SlideShare uma empresa Scribd logo
Egípcios
Introdução
No IV milénio a.C. iniciou-se, no Crescente
Fertíl ,nas margens do Rio Nilo ,uma das
civilizações mais fascinantes de sempre.
Localização do Rio Nilo
A civilização egípcia desenvolveu -
se no vale do Rio Nilo. O
território do Egito fica no
Nordeste da África, ocupando o
vale do Nilo, entre os desertos
da Arábia e da Líbia. Como a
região é formada por um deserto
(Saara), o rio Nilo ganhou uma
extrema importância para os
egípcios. O rio era utilizado
como via de transporte (através
de barcos) de mercadorias e
pessoas. As águas do rio Nilo
também eram utilizadas para
beber, pescar e fertilizar as
margens, nas épocas de cheias,
favorecendo a agricultura.
Economia Egípcia
● A agricultura foi a
principal atividade
econômica do Egito
Antigo. Porém, os
egípcios também se
dedicaram ao
artesanato, pecuária,
pesca, caça e extração
mineral. Praticaram
também o comércio
exterior com outros
povos.
Papiro
Pirâmide Social do Egito
A Arte Egípcia
A arte egípcia estava ligada à
religião,na medida em que
os principais edifícios que
se construiam eram para
os deuses –templos – e
para sepultar os mortos
mais importantes -os
túmulos.Estes edifícios
encontrava-se decorados
com pinturas e esculturas.
Arquitetura Egípcia
Esfinge de Gizé é uma imagem
mitológica, criada no Egito
Antigo, com corpo de leão e
cabeça de ser humano
(geralmente de um faraó).
Historiadores afirmam que esta
figura pode ter sido importada
da cultura grega. A palavra
esfinge deriva do grego sphingo
que significa estrangular.
Para os egípcios antigos a imagem
de uma esfinge significava
poder e sabedoria. Serviam, no
imaginário egípcio, como
protetoras das pirâmides e
templos.
Pirâmides do egito:
Quéops,quefren e miquerinos
Pedra de Roseta
A Pedra de Roseta é
um fragmento de
uma estela, bloco de
pedra com
inscrições de
registros
governamentais ou
religiosos.
Os Hieróglifos
A escrita egípcia foi algo muito importante
para esse povo,pois permitiu a
divulgação de ideias ,comunicação e
controle de impostos .Existiam duas
formas principais de escrita : a
demótica(mais simplificada e mais usada
para assuntos do cotidiano) e a
hieroglífica (Mais complexa e formada
por desenhos e símbolos,era sagrada).
Esta escrita era dominada,
principalmente, pelos sacerdotes,
membros da realeza e escribas.
Quem deu o nome de hieroglífica para a
escrita egípcia foram os gregos. O termo
é a junção das palavras gregas glyphein,
que significa inscrever, gravar e hieros,
que significa sagrado. Inscrições
sagradas, portanto, os gregos achavam,
erroneamente, que se tratava de uma
escrita meramente religiosa. Os
hieróglifos devem ter surgido por volta
de 4000 anos a.C.
Olho de Hórus
Olho de Hórus, também
conhecido como udyat,
é um símbolo que
significa poder e
proteção. O olho de
hórus era um dos
amuletos mais
importantes no Egito
Antigo, e eram usados
como representação
de força, vigor,
segurança e saúde.
Anhk
Ankh (Pronuncia-se
Anak): conhecida
também como cruz
ansata, era na escrita
hieroglífica egípcia o
símbolo da vida. Os
egípcios a usavam para
indicar a vida após a
morte.
Escaravelho
Medicina
No antigo Egito eram
desenvolvidas diversas
atividades de tipo cirúrgico, tais
como a circuncisão (obrigatória
por motivos higiênicos), a
castração, a cesariana e, muito
provavelmente, a excisão de
cataratas oculares e próteses
dentárias. Contudo, e fruto de
