SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 37
   Identificar a pólis ateniense como um centro politicamente autónomo
onde se tornou possível desenvolver formas de participação
democrática restritas à comunidade dos cidadãos.
   Valorizar processos de intervenção democrática na vida coletiva.
    Mostrar a importância da educação para o exercício dos direitos
cívicos.
   Desenvolver a sensibilidade estética através da identificação e da
apreciação de manifestações do período clássico.
   Inferir o contributo grego na civilização europeia.
   Pólis                    Isocracia
   Ágora                    Isegoria
   Acrópole                 Isonomia
   Democracia               Cidadania
   Cidadão                  Ostracismo
   Meteco                   Capitel
   Escravo                  Friso
   Ordem arquitetónica      Arte
Localização
 Espacial




              Península Balcânica
A Grécia localiza-se na Península Balcânica e é banhada a Sul
pelo mar Mediterrâneo, a este pelo mar Egeu e a Oeste pelo mar
Jónico.
   As características geográficas marcaram a sua evolução:

• Terreno muito montanhoso;

• Apresenta vales profundos e pequenas planícies;

• Costa muito recortada e numerosos portos naturais.
O relevo montanhoso dificultava o contacto entre as cidades, pelo
que as populações começaram a desenvolver-se isoladamente,
formando cidades-estado ou pólis, cidades com governo, leis e exército
próprios. Era fundamental a existência do território, das leis (Nomos) e
do corpo cívico para que a pólis existisse em pleno. A pólis deveria
bastar-se a si própria (ideal de autarcia).
   Atenas transformou-se na mais rica e prospera cidade do
    mundo grego para o qual contribuíram:
     Situação geográfica, perto do mar Egeu que permitiu aos
      atenienses dedicarem-se, predominantemente, ao comércio
      marítimo;
     O comércio florescente e o uso da prata na cunhagem de moeda
      – dracma – que passou a ser aceite, no comércio realizado em
      todo o Mediterrâneo;
     O assumir a liderança da Liga de Delos, aliança defensiva,
      contra as invasões dos persa.
A pólis era                              Partenon


 constituída por:            Erectéion




Acrópole,
situada na parte mais alta
da cidade, era o centro        Acrópole


da vida religiosa e onde
se    encontravam      os
templos.
ou praça pública, era
a parte mais baixa da
cidade,    onde       se
encontravam           as
zonas     residenciais,
administrativas       e
comerciais. Constituía
o centro da cidade.
                      A zona rural, com campos, pastos e bosques,
                      servia para abastecer a cidade de produtos
                      agrícolas.
   Atenas foi governada por diversos sistemas políticos:
     • Monarquia (época micénica - até aos inícios do séc. VII a.C.);

     • Oligarquia ou aristocracia (séc. IX-VII a.C.). Primeira colonização
       (fixação). Como reformadores, Drácon e Sólon.
     • Tirania de Pisístrato e de Clístenes (séc. VI a V a.C.). Segunda
       colonização (comercial).
        Os conflitos sociais levaram Clístenes a realizar reformas que
       defendiam a igualdade de direitos políticos, entre todos os
       cidadãos. Esta reforma foi concluída por Péricles no séc. V a.C.,
       dando origem à DEMOCRACIA.
   Isonomia: todos são iguais perante a lei;
   Isocracia: todos têm as mesmas oportunidades de acesso aos cargos
    políticos;
   Isegoria: todos têm o mesmo direito ao uso da palavra.

       Clístenes dividiu o   território em 10 tribos, subdivididas em 10
    demos, de onde eram sorteados os cidadãos que prestariam serviço
    na cidade. Péricles completou esta reforma com a introdução das
    mistoforias (pagamento feito pelo estado aos que exerciam cargos
    públicos). Era uma democracia direta, uma vez que os cidadãos não
    delegavam em ninguém o poder.
   A sociedade grega estava dividida em três grupos:

      Cidadãos


      Metecos


      Escravos
   Cidadãos
     Sexo masculino;

     filho de pai e mãe ateniense;

     maior de 18 anos;

     único grupo social com direito a possuir
      propriedades na Ática;
     único grupo social a ter direitos políticos.
   Metecos
     estrangeiros       que    se   dedicavam       ao
      artesanato e comércio;
     eram livres;

     estavam        sujeitos   ao   serviço     militar
      obrigatório;
     pagavam impostos;

     não tinham quaisquer direitos políticos;
   Escravos
     Considerados instrumentos de trabalho;

     cerca de 1/3 da população;

     trabalhavam    na   agricultura,   no   artesanato,   nas   tarefas
      domésticas;
     eram geralmente bem tratados;

