SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 85
Baixar para ler offline
pONTA gROSSA - PARANÁ
2009
EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA
Karin Linete Hornes
Luiz Alexandre Gonçalves Cunha
Licenciatura em
GeografiaCONHECIMENTO GEOGRÁFICO 1
UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA
Núcleo de Tecnologia e Educação Aberta e a Distância - NUTEAD
Av. Gal. Carlos Cavalcanti, 4748 - CEP 84030-900 - Ponta Grossa - PR
Tel.: (42) 3220-3163
www.nutead.uepg.br
2009
Todos os direitos reservados ao Ministério da Educação
Sistema Universidade Aberta do Brasil
Pró-Reitoria de Assuntos Administrativos
Ariangelo Hauer Dias - Pró-Reitor
Pró-Reitoria de Graduação
Graciete Tozetto Góes - Pró-Reitor
Divisão de Educação a Distância e de Programas Especiais
Maria Etelvina Madalozzo Ramos - Chefe
Núcleo de Tecnologia e Educação Aberta e a Distância
Leide Mara Schmidt - Coordenadora Geral
Cleide Aparecida Faria Rodrigues - Coordenadora Pedagógica
Sistema Universidade Aberta do Brasil
Hermínia Regina Bugeste Marinho - Coordenadora Geral
Cleide Aparecida Faria Rodrigues - Coordenadora Adjunta
Edu Silvestre de Albuquerque - Coordenador de Curso
Colaborador Financeiro
Luiz Antonio Martins Wosiak
Colaboradora de Planejamento
Silviane Buss Tupich
CRÉDITOS
João Carlos Gomes
Reitor
Carlos Luciano Sant’ana Vargas
Vice-Reitor
Colaboradores de Informática
Carlos Alberto Volpi
Carmen Silvia Simão Carneiro
Adilson de Oliveira Pimenta Júnior
Juscelino Izidoro de Oliveira Júnior
Osvaldo Reis Júnior
Kin Henrique Kurek
Thiago Luiz Dimbarre
Thiago Nobuaki Sugahara
Colaboradores em EAD
Dênia Falcão de Bittencourt
Jucimara Roesler
Colaboradores de Publicação
Denise Galdino de Oliveira - Revisão
Janete Aparecida Luft - Revisão
Eloise Guenther - Diagramação
Luan Dione Rein - Diagramação
Paulo Henrique de Ramos - Ilustração
Colaboradores Operacionais
Edson Luis Marchinski
Joanice de Jesus Küster de Azevedo
João Márcio Duran Inglêz
Maria Clareth Siqueira
Mariná Holzmann Ribas
H816c	 Hornes, Karin Linete
Conhecimento geográfico 1/ Karin Linete Hornes e Luiz
Alexandre Gonçalves Cunha. Ponta Grossa : Ed.UEPG, 2009.
83p. il.
Licenciatura em Geografia - Educação a distância.
1. Conhecimento Geográfico. 2. Filosofia - ciência moderna. 3.
Epistemologia e modernidade. 4. Dualismo Geográfico. I. Cunha,
Luiz Alexandre Gonçalves. II T.
CDD : 910.01
Ficha catalográfica elaborada pelo Setor de Processos Técnicos BICEN/UEPG.
APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL
Prezado estudante
Inicialmente queremos dar-lhe as boas-vindas à nossa instituição e ao curso que
escolheu.
Agora, você é um acadêmico da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG),
uma renomada instituição de ensino superior que tem mais de cinqüenta anos de história
no Estado do Paraná, e participa de um amplo sistema de formação superior criado pelo
Ministério da Educação (MEC) em 2005, denominado Universidade Aberta do Brasil
(UAB).
O Sistema Universidade Aberta do Brasil (UAB) não propõe a criação de uma
nova instituição de ensino superior, mas sim, a articulação das instituições
públicas já existentes, possibilitando levar ensino superior público de qualidade
aos municípios brasileiros que não possuem cursos de formação superior ou
cujos cursos ofertados não são suficientes para atender a todos os cidadãos.
Sensível à necessidade de democratizar, com qualidade, os cursos superiores em
nosso país, a Universidade Estadual de Ponta Grossa participou do Edital de Seleção UAB
nº 01/2006-SEED/MEC/2006/2007 e foi contemplada para desenvolver seis cursos de
graduação e quatro cursos de pós-graduação na modalidade a distância.
Isso se tornou possível graças à parceria estabelecida entre o MEC, a CAPES e
as universidades brasileiras, bem como porque a UEPG, ao longo de sua trajetória, vem
acumulando uma rica tradição de ensino, pesquisa e extensão e se destacando também
na educação a distância.
A UEPG é credenciada pelo MEC, conforme Portaria nº 652, de 16 de março
de 2004, para ministrar cursos superiores (de graduação, seqüenciais, extensão e pós-
graduação lato sensu) na modalidade a distância.
Os nossos programas e cursos de EaD, apresentam elevado padrão de qualidade e
têm contribuído, efetivamente, para a democratização do saber universitário, destacando-
se o trabalho que desenvolvemos na formação inicial e continuada de professores. Este
curso não será diferente dos demais, pois a qualidade é um compromisso da Instituição
em todas as suas iniciativas.
Os cursos que ofertamos, no Sistema UAB, utilizam metodologias, materiais e
mídias próprios da educação a distância que, além de facilitarem o aprendizado, permitirão
constante interação entre alunos, tutores, professores e coordenação.
Este curso foi elaborado pensando na formação de um professor competente, no
seu saber, no seu saber fazer e no seu fazer saber. Também foram contemplados aspectos
éticos e políticos essenciais à formação dos profissionais da educação.
Esperamos que você aproveite todos os recursos que oferecemos para facilitar o
seu processo de aprendizagem e que tenha muito sucesso na trajetória que ora inicia.
Mas, lembre-se: você não está sozinho nessa jornada, pois fará parte de uma
ampla rede colaborativa e poderá interagir conosco sempre que desejar, acessando
nossa Plataforma Virtual de Aprendizagem (MOODLE) ou utilizando as demais mídias
disponíveis para nossos alunos e professores.
Nossa equipe terá o maior prazer em atendê-lo, pois a sua aprendizagem é o nosso
principal objetivo.
	
EQUIPE DA UAB/UEPG
SUMÁRIO
PALAVRAS DOs PROFESSO■■ Res 7
OBJETIVOS e ement■■ a 9
DA FILOSOFIA À CIÊNCIA MODERNA 11
seção■■ 1- A FILOSOFIA NO PERÍODO PRÉ-CIENTÍFICO 12
seção■■ 2- A CONSTITUIÇÃO DO CONHECIMENTO CIENTÍFICO 21
seção■■ 3- FILOSOFIA E CIÊNCIA NO PERÍODO CIENTÍFICO 28
EPISTEMOLOGIA E MODERNIDADE 37
seção■■ 1- PARA ENTENDER O DEBATE EPISTEMOLÓGICO DA MODERNIDADE 38
seção■■ 2- A DUALIDADE EPISTEMOLÓGICA DA MODERNIDADE: O PÓLO
RACIONALISTA 43
seção■■ 3- A DUALIDADE EPISTEMOLÓGICA DA MODERNIDADE: O PÓLO ANTI-
RACIONALISTA 	 					 49
DUALISMO EPISTEMOLÓGICO E O CONHECIMENTO
GEOGRÁFICO 55
seção■■ 1- TRADIÇÃO, MODERNIDADE E A FORMAÇÃO DA CIÊNCIA
GEOGRÁFICA 56
seção■■ 2- FILOSOFIA E GEOGRAFIA: KANT, HERDER E O CONHECIMENTO
GEOGRÁFICO MODERNO E CONTEMPORÂNEO 65
seção■■ 3- HERANÇA FILOSÓFICA E CONSOLIDAÇÃO DE UMA NOVA CIÊNCIA:
A GEOGRAFIA 								 68
PALAVRAS FINAI■■ S 81
REFERÊNCIAS■■  83
NOTAS SOBRE OS AUTO■■ RES 85
PALAVRAS DOs PROFESSORes
Caro (a) Aluno (a)
Seja bem vindo a disciplina de Conhecimento Geográfico I. Esse
livro foi elaborado com o objetivo de lhe apresentar o surgimento e a
evolução do conhecimento científico e do conhecimento geográfico.
Neste momento, você está sendo convidado a fazer uma viagem
pela história da ciência em geral e da Geografia em particular. Esta
viagem inicia-se com estudos introdutórios da filosofia na Grécia antiga,
passa pela Idade Média, prossegue pelo período da modernidade até
atingir o século XIX. Durante este percurso, você está sendo convidado
a entender como o conhecimento geográfico transformou-se num campo
científico moderno e alinhado ao processo que também consolidou as
demais ciências.
Não temos tempo a perder, pois o caminho é longo e difícil,
mas quando chegar ao fim, você estará preparado para aproveitar os
conhecimentos que lhes serão proporcionados no curso que você está
iniciando. Vamos conhecer como será sua viagem?
Na primeira unidade deste livro, você estudará a filosofia que nasceu
na Grécia durante a antiguidade. O objetivo é buscar na filosofia clássica
os elementos que poderão ajudar você entender como essa filosofia
influenciou o conhecimento filosófico europeu durante a Idade Média.
Dessa forma, você poderá conhecer o processo que levou à consolidação
do conhecimento científico a partir das transformações que atingiram o
modelo metafísico de produzir conhecimento.
Na unidade II, você constatará que a ciência moderna foi constituída
num ambiente de muitas controvérsias e discussões. Racionalistas,
empiristas e anti-racionalistas posicionaram-se em pelo menos dois pólos
divergentes, os quais fundamentaram todo o debate epistemológico da
modernidade.
Na Unidade III, você compreenderá a formação do conhecimento
geográfico como um processo que acompanhou a reestruturação da
produção do conhecimento científico em geral. A Geografia consolidou-
se com a ambição de ser mais uma das ciências formadas a partir do
modelo e rigor do método científico, mas também apresentou tradições
que procuraram contestar esse caminho dominante.
Vamos começar nossa viagem?
Seja bem-vindo e que seus estudos possam ser prazerosos e
produtivos.
Objetivos
Ao longo desta disciplina você será capaz de:
- Identificar o processo de transformação da filosofia que resultou no
surgimento e consolidação da ciência moderna;
- Estudar as discussões epistemológicas que forneceram as bases para a
constituição da ciência geográfica;
- Apreender a relação entre os fundamentos epistemológicos da
ciência moderna e a consolidação do pensamento geográfico moderno e
contemporâneo.
Ementa
Filosofia e ciência no período pré-capitalista; o surgimento da ciência
moderna; o debate epistemológico; os pólos epistemológicos da modernidade;
a formação da ciência geográfica.
OBJETIVOS e ementa
UNIDADEI
Da Filosofia à
Ciência Moderna
OBJETIVOS DE APRENDIZAGEM
Entender as diferenças entre o conhecimento de base filosófica e o
conhecimento científico;
Identificar a constituição do conhecimento científico como elemento
fundamental da modernidade.
ROTEIRO DE ESTUDOS
SEÇÃO 1: A filosofia no período pré-científico
SEÇÃO 2: A constituição do conhecimento científico
SEÇÃO 3: Filosofia e ciência no período científico
UniversidadeAbertadoBrasil
12
unidade 1
O que você acha de desenvolver mais sua capacidade de compreensão acerca da filosofia?
Para tanto é imprescindível a leitura. Por isso, você poderá complementar seus estudos
filosóficos lendo o livro “O mundo de Sofia” , de Jostein Gaarder (1995). O livro está disponível
virtualmente para downloads no site http://br.geocities.com/mcrost08/index.htm
PARA INÍCIO DE CONVERSA
As bases da civilização ocidental atual podem ser relacionadas
ao conhecimento filosófico que nasceu na Grécia alguns séculos antes
de Cristo. Como a ciência produzida por esta civilização é um dos seus
elementosfundamentais,vocêprecisaentenderosaspectosindispensáveis
da filosofia grega que ajudam à compreensão do processo de constituição
e consolidação desta ciência. A Unidade I procura abordar estes aspectos
básicos e marca o início da viagem que você vai realizar a partir daqui.
Você está pronto? Vamos dar a partida?
seção 1
A FILOSOFIA NO PERÍODO PRÉ-CIENTÍFICO
Você já pensou o que significa filosofar? É comum você ouvir esta
expressão. Mas, afinal, o que é filosofia? Reflita e responda essa pergunta
utilizando apenas os espaços correspondentes às três linhas reservadas
para isto:
___________________________________________________________________
___________________________________________________________________
___________________________________________________________________
Para os gregos, filosofia significa “amor pela sabedoria”. Mas
para você o significado pode ser outro. Lara (1991) exemplifica alguns
ConhecimentoGeográfico1
13
unidade 1
significados mais comuns que são encontrados para a filosofia. Identifique
qual deles se assemelha mais a sua opinião?
- filosofia é atitude de vida de cada um;
- filosofia é maneira subjetiva de ver a realidade;
- filosofia é conhecimento teórico e abstrato;
- filosofia é conhecimento que não se pode provar;
Filosofia de vida
	
Você já pode ter escutado alguém falar a respeito de “filosofia de
vida”. Pois é, todos têm filosofias de vida e, como conseqüência, atitudes
de vida diferentes. É comum as pessoas construírem sua “filosofia de
vida” durante a adolescência. Ela é o resultado da sua reflexão, a respeito
de si mesmo, e do mundo. Muitos são os fatores que podem influenciar
na construção da “filosofia de vida” de cada um: a família; religião;
cultura; Estado. Enfim, o meio em que se nasceu, se viveu e se construiu
as relações. Em outras palavras, o contexto geográfico no qual cada um
está inserido. Tudo isto interfere na concepção correspondente a “filosofia
de vida”. Leia o poema de Carlos Drumond de Andrade e reflita sobre a
questão da inquietação humana que o autor apresenta. O homem busca
expandir a sua capacidade de replicar a sua forma de viver, mas não se
preocupa em compreender efetivamente esse modelo de vida, que, de
alguma forma, relaciona-se com o conjunto das “filosofias de vida” que,
reunidas, formam as representações sociais que fornecem os padrões das
diferentes sociedades e comunidades humanas.
O Homem; as viagens
O homem, bicho da Terra tão pequeno
chateia-se na Terra
lugar de muita miséria e pouca diversão,
faz um foguete, uma cápsula, um módulo
toca para a Lua
desce cauteloso na Lua
pisa na Lua
planta bandeirola na Lua
experimenta a Lua
coloniza a Lua
civiliza a Lua
humaniza a Lua.
UniversidadeAbertadoBrasil
14
unidade 1
Lua humanizada: tão igual à Terra.
O homem chateia-se na Lua.
Vamos para Marte — ordena a suas máquinas.
Elas obedecem, o homem desce em Marte
pisa em Marte
experimenta
coloniza
civiliza
humaniza Marte com engenho e arte.
Marte humanizado, que lugar quadrado.
Vamos a outra parte?
Claro — diz o engenho
sofisticado e dócil.
Vamos a Vênus.
O homem põe o pé em Vênus,
vê o visto — é isto?
idem
idem
idem.
O homem funde a cuca se não for a Júpiter
proclamar justiça junto com injustiça
repetir a fossa
repetir o inquieto
repetitório.
Outros planetas restam para outras colônias.
O espaço todo vira Terra-a-terra.
O homem chega ao Sol ou dá uma volta
só para tever?
Não-vê que ele inventa
roupa insiderável de viver no Sol.
Põe o pé e:
mas que chato é o Sol, falso touro
espanhol domado.
Restam outros sistemas fora
do solar a colonizar.
Ao acabarem todos
só resta ao homem
(estará equipado?)
a dificílima dangerosíssima viagem
de si a si mesmo:
pôr o pé no chão
do seu coração
ConhecimentoGeográfico1
15
unidade 1
experimentar
colonizar
civilizar
humanizar
o homem
descobrindo em suas próprias inexploradas entranhas
a perene, insuspeitada alegria
de con-viver.
FONTE: Carlos Drummond de Andrade. In As Impurezas do Branco José Olympio, 1973
Filosofia
A filosofia não é única. Desde a antiguidade houve embates entres
os conhecimentos do Oriente e do Ocidente. Outras civilizações como a
Chinesa e a Indiana desenvolveram conjuntos amplos de pensamento
reflexivo sobre o homem, a vida e a natureza, que se aproximam do discurso
filosófico estruturado entre os ocidentais. Contudo, no Ocidente dominou a
filosofia que provém dos Gregos.
Você deve estar se perguntando o porquê de se estudar a filosofia
dos gregos. A resposta é simples. A filosofia grega influenciou o rumo
civilizatório ocidental de uma forma decisiva.
Atualmente, com a globalização, é possível conhecer as outras formas
de pensamento e praticá-las em qualquer lugar do planeta. Algumas
formas de filosofia oriental podem estar implícitas nas religiões tidas
como ocidentais, inclusive as cristãs, mas também em “filosofias de vida”,
vistas como bastante originais. Inclusive, o cristianismo possui diversas
influências gregas. A globalização, como processo de integração cultural, é
um processo mais antigo do se imagina. A integração dos povos no período
antigo, proporcionado pelas guerras de conquista e pelo comércio, resultou
em influências recíprocas importantes. Por exemplo, o apóstolo Paulo, um
dos mais importantes formadores das bases teológicas da religião católica,
conheceu a Grécia e se utilizou muito do pensamento grego. Você pode
procurar este relato em Atos, capítulos de 17 a 28 (BIBLIA SAGRADA).
Nestes textos, você poderá ler sobre este encontro cultural.
UniversidadeAbertadoBrasil
16
unidade 1
O site http://an.locaweb.com.br/Webindependente/filosofiaoriental/ apresenta diversas
religiões e filosofias orientais. Procure conhecer mais a respeito do Budismo, Confucionismo,
Taoísmo, Hinduísmo e outros.Atualmente, a chamada Nova Geografia Cultural tem resgatado
os estudos sobre as religiões como uma das formas mais importantes de compreender as
representações sociais que ajudam a explicar os contextos sociais ou geográficos nos quais
se desenvolvem o Homem.
Filósofo
Ser filósofo significa ser um amigo de Sophia, alguém que admira
e busca a sabedoria com todo o fervor. Muitos filósofos consideram a
filosofia um conhecimento teórico e abstrato, ou seja, algo que não pode
ser provado (CLÉMENT, 1997).
O interesse pela filosofia surge com grande intensidade com
as descobertas arqueológicas da civilização Grega no final do século
XIX. A principal questão levantada durante este período é a de como
o conhecimento filosófico passou do mito-poético para a mentalidade
teorizante (PESSANHA, 2000). Mas antes de se iniciar a explicação de
como se deu esta passagem, você está convidado a filosofar.
Então, está pronto? Vamos filosofar?
ConhecimentoGeográfico1
17
unidade 1
Vamos pensar em algumas questões filosóficas. Por favor, faça suas anotações,
respondendo as seguintes questões.
- Quem é você?
- De onde surgem as coisas?
- Todos os cavalos são iguais? Se não são, por que você chama todos de cavalos?
- O que é forma e de onde ela surge?
- Do que você é formado?
- O que é o mundo?
- O que dá origem a vida?
- Deus existe?
Não pense que estas perguntas são absurdas e impossíveis de serem
respondidas. Muitos dos filósofos gregos tentaram respondê-las e o fruto
desta discussão acabou gerando as bases do conhecimento filosófico.
As Origens do discurso filosófico
As origens do discurso filosófico ocidental podem ser histórica e
geograficamente localizadas, na Grécia, nos séculos VII e VI a.C. Foram
os gregos que tiveram a preocupação em iniciar um esforço de pensamento
reflexivo e sistematizado a respeito da realidade. Mas, anteriormente, à
formação do discurso filosófico, o que dominava entre os gregos era o
conhecimento ou pensamento mítico (PESSANHA, 2000, p.6).
Neste processo de formação de um pensamento filosófico amplo
e sitemático, outro elemento também foi muito importante. Trata-se das
epopéias, que influenciaram o desenvolvimento da filosofia. Você deve
estar se perguntando o que é uma epopéia?
Epopéiasãorelatoshistóricosefabulosossobreexpediçõesmarítimas
e elementos provenientes do contato com o mundo helênico, que durante
o período apresentava relações com o mundo oriental (PESSANHA,
2000, p.7). Estes relatos proporcionaram o conhecimento e a discussão
sobre as formas de viver e pensar dos orientais. Assim surgiram entre
os séculos X e o VIII alguns poemas, como Ilíada e a Odisséia, de
autoria de Homero (PESSANHA, 2000), os quais informavam a respeito
da organização da polis arcaica e descreviam deuses que possuíam
UniversidadeAbertadoBrasil
18
unidade 1
características sentimentais e físicas muito semelhantes a dos homens.
Em seus escritos, Homero procurava excluir as formas monstruosas e o
culto às práticas mágicas que eram comuns naquele período. Com os
deuses apresentando características humanas, foi possível praticar uma
racionalização do divino que conduziria a uma religiosidade exterior. Esta
religiosidade exterior foi bastante considerada pela polis aristocrática. E
permaneceu como uma linha fundamental da religião grega, obtendo um
sentido político, que auxiliou na justificação das tradições e instituições
da cidade-Estado (PESSANHA, 2000).
Jônios
Os Jônios são classificados como os primeiros filósofos gregos, os
quais “substituem a narrativa mítica por um novo discurso” (CLÉMENT,
1997, p. 152). Eles são originários da Jônia uma região da costa sudoeste da
Anatólia, hoje correspondente à Turquia. Este novo discurso é o filosófico.
Esses filósofos “renunciaram recorrer aos deuses ou às forças mágicas
para explicar as ações humanas ou a ordem do mundo (CLÉMENT,
1997, p. 312). Nota-se entre os pensadores pré-socráticos mais antigos a
busca por uma explicação ampla e coerente da natureza, dirigida para a
identificação de uma substância primordial, como um princípio natural,
visando explicar de forma material a origem do Universo. O importante
sobre esse momento inicial da filosofia foi bem definido por Clément et
al., quando afirmam que:
“Embora o pensamento pré-socrático não exclua
todas as dimensões religiosas, os deuses já
não decidem, conforme os seus caprichos, os
acontecimentos do mundo (...) O homem deve
renunciar a representar a natureza submissa a
outra coisa que não sejam as forças naturais, e
a maneira como ele representa o divino também
pede um rigor maior de pensamento” (CLÉMENT,
1997, p.313).
Nesse momento, surge um discurso filosófico que é relacionado à
busca do conhecimento. Pode-se afirmar que é a partir de então que se
pode entender a filosofia como “um tipo de conhecimento” (LARA, 1991,
p. 12).
ConhecimentoGeográfico1
19
unidade 1
Para alguns filósofos modernos e contemporâneos, o surgimento de
um discurso filosófico, em substituição a um pensamento de base mítica,
foi um marco fundamental na história da civilização.
Filósofos da Escola de Mileto
Segundo Clément (1997), Tales, Anaxímenes e Anaximandro e,
posteriormente, Heráclito de Éfeso e Diógenses fundaram a Escola de
Mileto. Esses filósofos eram conhecidos como pré-socráticos porque
viveram e filosofaram no período anterior à vida de Sócrates - 470-399 a.C.(
CLÉMENT et al., 1977). A seguir, aborda-se um pouco mais a respeito de
cada um deles. Repare que alguns deles contribuíram imensamente com
a Geografia.
Tales
É considerado um dos primeiros filósofos da cultura ocidental e
viveu entre o final do século VII e meados do século VI a.C. Ele identificou
a água como sendo a substância primordial de que tudo se originava.
Foi também grande matemático e astrônomo conhecedor das ciências
mesopotâmicas e egípcias (COLORAMA, 1973).
Anaxímenes
Acreditava que o ar era o início de tudo. Desta forma, o sopro e o ar
abraçam o mundo inteiro (GAARDER,1995).
Anaximandro
É atribuída a Anaximandro a confecção do primeiro mapa-múndi
com a descrição de todo o mundo habitado e conhecido de sua época. Foi
o inventor do relógio do sol pelo qual se poderia verificar a obliqüidade
do zodíaco. Ele achava que o nosso mundo era apenas um dos muitos
que surgem de alguma coisa e se dissolvem nesta alguma coisa que ele
UniversidadeAbertadoBrasil
20
unidade 1
chamava de infinito (GAARDER,1995).
Heráclito
	