uma profunda dominância
religiosa, a anatomia humana
era perspetivada segundo uma
posição significativamente
fantasiosa.
Religião Egípcia
Os egípcios eram politeístas (acreditavam em vários deuses). De
acordo com este povo, os deuses possuíam poderes
específicos e atuavam na vida das pessoas. Havia também
deuses que possuíam o corpo formado por parte humana e
parte de animal sagrado. Anúbis, por exemplo, deus da morte,
era representado com cabeça de chacal num corpo de ser
humano.
Os egípcios antigos faziam rituais e oferendas aos deuses. Era
uma forma de conseguirem agradar aos deuses, conseguindo
ajuda em suas vidas.
No Egito Antigo existiam diversos templos, que eram construídos
em homenagem aos deuses. Cada cidade possuía um deus
protetor
A Mumificação
A preocupação com a vida após a morte
constitui característica essencial da cultura
egípcia antiga, e refletiu-se na adoção de
práticas funerárias bastante incomuns, como
a mumificação - tida como a garantia da
existência eterna. Conforme demonstram
claramente muitos registros, os antigos
egípcios sabiam que o corpo físico jamais iria
renascer. Mas as partes etéreas que
formavam um ser humano, como o Ká -
comumente traduzido por “espírito” -
precisavam se identificar por completo com o
corpo ao qual pertenciam. Logo, este deveria
ser preservado. A destruição do corpo
acarretava a destruição das partes espirituais
e, consequentemente, a perda da vida
eterna. O costume foi relacionado ao culto do
deus Osíris, a divindade mais popular nos
tempos faraônicos, senhor do além-túmulo.
Livro dos Mortos
Akenaton e Nefertiti
O casal ficou conhecido pela
revolução religiosa ocorrida
no Egito. Nefertiti e
Amenhotep condenaram os
sacerdotes de Amon e
instauraram o culto ao deus
único: Áton, representado
pelo disco solar.
Imediatamente, Amenhotep IV
mudou seu nome para
Akhenaton, que significa o
espírito atuante de Aton. Logo,
o faraó e a rainha
abandonaram Tebas (antiga
capital) e fundaram uma nova
cidade: Akhetaton (o nome
significa ''o horizonte de
A civilização Egípcia
Dentre os espíritos degredados na Terra, os que constituíram a civilização
egípcia foram os que mais se destacavam na prática do Bem e no culto da
Verdade.
Aliás, importa considerar que eram eles os que menos débitos possuíam
perante o tribunal da Justiça Divina. Em razão dos seus elevados patrimônios
morais, guardaram no íntimo uma lembrança mais viva das experiências de sua
pátria distante. Um único desejo os animava, que era trabalhar devotadamente
para regressar, um dia, aos seus penates resplandecentes. Uma saudade
torturante do céu foi a base de todas as suas organizações religiosas. Em
nenhuma civilização da Terra o culto da morte foi tão altamente desenvolvido.
Em todos os corações morava a ansiedade de voltar ao orbe distante, ao qual
se sentiam presos pelos mais santos afetos. Foi por esse motivo que,
representando uma das mais belas e adiantadas civilizações de todos os
tempos, as expressões do antigo Egito desapareceram para sempre do plano
tangível do planeta. Depois de perpetuarem nas Pirâmides os seus avançados
conhecimentos, todos os Espíritos daquela região africana regressaram à pátria
sideral.
Emmanuel
(livro: A caminho da Luz)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Fenícios, hebreus e persas
Fenícios, hebreus e persasFenícios, hebreus e persas
Fenícios, hebreus e persas
Douglas Barraqui
 