     Origem:

      prisioneiros de guerra;
      vítimas de pirataria;
      Comprados ou filhos de escravos
   Era o dom da palavra (oratória) que permitia o sucesso na política.
    Todavia, o perigo de manipulação existia, pelo que se decidiram a
    proteger a democracia:
      Introdução da graphê paranomom (pág. 37);

      Necessidade de prestar contas no fim dos mandatos;

      O ostracismo (pág.37).
   Participação direta dos cidadãos nas assembleias;
   Concentração da autoridade nas assembleias;
   Rotatividade dos cargos políticos;
   Decisões colegiais;
   Escolha para o cargo através de eleição ou sorteio;
   Criação de juízes populares (todos os cidadãos eram obrigados a
    conhecer a lei).
   A democracia ateniense apresenta algumas contradições e
    limitações:
     Limitação à liberdade de expressão: quem conspirasse contra a
      democracia era condenado ao ostracismo;
     Só os cidadãos (pág. 38) podiam participar no governo da
      cidade;
     Segregação de sexos (pág. 39);

     Participação na política vedada aos metecos e mulheres
      (pág.40);
Limites da democracia ateniense
 Existência de escravos numa forma de governo que defendia a
 igualdade de direitos (pág. 41);
 Imperialismo exercido por Atenas através da Liga de Delos; exigia
 o pagamento de tributos e não respeitava os direitos das outras
 cidades;


   Apesar de todas estas limitações a democracia ateniense foi
 um exemplo de participação cívica, sendo um dos mais
 importantes legados que a civilização grega nos deixou.
A cultura adquiriu, em Atenas, um estatuto especial durante os
séculos V e IV a.C. O jovem grego aprendia, desde o berço, a
comportar-se e a preparar-se para a vida de adulto. Ao chegar aos 20
anos, o jovem tinha que estar pronto para participar no governo da Polis.
    A educação começava em casa com a mãe. Até aos sete anos,
rapazes e raparigas permaneciam no Gineceu, a parte da casa onde a
mãe ensinava às crianças as regras de comportamento e os rudimentos
(princípios) da religião e das tradições culturais. A partir dos sete anos,
os rapazes e as raparigas separavam-se, para cada um deles se
preparar para o futuro que os esperava .
Características da religião grega:
        •de toda a sociedade, com raízes nos Poemas Homéricos.
        •Politeísta.
        •Antropomorfismo dos deuses.
        •Diferentes tipos de culto.
        •Locais sagrados:
            •Oráculos (de consulta, como o de Delfos);
            •Santuários (como o de Olímpia).
• Culto cívico – celebrado em cada cidade;

• Culto pan-helénico – celebrado por todos os gregos:

  Mais importantes:
    Zeus, em Olímpia (jogos Olímpicos)
    Apolo, em Delfos (jogos Píticos)
• Culto privado

  celebrado em cada lar, junto ao altar doméstico;
  celebrado nos cemitérios.
Os gregos adoravam vários deuses, e representavam-nos sob a forma
humana. A religião grega era, portanto, politeísta e antropomórfica. Os
deuses habitavam o monte Olimpo onde se encontravam 15 deuses.
São eles:
  Zeus - Deus do céu e Senhor do Olimpo;

   Deméter - Deusa da agricultura;
   Posídeon - Deus dos mares ;
   Ares - Deus da guerra;
   Hefesto- Deus do fogo;
   Hermes - Deus do comércio e das comunicações;
   Asclépio - Deus da medicina.

Hera - Deusa
                                                       do casamento      Dionísio - Deus
 Apolo - Deus do                                                          do vinho e do
Sol, das artes e da      Diana – Deusa da
                               caça                                          prazer
      razão;




