SlideShare uma empresa Scribd logo
INSTITUTO SÃO BOAVENTURA (ISB)
      2º Semestre de Intr. Da Bíblia / 2010


             Professor: Maria Cecília




         TRABALHO


        DEI VERBUM
CONSTITUIÇÃO DOGMÁTICA
SOBRE A REVELÇÃO DIVIDA




             Genival Alves de Sousa
Brasília, Agosto 30 de 2010.




                                         C APITULO        I

                                        A REVELAÇÃO



Natureza e objeto da revelação

       2. Deus, na sua bondade e sabedoria revelar-se a si mesmo e dar a conhecer o ministério da
sua vontade (Ef 1, 9). Esta “economia” da revelação faz-se por meio de ações e palavras
intimamente relacionadas entre si, porém, a verdade profunda contida nesta revelação, tanto a
respeito de Deus como a respeito da salvação dos homens, manifesta-se a nós na pessoa de Jesus
Cristo, que é, simultaneamente, o mediador e a plenitude de toda revelação.

Preparação da revelação evangélica

           3. Deus, decidindo abrir o caminho da salvação sobrenatural, manifestou-se, desde o
princípio, aos nossos primeiros pais. No devido tempo, chamou Abraão, para fazer dele um grande
povo assim preparou Deus através dos tempos o caminho ao Evangelho.

Cristo completa a revelação

        4. Falou-nos Deus ultimamente nestes nossos dias, através de seu Filho (Hb 1,1-2). Verbo
feito carne, enviado “como homem para os homens”, “fala as palavras de Deus” (Jo 3,34).
Portanto, a “economia” cristã, como nova e definitiva aliança, jamais passará, e não é possível
esperar nenhuma outra revelação pública antes da gloriosa manifestação de nosso Senhor Jesus
Cristo (I Tm 6,14; Tt 2,13).

A revelação acolhida com fé

        5. Para prestar esta fé, é necessário o prévio auxílio da graça divina e o auxílio interior do
Espírito Santo, para mover e converter a Deus os corações, para entender-mos a revelação sempre
mais profundamente, o mesmo Espírito Santo aperfeiçoa sem cessar a fé mediante seus dons.

As verdades reveladas

      6. Pela revelação divina quis Deus manifesta-se e comunicar-se a si mesmo “Deus, princípio
e fim de todas as coisas, tornou-se inteligível aquilo que nas coisas divinas não é acessível à razão
humana, pode ser conhecido por todos com facilidade, firme certeza e sem mistura de erro”.




                                         C APITULO        II
                                                  2
A TRASMISSÃO
                                DA REVELAÇÃO DIVINA



Os apóstolos e seus sucessores, arautos do Evangelho.

         7. Deus mandou que os apóstolos pregassem a todos, comunicando-lhes os dons divinos,
este mandato foi realizado com fidelidade. Porém, para que o Evangelho fosse perenemente
conservado íntegro e vivo na Igreja, a sagrada Tradição e a sagrada Escritura dos dois
Testamentos são como um espelho no qual a Igreja, peregrina na terra, contempla a Deus face a
face tal qual ele é (I Jo 3,2).

A Sagrada Tradição

        8. Os apóstolos, transmitindo o que eles mesmos tinham recebido, advertem os fies a que
mantenham as tradições que tinham aprendido, quer por palavra quer por escrito (II Ts 2, 15), e
que lutem pela fé uma vez recebida ( Jd 3). Esta tradição apostólica progride na Igreja sob a
assistência do Espírito Santo. As afirmações dos Santos Padres testemunham à presença
vivificadora desta Tradição, chega ao conhecimento da Igreja o cânone inteiro dos Livros sagrados
Deus, que outrora falou, continua sempre a dialogar com a esposa de seu amado Filho, e o Espírito
Santo, pelo qual ressoa a voz viva do Evangelho na Igreja, e pala Igreja, no mundo.

Relação mútua entre a Tradição e a Sagrada Escritura

           9. A sagrada Tradição e a Sagrada Escritura relacionam-se estreitamente. A Sagrada
Escritura é a Palavra de Deus; a Sagrada Tradição, por sua vez, transmite integralmente aos
sucessores dos apóstolos a Palavra de Deus confiada por Cristo Senhor e pelo Espírito Santo aos
apóstolos.

Relação da Tradição e da Sagrada Escritura com toda a Igreja e com o Magistério

      10. A Sagrada Tradição e a Sagrada Escritura constituem um só depósito sagrado da Palavra
de Deus, este Magistério não está acima da Palavra de Deus, mas sim a seu serviço, não ensinando
senão o que foi transmitido, a Sagrada Tradição, o Magistério da Igreja relacionam e se associam
que um sem os outros não se mantém, mas todos juntos, cada um a seu modo, sob a ação do
mesmo Espírito Santo, colaboram eficazmente para a salvação das almas.

                                       C APITULO        III

      A INSPIRAÇÃO DIVINA E A INTERPRETAÇÃO DA SAGRADA
                          ESCRITURA


Inspiração e verdade na Sagrada Escritura

        11. As coisas reveladas por Deus, que se encontram escritas na Sagrada Escritura, foram
inspiradas pelo Espírito Santo. Deus escolheu e serviu-se de homens na posse das suas faculdades
e capacidades. Por isso, “toda a Escritura, divinamente inspirada, é útil para ensinar, para argüir,
para corrigir, para instruir na justiça: para que o homem de Deus seja perfeito, qualificado para
todas as obras boas” (II Tm 3, 16-17).
                                                 3
Interpretação da Sagrada Escritura

        12. Deus na Sagrada Escritura falou por meio dos homens e à maneira humana, “os gêneros
literários”. Ora de um modo ora de outro, segundo se trata de gêneros históricos, proféticos,
poéticos ou outros do seu tempo e da sua cultura, a Sagrada Escritura deve ser lida e interpretada
como o mesmo Espírito com que foi escrita, com efeito, tudo quanto diz respeito à interpretação
da Escritura, está sujeito ao juízo último da Igreja.

