4.3. o estado novo

2.619 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.619
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
416
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
53
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

4.3. o estado novo

  1. 1. O ESTADO NOVO  O Golpe Militar de 28 de Maio  Salazar e o Estado Novo  A Política de Obras Públicas  As Restrições às Liberdades  A Oposição ao Regime  A Guerra Colonial.
  2. 2. Golpe Militar de 28 de Maio de 1926  O General Gomes da Costa revoltou-se, em Braga, e daí marchou com o seu exército sobre Lisboa.  O Presidente da República, Bernardino Machado, demitiu-se.  Terminou a 1ª República. (analisar doc. 1 página 107)
  3. 3. A Ditadura Militar  O Parlamento foi encerrado;  Os governos e o Chefe de Estado passaram a ser escolhidos pelos militares;  A imprensa passou a ser censurada;  Foram proibidas greves e manifestações.
  4. 4. O golpe militar de 28 de maio, chefiado pelo general Gomes da Costa, deu-se em Braga e pôs fim à 1.ª República. Rapidamente aderiram tropas de todo o País. As imagens que se seguem mostram o general Gomes da Costa a entrar em Lisboa com as suas tropas. Como reagiu a população? O que representa o golpe militar do 28 de maio de 1926? Os militares encerraram o Parlamento e instalaram, em Portugal, uma ditadura militar que durou de 1926 a 1933. Durante este período foram suspensas as liberdades previstas na Constituição.
  5. 5. Salazar e o Estado Novo Com a Ditadura Militar os governos continuavam a mudar frequentemente.  Em 1928, Óscar Carmona, Chefe do Governo e único candidato às eleições, foi eleito Presidente da República.  António de Oliveira Salazar foi convidado para Ministro das Finanças. Este aceitou, mas com a condição de controlar os outros ministérios.
  6. 6. Medidas tomadas por Salazar  Reorganizou as finanças públicas recorrendo ao aumento dos impostos.  Reduziu os gastos com a saúde, educação e os salários dos funcionários públicos. Logo no primeiro ano as receitas do Estado foram superiores às despesas, não sendo necessário pedir dinheiro emprestado aos outros países.
  7. 7. Depois de Salazar As contas públicas apresentavam um saldo positivo Antes de Salazar As contas públicas apresentavam um saldo negativo
  8. 8. Este êxito financeiro deu prestígio a Salazar e ele foi nomeado, em 1932, Presidente do Conselho de Ministros.
  9. 9. A Constituição de 1933 Esta constituição pôs fim à Ditadura Militar. Iniciou-se o período do “Estado Novo”.  O Presidente da República e os Deputados da Assembleia Nacional eram eleitos pelos cidadãos eleitores.  Mas, como só era permitido a existência de uma única organização política, a União Nacional, apoiante de Salazar, não havia liberdade de escolha.  A Assembleia Nacional limitava-se a aprovar as leis apresentadas pelo governo.  Salazar tornou-se o único chefe da nação e governou em ditadura.
  10. 10. Em 1928, o Presidente da República, Óscar Carmona, convidou o Professor Oliveira Salazar para fazer parte do Governo como ministro das Finanças. Ouve com atenção uma parte do discurso de Salazar aquando do início das suas funções. Como é que Salazar se tornou chefe do Governo em 1932? Oliveira SalazarCartaz de propaganda à Constituição de 1933 Em 1932, Salazar foi nomeado chefe do Governo, cargo que manteve até 1968. Foi sob a sua orientação que foi elaborada a Constituição de 1933 que deu início ao novo regime conhecido por Estado Novo. Salazar, como chefe do Governo, passou a controlar todos os ministérios e a ter todos os poderes. Postal de propaganda do Estado Novo
  11. 11. A Política das Obras Públicas  Construção e reparação de estradas e pontes;  Melhoramento e apetrechamento dos portos e aeroportos;  Tomou-se iniciativas para a irrigação e eletrificação do país. Construíram-se numerosas barragens.  Construção de bairros para trabalhadores, tribunais, estações de correio, quartéis, hospitais, estádios, bibliotecas e escolas (masculinas e femininas), liceus e universidades. Estas medidas permitiram: - intensificar a industrialização (têxtil, de conservas e siderurgia); - reduzir o desemprego; - desenvolver o turismo.
