SlideShare uma empresa Scribd logo
A civilização Egípcia

http://divulgacaohistoria.wordpress.com/
As primeiras grandes civilizações surgiram nas margens de grandes
rios: civilização Chinesa (rio Amarelo), civilização do Vale do Indo
(rio Indo), civilização Suméria (rios Tigre e Eufrates) e civilização
Egípcia (rio Nilo). Porquê nas margens de grandes rios?

História 7º ano

2
Egito

História 7º ano

3
Egito

História 7º ano

4
Deserto
Egito

Terras férteis
Deserto

História 7º ano

5
Rio Nilo

História 7º ano

6
A civilização egípcia desenvolveu-se nas margens do rio Nilo por
volta de 3500 a.c.
As margens os rio são extremamente férteis.

História 7º ano

7
As margens do rio Nilo sofrem periodicamente inundações que
fertilizam as terras.

História 7º ano

8
As inundações trazem uma lama muito fértil.
Onde não chegam as águas é deserto.

História 7º ano

9
Os egípcios construíram canais e diques ao longo do rio para
aproveitarem a água do rio

História 7º ano

10
O Egito tem uma pequena
faixa de terras férteis ao
longo do rio. O resto é
deserto.
Onde se situavam as
principais cidades egípcias?

Porque se situariam todas
junto ao rio Nilo?

História 7º ano

11
Indica as atividades que te sugerem
as imagens.

Caça
Pesca
Agricultura

História 7º ano

12
Qual seria a melhor e mais rápida
maneira dos egípcios se
deslocarem entre duas cidades?

História 7º ano

13
O rio Nilo era importante para a civilização egípcia? Porquê?
As inundações permitiam a agricultura: cereais, linho, papiro, vinha,
legumes, árvores de fruto e criação de animais;
Fornecia matéria-prima (barro) para a olaria; No Egito também se
desenvolveram outras atividades como a tecelagem, a ourivesaria,
o vidro e a metalurgia;
A navegabilidade favoreceu o desenvolvimento do comércio.

História 7º ano

14
Oração ao Nilo
Salve, tu, Nilo!
Que te manifestas nesta terra
E vens dar vida ao Egito!
Misteriosa é a tua saída das trevas
Neste dia em que é celebrada!
Ao irrigar os prados criados por Rá,
Tu fazes viver todo o gado,
Tu - inesgotável - que dás de beber à
Terra!
Senhor dos peixes, durante a inundação,
Nenhum pássaro pousa nas colheitas.
Tu crias o trigo, fazes nascer o grão,
Garantindo a prosperidade aos templos.
Se paras a tua tarefa e o teu trabalho,
Tudo o que existe cai em inquietação.

Qual será a relação dos antigos
com o rio Nilo?

Veneravam um Nilo como um
deus, pois a prosperidade da
sua civilização dependia das
cheias periódicas.

História 7º ano

15
Pirâmide social egípcia

O que é uma pirâmide social?

É a forma como está organizada uma sociedade.
No topo (menos numerosos), os mais ricos e poderosos.
Na base (mais numerosos) os mais pobres.

História 7º ano

16
Estratificação da sociedade egípcia:
No topo da sociedade estava o
faraó.
No Egito o faraó era considerado
um deus.
Tinha um poder sagrado e
absoluto.
Poderes do faraó:
Era o líder da religião egípcia
(sumo sacerdote);
Responsável pela justiça (juiz
supremo);
Comandante do exército;
Governa o país.
História 7º ano

17
Estratificação da sociedade egípcia:
• Nobreza e altos funcionários: auxiliam o
faraó, funções militares e governativas;
• Sacerdotes: geriam os templos, e
organizavam as celebrações religiosas;
• Escribas: eram os funcionários do estado.
Os únicos que sabiam ler e escrever.
• Artesãos, camponeses e comerciantes: o
grupo mais numeroso, a base da
economia egípcia. Pagam impostos.
• Escravos: utilizados nos trabalhos mais
pesados.

História 7º ano

18
“Na sociedade egípcia existiam grandes desigualdades.”
Explica a frase.
Existiam os privilegiados (faraó, altos funcionários, sacerdotes e
escribas), não pagavam impostos e tinham uma vida confortável;
Os não privilegiados (camponeses, artesãos e comerciantes,
pagavam impostos para manter as classes privilegiadas.

No fundo da pirâmide social estão os escravos.

História 7º ano

19
A religião egípcia
Os egípcios eram politeístas.

Adoravam vários deuses.