                                            Atena - Deusa da           Hades - Deus do
                                            inteligência e da         mundo subterrâneo
      Afrodite - Deusa do amor                 sabedoria;                 (inferno)
              e da beleza
Festividades em honra de Atena, deusa protetora de Atenas,
realizavam-se no mês de Julho.
   Estas celebrações festejavam ainda o sentimento de orgulho e
união dos atenienses.
   De quatro em quatro anos, realizavam-se as Grandes Panateneias.
Festividades em honra de Dionísio, deus do vinho, realizavam-se
no mês de Março. Estas celebrações aliavam o culto à competição
poética. Surgem então as representações teatrais que conheceram
grande desenvolvimento na Grécia e, particularmente, em Atenas.
   Tragédias, comédias e tragicomédias, abordam, principalmente, a
intervenção dos deuses na vida dos homens. As primeiras tratam dos
problemas humanos e das suas relações com os deuses. Os seus
maiores autores são Sófocles, Ésquilo e Eurípedes.
A comédia, parodiando os homens, troça dos seus costumes e da
época. Tem o seu principal representante em Aristófanes.
   Os atores são sempre homens que fazem, quer o papel masculino,
como o feminino. Usavam máscaras que pretendiam exprimir o
carácter da personagem. Depois das representações, dez juízes
nomeavam o vencedor, que era coroado com uma coroa de Hera.
Construído em espaços abertos, aproveitando as montanhas, para aí
escavar a bancada., é composto por: Orquestra, uma área circular em
torno da qual se organiza o teatro; Cena, plataforma onde estavam os
atores. Existiam ainda as bancadas e os párodos (acessos laterais).
   Os gregos praticavam ainda o culto dos heróis. Eram seres
    mitológicos considerados pelos gregos como seus antecessores,
    fundadores das cidades, às quais davam proteção: Teseu, Perseu,
    Belerofonte e Hércules;
   Diversos jogos periódicos eram promovidos pelos gregos em
    homenagem aos deuses, como os Jogos Olímpicos, dedicados a
    Zeus, na cidade Olímpia. Os Jogos Olímpicos eram praticados de
    quatro em quatro anos. Durante sua realização, paravam-se as
    guerras e respeitavam-se como      pessoas sagradas, os seus
    participantes.
O estado grego não interferia na educação dos jovens, que

considerava responsabilidade dos pais. No entanto, todos deveriam

saber ler, escrever e nadar.

      As raparigas permaneciam em casa, aprendendo as "artes" da

economia doméstica, regras de etiqueta

e música.
Os rapazes iam à escola onde aprendiam a ler e a escrever. Até aos

14 anos, tinham que aprender de cor os Poemas Homéricos (livro base

de aprendizagem). Aos 15, entravam para o Ginásio, onde aprendiam a

arte da harmonia entre o corpo físico e o espírito (a ginástica era a parte

fundamental dessa harmonia). Entre os 18 e os 20 anos, os jovens

cumpriam o serviço militar (parte final da sua preparação como

cidadãos), o que lhes garantia o acesso aos cargos de administração

pública, do governo da cidade.
A civilização grega foi também importante pelo legado científico que
nos deixou:
   A Filosofia, Sócrates e os Sofistas: Sócrates tentou desenvolver nos
jovens o gosto pela sabedoria e pelo estudo do homem, o humanismo.
A sua máxima "conhece-te a ti próprio" é tomada como princípio para
atingir a verdade. O conhecimento da verdade permite àquele que o
possui, praticá-lo, pois dizia, "quem conhece o bem, pratica-o". Os
ensinamentos de Sócrates foram continuados e passados a escrito
pelos seus discípulos, principalmente Platão e Aristóteles.
        A Matemática: estudada por Pitágoras e seus discípulos, foi
desenvolvida principalmente em Crotona (uma colónia do sul da Itália).

A   História foi também criada na Grécia. Heródoto e Tucídides
tentaram     fazer   um   relato   dos   acontecimentos   de   momentos
particulares da história grega. O primeiro sobre as Guerras Pérsicas, o
segundo sobre a Guerra do Peloponeso entre Atenas e Esparta.

A   Medicina: Hipócrates criou uma escola cujo juramento ainda hoje é
cumprido pelos médicos.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O modelo ateniense uma cultura aberta à cidade
O modelo ateniense   uma cultura aberta à cidadeO modelo ateniense   uma cultura aberta à cidade
O modelo ateniense uma cultura aberta à cidadehome
 
Teste de História 10ºano - Grécia Antiga
Teste de História 10ºano - Grécia AntigaTeste de História 10ºano - Grécia Antiga
Teste de História 10ºano - Grécia AntigaZé Mário
 
Resumos História - O Modelo Ateniense
Resumos História - O Modelo AtenienseResumos História - O Modelo Ateniense
Resumos História - O Modelo AtenienseLojinha da Flor
 
Resumo de matéria de História 10º ano
Resumo de matéria de História 10º anoResumo de matéria de História 10º ano
Resumo de matéria de História 10º anojorgina8
 
O modelo ateniense (síntese) (1).pptx
O modelo ateniense (síntese) (1).pptxO modelo ateniense (síntese) (1).pptx
O modelo ateniense (síntese) (1).pptxCecília Gomes
 
Modelo romano parte 3
Modelo romano parte 3Modelo romano parte 3
Modelo romano parte 3cattonia
 
10 atenas no século v
10   atenas no século v10   atenas no século v
10 atenas no século vCarla Freitas
 
