SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 35
Licenciatura em Geografia – 3º período
Disciplina: A Construção do Território Brasileiro
Geopolítica da instalação portuguesa na América
Professor: Me. Éderson Dias de Oliveira
MORAES, Antonio Carlos Robert. Geografia Histórica do Brasil: capitalismo, território e
periferia. São Paulo: Annablume, 2011.
MORAES, A.C.R. O que é território? In SANTOS, M. et. al. Território - Globalização e
Fragmentação.São Paulo: Hucitec, 1994.
SANTOS, M. e SILVEIRA, M.L. O Brasil – sociedade e território no início do séc. XXI. Rio de
Janeiro: Record, 2001.
• A geopolítica portuguesa
secundarizou o BR, em favor
de outras colônias;
• Interesse maior no comércio
– desprezo pelo território
primitivo e vazio da América;
COLONIZAÇÂO DO BRASIL
• Num primeiro momento o BR não oferecia atrativos
imediatos aos lusitanos;
• Não tinha os estoques metálicos da América espanhola;
• Não tinha as lucrativas especiarias;
• Nativos rudes;
• Todavia mesmo
desprezado foi apropriado
- ratificação do T.
Tordesinhas (1494) pela
Igreja em 1506;
• Mesmo não havendo
atrativos sua posse era
intrínseco a lógica
imperial;
• Controle geopolítico do
Atlântico austral e base
para as caravelas;
• As primeiras décadas
foram de exploração lenta
– atividade de escambo do
pau-brasil;
• As poucas feitorias, foram “lócus” de aclimatação e marco de
soberania – intuito proto-colonizador – trocas econômicas e
culturais;
• Todavia as feitorias estavam muito aquém da potencialidade
do novo território – alvo para outros países;
• Surge grande trânsito de navios franceses concorrendo com
Portugal no escambo colonial;
• Criação da “capitania do mar” - 1520/1530;
• Demanda de explorar
economicamente a nova
terra, dado os perigos
de perda;
• Havia a exigência da criação de uma estrutura produtiva nas
posições – demanda de capitais expressivos – ciclo do açúcar;
• Para minimizar custos de investimentos Portugal cede a
colônia para iniciativa privada – capitanias hereditárias;
• Saída viável e barata de apressar a instalação coloniais;
• Objetivo geopolítico -
garantir a posse de vários
pontos da costa;
• Explorar para não
perder;
• Além da questão
econômica, houve
desentendimento com as
populações autóctones;
• Apesar das dificuldades, as
capitanias atuaram na fixação
dos portugueses no BR;
• Apesar dos poucos núcleos
que progrediram, o
empreendimento demonstrou
a praticabilidade das colônias
agrícolas;
• Dessas capitanias, duas
tiveram destaque pelo seu
desenvolvimento econômico:
• São Vicente;
• Pernambuco.
• Em 1549 o monarca português implanta, o Governo-Geral do
Brasil, já sinalizando a intenção de centralizar a
administração da colônia.
• A par da atividade agrícola, e do escambo, o contato com os
índios alimentou a “geografia fantástica e as entradas no
sertão”;
• No início do séc.
XVI proliferam as
expedições que
demandavam o
interior em busca
de metais
preciosos, índios;
• A agricultura “ultrajava”
mais a relação do
colonizados com os nativos
do que o escambo, dada a
demanda por uma
regularidade e ritmo de
trabalho distinto;
• Proposta de aldeamento de
“aculturação” do índio para
o trabalho;
• A existência de um grande contingente de índios aldeados,
representava um fator de segurança frente ao ataque
estrangeiro e de tribos hostis - Fator geopolítico;
• Táticas de “destribalização” - “ os índios eram uma das minas
prediletas dos paulistas;
• Já os portugueses num
primeiro momento se
moveram mais por
objetivos comerciais;
• Efetivar a posse da
fachada litorânea foi a
diretriz básica da
geopolítica lusitana;
• Na 2ª metade do séc.
XVI iniciou uma
expansão aureolar nos
núcleos costeiros;
• Os espanhóis tinham uma ótica de domínio dado a
interiorização organizada dos seus nativos;
• Essas áreas contíguas, apoiadas na agricultura, gerou um
conjunto de pequenos sistemas autômatos, cada um
articulado a um porto;
• Navegação de cabotagem minimizava o isolamento dos núcleos
– incertezas do sertão;
• A história do BR no séc.
XVI elaborou-se em
trechos exíguos de
Itamaracá; Pernambuco;
Bahia; Santo Amaro e
São Vicente;
• “Os portugueses ficaram
presos a praia como
caranguejos” – ocupação
pontual e litorânea;
Território, Região e Formação colonial na América Latina
• Território - são espaços qualificados pela dominação política,
são jurisdições (legais, tributárias, militares ou religiosas),
são unidades de governo, áreas de exercício de um poder;
• Região - foi sempre pensada como uma unidade espacial
homogênea, não raro identificada no seu processos de
ocupação do solo e de apropriação dos meios naturais;
• A dimensão espacial da vida social ganha
uma centralidade ímpar – colonização
como processo de expansão territorial;
• A geografia se mostra fundamental para
interpretar a particularidade histórica
da América Latina;
• A colonização da América, resulta da expansão europeia –
montagem da economia-mundo capitalista, na qual a periferia
colonial desempenha importantes funções;
• As especificidades históricas e geopolíticas metropolitanas
emergem como elemento de diferenciação entra as colônias;
• Essas também variam de acordo com as características
internas das colônias;
• O entendimento da história
(relação homem x espaço)
possibilita melhor entender as
conjunturas atuais;
• Estados americanos modernos
= colônias – espaço geográfico
pré-colombiano diverso;
• As instalações coloniais na América representaram enclaves
que evoluem para regiões – expansão territorial dos núcleos
pioneiros difundiu a colonização do espaço, criando
economias regionais;
• Os fluxos (exploradores, povoadores, e de mercadorias)
estabelecem a demarcação de cada assentamento colonial;
• 1 – difusão areolar
contígua, induzida pela
topografia e
vegetação – expansão;
• 2 - eixo de drenagem,
facilitação logística
região mundo -
consolidação
• Território colonial - área de
soberania de uma metrópole;
• Território usado - área
apropriada para colonização;
• Fundos territoriais - área
potencial para expansão futura;
• A intensidade dos fluxos ampliou/retraiu o dinamismo
