SlideShare uma empresa Scribd logo
SITSUITAUÇAÃÇOÃ OG EGOEGORGÁRFÁICFAICA 
• O Egipto é um país localizado 
junto ao deserto do Saara, no 
norte de África. Faz fronteira 
com a Líbia e com o Sudão. 
• É atravessado pelo Nilo, o rio 
mais comprido do mundo. 
• Cerca de 3200 a. C., o rei 
Menés do Alto Egipto 
conquistou a região do Delta. 
• Por volta de 3000 a.C., o seu 
território já estava unificado e 
passou a ser governado por 
um Faraó (rei que se dizia 
filho de Deus).
O Nilo era fonte de vida… 
Com as suas cheias alagava 
os campos e fertilizava a terra. 
Para aproveitar estas águas, 
os egípcios construíram canais 
e diques.
ECONOMIA EGÍPCIA 
• A base da alimentação era o trigo e a cevada, com os quais faziam o pão e a cerveja. 
• Caçavam–se aves dos pântanos (gansos, patos, codornizes) e do deserto (ex. leões).
• A pesca era feita à linha, com 
arpão ou por arrasto. 
• A maioria da população comia 
mais peixe do que carne. 
• O subsolo do Egipto era rico em materiais para a 
construção: granitos, alabastro, pórfiro e basaltos. 
• As pedras preciosas eram várias: turquesa, malaquite, 
feldspato verde, ametista e ágatas. Com elas faziam belas 
joias.
• O rio era uma importante via de 
transporte de: 
• madeira, escassa e necessária 
• Os produtos eram trocados uns pelos outros (troca 
direta). O dinheiro só surgiu no séc. VI a. C. na zona 
da Lídia. 
no Egipto para fabricar o 
mobiliário e caixões (Biblos). 
• ébano, as plumas de avestruz, as 
peles de leopardo, incenso, 
marfim e sobretudo o ouro.
• O Egipto localiza-se na África e deve a sua existência ao rio Nilo que, com as suas 
cheias periódicas fertilizava a terra e se tornava ainda uma boa via de comunicação e 
transporte de mercadorias. 
ATIVIDADES ECONÓMICAS DO EGIPTO ANTIGO 
Agricultura Cevada, trigo, vinha… 
pecuária Bois, vacas, carneiros… 
Caça e Pesca • Gansos, patos, codornizes… 
• Pesca à linha ou com arpão 
Artesanato • Joias em lápis-lazúli, com pedras preciosas como 
o jade, peças em cerâmica… 
Comércio • Com a Fenícia e outras regiões africanas (como a 
Núbia): importavam madeiras, ébano, marfim… 
• Exportavam granito, alabastro e algumas pedras 
preciosas
Privilegiados 
Não 
privilegiados 
• A sociedade egípcia está dividida em vários grupos sociais. 
• O grupo dos privilegiados controla a administração e tem acesso à riqueza.
Nemés (toucado): a 
serpente representa 
o reino do Baixo 
Egito e o abutre o 
reino do Alto Egito 
Cetro: símbolo do 
poder político-militar 
Barba postiça: 
símbolo do poder 
sagrado do faraó 
Chicote: símbolo de 
justiça e ordem 
• O faraó era simultaneamente visto como um homem e um deus. Por isso, tinha um poder 
sacralizado. Era uma Monarquia Teocrática (obedecer ao faraó era obedecer aos deuses). 
• Governava o reino do Egito. Filho do deus sol, Ré e reencarnação do deus Hórus. 
• Era o sumo sacerdote dos templos e possuía símbolos do seu poder.
PRIVILEGIADOS 
• Os nobres tinham funções militares. 
• Existia o Vizir, uma espécie de 
primeiro-ministro 
• Os Sacerdotes celebravam o culto no lugar do faraó. Sabiam ler e escrever e estavam 
ligados a um templo. O seu cargo transmitia-se de pai para filho.
• Os escribas eram os que redigiam as leis, cobravam impostos… sabiam ler e 
escrever, por isso eram tão importantes. 
• Os egípcios escreviam nas paredes e nos papiros. A sua escrita chama-se 
hieroglífica. Só foi descodificada após a descoberta da pedra de Roseta.
• Os artesãos, como os Ourives, cesteiros, 
oleiros, metalúrgicos, marceneiros e outros 
trabalhavam nas grandes oficinas dos 
templos ou do palácio. 
• A maioria dos egípcios eram 
camponeses e viviam em aldeias. 
• Trabalhavam para o faraó, nobres e 
sacerdotes. 
• Estavam sujeitos ao pagamento de 
elevados impostos em géneros e em 
serviços gratuitos ao Estado.
• Os escravos eram prisioneiros de guerra e faziam serviços domésticos e os trabalhos 
mais pesados. Não tinham quaisquer direitos.
Faraó 
Chefe 
supremo 
Nobres - Governo e 
guerra 
Sacerdotes - culto e governo 
Escribas – cobrar impostos, vigiar obras 
públicas... Domínio da escrita e do 
cálculo 
Artesãos – trabalhavam para o Faraó e 
grandes senhores… Poucos tinham oficinas 
próprias 
Comerciantes - faziam o comércio interno e 
externo. Eram controlados pelos governantes 
Camponeses - trabalhavam nas terras e nos meses de cheias 
trabalhavam gratuitamente nas obras públicas 
Escravos – faziam todo o tipo de trabalhos
• Os egípcios eram politeístas, pois acreditavam e prestavam culto a vários deuses. 
