SlideShare uma empresa Scribd logo
MOVIMENTOS SOCIAIS NA
REPÚBLICA VELHA (1889-
1930)
GUERRAS, REVOLTAS,
LEVANTES E GREVES
Movimentos sociais na república velha (1889 1930)
GUERRA DE CANUDOS




                            Arraial de
                            Canudos




Localização do Arraial de
        Canudos
                                         Euclides da Cunha
GUERRA DE CANUDOS
1.  Relaciona-se com as injustiças sociais e à
    miséria dos pequenos agricultores,
    desprotegidos das políticas oficiais
2. Fatores geradores:

-denúncia contra a seca;

-miséria e;

- arbitrariedade dos coronéis.

-resistência baseada na organização comunitária
GUERRA DE CANUDOS
Perfil da imprensa de Antonio Conselheiro

   anacoreta sombrio;
   cabelos crescidos até aos ombros;
   barba inculta e longa;
   face escaveirada;
   olhar fulgurante;
   monstruoso, dentro de um hábito azul de brim
    americano
GUERRA DE CANUDOS

                                 Antonio Vicente Mendes
                                 Maciel, o Conselheiro.
                                 Principal   líder   da
                                 Guerra de Canudos




Imagem que lembra o Arraial de
Canudos, sertão da Bahia
GUERRA DE CANUDOS
1.   Movimento liderado pelo beato Antônio
     Conselheiro;´
2.   Área: Comarca de Belo Monte (Bahia);
3.   Experiência comunitária autônoma, provocando
     a reação dos coronéis, que exigiram a
     intervenção do Governo Federal e a destruição
     de "Canudos”
4.   Número de mortos: estima-se 15.000 pessoas;
5.   Movimento que combinava conteúdos religioso e
     social, pois questionavam o poder das
     autoridades civis e religiosas.
CANUDOS

   Acreditava que a República era o grande mal e o
    sinal apocalíptico do final dos tempos, pois
    entendia que ela era a responsável pelo
    acirramento da política dos coronéis e pelo
    crescimento da pobreza e da exploração dos
    camponeses nordestinos.
   Acusados de fanáticos e monarquistas, foram
    atacados pelas forças do governo.
   A frágil base política em que se assentava o
    governo republicano foi incapaz de reconhecer a
    questão social e cultural suscitada por Canudos.
REVOLTA DA VACINA
                    Cena de enfrentamento   durante   a
Osvaldo             Revolta da Vacina
Cruz,
médico
sanitaris-
ta
responsá-
vel pela
higieniza-
ção do RJ
REVOLTA DA VACINA
1.   Luta popular de 1904, ocorrida no Rio de
     Janeiro, contra a política de Regeneração de
     Rodrigues Alves e Pereira Passos.
2.   movimento de massa que eclodiu após a
     demolição de moradias populares e da ação
     autoritária de agentes sanitários;
3.   Expressa a insatisfação e a crítica de grupos
     populares quanto aos mecanismos de exclusão
     social e política e às estratégias de expansão dos
     interesses oligárquicos, então vigentes;
REVOLTA DA VACINA




Charge da época da Revolta da Vacina
REVOLTA DA VACINA
   A Revolta da Vacina ocorreu no Rio de Janeiro
    em virtude do excesso de ações tomadas em
    nome da modernização e das péssimas condições
    de vida de grande parte da população, que teve
    como estopim a obrigatoriedade da vacina contra
    a varíola.
   Contrariava a política de saneamento e de
    reurbanização da cidade, com a demolição dos
    cortiços e quiosques do centro
GUERRA DO CONTESTADO




Este grupo de caboclos mostrou a um fotógrafo anônimo que
estava disposto a se defender
GUERRA DO CONTESTADO
1. A Guerra do Contestado (1912-1916) ocorreu na
   fronteira entre Paraná e Santa Catarina.
2. Expressa revolta contra a miséria e a exclusão
   social.
3. Revolta ocorrida numa região disputada pelos
   Estados do Paraná e de Santa Catarina, em que
   muitas famílias de posseiros lutaram para não
   perder suas terras e para não serem expulsas da
   região.
4. Movimento que combinava conteúdos religioso e
   social, pois questionavam o poder das autoridades
   civis e religiosas.
GUERRA DO CONTESTADO




  Localização da disputa e da Ferrovia
GUERRA DO CONTESTADO
1.  Para a imprensa e as autoridades militares, era
    uma reedição do fanatismo de Canudos.
2. Características:

• forte religiosidade popular;

• Luta contra a miséria social;

• Luta contra injusta distribuição fundiária e;

• Forte influencia de liderança de figuras místicas

3. Liderança: “Monge” José Maria, adepto fanático
    do Sebastianismo.
GUERRA DO CONTESTADO
               Monge João Maria, líder da
               Guerra do Contestado
CANGAÇO – BANDITISMO SOCIAL




Imagem que lembram o principal grupo de cangaceiro do
Brasil – o Grupo de Lampião.
CANGAÇO
    Movimento considerado banditista (fora da lei),
     mas que deve ser inserido na condição miserável
     gerada pelos latifundiários do nordeste na
     primeira metade do século XX.
    Os cangaceiros eram assalariados do crime,
     lutando a serviço dos coronéis que melhor
     pagassem.
1.    Área de atuação – sertão nordestino;
2.    Fatores para o surgimento do cangaço:
-    miséria;
-    pobreza e;
-    concentração latifundiária
CANGAÇO

          Cabeças           dos
          cangaceiros    mortos
          em    Angico    (Poço
          Redondo, SE
REVOLTA DA CHIBATA
REVOLTA DA CHIBATA
   A Revolta da Chibata denunciava o rígido código
    de disciplina da marinha, que punia as faltas
    graves com chibatadas, além da má alimentação
    e dos miseráveis soldos (salários) que os
    marinheiros recebiam.
   Os maus-tratos se somam à frequência dos
    castigos corporais. O trabalho é duro e excessivo.
   Liderança – João Cândido, Conhecido como o
    navegante negro;
REVOLTA DA CHIBATA
Há muito tempo nas águas da
Guanabara
O dragão do mar reapareceu
Na figura de um bravo feiticeiro
A quem a história não esqueceu
Conhecido como o navegante negro
Tinha a dignidade de um mestre-
sala
E ao acenar pelo mar na alegria
das regatas
Foi saudado no porto pelas
mocinhas francesas
Jovens polacas e por batalhões de
mulatas
Rubras cascatas
Jorravam das costas dos santos
entre cantos e chibatas
Inundando o coração do pessoal do
porão
REVOLTA DA CHIBATA
Saldo:
    O governo de Hermes da Fonseca, diante da
ameaça de bombardeio sobre a capital federal (...)
concedeu anistia aos revoltosos. Depois eles foram
todos punidos. Muitos morreram. João Cândido foi
internado como louco."
REVOLTA DA CHIBATA
         Que, a exemplo do feiticeiro, gritava
         então
         Glória aos piratas
         Às mulatas, às sereias
         Glória à farofa
         à cachaça, às baleias
         Glória a todas as lutas inglórias
         Que através da nossa história não
         esquecemos jamais
         Salve o navegante negro
         Que tem por monumento as pedras
         pisadas do cais
         Mas salve
         Salve o navegante negro
         Que tem por monumento as pedras
         pisadas do cais
         Mas faz muito tempo
REVOLTA DE JUAZEIRO

