SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 22
ESCOLA História   Março de 2009 ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Civilização Egípcia
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Índice
INTRODUÇÃO  Este trabalho foi escolhido pelo nosso grupo através de uma lista que o professor nos indicou. Escolhemos este tema porque queremos saber mais sobre ele e apresentá-lo de uma forma mais simples e resumida.
O EGIPTO–CONDIÇÕES NATURAIS  O Egipto é formado por duas regiões: Alto Egipto e Baixo Egipto. O Nilo tem um regime anual de inundações provocadas pela chuva, as cheias do Nilo tornaram-se muito férteis para a agricultura.
AS ACTIVIDADES ECONÓMICAS  A agricultura junto ao Nilo era de cereais, vinha, legumes e árvores de frutos, os egípcios também cultivavam o linho, utilizado para o fabrico de vestuário, de cordas e de velas para ou para enfaixar os mortos. O papiro era abundante, sendo utilizado para fazer papel ou construir pequenos barcos. A pecuária desempenhou um papel importante na economia egípcia. Os egípcios dedicavam-se à olaria, à cestaria, à construção naval e ao trabalho dos metais. O Nilo era a grande via de comunicação e do comércio, entre as regiões do Egipto.
Pirâmide sociais Egípcia Escravos Sacerdotes Artesãos Nobres Camponeses Altos Funcionários Escribas Faraó
A ESTRATIFICAÇÃO DA SOCIEDADE Faraó   Era o rei da alto Egipto e do baixo Egipto, era considerado um deus vivo, era filho de Amom-Rá, que era o deus do sol, também desempenhava a função de chefe de estado e era o chefe supremo do culto, governava de acordo com as regras divinas nomeadamente a verdade e a justiça. Com isso o seu poder era sacralizado.
A ESTRATIFICAÇÃO DA SOCIEDADE Deusa - Abute Nemes Deusa - serpente Ceptro de Guia do Povo Chicote Barba postiça
NOBRES , SACERDOTES E ESCRIBAS ,[object Object],[object Object],[object Object]
ARTESÃOS, COMERCIANTES, CAMPONESES E ESCRAVOS ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
RELIGIÃO E PODER SACRALIZADO Os  deuses  e o  culto Os egípcios adoravam numerosas divindades. Contabilizaram-se mais de 3000. Prestavam culto às forças da Natureza que consideravam criadoras do Universo: o Sol ( Amon-Rá ), o Ar (Chou), a Terra (Geb) e o Céu (Nout).  Os deuses eram também representados com forma humana ou forma mista – conservavam a cabeça do animal, mas tinha corpo humano. Cada região tinha os seus próprios deuses, mas alguns foram adorados em todo o país como :  Amon-Rá  (o deus criador),  Osíris  (deus do sol poente que presidia o julgamento aos mortos),  Seth  (irmão de Osíris, deus do vento do deserto),  Ísis  (a lua, mulher de Osíris), e  Hórus   (deus do sol nascente). Os deuses eram honrados em dias de festividade, nos templos das cidades mais importantes, enquanto uma estátua do deus era transportada, em procissão, a volta  do templo . procissão,  á  volta do templo.  procissão,  á  volta do templo.
A CRENÇA NUMA OUTRA VIDA Os Egípcios acreditavam na vida depois da morte e na necessidade de conservar os corpos para esta segunda vida. Por isso mumificavam os mortos, ou seja embalsamavam os corpos, envolviam-nos em finas tiras de linho e guardavam-nos em sarcófagos de madeira e ouro. Colocavam rolos de papiro com fórmulas mágicas no interior dos sarcófagos. Depois enterravam os sarcófagos em túmulos, a residência dos mortos, eram enterrados juntamente com tesouros e com tudo o que mais os Egípcios consideravam necessário para a nova vida: alimentos, móveis, jóias, carros, barcos e estatuetas que representavam escravos e soldados .
O SABER DOS EGÍPCIOS Os egípcios procuravam explicações religiosas para fenómenos que não compreendiam. Apesar disso, desenvolveram alguns conhecimentos baseando-se, fundamentalmente, na observação e na experiência da vida quotidiana. Entre as várias áreas do saber dos egípcios destacaram-se: A   Matemática  e a  Geometria .
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],O SABER DOS EGÍPCIOS