História 7º ano

20
A maior parte dos deuses estavam ligados à natureza e ao ritual da
morte e da passagem para avida eterna.
Ámon-Rá (deus-sol); Ptah (deus da criação); Osíris (deus dos mortos)
Ísis (deusa-mãe, protetora da família); Hórus (deus dos céus e
protetor do faraó); Anúbis (deus da mumificação)
Os deuses eram representados com forma humana ou híbrida (meio
humano, meio animal)

História 7º ano

21
Os egípcios acreditavam na imortalidade da alma que reencarnaria
no corpo.
Isso levou à prática da mumificação dos corpos e de sarcófagos e
túmulos para os preservar.

História 7º ano

22
A arte egípcia está ligada à religião. Que tipos de edifícios terão
sido construídos pelos egípcios? Templos e túmulos

Pirâmides de Gizé
Atual
Reconstrução

História 7º ano

23
As pirâmides são túmulos

História 7º ano

24
O interior dos túmulos
era pintado

História 7º ano

25
Templos egípcios

História 7º ano

26
Templos egípcios

História 7º ano

27
Templos egípcios

História 7º ano

28
Templos egípcios

História 7º ano

29
Principais características da arquitetura egípcia:
Grandiosa, monumental e construída para durar para a eternidade.

História 7º ano

30
Pintura e escultura

História 7º ano

31
Pintura e escultura

História 7º ano

32
Pintura e escultura

História 7º ano

33
As pinturas representavam cenas do quotidiano, religiosas e
hieróglifos
Hieróglifos – forma de escrita
egípcia

A pintura e a escultura seguiam
regras rigorosas no que respeita
a representação.
Nas pinturas o corpo está de
frente e a cabeça de lado.
Na escultura as figuras são
representadas de frente.

História 7º ano

34
Por volta do ano 2000 a.c. , os
Hebreus, foram-se ficando na
zona da Palestina.

Desenvolveram uma religião
original.
Acreditavam a existência de um
só deus, Javé.
É uma religião monoteísta.

A sua história está registada na
Bíblia (Antigo Testamento) e na
Torah (a lei judaica)
História 7º ano

35
A religião hebraica deu origem
às três grandes religiões
monoteísta da atualidade:
Judaísmo;
Islamismo;
Cristianismo.

História 7º ano

36
Por volta de 1500 a.c., algumas cidades da zona oriental do
Mediterrâneo desenvolveram-se devido ao comércio.
Cada cidade tinha o seu governo, as suas leis e o seu próprio
exército. Eram cidades-estado.
Pertenciam ao mesmo povo:
Os fenícios.

História 7º ano

37
Para facilitar os seus registos
comerciais os Fenícios inventaram o
sistema de escrita alfabético.
Com um conjunto de 22 sinais
diferentes podiam escrever todas as
palavras que quisessem.
Podes referir algumas vantagens
deste novo sistema de escrita?

Depois dos fenícios muitos outros
povos adotaram este sistema de
escrita.

História 7º ano

38

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

A sociedade egípcia
A sociedade egípciaA sociedade egípcia
A sociedade egípcia
 
Primeiras civilizações
Primeiras civilizaçõesPrimeiras civilizações
Primeiras civilizações
 
Grécia antiga
Grécia antigaGrécia antiga
Grécia antiga
 
Império Romano
Império RomanoImpério Romano
Império Romano
 
1° ano E.M. - Antigo Egito
1° ano E.M. -  Antigo Egito1° ano E.M. -  Antigo Egito
1° ano E.M. - Antigo Egito
 
Os Gregos no Século V a. C.
Os Gregos no Século V a. C.Os Gregos no Século V a. C.
Os Gregos no Século V a. C.
 
Egito Antigo - 6º Ano (2018)
Egito Antigo - 6º Ano (2018)Egito Antigo - 6º Ano (2018)
Egito Antigo - 6º Ano (2018)
 
A Democracia Ateniense no séc. V a. C.
A Democracia Ateniense no séc. V a. C.A Democracia Ateniense no séc. V a. C.
A Democracia Ateniense no séc. V a. C.
 