regional;
• Os territórios coloniais são âmbitos espaciais de pretensão
de soberania pactuados entre as metrópoles europeias;
• Enfim o território reflete o espaço de dominação política que
suporta várias regiões em seu interior;
• Os limites pactuados no período colonial servem de
referência geopolítica prática na delimitação posterior dos
territórios nacionais;
• Território em movimento expansivo que avançou como
mancha de óleo a partir dos núcleos de difusão litorânea;
• Séc. XVI – instalação lusitana em terras sul-americanas;
• Séc. XVII – consolidação da soberania portuguesa;
• Séc. XVIII – expansão territorial e consolidação enquanto
unidade geopolítica;
• Séc. XVIII – a unidade
BR ganha corpo no
século do ouro, quando
várias regiões
trabalham para
abastecer as minas;
• 1808 D. João faz do RJ a capital do império;
• 1822 o novo país permanece nas mão da Casa de Bragança;
• Há uma aproximação da metrópole com a colônia – adoção de
medidas administrativas geopolíticas;
• Tratado de Madri (1755);
• Tratado de Santo Ildefonso
(1775);
• Esses territórios reivindicados
não desagregaram no processo
de independência,
• Um dos principais desafios do Brasil Império foi manter o
domínio e a integralidade dos fundos territoriais;
• Era um mosaico de
assentamentos coloniais;
• O BR abrigava várias
economias regionais
entremeados por fundos
territoriais pouco
explorados;
• A transferência da corte em 1808 para o BR representou um
fator essencial notadamente em sua dimensão geopolítica;
• A interiorização da metrópole altera os fluxos/fixos – o RJ
passa a ser o centro da colônia e de todo o império português;
• Esse evento apesar de não diluir os conflitos inter-regionais,
atuou no sentido de unificação territorial do BR - 1815 status
de reino;
• O processo de independência tornou os fundos territoriais
mais evidente, ao dar autonomia e reforçar as fronteiras;
• Não houve de imediato novas regionalizações, havendo a
incorporação dos fundos territoriais, Ex. Brasil amazônico;
• Com a independência, há uma afirmação da centralidade,
agregam-se regiões num mesmo domínio e repartem-se os
fundos territoriais entre as novas unidades estatais;
• Esse quadro permite
equacionar algumas
singularidades geopolíticas
da história brasileira;
• O BR no início do séc. XIX
se mostra como um
verdadeiro arquipélago
geográfico;
• Após a independência a permanência da Casa de Bragança no
trono forneceu um argumento consistente de continuidade
político-institucional para a diplomacia europeia;
• O direito de domínio do território brasileiro não foi
questionado no plano internacional – ambição de consolidação
e ampliação territorial;
• O Império do Brasil
dispunha de um
território amplo
ainda a ser ocupado;
• A manutenção bra-
gantina possibilitou
a reafirmação do
discurso da “missão
civilizatória”;
Ideologias Geográficas na História Brasileira
• Há uma forte concepção territorialista na formação
brasileira – visão de espaço e não de sociedade;
• Nos países de formação colonial a argumentação geográfica
ganha um peso significativo na justificativa da identidade e
da unidade política;
• Sociedade que se expande sobre os “novos” – na perspectivas
do colonizador – noção de conquista territorial está na base
da colonização;
• Conquistar é apropriar de
espaços, explorar os recursos e
subordinar as pop. autóctones;
• O êxito da colonização se expressa na territorialização - O
BR se origina da colonização lusitana, todavia não há nenhum
elemento de unidade e identidade que preceda a colonização;
• O mesmo possui um mosaico de biomas, ecossistemas – as
fronteiras são elementos de construção histórica e pouco
fundada na natureza;
• Também não havia uma
unidade cultural e étnica dos
povos pré-colombianos –
inexistia nexos políticos
mesmo que num proto-
estado;
• A instalação do colonizador
criou um elemento de
unidade no BR;
• Instalou-se uma singular monarquia tropical, que pensava
como uma ampliação geográfica da civilização europeia –
“levar as Luzes a esses sertões”;
• O imperativo da conquista territorial justificava o Estado
forte, centralizador e autoritário a fim de impor sua própria
territorialidade;
• Construir o país, o
território e o aparato
estatal, confundiam-se
num mesmo propósito
autolegitimador;
• Indagação recorrente
nas elites no séc. XIX
• Com que povo
contamos para
• Respostas:
• 1) otimista - focava a natureza como garantia de progresso;
• 2) pessimista - identificava nos habitantes um obstáculo ao
desenvolvimento;
• Daí surgiu a políticas de branqueamento da população;
• Havia divergências sobre as concepções do elemento índio: ora
emergia como um aliado do colono, ora como um obstáculo o
selvagem a ser eliminado;
• A atribuição do cognome sertão a uma dada localidade
assinalava o desejo de apropriá-la e inseri-la nos circuitos
mercantil;
• Busca romper com o isolamento e
destruindo a vida tradicional.
• Esse ato de conquista e violência
justificava a missão civilizadora;
• A partir do final do séc. XIX a ideia de “moderno” se junta a
construção do espaço – urbanização; industrialização; fluxos
de pessoas e informações;
• Construir o país era modernizá-lo, o que significava equipá-lo
com próteses territoriais e sistemas de engenharia;
• Não tratava de modernizar o povo, de modo a adequá-lo a
paisagem moderna - os planos se pautavam na edificação de
formas espaciais;
• Esse afã modernizador atravessou
toda a 1ª metade do séc. XX –
ideologias geográfica;
• O Estado foi pensado como o
condutor da construção do país;
• A Era Vargas exemplifica a íntima associação entre
ideologias geográficas e políticas territoriais na formação
brasileira;
• Foi criado o IBGE que objetivava ter uma visão cientifica do
território, requisitada pelo aparato de planejamento estatal;
• Objetiva também propor uma divisão regional ainda que
assentada em termos naturais permitiu a construção de
identidades parciais – políticas regionais;
• O 2º governo de Vargas e de JK, reafirmam o binômio
modernização do território e construção nacional, porém já
mais atentos ao componente popular;