A “condescendência” da sabedoria divina

     13. Para conhecermos a inefável benignidade de Deus, como outrora o Verbo do eterno Pai,
tomando a fraqueza da carne humana, se tornou semelhante aos homens.

                                       C APITULO       IV

                               O ANTIGO TESTAMENTO


A história da salvação nos livros do Antigo Testamento

        14. Deus estabelecido uma aliança com Abraão (Gn 15,18), revelou-se a esse povo com
palavras e obras: “Tudo quanto foi escrito, o foi para nossa instrução, para que por meio da
paciência e consolação que nos vêm da Escritura, tenhamos esperança” (Rm 15,4).

Importância do Antigo Testamento para os cristãos

        15. A economia do Antigo Testamento manifestam a todos o conhecimento de Deus e do
homem e o modo com que Deus justo e misericordioso trata os homens. Por isso, os fiéis devem
aceitar com devoção estes livros que exprimem um vivo sentido de Deus que se esconde o
mistério da nossa salvação.

Unidade dos dois Testamentos

         16. Deus dispôs sabiamente que o Novo Testamento estivesse escondido no Antigo, e o
antigo se tornasse claro no Novo que o iluminam e explicam.

                                       C APITULO        V

                                 O NOVO TESTAMENTO


Excelência do Novo Testamento

       17. A palavra de Deus apresenta-se e manifesta seu vigor de modo eminente nos escritos do
Novo Testamento. Cristo estabeleceu o Reino de Deus na terra, e levou a cabo sua obra com sua
morte, ressurreição e gloriosa ascensão, sendo levantado da terra, atrai todos a si (Jo 12,32). Os
escritos do Novo Testamento são testemunhos perene e divino de todas estas coisas.

Origem apostólica dos Evangelhos



                                                4
18. A Igreja defendeu e defende sempre e em toda a parte a origem apostólica dos quatro
evangelhos, os apóstolos, por ordem de Cristo, pregaram por inspiração do Espírito Santo os
quatro evangelhos, segundo Mateus, Marcos, Lucas e João.

Caráter histórico dos Evangelhos

      19. A santa Mãe Igreja defendeu e defende estes quatro evangelho, na verdade, os apóstolos,
após a Ascensão do Senhor, transmitiram aos seus ouvintes algumas coisas entre as muitas
transmitidas por palavra ou escrito, segundo a própria memória e recordação, quer baseados no
testemunho daqueles “que desde o principio viram e foram ministros da palavra” (Lc 1,2-4).

Os outros escritos do Novo Testamento

       20. O cânone do Novo Testamento, as epistolas de são Paulo e outros escritos diz respeito a
Cristo Senhor. Jesus estava presente, assistiu os seus apóstolos (Mt 28,20), e enviou-lhes o
Espírito Santo que os devia introduzir na plenitude da verdade (Jo 16,13).

                                       C APITULO       VI

                A SAGRADA ESCRITURA NA VIDA DA IGREJA


A Igreja venera a Sagrada Escritura

        21. A Igreja teve sempre em grande veneração as divinas Escrituras, sempre as considerou,
e continua a considerar, juntamente com a Sagrada Tradição. Com efeito, nos Livros Sagrados, o
Pai que está nos céus vem amorosamente ao encontro dos seus filhos a conversar com eles: “A
Palavra de Deus é viva e eficaz” (Hb 4,12) e “é capaz de edificar e dar-vos a herança em todos os
santificados” (At 20,32; I Ts 2,13).

As traduções devem ser esmeradas

         22. É preciso que os fiéis tenham acesso amplo à Sagrada Escritura, quer orientais quer
latinas, sobretudo a chamada Vulgata. Mas, visto que a Palavra de Deus deve estar sempre à
disposição. Se essas traduções, forem feitas em colaboração com os irmãos separados, poderão ser
usadas por todos os cristãos.

O dever apostólico dos estudiosos

       23. O estudo dos Santos padres do Oriente e do Ocidente, os exegetas católicos e os demais
estudiosos da Sagrada Teologia, estudem e expliquem as Divinas Letras das Escrituras, que
ilumine a mente, robusteça a vontade e inflame os corações dos homens no amor de Deus.
Redobrando os esforços e mantendo-se sempre fiéis ao sentir da Igreja.

Importância da Sagrada Escritura para a teologia

       24. A Sagrada Teologia juntamente com a Sagrada Tradição, se consolida firmemente à luz
da fé, por isso, o estudo destes Sagrados Livros deve ser como que a alma da Sagrada Teologia.
Como proveito se alimenta e santamente se revigora com a palavra da Escritura.

