SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 22
Baixar para ler offline
O ESTADO NOVO
 Instabilidade política;


 Subida dos preços dos
  produtos alimentares;

 Redução do poder de compra;


 Revoltas e greves constantes.
 1926 – O General Gomes da Costa revoltou-se, em Braga, e
  daí marchou com o seu exército sobre Lisboa.

 O Presidente da República demitiu-se.


 Terminou a 1ª República.
 O Parlamento foi encerrado;


 Os governos e o Chefe de Estado passaram a ser escolhidos
  pelos militares;

 A imprensa passou a ser censurada;


 Foram proibidas greves e manifestações.
Com a Ditadura Militar os governos
  continuavam        a         mudar
  frequentemente.

 Em 1928, Óscar Carmona, Chefe do
  Governo, e único candidato às
  eleições foi eleito Presidente da
  República.

 António   de Oliveira Salazar foi
  convidado para       Ministro das
  Finanças. Este aceitou, mas com a
  condição de controlar os outros
  ministérios.
 Reorganizou as finanças públicas recorrendo aumento dos
  impostos.
 Reduziu os gastos com a saúde, educação e os salários dos
  funcionários públicos.



 Logo no primeiro ano as receitas do Estado foram
 superiores às despesas, não sendo necessário pedir
 dinheiro emprestado aos outros países.
Este êxito financeiro deu
prestígio a Salazar e ele foi
nomeado,       em       1932,
Presidente do Conselho de
Ministros.
Esta constituição pôs fim à Ditadura Militar.
Iniciou-se o período do “Estado Novo”.




O Presidente da República e os Deputados da
Assembleia Nacional eram eleitos pelos cidadãos
eleitores, Mas, como só era permitido a existência de
uma única organização política, a União Nacional,
apoiante de Salazar, não havia liberdade de escolha.


A Assembleia Nacional limitava-se a aprovar as
leis apresentadas pelo governo.
Salazar:
 Proibiu    a existência de
  partidos políticos e criou a
  União Nacional (apoiante do
  seu partido);
 Proibiu o direito à greve;
 Reorganizou a comissão de
  censura prévia que “cortava” o
  que não devia de ser
  divulgado nos jornais, filmes,
  peças de teatro e outros
  espectáculos.
 Criou a PVDE, Polícia de
 Vigilância e Defesa do
 Estado – chamada PIDE,
 Polícia    Internacional    e
 Defesa do Estado Novo, a
 partir de 1945, para reprimir
 os que eram suspeitos de
 cometer crimes políticos.
                                 PIDE e GNR com um preso
 A Mocidade Portuguesa (criada em 1936)
 Organização em que participavam jovens de
 ambos os sexos, até aos dezoito anos. Esta
 organização procurava desenvolver o culto do
 chefe e o espírito militar.




 A Legião Portuguesa
  Organização armada para defender o regime e
 combater o consumismo.
Feitas através de:


- Livros escolares;


- Imprensa, rádio e televisão;

-Mocidade Portuguesa.




Salazar controlava assim tudo e todos,
por isso se diz que governou em
Ditadura
 Construção e reparação de estradas e pontes;
 Melhoramento e apetrechamento dos portos e aeroportos;
 Tomou-se iniciativas para a irrigação e electrificação do
  país. Construíram-se numerosas barragens.
 Construção de bairros para trabalhadores, hospitais,
  estádios e escolas.

   Estas medidas permitiram intensificar a industrialização, reduzir o
  desemprego e desenvolver o turismo.
Apesar destas medidas, Portugal não recuperou do atraso em que se
                                                 Canadá

encontrava face aos outros países, por isso aumentou a emigração para a
                                                  E.U.A.

França e para a Alemanha.                  Havai Bermudas




                                                  Brasil


Os açorianos tinham outros destinos,
partiam para o Brasil, e nesta altura,
principalmente para os Estados Uni-
dos da América e Canadá.
A partir de 1945, quando os países democráticos europeus
saíram vencedores da 2ª Guerra Mundial, Salazar viu-se
forçado por pressões internacionais a permitir que os seus
adversários participassem na vida do país. Pela primeira vez
em vinte anos, marcou eleições onde a oposição podia
intervir.

