 1 As célulasII. 1 As células
II. 1 As células
Rebeca Vale
 
Aula ecologia.
Aula ecologia.Aula ecologia.
Aula ecologia.
Gov. Estado do Paraná
 
Introdução a genetica
Introdução a geneticaIntrodução a genetica
Introdução a genetica
UERGS
 
Répteis
RépteisRépteis
Répteis
Killer Max
 
Reino protista protozoarios
Reino protista protozoariosReino protista protozoarios
Reino protista protozoarios
Iuri Fretta Wiggers
 
Polialelia alelos multiplos - pelagem de coelhos
Polialelia   alelos multiplos - pelagem de coelhosPolialelia   alelos multiplos - pelagem de coelhos
Polialelia alelos multiplos - pelagem de coelhos
Elaine
 
Evidências da evolução
Evidências da evoluçãoEvidências da evolução
Evidências da evolução
Kamila Joyce
 
III.2 Platelmintos e Nematelmintos
III.2 Platelmintos e NematelmintosIII.2 Platelmintos e Nematelmintos
III.2 Platelmintos e Nematelmintos
Rebeca Vale
 

Mais procurados (20)

IV. 1 Formação de novas espécies
IV. 1 Formação de novas espéciesIV. 1 Formação de novas espécies
IV. 1 Formação de novas espécies
 
Células
CélulasCélulas
Células
 
Teoria Celular
Teoria CelularTeoria Celular
Teoria Celular
 
Núcleo celular
Núcleo celularNúcleo celular
Núcleo celular
 
I.2 características dos seres vivos
I.2 características dos seres vivosI.2 características dos seres vivos
I.2 características dos seres vivos
 
Introdução a citologia
Introdução a citologiaIntrodução a citologia
Introdução a citologia
 
Protozoários
ProtozoáriosProtozoários
Protozoários
 
Núcleo celular
Núcleo celularNúcleo celular
Núcleo celular
 
Ecologia
EcologiaEcologia
Ecologia
 
Aula relações ecológicas
Aula relações ecológicasAula relações ecológicas
Aula relações ecológicas
 
Sucessão ecologica
Sucessão ecologicaSucessão ecologica
Sucessão ecologica
 
Desenvolvimento Embrionário!
Desenvolvimento Embrionário!Desenvolvimento Embrionário!
Desenvolvimento Embrionário!
 
II. 1 As células
II. 1 As célulasII. 1 As células
II. 1 As células
 
Aula ecologia.
Aula ecologia.Aula ecologia.
Aula ecologia.
 
Introdução a genetica
Introdução a geneticaIntrodução a genetica
Introdução a genetica
 
Répteis
RépteisRépteis
Répteis
 
Reino protista protozoarios
Reino protista protozoariosReino protista protozoarios
Reino protista protozoarios
 
Polialelia alelos multiplos - pelagem de coelhos
Polialelia   alelos multiplos - pelagem de coelhosPolialelia   alelos multiplos - pelagem de coelhos
Polialelia alelos multiplos - pelagem de coelhos
 
Evidências da evolução
Evidências da evoluçãoEvidências da evolução
Evidências da evolução
 
III.2 Platelmintos e Nematelmintos
III.2 Platelmintos e NematelmintosIII.2 Platelmintos e Nematelmintos
III.2 Platelmintos e Nematelmintos
 

Destaque

áGua e sais minerais
áGua e sais mineraisáGua e sais minerais
áGua e sais minerais
letyap
 
água e sais minerais
água e sais mineraiságua e sais minerais
água e sais minerais
Neuma Matos
 
Bioquímica- Água, sais minerais, carboidratos e lipídios
Bioquímica- Água, sais minerais, carboidratos e lipídiosBioquímica- Água, sais minerais, carboidratos e lipídios
Bioquímica- Água, sais minerais, carboidratos e lipídios
Larissa Garcia
 
Aula água e sais minerais
Aula água e sais mineraisAula água e sais minerais
Aula água e sais minerais
Lucas Roberto
 
1º ano- Aula Sais minerais
1º ano- Aula Sais minerais1º ano- Aula Sais minerais
1º ano- Aula Sais minerais
Aline Tonin
 