Civilização romana
Civilização romanaCivilização romana
Civilização romanabamp
 
01 02_o_modelo_romano
01  02_o_modelo_romano01  02_o_modelo_romano
01 02_o_modelo_romanoVítor Santos
 
O século de péricles
O século de périclesO século de péricles
O século de périclesAna Barreiros
 
O Modelo Romano - a fixação de modelos artísticos: arquitetura, escultura e...
O Modelo Romano -   a fixação de modelos artísticos: arquitetura, escultura e...O Modelo Romano -   a fixação de modelos artísticos: arquitetura, escultura e...
O Modelo Romano - a fixação de modelos artísticos: arquitetura, escultura e...Núcleo de Estágio ESL 2014-2015
 
O Modelo Romano - A apologia do império na épica e na historiografia
O Modelo Romano - A apologia do império na épica e na historiografiaO Modelo Romano - A apologia do império na épica e na historiografia
O Modelo Romano - A apologia do império na épica e na historiografiaNúcleo de Estágio ESL 2014-2015
 
Módulo 1 – a cultura da ágora
Módulo 1 – a cultura da ágoraMódulo 1 – a cultura da ágora
Módulo 1 – a cultura da ágoraTLopes
 
1 o modelo ateniense
1  o modelo ateniense1  o modelo ateniense
1 o modelo ateniensecr962019
 

Mais procurados (20)

O modelo ateniense uma cultura aberta à cidade
O modelo ateniense   uma cultura aberta à cidadeO modelo ateniense   uma cultura aberta à cidade
O modelo ateniense uma cultura aberta à cidade
 
Teste de História 10ºano - Grécia Antiga
Teste de História 10ºano - Grécia AntigaTeste de História 10ºano - Grécia Antiga
Teste de História 10ºano - Grécia Antiga
 
Resumos História - O Modelo Ateniense
Resumos História - O Modelo AtenienseResumos História - O Modelo Ateniense
Resumos História - O Modelo Ateniense
 
Resumo de matéria de História 10º ano
Resumo de matéria de História 10º anoResumo de matéria de História 10º ano
Resumo de matéria de História 10º ano
 
O modelo ateniense
O modelo atenienseO modelo ateniense
O modelo ateniense
 
O modelo ateniense (síntese) (1).pptx
O modelo ateniense (síntese) (1).pptxO modelo ateniense (síntese) (1).pptx
O modelo ateniense (síntese) (1).pptx
 
Modelo romano parte 3
Modelo romano parte 3Modelo romano parte 3
Modelo romano parte 3
 
10 atenas no século v
10   atenas no século v10   atenas no século v
10 atenas no século v
 
Civilização romana
Civilização romanaCivilização romana
Civilização romana
 
Império romano
Império romanoImpério romano
Império romano
 
Módulo 1
Módulo 1Módulo 1
Módulo 1
 
01 02_o_modelo_romano
01  02_o_modelo_romano01  02_o_modelo_romano
01 02_o_modelo_romano
 
O século de péricles
O século de périclesO século de péricles
O século de péricles
 
O Modelo Romano - a fixação de modelos artísticos: arquitetura, escultura e...
O Modelo Romano -   a fixação de modelos artísticos: arquitetura, escultura e...O Modelo Romano -   a fixação de modelos artísticos: arquitetura, escultura e...
O Modelo Romano - a fixação de modelos artísticos: arquitetura, escultura e...
 
O Modelo Romano - A apologia do império na épica e na historiografia
O Modelo Romano - A apologia do império na épica e na historiografiaO Modelo Romano - A apologia do império na épica e na historiografia
O Modelo Romano - A apologia do império na épica e na historiografia
 
Roma
RomaRoma
Roma
 
Módulo 1 – a cultura da ágora
Módulo 1 – a cultura da ágoraMódulo 1 – a cultura da ágora
Módulo 1 – a cultura da ágora
 
Roma
RomaRoma
Roma
 
1 o modelo ateniense
1  o modelo ateniense1  o modelo ateniense
1 o modelo ateniense
 
A cultura do senado
A cultura do senadoA cultura do senado
A cultura do senado
 

Semelhante a A Democracia Ateniense e sua Cultura

Semelhante a A Democracia Ateniense e sua Cultura (20)

Civilizacaogrega
CivilizacaogregaCivilizacaogrega
Civilizacaogrega
 
Civilização Grega
Civilização GregaCivilização Grega
Civilização Grega
 
Civilização grega
Civilização gregaCivilização grega
Civilização grega
 
Os Gregos No SéCulo V
Os Gregos No SéCulo VOs Gregos No SéCulo V
Os Gregos No SéCulo V
 
