SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 5
Baixar para ler offline
AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AUGUSTO CABRITA
TESTE DE PORTUGUÊS - Módulo 4
Curso Vocacional – 9º ano
2015-2016
Aluno: ___________________________________________Turma: ______Nº:_______
Classificação: ________________ Profª: ______ Encarregado de Educação:__________
Grupo I - Parte A
Lê, com atenção, o texto A retirado do conto“A Aia” de Eça de Queirós.
“A rainha chorou magnificamente o rei. Chorou ainda desoladamente o esposo, que era formoso e
alegre. Mas, sobretudo, chorou ansiosamente o pai, que assim deixava o filhinho desamparado, no meio de
tantosinimigos da sua frágil vida e do reino que seria seu, sem um braço que o defendesse, forte pela força e
forte pelo amor.
Desses inimigos o mais temeroso era seu tio, irmão bastardo do rei, homem depravado e bravio,5
consumido de cobiças grosseiras, desejando só a realeza por causa dos seus tesouros, e que havia anos vivia
num castelo sobre os montes, com uma horda de rebeldes, à maneira de um lobo que, entre a sua atalaia,
esperaa presa.Ai!a presaagora era aquelacriancinha,rei de mama,senhor de tantas províncias, e que dormia
no seu berço com seu guizo de ouro fechado na mão!
Ao ladodele,outromeninodormianoutroberço.Mas este eraum escravozinho,filhoda bela e robusta10
escravaque amamentavao príncipe.Ambostinhamnascidonamesmanoite de Verão. O mesmo seio os criara.
Quando a rainha, antes de adormecer, vinha beijar o principezinho, que tinha o cabelo louro e fino, beijava
também,poramor dele,oescravozinho,que tinha o cabelo negro e crespo. Os olhos de ambos reluziam como
pedraspreciosas.Somente,oberçode um era magnífico,de marfimentre brocados - e o berço de outro, pobre
e de verga.A leal escrava,porém,aamboscercava de carinho igual,porque,se umera o seu filho, o outro se ria15
o seu rei.
Nascidanaquelacasareal,elatinhaa paixão,areligiãodosseussenhores.Nenhum pranto correra mais
sentidamente doque oseupelorei mortoà beirado grande rio.Pertencia,porém, a uma raça que acredita que
a vidada Terra se continuanoCéu.O rei seuamo, decerto,jáestaria agora reinando em outro reino, para além
das nuvens, abundante também em searas e cidades. O seu cavalo de batalha, as suas armas, os seus pajens20
tinham subido com ele às alturas. Os seus vassalos, que fossem morrendo, prontamente iriam nesse reino
celeste retomar em torno dele a sua vassalagem. E ela um dia, por seu turno, remontaria num raio de luz a
habitar o palácio do seu senhor, e a fiar de novo o linho das suas túnicas, e a acender de novo a caçoleta dos
seus perfumes; seria no Céu como fora na Terra, e feliz na sua servidão.”
1. Para cada uma das afirmações que se seguem, escreve a letra correspondente a Verdadeira (V) ou Falsa (F),
de acordo com o sentido do texto.
1.1. A repetição da forma verbal “chorou”, no primeiro parágrafo, enfatiza a dor da rainha.
1.2. A expressão “o mais temeroso era seu tio” (l.5) realça o temor que o tio bastardo sentia.
1.3. O tio bastardo ambicionava mais o poder do que a fortuna do reino.
1.4. Na frase “Ai! a presa agora era aquela criancinha…” o narrador é objetivo.
1.5. O guizo de ouro é um dos elementos que permite caracterizar socialmente o príncipe.
1.6. A comparação “ Os olhos de ambos reluziam como pedras preciosas.” (l. 13) valoriza o brilho dos olhos do
Escravozinho e do Principezinho.
1.7. A escrava gosta de igual modo do Escravozinho e do Principezinho, embora por motivos diferentes.
1.8. A Aia chorou sentidamente a morte do rei por ambos terem a mesma religião.
2. Responde agora de forma completa às questõesque te vão sendo colocadas. Salvo indicação em contrário,
constrói frases completas e utiliza as tuas próprias palavras.
2.1. A morte do rei tem duas consequências: uma de ordem sentimental e outra de ordem política. Relê o
primeiro parágrafo do texto e explicita-as, justificando a tua resposta.
2.2. Identificaorecursoestilísticoutilizadonaseguinte expressão “vivia (…) à maneira de um lobo que, entre a
sua atalaia, espera a presa.” (l. 7 e 8)
2.3. Relê o último parágrafo do excerto transcrito.
2.3.1. Para a Aia,o Rei era representaçãoterrenadadivindade.Transcreveafrase que,nesse parágrafo,
transmite essa ideia.
Parte B
Lê agora o texto B, também um excerto do conto “A Aia” de Eça de Queirós.
“Mas como?Que bolsasde ouro podempagar umfilho?Então,umvelhode casta nobre lembrou que ela
fosse levadaaotesouroreal,e escolhessede entre essasriquezas,que eramasmaioresda Índia, todas as que o
seu desejo apetecesse...
A rainha tomou a mão da serva. E sem que a sua face de mármore perdesse a rigidez, com um andar de
morta, como num sonho, foi assim conduzida para a câmara dos tesouros. Senhores, aias, homens de armas,5
seguiamnumrespeitotãocomovido que apenasse ouvia o roçar das sandálias nas lajes. As espessas portas do
tesouro rolaram lentamente. E, quando um servo destrancou as janelas, a luz da madrugada, já clara e rósea,
entrandopelosgradeamentosde ferro, acendeu um maravilhoso e faiscante incêndio de ouro e pedrarias! Do
chão de rocha até às sombriasabóbadas,portoda a câmara, reluziam, cintilavam, refulgiamosescudosde ouro,
as armas marchetadas, os montões de diamantes, as pilhas de moedas, os longos fios de pérolas, todas as10
riquezasdaquele reino,acumuladasporcemreisdurante vinte séculos. Um longo “Ah!” – lento e maravilhado,