 Contudo, não lhe deu condições para sair vitoriosa:
-Não tinham liberdade de fazer campanha política;
-Listas de eleitores falseadas;
-Não havia fiscalização no momento da contagem dos votos.
Em 1958, nas eleições para a
Presidência da República,
Humberto Delgado conseguiu
ter muitos votos e foi uma
ameaça ao candidato da União
Nacional, Américo Tomás. Em
1965, o “General Sem Medo”,
Humberto       Delgado    foi
assassinado pela PIDE.
Nos anos 60 cresceram os
movimentos de contestação
ao regime: greves, revoltas e
manifestações envolveram
militares       e       civis,
nomeadamente estudantes e
alguns católicos.
1868 – Salazar, gravemente
doente, foi substituído por
Marcelo      Caetano        na
presidência do Conselho de
Ministros. No início abrandou
a actuação da polícia política
e a censura. Porém, passado
pouco tempo, este deu
continuidade ao salazarismo.
A partir do fim da 2ª Guerra
Mundial, os povos colonizados
pelos países europeus obtiveram a
pouco      e    pouco      a    sua
independência de uma forma
pacífica ou através da luta armada.
Os povos das colónias portuguesas
vendo que outros tinham obtido a
liberdade, também a quiseram.
Porém, Salazar recusava admitir tal
hipótese.
 1961 – Início da guerra em
  Angola.
 1963 – Início da guerra na
  Guiné.
 1964 – Em Moçambique, a
  FRELIMO iniciou a luta
  armada contra Portugal.
Durante 13 anos, Portugal travou uma luta desgastante
nestes três territórios – Guerra Colonial. Morreram
mais de oito mil soldados portugueses e cerca de vinte
e oito mil ficaram feridos ou mutilados. Esta guerra só
terminou com a mudança de regime português em 25
de Abril de 1974.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O Estado Novo
O Estado NovoO Estado Novo
O Estado Novocruchinho
 
Do autoritarismo à democracia
Do autoritarismo à democraciaDo autoritarismo à democracia
Do autoritarismo à democraciacattonia
 
O estado novo power point final
O estado novo power point finalO estado novo power point final
O estado novo power point finalHelena Ferreira
 
Portugal Estado Novo
Portugal   Estado NovoPortugal   Estado Novo
Portugal Estado NovoCarlos Vieira
 
Salazar e o Estado- Novo
Salazar e o Estado- NovoSalazar e o Estado- Novo
Salazar e o Estado- Novobandeirolas
 
A perpetuação do autoritarismo
A perpetuação do autoritarismoA perpetuação do autoritarismo
A perpetuação do autoritarismoMaria Gomes
 
Do Golpe Militar Ao Estado Novo
Do Golpe Militar Ao Estado NovoDo Golpe Militar Ao Estado Novo
Do Golpe Militar Ao Estado Novojdlimaaear
 
O fim do regime
O fim do regime O fim do regime
O fim do regime Maria Gomes
 
Salazar e o estado novo
Salazar e o estado novoSalazar e o estado novo
Salazar e o estado novoJorge Almeida
 
Estado Novo
Estado NovoEstado Novo
Estado Novoblog-eic
 
O antes e o após 25 de abril
O antes e o após 25 de abrilO antes e o após 25 de abril
O antes e o após 25 de abrilceufaias
 
Luta contra o regime e revolução 25 abril de 1974
Luta contra o regime e revolução 25 abril de 1974Luta contra o regime e revolução 25 abril de 1974
Luta contra o regime e revolução 25 abril de 1974fatiper
 
Portugal:Do autoritarismo à democracia
Portugal:Do autoritarismo à democraciaPortugal:Do autoritarismo à democracia
Portugal:Do autoritarismo à democraciaJoão Costa
 
