O slideshow foi denunciado.
Seu SlideShare está sendo baixado. ×
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
A Teologia do Pacto
Presbítero Saulo Campos Igreja Presbiteriana de Natal 1
Introdução
Na primeira aula de nosso curso fom...
A Teologia do Pacto
Presbítero Saulo Campos Igreja Presbiteriana de Natal 2
III. Estrutura de um Pacto ou Aliança
IV. Exte...
A Teologia do Pacto
Presbítero Saulo Campos Igreja Presbiteriana de Natal 3
Cocceius) e alemães (Zacharias Ursinos, Kaspar...
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Próximos SlideShares
A consumação do pacto
A consumação do pacto
Carregando em…3
×

Confira estes a seguir

1 de 18 Anúncio

Teologia do Pacto

Baixar para ler offline

Uma introdução à Teologia do Pacto, Pactual ou Aliancismo.
Curso de Teologia Reformada da Igreja Presbiteriana de Natal – oferecido no 2º semestre de 2021
Texto da Aula 3, do Módulo I: Teologia do Pacto – ministrada pelo presbítero Saulo José de Barros Campos.

Uma introdução à Teologia do Pacto, Pactual ou Aliancismo.
Curso de Teologia Reformada da Igreja Presbiteriana de Natal – oferecido no 2º semestre de 2021
Texto da Aula 3, do Módulo I: Teologia do Pacto – ministrada pelo presbítero Saulo José de Barros Campos.

Anúncio
Anúncio

Mais Conteúdo rRelacionado

Diapositivos para si (20)

Semelhante a Teologia do Pacto (20)

Anúncio

Mais de Secretaria de Estado da Tributação do RN (20)

Mais recentes (20)

