SlideShare uma empresa Scribd logo
A palavra e o gesto para dramatizar: o teatro
O teatro, como conhecemos hoje no mundo ocidental, tem suas raízes na Grécia
antiga de antes, muito antes da era cristã. Em homenagem aos deuses, os gregos faziam
procissões que, ao final, tornavam-se festas, com, inicialmente, apresentação de histórias ou
homenagens em coro. Assim, grupos de vozes se organizavam e diziam as histórias, os
poemas. Um dia um homem apresentou sozinho o poema e foi seguido pelo coro. E de
apresentação em apresentação, o teatro foi de tornando o que é hoje em dia.
As peças eram, de maneira geral, uma dramatização de acontecimentos de que
tinham notícia. Dessa forma, o tempo dos mitos foi se transformando, pela expressão
teatral, na era da expressão do humano, com suas fraquezas, contradições e seus atos
heroicos.
Os gêneros predominantes da Antiguidade são:
 Tragédia - gênero em que os personagens eram sempre de classes sociais superiores:
ou deuses ou nobres; a intenção era provocar o terror e a compaixão.
 Comédia - gênero em que os personagens eram pessoas do povo; a intenção era
apontar os erros, as falhas humanas pelo riso.
O texto teatral é aquele que serve à representação teatral. É, portanto, um texto
dramático. Para Vítor Manuel Aguiar e Silva, o drama procura representar a totalidade da
vida, através de ações humanas que se opõem. A vida é assim representada nos seus
momentos de exaltação e de crise, as relações humanas são apreendidas nos seus momentos
de tensão antagônica.
Embora o texto dramático se assemelhe a outros textos narrativos, pelo fato de
também contar uma história, é diferente deles, pois é escrito para ser representado. Para
isso, o texto teatral elimina figuras supérfluas, abole episódios laterais, defrontando as
personagens necessárias e desenvolvendo com elas uma ação que conduz sem desvios ao
conflito.
O texto teatral exige a presença física do vulto humano e, ainda que a intriga se situe
no passado ou no futuro, a ação dramática apresenta-se sempre como atualidade para o
espectador.
No teatro, personagem e espectador estão frente a frente, coexistem, e é perante os
olhos do espectador, fisicamente presente, que a ação se desenvolve. Na narração de um
romance ou conto, as figuras são desenhadas como opiniões do narrador, ao passo que, no
texto teatral, elas se desenham como gestos.
No romance e no conto, o narrador pode penetrar na intimidade da personagem. No
texto teatral só a voz, o gesto, o silêncio e a encenação podem revelar algo sobre as
personagens e seus conflitos.
Colégio Pedro II - Unidade Tijuca II
Departamento de Língua Portuguesa
Coordenadora: Rosângela Abraão
Professoras: Vanessa, Patrícia e Andreia
SOBRE A TRAGÉDIA GREGA
A tragédia, segundo Aristóteles, é a imitação de uma ação importante e completa.
Esta ação não é apresentada com a ajuda de uma narrativa, mas sim por atores. Ela é feita
para provocar a compaixão e o terror e, dessa forma, permitir a purgação das emoções de
quem assiste a ela.
A ação encenada não tem por finalidade imitar costumes, objetiva, sim, representar
estes mesmos costumes.
Na Grécia, a tragédia servia não só para distrair o povo como também tinha a
pretensão de ensinar os valores considerados importantes pela aristocracia, daí que o Estado
tinha muito interesse nas exibições dos textos trágicos. Se observarmos com atenção
alguns outros trechos escritos na época, vamos ver que, geralmente, os personagens eram
semideuses, heróis grandiosos, figuras míticas, seres que tinham um poder diferente do
homem comum.
Características do texto teatral
O diálogo constitui o elemento dominante e essencial de um texto dramático. No
diálogo, manifestam-se uma oposição e uma luta de vontades que caracterizam o conflito,
elemento essencial que possibilita ao leitor ou à plateia criar expectativa em relação aos
fatos que lê ou vê. O conflito é, portanto, qualquer elemento da história que se opõe a
outro, criando uma tensão que organiza os fatos narrados e, consequentemente, prende a
atenção do leitor ou da plateia.
O conjunto de elementos que compõem no palco o espaço em que ocorrem as ações
é chamado cenário. Quando o texto teatral é encenado, exige, além do cenário, outros
elementos, como música, luz, figurino, maquiagem, gestos, movimentos etc.
No texto teatral escrito, o autor indica esses elementos nas rubricas. As rubricas
aparecem em letra de tipo diferente (normalmente em itálico) e indicam como as
personagens devem falar (rubrica de interpretação) e como devem se movimentar (rubrica
de movimento). Quando lemos um texto dramático, as rubricas cênicas procuram nos dar
informações sobre aquilo que se vê no palco.
A linguagem empregada no texto teatral varia de acordo com a época em que ele foi
escrito, com a época que o autor quer retratar e com a procedência e o nível social e cultural
das personagens.
Quando a peça teatral é longa, ela costuma ser dividida em partes, que são
chamados atos.
CARACTERÍSTICAS DO TEXTO TEATRAL ESCRITO:
• normalmente dispensa narrador;
• contém os elementos básicos da narrativa: fatos, personagens, tempo e lugar;
• apresenta discurso direto como estrutura básica de construção de texto e desenvolvimento
das ações;
• identifica o nome da personagem antes de sua fala;
• apresenta rubricas de interpretação e de movimento;
• o nível da linguagem é adequado à personagem e ao contexto;
• às vezes, apresenta divisão em atos.
ATOR, TEXTO E PÚBLICO
Não há fenômeno teatral sem a conjunção da tríade ator, texto e público: um ator
interpreta um texto para o público. E entre ator e público é estabelecida uma cumplicidade:
ambos sabem que se trata de um jogo, de uma representação. Por meio da razão e da
emoção, estabelece-se um diálogo vivo entre ator e público. Proporcionando prazer, o
teatro age diretamente sobre os homens. Ele ensina, provoca, faz refletir.
Cereja, William Roberto & Magalhães, Thereza Cochar. Português: linguagens: volume único. São Pauio:
Atual. 2003.
Édipo Rei
Édipo Rei é uma das tragédias mais significativas desse início. Sófocles,
considerados um dos maiores autores da Antiguidade, trouxe à cena a peça sobre a história
de Édipo. Essa obra mostra o homem em face do destino, do qual não pode se desvencilhar,
mesmo que fuja dele.
Você vai ler uma tradução/ adaptação do texto para os dias de hoje. Na verdade, as
peças da Antiguidade eram longas, sua apresentação durava vários dias, e eram feitas em
versos. Repare que no texto dramático (teatral) uma história é contada, mas não há a
presença do narrador conduzindo o enredo; são os personagens que, por meio de sua fala,
gestos e ações, conduzem a história.
O narrador/autor/diretor dá apenas indicações de entrada, saídas e expressões faciais
ou corporais, em alguns casos. Para se entender a história, temos que Édipo era filho natural
de Jocasta e Laio, reis de Tebas. Esses reis, ao terem o seu filho, decidiram por entregá-lo a
