SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 57
BIOQUÍMICA


        Profº Marcos Lopes
     biolopes.blogspot.com
 profbiolopes@hotmail.com
COMPONENTES
QUÍMICOS DA CÉLULA
    TODA CÉLULA É COMPOSTA POR
SUBSTÂNCIAS DIVERSAS DENOMINADAS
 COMPONENTES QUÍMICOS QUE PODEM
   SER DIVIDIDOS EM DOIS GRUPOS:
     INORGÂNICOS E ORGÂNICOS.
COMPONENTES
CELULARES
 INORGÂNICOS          ORGÂNICOS
1.   ÁGUA            1.   CARBOIDRATOS
2.   SAIS MINERAIS   2.   LIPÍDIOS
                     3.   PROTEÍNAS
                     4.   VITAMINAS
                     5.   ÁCIDOS
                          NUCLEICOS
1. ÁGUA
    COMPONENTE INORGÂNICO
    SOLVENTE DE LÍQUIDOS CORPÓREOS
    TRANSPORTE DE ÍONS E MOLÉCULAS
    AJUDA NA REGULAÇÃO TÉRMICA,
     HOMEOTERMIA (CONTROLE DA TEMPERATURA
     CORPÓREA)
    “MATÉRIA PRIMA” PARA REALIZAÇÃO DA
     FOTOSSÍNTESE
    LUBRIFICANTE NAS ARTICULAÇÕES ÓSSEAS
    PRESENTE NAS REAÇÕES DE HIDRÓLISE
     (REAÇÃO QUÍMICA ENVOLVENDO MOLÉCULAS DE
     ÁGUA)
TAXA DE ÁGUA NOS SERES
VIVOS VARIA DE ACORDO COM:

 IDADE – QUANTO MAIS JOVEM MAIOR É A TAXA DE
  ÁGUA.
 ESPÉCIE – HÁ ESPÉCIES COM MAIOR PORCENTAGEM
  DE ÁGUA (EX. ÁGUAS-VIVAS).
 MANUTENÇÃO DA HOMEOTERMIA -
  TRANSPIRAÇÃO EM ANIMAIS HOMEOTÉRMICOS.
 HIDRATAÇÃO – UM CORPO BEM HIDRATADO CONTÉM
  MAIOR PORCENTAGEM DE ÁGUA.
 ATIVIDADE METABÓLICA – QUANTO MAIOR A
  ATIVIDADE METABÓLICA DE UM TECIDO MAIOR É A SUA
  TAXA DE ÁGUA.
2. SAIS MINERAIS

  COMPONENTES INORGÂNICOS
  REGULAM MUITAS FUNÇÕES NO
   ORGANISMO
  SÃO ENCONTRADOS EM DUAS
   FORMAS:
   INSOLÚVEIS: FORMANDO O ESQUELETO
   SOLÚVEL: DISSOLVIDOS NA ÁGUA EM
    FORMA DE ÍONS
SAIS MINERAIS             PAPEIS BIOLÓGICOS
                       Rigidez dos ossos, fortalecimento dos
SAIS DE CÁLCIO Ca2+
                       dentes, coagulação do sangue e
                       contração muscular.
                       Constituinte da hemoglobina que
SAIS DE FERRO Fe  2+
                       realiza transporte de O2.

SAIS FÓSFORO PO43-     Constituem o esqueleto, moléculas
                       de ATPs e ácido nucleico.

SAIS DE IODO I-        Constitui os hormônios da tireóide que
                       controla o metabolismo do corpo.
SAIS DE POTÁSSIO K+    Regulação osmótica nas células e
SAIS DE SÓDIO Na+      condução dos impulsos nervosos.
CLORO   Cl-            Regulação osmótica nas células.


FLÚOR   F-
                       Atua nos esmaltes dos dentes.
PROBLEMAS DE SAÚDE CAUSADOS
PELA FALTA DE COMPONENTES
INORGÂNICOS:

     DESIDRATAÇÃO (falta de água)
     OSTEOPOROSE (falta de cálcio)
     ANEMIA (falta de ferro)
     BÓCIO ENDÊMICO (falta de iodo)
     CÁRIE (falta de flúor)
3.
CARBOIDRATOS
3. CARBOIDRATOS

  COMPONENTE ORGÂNICO
  CONHECIDOS COMO HIDRATOS DE
   CARBONO, AÇÚCARES, SACARÍDEOS
   OU GLICÍDIOS
  NA MOLÉCULA EXISTE SEMPRE UM
   GRUPO ALDEÍDO OU UM CETONA
Por essa razão os
carboidratos são
definidos:
  Poli-hidroxialdeídos  Poli-hidroxicetonas




                                FRUTOSE
4. LIPÍDIOS
4. LIPÍDIOS
  COMPONENTE ORGÂNICO
  CONHECIDOS COMO GORDURAS E
   ÓLEOS
  INSOLÚVEIS EM ÁGUA
  SOLÚVEIS EM SOLVENTES
   ORGÂNICOS COMO BENZINA, ÉTER
   E ÁLCOOL
  SÃO DIVIDIDOS EM TRÊS GRUPOS:
GLICERÍDEOS
  (gorduras e óleos)
 SÃO ÉSTERES FORMADOS PELA
  JUNÇÃO DE ÁCIDO GRAXO E
  GLICEROL (ÁLCOOL)
 PAPEL BIOLÓGICO:
  GORDURA: RESERVA ENERGÉTICA
   ANIMAL, ISOLANTE TÉRMICO,
   DIMINUEM IMPACTOS MECÂNICOS.
  ÓLEOS: RESERVA ENERGÉTICA DAS
   SEMENTES.
CERÍDEOS
    (CERA VEGETAL E
        ANIMAL)
 ÉSTERES FORMADOS POR ÁCIDOS
  GRAXOS E ÁLCOOIS (CADEIA MAIS
  LONGA QUE O GLICEROL)
 PAPEIS BIOLÓGICOS
   FORMAM A SUPERFÍCIE DAS FOLHAS E
    FRUTOS IMPERMEABILIZANDO-OS
   CERA DAS ABELHAS ENCONTRADAS NO FAVO
    QUE PROTEGE A COLMÉIA DA ENTRADA E
    SAÍDA DE ÁGUA E DA ENTRADA DE INSETOS
ESTEROIDES
    (COLESTEROL)
 FORMADOS POR ÁLCOOIS
  POLICÍCLICOS DE CADEIA FECHADA,
  DENOMINADOS ESTERÓIS
 PAPEIS BIOLÓGICOS
  ATUA COMO SUBSTÂNCIA
   PRECURSORA DOS HORMÔNIOS
   TESTOSTERONA E PROGESTERONA
  PARTICIPA DA COMPOSIÇÃO QUÍMICA
   DA MEMBRANA PLASMÁTICA
5. PROTEÍNAS
5. PROTEÍNAS

