SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 38
Baixar para ler offline
Seminários Gerais

Orientador: Prof. Dr. Chang Hung
              Kiang
Aluno: Rodrigo Augusto Dourado
             Neves
Título: Modelagem Numérica
   de Fluxo Subterrâneo e
Transporte de Contaminantes
  Derivados de Petróleo no
        Aquífero Bauru
Linha de Pesquisa do Programa

• Recursos Hídricos e Energéticos
  (desenvolvimento sustentável)
Escopo do projeto
• Caracterização hidrogeológica de um posto de
  combustível contaminado.
• Mapeamento da contaminação.
• Avaliar os parâmetros físico-químicos do meio.
• Definir um modelo conceitual.
• Realizar a modelagem com o auxilio de um
  software que trabalhe com diferenças finitas.
• Calibrar o modelo com os dados coletados em
  campo.
Fonte de recursos
• Todos os equipamentos de campo, assim
  como equipe técnica utilizada foram
  fornecidas pela empresa Geoambiente.
• Este trabalho que foi realizado foi utilizado
  para o licenciamento ambiental do posto.
Localização da área   Município de São José do Rio Preto




Estado de
São Paulo



                       Posto de combustível estudado
Mapa de entorno da área de estudo
Características do entorno
• Ocupação do solo       • Cursos d’água
  – Residencial            – Rio Preto
  – Comercial              – Córrego Piedade
  – Templos religiosos
  – Terrenos vagos
Caracterização geológica
• Os solos que ocorrem na área do empreendimento e
  em todo entorno são residuais, resultantes do
  intemperismo que atuou no substrato rochoso,
  representado pela Formação Adamantina do Grupo
  Bauru, de idade cretácea superior (IPT, 1981).
• A Formação Adamantina é composta por depósitos
  flúvio-lacustres com predominância de arenitos finos a
  muito finos, podendo apresentar cimentação e nódulos
  carbonáticos, com freqüentes lentes de siltitos
  arenosos/arenitos siltosos e argilitos, ocorrendo em
  bancos maciços (IPT, 1981).
Mapa geológico (IPT, 1981)
                             Legenda


                             Qa – Sedimentos
                             aluvionares


                             Ka – Formação Adamantina


                             JKsg – Formação Serra
                             Geral
Litologia
Caracterização geomorfológica
• A área encontra-se na porção oriental do
  Planalto Ocidental Paulista, em relevo de
  degradação em planaltos dissecados,
  com colinas amplas, onde se destacam
  interflúvios com área superior a 4 km²,
  topos extensos e aplainados, vertentes
  com perfis retilíneos a convexos (IPT,
  1981).
Trabalhos prévios
• Caracterização hidrogeológica do local
  – Relatório Zero da bacia hidrográfica Turvo /
    Grande (UGRHI-15), DAEE.
  – Lima, Alex A., 2004. Hidrogeologia do
    Sistema Aquifero Bauru no Municipio de São
    José do Rio Preto (SP).
Trabalhos prévios
• Modelagem numérica de fluxo subterrâneo e
  transporte de contaminantes
  – Alberto, Marcio C.,2005. Fluxo de Água Subterrânea
    em Sistema de Encosta-Rio, município de Paulínia
    (SP): Caracterização hidrogeológica e simulação
    numérica.
  – Teramoto, Elias H., 2007. Caracterização
    Hidrogeológica e Simulação Numérica de Fluxo na
    Região de Paulínia.
Objetivos
• Modelar o fluxo subterrâneo local para os
  estados estacionário e transiente.
• Modelar o transporte de contaminantes na
  zona saturada.
• Entender como os parâmetros do meio
  afetam no comportamento das plumas.
Justificativas
• Satisfazer a carência de informações a respeito
  do comportamento de contaminantes derivados
  de petróleo no aqüífero Bauru.
• Agregar informações que poderão ser usadas
  futuramente para uma melhor gestão dos
  recursos hídricos na região de São José do Rio
  Preto.
• Servir de suporte para o desenvolvimento de
  novas modelagens numéricas em outros sítios
  contaminados na região.
Base cartográfica
•   Mapa da Pref. Municipal.
•   Google Earth.
•   Carta do IBGE.
•   Levantamento in loco com a utilização de
    um teodolito e um nível otíco.
Carta IBGE




Google Earth
Soil Gas Survey
•   Sondagens rasas (1,0m de profundidade)
•   Furadeira de impacto.
•   Thermo Gastech SV (Soil Vapor)
•   Indício de contaminação.
•   Suporte para locação das sondagens prof.
Execução das sondagens
            profundas
• Sistema Hollow Steam Auger.
• Medição de voláteis a cada metro.
• Amostragem feita com cravação do amostrador
  tubular a percussão.
• Enviada para análise profundidade
  correspondente a maior medição de VOC ou
  mais próxima a franja capilar
Poços de monitoramento e
    amostragem de água subterrânea
•   Tubo geomecânico de Ø2”
•   Filtro de 2 a 3 metros.
•   Pré-filtro um metro acima do filtro.
•   Selo de bentonita.
•   Amostragem de água realizada através de
    bailers descartáveis.
Teste de bombeamento no poço
            tubular
• Vazão máxima (11m³/hora) durante 24
  horas.
• Recuperação por 4 horas.
• Escalonado (25%, 50% e 75%)
• 2 poços de observação (PM-22 e PM-13).
Ensaios para determinação da
     condutividade hidráulica
• Slug Test - Eleva o nível d’água e acompanha a
  recuperação
• Bail Test – Rebaixa o nível d’água e acompanha
  a recuperação
• Tarugo de aço
• Transdutor de pressão
• Método de Bower e Rice
Transdutor de pressão




                        Tarugo de aço
Acompanhamento da variação do
    nível d’água nos poços de
          monitoramento