um servo/pastor para que o matasse, já que o Oráculo de Delfos vaticinou que o filho deles
iria matar o pai e desposar a mãe – era em Delfos, cidade próxima a Tebas, que ficava um
dos Oráculos mais importantes da época. Naqueles tempos, em que deuses decidiam o
destino dos homens, era comum os cidadãos irem aos templos saber do seu destino, ou o
que lhes era destinado pelos deuses. Mas o empregado não o matou, preferindo entregá-lo a
um mensageiro, que levou o bebê para os reis de outra cidade, Corinto, onde ele cresceu.
Édipo, já era um jovem rapaz quando descobre em uma festa, por meio de um bêbado, que
era filho adotivo de Pólibo e Mérope. Nesse momento vai ao Oráculo de Delfos e procura
saber a verdade. Lá não fica sabendo se era filho adotivo ou não, mas escuta a mesma
notícia que ouviu Laio anteriormente. Então decide sair de Corinto sem rumo, e acaba
chegando a Tebas;
Sobre os personagens, é bom saber:
• Jocasta – rainha de Tebas, bela mulher, que, viúva de Laio, casa-se com Édipo.
• Laio – rei de Tebas, marido de Jocasta.
• Creonte – irmão de Jocasta, cunhado de Édipo.
• Tirésias – velho adivinho cego, capaz de ver o passado e o futuro.
• O Coro – formado pelo povo de Tebas.
• Corinto – chefe do coro.
Exercícios:
1) Levantamento de vocabulário. Relacione as palavras aos significados (contextualizados):
VERBOS
(a) prosternar [p. 4]
(b) condoer [p. 4]
(c) redimir [p. 4]
(d) macular [p.6]
(e) descurar [p.6]
(f) secundar [p. 7]
(g) predizer [p.11]
(h) urgir [p.6 e13]
(i) sucumbir [p.14]
(j) vaguear [p.15]
(k) atinar [p.15]
( ) v. trans. dir ajudar, apoiar (em funções); coadjuvar, auxiliar
( ) v. intrans. ser urgente, premente, inadiável ou indispensável; instar
( ) v. trans dir.reparar (falta, falha, crime etc.); expiar
( ) v. trans. dir dizer antecipadamente; prever, profetizar
( ) v. trans. indir não cuidar, não tratar (de)
( ) v. pron. curvar-se ao chão em sinal de profundo respeito.
( ) v. trans dir pôr mancha em; sujar; comprometer (alguém, algo ou a si mesmo) por
meio de algo vil, desonroso.
( ) v. trans dir. ou pron inspirar ou sentir dó, pena, tristeza, comiseração; comover(-se),
compadecer(-se).
( ) v. intrans. andar passeando por (lugares) sem rumo certo, ao acaso; perambular, vagar
( ) v. trans. ind. e intrans. não resistir, ser vencido; ceder, entregar-se
( ) v. trans. dir descobrir por dedução, perceber por algum sinal, probabilidade etc.;
enxergar, perceber, acertar
SUBSTANTIVOS
(a) incenso [p. 4]
(b) archote [p. 4]
(c) tributo [p. 4]
(d) concurso [p.4]
(e) oráculo [p.5]
(f) presteza [p. 7]
(g) nódoa [p.9]
(h) desígnio [p.13]
(i) vitupério [p.13]
(j) desdita [p.14]
( ) ação ou ocorrência considerada desonrosa e que prejudica a reputação de uma pessoa;
mácula, estigma.
( ) imposto exigido de uma província ou Estado dependente por aquele que o subjuga
contribuição monetária imposta pelo Estado ao povo, sobre mercadorias etc.
( ) ideia de realizar algo; intenção, propósito, vontade
( ) cooperação, participação em ação comum
( ) falta de dita ('sorte favorável'); má sorte, infortúnio, desgraça
( ) qualidade do que é prestes característica do que é ligeiro para fazer algo; rapidez,
celeridade
( ) substância resinosa aromática que, ao ser queimada (ger. como parte de cerimônias
litúrgicas ou, outrora, nos sacrifícios religiosos), desprende odor penetrante.
( ) grande vela de cera; tocha
( ) acusação infamante, injúria qualquer ato infame, vergonhoso ou criminoso
( ) na Antiguidade, resposta de uma divindade a quem a consultava
ADJETIVOS
(a) venerando [p. 4]
(b) pungente [p.8]
(c) soturno [p.8]
(d) inóspito [p.8]
(e) rubicundo [p.8]
(f) flamejante [p. 8]
(g) lustral [p.9]
(h) frívolo [p.10]
(i) divinatório [p.10]
(j) celerado [.11]
(k) ímpio [p.12]
(l) ultrajante [p.12]
( ) cujas faces estão muito avermelhadas; corado
( ) que lança flamas; chamejante; que tem esplendor, vivacidade; garrido, resplandecente,
vistoso.
( ) o que afronta, insulta, ultraja
( ) que é ou tem pouca importância; inconsistente, inútil, superficial
( ) que ou aquele que não tem fé ou que tem desprezo pela religião
( ) referente à adivinhação ou aos instrumentos desta prática; que supostamente tem
capacidade de adivinhar
( ) que é digno de veneração; respeitável, venerável
( ) que não possui alegria e vivacidade; melancólico, tristonho, taciturno
( ) que ou aquele que cometeu ou é capaz de cometer crimes de morte ou violência;
facínora, criminoso
( ) relativo a ou água us. em cerimônias de purificação (esp. aquela com que se benzia um
recém-nascido na Roma antiga)
( ) em que não se pode viver; rude, áspero
( ) que afeta e/ou impressiona profundamente o ânimo, os sentimentos, as paixões; muito
comovente
2) Responda:
1. O que o Sacerdote vem pedir a Édipo (p. 4)?
2. Qual a razão de ele achar que o rei poderá ajudá-los?
3. Como se pode descrever a relação de Édipo com Creonte, pelo que se nota na cena da
p.5, assim que o cunhado entra em cena?
4. Qual o motivo de Creonte se mostrar animado com as notícias que traz de Apolo?
5. Qual o motivo de Édipo se irritar com o que Tirésias diz?
6. Que informações nós, os leitores, temos a partir da fala do coro?
7. Que mudanças houve no relacionamento de Édipo com o cunhado?
8. Assinale a alternativa correta em relação ao coro:
( ) o coro representa a população de Tebas;
( ) Édipo sempre se desentendia com o coro da cidade;
( ) faz o pano de fundo cantando e rezando quando a situação piora;
( ) se mostra sempre solícito e amigo do rei Édipo;
( ) Julga o rei Édipo incapaz de ajudar a cidade pois sabe que ele matou o rei Laio.
Como você percebeu, a linguagem da tragédia de Sófocles se apresenta em uma
linguagem formal, não usual, em que encontramos:
 palavras pouco usadas no dia a dia;
 colocação de pronomes própria da linguagem ultraformal, como a ênclise e a
mesóclise;
 tratamento em 2ª pessoa do plural.
Além disso, pelo fato de ser uma tragédia clássica, a linguagem é grandiloquente,
isto é, cheia de ênfases, pomposa, solene, o que se percebe pelo grande número de
interjeições e pontos de exclamação. Nota-se que é mesmo um texto para ser declamado e
para emocionar quem ouve.
Seu trabalho será, junto com seu grupo, reescrever a parte que lhes foi
indicada em linguagem mais usada atualmente, a coloquial, e no tipo de texto
narrativo. O grupo deverá lançar mão das características de uma narrativa:
narrador, personagens, e especialmente nesta narrativa deverá predominar o discurso
indireto. Lembre-se de que, mesmo em linguagem coloquial, Édipo continua a ter uma
função social de poder: ele é o rei de Tebas, a quem todos devem respeito. Mas podem
ser usadas expressões coloquiais, expressões de linguagem figurada mais modernas.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Módulo5 multimídia educacional
Módulo5 multimídia educacionalMódulo5 multimídia educacional
Módulo5 multimídia educacional
Agenor Júnior
 