  12. 12. A Emigração Apesar destas medidas, Portugal não recuperou do atraso em que se encontrava face aos outros países. Além disso, nas cidades e nos campos, o desemprego mantinha-se. Por isso aumentou a emigração para a França e para a Alemanha. Os açorianos tinham outros destinos, partiam para o Brasil, e nesta altura, principalmente para os Estados Unidos da América e Canadá. Canadá Brasil Havai Bermudas E.U.A.
  13. 13. Salazar aumentou as receitas do Estado através dos impostos e diminuiu as despesas com a educação, a saúde e a assistência social. Aumentou as reservas de ouro no banco de Portugal através das exportações de volfrâmio e produtos agrícolas para os países envolvidos na 2.ª Guerra Mundial. Em resumo: Como conseguiu Salazar o desenvolvimento do País? Cartaz de propaganda da política económica de Salazar A maior parte das reservas de ouro foram aplicadas na construção de obras públicas, tais como estradas, pontes, edifícios públicos, escolas, barragens e hospitais. No entanto, este crescimento não foi suficiente para transformar Portugal num País moderno e desenvolvido. Muitos portugueses, sem trabalho, emigraram principalmente para a França, a Alemanha e a Venezuela. Ponte Salazar Estádio Nacional, em Lisboa Interior de uma escola do Estado Novo Edifício dos CTT, em Amarante Barragem de Castelo de Bode
  14. 14. As Restrições às Liberdades - Repressão Salazar:  Proibiu a existência de partidos políticos e criou a União Nacional (apoiante de Salazar);  Proibiu o direito à greve e o direito de associação;  Reorganizou a comissão de censura prévia que “cortava” o que não devia de ser divulgado nos jornais, filmes, peças de teatro e outros espetáculos.
  15. 15. As Restrições às Liberdades - Repressão  Criou a PIDE, Polícia Internacional e Defesa do Estado Novo.  Esta polícia vigiava, perseguia, prendia e torturava todos aqueles que se opunham a Salazar, especialmente, os militantes do Partido Comunista Português.  Os presos eram enviados para prisões políticas (Peniche e Caxias) e para campos de deportação (Tarrafal, em Cabo Verde)
  16. 16. Estavam também ao serviço do Estado:  A Mocidade Portuguesa (criada em 1936) Organização em que participavam jovens de ambos os sexos, até aos dezoito anos. Esta organização procurava desenvolver o culto do chefe e o espírito militar.  A Legião Portuguesa Organização armada para defender o regime e combater o comunismo.
  17. 17. Salazar governou em ditadura. Dele dependiam todas as decisões para governar o País e não permitia a formação de novos partidos políticos. Existia um único partido político chamado União Nacional. Como é que Salazar limitava a liberdade dos portugueses? Cartaz eleitoral da União Nacional Durante este tempo de ditadura, não havia liberdade de expressão, era proibido o direito à greve e a polícia política perseguia todos aqueles que se manifestassem contra o Governo. A GNR expulsa pela força as mulheres dos operários em greve (1942) Notícia cortada pela censura
  18. 18. Campanhas de Propaganda a favor do Regime Para garantir e manter o apoio da população portuguesa foi organizado um sistemas de propaganda feita através de: - Livros escolares; -Imprensa, rádio e televisão; -Mocidade Portuguesa. Salazar controlava assim tudo e todos, por isso se diz que governou em Ditadura
  19. 19. Ouve agora um discurso de Salazar onde ele afirma os princípios do Estado Novo. Como é que Salazar divulgou os princípios do Estado Novo junto da população? Membros da Legião Portuguesa Postal de propaganda a Carmona e Salazar Tal como vês nas imagens, Salazar desenvolveu, com a sua propaganda, um espírito de obediência ao Estado Novo, mentalizando a população para as vantagens que este lhes dava. Jovens da Mocidade Portuguesa
  20. 20. A Oposição ao Regime  Desde da Ditadura Militar (1926), muitos portugueses começaram a lutar pela liberdade, organizando-se clandestinamente para não serem perseguidos e presos. Outros tiveram mesmo de sair do país (exilados políticos). OPOSIÇÃO AO ESTADO NOVO Oposição política - Grupo ou grupos de pessoas que não concordam com o regime político que está no poder e, por isso, se opõem às suas ideias e decisões.