Heráclito foi um dos filósofos que mais se preocupou com o
movimento, Para ele, nada permanece imóvel e nada permanece em
estado de fixidez e estabilidade, mas tudo se move, tudo se muda, tudo se
transforma, sem cessar e sem exceção. A substância que ele acreditava ser
o princípio fundamental de tudo era o fogo. É o autor de uma das primeiras
frases marcantes da filosofia grega: “tu não podes banhar-te duas vezes
no mesmo rio, porque novas águas correm sobre ti” (GAARDER,1995).
Anaxágoras
Partia do princípio da imutabilidade do ser. Ele acreditava que
as coisas eram compostas de ínfimas partículas de diversos tipos.
A predominância de certo tipo de substância, a exemplo do ferro,
determinaria a natureza das coisas. No princípio, houve o caos estático,
mas uma força externa, o Nous, foi o responsável pelo movimento e
ordem. Dessa forma, as partículas juntam-se e se separam, criando os
corpos visíveis. Esta teoria influenciou grandemente a teoria atômica
(COLORAMA, 1973 p.2246).
1) Elabore um texto, comentando a evolução do conhecimento no período pré-
científico. Este texto deve ter no máximo trinta linhas (uma lauda).
2) Você precisará conectar-se à plataforma Moodle para realizar a próxima atividade.
Trata-se de um fórum destinado a discutir com seus colegas sobre o que é ciência e
geografia.
ConhecimentoGeográfico1
21
unidade 1
seção 2
A CONSTITUIÇÃO DO CONHECIMENTO CIENTÍFICO
Desde os pré-socráticos até o surgimento da ciência moderna, a
filosofia evoluiu como, segundo Lara (1991), “a ciência por excelência”,
porque “todas as outras ciências, de certa maneira, dependiam dela”.
Dessa forma, “a filosofia era, assim, considerada pelos gregos e, depois,
também pelos medievais, como um saber mais profundo, mais radical,
mais completo, que devia dar as respostas mais importantes sobre o
sentido da vida humana e da realidade em geral” (LARA, 1991, p. 18).
	 Portanto, a filosofia permaneceu como uma espécie de
conhecimento da totalidade, “como a ciência de todas as coisas – da
totalidade – pelas suas causas primeiríssimas, as quais os sentidos não
podem atingir, mas a razão humana sim” (LARA, 1991, p. 14). A partir
do Renascimento, o discurso filosófico é questionado de forma cada vez
mais acentuada. Passa-se a criticar a filosofia como sendo uma forma de
conhecimento meramente especulativo, que não dava conta de explicar
os fenômenos naturais. Segundo Lara (1991, p. 14), os críticos afirmavam
que o discurso filosófico era
fundado em “muita razão, muita lógica, muito sistema bem
organizado. Mas não se observavam e não se controlavam os fatos que se
queria explicar”.
	 Pensadores e estudiosos desta época, como Descartes e Galileu
inauguraram uma nova proposta para a constituição de outro tipo
de conhecimento, fundado num discurso não-filosófico. Trata-se do
conhecimento científico que inaugurará uma nova era, na qual a ciência
metodicamente construída consolida-se como a grande construtora de um
novo tipo de conhecimento. Com isso, passa-se a reconhecer dois tipos de
conhecimento: “aquele que procura o sentido da totalidade, pesquisando
os princípios primeiros, através do raciocínio – é a filosofia; [ e o outro]
aquele que procura as leis do mundo físico, e que prova suas afirmações,
com o controle dos fatos – é a física” (LARA, 1991, p. 15).
Você pôde estudar como o discurso filosófico dominou a construção
do conhecimento até o período inicial da Idade Média e como, a partir
de então, surgiu um novo conhecimento, que incorporou uma nova
UniversidadeAbertadoBrasil
22
unidade 1
metodologia, um método científico, chamado também experimental,
fundado em procedimentos padronizados e rigorosamente considerados.
Mas esse já é assunto para a próxima seção.
Positivismo
	
Todas as questões a respeito da substituição do pensamento mítico
por um discurso filosófico instigou diversos filósofos. Um deles foi
Augusto Comte. Ele nasceu na França em 1798 e morreu em 1857. Criou
uma corrente filosófica denominada Positivismo, que se caracterizou por
duas preocupações fundamentais: científica e política. Comte era, antes
de tudo, “um renovador social” e pretendia “fundar essa renovação em
bases científicas” (CLÉMENT, 1997, p. 63).
Inspirado em Comte, pode-se afirmar que a
formação do discurso filosófico teria lançado as
bases de uma Fase Metafísica, que se consolidou
naIdadeMédia,equefoiantecedida porumaFase
Teológica ou Mitológica, na antiguidade, quando
dominava “a fantasia do povo e os mitos; ela se
apresenta como uma fase de maior abstração e
menor complexidade” (OLIVEIRA et al., 1990, p.
53). Na Fase Teológica, quase tudo era “explicado
abstratamente mediante uma mitologia religiosa”
(OLIVEIRA et al., 1990, p. 54).
Conecte-se a plataforma Moodle e consulte o link disposto para você conhecer mais
a respeito da vida de Comte.
ConhecimentoGeográfico1
23
unidade 1
Renascimento
Você estudou que a filosofia, como certo tipo de conhecimento, foi
sendo cada vez mais questionada com o advento do Renascimento. A
época renascentista marca a libertação do homem “de um enfoque que
lhe impunha valores como a admiração, a adoração, a obediência, o
respeito e o desapego” (LARA, 1991, p. 28). Paralelamente, inaugurou
um novo tempo, no qual o homem “joga-se, com entusiasmo, a construir
valores novos: individualidade, liberdade, criatividade, participação e
enriquecimento” (LARA, 1991, p. 28). Mas o que é Renascimento?
Renascimento – fenômeno social relacionado a um processo
histórico-geográfico (porque relativo a uma época e continente específico
– Europa) no qual aconteceram transformações marcantes na filosofia, na
ciência, nas artes e nas religiões. O humanismo é sua mais importante
idéia- força, porque o homem é valorizado como ser que se diferencia
de outros seres pela sua qualidade de ser racional, pela importância
que a razão tem nas suas ações, ressaltando o homem como realidade
individual, o que resultou no fortalecimento do individualismo frente à
visão corporativa de sociedade que dominou a Idade Média.
Ciência moderna
Entre os elementos que ajudam a construir esse novo tempo está a
ciência moderna. Mas como se pode definir esse novo discurso científico,
contido na ciência moderna? Você já estudou que esse discurso científico
passou a ser visto como diferente do discurso filosófico. De qualquer
forma, o que está na base da ciência moderna é também o conhecimento.
No entanto, antes de se discutir sobre o novo conhecimento, classificado,
a partir de então, como científico, é preciso diferenciá-lo dos outros tipos
Navegue na internet e pesquise imagens que mostrem os pintores e inventores
renascentistas e suas obras. Pesquise sobre a arquitetura e os jardins. Você vai se deparar
com os novos padrões estéticos que surgiram na Europa.
UniversidadeAbertadoBrasil
24
unidade 1
de conhecimento. Você já verificou a diferença entre o discurso filosófico,
como fundamento da filosofia construtora de conhecimento, mas é preciso
também abordar as diferenças entre os outros tipos de conhecimento.
Neste estudo, precisa-se, pelo menos, que fique muito clara a diferença
entre o conhecimento científico e o conhecimento vulgar (ou senso
comum).
Essa discussão é importante para você que inicia um curso de
licenciatura em Geografia, pois os que concluírem esse curso deverão
ser capazes de dominar teorias e práticas relacionadas ao magistério,
mas deverão, mais ainda, dominar os conhecimentos relacionados a uma
grande ciência: a ciência geográfica, denominada Geografia. Assim,
antes de tudo, precisa-se compreender o que é ciência e conhecimento
científico. A grande questão que permanece é: o que é ciência? É certo
que quando se pensa em ciência algumas palavras surgem na mente
das pessoas, como saber, sabedoria e conhecimento. Seria a ciência um
saber? Ou ela é uma sabedoria? A ciência é conhecimento? Sem dúvida,
todas estas palavras, de alguma forma, relacionam-se ao significado de
ciência. Na atualidade, ciência é definida como conhecimento científico,
fundamentado em métodos rigorosos de análise, que permitam atingir
resultados objetivos na formulação de conhecimentos.
1)Pesquise o significado da palavra ciência. É importante você indicar, ao final do seu
texto, a fonte bibliográfica da sua pesquisa.
3) Você acredita que todo conhecimento é científico? É ciência? É possível produzir
conhecimento sem se usarem procedimentos metodológicos científicos?
ConhecimentoGeográfico1
25
unidade 1
Senso comum ou conhecimento vulgar
É muito comum pessoas idosas fazerem alertas sobre as condições do
tempo. Por exemplo, quando fazem referências a uma chuva que está por
cair. Os jovens, normalmente, não acreditam nos mais velhos e teimam em
sair sem uma sombrinha ou um guarda-chuva. Não é raro que os idosos
acertem as previsões que fazem e, realmente, venha a chover. As pessoas
mais velhas formaram, durante suas vidas, algum tipo de conhecimento
sobre o comportamento do tempo meteorológico. Elas são capazes de
fazer previsões atmosféricas relacionadas ao cotidiano delas. Assim, o
saber acumulado pelos idosos é, sem dúvida, conhecimento. Mas será
que esse conhecimento é conhecimento científico? E quando se assiste
à previsão do tempo nos telejornais, recebem-se informações científicas?
Sabe-se, com certeza, que essas informações não foram fornecidas por
nenhuma “vovozinha”. As informações dos telejornais vêm de instituições
de pesquisa que fazem a produção de um conhecimento científico, que
serve a várias ciências. Produzem conhecimento meteorológico, que é
relacionado à Meteorologia, que é uma ciência derivada da Climatologia
que, por sua vez, é uma ciência afim à Geografia.
1)Pesquise a diferença entre tempo e clima. Depois, reserve um tempinho para
conversar com seus parentes mais idosos. Faça uma visita ao seu avô ou aquela tia ou tio
que você não vê há muito tempo e verifique se eles costumam fazer pequenas previsões de
tempo e quais os critérios que eles levaram em conta para prever a ocorrência de chuvas,
por exemplo.
Diferença entre o conhecimento vulgar e conhecimento científico
O que diferencia o conhecimento que qualquer pessoa pode criar e
acumular sobre o tempo do conhecimento dos cientistas sobre o mesmo
tema? São dois tipos diferentes de conhecimento. Costuma-se classificá-
los da seguinte forma: ao conhecimento que se acumula através da nossa
observação e experiência cotidiana, denomina-se conhecimento vulgar
(senso comum); ao conhecimento acumulado pelas ciências em geral,
UniversidadeAbertadoBrasil
26
unidade 1
denomina-se conhecimento científico.
Assim, é o acúmulo de conhecimento científico sobre um campo
da realidade que resulta em uma ciência. Os conhecimentos científicos
acumulados sobre o fenômeno da vida deram origem à Biologia. Os
conhecimentos científicos acumulados sobre a estrutura física da Terra
deram origem à Geologia. Os conhecimentos científicos sobre o homem
e o espaço ou meio em que vive deram origem à Geografia. E assim é
para uma diversidade significativa de outras ciências.
Mas ainda não se abordou a diferença entre os dois tipos
de conhecimento. Como se produzem o conhecimento vulgar e o
conhecimento científico? Inicialmente, precisam-se conhecer os dois
elementos indispensáveis na produção de qualquer tipo de conhecimento.
Esses elementos são sujeito e objeto.
O sujeito é aquele que quer conhecer e que produz e acumula
conhecimento. Quando se aborda o conhecimento vulgar, o sujeito
é qualquer ser humano. No caso do exemplo relativo à previsão do
tempo, pode ser qualquer pessoa com conhecimento acumulado sobre
o comportamento do tempo meteorológico. Por outro lado, ao se fazer
referência ao conhecimento científico, o sujeito é um cientista.
O objeto é aquilo que se quer conhecer, explicar, entender ou
compreender, e em relação ao qual se acumula conhecimento. No exemplo
relacionado ao conhecimento vulgar, é o tempo meteorológico. Mas o
objeto pode ser também as árvores, as florestas, os animais, os terremotos,
os preços, as doenças, as guerras e os sentimentos. Tudo isso pode ser um
objeto determinado, sobre o qual se pode acumular conhecimento, tanto
vulgar quanto científico.
Para se produzir conhecimento vulgar, o sujeito observa e reflete
sobre um objeto específico, chegando a determinadas conclusões, que
são acumuladas por ele e que lhe dão um conhecimento sobre o objeto
observado. A observação e a reflexão que o sujeito realiza não são
planejadas e não utilizam nada além dos próprios sentidos (visão, olfato,
tato, audição, fala) e sua capacidade de raciocinar.
A produção do conhecimento científico
Para se produzir o conhecimento científico, o sujeito também
observa e reflete sobre um determinado objeto, produzindo conclusões,
que são acumuladas pelos cientistas e por todos que se interessam por
ConhecimentoGeográfico1
27
unidade 1
esses conhecimentos. Mas o cientista não utiliza apenas seus sentidos e
sua razão. Ele se apóia também em teorias e metodologias. A observação
que ele faz é planejada e sistemática: ele anota dados; fotografa objetos e
fenômenos; faz experiências; analisa materiais; provoca reações químicas.
Além disso, o cientista precisa testar os seus resultados. As suas conclusões
têm que ser comprovadas pelos testes. Só assim o conhecimento pode
ser denominado científico. Dessa forma, o conhecimento científico não
depende só do que é inato ao sujeito, mas se relaciona também com aquilo
que dirigiu as ações e o raciocínio dele. Ao conjunto de tudo que ajudou o
sujeito a atingir um determinado conhecimento, dá-se o nome de método
científico ou de metodologia científica.
Esta charge
apresenta as
diferenças
entre o
conhecimento
vulgar
ou senso
comum e o
conhecimento
científico.
Figura 5: Charge; Conhecimento vulgar e científico
Organizado por: Eduardo José de Campos Lemos; Karin Linete Hornes
1) Elabore um texto, no qual você deve responder à seguinte questão: o que é ciência?
Este texto deve ter no máximo trintas linhas (uma lauda).
2) Conecte-se a plataforma moodle e participe do fórum que está disponível para
discutir esta mesma questão. Comente suas experiências com o conhecimento vulgar e
científico.
UniversidadeAbertadoBrasil
28
unidade 1
seção 3
FILOSOFIA E CIÊNCIA NO PERÍODO CIENTÍFICO
O conhecimento científico é a base da ciência moderna e o
fundamento dessa ciência é o método científico. Assim, para se
compreender o que se denomina ciência moderna é preciso, antes de
tudo, compreender o método científico. Segundo Lara (1991), foram dois
pensadores que lançaram os alicerces desse método: Francis Bacon e
Galileu Galilei.
Francis Bacon (1561-1626) nasceu em Londres e, além de filósofo, foi
também político. Bacon defendeu o uso do método indutivo na produção
do conhecimento. Devem-se buscar as informações pela experimentação
para que se possa chegar, posteriormente, às generalizações. Trata-se do
método indutivo-dedutivo (MONDIN, 1981). Galileu Galilei (1564-1642)
nasceu em Pisa e foi matemático, físico e astrônomo. Esse cientista (e
não mais filósofo, ao se pensar na acepção clássica do termo) confirmou
que era preciso fazer uma distinção muito nítida entre filosofia, ciência e
religião. Assim, o estudo científico deveria ser livre de quaisquer amarras
filosóficas e/ou teológicas, concluindo que “para a ciência até o método é
diferente, indutivo-dedutivo” (MONDIN, 1981, p. 223.
	
Método científico
Em termos gerais, estes dois pensadores (Francis Bacon e Galileu
Galilei) defenderam que o método científico, de caráter indutivo-dedutivo,
deveria conter as seguintes etapas (LARA, 1991):
	
1 – a observação dos fatos;
2 – a formulação de hipóteses explicativas dos fatos;
3 – a verificação experimental das hipóteses.
Procurando expor de forma mais didática essas etapas, Lara (1991)
ConhecimentoGeográfico1
29
unidade 1
repete o esquema, explicando que o método científico de tipo indutivo-
dedutivo pode ser resumido também da seguinte forma:
- primeiro momento: fatos observados, a serem explicados;
- segundo momento: hipóteses explicativas, logicamente
arquitetadas;
- terceiro momento: comprovação das hipóteses, pelos fatos.
Francis Bacon foi um crítico vigoroso do discurso filosófico
antigo e medieval. Defendeu que os antigos filósofos não observavam
criteriosamente os fatos. Na seqüência, as hipóteses eram mal elaboradas,
até porque a observação anterior já apresentara falhas. Segundo Lara
(1991, p. 44), interpretando o pensamento baconiano, “a lógica aristotélica
estava preocupada com a coerência do pensamento em si. Mas, para se
conhecer a realidade, não basta a coerência das hipóteses. É preciso
verificar bem se essas hipóteses correspondem à realidade”.
Mas, embora a contribuição de Bacon tenha sido muito importante,
Galileu Galilei foi, indubitavelmente, aquele que “traçou o caminho
preciso para a ciência moderna” (LARA, 1991, p. 44). Isso por duas razões
principais:
1 – pela defesa de que a ciência tem como objetivo fundamental a
descoberta de leis gerais que explicam os fenômenos;
2 – as leis explicativas da natureza devem ser expressas em
linguagem matemática.
Essa definição do método científico permite inseri-lo como um dos
elementos fundamentais do empirismo.
Empirismo
O Empirismo refere-se “ao que tem origem na experiência (...)
qualifica qualquer doutrina filosófica que admite que o conhecimento
humano deduz tanto seus princípios quanto seus objetos ou conteúdos,
da experiência” (DUROZOI; ROUSSEL, 1996, p. 149).
Nesse ponto, com base em Lara (1991), apontam-se algumas
UniversidadeAbertadoBrasil
30
unidade 1
características centrais do empirismo:
- abandona a transcendência, em favor da imanência dos fatos;
- não repudia a razão, mas a considera de forma relativa e não-
absoluta;
- o conhecimento humano não tem caráter absoluto, porque não é
capaz de atingir a verdade absoluta;
- a verdade prevalecente deve ser sempre questionada, porque não
pode acreditar em verdades absolutas;
- o homem deve abandonar as verdades absolutas, em favor das
verdades em permanente renovação;
- o empirismo desafia o homem a ser o verdadeiro centro do
universo.
Empirismo e racionalismo
O que se tem nessas características é um programa radical de
rompimento com o discurso filosófico clássico e medieval. Assim, é o
empirismo que acentua este rompimento, quando ele é comparado com
o racionalismo, que lhe é contemporâneo. Mas o racionalismo também
promoveu transformações importantes e ajudou a consolidar a ciência
moderna. O empirismo e o racionalismo podem ser vistos dentro de
um mesmo pólo epistemológico. Trata-se do pólo racionalista, o qual
corresponderia a um dos pólos epistemológicos da modernidade.
O outro, que se consolidou na mesma época, é o pólo anti-
racionalista (GOMES, 1996). O pólo anti-racionalista resistiu no
período clássico da ciência moderna às propostas que defendiam a
universalização metodológica (CUNHA, 1997). Mas a consideração
epistemológica desta questão nas suas interações com a Geografia
ficará para a próxima unidade. Por enquanto, você precisa fixar bem as
diferenças entre racionalismo e empirismo, como propostas críticas ao
discurso filosófico no período que se classificou como Idade Moderna.
Isso pela importância destas duas tradições de constituição da ciência
moderna e, destarte, do método científico. De qualquer forma, não se
devem ter o empirismo e o racionalismo correspondendo apenas a
ConhecimentoGeográfico1
31
unidade 1
diferentes “teorias do conhecimento”, mas também como perspectivas
culturais globais, que buscaram libertar o homem do domínio da teologia
e da escolástica, ao entronizar a razão como um valor humano acima de
qualquer outro (LARA, 1991).
Você já teve a oportunidade de estudar o empirismo. A partir daqui,
deve buscar apreender os aspectos mais importantes do racionalismo
moderno que se abordará na seqüência. Você deve fixar, em primeiro
lugar, que o racionalismo moderno permaneceu como herdeiro da
metafísica clássica, que acreditava nas explicações transcendentes das
realidades empíricas, mantendo a crença em princípios racionais, mas
ainda com certa relação com o pensamento religioso (LARA, 1991).
Mas, neste estudo, interessa abordar o racionalismo como proposta
para se conseguir a produção de um novo conhecimento. Para isso, é
preciso entender o pensamento daquele que é conhecido como o pai do
racionalismo moderno: René Descartes.
Conecte-se à plataforma da disciplina Conhecimento Geográfico I e comece suas leituras sobre
René Descartes e Galileu Galilei.
Cartesianismo
O cartesianismo teve sua origem com René Descartes. Vamos
descobrir mais um pouquinho a respeito de sua vida?
René Descartes nasceu na França em 1596 e morreu em Estocolmo,
na Suécia, em 1650, onde fora morar um ano antes a convite da rainha
Cristina. Espírito aventureiro, foi militar e viajou por diversos países,
acabando por se fixar na Holanda, onde se dedicou aos seus estudos
num ambiente mais favorável do que poderia encontrar na maioria dos
países da Europa Ocidental, os quais estavam assolados por pressões
da Igreja Católica contra os desafios lançados aos seus dogmas; o maior
exemplo disso foi a perseguição movida contra Galileu Galilei. Descartes
escreveu um pequeno-grande livro intitulado “Discurso do Método”, no
UniversidadeAbertadoBrasil
32
unidade 1
qual lançou as bases do racionalismo moderno. A escola de pensamento
criada por ele é o cartesianismo.
	
O cartesianismo busca o caminho que pode levar o homem a
encontrar a verdade. Para isso, propõe um método chamado intuitivo-
dedutivo, que é fundamentado na busca de idéias claras e distintas. Esse
método teria dois momentos fundamentais:
- primeiro momento: intuir (ver de imediato, sem dificuldades) que
algo é verdadeiro (é o penso);
- segundo momento: tirar conclusões evidentes, a partir de verdades
também evidentes (como, a partir do penso, logo existo).
Outro exemplo que ilustra o pensamento cartesiano é o seguinte:
observando uma árvore um indivíduo notou que ela possuía raiz. Observou
outras 100 e chegou a mesma conclusão. Ele comunicou-se com pessoas
de outros países que também confirmaram a veracidade da afirmativa.
Então, formulou a seguinte idéia: todas as árvores possuem raízes. Caso
exista qualquer árvore no mundo que não possua raiz, esta afirmativa
terá que ser revista.
Razão humana
Para Descartes, uma idéia límpida e distinta é resultado da
capacidade da razão humana. Essa capacidade também pode ser
chamada de intelectualidade que, segundo Cunha (1997, p. 73), é “um
apanágio do homem como um todo e não apenas de filósofos, cientistas,
eruditos, estudiosos, pesquisadores, etc, [assim] a intelectualidade seria
um potencial humano de relacionamento com o que a percepção capta”.
O discurso filosófico antigo e medieval baseava-se na observação
de um mundo objetivo transcendente. Com o cartesianismo, o sujeito é
fortalecido como o Eu (sujeito) que altera as possibilidades de construção
do conhecimento. Nasce “o subjetivismo moderno, em confronto com
o objetivismo grego e medieval. Esse subjetivismo vai marcar todo o
pensamento moderno e vai abrir um espaço para o homem se manifestar
a si mesmo, nem que seja para encontrar os limites da própria grandeza”
ConhecimentoGeográfico1
33
unidade 1
(LARA, 1991, p.38).
Em resumo, podem-se sistematizar as principais características do
racionalismo moderno (LARA, 1991, p. 33-35):
- é uma perspectiva filosófica, mas também cultural;
- o homem pode atingir, pela razão, a verdade de valor absoluto;
- o homem não está limitado aos conhecimentos dos fatos;
- o homem pode entender a essência das coisas;
- a razão permite ir além dos sentidos;
- a razão permite atingir as condições transcendentais do mundo
empírico;
- as conseqüências dessas possibilidades não são apenas abstratas
e teóricas, mas também éticas e políticas;
- atingir explicações sobre a essência das coisas, para encontrar o
fundamento sólido para a moral e a política;
- a boa ordem política depende do conhecimento dessa realidade
transcendente;
- os fundamentos dessa ordem encontram-se na natureza
transcendente do homem e não mais na revelação divina;
- a desagregação das explicações teológicas requer novas
fundamentações reveladoras do mundo;
- ao contrário do empirismo, que acredita apenas nas explicações
imanentes aos próprios fatos, o racionalismo defende as possibilidades de
uma nova transcendência (explicações para além dos fatos percebidos).
O empirismo e o racionalismo moderno são as duas faces de uma
mesmamoeda.Essamoedaéopóloepistemológicoracionalista.Estasduas
tradições deram os fundamentos decisivos do método científico, o qual
demonstrou uma capacidade inegável de avançar de forma admirável no
desvelamento da natureza, permitindo que o domínio desta metodologia
revolucionária, por estudiosos europeus transformasse aquele continente
no berço da ciência moderna. A civilização européia é aquela na qual a
ciência moderna encontrou o campo fértil para o seu desenvolvimento
que é o próprio projeto da modernidade, pela importância que teve o
pensamento científico neste projeto.
UniversidadeAbertadoBrasil
34
unidade 1
1) Elabore um texto, descrevendo e comentando as etapas fundamentais do método
científico. Este texto deve ter no máximo trinta linhas (uma lauda).
2) Como um bom estudante de Geografia, você não deve esquecer que uma das
ciências afins mais importantes para a ciência geográfica é a Cartografia. Procure pesquisar
a evolução da Cartografia deste a Grécia até a Idade Média.
Você pôde verificar como a filosofia antiga e medieval foi questionada como produtora
de conhecimento. Estudou também as transformações operadas no pensamento filosófico
que deram origem a outra forma de se produzir conhecimento. Isso levou ao surgimento
do conhecimento científico relacionado, num primeiro momento, à revelação das leis de
funcionamento do mundo físico. Você comprovou que a proposta foi um sucesso, mas não
esteve livre de controvérsias, as quais serão abordadas na próxima unidade.
ConhecimentoGeográfico1
35
unidade 1
UniversidadeAbertadoBrasil
36
unidade 1
UNIDADEII
Epistemologia e
modernidade
OBJETIVOS DE APRENDIZAGEM
Caracterizar os pólos epistemológicos que surgiram na modernidade;
Compreender as diferenças epistemológicas entre os pólos racionalistas e
anti-racionalistas.
ROTEIRO DE ESTUDOS
SEÇÃO 1 – Para entender o debate epistemológico da modernidade
SEÇÃO 2 – A dualidade epistemológica da modernidade: o pólo
racionalista
SEÇÃO 3 – A dualidade epistemológica da modernidade: o pólo anti-
racionalista
UniversidadeAbertadoBrasil
38
unidade 2
seção 1
PARA ENTENDER O DEBATE EPISTEMOLÓGICO
DA MODERNIDADE
Você estudou na Unidade I a formação da ciência moderna, como
resultado da ruptura promovida por pensadores modernos em relação à
forma de construção do conhecimento antigo e medieval realizada pelos
filósofos formados pela tradição greco-romana que marca as origens da
civilização européia ou cristã-ocidental.
Você refletiu sobre o contexto no qual se consolidaram fenômenos
que se materializaram no método científico, o qual fundamenta o
conhecimento científico moderno. Este método e a obra que ele permitiu
iniciar tornaram-se um dos elementos fundamentais da modernidade, que
representa o processo histórico-geográfico que define um novo rumo para
a trajetória civilizatória relacionada ao continente europeu, num primeiro
momento, mas que se mundializou a partir dos desdobramentos gerados
pelo mesmo processo, atingindo, a partir da Idade Moderna, todos os
continentes, ampliando o que os geógrafos tradicionais chamavam de
ecúmeno.
Ecúmeno
Você sabe o que é Ecúmeno?
Ecúmeno – Entre os gregos, correspondia ao mundo
habitável, mas passou a indicar as áreas que apresentam
densidades demográficas mais significativas (SMALL, J.;
WITHERICK, M., 1992). O uso do termo predominante no
período recente refere-se às áreas nas quais os povos de origem
européia já haviam promovido uma ocupação efetiva. Para as
áreas habitadas de forma muito esparsa pelas comunidades
originárias ou que permaneciam totalmente desabitadas, usa-
se o termo anecúmeno.
O debate centrado nesta questão territorial deixou de ser importante,
porque é inegável que a trajetória civilizacional que tomou o continente
europeu na época moderna tornou-se inegavelmente mundial.
ConhecimentoGeográfico1
39
unidade 2
Você deve estar refletindo sobre o título desta seção e, com certeza,
apresenta uma curiosidade para entender corretamente o significado dos
termos epistemológico e modernidade.
A este último você já foi apresentado na Unidade I, pois ao se abordar
a formação da ciência moderna, mostrou-se que ela foi um elemento
importante de um processo maior, que envolveu outros elementos, os
quais, no seu conjunto, passaram a caracterizar uma nova época, chamada,
didaticamente, na História, de Idade Moderna.
Idade Moderna
A Idade Moderna correspondeu ao momento da modernidade. Este
momento foi realizado dentro do continente europeu. Existem vários
elementos que auxiliaram a Europa a iniciar sua modernidade, são
eles: o renascimento, o mercantilismo, o iluminismo, o cientificismo,
o absolutismo e o protestantismo. Estes elementos que se consolidaram
durante a Idade Moderna forneceram as bases da Idade Contemporânea,
que não rompeu com eles, mas os aprofundou em elementos que deles
derivaram como a democracia representativa, que cristalizou o Estado
moderno, como a instituição central do contrato social (o Estado de
Direito), que dirige a vida em sociedade nos países democráticos.
Não há como entender a vida política dos cidadãos dos países atuais sem conhecer aspectos
relacionados ao conceito de contrato social. Esse contrato pressupõe que cada cidadão cedeu parte
dos seus direitos naturais a uma instância coletiva (o Estado) para que essa instância coordene a vida
em sociedade, administrando os conflitos de interesses com o objetivo de se atingir o bem comum.
Dois pensadores são referências básicas sobre a questão: o inglês Thomas Hobbes (século XVII) e o
francês Jean Jacques Rousseau (século XVIII). Recomenda-se a leitura de um pequeno livro intitulado
“O Contrato Social”, escrito por Rousseau, que ajudará você a entender o mundo atual.
Pesquise sobre os fenômenos histórico-geográficos que contribuíram de forma decisiva para definir
a época contemporânea e que foram citados anteriormente. Elabore um resumo de no máximo cinco
linhas a respeito destes elementos.
Renascimento | Mercantilismo | Iluminismo | Cientificismo | Absolutismo | Protestantismo
UniversidadeAbertadoBrasil
40
unidade 2
O Novo e o Velho
De qualquer forma, é inegável o papel preponderante exercido
pelas transformações inauguradas pelo racionalismo e empirismo na
construção do conhecimento científico, que influenciou no novo modo
de vida, pensado da forma mais ampla possível, que uma boa parte dos
povos e nações européias assumiram a partir de meados do milênio
encerrado recentemente. Pode-se ilustrar esta importância, afirmando-se
que “a modernidade fundou uma ‘ciência nova’ [como dizia Bacon], e esta
ciência constitui o espírito daquilo que se denomina de modernidade”
(GOMES, 1996, p. 12).
Para entender o significado contido no termo modernidade, torna-
se importante refletir também sobre um pressuposto que se relaciona com
ele, que é ligar o que é moderno ao que é novo, opondo-se ao atrasado,
ao tradicional, ao velho. Portanto, ao se utilizarem o termo moderno e
modernidade, trabalha-se, naturalmente, com esta oposição entre o novo
e o velho, o moderno e o tradicional. Recorre-se a Gomes, que expõe de
forma muito evidente esta questão:
	