Para Compreender o Auto da Barca do Inferno
Para Compreender o Auto da Barca do InfernoPara Compreender o Auto da Barca do Inferno
Para Compreender o Auto da Barca do Inferno
Jú Barbosa
 
O que é a literatura?
O que é a literatura?O que é a literatura?
O que é a literatura?
Luci Cruz
 
Género dramático
Género dramáticoGénero dramático
Género dramático
Ana Catarina
 
Literatura
LiteraturaLiteratura
Resumão historia do teatro
Resumão historia do teatroResumão historia do teatro
Resumão historia do teatro
Taís Ferreira
 
Projeto de Dissidente para Festivais e Circulação
Projeto de Dissidente para Festivais e CirculaçãoProjeto de Dissidente para Festivais e Circulação
Projeto de Dissidente para Festivais e Circulação
Gordo Neto
 
‘Manual mínimo do ator, de dario fo. pelo professor oswaldo anzolin,
‘Manual mínimo do ator, de dario fo. pelo professor oswaldo anzolin, ‘Manual mínimo do ator, de dario fo. pelo professor oswaldo anzolin,
‘Manual mínimo do ator, de dario fo. pelo professor oswaldo anzolin,
studio silvio selva
 
Auto da barca do inferno
Auto da barca do infernoAuto da barca do inferno
Auto da barca do inferno
watilde
 

Mais procurados (9)

Módulo5 multimídia educacional
Módulo5 multimídia educacionalMódulo5 multimídia educacional
Módulo5 multimídia educacional
 
Para Compreender o Auto da Barca do Inferno
Para Compreender o Auto da Barca do InfernoPara Compreender o Auto da Barca do Inferno
Para Compreender o Auto da Barca do Inferno
 
O que é a literatura?
O que é a literatura?O que é a literatura?
O que é a literatura?
 
