SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 35
O EGIPTO
LOCALIZAÇÃO GEOGRÁFICA O Egipto localiza-se na ponta nordeste do continente africano, sendo banhado pelo Mediterrâneo Oriental (a Norte) e pelo Mar Vermelho (a Leste).
É atravessado em toda a sua extensão pelo rio Nilo, que nasce a Sul e desagua no Mediterrâneo (em forma de delta)
Todo o território egípcio era desértico, com excepção das margens do Nilo. As cheias anuais depositavam aí lamas e sedimentos que fertilizavam as terras, possibilitando uma agricultura fértil.
O rio era tão importante que os egípcios chegavam mesmo a dirigir-lhe hinos, como se fosse um deus.
ACTIVIDADES  ECONÓMICAS Era praticada nas terras férteis ao longo das margens do Nilo. Para irrigar os campos, os egípcios usavam a picota ou  chaduff .  Agricultura Chaduff
[object Object],[object Object],[object Object]
Cultivavam ainda linho, legumes, leguminosas e árvores de fruto.  Colhiam também o papiro, que servia para fazer uma espécie de papel.
Nos trabalhos agrícolas, era utilizado o arado, puxado por animais.
Criação de gado Os egípcios criavam bois, cabras, porcos, patos e gansos.
Pesca e caça ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Artesanato No Egipto o artesanato estava muito desenvolvido, sobretudo  tecelagem ,  metalurgia ,  cerâmica ,  ourivesaria ,  construção naval , fabrico de  vidros  e de  mobiliário .
Comércio Comércio interno – ao longo do Nilo. Comércio externo – com a Mesopotâmia e a Fenícia (entre outros). Exportavam produtos agrícolas e artesanais e importavam madeira e metais.
SOCIEDADE  EGÍPCIA Estava organizada em torno do faraó. Era uma sociedade rigidamente  estratificada  (dividida em estratos ou grupos) e  hierarquizada  (cada grupo tinha o seu lugar próprio na escala social).
Faraó Família do faraó Nobres e altos funcionários Sacerdotes Escribas Artesãos e camponeses Escravos Grupos privilegiados Grupos não privilegiados
Família do faraó Sacerdote
Escriba Agricultor
Artesão (carpinteiro) Escravos
PODER POLÍTICO NO EGIPTO Poderes do faraó : era  sacerdote supremo ,  juiz supremo ,  comandante supremo  do exército,  distribuidor da riqueza .  O faraó tinha um  poder sacralizado ,  pois  era considerado um deus-vivo , filho do deus-Sol, Amon-Rá.
RELIGIÃO EGÍPCIA Os egípcios eram um povo muito religioso. Eram  politeístas , isto é,  acreditavam em vários deuses . Os seus  deuses  representavam principalmente  forças da Natureza .  Podiam ser representados sob a  forma animal ,  humana  ou  mista  (humana e animal).
Principais deuses egípcios Amon-Rá Deus do sol Osíris Deus do mundo dos mortos, da terra e das sementeiras Ísis Protectora das crianças e deusa da fecundidade
Hórus Deus protector dos faraós Anúbis Deus dos mortos e da mumificação Thot Deus da  sabedoria
Hathor Deusa da  fertilidade Maat Deusa da justiça e da verdade
Os egípcios tinham ainda alguns  animais  que consideravam  sagrados  (gato, crocodilo, escaravelho, entre outros). Chegavam a mumificar estes animais, tal como faziam às pessoas. Múmia de crocodilo Múmia de cordeiro
O culto dos mortos – crença na imortalidade da alma Os egípcios acreditavam que, depois da morte, existia uma outra vida, isto é,  acreditavam na imortalidade da alma . Após a morte, a alma iria comparecer no  tribunal de Osíris , onde seria julgada. Se merecesse, receberia como recompensa a vida eterna.
 
