SaúDe Mental E Excluaso Social

11.028 visualizações

Publicada em

0 comentários
14 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
11.028
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
26
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
14
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

SaúDe Mental E Excluaso Social

  1. 1. Saúde Mental& Exclusão Social<br />Renato Moura<br />
  2. 2. Sumário<br />Aspectos culturais e sociais da doença mental<br />História do tratamento de doenças mentais<br />Hospital Psiquiátrico de Barbacena : um caso-recorte<br />Perspectivas contemporâneas de tratamento<br />Políticas acerca da saúde mental<br />Desafios da nova política<br />Renato Moura<br />
  3. 3. 1- Aspectos culturais e sociais<br />“Excluir o doente mental é impedir seu acesso à sociedade, privá-lo da possibilidade de ser um cidadão, afastando-o do convívio social”<br />O papel do doente mental na sociedade<br />A figura do doente mental: um estigma que é causa da exclusão social<br />A visão do “louco” pela família<br />A renegação, com profundas conseqüências na personalidade e caráter do paciente.<br />Distinção entre pacientes graves e casos mais brandos<br />A ausência de políticas de conscientização popular quanto às noções acerca dos “loucos”<br />O papel excludente da mídia<br />Renato Moura<br />
  4. 4. 2 - Estatísticas Gerais[ DataSUS, 2006 ]<br />12% da população necessita de algum atendimento em saúde mental, seja ele contínuo ou eventual; <br />3% da população geral sofre com transtornos mentais severos e persistentes; <br />Mais de 6% da população apresenta transtornos psiquiátricos graves decorrentes do uso de álcool e outras drogas; <br />2,3% do orçamento anual do SUS para a Saúde Mental. <br />Renato Moura<br />
  5. 5. 3- História do tratamento de doenças mentais<br />Idade Média - os loucos são confinados em grandes asilos e hospitais destinados a toda sorte de indesejáveis – inválidos, portadores de doenças venéreas, mendigos e libertinos. Nessas instituições, os mais violentos eram acorrentados; a alguns era permitido sair para mendigar.<br />Renato Moura<br />
  6. 6. 3- História do tratamento de doenças mentais<br /> Século XVIII - Phillippe Pinel, considerado o pai da psiquiatria, propõe uma nova forma de tratamento aos loucos, libertando-os das correntes e transferindo-os aos manicômios, destinados somente aos doentes mentais.<br />A partir da segunda metade do século XX, impulsionada principalmente por Franco Basaglia, psiquiatra italiano, inicia-se uma radical crítica e transformação do saber, do tratamento e das instituições psiquiátricas. <br />Renato Moura<br />
  7. 7. 3- História do tratamento de doenças mentais<br />Declaração de Caracas(1990) - Os dois grandes objetivos que seus signatários se comprometeram a promover - a superação do modelo do hospital psiquiátrico e a luta contra todos os abusos e a exclusão de que são vítimas as pessoas com problemas de saúde mental<br />Lei Federal 10.216/2001 - Dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental.<br />Renato Moura<br />
  8. 8. 4 – Hospital Psiquiátrico de Barbacena: um caso-recorte<br />Renato Moura<br />
  9. 9. Renato Moura<br />
  10. 10. Renato Moura<br />
  11. 11. NESTE SLIDE DEVE HAVER O HIPERLINK PARA O VÍDEO <br />MUSEU DA LOUCURA.MPEG<br />Renato Moura<br />
  12. 12. 5 – Perspectivas contemporâneasde tratamento<br />Reformas intramuros dos manicômios: readequação e humanização do parque hospitalar<br />Diminuição sistemática do número de manicômios<br />Modelo substitutivo e territorial, baseado na comunidade<br />Incentivo à inserção do paciente na sociedade e família<br />Desenvolvimento de atividades culturais e artísticas com os pacientes<br />Renato Moura<br />
