Notas<br />BOGDAN, Robert e BIKLEN, Sari – “A Tradição da Investigação qualitativa em educação”, Investigação qualitativa ...
  A tradição da investigação qualitativa em educação<br />Origens no século XIX<br />O nascimento da antropologia<br />A s...
Pág. 19<br />Ainda que a investigação qualitativa no campo da educação só recentemente tenha sido reconhecida, possui uma ...
Pág. 20<br />Origens no século XIX<br />       No fim do século XIX, nos Estados Unidos, a denúncia jornalística dos probl...
Pág. 20<br />       Nos finais do século XIX, o francês FrederickLePlay estudou famílias da classe trabalhadora, recorrend...
Pág. 20<br />       A obra de Henry Mayhew, LondonLabourandtheLondonPoor, publicada em quatro volumes entre 1851 e 1862 (F...
Pág. 20<br />       A obra de Charles Booth, um estatístico que começou a fazer levantamentos sociais relativos aos pobres...
Pág. 22<br />       Nos Estados Unidos, W.E.B. Du Bois procedeu ao primeiro levantamento social, publicado em 1899 com o t...
Pág. 22/23<br />       Um dos levantamentos sociais mais significativos foi o de Pittsburgh, conduzido em 1907. O grupo qu...
Pág. 23<br />         Os levantamentos sociais têm uma importância particular para a compreensão da história da investigaç...
Pág. 25<br />O nascimento da antropologia<br />Franz Boas, fundador do primeiro departamento universitário dos Estados Uni...
Pág. 25<br />       O contributo mais significativo de Franz Boas foi a sua participação no desenvolvimento da antropologi...
Pág. 25<br />       Relativamente ao desenvolvimento das técnicas de trabalho de campo é necessário considerar os estudos ...
Pág. 25<br />Malinowski foi o primeiro  antropólogo profissional a descrever  o modo como obteve os seus dados e a experiê...
Pág. 26<br />       Possivelmente, a primeira aplicação concreta da antropologia à educação nos Estados Unidos foi efectua...
Pág. 26<br />       Uma das figuras principais no desenvolvimento do método qualitativo foi RobertRedfield, um antropólogo...
Pág. 26<br />A sociologia de Chicago<br />       A “Escola de Chicago”, rótulo aplicado a um grupo de sociólogos investiga...
Pág. 26/27<br />        Do ponto de vista teórico, os sociólogos de Chicago entendiam os símbolos e as personalidades como...
Características da metodologia da Escola de Chicago<br />Os sociólogos de Chicago baseavam-se nos dados recolhidos em prim...
Pág. 28<br />         Os sociólogos de Chicago assumiram uma abordagem interaccionista relativamente à investigação (Carey...
Pág. 29<br />A sociologia da educação<br />       O início oficial da sociologia da educação, como campo individualizado, ...
Pág. 29<br />          O “método científico” e educação identificou-se com a quantificação. A sociologia em geral e a Revi...
Pág. 30<br />           À medida que os educadores foram aumentando a  sua preocupação com a mensuração, quantificação e p...
Pág. 30<br />           Mas houve excepções. WillardWaller obteve o seu mestrado com EllsworthFaris no Departamento de Soc...
Pág. 29<br />Dos anos trinta aos anos cinquenta<br />      Alguns académicos vêem a investigação realizada entre os anos t...
Pág. 31<br />       Os historiadores da investigação qualitativa nunca incluíram Freud e Piaget entre os criadores da abor...
A investigação qualitativa nos anos 30<br />A influência do departamento de sociologia de Chicago declinou durante os anos...
A investigação qualitativa nos anos 40<br />A investigação qualitativa nos anos 50<br />No anos quarenta, Mirra Komarovsky...
Pág.36<br />Os anos sessenta: uma época de mudança<br />      Os anos sessenta chamaram a atenção nacional para os problem...
Pág.36<br />      Nos anos sessenta, os próprios investigadores educacionais começaram a manifestar interesse pelas estrat...