Era necessário que o corpo fosse conservado, para que a alma pudesse voltar a habitá-lo.  Por isso, os corpos dos mortos eram mumificados.  Eram depois colocados num sarcófago, que era colocado num túmulo com objectos pessoais. Preparação do corpo pelos embalsamadores
 
Técnicas de embalsamamento no Egipto «No embalsamamento de 1ª classe, começa por tirar o cérebro fazendo-o tirar pelo nariz com um ferro recurvado e dissolvendo-o com um líquido que faz penetrar na cabeça. Abre-lhe depois as costas, tira pela abertura os intestinos, lava-os com vinho de palma e polvilha-os com aromas macerados. Em seguida, enche o ventre com mirra, canela e outros perfumes, e torna a coser. Depois de assim preparado, o cadáver é metido em soda durante 70 dias. Passados estes, é lavado e enfaixado com tiras de pano gomado. É então devolvido aos parentes, que mandam fazer um sarcófago no qual se mete o corpo.» Heródoto
ESCRITA E SABER NO EGIPTO A forma mais conhecida é a  escrita hieroglífica . Um desenho podia ter vários  significados : podia representar uma ideia, um som ou uma sílaba.  A  escrita  foi praticada pelos egípcios desde o fim do 4º milénio a.C.
Símbolos da escrita egípcia
Matemática ,[object Object],[object Object],[object Object]
Geometria ,[object Object],[object Object],[object Object]
Astronomia ,[object Object],[object Object]
Medicina ,[object Object],[object Object],[object Object]

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Paleoltico e Neoltico
Paleoltico e NeolticoPaleoltico e Neoltico
Paleoltico e NeolticoJorge Mota
 
A civilização romana (continuação)
A civilização romana (continuação)A civilização romana (continuação)
A civilização romana (continuação)historiajovem2011
 
Relatorio reflexaocritica anasilva
Relatorio reflexaocritica anasilvaRelatorio reflexaocritica anasilva
Relatorio reflexaocritica anasilvaanagranchinho
 
Os Muçulmanos na Península Ibérica
Os Muçulmanos na Península IbéricaOs Muçulmanos na Península Ibérica
Os Muçulmanos na Península IbéricaHistN
 
Economia no Império Romano
Economia no Império RomanoEconomia no Império Romano
Economia no Império RomanoMaria Barroso
 
Romanização em portugal
Romanização em portugal Romanização em portugal
Romanização em portugal Soraya Filipa
 
A economia na Roma antiga
A economia na Roma antigaA economia na Roma antiga
A economia na Roma antigaMaria Gomes
 
Resumo neolítico
Resumo neolíticoResumo neolítico
Resumo neolíticoMaria Gomes
 
Como fazer um trabalho escolar em ppt 4 c
Como fazer um trabalho escolar em ppt 4 cComo fazer um trabalho escolar em ppt 4 c
Como fazer um trabalho escolar em ppt 4 cElias Garcia
 
Comunidades recolectoras e agro pastoris
Comunidades recolectoras e agro pastorisComunidades recolectoras e agro pastoris
Comunidades recolectoras e agro pastoriscruchinho
 
Vantagens e desvantagens dos meios de transporte
Vantagens e desvantagens dos meios de transporteVantagens e desvantagens dos meios de transporte
Vantagens e desvantagens dos meios de transporteEduardo Bruna Evelyn
 
3º alargamento da compreensão da natureza
3º alargamento da compreensão da natureza3º alargamento da compreensão da natureza
3º alargamento da compreensão da naturezaBásicas ou Secundárias
 
Trabalho de história 7º ano - Religião da grécia antiga - slideshare
Trabalho de história 7º ano - Religião da grécia antiga - slideshareTrabalho de história 7º ano - Religião da grécia antiga - slideshare
Trabalho de história 7º ano - Religião da grécia antiga - slideshareSebastiao Barata
 

Mais procurados (20)

salto com vara
salto com varasalto com vara
salto com vara
 
Paleoltico e Neoltico
Paleoltico e NeolticoPaleoltico e Neoltico
Paleoltico e Neoltico
 
A civilização romana (continuação)
A civilização romana (continuação)A civilização romana (continuação)
A civilização romana (continuação)
 
Relatorio reflexaocritica anasilva
Relatorio reflexaocritica anasilvaRelatorio reflexaocritica anasilva
Relatorio reflexaocritica anasilva
 
Os Muçulmanos na Península Ibérica
Os Muçulmanos na Península IbéricaOs Muçulmanos na Península Ibérica
Os Muçulmanos na Península Ibérica
 
Economia no Império Romano
Economia no Império RomanoEconomia no Império Romano
Economia no Império Romano
 
Subclasses do adjetivo
Subclasses do adjetivoSubclasses do adjetivo
Subclasses do adjetivo
 