Padre Cícero Romão




                     Padre Cícero e Floro,
                     principal coronel na
                     época da Revolta
REVOLTA DE JUAZEIRO
1.   Também conhecida como Sedição de Juazeiro;
2.   foi uma revolta de caráter popular, embora
     liderada pelos coronéis da região, que ocorreu no
     sertão do Nordeste em 1914.
3.   A revolta foi liderada pelo padre Cícero Romão
     Batista e pelo médico e político Floro
     Bartolomeu da Costa.
4.   Teve como epicentro a cidade de Juazeiro do
     Norte, localizada no sertão do Cariri (interior do
     estado do Ceará).
REVOLTA DE JUAZEIRO




Romeiros nordestino em visita a cidade de Juazeiro –
Estátua de Padre Cícero Romão
REVOLTA DE JUAZEIRO
1. Razões
 interferência do governo federal na política do estado
 O fanatismo religioso;

 o descontentamento e;

 situação de miséria da população

2. Objetivo da revolta
 Os coronéis pretendiam derrubar o governador do
  estado do Ceará e assumir o controle do governo
  estadual, livrando-o do poder de interferência do
  governo central.
3. final: O governo federal ceder, anulou a intervenção e
  devolveu o poder à família Acyoli.
MOVIMENTO OPERÁRIO




              Imagem da Greve Operária de 1917
MOVIMENTO OPERÁRIO
1.   O anarquismo era um movimento revolucionário
     que propunha:
2.   Fim do Estado;
3.   Da democracia direta;
4.   Fim da propriedade privada dos meios de
     produção e;
5.   A igualdade social.
6.   Era contrário aos organismos de representação
     (Parlamento, partido) e
7.   Defendia    a   organização   autônoma    dos
     trabalhadores em seus locais de trabalho.
MOVIMENTO OPERÁRIO




Edgard Frederico Leuenroth (1881-1968) foi tipógrafo,
jornalista, arquivista, propagandista e um dos mais notáveis
anarquistas brasileiros da sua época. Fundou diversos
jornais e colaborou em muitos, exercendo diferentes funções,
fundando ainda diversas entidades vinculadas com os
trabalhadores, designadamente da sua área profissional, da
Imprensa.
MOVIMENTO OPERÁRIO




Registro fotográfico dos protestos que tomaram conta de São
Paulo em 1917
MOVIMENTO OPERÁRIO
1.   Sob a liderança dos anarquistas, ocorreu a
     maior greve de que se tem notícia na primeira
     metade do século 20 no Brasil.
2.   A paralisação, iniciada em junho de 1917,
     começou      no    setor    têxtil, propagou-se
     rapidamente e atingiu a área portuária e o
     interior, envolvendo cerca de 50 mil
     trabalhadores.
3.   As principais reivindicações eram aumento de
     salários, proibição do trabalho infantil, jornada
     de oito horas, garantia de emprego e direito de
                         associação.
TENETISMO




Revolta dos 18 do Forte de Copacabana: exemplo de movimento
tenentista
MOVIMENTO TENENTISTA
1. O QUE FOI
O tenentismo foi um movimento social de caráter
político-militar que ocorreu no Brasil nas décadas
de 1920 e 1930, período conhecido como República
das Oligarquias. Contou, principalmente, com a
participação de jovens tenentes do exército.
2. OBJETIVOS
 Fim do voto de cabresto (sistema de votação
  baseado em violência e fraudes que só beneficiava
  os coronéis);
 Reforma no sistema educacional público do país;

 Mudança no sistema de voto aberto para secreto;
TENENTISMO
                                          Formado em geral
                                          por militares de
                                          média     e    baixa
                                          patente.      Surgiu
                                          justamente      como
                                          forma             de
                                          contestação       ao
                                          sistema político que
                                          dominava o Brasil e
                                          não         permitia
                                          espaços para grupos
Luis Carlos Prestes, um dos líderes da    que não fizessem
Coluna Miguel Costa-Luis Carlos Prestes
                                          parte da oligarquia
MOVIMENTO TENENTISTAS
AS REVOLTAS
 Revolta dos 18 do Forte de Copacabana (1922) -

 Revolta Paulista (1924) – Izidoro Dias

 A Coluna Prestes (1925-1927) - liderada por Luis
  Carlos Prestes - movimento em forma de
  guerrilha e composto por militares.
  O Tenentismo conquistou civis que aderiram ao
projeto, mas com o tempo foi ficando claro que a
defesa era pela implantação de um Estado forte e
centralizado, através do qual as necessidades do
país poderiam ficar explícitas e resolvidas
TENENTISMO
Tenentismo           não
gerou             efeitos
imediatos no Brasil,
mas o somatório dos
acontecimentos         na
década de 1920 foi
importante          para
abalar a estrutura
política             das
oligarquias e mudar
significativamente a
ordem      política    no
Brasil em 1930.
Em         1929         o
Tenentismo integra
a Aliança Liberal,
que levou a queda de
Washington Luis
MOVIMENTO TENENTISTA
   O Movimento Tenentista esteve presente na
    deposição de Getúlio Vargas em 1945 e disputou
    as eleições presidenciais no mesmo ano e também
    em 1955. Quando ocorreu a Revolução de 1964
    que colocou os militares no poder no Brasil quase
    todos os comandantes eram tenentes na ocasião
    da Revolução de 1930
   o Tenentismo se manteve vivo até meados da
    década de 1970 quando os membros do
    movimento nascido na década de 1920
    começaram a morrer.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

3º ano era vargas
3º ano   era vargas3º ano   era vargas
3º ano era vargas
Daniel Alves Bronstrup
 