Os pilares dos estado novo
Os pilares dos estado novoOs pilares dos estado novo
Os pilares dos estado novoAnabela Sobral
 

Mais procurados (20)

O Estado Novo
O Estado NovoO Estado Novo
O Estado Novo
 
O Estado novo
O Estado novoO Estado novo
O Estado novo
 
Do autoritarismo à democracia
Do autoritarismo à democraciaDo autoritarismo à democracia
Do autoritarismo à democracia
 
O estado novo power point final
O estado novo power point finalO estado novo power point final
O estado novo power point final
 
4.3. o estado novo
4.3. o estado novo4.3. o estado novo
4.3. o estado novo
 
Portugal Estado Novo
Portugal   Estado NovoPortugal   Estado Novo
Portugal Estado Novo
 
Salazar e o Estado- Novo
Salazar e o Estado- NovoSalazar e o Estado- Novo
Salazar e o Estado- Novo
 
A perpetuação do autoritarismo
A perpetuação do autoritarismoA perpetuação do autoritarismo
A perpetuação do autoritarismo
 
Do Golpe Militar Ao Estado Novo
Do Golpe Militar Ao Estado NovoDo Golpe Militar Ao Estado Novo
Do Golpe Militar Ao Estado Novo
 
O fim do regime
O fim do regime O fim do regime
O fim do regime
 
Salazar e o estado novo
Salazar e o estado novoSalazar e o estado novo
Salazar e o estado novo
 
25 de Abril de 1974
25 de Abril de 197425 de Abril de 1974
25 de Abril de 1974
 
Marcelismo
MarcelismoMarcelismo
Marcelismo
 
Estado Novo
Estado NovoEstado Novo
Estado Novo
 
Estado - Novo
Estado - NovoEstado - Novo
Estado - Novo
 
O antes e o após 25 de abril
O antes e o após 25 de abrilO antes e o após 25 de abril
O antes e o após 25 de abril
 
Luta contra o regime e revolução 25 abril de 1974
Luta contra o regime e revolução 25 abril de 1974Luta contra o regime e revolução 25 abril de 1974
Luta contra o regime e revolução 25 abril de 1974
 
O Estado Novo
O Estado NovoO Estado Novo
O Estado Novo
 
Portugal:Do autoritarismo à democracia
Portugal:Do autoritarismo à democraciaPortugal:Do autoritarismo à democracia
Portugal:Do autoritarismo à democracia
 
Os pilares dos estado novo
Os pilares dos estado novoOs pilares dos estado novo
Os pilares dos estado novo
 

Destaque

3 osmuçulmanos na pi
3 osmuçulmanos na pi3 osmuçulmanos na pi
3 osmuçulmanos na piR C
 
4 aformaodoreinodeportugal
4 aformaodoreinodeportugal4 aformaodoreinodeportugal
4 aformaodoreinodeportugalR C
 
13 daquedadamonarquiaimplantaodarepblicaapresentaode
13 daquedadamonarquiaimplantaodarepblicaapresentaode13 daquedadamonarquiaimplantaodarepblicaapresentaode
13 daquedadamonarquiaimplantaodarepblicaapresentaodeR C
 
7 arevoluode1383-85
7 arevoluode1383-857 arevoluode1383-85
7 arevoluode1383-85R C
 
12 portugalnasegundametadedoseculoxix
12 portugalnasegundametadedoseculoxix12 portugalnasegundametadedoseculoxix
12 portugalnasegundametadedoseculoxixR C
 
10 revliberal1820
10 revliberal182010 revliberal1820
10 revliberal1820R C
 
11 daindependnciadobrasilslutasliberaise
11 daindependnciadobrasilslutasliberaise11 daindependnciadobrasilslutasliberaise
11 daindependnciadobrasilslutasliberaiseR C
 
8 aexpansaoportuguesa
8 aexpansaoportuguesa8 aexpansaoportuguesa
8 aexpansaoportuguesaR C
 