A ESCRITA A escrita inventada na Suméria, foi usada pelos egípcios desde o fim do 4.º milénio a.C. Os símbolos adoptados inspiravam-se na fauna e na flora do país. Tratava-se de um sistema complexo, apenas dominado pelos escribas: um desenho que, além do sentido figurativo, tinha também um sentido ideográfico (representação de uma ideia), um sentido fonético (som) e um sentido silábico (sílaba). Esta escrita, conhecida por escrita hieroglífica, era composta por mais de 700 sinais. Havia ainda dois outros tipos de escrita: a hierática, utilizada nos documentos oficiais, e a demótica, uma forma mais simples baseada em abreviaturas. Os egípcios foram, assim, dos primeiros povos a deixar-nos fontes escritas.
A CRIAÇÃO ARTÍSTICA Uma   arquitectura  monumental Toda a arte egípcia está muito ligada ao poder absoluto divino do faraó. Os egípcios construíram, sobretudo, palácios, templos e túmulos. Estas construções apresentam como principal característica a monumentalidade e impressionavam pela dimensão, quantidade de materiais utilizados e pelas técnicas usadas para os construir .
PALÁCIOS, TEMPLOS E TÚMULOS Dos  palácios  dos faraós ou das pequenas casas de habitação pouco se sabe, pois praticamente nada chegou aos nossos dias. Descobertas arqueológicas recentes revelam que utilizavam, na sua construção, tijolos de lama secos ao sol ou madeira. Pelo contrário, a pedra, material mais duradouro que abundava nas pedreiras do Alto Egipto, era usada na construção dos templos e dos túmulos. Nos  templos,  a coluna, o elemento arquitectónico inventado pelos egípcios, servia para suportar os tectos, reproduzindo, geralmente, plantas da flora: o papiro, o lótus e a palmeira. Estes edifícios tinham normalmente uma planta rectangular. Os  túmulos   tiveram, ao longo dos séculos, diferentes formas: mastabas (estrutura em pedra rectangular), pirâmides de degraus (sobreposição de várias mastabas) e pirâmides de faces lisas. No 2.º milénio a.C., para tentar evitar os constantes assaltos que se verificavam a estes monumentos, construíram-se túmulos subterrâneos escavados na rocha, conhecidos por  hipogeus .
A PINTURA E O BAIXO - RELEVO .  Nas pinturas e nos baixos-relevos decorativos das paredes dos túmulos encontram-se, essencialmente, episódios da vida quotidiana e cenas religiosas que procuram assegurar ao defunto, no mundo dos mortos, uma existência semelhante à vida terrena. A representação da figura humana obedecia a normas convencionais, como a chamada lei da frontalidade. Os egípcios procuravam representar a figura humana o mais completa possível, conjugando elementos de frente e de perfil, para mostrar os seus traços mais característicos. O tamanho das figuras representadas correspondia à sua posição na sociedade, por isso faraó era representado sempre com maiores dimensões do que qualquer outra personagem.
A ESCULTURA E AS ARTES DECORATIVAS Os artistas egípcios produziam também grande número de estátuas e estatuetas de pedra ou de madeira. Encontradas no interior das câmaras funerárias, representavam a lei da frontalidade e quando a figura era representada de pé dava-se uma ideia de movimento representada por o avanço de uma das pernas. O faraó como era considerado um rei deus, as suas imperfeições eram todas ignoradas, enquanto as estátuas de classe inferior eram esculpidas com certo realismo. Os artistas egípcios também foram originais nas artes decorativas. Destaca-se o trabalho da ourivesaria pela riqueza dos materiais empregues e pela grande precisão no fabrico de objectos, que eram símbolo de distinção social para quem as usava.
CONCLUSÃO   Gostamos muito de fazer este trabalho, ficámos a saber mais sobre a civilização egípcia e esperamos que vocês também a percebam de uma forma mais simples e resumida e que fiquem com uma pequena noção do tema. Para nós a civilização egípcia fala-nos da sua cultura e de vários inventos como: a invenção de um calendário com 365 dias, as pirâmides e os outros monumentos que nos fascinaram e outras coisas muito interessantes que descobrimos.
BIBLIOGRAFIA  OLIVEIRA, Ana, CANTANHEDE, Francisco, CATARINO, Isabel, TORRÃO, Paula,  História 7,  Texto Editores, Lisboa, 2006. Enciclopédia do Estudante – História Universal, Vol.2,  Editora Santillana, 2008. www.google.com
Fim!!!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Primeiras civilizações
Primeiras civilizaçõesPrimeiras civilizações
Primeiras civilizações
Carla Freitas
 