Pág. 38<br />      A audiência para a investigação qualitativa em educação cresceu na década de sessenta. Não se encontran...
Quais as razões para que a abordagem qualitativa em educação começasse a sair de um longo período de hibernação na década ...
Pág. 39<br />Os anos setenta: investigação qualitativa em educação, a diversidade<br />      Na década de sessenta, a pers...
Pág. 39<br />       Verificou-se, nas comunicações apresentadas em associações profissionais, como a AmericanEducationalRe...
Pág. 39<br />         Defensores de todas as perspectivas participaram nas discussões: “qualitativos” versus “quantitativo...
Pág. 39<br />         Defensores de todas as perspectivas participaram nas discussões: “qualitativos” versus “quantitativo...
Pág. 43<br />Anos oitenta e noventa: computadores, feminismo e a investigação qualitativa pós-moderna<br />      Os teóric...
Pág. 43<br />      Nos anos oitenta e noventa, o número de publicações para artigos qualitativos aumentou. <br />        S...
Pág. 43<br />      Desde o académico AmericanEducationalResearchJournalaté à revista de grande tiragem Phi Delta Kappa, os...
Pág. 43<br />      Uma inovação significativa, de carácter mais técnico do que conceptual, foi a utilização do computador ...
Pág. 43-45<br />      A teoria e a prática feministas também influenciaram a investigação qualitativa da época de oitenta....
Pág. 45<br />      O pós-modernismo (também designado por pós-estruturalismo e desconstrucionismo) representa uma posição ...
Pág. 45-46<br />      Os pós-modernistas defendem só ser possível conhecer algo tendo como referência uma determinada pers...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

A Tradição Da Investigação Qualitativa Em EducaçãO Notas

4.962 visualizações

Publicada em

Notas sobre BOGDAN, Robert e BIKLEN, Sari – “A Tradição da Investigação qualitativa em educação”, Investigação qualitativa em investigação, Porto: Porto Editora, 2006, ISBN: 978-972-0-34112-9, pp 19-46. Registo feito no âmbito da uc de Metodologia de Investigação em Contextos Online, mpel3, Universidade Aberta.

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

A Tradição Da Investigação Qualitativa Em EducaçãO Notas

  1. 1. Notas<br />BOGDAN, Robert e BIKLEN, Sari – “A Tradição da Investigação qualitativa em educação”, Investigação qualitativa em investigação, Porto: Porto Editora, 2006, ISBN: 978-972-0-34112-9, pp 19-46<br />
  2. 2. A tradição da investigação qualitativa em educação<br />Origens no século XIX<br />O nascimento da antropologia<br />A sociologia de Chicago<br />A sociologia da educação<br />Dos anos trinta aos anos cinquenta<br />Os anos sessenta<br />Os anos setenta<br />Os anos oitenta e noventa<br />
  3. 3. Pág. 19<br />Ainda que a investigação qualitativa no campo da educação só recentemente tenha sido reconhecida, possui uma longa e rica tradição. As características desta herança auxiliam os investigadores qualitativos a compreender a sua metodologia em contexto histórico.<br />
  4. 4. Pág. 20<br />Origens no século XIX<br /> No fim do século XIX, nos Estados Unidos, a denúncia jornalística dos problemas sociais exigia resposta, uma delas foi o “movimento dos levantamentos sociais”, constituído por um conjunto de estudos comunitários coordenados, relativos aos problemas urbanos, e levados a cabo próximo do início do século vinte. <br />
  5. 5. Pág. 20<br /> Nos finais do século XIX, o francês FrederickLePlay estudou famílias da classe trabalhadora, recorrendo ao método designado por “observação participante” pelos cientistas sociais dos anos trinta (Wells, 1939). <br />
  6. 6. Pág. 20<br /> A obra de Henry Mayhew, LondonLabourandtheLondonPoor, publicada em quatro volumes entre 1851 e 1862 (Fried e Elman, 1968; Stott, 1973), consiste no registo, ilustração e descrição das condições de vida dos trabalhadores e dos desempregados. Mayhew apresenta histórias de vida e os resultados de entrevistas exaustivas com os pobres.<br />