9 dauniãoibérica
9 dauniãoibérica9 dauniãoibérica
9 dauniãoibéricaR C
 
1 ambientenaturaleprimeirospovos
1 ambientenaturaleprimeirospovos1 ambientenaturaleprimeirospovos
1 ambientenaturaleprimeirospovosR C
 
2 osromanosnapeninsulaibérica
2 osromanosnapeninsulaibérica2 osromanosnapeninsulaibérica
2 osromanosnapeninsulaibéricaR C
 
15 25abril
15 25abril15 25abril
15 25abrilR C
 
5 portugalnoséculo xiii
5 portugalnoséculo xiii5 portugalnoséculo xiii
5 portugalnoséculo xiiiR C
 
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcao
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcaoFicha formativa 1820 e o liberalismo correcao
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcaoAna Barreiros
 
Ficha formativa 1 HGP 6º ano
Ficha formativa 1 HGP 6º anoFicha formativa 1 HGP 6º ano
Ficha formativa 1 HGP 6º anoAna Barreiros
 
Ficha de avaliação - HGP - 6ºAno - O Império Português no Século XVIII/ D. Jo...
Ficha de avaliação - HGP - 6ºAno - O Império Português no Século XVIII/ D. Jo...Ficha de avaliação - HGP - 6ºAno - O Império Português no Século XVIII/ D. Jo...
Ficha de avaliação - HGP - 6ºAno - O Império Português no Século XVIII/ D. Jo...maria.antonia
 
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºGA modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºGAna Barreiros
 
1261614021 portugal na_segunda_metade_do_seculo_xix
1261614021 portugal na_segunda_metade_do_seculo_xix1261614021 portugal na_segunda_metade_do_seculo_xix
1261614021 portugal na_segunda_metade_do_seculo_xixPelo Siro
 
PORTUGAL NA 2ª METADE DO SÉC. XIX
PORTUGAL NA 2ª METADE DO SÉC. XIXPORTUGAL NA 2ª METADE DO SÉC. XIX
PORTUGAL NA 2ª METADE DO SÉC. XIXguestbfbc7a
 
Portugal Na Segunda Metade Do Século XIX
Portugal Na Segunda Metade Do Século XIXPortugal Na Segunda Metade Do Século XIX
Portugal Na Segunda Metade Do Século XIXSandra Sousa
 

Destaque (20)

3 osmuçulmanos na pi
3 osmuçulmanos na pi3 osmuçulmanos na pi
3 osmuçulmanos na pi
 
4 aformaodoreinodeportugal
4 aformaodoreinodeportugal4 aformaodoreinodeportugal
4 aformaodoreinodeportugal
 
13 daquedadamonarquiaimplantaodarepblicaapresentaode
13 daquedadamonarquiaimplantaodarepblicaapresentaode13 daquedadamonarquiaimplantaodarepblicaapresentaode
13 daquedadamonarquiaimplantaodarepblicaapresentaode
 
7 arevoluode1383-85
7 arevoluode1383-857 arevoluode1383-85
7 arevoluode1383-85
 
12 portugalnasegundametadedoseculoxix
12 portugalnasegundametadedoseculoxix12 portugalnasegundametadedoseculoxix
12 portugalnasegundametadedoseculoxix
 
10 revliberal1820
10 revliberal182010 revliberal1820
10 revliberal1820
 
11 daindependnciadobrasilslutasliberaise
11 daindependnciadobrasilslutasliberaise11 daindependnciadobrasilslutasliberaise
11 daindependnciadobrasilslutasliberaise
 
8 aexpansaoportuguesa
8 aexpansaoportuguesa8 aexpansaoportuguesa
8 aexpansaoportuguesa
 
9 dauniãoibérica
9 dauniãoibérica9 dauniãoibérica
9 dauniãoibérica
 
1 ambientenaturaleprimeirospovos
1 ambientenaturaleprimeirospovos1 ambientenaturaleprimeirospovos
1 ambientenaturaleprimeirospovos
 