• Acreditavam ainda na reencarnação e na vida após a morte.
• Os deuses tinham forma humana, outros animal e ainda havia aqueles com forma mista. 
• A maioria deles estava ligado a uma cidade, onde possuía o seu templo. Os mais 
importantes tinham mesmo um culto nacional.
Deus embalsamador 
Olho símbolo do deus Hórus, 
Deus-falcão, protetor do Faraó 
Bastet, a deusa gata, 
protetora da mulher 
Hathor 
Senhor do reino dos mortos 
Protetora da terra e da vida 
Deus dos deuses 
Deus ligado ao Nilo 
Deusa da fertilidade
• Durante o reinado de Amonfis IV, o Egipto deixou de ser um estado politeísta. 
• Este faraó implementou o culto a apenas um Deus (monoteísmo): ATON. 
• Amnofis IV mudou então o seu nome para AKENATON. 
• Com a sua morte e a subida de Tutankamon ao poder, os egípcios voltaram a ser 
politeístas.
Religião Egípcia 
A arte ao serviço da Religião 
Tema principal da pintura e da escultura 
Culto aos Deuses 
Construção de templos grandiosos 
decorados com esculturas e 
pinturas 
Principal função da arquitetura 
Vida para além da morte 
Construção de túmulos decorados 
com pinturas e esculturas 
(pirâmides, mastabas e hipogeus)
- 3000 - 2600 - 332 
Mastaba Pirâmide em degraus Pirâmide de Gize Hipogeu 
Estátua do morto 
Capela 
funerária 
Câmara funerária e 
sarcófago 
Câmara 
funerária e 
sarcófago 
mastaba 
Câmara 
funerária e 
sarcófago Capela 
funerária 
Câmara 
funerária e 
sarcófago 
• Enquanto os pobres eram enterrados na areia, os Faraós e os grandes senhores 
eram enterrados em grandes túmulos: as mastabas, as pirâmides e os hipogeus. 
• As mastabas eram túmulos retangulares, construídos em degraus e muito mais 
baixos que as pirâmides, que eram os túmulos mais importantes. Normalmente, a 
pirâmide era construída com a pedra da Núbia. Os hipogeus eram um tipo de 
túmulo escavado no solo. 
10 m 
60 m 
146 m 
10 m 
Câmaras 
abandonadas
• A Mastaba 
• O Hipogeu 
• A pirâmide, túmulo do faraó.
• Os egípcios acreditavam noutra vida depois da morte. Por isso, o corpo deveria 
conservar-se através da mumificação. 
• Este processo permitiu o progresso da Medicina.
Obelisco 
Pátio 
Pilones 
Santuário Sala hipostila 
Esfinge 
As colunas suportavam o 
peso do teto do templo. 
• O templo era o lugar de culto aos Deuses. Apresentava um pórtico cercado por 
obeliscos e pilones. O espaço interior, constituído por pátios secundários e várias salas, 
estava reservado aos sacerdotes e ao Faraó.
• Os Egípcios possuíam um calendário de 365 
dias e doze meses e já dividiam o dia em vinte 
e quatro horas. 
• Algumas palavras portuguesas, como 
química, saco, papel ou girafa, têm 
origens na língua egípcia. 
• Certas expressões, como “anos de 
vacas magras”, são também de 
origem egípcia. 
• A escrita hieroglífica era complexa e 
baseada em imagens (escrita 
pictográfica). 
• A obra mais importante dos Egipcios 
era “O Livro dos Mortos”. 
• Para os seus registos, os escribas 
tinham outra mais simplificada – a 
demótica.
• A matemática desenvolveu-se ligada 
à administração e à arquitetura: 
registo de propriedades, cálculo das 
colheitas e dos impostos, construção 
de diques, templos e túmulos.
• Os egípcios inventaram o fio de prumo, o arado, a serra, o espelho, a balança e o vidro.
• A Lei da Frontalidade mostrava pernas, pés, braços e cabeça de perfil, tronco de frente e 
olho recuado. 
• Os faraós e os deuses eram representados maiores que os outros homens e as 
mulheres.
• As estátuas eram representadas de frente, com os 
braços encostados ao corpo e uma perna mais 
avançada. A expressão do rosto é séria, para 
transmitir majestade. 
O faraó Menkauré e a deusa Hathor coroada 
com o disco solar e cornos de vaca (à direita) 
e uma figura que representa a 17ª província 
do Alto Egipto. 
Busto da rainha Nefertiti 
(estuque pintado sobre 
calcário, 2º milénio a. C.). É 
considerada uma das obras 
mais marcantes do Antigo 
Egito.
• Os egípcios desenvolveram as artes decorativas, com 
peças em marfim, vidro e, principalmente, ouro. 
• A arte antiga era uma arte monumental, figurativa e 
naturalista, muito ligada ao poder do Faraó e à religião.
Manifestações Arquitetura Escultura 
Principais 
Caracteristicas 
A arte egípcia 
Pintura 
Artes 
Decorativas 
Monumentali 
dade; 
durabilidade e 
grandiosidade 
Estátuas de 
pedra, barro 
ou de 
madeira; 
Rigidez das 
peças 
Lei da 
frontalidade; 
cenas 
religiosas e da 
vida 
quotidiana 
Ourivesaria; 
utilização de 
pedras 
preciosas; 
grande 
perfeição