Anúncio

Teologia do Pacto

  1. 1. A Teologia do Pacto Presbítero Saulo Campos Igreja Presbiteriana de Natal 1 Introdução Na primeira aula de nosso curso fomos informados que a teologia reformada nos torna hábeis na interpretação da Bíblia, e nos aponta que uns dos princípios estruturais do texto Sagrado consiste na Fidelidade de Deus às Suas Alianças. A Bíblia reconhece uma pluralidade de "ALIANÇAS" que Deus fez com seu povo em vários pontos da história. Romanos 9:3-4 – 3 Pois eu até desejaria ser amaldiçoado e separado de Cristo por amor de meus irmãos, os de minha raça, 4 o povo de Israel. Deles é a adoção de filhos; deles é a glória divina, as alianças, a concessão da lei, a adoração no templo e as promessas. Efésios 2:12 naquela época vocês estavam sem Cristo, separados da comunidade de Israel, sendo estrangeiros quanto às alianças da promessa, sem esperança e sem Deus no mundo. NVI A revelação de Deus não ficou restrita ao subjetivo, isto é, apenas gravada nas consciências dos destinatários. Deus foi além e estabeleceu relação pessoal e concreta com os escolhidos por meio de pactos objetivos com Adão, Noé, Abraão, Moisés, Davi e com o Messias. Todos esses convênios particulares são personificações e manifestações históricas ou temporais de uma eterna aliança: A ALIANÇA DA GRAÇA. Deste modo, a teologia pactual fornece uma estrutura para toda a revelação bíblica do livro de Gênesis a Apocalipse. Os aliancistas acreditam que há uma unidade contínua em toda a Escritura; a Igreja é a soma dos eleitos do Antigo e do Novo Testamento, ou seja, Israel é a Igreja no Antigo testamento e a Igreja é o Israel de Deus no Novo Testamento, conforme escreveu Paulo em Gálatas 6.16; existe apenas uma aliança, um reino e um modo de salvação. A hermenêutica da ALIANÇA da teologia reformada oferece uma grande visão acerca das promessas de Deus que apontam para CRISTO e se aplicam à sua IGREJA hoje. Nossa abordagem introdutória será conduzida conforme os seguintes tópicos. I. O que é Teologia do Pacto II. Pacto ou Aliança, na perspectiva bíblica
  2. 2. A Teologia do Pacto Presbítero Saulo Campos Igreja Presbiteriana de Natal 2 III. Estrutura de um Pacto ou Aliança IV. Extensão da aliança divina - Unidade e diversidade nas alianças V. O Pacto da Criação VI. O Pacto da Graça I. O que é Teologia do Pacto Diversas conceituações foram propostas desde a época da Reforma protestante do século XVI. Para fins didáticos podemos entender a Teologia do Pacto como uma sistematização teológica que considera os pactos (as alianças) a chave para entender o significado da queda e da redenção; o papel de Adão e o de Cristo, o último Adão; a relação entre o Antigo Testamento (a Antiga Aliança) e o Novo Testamento (a Nova Aliança); a expiação (o significado da morte de Cristo); a segurança do crente (base de nossa confiança de comunhão com Deus e o desfrutar de Suas promessas); os sacramentos (os sinais e selos das promessas pactuais de Deus; o que eles significam e como eles operam) e a continuidade da história da salvação. Em suma, a Teologia do Pacto é uma hermenêutica que possibilita ao cristão desenvolver um entendimento unificado das Escrituras. Ela sustenta que Deus desde o início estabeleceu com o homem um relacionamento pactual, a partir de um princípio de representação e imputação. O princípio da representação diz que mediador pactual humano representa todos os destinatários do Pacto por ele firmado com Deus. Assim, Adão é o representante federal1 ou pactual de toda a raça humana, Já o princípio da imputação diz que todas as obrigações, benefícios e malefícios decorrentes do pacto serão atribuídos aos representados pelo mediador ou representante pactual. A teologia histórica ou clássica do pacto, isto é, a teologia bi pactual resumida na Confissão de Fé de Westminster (capítulo 7) foi especialmente desenvolvida por reformadores suíços (Henrich Bullinger e Francis Turretin); holandeses (Johannes 1 A palavra Federal tem origem na palavra latina foedus, que significa pacto.
  3. 3. A Teologia do Pacto Presbítero Saulo Campos Igreja Presbiteriana de Natal 3 Cocceius) e alemães (Zacharias Ursinos, Kaspar Olevianus, Johannes Althusius e Herman Witsius). E, antes deles, na era Patrística, Agostinho de Hipona registra em seus escritos que o primeiro pacto de Deus com o primeiro homem ocorreu antes da queda, posteriormente, este pacto passou a ser conhecido como o pacto das obras. Charles Haddon Spurgeon, mais conhecido como C. H. Spurgeon (1834-1892), foi um pregador Batista inglês, que recebeu o título de “O Príncipe dos Pregadores” e “O Último dos Puritanos”, certa vez escreveu: “A doutrina do pacto está na raiz de toda a verdadeira teologia. Já foi dito que aquele que entende bem a distinção entre o pacto das obras e o pacto da graça é um mestre em Divindade. Estou convencido de que a maioria dos erros que os homens cometem sobre as doutrinas da Escritura são baseados em erros fundamentais no que diz respeito aos pactos da lei e da graça”2 A Confissão de fé de Westminster 3 O artigo primeiro do capítulo sétimo da diz: “Tão grande é a distância entre Deus e a criatura, que, embora as criaturas racionais lhe devam obediência como ao seu Criador, nunca poderiam fruir nada dele como bem-aventurança e recompensa, senão por alguma voluntária condescendência da parte de Deus, a qual foi ele servido significar por meio de um pacto.” EM SÍNTESE:  O pacto foi proposto pelo Criador em benefício da criatura humana.  