Mesopotâmia - 6º Ano (2018)
Mesopotâmia - 6º Ano (2018)Mesopotâmia - 6º Ano (2018)
Mesopotâmia - 6º Ano (2018)
Nefer19
 
11 cultura grega
11   cultura grega11   cultura grega
11 cultura grega
Carla Freitas
 
Civilização Grega
Civilização GregaCivilização Grega
Civilização Grega
Lucio Oliveira
 
Capítulo 4 - África Antiga: egito e núbia
Capítulo 4 - África Antiga: egito e núbiaCapítulo 4 - África Antiga: egito e núbia
Capítulo 4 - África Antiga: egito e núbia
Marcos Antonio Grigorio de Figueiredo
 
Astecas maias e incas
Astecas maias e incasAstecas maias e incas
Astecas maias e incas
Fabiana Tonsis
 
Persas
PersasPersas
Povoamento da américa
Povoamento da américaPovoamento da américa
Povoamento da américa
Zé Knust
 
Resumo egito antigo
Resumo   egito antigoResumo   egito antigo
Resumo egito antigo
Claudenilson da Silva
 
Primeiras civilizações sociedades africanas da antiguidade
Primeiras civilizações   sociedades africanas da antiguidadePrimeiras civilizações   sociedades africanas da antiguidade
Primeiras civilizações sociedades africanas da antiguidade
seixasmarianas
 
Roma antiga
Roma antigaRoma antiga
Roma antiga
Marcia Fernandes
 
Renascimento - Filosofia
Renascimento - FilosofiaRenascimento - Filosofia
Renascimento - Filosofia
Carson Souza
 
Egito
EgitoEgito
A Formação do Povo Grego e das Cidades Estado
A Formação do Povo Grego e das Cidades EstadoA Formação do Povo Grego e das Cidades Estado
A Formação do Povo Grego e das Cidades Estado
Maria Gomes
 
Os Gregos No SéCulo V
Os Gregos No SéCulo VOs Gregos No SéCulo V
Os Gregos No SéCulo V
Sílvia Mendonça
 
3° ano - Grécia Antiga – aula 2
3° ano - Grécia Antiga – aula 23° ano - Grécia Antiga – aula 2
3° ano - Grécia Antiga – aula 2
Daniel Alves Bronstrup
 
Os gregos no século v a.c.
Os gregos no século v a.c.Os gregos no século v a.c.
Os gregos no século v a.c.
Mario Alvim
 
A sociedade egípcia
A sociedade egípciaA sociedade egípcia
A sociedade egípcia
Carlos Vieira
 
GRÉCIA ANTIGA
GRÉCIA ANTIGAGRÉCIA ANTIGA
GRÉCIA ANTIGA
Jackeline Póvoas
 
Mesopotâmia
MesopotâmiaMesopotâmia
Mesopotâmia
Douglas Barraqui
 

Mais procurados (20)

Fenícios, hebreus e persas
Fenícios, hebreus e persasFenícios, hebreus e persas
Fenícios, hebreus e persas
 
Mesopotâmia - 6º Ano (2018)
Mesopotâmia - 6º Ano (2018)Mesopotâmia - 6º Ano (2018)
Mesopotâmia - 6º Ano (2018)
 
11 cultura grega
11   cultura grega11   cultura grega
11 cultura grega
 
Civilização Grega
Civilização GregaCivilização Grega
Civilização Grega
 
Capítulo 4 - África Antiga: egito e núbia
Capítulo 4 - África Antiga: egito e núbiaCapítulo 4 - África Antiga: egito e núbia
Capítulo 4 - África Antiga: egito e núbia
 
Astecas maias e incas
Astecas maias e incasAstecas maias e incas
Astecas maias e incas
 
Persas
PersasPersas
Persas
 
Povoamento da américa
Povoamento da américaPovoamento da américa
Povoamento da américa
 
Resumo egito antigo
Resumo   egito antigoResumo   egito antigo
Resumo egito antigo
 
Primeiras civilizações sociedades africanas da antiguidade
Primeiras civilizações   sociedades africanas da antiguidadePrimeiras civilizações   sociedades africanas da antiguidade
Primeiras civilizações sociedades africanas da antiguidade
 
Roma antiga
Roma antigaRoma antiga
Roma antiga
 
Renascimento - Filosofia
Renascimento - FilosofiaRenascimento - Filosofia
Renascimento - Filosofia
 