Recomenda-se a leitura da Sagrada Escritura


                                                5
25. É necessário, que todos os clérigos sacerdotes diáconos e os catequistas, mantenham
contato intimo com as Escrituras, “a fim de que nenhum deles se torne pregador vão da palavra de
Deus por fora, por não a ouvir de dentro”, porque “a ignorância das Escrituras é ignorância de
Cristo”. Lembre-se, porém, de que a leitura da Sagrada Escritura deve ser acompanhada da oração,
para que seja possível o colóquio entre Deus e o homem. Compete aos sagrados pastores ensinar
os fiéis que lhe foram confiados a usarem retamente os livros divinos, de modo particular o Novo
Testamento, e, sobretudo os Evangelhos. E se embebam do seu espírito.

Conclusão

      26. Deste modo, “a Palavra de Deus se difunda e seja glorificada” (II Ts 3,1), com a assídua
freqüência do Mistério Eucarístico, se fizermos crescer a veneração pela Palavra de Deus, que
“permanece para sempre” (Is 40,8; I Pd 1,23-25).

Promulgação

        Todas e cada uma das coisas que nesta Constituição se declararam pela autoridade
apostólica com os Veneráveis padres, mandamos promulgar o que o Concílio estabeleceu.




                                                6

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Eucaristia
EucaristiaEucaristia
Eucaristia
Samuel Elanio
 
01 Dei Verbum
01  Dei Verbum01  Dei Verbum
01 Dei Verbum
Léo Mendonça
 
Liturgia: SAGRADA CEIA DO SENHOR: “O MISTÉRIO DA FÉ”
Liturgia: SAGRADA CEIA DO SENHOR: “O MISTÉRIO DA FÉ”Liturgia: SAGRADA CEIA DO SENHOR: “O MISTÉRIO DA FÉ”
Liturgia: SAGRADA CEIA DO SENHOR: “O MISTÉRIO DA FÉ”
Leandro Couto
 
Querigma e catequese
Querigma e catequeseQuerigma e catequese
Querigma e catequese
Francisco Rodrigues
 
Ano liturgico
Ano liturgicoAno liturgico
Ano liturgico
Jean
 
O sacramento da crisma
O sacramento da crismaO sacramento da crisma
O sacramento da crisma
Si Leão
 
Sacramento da Eucaristia.pptx
Sacramento da Eucaristia.pptxSacramento da Eucaristia.pptx
Sacramento da Eucaristia.pptx
BrunoPaz18
 
Capitulo 4 Estrutura e Organização da Igreja - Uma explicativa de toda a or...
Capitulo 4   Estrutura e Organização da Igreja - Uma explicativa de toda a or...Capitulo 4   Estrutura e Organização da Igreja - Uma explicativa de toda a or...
Capitulo 4 Estrutura e Organização da Igreja - Uma explicativa de toda a or...
Klaus Newman
 
Sagrado Magistério da Igreja Católica
Sagrado Magistério da Igreja Católica Sagrado Magistério da Igreja Católica
Sagrado Magistério da Igreja Católica
Gleicy Laranjeira - Consultora de Marketing Digital
 
O espirito santo de deus
O  espirito  santo  de  deusO  espirito  santo  de  deus
O espirito santo de deus
Edilson Jose Barbosa Barbosa
 
Semana santa formação
Semana santa formaçãoSemana santa formação
Semana santa formação
mbsilva1971
 
Treinamento para diáconos
Treinamento para diáconosTreinamento para diáconos
Treinamento para diáconos
Carlos Cirleno Neves
 
Formação de Liturgia - 03/11/2013
Formação de Liturgia - 03/11/2013Formação de Liturgia - 03/11/2013
Formação de Liturgia - 03/11/2013
eusouaimaculada
 
Mariologia - Dogmas
Mariologia - DogmasMariologia - Dogmas
Mariologia - Dogmas
Camila Pascoal
 
Os sacramentos da igreja - Aula 01
Os sacramentos da igreja - Aula 01Os sacramentos da igreja - Aula 01
Os sacramentos da igreja - Aula 01
Rubens Júnior
 
Panorama do NT - Mateus
Panorama do NT - MateusPanorama do NT - Mateus
Panorama do NT - Mateus
Respirando Deus
 
Formação para Ministros Extraordinário da Palavra 17° encontro pps
Formação para Ministros Extraordinário da Palavra 17° encontro ppsFormação para Ministros Extraordinário da Palavra 17° encontro pps
Formação para Ministros Extraordinário da Palavra 17° encontro pps
José Luiz Silva Pinto
 
Retiro com catequistas
Retiro com catequistasRetiro com catequistas
Retiro com catequistas
José Vieira Dos Santos
 
A Revelação Divina
A Revelação DivinaA Revelação Divina
A Revelação Divina
DimensaoCatolica
 
Formação com Catequistas
Formação com CatequistasFormação com Catequistas
Formação com Catequistas
José Vieira Dos Santos
 

Mais procurados (20)

Eucaristia
EucaristiaEucaristia
Eucaristia
 
01 Dei Verbum
01  Dei Verbum01  Dei Verbum
01 Dei Verbum
 
Liturgia: SAGRADA CEIA DO SENHOR: “O MISTÉRIO DA FÉ”
Liturgia: SAGRADA CEIA DO SENHOR: “O MISTÉRIO DA FÉ”Liturgia: SAGRADA CEIA DO SENHOR: “O MISTÉRIO DA FÉ”
Liturgia: SAGRADA CEIA DO SENHOR: “O MISTÉRIO DA FÉ”
 
Querigma e catequese
Querigma e catequeseQuerigma e catequese
Querigma e catequese
 
Ano liturgico
Ano liturgicoAno liturgico
Ano liturgico
 
O sacramento da crisma
O sacramento da crismaO sacramento da crisma
O sacramento da crisma
 
Sacramento da Eucaristia.pptx
Sacramento da Eucaristia.pptxSacramento da Eucaristia.pptx
Sacramento da Eucaristia.pptx
 
Capitulo 4 Estrutura e Organização da Igreja - Uma explicativa de toda a or...
Capitulo 4   Estrutura e Organização da Igreja - Uma explicativa de toda a or...Capitulo 4   Estrutura e Organização da Igreja - Uma explicativa de toda a or...
Capitulo 4 Estrutura e Organização da Igreja - Uma explicativa de toda a or...
 
