SlideShare uma empresa Scribd logo
A Escrita Egípcia
Trabalho realizado por:  Alexandre Correia nº2 André Nunes nº6 Beatriz Cabarrão nº8 Professor: Carlos Vieira Disciplina: Área de Projecto
Hieróglifos Hieróglifos é um termo originário de duas palavras gregas : hierós  <<sagrado>> e glýphein  <<escrita>> . Este termo é o nome que se dá a cada um dos símbolos da escrita egípcia. A escrita hieróglífica é talvez o mais antigo sistema organizado de escrita.
Características dos Hieróglifos Direcção da Escrita A escrita hieroglífica pode ser escrita em linhas ou colunas, tanto da esquerda para a direita, como da direita para a esquerda. A direcção da escrita é identificada de acordo com a posição dos hieróglifos pois estes estão sempre virados para o início da escrita.  No exemplo ao lado  a direcção da escrita é da direita para a esquerda em linhas horizontais.
Valores dos hieróglifos Os hieróglifos tinham tanto valores semânticos como  valores  fonéticos , ou seja, alguns hieróglifos  correspondiam a um objecto ou símbolo de acordo com  o sinal (valor semântico) e outros hieróglifos correspondiam a um som de acordo com o seu sinal valor fonético. Consoantes Existiam hieróglifos que representavam consoantes (na época as letras que são para nós vogais para os egípcios eram consoantes como as outras).
Determinativos Os determinativos não tinham hieróglifos fonéticos pois davam informações extras sobre o significado das palavras. Este sinal significa cidade ou seja a palavra que está atrás é o nome de uma cidade.
Numerais Os numerais representavam números.
Ideogramas : quando um único sinal é representado sozinho e tem um único significado. Estes geralmente costumam ser determinativos sendo assim colocados no final das palavras para indicar a categoria desta. Fonogramas : Unilíteros : quando um sinal representa apenas um som. Estes são       os sinais que formam o “alfabeto” egípcio. Tipos de Sinais Este sinal tem como único significado a palavra casa.
Bilíteros : quando um sinal representa dois sons. Representam duas consoantes com os sons  wrepr Trilíteros : quando um sinal representa três sons. Representam três  consoantes com os sons anh, ntr e nfr.
A escrita egípcia era conhecida apenas pelos sacerdotes membros da realeza com altos cargos e escribas. Esta era utilizada  para inscrições nas paredes de templos, túmulos, edifícios  religiosos, etc. Esta escrita era feita empapiro ou pedaços de calcário com um pincel ou um pedaço de junco afiado. Usava-se tinta preta e a cor  vermelha servia para destacar títulos e secções especiais.   Uso da escrita Egípcia
Durante mais de 3 milénios, os egípcios criaram cerca de 7000 sinais hieroglíficos.  A escrita Egípcia começou por ser simplificada, passando dos hieróglifos para os hieróglifos cursivos, mais tarde passou  para o hierático, uma forma de escrita mais cursiva, de barro e depois passou para o Demótico por influência grega. A Evolução da escrita
Mais tarde, durante o período Greco-romano, sacerdotes membros da realeza, pessoas com altos cargos e escribas tornaram a escrita mais complexa. Com o passar do tempo, esta escrita passou a ter cada vez menos utilidade e menos eram aqueles que a podiam ler e entender passando assim a ser desnecessária. Os hieróglifos também foram utilizados por outros povos da antiguidade como os Hititase os Maias.
O Desaparecimento dos Hieróglifos A escrita foi-se alterando devido ás invasões de vários povos estrangeiros como os romanos e os gregos. Os cristãos para desenvolverem o cristianismo, destruíram e tornaram ilegíveis as inscrições da escrita egípcia e fecharam os templos onde a escrita era ensinada passando assim a ser proibido tudo o que estava relacionado com os antigos deuses egípcios. Os Árabes para desenvolverem o islamismo continuaram com a mesma prática levando ao desaparecimento da escrita Egípcia.
O Renascimento dos Hieróglifos Foi na Europa que surgiu o interesse pelos hieróglifos egípcios que levou viajantes e investigadores europeus a dirigirem-se para o Oriente com o objectivo de procurar os conhecimentos necessários para uma explicação racional dos hieróglifos. Assim estudaram-se os hieróglifos e os conhecimentos sobre estes voltaram a ser conhecidos. Decifração dos hieróglifos Egípcios
Decifração dos Hieróglifos GeorgZöegafoi um antiquário dinamarquês que nasceu em 1755 e morreu a 1809. Georg concluiu que muitos hieróglifos representavam letras  do alfabeto e que as inscrições que estavam dentro de uma forma oval fechada  continha nomes próprios da realeza - cartucho.
JohanÅkerblad foi um diplomata sueco que nasceu a 1763 e morreu a 1819. Ao estudar as inscrições  da Pedra da Roseta conseguiu descobrir o valor correcto de alguns sinais mas Johan estava errado em relação ao facto de pensar que a escrita demótica era alfabética. ThomasYoungfoi um médico inglês que nasceu a 1773 e morreu a 1829. Através da Pedra da Roseta foi o primeiro a reconhecer  que tanto a escrita demótica como a hieroglífica eram compostas por sinais alfabéticos e não alfabéticos, ou seja, simbólicos.
JeanFrançoisChampollion,  conhecido por “Pai  da Egiptologia”, nasceu a 1790 em França . Descobriu que o  cóptico, a língua falada pelos cristãos egípcios, correspondia á última fase da antiga língua egípcia. Ao início Jean achava que os hieróglifos tinha um valor simbólico, mas mais tarde descobriu que estes tinham um valor  fonético.
A Pedra de Roseta é um bloco de granito negro que pesa 726 kg e que foi descoberta a norte do Delta do Nilo, perto da localidade de El-Rashia por um soldado de regimento francês que Napoleão mantinha no Egipto. Mas quando os britânicos expulsaram o exército francês do Egipto levaram a Pedra de Roseta para Inglaterra. Esta pedra ajudou muito na decifração dos hieróglifos. Esta pedra tem inscrições gravadas por sacerdotes egípcios em homenagem ao faraó no ano de 196 a.C. A Pedra de Roseta tem 3 tipos de escrita egípcia: hieróglifos, demótico e grego. A Pedra de Roseta
Com este trabalho aprendemos que: Cada sinal egípcio tem como nome hieróglifos A direcção da escrita é determinada a partir da posição dos sinais. Na escrita egípcia existem os determinativos, os numerais, as consoantes e não existem vogais. Existem dois tipos de sinais: ideogramas e fonogramas. A escrita egípcia e usada em inscrições em túmulos, edifícios religiosos e templos. A escrita egípcia evoluiu dos hieróglifos  para os hieróglifos cursivos depois para o hierático e por fim para o demótico. A pedra da Roseta tem inscrições feitas pelos sacerdotes egípcios em honra ao faraó. Conclusão