“Estas duas noções [moderno/tradicional]
existem há muito tempo, mas somente a partir
da modernidade elas se constituíram em um
verdadeiro sistema de valores. Para que se possa
falar de um sistema centrado na tradição, é preciso
que ao mesmo tempo exista um outro sistema que
marque em relação a ele sua oposição, definido
por aquilo que não é tradicional, ou seja, o
sistema do novo; são, pois, dois sistemas que se
opõem, mas que estruturam uma mesma ordem”
(GOMES, 1996, p. 29).
O importante é relacionar o termo modernidade a uma determinada
época e lugar específico. Por isso, pode-se relacioná-lo a um processo
histórico-geográfico que é bastante conhecido. Assim, afirma-se que a
modernidade começou no século XVI, na Europa. No século VIII, na
mesma Europa, ela se consolida com a revolução filosófica (iluminismo),
a revolução industrial (o surgimento das fábricas), a revolução francesa e
a revolução americana, formando o que Eric Hobsbawm (um dos maiores
historiadores atuais) chamou de Era das Revoluções. Pode-se, então,
resumir que “o termo ‘modernidade’ designa simultaneamente uma
ConhecimentoGeográfico1
41
unidade 2
época, uma civilização e uma concepção da humanidade indissociável
da nossa cultura e da nossa filosofia européia” (CLÉMENT et al., 1997,
p. 258).
Epistemologia
Para continuar os seus estudos, você precisa entender também o
termo “epistemológico”. Esse termo deriva da palavra “epistemologia” e
é o significado dela que você precisa compreender. A palavra é de origem
grega e reúne epistèmè, que significa “ciência”, e logos, que corresponde
a “discurso”. Assim, epistemologia significa, etimologicamente, discurso
da ciência.
Mas você já deve ter percebido que o significado de termos em
filosofia e ciências humanas e sociais sempre adquire uma complexidade
que torna tais significados bastante diversos. Não é diferente com o
termo epistemologia. Ele tem vários significados. Nos países anglo-
saxônicos, Epistemologia confunde-se com a própria “teoria do
conhecimento” ou Gnosiologia, como uma análise ou estudo da evolução
da produção do conhecimento pelo homem. Num sentido mais restrito,
utilizado principalmente nas tradições francesas, há dois significados
predominantes: em primeiro lugar, como estudo da ciência moderna em
geral, buscando abordar os métodos, as crises e a evolução do “espírito
científico”; em segundo lugar, o estudo dirigiu-se para uma ciência
específica, referindo-se à epistemologia da Geografia, da História, da
Matemática, etc.
Todos esses sentidos interessam quando se tem como objetivo
fundamental a compreensão das origens e evolução de uma disciplina
científica. É o caso do conhecimento geográfico que é sistematizado na
Geografia.
O debate epistemológico em torno do método científico
O debate epistemológico que se destaca aqui surgiu a partir do
momento que se propôs um novo método para se produzir conhecimento:
o método científico. Percebeu-se de imediato que a aplicação deste método
paraabordarosfenômenosfísicosenaturaissignificavaumgrandeavanço.
UniversidadeAbertadoBrasil
42
unidade 2
Mas surgiram discussões e debates sobre questões gerais e específicas
relativas à aplicação desse método à produção do conhecimento. É o que
se passou a chamar de “problema epistemológico” (MONDIN, 1981).
Esse problema surgiu, exatamente, “no momento em que a atitude de
confiança otimista e exaltação cega das ciências foi substituída por um
sereno ceticismo e uma crítica aguda nos confrontos do conhecimento
científico” (MONDIN, 1981, p. 29).
Entenda-se ceticismo como um acentuado pessimismo sobre a
nascente metodologia científica. Assim, afirma-se que “o nascimento
e desenvolvimento da filosofia da ciência ou epistemologia deve-
se exatamente à tomada de consciência da problematicidade desse
conhecimento (consciência ainda ausente em Descartes, Newton, Kant,
Comte, Spencer, etc)” (MONDIN, 1981, p.29).
Procure pesquisar
a vida e obra
desses filósofos
que são citados por
Mondin (Descartes,
Newton, Kant,
Comte, Spencer).
Eles viveram entre
os séculos XVI e
XIX e participaram
do debate
epistemológico que
marcou essa época.
Você pode consultar
enciclopédias e
dicionários de
filosofia, inclusive
digitais, como a
www.wikipedia.com.
br. Na plataforma da
disciplina há alguns
links relacionados a
estes filósofos.
Racionalistas e Anti-racionalistas
Um primeiro debate importante ocorreu entre os adeptos do método
científico proposto por Descartes e sistematizado e aplicado por Galileu.
Esse pólo, centrado na aceitação do método, divergiu na forma da sua
aplicação e opôs racionalistas e empiristas. Você já teve a oportunidade
de estudar esta controvérsia na Seção 3 da Unidade I deste fascículo.
A discussão que interessa a partir daqui é aquela que vai opor
racionalistas (racionalistas cartesianos e empiristas) e anti-racionalistas.
Os racionalistas defendendo a aplicação do método científico a toda
e qualquer ciência, já que só consideravam como conhecimento
científico aquilo que era proposto a partir da aplicação do método. Os
anti-racionalistas posicionavam-se de uma forma contrária, pois não
concordavam com a proposta de que só há um caminho para se construir
um conhecimento aceitável como científico.
O importante é ter em conta que esta posição de crítica não
é recente, mas surgiu na mesma época e lugar, nos quais acontecia a
aplicação vitoriosa do método nas ciências físicas e naturais. Esse lugar
era a Europa; a época o período que vai do século XVI ao XVIII. Você já
estudou sobre o processo histórico-geográfico que domina este contexto
definido como a modernidade. O debate que opõem racionalistas e anti-
racionalistas é um debate que perpassa este processo e contribui na
sua formação. Por todo aquele período, e até muito recentemente, os
racionalistas apareciam como os grandes vencedores do debate, pois
ConhecimentoGeográfico1
43
unidade 2
tiveram maior exposição e aceitação acadêmica e social. Mas a critica
anti-racionalista esteve sempre lá, acompanhou cada passo da vitória
racionalista (cientificista) mantendo e ampliando as críticas à proposta
de “universalização metodológica” (CUNHA, 1997).
Nas últimas três décadas, a crítica pós-moderna tem nesse passado
anti-racionalista uma referência que lhe retira boa parte de ineditismo.
Então, parte-se da consolidação destes pólos epistemológicos da
modernidade, ao contrário de se assumir que neste contexto só houve o
domínio inconteste do racionalismo (GOMES, 1996). Mas essa dualidade
epistemológica é assunto da próxima seção.
Galileu Galilei não concordava com a teoria do geocentrismo. Ele propôs a teoria do
heliocentrismo a partir de observações astronômicas, utilizando uma luneta de criação
própria. Após alguns cálculos físico-matemáticos, ele fez tal comprovação. O rigor
metodológico das observações possibilitou a criação do método científico, também
chamado experimental, fundado em procedimentos padronizados e rigorosamente
considerados. (WIKIPÉDIA, 2008)
Elabore um texto, comentando a seguinte afirmativa: “debate epistemológico da
modernidade”. Este texto deve ter no máximo trinta linhas (uma lauda).
seção 2
A DUALIDADE EPISTEMOLÓGICA DA MODERNIDADE:
O PÓLO RACIONALISTA
Nesta seção, você estudará o que caracteriza e o que diferencia os
dois pólos epistemológicos da modernidade. Como você já sabe, os dois
pólos são o pólo racionalista e o anti-racionalista. O pólo racionalista
também é conhecido como científico - racionalista. O primeiro centra-se
numa unidade dada pelo método científico. O outro tem a sua unidade
restrita à crítica ao racionalismo, mas não apresenta uma unidade
metodológica.
O pólo epistemológico racionalista consolida-se no século do
Iluminismo, também chamado “Século das Luzes” (século XVIII). Partia-
UniversidadeAbertadoBrasil
44
unidade 2
se de uma concepção da natureza humana na qual a faculdade da razão,
que é própria apenas dos seres humanos, tinha um lugar privilegiado.
Todos os seres humanos são dotados de razão, conferindo às comunidades
humanas um padrão de comportamento fundado nas atitudes e ações
decididas racionalmente.
O pensamento racional
A avaliação racional, da qual são capazes os seres humanos, dirige
os comportamentos individuais e as trajetórias coletivas. O pensamento
racional funda-se, então, em alguns elementos que o formam, como “uma
lógica coerente, um bom senso generalizado e um pragmatismo da ação”
(GOMES, 1996, p. 30). Dessa forma, “o pensamento é um julgamento
racional lógico sobre a realidade, e a ciência constitui a esfera onde as
regraseosprincípiosdestejulgamentosãoorganizadossistematicamente”
(GOMES, 1996, p.30).
Com essa afirmação, centra-se a reflexão desta seção na questão
efetivamente epistemológica, já que a defesa de uma universalidade da
razãocomoelementofundamentaldamodernidadenãoteveconseqüência
apenas na discussão filosófica e científica, mas atingiu todo o contexto
social que envolvia a Europa.
Você não deve esquecer que o pólo epistemológico racionalista já foi
abordado neste fascículo, quando se analisou o racionalismo cartesiano e
o empirismo. Procure voltar àquela seção para recordar os aspectos que
foram abordados, porque ajudará você a compreender os pressupostos
fundamentais deste pólo. Esses pressupostos foram destacados por Gomes
(1996) e pode-se resumi-los da seguinte forma:
- a noção de progresso é valorizada;
- há primazia fundamental ao método lógico racional;
- o pensamento científico-racionalista é sempre normativo.
A noção de progresso valorizada
Esses três pressupostos são fundamentais na constituição deste pólo.
Em primeiro lugar, a noção de progresso relaciona-se à crença de que a
ConhecimentoGeográfico1
45
unidade 2
evolução social e do pensamento científico apresenta uma espécie de lei
do movimento histórico num sentido linear no qual as transformações
ocorrem pela substituição do velho pelo novo, do tradicional pelo
moderno. O pensamento racionalista move-se no sentido de buscar as
mudanças que permitam substituir o que vai se tornando superado pelo
que se construiu de novo. A necessidade de superação é dada pelas
situações de crise. A crise indica a necessidade de ruptura, e a noção
de progresso indica que o novo, que surge através das rupturas, tende
a conter uma positividade que justificaria a sua adoção, em detrimento
do velho, do atrasado, do tradicional. O peso dessa noção de progresso
na modernidade é inegável e isso pode ser comprovado, observando-
se que “este raciocínio [relacionado à noção de progresso] está na base
dos grandes sistemas filosóficos e epistemológicos característicos da
modernidade, como, por exemplo, os de Kant, de Hegel, de Marx ou de
Comte” (GOMES, 1996, p.31). Esses filósofos propuseram concepções
evolutivas das sociedades humanas fundadas numa noção linear do
progresso, como um caminho único para toda a humanidade. É o que se
denomina de historicismo.
Faça uma pesquisa
em dicionários
e enciclopédias
impressas
ou digitais
sobre o termo
“historicismo”. Entre
os geógrafos, a
obra de Soja (1993)
faz uma crítica
sistematizada
da influência do
historicismo nas
ciências humanas
e sociais, que
vale a pena você
conhecer.
A primazia fundamental ao método lógico-racional
	
O segundo pressuposto relaciona-se à importância central que se
dá ao método científico. Você já estudou essa questão quando se abordou
a origem e consolidação da ciência moderna. Gomes (1996) resumiu a
questão de forma bastante clara, ao afirmar que: “o método é, assim,
considerado como único meio de oferecer todas as garantias lógicas da
relação entre pensamento e realidade” (GOMES, 1996, p.31). Em outras
palavras, para os defensores do pólo científico-racionalista não há ciência
para além do método. Esse aspecto é que torna o pensamento científico-
racionalista sempre normativo, como indica o terceiro pressuposto.
O caráter normativo do método cientifico
Ométodotemdefinidoasnormasparaoperararelaçãoentreosujeito
e o objeto. Cabe ao homem de ciência conhecer essas normas e aplicá-las
ao objeto previamente delimitado. O que vai dar a garantia científica ao
UniversidadeAbertadoBrasil
46
unidade 2
conhecimento desta relação produzida é o rigor da aplicação das normas
metodológicas definidas no método. O conhecimento depende, destarte,
antes do método do que de quem o maneja. É assim que o pensamento
científico-racionalista torna-se, antes de tudo, normativo.
	
A revolução cientificista
O pólo científico-racionalista exerce sua influência decisiva desde
a consolidação da ciência moderna até os dias atuais. É inegável que a
aplicação do método científico ao estudo da natureza provocou uma ruptura
revolucionária nas possibilidades humanas de desvendar os fenômenos
físicos e naturais. Mas a defesa da aplicação deste método para se abordar
todo e qualquer objeto do conhecimento vai disparar um debate intenso,
provocando o surgimento e consolidação de um pólo epistemológico
anti-racionalista. Com isso, contesta-se uma evolução linear na própria
discussão epistemológica. Não é que uma concepção anti-racionalista veio
substituir, a partir de um determinado momento, a concepção racionalista
que teria se tornado imprestável. O que se destaca aqui é que estes pólos
desenvolveram-se simultaneamente, disputando os mesmos espaços
de discussão que estavam disponíveis na Europa, o grande berço da
modernidade. Dessa forma, os dois pólos são filhos da mesma “mãe”: o
pólo racionalista é o “filho mais velho”, mas com uma diferença de idade
mínima em comparação ao pólo anti-racionalista, o “filho mais novo”.
A questão fundamental é que o “filho mais velho” tornou-se o
preferido: o pólo racionalista assume um espaço muito maior nos corações
e nas mentes de muitos filósofos e pensadores. Era compreensível, porque
“o patente êxito da filosofia natural despertaria a atenção dos pensadores.
Eles julgam estar ali o valor perene da investigação. Enquanto os
cientistas estão carregados de problemas com soluções à vista, os filósofos
estão sobrecarregados de problemas sem qualquer solução apontando no
horizonte” (CUNHA, 1997, p.21).
A universalização do método
Pode-se identificar em vários dos grandes filósofos da modernidade,
propostas e tentativas de promover a universalização metodológica. Isso
quer dizer aplicar o método científico a todo e qualquer objeto. Inclusive
ConhecimentoGeográfico1
47
unidade 2
ao homem e suas formas coletivas de consciência: as sociedades e
comunidades em geral. Neste esforço aparecem filósofos e pensadores
como o próprio Descartes, além de Francis Bacon, David Hume e também
o grande Immanuel Kant (CUNHA, 1997).
	 Essas tentativas tornaram-se cada vez mais efetivas e “os
filósofos que abrem o século XIX desfrutam de condições mais
favoráveis à universalização” (CUNHA, 1997, p.24). Mas as tentativas
de universalização abandonam a pura discussão metodológica, como
a dos racionalistas cartesianos versus empiristas, e incorporaram uma
preocupação com o próprio devir histórico, como uma espécie de “Filosofia
da História”. E a ciência tem um papel importante nisso, porque:
“a Ciência das ciências não é apenas saber,
conhecimento válido e verdadeiro, é a maior
conquista do Espírito ou da Humanidade, aquilo
que corresponde às rédeas da civilização. Foi
uma alteração semântico-intelectual deveras
significativa, a qual levava do sentido disciplinar-
investigatório da cientificidade para um sentido
totalizador da síntese da História, ultima e
culminante etapa da civilização. Esta alteração
não teria sido possível sem a abordagem
ampliada do método, promovida pelo positivismo
[COMTE] e pela dialética dos idealistas [HEGEL]
e dos materialistas alemães [MARX E ENGELS]
(CUNHA, 1997, p. 26).
	