  7. 7. Pág. 20<br /> A obra de Charles Booth, um estatístico que começou a fazer levantamentos sociais relativos aos pobres de Londres em 1886 (Webb, 1926), seguiu a tendência da literatura urbana emergente. O seu trabalho contém descrições exaustivas e detalhadas das pessoas que estudou.<br />
  8. 8. Pág. 22<br /> Nos Estados Unidos, W.E.B. Du Bois procedeu ao primeiro levantamento social, publicado em 1899 com o título de ThePhiladelphia Negro, consistindo num trabalho levado a cabo durante cerca de um ano e meio de estudo apurado, recorrendo a entrevistas e observação de sujeitos que habitavam essencialmente no Sétimo Bairro da cidade. O objectivo da investigação era examinar “as condições de vida dos mais de quarenta mil indivíduos de raça negra que habitavam na cidade de Filadélfia. <br />
  9. 9. Pág. 22/23<br /> Um dos levantamentos sociais mais significativos foi o de Pittsburgh, conduzido em 1907. O grupo que o conduziu tentou aplicar o “método científico” ao estudo dos problemas sociais.<br /> Ainda que o Inquérito de Pittsburgh apresente quantificações estatísticas, relativamente a questões que vão desde o número de acidentes semanais e valor de salários, até ao tipo de localizações dos sanitários e a frequência escolar, apresenta descrições detalhadas, entrevistas, desenhos e fotografias.<br />
  10. 10. Pág. 23<br /> Os levantamentos sociais têm uma importância particular para a compreensão da história da investigação qualitativa em educação dada a sua relação imediata com os problemas sociais e a sua posição particular a meio caminho entre a narrativa e o estudo científico. <br />
  11. 11. Pág. 25<br />O nascimento da antropologia<br />Franz Boas, fundador do primeiro departamento universitário dos Estados Unidos, terá possivelmente sido o primeiro antropólogo a escrever sobre antropologia e educação, num artigo publicado em 1898 e dedicado ao ensino da antropologia a nível universitário.<br />
  12. 12. Pág. 25<br /> O contributo mais significativo de Franz Boas foi a sua participação no desenvolvimento da antropologia interpretativa, bem como o seu conceito de cultura. Em contraste com os antropólogos anteriores, Boas era um “relativista cultural”, acreditando que cada cultura estudada devia ser abordada de forma indutiva. <br />
  13. 13. Pág. 25<br /> Relativamente ao desenvolvimento das técnicas de trabalho de campo é necessário considerar os estudos antropológicos das culturas nativas. <br />BronislawMalinowski foi o primeiro antropólogo cultural a passar longos períodos de tempo numa aldeias nativa, para observar o seu funcionamento (Wax, 1971)<br />
  14. 14. Pág. 25<br />Malinowski foi o primeiro antropólogo profissional a descrever o modo como obteve os seus dados e a experiência do trabalho de campo. Estabeleceu as bases da antropologia interpretativa, ao enfatizar a importância de apreender “o ponto de vista do nativo” (Malinowski, 1922, p.25)<br />
  15. 15. Pág. 26<br /> Possivelmente, a primeira aplicação concreta da antropologia à educação nos Estados Unidos foi efectuada pela antropóloga MargaretMead (Mead, 1942 e 1951). Preocupada com o papel do professor e com a escola enquanto organização, recorreu às suas experiências de campo em sociedades menos tecnológicas, para ilustrar o quadro educativo em rápida mudança nos Estados Unidos da época. <br />
  16. 16. Pág. 26<br /> Uma das figuras principais no desenvolvimento do método qualitativo foi RobertRedfield, um antropólogo que estudou na Universidade de Chicago no período de desenvolvimento da sociologia.<br /> O trabalho de campo dos antropólogos constituiu um fundamento importante do modelo que ficou conhecido como a sociologia de Chicago (Douglas, 1976) <br />