áGua e sais minerais (desporto a)
áGua e sais minerais (desporto a)áGua e sais minerais (desporto a)
áGua e sais minerais (desporto a)
isabelalexandrapinto
 
Água e sais minerais
Água e sais mineraisÁgua e sais minerais
Água e sais minerais
Francisco Assis
 
Química celular completo
Química celular completoQuímica celular completo
Química celular completo
Dalu Barreto
 
Composição química dos seres vivos
Composição química dos seres vivosComposição química dos seres vivos
Composição química dos seres vivos
Eldon Clayton
 
Composição química da célula água e sais minerais
Composição química da célula   água e sais mineraisComposição química da célula   água e sais minerais
Composição química da célula água e sais minerais
jorgehenriqueangelim
 
água e sais minerais 1º ano Frederico Hardt
água e sais minerais 1º ano Frederico Hardtágua e sais minerais 1º ano Frederico Hardt
água e sais minerais 1º ano Frederico Hardt
Pericles Emanoel
 
Aula 2 - Compostos Inorgânicos: Água e sais minerais
Aula 2 - Compostos Inorgânicos: Água e sais minerais Aula 2 - Compostos Inorgânicos: Água e sais minerais
Aula 2 - Compostos Inorgânicos: Água e sais minerais
Fernando Mori Miyazawa
 
Composição química da célula
Composição química da célulaComposição química da célula
Composição química da célula
MARCIAMP
 
Bioquímica componentes inorgânicos e orgânicos
Bioquímica   componentes inorgânicos e orgânicosBioquímica   componentes inorgânicos e orgânicos
Bioquímica componentes inorgânicos e orgânicos
carreiralopes
 
Composiçao quimica da celula
Composiçao quimica da celulaComposiçao quimica da celula
Composiçao quimica da celula
Pedro Lopes
 
Aula 3 - Biologia: Composto orgânicos - Carboidratos e Lipídios
Aula 3 - Biologia: Composto orgânicos - Carboidratos e LipídiosAula 3 - Biologia: Composto orgânicos - Carboidratos e Lipídios
Aula 3 - Biologia: Composto orgânicos - Carboidratos e Lipídios
Fernando Mori Miyazawa
 
Aula 1 Componentes químicos da célula
Aula 1  Componentes químicos da célulaAula 1  Componentes químicos da célula
Aula 1 Componentes químicos da célula
Marcelo Cabreira de Góes
 
Componentes químicos da célula
Componentes químicos da célulaComponentes químicos da célula
Componentes químicos da célula
Fatima Comiotto
 
II. 1 Água, sais minerais e vitaminas
II. 1 Água, sais minerais e vitaminasII. 1 Água, sais minerais e vitaminas
II. 1 Água, sais minerais e vitaminas
Rebeca Vale
 
ÁGUA E SAIS MINERAIS
ÁGUA E SAIS MINERAISÁGUA E SAIS MINERAIS
ÁGUA E SAIS MINERAIS
isabelalexandrapinto
 

Destaque (20)

áGua e sais minerais
áGua e sais mineraisáGua e sais minerais
áGua e sais minerais
 
água e sais minerais
água e sais mineraiságua e sais minerais
água e sais minerais
 
Bioquímica- Água, sais minerais, carboidratos e lipídios
Bioquímica- Água, sais minerais, carboidratos e lipídiosBioquímica- Água, sais minerais, carboidratos e lipídios
Bioquímica- Água, sais minerais, carboidratos e lipídios
 
Aula água e sais minerais
Aula água e sais mineraisAula água e sais minerais
Aula água e sais minerais
 
1º ano- Aula Sais minerais
1º ano- Aula Sais minerais1º ano- Aula Sais minerais
1º ano- Aula Sais minerais
 
áGua e sais minerais (desporto a)
áGua e sais minerais (desporto a)áGua e sais minerais (desporto a)
áGua e sais minerais (desporto a)
 
Água e sais minerais
Água e sais mineraisÁgua e sais minerais
Água e sais minerais
 
Química celular completo
Química celular completoQuímica celular completo
Química celular completo
 
Composição química dos seres vivos
Composição química dos seres vivosComposição química dos seres vivos
Composição química dos seres vivos
 