Essas são correntes de pensamento que marcaram o século XIX e
foram substancialmente reforçadas pelo evolucionismo darwiniano.
Procure pesquisar a vida e a obra de Charles Darwin, que foi o cientista inglês que criou a
Teoria da Evolução da Vida a partir da Seleção Natural. Esta teoria foi proposta no livro “A
Origem das Espécies”, publicado em 1859. Procure pesquisar também sobre a passagem
de Darwin pelo Brasil.
Conecte-se à plataforma e leia o conteúdo do link disposto para Charles Darwin.
Elabore um resumo a respeito de suas principais idéias e de sua viagem ao Brasil.
UniversidadeAbertadoBrasil
48
unidade 2
O evolucionismo
O evolucionismo aparece com a chance de algo proposto a partir
do campo científico. É possível esclarecer melhor o papel de cada uma
dessas tradições que tanto influenciaram o século XIX:
“A linha idealista fundada por G. Hegel coloca
o Espírito no lugar do sujeito da Teoria do
Conhecimento. Karl Marx e Friedrich Engels
inverteram e abriram a linha materialista
colocando a Vida Social no lugar do Espírito. Na
corrente positivista, isto será confirmado quando
o sujeito ampliado da função da Metodologia com
a Filosofia da História e a Humanidade em todas
as linhas ou tendências [positivistas]” (CUNHA,
1997, p. 27).
O importante para os objetivos deste estudo é que essas propostas
terão uma influência ampla e significativa nos rumos que tomou o
conhecimento geográfico a partir do século XIX. A constituição da
Geografia, como uma disciplina científica e acadêmica, algo que remonta
a esse século, aconteceu na esteira das tradições idealistas, materialistas
e positivistas. Você terá oportunidade de estudar melhor estas influências
quando se abordar na próxima unidade uma espécie de herança filosófica
recebida pela Geografia. O que interessa por enquanto é que você
entenda que a força do pólo epistemológico racionalista sobre a definição
dos rumos da ciência moderna foi significativa, até o ponto de ele ser
proposto como o grande guia do próprio processo civilizatório que se
desenvolvia nos esforços marcados pela civilização ocidental. No entanto,
havia resistências que já se colocavam muito antes da aparente vitória
científico-racionalista do século XIX. Essas resistências é que podem
ser reunidas num outro pólo: o anti-racionalista. Resistência é mesmo
a palavra adequada, porque mostra que havia algo a ser combatido, no
caso, as propostas de universalização do método científico.
Elabore um quadro ou outra ilustração, procurando propor uma visualização das
principais características do pólo epistemológico racionalista. Este quadro deve ocupar uma
única página.
ConhecimentoGeográfico1
49
unidade 2
seção 3
A DUALIDADE EPISTEMOLÓGICA DA MODERNIDADE:
O PÓLO ANTI-RACIONALISTA
Você estudará nesta seção aspectos relacionados ao pólo anti-
racionalista. Ainda no século XVII, o mesmo século no qual Bacon, Galileu e
Descartes publicaram suas grandes obras, um cientista, pensador e filósofo,
lançou um primeiro e grande questionamento sobre a universalização
metodológica (CUNHA, 1997). Trata-se de Blaise Pascal (1623-1662).
Blaise Pascal nasceu em Clémont Ferrand, na França, e muito cedo começou a sua vida
de matemático. Publicou ensaios sobre geometria e inventou uma das primeiras máquinas
de calcular. Suas preocupações de cientista são ampliadas em direção à compreensão da
existência humana e o papel de Deus e da religião nesta existência.
Origens do anti-racionalismo moderno
Para entender este destaque dado à obra de Pascal (1973), você
deve refletir sobre algumas frases recolhidas por Cunha (1997, p. 32) na
principal obra deste pensador:
“- Quando comecei o estudo do homem, vi que essas ciências
abstratas [matemáticas e físicas] não lhe são próprias, e que me desviava
mais da minha condição penetrando-as, do que a outros ignorando-as;”
“- Dois excessos: excluir a razão, só admitir a razão;”
“- O coração tem suas razões, que a razão não conhece.”
Nessestrêspensamentosconstamalgunsaspectoscentraisquepodem
ser relacionados ao pólo epistemológico anti-racionalista. Em relação à
primeira afirmação, a questão da insuficiência e a inadaptabilidade do
método científico para compreender o homem e sua vida individual e
social. Sobre o segundo, o questionamento não do método em si mesmo,
mas tentativas de universalizá-lo. E o último, a defesa da necessidade
UniversidadeAbertadoBrasil
50
unidade 2
de se buscar alternativas à razão para compreender a natureza e a vida
humana. Como Pascal, uma série de outros pensadores, de uma forma ou
de outra, faziam questionamentos parecidos e ajudariam a dar vida própria
ao segundo pólo epistemológico da modernidade: o anti-racionalista.
Proposições fundamentais do pólo anti-racionalista
Inspirado em Gomes (1996), relacionam-se a seguir proposições
fundamentais deste pólo para que você possa refletir sobre elas:
- O pólo anti-racionalista é contemporâneo do racionalista e ambos
se consolidaram no “Século das Luzes” (século XVIII);
- as correntes anti-racionalistas não formam uma unidade, pois são
diversas;
- os anti-racionalistas têm um ponto em comum: o combate à
primazia da razão;
- a razão é um valor absoluto e universal para os racionalistas, mas
os anti-racionalistas consideram que a atribuição de valores às
coisas é sempre relativa e particular a cada período e cultura;
- contra o universalismo do saber racionalista valoriza-se o particular,
pois um fato só adquire significado no interior de um contexto
singular;
- alguns fenômenos não são pasíveis de apreensão por uma pura
abstração conceitual (racionalista) e não permitem que se chegue
às generalizações válidas;
- a ciência deve buscar o sentido das coisas e não apenas as
explicações;
- o racionalismo defende o distanciamento dos objetos, mas,
justamente,comisso,pode-seperderapossibilidadedecompreendê-
los;
- o sentimento, a empatia e a identidade podem superar o raciocínio
lógico como instrumentos epistemológicos;
-éprecisodesvendaraessênciadosfatos,osseussentidosprofundos,
e não apenas explicá-los pelas suas aparências;
- a ênfase fundamental na produção do conhecimento não deve ser
dada ao método, mas sim aos próprios conteúdos dos fenômenos;
- o saber e o conhecimento são funções da sensibilidade da
interpretação e não do método;
- combate à noção de progresso e sua proposta de desvalorização
ConhecimentoGeográfico1
51
unidade 2
da tradição;
- a tradição não é o correspondente a atraso, mas exprime o valor
do particular, do singular, do que é vivo e dinâmico e não como
representando o atraso;
- a subjetividade é um elemento incontornável na aquisição do
conhecimento, porque a objetividade, que pressupõe a separação
entre o sujeito e objeto, não serve à compreensão dos fenômenos
humanos e sociais.
Você percebeu que o conjunto desses argumentos mantém uma
coerência crítica em relação aos pressupostos científico-racionalistas.
Cada um destes argumentos vai subsidiar propostas anti-racionalistas
de diversas origens. Ao conjunto dessas propostas, Gomes destacou a
denominação de contracorrentes, conforme contido nesse texto:
“Filosofia da Natureza, Romantismo, Her-
menêutica e Fenomenologia são algumas
correntes mais importantes desta oposição (...)
estes movimentos não se estruturam em escolas
bem definidas. Contudo, na maioria dos casos,
pode-se identificar neste conjunto uma certa
convergência de pontos de vista advinda de uma
mesma oposição ao modelo racionalista clássico”
(GOMES, 1996, p. 95).
Você não deve ficar muito preocupado com a referência a mais um
conjunto de concepções de pensamento. O que interessa neste curso é
a influência desta herança filosófica na constituição do conhecimento
geográfico contemporâneo, que remonta ao século XIX, quando todas
estas correntes anti-racionalistas disputavam a consideração dos
cientistas, filósofos e pensadores com as correntes racionalistas. Mas a
influência deste dualismo epistemológico na Geografia é, justamente, o
assunto da próxima unidade.
Após estas
primeiras leituras
relativas aos
dois pólos, tente
se posicionar,
assumindo um
dos pólos, como
opção para
suas pesquisas.
Procure justificar
sua opção num
texto de no
máximo 10 linhas.
Elabore um quadro ou outra ilustração, procurando propor uma visualização das
principais características do pólo epistemológico racionalista. Este quadro deve ocupar uma
única página.
UniversidadeAbertadoBrasil
52
unidade 2
Você refletiu sobre o surgimento do método científico, que provocou a consolidação
do conhecimento de base científica, mas isso não ocorreu num ambiente intelectual com
ausência de debates e discussões. Muito pelo contrário, filósofos, cientistas e pensadores
confrontaram-se numa arena intelectual na qual se constituíram pelo menos duas tradições:
a dos racionalistas e a dos anti-racionalistas. Você pôde entender como essas discussões
influenciaram o surgimento e a consolidação das diversas ciências, inclusive a Geografia. É
isso, exatamente, o que será tratado na próxima unidade.
ConhecimentoGeográfico1
53
unidade 2
UniversidadeAbertadoBrasil
54
unidade 2
UNIDADEIII
Dualismo
epistemológico e
o conhecimento
geográfico
OBJETIVOS DE APRENDIZAGEM
Compreender a influência do debate epistemológico da modernidade na
formação da ciência geográfica;
Entender as relações entre correntes filosóficas e a consolidação da
Geografia como ciência moderna.
ROTEIRO DE ESTUDOS
SEÇÃO 1 – Tradição, modernidade e a formação da ciência geográfica
SEÇÃO 2 – Filosofia e Geografia: Kant, Herder e o conhecimento
geográfico moderno e contemporâneo
SEÇÃO 3 – Herança filosófica e consolidação de uma nova ciência: a
Geografia
UniversidadeAbertadoBrasil
56
unidade 3
seção 1
TRADIÇÃO, MODERNIDADE E A FORMAÇÃO
DA CIÊNCIA GEOGRÁFICA
Você estudou questões relacionadas às origens e consolidação
do pensamento científico na modernidade. As referências à Geografia
foram pontuais e pouco freqüentes. Nesta unidade, procura-se relacionar
o arcabouço geral abordado até agora com a questão específica de
constituição de uma ciência geográfica, representando um segmento
científico determinado e com teorias, conceitos e metodologias próprias.
O que interessa é a formação deste campo científico com interesses e
proposições que resultam numa nova Geografia, inserida na modernidade,
transformando-se verdadeiramente numa ciência moderna.
A modernidade e a Geografia
A modernidade que envolve o conhecimento geográfico define-lhe
uma nova forma de produzir este conhecimento, mantendo-se o conteúdo
que remonta à antigüidade. Além disso, a Geografia institucionaliza-
se como ciência, transformando-se em disciplina acadêmica e escolar.
Formam-se associações, institutos e sociedades científicas, as quais têm
o estudo das ciências geográficas como objetivo. Esse processo torna-se
marcante e inexorável a partir do século XIX e tem o continente europeu
como seu berço e ponto de irradiação para todo o mundo.
É essa época e lugar que interessa neste estudo. Certamente, a
Geografia, como saber e conhecimento que sempre interessou ao homem,
não começou neste século, mas é tão antigo quanto o próprio homem
sobre a Terra. Mas o conhecimento geográfico não vai ser abordado
aqui em toda a sua riqueza e detalhes. Inicia-se esta seção, resgatando
apenas as tradições que vêm desde a antigüidade e que deixaram suas
marcas decisivas na própria constituição da Geografia como ciência que
se consolida ao se adaptar ao projeto da modernidade. Essas tradições
remontam às obras de Ptolomeu e Estrabão.
ConhecimentoGeográfico1
57
unidade 3
Cláudio Ptolomeu nasceu na cidade de Ptololemaida, na Hérnia, que é banhada
pelo Rio Nilo, no Egito, no início do século II d.C.. Ptolomeu criou o sistema geocêntrico ou
o geocentrismo, que defendia ser a Terra o centro do Universo. Essa teoria foi aceita por
14 séculos, sob a aprovação da Igreja Católica. Além disso, ele “fez uma síntese de todo
conhecimento grego e distinguiu Cosmografia de Geografia e Corografia. A primeira, volta-se
para o estudo do Universo, a segunda, para o estudo da Terra como um todo e a terceira diz
respeito ao estudo de suas partes”(LENCIONI, 1999, p.42). Estrabão nasceu na Amásia, na
Ásia Menor. Há controvérsias sobre as datas de nascimento e morte, mas há referências de
que ele viveu de 63 a.C. à 25 d.C. Escreveu uma obra intitulada “Geografia” em 17 volumes.
Dessa imensa obra, apenas o sétimo volume se perdeu. Ele inicia sua Geografia fazendo uma
revisão crítica do conhecimento geográfico acumulado até aquele momento e, na seqüência,
aborda a Geografia matemática, mas, nos outros 15 volumes, dedica-se a estudar o ecúmeno
e toda a vida humana nele presente, dividindo-o “em regiões, com suas histórias, costumes,
economia e instituições” (LENCIONI, 1999, p.45). Além deste capítulo do livro de Lencioni
(1999), você poderá encontrar um histórico sobre a evolução do pensamento geográfico da
Antigüidade até as Idades Moderna e Contemporânea na obra de Sodré (1978).
Início da Geografia moderna
Ptolomeu e Estrabão foram os pensadores que proporcionaram as
bases para o desenvolvimento do projeto de uma Geografia moderna
independente. Essa relação começou a partir da constatação de que a
Geografia moderna, como todas as outras ciências, não se iniciou com a
modernidade. Você já deve ter lido várias vezes, ao estudar a história das
mais diversas ciências, a seguinte expressão: “o pai de tal ciência...”, e aí
se faz uma referência a um filósofo qualquer da Antigüidade! Em outras
palavras, os pais de todas as ciências viveram na Antigüidade.
O que aconteceu, a partir do advento da formação da ciência
moderna, com os seus métodos e os seus pressupostos epistemológicos
cientifico - racionalistas, foi a adaptação de todos os campos do saber
humano a esses novos pressupostos. Isso provocou a reinvenção destes
diferentes conjuntos de conhecimentos, delimitados como ciências
específicas e modernas. Com a Geografia não foi diferente. Nesse caso, o
rompimento com a ordem medieval, no contexto renascentista, resultou
em dois pontos de partida a partir dos quais a Geografia tomou novos
rumos (GOMES, 1996, p.127):
UniversidadeAbertadoBrasil
58
unidade 3
- o surgimento de um novo modelo cosmológico;
- a adoção da Antigüidade Clássica como fonte principal de
inspiração.
O novo sistema cosmológico é o heliocentrismo, que substitui o
geocentrismo de Ptolomeu, que representava o conhecimento do Universo
e que foi considerado praticamente como dogma pela poderosa Igreja
Católica medieval. O criador do heliocentrismo foi Nicolau Copérnico,
que propôs ser o Sol o centro do Universo e a Terra um astro que gira em
torno dele, ao contrário do geocentrismo.
A obra de Ptolomeu é retomada na modernidade e com ela sua
Geografia. O modelo ptolomaico era composto de uma Cosmografia
(Almageste) e de uma Geografia. A Geografia baseava-se em conjuntos de
mapas e estudos sobre a forma e dimensão da Terra, além da análise sobre
a localização de áreas específicas na superfície terrestre. Preocupava-
se em conceber uma ordem aos dados e informações conseguidas. Na
verdade, ele fazia mais Cartografia do que propriamente Geografia
(GOMES, 1996).
O sistema ptolomaico fundamenta-se numa preocupação com a
unidade terrestre e a recusa em produzir o conhecimento através apenas
de descrições de áreas da Terra (Corografia). A Geografia da modernidade
adota o modelo ptolomaico, no qual se destacam alguns procedimentos
(GOMES, 1996, p.129):
- discussão sobre a criação do mundo;
- estudos sobre a forma da Terra;
- análise dos círculos terrestres;
- identificação das zonas climáticas;
- pesquisas sobre a estrutura física da Terra.
A Geografia moderna
Toda esta discussão entre os pólos racionalistas e anti-racionalistas
influenciouaconstruçãodoconhecimentogeográfico.Nomesmocontexto,
o mundo conhecido ampliou-se. A África, as Américas e a Antártida foram
“descobertas”.
Imagine o impacto desta notícia: “o mundo que conhecemos é
muito maior do que pensávamos”. Então, passa a existir uma necessidade
ConhecimentoGeográfico1
59
unidade 3
de conhecer, descrever, comparar, informar, divulgar e explorar o Novo
Mundo. Contudo, nem todos os exploradores se contentaram apenas
em deixar suas “pegadas”, explorando ao máximo as preciosidades e
especiarias para enriquecer cada vez mais as metrópoles dominantes
num primeiro espasmo colonialista: Portugal, Espanha e Inglaterra.
Camões, em seus poemas, criava inspirado nestas “novas terras” e
na aventura que era navegar em busca destas descobertas. Mas esta visão
idílica dos descobrimentos durou pouco e logo começaram os extermínios,
a escravização e a exploração das riquezas animais, vegetais e minerais
do “Novo Mundo”.
A ciência geográfica foi fundamental neste período. Que ciência
serviria melhor para localizar e levantar os povos existentes, as riquezas,
se não a Geografia? Contudo, esta ciência, em vias de consolidação como
uma ciência moderna, precisava criar os seus instrumentos teóricos e
metodológicos para sistematizar os conhecimentos que acumulava. Foram
criados os seus princípios norteadores, como a extensão, a analogia e a
causalidade. Estes princípios são os responsáveis pela consolidação da
Geografia contemporânea (BARSA, 1977).
Princípios da Geografia contemporânea
Você deve conhecer não apenas os princípios, mas também os
seus criadores. Com isso, você poderá entender melhor a Geografia
tradicional:
O princípio da extensão foi definido por Friedrich Ratzel, e aplicá-lo
deveria ser a primeira preocupação do moderno geógrafo. Este princípio
consistia em localizar os fatos observados, determinando-lhes a área
geográfica e os mapeando convenientemente (BARSA, 1977).
O principio da analogia, também conhecido como princípio da
geografia geral, foi aplicado por Karl Ritter e, depois, largamente utilizado
por Vidal de la Blache e seus discípulos. Sua principal função consistia
em procurar as analogias entre um fato observado em uma determinada
área e outros em áreas diferentes, objetivando formar as Leis da Geografia
Geral.
Por fim, o princípio da causalidade, introduzido por Humboldt. Este
princípio consiste em procurar as causas e estudar as conseqüências dos
UniversidadeAbertadoBrasil
60
unidade 3
fatos observados (BARSA, 1977).
Apoiado em tais princípios, os geógrafos passaram a propor
outros como o princípio da unidade terrestre, que nega a existência
de fatos geográficos isolados, pois, por mais simples que sejam, há
sempre uma correlação ou dependência de fatores diversos, que se
encadeiam e obedecem a leis gerais; o princípio das relações entre a vida
e o meio geográfico, no qual todas as formas de vida existentes sobre
a Terra (vegetais, animais e o próprio homem) acham-se em constante
dependência do meio natural e cultural (BARSA, 1977).
Por último, o “princípio da atividade, que rejeita o caráter estático
dos fatos geográficos, admitindo seu permanente dinamismo, sua mutação
lenta ou rápida, conforme as circunstâncias, fato que se comprova em
relação às formas de relevo, aos tipos de climas, às paisagens vegetais, à
população, à ocupação do solo ou uso da terra, aos mercados e aos meios
de transporte”. (BARSA, 1977)
Geografia Geral
A sistematização do conhecimento geográfico, já presente na
Antigüidade, foi retomada, como cosmografias ou cosmogonias, mas
incorporando novos dados e informações e cálculos mais precisos
possibilitados por inovações tecnológicas e novas teorias científicas. O
que resulta disso tudo é o reforço do “mesmo modelo conhecido há muito
tempo” e a produção de “uma Imago Mundi moderna” (GOMES, 1996,
p. 129). Assim, “as cosmografias estão, pois, na origem da tradição que
define simultaneamente a escolha temática e confere uma metodologia
geral à geografia” (GOMES, 1996, p.129).
Ora, quando Gomes (1996) refere-se a uma “metodologia geral à
geografia”, o que se tem é a fundamentação metodológica da Geografia
Geral, que ainda hoje é considerada no próprio ensino da Geografia
no ensino básico. Você pode verificar isso ao identificar o conteúdo
Procure pesquisar esta informação em livros didáticos de Geografia dessas séries.
Essa abordagem geral da disciplina, que nos livros mais tradicionais, começa com
uma introdução aos conhecimentos astronômicos, passando por noções cartográficas,
abordando questões geológicas e de geografia física, até atingir aspectos da geografia
chamada humana, ainda domina a forma de se ensinar geografia.
ConhecimentoGeográfico1
61
unidade 3
As origens da Geografia Regional
A tradição liderada por Estrabão é muito relacionada ao gênero das
“narrativas de viagem”, que cresceu na modernidade com a “descoberta”
pelos europeus de novos continentes e povos. A descoberta do
“desconhecido” relacionada a um mundo de aventuras e epopéias insere-
se no imaginário da população européia e gera este gênero literário, e
também científico, que do início da modernidade chega até o século XIX
(GOMES, 1996, p.130). Por exemplo, o Brasil, também, sempre recebeu
viajantes estrangeiros, que narravam o que viam, e esses relatos tornaram-
se fontes indispensáveis para o conhecimento da história e geografia
brasileiras do período colonial.
Procure fazer uma pesquisa na internet e/ou em enciclopédias sobre os “viajantes estrangeiros no
Brasil”. Use essa expressão para iniciar a pesquisa. Como você sabe, faz 200 anos que a família
real portuguesa chegou ao Brasil e com ela vieram artistas e cientistas europeus que passaram a
estudar e pintar a Geografia brasileira. Dom Pedro II também incentivou estas visitas. Aproveitando
esse fato histórico, leia e discuta com seus colegas alguns relatos de viagens, de preferência aqueles
relacionados à região na qual você estuda. Um viajante importante para a região sul foi Saint-Hilaire.
Geografia Geral e Geografia Regional
Parece evidente que a tradição legada por Estrabão forneceu o
modelo básico da abordagem regional na Geografia e pode ser considerada
a precursora da chamada Geografia Regional.
Considerando as duas tradições, a de Ptolomeu e a de Estrabão,
pode-se classificar a primeira de matemático-cartográfica, e a segunda de
histórico-descritiva. Na verdade, o uso integrado dessas duas tradições
não foi raro e se pode afirmar que “a geografia moderna se propõe a ser a
união dessas duas tendências” (GOMES, 1999, p.131). Esse mesmo autor
analisou o que significou essa integração para a formação de uma ciência
geográfica moderna:
“É então possível afirmar que existia já nessas
programático da Geografia na 5ª série do ensino fundamental e na 1ª
série do ensino médio.
UniversidadeAbertadoBrasil
62
unidade 3
Dicotomias da Geografia
Oimportantenesteitemérelacionaraconsolidaçãodasduasgeografias
(Geografia Geral e Regional) e o enriquecimento teórico-conceitual que
foi se operando na Geografia moderna. A Geografia Geral, por exemplo,
sustenta-se num conceito de espaço visto como aquele que pode concretizar
a abordagem científica da unidade terrestre.
A análise do pensamento geográfico, até bem recentemente, não
relacionou esta dualidade na estruturação da ciência geográfica moderna
com a dualidade epistemológica da modernidade, conforme considerada
nas seções anteriores deste fascículo. Veja-se, por exemplo, Christofoletti
(1982, p. 13), que afirma: “o designativo geral não se referia ao conceito da
metodologia científica de procurar generalizações ou leis, mas se baseava no
princípio da unidade terrestre”.
A abordagem que se prioriza neste livro destaca, por outro lado, que
esta dicotomia fundadora da Geografia moderna pode estar relacionada ao
debate científico geral, no qual se destacam também duas propostas possíveis
para operacionalizar o método científico (GOMES, 1996, p. 132):
- método nomotético: 1º) observação de fatos regulares; 2º) buscar
generalizações, utilizando a capacidade de representação racional e
desconsiderando contextos particulares;
tentativas de integração uma maneira de conceber
a geografia como uma relação entre a organização
geral do mundo e sua imagem, de um lado, e a
fisionomia particular de algumas de suas partes,
de outro. Esta concepção é talvez a origem da
aproximação retida pelos manuais tradicionais
de geografia moderna, que fazem figurar em
geral uma cosmografia seguida de descrições
regionais” (GOMES, 1996, p. 130).
O que se tem é um modelo dual consolidado da ciência geográfica
moderna, no qual se conformam duas geografias: a Geografia Geral e a
Geografia Regional. A integração, embora sempre tenha sido perseguida,
nunca aconteceu de uma forma que se pudessem integrar teorias,
conceitos e metodologias. A integração destas duas geografias sobrevivia
de forma mecanicista e funcional. É assim que ela foi levada ao mundo
acadêmico e aos manuais escolares.
Procure pesquisar
nos livros didáticos
com os quais
você estudou
ou tem acesso,
em quais séries
existem conteúdos
de Geografia
Regional. Tente
também analisar se
esses conteúdos
realmente se
integram aos de
Geografia Geral.
Você poderá
verificar se, de fato,
tais conteúdos estão
bem integrados.
ConhecimentoGeográfico1
63
unidade 3
- método ideográfico: 1º) considerar estudo de casos específicos,
únicos e não-redutíveis; 2º) apreendê-los como casos específicos que são.
Considerando esta relação bastante plausível entre a Geografia
e a ciência em geral, Gomes (1996, p. 132) conclui, afirmando que “a
tradição geográfica anterior ao advento da ciência moderna é também
interpretada entre um saber racionalista, geral e objetivo e um outro que
repousa sobre a descrição do particular”.
Dualidade epistemológica e dualidades geográficas
É possível relacionar a dualidade epistemológica entre racionalistas
e anti-racionalistas a outra dicotomia que aparece na Geografia moderna,
ligada a mais duas outras geografias: a Geografia Física e a Geografia
Humana. Nesse caso, a abordagem científico-racionalista mostra a
Geografia Física como um campo “amigável” de aplicação dos seus
pressupostos. Afinal, os diversos segmentos considerados neste grande
ramo da ciência geográfica reportam-se às “ciências puras”: físicas,
químicas e naturais. Tempo, clima, rochas, solos, relevo, rios, mares,
oceanos e vegetações integram-se, formando aquilo que se chama de
natureza, que é o objeto geral de todas estas ciências que se utilizam
produtivamente do método científico.
Por outro lado, a Geografia Humana tem por interesse o estudo das
sociedades e comunidades humanas, considerando o contexto físico e
cultural que envolve estas sociedades e comunidades.
Geografia Humana
Os estudos de Geografia Humana se depararam, inicialmente,
e quase que exclusivamente, com sociedades agrárias, fortemente
integradas ao seu meio geográfico, o que resultava num padrão muito
diverso de “gêneros de vida” espalhados pelo espaço geográfico dos vários
continentes. A Geografia Humana beneficiava-se por um processo que
vai estar relacionado à evolução de todas as ciências sociais e humanas e
que se pode sintetizar da seguinte forma:
“As chamadas ciências sociais e humanas
ensinaram ao mundo relativizar, a ser
Conhecimento geografico i
Conhecimento geografico i
Conhecimento geografico i
Conhecimento geografico i
Conhecimento geografico i
Conhecimento geografico i
Conhecimento geografico i
Conhecimento geografico i
Conhecimento geografico i
Conhecimento geografico i
Conhecimento geografico i
Conhecimento geografico i
Conhecimento geografico i
Conhecimento geografico i
Conhecimento geografico i
Conhecimento geografico i
Conhecimento geografico i
Conhecimento geografico i
Conhecimento geografico i
Conhecimento geografico i
Conhecimento geografico i
Conhecimento geografico i

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Relatório Final Extensão 2010
Relatório Final Extensão 2010Relatório Final Extensão 2010
Relatório Final Extensão 2010jornalfensg
 
Apresentação do programa mais educação
Apresentação do programa mais educaçãoApresentação do programa mais educação
Apresentação do programa mais educaçãoederluiz82
 
TCC Gestão Cultural Cultura e Educação em Textos
TCC Gestão Cultural   Cultura e Educação em TextosTCC Gestão Cultural   Cultura e Educação em Textos
TCC Gestão Cultural Cultura e Educação em TextosMauricio Santosh
 
Gcd atividade 3 - apresentação slide - conhecendo a cead - final jvt
Gcd   atividade 3 - apresentação slide - conhecendo a cead - final jvtGcd   atividade 3 - apresentação slide - conhecendo a cead - final jvt
Gcd atividade 3 - apresentação slide - conhecendo a cead - final jvtJovert Freire
 
Ensalamento apresentação de trabalhos
Ensalamento   apresentação de trabalhosEnsalamento   apresentação de trabalhos
Ensalamento apresentação de trabalhosEduardo Css
 
Prática pedagógica renovada ago 2013
Prática pedagógica renovada ago 2013Prática pedagógica renovada ago 2013
Prática pedagógica renovada ago 2013Neilane Viana
 
Dissertacao lusofona-francirene
Dissertacao lusofona-francireneDissertacao lusofona-francirene
Dissertacao lusofona-francireneDaniele Reis
 
Apresentação projovem campo ufc
Apresentação projovem campo ufcApresentação projovem campo ufc
Apresentação projovem campo ufcprojovemcampoufc
 
16293 texto do artigo-209209234335-1-10-20210410
16293 texto do artigo-209209234335-1-10-2021041016293 texto do artigo-209209234335-1-10-20210410
16293 texto do artigo-209209234335-1-10-20210410revistas - UEPG
 
Folder da chapa Mudar para Fortalecer o PPGED
Folder da chapa Mudar para Fortalecer o PPGEDFolder da chapa Mudar para Fortalecer o PPGED
Folder da chapa Mudar para Fortalecer o PPGEDmudarparafortaleceroppged
 
Universidade Aberta Do Brasil: Lições Aprendidas com a Tutoria
Universidade Aberta Do Brasil: Lições Aprendidas com a TutoriaUniversidade Aberta Do Brasil: Lições Aprendidas com a Tutoria
Universidade Aberta Do Brasil: Lições Aprendidas com a Tutoriakarine
 

Mais procurados (14)

Climatologia ii
Climatologia iiClimatologia ii
Climatologia ii
 
Relatório Final Extensão 2010
Relatório Final Extensão 2010Relatório Final Extensão 2010
Relatório Final Extensão 2010
 
Apresentação do programa mais educação
Apresentação do programa mais educaçãoApresentação do programa mais educação
Apresentação do programa mais educação
 
TCC Gestão Cultural Cultura e Educação em Textos
TCC Gestão Cultural   Cultura e Educação em TextosTCC Gestão Cultural   Cultura e Educação em Textos
TCC Gestão Cultural Cultura e Educação em Textos
 
Gcd atividade 3 - apresentação slide - conhecendo a cead - final jvt
Gcd   atividade 3 - apresentação slide - conhecendo a cead - final jvtGcd   atividade 3 - apresentação slide - conhecendo a cead - final jvt
Gcd atividade 3 - apresentação slide - conhecendo a cead - final jvt
 
Ensalamento apresentação de trabalhos
Ensalamento   apresentação de trabalhosEnsalamento   apresentação de trabalhos
Ensalamento apresentação de trabalhos
 
Prática pedagógica renovada ago 2013
Prática pedagógica renovada ago 2013Prática pedagógica renovada ago 2013
Prática pedagógica renovada ago 2013
 
Otm edu..
Otm   edu..Otm   edu..
Otm edu..
 
