Moniele Tavares
o
INSUFICIÊNCIA
AÓRTICA
O QUE É?
• incapacidade de fechamento das
sigmoides aórticas.
PRINCIPAIS CAUSAS
• Moléstia reumática;
• Aterosclerose;
• Endocardite infecciosa;
• Doença primária das valvas semilunare...
FISIOPATOLOGIA
Insuficiência
Aórtica
Crônica
Aguda
Descompensada
Compensada
Redução da complacência
ventricular E
Aumento ...
EXAME FÍSICO
• Sinais Periféricos:
• PA divergente;
• Dança arterial;
• Sinal de Musset;
• Sinal de Minervini;
• Sinal de ...
• Eletrocardiograma:
• Radiografia:
HISTÓRIA CLÍNICA
• A disfunção ventricular e vai se instalando
de forma insidiosa e progressiva...
• Fadiga;
• Dispnéia;
•...
Tratamento
• Medicamentoso:
• Vasodilatadores( Nifedipina,Hidralazina ou
IECA)
• Cirúrgico:
• TROCA VALVAR
• 559
• 39 MED
INSUFICIÊNCIA
MITRAL
O QUE É?
• Fechamento incompleto da valva mitral
com refluxo de sangue para o átrio
esquerdo, durante a sístole ventricula...
PRINCIPAIS CAUSAS
• Moléstia reumática
• Prolapso valvar mitral
• infarto agudo do miocárdio
• A história natural deste defeito valvar
DEPENDE:
• Modo de instalação que difere conforme a
ETIOLOGIA!
ETIOLOGIA
• 1- Infarto Agudo do Miocárdio e
Endocardite Infecciosa:
• Disfunção ou ruptura dos músculos
papilares-------->...
• VE hipercinético sem sinais de dilatação;
• Ictus cordis não dilatado,mas de
intensidade maior
• sopro sistólico
• 4ª bu...
ETIOLOGIA
• Reumática:
• Instalação gradativa evolução crônica---->
DILATAÇÃO PROGRESSIVA DO ÁTRIO
E
• Pequena elevação da...
INSPEÇÃO E PALPAÇÃO DO
PRECÓRDIO
• ictus cordis com características de dilatação
do ventrículo esquerdo e um frêmito sistó...
O QUE OCORRE NA
INSUFICIÊNCIA MITRAL?
Não há lesões do aparelho valvar,
mas sim dilatação do anel da valva mitral
acompanh...
EXAMES DE IMAGEM
• Eletrocardiograma: Sobrecarga atrial e
ventricular E
• Radiografia: Sinais de Congestão
pulmonar
• Ecod...
ESTENOSE MITRAL
O QUE É?
CLASSIFICAÇÃO QUANTO A
GRAVIDADE
• Leve: 1,5-2,5cm²
• Moderada: 1,0-1,5cm²
• Grave: <1,0cm²
FISIOPATOLOGIA
• 1- Congestão Pulmonar;
• A congestão pulmonar é a principal
responsável pelos sintomas da estenose
mitral...
DURANTE O ESFORÇO
FÍSICO
• Aumenta:
• DC  Retorno Venoso  P atrial E
Congestão Pulmonar
• FC Reduz tempo de diástole ...
ETIOLOGIA
• 95% Cardiopatias reumáticas crônicas;
HISTÓRIA CLÍNICA
• Principal sintoma: DISPNÉIA AOS
ESFORÇOS!
• Síndrome de baixo Débito: Fadiga,
cansaço e lipotímia
• Pct...
EXAME FÍSICO
• Cianose nas mãos e no rosto;
• Abaulamento paraesternal E( Hipertensão
Pulmonar grave)
• Palpação do ictus:...
AUSCULTA
• Hiperfonese de B1;
• Hiperfonese de B2;
EXAMES
• ECG: Sobrecarga atrial E e ventricular D
• Rx de Tórax: Aumento do AE, Dilatação
da A. Pulmonar e crescimento do ...
ESTENOSE AÓRTICA
O QUE É?
• A área normal: 2,5- 3,5cm²
CLASSIFICAÇÃO QUANTO A
GRAVIDADE
• Leve: 1,5cm²
• Moderada:1-1,5cm²
• Grave:< 1cm²
FISIOPATOLOGIA
Fase
Compensada
Fase
Descompensada
1- Hipertrofia Ventricular Concêntrica do VE
1- Hipertrofia Ventricular ...
ETIOLOGIA
• Malformação Congênita;
• Moléstia Reumática;
• Degeneração Senil com deposição de
Cálcio;
EXAME FÍSICO
• Pulso Radial de pequena amplitude;
• Ictus pode estar deslocado para baixo e p
E;
• Sopro Mesossistólico de...
EXAMES
• ECG: Sobrecarga ventricular E( onda T
negativa)
• Rx de Tórax: Não há aumento do VE
• Ecodopplercardiografia: Sít...
Doenças orovalvares
Doenças orovalvares
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Doenças orovalvares