• Medições semanais
• Verificação da presença de fase livre
• Banco de dados
Software utilizado para a
            modelagem
• Visual Modflow Premium 4.2.
• Desenvolvido pela Waterloo
  Hidrogeologics Inc.
• Modela através de diferenças finitas.
Etapas já realizadas / resultados
•   Criação da base cartográfica.
•   Mapeamento das plumas de contaminação.
•   Ensaios hidráulicos.
•   Elaboração de mapas potenciométricos.
•   Definição do modelo conceitual.
•   Inserção dos dados no software Visual Modflow.
•   Calibração do modelo de fluxo subterrâneo para
    o estado estacionário.
Plumas
de
contaminação
Mapa potenciométrico
(29/02/2008)
Características do modelo
• Refinamento da malha nos poços de
  monitoramento.
• Limites naturais (Rio Preto, Córrego
  Piedade e divisor de águas).
• Parâmetro a ser variado para calibração
  (recarga).
Mapa potenciométrico calculado através da modelagem
Resultados da calibração (estado estacionário)
Dificuldades encontradas
• Estabelecer o limite inferior para o modelo
  conceitual.
  – Perfilagem elétrica ou sondagem SPT.
• Calibração do modelo de fluxo
  subterrâneo transiente.
  – Tempo para coleta de dados com freqüência
    semanal.
Bibliografia fundamental
•   CETESB, 2001. Manual de Gerenciamento de Áreas Contaminadas.
•   Zheng, C e Benett, G., 1995. Applied Contaminant Transport Modeling. Van
    Nostrand Reinhold.
•   Bear, J. e A. Verruijt, 1987. Modeling Groundwater Flow And Pollution. D. Reidel
    Publ. Co.
•   Davis. S.N. e R.J.M. De Wiest., 1966. Hydrology. John Wiley and Sons.
•   Fetter, C.W. Jr, 2001. Applied Hydrogeology. 4ª Edição. McMillan Publishing Co.
•   Freeze R.A., and J.A. Cherry. 1979. Groundwater. Prentice-Hall Inc.
•   American Petroleum Institute, 1983. Groundwater Monitoring and Sample Bias.
    Publication nº 4367.
•   Ferris, J.G. et all, 1962. Theory of Aquifer Tests. U.S. Geological Survey Water
    Supply Paper 1536-E.
•   Bower, H. and R. Rice, 1976- A Slug Test for Determining Hydraulic Conductivity of
    Unconfined Aquifers with Completely of Partially Penetrating Wells. Water Resources
    Research. Vol. 12, nº 3.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

ANÁLISE PRELIMINAR DAS CARACTERÍSTICAS HIDROGEOQUÍMICAS DO SISTEMA AQUÍFERO G...
ANÁLISE PRELIMINAR DAS CARACTERÍSTICAS HIDROGEOQUÍMICAS DO SISTEMA AQUÍFERO G...ANÁLISE PRELIMINAR DAS CARACTERÍSTICAS HIDROGEOQUÍMICAS DO SISTEMA AQUÍFERO G...
ANÁLISE PRELIMINAR DAS CARACTERÍSTICAS HIDROGEOQUÍMICAS DO SISTEMA AQUÍFERO G...Gabriella Ribeiro
 
HIDROGEOQUÍMICA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS, JACAREÍ E CAÇAPAVA, NO VALE DO PARAÍB...
HIDROGEOQUÍMICA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS, JACAREÍ E CAÇAPAVA, NO VALE DO PARAÍB...HIDROGEOQUÍMICA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS, JACAREÍ E CAÇAPAVA, NO VALE DO PARAÍB...
HIDROGEOQUÍMICA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS, JACAREÍ E CAÇAPAVA, NO VALE DO PARAÍB...Gabriella Ribeiro
 
ÍNDICE GUS E GSI NA AVALIAÇÃO DA CONTAMINAÇÃO EM ÁGUAS SUBTERRÂNEAS POR INSET...
ÍNDICE GUS E GSI NA AVALIAÇÃO DA CONTAMINAÇÃO EM ÁGUAS SUBTERRÂNEAS POR INSET...ÍNDICE GUS E GSI NA AVALIAÇÃO DA CONTAMINAÇÃO EM ÁGUAS SUBTERRÂNEAS POR INSET...
ÍNDICE GUS E GSI NA AVALIAÇÃO DA CONTAMINAÇÃO EM ÁGUAS SUBTERRÂNEAS POR INSET...Gabriella Ribeiro
 
A RELAÇÃO ENTRE A HIDROGEOLOGIA E OS LINEAMENTOS ESTRUTURAIS DO PLANALTO SERR...
A RELAÇÃO ENTRE A HIDROGEOLOGIA E OS LINEAMENTOS ESTRUTURAIS DO PLANALTO SERR...A RELAÇÃO ENTRE A HIDROGEOLOGIA E OS LINEAMENTOS ESTRUTURAIS DO PLANALTO SERR...
A RELAÇÃO ENTRE A HIDROGEOLOGIA E OS LINEAMENTOS ESTRUTURAIS DO PLANALTO SERR...Gabriella Ribeiro
 
CARACTERIZAÇÃO DE UNIDADES AQUÍFERAS APARTIR DE DADOS DO CADASTRO DE POÇOS DE...
CARACTERIZAÇÃO DE UNIDADES AQUÍFERAS APARTIR DE DADOS DO CADASTRO DE POÇOS DE...CARACTERIZAÇÃO DE UNIDADES AQUÍFERAS APARTIR DE DADOS DO CADASTRO DE POÇOS DE...
CARACTERIZAÇÃO DE UNIDADES AQUÍFERAS APARTIR DE DADOS DO CADASTRO DE POÇOS DE...Gabriella Ribeiro
 
CARACTERIZAÇÃO HIDROGEOLÓGICA E HIDROQUÍMICA DO SISTEMA AQUÍFERO BAURU NO MUN...
CARACTERIZAÇÃO HIDROGEOLÓGICA E HIDROQUÍMICA DO SISTEMA AQUÍFERO BAURU NO MUN...CARACTERIZAÇÃO HIDROGEOLÓGICA E HIDROQUÍMICA DO SISTEMA AQUÍFERO BAURU NO MUN...
CARACTERIZAÇÃO HIDROGEOLÓGICA E HIDROQUÍMICA DO SISTEMA AQUÍFERO BAURU NO MUN...Gabriella Ribeiro
 
GÊNESE, OCORRÊNCIA E TECNOLOGIAS DE TRATAMENTO PARA O EXCESSO DE FLÚOR NA ÁGU...
GÊNESE, OCORRÊNCIA E TECNOLOGIAS DE TRATAMENTO PARA O EXCESSO DE FLÚOR NA ÁGU...GÊNESE, OCORRÊNCIA E TECNOLOGIAS DE TRATAMENTO PARA O EXCESSO DE FLÚOR NA ÁGU...
GÊNESE, OCORRÊNCIA E TECNOLOGIAS DE TRATAMENTO PARA O EXCESSO DE FLÚOR NA ÁGU...Gabriella Ribeiro
 