A Formação do Povo Grego e das Cidades Estado
A Formação do Povo Grego e das Cidades EstadoA Formação do Povo Grego e das Cidades Estado
A Formação do Povo Grego e das Cidades Estado
 
Grécia antiga
Grécia antigaGrécia antiga
Grécia antiga
 
Civilização Egípcia
Civilização EgípciaCivilização Egípcia
Civilização Egípcia
 
Grécia antiga
Grécia antigaGrécia antiga
Grécia antiga
 
A civilização romana
A civilização romana  A civilização romana
A civilização romana
 
EF - 7º ano - Invasões bárbaras
EF - 7º ano - Invasões bárbarasEF - 7º ano - Invasões bárbaras
EF - 7º ano - Invasões bárbaras
 
A pré-história
A pré-históriaA pré-história
A pré-história
 
A Expansão marítima
A Expansão marítimaA Expansão marítima
A Expansão marítima
 
Hominização
HominizaçãoHominização
Hominização
 
A antiga civilização egípcia
A antiga civilização egípciaA antiga civilização egípcia
A antiga civilização egípcia
 
A civilização grega
A civilização gregaA civilização grega
A civilização grega
 
O modelo ateniense
O modelo atenienseO modelo ateniense
O modelo ateniense
 

Semelhante a A civilização egípcia (20)

Egito antigo
Egito antigoEgito antigo
Egito antigo
 
Ficha formativa grandes_civilizacoes
Ficha formativa grandes_civilizacoesFicha formativa grandes_civilizacoes
Ficha formativa grandes_civilizacoes
 
Egito antigo
Egito antigoEgito antigo
Egito antigo
 
Egito Antigo
Egito AntigoEgito Antigo
Egito Antigo
 
Egito Antigo
Egito AntigoEgito Antigo
Egito Antigo
 
Resumão Egito Antigo
Resumão Egito AntigoResumão Egito Antigo
Resumão Egito Antigo
 
Oegitoantigo 110105200139-phpapp01
Oegitoantigo 110105200139-phpapp01Oegitoantigo 110105200139-phpapp01
Oegitoantigo 110105200139-phpapp01
 
Oegitoantigo 110105200139-phpapp01
Oegitoantigo 110105200139-phpapp01Oegitoantigo 110105200139-phpapp01
Oegitoantigo 110105200139-phpapp01
 
O egito antigo
O egito antigoO egito antigo
O egito antigo
 
O Egito Antigo
O Egito AntigoO Egito Antigo
O Egito Antigo
 
O Egipto
O EgiptoO Egipto
O Egipto
 
Egito antigo
Egito antigoEgito antigo
Egito antigo
 
egito-antigo.ppt
egito-antigo.pptegito-antigo.ppt
egito-antigo.ppt
 
Neolitico
NeoliticoNeolitico
Neolitico
 
Produção visual egito central slides
Produção visual egito central slidesProdução visual egito central slides
Produção visual egito central slides
 
Egito antigo
Egito antigoEgito antigo
Egito antigo
 
Viajando no mundo da arte
Viajando no mundo da arteViajando no mundo da arte
Viajando no mundo da arte
 
O Egito Antigo
O  Egito AntigoO  Egito Antigo
O Egito Antigo
 
Ativ 7.5 publicando sua apresentação
Ativ 7.5 publicando sua apresentaçãoAtiv 7.5 publicando sua apresentação
Ativ 7.5 publicando sua apresentação
 
Introdução
IntroduçãoIntrodução
Introdução
 

Mais de Vítor Santos

5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdfVítor Santos
 
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdfVítor Santos
 
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdfVítor Santos
 
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdfVítor Santos
 
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdfVítor Santos
 
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdfVítor Santos
 
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdfVítor Santos
 
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdfVítor Santos
 
03_05 As novas representações da humanidade.pdf
03_05 As novas representações da humanidade.pdf03_05 As novas representações da humanidade.pdf
03_05 As novas representações da humanidade.pdfVítor Santos
 
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdfVítor Santos
 
03_03 A produção cultural.pdf
03_03 A produção cultural.pdf03_03 A produção cultural.pdf
03_03 A produção cultural.pdfVítor Santos
 
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdfVítor Santos
 
03_01 a geografia cultural europeia.pdf
03_01 a geografia cultural europeia.pdf03_01 a geografia cultural europeia.pdf
03_01 a geografia cultural europeia.pdfVítor Santos
 
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdfVítor Santos
 
02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdfVítor Santos
 
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdfVítor Santos
 
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdfVítor Santos
 
01_02_o_modelo_romano.pdf
01_02_o_modelo_romano.pdf01_02_o_modelo_romano.pdf
01_02_o_modelo_romano.pdfVítor Santos
 