 COMPONENTES ORGÂNICOS
  CONSTITUÍDOS POR MOLÉCULAS
  MENORES DENOMINADAS
  AMINOÁCIDOS
 CONHECIDOS COMO CARNES
  (MÚSCULOS) E ENZIMAS
 SÃO ENCONTRADAS EM CARNES,
  LEITE E SEUS DERIVADOS E GRÃOS
FÓRMULA
  ESTRUTURAL DE UM
     AMINOÁCIDO

GRUPO           RADICAL
AMINA           ÁCIDO
TIPOS DE
AMINOÁCIDOS
LIGAÇÃO PEPTÍDICA
  (LIGAÇÃO ENTRE
   AMINOÁCIDOS)
DICA:

 POLÍMEROS SÃO
  MACROMOLÉCULAS FORMADAS
  PELA UNIÃO DE MONÔMEROS
 COMO POR EXEMPLO TEMOS A
  PROTEÍNA HEMOGLOBINA QUE É UM
  (POLÍMERO) FORMADO POR 574
  AMINOÁCIDOS (MONÔMEROS)
ESTRUTURAS
     DAS
  PROTEÍNAS
1ª - forma linear (sequência de
aminoácidos)
2ª - forma helicoidal (colágeno)
3ª - forma helicoidal dobrada
sobre si mesma conferindo um
aspecto arredondado
(hemoglobina)
4ª - formada pelo conjunto de
proteinas terciárias (enzimas)
PAPEL BIOLÓGICO
  DAS PROTEÍNAS
 FUNÇÃO ESTRUTURAL:

   COLÁGENO (Com alta resistência é encontrada
    na pele, cartilagens, ossos e tendões)
   ACTINA E MIOSINA (Permite a contração
    muscular)
   QUERATINA (Impermeabiliza a pele)
   ALBUMINA (Regulação osmótica do sangue)
   FIBRINOGÊNIO (Relacionada ao mecanismo de
    coagulação sanguínea)
PAPEL BIOLÓGICO
  DAS PROTEÍNAS
 FUNÇÃO HORMONAL:
  ALGUNS HORMÔNIOS DO ORGANISMO
   TÊM ORIGEM PROTEICA COMO A
   INSULINA

 FUNÇÃO NUTRITIVA:
  AS PROTEÍNAS SÃO USADAS COMO
   FONTES DE AMINOÁCIOS QUE PODEM
   SER OXIDADOS FORNECENDO ENERGIA
PAPEL BIOLÓGICO
  DAS PROTEÍNAS
 FUNÇÃO ENZIMÁTICA:
   ENZIMAS SÃO PROTEÍNAS QUE ATUAM COMO
    MOLÉCULAS REGULADORAS DAS REAÇÕES
    BIOLÓGICAS, COMO AS LIPASES.


 FUNÇÃO DE DEFESA:
   PROTEÍNAS CHAMADAS ANTICORPOS TÊM A
    FUNÇÃO DE IDENTIFICAR ANTÍGENOS
    (INVASORES) NEUTRALIZANDO SEUS EFEITOS
ENZIMAS
       (PROTEÍNAS
        ESPECIAIS)
 CONHECIDAS COMO CATALIZADORES
  BIOLÓGICOS OU BIOCATALIZADORES,
   AS ENZIMAS, DIMINUEM A ENERGIA DE
  ATIVAÇÃO DAS REAÇÕES BIOLÓGICAS,
  PERMITINDO QUE ELAS OCORRAM DE
  MANEIRA RÁPIDA E EM NÍVEIS DE
  TEMPERATURAS COMPATÍVEIS COM A
  VIDA
 SEM ELAS, AS REAÇÕES BIOLÓGICAS
  OCORRERIAM DE FORMA MUITO LENTA,
  IMPOSSIBILITANDO MECANISMOS
  COMPLEXOS
COMO TRABALHA
    UMA ENZIMA?
(MODELO CHAVE-FECHADURA E AJUSTE
            INDUZIDO)
FATORES QUE
   INFLUENCIAM A
ATIVIDADE ENZIMÁTICA




   O pH pode desnaturar enzimas
FATORES QUE
    INFLUENCIAM A
 ATIVIDADE ENZIMÁTICA




A TEMPERATURA PODE   O EXCESSO DE SUBSTRATO
DESNATURAR ENZIMAS    FREIA A VELOCIDADE DAS
                       REAÇÕES ENZIMÁTICAS
ANTICORPOS
(PROTEÍNAS DE DEFESA)
 SOROS             VACINAS

  POSSUEM            INDUZEM O CORPO
   ANTICORPOS          A PRODUZIR
   PRONTO              ANTICORPOS

  SERVEM PARA A      SERVEM PARA
   CURA                PREVENIR
COMO FUNCIONAM AS
    VACINAS?
IMUNIZAÇÃO
 Imunidade Ativa Natural: resposta a
  uma doença (ex. sarampo)
 Imunidade Ativa Artificial:
  vacinoprofilaxia
 Imunidade Passiva Natural:
  aleitamento (anticorpos naturais)
 Imunidade Passiva Artificial:
  soroterapia
6. VITAMINAS
 COMPONENTES ORGÂNICOS
 CONHECIDAS COMO REGULADORES
  INDISPENSÁVEIS A MANUTENÇÃO
  BIOLÓGICA
 PODEM ATUAR COMO COENZIMAS
  ATIVANDO ENZIMAS VERDADEIRAS
 NÃO TÊM FUNÇÃO ESTRUTURAL OU
  ENERGÉTICA
 SÃO BOAS EM PEQUENAS DOSES
 SEU PAPEL BIOLÓGICO É ESPECÍFICO
TIPOS DE VITAMINAS
 LIPOSSOLÚVEIS    HIDROSSOLÚVEIS

   VITAMINA A       VITAMINA C

   VITAMINA D       VITAMINAS DO
                      COMPLEXO B
   VITAMINA E            B1, B2, B3 (PP), B12
                          BIOTINA
                          ÁCIDO FÓLICO
   VITAMINA K
                          PIRIDOXINA
                          ÁCIDO PANTOTÊNICO
VITAMINA A
 CONHECIDA COMO AXEROFTOL OU
  RETINOL OU ANTIXEROFTÁLMICA