• Há a instalação de grandes próteses
territoriais e amplos sistemas de
engenharia: construção de Brasília;
usinas hidrelétricas; ampliação da malha
rodoviária;
• Segundo essa visão o BR moderno, com o estímulo do estado
deveria exportar seu dinamismo para o interior, alterando
suas estruturas arcaicas;
O Sertão: um “outro” Geográfico
• O sertão se qualifica como um lugar onde predomina o ritmo
dado pela dinâmica da natureza, onde o elemento humano é
submetido às forças do mundo natural;
• A ausência de elementos técnicos é que aparece como fator
de distinção em sua delimitação;
• O mesmo não se constitui,
portanto, como uma
materialidade criada pelos
grupos sociais em suas
relações com os lugares
terrestres;
• O sertão não se habilita
como uma figura do universo
empírico da geografia
tradicional;
• Essa não corresponde a uma materialidade terrestre
individualizável, passível de ser cartografada;
• A ideia de Sertão possui, portanto, um status teórico distinto
das noções mais usuais de habitat, ambiente, região e
território;
• Enquanto essas tem por referencias limites aferíveis, aquela
possui divisão pouco objetivas do espaço terrestres;
• O sertão passa a ser não um lugar,
mas uma condição atribuída ao
espaço geográfico – trata de
símbolos imposto, que atua como um
qualitativo local no processo de sua
valoração;
• Trata não de uma materialidade
concreta, mas de uma realidade
simbólica;
• A adjetivação sertaneja expressa uma forma preliminar de
apropriação simbólica de um dado lugar;
• Significa projetar sua valorização futura em moldes
diferentes do vigente;
• Os lugares tornam-se sertão ao atraírem o interesse de
agentes sociais que visam estabelecer novas formas e
exploração locais:
• É comumente concebido como um
espaço para expansão e
incorporação a uma órbita de poder
que lhe escapa no momento:
• Da relação entre sertão e
colonização surge a ideia de
antípoda, onde funções e formas
distintas coexistem;
• No Brasil colônia essa relação era nítido entre o litoral e o
interior;
• Ultrapassar a condição sertaneja é a meta implícita dos
discursos que buscam levantar e explicitar a sua ausência;
• A qualificação de distante ganho por vezes outros
significados além do geográfico;
• A distância é, em muito, função das condições de transporte,
numa relação onde o tempo de deslocamento emerge como
critério de medida;
• Portanto o sertão se qualifica como lugar
fora dos circuitos cotidianos de transito –
estranhamento geográfico - lugar isolado;
• O sertão também é definido como um
lugar ocupado por povos diferentes,
exóticos, qualificando-se como moradia
dos “outros”;
• “Sertanejo genérico” é entendido como ser exótico ou arcaico
dotado ou não de positividade. Ex vulgarização - Festa juninas
• Outras identidades do sertanejo: depositário dos males
inerentes à mistura de raças; produto positivo dessa
miscigenação adaptado a adversidade do meio; portador dos
valores autênticos do caráter nacional; fruto da degeneração
advindo do isolamento e abando; enfim são múltiplas a sua
definição;
• Não poucas vezes, foi definido
como o “habitat dos selvagens”, a
“terra dos tapuais” dos “índios
ferozes”;
• Outro discurso aponta os índios
como “muralhas do sertão”, numa
ótica geopolítica de defesa das
fronteiras;
• Contudo a acentuação locacional não urbana delimita e unifica
o universo sertanejo marcado pela ruralidade – identidade da
roça;
• Morada do bugre, caboclo, caipira, faxinalense; ribeirinho;
quilombola, caiçara – enfim como definimos atualmente
“populações tradicionais”;
• Em suma a denominação sertaneja seja social ou paisagística,
recobre áreas de fronteiras com povoamentos frágeis;
• Também se refere a zonas de domínios incompletos, nas
quais a ordem estatal não está consolidada;
• A designação do espaço sertanejo revela a existência de
olhares externos que lhe ambicionam – lugares para expansão
futura;
• Transformar esses territórios em espaço usado é uma
diretriz que atravessa a formação histórica do país, alçando-
se mesmo à condição de um projeto estatal-nacional básico;
• No BR império os sertões foram definidos como lócus da
barbárie, sendo sua apropriação legitimada como uma obra
civilizatória;
• O sertão como manifestação do
arcaísmo e do atraso, atravessa
todo o séc. XX, sendo que até
hoje o país se mergulhado em
movimentos de incorporação de
novos espaços;
• “País em construção” ideário
varguista, de JK e do Regime
Militar;
• O sertão se mostra como uma espécie de pecado original do
berço colonial, explorado por interesses distintos;
• Na atual perspectiva da globalização, pode ser identificado
como os lugares não integrados às redes de fluxos globais; ou
como depositário do patrimônio natural e da biodiversidade;
• Enfim é uma figura do imaginário da conquista territorial –
uma apropriação simbólica do lugar, densa de juízos
valorativos que apontam para sua transformação;
• Tem-se o sertão como um
qualificativo de lugares, um termo
da geografia colonial que reproduz
o olhar apropriador dos impérios
em expansão;
• Sinônimos – “desertos” na
Argentina e “fronteiras” nos EUA;
Atividades
1. Defina território e procure aplica-los as práticas de
territorialização que houve com a colonização lusitana no Brasil?
2. Diferencie Estado de Nação?
3. Distinga raça de etnia?
4. Estabeleça a diferença entre Estado e estado?
5. O termo Utti Possidetis proveniente do direito romano foi
usado por Portugal a fim de consolidar grande parte das
fronteiras hodiernas do Brasil. Explique esse conceito?
6. Antes da chegada dos portugueses ao Brasil, a nova terra
possuía algum elemento de unidade e identidade? Justifique.
7. A ideia antípoda no Brasil colônia entre litoral e interior pode
ajudar a explicar um pouco sobre o sertão. Escreva sobre essa
temática?
8. Com base na ideia que o sertão é uma figura do imaginário da
conquista territorial, uma apropriação simbólica do lugar, densa
de juízos valorativos que apontam para sua transformação.
Elenque cinco exemplos de comunidades tradicionais
relacionadas com o cognome sertanejo?