Deus não se beneficia do pacto, pois Ele é autossuficiente, não necessitando de coisa alguma do homem ou da natureza. 2 Comentários anexados ao sermão, “O Pacto”, como citado por Pascal Denault, na obra Os Distintivos da Teologia Pactual Batista, pp. 6-7. 3 Confissão de Fé de Westminster (1646): redigida por mais de 120 teólogos calvinistas (ingleses e escoceses), reunidos na Assembleia de Westminster, em Londres, mediante convocação do Parlamento. A Confissão de Fé compõe-se de 33 capítulos cujos temas podem ser classificados da seguinte maneira: a Escritura Sagrada (cap. 1), o Ser de Deus e suas obras (cap. 2-5), o pecado e a salvação (cap. 6-8), a aplicação da obra da salvação (cap. 9-15), a vida cristã (cap. 16-21), o cristão na sociedade (cap. 22-24), a igreja e os sacramentos (cap. 25- 29), a disciplina eclesiástica e os concílios (cap. 30-31), as últimas coisas (cap. 32-33). Entre os temas especificamente reformados estão os decretos de Deus, o pacto (das obras e da graça), o conceito de livre arbítrio, a vocação eficaz, a perseverança dos santos, a lei de Deus e os sínodos e concílios.
  4. 4. A Teologia do Pacto Presbítero Saulo Campos Igreja Presbiteriana de Natal 4  Bem-aventurança e recompensa são dádivas do Deus gracioso. O Diagrama 1 ilustra a adoção da Teologia do Pacto pelas Igrejas cristãs ao longo da história. Diagrama 1 Vale ressaltar que o Dispensacionalismo, a vertente teológica que hoje se contrapõe à Teologia do Pacto, começou a ser desenvolvido no final do século XIX e foi popularizado através da Bíblia de Referência Scofield 4 . 4 Cyrus Ingerson Scofield (1843-1921) foi um influente teólogo norte americano. Sua Bíblia de Referência Scofield, repleta de anotações úteis sobre o texto, foi publicada em 1909 e se tornou o padrão para uma geração de cristãos fundamentalistas e popularizou a teologia dispensacionalista.
  5. 5. A Teologia do Pacto Presbítero Saulo Campos Igreja Presbiteriana de Natal 5 O Dispensacionalismo é um método de interpretação histórico que divide a obra de Deus e Seus propósitos para a humanidade em diferentes períodos de tempo, em geral sete dispensações são identificadas, segundo João A. Santos5 : A primeira dispensação é chamada de Dispensação da Inocência (Gênesis 1:28- 30 e 2:15-17). A segunda dispensação é chamada de Dispensação da Consciência – durou cerca de 1.656 anos a partir do momento da expulsão de Adão e Eva do jardim até e o dilúvio (Gênesis 3:8 - 8:22); A terceira dispensação é a Dispensação do Governo Humano – começou em Gênesis 8. Deus tinha destruído a vida na terra com um dilúvio, salvando apenas a família de Noé para reiniciar a raça humana. A quarta dispensação é chamada de Dispensação da promessa – Deus escolhe um homem, Abraão, e cria um povo em particular ao qual A quinta dispensação é chamada de Dispensação da Lei – durou quase 1.500 anos, do Êxodo até ser suspensa após a morte de Jesus Cristo. Esta dispensação continuará durante o Milênio, com algumas modificações; A sexta dispensação, a que vivemos hoje, é a Dispensação da Graça – ela começou com a Nova Aliança no sangue de Cristo (Lucas 22:20). Esta "Era da Graça" ou "Era da Igreja" ocorre entre a semana 69 e 70 de Daniel 9:24. Ela começa com a morte de Cristo e termina com o arrebatamento da igreja (1 Tessalonicenses 4). Esta dispensação é mundial e inclui tanto os judeus quanto os gentios; A sétima dispensação é chamada do Reino Milenar de Cristo – terá a duração de 1.000 anos enquanto o próprio Cristo reina sobre a terra. Este Reino cumprirá a profecia para a nação judaica de que Cristo voltará e será o seu rei. As únicas pessoas autorizadas a entrar no Reino são os crentes nascidos de novo durante a Idade da Graça e os sobreviventes justos dos sete anos de tribulação. O autor menciona três elementos distintivos da hermenêutica das Dispensações: 1. Uma interpretação estritamente literal das Escrituras. Com isto se quer dizer que todas as profecias feitas no A.T., com relação a Israel, deverão se cumprir literal e 5 O DISPENSACIONALISMO E SUAS IMPLICAÇÕES DOUTRINÁRIAS. João Alves dos Santos. Disponível em: http://www.seminariojmc.br/index.php/2018/01/15/o-dispensacionalismo-e-suas-implicacoes-doutrinarias/