774 visualizações

Publicada em

Doenças orovalvares

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
774
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
8
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Doenças orovalvares

  1. 1. Moniele Tavares o
  2. 2. INSUFICIÊNCIA AÓRTICA
  3. 3. O QUE É? • incapacidade de fechamento das sigmoides aórticas.
  4. 4. PRINCIPAIS CAUSAS • Moléstia reumática; • Aterosclerose; • Endocardite infecciosa; • Doença primária das valvas semilunares; • Obs: As manifestações clínicas são diretamente proporcionais ao sangue refluído;
  5. 5. FISIOPATOLOGIA Insuficiência Aórtica Crônica Aguda Descompensada Compensada Redução da complacência ventricular E Aumento da Pré-carga Hipertrofia do VE excentríca Bradicardia Isquemia Miocárdica Bradicárdico-Dependente Emergência Médica
  6. 6. EXAME FÍSICO • Sinais Periféricos: • PA divergente; • Dança arterial; • Sinal de Musset; • Sinal de Minervini; • Sinal de Duroziez; • Sinais no Nível do Coração: • Características do Ictus Cordis • Sopro Diastólico
  7. 7. • Eletrocardiograma: • Radiografia:
  8. 8. HISTÓRIA CLÍNICA • A disfunção ventricular e vai se instalando de forma insidiosa e progressiva... • Fadiga; • Dispnéia; • Angina Noturna;
  9. 9. Tratamento • Medicamentoso: • Vasodilatadores( Nifedipina,Hidralazina ou IECA) • Cirúrgico: • TROCA VALVAR • 559 • 39 MED
  10. 10. INSUFICIÊNCIA MITRAL
  11. 11. O QUE É? • Fechamento incompleto da valva mitral com refluxo de sangue para o átrio esquerdo, durante a sístole ventricular.
  12. 12. PRINCIPAIS CAUSAS • Moléstia reumática • Prolapso valvar mitral • infarto agudo do miocárdio
  13. 13. • A história natural deste defeito valvar DEPENDE: • Modo de instalação que difere conforme a ETIOLOGIA!
  14. 14. ETIOLOGIA • 1- Infarto Agudo do Miocárdio e Endocardite Infecciosa: • Disfunção ou ruptura dos músculos papilares--------> Aumento da Pressão Intra atrial---> EDEMA AGUDO DE PULMÃO
  15. 15. • VE hipercinético sem sinais de dilatação; • Ictus cordis não dilatado,mas de intensidade maior • sopro sistólico • 4ª bulha originada pela contração vigorosa do átrio esquerdo. EXAME FÍSICO DO CORAÇÃO
  16. 16. ETIOLOGIA • Reumática: • Instalação gradativa evolução crônica----> DILATAÇÃO PROGRESSIVA DO ÁTRIO E • Pequena elevação da pressão IA • Obs: A insuficiência mitral reumática com frequência está associada à estenose mitral.
  17. 17. INSPEÇÃO E PALPAÇÃO DO PRECÓRDIO • ictus cordis com características de dilatação do ventrículo esquerdo e um frêmito sistólico no foco mitral. • À ausculta: 3ª bulha cardíaca, sopro sistólico de regurgitação, • o ritmo é irregular pela ocorrência de fibrilação atrial.