 SUA CARÊNCIA CAUSA CEGUEIRA
  NOTURNA (XEROFTALMIA)

 FONTES:
   LEITE E SEUS DERIVADOS, OVOS, FÍGADO,
    CENOURA, COUVE, MAMÃO E LARANJA
VITAMINA D
 CONHECIDA COMO CALCIFEROL OU
  ANTIRRAQUÍTICA

 SUA CARÊNCIA CAUSA RAQUITISMO

 FONTE:
   ORIGEM VEGETAL (ERGOCALCIFEROL OU D2)
     ABACATE E GERME DE TRIGO
   ORIGEM ANIMAL (CALECALCIFEROL OU D3)
     ÓLEO DE FÍGADO DE BACALHAU, LEITE E
      DERIVADOS, GEMA DE OVO E FÍGADO BOVINO
VITAMINA E
 CONHECIDA COMO TOCOFEROL OU
  ANTIESTÉRIL

 SUA CARÊNCIA CAUSA ESTERILIDADE

 FONTES:
   VERDURAS EM GERAL, GRÃO, LEITE E
    DERIVADOS E OVOS
VITAMINA K
 CONHECIDA COMO FILOQUINONA OU
  ANTI-HEMORRÁGICA

 SUA CARÊNCIA CAUSA FALTA DE
  COAGULAÇÃO SANGUÍNEA

 FONTES:
   FÍGADO, FOLHAS VEGETAIS COMO O ALFACE,
    COUVE, REPOLHO E ACELGA.
VITAMINA C
 CONHECIDA COMO ÁCIDO ASCÓRBICO
  OU ANTIESCORBÚTICA

 SUA CARÊNCIA CAUSA ESCORBUTO

 FONTES:
   FRUTAS CÍTRICAS, BATATA, RABANETE,
    ALFACE, REPOLHO, PIMENTÃO E ESPINAFRE
VITAMINA B 1
 CONHECIDA COMO TIAMINA OU
  ANTIBERIBÉRICA

 SUA CARÊNCIA CAUSA BERIBÉRI
   POLINEURITE E ANOREXIA

 FONTES:
   LEVEDURAS DE CERVEJA, FÍGADO, OVOS,
    TRIGO E ARROZ INTEGRAL, FEIJÃO, SOJA,
    PEIXES, NOZES, LEITE E DERIVADOS
VITAMINA B 2
 CONHECIDA COMO LACTOFLAVINA OU
  RIBOFLAVINA
 ATUA COMO COENZIMA NA RESPIRAÇÃO
  CELULAR
 SUA CARÊNCIA CAUSA IRRITAÇÃO NOS
  LÁBIOS E MUCOSA BUCAL, INFLAMAÇÃO
  NA LÍNGUA E IRRITAÇÕES DIGESTÓRIAS
 FONTES:
   LEVEDURA DE CERVEJA, FIGADO, OVOS,
    AMENDOIM, COUVE, VAGEM, ESPINAFRE
VITAMINA B 3 ou PP
 CONHECIDA COMO NIACINA OU
  ÁCIDO NICOTÍNICO OU
  NICOTINAMIDA
 SUA CARÊNCIA CAUSA PELAGRA
  (DERMATITE – PELE GROSSA)
 FONTES:
  LEITE, FÍGADO E CARNES EM GERAL,
   OVOS, CEREAIS INTEGRAIS, FEIJÃO E
   FOLHAS
VITAMINA B 12
 CONHECIDA COMO CIANOCOBALAMINA
 SUA CARÊNCIA CAUSA ANEMIA
  PERNICIOSA (QUANDO OS GLÓBULOS
  VERMELHOS IMATUROS SÃO LANÇADOS
  NO SANGUE

 FONTES:
   LEITE E DERIVADOS, PEIXES E OSTRAS,
    CARNES E LEVEDURAS
ÁCIDO FÓLICO
 NÃO POSSUI SIMBOLOGIA

 SUA CARÊNCIA CAUSA MÁ FORMAÇÃO
  DO TUBO NEURAL DOS FETOS
  (ANENCEFALIA)

 FONTES:
   FOLHAS VERDES, FEIJÃO, ESPINAFRE,
   PEIXES, GEMAS DE OVOS E FRUTAS CÍTRICAS
BIOTINA
 CONHECIDA COMO VITAMINA H

 SUA CARÊNCIA CAUSA FURUNCULOSE,
  SEBORREIA E ECSEMA (DERMATITES)

 FONTES:
   AMENDOIM, AVELÃ, GEMA DE OVO, NOZES E
    QUEIJO MAGRO
7. ÁCIDOS NUCLEICOS
  MAIORES MOLÉCULAS ENCONTRADAS NO
   MUNDO VIVO

  RESPONSÁVEIS PELO CONTROLE

  DOS PROCESSOS VITAIS BÁSICOS

  “MOLÉCULAS MESTRAS” (Ex. COMANDAM
   A FORMAÇÃO DAS ENZIMAS)
CLASSIFICAÇÃO DOS
ÁCIDOS NUCLEICOS
 ENCONTRADOS NO NÚCLO DAS CÉLULAS
  E TAMBÉM NAS ORGANELAS
  MITOCÔNDRIAS E CLOROPLASTOS

 SÃO COMPONENTES ORGÂNICOS
  CONHECIDOS COMO:
   DNA (ÁCIDO DESOXIRRIBONUCLEICO)
   RNA (ÁCIDO RIBONUCLEICO)
CONSTITUIÇÃO DOS
ÁCIDOS NUCLEICOS
 SÃO MACROMOLÉCULAS FORMADAS
  POR UNIDADES MENORES
  DENOMINADAS NUCLEOTÍDEOS
REPRESENTAÇÃO
  DO NUCLEOTÍDEO
 A PENTOSE PODE SER:
    RIBOSE (RNA)
    DESOXIRRIBOSE (DNA)


 A BASE NITROGENADA PODE SER:
    PÚRICAS (Adenina – Guanina)
    PIRIMÍDICAS (Citosina – Timina –
     Uracila)
DUPLICAÇÃO DO DNA
   (REPLICAÇÃO)
 SEMICONSERVATIVA – POIS AS
  MOLÉCULAS NOVAS RECEBEM A MESMA
  SEQUÊNCIA DE BASES DA MOLÉCULA DE
  DNA “MÃE”

 DESENCADEIA O MECANISMO DE
  REPRODUÇÃO CELULAR, GARANTINDO A
  CONTINUIDADE DA VIDA
PROCESSOS DA
DUPLICAÇÃO DO DNA
1. ROMPIMENTO DAS PONTES DE H