Género dramático
Género dramáticoGénero dramático
Género dramático
 
Literatura
LiteraturaLiteratura
Literatura
 
Resumão historia do teatro
Resumão historia do teatroResumão historia do teatro
Resumão historia do teatro
 
Projeto de Dissidente para Festivais e Circulação
Projeto de Dissidente para Festivais e CirculaçãoProjeto de Dissidente para Festivais e Circulação
Projeto de Dissidente para Festivais e Circulação
 
‘Manual mínimo do ator, de dario fo. pelo professor oswaldo anzolin,
‘Manual mínimo do ator, de dario fo. pelo professor oswaldo anzolin, ‘Manual mínimo do ator, de dario fo. pelo professor oswaldo anzolin,
‘Manual mínimo do ator, de dario fo. pelo professor oswaldo anzolin,
 
Auto da barca do inferno
Auto da barca do infernoAuto da barca do inferno
Auto da barca do inferno
 

Semelhante a 09 - O teatro

Gênero dramático
Gênero dramáticoGênero dramático
Gênero dramático
Julia Lemos
 
Teatro
TeatroTeatro
Teatro
Ana
 
Gêneros Literários
Gêneros LiteráriosGêneros Literários
Gêneros Literários
Ivana Mayrink
 
Estruturatextoteatral
EstruturatextoteatralEstruturatextoteatral
Estruturatextoteatral
Carla Souto
 
Teatro Grego
Teatro GregoTeatro Grego
Teatro Grego
Andrea Dressler
 
Teatro grego
Teatro gregoTeatro grego
Teatro grego
Andrea Dressler
 
Teatro grego
Teatro gregoTeatro grego
Teatro grego
Aline Raposo
 
Gênero dramático
Gênero dramáticoGênero dramático
Gênero dramático
Glauco Souza
 
Texto dramático história e categorias
Texto dramático história e categoriasTexto dramático história e categorias
Texto dramático história e categorias
sin3stesia
 
TEATRO - O papel do teatro nas culturas.ppt
TEATRO - O papel do teatro nas culturas.pptTEATRO - O papel do teatro nas culturas.ppt
TEATRO - O papel do teatro nas culturas.ppt
Suzy De Abreu Santana
 
Slide - A gênese ritual do Teatro na pre-história.ppt
Slide - A gênese ritual do Teatro na pre-história.pptSlide - A gênese ritual do Teatro na pre-história.ppt
Slide - A gênese ritual do Teatro na pre-história.ppt
roberthysouza1
 
Texto Dramático
Texto DramáticoTexto Dramático
Texto Dramático
José Ferreira
 
21032023085321Gêneros Literários Completo (1).ppt
21032023085321Gêneros Literários Completo (1).ppt21032023085321Gêneros Literários Completo (1).ppt
21032023085321Gêneros Literários Completo (1).ppt
CAMILADELMONDES3
 
Gêneros Literários Completo com exercícios
Gêneros Literários Completo com exercíciosGêneros Literários Completo com exercícios
Gêneros Literários Completo com exercícios
MaiteFerreira4
 
21032023085321Gêneros Literários Completo.ppt
21032023085321Gêneros Literários Completo.ppt21032023085321Gêneros Literários Completo.ppt
21032023085321Gêneros Literários Completo.ppt
lluiscarlosdassilva
 
1 tragédia
1 tragédia1 tragédia
1 tragédia
Ana Maria Accorsi
 
Literatura 02-2ºb-textoteatral
Literatura 02-2ºb-textoteatralLiteratura 02-2ºb-textoteatral
Literatura 02-2ºb-textoteatral
Alpha Colégio e Vestibulares
 
1 1 arte e literatura
1 1 arte e literatura1 1 arte e literatura
1 1 arte e literatura
Luan02
 
Historia do teatro
Historia do teatroHistoria do teatro
Historia do teatro
Beatriz Moreira
 
Artes cênicas
Artes cênicasArtes cênicas
Artes cênicas
Ana Beatriz Cargnin
 

Semelhante a 09 - O teatro (20)

Gênero dramático
Gênero dramáticoGênero dramático
Gênero dramático
 
Teatro
TeatroTeatro
Teatro
 
Gêneros Literários
Gêneros LiteráriosGêneros Literários
Gêneros Literários
 
Estruturatextoteatral
EstruturatextoteatralEstruturatextoteatral
Estruturatextoteatral
 
Teatro Grego
Teatro GregoTeatro Grego
Teatro Grego
 
Teatro grego
Teatro gregoTeatro grego
Teatro grego
 
Teatro grego
Teatro gregoTeatro grego
Teatro grego
 
Gênero dramático
Gênero dramáticoGênero dramático
Gênero dramático
 
Texto dramático história e categorias
Texto dramático história e categoriasTexto dramático história e categorias
Texto dramático história e categorias
 
TEATRO - O papel do teatro nas culturas.ppt
TEATRO - O papel do teatro nas culturas.pptTEATRO - O papel do teatro nas culturas.ppt
TEATRO - O papel do teatro nas culturas.ppt
 
Slide - A gênese ritual do Teatro na pre-história.ppt
Slide - A gênese ritual do Teatro na pre-história.pptSlide - A gênese ritual do Teatro na pre-história.ppt
Slide - A gênese ritual do Teatro na pre-história.ppt
 
