SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 3
Baixar para ler offline
Improvisar – espaço de possibilidades
Mariana Muniz
Doutora em Improvisação pela Universidad de Alcalá. Professora da graduação e pósgraduação do Curso de teatro da EBA/UFMG. Diretora teatral. Últimos trabalhos: Match de
Improvisação (2006), Sobre Nós (2008), No Início era o Princípio (2008).

Atualmente, a palavra improvisação adquiriu uma significação despectiva que
não lhe pertence. Dizer na linguagem cotidiana que algo é improvisado é dizer
que carece preparação, que é caótico e sem rigor. Pode ser que, para alguns
apressados, improvisar seja algo muito recente que nada tem a ver com a
“Grande Tradição Teatral”. Entretanto, improvisação e teatro quase sempre
andaram unidos, tornando-se, em alguns momentos da história, sinônimos.
Segundo o Diccionario da Oxford University:
“Muito da história do teatro se centrou na habilidade do ator de
improvisar a partir de um tema dado, como nas cenas cômicas do
mistery play, nas antigas farsas e comédias oriundas da tradição
popular e também das produções da Commedia dell`arte. (...) Em
reação ao texto, a influência do Dadá e do surrealismo encorajou a
atividade espontânea e rejeitou o que esse chamou “work of art”.
Essa filosofia resultou na emergência da criação coletiva baseada
inteiramente na improvisação de um grupo a partir de uma pauta
mínima. Daí se desenvolveu o happening e eventos similares que
incorporavam as reações da audiência criando uma experiência teatral
única, considerada por muitos preferível à repetição controlada da
peça escrita.”1

Ampliando esta contextualização, o Dictionaire encyclopédique du
théâtre reflete sobre o interesse contemporâneo da improvisação:
“O interesse contemporâneo pela improvisaçao se desenvolveu nos
anos 60. Improvisadores se reportaram às ideologias espontaneistas,
ao desejo, talvez naif, de inventar algumas coisas a partir de nada. (...)
Improvisar apareceu como uma forma de se opor ao teatro de texto,
de escapar ao modelo de uma representaçao sentida como muito
literária. »2

Mas, é realmente possível criar a partir do nada? Segundo Brook, ator,
espaço e público são esenciais para a existência do fato teatral, portanto, para
haver teatro necessitamos da interação estes elementos. Sendo assim, como
1

The Oxford Companion to the Theatre. Edited by Phillis Hartnol. Oxford University Press. Oxford,
1983. Pg. 409. Tradução da autora.
2
CORVIN, Muchel. Dictionnaire encyclopédique du thèâtre. Larousse. Québec, 1998. Pg. 825-826.
Tradução da autora.
podemos dizer que partimos do nada ao improvisar ? O ator é seu corpo, sua
voz, suas idéias, suas vivências, suas emoções e seus desejos, o público também
o é e interage mesmo quando apenas observa, frui da obra teatral. O espaço, por
sua vez, é o lugar do encontro, onde tudo é possível porque, supostamente,
ainda nao há « nada ». Assim, quando se diz “criação a partir do nada”, referese apenas a ausência de um roteiro e texto pré-estabelecido, pois sempre há algo
a partir do qual a cena se constrói no aqui e no agora, no jogo vivo entre atores,
espaço e público.
Esse jogo é conduzido pelo ator, mas não se estabelece somento por ele. O
público é co-criador da cena, mesmo que não se mova, que não fale, que não se
expresse diretamente. Ainda assim, só existe cena porque o público está alí
observando, e observar é um verbo e, portanto, uma ação. É para o público e
com o público que o teatro improvisado é criado. Uma criação que é efêmera
por excelência, pois se consome a medida em que é construida.
Assim, o espaço da improvisação é o espaço da potencialidade. A improvisação,
pode ser tudo e nada, pode ser boa ou ruim, e o que for, será criado em
cumplicidade com o público uma única vez. Não será por isso que o homem
contemporâneo volta seus olhos e desejos para a improvisaçao ? Talvez neste
espaço de potencialidades, de construção, tenhamos a sensação, real ou ilusória,
de estar criando algo e não apenas reproduzindo velhas formas. O ator deixa de
ser intérprete de palavras alheias e passa a dizer as próprias e o público sai do
escurinho confortável da platéia e se transforma em co-criador da cena.
Segundo Peter Brook em seu livro Ponto de Mudança::
“Neste sentido improvisar significa que os atores se colocarão
frente ao público preparados para produzir um diálogo e não
uma demonstração. (…) Também o público percebe isso de
imediato, compreende que participa ativamente no
desenvolvimento, no crescimento da ação, e se surpreende
gratamente ao descobrir que é parte integrante do evento.”3
Para que o jogo entre público e atores conquiste e mantenha o interesse,
é fundamental que os improvisadores sejam portadores de uma extensa
bagagem cultural e que possuam técnicas bem estabelecidas através das quais
seu universo pessoal possa aflorar na criação de uma cena improvisada. Ao
contrário do sentido comum, a improvisação requer ordem e rigor, pois,
somente se tenho algo ordenado e fixo sobre o qual me apoiar é que posso me
arriscar no caos da criação instantânea.
Para ser um bom improvisador, o ator precisa saber muito bem do ofício
teatral em todas as suas funções: atuação, direção, dramaturgia, iluminação, etc.
Mais do que apenas intérprete, o ator-improvisador é o criador da cena, ele é,
antes de tudo, um excelente contador de histórias, daqueles que conseguem
3

