SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 7
1
30
Teste de avaliação de Português - 9ºano
Nome ________________________________ N.° _____ Turma _____
Avaliação ______________________Professora _________________ Encarregado de Educação______________
Grupo I
PARTE A
Lê o texto seguinte. Em caso de necessidade, consulta o vocabulário e as notas apresentados.
5
As pessoas crescidas
As pessoas crescidas fui-as conhecendo de baixo para cima à medida que a minha idade ia subindo em
centímetros, marcados na parede pelo lápis da mãe. Primeiro eram apenas sapatos, por vezes descobertos
sob a cama, enormes, sem pé dentro, e logo calçados por mim para caminhar pela casa, erguendo as pernas
como um escafandrista1, num estrondo imenso de solas. Depois tomei conhecimento dos joelhos cobertos de
fazenda ou de meias de vidro, formando ao redor da mesa debaixo da qual eu gatinhava uma paliçada que
me impedia de fugir. A seguir vieram as barrigas de onde a voz, a tosse e a autoridade saíam apesar do
esforço inútil de suspensórios e de cintos.
Ao chegar à altura da toalha aprendi a distinguir os adultos uns dos outros pelos remédios entre o
guardanapo e o copo: as gotas da avó, os xaropes do avô, as várias cores dos comprimidos das tias, as
caixinhas de prata das pastilhas dos primos, o vaporizador da asma do padrinho que ele recebia abrindo as
mandíbulas numa ansiedade de cherne2. Compreendi por essa época que tinham o riso desmontável: tiravam
as piadas da boca e lavavam-nas, a seguir ao almoço, com uma escovinha especial. Aconteceu-me
encontrá-las sob a forma de gargantilhas3 de dentes num estojo de gengivas cor-de-rosa escondidas por trás
do despertador nas manhãs de domingo, a troçarem dos rostos que sem elas envelheciam mil anos de rugas
murchas como flores de herbário devorando os lábios com as suas pregas concêntricas4.
Já capaz pelo meu tamanho de lhes olhar a cara, o que mais me surpreendia neles era a sua estranha
indiferença perante as duas únicas coisas verdadeiramente importantes do mundo: os bichos-da-seda e os
guarda-chuvas de chocolate. Também não gostavam de colecionar gafanhotos, de mastigar estearina5 nem
de dar tesouradas no cabelo, mas em contrapartida possuíam a mania incompreensível dos banhos e das
pastas dentífricas e quando se referiam diante de mim a uma parente loira, muito simpática, muito pintada,
muito bem cheirosa e mais bonita que eles todos, desatavam a falar francês olhando-me de banda com
desconfiança e apreensão.
Nunca percebi quando se deixa de ser pequeno para se passar a ser crescido. Provavelmente quando a
parente loira passa a ser referida, em português, como a desavergonhada da Luísa.
Provavelmente quando substituímos os guarda-chuvas de chocolate por bifes tártaros. Provavelmente
quando começamos a gostar de tomar duche. Provavelmente quando cessamos de ter medo do escuro.
Provavelmente quando nos tornamos tristes. Mas não tenho a certeza: não sei se sou crescido.
António Lobo Antunes, Livro de Crónicas, 6.ª ed., Dom Quixote, 2006
10
15
20
25
2
Responde, de forma completa e bem estruturada, aos itens que se seguem.
1. Explica o sentido das seguintes expressões:
a. “abrindo as mandíbulas numa ansiedade de cherne” (linha 12)
Esta expressão significa abrindo a boca, respirando com dificuldade.
b. “tinham o riso desmontável” (linha 13)
Esta expressão tem o sentido de utilizavam dentadura.
2. O cronista recorre a várias expressões para indicar diferentes fases do seu crescimento. Transcreve-as.
“Primeiro eram apenas sapatos”; “Depois tomei conhecimento dos joelhos cobertos de
fazenda ou meias de vidro”; “A seguir vieram as barrigas”; “Ao chegar à altura da toalha”;
“Já capaz pelo meu tamanho de lhes olhar a cara”.
3. Justifica porque falavam noutra língua os parentes do cronista.
Os parentes falavam noutra língua para que o cronista não compreendesse o que diziam
sobre a “parente loira”.
4. Ao longo do texto, são colocadas em oposição duas faixas etárias – a infância e a idade adulta. Copia a
frase que revela que o cronista associa à primeira a alegria e à segunda a tristeza.
“Provavelmente quando nos tornamos tristes.”
5. Identifica o recurso expressivo presente nas linhas 25 a 30 e comenta a sua expressividade.
Anáfora – repetição das palavras “Provavelmente quando” no início de quatro frases
seguidas. Esta repetição reforça as dúvidas da cronista relativamente ao momento
em que nos tornamos adultos.
1. escafandrista: mergulhador. 2. cherne: peixe muito comum em Portugal. 3. gargantilhas: colares.
4. concêntricas: em forma de círculo. 5. estearina: gordura sólida.
3
PARTE B
Lê o texto seguinte.
A idade da crise
Os neurologistas descobriram que o cérebro começa a reorganizar-se na puberdade e provoca um tremendo
alvoroço que é responsável, em grande medida, pelas atitudes dos mais jovens. […]
Psicólogos e sociólogos tentam descobrir se o comportamento adolescente obedece a um rito social, se é
provocado por uma acumulação de fatores biológicos ou uma combinação de ambos. Procurámos dar resposta a
algumas das questões fundamentais que se colocam entre os onze e os dezanove anos de idade. […].
Porque têm mudanças de humor?
As alterações fisiológicas explicam,em grande parte,a razão pela qual os adolescentes costumam estar de mau
humor mais vezes do que parece normal. As descargas de hormonas no organismo podem produzir transições
rápidas da tristeza para a alegria ou da afabilidade para a fúria. Porém, há outro fator que se revela fundamental,
segundo um estudo recente da organização Sleep Scotland (Edimburgo, Escócia): a falta de sono. A investigação
detetou que as alterações no estado de humor coincidem com épocas em que dormimos poucas horas. No caso de
jovens na fase da puberdade,deve-se sobretudo à grande quantidade de tempo que dedicam, todas as noites, aos
videojogos, à TV ou à Internet: muitos apenas dormem entre quatro e cinco horas por noite, o que influi de forma
determinante nas suas drásticas alterações emocionais. […]
Porque gostam tanto de SMS?
Um estudo recente da Universidade do Michigan e do Projeto Pew Internet & American Life revelou que os
adolescentes comunicam sobretudo através de mensagens de texto, apesar da utilização em massa do correio
eletrónico e do êxito de redes sociais como o Facebook ou o Twitter. O volume é impressionante: uma média de 30
SMS por dia, no caso deles,e de 80, no delas.As razões estão relacionadas com um formato que impõe a b revidade
(o que lhes agrada) e a transmissão quase universal, pois praticamente toda a gente possui um telemóvel. Além
disso,o estudo descobriu outro fator para explicar a preferência juvenil: o sentido de privacidade. Os SMS parecem