M1.1 o modelo ateniense
M1.1 o modelo atenienseM1.1 o modelo ateniense
M1.1 o modelo ateniense
 
Cidadania e democracia na antiguidade grecia
Cidadania e democracia na antiguidade greciaCidadania e democracia na antiguidade grecia
Cidadania e democracia na antiguidade grecia
 
GréCia Antiga
GréCia AntigaGréCia Antiga
GréCia Antiga
 
Grécia antig apps
Grécia antig appsGrécia antig apps
Grécia antig apps
 
Resumo
ResumoResumo
Resumo
 
Grecia geral
Grecia geralGrecia geral
Grecia geral
 
Civilização grega
Civilização gregaCivilização grega
Civilização grega
 
Módulo 1 contexto histórico regular
Módulo 1   contexto histórico regularMódulo 1   contexto histórico regular
Módulo 1 contexto histórico regular
 
GRÉCIA DEMOCRACIA ATENIENSE E PERÍODO CLÁSSICO
GRÉCIA DEMOCRACIA ATENIENSE E PERÍODO CLÁSSICOGRÉCIA DEMOCRACIA ATENIENSE E PERÍODO CLÁSSICO
GRÉCIA DEMOCRACIA ATENIENSE E PERÍODO CLÁSSICO
 
Atenas 7c
Atenas  7cAtenas  7c
Atenas 7c
 
Antiguidade grega
Antiguidade gregaAntiguidade grega
Antiguidade grega
 
A Grécia Antiga
A Grécia AntigaA Grécia Antiga
A Grécia Antiga
 
Slide sobre direito grego
Slide sobre direito gregoSlide sobre direito grego
Slide sobre direito grego
 
Direito grego.apresentacao
Direito grego.apresentacaoDireito grego.apresentacao
Direito grego.apresentacao
 
A DEMOCRACIA GREGA
A DEMOCRACIA GREGAA DEMOCRACIA GREGA
A DEMOCRACIA GREGA
 
GréCia
GréCiaGréCia
GréCia
 

Mais de cattonia

Deseq regionais.pptx
Deseq regionais.pptxDeseq regionais.pptx
Deseq regionais.pptxcattonia
 
arte portuguesa.ppsx
arte portuguesa.ppsxarte portuguesa.ppsx
arte portuguesa.ppsxcattonia
 
A reinvenção das formas.ppsx
A reinvenção das formas.ppsxA reinvenção das formas.ppsx
A reinvenção das formas.ppsxcattonia
 
A produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptxA produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptxcattonia
 
Era digital
Era digitalEra digital
Era digitalcattonia
 
A revolução francesa
A revolução francesaA revolução francesa
A revolução francesacattonia
 
O alargamento do conhec do mundo
O alargamento do conhec do mundoO alargamento do conhec do mundo
O alargamento do conhec do mundocattonia
 
2. o espaço português
2. o espaço português2. o espaço português
2. o espaço portuguêscattonia
 
Mercantilismo português
Mercantilismo portuguêsMercantilismo português
Mercantilismo portuguêscattonia
 
O quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xivO quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xivcattonia
 
3. hesitações do crescimento
3. hesitações do crescimento3. hesitações do crescimento
3. hesitações do crescimentocattonia
 
1. a identidade civilizacional da europa
1. a identidade civilizacional da europa1. a identidade civilizacional da europa
1. a identidade civilizacional da europacattonia
 
Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalizaçãocattonia
 
Hegemonia inglesa
Hegemonia inglesaHegemonia inglesa
Hegemonia inglesacattonia
 
1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmos1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmoscattonia
 
Constr do social ii
Constr do social iiConstr do social ii
Constr do social iicattonia
 
A constr do social
A constr do socialA constr do social
A constr do socialcattonia
 
Apos a guerra fria
Apos a guerra friaApos a guerra fria
Apos a guerra friacattonia
 

Mais de cattonia (20)

Deseq regionais.pptx
Deseq regionais.pptxDeseq regionais.pptx
Deseq regionais.pptx
 
arte portuguesa.ppsx
arte portuguesa.ppsxarte portuguesa.ppsx
arte portuguesa.ppsx
 
A reinvenção das formas.ppsx
A reinvenção das formas.ppsxA reinvenção das formas.ppsx
A reinvenção das formas.ppsx
 
A produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptxA produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptx
 
Era digital
Era digitalEra digital
Era digital
 
Família
FamíliaFamília
Família
 
A revolução francesa
A revolução francesaA revolução francesa
A revolução francesa
 
O alargamento do conhec do mundo
O alargamento do conhec do mundoO alargamento do conhec do mundo
O alargamento do conhec do mundo
 