Egito
EgitoEgito
Egito
 
A Formação do Povo Grego e das Cidades Estado
A Formação do Povo Grego e das Cidades EstadoA Formação do Povo Grego e das Cidades Estado
A Formação do Povo Grego e das Cidades Estado
 
Os Gregos No SéCulo V
Os Gregos No SéCulo VOs Gregos No SéCulo V
Os Gregos No SéCulo V
 
3° ano - Grécia Antiga – aula 2
3° ano - Grécia Antiga – aula 23° ano - Grécia Antiga – aula 2
3° ano - Grécia Antiga – aula 2
 
Os gregos no século v a.c.
Os gregos no século v a.c.Os gregos no século v a.c.
Os gregos no século v a.c.
 
A sociedade egípcia
A sociedade egípciaA sociedade egípcia
A sociedade egípcia
 
GRÉCIA ANTIGA
GRÉCIA ANTIGAGRÉCIA ANTIGA
GRÉCIA ANTIGA
 
Mesopotâmia
MesopotâmiaMesopotâmia
Mesopotâmia
 

Destaque

Egito Antigo
Egito AntigoEgito Antigo
Egito Antigo
Lutero Ramos
 
Civilização egípcia
Civilização egípciaCivilização egípcia
Civilização egípcia
Queila Tomaz Alves
 
Egito antigo
Egito antigoEgito antigo
Egito antigo
valdeck1
 
Sistemas de Numeração: Babilónico, Egípcio, Chinês e Decimal
Sistemas de Numeração: Babilónico, Egípcio, Chinês e DecimalSistemas de Numeração: Babilónico, Egípcio, Chinês e Decimal
Sistemas de Numeração: Babilónico, Egípcio, Chinês e Decimal
catcarvalho
 
SISTEMA DE NUMERAÇÃO EGÍPCIO
SISTEMA DE NUMERAÇÃO EGÍPCIOSISTEMA DE NUMERAÇÃO EGÍPCIO
SISTEMA DE NUMERAÇÃO EGÍPCIO
LeonardoHenry2012
 
Egito slide
Egito slideEgito slide
Egito slide
Isabel Aguiar
 

Destaque (6)

Egito Antigo
Egito AntigoEgito Antigo
Egito Antigo
 
Civilização egípcia
Civilização egípciaCivilização egípcia
Civilização egípcia
 
Egito antigo
Egito antigoEgito antigo
Egito antigo
 
Sistemas de Numeração: Babilónico, Egípcio, Chinês e Decimal
Sistemas de Numeração: Babilónico, Egípcio, Chinês e DecimalSistemas de Numeração: Babilónico, Egípcio, Chinês e Decimal
Sistemas de Numeração: Babilónico, Egípcio, Chinês e Decimal
 
SISTEMA DE NUMERAÇÃO EGÍPCIO
SISTEMA DE NUMERAÇÃO EGÍPCIOSISTEMA DE NUMERAÇÃO EGÍPCIO
SISTEMA DE NUMERAÇÃO EGÍPCIO
 
Egito slide
Egito slideEgito slide
Egito slide
 

Semelhante a Egípcios

História-Darlene-6º6 (11).docx
História-Darlene-6º6 (11).docxHistória-Darlene-6º6 (11).docx
História-Darlene-6º6 (11).docx
DarleneSC1
 
Egito antigo
Egito antigoEgito antigo
Egito antigo
Jeesiel Temóteo
 
A civilização egípcia apontamentos
A civilização egípcia   apontamentosA civilização egípcia   apontamentos
A civilização egípcia apontamentos
Pedro Souto
 
Introdução
IntroduçãoIntrodução
Introdução
souzaematos2014
 
Introdução
IntroduçãoIntrodução
Introdução
souzaematos2014
 
Introdução
IntroduçãoIntrodução
Introdução
souzaematos2014
 
Egito antigo
Egito antigoEgito antigo
O egito antigo.
O egito antigo.O egito antigo.
O egito antigo.
Cássio Marcelo
 