bilhetinhos secretos, o que os transforma no meio ideal para trocar mensagens íntimas.Todavia,há um dado curioso
que nos faz refletir sobre o tipo de comunicação que se estabelece com os pais:na maior parte dos casos,os miúdos
recorrem a chamadas de voz quando querem falar com os progenitores. Talvez porque não lhes contam todos os
seus segredos? […]
L.M., in SuperInteressante n.º 152 – dezembro 2010
6. As afirmações apresentadas de (A) a (G) correspondem a ideias-chave do texto. Escreve a sequência de letras que
corresponde à ordem pela qual essas ideias aparecem no texto. Começa a sequência pela letra (F).
(A) Os jovens preferem utilizar SMS, pois possibilitam a troca de mensagens íntimas.
(B) Ao comunicar com os seus pais,os adolescentes preferem as chamadas de voz.
(C) As alterações fisiológicas condicionam o humor dos adolescentes.
(D) Os investigadores procuram descobrir se o comportamento dos adolescentes se deve a fatores biológicos,sociais
ou a ambos.
(E) A falta de sono também pode condicionar as alterações do humor.
(F) A reorganização do cérebro, na puberdade,é responsável pelas atitudes dos mais jovens.
(G) A comunicação entre adolescentes efetua-se,principalmente,através de SMS.
F, D, C, E, G, A, B.
4
7. Seleciona,em cada item,a opção correta relativamente ao sentido do texto.
7.1. Os estudos referidos no texto procuravam
(A) explicações biológicas para o comportamento dos adolescentes.
(B) razões sociais que justificassem o comportamento dos jovens entre os onze e os dezanove anos.
(C)verificar se os comportamentos dos adolescentes se deviam a fatores biológicos,
sociais ou a ambos.
(D) descobrir como controlar o comportamento dos adolescentes.
7.2. Os jovens dormem poucas horas devido
(A) ao uso excessivo de determinados meios tecnológicos. (C) às alterações hormonais.
(B) à sua instabilidade emocional. (D)ao envio constante de SMS.
7.3. A pergunta “Talvez porque não lhes contam todos os seus segredos?”
(A) pretende criticar o comportamento dos jovens.
(B) formula uma hipótese para as diferentes formas de comunicação.
(C) defende que os adolescentes contem todos os seus segredos aos pais.
(D) apresenta a principal preocupação dos pais de adolescentes.
8. Seleciona a única afirmação falsa,de acordo com o sentido do texto.
(A) “que” (linha 2) substitui “tremendo alvoroço”. (C) “que” (linha 5) substitui “questões
fundamentais”.
(B) “que” (linha 12) substitui “jovens”. (D)“que” (linha 23) substitui “dado curioso”.
PARTE C
9. Escreve um texto expositivo, com um mínimo de 70 e um máximo de 120 palavras,no qual explicites o conteúdo do texto
da Parte B.
O teu texto deve incluir uma parte introdutória,uma parte de desenvolvimento e uma parte de conclusão.
Organiza a informação da forma que considerares mais pertinente,tratando os tópicos apres entados a seguir.
 Justificação do título do texto.
 Indicação de duas alterações comportamentais verificadas em adolescentes.
 Explicação dos motivos que contribuem para essas alterações.
 Referência às relações dos adolescentes com os outros.
A adolescência é, frequentemente, associada a momentos complicados e conflituosos.
O título do texto, “A idade da crise”, remete para um momento de mudanças físicas e
psicológicas, que pode gerar crises de identidade e socioefetivas.
Neste período, o comportamento dos jovens pode sofrer alterações, nomeadamente,
transições rápidas de disposição e uma maior tendência para o mau humor, que estão
relacionadas com alterações fisiológicas e com falta de sono. Estas mudanças poderão gerar
problemas relacionais.
5
A forma como comunicam com os outros depende do destinatário: sobretudo SMS com os
pares; com os pais, preferem as chamadas de voz.
Estas explicações da ciência para algumas atitudes juvenis poderão contribuir para um
melhor conhecimento daqueles que se encontram na “idade da crise”.
Grupo II
1. Indica a alínea que apresenta apenas palavras derivadas por prefixação.
(A) impróprio • desprezo • biológico • assimétrico.
(B)irracional • amover • antepor • subdiretor.
(C) intelectual • desfolhar • opor • perfurar.
(D) desconfiar • repelente • lavagem • desobedecer.
2. “Os neurologistas descobriram que o cérebro começa a reorganizar-se na puberdade […].”
2.1. Classifica a palavra “neurologistas” quanto ao processo de formação.
Palavra por composição morfológica (neuro+logistas).
2.2. Comprova que a palavra “cérebro” é uma palavra polissémica,integrando-a em três frases.
Ela é o cérebro da turma. (muito inteligente)
Quando te vi, vieram-me ao cérebro. (imagens da nossa infância)
Ele foi o cérebro da organização. (líder, responsável)
3. Reescreve em discurso indireto a fala do Rui.
– Hoje recebi apenas esta mensagem dos meus avós – disse o Rui.
O Rui disse que naquele dia, recebera (tinha recebido) apenas aquela mensagem dos
seus avós.
4. Indica o hiperónimo presente em cada alínea.
a) Cartas – xadrez – monopólio – jogo– gamão
b) Milimétrico – vegetal – de lustro – celofane – papel.
5. Indica dois merónimos para cada um dos seguintes holónimos.
a) Refeição : sobremesa, aperitivos. b) família pai, mãe.
6. Completa cada uma das frases seguintes com a forma adequada do verbo apresentado entre parênteses, usando
apenas tempos simples.
a) Era impossível imaginar que o cartaz obtivesse (obter) tanto êxito.
b) O facto de nós premiarmos (premiar) o cartaz não significa que os outros não interessassem.
6
c) Houve (haver) vários concursos na minha escola para que se descobrissem novos talentos.
d) Sei que valho (valer) muito mais nas provas do que aquilo que demonstrei no passado.
7. Reescreve as frases seguintes,substituindo os elementos sublinhados pelo pronome pessoal adequado.
(A) Eu enviaria mensagens se tivesse saldo no telemóvel. Eu enviá-las-ia se tivesse saldo no telemóvel.
(B)Alguém viu a mensagem que te enviei? Alguém a viu?
Grupo III
No texto da Parte A, o cronista recorda alguns episódios dos seus tempos de menino.
Relata um acontecimento da tua infância.No teu texto, deves:
• indicar a idade que tinhas; descrever o espaço onde te encontravas; narrar o que sucedeu.
O teu texto deve ter um mínimo de 180 e um máximo de 240 palavras .
__________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________ _
__________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________
7
__________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________
Bom Trabalho!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Ficha formativa de orações com correção
Ficha formativa de orações com correçãoFicha formativa de orações com correção
Ficha formativa de orações com correçãoRaquel Antunes
 