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O egito antigo
O egito antigoO egito antigo
O egito antigo
Espanhol Puríssimo
 
05 primeiras civilizações
05   primeiras civilizações05   primeiras civilizações
05 primeiras civilizações
Carla Freitas
 
10 atenas no século v
10   atenas no século v10   atenas no século v
10 atenas no século v
Carla Freitas
 
Egipto
EgiptoEgipto
Egito Antigo
Egito AntigoEgito Antigo
Egito Antigo
Douglas Barraqui
 
O Império Romano
O Império RomanoO Império Romano
O Império Romano
HCA_10I
 
Civilização Grega
Civilização GregaCivilização Grega
Civilização Grega
Margarida Moreira
 
A grécia
A gréciaA grécia
A grécia
Vítor Santos
 
A sociedade egípcia
A sociedade egípciaA sociedade egípcia
A sociedade egípcia
Carlos Vieira
 
Civilização Egípcia
Civilização EgípciaCivilização Egípcia
Civilização Egípcia
Jorge Almeida
 
Império Romano
Império RomanoImpério Romano
Império Romano
Carlos Vieira
 
Império romano
Império romanoImpério romano
Império romano
Vítor Santos
 
A pré-história
A pré-históriaA pré-história
A pré-história
cattonia
 
Egito 1
Egito 1Egito 1
13 o império romano
13   o império romano13   o império romano
13 o império romano
Carla Freitas
 