Sagrado Magistério da Igreja Católica
Sagrado Magistério da Igreja Católica Sagrado Magistério da Igreja Católica
Sagrado Magistério da Igreja Católica
 
O espirito santo de deus
O  espirito  santo  de  deusO  espirito  santo  de  deus
O espirito santo de deus
 
Semana santa formação
Semana santa formaçãoSemana santa formação
Semana santa formação
 
Treinamento para diáconos
Treinamento para diáconosTreinamento para diáconos
Treinamento para diáconos
 
Formação de Liturgia - 03/11/2013
Formação de Liturgia - 03/11/2013Formação de Liturgia - 03/11/2013
Formação de Liturgia - 03/11/2013
 
Mariologia - Dogmas
Mariologia - DogmasMariologia - Dogmas
Mariologia - Dogmas
 
Os sacramentos da igreja - Aula 01
Os sacramentos da igreja - Aula 01Os sacramentos da igreja - Aula 01
Os sacramentos da igreja - Aula 01
 
Panorama do NT - Mateus
Panorama do NT - MateusPanorama do NT - Mateus
Panorama do NT - Mateus
 
Formação para Ministros Extraordinário da Palavra 17° encontro pps
Formação para Ministros Extraordinário da Palavra 17° encontro ppsFormação para Ministros Extraordinário da Palavra 17° encontro pps
Formação para Ministros Extraordinário da Palavra 17° encontro pps
 
Retiro com catequistas
Retiro com catequistasRetiro com catequistas
Retiro com catequistas
 
A Revelação Divina
A Revelação DivinaA Revelação Divina
A Revelação Divina
 
Formação com Catequistas
Formação com CatequistasFormação com Catequistas
Formação com Catequistas
 

Destaque

Dei Verbum Popular
Dei Verbum PopularDei Verbum Popular
Dei Verbum Popular
P S
 
Dei Verbum
Dei VerbumDei Verbum
Dei Verbum
ulsabcr
 
Dei verbum
Dei verbum Dei verbum
Dei verbum
Elaine Ribeiro
 
Taller divina revelacion
Taller divina revelacionTaller divina revelacion
Taller divina revelacion
franzjhs
 
Exortação Apostólica Verbum Domini - Papa Bento XVI
Exortação Apostólica Verbum Domini - Papa Bento XVIExortação Apostólica Verbum Domini - Papa Bento XVI
Exortação Apostólica Verbum Domini - Papa Bento XVI
José Eduardo
 
Adult Ed Dei Verbum
Adult Ed Dei VerbumAdult Ed Dei Verbum
Adult Ed Dei Verbum
StSimons
 
Cateq es 06
Cateq es 06Cateq es 06
Cateq es 06
Coco Loaiza
 
Verbum camino
Verbum caminoVerbum camino
Verbum camino
suramericanovd
 
El camino hacia el mesías
El camino hacia el mesíasEl camino hacia el mesías
El camino hacia el mesías
El Mesías Reynosa Tamaulipas
 
Exortação apostólica verbum domini
Exortação apostólica verbum dominiExortação apostólica verbum domini
Exortação apostólica verbum domini
Kleber Silva
 
Teología fundamental tema 5 - 2009-10
Teología fundamental tema 5 - 2009-10Teología fundamental tema 5 - 2009-10
Teología fundamental tema 5 - 2009-10
Martin Ruiz Jerez
 
Fase de ampliación de la Teología Fundamental
Fase de ampliación de la Teología FundamentalFase de ampliación de la Teología Fundamental
Fase de ampliación de la Teología Fundamental
pilar sánchez alvarez
 
La transmision de la revelacion
La transmision de la revelacionLa transmision de la revelacion
La transmision de la revelacion
loremision
 
La Revelación: Sagrada Escritura, Tradición y Magisterio
La Revelación: Sagrada Escritura, Tradición y MagisterioLa Revelación: Sagrada Escritura, Tradición y Magisterio
La Revelación: Sagrada Escritura, Tradición y Magisterio
Karen Castrillón Hillpha
 
Introdução à sagrada escritura
Introdução à sagrada escrituraIntrodução à sagrada escritura
Introdução à sagrada escritura
Zenilton Dias Dos Santos
 
¿Sólo biblia? Las fuentes de la Revelación
¿Sólo biblia? Las fuentes de la Revelación¿Sólo biblia? Las fuentes de la Revelación
¿Sólo biblia? Las fuentes de la Revelación
manu2002
 
Las Sagradas Escrituras
Las Sagradas EscriturasLas Sagradas Escrituras
Las Sagradas Escrituras
Juan Pena
 
DIOS SALE AL ENCUENTRO DEL HOMBRE: LA REVELACION
DIOS SALE AL ENCUENTRO DEL HOMBRE: LA REVELACIONDIOS SALE AL ENCUENTRO DEL HOMBRE: LA REVELACION
DIOS SALE AL ENCUENTRO DEL HOMBRE: LA REVELACION
Coco Loaiza
 