2. o espaço português
2. o espaço português2. o espaço português
2. o espaço português
 
Mercantilismo português
Mercantilismo portuguêsMercantilismo português
Mercantilismo português
 
O quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xivO quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xiv
 
3. hesitações do crescimento
3. hesitações do crescimento3. hesitações do crescimento
3. hesitações do crescimento
 
1. a identidade civilizacional da europa
1. a identidade civilizacional da europa1. a identidade civilizacional da europa
1. a identidade civilizacional da europa
 
Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalização
 
Hegemonia inglesa
Hegemonia inglesaHegemonia inglesa
Hegemonia inglesa
 
Trabalho
TrabalhoTrabalho
Trabalho
 
1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmos1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmos
 
Constr do social ii
Constr do social iiConstr do social ii
Constr do social ii
 
A constr do social
A constr do socialA constr do social
A constr do social
 
Apos a guerra fria
Apos a guerra friaApos a guerra fria
Apos a guerra fria
 

Último

Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptxpamelacastro71
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira partecoletivoddois
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdfProfGleide
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxAntonioVieira539017
 
A população Brasileira e diferença de populoso e povoado
A população Brasileira e diferença de populoso e povoadoA população Brasileira e diferença de populoso e povoado
A população Brasileira e diferença de populoso e povoadodanieligomes4
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mimJunto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mimWashingtonSampaio5
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.HildegardeAngel
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdfDemetrio Ccesa Rayme
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãodanielagracia9
 

Último (20)

Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
 
A população Brasileira e diferença de populoso e povoado
A população Brasileira e diferença de populoso e povoadoA população Brasileira e diferença de populoso e povoado
A população Brasileira e diferença de populoso e povoado
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mimJunto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetização
 