Guia de estudo n.º 2 O Modelo Romano
Guia de estudo n.º 2 O Modelo RomanoGuia de estudo n.º 2 O Modelo Romano
Guia de estudo n.º 2 O Modelo Romano
 
Romanização em portugal
Romanização em portugal Romanização em portugal
Romanização em portugal
 
A economia na Roma antiga
A economia na Roma antigaA economia na Roma antiga
A economia na Roma antiga
 
Resumo neolítico
Resumo neolíticoResumo neolítico
Resumo neolítico
 
Como fazer um trabalho escolar em ppt 4 c
Como fazer um trabalho escolar em ppt 4 cComo fazer um trabalho escolar em ppt 4 c
Como fazer um trabalho escolar em ppt 4 c
 
Comunidades recolectoras e agro pastoris
Comunidades recolectoras e agro pastorisComunidades recolectoras e agro pastoris
Comunidades recolectoras e agro pastoris
 
Atletismo 110 m_barreiras
Atletismo 110 m_barreirasAtletismo 110 m_barreiras
Atletismo 110 m_barreiras
 
Infante D. Henrique
Infante D. HenriqueInfante D. Henrique
Infante D. Henrique
 
Vantagens e desvantagens dos meios de transporte
Vantagens e desvantagens dos meios de transporteVantagens e desvantagens dos meios de transporte
Vantagens e desvantagens dos meios de transporte
 
3º alargamento da compreensão da natureza
3º alargamento da compreensão da natureza3º alargamento da compreensão da natureza
3º alargamento da compreensão da natureza
 
Atletismo
AtletismoAtletismo
Atletismo
 
Trabalho de história 7º ano - Religião da grécia antiga - slideshare
Trabalho de história 7º ano - Religião da grécia antiga - slideshareTrabalho de história 7º ano - Religião da grécia antiga - slideshare
Trabalho de história 7º ano - Religião da grécia antiga - slideshare
 
Mitologia grega
Mitologia gregaMitologia grega
Mitologia grega
 

Destaque

O maior navio_do_mundo.im
O maior navio_do_mundo.imO maior navio_do_mundo.im
O maior navio_do_mundo.imEmanuel Martins
 
Volta ao Mundo
Volta ao MundoVolta ao Mundo
Volta ao Mundoatilahab
 
Volta Ao Mundo
Volta Ao MundoVolta Ao Mundo
Volta Ao MundoNuno Costa
 
A volta ao mundo em 80 dias rita lopes
A  volta ao mundo em 80 dias   rita lopesA  volta ao mundo em 80 dias   rita lopes
A volta ao mundo em 80 dias rita lopesfantas45
 
Aula de Geografia - ALCA
Aula de Geografia - ALCAAula de Geografia - ALCA
Aula de Geografia - ALCAEditora Moderna
 
Índia: Um país de contrastes
Índia: Um país de contrastesÍndia: Um país de contrastes
Índia: Um país de contrastesKbeks
 
Inglaterra: Cultura e Ideologia
Inglaterra: Cultura e IdeologiaInglaterra: Cultura e Ideologia
Inglaterra: Cultura e Ideologiaandre barbosa
 

Destaque (12)

Viagem ao Nepal!
Viagem ao Nepal!Viagem ao Nepal!
Viagem ao Nepal!
 
O maior navio_do_mundo.im
O maior navio_do_mundo.imO maior navio_do_mundo.im
O maior navio_do_mundo.im
 
Volta ao Mundo
Volta ao MundoVolta ao Mundo
Volta ao Mundo
 
Volta Ao Mundo
Volta Ao MundoVolta Ao Mundo
Volta Ao Mundo
 
O EXPRESSO DO ORIENTE
O EXPRESSO DO ORIENTEO EXPRESSO DO ORIENTE
O EXPRESSO DO ORIENTE
 
A volta ao mundo em 80 dias rita lopes
A  volta ao mundo em 80 dias   rita lopesA  volta ao mundo em 80 dias   rita lopes
A volta ao mundo em 80 dias rita lopes
 
Aula de Geografia - ALCA
Aula de Geografia - ALCAAula de Geografia - ALCA
Aula de Geografia - ALCA
 
Índia: Um país de contrastes
Índia: Um país de contrastesÍndia: Um país de contrastes
Índia: Um país de contrastes
 