Texto Dramático
Texto DramáticoTexto Dramático
Texto Dramático
 
21032023085321Gêneros Literários Completo (1).ppt
21032023085321Gêneros Literários Completo (1).ppt21032023085321Gêneros Literários Completo (1).ppt
21032023085321Gêneros Literários Completo (1).ppt
 
Gêneros Literários Completo com exercícios
Gêneros Literários Completo com exercíciosGêneros Literários Completo com exercícios
Gêneros Literários Completo com exercícios
 
21032023085321Gêneros Literários Completo.ppt
21032023085321Gêneros Literários Completo.ppt21032023085321Gêneros Literários Completo.ppt
21032023085321Gêneros Literários Completo.ppt
 
1 tragédia
1 tragédia1 tragédia
1 tragédia
 
Literatura 02-2ºb-textoteatral
Literatura 02-2ºb-textoteatralLiteratura 02-2ºb-textoteatral
Literatura 02-2ºb-textoteatral
 
1 1 arte e literatura
1 1 arte e literatura1 1 arte e literatura
1 1 arte e literatura
 
Historia do teatro
Historia do teatroHistoria do teatro
Historia do teatro
 
Artes cênicas
Artes cênicasArtes cênicas
Artes cênicas
 

Mais de NAPNE

Literatura - Naturalismo
Literatura - NaturalismoLiteratura - Naturalismo
Literatura - Naturalismo
NAPNE
 
Fisiologia Vegetal - Resumo
Fisiologia Vegetal - ResumoFisiologia Vegetal - Resumo
Fisiologia Vegetal - Resumo
NAPNE
 
Sistema circulatório e excretor - Resumo
Sistema circulatório e excretor - ResumoSistema circulatório e excretor - Resumo
Sistema circulatório e excretor - Resumo
NAPNE
 
Slide renascimento cultural
Slide   renascimento culturalSlide   renascimento cultural
Slide renascimento cultural
NAPNE
 
Período composto por subordinação - Introdução
Período composto por subordinação - IntroduçãoPeríodo composto por subordinação - Introdução
Período composto por subordinação - Introdução
NAPNE
 
Orações subordinadas substantivas
Orações subordinadas substantivasOrações subordinadas substantivas
Orações subordinadas substantivas
NAPNE
 
NAFTA
NAFTANAFTA
NAFTA
NAPNE
 
Imperialismo - EUA
Imperialismo - EUAImperialismo - EUA
Imperialismo - EUA
NAPNE
 
Literatura - Realismo / Naturalismo (introdução)
Literatura - Realismo / Naturalismo (introdução)Literatura - Realismo / Naturalismo (introdução)
Literatura - Realismo / Naturalismo (introdução)
NAPNE
 
Literatura - Realismo
Literatura - RealismoLiteratura - Realismo
Literatura - Realismo
NAPNE
 
Romantismo - Exercícios
Romantismo - ExercíciosRomantismo - Exercícios
Romantismo - Exercícios
NAPNE
 
Resumo - Física
Resumo - FísicaResumo - Física
Resumo - Física
NAPNE
 
Digestão em humanos
Digestão em humanosDigestão em humanos
Digestão em humanos
NAPNE
 
Reino Monera (Arqueas e Bactérias)
Reino Monera (Arqueas e Bactérias)Reino Monera (Arqueas e Bactérias)
Reino Monera (Arqueas e Bactérias)
NAPNE
 
Biologia - vírus e príon
Biologia - vírus e príonBiologia - vírus e príon
Biologia - vírus e príon
NAPNE
 
Atividades - Pré-História
Atividades - Pré-HistóriaAtividades - Pré-História
Atividades - Pré-História
NAPNE
 
Geografia - Paisagens
Geografia - PaisagensGeografia - Paisagens
Geografia - Paisagens
NAPNE
 
Ciências - Atividade
Ciências - AtividadeCiências - Atividade
Ciências - Atividade
NAPNE
 
Cruzada - Arte e Cultura
Cruzada - Arte e CulturaCruzada - Arte e Cultura
Cruzada - Arte e Cultura
NAPNE
 
Apostila - Grécia e Roma
Apostila - Grécia e RomaApostila - Grécia e Roma
Apostila - Grécia e Roma
NAPNE
 

Mais de NAPNE (20)

Literatura - Naturalismo
Literatura - NaturalismoLiteratura - Naturalismo
Literatura - Naturalismo
 
Fisiologia Vegetal - Resumo
Fisiologia Vegetal - ResumoFisiologia Vegetal - Resumo
Fisiologia Vegetal - Resumo
 
Sistema circulatório e excretor - Resumo
Sistema circulatório e excretor - ResumoSistema circulatório e excretor - Resumo
Sistema circulatório e excretor - Resumo
 
Slide renascimento cultural
Slide   renascimento culturalSlide   renascimento cultural
Slide renascimento cultural
 
Período composto por subordinação - Introdução
Período composto por subordinação - IntroduçãoPeríodo composto por subordinação - Introdução
Período composto por subordinação - Introdução
 
Orações subordinadas substantivas
Orações subordinadas substantivasOrações subordinadas substantivas
Orações subordinadas substantivas
 
NAFTA
NAFTANAFTA
NAFTA
 
Imperialismo - EUA
Imperialismo - EUAImperialismo - EUA
Imperialismo - EUA
 
Literatura - Realismo / Naturalismo (introdução)
Literatura - Realismo / Naturalismo (introdução)Literatura - Realismo / Naturalismo (introdução)
Literatura - Realismo / Naturalismo (introdução)
 