3. ENCAIXE DE NUCLEOTÍDEOS
   LIVRES

5. FORMAÇÃO DE DUAS MOLÉCULAS
   NOVAS DE DNA
Bioquímica   componentes inorgânicos e orgânicos
Bioquímica   componentes inorgânicos e orgânicos

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula de bioquímica celular
Aula de bioquímica celularAula de bioquímica celular
Aula de bioquímica celular
luam1969
 
Aula 1º Ano Ensino Médio: Histologia animal/humana
Aula 1º Ano Ensino Médio: Histologia animal/humanaAula 1º Ano Ensino Médio: Histologia animal/humana
Aula 1º Ano Ensino Médio: Histologia animal/humana
Ronaldo Santana
 
Biologia molecular 1
Biologia molecular 1Biologia molecular 1
Biologia molecular 1
César Milani
 
Introdução a citologia
Introdução a citologiaIntrodução a citologia
Introdução a citologia
emanuel
 
Núcleo e divisão celular
Núcleo e divisão celularNúcleo e divisão celular
Núcleo e divisão celular
UERGS
 
Virologia - Super super med
Virologia - Super super medVirologia - Super super med
Virologia - Super super med
emanuel
 

Mais procurados (20)

Aula de bioquímica celular
Aula de bioquímica celularAula de bioquímica celular
Aula de bioquímica celular
 
Bioquimica (completo)
Bioquimica (completo)Bioquimica (completo)
Bioquimica (completo)
 
Aula 1º Ano Ensino Médio: Histologia animal/humana
Aula 1º Ano Ensino Médio: Histologia animal/humanaAula 1º Ano Ensino Médio: Histologia animal/humana
Aula 1º Ano Ensino Médio: Histologia animal/humana
 
Aula Proteinas
Aula ProteinasAula Proteinas
Aula Proteinas
 
Sais minerais.
Sais minerais.Sais minerais.
Sais minerais.
 
Biologia molecular 1
Biologia molecular 1Biologia molecular 1
Biologia molecular 1
 
Introdução a citologia
Introdução a citologiaIntrodução a citologia
Introdução a citologia
 
Membrana plasmática slides COMPLETO
Membrana plasmática slides COMPLETOMembrana plasmática slides COMPLETO
Membrana plasmática slides COMPLETO
 
Aula citoplasma
Aula citoplasmaAula citoplasma
Aula citoplasma
 
Bioquímica básica
Bioquímica básicaBioquímica básica
Bioquímica básica
 
Carboidratos
CarboidratosCarboidratos
Carboidratos
 
Carboidratos
CarboidratosCarboidratos
Carboidratos
 
Aula vírus
Aula vírusAula vírus
Aula vírus
 
Núcleo e divisão celular
Núcleo e divisão celularNúcleo e divisão celular
Núcleo e divisão celular
 
Virologia - Super super med
Virologia - Super super medVirologia - Super super med
Virologia - Super super med
 
Bioquimica das proteínas
Bioquimica das proteínasBioquimica das proteínas
Bioquimica das proteínas
 
Vírus Biologia
Vírus BiologiaVírus Biologia
Vírus Biologia
 
Organelas celulares
Organelas celularesOrganelas celulares
Organelas celulares
 
Composição química dos seres vivos
Composição química dos seres vivosComposição química dos seres vivos
Composição química dos seres vivos
 
Ácidos Nucléicos (DNA e RNA)
Ácidos Nucléicos (DNA e RNA)Ácidos Nucléicos (DNA e RNA)
Ácidos Nucléicos (DNA e RNA)
 

Destaque

Panorama Dos Biocombustiveis no BrasilNo Brasil
Panorama Dos Biocombustiveis no BrasilNo BrasilPanorama Dos Biocombustiveis no BrasilNo Brasil
Panorama Dos Biocombustiveis no BrasilNo Brasil
Sydney Dias
 

Destaque (20)

A paisagem, os lugares e o tempo e o espaço geográfica (módulos 5 e 7) - 6º A...
A paisagem, os lugares e o tempo e o espaço geográfica (módulos 5 e 7) - 6º A...A paisagem, os lugares e o tempo e o espaço geográfica (módulos 5 e 7) - 6º A...
A paisagem, os lugares e o tempo e o espaço geográfica (módulos 5 e 7) - 6º A...
 
Os Reinos Bárbaros (2017) - 7º Ano
Os Reinos Bárbaros (2017) - 7º AnoOs Reinos Bárbaros (2017) - 7º Ano
Os Reinos Bárbaros (2017) - 7º Ano
 
História e filosofia da ciência e ensino
História e filosofia da ciência e ensinoHistória e filosofia da ciência e ensino
História e filosofia da ciência e ensino
 
O espaço rural no Brasil (Reforma Agrária) -7º ANO (2016)
O espaço rural no Brasil (Reforma Agrária) -7º ANO (2016)O espaço rural no Brasil (Reforma Agrária) -7º ANO (2016)
O espaço rural no Brasil (Reforma Agrária) -7º ANO (2016)
 
Os persas - 6º Ano (2016)
Os persas - 6º Ano (2016)Os persas - 6º Ano (2016)
Os persas - 6º Ano (2016)
 
China Antiga - 6º Ano (2016)
China Antiga - 6º Ano (2016)China Antiga - 6º Ano (2016)
China Antiga - 6º Ano (2016)
 
Mesopotâmia (6º Ano - 2016)
Mesopotâmia (6º Ano - 2016)Mesopotâmia (6º Ano - 2016)
Mesopotâmia (6º Ano - 2016)
 
Panorama Dos Biocombustiveis no BrasilNo Brasil
Panorama Dos Biocombustiveis no BrasilNo BrasilPanorama Dos Biocombustiveis no BrasilNo Brasil
Panorama Dos Biocombustiveis no BrasilNo Brasil
 
História da Astronomia - Egito e Grécia - Parte 2 de 7
História da Astronomia - Egito e Grécia - Parte 2 de 7História da Astronomia - Egito e Grécia - Parte 2 de 7
História da Astronomia - Egito e Grécia - Parte 2 de 7
 
Aspectos Populacionais do Brasil 3 (7º Ano - 2016)
Aspectos Populacionais do Brasil 3 (7º Ano - 2016)Aspectos Populacionais do Brasil 3 (7º Ano - 2016)
Aspectos Populacionais do Brasil 3 (7º Ano - 2016)
 
Como a arte começou 2014
Como a arte começou 2014Como a arte começou 2014
Como a arte começou 2014
 
Curso: O céu das 4 Estações - Aula 3 de 3.
Curso: O céu das 4 Estações - Aula 3 de 3.Curso: O céu das 4 Estações - Aula 3 de 3.
Curso: O céu das 4 Estações - Aula 3 de 3.
 