2 osromanosnapeninsulaibérica
2 osromanosnapeninsulaibérica2 osromanosnapeninsulaibérica
2 osromanosnapeninsulaibérica
 
15 25abril
15 25abril15 25abril
15 25abril
 
5 portugalnoséculo xiii
5 portugalnoséculo xiii5 portugalnoséculo xiii
5 portugalnoséculo xiii
 
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcao
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcaoFicha formativa 1820 e o liberalismo correcao
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcao
 
Ficha formativa 1 HGP 6º ano
Ficha formativa 1 HGP 6º anoFicha formativa 1 HGP 6º ano
Ficha formativa 1 HGP 6º ano
 
Ficha de avaliação - HGP - 6ºAno - O Império Português no Século XVIII/ D. Jo...
Ficha de avaliação - HGP - 6ºAno - O Império Português no Século XVIII/ D. Jo...Ficha de avaliação - HGP - 6ºAno - O Império Português no Século XVIII/ D. Jo...
Ficha de avaliação - HGP - 6ºAno - O Império Português no Século XVIII/ D. Jo...
 
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºGA modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
 
1261614021 portugal na_segunda_metade_do_seculo_xix
1261614021 portugal na_segunda_metade_do_seculo_xix1261614021 portugal na_segunda_metade_do_seculo_xix
1261614021 portugal na_segunda_metade_do_seculo_xix
 
PORTUGAL NA 2ª METADE DO SÉC. XIX
PORTUGAL NA 2ª METADE DO SÉC. XIXPORTUGAL NA 2ª METADE DO SÉC. XIX
PORTUGAL NA 2ª METADE DO SÉC. XIX
 
Portugal Na Segunda Metade Do Século XIX
Portugal Na Segunda Metade Do Século XIXPortugal Na Segunda Metade Do Século XIX
Portugal Na Segunda Metade Do Século XIX
 

Semelhante a 14 estadonovo

Salazar e o Estado Novo
Salazar e o Estado NovoSalazar e o Estado Novo
Salazar e o Estado NovoArmin Caldas
 
1335289995 1 -estado_novo
1335289995 1 -estado_novo1335289995 1 -estado_novo
1335289995 1 -estado_novoPelo Siro
 
O ESTADO NOVO.docx
O ESTADO NOVO.docxO ESTADO NOVO.docx
O ESTADO NOVO.docxBelmiramolar
 
portugal - do autoritarismo à democracia
portugal - do autoritarismo à democracia portugal - do autoritarismo à democracia
portugal - do autoritarismo à democracia Vanessa Jorge
 
Um século de historia (1)
Um século de historia (1)Um século de historia (1)
Um século de historia (1)João Couto
 
Dtrabalhosdosalunos2008 09salazareoestadonovo-090423104627-phpapp02
Dtrabalhosdosalunos2008 09salazareoestadonovo-090423104627-phpapp02Dtrabalhosdosalunos2008 09salazareoestadonovo-090423104627-phpapp02
Dtrabalhosdosalunos2008 09salazareoestadonovo-090423104627-phpapp02tiagomartinho95
 
Dtrabalhosdosalunos2008 09salazareoestadonovo-090423104627-phpapp02
Dtrabalhosdosalunos2008 09salazareoestadonovo-090423104627-phpapp02Dtrabalhosdosalunos2008 09salazareoestadonovo-090423104627-phpapp02
Dtrabalhosdosalunos2008 09salazareoestadonovo-090423104627-phpapp02tiagomartinho95
 
Dtrabalhosdosalunos2008 09salazareoestadonovo-090423104627-phpapp02
Dtrabalhosdosalunos2008 09salazareoestadonovo-090423104627-phpapp02Dtrabalhosdosalunos2008 09salazareoestadonovo-090423104627-phpapp02
Dtrabalhosdosalunos2008 09salazareoestadonovo-090423104627-phpapp02tiagomartinho95
 