passoupor sobre a turba que emudecera.Depoishouve um silêncio, ansioso. E no meio da câmara, envolta na
refulgência preciosa, a ama não se movia... Apenas os seus olhos, brilhantes e secos, se tinham erguido para
aquele céuque,alémdasgrades, se tingiade rosa e de ouro. Era lá, nesse céufresco de madrugada, que estava
agora o seu menino. Estava lá, e já o Sol se erguia, e era tarde, e o seu menino chorava decerto, e procurava o15
seupeito!...Entãoa ama sorriue estendeuamão. Todos seguiam, semrespirar,aquele lentomoverda sua mão
aberta. Que jóia maravilhosa, que fio de diamantes, que punhado de rubis, ia ela escolher?
A ama estendiaamão - e sobre um escabelo ao lado, entre um molho de armas, agarrou um punhal. Era
um punhal de um velho rei, todo cravejado de esmeraldas, e que valia uma província.
Agarrara o punhal, e com ele apertado fortemente na mão, apontando para o céu, onde subiam os20
primeiros raios do Sol, encarou a rainha, a multidão, e gritou:
– Salvei o meu príncipe - e agora vou dar de mamar ao meu filho!
E cravou o punhal no coração.”
1. Selecionaem cada item a alternativa que permite obter a afirmação adequada ao sentido
do texto.
1.1. O uso da interrogação no início do excerto…
a) ...coloca em dúvida que a Aia merecesse uma recompensa.
b) …coloca em causa a recompensa que poderia pagar um filho.
c) …revela que a multidão condenava a atitude da Aia.
1.2. A expressão “ a sua face de mármore” (l. 4) refere-se…
a) …à Rainha.
b) …à Aia.
c) …à Morta.
1.3. A expressão “num respeito tão comovido” (l. 6) …
a) …introduz a comparação com “o roçar das sandálias nas lajes”.
b) …reflete a comoção da multidão por ter acesso à câmara dos tesouros.
c) …reflete a gratidão perante o ato heroico da Aia.
1.4. A frase “Então a ama sorriu e estendeu a mão.” (l. 16) indica que …
a) …a Aia estava feliz por entrar na câmara dos tesouros e poder escolher uma joia.
b) …a Aia encontro a solução para o seu drama.
c) … a Aia estava feliz por ela e o seu filho serem o centro das atenções
1.5.As personagens mais relevantes do excerto transcrito são…
a) …a Aia e a Rainha.
b) …a Aia, o Escravozinho e a Rainha.
c) … a Aia, a Rainha e o “velho de casta nobre”.
2. Responde agora de forma completa às questões que te vão sendo colocadas.
2.1.Localiza o excerto na ação do conto, ou seja, em que parte da história do conto ocorre o
excerto do texto B?
2.2.Comosabes,a Aiaé a personagemprincipal doconto.ConsiderandootextoB,caracteriza-
a fisicamente e psicologicamente.
2.3.Indica três referências temporais presentes no excerto.
2.4.Transcreve do texto um exemplo de dupla adjetivação.
2.5.Identificaosrecursosestilísticospresentesnoseguinte segmento textual e conclui acerca
do seuvalorexpressivo:“…por todaa câmara, reluziam, cintilavam, refulgiam os escudos
de ouro, as armas marchetadas,osmontõesde diamantes,aspilhasde moedas, os longos
fios de pérolas, todas as riquezas daquele reino, acumuladas por cem reis durante vinte
séculos.”
Parte C
1. As sequênciasnarrativasapresentadasresumemasaçõescompreendidasentre os textos A
e B. Ordena-os de acordo com o sentido do conto “A Aia”.
I) Comunicação da morte do tio bastardo e da do “principezinho”.
II) Invasão da câmara pela Rainha, gritando.
III) Medo que reinava no palácio.
IV) Pressentimento da Aiai de que algo de terrível iria acontecer.
V) Rapto do “Principezinho”.
VI) Tomada de consciência, pela Rainha, do ato heroico da Aia.
VII) Troca das crianças.
Grupo II
1. Lê as frases que se seguem:
Frase 1: Heroicamente, a leal Aia entregou o filho à horda do cruel tio bastardo.
Frase 2: O rei era jovem e valente.
Frase 3: Senhora, o Principezinho sobreviveu!
1.1 Faz a análise sintática da frase 1.
1.2. Atenta na mesma frase e transcreve:
a) Um nome comum concreto.
b) Um nome coletivo.
c) Um advérbio.
d) Dois adjetivos.
1.3. Indica as funções sintáticas dos segmentos sublinhados, nas frases 2 e 3.
2. Faz o levantamentodosadvérbios e dosverbosque se encontrem no Pretérito Perfeito do
Indicativo, do primeiro parágrafo do texto A.
3. Refere os modos de representação do discurso presentes nos textos A e B, justificando a
tua resposta.
Grupo III
Escolhe apenas um dos temas apresentados e desenvolve-o num texto entre 100 e 150
palavras.
Tema 1: Mantendo o primeiro parágrafo do conto “A Aia”, elabora uma outra história cujo
título seja “O reino da Terrível Rainha”.
1º Parágrafo do conto “A Aia”:
“Era uma vez um rei, moço e valente, senhor de um reino abundante em
cidadese searas,que partira a batalharpor terras distantes,deixando solitária e triste
a sua rainha e um filhinho, que ainda vivia no seu berço, dentro das suas faixas.
Tema 2: A Aia suicidou-se. Como reagiram a rainha e a multidão ao seu suicídio? Imagina a
continuação do conto.
Cotação:
Grupo I – 100 pontos Grupo II- 50 pontos Grupo III – 50 pontos
Parte A
1- 8 pontos
2- 40 pontos
Parte B
1- 5 pontos +40 pontos
Parte C-
1- 7 pontos
1 – 14 pontos
1.2- 8 pontos
1.3 – 4 pontos
2. 6 pontos
3. 8 pontos
4 . 10 pontos (5 pontos+5
pontos)
Estruturação temática e discursiva -
35 pontos
Correção linguística –
15 pontos
Bom trabalho!
A professora Sandra Marques 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mensagem: Análise "O Bandarra"
Mensagem: Análise "O Bandarra"Mensagem: Análise "O Bandarra"
Mensagem: Análise "O Bandarra"InsdeCastro7
 
Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas Lurdes Augusto
 
Predicativo do complemento direto
Predicativo do complemento diretoPredicativo do complemento direto
Predicativo do complemento diretoquintaldasletras
 
Análise do episódio "Inês de Castro"
Análise do episódio "Inês de Castro"Análise do episódio "Inês de Castro"
Análise do episódio "Inês de Castro"Inês Moreira
 
Recursos expressivos com exercícios
Recursos expressivos com exercíciosRecursos expressivos com exercícios
Recursos expressivos com exercíciosFernanda Monteiro
 
Teste 9 b_auto (1)
Teste 9 b_auto (1)Teste 9 b_auto (1)
Teste 9 b_auto (1)apfandradeg
 
Ficha formativa_ Relação entre palavras
Ficha formativa_ Relação entre palavrasFicha formativa_ Relação entre palavras
Ficha formativa_ Relação entre palavrasRaquel Antunes
 
Leandro rei da heliria caracterização das personagens2
Leandro rei da heliria   caracterização das personagens2Leandro rei da heliria   caracterização das personagens2
Leandro rei da heliria caracterização das personagens2Belmira Baptista
 
Subclasses dos verbos exercícios
Subclasses dos verbos exercíciosSubclasses dos verbos exercícios
Subclasses dos verbos exercíciosquintaldasletras
 
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do PoetaOs Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do PoetaDina Baptista
 
Gigante Adamastor, d'Os Lusíadas
Gigante Adamastor, d'Os LusíadasGigante Adamastor, d'Os Lusíadas
Gigante Adamastor, d'Os LusíadasDina Baptista
 