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Conceitos demográficos
Conceitos demográficosConceitos demográficos
Conceitos demográficosProfessor
 
Movimentos Separatistas
Movimentos SeparatistasMovimentos Separatistas
Movimentos Separatistasrossetto10
 
Geografia Do Brasil RegiõEs
Geografia Do Brasil   RegiõEsGeografia Do Brasil   RegiõEs
Geografia Do Brasil RegiõEsMateus Silva
 
A regionalização e as divisões regionais no brasil
A regionalização e as divisões regionais no brasilA regionalização e as divisões regionais no brasil
A regionalização e as divisões regionais no brasilProfessor
 
Revoltas Nativistas e Emancipacionistas
Revoltas Nativistas e EmancipacionistasRevoltas Nativistas e Emancipacionistas
Revoltas Nativistas e EmancipacionistasValéria Shoujofan
 
Blocos econômicos
Blocos econômicosBlocos econômicos
Blocos econômicosArtur Lara
 
América portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasilAmérica portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasilDouglas Barraqui
 
A economia açucareira no brasil
A economia açucareira no brasilA economia açucareira no brasil
A economia açucareira no brasilRogerio Alves
 
Colonizacao espanhola-america
Colonizacao espanhola-americaColonizacao espanhola-america
Colonizacao espanhola-americaMarcos Oliveira
 
As revoluções industriais
As revoluções industriaisAs revoluções industriais
As revoluções industriaisvdailce
 
Estado nação, território e poder
Estado nação, território e poderEstado nação, território e poder
Estado nação, território e poderVinicius Coelho
 

Mais procurados (20)

Conceitos demográficos
Conceitos demográficosConceitos demográficos
Conceitos demográficos
 
3° ano - Guerra Fria
3° ano - Guerra Fria3° ano - Guerra Fria
3° ano - Guerra Fria
 
Movimentos Separatistas
Movimentos SeparatistasMovimentos Separatistas
Movimentos Separatistas
 
República velha
República velhaRepública velha
República velha
 
Geografia Do Brasil RegiõEs
Geografia Do Brasil   RegiõEsGeografia Do Brasil   RegiõEs
Geografia Do Brasil RegiõEs
 
Segundo Reinado
Segundo ReinadoSegundo Reinado
Segundo Reinado
 
A regionalização e as divisões regionais no brasil
A regionalização e as divisões regionais no brasilA regionalização e as divisões regionais no brasil
A regionalização e as divisões regionais no brasil
 
Era Napoleônica
Era NapoleônicaEra Napoleônica
Era Napoleônica
 
Populaçao mundial
Populaçao mundialPopulaçao mundial
Populaçao mundial
 
Revoltas Nativistas e Emancipacionistas
Revoltas Nativistas e EmancipacionistasRevoltas Nativistas e Emancipacionistas
Revoltas Nativistas e Emancipacionistas
 
Blocos econômicos
Blocos econômicosBlocos econômicos
Blocos econômicos
 
A Escravidão no Brasil colonial
A Escravidão no Brasil colonialA Escravidão no Brasil colonial
A Escravidão no Brasil colonial
 
Regionalização
RegionalizaçãoRegionalização
Regionalização
 
América portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasilAmérica portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasil
 
A economia açucareira no brasil
A economia açucareira no brasilA economia açucareira no brasil
A economia açucareira no brasil
 
Colonizacao espanhola-america
Colonizacao espanhola-americaColonizacao espanhola-america
Colonizacao espanhola-america
 
Primeiro Reinado
Primeiro ReinadoPrimeiro Reinado
Primeiro Reinado
 
As revoluções industriais
As revoluções industriaisAs revoluções industriais
As revoluções industriais
 
Brasil colônia
Brasil colônia Brasil colônia
Brasil colônia
 
Estado nação, território e poder
Estado nação, território e poderEstado nação, território e poder
Estado nação, território e poder
 

Semelhante a A instalação portuguesa no Brasil e a construção do território

UE5 - Gênese Geoeconômica do Território Brasileiro
UE5 - Gênese Geoeconômica do Território BrasileiroUE5 - Gênese Geoeconômica do Território Brasileiro
UE5 - Gênese Geoeconômica do Território BrasileiroSilvio Araujo de Sousa
 
Capitanias hereditárias governo geral
Capitanias hereditárias governo geralCapitanias hereditárias governo geral
Capitanias hereditárias governo geralLoredana Ruffo
 
Antecedentes da produção do espaço brasileiro
Antecedentes da produção do espaço brasileiroAntecedentes da produção do espaço brasileiro
Antecedentes da produção do espaço brasileiroPatrícia Éderson Dias
 
TCD GEOGRAFIA DO BRASIL
TCD GEOGRAFIA DO BRASILTCD GEOGRAFIA DO BRASIL
TCD GEOGRAFIA DO BRASILRodrigo Lopes
 
Aula form terri bra
Aula form terri braAula form terri bra
Aula form terri braBruno Mendes
 
Descobrimento da América portuguesa.
Descobrimento da América portuguesa.Descobrimento da América portuguesa.
Descobrimento da América portuguesa.Lara Lídia
 
Capitanias hereditárias
Capitanias hereditáriasCapitanias hereditárias
Capitanias hereditáriasCreusa Lima
 
início da colonização
início da colonizaçãoinício da colonização
início da colonizaçãoNelson Silva
 
história do brasil_ parte1_colônia_império
história do brasil_ parte1_colônia_impériohistória do brasil_ parte1_colônia_império
história do brasil_ parte1_colônia_impérioJorge Miklos
 
Seminário de geografia
Seminário de geografiaSeminário de geografia
Seminário de geografiaIgor Gomes
 
Elementos de História do Brasil Colonial
Elementos de História do Brasil ColonialElementos de História do Brasil Colonial
Elementos de História do Brasil Colonialvinivs
 
Hist.3 aula01(2011)
Hist.3 aula01(2011)Hist.3 aula01(2011)
Hist.3 aula01(2011)nilbarra
 
Formação territorial do brasil
Formação territorial do brasilFormação territorial do brasil
Formação territorial do brasilPedro Neves
 

Semelhante a A instalação portuguesa no Brasil e a construção do território (20)