O egito antigo.
O egito antigo.O egito antigo.
O egito antigo.
Cássio Marcelo
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
sthefanydesr
 
A arte egípcia
A arte egípciaA arte egípcia
A arte egípcia
Andresavaz
 
Antigo Egito
Antigo EgitoAntigo Egito
Antigo Egito
blog-eic
 
O Egito Antigo
O Egito AntigoO Egito Antigo
O Egito Antigo
Deisy Cota
 
Civilização Egípcia
Civilização EgípciaCivilização Egípcia
Civilização Egípcia
Jorge Almeida
 
Egito Antigo KA23
Egito Antigo KA23Egito Antigo KA23
Egito Antigo KA23
jssrs1313
 
Produção visual egito central slides
Produção visual egito central slidesProdução visual egito central slides
Produção visual egito central slides
CarlaRosario
 
Egito 6 ano
Egito 6 anoEgito 6 ano
Egito 6 ano
Escolacsm
 
Egito 6 ano
Egito 6 anoEgito 6 ano
Egito 6 ano
Escolacsm
 
Aula 4 o antigo egito
Aula 4   o antigo egitoAula 4   o antigo egito
Aula 4 o antigo egito
Dalton Lopes Reis Jr.
 
Pp Egipto (1)
Pp Egipto (1)Pp Egipto (1)
Pp Egipto (1)
isabel mgm
 

Semelhante a Egípcios (20)

História-Darlene-6º6 (11).docx
História-Darlene-6º6 (11).docxHistória-Darlene-6º6 (11).docx
História-Darlene-6º6 (11).docx
 
Egito antigo
Egito antigoEgito antigo
Egito antigo
 
A civilização egípcia apontamentos
A civilização egípcia   apontamentosA civilização egípcia   apontamentos
A civilização egípcia apontamentos
 
Introdução
IntroduçãoIntrodução
Introdução
 
Introdução
IntroduçãoIntrodução
Introdução
 
Introdução
IntroduçãoIntrodução
Introdução
 
Egito antigo
Egito antigoEgito antigo
Egito antigo
 
O egito antigo.
O egito antigo.O egito antigo.
O egito antigo.
 
O egito antigo.
O egito antigo.O egito antigo.
O egito antigo.
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
 
A arte egípcia
A arte egípciaA arte egípcia
A arte egípcia
 
Antigo Egito
Antigo EgitoAntigo Egito
Antigo Egito
 
O Egito Antigo
O Egito AntigoO Egito Antigo
O Egito Antigo
 
Civilização Egípcia
Civilização EgípciaCivilização Egípcia
Civilização Egípcia
 
Egito Antigo KA23
Egito Antigo KA23Egito Antigo KA23
Egito Antigo KA23
 
Produção visual egito central slides
Produção visual egito central slidesProdução visual egito central slides
Produção visual egito central slides
 
Egito 6 ano
Egito 6 anoEgito 6 ano
Egito 6 ano
 
Egito 6 ano
Egito 6 anoEgito 6 ano
Egito 6 ano
 
Aula 4 o antigo egito
Aula 4   o antigo egitoAula 4   o antigo egito
Aula 4 o antigo egito
 
Pp Egipto (1)
Pp Egipto (1)Pp Egipto (1)
Pp Egipto (1)
 

Mais de fespiritacrista

O homem integral-CAPÍTULO 3 A ansiedade
O homem integral-CAPÍTULO 3  A ansiedadeO homem integral-CAPÍTULO 3  A ansiedade
O homem integral-CAPÍTULO 3 A ansiedade
fespiritacrista
 
Boletim informativo junho 2016
Boletim informativo junho 2016Boletim informativo junho 2016
Boletim informativo junho 2016
fespiritacrista
 
Boletim informativo julho 2016
Boletim informativo julho 2016Boletim informativo julho 2016
Boletim informativo julho 2016
fespiritacrista
 
Boletim Informativo Maio 2016
Boletim Informativo Maio 2016Boletim Informativo Maio 2016
Boletim Informativo Maio 2016
fespiritacrista
 