Religião egipcia
Religião egipciaReligião egipcia
Religião egipcia
Carlos Vieira
 
Civilizações grandes rios
Civilizações grandes riosCivilizações grandes rios
Civilizações grandes rios
Patrícia Morais
 
Egito Antigo
Egito AntigoEgito Antigo
Egito Antigo
Vera Duarte
 
Antigo Egito - A religião egípcia
Antigo Egito - A religião egípciaAntigo Egito - A religião egípcia
Antigo Egito - A religião egípcia
Carlos Pinheiro
 
O egito antigo a mumificação
O egito antigo   a mumificaçãoO egito antigo   a mumificação
O egito antigo a mumificação
Nelia Salles Nantes
 

Mais procurados (20)

O egito antigo
O egito antigoO egito antigo
O egito antigo
 
05 primeiras civilizações
05   primeiras civilizações05   primeiras civilizações
05 primeiras civilizações
 
10 atenas no século v
10   atenas no século v10   atenas no século v
10 atenas no século v
 
Egipto
EgiptoEgipto
Egipto
 
Egito Antigo
Egito AntigoEgito Antigo
Egito Antigo
 
O Império Romano
O Império RomanoO Império Romano
O Império Romano
 
Civilização Grega
Civilização GregaCivilização Grega
Civilização Grega
 
A grécia
A gréciaA grécia
A grécia
 
A sociedade egípcia
A sociedade egípciaA sociedade egípcia
A sociedade egípcia
 
Civilização Egípcia
Civilização EgípciaCivilização Egípcia
Civilização Egípcia
 
Império Romano
Império RomanoImpério Romano
Império Romano
 
Império romano
Império romanoImpério romano
Império romano
 
A pré-história
A pré-históriaA pré-história
A pré-história
 
Egito 1
Egito 1Egito 1
Egito 1
 
13 o império romano
13   o império romano13   o império romano
13 o império romano
 
Religião egipcia
Religião egipciaReligião egipcia
Religião egipcia
 
Civilizações grandes rios
Civilizações grandes riosCivilizações grandes rios
Civilizações grandes rios
 
Egito Antigo
Egito AntigoEgito Antigo
Egito Antigo
 
Antigo Egito - A religião egípcia
Antigo Egito - A religião egípciaAntigo Egito - A religião egípcia
Antigo Egito - A religião egípcia
 
O egito antigo a mumificação
O egito antigo   a mumificaçãoO egito antigo   a mumificação
O egito antigo a mumificação
 

Semelhante a O Antigo Egipto

O Egito Antigo
O  Egito AntigoO  Egito Antigo
O Egito Antigo
Paullinho Oliveira
 
Povos antigos da africa
Povos antigos da africaPovos antigos da africa
Povos antigos da africa
Fernando Moreira
 
Egito 6 ano
Egito 6 anoEgito 6 ano
Egito 6 ano
Escolacsm
 
Egito 6 ano
Egito 6 anoEgito 6 ano
Egito 6 ano
Escolacsm
 
A civilizaçao egípcia
A civilizaçao egípciaA civilizaçao egípcia
A civilizaçao egípcia
zetodje
 
Egt
EgtEgt
Egito antigo
Egito antigo Egito antigo
Egito antigo
Loredana Ruffo
 
Egito antigo
Egito antigoEgito antigo
O Egipto
O EgiptoO Egipto
O Egipto
Paulo Tenreiro
 
Egitoslide 130223211954-phpapp01
Egitoslide 130223211954-phpapp01Egitoslide 130223211954-phpapp01
Egitoslide 130223211954-phpapp01
luzia Camilo lopes
 
O egito antigo
O egito antigoO egito antigo
O egito antigo
Ademex Martins
 
Egito antigo2016
Egito antigo2016Egito antigo2016
Egito antigo2016
luzia Camilo lopes
 
O EGITO ANTIGO
O EGITO ANTIGOO EGITO ANTIGO
O EGITO ANTIGO
Antonio Marcos
 
Oegitoantigo
OegitoantigoOegitoantigo
Oegitoantigo
Álvaro Silva
 
Oegitoantigo
OegitoantigoOegitoantigo
Oegitoantigo
Álvaro Silva
 
Aula de Antigo Egito
Aula de Antigo EgitoAula de Antigo Egito
Aula de Antigo Egito
Júlia Moutinho
 