BROOK, Peter. Provocaciones. 40 años de exploración en el teatro. Fausto Ediciones. Buenos Aires,
1989. pp. 128-129
captar nossa atenção e fazer com que esqueçamos que tudo está sendo criado ali
naquele momento. Para o ator, improvisar é ter a coragem de se lançar no vazio,
é contar constantemente com a possibilidade do erro, do fracasso, é trazer o
público como cúmplice e criar com ele e para ele. Ser público de um espetáculo
improvisado é estar disposto a entrar no processo de criação e desfrutar dos
erros tanto quanto dos acertos, é aceitar que o que ali acontecer será único,
construído através da interação irrepetível entre aqueles atores, aquele público
e aquele espaço.
Bibiliografia:
MUNIZ, M. La improvisación como espectáculo – principales experimentos y técnicas
de formación del actor-improvisador”. Tese Doutoral. Universidad de Alcalá, 2005.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Brochura fagundes versão web
Brochura fagundes   versão webBrochura fagundes   versão web
Brochura fagundes versão webMárcia Sousa
 
Brochura 22junho fagundes verweb
Brochura 22junho fagundes  verwebBrochura 22junho fagundes  verweb
Brochura 22junho fagundes verwebMárcia Sousa
 
Antunes Filho, Macunaíma e CPT
Antunes Filho, Macunaíma e CPTAntunes Filho, Macunaíma e CPT
Antunes Filho, Macunaíma e CPTTaís Ferreira
 
Material de Apoio - Português 2
Material de Apoio - Português 2Material de Apoio - Português 2
Material de Apoio - Português 2Fernando Alves
 
Cada palavra uma tese marcelo soriano - literatas
Cada palavra uma tese   marcelo soriano - literatasCada palavra uma tese   marcelo soriano - literatas
Cada palavra uma tese marcelo soriano - literatasMarcelo Soriano
 
Teatro de fantoches - PROFAP - 2° ENCONTRO
Teatro de fantoches - PROFAP - 2° ENCONTROTeatro de fantoches - PROFAP - 2° ENCONTRO
Teatro de fantoches - PROFAP - 2° ENCONTROjosivaldopassos
 
A Transcriação e Multiplicação de Dorotéia (artigo por camila guilera)
A Transcriação e Multiplicação de Dorotéia (artigo por camila guilera)A Transcriação e Multiplicação de Dorotéia (artigo por camila guilera)
A Transcriação e Multiplicação de Dorotéia (artigo por camila guilera)Panacéia Delirante
 
Aula 2 espaco cenico power point compativel
Aula 2 espaco cenico power point compativelAula 2 espaco cenico power point compativel
Aula 2 espaco cenico power point compativellenijacinto
 
Para Ler aos Trinta - Projeto
Para Ler aos Trinta - ProjetoPara Ler aos Trinta - Projeto
Para Ler aos Trinta - ProjetoProjeto Z
 
Figuras de linguagem completo
Figuras de linguagem completoFiguras de linguagem completo
Figuras de linguagem completoCDIM Daniel
 
No Limiar do Desconhecido
No Limiar do DesconhecidoNo Limiar do Desconhecido
No Limiar do Desconhecidoabtb_cub
 
UM ABRIGO DE UNIVERSOS DAS ARTES
UM ABRIGO DE UNIVERSOS DAS ARTESUM ABRIGO DE UNIVERSOS DAS ARTES
UM ABRIGO DE UNIVERSOS DAS ARTEScurtocircuito08
 