Primeira república
Primeira repúblicaPrimeira república
Primeira república
Evanilde Chuva
 
Primeira República
Primeira RepúblicaPrimeira República
Primeira República
isameucci
 
3º ano - Era Vargas 1930-1945
3º ano  - Era Vargas 1930-19453º ano  - Era Vargas 1930-1945
3º ano - Era Vargas 1930-1945
Daniel Alves Bronstrup
 
Era vargas
Era vargasEra vargas
Era vargas
Douglas Barraqui
 
Getúlio Vargas: Governo Provisório (1930-34)
Getúlio Vargas: Governo Provisório (1930-34)Getúlio Vargas: Governo Provisório (1930-34)
Getúlio Vargas: Governo Provisório (1930-34)
Valéria Shoujofan
 
História do Brasil: A República Velha ou Primeira República (1889-1930) - Pro...
História do Brasil: A República Velha ou Primeira República (1889-1930) - Pro...História do Brasil: A República Velha ou Primeira República (1889-1930) - Pro...
História do Brasil: A República Velha ou Primeira República (1889-1930) - Pro...
João Medeiros
 
Período democrático 1946 a 1964 - História do Brasil
Período democrático 1946 a 1964 - História do BrasilPeríodo democrático 1946 a 1964 - História do Brasil
Período democrático 1946 a 1964 - História do Brasil
Marilia Pimentel
 
9º ano Brasil República
9º ano Brasil República9º ano Brasil República
9º ano Brasil República
Expedito Martins
 
Jogo Pedagógico sobre "A Era Vargas".
Jogo Pedagógico sobre "A Era Vargas". Jogo Pedagógico sobre "A Era Vargas".
Jogo Pedagógico sobre "A Era Vargas".
Paula Meyer Piagentini
 
Primeira republica
Primeira republicaPrimeira republica
Primeira republica
Bruno E Geyse Ornelas
 
3° ano Brasil República Velha
3° ano   Brasil República Velha3° ano   Brasil República Velha
3° ano Brasil República Velha
Daniel Alves Bronstrup
 
A República Velha (1889-1930)
A República Velha (1889-1930)A República Velha (1889-1930)
A República Velha (1889-1930)
Isaquel Silva
 
Ditadura Militar (1964-1985)
Ditadura Militar (1964-1985)Ditadura Militar (1964-1985)
Ditadura Militar (1964-1985)
Edenilson Morais
 
Período entre guerras - crise de 1929 - nazifascismo
Período entre guerras - crise de 1929 - nazifascismoPeríodo entre guerras - crise de 1929 - nazifascismo
Período entre guerras - crise de 1929 - nazifascismo
Portal do Vestibulando
 
O populismo no brasil
O populismo no brasilO populismo no brasil
O populismo no brasil
homago
 
3º ano - Brasil de 1945 a 1964.
3º ano - Brasil de 1945 a 1964.3º ano - Brasil de 1945 a 1964.
3º ano - Brasil de 1945 a 1964.
Daniel Alves Bronstrup
 
Neocolonialismo geral2
Neocolonialismo geral2Neocolonialismo geral2
Neocolonialismo geral2
Kéliton Ferreira
 
3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização
3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização
3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização
Daniel Alves Bronstrup
 
9º ano história rafa - era vargas
9º ano   história   rafa  - era vargas9º ano   história   rafa  - era vargas
9º ano história rafa - era vargas
Rafael Noronha
 

Mais procurados (20)

3º ano era vargas
3º ano   era vargas3º ano   era vargas
3º ano era vargas
 
Primeira república
Primeira repúblicaPrimeira república
Primeira república
 
Primeira República
Primeira RepúblicaPrimeira República
Primeira República
 
3º ano - Era Vargas 1930-1945
3º ano  - Era Vargas 1930-19453º ano  - Era Vargas 1930-1945
3º ano - Era Vargas 1930-1945
 
Era vargas
Era vargasEra vargas
Era vargas
 
Getúlio Vargas: Governo Provisório (1930-34)
Getúlio Vargas: Governo Provisório (1930-34)Getúlio Vargas: Governo Provisório (1930-34)
Getúlio Vargas: Governo Provisório (1930-34)
 
História do Brasil: A República Velha ou Primeira República (1889-1930) - Pro...
História do Brasil: A República Velha ou Primeira República (1889-1930) - Pro...História do Brasil: A República Velha ou Primeira República (1889-1930) - Pro...
História do Brasil: A República Velha ou Primeira República (1889-1930) - Pro...
 
Período democrático 1946 a 1964 - História do Brasil
Período democrático 1946 a 1964 - História do BrasilPeríodo democrático 1946 a 1964 - História do Brasil
Período democrático 1946 a 1964 - História do Brasil
 
9º ano Brasil República
9º ano Brasil República9º ano Brasil República
9º ano Brasil República
 
Jogo Pedagógico sobre "A Era Vargas".
Jogo Pedagógico sobre "A Era Vargas". Jogo Pedagógico sobre "A Era Vargas".
Jogo Pedagógico sobre "A Era Vargas".
 
Primeira republica
Primeira republicaPrimeira republica
Primeira republica
 
3° ano Brasil República Velha
3° ano   Brasil República Velha3° ano   Brasil República Velha
3° ano Brasil República Velha
 
A República Velha (1889-1930)
A República Velha (1889-1930)A República Velha (1889-1930)
A República Velha (1889-1930)
 
Ditadura Militar (1964-1985)
Ditadura Militar (1964-1985)Ditadura Militar (1964-1985)
Ditadura Militar (1964-1985)
 
Período entre guerras - crise de 1929 - nazifascismo
Período entre guerras - crise de 1929 - nazifascismoPeríodo entre guerras - crise de 1929 - nazifascismo
Período entre guerras - crise de 1929 - nazifascismo
 
O populismo no brasil
O populismo no brasilO populismo no brasil
O populismo no brasil
 
3º ano - Brasil de 1945 a 1964.
3º ano - Brasil de 1945 a 1964.3º ano - Brasil de 1945 a 1964.
3º ano - Brasil de 1945 a 1964.
 