AVALIAÇÃO REGIONAL E IDENTIFICAÇÃO DE CRITÉRIOS PARA LOCAÇÃO DE POÇOS NOS AQU...
AVALIAÇÃO REGIONAL E IDENTIFICAÇÃO DE CRITÉRIOS PARA LOCAÇÃO DE POÇOS NOS AQU...AVALIAÇÃO REGIONAL E IDENTIFICAÇÃO DE CRITÉRIOS PARA LOCAÇÃO DE POÇOS NOS AQU...
AVALIAÇÃO REGIONAL E IDENTIFICAÇÃO DE CRITÉRIOS PARA LOCAÇÃO DE POÇOS NOS AQU...Gabriella Ribeiro
 
Água Subterrânea e Petróleo,uma avaliação no município de Mossoró-RN
Água Subterrânea e Petróleo,uma avaliação no município de Mossoró-RNÁgua Subterrânea e Petróleo,uma avaliação no município de Mossoró-RN
Água Subterrânea e Petróleo,uma avaliação no município de Mossoró-RNGabriella Ribeiro
 
Mapeamento de Solos Moles do Centro Expandido do Recife
Mapeamento de Solos Moles do Centro Expandido do RecifeMapeamento de Solos Moles do Centro Expandido do Recife
Mapeamento de Solos Moles do Centro Expandido do RecifeLabGeo Unicap
 
Workshop:Delimitação de áreas prioritárias para prospecção de água subterrâne...
Workshop:Delimitação de áreas prioritárias para prospecção de água subterrâne...Workshop:Delimitação de áreas prioritárias para prospecção de água subterrâne...
Workshop:Delimitação de áreas prioritárias para prospecção de água subterrâne...slides-mci
 
CIESP: Otimização do Uso de Poços na Indústria
CIESP: Otimização do Uso de Poços na IndústriaCIESP: Otimização do Uso de Poços na Indústria
CIESP: Otimização do Uso de Poços na Indústriaslides-mci
 
Apresentação barragem do Rio Colonia
Apresentação barragem do Rio Colonia Apresentação barragem do Rio Colonia
Apresentação barragem do Rio Colonia Tiago Simeão
 
Palestra ahsfra (1)
Palestra ahsfra (1)Palestra ahsfra (1)
Palestra ahsfra (1)Neil Azevedo
 
CARTA GEOTÉCNICA DE SUSCETIBILIDADE A PROCESSOS GEOAMBIENTAIS E RISCO POTENCI...
CARTA GEOTÉCNICA DE SUSCETIBILIDADE A PROCESSOS GEOAMBIENTAIS E RISCO POTENCI...CARTA GEOTÉCNICA DE SUSCETIBILIDADE A PROCESSOS GEOAMBIENTAIS E RISCO POTENCI...
CARTA GEOTÉCNICA DE SUSCETIBILIDADE A PROCESSOS GEOAMBIENTAIS E RISCO POTENCI...Gabriella Ribeiro
 
Avaliação Hidrogeológica dos Sistemas Aquíferos Tubarão e Cristalino da Porçã...
Avaliação Hidrogeológica dos Sistemas Aquíferos Tubarão e Cristalino da Porçã...Avaliação Hidrogeológica dos Sistemas Aquíferos Tubarão e Cristalino da Porçã...
Avaliação Hidrogeológica dos Sistemas Aquíferos Tubarão e Cristalino da Porçã...Gabriella Ribeiro
 
Medicao de Vazao - Corrego Santo Antonio
Medicao de Vazao - Corrego Santo Antonio Medicao de Vazao - Corrego Santo Antonio
Medicao de Vazao - Corrego Santo Antonio CBH Rio das Velhas
 
Para entender o caso
Para entender o casoPara entender o caso
Para entender o casoPolibio Braga
 

Mais procurados (20)

ANÁLISE PRELIMINAR DAS CARACTERÍSTICAS HIDROGEOQUÍMICAS DO SISTEMA AQUÍFERO G...
ANÁLISE PRELIMINAR DAS CARACTERÍSTICAS HIDROGEOQUÍMICAS DO SISTEMA AQUÍFERO G...ANÁLISE PRELIMINAR DAS CARACTERÍSTICAS HIDROGEOQUÍMICAS DO SISTEMA AQUÍFERO G...
ANÁLISE PRELIMINAR DAS CARACTERÍSTICAS HIDROGEOQUÍMICAS DO SISTEMA AQUÍFERO G...
 
HIDROGEOQUÍMICA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS, JACAREÍ E CAÇAPAVA, NO VALE DO PARAÍB...
HIDROGEOQUÍMICA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS, JACAREÍ E CAÇAPAVA, NO VALE DO PARAÍB...HIDROGEOQUÍMICA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS, JACAREÍ E CAÇAPAVA, NO VALE DO PARAÍB...
HIDROGEOQUÍMICA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS, JACAREÍ E CAÇAPAVA, NO VALE DO PARAÍB...
 
ÍNDICE GUS E GSI NA AVALIAÇÃO DA CONTAMINAÇÃO EM ÁGUAS SUBTERRÂNEAS POR INSET...
ÍNDICE GUS E GSI NA AVALIAÇÃO DA CONTAMINAÇÃO EM ÁGUAS SUBTERRÂNEAS POR INSET...ÍNDICE GUS E GSI NA AVALIAÇÃO DA CONTAMINAÇÃO EM ÁGUAS SUBTERRÂNEAS POR INSET...
ÍNDICE GUS E GSI NA AVALIAÇÃO DA CONTAMINAÇÃO EM ÁGUAS SUBTERRÂNEAS POR INSET...
 
A RELAÇÃO ENTRE A HIDROGEOLOGIA E OS LINEAMENTOS ESTRUTURAIS DO PLANALTO SERR...
A RELAÇÃO ENTRE A HIDROGEOLOGIA E OS LINEAMENTOS ESTRUTURAIS DO PLANALTO SERR...A RELAÇÃO ENTRE A HIDROGEOLOGIA E OS LINEAMENTOS ESTRUTURAIS DO PLANALTO SERR...
A RELAÇÃO ENTRE A HIDROGEOLOGIA E OS LINEAMENTOS ESTRUTURAIS DO PLANALTO SERR...
 