Os Persas - 6º Ano (2017)
Os Persas - 6º Ano (2017)Os Persas - 6º Ano (2017)
Os Persas - 6º Ano (2017)
 
Os Municípios e as Regiões Metropolitanas - 7º Ano (2017)
Os Municípios e as Regiões Metropolitanas - 7º Ano (2017)Os Municípios e as Regiões Metropolitanas - 7º Ano (2017)
Os Municípios e as Regiões Metropolitanas - 7º Ano (2017)
 
As Bacias Hidrográficas - 6º Ano (2017)
As Bacias Hidrográficas - 6º Ano (2017)As Bacias Hidrográficas - 6º Ano (2017)
As Bacias Hidrográficas - 6º Ano (2017)
 
Os Fenícios (6º Ano - 2016)
Os Fenícios (6º Ano - 2016)Os Fenícios (6º Ano - 2016)
Os Fenícios (6º Ano - 2016)
 
Sistema de Mundos dos antigos europeus - Marcos Calil
Sistema de Mundos dos antigos europeus - Marcos CalilSistema de Mundos dos antigos europeus - Marcos Calil
Sistema de Mundos dos antigos europeus - Marcos Calil
 
Relogio solares marcos_calil
Relogio solares marcos_calilRelogio solares marcos_calil
Relogio solares marcos_calil
 
A Baixa Idade Média (7º Ano - 2016)
A Baixa Idade Média (7º Ano - 2016)A Baixa Idade Média (7º Ano - 2016)
A Baixa Idade Média (7º Ano - 2016)
 
Os Fenícios - 6º Ano (2017)
Os Fenícios - 6º Ano (2017)Os Fenícios - 6º Ano (2017)
Os Fenícios - 6º Ano (2017)
 

Semelhante a Bioquímica componentes inorgânicos e orgânicos

Componentes biologia molecular
Componentes biologia molecularComponentes biologia molecular
Componentes biologia molecular
Adriana Pereira
 
Composição química dos seres vivos
Composição química dos seres vivosComposição química dos seres vivos
Composição química dos seres vivos
Péricles Penuel
 
Bioquimica celular 1º6
Bioquimica celular 1º6Bioquimica celular 1º6
Bioquimica celular 1º6
marlyrauber
 
Bioquímica água e sais minerais
Bioquímica   água e sais mineraisBioquímica   água e sais minerais
Bioquímica água e sais minerais
Marcos Lopes
 
Composição química da célula
Composição química da célulaComposição química da célula
Composição química da célula
MARCIAMP
 
Composicao quimica compostosrelacionadosaos_seresvivos_eu_mazzetti
Composicao quimica compostosrelacionadosaos_seresvivos_eu_mazzettiComposicao quimica compostosrelacionadosaos_seresvivos_eu_mazzetti
Composicao quimica compostosrelacionadosaos_seresvivos_eu_mazzetti
MatheusMesquitaMelo
 

Semelhante a Bioquímica componentes inorgânicos e orgânicos (20)

Componentes biologia molecular
Componentes biologia molecularComponentes biologia molecular
Componentes biologia molecular
 
Prote═nas 3
Prote═nas 3Prote═nas 3
Prote═nas 3
 
Química celular completo
Química celular completoQuímica celular completo
Química celular completo
 
Composição química dos seres vivos
Composição química dos seres vivosComposição química dos seres vivos
Composição química dos seres vivos
 
Bioquimica celular 1º6
Bioquimica celular 1º6Bioquimica celular 1º6
Bioquimica celular 1º6
 
Componentes quimicos das celulas
Componentes quimicos das celulasComponentes quimicos das celulas
Componentes quimicos das celulas
 
Bioquímica água e sais minerais
Bioquímica   água e sais mineraisBioquímica   água e sais minerais
Bioquímica água e sais minerais
 
Composição química da célula
Composição química da célulaComposição química da célula
Composição química da célula
 
Composicao Quimica
Composicao QuimicaComposicao Quimica
Composicao Quimica
 
Composicao quimica compostosrelacionadosaos_seresvivos_eu_mazzetti
Composicao quimica compostosrelacionadosaos_seresvivos_eu_mazzettiComposicao quimica compostosrelacionadosaos_seresvivos_eu_mazzetti
Composicao quimica compostosrelacionadosaos_seresvivos_eu_mazzetti
 
Bioquimica
BioquimicaBioquimica
Bioquimica
 
Trabalho de dah vitaminas
Trabalho de dah   vitaminasTrabalho de dah   vitaminas
Trabalho de dah vitaminas
 
composicao quimica da celula-eja.ppt
composicao quimica da celula-eja.pptcomposicao quimica da celula-eja.ppt
composicao quimica da celula-eja.ppt
 
composicao quimica da celula-eja.ppt
composicao quimica da celula-eja.pptcomposicao quimica da celula-eja.ppt
composicao quimica da celula-eja.ppt
 
Aula Bioquímica Celular
Aula Bioquímica CelularAula Bioquímica Celular
Aula Bioquímica Celular
 
Aula Bioquímica Celular.ppt
Aula Bioquímica Celular.pptAula Bioquímica Celular.ppt
Aula Bioquímica Celular.ppt
 
Aula1bioquíMica
Aula1bioquíMicaAula1bioquíMica
Aula1bioquíMica
 
Aula1bioquíMica
Aula1bioquíMicaAula1bioquíMica
Aula1bioquíMica
 
Aminoácidos-peptídeos-e-proteínas.pptx
Aminoácidos-peptídeos-e-proteínas.pptxAminoácidos-peptídeos-e-proteínas.pptx
Aminoácidos-peptídeos-e-proteínas.pptx
 
Bio01
Bio01Bio01
Bio01
 

Mais de carreiralopes (8)

Angiospermas
AngiospermasAngiospermas
Angiospermas
 
Gimnospermas
GimnospermasGimnospermas
Gimnospermas
 
Pteridófitas
PteridófitasPteridófitas
Pteridófitas
 
Briófitas
BriófitasBriófitas
Briófitas
 
Histologia tecido conjuntivo
Histologia   tecido conjuntivoHistologia   tecido conjuntivo
Histologia tecido conjuntivo
 
Histologia - Introdução e Tecido Epitelial
Histologia - Introdução e Tecido EpitelialHistologia - Introdução e Tecido Epitelial
Histologia - Introdução e Tecido Epitelial
 