Composição química da célula água e sais minerais
Composição química da célula   água e sais mineraisComposição química da célula   água e sais minerais
Composição química da célula água e sais minerais
 
água e sais minerais 1º ano Frederico Hardt
água e sais minerais 1º ano Frederico Hardtágua e sais minerais 1º ano Frederico Hardt
água e sais minerais 1º ano Frederico Hardt
 
Aula 2 - Compostos Inorgânicos: Água e sais minerais
Aula 2 - Compostos Inorgânicos: Água e sais minerais Aula 2 - Compostos Inorgânicos: Água e sais minerais
Aula 2 - Compostos Inorgânicos: Água e sais minerais
 
Composição química da célula
Composição química da célulaComposição química da célula
Composição química da célula
 
Bioquímica componentes inorgânicos e orgânicos
Bioquímica   componentes inorgânicos e orgânicosBioquímica   componentes inorgânicos e orgânicos
Bioquímica componentes inorgânicos e orgânicos
 
Composiçao quimica da celula
Composiçao quimica da celulaComposiçao quimica da celula
Composiçao quimica da celula
 
Aula 3 - Biologia: Composto orgânicos - Carboidratos e Lipídios
Aula 3 - Biologia: Composto orgânicos - Carboidratos e LipídiosAula 3 - Biologia: Composto orgânicos - Carboidratos e Lipídios
Aula 3 - Biologia: Composto orgânicos - Carboidratos e Lipídios
 
Aula 1 Componentes químicos da célula
Aula 1  Componentes químicos da célulaAula 1  Componentes químicos da célula
Aula 1 Componentes químicos da célula
 
Componentes químicos da célula
Componentes químicos da célulaComponentes químicos da célula
Componentes químicos da célula
 
II. 1 Água, sais minerais e vitaminas
II. 1 Água, sais minerais e vitaminasII. 1 Água, sais minerais e vitaminas
II. 1 Água, sais minerais e vitaminas
 
ÁGUA E SAIS MINERAIS
ÁGUA E SAIS MINERAISÁGUA E SAIS MINERAIS
ÁGUA E SAIS MINERAIS
 

Semelhante a A química da célula - Agua e sais minerais

Carboidratos. lipídios
Carboidratos. lipídiosCarboidratos. lipídios
Carboidratos. lipídios
Jesrayne Nascimento
 
3ª Aula de Biologia
3ª Aula de Biologia3ª Aula de Biologia
3ª Aula de Biologia
preuniversitarioitab
 
Carboidratos e Lipídios
Carboidratos e LipídiosCarboidratos e Lipídios
Carboidratos e Lipídios
acessoriaem21ma
 
Carboidratos shared
Carboidratos sharedCarboidratos shared
Carboidratos shared
Erica Alves
 
aula de bioquímica bioquímica dos carboidratos.ppt
aula de bioquímica bioquímica dos carboidratos.pptaula de bioquímica bioquímica dos carboidratos.ppt
aula de bioquímica bioquímica dos carboidratos.ppt
ssuser2b53fe
 
Carboidratos
CarboidratosCarboidratos
Carboidratos
Iuri Fretta Wiggers
 
Apostila de Biologia
Apostila de BiologiaApostila de Biologia
Apostila de Biologia
Maurício Vieira
 
Pdf biologia
Pdf biologiaPdf biologia
Pdf biologia
EMSNEWS
 
A quimica dos seres vivos
A quimica dos seres vivosA quimica dos seres vivos
A quimica dos seres vivos
Alexandre Pusaudse
 
3ª aula - bioquimica celular
3ª aula - bioquimica celular3ª aula - bioquimica celular
3ª aula - bioquimica celular
preuniversitarioitab
 
2lipídeos carbohidratos
2lipídeos carbohidratos2lipídeos carbohidratos
2lipídeos carbohidratos
Samuel Araújo
 
Proteínas funções.
Proteínas        funções.Proteínas        funções.
Proteínas funções.
Ajudar Pessoas
 