As primeiras conquistas do homem
As primeiras conquistas do homemAs primeiras conquistas do homem
As primeiras conquistas do homem
Ana Barreiros
 
Paleolítico e Neolítico
Paleolítico e NeolíticoPaleolítico e Neolítico
Paleolítico e Neolítico
Carlos Vieira
 

Mais procurados (20)

Egipto
EgiptoEgipto
Egipto
 
Grécia antiga
Grécia antigaGrécia antiga
Grécia antiga
 
Primeiras civilizações
Primeiras civilizaçõesPrimeiras civilizações
Primeiras civilizações
 
1° ano EM - Hebreus, fenícios e Persas
1° ano EM - Hebreus, fenícios e Persas1° ano EM - Hebreus, fenícios e Persas
1° ano EM - Hebreus, fenícios e Persas
 
1° ano - Mesopotâmia
1° ano - Mesopotâmia1° ano - Mesopotâmia
1° ano - Mesopotâmia
 
Fenícios
FeníciosFenícios
Fenícios
 
As primeiras conquistas do homem
As primeiras conquistas do homemAs primeiras conquistas do homem
As primeiras conquistas do homem
 
05 primeiras civilizações
05   primeiras civilizações05   primeiras civilizações
05 primeiras civilizações
 
Paleolítico e Neolítico
Paleolítico e NeolíticoPaleolítico e Neolítico
Paleolítico e Neolítico
 
Egito Antigo (6º Ano - 2016)
Egito Antigo (6º Ano - 2016)Egito Antigo (6º Ano - 2016)
Egito Antigo (6º Ano - 2016)
 
O Antigo Egipto
O Antigo EgiptoO Antigo Egipto
O Antigo Egipto
 
Religião egipcia
Religião egipciaReligião egipcia
Religião egipcia
 
Roma antiga
Roma antigaRoma antiga
Roma antiga
 
A queda do império romano
A queda do império romanoA queda do império romano
A queda do império romano
 
historia da mesopotamia
historia da mesopotamiahistoria da mesopotamia
historia da mesopotamia
 
REINOS AFRICANOS
REINOS AFRICANOSREINOS AFRICANOS
REINOS AFRICANOS
 
O mundo romano no apogeu do império i
O mundo romano no apogeu do império iO mundo romano no apogeu do império i
O mundo romano no apogeu do império i
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
 
Resumão Egito Antigo
Resumão Egito AntigoResumão Egito Antigo
Resumão Egito Antigo
 
Brasil Colônia: Ciclo do Ouro.
Brasil Colônia: Ciclo do Ouro.Brasil Colônia: Ciclo do Ouro.
Brasil Colônia: Ciclo do Ouro.
 