CARACTERIZAÇÃO DE UNIDADES AQUÍFERAS APARTIR DE DADOS DO CADASTRO DE POÇOS DE...
CARACTERIZAÇÃO DE UNIDADES AQUÍFERAS APARTIR DE DADOS DO CADASTRO DE POÇOS DE...CARACTERIZAÇÃO DE UNIDADES AQUÍFERAS APARTIR DE DADOS DO CADASTRO DE POÇOS DE...
CARACTERIZAÇÃO DE UNIDADES AQUÍFERAS APARTIR DE DADOS DO CADASTRO DE POÇOS DE...
 
CARACTERIZAÇÃO HIDROGEOLÓGICA E HIDROQUÍMICA DO SISTEMA AQUÍFERO BAURU NO MUN...
CARACTERIZAÇÃO HIDROGEOLÓGICA E HIDROQUÍMICA DO SISTEMA AQUÍFERO BAURU NO MUN...CARACTERIZAÇÃO HIDROGEOLÓGICA E HIDROQUÍMICA DO SISTEMA AQUÍFERO BAURU NO MUN...
CARACTERIZAÇÃO HIDROGEOLÓGICA E HIDROQUÍMICA DO SISTEMA AQUÍFERO BAURU NO MUN...
 
GÊNESE, OCORRÊNCIA E TECNOLOGIAS DE TRATAMENTO PARA O EXCESSO DE FLÚOR NA ÁGU...
GÊNESE, OCORRÊNCIA E TECNOLOGIAS DE TRATAMENTO PARA O EXCESSO DE FLÚOR NA ÁGU...GÊNESE, OCORRÊNCIA E TECNOLOGIAS DE TRATAMENTO PARA O EXCESSO DE FLÚOR NA ÁGU...
GÊNESE, OCORRÊNCIA E TECNOLOGIAS DE TRATAMENTO PARA O EXCESSO DE FLÚOR NA ÁGU...
 
AVALIAÇÃO REGIONAL E IDENTIFICAÇÃO DE CRITÉRIOS PARA LOCAÇÃO DE POÇOS NOS AQU...
AVALIAÇÃO REGIONAL E IDENTIFICAÇÃO DE CRITÉRIOS PARA LOCAÇÃO DE POÇOS NOS AQU...AVALIAÇÃO REGIONAL E IDENTIFICAÇÃO DE CRITÉRIOS PARA LOCAÇÃO DE POÇOS NOS AQU...
AVALIAÇÃO REGIONAL E IDENTIFICAÇÃO DE CRITÉRIOS PARA LOCAÇÃO DE POÇOS NOS AQU...
 
Água Subterrânea e Petróleo,uma avaliação no município de Mossoró-RN
Água Subterrânea e Petróleo,uma avaliação no município de Mossoró-RNÁgua Subterrânea e Petróleo,uma avaliação no município de Mossoró-RN
Água Subterrânea e Petróleo,uma avaliação no município de Mossoró-RN
 
Mapeamento de Solos Moles do Centro Expandido do Recife
Mapeamento de Solos Moles do Centro Expandido do RecifeMapeamento de Solos Moles do Centro Expandido do Recife
Mapeamento de Solos Moles do Centro Expandido do Recife
 
Workshop:Delimitação de áreas prioritárias para prospecção de água subterrâne...
Workshop:Delimitação de áreas prioritárias para prospecção de água subterrâne...Workshop:Delimitação de áreas prioritárias para prospecção de água subterrâne...
Workshop:Delimitação de áreas prioritárias para prospecção de água subterrâne...
 
CIESP: Otimização do Uso de Poços na Indústria
CIESP: Otimização do Uso de Poços na IndústriaCIESP: Otimização do Uso de Poços na Indústria
CIESP: Otimização do Uso de Poços na Indústria
 
Apresentação barragem do Rio Colonia
Apresentação barragem do Rio Colonia Apresentação barragem do Rio Colonia
Apresentação barragem do Rio Colonia
 
Palestra ahsfra (1)
Palestra ahsfra (1)Palestra ahsfra (1)
Palestra ahsfra (1)
 
CARTA GEOTÉCNICA DE SUSCETIBILIDADE A PROCESSOS GEOAMBIENTAIS E RISCO POTENCI...
CARTA GEOTÉCNICA DE SUSCETIBILIDADE A PROCESSOS GEOAMBIENTAIS E RISCO POTENCI...CARTA GEOTÉCNICA DE SUSCETIBILIDADE A PROCESSOS GEOAMBIENTAIS E RISCO POTENCI...
CARTA GEOTÉCNICA DE SUSCETIBILIDADE A PROCESSOS GEOAMBIENTAIS E RISCO POTENCI...
 
I.3 metodos de rega
I.3 metodos de regaI.3 metodos de rega
I.3 metodos de rega
 
Avaliação Hidrogeológica dos Sistemas Aquíferos Tubarão e Cristalino da Porçã...
Avaliação Hidrogeológica dos Sistemas Aquíferos Tubarão e Cristalino da Porçã...Avaliação Hidrogeológica dos Sistemas Aquíferos Tubarão e Cristalino da Porçã...
Avaliação Hidrogeológica dos Sistemas Aquíferos Tubarão e Cristalino da Porçã...
 
Medicao de Vazao - Corrego Santo Antonio
Medicao de Vazao - Corrego Santo Antonio Medicao de Vazao - Corrego Santo Antonio
Medicao de Vazao - Corrego Santo Antonio
 
Para entender o caso
Para entender o casoPara entender o caso
Para entender o caso
 
CONIC
 CONIC CONIC
CONIC
 

Destaque

Pré-projeto Mestrado UNIFRA
Pré-projeto Mestrado UNIFRAPré-projeto Mestrado UNIFRA
Pré-projeto Mestrado UNIFRAAlexandre Brust
 
Apresentação do projeto de pesquisa
Apresentação do projeto de pesquisaApresentação do projeto de pesquisa
Apresentação do projeto de pesquisaarteematematicafurg
 
Slide projeto de pesquisa
Slide projeto de pesquisaSlide projeto de pesquisa
Slide projeto de pesquisarivanialeao
 
Keynote Projeto de Pesquisa Mestrado
Keynote Projeto de Pesquisa MestradoKeynote Projeto de Pesquisa Mestrado
Keynote Projeto de Pesquisa MestradoRafael Marinho
 