Egito slide
Egito slideEgito slide
Egito slide
Isabel Aguiar
 
Egito antigo
Egito antigoEgito antigo
Egito antigo
professor ivan
 
A civilização egípcia apontamentos
A civilização egípcia   apontamentosA civilização egípcia   apontamentos
A civilização egípcia apontamentos
Pedro Souto
 
Egito Antigo - 6º Ano (2018)
Egito Antigo - 6º Ano (2018)Egito Antigo - 6º Ano (2018)
Egito Antigo - 6º Ano (2018)
Nefer19
 

Semelhante a O Antigo Egipto (20)

O Egito Antigo
O  Egito AntigoO  Egito Antigo
O Egito Antigo
 
Povos antigos da africa
Povos antigos da africaPovos antigos da africa
Povos antigos da africa
 
Egito 6 ano
Egito 6 anoEgito 6 ano
Egito 6 ano
 
Egito 6 ano
Egito 6 anoEgito 6 ano
Egito 6 ano
 
A civilizaçao egípcia
A civilizaçao egípciaA civilizaçao egípcia
A civilizaçao egípcia
 
Egt
EgtEgt
Egt
 
Egito antigo
Egito antigo Egito antigo
Egito antigo
 
Egito antigo
Egito antigoEgito antigo
Egito antigo
 
O Egipto
O EgiptoO Egipto
O Egipto
 
Egitoslide 130223211954-phpapp01
Egitoslide 130223211954-phpapp01Egitoslide 130223211954-phpapp01
Egitoslide 130223211954-phpapp01
 
O egito antigo
O egito antigoO egito antigo
O egito antigo
 
Egito antigo2016
Egito antigo2016Egito antigo2016
Egito antigo2016
 
O EGITO ANTIGO
O EGITO ANTIGOO EGITO ANTIGO
O EGITO ANTIGO
 
Oegitoantigo
OegitoantigoOegitoantigo
Oegitoantigo
 
Oegitoantigo
OegitoantigoOegitoantigo
Oegitoantigo
 
Aula de Antigo Egito
Aula de Antigo EgitoAula de Antigo Egito
Aula de Antigo Egito
 
Egito slide
Egito slideEgito slide
Egito slide
 
Egito antigo
Egito antigoEgito antigo
Egito antigo
 
A civilização egípcia apontamentos
A civilização egípcia   apontamentosA civilização egípcia   apontamentos
A civilização egípcia apontamentos
 
Egito Antigo - 6º Ano (2018)
Egito Antigo - 6º Ano (2018)Egito Antigo - 6º Ano (2018)
Egito Antigo - 6º Ano (2018)
 

Mais de cattonia

Deseq regionais.pptx
Deseq regionais.pptxDeseq regionais.pptx
Deseq regionais.pptx
cattonia
 
arte portuguesa.ppsx
arte portuguesa.ppsxarte portuguesa.ppsx
arte portuguesa.ppsx
cattonia
 
A reinvenção das formas.ppsx
A reinvenção das formas.ppsxA reinvenção das formas.ppsx
A reinvenção das formas.ppsx
cattonia
 
A produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptxA produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptx
cattonia
 
Era digital
Era digitalEra digital
Era digital
cattonia
 
Família
FamíliaFamília
Família
cattonia
 
A revolução francesa
A revolução francesaA revolução francesa
A revolução francesa
cattonia
 
O alargamento do conhec do mundo
O alargamento do conhec do mundoO alargamento do conhec do mundo
O alargamento do conhec do mundo
cattonia
 
2. o espaço português
2. o espaço português2. o espaço português
2. o espaço português
cattonia
 
Mercantilismo português
Mercantilismo portuguêsMercantilismo português
Mercantilismo português
cattonia
 
O quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xivO quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xiv
cattonia
 
3. hesitações do crescimento
3. hesitações do crescimento3. hesitações do crescimento
3. hesitações do crescimento
cattonia
 