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

História, fontes e historiadores
História, fontes e historiadoresHistória, fontes e historiadores
História, fontes e historiadores
Ivanilton Junior
 
Hominização
HominizaçãoHominização
Hominização
Susana Simões
 
1° ano - Mesopotâmia
1° ano - Mesopotâmia1° ano - Mesopotâmia
1° ano - Mesopotâmia
Daniel Alves Bronstrup
 
Os Fenícios - 6º Ano (2018)
Os Fenícios - 6º Ano (2018)Os Fenícios - 6º Ano (2018)
Os Fenícios - 6º Ano (2018)
Nefer19
 
1° ano E.M. - Antigo Egito
1° ano E.M. -  Antigo Egito1° ano E.M. -  Antigo Egito
1° ano E.M. - Antigo Egito
Daniel Alves Bronstrup
 
Egito Antigo
Egito AntigoEgito Antigo
Egito Antigo
Douglas Barraqui
 
PROVA DE ARTE INDIGENA
PROVA DE ARTE INDIGENAPROVA DE ARTE INDIGENA
PROVA DE ARTE INDIGENA
Francisco Antonio Machado Araujo
 
O tempo em historia
O tempo em historiaO tempo em historia
O tempo em historia
Ana Barreiros
 
Pré História
Pré   História Pré   História
Pré História
Fatima Freitas
 
6° hebreus,fenicios e persas
6° hebreus,fenicios e persas6° hebreus,fenicios e persas
6° hebreus,fenicios e persas
Ajudar Pessoas
 
Arte Egípcia
Arte EgípciaArte Egípcia
Arte Egípcia
Maria Gomes
 
Aula patrimônio cultural
Aula patrimônio culturalAula patrimônio cultural
Aula patrimônio cultural
Curso Letrados
 
Civilização Grega
Civilização GregaCivilização Grega
Civilização Grega
Margarida Moreira
 
A civilização egípcia
A civilização egípciaA civilização egípcia
A civilização egípcia
Vítor Santos
 