Análise da Utilização de Métodos Ágeis no Desenvolvimento de Ambientes Virtua...
Análise da Utilização de Métodos Ágeis no Desenvolvimento de Ambientes Virtua...Análise da Utilização de Métodos Ágeis no Desenvolvimento de Ambientes Virtua...
Análise da Utilização de Métodos Ágeis no Desenvolvimento de Ambientes Virtua...Ari Amaral
 
As relações entre as marcas e as pessoas (Anteprojeto de Mestrado UVA - V2)
As relações entre as marcas e as pessoas (Anteprojeto de Mestrado UVA - V2)As relações entre as marcas e as pessoas (Anteprojeto de Mestrado UVA - V2)
As relações entre as marcas e as pessoas (Anteprojeto de Mestrado UVA - V2)🎯Renatho Sinuma MBA™®🎓
 
Projeto de Mestrado
Projeto de MestradoProjeto de Mestrado
Projeto de MestradoAFMO35
 
Análise do Potencial de Inovação de Portfólio de Projetos de TI
Análise do Potencial de Inovação de Portfólio de Projetos de TIAnálise do Potencial de Inovação de Portfólio de Projetos de TI
Análise do Potencial de Inovação de Portfólio de Projetos de TIJose Ignacio Jaeger Neto, PMP, MSc
 
Planejamento e Projeto - Pariticpação, Transparência e Democracia
Planejamento e Projeto - Pariticpação, Transparência e DemocraciaPlanejamento e Projeto - Pariticpação, Transparência e Democracia
Planejamento e Projeto - Pariticpação, Transparência e DemocraciaInstituto_Arquitetos
 
O Quê Você Deveria Saber sobre o seu Mestrado e Doutorado
O Quê Você Deveria Saber sobre o seu Mestrado e DoutoradoO Quê Você Deveria Saber sobre o seu Mestrado e Doutorado
O Quê Você Deveria Saber sobre o seu Mestrado e DoutoradoManoel Mendonca
 
Apresentação Projeto TCC
Apresentação Projeto TCCApresentação Projeto TCC
Apresentação Projeto TCCDiego Tamanini
 
Pré-Projeto Mídias Sociais na educação
Pré-Projeto Mídias Sociais na educaçãoPré-Projeto Mídias Sociais na educação
Pré-Projeto Mídias Sociais na educaçãoCristiane Coimbra
 
Habitação de Interesse Social
Habitação de Interesse SocialHabitação de Interesse Social
Habitação de Interesse SocialCogepp CEPAM
 
Afinal, O que é Favela?
Afinal, O que é Favela?Afinal, O que é Favela?
Afinal, O que é Favela?Pedro Mallet
 
A construção do projeto ético político do serviço social - josé paulo netto
A construção do projeto ético político do serviço social - josé paulo nettoA construção do projeto ético político do serviço social - josé paulo netto
A construção do projeto ético político do serviço social - josé paulo nettodeyselfreire
 
Apresentação da minha defesa de dissertação de mestrado
Apresentação da minha defesa de dissertação de mestradoApresentação da minha defesa de dissertação de mestrado
Apresentação da minha defesa de dissertação de mestradorobsonf
 
Apresentação powerpoint projeto escola 25 anos
Apresentação powerpoint  projeto escola 25 anosApresentação powerpoint  projeto escola 25 anos
Apresentação powerpoint projeto escola 25 anosClaudia Cordeiro
 

Destaque (20)

Pré-projeto Mestrado UNIFRA
Pré-projeto Mestrado UNIFRAPré-projeto Mestrado UNIFRA
Pré-projeto Mestrado UNIFRA
 
Apresentação do projeto de pesquisa
Apresentação do projeto de pesquisaApresentação do projeto de pesquisa
Apresentação do projeto de pesquisa
 
Slide projeto de pesquisa
Slide projeto de pesquisaSlide projeto de pesquisa
Slide projeto de pesquisa
 
Keynote Projeto de Pesquisa Mestrado
Keynote Projeto de Pesquisa MestradoKeynote Projeto de Pesquisa Mestrado
Keynote Projeto de Pesquisa Mestrado
 
Análise da Utilização de Métodos Ágeis no Desenvolvimento de Ambientes Virtua...
Análise da Utilização de Métodos Ágeis no Desenvolvimento de Ambientes Virtua...Análise da Utilização de Métodos Ágeis no Desenvolvimento de Ambientes Virtua...
Análise da Utilização de Métodos Ágeis no Desenvolvimento de Ambientes Virtua...
 
As relações entre as marcas e as pessoas (Anteprojeto de Mestrado UVA - V2)
As relações entre as marcas e as pessoas (Anteprojeto de Mestrado UVA - V2)As relações entre as marcas e as pessoas (Anteprojeto de Mestrado UVA - V2)
As relações entre as marcas e as pessoas (Anteprojeto de Mestrado UVA - V2)
 
Projeto Mestrado Mobile Interaction
Projeto Mestrado Mobile InteractionProjeto Mestrado Mobile Interaction
Projeto Mestrado Mobile Interaction
 
Projeto de Mestrado
Projeto de MestradoProjeto de Mestrado
Projeto de Mestrado
 
Apresentação Final do TCC
Apresentação Final do TCCApresentação Final do TCC
Apresentação Final do TCC
 
Análise do Potencial de Inovação de Portfólio de Projetos de TI
Análise do Potencial de Inovação de Portfólio de Projetos de TIAnálise do Potencial de Inovação de Portfólio de Projetos de TI
Análise do Potencial de Inovação de Portfólio de Projetos de TI
 
Planejamento e Projeto - Pariticpação, Transparência e Democracia
Planejamento e Projeto - Pariticpação, Transparência e DemocraciaPlanejamento e Projeto - Pariticpação, Transparência e Democracia
Planejamento e Projeto - Pariticpação, Transparência e Democracia
 
O Quê Você Deveria Saber sobre o seu Mestrado e Doutorado
O Quê Você Deveria Saber sobre o seu Mestrado e DoutoradoO Quê Você Deveria Saber sobre o seu Mestrado e Doutorado
O Quê Você Deveria Saber sobre o seu Mestrado e Doutorado
 
Apresentação Projeto TCC
Apresentação Projeto TCCApresentação Projeto TCC
Apresentação Projeto TCC
 
Pré-Projeto Mídias Sociais na educação
Pré-Projeto Mídias Sociais na educaçãoPré-Projeto Mídias Sociais na educação
Pré-Projeto Mídias Sociais na educação
 
Habitação de Interesse Social
Habitação de Interesse SocialHabitação de Interesse Social
Habitação de Interesse Social
 
Afinal, O que é Favela?
Afinal, O que é Favela?Afinal, O que é Favela?
Afinal, O que é Favela?
 