  21. 21. A Oposição ao Regime A partir de 1945, quando os países democráticos europeus saíram vencedores da 2ª Guerra Mundial, Salazar viu-se forçado por pressões internacionais a permitir que os seus adversários participassem na vida do país. Salazar dissolveu a Assembleia Nacional e pela primeira vez em vinte anos, marcou eleições onde a oposição podia intervir. Para poder participar nessas eleições, a oposição criou o MUD (MOVIMENTO DE UNIDADE DEMOCRÁTICA).
  22. 22. A Oposição ao Regime Contudo, o governo salazarista criou vários obstáculos aos seus opositores: -Não tinham liberdade de fazer campanha política; -Listas de eleitores falseadas (quem era suspeito, era retirado das listas); -Não havia fiscalização no momento da contagem dos votos. Os dirigentes do MUD aperceberam- se, então, que Salazar nunca permitiria eleições verdadeiramente livres e decidiram não concorrer e apelar à abstenção. A União Nacional não teve adversários e elegeu todos os seus candidatos.
  23. 23. A Candidatura de Humberto Delgado  Em 1958, nas eleições para a Presidência da República, Humberto Delgado conseguiu ter muitos votos e foi uma ameaça ao candidato da União Nacional, Américo Tomás.  Recorrendo artifícios fraudulentos, Américo Tomás foi declarado vencedor.  Depois destas eleição a lei foi alterada. O Presidente da República passou a ser eleito por um colégio eleitoral, da confiança de Salazar, e não pelos cidadãos eleitores.  Em 1965, o “General Sem Medo”, Humberto Delgado foi assassinado pela PIDE.
  24. 24. Como se desenvolveu a oposição ao Estado Novo? Trabalhadores rurais em protesto Apesar de toda a propaganda do Estado Novo, existiam movimentos clandestinos de oposição. Por exemplo, o Movimento de Unidade Democrática, constituído por homens e mulheres comunistas, republicanos, monárquicos, socialistas e católicos. Uniram-se para lutar contra o regime salazarista. Manifestação de estudantes, Coimbra, 1969 Mas é sobretudo durante as campanhas eleitorais para a eleição do Presidente da República que a oposição se torna mais visível. Foi a candidatura do general Humberto Delgado, em 1958, que mais abalou a estabilidade do regime salazarista. Vê com atenção nas imagens que se seguem, o apoio que este candidato da Oposição obteve. Também houve manifestações de estudantes e de intelectuais, sobretudo a partir da década de 1960. Sá Carneiro na Assembleia Nacional a manifestar ideias contrárias ao Estado Novo
  25. 25. A Guerra Colonial A partir do fim da 2ª Guerra Mundial, os povos colonizados pelos países europeus obtiveram a pouco e pouco a sua independência de uma forma pacífica ou através da luta armada. Os povos das colónias portuguesas vendo que outros tinham obtido a liberdade, também a quiseram. Porém, Salazar recusava admitir tal hipótese. Províncias ultramarinas de Portugal em África
  26. 26. A Guerra Colonial  Em 1961, territórios portugueses na Índia (Goa, Damão e Diu) foram invadidos pela União Indiana.  As colónias africanas de Angola (1961), Guiné (1963) e Moçambique (1964) entraram em guerra contra Portugal: pretendem a liberdade e a sua independência.  A política de Salazar face a estes conflitos armados foi sempre a mesma: - Não dialogou com os movimentos de libertação. - Não reconheceu a sua autonomia. - Enviou contingentes militares para enfrentar os movimentos. (ver doc. 5-p.119)
  27. 27. A Guerra Colonial  Durante 13 anos, Portugal travou uma luta desgastante – Guerra Colonial.  Morreram mais de oito mil soldados portugueses e cerca de vinte e oito mil ficaram feridos ou mutilados.  Impôs pesados encargos financeiros ao povo português.  Esta guerra só terminou com a mudança de regime português em 25 de Abril de 1974.  A maioria dos países do mundo condenava o Governo português por não acabar com a Guerra Colonial.