livro filosofia soluções.pdf
livro filosofia soluções.pdflivro filosofia soluções.pdf
livro filosofia soluções.pdfInesVieiraAluno
 
A Morte de Inês de Castro - Os Lusíadas
A Morte de Inês de Castro - Os LusíadasA Morte de Inês de Castro - Os Lusíadas
A Morte de Inês de Castro - Os Lusíadassin3stesia
 
Modalidade do verbo
Modalidade do verboModalidade do verbo
Modalidade do verboAna Martins
 
Resumos de Português: Os Lusíadas
Resumos de Português: Os LusíadasResumos de Português: Os Lusíadas
Resumos de Português: Os LusíadasRaffaella Ergün
 
Como fazer uma apresentação oral de um livro 2
Como fazer uma apresentação oral de um livro 2Como fazer uma apresentação oral de um livro 2
Como fazer uma apresentação oral de um livro 2Graça Moutinho
 
Teste 9 b_auto (1)
Teste 9 b_auto (1)Teste 9 b_auto (1)
Teste 9 b_auto (1)apfandradeg
 
Esquema rimatico e versos
Esquema rimatico e versosEsquema rimatico e versos
Esquema rimatico e versosdomplex123
 
Análise da farsa de Inês Pereira - 10º ano
Análise da farsa de Inês Pereira - 10º anoAnálise da farsa de Inês Pereira - 10º ano
Análise da farsa de Inês Pereira - 10º anoFatima Mendonca
 
Crónica de D. João I de Fernão Lopes
Crónica de D. João I de Fernão LopesCrónica de D. João I de Fernão Lopes
Crónica de D. João I de Fernão LopesGijasilvelitz 2
 

Mais procurados (20)

Texto de opinião
Texto de opiniãoTexto de opinião
Texto de opinião
 
Recursos expressivos
Recursos expressivosRecursos expressivos
Recursos expressivos
 
Ficha formativa de orações com correção
Ficha formativa de orações com correçãoFicha formativa de orações com correção
Ficha formativa de orações com correção
 
livro filosofia soluções.pdf
livro filosofia soluções.pdflivro filosofia soluções.pdf
livro filosofia soluções.pdf
 
A Morte de Inês de Castro - Os Lusíadas
A Morte de Inês de Castro - Os LusíadasA Morte de Inês de Castro - Os Lusíadas
A Morte de Inês de Castro - Os Lusíadas
 
Texto de opinião
Texto de opiniãoTexto de opinião
Texto de opinião
 
Modalidade do verbo
Modalidade do verboModalidade do verbo
Modalidade do verbo
 
Complemento oblíquo
Complemento oblíquoComplemento oblíquo
Complemento oblíquo
 
Resumos de Português: Os Lusíadas
Resumos de Português: Os LusíadasResumos de Português: Os Lusíadas
Resumos de Português: Os Lusíadas
 
Como fazer uma apresentação oral de um livro 2
Como fazer uma apresentação oral de um livro 2Como fazer uma apresentação oral de um livro 2
Como fazer uma apresentação oral de um livro 2
 
Teste 9 b_auto (1)
Teste 9 b_auto (1)Teste 9 b_auto (1)
Teste 9 b_auto (1)
 
10º testes leya
10º testes leya10º testes leya
10º testes leya
 
Ilha dos Amores
Ilha dos AmoresIlha dos Amores
Ilha dos Amores
 
Subclasses de verbos
Subclasses de verbosSubclasses de verbos
Subclasses de verbos
 
Cesário verde
Cesário verdeCesário verde
Cesário verde
 
Recursos expressivos
Recursos expressivosRecursos expressivos
Recursos expressivos
 
Esquema rimatico e versos
Esquema rimatico e versosEsquema rimatico e versos
Esquema rimatico e versos
 
Análise da farsa de Inês Pereira - 10º ano
Análise da farsa de Inês Pereira - 10º anoAnálise da farsa de Inês Pereira - 10º ano
Análise da farsa de Inês Pereira - 10º ano
 
Lusiadas Figurasdeestilo
Lusiadas FigurasdeestiloLusiadas Figurasdeestilo
Lusiadas Figurasdeestilo
 
Crónica de D. João I de Fernão Lopes
Crónica de D. João I de Fernão LopesCrónica de D. João I de Fernão Lopes
Crónica de D. João I de Fernão Lopes
 

Destaque

Sexta Feira Ou Vida Selvagem
Sexta Feira Ou Vida SelvagemSexta Feira Ou Vida Selvagem
Sexta Feira Ou Vida Selvagemsilvateresa
 