BIOQUIMIA - Introdução.pptxppppppppppppppp
BIOQUIMIA - Introdução.pptxpppppppppppppppBIOQUIMIA - Introdução.pptxppppppppppppppp
BIOQUIMIA - Introdução.pptxppppppppppppppp
VictorGomes173122
 
Aula sobre os Carboidratos nas Plantasss
Aula sobre os Carboidratos nas PlantasssAula sobre os Carboidratos nas Plantasss
Aula sobre os Carboidratos nas Plantasss
JeanMarcelo21
 
Quimica da vida
Quimica da vida   Quimica da vida
Quimica da vida
Marina Machado
 
Biologia aula 02 carboidratos
Biologia aula 02   carboidratosBiologia aula 02   carboidratos
Biologia aula 02 carboidratos
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Bioquimica celular rodrigo
Bioquimica celular rodrigoBioquimica celular rodrigo
Bioquimica celular rodrigo
rnogueira
 
BIOQUÍMICA - UND 2
BIOQUÍMICA - UND 2BIOQUÍMICA - UND 2
BIOQUÍMICA - UND 2
DadBio
 
AULA 1 - A COMPOSIÇÃO QUÍMICA DOS SERES VIVOS.ppt
AULA 1 - A COMPOSIÇÃO QUÍMICA DOS SERES VIVOS.pptAULA 1 - A COMPOSIÇÃO QUÍMICA DOS SERES VIVOS.ppt
AULA 1 - A COMPOSIÇÃO QUÍMICA DOS SERES VIVOS.ppt
MinBrenda
 
Aula 2 - Nutrientes .pdf
Aula 2 - Nutrientes                               .pdfAula 2 - Nutrientes                               .pdf
Aula 2 - Nutrientes .pdf
viviannelima016
 

Semelhante a A química da célula - Agua e sais minerais (20)

Carboidratos. lipídios
Carboidratos. lipídiosCarboidratos. lipídios
Carboidratos. lipídios
 
3ª Aula de Biologia
3ª Aula de Biologia3ª Aula de Biologia
3ª Aula de Biologia
 
Carboidratos e Lipídios
Carboidratos e LipídiosCarboidratos e Lipídios
Carboidratos e Lipídios
 
Carboidratos shared
Carboidratos sharedCarboidratos shared
Carboidratos shared
 
aula de bioquímica bioquímica dos carboidratos.ppt
aula de bioquímica bioquímica dos carboidratos.pptaula de bioquímica bioquímica dos carboidratos.ppt
aula de bioquímica bioquímica dos carboidratos.ppt
 
Carboidratos
CarboidratosCarboidratos
Carboidratos
 
Apostila de Biologia
Apostila de BiologiaApostila de Biologia
Apostila de Biologia
 
Pdf biologia
Pdf biologiaPdf biologia
Pdf biologia
 
A quimica dos seres vivos
A quimica dos seres vivosA quimica dos seres vivos
A quimica dos seres vivos
 
3ª aula - bioquimica celular
3ª aula - bioquimica celular3ª aula - bioquimica celular
3ª aula - bioquimica celular
 
2lipídeos carbohidratos
2lipídeos carbohidratos2lipídeos carbohidratos
2lipídeos carbohidratos
 
Proteínas funções.
Proteínas        funções.Proteínas        funções.
Proteínas funções.
 
BIOQUIMIA - Introdução.pptxppppppppppppppp
BIOQUIMIA - Introdução.pptxpppppppppppppppBIOQUIMIA - Introdução.pptxppppppppppppppp
BIOQUIMIA - Introdução.pptxppppppppppppppp
 
Aula sobre os Carboidratos nas Plantasss
Aula sobre os Carboidratos nas PlantasssAula sobre os Carboidratos nas Plantasss
Aula sobre os Carboidratos nas Plantasss
 
Quimica da vida
Quimica da vida   Quimica da vida
Quimica da vida
 
Biologia aula 02 carboidratos
Biologia aula 02   carboidratosBiologia aula 02   carboidratos
Biologia aula 02 carboidratos
 
Bioquimica celular rodrigo
Bioquimica celular rodrigoBioquimica celular rodrigo
Bioquimica celular rodrigo
 