A arte egípcia
A arte egípciaA arte egípcia
A arte egípcia
Rainha Maga
 
Exercício de revisão sobre história da arte com gabarito
Exercício de revisão sobre história da arte com gabaritoExercício de revisão sobre história da arte com gabarito
Exercício de revisão sobre história da arte com gabarito
Suelen Freitas
 
Arte grega e romana
Arte grega e romanaArte grega e romana
Arte grega e romana
Aline Raposo
 
O egito antigo
O egito antigoO egito antigo
O egito antigo
Espanhol Puríssimo
 
A arte na mesopotâmia
A arte na mesopotâmiaA arte na mesopotâmia
A arte na mesopotâmia
Daniella Cincoetti
 
Mapa mental arte renascentista
Mapa mental   arte renascentistaMapa mental   arte renascentista
Mapa mental arte renascentista
Jorge Alessandro
 

Mais procurados (20)

História, fontes e historiadores
História, fontes e historiadoresHistória, fontes e historiadores
História, fontes e historiadores
 
Hominização
HominizaçãoHominização
Hominização
 
1° ano - Mesopotâmia
1° ano - Mesopotâmia1° ano - Mesopotâmia
1° ano - Mesopotâmia
 
Os Fenícios - 6º Ano (2018)
Os Fenícios - 6º Ano (2018)Os Fenícios - 6º Ano (2018)
Os Fenícios - 6º Ano (2018)
 
1° ano E.M. - Antigo Egito
1° ano E.M. -  Antigo Egito1° ano E.M. -  Antigo Egito
1° ano E.M. - Antigo Egito
 
Egito Antigo
Egito AntigoEgito Antigo
Egito Antigo
 
PROVA DE ARTE INDIGENA
PROVA DE ARTE INDIGENAPROVA DE ARTE INDIGENA
PROVA DE ARTE INDIGENA
 
O tempo em historia
O tempo em historiaO tempo em historia
O tempo em historia
 
Pré História
Pré   História Pré   História
Pré História
 
6° hebreus,fenicios e persas
6° hebreus,fenicios e persas6° hebreus,fenicios e persas
6° hebreus,fenicios e persas
 
Arte Egípcia
Arte EgípciaArte Egípcia
Arte Egípcia
 
Aula patrimônio cultural
Aula patrimônio culturalAula patrimônio cultural
Aula patrimônio cultural
 
Civilização Grega
Civilização GregaCivilização Grega
Civilização Grega
 
A civilização egípcia
A civilização egípciaA civilização egípcia
A civilização egípcia
 
A arte egípcia
A arte egípciaA arte egípcia
A arte egípcia
 
Exercício de revisão sobre história da arte com gabarito
Exercício de revisão sobre história da arte com gabaritoExercício de revisão sobre história da arte com gabarito
Exercício de revisão sobre história da arte com gabarito
 
Arte grega e romana
Arte grega e romanaArte grega e romana
Arte grega e romana
 
O egito antigo
O egito antigoO egito antigo
O egito antigo
 
A arte na mesopotâmia
A arte na mesopotâmiaA arte na mesopotâmia
A arte na mesopotâmia
 
Mapa mental arte renascentista
Mapa mental   arte renascentistaMapa mental   arte renascentista
Mapa mental arte renascentista
 

Destaque

Deuses do egito
Deuses do egitoDeuses do egito
Deuses do egito
Maria Martim Gabriel
 
Povos e impérios da Mesopotâmia
Povos e impérios da MesopotâmiaPovos e impérios da Mesopotâmia
Povos e impérios da Mesopotâmia
Queila Tomaz Alves
 
Aula Egito Babil Heb
Aula Egito Babil HebAula Egito Babil Heb
Aula Egito Babil Heb
Lucas Nunes de Souza
 
Antigo Egito
Antigo EgitoAntigo Egito
Antigo Egito
Josefa Libório
 
Escrita e numeração egípcia
Escrita e numeração egípciaEscrita e numeração egípcia
Escrita e numeração egípcia
Doug Caesar
 
Os deuses da antiguidade, mesopotamia, fenicios, sumérios
Os deuses da antiguidade, mesopotamia, fenicios, sumériosOs deuses da antiguidade, mesopotamia, fenicios, sumérios
Os deuses da antiguidade, mesopotamia, fenicios, sumérios
Robson Rocha
 
Os deuses do egito, religião
Os deuses do egito, religiãoOs deuses do egito, religião
Os deuses do egito, religião
Robson Rocha
 
Deuses egípcios Rita Rosado
Deuses egípcios  Rita RosadoDeuses egípcios  Rita Rosado
Deuses egípcios Rita Rosado
ceufaias
 
