Do autoritarismo à democracia

377 visualizações

Publicada em

bons resultados. :)
Ana Sousa.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
377
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
15
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Do autoritarismo à democracia

  1. 1. Trabalho realizado por: Ana Sousa nº3 Carolina Cerqueira nº7
  2. 2.  Politicamente, depois da 2ª Guerra Mundial, Portugal manteve a mesma forma autoritária, a ignorar a onda democrática que inundava a Europa.  Economicamente: • período confuso atraso do país evidente; • não acompanha o crescimento económico do resto da Europa; • estagnada pelo mundo rural e pela emigração; • ocorre um considerável surto industrial e urbano; • as colónias tornaram-se alvo das preocupações. Imobilismo político e crescimento económico
  3. 3.  Agricultura: • sector dominante; • pouco desenvolvida; • baixos índices de produtividade.  Tipos de estruturas fundiárias: • No norte predominava o minifúndio; • No sul estendiam-se propriedades imensas, que se encontravam subaproveitadas (latifúndios). Estagnação do mundo rural e do surto industrial
  4. 4. Desenvolvimento industrial: planos de fomento
  5. 5.  Nas décadas de 30 e 40 constata-se que a emigração é bastante reduzida, ao contrário da década de 60 em que o período de emigração é mais intenso, as pessoas deslocam-se do campo em direção á cidade com a mão de obra para os países europeus os salários são mais elevados. Também na década de 60 houve a fuga á guerra colonial. Emigração:
  6. 6.  A recusa a democratização: • Depois da II guerra mundial, Portugal e Espanha mantiveram os seus regimes autoritários. Em Portugal, os oposicionistas acreditaram que era possível recuperar as liberdades e exigiram a realização de eleições livres. Do exterior surgiram igualmente pressões políticas por parte de países com regimes democráticos como os EUA e a Grã-Bretanha. Em outubro de 1945, foi dissolvida a Assembleia Nacional e foram marcadas eleições legislativas para 18 de novembro, afirmando Salazar que as mesmas deveriam ser “ tão livres como na livre Inglaterra ’’. A recusa à democratização e a oposição democrática: eleições.  A oposição democrática: • A oposição apoia Norton de Matos que concorre contra o candidato do regime Óscar Carmona. Era a primeira vez que um candidato da oposição concorria à presidência da república e a campanha voltou a entusiasmar o país. Porém, face a uma severa repressão, Norton de Matos desistiu pouco antes das eleições. • O vencedor foi Óscar Carmona.
  7. 7. Humberto Delgado concorre as novas eleições criticando a ditadura, e por isso foi apelidado de ‘‘ general sem medo ’’. O mesmo anuncia a sua intenção de demitir Salazar caso viesse a ser eleito. O governo procurou limitar-lhe os movimentos, acusando-o de provocar “agitação social, desordem e intranquilidade pública”. Oposição democrática: eleições Américo Tomás, vence esmagadoramente. As eleições foram consideradas fraudulentas, por muitos observadores. Salazar altera a forma de eleição do Presidente que passa a ser eleito por colégio eleitoral Humberto Delgado é assassinado pela PIDE em 1965, após o exílio.
  8. 8.  Portugal na segunda guerra mundial conseguiu ter alguma propriedade económica devido à sua neutralidade, o país depois da guerra não acompanhou o desenvolvimento económico. Salazar recusou o apoio do plano Marshall, e esta foi uma forma de evitar a liberação do país. A sua balança era inconveniente, tinha de importar alimentos, matérias-primas e meios técnicos para realizar o programa industrial. A sua mão de obra era pouco quilificada e havia altas taxas de analfabetismo.  Puseram em prática Planos de Fomento para o desenvolvimento industrial do país e para a criação de infra estruturas. Portugal aderiu ao European Free Trade Association (EFTA) e proporcionou um desenvolvimento na industria virado para a exportação. O país tinha também pouca produtividade, desta forma os camponeses saíam para as guerras coloniais e emigravam. O tardio desenvolvimento económico e o desenvolvimento industrial • Actuais membros: Islândia, Liechtenstein, Noruega e Suíça. • Ex-membros: Áustria, Dinamarca, Finlândia, Portugal, Reino Unido e Suécia.  EFTA: membros ex-membros
  9. 9. 1940 1960 1970 1981 setor terciário setor secundário setor primário Evolução da população ativa portuguesa por setores de atividade: 0% 50% 100% 26,3 20,4 53,3 27,5 27,9 44,6 33,8 33,2 33,0 41,9 38,9 19,2
  10. 10. Em Portugal, a guerra foi pluricontinental e multirracial.  Na década de 60: Em dezembro de 1961 a União Indiana invade as cidades de Goa, Damão e Diu. Em 1961 foram feitos ataques às fazendas do norte de Angola e às prisões de Luanda Em 1963 as insurreições à Guiné-Bissau foram alastradas e em 1964 ocorreu a mesma situação em moçambique. A guerra só terminaria em 1974 com a revolução de 25 de Abril. Guerra Colonial angola moçambique Portugal
  11. 11.  A liberalização fracassada: • Salazar sofre um assidente, que o incapacita de dirigir o governo, sendo assim substituído por Marcelo Caetano.  Primavera Marcelista: • A política no sentido de uma maior liberdade e democratização é marcada por grandes hesitações e contradições. É recusada a discussão sobre a guerra colonial. Foi feita a governação segundo o princípio da comunidade. O Marcelismo Marcelo Caetano 1906-1980 Salazar 1889-1970
  12. 12.  Na primeira fase da sua ação governativa, Marcelo Caetano, fez mudanças em muita coisa: • PIDE DGS • Censura Exame prévio • União Nacional Ação Nacional Popular • Criação da ADSE – Assistência na Doença dos Servidores do Estado. • Instituição do subsídio de Férias e de Natal. • Atribuição de pensões aos trabalhadores rurais e de profissões mais modestas. • Criação de nova legislação sindical.  Na área educativa: • Maior acesso ao ensino; • Renovação dos conteúdos; • Escolaridade Obrigatória. Ação governativa
  13. 13.  1969: participação da oposição nas eleições após 44 anos demonstração de abertura política eleições marcadas por limitações à liberdade de voto aumento da contestação nos meios universitários, fabris e militares. Eleições Legislativas
  14. 14. Em abril de 1973, reuniu-se o 3º Congresso da Oposição Democrática. Defende-se os 3 D’s: Descolonização; Desenvolvimento e Democratização. Em fevereiro de 1974, General Spínola publica o livro « Portugal e o futuro » Defendia uma solução política para resolver a Guerra Colonial e a liberalização do País. Contestação ao regime António Spínola
  15. 15. • Manual Escolar. • Wikipédia. • Google Imagens. Bibliografia:

×