Mais procurados (19)

Teatro na escola
Teatro na escolaTeatro na escola
Teatro na escola
 
Brochura fagundes versão web
Brochura fagundes   versão webBrochura fagundes   versão web
Brochura fagundes versão web
 
Brochura 22junho fagundes verweb
Brochura 22junho fagundes  verwebBrochura 22junho fagundes  verweb
Brochura 22junho fagundes verweb
 
Antunes Filho, Macunaíma e CPT
Antunes Filho, Macunaíma e CPTAntunes Filho, Macunaíma e CPT
Antunes Filho, Macunaíma e CPT
 
Dossiê 3 Horizontes
Dossiê 3 HorizontesDossiê 3 Horizontes
Dossiê 3 Horizontes
 
Material de Apoio - Português 2
Material de Apoio - Português 2Material de Apoio - Português 2
Material de Apoio - Português 2
 
A poesia
A poesiaA poesia
A poesia
 
Cada palavra uma tese marcelo soriano - literatas
Cada palavra uma tese   marcelo soriano - literatasCada palavra uma tese   marcelo soriano - literatas
Cada palavra uma tese marcelo soriano - literatas
 
Teatro de fantoches - PROFAP - 2° ENCONTRO
Teatro de fantoches - PROFAP - 2° ENCONTROTeatro de fantoches - PROFAP - 2° ENCONTRO
Teatro de fantoches - PROFAP - 2° ENCONTRO
 
A Transcriação e Multiplicação de Dorotéia (artigo por camila guilera)
A Transcriação e Multiplicação de Dorotéia (artigo por camila guilera)A Transcriação e Multiplicação de Dorotéia (artigo por camila guilera)
A Transcriação e Multiplicação de Dorotéia (artigo por camila guilera)
 
Aula 2 espaco cenico power point compativel
Aula 2 espaco cenico power point compativelAula 2 espaco cenico power point compativel
Aula 2 espaco cenico power point compativel
 
Para Ler aos Trinta - Projeto
Para Ler aos Trinta - ProjetoPara Ler aos Trinta - Projeto
Para Ler aos Trinta - Projeto
 
Teatro de fantoches
Teatro de fantochesTeatro de fantoches
Teatro de fantoches
 
Sob o mesmo céu
Sob o mesmo céuSob o mesmo céu
Sob o mesmo céu
 
Figuras de linguagem completo
Figuras de linguagem completoFiguras de linguagem completo
Figuras de linguagem completo
 
No Limiar do Desconhecido
No Limiar do DesconhecidoNo Limiar do Desconhecido
No Limiar do Desconhecido
 
Figuras de palavras
Figuras de palavrasFiguras de palavras
Figuras de palavras
 
UM ABRIGO DE UNIVERSOS DAS ARTES
UM ABRIGO DE UNIVERSOS DAS ARTESUM ABRIGO DE UNIVERSOS DAS ARTES
UM ABRIGO DE UNIVERSOS DAS ARTES
 
Teatro de Fantoches
Teatro de FantochesTeatro de Fantoches
Teatro de Fantoches
 

Destaque

Narrativas do processo de criação e percepções osbre a recepção de tio vânia ...
Narrativas do processo de criação e percepções osbre a recepção de tio vânia ...Narrativas do processo de criação e percepções osbre a recepção de tio vânia ...
Narrativas do processo de criação e percepções osbre a recepção de tio vânia ...marianamuniz32
 
Aspectos cognitivos e invenção na improvisação teatral e sua influência na cr...
Aspectos cognitivos e invenção na improvisação teatral e sua influência na cr...Aspectos cognitivos e invenção na improvisação teatral e sua influência na cr...
Aspectos cognitivos e invenção na improvisação teatral e sua influência na cr...marianamuniz32
 
Artigo fábulas errantes
Artigo fábulas errantesArtigo fábulas errantes
Artigo fábulas errantesmarianamuniz32
 
Dramaturgia da improvisação
Dramaturgia da improvisaçãoDramaturgia da improvisação
Dramaturgia da improvisaçãomarianamuniz32
 
Pina bausch aproximações com brecht e o teatro pós-dramático
Pina bausch aproximações com brecht e o teatro pós-dramáticoPina bausch aproximações com brecht e o teatro pós-dramático
Pina bausch aproximações com brecht e o teatro pós-dramáticomarianamuniz32
 
Breve cartografía de la reciente producción teatral brasileña improvisación,...
Breve cartografía de la reciente producción teatral brasileña  improvisación,...Breve cartografía de la reciente producción teatral brasileña  improvisación,...
Breve cartografía de la reciente producción teatral brasileña improvisación,...marianamuniz32
 

Destaque (6)

Narrativas do processo de criação e percepções osbre a recepção de tio vânia ...
Narrativas do processo de criação e percepções osbre a recepção de tio vânia ...Narrativas do processo de criação e percepções osbre a recepção de tio vânia ...
Narrativas do processo de criação e percepções osbre a recepção de tio vânia ...
 