Neocolonialismo geral2
Neocolonialismo geral2Neocolonialismo geral2
Neocolonialismo geral2
 
3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização
3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização
3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização
 
9º ano história rafa - era vargas
9º ano   história   rafa  - era vargas9º ano   história   rafa  - era vargas
9º ano história rafa - era vargas
 

Destaque

Revoltas na primeira república 3º. ano ensino médio
Revoltas na primeira república   3º. ano ensino médioRevoltas na primeira república   3º. ano ensino médio
Revoltas na primeira república 3º. ano ensino médio
Fatima Freitas
 
Revoltas populares na republica velha
Revoltas populares na republica velhaRevoltas populares na republica velha
Revoltas populares na republica velha
Isabel Aguiar
 
Revoltas da República Velha
Revoltas da República VelhaRevoltas da República Velha
Revoltas da República Velha
Reinaldo Rauch
 
Revoltas na república velha
Revoltas  na  república velhaRevoltas  na  república velha
Revoltas na república velha
Fabiana Tonsis
 
República Velha (1889-1930) - Primeira Parte
República Velha (1889-1930) - Primeira ParteRepública Velha (1889-1930) - Primeira Parte
República Velha (1889-1930) - Primeira Parte
Valéria Shoujofan
 
Revoltas sociais na República Velha
Revoltas sociais na República VelhaRevoltas sociais na República Velha
Revoltas sociais na República Velha
msmanaus
 
Revoltas sociais no brasil república
Revoltas sociais no brasil repúblicaRevoltas sociais no brasil república
Revoltas sociais no brasil república
Adriana Gomes Messias
 
Revoltas na república velha
Revoltas na república velhaRevoltas na república velha
Revoltas na república velha
Daniel Pereira de Almeida
 
Brasil - Primeira república
Brasil - Primeira repúblicaBrasil - Primeira república
HistóRia Do Brasil Parte 2 RepúBlica Velha
HistóRia Do Brasil Parte 2 RepúBlica VelhaHistóRia Do Brasil Parte 2 RepúBlica Velha
HistóRia Do Brasil Parte 2 RepúBlica Velha
Jorge Miklos
 
Avaliação 9º ano república velha, guerra de canudos, revolta da vacina
Avaliação 9º ano república velha, guerra de canudos, revolta da vacinaAvaliação 9º ano república velha, guerra de canudos, revolta da vacina
Avaliação 9º ano república velha, guerra de canudos, revolta da vacina
Acrópole - História & Educação
 
Os movimentos urbanos e o movimento operário na república oligárquica
Os movimentos urbanos e o movimento operário na república oligárquicaOs movimentos urbanos e o movimento operário na república oligárquica
Os movimentos urbanos e o movimento operário na república oligárquica
PIBID - Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência
 
Revoltas populares na primeira república
Revoltas populares na primeira repúblicaRevoltas populares na primeira república
Revoltas populares na primeira república
araujombarbara
 
Slide república velha
Slide república velhaSlide república velha
Slide república velha
Isabel Aguiar
 
República Oligárquica
República OligárquicaRepública Oligárquica
República Oligárquica
Professora Natália de Oliveira
 
O movimento Operário
O movimento OperárioO movimento Operário
O movimento Operário
Giulia Soares
 
Tenentismo
TenentismoTenentismo
Tenentismo
João Pedro Haidar
 
A Revolta da Chibata
A Revolta da ChibataA Revolta da Chibata
A Revolta da Chibata
Mari Anny Souza
 
República velha
República velhaRepública velha
República velha
Marcia Klein
 
República velha
República velhaRepública velha
República velha
Elaine Bogo Pavani
 

Destaque (20)

Revoltas na primeira república 3º. ano ensino médio
Revoltas na primeira república   3º. ano ensino médioRevoltas na primeira república   3º. ano ensino médio
Revoltas na primeira república 3º. ano ensino médio
 
Revoltas populares na republica velha
Revoltas populares na republica velhaRevoltas populares na republica velha
Revoltas populares na republica velha
 
Revoltas da República Velha
Revoltas da República VelhaRevoltas da República Velha
Revoltas da República Velha
 
Revoltas na república velha
Revoltas  na  república velhaRevoltas  na  república velha
Revoltas na república velha
 
República Velha (1889-1930) - Primeira Parte
República Velha (1889-1930) - Primeira ParteRepública Velha (1889-1930) - Primeira Parte
República Velha (1889-1930) - Primeira Parte
 
Revoltas sociais na República Velha
Revoltas sociais na República VelhaRevoltas sociais na República Velha
Revoltas sociais na República Velha
 
Revoltas sociais no brasil república
Revoltas sociais no brasil repúblicaRevoltas sociais no brasil república
Revoltas sociais no brasil república
 
Revoltas na república velha
Revoltas na república velhaRevoltas na república velha
Revoltas na república velha
 
Brasil - Primeira república
Brasil - Primeira repúblicaBrasil - Primeira república
Brasil - Primeira república
 
HistóRia Do Brasil Parte 2 RepúBlica Velha
HistóRia Do Brasil Parte 2 RepúBlica VelhaHistóRia Do Brasil Parte 2 RepúBlica Velha
HistóRia Do Brasil Parte 2 RepúBlica Velha
 
Avaliação 9º ano república velha, guerra de canudos, revolta da vacina
Avaliação 9º ano república velha, guerra de canudos, revolta da vacinaAvaliação 9º ano república velha, guerra de canudos, revolta da vacina
Avaliação 9º ano república velha, guerra de canudos, revolta da vacina
 
Os movimentos urbanos e o movimento operário na república oligárquica
Os movimentos urbanos e o movimento operário na república oligárquicaOs movimentos urbanos e o movimento operário na república oligárquica
Os movimentos urbanos e o movimento operário na república oligárquica
 
Revoltas populares na primeira república
Revoltas populares na primeira repúblicaRevoltas populares na primeira república
Revoltas populares na primeira república
 
Slide república velha
Slide república velhaSlide república velha
Slide república velha
 
República Oligárquica
República OligárquicaRepública Oligárquica
República Oligárquica
 
O movimento Operário
O movimento OperárioO movimento Operário
O movimento Operário
 
Tenentismo
TenentismoTenentismo
Tenentismo
 
A Revolta da Chibata
A Revolta da ChibataA Revolta da Chibata
A Revolta da Chibata
 
República velha
República velhaRepública velha
República velha
 
República velha
República velhaRepública velha
República velha
 

Semelhante a Movimentos sociais na república velha (1889 1930)

Movimentossociaisnarepblicavelha1889 1930-130326111526-phpapp01
Movimentossociaisnarepblicavelha1889 1930-130326111526-phpapp01Movimentossociaisnarepblicavelha1889 1930-130326111526-phpapp01
Movimentossociaisnarepblicavelha1889 1930-130326111526-phpapp01
wladimir1aguiar
 