Mensagem - Antemanhã
Mensagem - AntemanhãMensagem - Antemanhã
Mensagem - AntemanhãSofia_Afonso
 
Ficha trabalho coordenação
Ficha trabalho coordenaçãoFicha trabalho coordenação
Ficha trabalho coordenaçãoMargarida Gomes
 
Correcao do teste aia net
Correcao  do teste aia netCorrecao  do teste aia net
Correcao do teste aia netostrapaula
 

Mais procurados (20)

Mensagem: Análise "O Bandarra"
Mensagem: Análise "O Bandarra"Mensagem: Análise "O Bandarra"
Mensagem: Análise "O Bandarra"
 
Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas
 
Predicativo do complemento direto
Predicativo do complemento diretoPredicativo do complemento direto
Predicativo do complemento direto
 
Análise do episódio "Inês de Castro"
Análise do episódio "Inês de Castro"Análise do episódio "Inês de Castro"
Análise do episódio "Inês de Castro"
 
Recursos expressivos com exercícios
Recursos expressivos com exercíciosRecursos expressivos com exercícios
Recursos expressivos com exercícios
 
Teste 9 b_auto (1)
Teste 9 b_auto (1)Teste 9 b_auto (1)
Teste 9 b_auto (1)
 
Ficha formativa_ Relação entre palavras
Ficha formativa_ Relação entre palavrasFicha formativa_ Relação entre palavras
Ficha formativa_ Relação entre palavras
 
Leandro rei da heliria caracterização das personagens2
Leandro rei da heliria   caracterização das personagens2Leandro rei da heliria   caracterização das personagens2
Leandro rei da heliria caracterização das personagens2
 
Subclasses dos verbos exercícios
Subclasses dos verbos exercíciosSubclasses dos verbos exercícios
Subclasses dos verbos exercícios
 
Testes 6º ano etapas
Testes 6º ano etapasTestes 6º ano etapas
Testes 6º ano etapas
 
Recursos expressivos
Recursos expressivosRecursos expressivos
Recursos expressivos
 
Proposição
ProposiçãoProposição
Proposição
 
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do PoetaOs Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
 
Determinantes
DeterminantesDeterminantes
Determinantes
 
Gigante Adamastor, d'Os Lusíadas
Gigante Adamastor, d'Os LusíadasGigante Adamastor, d'Os Lusíadas
Gigante Adamastor, d'Os Lusíadas
 
Mensagem - Antemanhã
Mensagem - AntemanhãMensagem - Antemanhã
Mensagem - Antemanhã
 
Complemento oblíquo
Complemento oblíquoComplemento oblíquo
Complemento oblíquo
 
03 progress tests
03 progress tests03 progress tests
03 progress tests
 
Ficha trabalho coordenação
Ficha trabalho coordenaçãoFicha trabalho coordenação
Ficha trabalho coordenação
 
Correcao do teste aia net
Correcao  do teste aia netCorrecao  do teste aia net
Correcao do teste aia net
 

Semelhante a Teste a aia 2

Recensão crítica - a aia
Recensão crítica - a aia Recensão crítica - a aia
Recensão crítica - a aia AMLDRP
 
Correção do guião das páginas 204 e 205
Correção do guião das páginas 204 e 205Correção do guião das páginas 204 e 205
Correção do guião das páginas 204 e 205ElisabeteMarques
 
Categorias da Narrativa em "A Aia"
Categorias da Narrativa em "A Aia"Categorias da Narrativa em "A Aia"
Categorias da Narrativa em "A Aia"Maria João C. Conde
 
Os príncipes gémeos, in Queres Ouvir? Eu Conto!, Irene Lisboa
Os príncipes gémeos, in Queres Ouvir? Eu Conto!, Irene LisboaOs príncipes gémeos, in Queres Ouvir? Eu Conto!, Irene Lisboa
Os príncipes gémeos, in Queres Ouvir? Eu Conto!, Irene LisboaPaula Carvalho
 
Fi a aia muito bom
Fi a aia muito bomFi a aia muito bom
Fi a aia muito bomostrapaula
 
Ficha de trabalho sobre as categorias da narrativa-AAia.docx
Ficha de trabalho sobre as categorias da narrativa-AAia.docxFicha de trabalho sobre as categorias da narrativa-AAia.docx
Ficha de trabalho sobre as categorias da narrativa-AAia.docxBeatriz Gomes
 
A aia conto e question
A aia conto e questionA aia conto e question
A aia conto e questionostrapaula
 
Ae plv5 teste_avancado2
Ae plv5 teste_avancado2Ae plv5 teste_avancado2
Ae plv5 teste_avancado2Ana Paula
 