A Democracia Ateniense e sua Cultura

  • 1.
  • 2. Identificar a pólis ateniense como um centro politicamente autónomo onde se tornou possível desenvolver formas de participação democrática restritas à comunidade dos cidadãos.  Valorizar processos de intervenção democrática na vida coletiva.  Mostrar a importância da educação para o exercício dos direitos cívicos.  Desenvolver a sensibilidade estética através da identificação e da apreciação de manifestações do período clássico.  Inferir o contributo grego na civilização europeia.
  • 3. Pólis  Isocracia  Ágora  Isegoria  Acrópole  Isonomia  Democracia  Cidadania  Cidadão  Ostracismo  Meteco  Capitel  Escravo  Friso  Ordem arquitetónica  Arte
  • 4. Localização Espacial Península Balcânica
  • 5.
  • 6. A Grécia localiza-se na Península Balcânica e é banhada a Sul pelo mar Mediterrâneo, a este pelo mar Egeu e a Oeste pelo mar Jónico. As características geográficas marcaram a sua evolução: • Terreno muito montanhoso; • Apresenta vales profundos e pequenas planícies; • Costa muito recortada e numerosos portos naturais.
  • 7. O relevo montanhoso dificultava o contacto entre as cidades, pelo que as populações começaram a desenvolver-se isoladamente, formando cidades-estado ou pólis, cidades com governo, leis e exército próprios. Era fundamental a existência do território, das leis (Nomos) e do corpo cívico para que a pólis existisse em pleno. A pólis deveria bastar-se a si própria (ideal de autarcia).
  • 8. Atenas transformou-se na mais rica e prospera cidade do mundo grego para o qual contribuíram:  Situação geográfica, perto do mar Egeu que permitiu aos atenienses dedicarem-se, predominantemente, ao comércio marítimo;  O comércio florescente e o uso da prata na cunhagem de moeda – dracma – que passou a ser aceite, no comércio realizado em todo o Mediterrâneo;  O assumir a liderança da Liga de Delos, aliança defensiva, contra as invasões dos persa.
  • 9. A pólis era Partenon constituída por: Erectéion Acrópole, situada na parte mais alta da cidade, era o centro Acrópole da vida religiosa e onde se encontravam os templos.
  • 10. ou praça pública, era a parte mais baixa da cidade, onde se encontravam as zonas residenciais, administrativas e comerciais. Constituía o centro da cidade. A zona rural, com campos, pastos e bosques, servia para abastecer a cidade de produtos agrícolas.
  • 11. Atenas foi governada por diversos sistemas políticos: • Monarquia (época micénica - até aos inícios do séc. VII a.C.); • Oligarquia ou aristocracia (séc. IX-VII a.C.). Primeira colonização (fixação). Como reformadores, Drácon e Sólon. • Tirania de Pisístrato e de Clístenes (séc. VI a V a.C.). Segunda colonização (comercial). Os conflitos sociais levaram Clístenes a realizar reformas que defendiam a igualdade de direitos políticos, entre todos os cidadãos. Esta reforma foi concluída por Péricles no séc. V a.C., dando origem à DEMOCRACIA.
  • 12. Isonomia: todos são iguais perante a lei;  Isocracia: todos têm as mesmas oportunidades de acesso aos cargos políticos;  Isegoria: todos têm o mesmo direito ao uso da palavra. Clístenes dividiu o território em 10 tribos, subdivididas em 10 demos, de onde eram sorteados os cidadãos que prestariam serviço na cidade. Péricles completou esta reforma com a introdução das mistoforias (pagamento feito pelo estado aos que exerciam cargos públicos). Era uma democracia direta, uma vez que os cidadãos não delegavam em ninguém o poder.
  • 13. A sociedade grega estava dividida em três grupos:  Cidadãos  Metecos  Escravos
  • 14. Cidadãos  Sexo masculino;  filho de pai e mãe ateniense;  maior de 18 anos;  único grupo social com direito a possuir propriedades na Ática;  único grupo social a ter direitos políticos.
  • 15. Metecos  estrangeiros que se dedicavam ao artesanato e comércio;  eram livres;  estavam sujeitos ao serviço militar obrigatório;  pagavam impostos;  não tinham quaisquer direitos políticos;
  • 16. Escravos  Considerados instrumentos de trabalho;  cerca de 1/3 da população;  trabalhavam na agricultura, no artesanato, nas tarefas domésticas;  eram geralmente bem tratados;  Origem: prisioneiros de guerra; vítimas de pirataria; Comprados ou filhos de escravos
  • 17.
  • 18. Era o dom da palavra (oratória) que permitia o sucesso na política. Todavia, o perigo de manipulação existia, pelo que se decidiram a proteger a democracia:  Introdução da graphê paranomom (pág. 37);  Necessidade de prestar contas no fim dos mandatos;  O ostracismo (pág.37).
  • 19. Participação direta dos cidadãos nas assembleias;  Concentração da autoridade nas assembleias;  Rotatividade dos cargos políticos;  Decisões colegiais;  Escolha para o cargo através de eleição ou sorteio;  Criação de juízes populares (todos os cidadãos eram obrigados a conhecer a lei).
  • 20. A democracia ateniense apresenta algumas contradições e limitações:  Limitação à liberdade de expressão: quem conspirasse contra a democracia era condenado ao ostracismo;  Só os cidadãos (pág. 38) podiam participar no governo da cidade;  Segregação de sexos (pág. 39);  Participação na política vedada aos metecos e mulheres (pág.40);
  • 21. Limites da democracia ateniense  Existência de escravos numa forma de governo que defendia a igualdade de direitos (pág. 41);  Imperialismo exercido por Atenas através da Liga de Delos; exigia o pagamento de tributos e não respeitava os direitos das outras cidades; Apesar de todas estas limitações a democracia ateniense foi um exemplo de participação cívica, sendo um dos mais importantes legados que a civilização grega nos deixou.
  • 22.