Dissertacao lusofona-francirene
Dissertacao lusofona-francireneDissertacao lusofona-francirene
Dissertacao lusofona-francirene
 
Vol38
Vol38Vol38
Vol38
 
Apresentação projovem campo ufc
Apresentação projovem campo ufcApresentação projovem campo ufc
Apresentação projovem campo ufc
 
16293 texto do artigo-209209234335-1-10-20210410
16293 texto do artigo-209209234335-1-10-2021041016293 texto do artigo-209209234335-1-10-20210410
16293 texto do artigo-209209234335-1-10-20210410
 
Folder da chapa Mudar para Fortalecer o PPGED
Folder da chapa Mudar para Fortalecer o PPGEDFolder da chapa Mudar para Fortalecer o PPGED
Folder da chapa Mudar para Fortalecer o PPGED
 
Universidade Aberta Do Brasil: Lições Aprendidas com a Tutoria
Universidade Aberta Do Brasil: Lições Aprendidas com a TutoriaUniversidade Aberta Do Brasil: Lições Aprendidas com a Tutoria
Universidade Aberta Do Brasil: Lições Aprendidas com a Tutoria
 

Semelhante a Conhecimento geografico i

Sociologia da educacao
Sociologia da educacaoSociologia da educacao
Sociologia da educacaoMagno Oliveira
 
Fundamentos matematica Elementar
Fundamentos matematica ElementarFundamentos matematica Elementar
Fundamentos matematica ElementarElcio Domingues
 
Metodologia cientifica
Metodologia cientificaMetodologia cientifica
Metodologia cientificaMagno Oliveira
 
Relatório xix enapet_2014_-_práxis_erechim
Relatório xix enapet_2014_-_práxis_erechimRelatório xix enapet_2014_-_práxis_erechim
Relatório xix enapet_2014_-_práxis_erechimJoviana Vedana da Rosa
 
Plano de gestao 2014 2017 final-pdf
Plano de gestao 2014 2017 final-pdfPlano de gestao 2014 2017 final-pdf
Plano de gestao 2014 2017 final-pdfRonilson Santos
 
Educacao a distancia_pedagogia
Educacao a distancia_pedagogiaEducacao a distancia_pedagogia
Educacao a distancia_pedagogiaMagno Oliveira
 
Caderno do professor de geografia vol1 8ª série 9º ano
Caderno do professor de geografia vol1 8ª série 9º anoCaderno do professor de geografia vol1 8ª série 9º ano
Caderno do professor de geografia vol1 8ª série 9º anoNeide Marques
 
Caderno do professor 2014_vol1_baixa_ch_geografia_ef_8s_9a
Caderno do professor 2014_vol1_baixa_ch_geografia_ef_8s_9aCaderno do professor 2014_vol1_baixa_ch_geografia_ef_8s_9a
Caderno do professor 2014_vol1_baixa_ch_geografia_ef_8s_9aprofessora de geografia
 
Didaticgeoaula10
Didaticgeoaula10Didaticgeoaula10
Didaticgeoaula10Ana Beatriz
 
Educação em tempo integral
Educação em tempo integralEducação em tempo integral
Educação em tempo integralVerbo Educacional
 
exercícios vestibular.pdf
exercícios vestibular.pdfexercícios vestibular.pdf
exercícios vestibular.pdfGilson Moura
 

Semelhante a Conhecimento geografico i (20)

Filosofia da educacao
Filosofia da educacaoFilosofia da educacao
Filosofia da educacao
 
Sociologia da educacao
Sociologia da educacaoSociologia da educacao
Sociologia da educacao
 
Fundamentos matematica Elementar
Fundamentos matematica ElementarFundamentos matematica Elementar
Fundamentos matematica Elementar
 
Metodologia cientifica
Metodologia cientificaMetodologia cientifica
Metodologia cientifica
 
Geografia economica i
Geografia economica iGeografia economica i
Geografia economica i
 
Manual dos Feras 2016.1
Manual dos Feras 2016.1 Manual dos Feras 2016.1
Manual dos Feras 2016.1
 
Polo uab sapucaia
Polo uab sapucaiaPolo uab sapucaia
Polo uab sapucaia
 
Relatório xix enapet_2014_-_práxis_erechim
Relatório xix enapet_2014_-_práxis_erechimRelatório xix enapet_2014_-_práxis_erechim
Relatório xix enapet_2014_-_práxis_erechim
 
Metodologia do Ensino de Historia
Metodologia do Ensino de HistoriaMetodologia do Ensino de Historia
Metodologia do Ensino de Historia
 
Plano de gestao 2014 2017 final-pdf
Plano de gestao 2014 2017 final-pdfPlano de gestao 2014 2017 final-pdf
Plano de gestao 2014 2017 final-pdf
 
Educacao a distancia_pedagogia
Educacao a distancia_pedagogiaEducacao a distancia_pedagogia
Educacao a distancia_pedagogia
 
Caderno do professor de geografia vol1 8ª série 9º ano
Caderno do professor de geografia vol1 8ª série 9º anoCaderno do professor de geografia vol1 8ª série 9º ano
Caderno do professor de geografia vol1 8ª série 9º ano
 
Caderno do professor 2014_vol1_baixa_ch_geografia_ef_8s_9a
Caderno do professor 2014_vol1_baixa_ch_geografia_ef_8s_9aCaderno do professor 2014_vol1_baixa_ch_geografia_ef_8s_9a
Caderno do professor 2014_vol1_baixa_ch_geografia_ef_8s_9a
 
Didaticgeoaula10
Didaticgeoaula10Didaticgeoaula10
Didaticgeoaula10
 
Didatica geral
Didatica geralDidatica geral
Didatica geral
 
Didatica geral
Didatica geralDidatica geral
Didatica geral
 
Geometria plana
Geometria planaGeometria plana
Geometria plana
 
Educação em tempo integral
Educação em tempo integralEducação em tempo integral
Educação em tempo integral
 
Planos de Estudos da EJA - Escola Adolfo Fetter 2015
Planos de Estudos da EJA - Escola Adolfo Fetter   2015Planos de Estudos da EJA - Escola Adolfo Fetter   2015
Planos de Estudos da EJA - Escola Adolfo Fetter 2015
 
exercícios vestibular.pdf
exercícios vestibular.pdfexercícios vestibular.pdf
exercícios vestibular.pdf
 

Mais de Patrícia Éderson Dias

Processos Migratórios e a Crise dos Refugiados
Processos Migratórios e a Crise dos RefugiadosProcessos Migratórios e a Crise dos Refugiados
Processos Migratórios e a Crise dos RefugiadosPatrícia Éderson Dias
 
Psicologia e educação interlocuções e possibilidades
Psicologia e educação  interlocuções e possibilidadesPsicologia e educação  interlocuções e possibilidades
Psicologia e educação interlocuções e possibilidadesPatrícia Éderson Dias
 
Metodologia da pesquisa em ciências da educação
Metodologia da pesquisa em ciências da educação Metodologia da pesquisa em ciências da educação
Metodologia da pesquisa em ciências da educação Patrícia Éderson Dias
 
Livro Fundamentos da Educação Infantil
Livro Fundamentos da Educação InfantilLivro Fundamentos da Educação Infantil
Livro Fundamentos da Educação InfantilPatrícia Éderson Dias
 
Tendencias e perspectivas do ensino de história
Tendencias e perspectivas do ensino de históriaTendencias e perspectivas do ensino de história
Tendencias e perspectivas do ensino de históriaPatrícia Éderson Dias
 
A utilizacao dos documentos historicos em sala de aula
A utilizacao dos documentos historicos em sala de aulaA utilizacao dos documentos historicos em sala de aula
A utilizacao dos documentos historicos em sala de aulaPatrícia Éderson Dias
 
Normas ABNT Apresentação de trabalhos acadêmicos
Normas ABNT Apresentação de trabalhos acadêmicosNormas ABNT Apresentação de trabalhos acadêmicos
Normas ABNT Apresentação de trabalhos acadêmicosPatrícia Éderson Dias
 

Mais de Patrícia Éderson Dias (20)

Processos Migratórios e a Crise dos Refugiados
Processos Migratórios e a Crise dos RefugiadosProcessos Migratórios e a Crise dos Refugiados
Processos Migratórios e a Crise dos Refugiados
 
Climatologia i
Climatologia iClimatologia i
Climatologia i
 
Psicologia e educação interlocuções e possibilidades
Psicologia e educação  interlocuções e possibilidadesPsicologia e educação  interlocuções e possibilidades
Psicologia e educação interlocuções e possibilidades
 
Política educacional
Política educacional Política educacional
Política educacional
 
Metodologia da pesquisa em ciências da educação
Metodologia da pesquisa em ciências da educação Metodologia da pesquisa em ciências da educação
Metodologia da pesquisa em ciências da educação
 
Literatura infantil
Literatura infantilLiteratura infantil
Literatura infantil
 
Linguagem e alfabetização
Linguagem e alfabetizaçãoLinguagem e alfabetização
Linguagem e alfabetização
 
Leitura e produção de texto
Leitura e produção de texto Leitura e produção de texto
Leitura e produção de texto
 
Historia da Educação Brasileira
Historia da Educação BrasileiraHistoria da Educação Brasileira
Historia da Educação Brasileira
 
Livro Fundamentos da Educação Infantil
Livro Fundamentos da Educação InfantilLivro Fundamentos da Educação Infantil
Livro Fundamentos da Educação Infantil
 
Fosolofia na Educação
Fosolofia na EducaçãoFosolofia na Educação
Fosolofia na Educação
 
Livro de Didatica
Livro de DidaticaLivro de Didatica
Livro de Didatica
 
Divisão dos períodos da História
Divisão dos períodos da HistóriaDivisão dos períodos da História
Divisão dos períodos da História
 
Tendencias e perspectivas do ensino de história
Tendencias e perspectivas do ensino de históriaTendencias e perspectivas do ensino de história
Tendencias e perspectivas do ensino de história
 
Introdução ao estudo da história
Introdução ao estudo da históriaIntrodução ao estudo da história
Introdução ao estudo da história
 
Ética moral e valores
Ética moral e valoresÉtica moral e valores
Ética moral e valores
 
Consumismo
ConsumismoConsumismo
Consumismo
 
Conceito de meio ambiente
Conceito de meio ambienteConceito de meio ambiente
Conceito de meio ambiente
 
A utilizacao dos documentos historicos em sala de aula
A utilizacao dos documentos historicos em sala de aulaA utilizacao dos documentos historicos em sala de aula
A utilizacao dos documentos historicos em sala de aula
 
Normas ABNT Apresentação de trabalhos acadêmicos
Normas ABNT Apresentação de trabalhos acadêmicosNormas ABNT Apresentação de trabalhos acadêmicos
Normas ABNT Apresentação de trabalhos acadêmicos
 

Último

ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfManuais Formação
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasRicardo Diniz campos
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfPastor Robson Colaço
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxIsabelaRafael2
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOColégio Santa Teresinha
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfAdrianaCunha84
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduraAdryan Luiz
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024Jeanoliveira597523
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfIedaGoethe
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasCassio Meira Jr.
 

Último (20)

ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
Em tempo de Quaresma .
Em tempo de Quaresma                            .Em tempo de Quaresma                            .
Em tempo de Quaresma .
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditadura
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
 