Projeto Porto Maravilha
Projeto Porto MaravilhaProjeto Porto Maravilha
Projeto Porto Maravilha
 
A construção do projeto ético político do serviço social - josé paulo netto
A construção do projeto ético político do serviço social - josé paulo nettoA construção do projeto ético político do serviço social - josé paulo netto
A construção do projeto ético político do serviço social - josé paulo netto
 
Apresentação da minha defesa de dissertação de mestrado
Apresentação da minha defesa de dissertação de mestradoApresentação da minha defesa de dissertação de mestrado
Apresentação da minha defesa de dissertação de mestrado
 
Apresentação powerpoint projeto escola 25 anos
Apresentação powerpoint  projeto escola 25 anosApresentação powerpoint  projeto escola 25 anos
Apresentação powerpoint projeto escola 25 anos
 

Semelhante a Apresentação - Projeto de Mestrado

Introdução a engenharia - aula 5 - recursos hidricos, barragens e sistemas de...
Introdução a engenharia - aula 5 - recursos hidricos, barragens e sistemas de...Introdução a engenharia - aula 5 - recursos hidricos, barragens e sistemas de...
Introdução a engenharia - aula 5 - recursos hidricos, barragens e sistemas de...Rafael José Rorato
 
ESTABELECIMENTO DE SUBSÍDIOS PARA A DELIMITAÇÃO DE PERÍMETRO DE PROTEÇÃO DE P...
ESTABELECIMENTO DE SUBSÍDIOS PARA A DELIMITAÇÃO DE PERÍMETRO DE PROTEÇÃO DE P...ESTABELECIMENTO DE SUBSÍDIOS PARA A DELIMITAÇÃO DE PERÍMETRO DE PROTEÇÃO DE P...
ESTABELECIMENTO DE SUBSÍDIOS PARA A DELIMITAÇÃO DE PERÍMETRO DE PROTEÇÃO DE P...Gabriella Ribeiro
 
Estudo tecnico preliminar de saneamento basico no municipio de arcoverde.pptx
Estudo tecnico preliminar de saneamento basico no municipio de arcoverde.pptxEstudo tecnico preliminar de saneamento basico no municipio de arcoverde.pptx
Estudo tecnico preliminar de saneamento basico no municipio de arcoverde.pptxEVERALDOMACIELDEOLIV
 
Transporte de sal e hidrodinamica do estuario do rio tubarao sc (2)
Transporte de sal e hidrodinamica do estuario do rio tubarao sc (2)Transporte de sal e hidrodinamica do estuario do rio tubarao sc (2)
Transporte de sal e hidrodinamica do estuario do rio tubarao sc (2)Victor Eduardo Cury Silva
 
Apresentacao_FernandoPruski
Apresentacao_FernandoPruskiApresentacao_FernandoPruski
Apresentacao_FernandoPruskiequipeagroplus
 
Aula estudos basicos-drenagem-parte1-s (1)
Aula estudos basicos-drenagem-parte1-s (1)Aula estudos basicos-drenagem-parte1-s (1)
Aula estudos basicos-drenagem-parte1-s (1)Lucas Couto de Oliveira
 
Introdução -- Aplicação de modelos hidridinâmicos, de qualidade de água, e ec...
Introdução -- Aplicação de modelos hidridinâmicos, de qualidade de água, e ec...Introdução -- Aplicação de modelos hidridinâmicos, de qualidade de água, e ec...
Introdução -- Aplicação de modelos hidridinâmicos, de qualidade de água, e ec...Sebastian Krieger
 
Estação de Tratamento Rio Arroio Fundo
Estação de Tratamento Rio Arroio FundoEstação de Tratamento Rio Arroio Fundo
Estação de Tratamento Rio Arroio FundoTadeu Vasconcelos
 
Gestão inteligente de aquíferos
Gestão inteligente de aquíferosGestão inteligente de aquíferos
Gestão inteligente de aquíferosGeoSpatiumLab
 
WORKSHOP “GESTÃO DE DRAGAGENS” – Ernesto Carneiro
WORKSHOP “GESTÃO DE DRAGAGENS” – Ernesto CarneiroWORKSHOP “GESTÃO DE DRAGAGENS” – Ernesto Carneiro
WORKSHOP “GESTÃO DE DRAGAGENS” – Ernesto Carneiroportodeaveiro
 
Curso basico de formacao em manejo integrado de agua - Estacao Luz
Curso basico de formacao em manejo integrado de agua - Estacao LuzCurso basico de formacao em manejo integrado de agua - Estacao Luz
Curso basico de formacao em manejo integrado de agua - Estacao LuzFluxus Design Ecológico
 
Painel 4 – Energia Hidrocinética no Norte do Brasil
Painel 4 – Energia Hidrocinética no Norte do BrasilPainel 4 – Energia Hidrocinética no Norte do Brasil
Painel 4 – Energia Hidrocinética no Norte do BrasilUKinBrazilNetwork
 
NBR 15495 Construção PM Águas Subterrânea.pdf
NBR 15495 Construção PM Águas Subterrânea.pdfNBR 15495 Construção PM Águas Subterrânea.pdf
NBR 15495 Construção PM Águas Subterrânea.pdfIngridValgas1
 
Manual de Operação de Aterro sanitário em valas da CETESB
Manual de Operação de Aterro sanitário em valas da CETESBManual de Operação de Aterro sanitário em valas da CETESB
Manual de Operação de Aterro sanitário em valas da CETESBThales Vinícius de Melo Rissi
 
Drenagem superficial
Drenagem superficialDrenagem superficial
Drenagem superficialMatheus Dias
 
MSc thesis presentation
MSc thesis presentationMSc thesis presentation
MSc thesis presentationSonia Mena
 
Aquífero coxilha lombas_rubbo
Aquífero coxilha lombas_rubboAquífero coxilha lombas_rubbo
Aquífero coxilha lombas_rubboavisaassociacao
 

Semelhante a Apresentação - Projeto de Mestrado (20)

Introdução a engenharia - aula 5 - recursos hidricos, barragens e sistemas de...
Introdução a engenharia - aula 5 - recursos hidricos, barragens e sistemas de...Introdução a engenharia - aula 5 - recursos hidricos, barragens e sistemas de...
Introdução a engenharia - aula 5 - recursos hidricos, barragens e sistemas de...
 