  17. 17. Pág. 26<br />A sociologia de Chicago<br /> A “Escola de Chicago”, rótulo aplicado a um grupo de sociólogos investigadores com funções docentes e discentes no departamento de sociologia da Universidade de Chicago, nos anos vinte e trinta, contribuíram enormemente para o desenvolvimento do método de investigação que designamos por qualitativo. <br />
  18. 18. Pág. 26/27<br /> Do ponto de vista teórico, os sociólogos de Chicago entendiam os símbolos e as personalidades como emergentes da interacção social (Faris, 1967). Do ponto de vista metodológico, todos se baseavam no estudo de caso, quer se tratasse de um indivíduo, de um grupo, de um bairro ou de uma comunidade (Wiley, 1979). <br />
  19. 19. Características da metodologia da Escola de Chicago<br />Os sociólogos de Chicago baseavam-se nos dados recolhidos em primeira mão para as suas investigações.<br />Esta técnica estabeleceu-se a partir do trabalho de dois autores:<br />W.I. Thomase Roberta Park. Park enviava os seus alunos para as ruas de Chicago, nos anos vinte, para que pudessem observar pessoalmente o que se passava. <br />O ênfase na vida da cidade constitui a segunda característica importante dos sociólogos de Chicago. O que quer que estudassem, faziam-no sempre tendo como pano de fundo a comunidade como um todo, abordagem que Becker designou por “o mosaico científico” (Becker, 1970b)<br />Pág. 27<br />
  20. 20. Pág. 28<br /> Os sociólogos de Chicago assumiram uma abordagem interaccionista relativamente à investigação (Carey, 1975), enfatizando a natureza social e interactiva da realidade. <br />
  21. 21. Pág. 29<br />A sociologia da educação<br /> O início oficial da sociologia da educação, como campo individualizado, verificou-se em 1915, aquando da inauguração do primeiro curso de “Sociologia da Educação” (Sneden, 1937), mas o JournalofEducationalSociologysó surgiu em 1926. <br />
  22. 22. Pág. 29<br /> O “método científico” e educação identificou-se com a quantificação. A sociologia em geral e a Revista, em particular, afastaram-se da perspectiva de Chicago, encaminhando-se para uma abordagem quantitativa e experimental. <br />
  23. 23. Pág. 30<br /> À medida que os educadores foram aumentando a sua preocupação com a mensuração, quantificação e predição, as estratégias qualitativas tais como a “investigação e primeira mão”, a utilização de documentos pessoais e a preocupação do investigador de campo com o contexto social tornaram-se menos relevantes para os educadores (Peters, 1937). <br />
  24. 24. Pág. 30<br /> Mas houve excepções. WillardWaller obteve o seu mestrado com EllsworthFaris no Departamento de Sociologia de Chicago, sendo a sua abordagem da sociologia da educação empírica, mas “antiquantitativa”, baseando-se num contacto directo com o mundo social e preocupado com as relações entre as partes e o todo. <br />
  25. 25. Pág. 29<br />Dos anos trinta aos anos cinquenta<br /> Alguns académicos vêem a investigação realizada entre os anos trinta e os anos cinquenta como um hiato da abordagem qualitativa. <br />
  26. 26. Pág. 31<br /> Os historiadores da investigação qualitativa nunca incluíram Freud e Piaget entre os criadores da abordagem qualitativa, contudo, ambos se basearam em estudos de caso, observações e entrevistas em profundidade. <br />
