Viajando no mundo da arte

3.135 visualizações

Publicada em

Atividade desenvolvida pelas Professoras Rosemeiri Torres e luzia Ferreira

Publicada em: Educação, Tecnologia
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Viajando no mundo da arte

  1. 1. NTE- NÚCLEO DE TECNOLOGIA EDUCACIONALPROJETO INTEGRADO DE APRENDIZAGEM<br />VIAJANDO NO MUNDO DA ARTE<br />
  2. 2. AUTORES:<br />ROSIMEIRE TORRES ARBA<br />LUZIA FERREIRA<br />
  3. 3. Nome do grupo: Viajando no mundo da Arte<br />Nome da Escola: Escola Estadual Antonio Fernandes Local Naviraí MS<br />Série: 1º Ano do Ensino Médio<br />Número de alunos aproximadamente: 50<br />Professores envolvidos:<br />Rosimeire Torres Arba e Luzia Ferreira <br />1. Identificação <br />
  4. 4. <ul><li>2. Problemática a ser estudada / Definição do Tema
  5. 5. Representar a Arte do Egito Antigo por meio da História, pinturas e de Slides.
  6. 6. 3. Justificativa:
  7. 7. Tendo em vista que os alunos modernos estão muito distantes da antiga arte, principalmente a arte da antiga civilização egípcia, houve a necessidade de conscientizar os mesmos sobre essa magnífica manifestação artística.</li></ul> <br />
  8. 8. <ul><li>Proporcionar aos alunos a despertar o fascínio pela arte antiga;
  9. 9. Desenvolver a capacidade crítica;
  10. 10. Atuar como mediador no aspecto artístico;
  11. 11. Reconhecer o significado da arte e sua participação nas civilizações;
  12. 12. Identificar fatores relevantes que contribuíram para o surgimento da arte;
  13. 13. Levar os alunos a participarem integralmente nesse projeto.</li></ul>4. Objetivos:<br />
  14. 14. Estudo da arte no Egito;<br />Contexto sociocultural da arte egípcia;<br />Principais características e artistas da arte egípcia;<br />Produção de textos;<br />Elaboração de Slides;<br />Imagens do Museu Nacional do Egito.<br />5. Conteúdos:<br />
  15. 15. 6. Disciplinas envolvidas:<br />Artes, Língua Portuguesa, História, Literatura e Geografia.<br />
  16. 16. 7. Metodologia / Procedimentos / Cronograma:<br /><ul><li>O projeto será desenvolvido durante os meses de maio e junho, nas aulas das disciplinas em que nós componentes do projeto atuamos, será feito algumas visitas na sala de tecnologia no período em que os alunos estudam e também em horário adversos para que possam elaborar slides para ser apresentados no final do projeto. Desenvolveremos com os alunos pinturas de imagens sobre a arte mencionada. Toda a problemática será transmitida de forma teórica e também de forma prática, os diferentes tipos de manifestações artísticas e o papel dessa arte na sociedade.</li></li></ul><li>Computador;<br />Internet;<br />Data show;<br />Câmera digital;<br />Pen drive;<br />Tintas;<br />Telhas de barro;<br />Livros de Artes.<br />8. Recursos a serem utilizados:<br />
  17. 17. ATIVIDADES<br />PERÍODO<br />ANO<br />Organização dos alunos<br />Maio<br />2011<br />Visita à sala de tecnologia<br />Maio<br />2011<br />Elaboração de slides<br />Junho<br />2011<br />Pinturas de imagens<br />Junho<br />2011<br />Apresentação do projeto<br />Junho<br />2011<br />9. Registro do processo<br />
  18. 18. 10. Avaliação e Resultados esperados:<br />Participação individual e coletiva;<br />Desempenho e organização do projeto;<br />Elaboração dos slides;<br />Através das pinturas;<br />
  19. 19. 11. Divulgação / Socialização do Projeto realizado:<br />Blogs e na Escola dos alunos participantes.<br />
  20. 20. <ul><li>História da arte. São Paulo, Salvat, 1978. 10 V.