Sexta feira ou a vida selvagem - ana beatriz
Sexta feira ou a vida selvagem - ana beatrizSexta feira ou a vida selvagem - ana beatriz
Sexta feira ou a vida selvagem - ana beatrizfantas45
 
Sexta feira ou vida selvagem
Sexta feira ou vida selvagemSexta feira ou vida selvagem
Sexta feira ou vida selvagemfantas45
 
Sexta feira ou a vida selvagem
Sexta feira ou a vida selvagemSexta feira ou a vida selvagem
Sexta feira ou a vida selvagemPC DOCTOR INFO
 
A pérola, de John Steinbeck
A pérola, de John SteinbeckA pérola, de John Steinbeck
A pérola, de John Steinbeckesodateliesbe
 
Processos de formação de palavras
Processos de formação de palavrasProcessos de formação de palavras
Processos de formação de palavrasJoaquim Safara
 
A pérola port 9º ano
A pérola port 9º anoA pérola port 9º ano
A pérola port 9º anoRute Simão
 
Discurso direto e indireto
Discurso direto e indiretoDiscurso direto e indireto
Discurso direto e indiretoprofessoraIsabel
 

Destaque (9)

Sexta Feira Ou Vida Selvagem
Sexta Feira Ou Vida SelvagemSexta Feira Ou Vida Selvagem
Sexta Feira Ou Vida Selvagem
 
Sexta feira ou a vida selvagem - ana beatriz
Sexta feira ou a vida selvagem - ana beatrizSexta feira ou a vida selvagem - ana beatriz
Sexta feira ou a vida selvagem - ana beatriz
 
Sexta feira ou vida selvagem
Sexta feira ou vida selvagemSexta feira ou vida selvagem
Sexta feira ou vida selvagem
 
Sexta feira ou a vida selvagem
Sexta feira ou a vida selvagemSexta feira ou a vida selvagem
Sexta feira ou a vida selvagem
 
A pérola, de John Steinbeck
A pérola, de John SteinbeckA pérola, de John Steinbeck
A pérola, de John Steinbeck
 
A pérola
A pérolaA pérola
A pérola
 
Processos de formação de palavras
Processos de formação de palavrasProcessos de formação de palavras
Processos de formação de palavras
 
A pérola port 9º ano
A pérola port 9º anoA pérola port 9º ano
A pérola port 9º ano
 
Discurso direto e indireto
Discurso direto e indiretoDiscurso direto e indireto
Discurso direto e indireto
 

Semelhante a 1º teste de avaliação, 9ºa,b,corrigido

Simulado de língua portuguesa 1° ano (prof)
Simulado de língua portuguesa   1° ano (prof)Simulado de língua portuguesa   1° ano (prof)
Simulado de língua portuguesa 1° ano (prof)ssuser0fbd94
 
Sequência didática
Sequência didáticaSequência didática
Sequência didáticaisamarha
 
Gab port 8 e 9 eja 2 bim
Gab port 8 e 9 eja   2 bimGab port 8 e 9 eja   2 bim
Gab port 8 e 9 eja 2 bimValeska Paiva
 
Atividades Portugues
Atividades PortuguesAtividades Portugues
Atividades PortuguesHelene Tatsch
 
OFICINA DE REDAÇÃO.pptx
OFICINA DE REDAÇÃO.pptxOFICINA DE REDAÇÃO.pptx
OFICINA DE REDAÇÃO.pptxSamara Pimentel
 
Generos textuais
Generos textuaisGeneros textuais
Generos textuaismiesbella
 
Aula sobre vícios de linguagem
Aula sobre vícios de linguagemAula sobre vícios de linguagem
Aula sobre vícios de linguagemMais Educativo
 
SIMULADO UNIFICADO ESCOLA CORNÉLIA. 2º ANO ENSINO MÉDIO. DOCUMENTO PÚBLICO.
SIMULADO UNIFICADO ESCOLA CORNÉLIA. 2º ANO ENSINO MÉDIO. DOCUMENTO PÚBLICO.SIMULADO UNIFICADO ESCOLA CORNÉLIA. 2º ANO ENSINO MÉDIO. DOCUMENTO PÚBLICO.
SIMULADO UNIFICADO ESCOLA CORNÉLIA. 2º ANO ENSINO MÉDIO. DOCUMENTO PÚBLICO.Antônio Fernandes
 
EEA 1 proposta de correção
EEA 1   proposta de correçãoEEA 1   proposta de correção
EEA 1 proposta de correçãojlsr1970
 
O que os surdos adultos têm a dizer aos pais de crianças
O que os surdos adultos têm a dizer aos pais de criançasO que os surdos adultos têm a dizer aos pais de crianças
O que os surdos adultos têm a dizer aos pais de criançasNilda de Oliveira Campos
 
Simulado português e matematica 3 em ok
Simulado português e matematica 3 em okSimulado português e matematica 3 em ok
Simulado português e matematica 3 em okEderson Jacob Zanardo
 
IX OFICINA - GESTAR II
IX OFICINA - GESTAR IIIX OFICINA - GESTAR II
IX OFICINA - GESTAR IIguestc85987
 
Português - Crônica - Verbo - Advérbio
Português - Crônica - Verbo - Advérbio Português - Crônica - Verbo - Advérbio
Português - Crônica - Verbo - Advérbio kiimchayene
 
Sequencia didática_Meu primeiro beijo
Sequencia didática_Meu primeiro beijoSequencia didática_Meu primeiro beijo
Sequencia didática_Meu primeiro beijodiadorim797
 
Interpretacao de texto (1)
Interpretacao de texto (1)Interpretacao de texto (1)
Interpretacao de texto (1)Albaney Santana
 

Semelhante a 1º teste de avaliação, 9ºa,b,corrigido (20)

Simulado de língua portuguesa 1° ano (prof)
Simulado de língua portuguesa   1° ano (prof)Simulado de língua portuguesa   1° ano (prof)
Simulado de língua portuguesa 1° ano (prof)
 