  27. 27. A investigação qualitativa nos anos 30<br />A influência do departamento de sociologia de Chicago declinou durante os anos trinta.<br />A Grande Depressão afectou o financiamento dos projectos de investigação.<br />Ainda a Grande Depressão transferiu a preocupação dos sociólogos pelos imigrantes americanos e outras questões étnicas , preocupação dominante na Escola de Chicago, para os problemas do desemprego maciço.<br />Desacordos significativos entre os sociólogos americanos relativamente a questões políticas e metodológicas, bem como a reforma ou morte de muitas figuras principais de Chicago, desempenharam um papel importante no hiato entre os anos 30 e 50.<br />Um campo amplamente reconhecido da utilização continuada da abordagem qualitativa foi o trabalho desenvolvido pelos antropólogos sociais, que transportaram os métodos de campo que tinham utilizado no estrangeiro para os estudos conduzidos na cultura americana. <br />A Depressão dos Estados Unidos deu origem a grandes problemas para a maioria dos cidadãos, e muitas pessoas, incluindo aquelas que trabalhavam para as agências governamentais, voltaram-se para a abordagem qualitativa com o objectivo de documentar a natureza e extensão destes problemas. <br />O documentarismo fotográfico incidindo sobre as dimensões do sofrimento dos americanos sem posses também se desenvolveu.<br />Pág. 32/33<br />
  28. 28. A investigação qualitativa nos anos 40<br />A investigação qualitativa nos anos 50<br />No anos quarenta, Mirra Komarovsky, uma socióloga que havia publicado um dos dois estudos qualitativos mais conhecidos sobre a Família e a Depressão, terminou um estudo sobre as mulheres no ensino superior, que viria a constituir um documento importante para o movimento feminista, no início dos anos setenta.<br />O interesse dos antropólogos pela educação aumentou.<br />Verificaram-se desenvolvimentos significativos dos métodos qualitativos e de trabalho de campo, tanto a nível conceptual como metodológico. <br />Outra evolução metodológica importante foi o desenvolvimento da entrevista como uma estratégia central da investigação qualitativa. O AmericanJournalofSociologydedicou-lhe um número especial em 1956<br />Pág. 34-36<br />
  29. 29. Pág.36<br />Os anos sessenta: uma época de mudança<br /> Os anos sessenta chamaram a atenção nacional para os problemas educativos, reavivaram o interesse pela investigação qualitativa e tornaram os investigadores educacionais mais sensíveis a este tipo de abordagem. <br />
  30. 30. Pág.36<br /> Nos anos sessenta, os próprios investigadores educacionais começaram a manifestar interesse pelas estratégias qualitativas na investigação, ao mesmo tempo que as agências estatais começaram a subsidiar a investigação que utilizava métodos qualitativos. <br />
  31. 31. Pág. 38<br /> A audiência para a investigação qualitativa em educação cresceu na década de sessenta. Não se encontrando ainda firmemente estabelecido moo um paradigma legítimo de investigação, o seu estatuto causou múltiplos problemas aos alunos que os pretendiam usar no seu trabalho. Mas as abordagens qualitativas provocavam entusiasmo. <br />
  32. 32. Quais as razões para que a abordagem qualitativa em educação começasse a sair de um longo período de hibernação na década de sessenta?<br />Os tumultos sociais da época indicavam claramente que não se sabia o suficiente sobe o modo como os alunos experimentavam a escola. Eram necessárias descrições esclarecedoras.<br />Os métodos qualitativos ganhavam popularidade devido ao reconhecimento que emprestavam às perspectivas dos mais desfavorecidos e excluídos socialmente. <br />Os métodos de investigação qualitativa representavam o espírito democrático em ascendência na década de sessenta.<br />Surgiu a necessidade de professores experientes neste tipo de investigação, abrindo-se o caminho a inovações e desenvolvimentos metodológicos. <br />Na década de sessenta, o campo da sociologia, que tinha sido dominado pelas ideias da teoria estrutural-funcional durante vinte anos, começou a virar-se para os escritos fenomenologistas. <br />Pág. 38-39<br />
  33. 33. Pág. 39<br />Os anos setenta: investigação qualitativa em educação, a diversidade<br /> Na década de sessenta, a perspectiva qualitativa era ainda marginal em educação, só praticada pelos mais heterodoxos. No início dos anos setenta, ainda que os métodos qualitativos não fossem, de modo algum, os dominantes, já não podiam ser vistos como marginais. <br />