Destaque

A antiga civilização egípcia
A antiga civilização egípciaA antiga civilização egípcia
A antiga civilização egípcia
Rainha Maga
 
Evolução do homem e sociedades recolectoras
Evolução do homem e sociedades recolectorasEvolução do homem e sociedades recolectoras
Evolução do homem e sociedades recolectoras
Carla Freitas
 
Sociedades recoletoras e produtoras
Sociedades recoletoras e produtorasSociedades recoletoras e produtoras
Sociedades recoletoras e produtoras
Lucilia Fonseca
 
Egito história da arte 7º ano
Egito história da arte 7º anoEgito história da arte 7º ano
Egito história da arte 7º ano
josivaldopassos
 
Correção do teste de avaliação sociedades recoletoras produtoras
Correção do teste de avaliação sociedades recoletoras produtorasCorreção do teste de avaliação sociedades recoletoras produtoras
Correção do teste de avaliação sociedades recoletoras produtoras
Patrícia Morais
 
Civilizações grandes rios
Civilizações grandes riosCivilizações grandes rios
Civilizações grandes rios
Patrícia Morais
 
Ficha de trabalho civilizações grandes rios
Ficha de trabalho civilizações grandes riosFicha de trabalho civilizações grandes rios
Ficha de trabalho civilizações grandes rios
Patrícia Morais
 
Teste de Avaliação Sociedades Recoletoras produtoras
Teste de Avaliação Sociedades Recoletoras produtorasTeste de Avaliação Sociedades Recoletoras produtoras
Teste de Avaliação Sociedades Recoletoras produtoras
Patrícia Morais
 
Correção do Teste de Avaliação As Civilizações dos Grandes Rios_O Egito
Correção do Teste de Avaliação As Civilizações dos Grandes Rios_O EgitoCorreção do Teste de Avaliação As Civilizações dos Grandes Rios_O Egito
Correção do Teste de Avaliação As Civilizações dos Grandes Rios_O Egito
Patrícia Morais
 
Teste de história 7ºano
Teste de história 7ºanoTeste de história 7ºano
Teste de história 7ºano
João Couto
 
Ficha de Trabalho - O Egito
Ficha de Trabalho - O EgitoFicha de Trabalho - O Egito
Ficha de Trabalho - O Egito
Patrícia Morais
 

Destaque (20)

A antiga civilização egípcia
A antiga civilização egípciaA antiga civilização egípcia
A antiga civilização egípcia
 
03 as sociedades recolectoras
03   as sociedades recolectoras03   as sociedades recolectoras
03 as sociedades recolectoras
 
Evolução do homem e sociedades recolectoras
Evolução do homem e sociedades recolectorasEvolução do homem e sociedades recolectoras
Evolução do homem e sociedades recolectoras
 
O Egipto
O EgiptoO Egipto
O Egipto
 
Sociedades recoletoras e produtoras
Sociedades recoletoras e produtorasSociedades recoletoras e produtoras
Sociedades recoletoras e produtoras
 
Egito história da arte 7º ano
Egito história da arte 7º anoEgito história da arte 7º ano
Egito história da arte 7º ano
 
Correção do teste de avaliação sociedades recoletoras produtoras
Correção do teste de avaliação sociedades recoletoras produtorasCorreção do teste de avaliação sociedades recoletoras produtoras
Correção do teste de avaliação sociedades recoletoras produtoras
 
Civilizações grandes rios
Civilizações grandes riosCivilizações grandes rios
Civilizações grandes rios
 
Egipto
EgiptoEgipto
Egipto
 
Egito slide
Egito slideEgito slide
Egito slide
 
Civiliz.egipcia
Civiliz.egipciaCiviliz.egipcia
Civiliz.egipcia
 
Exercício Grécia 7º ano
Exercício Grécia 7º anoExercício Grécia 7º ano
Exercício Grécia 7º ano
 
Ficha de trabalho civilizações grandes rios
Ficha de trabalho civilizações grandes riosFicha de trabalho civilizações grandes rios
Ficha de trabalho civilizações grandes rios
 
08 hebreus e fenícios
08   hebreus e fenícios08   hebreus e fenícios
08 hebreus e fenícios
 
Teste de Avaliação Sociedades Recoletoras produtoras
Teste de Avaliação Sociedades Recoletoras produtorasTeste de Avaliação Sociedades Recoletoras produtoras
Teste de Avaliação Sociedades Recoletoras produtoras
 