Literatura - Realismo
Literatura - RealismoLiteratura - Realismo
Literatura - Realismo
 
Romantismo - Exercícios
Romantismo - ExercíciosRomantismo - Exercícios
Romantismo - Exercícios
 
Resumo - Física
Resumo - FísicaResumo - Física
Resumo - Física
 
Digestão em humanos
Digestão em humanosDigestão em humanos
Digestão em humanos
 
Reino Monera (Arqueas e Bactérias)
Reino Monera (Arqueas e Bactérias)Reino Monera (Arqueas e Bactérias)
Reino Monera (Arqueas e Bactérias)
 
Biologia - vírus e príon
Biologia - vírus e príonBiologia - vírus e príon
Biologia - vírus e príon
 
Atividades - Pré-História
Atividades - Pré-HistóriaAtividades - Pré-História
Atividades - Pré-História
 
Geografia - Paisagens
Geografia - PaisagensGeografia - Paisagens
Geografia - Paisagens
 
Ciências - Atividade
Ciências - AtividadeCiências - Atividade
Ciências - Atividade
 
Cruzada - Arte e Cultura
Cruzada - Arte e CulturaCruzada - Arte e Cultura
Cruzada - Arte e Cultura
 
Apostila - Grécia e Roma
Apostila - Grécia e RomaApostila - Grécia e Roma
Apostila - Grécia e Roma
 

Último

UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Falcão Brasil
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
Falcão Brasil
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdfIntendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Falcão Brasil
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
Falcão Brasil
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
Falcão Brasil
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
SheylaAlves6
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LEDPlano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
luggio9854
 

Último (20)

UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdfIntendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
 
Festa dos Finalistas .
Festa dos Finalistas                    .Festa dos Finalistas                    .
Festa dos Finalistas .
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
Elogio da Saudade .
Elogio da Saudade                          .Elogio da Saudade                          .
Elogio da Saudade .
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LEDPlano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
 