  6. 6. A Teologia do Pacto Presbítero Saulo Campos Igreja Presbiteriana de Natal 6 incondicionalmente em Israel, como nação ou povo terreno. Nenhuma promessa do A.T., portanto, se refere à Igreja, pois isto viola o princípio da literalidade. 2. Uma dicotomia rígida entre o Israel do antigo testamento e a Igreja do novo testamento. Em todo livro de interpretação dispensacionalista “que se preze” certamente se encontrará esta regra áurea: Israel significa Israel e Igreja significa Igreja. O dispensacionalista nega qualquer relação entre o Israel do A.T. e a Igreja do N.T. e chega mesmo a dizer que não há no A.T. uma profecia sequer que se refira à Igreja. Seguindo a linha da chamada “interpretação literal”, diz que as profecias do A.T. foram feitas a Israel como nação terrena e devem se cumprir literalmente em Israel, como nação terrena. Os santos do A.T. não fazem parte da Igreja universal, a Noiva ou o Corpo de Cristo. São o povo terreno de Deus, enquanto a Igreja constitui o seu povo celestial. 3. A teoria de que o período da Igreja é um parêntese imprevisto no programa judaico profetizado no Antigo Testamento. Já vimos citações segundo as quais a Igreja não foi profetizada no A.T. e que Israel só espera a retirada da Igreja deste mundo para que seja de novo chamado à cena a fim de desempenhar o seu importante papel no programa divino. Tais ideias levaram necessariamente os dispensacionalistas a concluir que a era ou período da Igreja não foi previsto na profecia do A.T. e só foi inserido no programa divino devido à rejeição do Messias pelos judeus. Não tivessem os judeus rejeitado a Jesus, a era do reino judaico teria começado na primeira vinda de Cristo. Com a rejeição, houve um intervalo ou interrupção no programa judaico para que a Igreja tivesse a “sua vez”, devendo esse programa ser retomado logo após o arrebatamento, ou seja, no fim da dispensação da Igreja. II. Pacto ou Aliança, na perspectiva bíblica Aliança é um termo é muito utilizado nas igrejas cristãs, sendo comum ouvirmos expressões do tipo: “Nosso Deus é o Deus da aliança”; “A vida na aliança” (significando a vida cristã); “O povo da aliança” (a Igreja); “Filhos da aliança”, “Herdeiros da aliança” (em referência ao crente firmado no Senhor Jesus).
  7. 7. A Teologia do Pacto Presbítero Saulo Campos Igreja Presbiteriana de Natal 7 O termo aparece cerca de 290 vezes na Bíblia, sendo aproximadamente 260 vezes no Antigo Testamento e 30 no Novo Testamento. No hebraico a palavre é berith, segundo Palmer, significa cortar a aliança ou cortar com derramamento de sangue um acordo ou aliança. Ainda segundo este autor, Pacto (ou aliança) é um vínculo de sangue soberanamente administrado. Quando Deus entra em relação de aliança com os homens, de maneira soberana ele institui um vínculo de vida e morte. A aliança é um vínculo de sangue, ou um vínculo de vida e morte, soberanamente administrado. III. Estrutura de um Pacto ou Aliança Mediador – O escolhido por Deus para representar os destinatários de cada pacto divino. Adão, Noé, Abraão, Moisés, Davi e Jesus Cristo, foram os mediadores dos pactos divinos. Estipulações, Ordenanças – Como sabemos Deus é Autossuficiente e Soberano, por isso, não necessita de coisa alguma do homem e não pode ser obrigado. Então, Ele graciosamente faz promessas pactuais em benefício do homem e por Sua própria Palavra se obriga a cumpri-las. Por outro lado, Ele estipula imperativamente obrigações pactuais ao homem, que não tem o poder de negocia-las com seu criador, cabe ao homem cumprir as ordenanças sob pena de incorre nas maldições do pacto. Promessas – Os benefícios que Deus promete graciosamente conceder ao homem. Bênçãos Pactuais – São benefícios concedidos pelo Senhor ao homem pela obediência as estipulações do pacto. Maldições Pactuais – Juízo, punição para o homem por quebrar do pacto, da aliança. Selos e Sinais do Pacto – O selo é um símbolo ou um memorial da entrada no pacto, enquanto que o sinal é uma lembrança ou confirmação da permanência no pacto. Na nova Aliança o selo o batismo, o e sinal a ceia do Senhor se converteram nos sacramentos da Igreja. Confirmação ou Renovação do Pacto – Cada pacto pode ser confirmado ou renovado com o próprio mediador ou, com seus descendentes. O pacto com Abraão foi confirmado com o próprio Abraão, com seu filho Isaque e seu neto Jacó.
  8. 8. A Teologia do Pacto Presbítero Saulo Campos Igreja Presbiteriana de Natal 8 IV. Extensão da aliança divina - Unidade e diversidade nas alianças A isso Palmer chama de Princípio Emanuel do Pacto: “O coração da aliança é a declaração de que “‘Deus está conosco”, como por exemplo na declaração de Deus registrado por Moisés em Levítico 26.12: “Andarei entre vós e serei o vosso Deus, e vós sereis o meu povo.” O propósito final da aliança da Criação encontra sua realização na aliança da Graça. As várias administrações da Aliança da Graça, correspondem a estágios progressivos rumo à consumação da Redenção do homem. Cada uma das administrações obscuras (sombras, figuras, tipos) ou proféticas, da Aliança da Graça encontra seu cumprimento em Cristo (a Realidade) o incorporador pessoal da nova aliança. Nele reside o cumprimento de todos os propósitos das alianças de Deus. Palmer (p. 52) propõe um Diagrama 2 para ilustrar Unidade e Diversidade das Alianças. Diagrama 2 V. Manifestações históricas das Alianças Proposta por Palmer