01_01_o_modelo_ateniense.pdf
01_01_o_modelo_ateniense.pdf01_01_o_modelo_ateniense.pdf
01_01_o_modelo_ateniense.pdfVítor Santos
 

Mais de Vítor Santos (20)

5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
 
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
 
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
 
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
 
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
 
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
 
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
 
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
 
03_05 As novas representações da humanidade.pdf
03_05 As novas representações da humanidade.pdf03_05 As novas representações da humanidade.pdf
03_05 As novas representações da humanidade.pdf
 
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
 
03_03 A produção cultural.pdf
03_03 A produção cultural.pdf03_03 A produção cultural.pdf
03_03 A produção cultural.pdf
 
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
 
03_01 a geografia cultural europeia.pdf
03_01 a geografia cultural europeia.pdf03_01 a geografia cultural europeia.pdf
03_01 a geografia cultural europeia.pdf
 
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
 
02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf
 
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
 
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
 
01_02_o_modelo_romano.pdf
01_02_o_modelo_romano.pdf01_02_o_modelo_romano.pdf
01_02_o_modelo_romano.pdf
 
01_01_o_modelo_ateniense.pdf
01_01_o_modelo_ateniense.pdf01_01_o_modelo_ateniense.pdf
01_01_o_modelo_ateniense.pdf
 
0_história_A.pdf
0_história_A.pdf0_história_A.pdf
0_história_A.pdf
 

Último

"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"Ilda Bicacro
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfssuserbb4ac2
 
O carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
O carteiro chegou - Janet & Allan AhlbergO carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
O carteiro chegou - Janet & Allan AhlbergBrenda Fritz
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalcarlamgalves5
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfmaria794949
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalcarlaOliveira438
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaIlda Bicacro
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfRILTONNOGUEIRADOSSAN
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leiteprofesfrancleite
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfPastor Robson Colaço
 
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxAtividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxSolangeWaltre
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdfLabor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdfemeio123
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdfARIANAMENDES11
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfrarakey779
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptxlucioalmeida2702
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 

Último (20)

"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
O carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
O carteiro chegou - Janet & Allan AhlbergO carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
O carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxAtividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
 
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdfLabor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é preciso
 