Dtrabalhosdosalunos2008 09salazareoestadonovo-090423104627-phpapp02
Dtrabalhosdosalunos2008 09salazareoestadonovo-090423104627-phpapp02Dtrabalhosdosalunos2008 09salazareoestadonovo-090423104627-phpapp02
Dtrabalhosdosalunos2008 09salazareoestadonovo-090423104627-phpapp02tiagomartinho95
 
Salazar e o Estado Novo
Salazar e o Estado NovoSalazar e o Estado Novo
Salazar e o Estado NovoJorge Almeida
 
Dtrabalhosdosalunos2008 09salazareoestadonovo-090423104627-phpapp02
Dtrabalhosdosalunos2008 09salazareoestadonovo-090423104627-phpapp02Dtrabalhosdosalunos2008 09salazareoestadonovo-090423104627-phpapp02
Dtrabalhosdosalunos2008 09salazareoestadonovo-090423104627-phpapp02tiagomartinho95
 
Dtrabalhosdosalunos2008 09salazareoestadonovo-090423104627-phpapp02
Dtrabalhosdosalunos2008 09salazareoestadonovo-090423104627-phpapp02Dtrabalhosdosalunos2008 09salazareoestadonovo-090423104627-phpapp02
Dtrabalhosdosalunos2008 09salazareoestadonovo-090423104627-phpapp02tiagomartinho95
 
1335289916 salazar
1335289916 salazar1335289916 salazar
1335289916 salazarPelo Siro
 
B.2 teste diagnóstico o estado novo (1) - soluções
B.2 teste diagnóstico   o estado novo (1) - soluçõesB.2 teste diagnóstico   o estado novo (1) - soluções
B.2 teste diagnóstico o estado novo (1) - soluçõesPeixoto Rocha
 
B.2 teste diagnóstico o estado novo (1) - soluções
B.2 teste diagnóstico   o estado novo (1) - soluçõesB.2 teste diagnóstico   o estado novo (1) - soluções
B.2 teste diagnóstico o estado novo (1) - soluçõesPeixoto Rocha
 

Semelhante a 14 estadonovo (20)

Salazar e o Estado Novo
Salazar e o Estado NovoSalazar e o Estado Novo
Salazar e o Estado Novo
 
1335289995 1 -estado_novo
1335289995 1 -estado_novo1335289995 1 -estado_novo
1335289995 1 -estado_novo
 
O ESTADO NOVO.docx
O ESTADO NOVO.docxO ESTADO NOVO.docx
O ESTADO NOVO.docx
 
O estado novo
O estado novoO estado novo
O estado novo
 
Salazar
SalazarSalazar
Salazar
 
25 De A Bril
25 De A Bril25 De A Bril
25 De A Bril
 
portugal - do autoritarismo à democracia
portugal - do autoritarismo à democracia portugal - do autoritarismo à democracia
portugal - do autoritarismo à democracia
 
Um século de historia (1)
Um século de historia (1)Um século de historia (1)
Um século de historia (1)
 
Dtrabalhosdosalunos2008 09salazareoestadonovo-090423104627-phpapp02
Dtrabalhosdosalunos2008 09salazareoestadonovo-090423104627-phpapp02Dtrabalhosdosalunos2008 09salazareoestadonovo-090423104627-phpapp02
Dtrabalhosdosalunos2008 09salazareoestadonovo-090423104627-phpapp02
 
Dtrabalhosdosalunos2008 09salazareoestadonovo-090423104627-phpapp02
Dtrabalhosdosalunos2008 09salazareoestadonovo-090423104627-phpapp02Dtrabalhosdosalunos2008 09salazareoestadonovo-090423104627-phpapp02
Dtrabalhosdosalunos2008 09salazareoestadonovo-090423104627-phpapp02
 
Dtrabalhosdosalunos2008 09salazareoestadonovo-090423104627-phpapp02
Dtrabalhosdosalunos2008 09salazareoestadonovo-090423104627-phpapp02Dtrabalhosdosalunos2008 09salazareoestadonovo-090423104627-phpapp02
Dtrabalhosdosalunos2008 09salazareoestadonovo-090423104627-phpapp02
 