  21. 21. Descobrindo a História da Arte/ graça Proença.- 1.ed.- São Paulo: Ática, 2008.
  22. 22. História Geral da Arte no Brasil. Coordenador: Walter Zanini. São Paulo, Instituto Walter Moreira Salles e fundação Djalma Guimarães, 1983.
  23. 23. Sarmento,L.L.; Tufano, D. Português. São Paulo: Moderna, 2004.
  24. 24. Oliveira, Ariovaldo U. de. A Geografia das lutas no campo. São Paulo: contexto, 1998.
  25. 25. www.brasilarte.com.br/
  26. 26. www.planetasites.com/artes-cultura.html
  27. 27. www.brasilescola.com/historia
  28. 28. www.historianet.com.br</li></ul>12. Referências Bibliográficas:<br />
  29. 29. ARTE EGÍPCIA<br />Autores: Rosimeire Torres Arba e Luzia Ferreira<br />Escola Estadual Antônio Fernandes<br />
  30. 30. As artes no Egito Antigo estavam muito relacionadas com a vida religiosa. A maioria das estátuas, pinturas, monumentos e obras arquitetônicas estavam ligados, direta ou indiretamente, aos temas religiosos.<br />A arte egípcia se caracteriza pela "lei da frontalidade", ou seja, as figuras com rostos de perfil e os olhos de frente. <br />O corpo está de frente e as pernas e pés de perfil. Isto porque eles acreditavam que, com o corpo de frente, a figura poderia receber inteiramente as reverências e a admiração de quem as contemplasse.<br />Os egípcios acreditavam que a vida continuava após a morte, e o morto reviveria tudo aquilo que fosse pintado no túmulo. <br />Costumavam mumificar os faraós, e faziam uma estátua igual ao morto, para que, na volta da alma, o corpo ali estivesse para recebê-la.<br />
  31. 31. A civilização egípcia vem sempre envolta numa nuvem mística, quase etérea, resultado da inevitável mistura de deuses, mitos, monumentos e personagens que marcaram a história da humanidade.<br />Terra do Nilo e das Pirâmides, o Egito fascina a quem dele se aproxima, envolvendo a todos num clima de mistério e grandiosidade.<br />
  32. 32. Localização e História<br />As primeiras cidades egípcias foram se formando há pouco mais de 5.000 anos, próximas do rio Nilo.<br />Situado no nordeste da África, o território egípcio é em grande parte desértico.<br />O norte do Egito é banhado pelo mar Mediterrâneo e sua costa leste, pelo mar Vermelho. Na antiguidade, os produtos que os egípcios compravam de outras regiões chegavam pelo Mediterrâneo.<br />Ao longo desse período, camponeses e escravos muitas vezes se revoltavam contra as condições de vida e de trabalho.<br />
  33. 33. A antiga cultura egípcia sobreviveu por 30 séculos (3500aC e 525aC), onde influenciou outros povos da época. <br />Era semelhante em alguns aspectos às sociedades mesopotâmicas, como as crenças politeístas (crença em vários deuses), as desigualdades sociais, as atividades econômicas dependentes das águas dos rios, a escrita.<br />Eram diferentes na forma de governo – governo unificado (único); crença na vida após a morte e os conhecimentos de medicina.<br />O Egito também enfrentou várias invasões de povos estrangeiros e acabou dominado pelos persas em 525aC.<br />
  34. 34. O RIO NILO<br />Como a região era desértica, o rio Nilo ganhou uma extrema importância para os egípcios. <br />O rio era utilizado como via de transporte (através de barcos) de mercadorias e pessoas. <br />As águas do rio Nilo também eram utilizadas para beber, pescar e fertilizar as margens, nas épocas de cheias, favorecendo a agricultura. <br />Nos meses das cheias, as águas do rio invadiam as margens, deixando as terras úmidas e prontas para o plantio.<br />A cheia anual do rio Nilo era provocada no vale egípcio, porque seu maior afluente – o rio Nilo Azul -, que vinha das montanhas da Etiópia, trazia grande quantidade de água das chuvas. Os dois rios encontravam-se formando um só.<br />