La transmisión de la revelación
La transmisión de la revelaciónLa transmisión de la revelación
La transmisión de la revelación
GabbuFer
 
Biblia y revelación
Biblia y revelaciónBiblia y revelación
Biblia y revelación
Julio César
 

Destaque (20)

Dei Verbum Popular
Dei Verbum PopularDei Verbum Popular
Dei Verbum Popular
 
Dei Verbum
Dei VerbumDei Verbum
Dei Verbum
 
Dei verbum
Dei verbum Dei verbum
Dei verbum
 
Taller divina revelacion
Taller divina revelacionTaller divina revelacion
Taller divina revelacion
 
Exortação Apostólica Verbum Domini - Papa Bento XVI
Exortação Apostólica Verbum Domini - Papa Bento XVIExortação Apostólica Verbum Domini - Papa Bento XVI
Exortação Apostólica Verbum Domini - Papa Bento XVI
 
Adult Ed Dei Verbum
Adult Ed Dei VerbumAdult Ed Dei Verbum
Adult Ed Dei Verbum
 
Cateq es 06
Cateq es 06Cateq es 06
Cateq es 06
 
Verbum camino
Verbum caminoVerbum camino
Verbum camino
 
El camino hacia el mesías
El camino hacia el mesíasEl camino hacia el mesías
El camino hacia el mesías
 
Exortação apostólica verbum domini
Exortação apostólica verbum dominiExortação apostólica verbum domini
Exortação apostólica verbum domini
 
Teología fundamental tema 5 - 2009-10
Teología fundamental tema 5 - 2009-10Teología fundamental tema 5 - 2009-10
Teología fundamental tema 5 - 2009-10
 
Fase de ampliación de la Teología Fundamental
Fase de ampliación de la Teología FundamentalFase de ampliación de la Teología Fundamental
Fase de ampliación de la Teología Fundamental
 
La transmision de la revelacion
La transmision de la revelacionLa transmision de la revelacion
La transmision de la revelacion
 
La Revelación: Sagrada Escritura, Tradición y Magisterio
La Revelación: Sagrada Escritura, Tradición y MagisterioLa Revelación: Sagrada Escritura, Tradición y Magisterio
La Revelación: Sagrada Escritura, Tradición y Magisterio
 
Introdução à sagrada escritura
Introdução à sagrada escrituraIntrodução à sagrada escritura
Introdução à sagrada escritura
 
¿Sólo biblia? Las fuentes de la Revelación
¿Sólo biblia? Las fuentes de la Revelación¿Sólo biblia? Las fuentes de la Revelación
¿Sólo biblia? Las fuentes de la Revelación
 
Las Sagradas Escrituras
Las Sagradas EscriturasLas Sagradas Escrituras
Las Sagradas Escrituras
 
DIOS SALE AL ENCUENTRO DEL HOMBRE: LA REVELACION
DIOS SALE AL ENCUENTRO DEL HOMBRE: LA REVELACIONDIOS SALE AL ENCUENTRO DEL HOMBRE: LA REVELACION
DIOS SALE AL ENCUENTRO DEL HOMBRE: LA REVELACION
 
La transmisión de la revelación
La transmisión de la revelaciónLa transmisión de la revelación
La transmisión de la revelación
 
Biblia y revelación
Biblia y revelaciónBiblia y revelación
Biblia y revelación
 

Semelhante a Resumo dei verbum

teologia introdução.ppt
teologia introdução.pptteologia introdução.ppt
teologia introdução.ppt
TatianeHernandes3
 
Formação de Formadores III - Documentos Concílio.pptx
Formação de Formadores III - Documentos Concílio.pptxFormação de Formadores III - Documentos Concílio.pptx
Formação de Formadores III - Documentos Concílio.pptx
VivianeGomes635254
 
Biblia 01-a-revelacao
Biblia 01-a-revelacaoBiblia 01-a-revelacao
Biblia 01-a-revelacao
Ricardo Neves
 
Introdução à Sagrada Escritura - A Revelação Divina.
Introdução à Sagrada Escritura - A Revelação Divina.  Introdução à Sagrada Escritura - A Revelação Divina.
Introdução à Sagrada Escritura - A Revelação Divina.
Rayman Assunção
 
Constituição dogmática dei verbum
Constituição dogmática dei verbumConstituição dogmática dei verbum
Constituição dogmática dei verbum
Diêgo De Lima Dantas
 
Biblia introducao-resumo
Biblia introducao-resumoBiblia introducao-resumo
Biblia introducao-resumo
Ricardo Neves
 
Dei Verbum
Dei VerbumDei Verbum
Constituição dogmática dei verbum
Constituição dogmática dei verbumConstituição dogmática dei verbum
Constituição dogmática dei verbum
Cassio Felipe
 
Constituição dogmática dei verbum
Constituição dogmática dei verbumConstituição dogmática dei verbum
Constituição dogmática dei verbum
Cassio Felipe
 
Palestra ministros palavra
Palestra ministros palavraPalestra ministros palavra
Palestra ministros palavra
luciano
 
DEI VERBUM.pdf
DEI VERBUM.pdfDEI VERBUM.pdf
DEI VERBUM.pdf
ssusera4be091
 
EBD IBNA_10 Novembro.pdf
EBD IBNA_10 Novembro.pdfEBD IBNA_10 Novembro.pdf
EBD IBNA_10 Novembro.pdf
Zakeu A. Zengo
 