Aspectos cognitivos e invenção na improvisação teatral e sua influência na cr...
Aspectos cognitivos e invenção na improvisação teatral e sua influência na cr...Aspectos cognitivos e invenção na improvisação teatral e sua influência na cr...
Aspectos cognitivos e invenção na improvisação teatral e sua influência na cr...
 
Artigo fábulas errantes
Artigo fábulas errantesArtigo fábulas errantes
Artigo fábulas errantes
 
Dramaturgia da improvisação
Dramaturgia da improvisaçãoDramaturgia da improvisação
Dramaturgia da improvisação
 
Pina bausch aproximações com brecht e o teatro pós-dramático
Pina bausch aproximações com brecht e o teatro pós-dramáticoPina bausch aproximações com brecht e o teatro pós-dramático
Pina bausch aproximações com brecht e o teatro pós-dramático
 
Breve cartografía de la reciente producción teatral brasileña improvisación,...
Breve cartografía de la reciente producción teatral brasileña  improvisación,...Breve cartografía de la reciente producción teatral brasileña  improvisación,...
Breve cartografía de la reciente producción teatral brasileña improvisación,...
 

Semelhante a Improvisar espaço de possibilidades. jornal de letras - 2008

Teatro como experiência
Teatro como experiênciaTeatro como experiência
Teatro como experiênciaTaís Ferreira
 
Peter+brook+ +o+teatro+e+seu+espaço
Peter+brook+ +o+teatro+e+seu+espaçoPeter+brook+ +o+teatro+e+seu+espaço
Peter+brook+ +o+teatro+e+seu+espaçoClaudio Paulo
 
Apresentação em cena
Apresentação em cenaApresentação em cena
Apresentação em cenaGesse André
 
Elementos estruturais da linguagem teatral
Elementos estruturais da linguagem teatralElementos estruturais da linguagem teatral
Elementos estruturais da linguagem teatralJailson Carvalho
 
Manhã apresentação e clippling
Manhã   apresentação e clipplingManhã   apresentação e clippling
Manhã apresentação e clipplingricoxxete
 
Fichamento de A personagem no teatro, de Décio de Almeida Prado
Fichamento de A personagem no teatro, de Décio de Almeida PradoFichamento de A personagem no teatro, de Décio de Almeida Prado
Fichamento de A personagem no teatro, de Décio de Almeida PradoCarla Souto
 
Surgimento diretor teatral
Surgimento diretor teatralSurgimento diretor teatral
Surgimento diretor teatralTaís Ferreira
 
1904 alguma coisa sobre o teatro portugues de romualdo figueiredo
1904 alguma coisa sobre o teatro portugues de  romualdo figueiredo1904 alguma coisa sobre o teatro portugues de  romualdo figueiredo
1904 alguma coisa sobre o teatro portugues de romualdo figueiredoLaurinda Ferreira
 
Conteúdo 3 elementos da linguagem cênica
Conteúdo 3   elementos da linguagem cênicaConteúdo 3   elementos da linguagem cênica
Conteúdo 3 elementos da linguagem cênicaSilvana Chaves
 
Estruturatextoteatral
EstruturatextoteatralEstruturatextoteatral
EstruturatextoteatralCarla Souto
 
Portefolio Herlandson Duarte
Portefolio Herlandson DuartePortefolio Herlandson Duarte
Portefolio Herlandson DuarteHerlandson Duarte
 

Semelhante a Improvisar espaço de possibilidades. jornal de letras - 2008 (20)

Teatro como experiência
Teatro como experiênciaTeatro como experiência
Teatro como experiência
 
Peter+brook+ +o+teatro+e+seu+espaço
Peter+brook+ +o+teatro+e+seu+espaçoPeter+brook+ +o+teatro+e+seu+espaço
Peter+brook+ +o+teatro+e+seu+espaço
 