SISTEMA NERVOSO HUMANO
SISTEMA NERVOSO HUMANOSISTEMA NERVOSO HUMANO
SISTEMA NERVOSO HUMANO
 
Botânica grupos vegetais
Botânica   grupos vegetaisBotânica   grupos vegetais
Botânica grupos vegetais
 

Último

Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Pastor Robson Colaço
 
Plano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaPlano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola pública
anapsuls
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
ssuserbb4ac2
 

Último (20)

Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptxCONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptAula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
 
Plano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaPlano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola pública
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 

Bioquímica componentes inorgânicos e orgânicos

  • 1. BIOQUÍMICA Profº Marcos Lopes biolopes.blogspot.com profbiolopes@hotmail.com
  • 2. COMPONENTES QUÍMICOS DA CÉLULA TODA CÉLULA É COMPOSTA POR SUBSTÂNCIAS DIVERSAS DENOMINADAS COMPONENTES QUÍMICOS QUE PODEM SER DIVIDIDOS EM DOIS GRUPOS: INORGÂNICOS E ORGÂNICOS.
  • 3. COMPONENTES CELULARES INORGÂNICOS ORGÂNICOS 1. ÁGUA 1. CARBOIDRATOS 2. SAIS MINERAIS 2. LIPÍDIOS 3. PROTEÍNAS 4. VITAMINAS 5. ÁCIDOS NUCLEICOS
  • 4. 1. ÁGUA  COMPONENTE INORGÂNICO  SOLVENTE DE LÍQUIDOS CORPÓREOS  TRANSPORTE DE ÍONS E MOLÉCULAS  AJUDA NA REGULAÇÃO TÉRMICA, HOMEOTERMIA (CONTROLE DA TEMPERATURA CORPÓREA)  “MATÉRIA PRIMA” PARA REALIZAÇÃO DA FOTOSSÍNTESE  LUBRIFICANTE NAS ARTICULAÇÕES ÓSSEAS  PRESENTE NAS REAÇÕES DE HIDRÓLISE (REAÇÃO QUÍMICA ENVOLVENDO MOLÉCULAS DE ÁGUA)
  • 5. TAXA DE ÁGUA NOS SERES VIVOS VARIA DE ACORDO COM:  IDADE – QUANTO MAIS JOVEM MAIOR É A TAXA DE ÁGUA.  ESPÉCIE – HÁ ESPÉCIES COM MAIOR PORCENTAGEM DE ÁGUA (EX. ÁGUAS-VIVAS).  MANUTENÇÃO DA HOMEOTERMIA - TRANSPIRAÇÃO EM ANIMAIS HOMEOTÉRMICOS.  HIDRATAÇÃO – UM CORPO BEM HIDRATADO CONTÉM MAIOR PORCENTAGEM DE ÁGUA.  ATIVIDADE METABÓLICA – QUANTO MAIOR A ATIVIDADE METABÓLICA DE UM TECIDO MAIOR É A SUA TAXA DE ÁGUA.
  • 6. 2. SAIS MINERAIS  COMPONENTES INORGÂNICOS  REGULAM MUITAS FUNÇÕES NO ORGANISMO  SÃO ENCONTRADOS EM DUAS FORMAS:  INSOLÚVEIS: FORMANDO O ESQUELETO  SOLÚVEL: DISSOLVIDOS NA ÁGUA EM FORMA DE ÍONS
  • 7. SAIS MINERAIS PAPEIS BIOLÓGICOS Rigidez dos ossos, fortalecimento dos SAIS DE CÁLCIO Ca2+ dentes, coagulação do sangue e contração muscular. Constituinte da hemoglobina que SAIS DE FERRO Fe 2+ realiza transporte de O2. SAIS FÓSFORO PO43- Constituem o esqueleto, moléculas de ATPs e ácido nucleico. SAIS DE IODO I- Constitui os hormônios da tireóide que controla o metabolismo do corpo. SAIS DE POTÁSSIO K+ Regulação osmótica nas células e SAIS DE SÓDIO Na+ condução dos impulsos nervosos. CLORO Cl- Regulação osmótica nas células. FLÚOR F- Atua nos esmaltes dos dentes.
  • 8. PROBLEMAS DE SAÚDE CAUSADOS PELA FALTA DE COMPONENTES INORGÂNICOS:  DESIDRATAÇÃO (falta de água)  OSTEOPOROSE (falta de cálcio)  ANEMIA (falta de ferro)  BÓCIO ENDÊMICO (falta de iodo)  CÁRIE (falta de flúor)
  • 10. 3. CARBOIDRATOS  COMPONENTE ORGÂNICO  CONHECIDOS COMO HIDRATOS DE CARBONO, AÇÚCARES, SACARÍDEOS OU GLICÍDIOS  NA MOLÉCULA EXISTE SEMPRE UM GRUPO ALDEÍDO OU UM CETONA
  • 11. Por essa razão os carboidratos são definidos:  Poli-hidroxialdeídos  Poli-hidroxicetonas FRUTOSE
  • 12.
  • 14. 4. LIPÍDIOS  COMPONENTE ORGÂNICO  CONHECIDOS COMO GORDURAS E ÓLEOS  INSOLÚVEIS EM ÁGUA  SOLÚVEIS EM SOLVENTES ORGÂNICOS COMO BENZINA, ÉTER E ÁLCOOL  SÃO DIVIDIDOS EM TRÊS GRUPOS:
  • 15. GLICERÍDEOS (gorduras e óleos)  SÃO ÉSTERES FORMADOS PELA JUNÇÃO DE ÁCIDO GRAXO E GLICEROL (ÁLCOOL)  PAPEL BIOLÓGICO:  GORDURA: RESERVA ENERGÉTICA ANIMAL, ISOLANTE TÉRMICO, DIMINUEM IMPACTOS MECÂNICOS.  ÓLEOS: RESERVA ENERGÉTICA DAS SEMENTES.