1. a identidade civilizacional da europa
1. a identidade civilizacional da europa1. a identidade civilizacional da europa
1. a identidade civilizacional da europa
cattonia
 
Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalização
cattonia
 
Hegemonia inglesa
Hegemonia inglesaHegemonia inglesa
Hegemonia inglesa
cattonia
 
Trabalho
TrabalhoTrabalho
Trabalho
cattonia
 
1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmos1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmos
cattonia
 
Roma
RomaRoma
Roma
cattonia
 
Constr do social ii
Constr do social iiConstr do social ii
Constr do social ii
cattonia
 
A constr do social
A constr do socialA constr do social
A constr do social
cattonia
 

Mais de cattonia (20)

Deseq regionais.pptx
Deseq regionais.pptxDeseq regionais.pptx
Deseq regionais.pptx
 
arte portuguesa.ppsx
arte portuguesa.ppsxarte portuguesa.ppsx
arte portuguesa.ppsx
 
A reinvenção das formas.ppsx
A reinvenção das formas.ppsxA reinvenção das formas.ppsx
A reinvenção das formas.ppsx
 
A produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptxA produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptx
 
Era digital
Era digitalEra digital
Era digital
 
Família
FamíliaFamília
Família
 
A revolução francesa
A revolução francesaA revolução francesa
A revolução francesa
 
O alargamento do conhec do mundo
O alargamento do conhec do mundoO alargamento do conhec do mundo
O alargamento do conhec do mundo
 
2. o espaço português
2. o espaço português2. o espaço português
2. o espaço português
 
Mercantilismo português
Mercantilismo portuguêsMercantilismo português
Mercantilismo português
 
O quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xivO quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xiv
 
3. hesitações do crescimento
3. hesitações do crescimento3. hesitações do crescimento
3. hesitações do crescimento
 
1. a identidade civilizacional da europa
1. a identidade civilizacional da europa1. a identidade civilizacional da europa
1. a identidade civilizacional da europa
 
Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalização
 
Hegemonia inglesa
Hegemonia inglesaHegemonia inglesa
Hegemonia inglesa
 
Trabalho
TrabalhoTrabalho
Trabalho
 
1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmos1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmos
 