Ae plv5 teste_avancado2
Ae plv5 teste_avancado2Ae plv5 teste_avancado2
Ae plv5 teste_avancado2Ana Paula
 
Eça de Queirós - A Aia (1).pdf
Eça de Queirós - A Aia (1).pdfEça de Queirós - A Aia (1).pdf
Eça de Queirós - A Aia (1).pdfBeatriz Gomes
 

Semelhante a Teste a aia 2 (20)

1ª Ficha Formativa
1ª Ficha Formativa1ª Ficha Formativa
1ª Ficha Formativa
 
Recensão crítica - a aia
Recensão crítica - a aia Recensão crítica - a aia
Recensão crítica - a aia
 
Correção do guião das páginas 204 e 205
Correção do guião das páginas 204 e 205Correção do guião das páginas 204 e 205
Correção do guião das páginas 204 e 205
 
A aia
A aiaA aia
A aia
 
teste adaptado- AAia.doc
teste adaptado-  AAia.docteste adaptado-  AAia.doc
teste adaptado- AAia.doc
 
Amadis de Gaula
Amadis de GaulaAmadis de Gaula
Amadis de Gaula
 
Categorias da Narrativa em "A Aia"
Categorias da Narrativa em "A Aia"Categorias da Narrativa em "A Aia"
Categorias da Narrativa em "A Aia"
 
Os príncipes gémeos, in Queres Ouvir? Eu Conto!, Irene Lisboa
Os príncipes gémeos, in Queres Ouvir? Eu Conto!, Irene LisboaOs príncipes gémeos, in Queres Ouvir? Eu Conto!, Irene Lisboa
Os príncipes gémeos, in Queres Ouvir? Eu Conto!, Irene Lisboa
 
Fi a aia muito bom
Fi a aia muito bomFi a aia muito bom
Fi a aia muito bom
 
Ficha de trabalho sobre as categorias da narrativa-AAia.docx
Ficha de trabalho sobre as categorias da narrativa-AAia.docxFicha de trabalho sobre as categorias da narrativa-AAia.docx
Ficha de trabalho sobre as categorias da narrativa-AAia.docx
 
Questionário a aia
Questionário a aiaQuestionário a aia
Questionário a aia
 
A aia
A aiaA aia
A aia
 
A aia conto e question
A aia conto e questionA aia conto e question
A aia conto e question
 
Ae plv5 teste_avancado2
Ae plv5 teste_avancado2Ae plv5 teste_avancado2
Ae plv5 teste_avancado2
 
Ae plv5 teste_avancado2
Ae plv5 teste_avancado2Ae plv5 teste_avancado2
Ae plv5 teste_avancado2
 
Luís vaz de camões (1524 – 1580
Luís vaz de camões (1524 – 1580Luís vaz de camões (1524 – 1580
Luís vaz de camões (1524 – 1580
 
Ficha de leitura
Ficha de leituraFicha de leitura
Ficha de leitura
 
Elogio a Don Quixote - Conferências literárias - Gabinete Português de Leitu...
Elogio a  Don Quixote - Conferências literárias - Gabinete Português de Leitu...Elogio a  Don Quixote - Conferências literárias - Gabinete Português de Leitu...
Elogio a Don Quixote - Conferências literárias - Gabinete Português de Leitu...
 
A aia
A aiaA aia
A aia
 
Eça de Queirós - A Aia (1).pdf
Eça de Queirós - A Aia (1).pdfEça de Queirós - A Aia (1).pdf
Eça de Queirós - A Aia (1).pdf
 

Mais de sandramarques8

Planificação a médio prazo CLC - UFCD 4.doc
Planificação a médio prazo CLC - UFCD 4.docPlanificação a médio prazo CLC - UFCD 4.doc
Planificação a médio prazo CLC - UFCD 4.docsandramarques8
 
aula_1_-_ficha_uniao_europeia_-_paises_membros_e_capitas.docx
aula_1_-_ficha_uniao_europeia_-_paises_membros_e_capitas.docxaula_1_-_ficha_uniao_europeia_-_paises_membros_e_capitas.docx
aula_1_-_ficha_uniao_europeia_-_paises_membros_e_capitas.docxsandramarques8
 
Teste compreensao-oral-camoes
Teste compreensao-oral-camoesTeste compreensao-oral-camoes
Teste compreensao-oral-camoessandramarques8
 
Planificação ee 8ºano
Planificação ee 8ºanoPlanificação ee 8ºano
Planificação ee 8ºanosandramarques8
 
Ficha de-trabalho-saga
Ficha de-trabalho-sagaFicha de-trabalho-saga
Ficha de-trabalho-sagasandramarques8
 