  • 16. CERÍDEOS (CERA VEGETAL E ANIMAL)  ÉSTERES FORMADOS POR ÁCIDOS GRAXOS E ÁLCOOIS (CADEIA MAIS LONGA QUE O GLICEROL)  PAPEIS BIOLÓGICOS  FORMAM A SUPERFÍCIE DAS FOLHAS E FRUTOS IMPERMEABILIZANDO-OS  CERA DAS ABELHAS ENCONTRADAS NO FAVO QUE PROTEGE A COLMÉIA DA ENTRADA E SAÍDA DE ÁGUA E DA ENTRADA DE INSETOS
  • 17. ESTEROIDES (COLESTEROL)  FORMADOS POR ÁLCOOIS POLICÍCLICOS DE CADEIA FECHADA, DENOMINADOS ESTERÓIS  PAPEIS BIOLÓGICOS  ATUA COMO SUBSTÂNCIA PRECURSORA DOS HORMÔNIOS TESTOSTERONA E PROGESTERONA  PARTICIPA DA COMPOSIÇÃO QUÍMICA DA MEMBRANA PLASMÁTICA
  • 19. 5. PROTEÍNAS  COMPONENTES ORGÂNICOS CONSTITUÍDOS POR MOLÉCULAS MENORES DENOMINADAS AMINOÁCIDOS  CONHECIDOS COMO CARNES (MÚSCULOS) E ENZIMAS  SÃO ENCONTRADAS EM CARNES, LEITE E SEUS DERIVADOS E GRÃOS
  • 20. FÓRMULA ESTRUTURAL DE UM AMINOÁCIDO GRUPO RADICAL AMINA ÁCIDO
  • 22. LIGAÇÃO PEPTÍDICA (LIGAÇÃO ENTRE AMINOÁCIDOS)
  • 23. DICA:  POLÍMEROS SÃO MACROMOLÉCULAS FORMADAS PELA UNIÃO DE MONÔMEROS  COMO POR EXEMPLO TEMOS A PROTEÍNA HEMOGLOBINA QUE É UM (POLÍMERO) FORMADO POR 574 AMINOÁCIDOS (MONÔMEROS)
  • 24. ESTRUTURAS DAS PROTEÍNAS 1ª - forma linear (sequência de aminoácidos) 2ª - forma helicoidal (colágeno) 3ª - forma helicoidal dobrada sobre si mesma conferindo um aspecto arredondado (hemoglobina) 4ª - formada pelo conjunto de proteinas terciárias (enzimas)
  • 25. PAPEL BIOLÓGICO DAS PROTEÍNAS  FUNÇÃO ESTRUTURAL:  COLÁGENO (Com alta resistência é encontrada na pele, cartilagens, ossos e tendões)  ACTINA E MIOSINA (Permite a contração muscular)  QUERATINA (Impermeabiliza a pele)  ALBUMINA (Regulação osmótica do sangue)  FIBRINOGÊNIO (Relacionada ao mecanismo de coagulação sanguínea)
  • 26. PAPEL BIOLÓGICO DAS PROTEÍNAS  FUNÇÃO HORMONAL:  ALGUNS HORMÔNIOS DO ORGANISMO TÊM ORIGEM PROTEICA COMO A INSULINA  FUNÇÃO NUTRITIVA:  AS PROTEÍNAS SÃO USADAS COMO FONTES DE AMINOÁCIOS QUE PODEM SER OXIDADOS FORNECENDO ENERGIA
  • 27. PAPEL BIOLÓGICO DAS PROTEÍNAS  FUNÇÃO ENZIMÁTICA:  ENZIMAS SÃO PROTEÍNAS QUE ATUAM COMO MOLÉCULAS REGULADORAS DAS REAÇÕES BIOLÓGICAS, COMO AS LIPASES.  FUNÇÃO DE DEFESA:  PROTEÍNAS CHAMADAS ANTICORPOS TÊM A FUNÇÃO DE IDENTIFICAR ANTÍGENOS (INVASORES) NEUTRALIZANDO SEUS EFEITOS
  • 28. ENZIMAS (PROTEÍNAS ESPECIAIS)  CONHECIDAS COMO CATALIZADORES BIOLÓGICOS OU BIOCATALIZADORES, AS ENZIMAS, DIMINUEM A ENERGIA DE ATIVAÇÃO DAS REAÇÕES BIOLÓGICAS, PERMITINDO QUE ELAS OCORRAM DE MANEIRA RÁPIDA E EM NÍVEIS DE TEMPERATURAS COMPATÍVEIS COM A VIDA  SEM ELAS, AS REAÇÕES BIOLÓGICAS OCORRERIAM DE FORMA MUITO LENTA, IMPOSSIBILITANDO MECANISMOS COMPLEXOS
  • 29. COMO TRABALHA UMA ENZIMA? (MODELO CHAVE-FECHADURA E AJUSTE INDUZIDO)
  • 30. FATORES QUE INFLUENCIAM A ATIVIDADE ENZIMÁTICA O pH pode desnaturar enzimas
  • 31. FATORES QUE INFLUENCIAM A ATIVIDADE ENZIMÁTICA A TEMPERATURA PODE O EXCESSO DE SUBSTRATO DESNATURAR ENZIMAS FREIA A VELOCIDADE DAS REAÇÕES ENZIMÁTICAS
  • 32. ANTICORPOS (PROTEÍNAS DE DEFESA)  SOROS  VACINAS  POSSUEM  INDUZEM O CORPO ANTICORPOS A PRODUZIR PRONTO ANTICORPOS  SERVEM PARA A  SERVEM PARA CURA PREVENIR
  • 33. COMO FUNCIONAM AS VACINAS?
  • 34. IMUNIZAÇÃO  Imunidade Ativa Natural: resposta a uma doença (ex. sarampo)  Imunidade Ativa Artificial: vacinoprofilaxia  Imunidade Passiva Natural: aleitamento (anticorpos naturais)  Imunidade Passiva Artificial: soroterapia
  • 35. 6. VITAMINAS  COMPONENTES ORGÂNICOS  CONHECIDAS COMO REGULADORES INDISPENSÁVEIS A MANUTENÇÃO BIOLÓGICA  PODEM ATUAR COMO COENZIMAS ATIVANDO ENZIMAS VERDADEIRAS  NÃO TÊM FUNÇÃO ESTRUTURAL OU ENERGÉTICA  SÃO BOAS EM PEQUENAS DOSES  SEU PAPEL BIOLÓGICO É ESPECÍFICO