Problemas sociais na república velha
Problemas sociais na república velhaProblemas sociais na república velha
Problemas sociais na república velha
Prof.Marcio LHP
 
Revoltas República Velha
Revoltas República VelhaRevoltas República Velha
Revoltas República Velha
Rose Vital
 
Trabalho de história 1896 - 1921
Trabalho de história 1896 - 1921Trabalho de história 1896 - 1921
Trabalho de história 1896 - 1921
jaquelinivieira
 
Texto Introdutório - Revoltas na República Velha
Texto Introdutório -  Revoltas na República VelhaTexto Introdutório -  Revoltas na República Velha
Texto Introdutório - Revoltas na República Velha
Leonardo Lira
 
Revoltas Primeira República velha - Contestado SC
Revoltas Primeira República velha - Contestado SCRevoltas Primeira República velha - Contestado SC
Revoltas Primeira República velha - Contestado SC
Thiago Bro
 
Revoltas Rep Velha Anexo apostila 19.pdf
Revoltas Rep Velha Anexo apostila 19.pdfRevoltas Rep Velha Anexo apostila 19.pdf
Revoltas Rep Velha Anexo apostila 19.pdf
ricaSantos897477
 
Revoltas da primeira república.pptx
Revoltas da primeira república.pptxRevoltas da primeira república.pptx
Revoltas da primeira república.pptx
RaquelSilvaBatista3
 
3°-ANO-Pré-Modernismo-material-complementar.pptx
3°-ANO-Pré-Modernismo-material-complementar.pptx3°-ANO-Pré-Modernismo-material-complementar.pptx
3°-ANO-Pré-Modernismo-material-complementar.pptx
JeissyCosta
 
João Candido ea Chibata
João Candido ea ChibataJoão Candido ea Chibata
João Candido ea Chibata
guest5eb864
 
Republica do-cafe-com-leite-aula-pronta
Republica do-cafe-com-leite-aula-prontaRepublica do-cafe-com-leite-aula-pronta
Republica do-cafe-com-leite-aula-pronta
Fabio Santos
 
Movimentos sociais na Republica Oligárquica
Movimentos sociais na Republica Oligárquica Movimentos sociais na Republica Oligárquica
Movimentos sociais na Republica Oligárquica
alinesantana1422
 
História do Ceará -História, Cultura e Atualidades
História do Ceará -História, Cultura e AtualidadesHistória do Ceará -História, Cultura e Atualidades
História do Ceará -História, Cultura e Atualidades
franciscofilho531
 
Ciências Humanas - Tema 5 - Lista de questões.pdf
Ciências Humanas - Tema 5 - Lista de questões.pdfCiências Humanas - Tema 5 - Lista de questões.pdf
Ciências Humanas - Tema 5 - Lista de questões.pdf
BrunoCosta364836
 
Topico resistencias e conflitos na primeira repuplica
Topico resistencias e conflitos na primeira repuplicaTopico resistencias e conflitos na primeira repuplica
Topico resistencias e conflitos na primeira repuplica
Atividades Diversas Cláudia
 
Topico resistencias e conflitos na primeira repuplica
Topico resistencias e conflitos na primeira repuplicaTopico resistencias e conflitos na primeira repuplica
Topico resistencias e conflitos na primeira repuplica
Atividades Diversas Cláudia
 
Rebeliões na República Velha (1889-1930)
Rebeliões na República Velha (1889-1930)Rebeliões na República Velha (1889-1930)
Rebeliões na República Velha (1889-1930)
Edenilson Morais
 
Revoltas na república velha . 97.2003
Revoltas na república velha . 97.2003Revoltas na república velha . 97.2003
Revoltas na república velha . 97.2003
Odairdesouza
 
Reepublica velha revoltas.filé
Reepublica velha revoltas.filéReepublica velha revoltas.filé
Reepublica velha revoltas.filé
mundica broda
 
A República Oligárquica
A República OligárquicaA República Oligárquica
A República Oligárquica
Anncr Nncr
 

Semelhante a Movimentos sociais na república velha (1889 1930) (20)

Movimentossociaisnarepblicavelha1889 1930-130326111526-phpapp01
Movimentossociaisnarepblicavelha1889 1930-130326111526-phpapp01Movimentossociaisnarepblicavelha1889 1930-130326111526-phpapp01
Movimentossociaisnarepblicavelha1889 1930-130326111526-phpapp01
 
Problemas sociais na república velha
Problemas sociais na república velhaProblemas sociais na república velha
Problemas sociais na república velha
 
Revoltas República Velha
Revoltas República VelhaRevoltas República Velha
Revoltas República Velha
 
Trabalho de história 1896 - 1921
Trabalho de história 1896 - 1921Trabalho de história 1896 - 1921
Trabalho de história 1896 - 1921
 
Texto Introdutório - Revoltas na República Velha
Texto Introdutório -  Revoltas na República VelhaTexto Introdutório -  Revoltas na República Velha
Texto Introdutório - Revoltas na República Velha
 
Revoltas Primeira República velha - Contestado SC
Revoltas Primeira República velha - Contestado SCRevoltas Primeira República velha - Contestado SC
Revoltas Primeira República velha - Contestado SC
 
Revoltas Rep Velha Anexo apostila 19.pdf
Revoltas Rep Velha Anexo apostila 19.pdfRevoltas Rep Velha Anexo apostila 19.pdf
Revoltas Rep Velha Anexo apostila 19.pdf
 
Revoltas da primeira república.pptx
Revoltas da primeira república.pptxRevoltas da primeira república.pptx
Revoltas da primeira república.pptx
 
3°-ANO-Pré-Modernismo-material-complementar.pptx
3°-ANO-Pré-Modernismo-material-complementar.pptx3°-ANO-Pré-Modernismo-material-complementar.pptx
3°-ANO-Pré-Modernismo-material-complementar.pptx
 
João Candido ea Chibata
João Candido ea ChibataJoão Candido ea Chibata
João Candido ea Chibata
 
Republica do-cafe-com-leite-aula-pronta
Republica do-cafe-com-leite-aula-prontaRepublica do-cafe-com-leite-aula-pronta
Republica do-cafe-com-leite-aula-pronta
 
Movimentos sociais na Republica Oligárquica
Movimentos sociais na Republica Oligárquica Movimentos sociais na Republica Oligárquica
Movimentos sociais na Republica Oligárquica
 