Sequência didática
Sequência didáticaSequência didática
Sequência didática
 
Gab port 8 e 9 eja 2 bim
Gab port 8 e 9 eja   2 bimGab port 8 e 9 eja   2 bim
Gab port 8 e 9 eja 2 bim
 
Atividades Portugues
Atividades PortuguesAtividades Portugues
Atividades Portugues
 
Portuguesvol7
Portuguesvol7Portuguesvol7
Portuguesvol7
 
OFICINA DE REDAÇÃO.pptx
OFICINA DE REDAÇÃO.pptxOFICINA DE REDAÇÃO.pptx
OFICINA DE REDAÇÃO.pptx
 
Generos textuais
Generos textuaisGeneros textuais
Generos textuais
 
Aula sobre vícios de linguagem
Aula sobre vícios de linguagemAula sobre vícios de linguagem
Aula sobre vícios de linguagem
 
SIMULADO UNIFICADO ESCOLA CORNÉLIA. 2º ANO ENSINO MÉDIO. DOCUMENTO PÚBLICO.
SIMULADO UNIFICADO ESCOLA CORNÉLIA. 2º ANO ENSINO MÉDIO. DOCUMENTO PÚBLICO.SIMULADO UNIFICADO ESCOLA CORNÉLIA. 2º ANO ENSINO MÉDIO. DOCUMENTO PÚBLICO.
SIMULADO UNIFICADO ESCOLA CORNÉLIA. 2º ANO ENSINO MÉDIO. DOCUMENTO PÚBLICO.
 
Primeiros anos
Primeiros anosPrimeiros anos
Primeiros anos
 
EEA 1 proposta de correção
EEA 1   proposta de correçãoEEA 1   proposta de correção
EEA 1 proposta de correção
 
O que os surdos adultos têm a dizer aos pais de crianças
O que os surdos adultos têm a dizer aos pais de criançasO que os surdos adultos têm a dizer aos pais de crianças
O que os surdos adultos têm a dizer aos pais de crianças
 
Avalport9 pip prova (2)
Avalport9 pip prova (2)Avalport9 pip prova (2)
Avalport9 pip prova (2)
 
Simulado português e matematica 3 em ok
Simulado português e matematica 3 em okSimulado português e matematica 3 em ok
Simulado português e matematica 3 em ok
 
Caderno port1 vol2
Caderno port1 vol2Caderno port1 vol2
Caderno port1 vol2
 
IX OFICINA - GESTAR II
IX OFICINA - GESTAR IIIX OFICINA - GESTAR II
IX OFICINA - GESTAR II
 
Português - Crônica - Verbo - Advérbio
Português - Crônica - Verbo - Advérbio Português - Crônica - Verbo - Advérbio
Português - Crônica - Verbo - Advérbio
 
Sequencia didática_Meu primeiro beijo
Sequencia didática_Meu primeiro beijoSequencia didática_Meu primeiro beijo
Sequencia didática_Meu primeiro beijo
 
Interpretacao de texto (1)
Interpretacao de texto (1)Interpretacao de texto (1)
Interpretacao de texto (1)
 
Interpretacao de texto
Interpretacao de textoInterpretacao de texto
Interpretacao de texto
 

Mais de ildamaria

Ficha 2 revisoes 7
Ficha 2 revisoes 7Ficha 2 revisoes 7
Ficha 2 revisoes 7ildamaria
 
Um dia na tua vida com a matemática 8º C
Um dia na tua vida com a matemática 8º CUm dia na tua vida com a matemática 8º C
Um dia na tua vida com a matemática 8º Cildamaria
 
Um dia na tua vida com a matemática e a Metáfora / Poesia_8º B
Um dia na tua vida com a matemática e a Metáfora / Poesia_8º BUm dia na tua vida com a matemática e a Metáfora / Poesia_8º B
Um dia na tua vida com a matemática e a Metáfora / Poesia_8º Bildamaria
 
Guia elaborar relatorio
Guia elaborar relatorioGuia elaborar relatorio
Guia elaborar relatorioildamaria
 
Como fazer um powerpoint (1)
Como fazer um powerpoint (1)Como fazer um powerpoint (1)
Como fazer um powerpoint (1)ildamaria
 
Como fazer um powerpoint (1)
Como fazer um powerpoint (1)Como fazer um powerpoint (1)
Como fazer um powerpoint (1)ildamaria
 
Regulamento sementinha mágica - Concurso
Regulamento sementinha mágica - ConcursoRegulamento sementinha mágica - Concurso
Regulamento sementinha mágica - Concursoildamaria
 
Guião para elaborar relatório
Guião para elaborar relatórioGuião para elaborar relatório
Guião para elaborar relatórioildamaria
 
Como fazer um trabalho?
Como fazer um trabalho?Como fazer um trabalho?
Como fazer um trabalho?ildamaria
 
Mês das bibliotecas escolas bibliopaper
Mês das bibliotecas escolas bibliopaperMês das bibliotecas escolas bibliopaper
Mês das bibliotecas escolas bibliopaperildamaria
 
Ficha de gramática 2ª junho 2014 7º ano
Ficha de gramática 2ª junho 2014 7º anoFicha de gramática 2ª junho 2014 7º ano
Ficha de gramática 2ª junho 2014 7º anoildamaria
 
Obras lidas
Obras lidas Obras lidas
Obras lidas ildamaria
 
Teste 7º ano fevereiro 2014 FRANCES
Teste 7º ano fevereiro 2014 FRANCESTeste 7º ano fevereiro 2014 FRANCES
Teste 7º ano fevereiro 2014 FRANCESildamaria
 
Ficha de trabalho março 2014 alt
Ficha de trabalho março 2014 altFicha de trabalho março 2014 alt
Ficha de trabalho março 2014 altildamaria
 
Dia de S. Valentim 2014
Dia de S. Valentim 2014Dia de S. Valentim 2014
Dia de S. Valentim 2014ildamaria
 
Ficha de revisoes 7º ano fevereiro 2014
Ficha de revisoes 7º ano fevereiro 2014Ficha de revisoes 7º ano fevereiro 2014
Ficha de revisoes 7º ano fevereiro 2014ildamaria
 
