Elementos de História do Brasil Colonial

725 visualizações

Publicada em

Apresentação-resumo dos primeiros capítulos da obra de Boris Fausto, para Literatura Brasileira colonial.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
725
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
33
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Elementos de História do Brasil Colonial

  1. 1. História do Brasil Colonial Sobrevoo histórico para embasamento das aulas de Literatura Brasileira I
  2. 2. • Esta apresentação, para uso interno e fins didáticos, é um fichamento dos primeiros capítulos da obra “História do Brasil”, de Boris Fausto, utilizado como introdução histórica para contextualização das obras a serem estudadas na disciplina Literatura Brasileira I, do curso de Licenciatura em Letras, do IFSP, Campus São Paulo.
  3. 3. Causas da expansão marítima e chegada dos portugueses • A partir de 1550, mudanças na Europa ocidental • Europa agrícola, com poder político fragmentado • Expansão agrícola e crescimento das cidades • Formação de Estados a partir do século XIII, com corpo administrativo apartado da nobreza • Expansão de territórios da Europa cristã • A partir do século XIV, crise, retrocesso da expansão agrícola e da expansão territorial, peste negra
  4. 4. • Necessidade de expandir a base geográfica e populacional • Pioneirismo de Portugal • Posição geográfica e experiência com trocas comerciais • Revolução de 1383 reforça o poder monárquico • Estado teve condições de se tornar empreendedor • Gosto pela aventura • Grande parte do globo era desconhecida • Muitas fábulas, lendas e mitos
  5. 5. Fatores que impulsionaram as navegações • Desenvolvimento das técnicas de navegação: a nova mentalidade • Novas técnicas de navegação e melhores embarcações • Questionamento do argumento de autoridade • A atração pelo ouro e as especiarias • Ouro era moeda confiável e item de decoração • Noz moscada, gengibre, canela, cravo e pimenta • Produtos mais raros, úteis para disfarçar sabor de carne conservada
  6. 6. Expansão marítima portuguesa • Ocupação da costa africana e feitorias • Ocupação de Ceuta em 1415 • Estabelecimento de feitorias na Costa da África • Ouro, pimenta e escravos • Ocupação das ilhas do Atlântico • Plantação utilizando trabalho escravo • Plantação de cana, concorrência com São Tomé • Chegada ao Brasil teria sido acaso? Curiosidade histórica • Frota de Cabral rumava às Índias • Expressões "nascimento" e "descobrimento" são inadequadas
  7. 7. Os índios • População culturalmente e linguisticamente homogênea • Tupis-guaranis e tapuias • Tupis: costa brasileira, norte e sudeste • Guaranis: bacia do Paraná e litoral sul • Populações não tupis chamadas de tapuias • Dificuldade de analisar a sociedade indígena: preconceito e falta de dados • Migrações constantes, técnica da queimada • Economia de subsistência: feijão, milho, abóbora e mandioca
  8. 8. • Poucas trocas de gêneros alimentícios, muitas trocas de mulheres e artigos de luxo • Guerras e capturas de inimigos • Respeito, temos e ódio aos portugueses • Violência, epidemias e mortes • Mestiçagem, isolamento. Redução brusca da população.
  9. 9. Períodos do Brasil Colonial • 1500/1549 - reconhecimento e posse da terra • 1548/aprox. 1770 - processo de colonização • Aprox. 1770/1822 - crise do sistema colonial e processo de independência
  10. 10. Tentativas iniciais de exploração • Chegada ao Brasil: pouco entusiasmo • Extração de pau-brasil/trocas com os índios • Tratado de Tordesilhas (1494) e rota para as Índias • Ameaça francesa e pirataria do pau-brasil
  11. 11. Início de colonização - as capitanias hereditárias • Expedição de Martim Afonso de Souza • Capitanias hereditárias: quinze quinhões • Burocratas, comerciantes e pequenos nobres • Grande nobreza não tinha interesse • Grandes poderes aos donatários • Doação de sesmarias gerou latifúndios • Rei tinha muitos direitos sobre capitanias • Só Pernambuco e São Vicente prosperaram • No século XVIII, capitanias passaram definitivamente para o domínio do Estado