História do Ceará -História, Cultura e Atualidades
História do Ceará -História, Cultura e AtualidadesHistória do Ceará -História, Cultura e Atualidades
História do Ceará -História, Cultura e Atualidades
 
Ciências Humanas - Tema 5 - Lista de questões.pdf
Ciências Humanas - Tema 5 - Lista de questões.pdfCiências Humanas - Tema 5 - Lista de questões.pdf
Ciências Humanas - Tema 5 - Lista de questões.pdf
 
Topico resistencias e conflitos na primeira repuplica
Topico resistencias e conflitos na primeira repuplicaTopico resistencias e conflitos na primeira repuplica
Topico resistencias e conflitos na primeira repuplica
 
Topico resistencias e conflitos na primeira repuplica
Topico resistencias e conflitos na primeira repuplicaTopico resistencias e conflitos na primeira repuplica
Topico resistencias e conflitos na primeira repuplica
 
Rebeliões na República Velha (1889-1930)
Rebeliões na República Velha (1889-1930)Rebeliões na República Velha (1889-1930)
Rebeliões na República Velha (1889-1930)
 
Revoltas na república velha . 97.2003
Revoltas na república velha . 97.2003Revoltas na república velha . 97.2003
Revoltas na república velha . 97.2003
 
Reepublica velha revoltas.filé
Reepublica velha revoltas.filéReepublica velha revoltas.filé
Reepublica velha revoltas.filé
 
A República Oligárquica
A República OligárquicaA República Oligárquica
A República Oligárquica
 

Mais de Jorge Marcos Oliveira

Texto sobre corrupção
Texto sobre corrupçãoTexto sobre corrupção
Texto sobre corrupção
Jorge Marcos Oliveira
 
19 de novembro
19 de novembro19 de novembro
19 de novembro
Jorge Marcos Oliveira
 
Memória das praças praça valadão
Memória das praças   praça valadãoMemória das praças   praça valadão
Memória das praças praça valadão
Jorge Marcos Oliveira
 
Um sonho e um pesadelo
Um sonho e um pesadeloUm sonho e um pesadelo
Um sonho e um pesadelo
Jorge Marcos Oliveira
 
Carnaval antigo
Carnaval antigoCarnaval antigo
Carnaval antigo
Jorge Marcos Oliveira
 
Aribé banese
Aribé baneseAribé banese
Aribé banese
Jorge Marcos Oliveira
 
Preseed 2014-revisão 23
Preseed 2014-revisão 23Preseed 2014-revisão 23
Preseed 2014-revisão 23
Jorge Marcos Oliveira
 
Preseed 2014-revisão 20
Preseed 2014-revisão 20Preseed 2014-revisão 20
Preseed 2014-revisão 20
Jorge Marcos Oliveira
 
Preseed 2014-revisão 18
Preseed 2014-revisão 18Preseed 2014-revisão 18
Preseed 2014-revisão 18
Jorge Marcos Oliveira
 
Preseed 2014-revisão 18
Preseed 2014-revisão 18Preseed 2014-revisão 18
Preseed 2014-revisão 18
Jorge Marcos Oliveira
 
Preseed 2014-revisão 16
Preseed 2014-revisão 16Preseed 2014-revisão 16
Preseed 2014-revisão 16
Jorge Marcos Oliveira
 
Preseed 2014-revisão 18
Preseed 2014-revisão 18Preseed 2014-revisão 18
Preseed 2014-revisão 18
Jorge Marcos Oliveira
 
Preseed 2014-revisão 17
Preseed 2014-revisão 17Preseed 2014-revisão 17
Preseed 2014-revisão 17
Jorge Marcos Oliveira
 
Preseed 2014-revisão 15
Preseed 2014-revisão 15Preseed 2014-revisão 15
Preseed 2014-revisão 15
Jorge Marcos Oliveira
 
Preseed 2014-revisão 14
Preseed 2014-revisão 14Preseed 2014-revisão 14
Preseed 2014-revisão 14
Jorge Marcos Oliveira
 
Preseed 2014-revisão 13
Preseed 2014-revisão 13Preseed 2014-revisão 13
Preseed 2014-revisão 13
Jorge Marcos Oliveira
 
Preseed 2014-revisão 13
Preseed 2014-revisão 13Preseed 2014-revisão 13
Preseed 2014-revisão 13
Jorge Marcos Oliveira
 
Preseed 2014-revisão 12
Preseed 2014-revisão 12Preseed 2014-revisão 12
Preseed 2014-revisão 12
Jorge Marcos Oliveira
 
Preseed 2014-revisão 11
Preseed 2014-revisão 11Preseed 2014-revisão 11
Preseed 2014-revisão 11
Jorge Marcos Oliveira
 
Preseed 2014-revisão 10
Preseed 2014-revisão 10Preseed 2014-revisão 10
Preseed 2014-revisão 10
Jorge Marcos Oliveira
 

Mais de Jorge Marcos Oliveira (20)

Texto sobre corrupção
Texto sobre corrupçãoTexto sobre corrupção
Texto sobre corrupção
 
19 de novembro
19 de novembro19 de novembro
19 de novembro
 
Memória das praças praça valadão
Memória das praças   praça valadãoMemória das praças   praça valadão
Memória das praças praça valadão
 
Um sonho e um pesadelo
Um sonho e um pesadeloUm sonho e um pesadelo
Um sonho e um pesadelo
 
Carnaval antigo
Carnaval antigoCarnaval antigo
Carnaval antigo
 
Aribé banese
Aribé baneseAribé banese
Aribé banese
 
Preseed 2014-revisão 23
Preseed 2014-revisão 23Preseed 2014-revisão 23
Preseed 2014-revisão 23
 
Preseed 2014-revisão 20
Preseed 2014-revisão 20Preseed 2014-revisão 20
Preseed 2014-revisão 20
 
Preseed 2014-revisão 18
Preseed 2014-revisão 18Preseed 2014-revisão 18
Preseed 2014-revisão 18
 
Preseed 2014-revisão 18
Preseed 2014-revisão 18Preseed 2014-revisão 18
Preseed 2014-revisão 18
 
Preseed 2014-revisão 16
Preseed 2014-revisão 16Preseed 2014-revisão 16
Preseed 2014-revisão 16
 
Preseed 2014-revisão 18
Preseed 2014-revisão 18Preseed 2014-revisão 18
Preseed 2014-revisão 18
 
Preseed 2014-revisão 17
Preseed 2014-revisão 17Preseed 2014-revisão 17
Preseed 2014-revisão 17
 