Conhecimento geografico i

  • 1. pONTA gROSSA - PARANÁ 2009 EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Karin Linete Hornes Luiz Alexandre Gonçalves Cunha Licenciatura em GeografiaCONHECIMENTO GEOGRÁFICO 1
  • 2. UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA Núcleo de Tecnologia e Educação Aberta e a Distância - NUTEAD Av. Gal. Carlos Cavalcanti, 4748 - CEP 84030-900 - Ponta Grossa - PR Tel.: (42) 3220-3163 www.nutead.uepg.br 2009 Todos os direitos reservados ao Ministério da Educação Sistema Universidade Aberta do Brasil Pró-Reitoria de Assuntos Administrativos Ariangelo Hauer Dias - Pró-Reitor Pró-Reitoria de Graduação Graciete Tozetto Góes - Pró-Reitor Divisão de Educação a Distância e de Programas Especiais Maria Etelvina Madalozzo Ramos - Chefe Núcleo de Tecnologia e Educação Aberta e a Distância Leide Mara Schmidt - Coordenadora Geral Cleide Aparecida Faria Rodrigues - Coordenadora Pedagógica Sistema Universidade Aberta do Brasil Hermínia Regina Bugeste Marinho - Coordenadora Geral Cleide Aparecida Faria Rodrigues - Coordenadora Adjunta Edu Silvestre de Albuquerque - Coordenador de Curso Colaborador Financeiro Luiz Antonio Martins Wosiak Colaboradora de Planejamento Silviane Buss Tupich CRÉDITOS João Carlos Gomes Reitor Carlos Luciano Sant’ana Vargas Vice-Reitor Colaboradores de Informática Carlos Alberto Volpi Carmen Silvia Simão Carneiro Adilson de Oliveira Pimenta Júnior Juscelino Izidoro de Oliveira Júnior Osvaldo Reis Júnior Kin Henrique Kurek Thiago Luiz Dimbarre Thiago Nobuaki Sugahara Colaboradores em EAD Dênia Falcão de Bittencourt Jucimara Roesler Colaboradores de Publicação Denise Galdino de Oliveira - Revisão Janete Aparecida Luft - Revisão Eloise Guenther - Diagramação Luan Dione Rein - Diagramação Paulo Henrique de Ramos - Ilustração Colaboradores Operacionais Edson Luis Marchinski Joanice de Jesus Küster de Azevedo João Márcio Duran Inglêz Maria Clareth Siqueira Mariná Holzmann Ribas H816c Hornes, Karin Linete Conhecimento geográfico 1/ Karin Linete Hornes e Luiz Alexandre Gonçalves Cunha. Ponta Grossa : Ed.UEPG, 2009. 83p. il. Licenciatura em Geografia - Educação a distância. 1. Conhecimento Geográfico. 2. Filosofia - ciência moderna. 3. Epistemologia e modernidade. 4. Dualismo Geográfico. I. Cunha, Luiz Alexandre Gonçalves. II T. CDD : 910.01 Ficha catalográfica elaborada pelo Setor de Processos Técnicos BICEN/UEPG.
  • 3. APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL Prezado estudante Inicialmente queremos dar-lhe as boas-vindas à nossa instituição e ao curso que escolheu. Agora, você é um acadêmico da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG), uma renomada instituição de ensino superior que tem mais de cinqüenta anos de história no Estado do Paraná, e participa de um amplo sistema de formação superior criado pelo Ministério da Educação (MEC) em 2005, denominado Universidade Aberta do Brasil (UAB). O Sistema Universidade Aberta do Brasil (UAB) não propõe a criação de uma nova instituição de ensino superior, mas sim, a articulação das instituições públicas já existentes, possibilitando levar ensino superior público de qualidade aos municípios brasileiros que não possuem cursos de formação superior ou cujos cursos ofertados não são suficientes para atender a todos os cidadãos. Sensível à necessidade de democratizar, com qualidade, os cursos superiores em nosso país, a Universidade Estadual de Ponta Grossa participou do Edital de Seleção UAB nº 01/2006-SEED/MEC/2006/2007 e foi contemplada para desenvolver seis cursos de graduação e quatro cursos de pós-graduação na modalidade a distância. Isso se tornou possível graças à parceria estabelecida entre o MEC, a CAPES e as universidades brasileiras, bem como porque a UEPG, ao longo de sua trajetória, vem acumulando uma rica tradição de ensino, pesquisa e extensão e se destacando também na educação a distância. A UEPG é credenciada pelo MEC, conforme Portaria nº 652, de 16 de março de 2004, para ministrar cursos superiores (de graduação, seqüenciais, extensão e pós- graduação lato sensu) na modalidade a distância. Os nossos programas e cursos de EaD, apresentam elevado padrão de qualidade e têm contribuído, efetivamente, para a democratização do saber universitário, destacando- se o trabalho que desenvolvemos na formação inicial e continuada de professores. Este curso não será diferente dos demais, pois a qualidade é um compromisso da Instituição em todas as suas iniciativas. Os cursos que ofertamos, no Sistema UAB, utilizam metodologias, materiais e mídias próprios da educação a distância que, além de facilitarem o aprendizado, permitirão constante interação entre alunos, tutores, professores e coordenação. Este curso foi elaborado pensando na formação de um professor competente, no seu saber, no seu saber fazer e no seu fazer saber. Também foram contemplados aspectos éticos e políticos essenciais à formação dos profissionais da educação. Esperamos que você aproveite todos os recursos que oferecemos para facilitar o seu processo de aprendizagem e que tenha muito sucesso na trajetória que ora inicia. Mas, lembre-se: você não está sozinho nessa jornada, pois fará parte de uma ampla rede colaborativa e poderá interagir conosco sempre que desejar, acessando nossa Plataforma Virtual de Aprendizagem (MOODLE) ou utilizando as demais mídias disponíveis para nossos alunos e professores. Nossa equipe terá o maior prazer em atendê-lo, pois a sua aprendizagem é o nosso principal objetivo. EQUIPE DA UAB/UEPG
  • 4.
  • 5. SUMÁRIO PALAVRAS DOs PROFESSO■■ Res 7 OBJETIVOS e ement■■ a 9 DA FILOSOFIA À CIÊNCIA MODERNA 11 seção■■ 1- A FILOSOFIA NO PERÍODO PRÉ-CIENTÍFICO 12 seção■■ 2- A CONSTITUIÇÃO DO CONHECIMENTO CIENTÍFICO 21 seção■■ 3- FILOSOFIA E CIÊNCIA NO PERÍODO CIENTÍFICO 28 EPISTEMOLOGIA E MODERNIDADE 37 seção■■ 1- PARA ENTENDER O DEBATE EPISTEMOLÓGICO DA MODERNIDADE 38 seção■■ 2- A DUALIDADE EPISTEMOLÓGICA DA MODERNIDADE: O PÓLO RACIONALISTA 43 seção■■ 3- A DUALIDADE EPISTEMOLÓGICA DA MODERNIDADE: O PÓLO ANTI- RACIONALISTA 49 DUALISMO EPISTEMOLÓGICO E O CONHECIMENTO GEOGRÁFICO 55 seção■■ 1- TRADIÇÃO, MODERNIDADE E A FORMAÇÃO DA CIÊNCIA GEOGRÁFICA 56 seção■■ 2- FILOSOFIA E GEOGRAFIA: KANT, HERDER E O CONHECIMENTO GEOGRÁFICO MODERNO E CONTEMPORÂNEO 65 seção■■ 3- HERANÇA FILOSÓFICA E CONSOLIDAÇÃO DE UMA NOVA CIÊNCIA: A GEOGRAFIA 68 PALAVRAS FINAI■■ S 81 REFERÊNCIAS■■ 83 NOTAS SOBRE OS AUTO■■ RES 85
  • 6.
  • 7. PALAVRAS DOs PROFESSORes Caro (a) Aluno (a) Seja bem vindo a disciplina de Conhecimento Geográfico I. Esse livro foi elaborado com o objetivo de lhe apresentar o surgimento e a evolução do conhecimento científico e do conhecimento geográfico. Neste momento, você está sendo convidado a fazer uma viagem pela história da ciência em geral e da Geografia em particular. Esta viagem inicia-se com estudos introdutórios da filosofia na Grécia antiga, passa pela Idade Média, prossegue pelo período da modernidade até atingir o século XIX. Durante este percurso, você está sendo convidado a entender como o conhecimento geográfico transformou-se num campo científico moderno e alinhado ao processo que também consolidou as demais ciências. Não temos tempo a perder, pois o caminho é longo e difícil, mas quando chegar ao fim, você estará preparado para aproveitar os conhecimentos que lhes serão proporcionados no curso que você está iniciando. Vamos conhecer como será sua viagem? Na primeira unidade deste livro, você estudará a filosofia que nasceu na Grécia durante a antiguidade. O objetivo é buscar na filosofia clássica os elementos que poderão ajudar você entender como essa filosofia influenciou o conhecimento filosófico europeu durante a Idade Média. Dessa forma, você poderá conhecer o processo que levou à consolidação do conhecimento científico a partir das transformações que atingiram o modelo metafísico de produzir conhecimento. Na unidade II, você constatará que a ciência moderna foi constituída num ambiente de muitas controvérsias e discussões. Racionalistas, empiristas e anti-racionalistas posicionaram-se em pelo menos dois pólos divergentes, os quais fundamentaram todo o debate epistemológico da modernidade. Na Unidade III, você compreenderá a formação do conhecimento geográfico como um processo que acompanhou a reestruturação da produção do conhecimento científico em geral. A Geografia consolidou-
  • 8. se com a ambição de ser mais uma das ciências formadas a partir do modelo e rigor do método científico, mas também apresentou tradições que procuraram contestar esse caminho dominante. Vamos começar nossa viagem? Seja bem-vindo e que seus estudos possam ser prazerosos e produtivos.
  • 9. Objetivos Ao longo desta disciplina você será capaz de: - Identificar o processo de transformação da filosofia que resultou no surgimento e consolidação da ciência moderna; - Estudar as discussões epistemológicas que forneceram as bases para a constituição da ciência geográfica; - Apreender a relação entre os fundamentos epistemológicos da ciência moderna e a consolidação do pensamento geográfico moderno e contemporâneo. Ementa Filosofia e ciência no período pré-capitalista; o surgimento da ciência moderna; o debate epistemológico; os pólos epistemológicos da modernidade; a formação da ciência geográfica. OBJETIVOS e ementa
  • 10.
  • 11. UNIDADEI Da Filosofia à Ciência Moderna OBJETIVOS DE APRENDIZAGEM Entender as diferenças entre o conhecimento de base filosófica e o conhecimento científico; Identificar a constituição do conhecimento científico como elemento fundamental da modernidade. ROTEIRO DE ESTUDOS SEÇÃO 1: A filosofia no período pré-científico SEÇÃO 2: A constituição do conhecimento científico SEÇÃO 3: Filosofia e ciência no período científico
  • 12. UniversidadeAbertadoBrasil 12 unidade 1 O que você acha de desenvolver mais sua capacidade de compreensão acerca da filosofia? Para tanto é imprescindível a leitura. Por isso, você poderá complementar seus estudos filosóficos lendo o livro “O mundo de Sofia” , de Jostein Gaarder (1995). O livro está disponível virtualmente para downloads no site http://br.geocities.com/mcrost08/index.htm PARA INÍCIO DE CONVERSA As bases da civilização ocidental atual podem ser relacionadas ao conhecimento filosófico que nasceu na Grécia alguns séculos antes de Cristo. Como a ciência produzida por esta civilização é um dos seus elementosfundamentais,vocêprecisaentenderosaspectosindispensáveis da filosofia grega que ajudam à compreensão do processo de constituição e consolidação desta ciência. A Unidade I procura abordar estes aspectos básicos e marca o início da viagem que você vai realizar a partir daqui. Você está pronto? Vamos dar a partida? seção 1 A FILOSOFIA NO PERÍODO PRÉ-CIENTÍFICO Você já pensou o que significa filosofar? É comum você ouvir esta expressão. Mas, afinal, o que é filosofia? Reflita e responda essa pergunta utilizando apenas os espaços correspondentes às três linhas reservadas para isto: ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ Para os gregos, filosofia significa “amor pela sabedoria”. Mas para você o significado pode ser outro. Lara (1991) exemplifica alguns
  • 13. ConhecimentoGeográfico1 13 unidade 1 significados mais comuns que são encontrados para a filosofia. Identifique qual deles se assemelha mais a sua opinião? - filosofia é atitude de vida de cada um; - filosofia é maneira subjetiva de ver a realidade; - filosofia é conhecimento teórico e abstrato; - filosofia é conhecimento que não se pode provar; Filosofia de vida Você já pode ter escutado alguém falar a respeito de “filosofia de vida”. Pois é, todos têm filosofias de vida e, como conseqüência, atitudes de vida diferentes. É comum as pessoas construírem sua “filosofia de vida” durante a adolescência. Ela é o resultado da sua reflexão, a respeito de si mesmo, e do mundo. Muitos são os fatores que podem influenciar na construção da “filosofia de vida” de cada um: a família; religião; cultura; Estado. Enfim, o meio em que se nasceu, se viveu e se construiu as relações. Em outras palavras, o contexto geográfico no qual cada um está inserido. Tudo isto interfere na concepção correspondente a “filosofia de vida”. Leia o poema de Carlos Drumond de Andrade e reflita sobre a questão da inquietação humana que o autor apresenta. O homem busca expandir a sua capacidade de replicar a sua forma de viver, mas não se preocupa em compreender efetivamente esse modelo de vida, que, de alguma forma, relaciona-se com o conjunto das “filosofias de vida” que, reunidas, formam as representações sociais que fornecem os padrões das diferentes sociedades e comunidades humanas. O Homem; as viagens O homem, bicho da Terra tão pequeno chateia-se na Terra lugar de muita miséria e pouca diversão, faz um foguete, uma cápsula, um módulo toca para a Lua desce cauteloso na Lua pisa na Lua planta bandeirola na Lua experimenta a Lua coloniza a Lua civiliza a Lua humaniza a Lua.
  • 14. UniversidadeAbertadoBrasil 14 unidade 1 Lua humanizada: tão igual à Terra. O homem chateia-se na Lua. Vamos para Marte — ordena a suas máquinas. Elas obedecem, o homem desce em Marte pisa em Marte experimenta coloniza civiliza humaniza Marte com engenho e arte. Marte humanizado, que lugar quadrado. Vamos a outra parte? Claro — diz o engenho sofisticado e dócil. Vamos a Vênus. O homem põe o pé em Vênus, vê o visto — é isto? idem idem idem. O homem funde a cuca se não for a Júpiter proclamar justiça junto com injustiça repetir a fossa repetir o inquieto repetitório. Outros planetas restam para outras colônias. O espaço todo vira Terra-a-terra. O homem chega ao Sol ou dá uma volta só para tever? Não-vê que ele inventa roupa insiderável de viver no Sol. Põe o pé e: mas que chato é o Sol, falso touro espanhol domado. Restam outros sistemas fora do solar a colonizar. Ao acabarem todos só resta ao homem (estará equipado?) a dificílima dangerosíssima viagem de si a si mesmo: pôr o pé no chão do seu coração
  • 15. ConhecimentoGeográfico1 15 unidade 1 experimentar colonizar civilizar humanizar o homem descobrindo em suas próprias inexploradas entranhas a perene, insuspeitada alegria de con-viver. FONTE: Carlos Drummond de Andrade. In As Impurezas do Branco José Olympio, 1973 Filosofia A filosofia não é única. Desde a antiguidade houve embates entres os conhecimentos do Oriente e do Ocidente. Outras civilizações como a Chinesa e a Indiana desenvolveram conjuntos amplos de pensamento reflexivo sobre o homem, a vida e a natureza, que se aproximam do discurso filosófico estruturado entre os ocidentais. Contudo, no Ocidente dominou a filosofia que provém dos Gregos. Você deve estar se perguntando o porquê de se estudar a filosofia dos gregos. A resposta é simples. A filosofia grega influenciou o rumo civilizatório ocidental de uma forma decisiva. Atualmente, com a globalização, é possível conhecer as outras formas de pensamento e praticá-las em qualquer lugar do planeta. Algumas formas de filosofia oriental podem estar implícitas nas religiões tidas como ocidentais, inclusive as cristãs, mas também em “filosofias de vida”, vistas como bastante originais. Inclusive, o cristianismo possui diversas influências gregas. A globalização, como processo de integração cultural, é um processo mais antigo do se imagina. A integração dos povos no período antigo, proporcionado pelas guerras de conquista e pelo comércio, resultou em influências recíprocas importantes. Por exemplo, o apóstolo Paulo, um dos mais importantes formadores das bases teológicas da religião católica, conheceu a Grécia e se utilizou muito do pensamento grego. Você pode procurar este relato em Atos, capítulos de 17 a 28 (BIBLIA SAGRADA). Nestes textos, você poderá ler sobre este encontro cultural.
  • 16. UniversidadeAbertadoBrasil 16 unidade 1 O site http://an.locaweb.com.br/Webindependente/filosofiaoriental/ apresenta diversas religiões e filosofias orientais. Procure conhecer mais a respeito do Budismo, Confucionismo, Taoísmo, Hinduísmo e outros.Atualmente, a chamada Nova Geografia Cultural tem resgatado os estudos sobre as religiões como uma das formas mais importantes de compreender as representações sociais que ajudam a explicar os contextos sociais ou geográficos nos quais se desenvolvem o Homem. Filósofo Ser filósofo significa ser um amigo de Sophia, alguém que admira e busca a sabedoria com todo o fervor. Muitos filósofos consideram a filosofia um conhecimento teórico e abstrato, ou seja, algo que não pode ser provado (CLÉMENT, 1997). O interesse pela filosofia surge com grande intensidade com as descobertas arqueológicas da civilização Grega no final do século XIX. A principal questão levantada durante este período é a de como o conhecimento filosófico passou do mito-poético para a mentalidade teorizante (PESSANHA, 2000). Mas antes de se iniciar a explicação de como se deu esta passagem, você está convidado a filosofar. Então, está pronto? Vamos filosofar?
  • 17. ConhecimentoGeográfico1 17 unidade 1 Vamos pensar em algumas questões filosóficas. Por favor, faça suas anotações, respondendo as seguintes questões. - Quem é você? - De onde surgem as coisas? - Todos os cavalos são iguais? Se não são, por que você chama todos de cavalos? - O que é forma e de onde ela surge? - Do que você é formado? - O que é o mundo? - O que dá origem a vida? - Deus existe? Não pense que estas perguntas são absurdas e impossíveis de serem respondidas. Muitos dos filósofos gregos tentaram respondê-las e o fruto desta discussão acabou gerando as bases do conhecimento filosófico. As Origens do discurso filosófico As origens do discurso filosófico ocidental podem ser histórica e geograficamente localizadas, na Grécia, nos séculos VII e VI a.C. Foram os gregos que tiveram a preocupação em iniciar um esforço de pensamento reflexivo e sistematizado a respeito da realidade. Mas, anteriormente, à formação do discurso filosófico, o que dominava entre os gregos era o conhecimento ou pensamento mítico (PESSANHA, 2000, p.6). Neste processo de formação de um pensamento filosófico amplo e sitemático, outro elemento também foi muito importante. Trata-se das epopéias, que influenciaram o desenvolvimento da filosofia. Você deve estar se perguntando o que é uma epopéia? Epopéiasãorelatoshistóricosefabulosossobreexpediçõesmarítimas e elementos provenientes do contato com o mundo helênico, que durante o período apresentava relações com o mundo oriental (PESSANHA, 2000, p.7). Estes relatos proporcionaram o conhecimento e a discussão sobre as formas de viver e pensar dos orientais. Assim surgiram entre os séculos X e o VIII alguns poemas, como Ilíada e a Odisséia, de autoria de Homero (PESSANHA, 2000), os quais informavam a respeito da organização da polis arcaica e descreviam deuses que possuíam
  • 18. UniversidadeAbertadoBrasil 18 unidade 1 características sentimentais e físicas muito semelhantes a dos homens. Em seus escritos, Homero procurava excluir as formas monstruosas e o culto às práticas mágicas que eram comuns naquele período. Com os deuses apresentando características humanas, foi possível praticar uma racionalização do divino que conduziria a uma religiosidade exterior. Esta religiosidade exterior foi bastante considerada pela polis aristocrática. E permaneceu como uma linha fundamental da religião grega, obtendo um sentido político, que auxiliou na justificação das tradições e instituições da cidade-Estado (PESSANHA, 2000). Jônios Os Jônios são classificados como os primeiros filósofos gregos, os quais “substituem a narrativa mítica por um novo discurso” (CLÉMENT, 1997, p. 152). Eles são originários da Jônia uma região da costa sudoeste da Anatólia, hoje correspondente à Turquia. Este novo discurso é o filosófico. Esses filósofos “renunciaram recorrer aos deuses ou às forças mágicas para explicar as ações humanas ou a ordem do mundo (CLÉMENT, 1997, p. 312). Nota-se entre os pensadores pré-socráticos mais antigos a busca por uma explicação ampla e coerente da natureza, dirigida para a identificação de uma substância primordial, como um princípio natural, visando explicar de forma material a origem do Universo. O importante sobre esse momento inicial da filosofia foi bem definido por Clément et al., quando afirmam que: “Embora o pensamento pré-socrático não exclua todas as dimensões religiosas, os deuses já não decidem, conforme os seus caprichos, os acontecimentos do mundo (...) O homem deve renunciar a representar a natureza submissa a outra coisa que não sejam as forças naturais, e a maneira como ele representa o divino também pede um rigor maior de pensamento” (CLÉMENT, 1997, p.313). Nesse momento, surge um discurso filosófico que é relacionado à busca do conhecimento. Pode-se afirmar que é a partir de então que se pode entender a filosofia como “um tipo de conhecimento” (LARA, 1991, p. 12).
  • 19. ConhecimentoGeográfico1 19 unidade 1 Para alguns filósofos modernos e contemporâneos, o surgimento de um discurso filosófico, em substituição a um pensamento de base mítica, foi um marco fundamental na história da civilização. Filósofos da Escola de Mileto Segundo Clément (1997), Tales, Anaxímenes e Anaximandro e, posteriormente, Heráclito de Éfeso e Diógenses fundaram a Escola de Mileto. Esses filósofos eram conhecidos como pré-socráticos porque viveram e filosofaram no período anterior à vida de Sócrates - 470-399 a.C.( CLÉMENT et al., 1977). A seguir, aborda-se um pouco mais a respeito de cada um deles. Repare que alguns deles contribuíram imensamente com a Geografia. Tales É considerado um dos primeiros filósofos da cultura ocidental e viveu entre o final do século VII e meados do século VI a.C. Ele identificou a água como sendo a substância primordial de que tudo se originava. Foi também grande matemático e astrônomo conhecedor das ciências mesopotâmicas e egípcias (COLORAMA, 1973). Anaxímenes Acreditava que o ar era o início de tudo. Desta forma, o sopro e o ar abraçam o mundo inteiro (GAARDER,1995). Anaximandro É atribuída a Anaximandro a confecção do primeiro mapa-múndi com a descrição de todo o mundo habitado e conhecido de sua época. Foi o inventor do relógio do sol pelo qual se poderia verificar a obliqüidade do zodíaco. Ele achava que o nosso mundo era apenas um dos muitos que surgem de alguma coisa e se dissolvem nesta alguma coisa que ele
  • 20. UniversidadeAbertadoBrasil 20 unidade 1 chamava de infinito (GAARDER,1995). Heráclito Heráclito foi um dos filósofos que mais se preocupou com o movimento, Para ele, nada permanece imóvel e nada permanece em estado de fixidez e estabilidade, mas tudo se move, tudo se muda, tudo se transforma, sem cessar e sem exceção. A substância que ele acreditava ser o princípio fundamental de tudo era o fogo. É o autor de uma das primeiras frases marcantes da filosofia grega: “tu não podes banhar-te duas vezes no mesmo rio, porque novas águas correm sobre ti” (GAARDER,1995). Anaxágoras Partia do princípio da imutabilidade do ser. Ele acreditava que as coisas eram compostas de ínfimas partículas de diversos tipos. A predominância de certo tipo de substância, a exemplo do ferro, determinaria a natureza das coisas. No princípio, houve o caos estático, mas uma força externa, o Nous, foi o responsável pelo movimento e ordem. Dessa forma, as partículas juntam-se e se separam, criando os corpos visíveis. Esta teoria influenciou grandemente a teoria atômica (COLORAMA, 1973 p.2246). 1) Elabore um texto, comentando a evolução do conhecimento no período pré- científico. Este texto deve ter no máximo trinta linhas (uma lauda). 2) Você precisará conectar-se à plataforma Moodle para realizar a próxima atividade. Trata-se de um fórum destinado a discutir com seus colegas sobre o que é ciência e geografia.
  • 21. ConhecimentoGeográfico1 21 unidade 1 seção 2 A CONSTITUIÇÃO DO CONHECIMENTO CIENTÍFICO Desde os pré-socráticos até o surgimento da ciência moderna, a filosofia evoluiu como, segundo Lara (1991), “a ciência por excelência”, porque “todas as outras ciências, de certa maneira, dependiam dela”. Dessa forma, “a filosofia era, assim, considerada pelos gregos e, depois, também pelos medievais, como um saber mais profundo, mais radical, mais completo, que devia dar as respostas mais importantes sobre o sentido da vida humana e da realidade em geral” (LARA, 1991, p. 18). Portanto, a filosofia permaneceu como uma espécie de conhecimento da totalidade, “como a ciência de todas as coisas – da totalidade – pelas suas causas primeiríssimas, as quais os sentidos não podem atingir, mas a razão humana sim” (LARA, 1991, p. 14). A partir do Renascimento, o discurso filosófico é questionado de forma cada vez mais acentuada. Passa-se a criticar a filosofia como sendo uma forma de conhecimento meramente especulativo, que não dava conta de explicar os fenômenos naturais. Segundo Lara (1991, p. 14), os críticos afirmavam que o discurso filosófico era fundado em “muita razão, muita lógica, muito sistema bem organizado. Mas não se observavam e não se controlavam os fatos que se queria explicar”. Pensadores e estudiosos desta época, como Descartes e Galileu inauguraram uma nova proposta para a constituição de outro tipo de conhecimento, fundado num discurso não-filosófico. Trata-se do conhecimento científico que inaugurará uma nova era, na qual a ciência metodicamente construída consolida-se como a grande construtora de um novo tipo de conhecimento. Com isso, passa-se a reconhecer dois tipos de conhecimento: “aquele que procura o sentido da totalidade, pesquisando os princípios primeiros, através do raciocínio – é a filosofia; [ e o outro] aquele que procura as leis do mundo físico, e que prova suas afirmações, com o controle dos fatos – é a física” (LARA, 1991, p. 15). Você pôde estudar como o discurso filosófico dominou a construção do conhecimento até o período inicial da Idade Média e como, a partir de então, surgiu um novo conhecimento, que incorporou uma nova
  • 22. UniversidadeAbertadoBrasil 22 unidade 1 metodologia, um método científico, chamado também experimental, fundado em procedimentos padronizados e rigorosamente considerados. Mas esse já é assunto para a próxima seção. Positivismo Todas as questões a respeito da substituição do pensamento mítico por um discurso filosófico instigou diversos filósofos. Um deles foi Augusto Comte. Ele nasceu na França em 1798 e morreu em 1857. Criou uma corrente filosófica denominada Positivismo, que se caracterizou por duas preocupações fundamentais: científica e política. Comte era, antes de tudo, “um renovador social” e pretendia “fundar essa renovação em bases científicas” (CLÉMENT, 1997, p. 63). Inspirado em Comte, pode-se afirmar que a formação do discurso filosófico teria lançado as bases de uma Fase Metafísica, que se consolidou naIdadeMédia,equefoiantecedida porumaFase Teológica ou Mitológica, na antiguidade, quando dominava “a fantasia do povo e os mitos; ela se apresenta como uma fase de maior abstração e menor complexidade” (OLIVEIRA et al., 1990, p. 53). Na Fase Teológica, quase tudo era “explicado abstratamente mediante uma mitologia religiosa” (OLIVEIRA et al., 1990, p. 54). Conecte-se a plataforma Moodle e consulte o link disposto para você conhecer mais a respeito da vida de Comte.
  • 23. ConhecimentoGeográfico1 23 unidade 1 Renascimento Você estudou que a filosofia, como certo tipo de conhecimento, foi sendo cada vez mais questionada com o advento do Renascimento. A época renascentista marca a libertação do homem “de um enfoque que lhe impunha valores como a admiração, a adoração, a obediência, o respeito e o desapego” (LARA, 1991, p. 28). Paralelamente, inaugurou um novo tempo, no qual o homem “joga-se, com entusiasmo, a construir valores novos: individualidade, liberdade, criatividade, participação e enriquecimento” (LARA, 1991, p. 28). Mas o que é Renascimento? Renascimento – fenômeno social relacionado a um processo histórico-geográfico (porque relativo a uma época e continente específico – Europa) no qual aconteceram transformações marcantes na filosofia, na ciência, nas artes e nas religiões. O humanismo é sua mais importante idéia- força, porque o homem é valorizado como ser que se diferencia de outros seres pela sua qualidade de ser racional, pela importância que a razão tem nas suas ações, ressaltando o homem como realidade individual, o que resultou no fortalecimento do individualismo frente à visão corporativa de sociedade que dominou a Idade Média. Ciência moderna Entre os elementos que ajudam a construir esse novo tempo está a ciência moderna. Mas como se pode definir esse novo discurso científico, contido na ciência moderna? Você já estudou que esse discurso científico passou a ser visto como diferente do discurso filosófico. De qualquer forma, o que está na base da ciência moderna é também o conhecimento. No entanto, antes de se discutir sobre o novo conhecimento, classificado, a partir de então, como científico, é preciso diferenciá-lo dos outros tipos Navegue na internet e pesquise imagens que mostrem os pintores e inventores renascentistas e suas obras. Pesquise sobre a arquitetura e os jardins. Você vai se deparar com os novos padrões estéticos que surgiram na Europa.
  • 24. UniversidadeAbertadoBrasil 24 unidade 1 de conhecimento. Você já verificou a diferença entre o discurso filosófico, como fundamento da filosofia construtora de conhecimento, mas é preciso também abordar as diferenças entre os outros tipos de conhecimento. Neste estudo, precisa-se, pelo menos, que fique muito clara a diferença entre o conhecimento científico e o conhecimento vulgar (ou senso comum). Essa discussão é importante para você que inicia um curso de licenciatura em Geografia, pois os que concluírem esse curso deverão ser capazes de dominar teorias e práticas relacionadas ao magistério, mas deverão, mais ainda, dominar os conhecimentos relacionados a uma grande ciência: a ciência geográfica, denominada Geografia. Assim, antes de tudo, precisa-se compreender o que é ciência e conhecimento científico. A grande questão que permanece é: o que é ciência? É certo que quando se pensa em ciência algumas palavras surgem na mente das pessoas, como saber, sabedoria e conhecimento. Seria a ciência um saber? Ou ela é uma sabedoria? A ciência é conhecimento? Sem dúvida, todas estas palavras, de alguma forma, relacionam-se ao significado de ciência. Na atualidade, ciência é definida como conhecimento científico, fundamentado em métodos rigorosos de análise, que permitam atingir resultados objetivos na formulação de conhecimentos. 1)Pesquise o significado da palavra ciência. É importante você indicar, ao final do seu texto, a fonte bibliográfica da sua pesquisa. 3) Você acredita que todo conhecimento é científico? É ciência? É possível produzir conhecimento sem se usarem procedimentos metodológicos científicos?
  • 25. ConhecimentoGeográfico1 25 unidade 1 Senso comum ou conhecimento vulgar É muito comum pessoas idosas fazerem alertas sobre as condições do tempo. Por exemplo, quando fazem referências a uma chuva que está por cair. Os jovens, normalmente, não acreditam nos mais velhos e teimam em sair sem uma sombrinha ou um guarda-chuva. Não é raro que os idosos acertem as previsões que fazem e, realmente, venha a chover. As pessoas mais velhas formaram, durante suas vidas, algum tipo de conhecimento sobre o comportamento do tempo meteorológico. Elas são capazes de fazer previsões atmosféricas relacionadas ao cotidiano delas. Assim, o saber acumulado pelos idosos é, sem dúvida, conhecimento. Mas será que esse conhecimento é conhecimento científico? E quando se assiste à previsão do tempo nos telejornais, recebem-se informações científicas? Sabe-se, com certeza, que essas informações não foram fornecidas por nenhuma “vovozinha”. As informações dos telejornais vêm de instituições de pesquisa que fazem a produção de um conhecimento científico, que serve a várias ciências. Produzem conhecimento meteorológico, que é relacionado à Meteorologia, que é uma ciência derivada da Climatologia que, por sua vez, é uma ciência afim à Geografia. 1)Pesquise a diferença entre tempo e clima. Depois, reserve um tempinho para conversar com seus parentes mais idosos. Faça uma visita ao seu avô ou aquela tia ou tio que você não vê há muito tempo e verifique se eles costumam fazer pequenas previsões de tempo e quais os critérios que eles levaram em conta para prever a ocorrência de chuvas, por exemplo. Diferença entre o conhecimento vulgar e conhecimento científico O que diferencia o conhecimento que qualquer pessoa pode criar e acumular sobre o tempo do conhecimento dos cientistas sobre o mesmo tema? São dois tipos diferentes de conhecimento. Costuma-se classificá- los da seguinte forma: ao conhecimento que se acumula através da nossa observação e experiência cotidiana, denomina-se conhecimento vulgar (senso comum); ao conhecimento acumulado pelas ciências em geral,