  • 23. A cultura adquiriu, em Atenas, um estatuto especial durante os séculos V e IV a.C. O jovem grego aprendia, desde o berço, a comportar-se e a preparar-se para a vida de adulto. Ao chegar aos 20 anos, o jovem tinha que estar pronto para participar no governo da Polis. A educação começava em casa com a mãe. Até aos sete anos, rapazes e raparigas permaneciam no Gineceu, a parte da casa onde a mãe ensinava às crianças as regras de comportamento e os rudimentos (princípios) da religião e das tradições culturais. A partir dos sete anos, os rapazes e as raparigas separavam-se, para cada um deles se preparar para o futuro que os esperava .
  • 24. Características da religião grega: •de toda a sociedade, com raízes nos Poemas Homéricos. •Politeísta. •Antropomorfismo dos deuses. •Diferentes tipos de culto. •Locais sagrados: •Oráculos (de consulta, como o de Delfos); •Santuários (como o de Olímpia).
  • 25. • Culto cívico – celebrado em cada cidade; • Culto pan-helénico – celebrado por todos os gregos:  Mais importantes:  Zeus, em Olímpia (jogos Olímpicos)  Apolo, em Delfos (jogos Píticos) • Culto privado  celebrado em cada lar, junto ao altar doméstico;  celebrado nos cemitérios.
  • 26. Os gregos adoravam vários deuses, e representavam-nos sob a forma humana. A religião grega era, portanto, politeísta e antropomórfica. Os deuses habitavam o monte Olimpo onde se encontravam 15 deuses. São eles:  Zeus - Deus do céu e Senhor do Olimpo;  Deméter - Deusa da agricultura;  Posídeon - Deus dos mares ;  Ares - Deus da guerra;  Hefesto- Deus do fogo;  Hermes - Deus do comércio e das comunicações;  Asclépio - Deus da medicina. 
  • 27. Hera - Deusa do casamento Dionísio - Deus Apolo - Deus do do vinho e do Sol, das artes e da Diana – Deusa da caça prazer razão; Atena - Deusa da Hades - Deus do inteligência e da mundo subterrâneo Afrodite - Deusa do amor sabedoria; (inferno) e da beleza
  • 28. Festividades em honra de Atena, deusa protetora de Atenas, realizavam-se no mês de Julho. Estas celebrações festejavam ainda o sentimento de orgulho e união dos atenienses. De quatro em quatro anos, realizavam-se as Grandes Panateneias.
  • 29. Festividades em honra de Dionísio, deus do vinho, realizavam-se no mês de Março. Estas celebrações aliavam o culto à competição poética. Surgem então as representações teatrais que conheceram grande desenvolvimento na Grécia e, particularmente, em Atenas. Tragédias, comédias e tragicomédias, abordam, principalmente, a intervenção dos deuses na vida dos homens. As primeiras tratam dos problemas humanos e das suas relações com os deuses. Os seus maiores autores são Sófocles, Ésquilo e Eurípedes.
  • 30. A comédia, parodiando os homens, troça dos seus costumes e da época. Tem o seu principal representante em Aristófanes. Os atores são sempre homens que fazem, quer o papel masculino, como o feminino. Usavam máscaras que pretendiam exprimir o carácter da personagem. Depois das representações, dez juízes nomeavam o vencedor, que era coroado com uma coroa de Hera.
  • 31. Construído em espaços abertos, aproveitando as montanhas, para aí escavar a bancada., é composto por: Orquestra, uma área circular em torno da qual se organiza o teatro; Cena, plataforma onde estavam os atores. Existiam ainda as bancadas e os párodos (acessos laterais).
  • 32. Os gregos praticavam ainda o culto dos heróis. Eram seres mitológicos considerados pelos gregos como seus antecessores, fundadores das cidades, às quais davam proteção: Teseu, Perseu, Belerofonte e Hércules;  Diversos jogos periódicos eram promovidos pelos gregos em homenagem aos deuses, como os Jogos Olímpicos, dedicados a Zeus, na cidade Olímpia. Os Jogos Olímpicos eram praticados de quatro em quatro anos. Durante sua realização, paravam-se as guerras e respeitavam-se como pessoas sagradas, os seus participantes.
  • 33.
  • 34. O estado grego não interferia na educação dos jovens, que considerava responsabilidade dos pais. No entanto, todos deveriam saber ler, escrever e nadar. As raparigas permaneciam em casa, aprendendo as "artes" da economia doméstica, regras de etiqueta e música.
  • 35. Os rapazes iam à escola onde aprendiam a ler e a escrever. Até aos 14 anos, tinham que aprender de cor os Poemas Homéricos (livro base de aprendizagem). Aos 15, entravam para o Ginásio, onde aprendiam a arte da harmonia entre o corpo físico e o espírito (a ginástica era a parte fundamental dessa harmonia). Entre os 18 e os 20 anos, os jovens cumpriam o serviço militar (parte final da sua preparação como cidadãos), o que lhes garantia o acesso aos cargos de administração pública, do governo da cidade.
  • 36. A civilização grega foi também importante pelo legado científico que nos deixou:  A Filosofia, Sócrates e os Sofistas: Sócrates tentou desenvolver nos jovens o gosto pela sabedoria e pelo estudo do homem, o humanismo. A sua máxima "conhece-te a ti próprio" é tomada como princípio para atingir a verdade. O conhecimento da verdade permite àquele que o possui, praticá-lo, pois dizia, "quem conhece o bem, pratica-o". Os ensinamentos de Sócrates foram continuados e passados a escrito pelos seus discípulos, principalmente Platão e Aristóteles.
  • 37. A Matemática: estudada por Pitágoras e seus discípulos, foi desenvolvida principalmente em Crotona (uma colónia do sul da Itália). A História foi também criada na Grécia. Heródoto e Tucídides tentaram fazer um relato dos acontecimentos de momentos particulares da história grega. O primeiro sobre as Guerras Pérsicas, o segundo sobre a Guerra do Peloponeso entre Atenas e Esparta. A Medicina: Hipócrates criou uma escola cujo juramento ainda hoje é cumprido pelos médicos.