Preseed 2014-revisão 15
Preseed 2014-revisão 15Preseed 2014-revisão 15
Preseed 2014-revisão 15
 
Preseed 2014-revisão 14
Preseed 2014-revisão 14Preseed 2014-revisão 14
Preseed 2014-revisão 14
 
Preseed 2014-revisão 13
Preseed 2014-revisão 13Preseed 2014-revisão 13
Preseed 2014-revisão 13
 
Preseed 2014-revisão 13
Preseed 2014-revisão 13Preseed 2014-revisão 13
Preseed 2014-revisão 13
 
Preseed 2014-revisão 12
Preseed 2014-revisão 12Preseed 2014-revisão 12
Preseed 2014-revisão 12
 
Preseed 2014-revisão 11
Preseed 2014-revisão 11Preseed 2014-revisão 11
Preseed 2014-revisão 11
 
Preseed 2014-revisão 10
Preseed 2014-revisão 10Preseed 2014-revisão 10
Preseed 2014-revisão 10
 

Movimentos sociais na república velha (1889 1930)

  • 1. MOVIMENTOS SOCIAIS NA REPÚBLICA VELHA (1889- 1930) GUERRAS, REVOLTAS, LEVANTES E GREVES
  • 3. GUERRA DE CANUDOS Arraial de Canudos Localização do Arraial de Canudos Euclides da Cunha
  • 4. GUERRA DE CANUDOS 1. Relaciona-se com as injustiças sociais e à miséria dos pequenos agricultores, desprotegidos das políticas oficiais 2. Fatores geradores: -denúncia contra a seca; -miséria e; - arbitrariedade dos coronéis. -resistência baseada na organização comunitária
  • 5. GUERRA DE CANUDOS Perfil da imprensa de Antonio Conselheiro  anacoreta sombrio;  cabelos crescidos até aos ombros;  barba inculta e longa;  face escaveirada;  olhar fulgurante;  monstruoso, dentro de um hábito azul de brim americano
  • 6. GUERRA DE CANUDOS Antonio Vicente Mendes Maciel, o Conselheiro. Principal líder da Guerra de Canudos Imagem que lembra o Arraial de Canudos, sertão da Bahia
  • 7. GUERRA DE CANUDOS 1. Movimento liderado pelo beato Antônio Conselheiro;´ 2. Área: Comarca de Belo Monte (Bahia); 3. Experiência comunitária autônoma, provocando a reação dos coronéis, que exigiram a intervenção do Governo Federal e a destruição de "Canudos” 4. Número de mortos: estima-se 15.000 pessoas; 5. Movimento que combinava conteúdos religioso e social, pois questionavam o poder das autoridades civis e religiosas.
  • 8. CANUDOS  Acreditava que a República era o grande mal e o sinal apocalíptico do final dos tempos, pois entendia que ela era a responsável pelo acirramento da política dos coronéis e pelo crescimento da pobreza e da exploração dos camponeses nordestinos.  Acusados de fanáticos e monarquistas, foram atacados pelas forças do governo.  A frágil base política em que se assentava o governo republicano foi incapaz de reconhecer a questão social e cultural suscitada por Canudos.
  • 9. REVOLTA DA VACINA Cena de enfrentamento durante a Osvaldo Revolta da Vacina Cruz, médico sanitaris- ta responsá- vel pela higieniza- ção do RJ
  • 10. REVOLTA DA VACINA 1. Luta popular de 1904, ocorrida no Rio de Janeiro, contra a política de Regeneração de Rodrigues Alves e Pereira Passos. 2. movimento de massa que eclodiu após a demolição de moradias populares e da ação autoritária de agentes sanitários; 3. Expressa a insatisfação e a crítica de grupos populares quanto aos mecanismos de exclusão social e política e às estratégias de expansão dos interesses oligárquicos, então vigentes;
  • 11. REVOLTA DA VACINA Charge da época da Revolta da Vacina
  • 12. REVOLTA DA VACINA  A Revolta da Vacina ocorreu no Rio de Janeiro em virtude do excesso de ações tomadas em nome da modernização e das péssimas condições de vida de grande parte da população, que teve como estopim a obrigatoriedade da vacina contra a varíola.  Contrariava a política de saneamento e de reurbanização da cidade, com a demolição dos cortiços e quiosques do centro
  • 13. GUERRA DO CONTESTADO Este grupo de caboclos mostrou a um fotógrafo anônimo que estava disposto a se defender
  • 14. GUERRA DO CONTESTADO 1. A Guerra do Contestado (1912-1916) ocorreu na fronteira entre Paraná e Santa Catarina. 2. Expressa revolta contra a miséria e a exclusão social. 3. Revolta ocorrida numa região disputada pelos Estados do Paraná e de Santa Catarina, em que muitas famílias de posseiros lutaram para não perder suas terras e para não serem expulsas da região. 4. Movimento que combinava conteúdos religioso e social, pois questionavam o poder das autoridades civis e religiosas.
  • 15. GUERRA DO CONTESTADO Localização da disputa e da Ferrovia
  • 16. GUERRA DO CONTESTADO 1. Para a imprensa e as autoridades militares, era uma reedição do fanatismo de Canudos. 2. Características: • forte religiosidade popular; • Luta contra a miséria social; • Luta contra injusta distribuição fundiária e; • Forte influencia de liderança de figuras místicas 3. Liderança: “Monge” José Maria, adepto fanático do Sebastianismo.
  • 17. GUERRA DO CONTESTADO Monge João Maria, líder da Guerra do Contestado
  • 18. CANGAÇO – BANDITISMO SOCIAL Imagem que lembram o principal grupo de cangaceiro do Brasil – o Grupo de Lampião.
  • 19. CANGAÇO  Movimento considerado banditista (fora da lei), mas que deve ser inserido na condição miserável gerada pelos latifundiários do nordeste na primeira metade do século XX.  Os cangaceiros eram assalariados do crime, lutando a serviço dos coronéis que melhor pagassem. 1. Área de atuação – sertão nordestino; 2. Fatores para o surgimento do cangaço: - miséria; - pobreza e; - concentração latifundiária
  • 20. CANGAÇO Cabeças dos cangaceiros mortos em Angico (Poço Redondo, SE
  • 22. REVOLTA DA CHIBATA  A Revolta da Chibata denunciava o rígido código de disciplina da marinha, que punia as faltas graves com chibatadas, além da má alimentação e dos miseráveis soldos (salários) que os marinheiros recebiam.  Os maus-tratos se somam à frequência dos castigos corporais. O trabalho é duro e excessivo.  Liderança – João Cândido, Conhecido como o navegante negro;