CONNSTRUÇÃO DAS FRONTEIRAS DO BRASIL
CONNSTRUÇÃO DAS FRONTEIRAS DO BRASILCONNSTRUÇÃO DAS FRONTEIRAS DO BRASIL
CONNSTRUÇÃO DAS FRONTEIRAS DO BRASIL
 
UE5 - Gênese Geoeconômica do Território Brasileiro
UE5 - Gênese Geoeconômica do Território BrasileiroUE5 - Gênese Geoeconômica do Território Brasileiro
UE5 - Gênese Geoeconômica do Território Brasileiro
 
Capitanias hereditárias governo geral
Capitanias hereditárias governo geralCapitanias hereditárias governo geral
Capitanias hereditárias governo geral
 
Antecedentes da produção do espaço brasileiro
Antecedentes da produção do espaço brasileiroAntecedentes da produção do espaço brasileiro
Antecedentes da produção do espaço brasileiro
 
TCD GEOGRAFIA DO BRASIL
TCD GEOGRAFIA DO BRASILTCD GEOGRAFIA DO BRASIL
TCD GEOGRAFIA DO BRASIL
 
A formaçao territoral do Brasil
A formaçao territoral do Brasil A formaçao territoral do Brasil
A formaçao territoral do Brasil
 
Questões discursivas pism i
Questões discursivas pism iQuestões discursivas pism i
Questões discursivas pism i
 
Formação territorial brasileira
Formação territorial brasileira   Formação territorial brasileira
Formação territorial brasileira
 
Aula form terri bra
Aula form terri braAula form terri bra
Aula form terri bra
 
Descobrimento da América portuguesa.
Descobrimento da América portuguesa.Descobrimento da América portuguesa.
Descobrimento da América portuguesa.
 
Capitanias hereditárias
Capitanias hereditáriasCapitanias hereditárias
Capitanias hereditárias
 
Brasil colonial 1 tmp
Brasil colonial 1 tmpBrasil colonial 1 tmp
Brasil colonial 1 tmp
 
A política colonizadora
A política colonizadoraA política colonizadora
A política colonizadora
 
início da colonização
início da colonizaçãoinício da colonização
início da colonização
 
história do brasil_ parte1_colônia_império
história do brasil_ parte1_colônia_impériohistória do brasil_ parte1_colônia_império
história do brasil_ parte1_colônia_império
 
Seminário de geografia
Seminário de geografiaSeminário de geografia
Seminário de geografia
 
1º Va Grupo 01
1º Va   Grupo 011º Va   Grupo 01
1º Va Grupo 01
 
Elementos de História do Brasil Colonial
Elementos de História do Brasil ColonialElementos de História do Brasil Colonial
Elementos de História do Brasil Colonial
 
Hist.3 aula01(2011)
Hist.3 aula01(2011)Hist.3 aula01(2011)
Hist.3 aula01(2011)
 
Formação territorial do brasil
Formação territorial do brasilFormação territorial do brasil
Formação territorial do brasil
 

Mais de Patrícia Éderson Dias

Processos Migratórios e a Crise dos Refugiados
Processos Migratórios e a Crise dos RefugiadosProcessos Migratórios e a Crise dos Refugiados
Processos Migratórios e a Crise dos RefugiadosPatrícia Éderson Dias
 
Psicologia e educação interlocuções e possibilidades
Psicologia e educação  interlocuções e possibilidadesPsicologia e educação  interlocuções e possibilidades
Psicologia e educação interlocuções e possibilidadesPatrícia Éderson Dias
 
Metodologia da pesquisa em ciências da educação
Metodologia da pesquisa em ciências da educação Metodologia da pesquisa em ciências da educação
Metodologia da pesquisa em ciências da educação Patrícia Éderson Dias
 
Livro Fundamentos da Educação Infantil
Livro Fundamentos da Educação InfantilLivro Fundamentos da Educação Infantil
Livro Fundamentos da Educação InfantilPatrícia Éderson Dias
 
Tendencias e perspectivas do ensino de história
Tendencias e perspectivas do ensino de históriaTendencias e perspectivas do ensino de história
Tendencias e perspectivas do ensino de históriaPatrícia Éderson Dias
 

Mais de Patrícia Éderson Dias (20)

Processos Migratórios e a Crise dos Refugiados
Processos Migratórios e a Crise dos RefugiadosProcessos Migratórios e a Crise dos Refugiados
Processos Migratórios e a Crise dos Refugiados
 
Geografia economica i
Geografia economica iGeografia economica i
Geografia economica i
 
Conhecimento geografico i
Conhecimento geografico iConhecimento geografico i
Conhecimento geografico i
 
Climatologia ii
Climatologia iiClimatologia ii
Climatologia ii
 
Climatologia i
Climatologia iClimatologia i
Climatologia i
 
Cartografia ii
Cartografia iiCartografia ii
Cartografia ii
 
Cartografia i
Cartografia iCartografia i
Cartografia i
 
Psicologia e educação interlocuções e possibilidades
Psicologia e educação  interlocuções e possibilidadesPsicologia e educação  interlocuções e possibilidades
Psicologia e educação interlocuções e possibilidades
 
Política educacional
Política educacional Política educacional
Política educacional
 
Metodologia da pesquisa em ciências da educação
Metodologia da pesquisa em ciências da educação Metodologia da pesquisa em ciências da educação
Metodologia da pesquisa em ciências da educação
 
Literatura infantil
Literatura infantilLiteratura infantil
Literatura infantil
 
Linguagem e alfabetização
Linguagem e alfabetizaçãoLinguagem e alfabetização
Linguagem e alfabetização
 
Leitura e produção de texto
Leitura e produção de texto Leitura e produção de texto
Leitura e produção de texto
 
Historia da Educação Brasileira
Historia da Educação BrasileiraHistoria da Educação Brasileira
Historia da Educação Brasileira
 
Livro Fundamentos da Educação Infantil
Livro Fundamentos da Educação InfantilLivro Fundamentos da Educação Infantil
Livro Fundamentos da Educação Infantil
 
Fosolofia na Educação
Fosolofia na EducaçãoFosolofia na Educação
Fosolofia na Educação
 
Livro de Didatica
Livro de DidaticaLivro de Didatica
Livro de Didatica
 
Divisão dos períodos da História
Divisão dos períodos da HistóriaDivisão dos períodos da História
Divisão dos períodos da História
 