  28. 28. O que foi a guerra colonial? Cartaz a favor da unidade do Império Durante o Estado Novo, as colónias portuguesas estavam totalmente dependentes do Governo de Lisboa. Salazar negava-lhes o direito de independência e afirma que as colónias são terra portuguesa. Ouve a seguinte música observa o cartaz que te transmite este espírito de forte colonialismo. Embarque das tropas portuguesas para AngolaOs vivos e os mortos – o reencontro de um soldado com a família (à esquerda) e os pais condecorados pela morte dos filhos na guerra Localização das colónias portuguesas no período da guerra colonial A partir de 1961 iniciaram-se nas colónias portuguesas movimentos de luta pela independência. Em resposta, Salazar enviou tropas para lutar contra estes movimentos. Iniciou-se, assim, um longo período de guerra colonial, que durou 13 anos. A guerra colonial provocou milhares de mortos entre os militares portugueses e os membros dos movimentos de libertação. As consequências trágicas da guerra causaram um enorme descontentamento entre os militares portugueses e a população. Vê, de seguida, o excerto de um filme de Manoel de Oliveira que retrata momentos de guerra colonial.
  29. 29. O Governo de Marcelo Caetano  Em 1968, Salazar, deu uma queda e adoeceu gravemente.  Foi substituído por Marcelo Caetano, na presidência do Conselho de Ministros.  No início, este abrandou a atuação da polícia política e a censura.  Porém, passado pouco tempo, deu continuidade ao salazarismo.
  30. 30. Correção do Guia de Estudo nº11 1. - No dia 6 de Junho de 1926, desfilaram, em Lisboa, 13 000 soldados. - O general Gomes da Costa liderava as tropas. - O movimento militar a que a notícia se refere ficou conhecido como Golpe Militar de 28 de Maio. - Esse movimento militar iniciou-se na cidade de Braga. 2. O golpe militar de 28 de Maio/pôs fim à 1ª República / instaurou uma ditadura militar, que durou de 1926 a 1933. 3. Não se realizaram mais eleições para o Parlamento; os governos passaram a ser escolhidos por militares. 4. Salazar – Ministro das Finanças – Universidade de Coimbra – chefe de governo – autoritária – Constituição – Estado Novo – 40 – Governo – soberania.
  31. 31. Correção do Guia de Estudo nº11 5. - Salazar conseguiu que o Estado acumulasse reservas de dinheiro. Para isso, aumentou as receitas através de impostos e diminuiu as despesas com a educação e a saúde. -> Equilíbrio financeiro. - Exemplos de obras públicas: pontes, estradas, edifícios públicos, barragens -> o que contribuiu para o desenvolvimento das indústrias e do turismo. - … havia desemprego e muita gente emigrava. 6. As Restrições à liberdade N.º das figuras A censura prévia Fig. 16 Proibido direito à greve Fig. 17 Polícia Política Fig. 18 Propaganda ao Estado Novo Fig. 21 Propaganda ao Império Colonial Fig. 23
  32. 32. Correção do Guia de Estudo nº12 1. “… casas degradadas e mal iluminadas e más condições de trabalho”. 2.1. Chama-se “oposição política” às pessoas ou grupos que são contra o regime político que está no poder. 2.2. A oposição ao Estado Novo organizou-se em segredo e clandestinamente. 2.3. MUD é a sigla de Movimento de Unidade Democrática. 2.4. O objetivo do MUD era lutar contra o regime salazarista. 3. - Candidatura de Humberto Delgado – Data: 1958; Reação do governo de Salazar: alterou a lei eleitoral, o Presidente da República passou a ser eleito por um colégio eleitoral dominado pelo Governo. - Revolta dos estudantes – Data: 1962; Reação do governo de Salazar: intervenção e repressão policial, prisões. 4. As baladas de intervenção tinham como objetivo transmitir, de forma escondida, o desagrado e o protesto pela situação política que se vivia.
  33. 33. Correção do Guia de Estudo nº12 5. Zeca Afonso queria demonstrar uma revolta eminente. 6. - qualquer tipo de autonomia às populações; - a independência; - enviou, de imediato, tropas para Angola. 7.  Angola, Guiné e Moçambique.  13 anos  Mortos, feridos  Mortos, feridos, mutilados, desaparecidos, pesados encargos financeiros.  Os outros países do mundo condenavam o governo português por não acabar com a guerra colonial.

×