Itália
  Itália  Itália
Itália
 
Inglaterra: Cultura e Ideologia
Inglaterra: Cultura e IdeologiaInglaterra: Cultura e Ideologia
Inglaterra: Cultura e Ideologia
 
Turismo
TurismoTurismo
Turismo
 
Charles Darwin
Charles DarwinCharles Darwin
Charles Darwin
 

Semelhante a Egipto

Egito Antigo KA23
Egito Antigo KA23Egito Antigo KA23
Egito Antigo KA23jssrs1313
 
A antiga civilização Egpcia
A antiga civilização EgpciaA antiga civilização Egpcia
A antiga civilização EgpciaJoão Couto
 
A antiga civilização egípcia
A antiga civilização egípciaA antiga civilização egípcia
A antiga civilização egípciaRainha Maga
 
A civilizaçao egípcia
A civilizaçao egípciaA civilizaçao egípcia
A civilizaçao egípciazetodje
 
História do antigo Egito
História do antigo EgitoHistória do antigo Egito
História do antigo EgitoAugusto Fiuza
 
Civilização Egípcia
Civilização EgípciaCivilização Egípcia
Civilização EgípciaJorge Almeida
 
As primeiras civilizações e o caso egipcío.
As primeiras civilizações e o caso egipcío.As primeiras civilizações e o caso egipcío.
As primeiras civilizações e o caso egipcío.João Pereira
 
O Egito Antigo
O Egito AntigoO Egito Antigo
O Egito AntigoDeisy Cota
 
O Antigo Egipto
O Antigo EgiptoO Antigo Egipto
O Antigo Egiptocattonia
 
Antiguidade na africa
Antiguidade na africaAntiguidade na africa
Antiguidade na africatyromello
 

Semelhante a Egipto (20)

Egito Antigo KA23
Egito Antigo KA23Egito Antigo KA23
Egito Antigo KA23
 
O Egipto
O EgiptoO Egipto
O Egipto
 
Egito antigo
Egito antigoEgito antigo
Egito antigo
 
A antiga civilização Egpcia
A antiga civilização EgpciaA antiga civilização Egpcia
A antiga civilização Egpcia
 
O Egito Antigo
O  Egito AntigoO  Egito Antigo
O Egito Antigo
 
Povos antigos da africa
Povos antigos da africaPovos antigos da africa
Povos antigos da africa
 
A antiga civilização egípcia
A antiga civilização egípciaA antiga civilização egípcia
A antiga civilização egípcia
 
A civilizaçao egípcia
A civilizaçao egípciaA civilizaçao egípcia
A civilizaçao egípcia
 
História do antigo Egito
História do antigo EgitoHistória do antigo Egito
História do antigo Egito
 
Civilização Egípcia
Civilização EgípciaCivilização Egípcia
Civilização Egípcia
 
Pp Egipto (1)
Pp Egipto (1)Pp Egipto (1)
Pp Egipto (1)
 
As primeiras civilizações e o caso egipcío.
As primeiras civilizações e o caso egipcío.As primeiras civilizações e o caso egipcío.
As primeiras civilizações e o caso egipcío.
 
Egito 6 ano
Egito 6 anoEgito 6 ano
Egito 6 ano
 
Egito 6 ano
Egito 6 anoEgito 6 ano
Egito 6 ano
 
O Egito Antigo
O Egito AntigoO Egito Antigo
O Egito Antigo
 
Aula 4 o antigo egito
Aula 4   o antigo egitoAula 4   o antigo egito
Aula 4 o antigo egito
 
O Egito antigo
O Egito antigoO Egito antigo
O Egito antigo
 
O Antigo Egipto
O Antigo EgiptoO Antigo Egipto
O Antigo Egipto
 
Resumo egito antigo
Resumo   egito antigoResumo   egito antigo
Resumo egito antigo
 
Antiguidade na africa
Antiguidade na africaAntiguidade na africa
Antiguidade na africa
 

Mais de Eduardo Sousa

Sociedade medieval 2
Sociedade medieval 2Sociedade medieval 2
Sociedade medieval 2Eduardo Sousa
 
Sociedade medieval 3
Sociedade medieval 3Sociedade medieval 3
Sociedade medieval 3Eduardo Sousa
 
A revoluções liberais
A revoluções liberaisA revoluções liberais
A revoluções liberaisEduardo Sousa
 