Tendencias e perspectivas do ensino de história
Tendencias e perspectivas do ensino de históriaTendencias e perspectivas do ensino de história
Tendencias e perspectivas do ensino de história
 
Introdução ao estudo da história
Introdução ao estudo da históriaIntrodução ao estudo da história
Introdução ao estudo da história
 

Último

Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no textoMariaPauladeSouzaTur
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsxGilbraz Aragão
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfmarialuciadasilva17
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaeliana862656
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãodanielagracia9
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxAntonioVieira539017
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxHlioMachado1
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
 
As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no texto
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escrita
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetização
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 

A instalação portuguesa no Brasil e a construção do território

  • 1. Licenciatura em Geografia – 3º período Disciplina: A Construção do Território Brasileiro Geopolítica da instalação portuguesa na América Professor: Me. Éderson Dias de Oliveira MORAES, Antonio Carlos Robert. Geografia Histórica do Brasil: capitalismo, território e periferia. São Paulo: Annablume, 2011. MORAES, A.C.R. O que é território? In SANTOS, M. et. al. Território - Globalização e Fragmentação.São Paulo: Hucitec, 1994. SANTOS, M. e SILVEIRA, M.L. O Brasil – sociedade e território no início do séc. XXI. Rio de Janeiro: Record, 2001.
  • 2. • A geopolítica portuguesa secundarizou o BR, em favor de outras colônias; • Interesse maior no comércio – desprezo pelo território primitivo e vazio da América; COLONIZAÇÂO DO BRASIL • Num primeiro momento o BR não oferecia atrativos imediatos aos lusitanos; • Não tinha os estoques metálicos da América espanhola; • Não tinha as lucrativas especiarias; • Nativos rudes;
  • 3. • Todavia mesmo desprezado foi apropriado - ratificação do T. Tordesinhas (1494) pela Igreja em 1506; • Mesmo não havendo atrativos sua posse era intrínseco a lógica imperial; • Controle geopolítico do Atlântico austral e base para as caravelas; • As primeiras décadas foram de exploração lenta – atividade de escambo do pau-brasil;
  • 4. • As poucas feitorias, foram “lócus” de aclimatação e marco de soberania – intuito proto-colonizador – trocas econômicas e culturais; • Todavia as feitorias estavam muito aquém da potencialidade do novo território – alvo para outros países; • Surge grande trânsito de navios franceses concorrendo com Portugal no escambo colonial; • Criação da “capitania do mar” - 1520/1530; • Demanda de explorar economicamente a nova terra, dado os perigos de perda;
  • 5. • Havia a exigência da criação de uma estrutura produtiva nas posições – demanda de capitais expressivos – ciclo do açúcar; • Para minimizar custos de investimentos Portugal cede a colônia para iniciativa privada – capitanias hereditárias; • Saída viável e barata de apressar a instalação coloniais; • Objetivo geopolítico - garantir a posse de vários pontos da costa; • Explorar para não perder; • Além da questão econômica, houve desentendimento com as populações autóctones;
  • 6. • Apesar das dificuldades, as capitanias atuaram na fixação dos portugueses no BR; • Apesar dos poucos núcleos que progrediram, o empreendimento demonstrou a praticabilidade das colônias agrícolas; • Dessas capitanias, duas tiveram destaque pelo seu desenvolvimento econômico: • São Vicente; • Pernambuco.
  • 7. • Em 1549 o monarca português implanta, o Governo-Geral do Brasil, já sinalizando a intenção de centralizar a administração da colônia. • A par da atividade agrícola, e do escambo, o contato com os índios alimentou a “geografia fantástica e as entradas no sertão”; • No início do séc. XVI proliferam as expedições que demandavam o interior em busca de metais preciosos, índios;
  • 8. • A agricultura “ultrajava” mais a relação do colonizados com os nativos do que o escambo, dada a demanda por uma regularidade e ritmo de trabalho distinto; • Proposta de aldeamento de “aculturação” do índio para o trabalho; • A existência de um grande contingente de índios aldeados, representava um fator de segurança frente ao ataque estrangeiro e de tribos hostis - Fator geopolítico; • Táticas de “destribalização” - “ os índios eram uma das minas prediletas dos paulistas;
  • 9. • Já os portugueses num primeiro momento se moveram mais por objetivos comerciais; • Efetivar a posse da fachada litorânea foi a diretriz básica da geopolítica lusitana; • Na 2ª metade do séc. XVI iniciou uma expansão aureolar nos núcleos costeiros; • Os espanhóis tinham uma ótica de domínio dado a interiorização organizada dos seus nativos;
  • 10. • Essas áreas contíguas, apoiadas na agricultura, gerou um conjunto de pequenos sistemas autômatos, cada um articulado a um porto; • Navegação de cabotagem minimizava o isolamento dos núcleos – incertezas do sertão; • A história do BR no séc. XVI elaborou-se em trechos exíguos de Itamaracá; Pernambuco; Bahia; Santo Amaro e São Vicente; • “Os portugueses ficaram presos a praia como caranguejos” – ocupação pontual e litorânea;
  • 11. Território, Região e Formação colonial na América Latina • Território - são espaços qualificados pela dominação política, são jurisdições (legais, tributárias, militares ou religiosas), são unidades de governo, áreas de exercício de um poder; • Região - foi sempre pensada como uma unidade espacial homogênea, não raro identificada no seu processos de ocupação do solo e de apropriação dos meios naturais; • A dimensão espacial da vida social ganha uma centralidade ímpar – colonização como processo de expansão territorial; • A geografia se mostra fundamental para interpretar a particularidade histórica da América Latina;
  • 12. • A colonização da América, resulta da expansão europeia – montagem da economia-mundo capitalista, na qual a periferia colonial desempenha importantes funções; • As especificidades históricas e geopolíticas metropolitanas emergem como elemento de diferenciação entra as colônias; • Essas também variam de acordo com as características internas das colônias; • O entendimento da história (relação homem x espaço) possibilita melhor entender as conjunturas atuais; • Estados americanos modernos = colônias – espaço geográfico pré-colombiano diverso;