A civilização egípcia

  • 2. As primeiras grandes civilizações surgiram nas margens de grandes rios: civilização Chinesa (rio Amarelo), civilização do Vale do Indo (rio Indo), civilização Suméria (rios Tigre e Eufrates) e civilização Egípcia (rio Nilo). Porquê nas margens de grandes rios? História 7º ano 2
  • 7. A civilização egípcia desenvolveu-se nas margens do rio Nilo por volta de 3500 a.c. As margens os rio são extremamente férteis. História 7º ano 7
  • 8. As margens do rio Nilo sofrem periodicamente inundações que fertilizam as terras. História 7º ano 8
  • 9. As inundações trazem uma lama muito fértil. Onde não chegam as águas é deserto. História 7º ano 9
  • 10. Os egípcios construíram canais e diques ao longo do rio para aproveitarem a água do rio História 7º ano 10
  • 11. O Egito tem uma pequena faixa de terras férteis ao longo do rio. O resto é deserto. Onde se situavam as principais cidades egípcias? Porque se situariam todas junto ao rio Nilo? História 7º ano 11
  • 12. Indica as atividades que te sugerem as imagens. Caça Pesca Agricultura História 7º ano 12
  • 13. Qual seria a melhor e mais rápida maneira dos egípcios se deslocarem entre duas cidades? História 7º ano 13
  • 14. O rio Nilo era importante para a civilização egípcia? Porquê? As inundações permitiam a agricultura: cereais, linho, papiro, vinha, legumes, árvores de fruto e criação de animais; Fornecia matéria-prima (barro) para a olaria; No Egito também se desenvolveram outras atividades como a tecelagem, a ourivesaria, o vidro e a metalurgia; A navegabilidade favoreceu o desenvolvimento do comércio. História 7º ano 14
  • 15. Oração ao Nilo Salve, tu, Nilo! Que te manifestas nesta terra E vens dar vida ao Egito! Misteriosa é a tua saída das trevas Neste dia em que é celebrada! Ao irrigar os prados criados por Rá, Tu fazes viver todo o gado, Tu - inesgotável - que dás de beber à Terra! Senhor dos peixes, durante a inundação, Nenhum pássaro pousa nas colheitas. Tu crias o trigo, fazes nascer o grão, Garantindo a prosperidade aos templos. Se paras a tua tarefa e o teu trabalho, Tudo o que existe cai em inquietação. Qual será a relação dos antigos com o rio Nilo? Veneravam um Nilo como um deus, pois a prosperidade da sua civilização dependia das cheias periódicas. História 7º ano 15
  • 16. Pirâmide social egípcia O que é uma pirâmide social? É a forma como está organizada uma sociedade. No topo (menos numerosos), os mais ricos e poderosos. Na base (mais numerosos) os mais pobres. História 7º ano 16
  • 17. Estratificação da sociedade egípcia: No topo da sociedade estava o faraó. No Egito o faraó era considerado um deus. Tinha um poder sagrado e absoluto. Poderes do faraó: Era o líder da religião egípcia (sumo sacerdote); Responsável pela justiça (juiz supremo); Comandante do exército; Governa o país. História 7º ano 17
  • 18. Estratificação da sociedade egípcia: • Nobreza e altos funcionários: auxiliam o faraó, funções militares e governativas; • Sacerdotes: geriam os templos, e organizavam as celebrações religiosas; • Escribas: eram os funcionários do estado. Os únicos que sabiam ler e escrever. • Artesãos, camponeses e comerciantes: o grupo mais numeroso, a base da economia egípcia. Pagam impostos. • Escravos: utilizados nos trabalhos mais pesados. História 7º ano 18
  • 19. “Na sociedade egípcia existiam grandes desigualdades.” Explica a frase. Existiam os privilegiados (faraó, altos funcionários, sacerdotes e escribas), não pagavam impostos e tinham uma vida confortável; Os não privilegiados (camponeses, artesãos e comerciantes, pagavam impostos para manter as classes privilegiadas. No fundo da pirâmide social estão os escravos. História 7º ano 19
  • 20. A religião egípcia Os egípcios eram politeístas. Adoravam vários deuses. História 7º ano 20
  • 21. A maior parte dos deuses estavam ligados à natureza e ao ritual da morte e da passagem para avida eterna. Ámon-Rá (deus-sol); Ptah (deus da criação); Osíris (deus dos mortos) Ísis (deusa-mãe, protetora da família); Hórus (deus dos céus e protetor do faraó); Anúbis (deus da mumificação) Os deuses eram representados com forma humana ou híbrida (meio humano, meio animal) História 7º ano 21
  • 22. Os egípcios acreditavam na imortalidade da alma que reencarnaria no corpo. Isso levou à prática da mumificação dos corpos e de sarcófagos e túmulos para os preservar. História 7º ano 22
  • 23. A arte egípcia está ligada à religião. Que tipos de edifícios terão sido construídos pelos egípcios? Templos e túmulos Pirâmides de Gizé Atual Reconstrução História 7º ano 23
  • 24. As pirâmides são túmulos História 7º ano 24
  • 25. O interior dos túmulos era pintado História 7º ano 25
  • 30. Principais características da arquitetura egípcia: Grandiosa, monumental e construída para durar para a eternidade. História 7º ano 30
  • 34. As pinturas representavam cenas do quotidiano, religiosas e hieróglifos Hieróglifos – forma de escrita egípcia A pintura e a escultura seguiam regras rigorosas no que respeita a representação. Nas pinturas o corpo está de frente e a cabeça de lado. Na escultura as figuras são representadas de frente. História 7º ano 34
  • 35. Por volta do ano 2000 a.c. , os Hebreus, foram-se ficando na zona da Palestina. Desenvolveram uma religião original. Acreditavam a existência de um só deus, Javé. É uma religião monoteísta. A sua história está registada na Bíblia (Antigo Testamento) e na Torah (a lei judaica) História 7º ano 35
  • 36. A religião hebraica deu origem às três grandes religiões monoteísta da atualidade: Judaísmo; Islamismo; Cristianismo. História 7º ano 36
  • 37. Por volta de 1500 a.c., algumas cidades da zona oriental do Mediterrâneo desenvolveram-se devido ao comércio. Cada cidade tinha o seu governo, as suas leis e o seu próprio exército. Eram cidades-estado. Pertenciam ao mesmo povo: Os fenícios. História 7º ano 37
  • 38. Para facilitar os seus registos comerciais os Fenícios inventaram o sistema de escrita alfabético. Com um conjunto de 22 sinais diferentes podiam escrever todas as palavras que quisessem. Podes referir algumas vantagens deste novo sistema de escrita? Depois dos fenícios muitos outros povos adotaram este sistema de escrita. História 7º ano 38