Dtrabalhosdosalunos2008 09salazareoestadonovo-090423104627-phpapp02
Dtrabalhosdosalunos2008 09salazareoestadonovo-090423104627-phpapp02Dtrabalhosdosalunos2008 09salazareoestadonovo-090423104627-phpapp02
Dtrabalhosdosalunos2008 09salazareoestadonovo-090423104627-phpapp02
 
Salazar e o Estado Novo
Salazar e o Estado NovoSalazar e o Estado Novo
Salazar e o Estado Novo
 
Dtrabalhosdosalunos2008 09salazareoestadonovo-090423104627-phpapp02
Dtrabalhosdosalunos2008 09salazareoestadonovo-090423104627-phpapp02Dtrabalhosdosalunos2008 09salazareoestadonovo-090423104627-phpapp02
Dtrabalhosdosalunos2008 09salazareoestadonovo-090423104627-phpapp02
 
Dtrabalhosdosalunos2008 09salazareoestadonovo-090423104627-phpapp02
Dtrabalhosdosalunos2008 09salazareoestadonovo-090423104627-phpapp02Dtrabalhosdosalunos2008 09salazareoestadonovo-090423104627-phpapp02
Dtrabalhosdosalunos2008 09salazareoestadonovo-090423104627-phpapp02
 
Do autoritarismo à democracia
Do autoritarismo à democraciaDo autoritarismo à democracia
Do autoritarismo à democracia
 
1335289916 salazar
1335289916 salazar1335289916 salazar
1335289916 salazar
 
Era vargas
Era vargasEra vargas
Era vargas
 
B.2 teste diagnóstico o estado novo (1) - soluções
B.2 teste diagnóstico   o estado novo (1) - soluçõesB.2 teste diagnóstico   o estado novo (1) - soluções
B.2 teste diagnóstico o estado novo (1) - soluções
 
B.2 teste diagnóstico o estado novo (1) - soluções
B.2 teste diagnóstico   o estado novo (1) - soluçõesB.2 teste diagnóstico   o estado novo (1) - soluções
B.2 teste diagnóstico o estado novo (1) - soluções
 

Mais de R C

Ortomolecular em esteticismo1
Ortomolecular em esteticismo1Ortomolecular em esteticismo1
Ortomolecular em esteticismo1R C
 
Higiene na profissão de esteticismo
Higiene na profissão de esteticismoHigiene na profissão de esteticismo
Higiene na profissão de esteticismoR C
 
Organizações da sociedade civil que prestam apoio a
Organizações da sociedade civil que prestam apoio aOrganizações da sociedade civil que prestam apoio a
Organizações da sociedade civil que prestam apoio aR C
 
Trabalho dsp doenças sexualmente transmissíveis
Trabalho  dsp doenças sexualmente transmissíveisTrabalho  dsp doenças sexualmente transmissíveis
Trabalho dsp doenças sexualmente transmissíveisR C
 
Toxicodep..
Toxicodep..Toxicodep..
Toxicodep..R C
 
Planeamento familiar
Planeamento familiarPlaneamento familiar
Planeamento familiarR C
 
Atividade fisica e repouso clarisse e catia
Atividade fisica e repouso clarisse e catiaAtividade fisica e repouso clarisse e catia
Atividade fisica e repouso clarisse e catiaR C
 
Dsp alimentação racional e desvios alimentares
Dsp alimentação racional e desvios alimentaresDsp alimentação racional e desvios alimentares
Dsp alimentação racional e desvios alimentaresR C
 
6 portugalsecx ii-igrupossociais
6 portugalsecx ii-igrupossociais6 portugalsecx ii-igrupossociais
6 portugalsecx ii-igrupossociaisR C
 

Mais de R C (9)

Ortomolecular em esteticismo1
Ortomolecular em esteticismo1Ortomolecular em esteticismo1
Ortomolecular em esteticismo1
 