  9. 9. A Teologia do Pacto Presbítero Saulo Campos Igreja Presbiteriana de Natal 9 Os Pactos ou Alianças de Deus com o homem tem sido distinguido em duas alianças principais, com designações variáveis em função da preferência de cada proponente. ALIANÇA PRÉ-CRIAÇÃO – ALIANÇA PÓS-CRIAÇÃO ALIANÇA DA CRIAÇÃO – ALIANÇA DA REDENÇÃO (Palmer Robertson) ALIANÇA DAS OBRAS – ALIANÇA DA GRAÇA ANTIGA ALIANÇA – NOVA ALIANÇA O PACTO DA CRIAÇÃO A Aliança da Criação ocorreu antes da queda do homem no jardim do Éden. MEDIADOR – Adão ESTIPULAÇÃO, ORDENANÇAS (Gn. 1.26-30; 2.3;15-17; 3.6) 1 – Mandado Espiritual => Sábado (Gn. 2.3) 2 – Mandado Social => Casamento (Gn. 2.22-24) 3 – Mandado Cultural => Trabalho (Gn. 1.27-28; 2,15) 4 – Cerimonial => Não Comer do Fruto da Árvore do Conhecimento do Bem e do Mal (2.17), representando um mandamento de obediência pela obediência ao seu Criador. Segundo alguns estudiosos, esta ordenança servia unicamente para lhe mostrar ao homem que ele não era deus. PROMESSA – Vida em harmonia com a criação e comunhão com o seu Criador. BÊNÇÃOS PACTUAIS: Vida em comunhão com Deus, comer de todos os frutos do jardim MALDIÇÕES PACTUAIS: Morte física e espiritual e cessação da Comunhão com o Criador (Gn. 2.17) SELOS E SINAIS DO PACTO: Árvore da Vida O PACTO DA GRAÇA O pacto da criação foi quebrado por Adão e Eva, conforme registrada o Livro de Gênesis (Gn. 3.1-7). Mas a serpente, mais sagaz que todos os animais selváticos que o SENHOR Deus tinha feito, disse à mulher: É assim que Deus disse: Não comereis de toda árvore do jardim? Respondeu-lhe a mulher: Do fruto das árvores do jardim podemos comer, 3 mas do fruto da árvore que está no meio do jardim, disse Deus: Dele não comereis, nem tocareis nele, para que não morrais.
  10. 10. A Teologia do Pacto Presbítero Saulo Campos Igreja Presbiteriana de Natal 10 Então, a serpente disse à mulher: É certo que não morrereis. 5 Porque Deus sabe que no dia em que dele comerdes se vos abrirão os olhos e, como Deus, sereis conhecedores do bem e do mal. Vendo a mulher que a árvore era boa para se comer, agradável aos olhos e árvore desejável para dar entendimento, tomou-lhe do fruto e comeu e deu também ao marido, e ele comeu. Abriram-se, então, os olhos de ambos; e, percebendo que estavam nus, coseram folhas de figueira e fizeram cintas para si. Uma vez quebrado o pacto Deus aplica maldições sobre as criaturas envolvidas na rebelião, a saber a Serpente, Eva e Adão. A Serpente => “Visto que isso fizeste, maldita és entre todos os animais domésticos e o és entre todos os animais selváticos; rastejarás sobre o teu ventre e comerás pó todos os dias da tua vida” (Gn. 3.14). A Mulher => “Porei inimizade entre você (a Serpente) e a mulher, entre a sua descendência e o descendente dela; este lhe ferirá a cabeça, e você lhe ferirá o calcanhar" (Gn. 3.15). “Multiplicarei sobremodo os sofrimentos da tua gravidez; em meio de dores darás à luz filhos; o teu desejo será para o teu marido, e ele te governará.” (Gn. 3.16). O Homem => “maldita é a terra por tua causa; em fadigas obterás dela o sustento durante os dias de tua vida. Ela produzirá também cardos e abrolhos, e tu comerás a erva do campo. No suor do rosto comerás o teu pão, até que tornes à terra, pois dela foste formado; porque tu és pó e ao pó tornarás.” (Gn. 3.17-19) ALIANÇA DA GRAÇA (APÓS A QUEDA) ADÃO – ALIANÇA DO COMEÇO MEDIADOR  Adão ESTIPULAÇÃO, ORDENANÇAS (Gn. 1.26-30; 2.3;15-16) 1 – Mandado Espiritual => Sábado (Gn. 2.3) 2 – Mandado Social => Casamento (Gn. 2.22-24) 3 – Mandado Cultural => Trabalho (Gn. 1.27-28; 2,15) PROMESSA – “o descendente dela (Mulher); este lhe ferirá a cabeça (Serpente), e você lhe (Descendente) ferirá o calcanhar"; BÊNÇÃOS PACTUAIS: Sustento (com suor do rosto); Procriação (com sofrimento da mulher); Esperança do redentor (o Descendente da Mulher). SELOS E SINAIS DO PACTO: Árvore da Vida.
  11. 11. A Teologia do Pacto Presbítero Saulo Campos Igreja Presbiteriana de Natal 11 Nesta nova condição o homem passa a viver uma vida familiar debaixo de desarmonia, a obter o pão de cada dia com o suor do seu rosto, a enfrentar a hostilidade da criação amaldiçoada por sua culpa. Em breve colhe os primeiros frutos da queda quando o primogênito (Caim) mata o irmão (Abel). NOÉ – ALIANÇA DA PRESERVAÇÃO (Genesis 6.17-22; 8.20-22; 9.1-7; E 9.8-17) Antes do Dilúvio Deus cogitou eliminar toda a raça humana, devido ao crescimento desenfreado da perversidade. (Gn. 6.5-6) Porém, dentre a massa de seres depravados Ele se volta graciosamente para Noé e sua Família (Gn. 6.8-9) MEDIADOR  Noé ESTIPULAÇÃO, ORDENANÇAS (Gn. 6.17-22; 8.20-22; 9.1-7; e 9.8-17) 1 – Mandado Espiritual => Sábado 2 – Mandado Social => Casamento 3 – Mandado Cultural => Trabalho 4 – Mandado Cerimonial  Construir uma arca (...);  Entrar na arca com sua família;  Fazer entrar na arca os animais (Gn. 6.14, 18-19);  Exemplares de cada espécie de animal puro e impuro e de aves (Gn. 7.1-3). PROMESSA – Conservar a vida de Noé, da família e dos animais que Deus para a Arca. BÊNÇÃOS PACTUAIS – perpetuação da raça humana e das espécies de animais. SELOS E SINAIS DO PACTO – Arco-íris. (Gn. 9.16-17) RENOVAÇÃO DA ALIANÇA => Inclusão de todo ser vivo (Gn. 9.8-17) Desde o pacto anterior ocorre um agravamento da violência, a desarmonia migra do seio da Família para a Sociedade e depois para a natureza afetando os animais. Então o homicídio passa a ser punido pelo próprio homem (surgimento do Estado?) e os Animais passam a temer ao homem. Deus dá permissão ao homem para abater os animais e consumir sua carne.