Religião egipcia
Religião egipciaReligião egipcia
Religião egipcia
Carlos Vieira
 
Deuses EgíPcios
Deuses EgíPciosDeuses EgíPcios
Deuses EgíPcios
Sílvia Mendonça
 
Egito Antigo: Nilo, economia e sociedade
Egito Antigo: Nilo, economia e sociedadeEgito Antigo: Nilo, economia e sociedade
Egito Antigo: Nilo, economia e sociedade
Carlos Pinheiro
 
Antigo Egito - A religião egípcia
Antigo Egito - A religião egípciaAntigo Egito - A religião egípcia
Antigo Egito - A religião egípcia
Carlos Pinheiro
 

Destaque (12)

Deuses do egito
Deuses do egitoDeuses do egito
Deuses do egito
 
Povos e impérios da Mesopotâmia
Povos e impérios da MesopotâmiaPovos e impérios da Mesopotâmia
Povos e impérios da Mesopotâmia
 
Aula Egito Babil Heb
Aula Egito Babil HebAula Egito Babil Heb
Aula Egito Babil Heb
 
Antigo Egito
Antigo EgitoAntigo Egito
Antigo Egito
 
Escrita e numeração egípcia
Escrita e numeração egípciaEscrita e numeração egípcia
Escrita e numeração egípcia
 
Os deuses da antiguidade, mesopotamia, fenicios, sumérios
Os deuses da antiguidade, mesopotamia, fenicios, sumériosOs deuses da antiguidade, mesopotamia, fenicios, sumérios
Os deuses da antiguidade, mesopotamia, fenicios, sumérios
 
Os deuses do egito, religião
Os deuses do egito, religiãoOs deuses do egito, religião
Os deuses do egito, religião
 
Deuses egípcios Rita Rosado
Deuses egípcios  Rita RosadoDeuses egípcios  Rita Rosado
Deuses egípcios Rita Rosado
 
Religião egipcia
Religião egipciaReligião egipcia
Religião egipcia
 
Deuses EgíPcios
Deuses EgíPciosDeuses EgíPcios
Deuses EgíPcios
 
Egito Antigo: Nilo, economia e sociedade
Egito Antigo: Nilo, economia e sociedadeEgito Antigo: Nilo, economia e sociedade
Egito Antigo: Nilo, economia e sociedade
 
Antigo Egito - A religião egípcia
Antigo Egito - A religião egípciaAntigo Egito - A religião egípcia
Antigo Egito - A religião egípcia
 

Semelhante a A escrita egípcia

Ciência egípcia
Ciência egípciaCiência egípcia
Ciência egípcia
Maria Gomes
 
A EvoluçãO Da Escrita
A EvoluçãO Da EscritaA EvoluçãO Da Escrita
A EvoluçãO Da Escrita
JoseSimas
 
origens.escrita.pptx
origens.escrita.pptxorigens.escrita.pptx
origens.escrita.pptx
António Bento
 
Apostila tópicos de crítica textual bíblica -
Apostila    tópicos de crítica textual bíblica -Apostila    tópicos de crítica textual bíblica -
Apostila tópicos de crítica textual bíblica -
Celso do Rozário Brasil Gonçalves
 
590
590590
Aula 3
Aula 3Aula 3
Arte egípcia
Arte egípciaArte egípcia
Arte egípcia
Marcioveras
 
TIPOGRAFIA E PUBLICIDADE
TIPOGRAFIA E PUBLICIDADETIPOGRAFIA E PUBLICIDADE
TIPOGRAFIA E PUBLICIDADE
pacobr
 
Pintura no Egito
Pintura no EgitoPintura no Egito
Pintura no Egito
Natiely Faedo
 
A Arte Egípcia.pptx
A Arte Egípcia.pptxA Arte Egípcia.pptx
A Arte Egípcia.pptx
ClariceLuizaGomesDeF
 
A Escrita EgíPcia Geral
A Escrita EgíPcia GeralA Escrita EgíPcia Geral
A Escrita EgíPcia Geral
Sílvia Mendonça
 
Arlindo e erik
Arlindo e erikArlindo e erik
Arlindo e erik
nunesmaril
 
Curiosidades da escrita[1]
Curiosidades da escrita[1]Curiosidades da escrita[1]
Curiosidades da escrita[1]
Maria Ribeiro
 
Curiosidades da escrita[1]
Curiosidades da escrita[1]Curiosidades da escrita[1]
Curiosidades da escrita[1]
Maria Ribeiro
 