09 - O teatro

  • 1. A palavra e o gesto para dramatizar: o teatro O teatro, como conhecemos hoje no mundo ocidental, tem suas raízes na Grécia antiga de antes, muito antes da era cristã. Em homenagem aos deuses, os gregos faziam procissões que, ao final, tornavam-se festas, com, inicialmente, apresentação de histórias ou homenagens em coro. Assim, grupos de vozes se organizavam e diziam as histórias, os poemas. Um dia um homem apresentou sozinho o poema e foi seguido pelo coro. E de apresentação em apresentação, o teatro foi de tornando o que é hoje em dia. As peças eram, de maneira geral, uma dramatização de acontecimentos de que tinham notícia. Dessa forma, o tempo dos mitos foi se transformando, pela expressão teatral, na era da expressão do humano, com suas fraquezas, contradições e seus atos heroicos. Os gêneros predominantes da Antiguidade são:  Tragédia - gênero em que os personagens eram sempre de classes sociais superiores: ou deuses ou nobres; a intenção era provocar o terror e a compaixão.  Comédia - gênero em que os personagens eram pessoas do povo; a intenção era apontar os erros, as falhas humanas pelo riso. O texto teatral é aquele que serve à representação teatral. É, portanto, um texto dramático. Para Vítor Manuel Aguiar e Silva, o drama procura representar a totalidade da vida, através de ações humanas que se opõem. A vida é assim representada nos seus momentos de exaltação e de crise, as relações humanas são apreendidas nos seus momentos de tensão antagônica. Embora o texto dramático se assemelhe a outros textos narrativos, pelo fato de também contar uma história, é diferente deles, pois é escrito para ser representado. Para isso, o texto teatral elimina figuras supérfluas, abole episódios laterais, defrontando as personagens necessárias e desenvolvendo com elas uma ação que conduz sem desvios ao conflito. O texto teatral exige a presença física do vulto humano e, ainda que a intriga se situe no passado ou no futuro, a ação dramática apresenta-se sempre como atualidade para o espectador. No teatro, personagem e espectador estão frente a frente, coexistem, e é perante os olhos do espectador, fisicamente presente, que a ação se desenvolve. Na narração de um romance ou conto, as figuras são desenhadas como opiniões do narrador, ao passo que, no texto teatral, elas se desenham como gestos. No romance e no conto, o narrador pode penetrar na intimidade da personagem. No texto teatral só a voz, o gesto, o silêncio e a encenação podem revelar algo sobre as personagens e seus conflitos. Colégio Pedro II - Unidade Tijuca II Departamento de Língua Portuguesa Coordenadora: Rosângela Abraão Professoras: Vanessa, Patrícia e Andreia
  • 2. SOBRE A TRAGÉDIA GREGA A tragédia, segundo Aristóteles, é a imitação de uma ação importante e completa. Esta ação não é apresentada com a ajuda de uma narrativa, mas sim por atores. Ela é feita para provocar a compaixão e o terror e, dessa forma, permitir a purgação das emoções de quem assiste a ela. A ação encenada não tem por finalidade imitar costumes, objetiva, sim, representar estes mesmos costumes. Na Grécia, a tragédia servia não só para distrair o povo como também tinha a pretensão de ensinar os valores considerados importantes pela aristocracia, daí que o Estado tinha muito interesse nas exibições dos textos trágicos. Se observarmos com atenção alguns outros trechos escritos na época, vamos ver que, geralmente, os personagens eram semideuses, heróis grandiosos, figuras míticas, seres que tinham um poder diferente do homem comum. Características do texto teatral O diálogo constitui o elemento dominante e essencial de um texto dramático. No diálogo, manifestam-se uma oposição e uma luta de vontades que caracterizam o conflito, elemento essencial que possibilita ao leitor ou à plateia criar expectativa em relação aos fatos que lê ou vê. O conflito é, portanto, qualquer elemento da história que se opõe a outro, criando uma tensão que organiza os fatos narrados e, consequentemente, prende a atenção do leitor ou da plateia. O conjunto de elementos que compõem no palco o espaço em que ocorrem as ações é chamado cenário. Quando o texto teatral é encenado, exige, além do cenário, outros elementos, como música, luz, figurino, maquiagem, gestos, movimentos etc. No texto teatral escrito, o autor indica esses elementos nas rubricas. As rubricas aparecem em letra de tipo diferente (normalmente em itálico) e indicam como as personagens devem falar (rubrica de interpretação) e como devem se movimentar (rubrica de movimento). Quando lemos um texto dramático, as rubricas cênicas procuram nos dar informações sobre aquilo que se vê no palco. A linguagem empregada no texto teatral varia de acordo com a época em que ele foi escrito, com a época que o autor quer retratar e com a procedência e o nível social e cultural das personagens. Quando a peça teatral é longa, ela costuma ser dividida em partes, que são chamados atos. CARACTERÍSTICAS DO TEXTO TEATRAL ESCRITO: • normalmente dispensa narrador; • contém os elementos básicos da narrativa: fatos, personagens, tempo e lugar; • apresenta discurso direto como estrutura básica de construção de texto e desenvolvimento das ações; • identifica o nome da personagem antes de sua fala; • apresenta rubricas de interpretação e de movimento; • o nível da linguagem é adequado à personagem e ao contexto; • às vezes, apresenta divisão em atos.
  • 3. ATOR, TEXTO E PÚBLICO Não há fenômeno teatral sem a conjunção da tríade ator, texto e público: um ator interpreta um texto para o público. E entre ator e público é estabelecida uma cumplicidade: ambos sabem que se trata de um jogo, de uma representação. Por meio da razão e da emoção, estabelece-se um diálogo vivo entre ator e público. Proporcionando prazer, o teatro age diretamente sobre os homens. Ele ensina, provoca, faz refletir. Cereja, William Roberto & Magalhães, Thereza Cochar. Português: linguagens: volume único. São Pauio: Atual. 