Apresentação em cena
Apresentação em cenaApresentação em cena
Apresentação em cena
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
 
Elementos estruturais da linguagem teatral
Elementos estruturais da linguagem teatralElementos estruturais da linguagem teatral
Elementos estruturais da linguagem teatral
 
Manhã apresentação e clippling
Manhã   apresentação e clipplingManhã   apresentação e clippling
Manhã apresentação e clippling
 
Projeto Nascituros
Projeto NasciturosProjeto Nascituros
Projeto Nascituros
 
Fichamento de A personagem no teatro, de Décio de Almeida Prado
Fichamento de A personagem no teatro, de Décio de Almeida PradoFichamento de A personagem no teatro, de Décio de Almeida Prado
Fichamento de A personagem no teatro, de Décio de Almeida Prado
 
Surgimento diretor teatral
Surgimento diretor teatralSurgimento diretor teatral
Surgimento diretor teatral
 
Criando espectadores emancipados - Arlindo Rocha
Criando  espectadores emancipados - Arlindo Rocha Criando  espectadores emancipados - Arlindo Rocha
Criando espectadores emancipados - Arlindo Rocha
 
Teatro do Oprimido
Teatro do OprimidoTeatro do Oprimido
Teatro do Oprimido
 
1904 alguma coisa sobre o teatro portugues de romualdo figueiredo
1904 alguma coisa sobre o teatro portugues de  romualdo figueiredo1904 alguma coisa sobre o teatro portugues de  romualdo figueiredo
1904 alguma coisa sobre o teatro portugues de romualdo figueiredo
 
Teatro e cultura digital foletto
Teatro e cultura digital folettoTeatro e cultura digital foletto
Teatro e cultura digital foletto
 
Comentários sobre teatro
Comentários sobre teatroComentários sobre teatro
Comentários sobre teatro
 
Conteúdo 3 elementos da linguagem cênica
Conteúdo 3   elementos da linguagem cênicaConteúdo 3   elementos da linguagem cênica
Conteúdo 3 elementos da linguagem cênica
 
Teatro do oprimido
Teatro do oprimidoTeatro do oprimido
Teatro do oprimido
 
Linguagem teatral
Linguagem teatralLinguagem teatral
Linguagem teatral
 
Teatro para iniciantes.
Teatro para iniciantes. Teatro para iniciantes.
Teatro para iniciantes.
 
Estruturatextoteatral
EstruturatextoteatralEstruturatextoteatral
Estruturatextoteatral
 
Portefolio Herlandson Duarte
Portefolio Herlandson DuartePortefolio Herlandson Duarte
Portefolio Herlandson Duarte
 