LA GASTRONOMIE FRANÇAISE
LA GASTRONOMIE FRANÇAISELA GASTRONOMIE FRANÇAISE
LA GASTRONOMIE FRANÇAISEildamaria
 
FêTes Et Traditions Francaises Joao Carlos
FêTes Et Traditions Francaises Joao CarlosFêTes Et Traditions Francaises Joao Carlos
FêTes Et Traditions Francaises Joao Carlosildamaria
 
L'hymne français
L'hymne françaisL'hymne français
L'hymne françaisildamaria
 
Fêtes et Traditions françaises - travail de João Carlos Pinto
Fêtes et Traditions françaises - travail de João Carlos PintoFêtes et Traditions françaises - travail de João Carlos Pinto
Fêtes et Traditions françaises - travail de João Carlos Pintoildamaria
 

Mais de ildamaria (20)

Ficha 2 revisoes 7
Ficha 2 revisoes 7Ficha 2 revisoes 7
Ficha 2 revisoes 7
 
Um dia na tua vida com a matemática 8º C
Um dia na tua vida com a matemática 8º CUm dia na tua vida com a matemática 8º C
Um dia na tua vida com a matemática 8º C
 
Um dia na tua vida com a matemática e a Metáfora / Poesia_8º B
Um dia na tua vida com a matemática e a Metáfora / Poesia_8º BUm dia na tua vida com a matemática e a Metáfora / Poesia_8º B
Um dia na tua vida com a matemática e a Metáfora / Poesia_8º B
 
Guia elaborar relatorio
Guia elaborar relatorioGuia elaborar relatorio
Guia elaborar relatorio
 
Como fazer um powerpoint (1)
Como fazer um powerpoint (1)Como fazer um powerpoint (1)
Como fazer um powerpoint (1)
 
Como fazer um powerpoint (1)
Como fazer um powerpoint (1)Como fazer um powerpoint (1)
Como fazer um powerpoint (1)
 
Regulamento sementinha mágica - Concurso
Regulamento sementinha mágica - ConcursoRegulamento sementinha mágica - Concurso
Regulamento sementinha mágica - Concurso
 
Guião para elaborar relatório
Guião para elaborar relatórioGuião para elaborar relatório
Guião para elaborar relatório
 
Como fazer um trabalho?
Como fazer um trabalho?Como fazer um trabalho?
Como fazer um trabalho?
 
Mês das bibliotecas escolas bibliopaper
Mês das bibliotecas escolas bibliopaperMês das bibliotecas escolas bibliopaper
Mês das bibliotecas escolas bibliopaper
 
Ficha de gramática 2ª junho 2014 7º ano
Ficha de gramática 2ª junho 2014 7º anoFicha de gramática 2ª junho 2014 7º ano
Ficha de gramática 2ª junho 2014 7º ano
 
Obras lidas
Obras lidas Obras lidas
Obras lidas
 
Teste 7º ano fevereiro 2014 FRANCES
Teste 7º ano fevereiro 2014 FRANCESTeste 7º ano fevereiro 2014 FRANCES
Teste 7º ano fevereiro 2014 FRANCES
 
Ficha de trabalho março 2014 alt
Ficha de trabalho março 2014 altFicha de trabalho março 2014 alt
Ficha de trabalho março 2014 alt
 
Dia de S. Valentim 2014
Dia de S. Valentim 2014Dia de S. Valentim 2014
Dia de S. Valentim 2014
 
Ficha de revisoes 7º ano fevereiro 2014
Ficha de revisoes 7º ano fevereiro 2014Ficha de revisoes 7º ano fevereiro 2014
Ficha de revisoes 7º ano fevereiro 2014
 
LA GASTRONOMIE FRANÇAISE
LA GASTRONOMIE FRANÇAISELA GASTRONOMIE FRANÇAISE
LA GASTRONOMIE FRANÇAISE
 
FêTes Et Traditions Francaises Joao Carlos
FêTes Et Traditions Francaises Joao CarlosFêTes Et Traditions Francaises Joao Carlos
FêTes Et Traditions Francaises Joao Carlos
 
L'hymne français
L'hymne françaisL'hymne français
L'hymne français
 
Fêtes et Traditions françaises - travail de João Carlos Pinto
Fêtes et Traditions françaises - travail de João Carlos PintoFêtes et Traditions françaises - travail de João Carlos Pinto
Fêtes et Traditions françaises - travail de João Carlos Pinto
 

Último

Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxBiancaNogueira42
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOColégio Santa Teresinha
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfPastor Robson Colaço
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 anoAdelmaTorres2
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasRicardo Diniz campos
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduraAdryan Luiz
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfEditoraEnovus
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasCassio Meira Jr.
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniModelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniCassio Meira Jr.
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxIsabelaRafael2
 
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdfJorge Andrade
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalJacqueline Cerqueira
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirIedaGoethe
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoMary Alvarenga
 

Último (20)

Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditadura
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniModelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
 