  • 13. • As instalações coloniais na América representaram enclaves que evoluem para regiões – expansão territorial dos núcleos pioneiros difundiu a colonização do espaço, criando economias regionais; • Os fluxos (exploradores, povoadores, e de mercadorias) estabelecem a demarcação de cada assentamento colonial; • 1 – difusão areolar contígua, induzida pela topografia e vegetação – expansão; • 2 - eixo de drenagem, facilitação logística região mundo - consolidação
  • 14. • Território colonial - área de soberania de uma metrópole; • Território usado - área apropriada para colonização; • Fundos territoriais - área potencial para expansão futura; • A intensidade dos fluxos ampliou/retraiu o dinamismo regional; • Os territórios coloniais são âmbitos espaciais de pretensão de soberania pactuados entre as metrópoles europeias; • Enfim o território reflete o espaço de dominação política que suporta várias regiões em seu interior; • Os limites pactuados no período colonial servem de referência geopolítica prática na delimitação posterior dos territórios nacionais;
  • 15. • Território em movimento expansivo que avançou como mancha de óleo a partir dos núcleos de difusão litorânea; • Séc. XVI – instalação lusitana em terras sul-americanas; • Séc. XVII – consolidação da soberania portuguesa; • Séc. XVIII – expansão territorial e consolidação enquanto unidade geopolítica; • Séc. XVIII – a unidade BR ganha corpo no século do ouro, quando várias regiões trabalham para abastecer as minas;
  • 16. • 1808 D. João faz do RJ a capital do império; • 1822 o novo país permanece nas mão da Casa de Bragança; • Há uma aproximação da metrópole com a colônia – adoção de medidas administrativas geopolíticas; • Tratado de Madri (1755); • Tratado de Santo Ildefonso (1775); • Esses territórios reivindicados não desagregaram no processo de independência, • Um dos principais desafios do Brasil Império foi manter o domínio e a integralidade dos fundos territoriais;
  • 17. • Era um mosaico de assentamentos coloniais; • O BR abrigava várias economias regionais entremeados por fundos territoriais pouco explorados; • A transferência da corte em 1808 para o BR representou um fator essencial notadamente em sua dimensão geopolítica; • A interiorização da metrópole altera os fluxos/fixos – o RJ passa a ser o centro da colônia e de todo o império português; • Esse evento apesar de não diluir os conflitos inter-regionais, atuou no sentido de unificação territorial do BR - 1815 status de reino;
  • 18. • O processo de independência tornou os fundos territoriais mais evidente, ao dar autonomia e reforçar as fronteiras; • Não houve de imediato novas regionalizações, havendo a incorporação dos fundos territoriais, Ex. Brasil amazônico; • Com a independência, há uma afirmação da centralidade, agregam-se regiões num mesmo domínio e repartem-se os fundos territoriais entre as novas unidades estatais; • Esse quadro permite equacionar algumas singularidades geopolíticas da história brasileira; • O BR no início do séc. XIX se mostra como um verdadeiro arquipélago geográfico;
  • 19. • Após a independência a permanência da Casa de Bragança no trono forneceu um argumento consistente de continuidade político-institucional para a diplomacia europeia; • O direito de domínio do território brasileiro não foi questionado no plano internacional – ambição de consolidação e ampliação territorial; • O Império do Brasil dispunha de um território amplo ainda a ser ocupado; • A manutenção bra- gantina possibilitou a reafirmação do discurso da “missão civilizatória”;
  • 20. Ideologias Geográficas na História Brasileira • Há uma forte concepção territorialista na formação brasileira – visão de espaço e não de sociedade; • Nos países de formação colonial a argumentação geográfica ganha um peso significativo na justificativa da identidade e da unidade política; • Sociedade que se expande sobre os “novos” – na perspectivas do colonizador – noção de conquista territorial está na base da colonização; • Conquistar é apropriar de espaços, explorar os recursos e subordinar as pop. autóctones;
  • 21. • O êxito da colonização se expressa na territorialização - O BR se origina da colonização lusitana, todavia não há nenhum elemento de unidade e identidade que preceda a colonização; • O mesmo possui um mosaico de biomas, ecossistemas – as fronteiras são elementos de construção histórica e pouco fundada na natureza; • Também não havia uma unidade cultural e étnica dos povos pré-colombianos – inexistia nexos políticos mesmo que num proto- estado; • A instalação do colonizador criou um elemento de unidade no BR;
  • 22. • Instalou-se uma singular monarquia tropical, que pensava como uma ampliação geográfica da civilização europeia – “levar as Luzes a esses sertões”; • O imperativo da conquista territorial justificava o Estado forte, centralizador e autoritário a fim de impor sua própria territorialidade; • Construir o país, o território e o aparato estatal, confundiam-se num mesmo propósito autolegitimador; • Indagação recorrente nas elites no séc. XIX • Com que povo contamos para
  • 23. • Respostas: • 1) otimista - focava a natureza como garantia de progresso; • 2) pessimista - identificava nos habitantes um obstáculo ao desenvolvimento; • Daí surgiu a políticas de branqueamento da população; • Havia divergências sobre as concepções do elemento índio: ora emergia como um aliado do colono, ora como um obstáculo o selvagem a ser eliminado; • A atribuição do cognome sertão a uma dada localidade assinalava o desejo de apropriá-la e inseri-la nos circuitos mercantil; • Busca romper com o isolamento e destruindo a vida tradicional. • Esse ato de conquista e violência justificava a missão civilizadora;
  • 24. • A partir do final do séc. XIX a ideia de “moderno” se junta a construção do espaço – urbanização; industrialização; fluxos de pessoas e informações; • Construir o país era modernizá-lo, o que significava equipá-lo com próteses territoriais e sistemas de engenharia; • Não tratava de modernizar o povo, de modo a adequá-lo a paisagem moderna - os planos se pautavam na edificação de formas espaciais; • Esse afã modernizador atravessou toda a 1ª metade do séc. XX – ideologias geográfica; • O Estado foi pensado como o condutor da construção do país;