O poder da escrita
O poder da escritaO poder da escrita
O poder da escrita
Mylena Ferraz
 
Hieróglifos cidão
Hieróglifos cidãoHieróglifos cidão
Hieróglifos cidão
Rafaela Henriques
 
Escrita 2
Escrita 2Escrita 2
Escrita 2
Norielem
 
atividade de lp 3 A e B- Anexo 1 A origem do alfabeto 25-01.docx
atividade de lp 3 A e B- Anexo 1 A origem do alfabeto 25-01.docxatividade de lp 3 A e B- Anexo 1 A origem do alfabeto 25-01.docx
atividade de lp 3 A e B- Anexo 1 A origem do alfabeto 25-01.docx
NILDA Leite Leite
 
48787715 apostila-de-arte
48787715 apostila-de-arte48787715 apostila-de-arte
Www arqueologia egipcia_com_br_escrevendo_em_hieoglifos_moacir_elias_santos
Www arqueologia egipcia_com_br_escrevendo_em_hieoglifos_moacir_elias_santosWww arqueologia egipcia_com_br_escrevendo_em_hieoglifos_moacir_elias_santos
Www arqueologia egipcia_com_br_escrevendo_em_hieoglifos_moacir_elias_santos
cosme11
 

Semelhante a A escrita egípcia (20)

Ciência egípcia
Ciência egípciaCiência egípcia
Ciência egípcia
 
A EvoluçãO Da Escrita
A EvoluçãO Da EscritaA EvoluçãO Da Escrita
A EvoluçãO Da Escrita
 
origens.escrita.pptx
origens.escrita.pptxorigens.escrita.pptx
origens.escrita.pptx
 
Apostila tópicos de crítica textual bíblica -
Apostila    tópicos de crítica textual bíblica -Apostila    tópicos de crítica textual bíblica -
Apostila tópicos de crítica textual bíblica -
 
590
590590
590
 
Aula 3
Aula 3Aula 3
Aula 3
 
Arte egípcia
Arte egípciaArte egípcia
Arte egípcia
 
TIPOGRAFIA E PUBLICIDADE
TIPOGRAFIA E PUBLICIDADETIPOGRAFIA E PUBLICIDADE
TIPOGRAFIA E PUBLICIDADE
 
Pintura no Egito
Pintura no EgitoPintura no Egito
Pintura no Egito
 
A Arte Egípcia.pptx
A Arte Egípcia.pptxA Arte Egípcia.pptx
A Arte Egípcia.pptx
 
A Escrita EgíPcia Geral
A Escrita EgíPcia GeralA Escrita EgíPcia Geral
A Escrita EgíPcia Geral
 
Arlindo e erik
Arlindo e erikArlindo e erik
Arlindo e erik
 
Curiosidades da escrita[1]
Curiosidades da escrita[1]Curiosidades da escrita[1]
Curiosidades da escrita[1]
 
Curiosidades da escrita[1]
Curiosidades da escrita[1]Curiosidades da escrita[1]
Curiosidades da escrita[1]
 
O poder da escrita
O poder da escritaO poder da escrita
O poder da escrita
 
Hieróglifos cidão
Hieróglifos cidãoHieróglifos cidão
Hieróglifos cidão
 
Escrita 2
Escrita 2Escrita 2
Escrita 2
 
atividade de lp 3 A e B- Anexo 1 A origem do alfabeto 25-01.docx
atividade de lp 3 A e B- Anexo 1 A origem do alfabeto 25-01.docxatividade de lp 3 A e B- Anexo 1 A origem do alfabeto 25-01.docx
atividade de lp 3 A e B- Anexo 1 A origem do alfabeto 25-01.docx
 
48787715 apostila-de-arte
48787715 apostila-de-arte48787715 apostila-de-arte
48787715 apostila-de-arte
 
Www arqueologia egipcia_com_br_escrevendo_em_hieoglifos_moacir_elias_santos
Www arqueologia egipcia_com_br_escrevendo_em_hieoglifos_moacir_elias_santosWww arqueologia egipcia_com_br_escrevendo_em_hieoglifos_moacir_elias_santos
Www arqueologia egipcia_com_br_escrevendo_em_hieoglifos_moacir_elias_santos
 