Hebreus e Fenicios
Hebreus e  FeniciosHebreus e  Fenicios
Hebreus e Fenicios
 
Correção do Teste de Avaliação As Civilizações dos Grandes Rios_O Egito
Correção do Teste de Avaliação As Civilizações dos Grandes Rios_O EgitoCorreção do Teste de Avaliação As Civilizações dos Grandes Rios_O Egito
Correção do Teste de Avaliação As Civilizações dos Grandes Rios_O Egito
 
Teste de história 7ºano
Teste de história 7ºanoTeste de história 7ºano
Teste de história 7ºano
 
Ficha de Trabalho - O Egito
Ficha de Trabalho - O EgitoFicha de Trabalho - O Egito
Ficha de Trabalho - O Egito
 
Teste 1 hist 2.º periodo
Teste 1 hist 2.º periodoTeste 1 hist 2.º periodo
Teste 1 hist 2.º periodo
 

Semelhante a Civilização Egípcia (20)

Egito Antigo KA23
Egito Antigo KA23Egito Antigo KA23
Egito Antigo KA23
 
O Egito Antigo
O  Egito AntigoO  Egito Antigo
O Egito Antigo
 
A civilização egípcia apontamentos
A civilização egípcia   apontamentosA civilização egípcia   apontamentos
A civilização egípcia apontamentos
 
Egito antigo
Egito antigoEgito antigo
Egito antigo
 
ARTE EGÍPCIA
ARTE EGÍPCIAARTE EGÍPCIA
ARTE EGÍPCIA
 
Egito 6 ano
Egito 6 anoEgito 6 ano
Egito 6 ano
 
Egito 6 ano
Egito 6 anoEgito 6 ano
Egito 6 ano
 
Introdução
IntroduçãoIntrodução
Introdução
 
Introdução
IntroduçãoIntrodução
Introdução
 
Introdução
IntroduçãoIntrodução
Introdução
 
Egito antigo
Egito antigoEgito antigo
Egito antigo
 
Egito antigo
Egito antigoEgito antigo
Egito antigo
 
Egito antigo
Egito antigoEgito antigo
Egito antigo
 
O EGITO ANTIGO
O EGITO ANTIGOO EGITO ANTIGO
O EGITO ANTIGO
 
Apostila de artes professor kleber góes 2016
Apostila de artes     professor kleber góes 2016Apostila de artes     professor kleber góes 2016
Apostila de artes professor kleber góes 2016
 
Pp Egipto (1)
Pp Egipto (1)Pp Egipto (1)
Pp Egipto (1)
 
Egito antigo
Egito antigoEgito antigo
Egito antigo
 
Egito Antigo
Egito AntigoEgito Antigo
Egito Antigo
 
Egito Antigo
Egito AntigoEgito Antigo
Egito Antigo
 
Egitoslide 130223211954-phpapp01
Egitoslide 130223211954-phpapp01Egitoslide 130223211954-phpapp01
Egitoslide 130223211954-phpapp01
 

Mais de Jorge Almeida

Exposição trabalhos alunos_7.º ano_2011-12
Exposição trabalhos alunos_7.º ano_2011-12Exposição trabalhos alunos_7.º ano_2011-12
Exposição trabalhos alunos_7.º ano_2011-12
Jorge Almeida
 
25 de abril de 1974 3
25 de abril de 1974 325 de abril de 1974 3
25 de abril de 1974 3
Jorge Almeida
 
Trabalhos alunos 7.º pca
Trabalhos alunos 7.º pcaTrabalhos alunos 7.º pca
Trabalhos alunos 7.º pca
Jorge Almeida
 
Folheto visionarium e castelo st.ª m.ª feira -2010-11
Folheto visionarium e castelo st.ª m.ª feira -2010-11Folheto visionarium e castelo st.ª m.ª feira -2010-11
Folheto visionarium e castelo st.ª m.ª feira -2010-11
Jorge Almeida
 
Visita de estudo a Foz Côa
Visita de estudo a Foz CôaVisita de estudo a Foz Côa
Visita de estudo a Foz Côa
Jorge Almeida
 