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
 

1º teste de avaliação, 9ºa,b,corrigido

  • 1. 1 30 Teste de avaliação de Português - 9ºano Nome ________________________________ N.° _____ Turma _____ Avaliação ______________________Professora _________________ Encarregado de Educação______________ Grupo I PARTE A Lê o texto seguinte. Em caso de necessidade, consulta o vocabulário e as notas apresentados. 5 As pessoas crescidas As pessoas crescidas fui-as conhecendo de baixo para cima à medida que a minha idade ia subindo em centímetros, marcados na parede pelo lápis da mãe. Primeiro eram apenas sapatos, por vezes descobertos sob a cama, enormes, sem pé dentro, e logo calçados por mim para caminhar pela casa, erguendo as pernas como um escafandrista1, num estrondo imenso de solas. Depois tomei conhecimento dos joelhos cobertos de fazenda ou de meias de vidro, formando ao redor da mesa debaixo da qual eu gatinhava uma paliçada que me impedia de fugir. A seguir vieram as barrigas de onde a voz, a tosse e a autoridade saíam apesar do esforço inútil de suspensórios e de cintos. Ao chegar à altura da toalha aprendi a distinguir os adultos uns dos outros pelos remédios entre o guardanapo e o copo: as gotas da avó, os xaropes do avô, as várias cores dos comprimidos das tias, as caixinhas de prata das pastilhas dos primos, o vaporizador da asma do padrinho que ele recebia abrindo as mandíbulas numa ansiedade de cherne2. Compreendi por essa época que tinham o riso desmontável: tiravam as piadas da boca e lavavam-nas, a seguir ao almoço, com uma escovinha especial. Aconteceu-me encontrá-las sob a forma de gargantilhas3 de dentes num estojo de gengivas cor-de-rosa escondidas por trás do despertador nas manhãs de domingo, a troçarem dos rostos que sem elas envelheciam mil anos de rugas murchas como flores de herbário devorando os lábios com as suas pregas concêntricas4. Já capaz pelo meu tamanho de lhes olhar a cara, o que mais me surpreendia neles era a sua estranha indiferença perante as duas únicas coisas verdadeiramente importantes do mundo: os bichos-da-seda e os guarda-chuvas de chocolate. Também não gostavam de colecionar gafanhotos, de mastigar estearina5 nem de dar tesouradas no cabelo, mas em contrapartida possuíam a mania incompreensível dos banhos e das pastas dentífricas e quando se referiam diante de mim a uma parente loira, muito simpática, muito pintada, muito bem cheirosa e mais bonita que eles todos, desatavam a falar francês olhando-me de banda com desconfiança e apreensão. Nunca percebi quando se deixa de ser pequeno para se passar a ser crescido. Provavelmente quando a parente loira passa a ser referida, em português, como a desavergonhada da Luísa. Provavelmente quando substituímos os guarda-chuvas de chocolate por bifes tártaros. Provavelmente quando começamos a gostar de tomar duche. Provavelmente quando cessamos de ter medo do escuro. Provavelmente quando nos tornamos tristes. Mas não tenho a certeza: não sei se sou crescido. António Lobo Antunes, Livro de Crónicas, 6.ª ed., Dom Quixote, 2006 10 15 20 25
  • 2. 2 Responde, de forma completa e bem estruturada, aos itens que se seguem. 1. Explica o sentido das seguintes expressões: a. “abrindo as mandíbulas numa ansiedade de cherne” (linha 12) Esta expressão significa abrindo a boca, respirando com dificuldade. b. “tinham o riso desmontável” (linha 13) Esta expressão tem o sentido de utilizavam dentadura. 2. O cronista recorre a várias expressões para indicar diferentes fases do seu crescimento. Transcreve-as. “Primeiro eram apenas sapatos”; “Depois tomei conhecimento dos joelhos cobertos de fazenda ou meias de vidro”; “A seguir vieram as barrigas”; “Ao chegar à altura da toalha”; “Já capaz pelo meu tamanho de lhes olhar a cara”. 3. Justifica porque falavam noutra língua os parentes do cronista. Os parentes falavam noutra língua para que o cronista não compreendesse o que diziam sobre a “parente loira”. 4. Ao longo do texto, são colocadas em oposição duas faixas etárias – a infância e a idade adulta. Copia a frase que revela que o cronista associa à primeira a alegria e à segunda a tristeza. “Provavelmente quando nos tornamos tristes.” 5. Identifica o recurso expressivo presente nas linhas 25 a 30 e comenta a sua expressividade. Anáfora – repetição das palavras “Provavelmente quando” no início de quatro frases seguidas. Esta repetição reforça as dúvidas da cronista relativamente ao momento em que nos tornamos adultos. 1. escafandrista: mergulhador. 2. cherne: peixe muito comum em Portugal. 3. gargantilhas: colares. 4. concêntricas: em forma de círculo. 5. estearina: gordura sólida.
  • 3. 3 PARTE B Lê o texto seguinte. A idade da crise Os neurologistas descobriram que o cérebro começa a reorganizar-se na puberdade e provoca um tremendo alvoroço que é responsável, em grande medida, pelas atitudes dos mais jovens. […] Psicólogos e sociólogos tentam descobrir se o comportamento adolescente obedece a um rito social, se é provocado por uma acumulação de fatores biológicos ou uma combinação de ambos. Procurámos dar resposta a algumas das questões fundamentais que se colocam entre os onze e os dezanove anos de idade. […]. Porque têm mudanças de humor? As alterações fisiológicas explicam,em grande parte,a razão pela qual os adolescentes costumam estar de mau humor mais vezes do que parece normal. As descargas de hormonas no organismo podem produzir transições rápidas da tristeza para a alegria ou da afabilidade para a fúria. Porém, há outro fator que se revela fundamental, segundo um estudo recente da organização Sleep Scotland (Edimburgo, Escócia): a falta de sono. A investigação detetou que as alterações no estado de humor coincidem com épocas em que dormimos poucas horas. No caso de jovens na fase da puberdade,deve-se sobretudo à grande quantidade de tempo que dedicam, todas as noites, aos videojogos, à TV ou à Internet: muitos apenas dormem entre quatro e cinco horas por noite, o que influi de forma determinante nas suas drásticas alterações emocionais. […] Porque gostam tanto de SMS? Um estudo recente da Universidade do Michigan e do Projeto Pew Internet & American Life revelou que os adolescentes comunicam sobretudo através de mensagens de texto, apesar da utilização em massa do correio eletrónico e do êxito de redes sociais como o Facebook ou o Twitter. O volume é impressionante: uma média de 30 SMS por dia, no caso deles,e de 80, no delas.As razões estão relacionadas com um formato que impõe a b revidade (o que lhes agrada) e a transmissão quase universal, pois praticamente toda a gente possui um telemóvel. Além disso,o estudo descobriu outro fator para explicar a preferência juvenil: o sentido de privacidade. Os SMS parecem bilhetinhos secretos, o que os transforma no meio ideal para trocar mensagens íntimas.Todavia,há um dado curioso que nos faz refletir sobre o tipo de comunicação que se estabelece com os pais:na maior parte dos casos,os miúdos recorrem a chamadas de voz quando querem falar com os progenitores. Talvez porque não lhes contam todos os seus segredos? […] L.M., in SuperInteressante n.