  35. 35. Quando as águas chegavam ao vale egípcio, em pleno deserto, o rio subia cerca de 16 metros e provocava as cheias que tornaram possível a civilização egípcia.<br />O primeiro dia de cheia era considerado o primeiro dia do ano egípcio.<br />Mas as cheias também traziam prejuízos porque, algumas vezes, eram muito violentas e destruíam as plantações e as aldeias.<br />Os egípcios construíram canais de irrigação, barragens e grandes reservatório para melhor utilizar a água, armazenando-a e abastecendo as regiões mais distantes do vale.<br />
  36. 36. SOCIEDADE EGÍPCIA<br />A sociedade egípcia estava dividida em várias camadas, sendo que o faraó era a autoridade máxima, chegando a ser considerado um deus na Terra. <br />Sacerdotes, militares e escribas (responsáveis pela escrita) também ganharam importância na sociedade. Esta era sustentada pelo trabalho e impostos pagos por camponeses, artesãos e pequenos comerciantes.<br /> Os escravos também compunham a sociedade egípcia e, geralmente, eram pessoas capturadas em guerras.Trabalhavam muito e nada recebiam por seu trabalho, apenas água e comida. <br />
  37. 37. O FARAÓ<br />Os faraós acumularam poder e riqueza.<br />Foram eles que determinaram a construção de todas as grandes obras de engenharia.<br />A população os via como deuses.<br />Tinham várias mulheres e muitos filhos.<br />Sua grande família vivia em palácios luxuosos e convivia diretamente com outras famílias influentes.<br />Com apenas 18 anos de idade. O túmulo de Tutankhamon faraó que morreu perto de 1352A.C. foi descoberto em 1922, praticamente intacto e cheio de mobiliário e ornamentos típicos do período de apogeu da civilização egípcia. <br />
  38. 38. ECONOMIA<br />A economia egípcia era baseada principalmente na agricultura que era realizada às margens férteis do rio Nilo. <br />Os egípcios também praticavam o comércio de mercadorias e o artesanato.<br /> Os trabalhadores rurais eram constantemente convocados pelo faraó para prestarem algum tipo de trabalho em obras públicas (canais de irrigação, pirâmides, templos, diques).   <br />
  39. 39. PIRÂMIDES<br />
  40. 40. Há no Egito 80 pirâmides, construídas aproximadamente 4000 a.C. distam apenas 10Km da cidade do Cairo. <br />As pirâmides são as únicas sobreviventes das famosas "Sete Maravilhas do Mundo". <br />A maior pirâmide, e a mais antiga é a de QUÉOPS. Possui 148 metros de altura, 234 metros de base. <br />A área que ocupa é de 54.000 m². Nela foram empregados 2.300.000 blocos de granito de 02 toneladas cada um.<br />As pedras foram trazidas da Arábia e transportadas em grandes barcaças pelo Rio Nilo.<br />No transporte de terra eram colocadas em enormes pranchas que por sua vez deslocavam sob troncos roliços de grandes dimensões.<br />Trabalharam na construção cerca de 100.000 operários durante 20 anos <br />
  41. 41. As pirâmides, grandes construções de blocos de pedras, era o túmulo dos faraós e de seus familiares.<br />Seu interior era decorado, possuía móveis, armas e jóias. Alguns deles passaram toda a vida organizando a construção e a decoração de seus túmulos. <br />Ordenavam aos seus auxiliares e escravos que colocassem alimentos, animais de estimação, roupas e objetos pessoais – acreditando que precisariam de tudo isso na vida após a morte.<br />
  42. 42. Os egípcios acreditavam que, após a morte, teriam de passar pelo tribunal dos deuses, que julgaria quem mereceria uma vida.<br />Os premiados com a vida iriam precisar do corpo bem conservado para abrigar sua alma quando ela retornasse.<br />Com esse objetivo, desenvolveram técnicas de mumificação para a preservação dos corpos.<br />