  • 36. TIPOS DE VITAMINAS  LIPOSSOLÚVEIS  HIDROSSOLÚVEIS  VITAMINA A  VITAMINA C  VITAMINA D  VITAMINAS DO COMPLEXO B  VITAMINA E  B1, B2, B3 (PP), B12  BIOTINA  ÁCIDO FÓLICO  VITAMINA K  PIRIDOXINA  ÁCIDO PANTOTÊNICO
  • 37. VITAMINA A  CONHECIDA COMO AXEROFTOL OU RETINOL OU ANTIXEROFTÁLMICA  SUA CARÊNCIA CAUSA CEGUEIRA NOTURNA (XEROFTALMIA)  FONTES:  LEITE E SEUS DERIVADOS, OVOS, FÍGADO, CENOURA, COUVE, MAMÃO E LARANJA
  • 38. VITAMINA D  CONHECIDA COMO CALCIFEROL OU ANTIRRAQUÍTICA  SUA CARÊNCIA CAUSA RAQUITISMO  FONTE:  ORIGEM VEGETAL (ERGOCALCIFEROL OU D2)  ABACATE E GERME DE TRIGO  ORIGEM ANIMAL (CALECALCIFEROL OU D3)  ÓLEO DE FÍGADO DE BACALHAU, LEITE E DERIVADOS, GEMA DE OVO E FÍGADO BOVINO
  • 39. VITAMINA E  CONHECIDA COMO TOCOFEROL OU ANTIESTÉRIL  SUA CARÊNCIA CAUSA ESTERILIDADE  FONTES:  VERDURAS EM GERAL, GRÃO, LEITE E DERIVADOS E OVOS
  • 40. VITAMINA K  CONHECIDA COMO FILOQUINONA OU ANTI-HEMORRÁGICA  SUA CARÊNCIA CAUSA FALTA DE COAGULAÇÃO SANGUÍNEA  FONTES:  FÍGADO, FOLHAS VEGETAIS COMO O ALFACE, COUVE, REPOLHO E ACELGA.
  • 41. VITAMINA C  CONHECIDA COMO ÁCIDO ASCÓRBICO OU ANTIESCORBÚTICA  SUA CARÊNCIA CAUSA ESCORBUTO  FONTES:  FRUTAS CÍTRICAS, BATATA, RABANETE, ALFACE, REPOLHO, PIMENTÃO E ESPINAFRE
  • 42. VITAMINA B 1  CONHECIDA COMO TIAMINA OU ANTIBERIBÉRICA  SUA CARÊNCIA CAUSA BERIBÉRI  POLINEURITE E ANOREXIA  FONTES:  LEVEDURAS DE CERVEJA, FÍGADO, OVOS, TRIGO E ARROZ INTEGRAL, FEIJÃO, SOJA, PEIXES, NOZES, LEITE E DERIVADOS
  • 43. VITAMINA B 2  CONHECIDA COMO LACTOFLAVINA OU RIBOFLAVINA  ATUA COMO COENZIMA NA RESPIRAÇÃO CELULAR  SUA CARÊNCIA CAUSA IRRITAÇÃO NOS LÁBIOS E MUCOSA BUCAL, INFLAMAÇÃO NA LÍNGUA E IRRITAÇÕES DIGESTÓRIAS  FONTES:  LEVEDURA DE CERVEJA, FIGADO, OVOS, AMENDOIM, COUVE, VAGEM, ESPINAFRE
  • 44. VITAMINA B 3 ou PP  CONHECIDA COMO NIACINA OU ÁCIDO NICOTÍNICO OU NICOTINAMIDA  SUA CARÊNCIA CAUSA PELAGRA (DERMATITE – PELE GROSSA)  FONTES:  LEITE, FÍGADO E CARNES EM GERAL, OVOS, CEREAIS INTEGRAIS, FEIJÃO E FOLHAS
  • 45. VITAMINA B 12  CONHECIDA COMO CIANOCOBALAMINA  SUA CARÊNCIA CAUSA ANEMIA PERNICIOSA (QUANDO OS GLÓBULOS VERMELHOS IMATUROS SÃO LANÇADOS NO SANGUE  FONTES:  LEITE E DERIVADOS, PEIXES E OSTRAS, CARNES E LEVEDURAS
  • 46. ÁCIDO FÓLICO  NÃO POSSUI SIMBOLOGIA  SUA CARÊNCIA CAUSA MÁ FORMAÇÃO DO TUBO NEURAL DOS FETOS (ANENCEFALIA)  FONTES:  FOLHAS VERDES, FEIJÃO, ESPINAFRE,  PEIXES, GEMAS DE OVOS E FRUTAS CÍTRICAS
  • 47. BIOTINA  CONHECIDA COMO VITAMINA H  SUA CARÊNCIA CAUSA FURUNCULOSE, SEBORREIA E ECSEMA (DERMATITES)  FONTES:  AMENDOIM, AVELÃ, GEMA DE OVO, NOZES E QUEIJO MAGRO
  • 48. 7. ÁCIDOS NUCLEICOS  MAIORES MOLÉCULAS ENCONTRADAS NO MUNDO VIVO  RESPONSÁVEIS PELO CONTROLE  DOS PROCESSOS VITAIS BÁSICOS  “MOLÉCULAS MESTRAS” (Ex. COMANDAM A FORMAÇÃO DAS ENZIMAS)
  • 49. CLASSIFICAÇÃO DOS ÁCIDOS NUCLEICOS  ENCONTRADOS NO NÚCLO DAS CÉLULAS E TAMBÉM NAS ORGANELAS MITOCÔNDRIAS E CLOROPLASTOS  SÃO COMPONENTES ORGÂNICOS CONHECIDOS COMO:  DNA (ÁCIDO DESOXIRRIBONUCLEICO)  RNA (ÁCIDO RIBONUCLEICO)
  • 50. CONSTITUIÇÃO DOS ÁCIDOS NUCLEICOS  SÃO MACROMOLÉCULAS FORMADAS POR UNIDADES MENORES DENOMINADAS NUCLEOTÍDEOS
  • 51.
  • 52. REPRESENTAÇÃO DO NUCLEOTÍDEO  A PENTOSE PODE SER:  RIBOSE (RNA)  DESOXIRRIBOSE (DNA)  A BASE NITROGENADA PODE SER:  PÚRICAS (Adenina – Guanina)  PIRIMÍDICAS (Citosina – Timina – Uracila)
  • 53.
  • 54. DUPLICAÇÃO DO DNA (REPLICAÇÃO)  SEMICONSERVATIVA – POIS AS MOLÉCULAS NOVAS RECEBEM A MESMA SEQUÊNCIA DE BASES DA MOLÉCULA DE DNA “MÃE”  DESENCADEIA O MECANISMO DE REPRODUÇÃO CELULAR, GARANTINDO A CONTINUIDADE DA VIDA
  • 55. PROCESSOS DA DUPLICAÇÃO DO DNA 1. ROMPIMENTO DAS PONTES DE H 3. ENCAIXE DE NUCLEOTÍDEOS LIVRES 5. FORMAÇÃO DE DUAS MOLÉCULAS NOVAS DE DNA