Estranhos rumos seguros roteiros - O Homem Integral - Cap II
Estranhos rumos seguros roteiros  - O Homem Integral - Cap IIEstranhos rumos seguros roteiros  - O Homem Integral - Cap II
Estranhos rumos seguros roteiros - O Homem Integral - Cap II
fespiritacrista
 
Boletim informativo abril 2016
Boletim informativo abril 2016Boletim informativo abril 2016
Boletim informativo abril 2016
fespiritacrista
 
Fenícios
FeníciosFenícios
Fenícios
fespiritacrista
 
Hinduísmo
HinduísmoHinduísmo
Hinduísmo
fespiritacrista
 
Monismo
MonismoMonismo
O homem integral fatores de perturbação
O homem integral   fatores de perturbaçãoO homem integral   fatores de perturbação
O homem integral fatores de perturbação
fespiritacrista
 
Boletim informativo março 2016
Boletim informativo março 2016Boletim informativo março 2016
Boletim informativo março 2016
fespiritacrista
 
Boletim informativo dez2015
Boletim informativo dez2015Boletim informativo dez2015
Boletim informativo dez2015
fespiritacrista
 
Boletim informativo fev2016
Boletim informativo   fev2016Boletim informativo   fev2016
Boletim informativo fev2016
fespiritacrista
 
Panteismo
PanteismoPanteismo
Panteismo
fespiritacrista
 
Boletim informativo nov2015
Boletim informativo nov2015Boletim informativo nov2015
Boletim informativo nov2015
fespiritacrista
 
Boletim informativo out2015
Boletim informativo out2015Boletim informativo out2015
Boletim informativo out2015
fespiritacrista
 
Boletim informativo set2015
Boletim informativo set2015Boletim informativo set2015
Boletim informativo set2015
fespiritacrista
 
Monoteísmo
MonoteísmoMonoteísmo
Monoteísmo
fespiritacrista
 
Pluralismo
PluralismoPluralismo
Pluralismo
fespiritacrista
 
Candomblé
Candomblé Candomblé
Candomblé
fespiritacrista
 

Mais de fespiritacrista (20)

O homem integral-CAPÍTULO 3 A ansiedade
O homem integral-CAPÍTULO 3  A ansiedadeO homem integral-CAPÍTULO 3  A ansiedade
O homem integral-CAPÍTULO 3 A ansiedade
 
Boletim informativo junho 2016
Boletim informativo junho 2016Boletim informativo junho 2016
Boletim informativo junho 2016
 
Boletim informativo julho 2016
Boletim informativo julho 2016Boletim informativo julho 2016
Boletim informativo julho 2016
 
Boletim Informativo Maio 2016
Boletim Informativo Maio 2016Boletim Informativo Maio 2016
Boletim Informativo Maio 2016
 
Estranhos rumos seguros roteiros - O Homem Integral - Cap II
Estranhos rumos seguros roteiros  - O Homem Integral - Cap IIEstranhos rumos seguros roteiros  - O Homem Integral - Cap II
Estranhos rumos seguros roteiros - O Homem Integral - Cap II
 
Boletim informativo abril 2016
Boletim informativo abril 2016Boletim informativo abril 2016
Boletim informativo abril 2016
 
Fenícios
FeníciosFenícios
Fenícios
 
Hinduísmo
HinduísmoHinduísmo
Hinduísmo
 
Monismo
MonismoMonismo
Monismo
 
O homem integral fatores de perturbação
O homem integral   fatores de perturbaçãoO homem integral   fatores de perturbação
O homem integral fatores de perturbação
 
Boletim informativo março 2016
Boletim informativo março 2016Boletim informativo março 2016
Boletim informativo março 2016
 
Boletim informativo dez2015
Boletim informativo dez2015Boletim informativo dez2015
Boletim informativo dez2015
 
Boletim informativo fev2016
Boletim informativo   fev2016Boletim informativo   fev2016
Boletim informativo fev2016
 