Mais de sandramarques8 (8)

Planificação a médio prazo CLC - UFCD 4.doc
Planificação a médio prazo CLC - UFCD 4.docPlanificação a médio prazo CLC - UFCD 4.doc
Planificação a médio prazo CLC - UFCD 4.doc
 
aula_1_-_ficha_uniao_europeia_-_paises_membros_e_capitas.docx
aula_1_-_ficha_uniao_europeia_-_paises_membros_e_capitas.docxaula_1_-_ficha_uniao_europeia_-_paises_membros_e_capitas.docx
aula_1_-_ficha_uniao_europeia_-_paises_membros_e_capitas.docx
 
UFDC6 DR1.docx
UFDC6 DR1.docxUFDC6 DR1.docx
UFDC6 DR1.docx
 
NG 5 DR1 e DR2.doc
NG 5 DR1 e DR2.docNG 5 DR1 e DR2.doc
NG 5 DR1 e DR2.doc
 
Clc ufcd 3 ra1 e ra2
Clc ufcd 3 ra1 e ra2Clc ufcd 3 ra1 e ra2
Clc ufcd 3 ra1 e ra2
 
Teste compreensao-oral-camoes
Teste compreensao-oral-camoesTeste compreensao-oral-camoes
Teste compreensao-oral-camoes
 
Planificação ee 8ºano
Planificação ee 8ºanoPlanificação ee 8ºano
Planificação ee 8ºano
 
Ficha de-trabalho-saga
Ficha de-trabalho-sagaFicha de-trabalho-saga
Ficha de-trabalho-saga
 

Último

Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETOProjeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETODouglasVasconcelosMa
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.HildegardeAngel
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...nexocan937
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxProva de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxJosAurelioGoesChaves
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAEdioFnaf
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfmarialuciadasilva17
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxHenriqueLuciano2
 

Último (20)

Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETOProjeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxProva de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
 