Roma
RomaRoma
Roma
 
Constr do social ii
Constr do social iiConstr do social ii
Constr do social ii
 
A constr do social
A constr do socialA constr do social
A constr do social
 

O Antigo Egipto

  • 1.
  • 2. SITSUITAUÇAÃÇOÃ OG EGOEGORGÁRFÁICFAICA • O Egipto é um país localizado junto ao deserto do Saara, no norte de África. Faz fronteira com a Líbia e com o Sudão. • É atravessado pelo Nilo, o rio mais comprido do mundo. • Cerca de 3200 a. C., o rei Menés do Alto Egipto conquistou a região do Delta. • Por volta de 3000 a.C., o seu território já estava unificado e passou a ser governado por um Faraó (rei que se dizia filho de Deus).
  • 3. O Nilo era fonte de vida… Com as suas cheias alagava os campos e fertilizava a terra. Para aproveitar estas águas, os egípcios construíram canais e diques.
  • 4. ECONOMIA EGÍPCIA • A base da alimentação era o trigo e a cevada, com os quais faziam o pão e a cerveja. • Caçavam–se aves dos pântanos (gansos, patos, codornizes) e do deserto (ex. leões).
  • 5. • A pesca era feita à linha, com arpão ou por arrasto. • A maioria da população comia mais peixe do que carne. • O subsolo do Egipto era rico em materiais para a construção: granitos, alabastro, pórfiro e basaltos. • As pedras preciosas eram várias: turquesa, malaquite, feldspato verde, ametista e ágatas. Com elas faziam belas joias.
  • 6. • O rio era uma importante via de transporte de: • madeira, escassa e necessária • Os produtos eram trocados uns pelos outros (troca direta). O dinheiro só surgiu no séc. VI a. C. na zona da Lídia. no Egipto para fabricar o mobiliário e caixões (Biblos). • ébano, as plumas de avestruz, as peles de leopardo, incenso, marfim e sobretudo o ouro.
  • 7. • O Egipto localiza-se na África e deve a sua existência ao rio Nilo que, com as suas cheias periódicas fertilizava a terra e se tornava ainda uma boa via de comunicação e transporte de mercadorias. ATIVIDADES ECONÓMICAS DO EGIPTO ANTIGO Agricultura Cevada, trigo, vinha… pecuária Bois, vacas, carneiros… Caça e Pesca • Gansos, patos, codornizes… • Pesca à linha ou com arpão Artesanato • Joias em lápis-lazúli, com pedras preciosas como o jade, peças em cerâmica… Comércio • Com a Fenícia e outras regiões africanas (como a Núbia): importavam madeiras, ébano, marfim… • Exportavam granito, alabastro e algumas pedras preciosas
  • 8. Privilegiados Não privilegiados • A sociedade egípcia está dividida em vários grupos sociais. • O grupo dos privilegiados controla a administração e tem acesso à riqueza.
  • 9. Nemés (toucado): a serpente representa o reino do Baixo Egito e o abutre o reino do Alto Egito Cetro: símbolo do poder político-militar Barba postiça: símbolo do poder sagrado do faraó Chicote: símbolo de justiça e ordem • O faraó era simultaneamente visto como um homem e um deus. Por isso, tinha um poder sacralizado. Era uma Monarquia Teocrática (obedecer ao faraó era obedecer aos deuses). • Governava o reino do Egito. Filho do deus sol, Ré e reencarnação do deus Hórus. • Era o sumo sacerdote dos templos e possuía símbolos do seu poder.
  • 10. PRIVILEGIADOS • Os nobres tinham funções militares. • Existia o Vizir, uma espécie de primeiro-ministro • Os Sacerdotes celebravam o culto no lugar do faraó. Sabiam ler e escrever e estavam ligados a um templo. O seu cargo transmitia-se de pai para filho.
  • 11. • Os escribas eram os que redigiam as leis, cobravam impostos… sabiam ler e escrever, por isso eram tão importantes. • Os egípcios escreviam nas paredes e nos papiros. A sua escrita chama-se hieroglífica. Só foi descodificada após a descoberta da pedra de Roseta.
  • 12. • Os artesãos, como os Ourives, cesteiros, oleiros, metalúrgicos, marceneiros e outros trabalhavam nas grandes oficinas dos templos ou do palácio. • A maioria dos egípcios eram camponeses e viviam em aldeias. • Trabalhavam para o faraó, nobres e sacerdotes. • Estavam sujeitos ao pagamento de elevados impostos em géneros e em serviços gratuitos ao Estado.
  • 13. • Os escravos eram prisioneiros de guerra e faziam serviços domésticos e os trabalhos mais pesados. Não tinham quaisquer direitos.
  • 14. Faraó Chefe supremo Nobres - Governo e guerra Sacerdotes - culto e governo Escribas – cobrar impostos, vigiar obras públicas... Domínio da escrita e do cálculo Artesãos – trabalhavam para o Faraó e grandes senhores… Poucos tinham oficinas próprias Comerciantes - faziam o comércio interno e externo. Eram controlados pelos governantes Camponeses - trabalhavam nas terras e nos meses de cheias trabalhavam gratuitamente nas obras públicas Escravos – faziam todo o tipo de trabalhos