  43. 43. A MUMIFICAÇÃO<br />O trabalho de mumificação era caro e demorado, era feito por artesãos especializados. <br />Apenas as pessoas pertencentes as camadas privilegiadas eram mumificadas, as demais eram enterradas na areia do deserto, em cerimônias simples<br />
  44. 44. OS RITUAIS DE MUMIFICAÇÃO<br />A mumificação e os rituais funerários obedeciam regras rígidas, estabelecidas pelo próprio Anúbis e duravam 70 dias. <br />Após a retirada dos órgãos internos, os embalsamadores colocavam as vísceras em vasos sagrados chamados "Vasos Canopos", cada um sob a proteção de um dos quatro filhos de Hórus. <br />O coração era lacrado no próprio corpo. <br />Os Egípcios o consideravam como o órgão tanto da inteligência como do sentimento e portanto, seria indispensável na hora do juízo. <br />Somente à alguém com um coração tão leve quanto a pluma da verdade, o deus Osiris permitia a entrada para a vida eterna. <br />
  45. 45. ESCRITA EGÍPCIA<br />Os egípcios criaram os <br />HIERÓGLIFOS.<br />Este termo deriva da composição de duas palavras gregas - hiero «sagrado», e glyfus «escrita». <br />A escrita hieroglífica constitui provavelmente o mais antigo sistema organizado de escrita no mundo, e era vocacionada principalmente para inscrições formais nas paredes de templos e túmulos.<br />Os hieróglifos foram usados durante um período de quatro milênios para escrever a antiga língua do povo egípcio. <br />Somente no início do século XIX... através da “Pedra de Roseta” foi decodificada essa <br />caligrafia... e surgiu a compreensão da maioria das inscrições em túmulos... monumentos e <br />papiros... que sobreviveram ao tempo... e até hoje têm fascinado a humanidade.<br />
  46. 46. O PAPIRO<br />Muito da História do Egito nos foi transmitido pelos rolos de papiro encontrados nos túmulos dos nobres e faraós. <br />Foram os egípcios que, por volta de 2.200 antes de Cristo, inventaram o papiro, espécie de pergaminho e antepassado do papel.<br />
  47. 47. Papiro é uma planta aquática existente no delta do Nilo. Seu talo em forma piramidal chega a ter de 5 a 6 metros de comprimento. Era considerada sagrada porque sua flor, formada por finas hastes verdes, lembra os raios do Sol, divindade máxima desse povo. <br />O miolo do talo era transformado em papiros e a casca, bem resistente depois de seca, utilizada na confecção de cestos, camas e até barcos.<br />Para se fazer o papiro, corta-se o miolo do talo - que é esbranquiçado e poroso - em finas lâminas. <br />
  48. 48. TATUAGEM<br />A história da tatuagem é muito mais antiga do que muitos pensam. A história da tatuagem parece estar ligada com a evolução do homem e do desenvolvimento da consciência do "eu".Foi no Egito antigo que a tatuagem feita com perfurações introduzindo um pigmento na pele foi praticada. <br />Existe provas arqueológicas que provam que marcas de tatuagens foram feitas em seres humanos no Egito entre 4.000 e 2.000 a.C. Foi no Egito, também, que a arte da tatuagem viajou o mundo.<br />
  49. 49. RELIGIÃO<br />A religião no Egito Antigo era marcada por várias crenças, mitos e simbolismos. A prática religiosa era muito valorizada na sociedade egípcia, sendo que os rituais e cerimônias ocorriam em diversas cidades. A religião egípcia teve grande influência em várias áreas da sociedade.<br />