Sexta feira semana de formação
Sexta feira   semana de formaçãoSexta feira   semana de formação
Sexta feira semana de formação
Luciano852456
 
Apostila do novo testamento
Apostila do novo testamentoApostila do novo testamento
Apostila do novo testamento
HALAINDELON PEREIRA
 
Bíblia - introdução
Bíblia - introduçãoBíblia - introdução
teologia eclesiologia e missiologia
teologia   eclesiologia e missiologiateologia   eclesiologia e missiologia
teologia eclesiologia e missiologia
alexandrepsantos
 
IBADEP - ECLESIOLOGIA E MISSIOLOGIA
IBADEP - ECLESIOLOGIA E MISSIOLOGIAIBADEP - ECLESIOLOGIA E MISSIOLOGIA
IBADEP - ECLESIOLOGIA E MISSIOLOGIA
Coop. Fabio Silva
 
Comentário: 3° Domingo do Tempo Comum - Ano C
Comentário: 3° Domingo do Tempo Comum - Ano CComentário: 3° Domingo do Tempo Comum - Ano C
Comentário: 3° Domingo do Tempo Comum - Ano C
José Lima
 
Homilética - lição - 02
Homilética - lição - 02Homilética - lição - 02
Homilética - lição - 02
Ev Nelson Fernandes
 
Comentário: Domingo da Trindade - Ano C
Comentário: Domingo da Trindade - Ano CComentário: Domingo da Trindade - Ano C
Comentário: Domingo da Trindade - Ano C
José Lima
 

Semelhante a Resumo dei verbum (20)

teologia introdução.ppt
teologia introdução.pptteologia introdução.ppt
teologia introdução.ppt
 
Formação de Formadores III - Documentos Concílio.pptx
Formação de Formadores III - Documentos Concílio.pptxFormação de Formadores III - Documentos Concílio.pptx
Formação de Formadores III - Documentos Concílio.pptx
 
Biblia 01-a-revelacao
Biblia 01-a-revelacaoBiblia 01-a-revelacao
Biblia 01-a-revelacao
 
Introdução à Sagrada Escritura - A Revelação Divina.
Introdução à Sagrada Escritura - A Revelação Divina.  Introdução à Sagrada Escritura - A Revelação Divina.
Introdução à Sagrada Escritura - A Revelação Divina.
 
Constituição dogmática dei verbum
Constituição dogmática dei verbumConstituição dogmática dei verbum
Constituição dogmática dei verbum
 
Biblia introducao-resumo
Biblia introducao-resumoBiblia introducao-resumo
Biblia introducao-resumo
 
Dei Verbum
Dei VerbumDei Verbum
Dei Verbum
 
Constituição dogmática dei verbum
Constituição dogmática dei verbumConstituição dogmática dei verbum
Constituição dogmática dei verbum
 
Constituição dogmática dei verbum
Constituição dogmática dei verbumConstituição dogmática dei verbum
Constituição dogmática dei verbum
 
Palestra ministros palavra
Palestra ministros palavraPalestra ministros palavra
Palestra ministros palavra
 
DEI VERBUM.pdf
DEI VERBUM.pdfDEI VERBUM.pdf
DEI VERBUM.pdf
 
EBD IBNA_10 Novembro.pdf
EBD IBNA_10 Novembro.pdfEBD IBNA_10 Novembro.pdf
EBD IBNA_10 Novembro.pdf
 
Sexta feira semana de formação
Sexta feira   semana de formaçãoSexta feira   semana de formação
Sexta feira semana de formação
 
Apostila do novo testamento
Apostila do novo testamentoApostila do novo testamento
Apostila do novo testamento
 
Bíblia - introdução
Bíblia - introduçãoBíblia - introdução
Bíblia - introdução
 
teologia eclesiologia e missiologia
teologia   eclesiologia e missiologiateologia   eclesiologia e missiologia
teologia eclesiologia e missiologia
 
IBADEP - ECLESIOLOGIA E MISSIOLOGIA
IBADEP - ECLESIOLOGIA E MISSIOLOGIAIBADEP - ECLESIOLOGIA E MISSIOLOGIA
IBADEP - ECLESIOLOGIA E MISSIOLOGIA
 
Comentário: 3° Domingo do Tempo Comum - Ano C
Comentário: 3° Domingo do Tempo Comum - Ano CComentário: 3° Domingo do Tempo Comum - Ano C
Comentário: 3° Domingo do Tempo Comum - Ano C
 
Homilética - lição - 02
Homilética - lição - 02Homilética - lição - 02
Homilética - lição - 02
 
Comentário: Domingo da Trindade - Ano C
Comentário: Domingo da Trindade - Ano CComentário: Domingo da Trindade - Ano C
Comentário: Domingo da Trindade - Ano C
 

Último

UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
djincognito
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
sthefanydesr
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
enpfilosofiaufu
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 

Último (20)

UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 

Resumo dei verbum

  • 1. INSTITUTO SÃO BOAVENTURA (ISB) 2º Semestre de Intr. Da Bíblia / 2010 Professor: Maria Cecília TRABALHO DEI VERBUM CONSTITUIÇÃO DOGMÁTICA SOBRE A REVELÇÃO DIVIDA Genival Alves de Sousa
  • 2. Brasília, Agosto 30 de 2010. C APITULO I A REVELAÇÃO Natureza e objeto da revelação 2. Deus, na sua bondade e sabedoria revelar-se a si mesmo e dar a conhecer o ministério da sua vontade (Ef 1, 9). Esta “economia” da revelação faz-se por meio de ações e palavras intimamente relacionadas entre si, porém, a verdade profunda contida nesta revelação, tanto a respeito de Deus como a respeito da salvação dos homens, manifesta-se a nós na pessoa de Jesus Cristo, que é, simultaneamente, o mediador e a plenitude de toda revelação. Preparação da revelação evangélica 3. Deus, decidindo abrir o caminho da salvação sobrenatural, manifestou-se, desde o princípio, aos nossos primeiros pais. No devido tempo, chamou Abraão, para fazer dele um grande povo assim preparou Deus através dos tempos o caminho ao Evangelho. Cristo completa a revelação 4. Falou-nos Deus ultimamente nestes nossos dias, através de seu Filho (Hb 1,1-2). Verbo feito carne, enviado “como homem para os homens”, “fala as palavras de Deus” (Jo 3,34). Portanto, a “economia” cristã, como nova e definitiva aliança, jamais passará, e não é possível esperar nenhuma outra revelação pública antes da gloriosa manifestação de nosso Senhor Jesus Cristo (I Tm 6,14; Tt 2,13). A revelação acolhida com fé 5. Para prestar esta fé, é necessário o prévio auxílio da graça divina e o auxílio interior do Espírito Santo, para mover e converter a Deus os corações, para entender-mos a revelação sempre mais profundamente, o mesmo Espírito Santo aperfeiçoa sem cessar a fé mediante seus dons. As verdades reveladas 6. Pela revelação divina quis Deus manifesta-se e comunicar-se a si mesmo “Deus, princípio e fim de todas as coisas, tornou-se inteligível aquilo que nas coisas divinas não é acessível à razão humana, pode ser conhecido por todos com facilidade, firme certeza e sem mistura de erro”. C APITULO II 2
  • 3. A TRASMISSÃO DA REVELAÇÃO DIVINA Os apóstolos e seus sucessores, arautos do Evangelho. 7. Deus mandou que os apóstolos pregassem a todos, comunicando-lhes os dons divinos, este mandato foi realizado com fidelidade. Porém, para que o Evangelho fosse perenemente conservado íntegro e vivo na Igreja, a sagrada Tradição e a sagrada Escritura dos dois Testamentos são como um espelho no qual a Igreja, peregrina na terra, contempla a Deus face a face tal qual ele é (I Jo 3,2). A Sagrada Tradição 8. Os apóstolos, transmitindo o que eles mesmos tinham recebido, advertem os fies a que mantenham as tradições que tinham aprendido, quer por palavra quer por escrito (II Ts 2, 15), e que lutem pela fé uma vez recebida ( Jd 3). Esta tradição apostólica progride na Igreja sob a assistência do Espírito Santo. As afirmações dos Santos Padres testemunham à presença vivificadora desta Tradição, chega ao conhecimento da Igreja o cânone inteiro dos Livros sagrados Deus, que outrora falou, continua sempre a dialogar com a esposa de seu amado Filho, e o Espírito Santo, pelo qual ressoa a voz viva do Evangelho na Igreja, e pala Igreja, no mundo. Relação mútua entre a Tradição e a Sagrada Escritura 9. A sagrada Tradição e a Sagrada Escritura relacionam-se estreitamente. A Sagrada Escritura é a Palavra de Deus; a Sagrada Tradição, por sua vez, transmite integralmente aos sucessores dos apóstolos a Palavra de Deus confiada por Cristo Senhor e pelo Espírito Santo aos apóstolos. Relação da Tradição e da Sagrada Escritura com toda a Igreja e com o Magistério 10. A Sagrada Tradição e a Sagrada Escritura constituem um só depósito sagrado da Palavra de Deus, este Magistério não está acima da Palavra de Deus, mas sim a seu serviço, não ensinando senão o que foi transmitido, a Sagrada Tradição, o Magistério da Igreja relacionam e se associam que um sem os outros não se mantém, mas todos juntos, cada um a seu modo, sob a ação do mesmo Espírito Santo, colaboram eficazmente para a salvação das almas. C APITULO III A INSPIRAÇÃO DIVINA E A INTERPRETAÇÃO DA SAGRADA ESCRITURA Inspiração e verdade na Sagrada Escritura 11. As coisas reveladas por Deus, que se encontram escritas na Sagrada Escritura, foram inspiradas pelo Espírito Santo. Deus escolheu e serviu-se de homens na posse das suas faculdades e capacidades. Por isso, “toda a Escritura, divinamente inspirada, é útil para ensinar, para argüir, para corrigir, para instruir na justiça: para que o homem de Deus seja perfeito, qualificado para todas as obras boas” (II Tm 3, 16-17). 3