  34. 34. Pág. 39<br /> Verificou-se, nas comunicações apresentadas em associações profissionais, como a AmericanEducationalResearchAssociation, um aumento das que recorriam aos métodos qualitativos, tendo estes métodos obtido reconhecimento crescente em campos como a investigação avaliativa (Guba, 1978; Patton, 1980). <br />
  35. 35. Pág. 39<br /> Defensores de todas as perspectivas participaram nas discussões: “qualitativos” versus “quantitativos”, “jornalismo” versus “investigação” e “científico” versus “intuitivo”. Verificou-se uma mudança dos investigadores quantitativos relativamente à investigação qualitativa. As tensões entre investigadores qualitativos e quantitativos diminuíram, instalando-se um clima de diálogo entre os dois grupos. <br />
  36. 36. Pág. 39<br /> Defensores de todas as perspectivas participaram nas discussões: “qualitativos” versus “quantitativos”, “jornalismo” versus “investigação” e “científico” versus “intuitivo”. Verificou-se uma mudança dos investigadores quantitativos relativamente à investigação qualitativa. As tensões entre investigadores qualitativos e quantitativos diminuíram, instalando-se um clima de diálogo entre os dois grupos. <br />
  37. 37. Pág. 43<br />Anos oitenta e noventa: computadores, feminismo e a investigação qualitativa pós-moderna<br /> Os teóricos da educação ainda discutem sobre as diferenças entre a investigação quantitativa e qualitativa e se as duas podem e devem ser articuladas (Smith, 1983; Stainback,eStainback, 1985; Howe, 1988; Firestone, 1987; Smith e Heshusius, 1986). <br />
  38. 38. Pág. 43<br /> Nos anos oitenta e noventa, o número de publicações para artigos qualitativos aumentou. <br /> Surgiu uma nova revista exclusivamente dedicada à publicação de investigação qualitativa em educação – InternationalJournal for QualitativeStudiesinEducatione várias editoras iniciaram séries de livros com uma preocupação semelhante. <br />
  39. 39. Pág. 43<br /> Desde o académico AmericanEducationalResearchJournalaté à revista de grande tiragem Phi Delta Kappa, os responsáveis pelas publicações periódicas de educação solicitam activamente a apresentação de manuscritos baseados em investigação qualitativa. <br />
  40. 40. Pág. 43<br /> Uma inovação significativa, de carácter mais técnico do que conceptual, foi a utilização do computador na recolha, gestão e análise dos dados qualitativos.<br /> Os investigadores qualitativos registam os seus apontamentos em processadores de texto para ordenar os muitos parágrafos de dados produzidos num estudo qualitativo. <br />
  41. 41. Pág. 43-45<br /> A teoria e a prática feministas também influenciaram a investigação qualitativa da época de oitenta. O feminismo influenciou o tipo de sujeitos que os investigadores qualitativos (feministas) estudaram.<br /> As feministas tiveram um papel importante enquanto impulsionadoras da investigação sobre as emoções e os sentimentos (Hochschild, 1983). <br /> O feminismo afectou igualmente as questões metodológicas. <br />
  42. 42. Pág. 45<br /> O pós-modernismo (também designado por pós-estruturalismo e desconstrucionismo) representa uma posição intelectual que reivindica o facto de vivermos num período “pós”-moderno, um tempo histórico real que difere do modernismo. <br />
  43. 43. Pág. 45-46<br /> Os pós-modernistas defendem só ser possível conhecer algo tendo como referência uma determinada perspectiva. Tal posição desafia a possibilidade de alcançar a verdade através do adequado, ou seja, científico uso da razão. Não é possível raciocinar ou conceptualizar para além da localização do eu num contexto histórico-social específico. Desta forma, esta perspectiva enfatiza a interpretação e a escrita como características centrais da investigação. <br />

×