  12. 12. O Governo Geral • Sucesso da Espanha com metais preciosos e problemas com a Índia aceleraram a instauração do Governo Geral • Capitanias fracassaram • Tomé de Sousa: regimento e criação de cargos • Brasil: 2,5% das rendas da coroa. Índia, 26%. • Jesuítas vieram com Tomé de Sousa • Poder do governador geral era limitado pelas dificuldades de comunicação das capitanias • Após 1530, colonização toma forma • Opção pela grande propriedade e produção em larga escala
  13. 13. Trabalho compulsório e escravidão • Trabalho assalariado não era conveniente para a colonização • Passagem paulatina da escravidão indígena para a negra • Primeiro nos núcleos econômicos, depois nas periferias • Índios não possuíam noção de produtividade • Submissão e aculturação foram tentadas com os índios • Não houve reconhecimento da cultura indígena
  14. 14. • Índios tinham melhor condição de resistência à escravidão que negros • Catástrofe demográfica com as epidemias • Leis facilmente burláveis protegiam índios, a partir de 1570, mas a escravidão foi abandonada por motivos econômicos • Para as intenções colonizadoras, capacidade produtiva dos negros era superior à dos indígenas. 4 milhões de negros foram trazidos de 1550 a 1885.
  15. 15. • Salvador e Rio de Janeiro foram os principais centros importadores • Forte resistência negra à escravidão. Quilombos • Igreja e Coroa sustentaram ideologicamente a escravidão • Legalmente, negros não tinham estatuto de pessoas • Catástrofe demográfica indígena não atingiu os negros • Perdas de braços eram compensadas com importação e não com natalidade
  16. 16. Mercantilismo • Concepções econômicas dos estados europeus • Retenção de metais preciosos • Estímulo à produção e venda de manufaturados • Grande intervenção do Estado
  17. 17. O "exclusivo" colonial • Colônias serviam como áreas reservadas da Metrópole • Colônias vendiam barato à Metrópole • Só com Marquês de Pombal Portugal aplicou adequadamente mercantilismo • Portugal dominava a expansão marítima, mas não monopolizava o comércio colonial
  18. 18. • Sistema tinha margem para participação de outros países • 1530 a 1571 - relativa liberdade • 1571 a 1640 - maiores restrições • 1640 a 1649 - livre-comércio • 1649 a 1765 - sistemas de frotas em troca de vantagens comerciais • 1765 - Marquês de Pombal cria as Companhias
  19. 19. Literatura e situação • Origens da nossa literatura associam-se a um complexo colonial de vida e de pensamento • Colônia foi gradativamente tornando-se sujeito de sua história, a partir da aculturação do português e do negro. • Ciclos de ocupação e de exploração deram origem a ilhas culturais • Houve dispersão em subsistemas regionais, mas também influxos da Europa
  20. 20. • O descompasso entre esses influxos e nossos sistemas gerou uma vida espiritual de caráter híbrido, consistente com a coexistência de códigos europeus e conteúdos coloniais • A decadência de Portugal fez com que a Metrópole também fosse colônia na área das ideias
  21. 21. • Laivos de nativismo fizeram diferença com a produção da Metrópole. O nativismo podia ser estático, pela menção da paisagem, ou dinâmico, pela inserção numa fantasia poética. • Inconfidentes buscaram fontes ideológica não- portuguesas e não-ibéricas, buscando modos de assimilação mais dinâmicos da cultura europeia • Processo colonial condicionou a intelectualidade brasileira
  22. 22. Bibliografia • BOSI, Alfredo. História concisa da literatura brasileira. 43. ed. São Paulo: Cultriz, 2006. • FAUSTO, Boris. História do Brasil. 9. ed. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, Fundação para o Desenvolvimento da Educação, 2001.

×