Folheto Foz Côa -2010-11
Folheto Foz Côa -2010-11Folheto Foz Côa -2010-11
Folheto Foz Côa -2010-11
Jorge Almeida
 

Mais de Jorge Almeida (20)

Guerra fria 1
Guerra fria 1Guerra fria 1
Guerra fria 1
 
Exposição especiarias e frutas tropiciais 8.º ano_2011-12
Exposição especiarias e frutas tropiciais 8.º ano_2011-12Exposição especiarias e frutas tropiciais 8.º ano_2011-12
Exposição especiarias e frutas tropiciais 8.º ano_2011-12
 
Exposição trabalhos alunos_7.º ano_2011-12
Exposição trabalhos alunos_7.º ano_2011-12Exposição trabalhos alunos_7.º ano_2011-12
Exposição trabalhos alunos_7.º ano_2011-12
 
Salazar e o estado novo
Salazar e o estado novoSalazar e o estado novo
Salazar e o estado novo
 
Exposição visitai viseu
Exposição visitai viseuExposição visitai viseu
Exposição visitai viseu
 
Exposição trabalhos alunos_25 de abril
Exposição trabalhos alunos_25 de abrilExposição trabalhos alunos_25 de abril
Exposição trabalhos alunos_25 de abril
 
Tertúlia 25 de abril
Tertúlia 25 de abrilTertúlia 25 de abril
Tertúlia 25 de abril
 
25 de abril de 1974 2
25 de abril de 1974 225 de abril de 1974 2
25 de abril de 1974 2
 
O 25 de_abril_de_1974[1]
O 25 de_abril_de_1974[1]O 25 de_abril_de_1974[1]
O 25 de_abril_de_1974[1]
 
Iª república
Iª repúblicaIª república
Iª república
 
Guerra colonial entrevista
Guerra colonial entrevistaGuerra colonial entrevista
Guerra colonial entrevista
 
Guerra colonial (1)
Guerra colonial (1)Guerra colonial (1)
Guerra colonial (1)
 
A guerra colonial
A guerra colonialA guerra colonial
A guerra colonial
 
A 1ª guerra mundial hgp
A 1ª guerra mundial hgpA 1ª guerra mundial hgp
A 1ª guerra mundial hgp
 
25 de abril de 1974 3
25 de abril de 1974 325 de abril de 1974 3
25 de abril de 1974 3
 
Trabalhos alunos 7.º pca
Trabalhos alunos 7.º pcaTrabalhos alunos 7.º pca
Trabalhos alunos 7.º pca
 
Salamanca
SalamancaSalamanca
Salamanca
 
Folheto visionarium e castelo st.ª m.ª feira -2010-11
Folheto visionarium e castelo st.ª m.ª feira -2010-11Folheto visionarium e castelo st.ª m.ª feira -2010-11
Folheto visionarium e castelo st.ª m.ª feira -2010-11
 
Visita de estudo a Foz Côa
Visita de estudo a Foz CôaVisita de estudo a Foz Côa
Visita de estudo a Foz Côa
 
Folheto Foz Côa -2010-11
Folheto Foz Côa -2010-11Folheto Foz Côa -2010-11
Folheto Foz Côa -2010-11
 

Último

O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
VALMIRARIBEIRO1
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Kelly Mendes
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
profbrunogeo95
 

Último (20)

EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de língua
 
Projeto envolvendo as borboletas - poema.doc
Projeto envolvendo as borboletas - poema.docProjeto envolvendo as borboletas - poema.doc
Projeto envolvendo as borboletas - poema.doc
 
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasPeça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 