  12. 12. A Teologia do Pacto Presbítero Saulo Campos Igreja Presbiteriana de Natal 12 ABRAÃO – ALIANÇA DA PROMESSA (Genesis 12.1-3; 15.8-20; 17.1-14) MEDIADOR  ABRAÃO ESTIPULAÇÃO, ORDENANÇAS 1 – Mandado Espiritual => Sábado 2 – Mandado Social => Casamento 3 – Mandado Cultural => Trabalho 4 – Mandado Cerimonial => Sair da sua terra e da sua parentela (Gn. 12.1). PROMESSA – Pai uma Grande Nação; Nome Engrandecido; Abençoado; e, Abençoador (Gn. 12.2-3) BÊNÇÃOS PACTUAIS: Abençoar todas as famílias da terra. SELOS E SINAIS DO PACTO: A circuncisão DEUS RENOVA A PROMESSA (Gn. 15.4-6)  Herdeiro Natural; Descendência tão numerosa quanto as estrelas.  Ele creu e isto lhe foi imputado por justiça.  Abraão pede um sinal ao Senhor. DEUS FORMALIZA A ALIANÇA DA PROMESSA (Gn. 15.9-21)  Ele cortou e separou as metades dos animais (Gn. 9-10).  Após isso, foi tomado por um sono profundo, em sonho recebe revelação da escravização da nação israelita pelos egípcios, da libertação do povo e da posse da terra (Gn. 12-16).  Ao escurecer um fogo fumegante e uma tocha de fogo passaram entre as metades (Gn. 17-18).  O Profeta Jeremias ilustra o significado deste ritual (Gn. 34.18-19). O SELO E O SINAL DA ALIANÇA (Gn. 17.1-10)  ISMAEL nasce aos 86 anos (Gn. 16.15)  O Senhor aparece aos 99 e lhe diz: “ande na minha presença e sê perfeito”  O senhor muda seu nome de Abrão para Abraão e estabelece o sinal da Aliança, a circuncisão. MOISÉS – ALIANÇA DA LEI
  13. 13. A Teologia do Pacto Presbítero Saulo Campos Igreja Presbiteriana de Natal 13 MEDIADOR  Moisés ESTIPULAÇÃO, ORDENANÇAS (êxodo 31.18)  O Livro da Lei (Estipulações gerais da vontade de Deus)  Tábuas da Lei, as 10 Palavras (Estipulação particular da vontade de Deus). MANDADO CERIMONIAL  Lei Cerimonial BÊNÇÃOS PACTUAIS (Deuteronômio 28.1-13)  1 Se vocês obedecerem fielmente ao Senhor, ao seu Deus, e seguirem cuidadosamente todos os seus mandamentos que hoje lhes dou, o Senhor, o seu Deus, os colocará muito acima de todas as nações da terra. 2 Todas estas bênçãos virão sobre vocês e os acompanharão, se vocês obedecerem ao Senhor, ao seu Deus:  3 Vocês serão abençoados na cidade e serão abençoados no campo.  4 Os filhos do seu ventre serão abençoados, como também as colheitas da sua terra e os bezerros e os cordeiros dos seus rebanhos.  5 A sua cesta e a sua amassadeira serão abençoadas.  6 Vocês serão abençoados em tudo o que fizerem.  7 O Senhor concederá que sejam derrotados diante de vocês os inimigos que os atacarem. Virão a vocês por um caminho, e por sete fugirão.  8 O Senhor enviará bênçãos aos seus celeiros e a tudo o que as suas mãos fizerem. O Senhor, o seu Deus, os abençoará na terra que lhes dá.  9 O Senhor fará de vocês o seu povo santo, conforme prometeu sob juramento, se guardarem os mandamentos do Senhor, do seu Deus, e andarem nos caminhos dele.  10 Então todos os povos da terra verão que vocês são chamados pelo nome do Senhor e terão medo de vocês.  11 O Senhor lhes concederá grande prosperidade, no fruto do seu ventre, nas crias dos seus animais e nas colheitas da sua terra, nesta terra que ele jurou aos seus antepassados que daria a vocês.  12 O Senhor abrirá o céu, o depósito do seu tesouro, para enviar chuva à sua terra no devido tempo e para abençoar todo o trabalho das suas mãos. Vocês emprestarão a muitas nações, e de nenhuma tomarão emprestado.  13 O Senhor fará de vocês a cabeça das nações, e não a cauda. Se obedecerem aos mandamentos do Senhor, do seu Deus, que hoje lhes dou e os seguirem cuidadosamente, vocês estarão sempre por cima, nunca por baixo. MALDIÇÕES PACTUAIS (Deuteronômio 28.1-13)  15 Entretanto, se vocês não obedecerem ao Senhor, ao seu Deus, ..., todas estas maldições cairão sobre vocês e os atingirão:  16 Vocês serão amaldiçoados na cidade e serão amaldiçoados no campo.
  14. 14. A Teologia do Pacto Presbítero Saulo Campos Igreja Presbiteriana de Natal 14  17 A sua cesta e a sua amassadeira serão amaldiçoadas.  18 Os filhos do seu ventre serão amaldiçoados, como também as colheitas da sua terra, os bezerros e os cordeiros dos seus rebanhos.  19 Vocês serão amaldiçoados em tudo o que fizerem.  20 O Senhor enviará sobre vocês maldições, confusão e repreensão em tudo o que fizerem, até que vocês sejam destruídos e sofram repentina ruína pelo mal que praticaram ao se esquecerem dele.  21 O Senhor os encherá de doenças até bani-los da terra em que vocês estão entrando para dela tomar posse.  22 O Senhor os ferirá com doenças devastadoras, febre e inflamação, com calor abrasador e seca, com ferrugem e mofo, que os infestarão até que morram.  23 O céu sobre a sua cabeça será como bronze; o chão debaixo de vocês, como ferro.  24 Na sua terra o Senhor transformará a chuva em cinza e pó, que descerão do céu até que vocês sejam destruídos.  