Uma revolução precursora
Uma revolução precursoraUma revolução precursora
Uma revolução precursoraEduardo Sousa
 
Revolução liberal portuguesa esquema
Revolução liberal portuguesa esquemaRevolução liberal portuguesa esquema
Revolução liberal portuguesa esquemaEduardo Sousa
 
Revolução francesa esquema
Revolução francesa esquemaRevolução francesa esquema
Revolução francesa esquemaEduardo Sousa
 
O triunfo dos liberais
O triunfo dos liberaisO triunfo dos liberais
O triunfo dos liberaisEduardo Sousa
 
O directório (1795 99)
O directório (1795 99)O directório (1795 99)
O directório (1795 99)Eduardo Sousa
 
Esquema a revolução americana
Esquema a revolução americanaEsquema a revolução americana
Esquema a revolução americanaEduardo Sousa
 
Declaração de independência dos eua
Declaração de independência dos euaDeclaração de independência dos eua
Declaração de independência dos euaEduardo Sousa
 
A revolução liberal portuguesa
A revolução liberal portuguesaA revolução liberal portuguesa
A revolução liberal portuguesaEduardo Sousa
 
A revolução francesa esquema 2
A revolução francesa esquema 2A revolução francesa esquema 2
A revolução francesa esquema 2Eduardo Sousa
 

Mais de Eduardo Sousa (20)

Romanico final 2
Romanico final 2Romanico final 2
Romanico final 2
 
Arquitetura barroca
Arquitetura barrocaArquitetura barroca
Arquitetura barroca
 
Sociedade Medieval
Sociedade MedievalSociedade Medieval
Sociedade Medieval
 
Sociedade medieval 2
Sociedade medieval 2Sociedade medieval 2
Sociedade medieval 2
 
Sociedade medieval 3
Sociedade medieval 3Sociedade medieval 3
Sociedade medieval 3
 
O mundo romano
O mundo romanoO mundo romano
O mundo romano
 
A revoluções liberais
A revoluções liberaisA revoluções liberais
A revoluções liberais
 
Uma revolução precursora
Uma revolução precursoraUma revolução precursora
Uma revolução precursora
 
Revolução liberal portuguesa esquema
Revolução liberal portuguesa esquemaRevolução liberal portuguesa esquema
Revolução liberal portuguesa esquema
 
Revolução francesa esquema
Revolução francesa esquemaRevolução francesa esquema
Revolução francesa esquema
 
Os estados gerais 2
Os estados gerais 2Os estados gerais 2
Os estados gerais 2
 
Os estados gerais
Os estados geraisOs estados gerais
Os estados gerais
 
Os estados gerai
Os estados geraiOs estados gerai
Os estados gerai
 
O triunfo dos liberais
O triunfo dos liberaisO triunfo dos liberais
O triunfo dos liberais
 
O directório (1795 99)
O directório (1795 99)O directório (1795 99)
O directório (1795 99)
 
Napoleão no poder
Napoleão no poderNapoleão no poder
Napoleão no poder
 
Esquema a revolução americana
Esquema a revolução americanaEsquema a revolução americana
Esquema a revolução americana
 
Declaração de independência dos eua
Declaração de independência dos euaDeclaração de independência dos eua
Declaração de independência dos eua
 
A revolução liberal portuguesa
A revolução liberal portuguesaA revolução liberal portuguesa
A revolução liberal portuguesa
 
A revolução francesa esquema 2
A revolução francesa esquema 2A revolução francesa esquema 2
A revolução francesa esquema 2
 