  • 25. • A Era Vargas exemplifica a íntima associação entre ideologias geográficas e políticas territoriais na formação brasileira; • Foi criado o IBGE que objetivava ter uma visão cientifica do território, requisitada pelo aparato de planejamento estatal; • Objetiva também propor uma divisão regional ainda que assentada em termos naturais permitiu a construção de identidades parciais – políticas regionais; • O 2º governo de Vargas e de JK, reafirmam o binômio modernização do território e construção nacional, porém já mais atentos ao componente popular; • Há a instalação de grandes próteses territoriais e amplos sistemas de engenharia: construção de Brasília; usinas hidrelétricas; ampliação da malha rodoviária;
  • 26. • Segundo essa visão o BR moderno, com o estímulo do estado deveria exportar seu dinamismo para o interior, alterando suas estruturas arcaicas;
  • 27. O Sertão: um “outro” Geográfico • O sertão se qualifica como um lugar onde predomina o ritmo dado pela dinâmica da natureza, onde o elemento humano é submetido às forças do mundo natural; • A ausência de elementos técnicos é que aparece como fator de distinção em sua delimitação; • O mesmo não se constitui, portanto, como uma materialidade criada pelos grupos sociais em suas relações com os lugares terrestres; • O sertão não se habilita como uma figura do universo empírico da geografia tradicional;
  • 28. • Essa não corresponde a uma materialidade terrestre individualizável, passível de ser cartografada; • A ideia de Sertão possui, portanto, um status teórico distinto das noções mais usuais de habitat, ambiente, região e território; • Enquanto essas tem por referencias limites aferíveis, aquela possui divisão pouco objetivas do espaço terrestres; • O sertão passa a ser não um lugar, mas uma condição atribuída ao espaço geográfico – trata de símbolos imposto, que atua como um qualitativo local no processo de sua valoração; • Trata não de uma materialidade concreta, mas de uma realidade simbólica;
  • 29. • A adjetivação sertaneja expressa uma forma preliminar de apropriação simbólica de um dado lugar; • Significa projetar sua valorização futura em moldes diferentes do vigente; • Os lugares tornam-se sertão ao atraírem o interesse de agentes sociais que visam estabelecer novas formas e exploração locais: • É comumente concebido como um espaço para expansão e incorporação a uma órbita de poder que lhe escapa no momento: • Da relação entre sertão e colonização surge a ideia de antípoda, onde funções e formas distintas coexistem;
  • 30. • No Brasil colônia essa relação era nítido entre o litoral e o interior; • Ultrapassar a condição sertaneja é a meta implícita dos discursos que buscam levantar e explicitar a sua ausência; • A qualificação de distante ganho por vezes outros significados além do geográfico; • A distância é, em muito, função das condições de transporte, numa relação onde o tempo de deslocamento emerge como critério de medida; • Portanto o sertão se qualifica como lugar fora dos circuitos cotidianos de transito – estranhamento geográfico - lugar isolado; • O sertão também é definido como um lugar ocupado por povos diferentes, exóticos, qualificando-se como moradia dos “outros”;
  • 31. • “Sertanejo genérico” é entendido como ser exótico ou arcaico dotado ou não de positividade. Ex vulgarização - Festa juninas • Outras identidades do sertanejo: depositário dos males inerentes à mistura de raças; produto positivo dessa miscigenação adaptado a adversidade do meio; portador dos valores autênticos do caráter nacional; fruto da degeneração advindo do isolamento e abando; enfim são múltiplas a sua definição; • Não poucas vezes, foi definido como o “habitat dos selvagens”, a “terra dos tapuais” dos “índios ferozes”; • Outro discurso aponta os índios como “muralhas do sertão”, numa ótica geopolítica de defesa das fronteiras;
  • 32. • Contudo a acentuação locacional não urbana delimita e unifica o universo sertanejo marcado pela ruralidade – identidade da roça; • Morada do bugre, caboclo, caipira, faxinalense; ribeirinho; quilombola, caiçara – enfim como definimos atualmente “populações tradicionais”; • Em suma a denominação sertaneja seja social ou paisagística, recobre áreas de fronteiras com povoamentos frágeis; • Também se refere a zonas de domínios incompletos, nas quais a ordem estatal não está consolidada; • A designação do espaço sertanejo revela a existência de olhares externos que lhe ambicionam – lugares para expansão futura;
  • 33. • Transformar esses territórios em espaço usado é uma diretriz que atravessa a formação histórica do país, alçando- se mesmo à condição de um projeto estatal-nacional básico; • No BR império os sertões foram definidos como lócus da barbárie, sendo sua apropriação legitimada como uma obra civilizatória; • O sertão como manifestação do arcaísmo e do atraso, atravessa todo o séc. XX, sendo que até hoje o país se mergulhado em movimentos de incorporação de novos espaços; • “País em construção” ideário varguista, de JK e do Regime Militar;
  • 34. • O sertão se mostra como uma espécie de pecado original do berço colonial, explorado por interesses distintos; • Na atual perspectiva da globalização, pode ser identificado como os lugares não integrados às redes de fluxos globais; ou como depositário do patrimônio natural e da biodiversidade; • Enfim é uma figura do imaginário da conquista territorial – uma apropriação simbólica do lugar, densa de juízos valorativos que apontam para sua transformação; • Tem-se o sertão como um qualificativo de lugares, um termo da geografia colonial que reproduz o olhar apropriador dos impérios em expansão; • Sinônimos – “desertos” na Argentina e “fronteiras” nos EUA;
  • 35. Atividades 1. Defina território e procure aplica-los as práticas de territorialização que houve com a colonização lusitana no Brasil? 2. Diferencie Estado de Nação? 3. Distinga raça de etnia? 4. Estabeleça a diferença entre Estado e estado? 5. O termo Utti Possidetis proveniente do direito romano foi usado por Portugal a fim de consolidar grande parte das fronteiras hodiernas do Brasil. Explique esse conceito? 6. Antes da chegada dos portugueses ao Brasil, a nova terra possuía algum elemento de unidade e identidade? Justifique. 7. A ideia antípoda no Brasil colônia entre litoral e interior pode ajudar a explicar um pouco sobre o sertão. Escreva sobre essa temática? 8. Com base na ideia que o sertão é uma figura do imaginário da conquista territorial, uma apropriação simbólica do lugar, densa de juízos valorativos que apontam para sua transformação. Elenque cinco exemplos de comunidades tradicionais relacionadas com o cognome sertanejo?