BIOQUÍMICA - UND 2
BIOQUÍMICA - UND 2BIOQUÍMICA - UND 2
BIOQUÍMICA - UND 2
 
AULA 1 - A COMPOSIÇÃO QUÍMICA DOS SERES VIVOS.ppt
AULA 1 - A COMPOSIÇÃO QUÍMICA DOS SERES VIVOS.pptAULA 1 - A COMPOSIÇÃO QUÍMICA DOS SERES VIVOS.ppt
AULA 1 - A COMPOSIÇÃO QUÍMICA DOS SERES VIVOS.ppt
 
Aula 2 - Nutrientes .pdf
Aula 2 - Nutrientes                               .pdfAula 2 - Nutrientes                               .pdf
Aula 2 - Nutrientes .pdf
 

Último

Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
Guerra e Paz Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Guerra e Paz Maria Inês Aroeira Braga.ppsxGuerra e Paz Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Guerra e Paz Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
shirleisousa9166
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
Relatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdfPERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
EsterGabriiela1
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
jetroescola
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 

Último (20)

Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
Guerra e Paz Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Guerra e Paz Maria Inês Aroeira Braga.ppsxGuerra e Paz Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Guerra e Paz Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
Relatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdf
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdfPERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 

A química da célula - Agua e sais minerais

  • 1. A química da célula
  • 2. Composição química da célula Compostos inorgânicos Compostos orgânicos Água Sais minerais Proteínas Carboidratos (ptn) Lipídios Ácidos nucléicos Vitaminas (carbono) (DNA e RNA)
  • 3. Carboidratos Classificação Monossacarídeo Oligossacarídeo Polissacarídeo
  • 4.     Os hidratos de carbono fazem parte de um grupo de macronutrientes que se constitui na mais significativa fonte de energia obtida por meio da alimentação. Os carboidratos são as biomoléculas mais abundantes na natureza. Os carboidratos são também chamados de hidratos de carbono, oses ou simplesmente açúcares.
  • 5. Para a maioria dos carboidratos, a fórmula geral é: C n H 2n O n , daí o nome "carboidrato", ou "hidratos de carbono“. Funções Fonte de energia imediata     Reserva de energia      Estrutural     
  • 6. Fonte de Energia : uma das principais funções dos carboidratos é fornecer energia para o desenvolvimento e manutenção das funções celulares. Glicogênio – carboidrato de reserva dos animais; Amido - carboidrato de reserva dos vegetais.
  • 7. Observação Reserva de energia: um nível adequado de carboidratos na dieta impede que ocorra uma degradação das proteínas para geração de energia.
  • 8. Estrutural: a função plástica dos hidratos de carbono é representada pela constituição da ribose e da desoxirribose na estrutura do D NA e R NA. Celulose – parede celular dos vegetais.
  • 9. Classificação 1)monossacarídeos (com um açúcar por molécula),é um açúcar mais simples 2) dissacarídeos (com dois açúcares por molécula), é obtido pela soma de dois monossacarídeo e perda de uma molécula de água. 3) polissacarídeos (com inúmeros açúcares por molécula), obtido pela soma de vários monossacarídeos e perda de moléculas de água.
  • 10. Monossacarídeos A classificação dos monossacarídeos é baseada no nº de carbonos de suas moléculas; assim sendo, as TRIOSES, TETROSES, PENTOSES, HEXOSES, HEPTOSES , etc. Destes, os mais importantes são as Pentoses e as Hexoses. As pentoses mais importantes são:       Ribose, Desoxirribose, Arabinose, Xilose As hexoses mais importantes são: Glicose, Galactose, Frutose
  • 11. Monossacarídeos C N (H 2 O) N Pentoses Ribose Desoxirribose Hexoses Glicose Frutose Galactose
  • 12. Pentoses C 5 (H 2 O) 5
  • 13. Hexoses C 6 (H 2 O) 6