Civilização Egípcia

  • 1.
  • 2.
  • 3. INTRODUÇÃO Este trabalho foi escolhido pelo nosso grupo através de uma lista que o professor nos indicou. Escolhemos este tema porque queremos saber mais sobre ele e apresentá-lo de uma forma mais simples e resumida.
  • 4. O EGIPTO–CONDIÇÕES NATURAIS O Egipto é formado por duas regiões: Alto Egipto e Baixo Egipto. O Nilo tem um regime anual de inundações provocadas pela chuva, as cheias do Nilo tornaram-se muito férteis para a agricultura.
  • 5. AS ACTIVIDADES ECONÓMICAS A agricultura junto ao Nilo era de cereais, vinha, legumes e árvores de frutos, os egípcios também cultivavam o linho, utilizado para o fabrico de vestuário, de cordas e de velas para ou para enfaixar os mortos. O papiro era abundante, sendo utilizado para fazer papel ou construir pequenos barcos. A pecuária desempenhou um papel importante na economia egípcia. Os egípcios dedicavam-se à olaria, à cestaria, à construção naval e ao trabalho dos metais. O Nilo era a grande via de comunicação e do comércio, entre as regiões do Egipto.
  • 6. Pirâmide sociais Egípcia Escravos Sacerdotes Artesãos Nobres Camponeses Altos Funcionários Escribas Faraó
  • 7. A ESTRATIFICAÇÃO DA SOCIEDADE Faraó Era o rei da alto Egipto e do baixo Egipto, era considerado um deus vivo, era filho de Amom-Rá, que era o deus do sol, também desempenhava a função de chefe de estado e era o chefe supremo do culto, governava de acordo com as regras divinas nomeadamente a verdade e a justiça. Com isso o seu poder era sacralizado.
  • 8. A ESTRATIFICAÇÃO DA SOCIEDADE Deusa - Abute Nemes Deusa - serpente Ceptro de Guia do Povo Chicote Barba postiça
  • 9.
  • 10.
  • 11. RELIGIÃO E PODER SACRALIZADO Os deuses e o culto Os egípcios adoravam numerosas divindades. Contabilizaram-se mais de 3000. Prestavam culto às forças da Natureza que consideravam criadoras do Universo: o Sol ( Amon-Rá ), o Ar (Chou), a Terra (Geb) e o Céu (Nout). Os deuses eram também representados com forma humana ou forma mista – conservavam a cabeça do animal, mas tinha corpo humano. Cada região tinha os seus próprios deuses, mas alguns foram adorados em todo o país como : Amon-Rá (o deus criador), Osíris (deus do sol poente que presidia o julgamento aos mortos), Seth (irmão de Osíris, deus do vento do deserto), Ísis (a lua, mulher de Osíris), e Hórus (deus do sol nascente). Os deuses eram honrados em dias de festividade, nos templos das cidades mais importantes, enquanto uma estátua do deus era transportada, em procissão, a volta do templo . procissão, á volta do templo. procissão, á volta do templo.
  • 12. A CRENÇA NUMA OUTRA VIDA Os Egípcios acreditavam na vida depois da morte e na necessidade de conservar os corpos para esta segunda vida. Por isso mumificavam os mortos, ou seja embalsamavam os corpos, envolviam-nos em finas tiras de linho e guardavam-nos em sarcófagos de madeira e ouro. Colocavam rolos de papiro com fórmulas mágicas no interior dos sarcófagos. Depois enterravam os sarcófagos em túmulos, a residência dos mortos, eram enterrados juntamente com tesouros e com tudo o que mais os Egípcios consideravam necessário para a nova vida: alimentos, móveis, jóias, carros, barcos e estatuetas que representavam escravos e soldados .
  • 13. O SABER DOS EGÍPCIOS Os egípcios procuravam explicações religiosas para fenómenos que não compreendiam. Apesar disso, desenvolveram alguns conhecimentos baseando-se, fundamentalmente, na observação e na experiência da vida quotidiana. Entre as várias áreas do saber dos egípcios destacaram-se: A Matemática e a Geometria .
  • 14.
  • 15. A ESCRITA A escrita inventada na Suméria, foi usada pelos egípcios desde o fim do 4.º milénio a.C. Os símbolos adoptados inspiravam-se na fauna e na flora do país. Tratava-se de um sistema complexo, apenas dominado pelos escribas: um desenho que, além do sentido figurativo, tinha também um sentido ideográfico (representação de uma ideia), um sentido fonético (som) e um sentido silábico (sílaba). Esta escrita, conhecida por escrita hieroglífica, era composta por mais de 700 sinais. Havia ainda dois outros tipos de escrita: a hierática, utilizada nos documentos oficiais, e a demótica, uma forma mais simples baseada em abreviaturas. Os egípcios foram, assim, dos primeiros povos a deixar-nos fontes escritas.