  50. 50. <ul><li>Os egípcios eram politeístas (acreditavam em vários deuses). De acordo com este povo, os deuses possuíam poderes específicos e atuavam na vida das pessoas. Havia também deuses que possuíam o corpo formado por parte humana e parte de animal sagrado. Anúbis, por exemplo, deus da morte, era representado com cabeça de chacal num corpo de ser humano.Os egípcios antigos faziam rituais e oferendas aos deuses. Era uma forma de conseguirem agradar aos deuses, conseguindo ajuda em suas vidas. </li></ul>Características da religião egípcia <br />
  51. 51. No Egito Antigo existiam diversos templos, que eram construídos em homenagem aos deuses. Cada cidade possuía um deus protetor.Outra característica importante da religião egípcia era a crença na vida após a morte. De acordo com esta crença, o morto era julgado no Tribunal de Osíris. O coração era pesado e, de acordo com o que havia feito em vida, receberia um julgamento. Para os bons havia uma espécie de paraíso, para os negativos, Ammut devoraria o coração.<br />
  52. 52. Havia cerca de mil deuses... alguns sofrendo uma humanização lenta e incompleta – <br />cabeças de animais em corpos humanos... como Anúbis - Horus – <br />Montu – Set – Thot –Sebek – Sokaris- Thueris – Ápis... entre outros.<br />
  53. 53. A imagem mais perfeita desse deus era o sol... através dos seus <br />três atributos principais: forma... luz e calor.<br />A alma do sol chamava-se Amon-Ra... que significa “sol oculto”. Todas as demais <br />divindades eram membros do seu corpo... incluindo os animais sagrados como o <br />falcão (Horus)... a íbis (Thot)... o crocodilo e o gato (Miau)... etc e tal.<br />
  54. 54. A religião egípcia era obcecada pela imortalidade da alma... explicada pelas múmias e as<br /> riquezas das câmaras funerárias. Pirâmides... Mastabas e túmulos foram construídos <br />para proteger a continuidade do morto.<br />
  55. 55. VISITA À SALA DE TECNOLOGIA<br />
  56. 56.
  57. 57.
  58. 58.
  59. 59. ELABORAÇÃO DE SLIDES<br />
  60. 60.
  61. 61. DEFINIÇÃO TEÓRICA DAS IMAGENS<br />
  62. 62.
  63. 63.
  64. 64.
  65. 65. PINTURAS DE IMAGENS<br />
  66. 66.
  67. 67.
  68. 68.
  69. 69.
  70. 70.
  71. 71.
  72. 72.
  73. 73. CONCLUSÃO DO PROJETO<br />
  74. 74.
  75. 75.
  76. 76.
  77. 77.
  78. 78.
  79. 79.
  80. 80.
  81. 81.
  82. 82.
  83. 83.
  84. 84. EXPOSIÇÃO DAS PINTURAS NA ESCOLA<br />
  85. 85.
  86. 86.
  87. 87.
  88. 88.
  89. 89. FIM!<br />
  90. 90. MUSEU NACIONAL DO EGITO<br />
  91. 91. Szobor Sphinx<br />
  92. 92. Tutankamon como uma matança sphinx<br />
  93. 93. Caixa de madeira com painéis de cor marfim<br />
  94. 94. Tutankamun e sua esposa<br />
  95. 95.
  96. 96.
  97. 97. Deir el Bahari<br />
  98. 98. papiros<br />
  99. 99. alabastro barco<br />
  100. 100. alabastro barco<br />
  101. 101. Alabastro canopic frascos<br />
  102. 102. Alabastro vaso de perfume<br />
  103. 103. barcos Travellings<br />
  104. 104. Faraó<br />
  105. 105. Tutankhamon e Menkaret<br />
  106. 106. Faraó<br />
  107. 107. barcos de pesca<br />
  108. 108. Sarcophag<br />caixão mais íntimos<br />
  109. 109. Santuário canopic<br />
  110. 110. Cadeira eclesiástica <br />
  111. 111. Trono dourado<br />
  112. 112. Falcão<br />
  113. 113. Leão-dourado <br />
  114. 114. Estátua de ouro de Hórus <br />
  115. 115. Estátua de ouro<br />
  116. 116. Painel de ouro<br />
  117. 117. Estátua dourada do Deus Anúbis<br />
  118. 118. Estátuas de ouro de deuses egípcios<br />
  119. 119. Caixões mais íntimos<br />
  120. 120. Mascara funerária de ouro de Tutankhamon<br />
  121. 121. Colar de ouro folha<br />
  122. 122.
  123. 123.
  124. 124.
  125. 125. Peitorais de ouro<br />
  126. 126. Golden mask<br />

×