  • 4. Interpretação da Sagrada Escritura 12. Deus na Sagrada Escritura falou por meio dos homens e à maneira humana, “os gêneros literários”. Ora de um modo ora de outro, segundo se trata de gêneros históricos, proféticos, poéticos ou outros do seu tempo e da sua cultura, a Sagrada Escritura deve ser lida e interpretada como o mesmo Espírito com que foi escrita, com efeito, tudo quanto diz respeito à interpretação da Escritura, está sujeito ao juízo último da Igreja. A “condescendência” da sabedoria divina 13. Para conhecermos a inefável benignidade de Deus, como outrora o Verbo do eterno Pai, tomando a fraqueza da carne humana, se tornou semelhante aos homens. C APITULO IV O ANTIGO TESTAMENTO A história da salvação nos livros do Antigo Testamento 14. Deus estabelecido uma aliança com Abraão (Gn 15,18), revelou-se a esse povo com palavras e obras: “Tudo quanto foi escrito, o foi para nossa instrução, para que por meio da paciência e consolação que nos vêm da Escritura, tenhamos esperança” (Rm 15,4). Importância do Antigo Testamento para os cristãos 15. A economia do Antigo Testamento manifestam a todos o conhecimento de Deus e do homem e o modo com que Deus justo e misericordioso trata os homens. Por isso, os fiéis devem aceitar com devoção estes livros que exprimem um vivo sentido de Deus que se esconde o mistério da nossa salvação. Unidade dos dois Testamentos 16. Deus dispôs sabiamente que o Novo Testamento estivesse escondido no Antigo, e o antigo se tornasse claro no Novo que o iluminam e explicam. C APITULO V O NOVO TESTAMENTO Excelência do Novo Testamento 17. A palavra de Deus apresenta-se e manifesta seu vigor de modo eminente nos escritos do Novo Testamento. Cristo estabeleceu o Reino de Deus na terra, e levou a cabo sua obra com sua morte, ressurreição e gloriosa ascensão, sendo levantado da terra, atrai todos a si (Jo 12,32). Os escritos do Novo Testamento são testemunhos perene e divino de todas estas coisas. Origem apostólica dos Evangelhos 4
  • 5. 18. A Igreja defendeu e defende sempre e em toda a parte a origem apostólica dos quatro evangelhos, os apóstolos, por ordem de Cristo, pregaram por inspiração do Espírito Santo os quatro evangelhos, segundo Mateus, Marcos, Lucas e João. Caráter histórico dos Evangelhos 19. A santa Mãe Igreja defendeu e defende estes quatro evangelho, na verdade, os apóstolos, após a Ascensão do Senhor, transmitiram aos seus ouvintes algumas coisas entre as muitas transmitidas por palavra ou escrito, segundo a própria memória e recordação, quer baseados no testemunho daqueles “que desde o principio viram e foram ministros da palavra” (Lc 1,2-4). Os outros escritos do Novo Testamento 20. O cânone do Novo Testamento, as epistolas de são Paulo e outros escritos diz respeito a Cristo Senhor. Jesus estava presente, assistiu os seus apóstolos (Mt 28,20), e enviou-lhes o Espírito Santo que os devia introduzir na plenitude da verdade (Jo 16,13). C APITULO VI A SAGRADA ESCRITURA NA VIDA DA IGREJA A Igreja venera a Sagrada Escritura 21. A Igreja teve sempre em grande veneração as divinas Escrituras, sempre as considerou, e continua a considerar, juntamente com a Sagrada Tradição. Com efeito, nos Livros Sagrados, o Pai que está nos céus vem amorosamente ao encontro dos seus filhos a conversar com eles: “A Palavra de Deus é viva e eficaz” (Hb 4,12) e “é capaz de edificar e dar-vos a herança em todos os santificados” (At 20,32; I Ts 2,13). As traduções devem ser esmeradas 22. É preciso que os fiéis tenham acesso amplo à Sagrada Escritura, quer orientais quer latinas, sobretudo a chamada Vulgata. Mas, visto que a Palavra de Deus deve estar sempre à disposição. Se essas traduções, forem feitas em colaboração com os irmãos separados, poderão ser usadas por todos os cristãos. O dever apostólico dos estudiosos 23. O estudo dos Santos padres do Oriente e do Ocidente, os exegetas católicos e os demais estudiosos da Sagrada Teologia, estudem e expliquem as Divinas Letras das Escrituras, que ilumine a mente, robusteça a vontade e inflame os corações dos homens no amor de Deus. Redobrando os esforços e mantendo-se sempre fiéis ao sentir da Igreja. Importância da Sagrada Escritura para a teologia 24. A Sagrada Teologia juntamente com a Sagrada Tradição, se consolida firmemente à luz da fé, por isso, o estudo destes Sagrados Livros deve ser como que a alma da Sagrada Teologia. Como proveito se alimenta e santamente se revigora com a palavra da Escritura. Recomenda-se a leitura da Sagrada Escritura 5
  • 6. 25. É necessário, que todos os clérigos sacerdotes diáconos e os catequistas, mantenham contato intimo com as Escrituras, “a fim de que nenhum deles se torne pregador vão da palavra de Deus por fora, por não a ouvir de dentro”, porque “a ignorância das Escrituras é ignorância de Cristo”. Lembre-se, porém, de que a leitura da Sagrada Escritura deve ser acompanhada da oração, para que seja possível o colóquio entre Deus e o homem. Compete aos sagrados pastores ensinar os fiéis que lhe foram confiados a usarem retamente os livros divinos, de modo particular o Novo Testamento, e, sobretudo os Evangelhos. E se embebam do seu espírito. Conclusão 26. Deste modo, “a Palavra de Deus se difunda e seja glorificada” (II Ts 3,1), com a assídua freqüência do Mistério Eucarístico, se fizermos crescer a veneração pela Palavra de Deus, que “permanece para sempre” (Is 40,8; I Pd 1,23-25). Promulgação Todas e cada uma das coisas que nesta Constituição se declararam pela autoridade apostólica com os Veneráveis padres, mandamos promulgar o que o Concílio estabeleceu. 6