  • 26. UniversidadeAbertadoBrasil 26 unidade 1 denomina-se conhecimento científico. Assim, é o acúmulo de conhecimento científico sobre um campo da realidade que resulta em uma ciência. Os conhecimentos científicos acumulados sobre o fenômeno da vida deram origem à Biologia. Os conhecimentos científicos acumulados sobre a estrutura física da Terra deram origem à Geologia. Os conhecimentos científicos sobre o homem e o espaço ou meio em que vive deram origem à Geografia. E assim é para uma diversidade significativa de outras ciências. Mas ainda não se abordou a diferença entre os dois tipos de conhecimento. Como se produzem o conhecimento vulgar e o conhecimento científico? Inicialmente, precisam-se conhecer os dois elementos indispensáveis na produção de qualquer tipo de conhecimento. Esses elementos são sujeito e objeto. O sujeito é aquele que quer conhecer e que produz e acumula conhecimento. Quando se aborda o conhecimento vulgar, o sujeito é qualquer ser humano. No caso do exemplo relativo à previsão do tempo, pode ser qualquer pessoa com conhecimento acumulado sobre o comportamento do tempo meteorológico. Por outro lado, ao se fazer referência ao conhecimento científico, o sujeito é um cientista. O objeto é aquilo que se quer conhecer, explicar, entender ou compreender, e em relação ao qual se acumula conhecimento. No exemplo relacionado ao conhecimento vulgar, é o tempo meteorológico. Mas o objeto pode ser também as árvores, as florestas, os animais, os terremotos, os preços, as doenças, as guerras e os sentimentos. Tudo isso pode ser um objeto determinado, sobre o qual se pode acumular conhecimento, tanto vulgar quanto científico. Para se produzir conhecimento vulgar, o sujeito observa e reflete sobre um objeto específico, chegando a determinadas conclusões, que são acumuladas por ele e que lhe dão um conhecimento sobre o objeto observado. A observação e a reflexão que o sujeito realiza não são planejadas e não utilizam nada além dos próprios sentidos (visão, olfato, tato, audição, fala) e sua capacidade de raciocinar. A produção do conhecimento científico Para se produzir o conhecimento científico, o sujeito também observa e reflete sobre um determinado objeto, produzindo conclusões, que são acumuladas pelos cientistas e por todos que se interessam por
  • 27. ConhecimentoGeográfico1 27 unidade 1 esses conhecimentos. Mas o cientista não utiliza apenas seus sentidos e sua razão. Ele se apóia também em teorias e metodologias. A observação que ele faz é planejada e sistemática: ele anota dados; fotografa objetos e fenômenos; faz experiências; analisa materiais; provoca reações químicas. Além disso, o cientista precisa testar os seus resultados. As suas conclusões têm que ser comprovadas pelos testes. Só assim o conhecimento pode ser denominado científico. Dessa forma, o conhecimento científico não depende só do que é inato ao sujeito, mas se relaciona também com aquilo que dirigiu as ações e o raciocínio dele. Ao conjunto de tudo que ajudou o sujeito a atingir um determinado conhecimento, dá-se o nome de método científico ou de metodologia científica. Esta charge apresenta as diferenças entre o conhecimento vulgar ou senso comum e o conhecimento científico. Figura 5: Charge; Conhecimento vulgar e científico Organizado por: Eduardo José de Campos Lemos; Karin Linete Hornes 1) Elabore um texto, no qual você deve responder à seguinte questão: o que é ciência? Este texto deve ter no máximo trintas linhas (uma lauda). 2) Conecte-se a plataforma moodle e participe do fórum que está disponível para discutir esta mesma questão. Comente suas experiências com o conhecimento vulgar e científico.
  • 28. UniversidadeAbertadoBrasil 28 unidade 1 seção 3 FILOSOFIA E CIÊNCIA NO PERÍODO CIENTÍFICO O conhecimento científico é a base da ciência moderna e o fundamento dessa ciência é o método científico. Assim, para se compreender o que se denomina ciência moderna é preciso, antes de tudo, compreender o método científico. Segundo Lara (1991), foram dois pensadores que lançaram os alicerces desse método: Francis Bacon e Galileu Galilei. Francis Bacon (1561-1626) nasceu em Londres e, além de filósofo, foi também político. Bacon defendeu o uso do método indutivo na produção do conhecimento. Devem-se buscar as informações pela experimentação para que se possa chegar, posteriormente, às generalizações. Trata-se do método indutivo-dedutivo (MONDIN, 1981). Galileu Galilei (1564-1642) nasceu em Pisa e foi matemático, físico e astrônomo. Esse cientista (e não mais filósofo, ao se pensar na acepção clássica do termo) confirmou que era preciso fazer uma distinção muito nítida entre filosofia, ciência e religião. Assim, o estudo científico deveria ser livre de quaisquer amarras filosóficas e/ou teológicas, concluindo que “para a ciência até o método é diferente, indutivo-dedutivo” (MONDIN, 1981, p. 223. Método científico Em termos gerais, estes dois pensadores (Francis Bacon e Galileu Galilei) defenderam que o método científico, de caráter indutivo-dedutivo, deveria conter as seguintes etapas (LARA, 1991): 1 – a observação dos fatos; 2 – a formulação de hipóteses explicativas dos fatos; 3 – a verificação experimental das hipóteses. Procurando expor de forma mais didática essas etapas, Lara (1991)
  • 29. ConhecimentoGeográfico1 29 unidade 1 repete o esquema, explicando que o método científico de tipo indutivo- dedutivo pode ser resumido também da seguinte forma: - primeiro momento: fatos observados, a serem explicados; - segundo momento: hipóteses explicativas, logicamente arquitetadas; - terceiro momento: comprovação das hipóteses, pelos fatos. Francis Bacon foi um crítico vigoroso do discurso filosófico antigo e medieval. Defendeu que os antigos filósofos não observavam criteriosamente os fatos. Na seqüência, as hipóteses eram mal elaboradas, até porque a observação anterior já apresentara falhas. Segundo Lara (1991, p. 44), interpretando o pensamento baconiano, “a lógica aristotélica estava preocupada com a coerência do pensamento em si. Mas, para se conhecer a realidade, não basta a coerência das hipóteses. É preciso verificar bem se essas hipóteses correspondem à realidade”. Mas, embora a contribuição de Bacon tenha sido muito importante, Galileu Galilei foi, indubitavelmente, aquele que “traçou o caminho preciso para a ciência moderna” (LARA, 1991, p. 44). Isso por duas razões principais: 1 – pela defesa de que a ciência tem como objetivo fundamental a descoberta de leis gerais que explicam os fenômenos; 2 – as leis explicativas da natureza devem ser expressas em linguagem matemática. Essa definição do método científico permite inseri-lo como um dos elementos fundamentais do empirismo. Empirismo O Empirismo refere-se “ao que tem origem na experiência (...) qualifica qualquer doutrina filosófica que admite que o conhecimento humano deduz tanto seus princípios quanto seus objetos ou conteúdos, da experiência” (DUROZOI; ROUSSEL, 1996, p. 149). Nesse ponto, com base em Lara (1991), apontam-se algumas
  • 30. UniversidadeAbertadoBrasil 30 unidade 1 características centrais do empirismo: - abandona a transcendência, em favor da imanência dos fatos; - não repudia a razão, mas a considera de forma relativa e não- absoluta; - o conhecimento humano não tem caráter absoluto, porque não é capaz de atingir a verdade absoluta; - a verdade prevalecente deve ser sempre questionada, porque não pode acreditar em verdades absolutas; - o homem deve abandonar as verdades absolutas, em favor das verdades em permanente renovação; - o empirismo desafia o homem a ser o verdadeiro centro do universo. Empirismo e racionalismo O que se tem nessas características é um programa radical de rompimento com o discurso filosófico clássico e medieval. Assim, é o empirismo que acentua este rompimento, quando ele é comparado com o racionalismo, que lhe é contemporâneo. Mas o racionalismo também promoveu transformações importantes e ajudou a consolidar a ciência moderna. O empirismo e o racionalismo podem ser vistos dentro de um mesmo pólo epistemológico. Trata-se do pólo racionalista, o qual corresponderia a um dos pólos epistemológicos da modernidade. O outro, que se consolidou na mesma época, é o pólo anti- racionalista (GOMES, 1996). O pólo anti-racionalista resistiu no período clássico da ciência moderna às propostas que defendiam a universalização metodológica (CUNHA, 1997). Mas a consideração epistemológica desta questão nas suas interações com a Geografia ficará para a próxima unidade. Por enquanto, você precisa fixar bem as diferenças entre racionalismo e empirismo, como propostas críticas ao discurso filosófico no período que se classificou como Idade Moderna. Isso pela importância destas duas tradições de constituição da ciência moderna e, destarte, do método científico. De qualquer forma, não se devem ter o empirismo e o racionalismo correspondendo apenas a
  • 31. ConhecimentoGeográfico1 31 unidade 1 diferentes “teorias do conhecimento”, mas também como perspectivas culturais globais, que buscaram libertar o homem do domínio da teologia e da escolástica, ao entronizar a razão como um valor humano acima de qualquer outro (LARA, 1991). Você já teve a oportunidade de estudar o empirismo. A partir daqui, deve buscar apreender os aspectos mais importantes do racionalismo moderno que se abordará na seqüência. Você deve fixar, em primeiro lugar, que o racionalismo moderno permaneceu como herdeiro da metafísica clássica, que acreditava nas explicações transcendentes das realidades empíricas, mantendo a crença em princípios racionais, mas ainda com certa relação com o pensamento religioso (LARA, 1991). Mas, neste estudo, interessa abordar o racionalismo como proposta para se conseguir a produção de um novo conhecimento. Para isso, é preciso entender o pensamento daquele que é conhecido como o pai do racionalismo moderno: René Descartes. Conecte-se à plataforma da disciplina Conhecimento Geográfico I e comece suas leituras sobre René Descartes e Galileu Galilei. Cartesianismo O cartesianismo teve sua origem com René Descartes. Vamos descobrir mais um pouquinho a respeito de sua vida? René Descartes nasceu na França em 1596 e morreu em Estocolmo, na Suécia, em 1650, onde fora morar um ano antes a convite da rainha Cristina. Espírito aventureiro, foi militar e viajou por diversos países, acabando por se fixar na Holanda, onde se dedicou aos seus estudos num ambiente mais favorável do que poderia encontrar na maioria dos países da Europa Ocidental, os quais estavam assolados por pressões da Igreja Católica contra os desafios lançados aos seus dogmas; o maior exemplo disso foi a perseguição movida contra Galileu Galilei. Descartes escreveu um pequeno-grande livro intitulado “Discurso do Método”, no
  • 32. UniversidadeAbertadoBrasil 32 unidade 1 qual lançou as bases do racionalismo moderno. A escola de pensamento criada por ele é o cartesianismo. O cartesianismo busca o caminho que pode levar o homem a encontrar a verdade. Para isso, propõe um método chamado intuitivo- dedutivo, que é fundamentado na busca de idéias claras e distintas. Esse método teria dois momentos fundamentais: - primeiro momento: intuir (ver de imediato, sem dificuldades) que algo é verdadeiro (é o penso); - segundo momento: tirar conclusões evidentes, a partir de verdades também evidentes (como, a partir do penso, logo existo). Outro exemplo que ilustra o pensamento cartesiano é o seguinte: observando uma árvore um indivíduo notou que ela possuía raiz. Observou outras 100 e chegou a mesma conclusão. Ele comunicou-se com pessoas de outros países que também confirmaram a veracidade da afirmativa. Então, formulou a seguinte idéia: todas as árvores possuem raízes. Caso exista qualquer árvore no mundo que não possua raiz, esta afirmativa terá que ser revista. Razão humana Para Descartes, uma idéia límpida e distinta é resultado da capacidade da razão humana. Essa capacidade também pode ser chamada de intelectualidade que, segundo Cunha (1997, p. 73), é “um apanágio do homem como um todo e não apenas de filósofos, cientistas, eruditos, estudiosos, pesquisadores, etc, [assim] a intelectualidade seria um potencial humano de relacionamento com o que a percepção capta”. O discurso filosófico antigo e medieval baseava-se na observação de um mundo objetivo transcendente. Com o cartesianismo, o sujeito é fortalecido como o Eu (sujeito) que altera as possibilidades de construção do conhecimento. Nasce “o subjetivismo moderno, em confronto com o objetivismo grego e medieval. Esse subjetivismo vai marcar todo o pensamento moderno e vai abrir um espaço para o homem se manifestar a si mesmo, nem que seja para encontrar os limites da própria grandeza”
  • 33. ConhecimentoGeográfico1 33 unidade 1 (LARA, 1991, p.38). Em resumo, podem-se sistematizar as principais características do racionalismo moderno (LARA, 1991, p. 33-35): - é uma perspectiva filosófica, mas também cultural; - o homem pode atingir, pela razão, a verdade de valor absoluto; - o homem não está limitado aos conhecimentos dos fatos; - o homem pode entender a essência das coisas; - a razão permite ir além dos sentidos; - a razão permite atingir as condições transcendentais do mundo empírico; - as conseqüências dessas possibilidades não são apenas abstratas e teóricas, mas também éticas e políticas; - atingir explicações sobre a essência das coisas, para encontrar o fundamento sólido para a moral e a política; - a boa ordem política depende do conhecimento dessa realidade transcendente; - os fundamentos dessa ordem encontram-se na natureza transcendente do homem e não mais na revelação divina; - a desagregação das explicações teológicas requer novas fundamentações reveladoras do mundo; - ao contrário do empirismo, que acredita apenas nas explicações imanentes aos próprios fatos, o racionalismo defende as possibilidades de uma nova transcendência (explicações para além dos fatos percebidos). O empirismo e o racionalismo moderno são as duas faces de uma mesmamoeda.Essamoedaéopóloepistemológicoracionalista.Estasduas tradições deram os fundamentos decisivos do método científico, o qual demonstrou uma capacidade inegável de avançar de forma admirável no desvelamento da natureza, permitindo que o domínio desta metodologia revolucionária, por estudiosos europeus transformasse aquele continente no berço da ciência moderna. A civilização européia é aquela na qual a ciência moderna encontrou o campo fértil para o seu desenvolvimento que é o próprio projeto da modernidade, pela importância que teve o pensamento científico neste projeto.
  • 34. UniversidadeAbertadoBrasil 34 unidade 1 1) Elabore um texto, descrevendo e comentando as etapas fundamentais do método científico. Este texto deve ter no máximo trinta linhas (uma lauda). 2) Como um bom estudante de Geografia, você não deve esquecer que uma das ciências afins mais importantes para a ciência geográfica é a Cartografia. Procure pesquisar a evolução da Cartografia deste a Grécia até a Idade Média. Você pôde verificar como a filosofia antiga e medieval foi questionada como produtora de conhecimento. Estudou também as transformações operadas no pensamento filosófico que deram origem a outra forma de se produzir conhecimento. Isso levou ao surgimento do conhecimento científico relacionado, num primeiro momento, à revelação das leis de funcionamento do mundo físico. Você comprovou que a proposta foi um sucesso, mas não esteve livre de controvérsias, as quais serão abordadas na próxima unidade.
  • 37. UNIDADEII Epistemologia e modernidade OBJETIVOS DE APRENDIZAGEM Caracterizar os pólos epistemológicos que surgiram na modernidade; Compreender as diferenças epistemológicas entre os pólos racionalistas e anti-racionalistas. ROTEIRO DE ESTUDOS SEÇÃO 1 – Para entender o debate epistemológico da modernidade SEÇÃO 2 – A dualidade epistemológica da modernidade: o pólo racionalista SEÇÃO 3 – A dualidade epistemológica da modernidade: o pólo anti- racionalista
  • 38. UniversidadeAbertadoBrasil 38 unidade 2 seção 1 PARA ENTENDER O DEBATE EPISTEMOLÓGICO DA MODERNIDADE Você estudou na Unidade I a formação da ciência moderna, como resultado da ruptura promovida por pensadores modernos em relação à forma de construção do conhecimento antigo e medieval realizada pelos filósofos formados pela tradição greco-romana que marca as origens da civilização européia ou cristã-ocidental. Você refletiu sobre o contexto no qual se consolidaram fenômenos que se materializaram no método científico, o qual fundamenta o conhecimento científico moderno. Este método e a obra que ele permitiu iniciar tornaram-se um dos elementos fundamentais da modernidade, que representa o processo histórico-geográfico que define um novo rumo para a trajetória civilizatória relacionada ao continente europeu, num primeiro momento, mas que se mundializou a partir dos desdobramentos gerados pelo mesmo processo, atingindo, a partir da Idade Moderna, todos os continentes, ampliando o que os geógrafos tradicionais chamavam de ecúmeno. Ecúmeno Você sabe o que é Ecúmeno? Ecúmeno – Entre os gregos, correspondia ao mundo habitável, mas passou a indicar as áreas que apresentam densidades demográficas mais significativas (SMALL, J.; WITHERICK, M., 1992). O uso do termo predominante no período recente refere-se às áreas nas quais os povos de origem européia já haviam promovido uma ocupação efetiva. Para as áreas habitadas de forma muito esparsa pelas comunidades originárias ou que permaneciam totalmente desabitadas, usa- se o termo anecúmeno. O debate centrado nesta questão territorial deixou de ser importante, porque é inegável que a trajetória civilizacional que tomou o continente europeu na época moderna tornou-se inegavelmente mundial.
  • 39. ConhecimentoGeográfico1 39 unidade 2 Você deve estar refletindo sobre o título desta seção e, com certeza, apresenta uma curiosidade para entender corretamente o significado dos termos epistemológico e modernidade. A este último você já foi apresentado na Unidade I, pois ao se abordar a formação da ciência moderna, mostrou-se que ela foi um elemento importante de um processo maior, que envolveu outros elementos, os quais, no seu conjunto, passaram a caracterizar uma nova época, chamada, didaticamente, na História, de Idade Moderna. Idade Moderna A Idade Moderna correspondeu ao momento da modernidade. Este momento foi realizado dentro do continente europeu. Existem vários elementos que auxiliaram a Europa a iniciar sua modernidade, são eles: o renascimento, o mercantilismo, o iluminismo, o cientificismo, o absolutismo e o protestantismo. Estes elementos que se consolidaram durante a Idade Moderna forneceram as bases da Idade Contemporânea, que não rompeu com eles, mas os aprofundou em elementos que deles derivaram como a democracia representativa, que cristalizou o Estado moderno, como a instituição central do contrato social (o Estado de Direito), que dirige a vida em sociedade nos países democráticos. Não há como entender a vida política dos cidadãos dos países atuais sem conhecer aspectos relacionados ao conceito de contrato social. Esse contrato pressupõe que cada cidadão cedeu parte dos seus direitos naturais a uma instância coletiva (o Estado) para que essa instância coordene a vida em sociedade, administrando os conflitos de interesses com o objetivo de se atingir o bem comum. Dois pensadores são referências básicas sobre a questão: o inglês Thomas Hobbes (século XVII) e o francês Jean Jacques Rousseau (século XVIII). Recomenda-se a leitura de um pequeno livro intitulado “O Contrato Social”, escrito por Rousseau, que ajudará você a entender o mundo atual. Pesquise sobre os fenômenos histórico-geográficos que contribuíram de forma decisiva para definir a época contemporânea e que foram citados anteriormente. Elabore um resumo de no máximo cinco linhas a respeito destes elementos. Renascimento | Mercantilismo | Iluminismo | Cientificismo | Absolutismo | Protestantismo
  • 40. UniversidadeAbertadoBrasil 40 unidade 2 O Novo e o Velho De qualquer forma, é inegável o papel preponderante exercido pelas transformações inauguradas pelo racionalismo e empirismo na construção do conhecimento científico, que influenciou no novo modo de vida, pensado da forma mais ampla possível, que uma boa parte dos povos e nações européias assumiram a partir de meados do milênio encerrado recentemente. Pode-se ilustrar esta importância, afirmando-se que “a modernidade fundou uma ‘ciência nova’ [como dizia Bacon], e esta ciência constitui o espírito daquilo que se denomina de modernidade” (GOMES, 1996, p. 12). Para entender o significado contido no termo modernidade, torna- se importante refletir também sobre um pressuposto que se relaciona com ele, que é ligar o que é moderno ao que é novo, opondo-se ao atrasado, ao tradicional, ao velho. Portanto, ao se utilizarem o termo moderno e modernidade, trabalha-se, naturalmente, com esta oposição entre o novo e o velho, o moderno e o tradicional. Recorre-se a Gomes, que expõe de forma muito evidente esta questão: “Estas duas noções [moderno/tradicional] existem há muito tempo, mas somente a partir da modernidade elas se constituíram em um verdadeiro sistema de valores. Para que se possa falar de um sistema centrado na tradição, é preciso que ao mesmo tempo exista um outro sistema que marque em relação a ele sua oposição, definido por aquilo que não é tradicional, ou seja, o sistema do novo; são, pois, dois sistemas que se opõem, mas que estruturam uma mesma ordem” (GOMES, 1996, p. 29). O importante é relacionar o termo modernidade a uma determinada época e lugar específico. Por isso, pode-se relacioná-lo a um processo histórico-geográfico que é bastante conhecido. Assim, afirma-se que a modernidade começou no século XVI, na Europa. No século VIII, na mesma Europa, ela se consolida com a revolução filosófica (iluminismo), a revolução industrial (o surgimento das fábricas), a revolução francesa e a revolução americana, formando o que Eric Hobsbawm (um dos maiores historiadores atuais) chamou de Era das Revoluções. Pode-se, então, resumir que “o termo ‘modernidade’ designa simultaneamente uma
  • 41. ConhecimentoGeográfico1 41 unidade 2 época, uma civilização e uma concepção da humanidade indissociável da nossa cultura e da nossa filosofia européia” (CLÉMENT et al., 1997, p. 258). Epistemologia Para continuar os seus estudos, você precisa entender também o termo “epistemológico”. Esse termo deriva da palavra “epistemologia” e é o significado dela que você precisa compreender. A palavra é de origem grega e reúne epistèmè, que significa “ciência”, e logos, que corresponde a “discurso”. Assim, epistemologia significa, etimologicamente, discurso da ciência. Mas você já deve ter percebido que o significado de termos em filosofia e ciências humanas e sociais sempre adquire uma complexidade que torna tais significados bastante diversos. Não é diferente com o termo epistemologia. Ele tem vários significados. Nos países anglo- saxônicos, Epistemologia confunde-se com a própria “teoria do conhecimento” ou Gnosiologia, como uma análise ou estudo da evolução da produção do conhecimento pelo homem. Num sentido mais restrito, utilizado principalmente nas tradições francesas, há dois significados predominantes: em primeiro lugar, como estudo da ciência moderna em geral, buscando abordar os métodos, as crises e a evolução do “espírito científico”; em segundo lugar, o estudo dirigiu-se para uma ciência específica, referindo-se à epistemologia da Geografia, da História, da Matemática, etc. Todos esses sentidos interessam quando se tem como objetivo fundamental a compreensão das origens e evolução de uma disciplina científica. É o caso do conhecimento geográfico que é sistematizado na Geografia. O debate epistemológico em torno do método científico O debate epistemológico que se destaca aqui surgiu a partir do momento que se propôs um novo método para se produzir conhecimento: o método científico. Percebeu-se de imediato que a aplicação deste método paraabordarosfenômenosfísicosenaturaissignificavaumgrandeavanço.
  • 42. UniversidadeAbertadoBrasil 42 unidade 2 Mas surgiram discussões e debates sobre questões gerais e específicas relativas à aplicação desse método à produção do conhecimento. É o que se passou a chamar de “problema epistemológico” (MONDIN, 1981). Esse problema surgiu, exatamente, “no momento em que a atitude de confiança otimista e exaltação cega das ciências foi substituída por um sereno ceticismo e uma crítica aguda nos confrontos do conhecimento científico” (MONDIN, 1981, p. 29). Entenda-se ceticismo como um acentuado pessimismo sobre a nascente metodologia científica. Assim, afirma-se que “o nascimento e desenvolvimento da filosofia da ciência ou epistemologia deve- se exatamente à tomada de consciência da problematicidade desse conhecimento (consciência ainda ausente em Descartes, Newton, Kant, Comte, Spencer, etc)” (MONDIN, 1981, p.29). Procure pesquisar a vida e obra desses filósofos que são citados por Mondin (Descartes, Newton, Kant, Comte, Spencer). Eles viveram entre os séculos XVI e XIX e participaram do debate epistemológico que marcou essa época. Você pode consultar enciclopédias e dicionários de filosofia, inclusive digitais, como a www.wikipedia.com. br. Na plataforma da disciplina há alguns links relacionados a estes filósofos. Racionalistas e Anti-racionalistas Um primeiro debate importante ocorreu entre os adeptos do método científico proposto por Descartes e sistematizado e aplicado por Galileu. Esse pólo, centrado na aceitação do método, divergiu na forma da sua aplicação e opôs racionalistas e empiristas. Você já teve a oportunidade de estudar esta controvérsia na Seção 3 da Unidade I deste fascículo. A discussão que interessa a partir daqui é aquela que vai opor racionalistas (racionalistas cartesianos e empiristas) e anti-racionalistas. Os racionalistas defendendo a aplicação do método científico a toda e qualquer ciência, já que só consideravam como conhecimento científico aquilo que era proposto a partir da aplicação do método. Os anti-racionalistas posicionavam-se de uma forma contrária, pois não concordavam com a proposta de que só há um caminho para se construir um conhecimento aceitável como científico. O importante é ter em conta que esta posição de crítica não é recente, mas surgiu na mesma época e lugar, nos quais acontecia a aplicação vitoriosa do método nas ciências físicas e naturais. Esse lugar era a Europa; a época o período que vai do século XVI ao XVIII. Você já estudou sobre o processo histórico-geográfico que domina este contexto definido como a modernidade. O debate que opõem racionalistas e anti- racionalistas é um debate que perpassa este processo e contribui na sua formação. Por todo aquele período, e até muito recentemente, os racionalistas apareciam como os grandes vencedores do debate, pois
  • 43. ConhecimentoGeográfico1 43 unidade 2 tiveram maior exposição e aceitação acadêmica e social. Mas a critica anti-racionalista esteve sempre lá, acompanhou cada passo da vitória racionalista (cientificista) mantendo e ampliando as críticas à proposta de “universalização metodológica” (CUNHA, 1997). Nas últimas três décadas, a crítica pós-moderna tem nesse passado anti-racionalista uma referência que lhe retira boa parte de ineditismo. Então, parte-se da consolidação destes pólos epistemológicos da modernidade, ao contrário de se assumir que neste contexto só houve o domínio inconteste do racionalismo (GOMES, 1996). Mas essa dualidade epistemológica é assunto da próxima seção. Galileu Galilei não concordava com a teoria do geocentrismo. Ele propôs a teoria do heliocentrismo a partir de observações astronômicas, utilizando uma luneta de criação própria. Após alguns cálculos físico-matemáticos, ele fez tal comprovação. O rigor metodológico das observações possibilitou a criação do método científico, também chamado experimental, fundado em procedimentos padronizados e rigorosamente considerados. (WIKIPÉDIA, 2008) Elabore um texto, comentando a seguinte afirmativa: “debate epistemológico da modernidade”. Este texto deve ter no máximo trinta linhas (uma lauda). seção 2 A DUALIDADE EPISTEMOLÓGICA DA MODERNIDADE: O PÓLO RACIONALISTA Nesta seção, você estudará o que caracteriza e o que diferencia os dois pólos epistemológicos da modernidade. Como você já sabe, os dois pólos são o pólo racionalista e o anti-racionalista. O pólo racionalista também é conhecido como científico - racionalista. O primeiro centra-se numa unidade dada pelo método científico. O outro tem a sua unidade restrita à crítica ao racionalismo, mas não apresenta uma unidade metodológica. O pólo epistemológico racionalista consolida-se no século do Iluminismo, também chamado “Século das Luzes” (século XVIII). Partia-
  • 44. UniversidadeAbertadoBrasil 44 unidade 2 se de uma concepção da natureza humana na qual a faculdade da razão, que é própria apenas dos seres humanos, tinha um lugar privilegiado. Todos os seres humanos são dotados de razão, conferindo às comunidades humanas um padrão de comportamento fundado nas atitudes e ações decididas racionalmente. O pensamento racional A avaliação racional, da qual são capazes os seres humanos, dirige os comportamentos individuais e as trajetórias coletivas. O pensamento racional funda-se, então, em alguns elementos que o formam, como “uma lógica coerente, um bom senso generalizado e um pragmatismo da ação” (GOMES, 1996, p. 30). Dessa forma, “o pensamento é um julgamento racional lógico sobre a realidade, e a ciência constitui a esfera onde as regraseosprincípiosdestejulgamentosãoorganizadossistematicamente” (GOMES, 1996, p.30). Com essa afirmação, centra-se a reflexão desta seção na questão efetivamente epistemológica, já que a defesa de uma universalidade da razãocomoelementofundamentaldamodernidadenãoteveconseqüência apenas na discussão filosófica e científica, mas atingiu todo o contexto social que envolvia a Europa. Você não deve esquecer que o pólo epistemológico racionalista já foi abordado neste fascículo, quando se analisou o racionalismo cartesiano e o empirismo. Procure voltar àquela seção para recordar os aspectos que foram abordados, porque ajudará você a compreender os pressupostos fundamentais deste pólo. Esses pressupostos foram destacados por Gomes (1996) e pode-se resumi-los da seguinte forma: - a noção de progresso é valorizada; - há primazia fundamental ao método lógico racional; - o pensamento científico-racionalista é sempre normativo. A noção de progresso valorizada Esses três pressupostos são fundamentais na constituição deste pólo. Em primeiro lugar, a noção de progresso relaciona-se à crença de que a