2003. Édipo Rei Édipo Rei é uma das tragédias mais significativas desse início. Sófocles, considerados um dos maiores autores da Antiguidade, trouxe à cena a peça sobre a história de Édipo. Essa obra mostra o homem em face do destino, do qual não pode se desvencilhar, mesmo que fuja dele. Você vai ler uma tradução/ adaptação do texto para os dias de hoje. Na verdade, as peças da Antiguidade eram longas, sua apresentação durava vários dias, e eram feitas em versos. Repare que no texto dramático (teatral) uma história é contada, mas não há a presença do narrador conduzindo o enredo; são os personagens que, por meio de sua fala, gestos e ações, conduzem a história. O narrador/autor/diretor dá apenas indicações de entrada, saídas e expressões faciais ou corporais, em alguns casos. Para se entender a história, temos que Édipo era filho natural de Jocasta e Laio, reis de Tebas. Esses reis, ao terem o seu filho, decidiram por entregá-lo a um servo/pastor para que o matasse, já que o Oráculo de Delfos vaticinou que o filho deles iria matar o pai e desposar a mãe – era em Delfos, cidade próxima a Tebas, que ficava um dos Oráculos mais importantes da época. Naqueles tempos, em que deuses decidiam o destino dos homens, era comum os cidadãos irem aos templos saber do seu destino, ou o que lhes era destinado pelos deuses. Mas o empregado não o matou, preferindo entregá-lo a um mensageiro, que levou o bebê para os reis de outra cidade, Corinto, onde ele cresceu. Édipo, já era um jovem rapaz quando descobre em uma festa, por meio de um bêbado, que era filho adotivo de Pólibo e Mérope. Nesse momento vai ao Oráculo de Delfos e procura saber a verdade. Lá não fica sabendo se era filho adotivo ou não, mas escuta a mesma notícia que ouviu Laio anteriormente. Então decide sair de Corinto sem rumo, e acaba chegando a Tebas; Sobre os personagens, é bom saber: • Jocasta – rainha de Tebas, bela mulher, que, viúva de Laio, casa-se com Édipo. • Laio – rei de Tebas, marido de Jocasta. • Creonte – irmão de Jocasta, cunhado de Édipo. • Tirésias – velho adivinho cego, capaz de ver o passado e o futuro. • O Coro – formado pelo povo de Tebas.
  • 4. • Corinto – chefe do coro. Exercícios: 1) Levantamento de vocabulário. Relacione as palavras aos significados (contextualizados): VERBOS (a) prosternar [p. 4] (b) condoer [p. 4] (c) redimir [p. 4] (d) macular [p.6] (e) descurar [p.6] (f) secundar [p. 7] (g) predizer [p.11] (h) urgir [p.6 e13] (i) sucumbir [p.14] (j) vaguear [p.15] (k) atinar [p.15] ( ) v. trans. dir ajudar, apoiar (em funções); coadjuvar, auxiliar ( ) v. intrans. ser urgente, premente, inadiável ou indispensável; instar ( ) v. trans dir.reparar (falta, falha, crime etc.); expiar ( ) v. trans. dir dizer antecipadamente; prever, profetizar ( ) v. trans. indir não cuidar, não tratar (de) ( ) v. pron. curvar-se ao chão em sinal de profundo respeito. ( ) v. trans dir pôr mancha em; sujar; comprometer (alguém, algo ou a si mesmo) por meio de algo vil, desonroso. ( ) v. trans dir. ou pron inspirar ou sentir dó, pena, tristeza, comiseração; comover(-se), compadecer(-se). ( ) v. intrans. andar passeando por (lugares) sem rumo certo, ao acaso; perambular, vagar ( ) v. trans. ind. e intrans. não resistir, ser vencido; ceder, entregar-se ( ) v. trans. dir descobrir por dedução, perceber por algum sinal, probabilidade etc.; enxergar, perceber, acertar SUBSTANTIVOS (a) incenso [p. 4] (b) archote [p. 4] (c) tributo [p. 4] (d) concurso [p.4] (e) oráculo [p.5] (f) presteza [p. 7] (g) nódoa [p.9] (h) desígnio [p.13] (i) vitupério [p.13] (j) desdita [p.14]
  • 5. ( ) ação ou ocorrência considerada desonrosa e que prejudica a reputação de uma pessoa; mácula, estigma. ( ) imposto exigido de uma província ou Estado dependente por aquele que o subjuga contribuição monetária imposta pelo Estado ao povo, sobre mercadorias etc. ( ) ideia de realizar algo; intenção, propósito, vontade ( ) cooperação, participação em ação comum ( ) falta de dita ('sorte favorável'); má sorte, infortúnio, desgraça ( ) qualidade do que é prestes característica do que é ligeiro para fazer algo; rapidez, celeridade ( ) substância resinosa aromática que, ao ser queimada (ger. como parte de cerimônias litúrgicas ou, outrora, nos sacrifícios religiosos), desprende odor penetrante. ( ) grande vela de cera; tocha ( ) acusação infamante, injúria qualquer ato infame, vergonhoso ou criminoso ( ) na Antiguidade, resposta de uma divindade a quem a consultava ADJETIVOS (a) venerando [p. 4] (b) pungente [p.8] (c) soturno [p.8] (d) inóspito [p.8] (e) rubicundo [p.8] (f) flamejante [p. 8] (g) lustral [p.9] (h) frívolo [p.10] (i) divinatório [p.10] (j) celerado [.11] (k) ímpio [p.12] (l) ultrajante [p.12] ( ) cujas faces estão muito avermelhadas; corado ( ) que lança flamas; chamejante; que tem esplendor, vivacidade; garrido, resplandecente, vistoso. ( ) o que afronta, insulta, ultraja ( ) que é ou tem pouca importância; inconsistente, inútil, superficial ( ) que ou aquele que não tem fé ou que tem desprezo pela religião ( ) referente à adivinhação ou aos instrumentos desta prática; que supostamente tem capacidade de adivinhar ( ) que é digno de veneração; respeitável, venerável ( ) que não possui alegria e vivacidade; melancólico, tristonho, taciturno ( ) que ou aquele que cometeu ou é capaz de cometer crimes de morte ou violência; facínora, criminoso ( ) relativo a ou água us. em cerimônias de purificação (esp. aquela com que se benzia um recém-nascido na Roma antiga) ( ) em que não se pode viver; rude, áspero
  • 6. ( ) que afeta e/ou impressiona profundamente o ânimo, os sentimentos, as paixões; muito comovente 2) Responda: 1. O que o Sacerdote vem pedir a Édipo (p. 4)? 2. Qual a razão de ele achar que o rei poderá ajudá-los? 3. Como se pode descrever a relação de Édipo com Creonte, pelo que se nota na cena da p.5, assim que o cunhado entra em cena? 4. Qual o motivo de Creonte se mostrar animado com as notícias que traz de Apolo? 5. Qual o motivo de Édipo se irritar com o que Tirésias diz? 6. Que informações nós, os leitores, temos a partir da fala do coro? 7. Que mudanças houve no relacionamento de Édipo com o cunhado? 8. Assinale a alternativa correta em relação ao coro: ( ) o coro representa a população de Tebas; ( ) Édipo sempre se desentendia com o coro da cidade; ( ) faz o pano de fundo cantando e rezando quando a situação piora; ( ) se mostra sempre solícito e amigo do rei Édipo; ( ) Julga o rei Édipo incapaz de ajudar a cidade pois sabe que ele matou o rei Laio. Como você percebeu, a linguagem da tragédia de Sófocles se apresenta em uma linguagem formal, não usual, em que encontramos:  palavras pouco usadas no dia a dia;  colocação de pronomes própria da linguagem ultraformal, como a ênclise e a mesóclise;  tratamento em 2ª pessoa do plural. Além disso, pelo fato de ser uma tragédia clássica, a linguagem é grandiloquente, isto é, cheia de ênfases, pomposa, solene, o que se percebe pelo grande número de interjeições e pontos de exclamação. Nota-se que é mesmo um texto para ser declamado e para emocionar quem ouve. Seu trabalho será, junto com seu grupo, reescrever a parte que lhes foi indicada em linguagem mais usada atualmente, a coloquial, e no tipo de texto narrativo. O grupo deverá lançar mão das características de uma narrativa: narrador, personagens, e especialmente nesta narrativa deverá predominar o discurso indireto. Lembre-se de que, mesmo em linguagem coloquial, Édipo continua a ter uma função social de poder: ele é o rei de Tebas, a quem todos devem respeito. Mas podem ser usadas expressões coloquiais, expressões de linguagem figurada mais modernas.