Mais de Carlos Vieira

Cubismo
CubismoCubismo
Cubismo
Carlos Vieira
 
Abstracionismo
AbstracionismoAbstracionismo
Abstracionismo
Carlos Vieira
 
O Patriota
O PatriotaO Patriota
O Patriota
Carlos Vieira
 
As sufragistas
As sufragistasAs sufragistas
As sufragistas
Carlos Vieira
 
Madame bovary
Madame bovaryMadame bovary
Madame bovary
Carlos Vieira
 
Cavalo de guerra
Cavalo de guerraCavalo de guerra
Cavalo de guerra
Carlos Vieira
 
Danton
DantonDanton
Cultura do Salão – Lisboa pombalina
Cultura do Salão – Lisboa pombalinaCultura do Salão – Lisboa pombalina
Cultura do Salão – Lisboa pombalina
Carlos Vieira
 
Cultura do Salão – Introdução ao Neoclassico
Cultura do Salão – Introdução ao NeoclassicoCultura do Salão – Introdução ao Neoclassico
Cultura do Salão – Introdução ao Neoclassico
Carlos Vieira
 
Cultura do Salão – Pintura do rococó
Cultura do Salão – Pintura do rococóCultura do Salão – Pintura do rococó
Cultura do Salão – Pintura do rococó
Carlos Vieira
 
Cultura do Salão – Rococo internacional
Cultura do Salão – Rococo internacionalCultura do Salão – Rococo internacional
Cultura do Salão – Rococo internacional
Carlos Vieira
 
Cultura do Salão – Escultura do rococo
Cultura do Salão – Escultura do rococoCultura do Salão – Escultura do rococo
Cultura do Salão – Escultura do rococo
Carlos Vieira
 
Cultura do Salão - Origens do rococo
Cultura do Salão - Origens do rococoCultura do Salão - Origens do rococo
Cultura do Salão - Origens do rococo
Carlos Vieira
 
Cultura do Palco - Barroco em Portugal
Cultura do Palco - Barroco em Portugal Cultura do Palco - Barroco em Portugal
Cultura do Palco - Barroco em Portugal
Carlos Vieira
 
Cultura do Palco - Pintura barroca internacional
Cultura do Palco - Pintura barroca internacional Cultura do Palco - Pintura barroca internacional
Cultura do Palco - Pintura barroca internacional
Carlos Vieira
 
Cultura do Palco - Pintura Barroca
Cultura do Palco - Pintura BarrocaCultura do Palco - Pintura Barroca
Cultura do Palco - Pintura Barroca
Carlos Vieira
 
Cultura do Palco - Escultura Barroca
Cultura do Palco - Escultura BarrocaCultura do Palco - Escultura Barroca
Cultura do Palco - Escultura Barroca
Carlos Vieira
 
Cultura do Palco - Arquitectura Barroca
Cultura do Palco - Arquitectura BarrocaCultura do Palco - Arquitectura Barroca
Cultura do Palco - Arquitectura Barroca
Carlos Vieira
 
Cultura do Barroco - Palácio de Versalhes
Cultura do Barroco - Palácio de VersalhesCultura do Barroco - Palácio de Versalhes
Cultura do Barroco - Palácio de Versalhes
Carlos Vieira
 
Cultura do Palácio - Renascimento e Maneirismo em Portugal
Cultura do Palácio - Renascimento e Maneirismo em PortugalCultura do Palácio - Renascimento e Maneirismo em Portugal
Cultura do Palácio - Renascimento e Maneirismo em Portugal
Carlos Vieira
 

Mais de Carlos Vieira (20)

Cubismo
CubismoCubismo
Cubismo
 
Abstracionismo
AbstracionismoAbstracionismo
Abstracionismo
 
O Patriota
O PatriotaO Patriota
O Patriota
 
As sufragistas
As sufragistasAs sufragistas
As sufragistas
 
Madame bovary
Madame bovaryMadame bovary
Madame bovary
 
Cavalo de guerra
Cavalo de guerraCavalo de guerra
Cavalo de guerra
 
Danton
DantonDanton
Danton
 
Cultura do Salão – Lisboa pombalina
Cultura do Salão – Lisboa pombalinaCultura do Salão – Lisboa pombalina
Cultura do Salão – Lisboa pombalina
 
Cultura do Salão – Introdução ao Neoclassico
Cultura do Salão – Introdução ao NeoclassicoCultura do Salão – Introdução ao Neoclassico
Cultura do Salão – Introdução ao Neoclassico
 
Cultura do Salão – Pintura do rococó
Cultura do Salão – Pintura do rococóCultura do Salão – Pintura do rococó
Cultura do Salão – Pintura do rococó
 