Egipto

  • 2. LOCALIZAÇÃO GEOGRÁFICA O Egipto localiza-se na ponta nordeste do continente africano, sendo banhado pelo Mediterrâneo Oriental (a Norte) e pelo Mar Vermelho (a Leste).
  • 3. É atravessado em toda a sua extensão pelo rio Nilo, que nasce a Sul e desagua no Mediterrâneo (em forma de delta)
  • 4. Todo o território egípcio era desértico, com excepção das margens do Nilo. As cheias anuais depositavam aí lamas e sedimentos que fertilizavam as terras, possibilitando uma agricultura fértil.
  • 5. O rio era tão importante que os egípcios chegavam mesmo a dirigir-lhe hinos, como se fosse um deus.
  • 6. ACTIVIDADES ECONÓMICAS Era praticada nas terras férteis ao longo das margens do Nilo. Para irrigar os campos, os egípcios usavam a picota ou chaduff . Agricultura Chaduff
  • 7.
  • 8. Cultivavam ainda linho, legumes, leguminosas e árvores de fruto. Colhiam também o papiro, que servia para fazer uma espécie de papel.
  • 9. Nos trabalhos agrícolas, era utilizado o arado, puxado por animais.
  • 10. Criação de gado Os egípcios criavam bois, cabras, porcos, patos e gansos.
  • 11.
  • 12. Artesanato No Egipto o artesanato estava muito desenvolvido, sobretudo tecelagem , metalurgia , cerâmica , ourivesaria , construção naval , fabrico de vidros e de mobiliário .
  • 13. Comércio Comércio interno – ao longo do Nilo. Comércio externo – com a Mesopotâmia e a Fenícia (entre outros). Exportavam produtos agrícolas e artesanais e importavam madeira e metais.
  • 14. SOCIEDADE EGÍPCIA Estava organizada em torno do faraó. Era uma sociedade rigidamente estratificada (dividida em estratos ou grupos) e hierarquizada (cada grupo tinha o seu lugar próprio na escala social).
  • 15. Faraó Família do faraó Nobres e altos funcionários Sacerdotes Escribas Artesãos e camponeses Escravos Grupos privilegiados Grupos não privilegiados
  • 16. Família do faraó Sacerdote
  • 19. PODER POLÍTICO NO EGIPTO Poderes do faraó : era sacerdote supremo , juiz supremo , comandante supremo do exército, distribuidor da riqueza . O faraó tinha um poder sacralizado , pois era considerado um deus-vivo , filho do deus-Sol, Amon-Rá.
  • 20. RELIGIÃO EGÍPCIA Os egípcios eram um povo muito religioso. Eram politeístas , isto é, acreditavam em vários deuses . Os seus deuses representavam principalmente forças da Natureza . Podiam ser representados sob a forma animal , humana ou mista (humana e animal).
  • 21. Principais deuses egípcios Amon-Rá Deus do sol Osíris Deus do mundo dos mortos, da terra e das sementeiras Ísis Protectora das crianças e deusa da fecundidade
  • 22. Hórus Deus protector dos faraós Anúbis Deus dos mortos e da mumificação Thot Deus da sabedoria
  • 23. Hathor Deusa da fertilidade Maat Deusa da justiça e da verdade
  • 24. Os egípcios tinham ainda alguns animais que consideravam sagrados (gato, crocodilo, escaravelho, entre outros). Chegavam a mumificar estes animais, tal como faziam às pessoas. Múmia de crocodilo Múmia de cordeiro
  • 25. O culto dos mortos – crença na imortalidade da alma Os egípcios acreditavam que, depois da morte, existia uma outra vida, isto é, acreditavam na imortalidade da alma . Após a morte, a alma iria comparecer no tribunal de Osíris , onde seria julgada. Se merecesse, receberia como recompensa a vida eterna.
  • 26.  
  • 27. Era necessário que o corpo fosse conservado, para que a alma pudesse voltar a habitá-lo. Por isso, os corpos dos mortos eram mumificados. Eram depois colocados num sarcófago, que era colocado num túmulo com objectos pessoais. Preparação do corpo pelos embalsamadores
  • 28.  
  • 29. Técnicas de embalsamamento no Egipto «No embalsamamento de 1ª classe, começa por tirar o cérebro fazendo-o tirar pelo nariz com um ferro recurvado e dissolvendo-o com um líquido que faz penetrar na cabeça. Abre-lhe depois as costas, tira pela abertura os intestinos, lava-os com vinho de palma e polvilha-os com aromas macerados. Em seguida, enche o ventre com mirra, canela e outros perfumes, e torna a coser. Depois de assim preparado, o cadáver é metido em soda durante 70 dias. Passados estes, é lavado e enfaixado com tiras de pano gomado. É então devolvido aos parentes, que mandam fazer um sarcófago no qual se mete o corpo.» Heródoto
  • 30. ESCRITA E SABER NO EGIPTO A forma mais conhecida é a escrita hieroglífica . Um desenho podia ter vários significados : podia representar uma ideia, um som ou uma sílaba. A escrita foi praticada pelos egípcios desde o fim do 4º milénio a.C.
  • 32.
  • 33.
  • 34.
  • 35.