Improvisar espaço de possibilidades. jornal de letras - 2008

  • 1. Improvisar – espaço de possibilidades Mariana Muniz Doutora em Improvisação pela Universidad de Alcalá. Professora da graduação e pósgraduação do Curso de teatro da EBA/UFMG. Diretora teatral. Últimos trabalhos: Match de Improvisação (2006), Sobre Nós (2008), No Início era o Princípio (2008). Atualmente, a palavra improvisação adquiriu uma significação despectiva que não lhe pertence. Dizer na linguagem cotidiana que algo é improvisado é dizer que carece preparação, que é caótico e sem rigor. Pode ser que, para alguns apressados, improvisar seja algo muito recente que nada tem a ver com a “Grande Tradição Teatral”. Entretanto, improvisação e teatro quase sempre andaram unidos, tornando-se, em alguns momentos da história, sinônimos. Segundo o Diccionario da Oxford University: “Muito da história do teatro se centrou na habilidade do ator de improvisar a partir de um tema dado, como nas cenas cômicas do mistery play, nas antigas farsas e comédias oriundas da tradição popular e também das produções da Commedia dell`arte. (...) Em reação ao texto, a influência do Dadá e do surrealismo encorajou a atividade espontânea e rejeitou o que esse chamou “work of art”. Essa filosofia resultou na emergência da criação coletiva baseada inteiramente na improvisação de um grupo a partir de uma pauta mínima. Daí se desenvolveu o happening e eventos similares que incorporavam as reações da audiência criando uma experiência teatral única, considerada por muitos preferível à repetição controlada da peça escrita.”1 Ampliando esta contextualização, o Dictionaire encyclopédique du théâtre reflete sobre o interesse contemporâneo da improvisação: “O interesse contemporâneo pela improvisaçao se desenvolveu nos anos 60. Improvisadores se reportaram às ideologias espontaneistas, ao desejo, talvez naif, de inventar algumas coisas a partir de nada. (...) Improvisar apareceu como uma forma de se opor ao teatro de texto, de escapar ao modelo de uma representaçao sentida como muito literária. »2 Mas, é realmente possível criar a partir do nada? Segundo Brook, ator, espaço e público são esenciais para a existência do fato teatral, portanto, para haver teatro necessitamos da interação estes elementos. Sendo assim, como 1 The Oxford Companion to the Theatre. Edited by Phillis Hartnol. Oxford University Press. Oxford, 1983. Pg. 409. Tradução da autora. 2 CORVIN, Muchel. Dictionnaire encyclopédique du thèâtre. Larousse. Québec, 1998. Pg. 825-826. Tradução da autora.
  • 2. podemos dizer que partimos do nada ao improvisar ? O ator é seu corpo, sua voz, suas idéias, suas vivências, suas emoções e seus desejos, o público também o é e interage mesmo quando apenas observa, frui da obra teatral. O espaço, por sua vez, é o lugar do encontro, onde tudo é possível porque, supostamente, ainda nao há « nada ». Assim, quando se diz “criação a partir do nada”, referese apenas a ausência de um roteiro e texto pré-estabelecido, pois sempre há algo a partir do qual a cena se constrói no aqui e no agora, no jogo vivo entre atores, espaço e público. Esse jogo é conduzido pelo ator, mas não se estabelece somento por ele. O público é co-criador da cena, mesmo que não se mova, que não fale, que não se expresse diretamente. Ainda assim, só existe cena porque o público está alí observando, e observar é um verbo e, portanto, uma ação. É para o público e com o público que o teatro improvisado é criado. Uma criação que é efêmera por excelência, pois se consome a medida em que é construida. Assim, o espaço da improvisação é o espaço da potencialidade. A improvisação, pode ser tudo e nada, pode ser boa ou ruim, e o que for, será criado em cumplicidade com o público uma única vez. Não será por isso que o homem contemporâneo volta seus olhos e desejos para a improvisaçao ? Talvez neste espaço de potencialidades, de construção, tenhamos a sensação, real ou ilusória, de estar criando algo e não apenas reproduzindo velhas formas. O ator deixa de ser intérprete de palavras alheias e passa a dizer as próprias e o público sai do escurinho confortável da platéia e se transforma em co-criador da cena. Segundo Peter Brook em seu livro Ponto de Mudança:: “Neste sentido improvisar significa que os atores se colocarão frente ao público preparados para produzir um diálogo e não uma demonstração. (…) Também o público percebe isso de imediato, compreende que participa ativamente no desenvolvimento, no crescimento da ação, e se surpreende gratamente ao descobrir que é parte integrante do evento.”3 Para que o jogo entre público e atores conquiste e mantenha o interesse, é fundamental que os improvisadores sejam portadores de uma extensa bagagem cultural e que possuam técnicas bem estabelecidas através das quais seu universo pessoal possa aflorar na criação de uma cena improvisada. Ao contrário do sentido comum, a improvisação requer ordem e rigor, pois, somente se tenho algo ordenado e fixo sobre o qual me apoiar é que posso me arriscar no caos da criação instantânea. Para ser um bom improvisador, o ator precisa saber muito bem do ofício teatral em todas as suas funções: atuação, direção, dramaturgia, iluminação, etc. Mais do que apenas intérprete, o ator-improvisador é o criador da cena, ele é, antes de tudo, um excelente contador de histórias, daqueles que conseguem 3 BROOK, Peter. Provocaciones. 40 años de exploración en el teatro. Fausto Ediciones. Buenos Aires, 1989. pp. 128-129
  • 3. captar nossa atenção e fazer com que esqueçamos que tudo está sendo criado ali naquele momento. Para o ator, improvisar é ter a coragem de se lançar no vazio, é contar constantemente com a possibilidade do erro, do fracasso, é trazer o público como cúmplice e criar com ele e para ele. Ser público de um espetáculo improvisado é estar disposto a entrar no processo de criação e desfrutar dos erros tanto quanto dos acertos, é aceitar que o que ali acontecer será único, construído através da interação irrepetível entre aqueles atores, aquele público e aquele espaço. Bibiliografia: MUNIZ, M. La improvisación como espectáculo – principales experimentos y técnicas de formación del actor-improvisador”. Tese Doutoral. Universidad de Alcalá, 2005.