Cultura do Salão – Rococo internacional
Cultura do Salão – Rococo internacionalCultura do Salão – Rococo internacional
Cultura do Salão – Rococo internacional
 
Cultura do Salão – Escultura do rococo
Cultura do Salão – Escultura do rococoCultura do Salão – Escultura do rococo
Cultura do Salão – Escultura do rococo
 
Cultura do Salão - Origens do rococo
Cultura do Salão - Origens do rococoCultura do Salão - Origens do rococo
Cultura do Salão - Origens do rococo
 
Cultura do Palco - Barroco em Portugal
Cultura do Palco - Barroco em Portugal Cultura do Palco - Barroco em Portugal
Cultura do Palco - Barroco em Portugal
 
Cultura do Palco - Pintura barroca internacional
Cultura do Palco - Pintura barroca internacional Cultura do Palco - Pintura barroca internacional
Cultura do Palco - Pintura barroca internacional
 
Cultura do Palco - Pintura Barroca
Cultura do Palco - Pintura BarrocaCultura do Palco - Pintura Barroca
Cultura do Palco - Pintura Barroca
 
Cultura do Palco - Escultura Barroca
Cultura do Palco - Escultura BarrocaCultura do Palco - Escultura Barroca
Cultura do Palco - Escultura Barroca
 
Cultura do Palco - Arquitectura Barroca
Cultura do Palco - Arquitectura BarrocaCultura do Palco - Arquitectura Barroca
Cultura do Palco - Arquitectura Barroca
 
Cultura do Barroco - Palácio de Versalhes
Cultura do Barroco - Palácio de VersalhesCultura do Barroco - Palácio de Versalhes
Cultura do Barroco - Palácio de Versalhes
 
Cultura do Palácio - Renascimento e Maneirismo em Portugal
Cultura do Palácio - Renascimento e Maneirismo em PortugalCultura do Palácio - Renascimento e Maneirismo em Portugal
Cultura do Palácio - Renascimento e Maneirismo em Portugal
 

Último

Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
PatriciaZanoli
 

Último (20)

Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
 

A escrita egípcia

  • 2. Trabalho realizado por: Alexandre Correia nº2 André Nunes nº6 Beatriz Cabarrão nº8 Professor: Carlos Vieira Disciplina: Área de Projecto
  • 3. Hieróglifos Hieróglifos é um termo originário de duas palavras gregas : hierós <<sagrado>> e glýphein <<escrita>> . Este termo é o nome que se dá a cada um dos símbolos da escrita egípcia. A escrita hieróglífica é talvez o mais antigo sistema organizado de escrita.
  • 4. Características dos Hieróglifos Direcção da Escrita A escrita hieroglífica pode ser escrita em linhas ou colunas, tanto da esquerda para a direita, como da direita para a esquerda. A direcção da escrita é identificada de acordo com a posição dos hieróglifos pois estes estão sempre virados para o início da escrita. No exemplo ao lado a direcção da escrita é da direita para a esquerda em linhas horizontais.
  • 5. Valores dos hieróglifos Os hieróglifos tinham tanto valores semânticos como valores fonéticos , ou seja, alguns hieróglifos correspondiam a um objecto ou símbolo de acordo com o sinal (valor semântico) e outros hieróglifos correspondiam a um som de acordo com o seu sinal valor fonético. Consoantes Existiam hieróglifos que representavam consoantes (na época as letras que são para nós vogais para os egípcios eram consoantes como as outras).
  • 6. Determinativos Os determinativos não tinham hieróglifos fonéticos pois davam informações extras sobre o significado das palavras. Este sinal significa cidade ou seja a palavra que está atrás é o nome de uma cidade.
  • 7. Numerais Os numerais representavam números.
  • 8. Ideogramas : quando um único sinal é representado sozinho e tem um único significado. Estes geralmente costumam ser determinativos sendo assim colocados no final das palavras para indicar a categoria desta. Fonogramas : Unilíteros : quando um sinal representa apenas um som. Estes são os sinais que formam o “alfabeto” egípcio. Tipos de Sinais Este sinal tem como único significado a palavra casa.
  • 9. Bilíteros : quando um sinal representa dois sons. Representam duas consoantes com os sons wrepr Trilíteros : quando um sinal representa três sons. Representam três consoantes com os sons anh, ntr e nfr.
  • 10. A escrita egípcia era conhecida apenas pelos sacerdotes membros da realeza com altos cargos e escribas. Esta era utilizada para inscrições nas paredes de templos, túmulos, edifícios religiosos, etc. Esta escrita era feita empapiro ou pedaços de calcário com um pincel ou um pedaço de junco afiado. Usava-se tinta preta e a cor vermelha servia para destacar títulos e secções especiais. Uso da escrita Egípcia
  • 11. Durante mais de 3 milénios, os egípcios criaram cerca de 7000 sinais hieroglíficos. A escrita Egípcia começou por ser simplificada, passando dos hieróglifos para os hieróglifos cursivos, mais tarde passou para o hierático, uma forma de escrita mais cursiva, de barro e depois passou para o Demótico por influência grega. A Evolução da escrita
  • 12. Mais tarde, durante o período Greco-romano, sacerdotes membros da realeza, pessoas com altos cargos e escribas tornaram a escrita mais complexa. Com o passar do tempo, esta escrita passou a ter cada vez menos utilidade e menos eram aqueles que a podiam ler e entender passando assim a ser desnecessária. Os hieróglifos também foram utilizados por outros povos da antiguidade como os Hititase os Maias.
  • 13. O Desaparecimento dos Hieróglifos A escrita foi-se alterando devido ás invasões de vários povos estrangeiros como os romanos e os gregos. Os cristãos para desenvolverem o cristianismo, destruíram e tornaram ilegíveis as inscrições da escrita egípcia e fecharam os templos onde a escrita era ensinada passando assim a ser proibido tudo o que estava relacionado com os antigos deuses egípcios. Os Árabes para desenvolverem o islamismo continuaram com a mesma prática levando ao desaparecimento da escrita Egípcia.
  • 14. O Renascimento dos Hieróglifos Foi na Europa que surgiu o interesse pelos hieróglifos egípcios que levou viajantes e investigadores europeus a dirigirem-se para o Oriente com o objectivo de procurar os conhecimentos necessários para uma explicação racional dos hieróglifos. Assim estudaram-se os hieróglifos e os conhecimentos sobre estes voltaram a ser conhecidos. Decifração dos hieróglifos Egípcios
  • 15. Decifração dos Hieróglifos GeorgZöegafoi um antiquário dinamarquês que nasceu em 1755 e morreu a 1809. Georg concluiu que muitos hieróglifos representavam letras do alfabeto e que as inscrições que estavam dentro de uma forma oval fechada continha nomes próprios da realeza - cartucho.
  • 16. JohanÅkerblad foi um diplomata sueco que nasceu a 1763 e morreu a 1819. Ao estudar as inscrições da Pedra da Roseta conseguiu descobrir o valor correcto de alguns sinais mas Johan estava errado em relação ao facto de pensar que a escrita demótica era alfabética. ThomasYoungfoi um médico inglês que nasceu a 1773 e morreu a 1829. Através da Pedra da Roseta foi o primeiro a reconhecer que tanto a escrita demótica como a hieroglífica eram compostas por sinais alfabéticos e não alfabéticos, ou seja, simbólicos.
  • 17. JeanFrançoisChampollion, conhecido por “Pai da Egiptologia”, nasceu a 1790 em França . Descobriu que o cóptico, a língua falada pelos cristãos egípcios, correspondia á última fase da antiga língua egípcia. Ao início Jean achava que os hieróglifos tinha um valor simbólico, mas mais tarde descobriu que estes tinham um valor fonético.
  • 18. A Pedra de Roseta é um bloco de granito negro que pesa 726 kg e que foi descoberta a norte do Delta do Nilo, perto da localidade de El-Rashia por um soldado de regimento francês que Napoleão mantinha no Egipto. Mas quando os britânicos expulsaram o exército francês do Egipto levaram a Pedra de Roseta para Inglaterra. Esta pedra ajudou muito na decifração dos hieróglifos. Esta pedra tem inscrições gravadas por sacerdotes egípcios em homenagem ao faraó no ano de 196 a.C. A Pedra de Roseta tem 3 tipos de escrita egípcia: hieróglifos, demótico e grego. A Pedra de Roseta
  • 19. Com este trabalho aprendemos que: Cada sinal egípcio tem como nome hieróglifos A direcção da escrita é determinada a partir da posição dos sinais. Na escrita egípcia existem os determinativos, os numerais, as consoantes e não existem vogais. Existem dois tipos de sinais: ideogramas e fonogramas. A escrita egípcia e usada em inscrições em túmulos, edifícios religiosos e templos. A escrita egípcia evoluiu dos hieróglifos para os hieróglifos cursivos depois para o hierático e por fim para o demótico. A pedra da Roseta tem inscrições feitas pelos sacerdotes egípcios em honra ao faraó. Conclusão