25 O Senhor fará que vocês sejam derrotados pelos inimigos. Vocês irão a eles por um caminho, e por sete fugirão, e vocês se tornarão motivo de horror para todos os reinos da terra.  26 Os seus cadáveres servirão de alimento para todas as aves do céu e para os animais da terra e não haverá quem os espante.  27 O Senhor os castigará com as úlceras do Egito e com tumores, feridas purulentas e sarna, males dos quais vocês não poderão curar-se.  28 O Senhor os afligirá com loucura, cegueira e confusão mental.  29 Ao meio-dia vocês ficarão tateando às voltas, como um cego na escuridão. Vocês não serão bem sucedidos em nada que fizerem; dia após dia serão oprimidos e roubados, sem que ninguém os salve.  30 Você ficará noivo de uma mulher, mas outro homem a possuirá. Construirá uma casa, mas não morará nela. Plantará uma vinha, mas não provará dos seus frutos.  31 O seu boi será abatido diante dos seus olhos, mas você não comerá da sua carne. O seu jumento lhe será tirado à força e não lhe será devolvido. As suas ovelhas serão dadas aos inimigos, e ninguém as livrará.  32 Os seus filhos e as suas filhas serão entregues a outra nação e os seus olhos se consumirão à espera deles, dia após dia, sem que você possa erguer uma só mão para trazê-los de volta.  33 Um povo que vocês não conhecem comerá aquilo que a terra e o seu trabalho produzirem, e vocês sofrerão opressão cruel todos os seus dias. 34 Aquilo que os seus olhos virem os levarão à loucura.  35 O Senhor afligirá os seus joelhos e as suas pernas com feridas dolorosas e incuráveis, e que se espalharão sobre vocês desde a sola do pé até o alto da cabeça.  36 O Senhor os levará, e também o rei que os governar, a uma nação que você e seus antepassados nunca conheceram. Lá vocês adorarão outros deuses, deuses de madeira e de pedra.  37 Vocês serão motivo de horror e motivo de zombaria e de riso para todas as nações para onde o Senhor o levar.
  15. 15. A Teologia do Pacto Presbítero Saulo Campos Igreja Presbiteriana de Natal 15  38 Vocês semearão muito em sua terra, mas colherão bem pouco, porque gafanhotos devorarão quase tudo.  39 Plantarão vinhas e as cultivarão, mas não beberão o vinho nem colherão as uvas, porque os vermes as comerão.  40 Vocês terão oliveiras em todo o país, mas vocês mesmos não utilizarão o azeite, porque as azeitonas cairão.  41 Os seus filhos e filhas não ficarão com vocês, porque serão levados para o cativeiro.  42 Enxames de gafanhotos se apoderarão de todas as suas árvores e das plantações da sua terra.  43 Os estrangeiros que vivem no meio de vocês progredirão cada vez mais, e cada vez mais vocês regredirão.  44 Eles lhes emprestarão dinheiro, mas vocês não emprestarão a eles. Eles serão a cabeça, e vocês serão a cauda.  45 Todas essas maldições cairão sobre vocês. Elas o perseguirão e o alcançarão até que sejam destruídos, porque não obedeceram ao Senhor, ao seu Deus, nem guardaram os mandamentos e decretos que ele lhes deu.  46 Essas maldições serão um sinal e um prodígio para vocês e para os seus descendentes para sempre.  47 Uma vez que vocês não serviram com júbilo e alegria ao Senhor, ao seu Deus, na época da prosperidade,  48 então, em meio à fome e à sede, em nudez e pobreza extrema, vocês servirão aos inimigos que o Senhor enviará contra vocês. Ele porá um jugo de ferro sobre o seu pescoço, até que os tenham destruído.  49 O Senhor trará, de um lugar longínquo, dos confins da terra, uma nação que virá contra vocês como a águia em mergulho, nação cujo idioma não compreenderão,  50 nação de aparência feroz, sem respeito pelos idosos nem piedade para com os moços.  51 Ela devorará as crias dos seus animais e as plantações da sua terra até que vocês sejam destruídos. Ela não lhes deixará cereal, vinho, azeite, como também nenhum bezerro ou cordeiro dos seus rebanhos, até que vocês sejam arruinados.  52 Ela sitiará todas as cidades da sua terra, até que caiam os altos muros fortificados em que vocês confiam. Sitiará todas as suas cidades, em toda a terra que o Senhor, o seu Deus, lhe dá.  53 Por causa do sofrimento que o seu inimigo lhes infligirá durante o cerco, vocês comerão o fruto do próprio ventre, a carne dos filhos e filhas que o Senhor, o seu Deus, lhes deu.  54 Até mesmo o homem mais gentil e educado entre vocês não terá compaixão do seu irmão, da mulher que ama e dos filhos que sobreviverem,  55 de modo que não dará a nenhum deles nenhum pedaço da carne dos seus filhos que estiver comendo, pois nada lhe sobrará devido aos sofrimentos que o seu inimigo lhe infligirá durante o cerco de todas as suas cidades.  56 A mulher mais gentil e delicada entre vocês, tão delicada e gentil que não ousaria encostar no chão a sola do pé, será mesquinha com o marido a quem ama e com o filho e a filha,