º 152 – dezembro 2010 6. As afirmações apresentadas de (A) a (G) correspondem a ideias-chave do texto. Escreve a sequência de letras que corresponde à ordem pela qual essas ideias aparecem no texto. Começa a sequência pela letra (F). (A) Os jovens preferem utilizar SMS, pois possibilitam a troca de mensagens íntimas. (B) Ao comunicar com os seus pais,os adolescentes preferem as chamadas de voz. (C) As alterações fisiológicas condicionam o humor dos adolescentes. (D) Os investigadores procuram descobrir se o comportamento dos adolescentes se deve a fatores biológicos,sociais ou a ambos. (E) A falta de sono também pode condicionar as alterações do humor. (F) A reorganização do cérebro, na puberdade,é responsável pelas atitudes dos mais jovens. (G) A comunicação entre adolescentes efetua-se,principalmente,através de SMS. F, D, C, E, G, A, B.
  • 4. 4 7. Seleciona,em cada item,a opção correta relativamente ao sentido do texto. 7.1. Os estudos referidos no texto procuravam (A) explicações biológicas para o comportamento dos adolescentes. (B) razões sociais que justificassem o comportamento dos jovens entre os onze e os dezanove anos. (C)verificar se os comportamentos dos adolescentes se deviam a fatores biológicos, sociais ou a ambos. (D) descobrir como controlar o comportamento dos adolescentes. 7.2. Os jovens dormem poucas horas devido (A) ao uso excessivo de determinados meios tecnológicos. (C) às alterações hormonais. (B) à sua instabilidade emocional. (D)ao envio constante de SMS. 7.3. A pergunta “Talvez porque não lhes contam todos os seus segredos?” (A) pretende criticar o comportamento dos jovens. (B) formula uma hipótese para as diferentes formas de comunicação. (C) defende que os adolescentes contem todos os seus segredos aos pais. (D) apresenta a principal preocupação dos pais de adolescentes. 8. Seleciona a única afirmação falsa,de acordo com o sentido do texto. (A) “que” (linha 2) substitui “tremendo alvoroço”. (C) “que” (linha 5) substitui “questões fundamentais”. (B) “que” (linha 12) substitui “jovens”. (D)“que” (linha 23) substitui “dado curioso”. PARTE C 9. Escreve um texto expositivo, com um mínimo de 70 e um máximo de 120 palavras,no qual explicites o conteúdo do texto da Parte B. O teu texto deve incluir uma parte introdutória,uma parte de desenvolvimento e uma parte de conclusão. Organiza a informação da forma que considerares mais pertinente,tratando os tópicos apres entados a seguir.  Justificação do título do texto.  Indicação de duas alterações comportamentais verificadas em adolescentes.  Explicação dos motivos que contribuem para essas alterações.  Referência às relações dos adolescentes com os outros. A adolescência é, frequentemente, associada a momentos complicados e conflituosos. O título do texto, “A idade da crise”, remete para um momento de mudanças físicas e psicológicas, que pode gerar crises de identidade e socioefetivas. Neste período, o comportamento dos jovens pode sofrer alterações, nomeadamente, transições rápidas de disposição e uma maior tendência para o mau humor, que estão relacionadas com alterações fisiológicas e com falta de sono. Estas mudanças poderão gerar problemas relacionais.
  • 5. 5 A forma como comunicam com os outros depende do destinatário: sobretudo SMS com os pares; com os pais, preferem as chamadas de voz. Estas explicações da ciência para algumas atitudes juvenis poderão contribuir para um melhor conhecimento daqueles que se encontram na “idade da crise”. Grupo II 1. Indica a alínea que apresenta apenas palavras derivadas por prefixação. (A) impróprio • desprezo • biológico • assimétrico. (B)irracional • amover • antepor • subdiretor. (C) intelectual • desfolhar • opor • perfurar. (D) desconfiar • repelente • lavagem • desobedecer. 2. “Os neurologistas descobriram que o cérebro começa a reorganizar-se na puberdade […].” 2.1. Classifica a palavra “neurologistas” quanto ao processo de formação. Palavra por composição morfológica (neuro+logistas). 2.2. Comprova que a palavra “cérebro” é uma palavra polissémica,integrando-a em três frases. Ela é o cérebro da turma. (muito inteligente) Quando te vi, vieram-me ao cérebro. (imagens da nossa infância) Ele foi o cérebro da organização. (líder, responsável) 3. Reescreve em discurso indireto a fala do Rui. – Hoje recebi apenas esta mensagem dos meus avós – disse o Rui. O Rui disse que naquele dia, recebera (tinha recebido) apenas aquela mensagem dos seus avós. 4. Indica o hiperónimo presente em cada alínea. a) Cartas – xadrez – monopólio – jogo– gamão b) Milimétrico – vegetal – de lustro – celofane – papel. 5. Indica dois merónimos para cada um dos seguintes holónimos. a) Refeição : sobremesa, aperitivos. b) família pai, mãe. 6. Completa cada uma das frases seguintes com a forma adequada do verbo apresentado entre parênteses, usando apenas tempos simples. a) Era impossível imaginar que o cartaz obtivesse (obter) tanto êxito. b) O facto de nós premiarmos (premiar) o cartaz não significa que os outros não interessassem.
  • 6. 6 c) Houve (haver) vários concursos na minha escola para que se descobrissem novos talentos. d) Sei que valho (valer) muito mais nas provas do que aquilo que demonstrei no passado. 7. Reescreve as frases seguintes,substituindo os elementos sublinhados pelo pronome pessoal adequado. (A) Eu enviaria mensagens se tivesse saldo no telemóvel. Eu enviá-las-ia se tivesse saldo no telemóvel. (B)Alguém viu a mensagem que te enviei? Alguém a viu? Grupo III No texto da Parte A, o cronista recorda alguns episódios dos seus tempos de menino. Relata um acontecimento da tua infância.No teu texto, deves: • indicar a idade que tinhas; descrever o espaço onde te encontravas; narrar o que sucedeu. O teu texto deve ter um mínimo de 180 e um máximo de 240 palavras . __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ _________________________________________________________________________________________ _ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________