  • 45. ConhecimentoGeográfico1 45 unidade 2 evolução social e do pensamento científico apresenta uma espécie de lei do movimento histórico num sentido linear no qual as transformações ocorrem pela substituição do velho pelo novo, do tradicional pelo moderno. O pensamento racionalista move-se no sentido de buscar as mudanças que permitam substituir o que vai se tornando superado pelo que se construiu de novo. A necessidade de superação é dada pelas situações de crise. A crise indica a necessidade de ruptura, e a noção de progresso indica que o novo, que surge através das rupturas, tende a conter uma positividade que justificaria a sua adoção, em detrimento do velho, do atrasado, do tradicional. O peso dessa noção de progresso na modernidade é inegável e isso pode ser comprovado, observando- se que “este raciocínio [relacionado à noção de progresso] está na base dos grandes sistemas filosóficos e epistemológicos característicos da modernidade, como, por exemplo, os de Kant, de Hegel, de Marx ou de Comte” (GOMES, 1996, p.31). Esses filósofos propuseram concepções evolutivas das sociedades humanas fundadas numa noção linear do progresso, como um caminho único para toda a humanidade. É o que se denomina de historicismo. Faça uma pesquisa em dicionários e enciclopédias impressas ou digitais sobre o termo “historicismo”. Entre os geógrafos, a obra de Soja (1993) faz uma crítica sistematizada da influência do historicismo nas ciências humanas e sociais, que vale a pena você conhecer. A primazia fundamental ao método lógico-racional O segundo pressuposto relaciona-se à importância central que se dá ao método científico. Você já estudou essa questão quando se abordou a origem e consolidação da ciência moderna. Gomes (1996) resumiu a questão de forma bastante clara, ao afirmar que: “o método é, assim, considerado como único meio de oferecer todas as garantias lógicas da relação entre pensamento e realidade” (GOMES, 1996, p.31). Em outras palavras, para os defensores do pólo científico-racionalista não há ciência para além do método. Esse aspecto é que torna o pensamento científico- racionalista sempre normativo, como indica o terceiro pressuposto. O caráter normativo do método cientifico Ométodotemdefinidoasnormasparaoperararelaçãoentreosujeito e o objeto. Cabe ao homem de ciência conhecer essas normas e aplicá-las ao objeto previamente delimitado. O que vai dar a garantia científica ao
  • 46. UniversidadeAbertadoBrasil 46 unidade 2 conhecimento desta relação produzida é o rigor da aplicação das normas metodológicas definidas no método. O conhecimento depende, destarte, antes do método do que de quem o maneja. É assim que o pensamento científico-racionalista torna-se, antes de tudo, normativo. A revolução cientificista O pólo científico-racionalista exerce sua influência decisiva desde a consolidação da ciência moderna até os dias atuais. É inegável que a aplicação do método científico ao estudo da natureza provocou uma ruptura revolucionária nas possibilidades humanas de desvendar os fenômenos físicos e naturais. Mas a defesa da aplicação deste método para se abordar todo e qualquer objeto do conhecimento vai disparar um debate intenso, provocando o surgimento e consolidação de um pólo epistemológico anti-racionalista. Com isso, contesta-se uma evolução linear na própria discussão epistemológica. Não é que uma concepção anti-racionalista veio substituir, a partir de um determinado momento, a concepção racionalista que teria se tornado imprestável. O que se destaca aqui é que estes pólos desenvolveram-se simultaneamente, disputando os mesmos espaços de discussão que estavam disponíveis na Europa, o grande berço da modernidade. Dessa forma, os dois pólos são filhos da mesma “mãe”: o pólo racionalista é o “filho mais velho”, mas com uma diferença de idade mínima em comparação ao pólo anti-racionalista, o “filho mais novo”. A questão fundamental é que o “filho mais velho” tornou-se o preferido: o pólo racionalista assume um espaço muito maior nos corações e nas mentes de muitos filósofos e pensadores. Era compreensível, porque “o patente êxito da filosofia natural despertaria a atenção dos pensadores. Eles julgam estar ali o valor perene da investigação. Enquanto os cientistas estão carregados de problemas com soluções à vista, os filósofos estão sobrecarregados de problemas sem qualquer solução apontando no horizonte” (CUNHA, 1997, p.21). A universalização do método Pode-se identificar em vários dos grandes filósofos da modernidade, propostas e tentativas de promover a universalização metodológica. Isso quer dizer aplicar o método científico a todo e qualquer objeto. Inclusive
  • 47. ConhecimentoGeográfico1 47 unidade 2 ao homem e suas formas coletivas de consciência: as sociedades e comunidades em geral. Neste esforço aparecem filósofos e pensadores como o próprio Descartes, além de Francis Bacon, David Hume e também o grande Immanuel Kant (CUNHA, 1997). Essas tentativas tornaram-se cada vez mais efetivas e “os filósofos que abrem o século XIX desfrutam de condições mais favoráveis à universalização” (CUNHA, 1997, p.24). Mas as tentativas de universalização abandonam a pura discussão metodológica, como a dos racionalistas cartesianos versus empiristas, e incorporaram uma preocupação com o próprio devir histórico, como uma espécie de “Filosofia da História”. E a ciência tem um papel importante nisso, porque: “a Ciência das ciências não é apenas saber, conhecimento válido e verdadeiro, é a maior conquista do Espírito ou da Humanidade, aquilo que corresponde às rédeas da civilização. Foi uma alteração semântico-intelectual deveras significativa, a qual levava do sentido disciplinar- investigatório da cientificidade para um sentido totalizador da síntese da História, ultima e culminante etapa da civilização. Esta alteração não teria sido possível sem a abordagem ampliada do método, promovida pelo positivismo [COMTE] e pela dialética dos idealistas [HEGEL] e dos materialistas alemães [MARX E ENGELS] (CUNHA, 1997, p. 26). Essas são correntes de pensamento que marcaram o século XIX e foram substancialmente reforçadas pelo evolucionismo darwiniano. Procure pesquisar a vida e a obra de Charles Darwin, que foi o cientista inglês que criou a Teoria da Evolução da Vida a partir da Seleção Natural. Esta teoria foi proposta no livro “A Origem das Espécies”, publicado em 1859. Procure pesquisar também sobre a passagem de Darwin pelo Brasil. Conecte-se à plataforma e leia o conteúdo do link disposto para Charles Darwin. Elabore um resumo a respeito de suas principais idéias e de sua viagem ao Brasil.
  • 48. UniversidadeAbertadoBrasil 48 unidade 2 O evolucionismo O evolucionismo aparece com a chance de algo proposto a partir do campo científico. É possível esclarecer melhor o papel de cada uma dessas tradições que tanto influenciaram o século XIX: “A linha idealista fundada por G. Hegel coloca o Espírito no lugar do sujeito da Teoria do Conhecimento. Karl Marx e Friedrich Engels inverteram e abriram a linha materialista colocando a Vida Social no lugar do Espírito. Na corrente positivista, isto será confirmado quando o sujeito ampliado da função da Metodologia com a Filosofia da História e a Humanidade em todas as linhas ou tendências [positivistas]” (CUNHA, 1997, p. 27). O importante para os objetivos deste estudo é que essas propostas terão uma influência ampla e significativa nos rumos que tomou o conhecimento geográfico a partir do século XIX. A constituição da Geografia, como uma disciplina científica e acadêmica, algo que remonta a esse século, aconteceu na esteira das tradições idealistas, materialistas e positivistas. Você terá oportunidade de estudar melhor estas influências quando se abordar na próxima unidade uma espécie de herança filosófica recebida pela Geografia. O que interessa por enquanto é que você entenda que a força do pólo epistemológico racionalista sobre a definição dos rumos da ciência moderna foi significativa, até o ponto de ele ser proposto como o grande guia do próprio processo civilizatório que se desenvolvia nos esforços marcados pela civilização ocidental. No entanto, havia resistências que já se colocavam muito antes da aparente vitória científico-racionalista do século XIX. Essas resistências é que podem ser reunidas num outro pólo: o anti-racionalista. Resistência é mesmo a palavra adequada, porque mostra que havia algo a ser combatido, no caso, as propostas de universalização do método científico. Elabore um quadro ou outra ilustração, procurando propor uma visualização das principais características do pólo epistemológico racionalista. Este quadro deve ocupar uma única página.
  • 49. ConhecimentoGeográfico1 49 unidade 2 seção 3 A DUALIDADE EPISTEMOLÓGICA DA MODERNIDADE: O PÓLO ANTI-RACIONALISTA Você estudará nesta seção aspectos relacionados ao pólo anti- racionalista. Ainda no século XVII, o mesmo século no qual Bacon, Galileu e Descartes publicaram suas grandes obras, um cientista, pensador e filósofo, lançou um primeiro e grande questionamento sobre a universalização metodológica (CUNHA, 1997). Trata-se de Blaise Pascal (1623-1662). Blaise Pascal nasceu em Clémont Ferrand, na França, e muito cedo começou a sua vida de matemático. Publicou ensaios sobre geometria e inventou uma das primeiras máquinas de calcular. Suas preocupações de cientista são ampliadas em direção à compreensão da existência humana e o papel de Deus e da religião nesta existência. Origens do anti-racionalismo moderno Para entender este destaque dado à obra de Pascal (1973), você deve refletir sobre algumas frases recolhidas por Cunha (1997, p. 32) na principal obra deste pensador: “- Quando comecei o estudo do homem, vi que essas ciências abstratas [matemáticas e físicas] não lhe são próprias, e que me desviava mais da minha condição penetrando-as, do que a outros ignorando-as;” “- Dois excessos: excluir a razão, só admitir a razão;” “- O coração tem suas razões, que a razão não conhece.” Nessestrêspensamentosconstamalgunsaspectoscentraisquepodem ser relacionados ao pólo epistemológico anti-racionalista. Em relação à primeira afirmação, a questão da insuficiência e a inadaptabilidade do método científico para compreender o homem e sua vida individual e social. Sobre o segundo, o questionamento não do método em si mesmo, mas tentativas de universalizá-lo. E o último, a defesa da necessidade
  • 50. UniversidadeAbertadoBrasil 50 unidade 2 de se buscar alternativas à razão para compreender a natureza e a vida humana. Como Pascal, uma série de outros pensadores, de uma forma ou de outra, faziam questionamentos parecidos e ajudariam a dar vida própria ao segundo pólo epistemológico da modernidade: o anti-racionalista. Proposições fundamentais do pólo anti-racionalista Inspirado em Gomes (1996), relacionam-se a seguir proposições fundamentais deste pólo para que você possa refletir sobre elas: - O pólo anti-racionalista é contemporâneo do racionalista e ambos se consolidaram no “Século das Luzes” (século XVIII); - as correntes anti-racionalistas não formam uma unidade, pois são diversas; - os anti-racionalistas têm um ponto em comum: o combate à primazia da razão; - a razão é um valor absoluto e universal para os racionalistas, mas os anti-racionalistas consideram que a atribuição de valores às coisas é sempre relativa e particular a cada período e cultura; - contra o universalismo do saber racionalista valoriza-se o particular, pois um fato só adquire significado no interior de um contexto singular; - alguns fenômenos não são pasíveis de apreensão por uma pura abstração conceitual (racionalista) e não permitem que se chegue às generalizações válidas; - a ciência deve buscar o sentido das coisas e não apenas as explicações; - o racionalismo defende o distanciamento dos objetos, mas, justamente,comisso,pode-seperderapossibilidadedecompreendê- los; - o sentimento, a empatia e a identidade podem superar o raciocínio lógico como instrumentos epistemológicos; -éprecisodesvendaraessênciadosfatos,osseussentidosprofundos, e não apenas explicá-los pelas suas aparências; - a ênfase fundamental na produção do conhecimento não deve ser dada ao método, mas sim aos próprios conteúdos dos fenômenos; - o saber e o conhecimento são funções da sensibilidade da interpretação e não do método; - combate à noção de progresso e sua proposta de desvalorização
  • 51. ConhecimentoGeográfico1 51 unidade 2 da tradição; - a tradição não é o correspondente a atraso, mas exprime o valor do particular, do singular, do que é vivo e dinâmico e não como representando o atraso; - a subjetividade é um elemento incontornável na aquisição do conhecimento, porque a objetividade, que pressupõe a separação entre o sujeito e objeto, não serve à compreensão dos fenômenos humanos e sociais. Você percebeu que o conjunto desses argumentos mantém uma coerência crítica em relação aos pressupostos científico-racionalistas. Cada um destes argumentos vai subsidiar propostas anti-racionalistas de diversas origens. Ao conjunto dessas propostas, Gomes destacou a denominação de contracorrentes, conforme contido nesse texto: “Filosofia da Natureza, Romantismo, Her- menêutica e Fenomenologia são algumas correntes mais importantes desta oposição (...) estes movimentos não se estruturam em escolas bem definidas. Contudo, na maioria dos casos, pode-se identificar neste conjunto uma certa convergência de pontos de vista advinda de uma mesma oposição ao modelo racionalista clássico” (GOMES, 1996, p. 95). Você não deve ficar muito preocupado com a referência a mais um conjunto de concepções de pensamento. O que interessa neste curso é a influência desta herança filosófica na constituição do conhecimento geográfico contemporâneo, que remonta ao século XIX, quando todas estas correntes anti-racionalistas disputavam a consideração dos cientistas, filósofos e pensadores com as correntes racionalistas. Mas a influência deste dualismo epistemológico na Geografia é, justamente, o assunto da próxima unidade. Após estas primeiras leituras relativas aos dois pólos, tente se posicionar, assumindo um dos pólos, como opção para suas pesquisas. Procure justificar sua opção num texto de no máximo 10 linhas. Elabore um quadro ou outra ilustração, procurando propor uma visualização das principais características do pólo epistemológico racionalista. Este quadro deve ocupar uma única página.
  • 52. UniversidadeAbertadoBrasil 52 unidade 2 Você refletiu sobre o surgimento do método científico, que provocou a consolidação do conhecimento de base científica, mas isso não ocorreu num ambiente intelectual com ausência de debates e discussões. Muito pelo contrário, filósofos, cientistas e pensadores confrontaram-se numa arena intelectual na qual se constituíram pelo menos duas tradições: a dos racionalistas e a dos anti-racionalistas. Você pôde entender como essas discussões influenciaram o surgimento e a consolidação das diversas ciências, inclusive a Geografia. É isso, exatamente, o que será tratado na próxima unidade.
  • 55. UNIDADEIII Dualismo epistemológico e o conhecimento geográfico OBJETIVOS DE APRENDIZAGEM Compreender a influência do debate epistemológico da modernidade na formação da ciência geográfica; Entender as relações entre correntes filosóficas e a consolidação da Geografia como ciência moderna. ROTEIRO DE ESTUDOS SEÇÃO 1 – Tradição, modernidade e a formação da ciência geográfica SEÇÃO 2 – Filosofia e Geografia: Kant, Herder e o conhecimento geográfico moderno e contemporâneo SEÇÃO 3 – Herança filosófica e consolidação de uma nova ciência: a Geografia
  • 56. UniversidadeAbertadoBrasil 56 unidade 3 seção 1 TRADIÇÃO, MODERNIDADE E A FORMAÇÃO DA CIÊNCIA GEOGRÁFICA Você estudou questões relacionadas às origens e consolidação do pensamento científico na modernidade. As referências à Geografia foram pontuais e pouco freqüentes. Nesta unidade, procura-se relacionar o arcabouço geral abordado até agora com a questão específica de constituição de uma ciência geográfica, representando um segmento científico determinado e com teorias, conceitos e metodologias próprias. O que interessa é a formação deste campo científico com interesses e proposições que resultam numa nova Geografia, inserida na modernidade, transformando-se verdadeiramente numa ciência moderna. A modernidade e a Geografia A modernidade que envolve o conhecimento geográfico define-lhe uma nova forma de produzir este conhecimento, mantendo-se o conteúdo que remonta à antigüidade. Além disso, a Geografia institucionaliza- se como ciência, transformando-se em disciplina acadêmica e escolar. Formam-se associações, institutos e sociedades científicas, as quais têm o estudo das ciências geográficas como objetivo. Esse processo torna-se marcante e inexorável a partir do século XIX e tem o continente europeu como seu berço e ponto de irradiação para todo o mundo. É essa época e lugar que interessa neste estudo. Certamente, a Geografia, como saber e conhecimento que sempre interessou ao homem, não começou neste século, mas é tão antigo quanto o próprio homem sobre a Terra. Mas o conhecimento geográfico não vai ser abordado aqui em toda a sua riqueza e detalhes. Inicia-se esta seção, resgatando apenas as tradições que vêm desde a antigüidade e que deixaram suas marcas decisivas na própria constituição da Geografia como ciência que se consolida ao se adaptar ao projeto da modernidade. Essas tradições remontam às obras de Ptolomeu e Estrabão.
  • 57. ConhecimentoGeográfico1 57 unidade 3 Cláudio Ptolomeu nasceu na cidade de Ptololemaida, na Hérnia, que é banhada pelo Rio Nilo, no Egito, no início do século II d.C.. Ptolomeu criou o sistema geocêntrico ou o geocentrismo, que defendia ser a Terra o centro do Universo. Essa teoria foi aceita por 14 séculos, sob a aprovação da Igreja Católica. Além disso, ele “fez uma síntese de todo conhecimento grego e distinguiu Cosmografia de Geografia e Corografia. A primeira, volta-se para o estudo do Universo, a segunda, para o estudo da Terra como um todo e a terceira diz respeito ao estudo de suas partes”(LENCIONI, 1999, p.42). Estrabão nasceu na Amásia, na Ásia Menor. Há controvérsias sobre as datas de nascimento e morte, mas há referências de que ele viveu de 63 a.C. à 25 d.C. Escreveu uma obra intitulada “Geografia” em 17 volumes. Dessa imensa obra, apenas o sétimo volume se perdeu. Ele inicia sua Geografia fazendo uma revisão crítica do conhecimento geográfico acumulado até aquele momento e, na seqüência, aborda a Geografia matemática, mas, nos outros 15 volumes, dedica-se a estudar o ecúmeno e toda a vida humana nele presente, dividindo-o “em regiões, com suas histórias, costumes, economia e instituições” (LENCIONI, 1999, p.45). Além deste capítulo do livro de Lencioni (1999), você poderá encontrar um histórico sobre a evolução do pensamento geográfico da Antigüidade até as Idades Moderna e Contemporânea na obra de Sodré (1978). Início da Geografia moderna Ptolomeu e Estrabão foram os pensadores que proporcionaram as bases para o desenvolvimento do projeto de uma Geografia moderna independente. Essa relação começou a partir da constatação de que a Geografia moderna, como todas as outras ciências, não se iniciou com a modernidade. Você já deve ter lido várias vezes, ao estudar a história das mais diversas ciências, a seguinte expressão: “o pai de tal ciência...”, e aí se faz uma referência a um filósofo qualquer da Antigüidade! Em outras palavras, os pais de todas as ciências viveram na Antigüidade. O que aconteceu, a partir do advento da formação da ciência moderna, com os seus métodos e os seus pressupostos epistemológicos cientifico - racionalistas, foi a adaptação de todos os campos do saber humano a esses novos pressupostos. Isso provocou a reinvenção destes diferentes conjuntos de conhecimentos, delimitados como ciências específicas e modernas. Com a Geografia não foi diferente. Nesse caso, o rompimento com a ordem medieval, no contexto renascentista, resultou em dois pontos de partida a partir dos quais a Geografia tomou novos rumos (GOMES, 1996, p.127):
  • 58. UniversidadeAbertadoBrasil 58 unidade 3 - o surgimento de um novo modelo cosmológico; - a adoção da Antigüidade Clássica como fonte principal de inspiração. O novo sistema cosmológico é o heliocentrismo, que substitui o geocentrismo de Ptolomeu, que representava o conhecimento do Universo e que foi considerado praticamente como dogma pela poderosa Igreja Católica medieval. O criador do heliocentrismo foi Nicolau Copérnico, que propôs ser o Sol o centro do Universo e a Terra um astro que gira em torno dele, ao contrário do geocentrismo. A obra de Ptolomeu é retomada na modernidade e com ela sua Geografia. O modelo ptolomaico era composto de uma Cosmografia (Almageste) e de uma Geografia. A Geografia baseava-se em conjuntos de mapas e estudos sobre a forma e dimensão da Terra, além da análise sobre a localização de áreas específicas na superfície terrestre. Preocupava- se em conceber uma ordem aos dados e informações conseguidas. Na verdade, ele fazia mais Cartografia do que propriamente Geografia (GOMES, 1996). O sistema ptolomaico fundamenta-se numa preocupação com a unidade terrestre e a recusa em produzir o conhecimento através apenas de descrições de áreas da Terra (Corografia). A Geografia da modernidade adota o modelo ptolomaico, no qual se destacam alguns procedimentos (GOMES, 1996, p.129): - discussão sobre a criação do mundo; - estudos sobre a forma da Terra; - análise dos círculos terrestres; - identificação das zonas climáticas; - pesquisas sobre a estrutura física da Terra. A Geografia moderna Toda esta discussão entre os pólos racionalistas e anti-racionalistas influenciouaconstruçãodoconhecimentogeográfico.Nomesmocontexto, o mundo conhecido ampliou-se. A África, as Américas e a Antártida foram “descobertas”. Imagine o impacto desta notícia: “o mundo que conhecemos é muito maior do que pensávamos”. Então, passa a existir uma necessidade
  • 59. ConhecimentoGeográfico1 59 unidade 3 de conhecer, descrever, comparar, informar, divulgar e explorar o Novo Mundo. Contudo, nem todos os exploradores se contentaram apenas em deixar suas “pegadas”, explorando ao máximo as preciosidades e especiarias para enriquecer cada vez mais as metrópoles dominantes num primeiro espasmo colonialista: Portugal, Espanha e Inglaterra. Camões, em seus poemas, criava inspirado nestas “novas terras” e na aventura que era navegar em busca destas descobertas. Mas esta visão idílica dos descobrimentos durou pouco e logo começaram os extermínios, a escravização e a exploração das riquezas animais, vegetais e minerais do “Novo Mundo”. A ciência geográfica foi fundamental neste período. Que ciência serviria melhor para localizar e levantar os povos existentes, as riquezas, se não a Geografia? Contudo, esta ciência, em vias de consolidação como uma ciência moderna, precisava criar os seus instrumentos teóricos e metodológicos para sistematizar os conhecimentos que acumulava. Foram criados os seus princípios norteadores, como a extensão, a analogia e a causalidade. Estes princípios são os responsáveis pela consolidação da Geografia contemporânea (BARSA, 1977). Princípios da Geografia contemporânea Você deve conhecer não apenas os princípios, mas também os seus criadores. Com isso, você poderá entender melhor a Geografia tradicional: O princípio da extensão foi definido por Friedrich Ratzel, e aplicá-lo deveria ser a primeira preocupação do moderno geógrafo. Este princípio consistia em localizar os fatos observados, determinando-lhes a área geográfica e os mapeando convenientemente (BARSA, 1977). O principio da analogia, também conhecido como princípio da geografia geral, foi aplicado por Karl Ritter e, depois, largamente utilizado por Vidal de la Blache e seus discípulos. Sua principal função consistia em procurar as analogias entre um fato observado em uma determinada área e outros em áreas diferentes, objetivando formar as Leis da Geografia Geral. Por fim, o princípio da causalidade, introduzido por Humboldt. Este princípio consiste em procurar as causas e estudar as conseqüências dos
  • 60. UniversidadeAbertadoBrasil 60 unidade 3 fatos observados (BARSA, 1977). Apoiado em tais princípios, os geógrafos passaram a propor outros como o princípio da unidade terrestre, que nega a existência de fatos geográficos isolados, pois, por mais simples que sejam, há sempre uma correlação ou dependência de fatores diversos, que se encadeiam e obedecem a leis gerais; o princípio das relações entre a vida e o meio geográfico, no qual todas as formas de vida existentes sobre a Terra (vegetais, animais e o próprio homem) acham-se em constante dependência do meio natural e cultural (BARSA, 1977). Por último, o “princípio da atividade, que rejeita o caráter estático dos fatos geográficos, admitindo seu permanente dinamismo, sua mutação lenta ou rápida, conforme as circunstâncias, fato que se comprova em relação às formas de relevo, aos tipos de climas, às paisagens vegetais, à população, à ocupação do solo ou uso da terra, aos mercados e aos meios de transporte”. (BARSA, 1977) Geografia Geral A sistematização do conhecimento geográfico, já presente na Antigüidade, foi retomada, como cosmografias ou cosmogonias, mas incorporando novos dados e informações e cálculos mais precisos possibilitados por inovações tecnológicas e novas teorias científicas. O que resulta disso tudo é o reforço do “mesmo modelo conhecido há muito tempo” e a produção de “uma Imago Mundi moderna” (GOMES, 1996, p. 129). Assim, “as cosmografias estão, pois, na origem da tradição que define simultaneamente a escolha temática e confere uma metodologia geral à geografia” (GOMES, 1996, p.129). Ora, quando Gomes (1996) refere-se a uma “metodologia geral à geografia”, o que se tem é a fundamentação metodológica da Geografia Geral, que ainda hoje é considerada no próprio ensino da Geografia no ensino básico. Você pode verificar isso ao identificar o conteúdo Procure pesquisar esta informação em livros didáticos de Geografia dessas séries. Essa abordagem geral da disciplina, que nos livros mais tradicionais, começa com uma introdução aos conhecimentos astronômicos, passando por noções cartográficas, abordando questões geológicas e de geografia física, até atingir aspectos da geografia chamada humana, ainda domina a forma de se ensinar geografia.
  • 61. ConhecimentoGeográfico1 61 unidade 3 As origens da Geografia Regional A tradição liderada por Estrabão é muito relacionada ao gênero das “narrativas de viagem”, que cresceu na modernidade com a “descoberta” pelos europeus de novos continentes e povos. A descoberta do “desconhecido” relacionada a um mundo de aventuras e epopéias insere- se no imaginário da população européia e gera este gênero literário, e também científico, que do início da modernidade chega até o século XIX (GOMES, 1996, p.130). Por exemplo, o Brasil, também, sempre recebeu viajantes estrangeiros, que narravam o que viam, e esses relatos tornaram- se fontes indispensáveis para o conhecimento da história e geografia brasileiras do período colonial. Procure fazer uma pesquisa na internet e/ou em enciclopédias sobre os “viajantes estrangeiros no Brasil”. Use essa expressão para iniciar a pesquisa. Como você sabe, faz 200 anos que a família real portuguesa chegou ao Brasil e com ela vieram artistas e cientistas europeus que passaram a estudar e pintar a Geografia brasileira. Dom Pedro II também incentivou estas visitas. Aproveitando esse fato histórico, leia e discuta com seus colegas alguns relatos de viagens, de preferência aqueles relacionados à região na qual você estuda. Um viajante importante para a região sul foi Saint-Hilaire. Geografia Geral e Geografia Regional Parece evidente que a tradição legada por Estrabão forneceu o modelo básico da abordagem regional na Geografia e pode ser considerada a precursora da chamada Geografia Regional. Considerando as duas tradições, a de Ptolomeu e a de Estrabão, pode-se classificar a primeira de matemático-cartográfica, e a segunda de histórico-descritiva. Na verdade, o uso integrado dessas duas tradições não foi raro e se pode afirmar que “a geografia moderna se propõe a ser a união dessas duas tendências” (GOMES, 1999, p.131). Esse mesmo autor analisou o que significou essa integração para a formação de uma ciência geográfica moderna: “É então possível afirmar que existia já nessas programático da Geografia na 5ª série do ensino fundamental e na 1ª série do ensino médio.
  • 62. UniversidadeAbertadoBrasil 62 unidade 3 Dicotomias da Geografia Oimportantenesteitemérelacionaraconsolidaçãodasduasgeografias (Geografia Geral e Regional) e o enriquecimento teórico-conceitual que foi se operando na Geografia moderna. A Geografia Geral, por exemplo, sustenta-se num conceito de espaço visto como aquele que pode concretizar a abordagem científica da unidade terrestre. A análise do pensamento geográfico, até bem recentemente, não relacionou esta dualidade na estruturação da ciência geográfica moderna com a dualidade epistemológica da modernidade, conforme considerada nas seções anteriores deste fascículo. Veja-se, por exemplo, Christofoletti (1982, p. 13), que afirma: “o designativo geral não se referia ao conceito da metodologia científica de procurar generalizações ou leis, mas se baseava no princípio da unidade terrestre”. A abordagem que se prioriza neste livro destaca, por outro lado, que esta dicotomia fundadora da Geografia moderna pode estar relacionada ao debate científico geral, no qual se destacam também duas propostas possíveis para operacionalizar o método científico (GOMES, 1996, p. 132): - método nomotético: 1º) observação de fatos regulares; 2º) buscar generalizações, utilizando a capacidade de representação racional e desconsiderando contextos particulares; tentativas de integração uma maneira de conceber a geografia como uma relação entre a organização geral do mundo e sua imagem, de um lado, e a fisionomia particular de algumas de suas partes, de outro. Esta concepção é talvez a origem da aproximação retida pelos manuais tradicionais de geografia moderna, que fazem figurar em geral uma cosmografia seguida de descrições regionais” (GOMES, 1996, p. 130). O que se tem é um modelo dual consolidado da ciência geográfica moderna, no qual se conformam duas geografias: a Geografia Geral e a Geografia Regional. A integração, embora sempre tenha sido perseguida, nunca aconteceu de uma forma que se pudessem integrar teorias, conceitos e metodologias. A integração destas duas geografias sobrevivia de forma mecanicista e funcional. É assim que ela foi levada ao mundo acadêmico e aos manuais escolares. Procure pesquisar nos livros didáticos com os quais você estudou ou tem acesso, em quais séries existem conteúdos de Geografia Regional. Tente também analisar se esses conteúdos realmente se integram aos de Geografia Geral. Você poderá verificar se, de fato, tais conteúdos estão bem integrados.
  • 63. ConhecimentoGeográfico1 63 unidade 3 - método ideográfico: 1º) considerar estudo de casos específicos, únicos e não-redutíveis; 2º) apreendê-los como casos específicos que são. Considerando esta relação bastante plausível entre a Geografia e a ciência em geral, Gomes (1996, p. 132) conclui, afirmando que “a tradição geográfica anterior ao advento da ciência moderna é também interpretada entre um saber racionalista, geral e objetivo e um outro que repousa sobre a descrição do particular”. Dualidade epistemológica e dualidades geográficas É possível relacionar a dualidade epistemológica entre racionalistas e anti-racionalistas a outra dicotomia que aparece na Geografia moderna, ligada a mais duas outras geografias: a Geografia Física e a Geografia Humana. Nesse caso, a abordagem científico-racionalista mostra a Geografia Física como um campo “amigável” de aplicação dos seus pressupostos. Afinal, os diversos segmentos considerados neste grande ramo da ciência geográfica reportam-se às “ciências puras”: físicas, químicas e naturais. Tempo, clima, rochas, solos, relevo, rios, mares, oceanos e vegetações integram-se, formando aquilo que se chama de natureza, que é o objeto geral de todas estas ciências que se utilizam produtivamente do método científico. Por outro lado, a Geografia Humana tem por interesse o estudo das sociedades e comunidades humanas, considerando o contexto físico e cultural que envolve estas sociedades e comunidades. Geografia Humana Os estudos de Geografia Humana se depararam, inicialmente, e quase que exclusivamente, com sociedades agrárias, fortemente integradas ao seu meio geográfico, o que resultava num padrão muito diverso de “gêneros de vida” espalhados pelo espaço geográfico dos vários continentes. A Geografia Humana beneficiava-se por um processo que vai estar relacionado à evolução de todas as ciências sociais e humanas e que se pode sintetizar da seguinte forma: “As chamadas ciências sociais e humanas ensinaram ao mundo relativizar, a ser