Panteismo
PanteismoPanteismo
Panteismo
 
Boletim informativo nov2015
Boletim informativo nov2015Boletim informativo nov2015
Boletim informativo nov2015
 
Boletim informativo out2015
Boletim informativo out2015Boletim informativo out2015
Boletim informativo out2015
 
Boletim informativo set2015
Boletim informativo set2015Boletim informativo set2015
Boletim informativo set2015
 
Monoteísmo
MonoteísmoMonoteísmo
Monoteísmo
 
Pluralismo
PluralismoPluralismo
Pluralismo
 
Candomblé
Candomblé Candomblé
Candomblé
 

Último

Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Nilson Almeida
 
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
HerverthRibeiro1
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Lourhana
 
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermosEnfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
FernandoCavalcante48
 
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptxLição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Celso Napoleon
 
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptxLição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
JaquelineSantosBasto
 
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdfPROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
Nelson Pereira
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Igreja Jesus é o Verbo
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Nilson Almeida
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Celso Napoleon
 

Último (10)

Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
 
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
 
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermosEnfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
 
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptxLição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
 
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptxLição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
 
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdfPROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
 

Egípcios

  • 2. Introdução No IV milénio a.C. iniciou-se, no Crescente Fertíl ,nas margens do Rio Nilo ,uma das civilizações mais fascinantes de sempre.
  • 3. Localização do Rio Nilo A civilização egípcia desenvolveu - se no vale do Rio Nilo. O território do Egito fica no Nordeste da África, ocupando o vale do Nilo, entre os desertos da Arábia e da Líbia. Como a região é formada por um deserto (Saara), o rio Nilo ganhou uma extrema importância para os egípcios. O rio era utilizado como via de transporte (através de barcos) de mercadorias e pessoas. As águas do rio Nilo também eram utilizadas para beber, pescar e fertilizar as margens, nas épocas de cheias, favorecendo a agricultura.
  • 4. Economia Egípcia ● A agricultura foi a principal atividade econômica do Egito Antigo. Porém, os egípcios também se dedicaram ao artesanato, pecuária, pesca, caça e extração mineral. Praticaram também o comércio exterior com outros povos.
  • 7. A Arte Egípcia A arte egípcia estava ligada à religião,na medida em que os principais edifícios que se construiam eram para os deuses –templos – e para sepultar os mortos mais importantes -os túmulos.Estes edifícios encontrava-se decorados com pinturas e esculturas.
  • 8. Arquitetura Egípcia Esfinge de Gizé é uma imagem mitológica, criada no Egito Antigo, com corpo de leão e cabeça de ser humano (geralmente de um faraó). Historiadores afirmam que esta figura pode ter sido importada da cultura grega. A palavra esfinge deriva do grego sphingo que significa estrangular. Para os egípcios antigos a imagem de uma esfinge significava poder e sabedoria. Serviam, no imaginário egípcio, como protetoras das pirâmides e templos.
  • 10. Pedra de Roseta A Pedra de Roseta é um fragmento de uma estela, bloco de pedra com inscrições de registros governamentais ou religiosos.
  • 11. Os Hieróglifos A escrita egípcia foi algo muito importante para esse povo,pois permitiu a divulgação de ideias ,comunicação e controle de impostos .Existiam duas formas principais de escrita : a demótica(mais simplificada e mais usada para assuntos do cotidiano) e a hieroglífica (Mais complexa e formada por desenhos e símbolos,era sagrada). Esta escrita era dominada, principalmente, pelos sacerdotes, membros da realeza e escribas. Quem deu o nome de hieroglífica para a escrita egípcia foram os gregos. O termo é a junção das palavras gregas glyphein, que significa inscrever, gravar e hieros, que significa sagrado. Inscrições sagradas, portanto, os gregos achavam, erroneamente, que se tratava de uma escrita meramente religiosa. Os hieróglifos devem ter surgido por volta de 4000 anos a.C.