  16. 16. A Teologia do Pacto Presbítero Saulo Campos Igreja Presbiteriana de Natal 16  57 não lhes dando a placenta do ventre nem os filhos que gerar. Pois a sua intenção é comê- los secretamente durante o cerco e no sofrimento que o seu inimigo infligirá a você em suas cidades.  58 Se vocês não seguirem fielmente todas as palavras desta lei, escritas neste livro, e não temerem este nome glorioso e terrível, o Senhor, o seu Deus,  59 ele enviará pestes terríveis sobre vocês e sobre os seus descendentes, desgraças horríveis e prolongadas, doenças graves e persistentes.  60 Ele trará sobre vocês todas as temíveis doenças do Egito, e vocês as contrairão.  61 O Senhor também fará vir sobre vocês todo tipo de enfermidade e desgraça não registradas neste Livro da Lei, até que sejam destruídos.  62 Vocês, que no passado foram tantos quanto as estrelas do céu, ficarão reduzidos a um pequeno número, porque não obedeceram ao Senhor, ao seu Deus.  63 Assim como foi agradável ao Senhor fazê-los prosperar e aumentar em número, também lhe será agradável arruiná-los e destruí-los. Vocês serão desarraigados da terra em que estão entrando para dela tomar posse.  64 Então o Senhor os espalhará pelas nações, de um lado ao outro da terra. Ali vocês adorarão outros deuses; deuses de madeira e de pedra, que vocês e os seus antepassados nunca conheceram.  65 No meio daquelas nações vocês não encontrarão repouso, nem mesmo um lugar de descanso para a sola dos pés. Lá o Senhor lhes dará coração desesperado, olhos exaustos de tanto esperar, e alma ansiosa.  66 Vocês viverão em constante incerteza, cheios de terror, dia e noite, sem nenhuma segurança na vida.  67 De manhã dirão: "Quem me dera fosse noite! " E de noite: "Ah, quem me dera fosse dia! ", por causa do terror que lhes encherá o coração e por aquilo que os seus olhos verão.  68 O Senhor os enviará de volta ao Egito, ou em navios ou pelo caminho que eu lhes disse que nunca mais poderiam percorrer. Lá vocês serão postos à venda como escravos e escravas, mas ninguém os comprará. SINAL DA ALIANÇA  A Guarda do Sábado. DAVI – ALIANÇA DO REINO (2 Samuel 7, Salmo 2.6-7) MEDIADOR  Rei Davi PROMESSA (2Sm. 12-16)  Descendente que seria Filho de Davi e Filho de Deus, o Rei Messiânico (13)  Um Trono perpétuo em Jerusalém (13, 16)  Casa e Reino estabelecidos para sempre – Família Real e Trono (16)
  17. 17. A Teologia do Pacto Presbítero Saulo Campos Igreja Presbiteriana de Natal 17 O SELO E O SINAL DA ALIANÇA O Trono do Senhor em Jerusalém (1 Crônicas 29.23; Jeremias 3.17) SIGNIFICADO DA ALIANÇA DO REINO  A conexão entre Pacto e Reino revela a natureza espiritual do Reino.  O Reino não é um Estado judeu ou cristão, mas a habitação de Deus com seu povo, “Deus conosco”, o princípio Emanuel de todos os Pactos.  No centro do Reino está a Casa de Deus, o Templo do AT prefigurando a Igreja, o Corpo de Cristo no NT.  Cristo, o Cabeça da Igreja, exerce o tríplice Ofício de Profeta, Sacerdote e Rei. ESTAS FORAM AS ÚLTIMAS PALAVRAS DE DAVI: Não está assim com Deus a minha casa? Pois estabeleceu comigo uma aliança eterna, em tudo bem definida e segura. Não me fará ele prosperar toda a minha salvação e toda a minha esperança? (2Sm 23.5) [ARA] O PACTO COM CRISTO – A NOVA ALIANÇA OU ALIANÇA DA CONSUMAÇÃO (Jeremias 31.31-33 e outros Profetas) MEDIADOR  Jesus Cristo PROMESSA  Porei a minha lei na sua mente e a escreverei no seu coração.  Eu serei o seu Deus, e eles serão o meu povo. CELEBRAÇÃO  Cristo, o último Adão, o Anjo da Aliança, o Mediador Perfeito cumpriu a Lei em nosso favor, imputando sua justiça sobre nós.  Sacrifício substitutivo de Cristo no Calvário  A aspersão do Seu sobre os eleitos nos redime e purifica do pecado SELO E SINAL DA NOVA E ETERNA ALIANÇA  O Batismo e A Ceia do Senhor REFERÊNCIAS
  18. 18. A Teologia do Pacto Presbítero Saulo Campos Igreja Presbiteriana de Natal 18 A Teologia do Pacto é o Cristianismo Histórico. Ligon Duncan. Disponível em: http://www.monergismo.com/textos/teologia_pacto/pactohistorico.ht Confissão de Fé de Westminster. Disponível em: https://ipb.org.br/recursos/download/a- confissao-de-fe-de-westminster-148 O Cristo dos Pactos, O. Palmer Robertson. São Paulo: Cultura Cristã, 2 ed. 2011. O que é Teologia do Pacto. Ligon Duncan. Disponível em: http://www.monergismo.com/textos/teologia_pacto/teologiapacto.htm Uma breve introdução ao estudo Pacto 1 e 2. Mauro Meister. Disponível em: https://cpaj.mackenzie.br/wpcontent/uploads/2019/02/7_Uma_Breve_Introducao_ao_Estu do_do_Pacto_Mauro_Meister.pdf>; e, <https://cpaj.mackenzie.br/wp- content/uploads/2019/04/6_Uma_Breve_Introducao_ao_Estudo_do_Pacto_2_Mauro_Mei ster.pdf>. TEOLOGIA SISTEMÁTICA: Uma análise histórica, bíblica e apologética para o contexto atual. Franklin Ferreira e Alan Myatt. São Paulo: Vida Nova, 2007 (p. 1005-07). Teologia Pactual & Dispensacionalismo. William R. Downing. O Estandarte de Cristo. Disponível em: https://www.google.com/url?sa=t&rct=j&q=&esrc=s&source=web&cd=&ved=2ahUKEwjA_ ob2ysryAhXjr5UCHVeRD- gQFnoECAIQAQ&url=https%3A%2F%2Foestandartedecristo.com%2Fdata%2FTeologiaP actualeDispensacionalismoWilliamR.Downing.pdf&usg=AOvVaw136gNwJggzl9MlYnuuDf ER O DISPENSACIONALISMO E SUAS IMPLICAÇÕES DOUTRINÁRIAS. João Alves dos Santos. Disponível em: http://www.seminariojmc.br/index.php/2018/01/15/o- dispensacionalismo-e-suas-implicacoes-doutrinarias/ RECOMENDAÇÕES Endereço da Playlist: https://youtube.com/playlist?list=PLJfWHF14OGJv6NmInhixi9c dhXRsGZVr8

×