ESTABELECIMENTO DE SUBSÍDIOS PARA A DELIMITAÇÃO DE PERÍMETRO DE PROTEÇÃO DE P...
ESTABELECIMENTO DE SUBSÍDIOS PARA A DELIMITAÇÃO DE PERÍMETRO DE PROTEÇÃO DE P...ESTABELECIMENTO DE SUBSÍDIOS PARA A DELIMITAÇÃO DE PERÍMETRO DE PROTEÇÃO DE P...
ESTABELECIMENTO DE SUBSÍDIOS PARA A DELIMITAÇÃO DE PERÍMETRO DE PROTEÇÃO DE P...
 
Estudo tecnico preliminar de saneamento basico no municipio de arcoverde.pptx
Estudo tecnico preliminar de saneamento basico no municipio de arcoverde.pptxEstudo tecnico preliminar de saneamento basico no municipio de arcoverde.pptx
Estudo tecnico preliminar de saneamento basico no municipio de arcoverde.pptx
 
Poluicao_Difusa.pdf
Poluicao_Difusa.pdfPoluicao_Difusa.pdf
Poluicao_Difusa.pdf
 
Transporte de sal e hidrodinamica do estuario do rio tubarao sc (2)
Transporte de sal e hidrodinamica do estuario do rio tubarao sc (2)Transporte de sal e hidrodinamica do estuario do rio tubarao sc (2)
Transporte de sal e hidrodinamica do estuario do rio tubarao sc (2)
 
Apresentacao_FernandoPruski
Apresentacao_FernandoPruskiApresentacao_FernandoPruski
Apresentacao_FernandoPruski
 
Aula estudos basicos-drenagem-parte1-s (1)
Aula estudos basicos-drenagem-parte1-s (1)Aula estudos basicos-drenagem-parte1-s (1)
Aula estudos basicos-drenagem-parte1-s (1)
 
Introdução -- Aplicação de modelos hidridinâmicos, de qualidade de água, e ec...
Introdução -- Aplicação de modelos hidridinâmicos, de qualidade de água, e ec...Introdução -- Aplicação de modelos hidridinâmicos, de qualidade de água, e ec...
Introdução -- Aplicação de modelos hidridinâmicos, de qualidade de água, e ec...
 
Estação de Tratamento Rio Arroio Fundo
Estação de Tratamento Rio Arroio FundoEstação de Tratamento Rio Arroio Fundo
Estação de Tratamento Rio Arroio Fundo
 
17/03 - Tarde - Mesa 2- Rinaldo de Oliveira Calheiros
17/03 - Tarde - Mesa 2- Rinaldo de Oliveira Calheiros17/03 - Tarde - Mesa 2- Rinaldo de Oliveira Calheiros
17/03 - Tarde - Mesa 2- Rinaldo de Oliveira Calheiros
 
Gestão inteligente de aquíferos
Gestão inteligente de aquíferosGestão inteligente de aquíferos
Gestão inteligente de aquíferos
 
WORKSHOP “GESTÃO DE DRAGAGENS” – Ernesto Carneiro
WORKSHOP “GESTÃO DE DRAGAGENS” – Ernesto CarneiroWORKSHOP “GESTÃO DE DRAGAGENS” – Ernesto Carneiro
WORKSHOP “GESTÃO DE DRAGAGENS” – Ernesto Carneiro
 
Curso basico de formacao em manejo integrado de agua - Estacao Luz
Curso basico de formacao em manejo integrado de agua - Estacao LuzCurso basico de formacao em manejo integrado de agua - Estacao Luz
Curso basico de formacao em manejo integrado de agua - Estacao Luz
 
Painel 4 – Energia Hidrocinética no Norte do Brasil
Painel 4 – Energia Hidrocinética no Norte do BrasilPainel 4 – Energia Hidrocinética no Norte do Brasil
Painel 4 – Energia Hidrocinética no Norte do Brasil
 
NBR 15495 Construção PM Águas Subterrânea.pdf
NBR 15495 Construção PM Águas Subterrânea.pdfNBR 15495 Construção PM Águas Subterrânea.pdf
NBR 15495 Construção PM Águas Subterrânea.pdf
 
Manual de Operação de Aterro sanitário em valas da CETESB
Manual de Operação de Aterro sanitário em valas da CETESBManual de Operação de Aterro sanitário em valas da CETESB
Manual de Operação de Aterro sanitário em valas da CETESB
 
Drenagem superficial
Drenagem superficialDrenagem superficial
Drenagem superficial
 
MSc thesis presentation
MSc thesis presentationMSc thesis presentation
MSc thesis presentation
 
Aquífero coxilha lombas_rubbo
Aquífero coxilha lombas_rubboAquífero coxilha lombas_rubbo
Aquífero coxilha lombas_rubbo
 