  18. 18. O QUE OCORRE NA INSUFICIÊNCIA MITRAL? Não há lesões do aparelho valvar, mas sim dilatação do anel da valva mitral acompanhando a dilatação da cavidade ventricular esquerda
  19. 19. EXAMES DE IMAGEM • Eletrocardiograma: Sobrecarga atrial e ventricular E • Radiografia: Sinais de Congestão pulmonar • Ecodopplercardiografia: possibilita identificar a causa da insuficiência mitral
  20. 20. ESTENOSE MITRAL
  21. 21. O QUE É?
  22. 22. CLASSIFICAÇÃO QUANTO A GRAVIDADE • Leve: 1,5-2,5cm² • Moderada: 1,0-1,5cm² • Grave: <1,0cm²
  23. 23. FISIOPATOLOGIA • 1- Congestão Pulmonar; • A congestão pulmonar é a principal responsável pelos sintomas da estenose mitral, especialmente a dispnéia aos esforços e a ortopneia. • Obs: Uma pressão venocapilar maior do que • 18mmHg  SÍNDROME CONGESTIVA
  24. 24. DURANTE O ESFORÇO FÍSICO • Aumenta: • DC  Retorno Venoso  P atrial E Congestão Pulmonar • FC Reduz tempo de diástole Aumenta p atrial E  Congestão Pulmonar
  25. 25. ETIOLOGIA • 95% Cardiopatias reumáticas crônicas;
  26. 26. HISTÓRIA CLÍNICA • Principal sintoma: DISPNÉIA AOS ESFORÇOS! • Síndrome de baixo Débito: Fadiga, cansaço e lipotímia • Pct pode apresentar: Tosse com hemoptise+ dor torácica, rouquidão e disfagia;
  27. 27. EXAME FÍSICO • Cianose nas mãos e no rosto; • Abaulamento paraesternal E( Hipertensão Pulmonar grave) • Palpação do ictus: • Retração sistólico,levantamento em massa e pulsação epigástrica- Hipertrofia VD • Frêmito diastólico no foco mitral;
  28. 28. AUSCULTA • Hiperfonese de B1; • Hiperfonese de B2;
  29. 29. EXAMES • ECG: Sobrecarga atrial E e ventricular D • Rx de Tórax: Aumento do AE, Dilatação da A. Pulmonar e crescimento do VD • ECO: Trombo intra-atrial, grau de flexibilidade valvar e calcificação das cúspides
  30. 30. ESTENOSE AÓRTICA
  31. 31. O QUE É? • A área normal: 2,5- 3,5cm²
  32. 32. CLASSIFICAÇÃO QUANTO A GRAVIDADE • Leve: 1,5cm² • Moderada:1-1,5cm² • Grave:< 1cm²
  33. 33. FISIOPATOLOGIA Fase Compensada Fase Descompensada 1- Hipertrofia Ventricular Concêntrica do VE 1- Hipertrofia Ventricular Concêntrica do VE excessiva reduz a reserva coronariana 2- Isquemia Miocardica 3-Debito Cardiaco Fixo 4- Insuficiencia Cardiaca Congestiva
  34. 34. ETIOLOGIA • Malformação Congênita; • Moléstia Reumática; • Degeneração Senil com deposição de Cálcio;
  35. 35. EXAME FÍSICO • Pulso Radial de pequena amplitude; • Ictus pode estar deslocado para baixo e p E; • Sopro Mesossistólico de Ejeção( Em diamante) no foco aórtico, pode haver um desdobramento invertido de B2;
  36. 36. EXAMES • ECG: Sobrecarga ventricular E( onda T negativa) • Rx de Tórax: Não há aumento do VE • Ecodopplercardiografia: Sítio que se localiza a estenose aórtica : Valvar,subvalvar ou supravalvar;

×