  • 14. Oligossacarídeos Açúcares formados pela união de dois até dez monossacarídeos
  • 15. Dissacarídeos Os dissacarídeos ou açúcares duplos são formados pela combinação de duas moléculas de monossacarídeos. Os principais são: sacarose, lactose e maltose. * Sacarose : glicose + frutose, obtida da cana-de-açúcar. * Lactose : glicose + galactose é o principal carboidrato do leite. * Maltose :  Formado por duas moléculas de glicose, estão presente no malte (maltose) e são subproduto da digestão do amido e glicogênio (iso-maltose).
  • 16. Polissacarídeos Polissacarídeos são macromoléculas formadas pela união de vários monossacarídeos. Ao contrário da glicose, os polissacarídeos dela derivados não possuem sabor doce, nem são solúveis em água.
  • 17. Polissacarídeos mais comuns Amido Glicogênio Celulose Quitina Heparina
  • 18. Amido Polímero de glicose (+ de 1400 moléculas de glicose). Produzido nas folhas através da fotossíntese. Armazenado em frutos, sementes, caules e raízes. Constitui de 50% a 65% do peso das sementes de cereais secos, e até 80% da substância seca dos tubérculos. Reserva energética vegetal. Detectado pelo corante à base de iodo denominado Lugol.
  • 19. Amido
  • 20. Glicogênio Formado por cerca de 30.000 moléculas de glicose. Polissacarídeo de reserva energética animal e de fungos. Em animais é encontrado principalmente no fígado e nos músculos.
  • 21. Glicogênio Hepático A função do glicogênio hepático é a manutenção da glicemia entre as refeições, ou seja, é uma reserva de glicose que pode ser exportada para outros órgãos (como o cérebro, cuja energia é exclusivamente derivada da glicose,) quando necessário.
  • 22. Celulose Formada por 4.000 moléculas de glicose Reforço esquelético de vegetais Digerida por microrganismos Não é digerida pelo organismo humano. Constitui as fibras vegetais de nossa dieta.
  • 23.  
  • 24.  
  • 25.  
  • 26.  
  • 27.  
  • 30.  
  • 31. GNUS
  • 32.  
  • 35.  
  • 36. N Ã O N Ã O
  • 37. Quitina Polissacarídeo que apresenta nitrogênio em sua composição. É encontrado no exoesqueleto de artrópodes , nas cerdas dos anelídeos poliquetas, na rádula de certos moluscos e parede celular de fungos.
  • 38. A quitina é responsável pelo crescimento descontínuo dos artrópodos, com paradas, para a ocorrência de ecdises ou mudas, trocas de exoesqueletos enrijecidos que impedem o aumento volumétrico desses animais.
  • 39. Relação entre carboidratos e metabolismo energético
  • 40. Para refletir A indústria de papel tem grande interesse no aumento da produção de celulose, uma vez que esse polissacarídeo constitui sua matéria-prima. Para alcançar essa meta, que estruturas celulares estão sendo intensamente pesquisadas? a) Vacúolo. b) Cloroplasto. c) Parede celular. d) Glicocálix .
  • 41. Letra C A celulose é o glicídio mais abundante na natureza. Ela e o amido, correspondem a quase toda a biomassa vegetal. Possui função estrutural na célula vegetal, como um componente da parede celular .
  • 42. Para refletir (UFMG) Esta tabela mostra o teor de proteínas, carboidratos e lípides em alguns alimentos, expresso em gramas por 100g de peso seco. ALIMENTO PROTEÍNA CARBOIDRATO LÍPIDE Carne seca 48,0 0 11,0 Farinha de mandioca 1,3 80,8 0,5 Arroz 8,0 76,5 1,4 Toucinho 9,7 0 64,0
  • 43. Com base nos dados da tabela, assinale a alternativa que contém a dieta mais adequada para um jogador de futebol antes de uma competição. a) Arroz com farinha de mandioca. b) Arroz com toucinho. c) Carne seca com farinha de mandioca. d) Carne seca com toucinho.
  • 44. Letra A Arroz e farinha são alimentos ricos em amido. O amido é um polissacarídeo formado pela união de vários monossacarídeos (glicoses). A glicose é rapidamente absorvida pelas células, sendo utilizada como fonte de energia imediata.