Aula_1 e 2_SAA.pptx
Aula_1 e 2_SAA.pptxAula_1 e 2_SAA.pptx
Aula_1 e 2_SAA.pptx
 

Apresentação - Projeto de Mestrado

  • 1. Seminários Gerais Orientador: Prof. Dr. Chang Hung Kiang Aluno: Rodrigo Augusto Dourado Neves
  • 2. Título: Modelagem Numérica de Fluxo Subterrâneo e Transporte de Contaminantes Derivados de Petróleo no Aquífero Bauru
  • 3. Linha de Pesquisa do Programa • Recursos Hídricos e Energéticos (desenvolvimento sustentável)
  • 4. Escopo do projeto • Caracterização hidrogeológica de um posto de combustível contaminado. • Mapeamento da contaminação. • Avaliar os parâmetros físico-químicos do meio. • Definir um modelo conceitual. • Realizar a modelagem com o auxilio de um software que trabalhe com diferenças finitas. • Calibrar o modelo com os dados coletados em campo.
  • 5. Fonte de recursos • Todos os equipamentos de campo, assim como equipe técnica utilizada foram fornecidas pela empresa Geoambiente. • Este trabalho que foi realizado foi utilizado para o licenciamento ambiental do posto.
  • 6. Localização da área Município de São José do Rio Preto Estado de São Paulo Posto de combustível estudado
  • 7. Mapa de entorno da área de estudo
  • 8. Características do entorno • Ocupação do solo • Cursos d’água – Residencial – Rio Preto – Comercial – Córrego Piedade – Templos religiosos – Terrenos vagos
  • 9. Caracterização geológica • Os solos que ocorrem na área do empreendimento e em todo entorno são residuais, resultantes do intemperismo que atuou no substrato rochoso, representado pela Formação Adamantina do Grupo Bauru, de idade cretácea superior (IPT, 1981). • A Formação Adamantina é composta por depósitos flúvio-lacustres com predominância de arenitos finos a muito finos, podendo apresentar cimentação e nódulos carbonáticos, com freqüentes lentes de siltitos arenosos/arenitos siltosos e argilitos, ocorrendo em bancos maciços (IPT, 1981).
  • 10. Mapa geológico (IPT, 1981) Legenda Qa – Sedimentos aluvionares Ka – Formação Adamantina JKsg – Formação Serra Geral
  • 12. Caracterização geomorfológica • A área encontra-se na porção oriental do Planalto Ocidental Paulista, em relevo de degradação em planaltos dissecados, com colinas amplas, onde se destacam interflúvios com área superior a 4 km², topos extensos e aplainados, vertentes com perfis retilíneos a convexos (IPT, 1981).
  • 13. Trabalhos prévios • Caracterização hidrogeológica do local – Relatório Zero da bacia hidrográfica Turvo / Grande (UGRHI-15), DAEE. – Lima, Alex A., 2004. Hidrogeologia do Sistema Aquifero Bauru no Municipio de São José do Rio Preto (SP).
  • 14. Trabalhos prévios • Modelagem numérica de fluxo subterrâneo e transporte de contaminantes – Alberto, Marcio C.,2005. Fluxo de Água Subterrânea em Sistema de Encosta-Rio, município de Paulínia (SP): Caracterização hidrogeológica e simulação numérica. – Teramoto, Elias H., 2007. Caracterização Hidrogeológica e Simulação Numérica de Fluxo na Região de Paulínia.
  • 15. Objetivos • Modelar o fluxo subterrâneo local para os estados estacionário e transiente. • Modelar o transporte de contaminantes na zona saturada. • Entender como os parâmetros do meio afetam no comportamento das plumas.
  • 16. Justificativas • Satisfazer a carência de informações a respeito do comportamento de contaminantes derivados de petróleo no aqüífero Bauru. • Agregar informações que poderão ser usadas futuramente para uma melhor gestão dos recursos hídricos na região de São José do Rio Preto. • Servir de suporte para o desenvolvimento de novas modelagens numéricas em outros sítios contaminados na região.
  • 17. Base cartográfica • Mapa da Pref. Municipal. • Google Earth. • Carta do IBGE. • Levantamento in loco com a utilização de um teodolito e um nível otíco.
  • 19. Soil Gas Survey • Sondagens rasas (1,0m de profundidade) • Furadeira de impacto. • Thermo Gastech SV (Soil Vapor) • Indício de contaminação. • Suporte para locação das sondagens prof.
  • 20.
  • 21. Execução das sondagens profundas • Sistema Hollow Steam Auger. • Medição de voláteis a cada metro. • Amostragem feita com cravação do amostrador tubular a percussão. • Enviada para análise profundidade correspondente a maior medição de VOC ou mais próxima a franja capilar
  • 22.
  • 23. Poços de monitoramento e amostragem de água subterrânea • Tubo geomecânico de Ø2” • Filtro de 2 a 3 metros. • Pré-filtro um metro acima do filtro. • Selo de bentonita. • Amostragem de água realizada através de bailers descartáveis.
  • 24.
  • 25. Teste de bombeamento no poço tubular • Vazão máxima (11m³/hora) durante 24 horas. • Recuperação por 4 horas. • Escalonado (25%, 50% e 75%) • 2 poços de observação (PM-22 e PM-13).
  • 26.
  • 27. Ensaios para determinação da condutividade hidráulica • Slug Test - Eleva o nível d’água e acompanha a recuperação • Bail Test – Rebaixa o nível d’água e acompanha a recuperação • Tarugo de aço • Transdutor de pressão • Método de Bower e Rice
  • 28. Transdutor de pressão Tarugo de aço
  • 29. Acompanhamento da variação do nível d’água nos poços de monitoramento • Medições semanais • Verificação da presença de fase livre • Banco de dados
  • 30. Software utilizado para a modelagem • Visual Modflow Premium 4.2. • Desenvolvido pela Waterloo Hidrogeologics Inc. • Modela através de diferenças finitas.
  • 31. Etapas já realizadas / resultados • Criação da base cartográfica. • Mapeamento das plumas de contaminação. • Ensaios hidráulicos. • Elaboração de mapas potenciométricos. • Definição do modelo conceitual. • Inserção dos dados no software Visual Modflow. • Calibração do modelo de fluxo subterrâneo para o estado estacionário.
  • 34. Características do modelo • Refinamento da malha nos poços de monitoramento. • Limites naturais (Rio Preto, Córrego Piedade e divisor de águas). • Parâmetro a ser variado para calibração (recarga).
  • 35. Mapa potenciométrico calculado através da modelagem
  • 36. Resultados da calibração (estado estacionário)
  • 37. Dificuldades encontradas • Estabelecer o limite inferior para o modelo conceitual. – Perfilagem elétrica ou sondagem SPT. • Calibração do modelo de fluxo subterrâneo transiente. – Tempo para coleta de dados com freqüência semanal.
  • 38. Bibliografia fundamental • CETESB, 2001. Manual de Gerenciamento de Áreas Contaminadas. • Zheng, C e Benett, G., 1995. Applied Contaminant Transport Modeling. Van Nostrand Reinhold. • Bear, J. e A. Verruijt, 1987. Modeling Groundwater Flow And Pollution. D. Reidel Publ. Co. • Davis. S.N. e R.J.M. De Wiest., 1966. Hydrology. John Wiley and Sons. • Fetter, C.W. Jr, 2001. Applied Hydrogeology. 4ª Edição. McMillan Publishing Co. • Freeze R.A., and J.A. Cherry. 1979. Groundwater. Prentice-Hall Inc. • American Petroleum Institute, 1983. Groundwater Monitoring and Sample Bias. Publication nº 4367. • Ferris, J.G. et all, 1962. Theory of Aquifer Tests. U.S. Geological Survey Water Supply Paper 1536-E. • Bower, H. and R. Rice, 1976- A Slug Test for Determining Hydraulic Conductivity of Unconfined Aquifers with Completely of Partially Penetrating Wells. Water Resources Research. Vol. 12, nº 3.