  • 23. REVOLTA DA CHIBATA Há muito tempo nas águas da Guanabara O dragão do mar reapareceu Na figura de um bravo feiticeiro A quem a história não esqueceu Conhecido como o navegante negro Tinha a dignidade de um mestre- sala E ao acenar pelo mar na alegria das regatas Foi saudado no porto pelas mocinhas francesas Jovens polacas e por batalhões de mulatas Rubras cascatas Jorravam das costas dos santos entre cantos e chibatas Inundando o coração do pessoal do porão
  • 24. REVOLTA DA CHIBATA Saldo: O governo de Hermes da Fonseca, diante da ameaça de bombardeio sobre a capital federal (...) concedeu anistia aos revoltosos. Depois eles foram todos punidos. Muitos morreram. João Cândido foi internado como louco."
  • 25. REVOLTA DA CHIBATA Que, a exemplo do feiticeiro, gritava então Glória aos piratas Às mulatas, às sereias Glória à farofa à cachaça, às baleias Glória a todas as lutas inglórias Que através da nossa história não esquecemos jamais Salve o navegante negro Que tem por monumento as pedras pisadas do cais Mas salve Salve o navegante negro Que tem por monumento as pedras pisadas do cais Mas faz muito tempo
  • 26. REVOLTA DE JUAZEIRO Padre Cícero Romão Padre Cícero e Floro, principal coronel na época da Revolta
  • 27. REVOLTA DE JUAZEIRO 1. Também conhecida como Sedição de Juazeiro; 2. foi uma revolta de caráter popular, embora liderada pelos coronéis da região, que ocorreu no sertão do Nordeste em 1914. 3. A revolta foi liderada pelo padre Cícero Romão Batista e pelo médico e político Floro Bartolomeu da Costa. 4. Teve como epicentro a cidade de Juazeiro do Norte, localizada no sertão do Cariri (interior do estado do Ceará).
  • 28. REVOLTA DE JUAZEIRO Romeiros nordestino em visita a cidade de Juazeiro – Estátua de Padre Cícero Romão
  • 29. REVOLTA DE JUAZEIRO 1. Razões  interferência do governo federal na política do estado  O fanatismo religioso;  o descontentamento e;  situação de miséria da população 2. Objetivo da revolta  Os coronéis pretendiam derrubar o governador do estado do Ceará e assumir o controle do governo estadual, livrando-o do poder de interferência do governo central. 3. final: O governo federal ceder, anulou a intervenção e devolveu o poder à família Acyoli.
  • 30. MOVIMENTO OPERÁRIO Imagem da Greve Operária de 1917
  • 31. MOVIMENTO OPERÁRIO 1. O anarquismo era um movimento revolucionário que propunha: 2. Fim do Estado; 3. Da democracia direta; 4. Fim da propriedade privada dos meios de produção e; 5. A igualdade social. 6. Era contrário aos organismos de representação (Parlamento, partido) e 7. Defendia a organização autônoma dos trabalhadores em seus locais de trabalho.
  • 32. MOVIMENTO OPERÁRIO Edgard Frederico Leuenroth (1881-1968) foi tipógrafo, jornalista, arquivista, propagandista e um dos mais notáveis anarquistas brasileiros da sua época. Fundou diversos jornais e colaborou em muitos, exercendo diferentes funções, fundando ainda diversas entidades vinculadas com os trabalhadores, designadamente da sua área profissional, da Imprensa.
  • 33. MOVIMENTO OPERÁRIO Registro fotográfico dos protestos que tomaram conta de São Paulo em 1917
  • 34. MOVIMENTO OPERÁRIO 1. Sob a liderança dos anarquistas, ocorreu a maior greve de que se tem notícia na primeira metade do século 20 no Brasil. 2. A paralisação, iniciada em junho de 1917, começou no setor têxtil, propagou-se rapidamente e atingiu a área portuária e o interior, envolvendo cerca de 50 mil trabalhadores. 3. As principais reivindicações eram aumento de salários, proibição do trabalho infantil, jornada de oito horas, garantia de emprego e direito de associação.
  • 35. TENETISMO Revolta dos 18 do Forte de Copacabana: exemplo de movimento tenentista
  • 36. MOVIMENTO TENENTISTA 1. O QUE FOI O tenentismo foi um movimento social de caráter político-militar que ocorreu no Brasil nas décadas de 1920 e 1930, período conhecido como República das Oligarquias. Contou, principalmente, com a participação de jovens tenentes do exército. 2. OBJETIVOS  Fim do voto de cabresto (sistema de votação baseado em violência e fraudes que só beneficiava os coronéis);  Reforma no sistema educacional público do país;  Mudança no sistema de voto aberto para secreto;
  • 37. TENENTISMO Formado em geral por militares de média e baixa patente. Surgiu justamente como forma de contestação ao sistema político que dominava o Brasil e não permitia espaços para grupos Luis Carlos Prestes, um dos líderes da que não fizessem Coluna Miguel Costa-Luis Carlos Prestes parte da oligarquia
  • 38. MOVIMENTO TENENTISTAS AS REVOLTAS  Revolta dos 18 do Forte de Copacabana (1922) -  Revolta Paulista (1924) – Izidoro Dias  A Coluna Prestes (1925-1927) - liderada por Luis Carlos Prestes - movimento em forma de guerrilha e composto por militares. O Tenentismo conquistou civis que aderiram ao projeto, mas com o tempo foi ficando claro que a defesa era pela implantação de um Estado forte e centralizado, através do qual as necessidades do país poderiam ficar explícitas e resolvidas
  • 39. TENENTISMO Tenentismo não gerou efeitos imediatos no Brasil, mas o somatório dos acontecimentos na década de 1920 foi importante para abalar a estrutura política das oligarquias e mudar significativamente a ordem política no Brasil em 1930. Em 1929 o Tenentismo integra a Aliança Liberal, que levou a queda de Washington Luis
  • 40. MOVIMENTO TENENTISTA  O Movimento Tenentista esteve presente na deposição de Getúlio Vargas em 1945 e disputou as eleições presidenciais no mesmo ano e também em 1955. Quando ocorreu a Revolução de 1964 que colocou os militares no poder no Brasil quase todos os comandantes eram tenentes na ocasião da Revolução de 1930  o Tenentismo se manteve vivo até meados da década de 1970 quando os membros do movimento nascido na década de 1920 começaram a morrer.