  • 12. Olho de Hórus Olho de Hórus, também conhecido como udyat, é um símbolo que significa poder e proteção. O olho de hórus era um dos amuletos mais importantes no Egito Antigo, e eram usados como representação de força, vigor, segurança e saúde.
  • 13.
  • 14. Anhk Ankh (Pronuncia-se Anak): conhecida também como cruz ansata, era na escrita hieroglífica egípcia o símbolo da vida. Os egípcios a usavam para indicar a vida após a morte.
  • 16. Medicina No antigo Egito eram desenvolvidas diversas atividades de tipo cirúrgico, tais como a circuncisão (obrigatória por motivos higiênicos), a castração, a cesariana e, muito provavelmente, a excisão de cataratas oculares e próteses dentárias. Contudo, e fruto de uma profunda dominância religiosa, a anatomia humana era perspetivada segundo uma posição significativamente fantasiosa.
  • 17. Religião Egípcia Os egípcios eram politeístas (acreditavam em vários deuses). De acordo com este povo, os deuses possuíam poderes específicos e atuavam na vida das pessoas. Havia também deuses que possuíam o corpo formado por parte humana e parte de animal sagrado. Anúbis, por exemplo, deus da morte, era representado com cabeça de chacal num corpo de ser humano. Os egípcios antigos faziam rituais e oferendas aos deuses. Era uma forma de conseguirem agradar aos deuses, conseguindo ajuda em suas vidas. No Egito Antigo existiam diversos templos, que eram construídos em homenagem aos deuses. Cada cidade possuía um deus protetor
  • 18. A Mumificação A preocupação com a vida após a morte constitui característica essencial da cultura egípcia antiga, e refletiu-se na adoção de práticas funerárias bastante incomuns, como a mumificação - tida como a garantia da existência eterna. Conforme demonstram claramente muitos registros, os antigos egípcios sabiam que o corpo físico jamais iria renascer. Mas as partes etéreas que formavam um ser humano, como o Ká - comumente traduzido por “espírito” - precisavam se identificar por completo com o corpo ao qual pertenciam. Logo, este deveria ser preservado. A destruição do corpo acarretava a destruição das partes espirituais e, consequentemente, a perda da vida eterna. O costume foi relacionado ao culto do deus Osíris, a divindade mais popular nos tempos faraônicos, senhor do além-túmulo.
  • 19.
  • 21. Akenaton e Nefertiti O casal ficou conhecido pela revolução religiosa ocorrida no Egito. Nefertiti e Amenhotep condenaram os sacerdotes de Amon e instauraram o culto ao deus único: Áton, representado pelo disco solar. Imediatamente, Amenhotep IV mudou seu nome para Akhenaton, que significa o espírito atuante de Aton. Logo, o faraó e a rainha abandonaram Tebas (antiga capital) e fundaram uma nova cidade: Akhetaton (o nome significa ''o horizonte de
  • 22. A civilização Egípcia Dentre os espíritos degredados na Terra, os que constituíram a civilização egípcia foram os que mais se destacavam na prática do Bem e no culto da Verdade. Aliás, importa considerar que eram eles os que menos débitos possuíam perante o tribunal da Justiça Divina. Em razão dos seus elevados patrimônios morais, guardaram no íntimo uma lembrança mais viva das experiências de sua pátria distante. Um único desejo os animava, que era trabalhar devotadamente para regressar, um dia, aos seus penates resplandecentes. Uma saudade torturante do céu foi a base de todas as suas organizações religiosas. Em nenhuma civilização da Terra o culto da morte foi tão altamente desenvolvido. Em todos os corações morava a ansiedade de voltar ao orbe distante, ao qual se sentiam presos pelos mais santos afetos. Foi por esse motivo que, representando uma das mais belas e adiantadas civilizações de todos os tempos, as expressões do antigo Egito desapareceram para sempre do plano tangível do planeta. Depois de perpetuarem nas Pirâmides os seus avançados conhecimentos, todos os Espíritos daquela região africana regressaram à pátria sideral. Emmanuel (livro: A caminho da Luz)