  • 45. Lipídios englobam todas as substâncias gordurosas existentes no reino animal e vegetal (do grego “lipos” = gordura). Exemplos comuns são os óleos e as gorduras vegetais e animais, que tem grande importância na alimentação e na constituição das células vivas. Lipídios
  • 46. Caracterizam-se por serem substâncias untuosas ao tato, por deixarem mancha translúcida no papel (“mancha de gordura”), por serem insolúveis em água e solúveis nos solventes orgânicos, tais como éter, clorofórmio, benzeno e outros Lipídios
  • 47. Lipídios Complexos ou Compostos Formados de C, H, O e N podem conter P (fósforo) e S (enxofre); Lipídios
  • 48. FUNÇÃO DOS LIPÍDIOS Maior reserva corporal de energia  tecidos muscular e subcutâneo Proteção contra traumatismo: 4% Isolamento térmico Carreadores de vitaminas A, D, E e K Depressor da fome saciedade  leptina
  • 49. Glicerídios São divididos em óleos comestíveis e óleos secativos. Principais: De origem animal : Óleo de peixes: fígados de diversos peixes (bacalhau, tubarão). São ricos em vitamina A e D, e usados como medicamentos; Óleo de capivara: de cor amarela, cheiro e sabor pronunciados e usado como tônico e reconstituinte; Lipídios
  • 50. Glicerídios De origem vegetal : Óleos comestíveis: algodão, amendoim, babaçu, coco, milho, oliva, soja, dendê, etc. São usados em culinária. Lipídios
  • 51. Glicerídios GORDURA: São sólidas à temperatura ambiente. Predominam ésteres de glicerol com ácido graxo saturado. As gorduras são sólidos brancos ou levemente amarelados, de origem animal ou vegetal. De origem animal : Sebo: É a gordura branca e consistente que se encontra em volta das vísceras de alguns animais, especialmente do gado bovino e do carneiro adulto. Usado na fabricação de sabões, sabonetes, velas e glicerina; Lipídios
  • 52. Glicerídios De origem animal : Banha: É obtida pela refinação da gordura dos suínos. É composta, em sua maioria de 62% de oleína e 38% de palmitina e estearina. A oleína é usada como lubrificante; a palmitina é usada para sabonetes e velas; e a estearina na fabricação de sabão, de unguentos e de alguns tipos de manteiga. Manteiga: Consiste principalmente na gordura que existe no leite. Usada na alimentação: como cobertura para o pão; em frituras e como ingrediente de vários alimentos assados. Lipídios
  • 53. Glicerídios De origem vegetal : Gordura de coco: usada na fabricação de sabonetes e perfumaria em geral. Gordura de cacau: usada na obtenção da manteiga de cacau Lipídios
  • 54. Cerídios Definição : As ceras classificam-se em vegetais (ex: cera de carnaúba) e ceras animais (ex: cera de abelhas). Os vegetais, por exemplo, fabricam ceras para revestir suas folhas, evitando assim a evaporação excessiva de água. Os patos e outros pássaros aquáticos, por exemplo, tem suas penas revestidas por gorduras, que assim não se encharcam de água (glândula uropigiana), o que inclusive facilita a flutuação desses animais. Lipídios
  • 55. Cerídios Ceras Animais: Cera de abelha: constituída por palmitato de melissita C 15 H 31 – C = O O – CH 2 – C 30 H 61 Ceras Vegetais Cera de carnaúba: constituída por cerotato de melissila C 25 H 51 – C = O O – CH 2 – C 30 H 61 Lipídios
  • 56. Cerídios Aplicação : Fabricação de velas; Fabricação de sabões; Graxa para sapatos; Ceras para assoalhos; Fabricação de vernizes; Medicamentos. Lipídios
  • 57. Fosfatídios Ocorrência : As lecitinas ocorrem principalmente na gema do ovo, no azeite de soja e no cérebro Lipídios
  • 58. Esteróides No reino animal, os esteróides mais abundantes são os derivados do colesterol C 27 H 46 O, que é um álcool. O colesterol é componente estrutural das membranas celulares e precursor de outros esteróides como, por exemplo, as vitaminas D e os hormônios sexuais testosterona (masculino) e estradiol (feminino). Em nosso organismo, o colesterol é muito importante. Ele é produzido principalmente no fígado, mesmo que nossa alimentação seja pobre em colesterol (um adulto, de peso médio, tem cerca de 250g de colesterol em seu organismo). Lipídios