Teste a aia 2

  • 1. AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AUGUSTO CABRITA TESTE DE PORTUGUÊS - Módulo 4 Curso Vocacional – 9º ano 2015-2016 Aluno: ___________________________________________Turma: ______Nº:_______ Classificação: ________________ Profª: ______ Encarregado de Educação:__________ Grupo I - Parte A Lê, com atenção, o texto A retirado do conto“A Aia” de Eça de Queirós. “A rainha chorou magnificamente o rei. Chorou ainda desoladamente o esposo, que era formoso e alegre. Mas, sobretudo, chorou ansiosamente o pai, que assim deixava o filhinho desamparado, no meio de tantosinimigos da sua frágil vida e do reino que seria seu, sem um braço que o defendesse, forte pela força e forte pelo amor. Desses inimigos o mais temeroso era seu tio, irmão bastardo do rei, homem depravado e bravio,5 consumido de cobiças grosseiras, desejando só a realeza por causa dos seus tesouros, e que havia anos vivia num castelo sobre os montes, com uma horda de rebeldes, à maneira de um lobo que, entre a sua atalaia, esperaa presa.Ai!a presaagora era aquelacriancinha,rei de mama,senhor de tantas províncias, e que dormia no seu berço com seu guizo de ouro fechado na mão! Ao ladodele,outromeninodormianoutroberço.Mas este eraum escravozinho,filhoda bela e robusta10 escravaque amamentavao príncipe.Ambostinhamnascidonamesmanoite de Verão. O mesmo seio os criara. Quando a rainha, antes de adormecer, vinha beijar o principezinho, que tinha o cabelo louro e fino, beijava também,poramor dele,oescravozinho,que tinha o cabelo negro e crespo. Os olhos de ambos reluziam como pedraspreciosas.Somente,oberçode um era magnífico,de marfimentre brocados - e o berço de outro, pobre e de verga.A leal escrava,porém,aamboscercava de carinho igual,porque,se umera o seu filho, o outro se ria15 o seu rei. Nascidanaquelacasareal,elatinhaa paixão,areligiãodosseussenhores.Nenhum pranto correra mais sentidamente doque oseupelorei mortoà beirado grande rio.Pertencia,porém, a uma raça que acredita que a vidada Terra se continuanoCéu.O rei seuamo, decerto,jáestaria agora reinando em outro reino, para além das nuvens, abundante também em searas e cidades. O seu cavalo de batalha, as suas armas, os seus pajens20 tinham subido com ele às alturas. Os seus vassalos, que fossem morrendo, prontamente iriam nesse reino celeste retomar em torno dele a sua vassalagem. E ela um dia, por seu turno, remontaria num raio de luz a habitar o palácio do seu senhor, e a fiar de novo o linho das suas túnicas, e a acender de novo a caçoleta dos seus perfumes; seria no Céu como fora na Terra, e feliz na sua servidão.” 1. Para cada uma das afirmações que se seguem, escreve a letra correspondente a Verdadeira (V) ou Falsa (F), de acordo com o sentido do texto. 1.1. A repetição da forma verbal “chorou”, no primeiro parágrafo, enfatiza a dor da rainha. 1.2. A expressão “o mais temeroso era seu tio” (l.5) realça o temor que o tio bastardo sentia. 1.3. O tio bastardo ambicionava mais o poder do que a fortuna do reino. 1.4. Na frase “Ai! a presa agora era aquela criancinha…” o narrador é objetivo. 1.5. O guizo de ouro é um dos elementos que permite caracterizar socialmente o príncipe. 1.6. A comparação “ Os olhos de ambos reluziam como pedras preciosas.” (l. 13) valoriza o brilho dos olhos do Escravozinho e do Principezinho. 1.7. A escrava gosta de igual modo do Escravozinho e do Principezinho, embora por motivos diferentes. 1.8. A Aia chorou sentidamente a morte do rei por ambos terem a mesma religião.
  • 2. 2. Responde agora de forma completa às questõesque te vão sendo colocadas. Salvo indicação em contrário, constrói frases completas e utiliza as tuas próprias palavras. 2.1. A morte do rei tem duas consequências: uma de ordem sentimental e outra de ordem política. Relê o primeiro parágrafo do texto e explicita-as, justificando a tua resposta. 2.2. Identificaorecursoestilísticoutilizadonaseguinte expressão “vivia (…) à maneira de um lobo que, entre a sua atalaia, espera a presa.” (l. 7 e 8) 2.3. Relê o último parágrafo do excerto transcrito. 2.3.1. Para a Aia,o Rei era representaçãoterrenadadivindade.Transcreveafrase que,nesse parágrafo, transmite essa ideia. Parte B Lê agora o texto B, também um excerto do conto “A Aia” de Eça de Queirós. “Mas como?Que bolsasde ouro podempagar umfilho?Então,umvelhode casta nobre lembrou que ela fosse levadaaotesouroreal,e escolhessede entre essasriquezas,que eramasmaioresda Índia, todas as que o seu desejo apetecesse... A rainha tomou a mão da serva. E sem que a sua face de mármore perdesse a rigidez, com um andar de morta, como num sonho, foi assim conduzida para a câmara dos tesouros. Senhores, aias, homens de armas,5 seguiamnumrespeitotãocomovido que apenasse ouvia o roçar das sandálias nas lajes. As espessas portas do tesouro rolaram lentamente. E, quando um servo destrancou as janelas, a luz da madrugada, já clara e rósea, entrandopelosgradeamentosde ferro, acendeu um maravilhoso e faiscante incêndio de ouro e pedrarias! Do chão de rocha até às sombriasabóbadas,portoda a câmara, reluziam, cintilavam, refulgiamosescudosde ouro, as armas marchetadas, os montões de diamantes, as pilhas de moedas, os longos fios de pérolas, todas as10 riquezasdaquele