  • 15. • Os egípcios eram politeístas, pois acreditavam e prestavam culto a vários deuses. • Acreditavam ainda na reencarnação e na vida após a morte.
  • 16. • Os deuses tinham forma humana, outros animal e ainda havia aqueles com forma mista. • A maioria deles estava ligado a uma cidade, onde possuía o seu templo. Os mais importantes tinham mesmo um culto nacional.
  • 17. Deus embalsamador Olho símbolo do deus Hórus, Deus-falcão, protetor do Faraó Bastet, a deusa gata, protetora da mulher Hathor Senhor do reino dos mortos Protetora da terra e da vida Deus dos deuses Deus ligado ao Nilo Deusa da fertilidade
  • 18. • Durante o reinado de Amonfis IV, o Egipto deixou de ser um estado politeísta. • Este faraó implementou o culto a apenas um Deus (monoteísmo): ATON. • Amnofis IV mudou então o seu nome para AKENATON. • Com a sua morte e a subida de Tutankamon ao poder, os egípcios voltaram a ser politeístas.
  • 19. Religião Egípcia A arte ao serviço da Religião Tema principal da pintura e da escultura Culto aos Deuses Construção de templos grandiosos decorados com esculturas e pinturas Principal função da arquitetura Vida para além da morte Construção de túmulos decorados com pinturas e esculturas (pirâmides, mastabas e hipogeus)
  • 20. - 3000 - 2600 - 332 Mastaba Pirâmide em degraus Pirâmide de Gize Hipogeu Estátua do morto Capela funerária Câmara funerária e sarcófago Câmara funerária e sarcófago mastaba Câmara funerária e sarcófago Capela funerária Câmara funerária e sarcófago • Enquanto os pobres eram enterrados na areia, os Faraós e os grandes senhores eram enterrados em grandes túmulos: as mastabas, as pirâmides e os hipogeus. • As mastabas eram túmulos retangulares, construídos em degraus e muito mais baixos que as pirâmides, que eram os túmulos mais importantes. Normalmente, a pirâmide era construída com a pedra da Núbia. Os hipogeus eram um tipo de túmulo escavado no solo. 10 m 60 m 146 m 10 m Câmaras abandonadas
  • 21. • A Mastaba • O Hipogeu • A pirâmide, túmulo do faraó.
  • 22. • Os egípcios acreditavam noutra vida depois da morte. Por isso, o corpo deveria conservar-se através da mumificação. • Este processo permitiu o progresso da Medicina.
  • 23. Obelisco Pátio Pilones Santuário Sala hipostila Esfinge As colunas suportavam o peso do teto do templo. • O templo era o lugar de culto aos Deuses. Apresentava um pórtico cercado por obeliscos e pilones. O espaço interior, constituído por pátios secundários e várias salas, estava reservado aos sacerdotes e ao Faraó.
  • 24. • Os Egípcios possuíam um calendário de 365 dias e doze meses e já dividiam o dia em vinte e quatro horas. • Algumas palavras portuguesas, como química, saco, papel ou girafa, têm origens na língua egípcia. • Certas expressões, como “anos de vacas magras”, são também de origem egípcia. • A escrita hieroglífica era complexa e baseada em imagens (escrita pictográfica). • A obra mais importante dos Egipcios era “O Livro dos Mortos”. • Para os seus registos, os escribas tinham outra mais simplificada – a demótica.
  • 25. • A matemática desenvolveu-se ligada à administração e à arquitetura: registo de propriedades, cálculo das colheitas e dos impostos, construção de diques, templos e túmulos.
  • 26. • Os egípcios inventaram o fio de prumo, o arado, a serra, o espelho, a balança e o vidro.
  • 27. • A Lei da Frontalidade mostrava pernas, pés, braços e cabeça de perfil, tronco de frente e olho recuado. • Os faraós e os deuses eram representados maiores que os outros homens e as mulheres.
  • 28. • As estátuas eram representadas de frente, com os braços encostados ao corpo e uma perna mais avançada. A expressão do rosto é séria, para transmitir majestade. O faraó Menkauré e a deusa Hathor coroada com o disco solar e cornos de vaca (à direita) e uma figura que representa a 17ª província do Alto Egipto. Busto da rainha Nefertiti (estuque pintado sobre calcário, 2º milénio a. C.). É considerada uma das obras mais marcantes do Antigo Egito.
  • 29. • Os egípcios desenvolveram as artes decorativas, com peças em marfim, vidro e, principalmente, ouro. • A arte antiga era uma arte monumental, figurativa e naturalista, muito ligada ao poder do Faraó e à religião.
  • 30. Manifestações Arquitetura Escultura Principais Caracteristicas A arte egípcia Pintura Artes Decorativas Monumentali dade; durabilidade e grandiosidade Estátuas de pedra, barro ou de madeira; Rigidez das peças Lei da frontalidade; cenas religiosas e da vida quotidiana Ourivesaria; utilização de pedras preciosas; grande perfeição