  • 16. A CRIAÇÃO ARTÍSTICA Uma arquitectura monumental Toda a arte egípcia está muito ligada ao poder absoluto divino do faraó. Os egípcios construíram, sobretudo, palácios, templos e túmulos. Estas construções apresentam como principal característica a monumentalidade e impressionavam pela dimensão, quantidade de materiais utilizados e pelas técnicas usadas para os construir .
  • 17. PALÁCIOS, TEMPLOS E TÚMULOS Dos palácios dos faraós ou das pequenas casas de habitação pouco se sabe, pois praticamente nada chegou aos nossos dias. Descobertas arqueológicas recentes revelam que utilizavam, na sua construção, tijolos de lama secos ao sol ou madeira. Pelo contrário, a pedra, material mais duradouro que abundava nas pedreiras do Alto Egipto, era usada na construção dos templos e dos túmulos. Nos templos, a coluna, o elemento arquitectónico inventado pelos egípcios, servia para suportar os tectos, reproduzindo, geralmente, plantas da flora: o papiro, o lótus e a palmeira. Estes edifícios tinham normalmente uma planta rectangular. Os túmulos tiveram, ao longo dos séculos, diferentes formas: mastabas (estrutura em pedra rectangular), pirâmides de degraus (sobreposição de várias mastabas) e pirâmides de faces lisas. No 2.º milénio a.C., para tentar evitar os constantes assaltos que se verificavam a estes monumentos, construíram-se túmulos subterrâneos escavados na rocha, conhecidos por hipogeus .
  • 18. A PINTURA E O BAIXO - RELEVO . Nas pinturas e nos baixos-relevos decorativos das paredes dos túmulos encontram-se, essencialmente, episódios da vida quotidiana e cenas religiosas que procuram assegurar ao defunto, no mundo dos mortos, uma existência semelhante à vida terrena. A representação da figura humana obedecia a normas convencionais, como a chamada lei da frontalidade. Os egípcios procuravam representar a figura humana o mais completa possível, conjugando elementos de frente e de perfil, para mostrar os seus traços mais característicos. O tamanho das figuras representadas correspondia à sua posição na sociedade, por isso faraó era representado sempre com maiores dimensões do que qualquer outra personagem.
  • 19. A ESCULTURA E AS ARTES DECORATIVAS Os artistas egípcios produziam também grande número de estátuas e estatuetas de pedra ou de madeira. Encontradas no interior das câmaras funerárias, representavam a lei da frontalidade e quando a figura era representada de pé dava-se uma ideia de movimento representada por o avanço de uma das pernas. O faraó como era considerado um rei deus, as suas imperfeições eram todas ignoradas, enquanto as estátuas de classe inferior eram esculpidas com certo realismo. Os artistas egípcios também foram originais nas artes decorativas. Destaca-se o trabalho da ourivesaria pela riqueza dos materiais empregues e pela grande precisão no fabrico de objectos, que eram símbolo de distinção social para quem as usava.
  • 20. CONCLUSÃO Gostamos muito de fazer este trabalho, ficámos a saber mais sobre a civilização egípcia e esperamos que vocês também a percebam de uma forma mais simples e resumida e que fiquem com uma pequena noção do tema. Para nós a civilização egípcia fala-nos da sua cultura e de vários inventos como: a invenção de um calendário com 365 dias, as pirâmides e os outros monumentos que nos fascinaram e outras coisas muito interessantes que descobrimos.
  • 21. BIBLIOGRAFIA OLIVEIRA, Ana, CANTANHEDE, Francisco, CATARINO, Isabel, TORRÃO, Paula, História 7, Texto Editores, Lisboa, 2006. Enciclopédia do Estudante – História Universal, Vol.2, Editora Santillana, 2008. www.google.com