reino,acumuladasporcemreisdurante vinte séculos. Um longo “Ah!” – lento e maravilhado, passoupor sobre a turba que emudecera.Depoishouve um silêncio, ansioso. E no meio da câmara, envolta na refulgência preciosa, a ama não se movia... Apenas os seus olhos, brilhantes e secos, se tinham erguido para aquele céuque,alémdasgrades, se tingiade rosa e de ouro. Era lá, nesse céufresco de madrugada, que estava agora o seu menino. Estava lá, e já o Sol se erguia, e era tarde, e o seu menino chorava decerto, e procurava o15 seupeito!...Entãoa ama sorriue estendeuamão. Todos seguiam, semrespirar,aquele lentomoverda sua mão aberta. Que jóia maravilhosa, que fio de diamantes, que punhado de rubis, ia ela escolher? A ama estendiaamão - e sobre um escabelo ao lado, entre um molho de armas, agarrou um punhal. Era um punhal de um velho rei, todo cravejado de esmeraldas, e que valia uma província. Agarrara o punhal, e com ele apertado fortemente na mão, apontando para o céu, onde subiam os20 primeiros raios do Sol, encarou a rainha, a multidão, e gritou: – Salvei o meu príncipe - e agora vou dar de mamar ao meu filho! E cravou o punhal no coração.”
  • 3. 1. Selecionaem cada item a alternativa que permite obter a afirmação adequada ao sentido do texto. 1.1. O uso da interrogação no início do excerto… a) ...coloca em dúvida que a Aia merecesse uma recompensa. b) …coloca em causa a recompensa que poderia pagar um filho. c) …revela que a multidão condenava a atitude da Aia. 1.2. A expressão “ a sua face de mármore” (l. 4) refere-se… a) …à Rainha. b) …à Aia. c) …à Morta. 1.3. A expressão “num respeito tão comovido” (l. 6) … a) …introduz a comparação com “o roçar das sandálias nas lajes”. b) …reflete a comoção da multidão por ter acesso à câmara dos tesouros. c) …reflete a gratidão perante o ato heroico da Aia. 1.4. A frase “Então a ama sorriu e estendeu a mão.” (l. 16) indica que … a) …a Aia estava feliz por entrar na câmara dos tesouros e poder escolher uma joia. b) …a Aia encontro a solução para o seu drama. c) … a Aia estava feliz por ela e o seu filho serem o centro das atenções 1.5.As personagens mais relevantes do excerto transcrito são… a) …a Aia e a Rainha. b) …a Aia, o Escravozinho e a Rainha. c) … a Aia, a Rainha e o “velho de casta nobre”. 2. Responde agora de forma completa às questões que te vão sendo colocadas. 2.1.Localiza o excerto na ação do conto, ou seja, em que parte da história do conto ocorre o excerto do texto B? 2.2.Comosabes,a Aiaé a personagemprincipal doconto.ConsiderandootextoB,caracteriza- a fisicamente e psicologicamente. 2.3.Indica três referências temporais presentes no excerto. 2.4.Transcreve do texto um exemplo de dupla adjetivação. 2.5.Identificaosrecursosestilísticospresentesnoseguinte segmento textual e conclui acerca do seuvalorexpressivo:“…por todaa câmara, reluziam, cintilavam, refulgiam os escudos de ouro, as armas marchetadas,osmontõesde diamantes,aspilhasde moedas, os longos fios de pérolas, todas as riquezas daquele reino, acumuladas por cem reis durante vinte séculos.”
  • 4. Parte C 1. As sequênciasnarrativasapresentadasresumemasaçõescompreendidasentre os textos A e B. Ordena-os de acordo com o sentido do conto “A Aia”. I) Comunicação da morte do tio bastardo e da do “principezinho”. II) Invasão da câmara pela Rainha, gritando. III) Medo que reinava no palácio. IV) Pressentimento da Aiai de que algo de terrível iria acontecer. V) Rapto do “Principezinho”. VI) Tomada de consciência, pela Rainha, do ato heroico da Aia. VII) Troca das crianças. Grupo II 1. Lê as frases que se seguem: Frase 1: Heroicamente, a leal Aia entregou o filho à horda do cruel tio bastardo. Frase 2: O rei era jovem e valente. Frase 3: Senhora, o Principezinho sobreviveu! 1.1 Faz a análise sintática da frase 1. 1.2. Atenta na mesma frase e transcreve: a) Um nome comum concreto. b) Um nome coletivo. c) Um advérbio. d) Dois adjetivos. 1.3. Indica as funções sintáticas dos segmentos sublinhados, nas frases 2 e 3. 2. Faz o levantamentodosadvérbios e dosverbosque se encontrem no Pretérito Perfeito do Indicativo, do primeiro parágrafo do texto A. 3. Refere os modos de representação do discurso presentes nos textos A e B, justificando a tua resposta. Grupo III Escolhe apenas um dos temas apresentados e desenvolve-o num texto entre 100 e 150 palavras. Tema 1: Mantendo o primeiro parágrafo do conto “A Aia”, elabora uma outra história cujo título seja “O reino da Terrível Rainha”. 1º Parágrafo do conto “A Aia”: “Era uma vez um rei, moço e valente, senhor de um reino abundante em cidadese searas,que partira a batalharpor terras distantes,deixando solitária e triste a sua rainha e um filhinho, que ainda vivia no seu berço, dentro das suas faixas.
  • 5. Tema 2: A Aia suicidou-se. Como reagiram a rainha e a multidão ao seu suicídio? Imagina a continuação do conto. Cotação: Grupo I – 100 pontos Grupo II- 50 pontos Grupo III – 50 pontos Parte A 1- 8 pontos 2- 40 pontos Parte B 1- 5 pontos +40 pontos Parte C- 1- 7 pontos 1 – 14 pontos 1.2- 8 pontos 1.3 – 4 pontos 2. 6 pontos 3. 8 pontos 4 . 10 pontos (5 pontos+5 pontos) Estruturação temática e discursiva - 35 pontos Correção linguística – 15 pontos Bom trabalho! A professora Sandra Marques 