  13. 13. 6 – Lei 10.216/2001<br />“Art. 4º A internação, em qualquer de suas modalidades, só será indicada quando os recursos extra-hospitalares se mostrarem insuficientes.<br />    § 1° O tratamento visará, como finalidade permanente, a reinserção social do paciente em seu meio.<br />    § 2° O tratamento em regime de internação será estruturado de forma a oferecer assistência integral à pessoa portadora de transtornos mentais, incluindo serviços médicos, de assistência social, psicológicos, ocupacionais, de lazer, e outros.<br />    § 3° É vedada a internação de pacientes portadores de transtornos mentais em instituições com características asilares. [...]<br /> Art. 6° A internação psiquiátrica somente será realizada mediante laudo médico circunstanciado que caracterize os seus motivos.”<br />Renato Moura<br />
  14. 14. 7 – A Reforma Psiquiátrica<br />Reformulação do atendimento público em Saúde Mental, garantindo o acesso da população aos serviços e o respeito a seus direitos e liberdade; <br />Lei 10.216/2001, conquista de uma luta social que durou 12 anos; <br />Mudança do modelo de tratamento: no lugar do isolamento, o convívio na família e na comunidade; <br />Método da substituição de leitos<br />O atendimento é feito em CAPS, Residências Terapêuticas, Ambulatórios, Hospitais Gerais, Centros de Convivência; <br />As internações, quando necessárias, são feitas em hospitais gerais ou nos Caps/24 horas.<br />Renato Moura<br />
  15. 15. 9 – Serviço Residencial Terapêutico (SRT)<br />“ Gosto de morar aqui. Lá fui muito judiada, apanhava sem motivo e não tinhaconvivência com ninguém. Aqui na Casa eu saio, converso com todo mundo, tenhodireito de ir e vir a hora que quero. Sou muito Feliz!”<br />Raimunda Vieira da Silva<br /><ul><li> Uma alternativa aos manicômios
  16. 16. Moradia para pessoas internadas há anos, sem documentos, abandonadas
  17. 17. Moradores de rua com transtornos mentais e necessidade de acompanhamento profissional
  18. 18. Apoio aos que não contam com suporte familiar adequado.</li></ul>Renato Moura<br />
  19. 19. 8 – Serviço Residencial Terapêutico (SRT)<br />&quot;Uma casa... é o habitar da cidade.<br />É você poder habitar a cidade, <br />tendo um lugar para voltar...<br />para voltar no fim do dia. Eu habito esta cidade!“<br />Moradora de uma residência terapêutica<br />256 SRTs no Brasil<br />14 estados<br />45 municípios<br />1400 pessoas<br />2 residências terapêuticas em Niterói<br />[ DataSUS, 2007]<br />Renato Moura<br />
  20. 20. 8 – Serviço Residencial Terapêutico (SRT)<br />O que é se mudar para uma Residência Terapêutica?<br />NESTE SLIDE DEVE HAVER O HIPERLINK PARA O VÍDEO <br />RESID. TERAPEUTICA.WMV<br />Renato Moura<br />
  21. 21. 10 - Desafios da Nova Política de Saúde Mental<br />NESTE SLIDE DEVE HAVER O HIPERLINK PARA O VÍDEO <br />HOSP. SÃO PEDRO.MPEG<br />Renato Moura<br />
  22. 22. 10 – Desafios da Política Nacional de Saúde Mental<br /><ul><li> Fortalecer políticas de saúde voltadas para grupos de pessoas com transtornos mentais de alta prevalência e baixa cobertura assistencial;
  23. 23. Consolidar e ampliar uma rede de atenção de base comunitária e territorial, promotora da reintegração social e da cidadania;
  24. 24. Aumentar recursos do orçamento anual do SUS para a Saúde Mental.</li></ul>Renato Moura<br />
  25. 25. O que sobram de lembranças da família após décadas em uma instituição psiquiátrica tradicional?<br />Quais são as noções de mundo do paciente no pós-manicômio?<br />É preciso lidar com as dificuldades de readaptação à vida cotidiana<br />Qual a sua posição como cidadão diante das diferenças? <br />E como médico?<br />Humanizar é preciso!<br />Renato Moura<br />

×