Higiene na profissão de esteticismo
Higiene na profissão de esteticismoHigiene na profissão de esteticismo
Higiene na profissão de esteticismo
 
Organizações da sociedade civil que prestam apoio a
Organizações da sociedade civil que prestam apoio aOrganizações da sociedade civil que prestam apoio a
Organizações da sociedade civil que prestam apoio a
 
Trabalho dsp doenças sexualmente transmissíveis
Trabalho  dsp doenças sexualmente transmissíveisTrabalho  dsp doenças sexualmente transmissíveis
Trabalho dsp doenças sexualmente transmissíveis
 
Toxicodep..
Toxicodep..Toxicodep..
Toxicodep..
 
Planeamento familiar
Planeamento familiarPlaneamento familiar
Planeamento familiar
 
Atividade fisica e repouso clarisse e catia
Atividade fisica e repouso clarisse e catiaAtividade fisica e repouso clarisse e catia
Atividade fisica e repouso clarisse e catia
 
Dsp alimentação racional e desvios alimentares
Dsp alimentação racional e desvios alimentaresDsp alimentação racional e desvios alimentares
Dsp alimentação racional e desvios alimentares
 
6 portugalsecx ii-igrupossociais
6 portugalsecx ii-igrupossociais6 portugalsecx ii-igrupossociais
6 portugalsecx ii-igrupossociais
 

14 estadonovo

  • 2.  Instabilidade política;  Subida dos preços dos produtos alimentares;  Redução do poder de compra;  Revoltas e greves constantes.
  • 3.  1926 – O General Gomes da Costa revoltou-se, em Braga, e daí marchou com o seu exército sobre Lisboa.  O Presidente da República demitiu-se.  Terminou a 1ª República.
  • 4.  O Parlamento foi encerrado;  Os governos e o Chefe de Estado passaram a ser escolhidos pelos militares;  A imprensa passou a ser censurada;  Foram proibidas greves e manifestações.
  • 5. Com a Ditadura Militar os governos continuavam a mudar frequentemente.  Em 1928, Óscar Carmona, Chefe do Governo, e único candidato às eleições foi eleito Presidente da República.  António de Oliveira Salazar foi convidado para Ministro das Finanças. Este aceitou, mas com a condição de controlar os outros ministérios.
  • 6.  Reorganizou as finanças públicas recorrendo aumento dos impostos.  Reduziu os gastos com a saúde, educação e os salários dos funcionários públicos. Logo no primeiro ano as receitas do Estado foram superiores às despesas, não sendo necessário pedir dinheiro emprestado aos outros países.
  • 7. Este êxito financeiro deu prestígio a Salazar e ele foi nomeado, em 1932, Presidente do Conselho de Ministros.
  • 8. Esta constituição pôs fim à Ditadura Militar. Iniciou-se o período do “Estado Novo”. O Presidente da República e os Deputados da Assembleia Nacional eram eleitos pelos cidadãos eleitores, Mas, como só era permitido a existência de uma única organização política, a União Nacional, apoiante de Salazar, não havia liberdade de escolha. A Assembleia Nacional limitava-se a aprovar as leis apresentadas pelo governo.
  • 9. Salazar:  Proibiu a existência de partidos políticos e criou a União Nacional (apoiante do seu partido);  Proibiu o direito à greve;  Reorganizou a comissão de censura prévia que “cortava” o que não devia de ser divulgado nos jornais, filmes, peças de teatro e outros espectáculos.
  • 10.  Criou a PVDE, Polícia de Vigilância e Defesa do Estado – chamada PIDE, Polícia Internacional e Defesa do Estado Novo, a partir de 1945, para reprimir os que eram suspeitos de cometer crimes políticos. PIDE e GNR com um preso
  • 11.
  • 12.  A Mocidade Portuguesa (criada em 1936) Organização em que participavam jovens de ambos os sexos, até aos dezoito anos. Esta organização procurava desenvolver o culto do chefe e o espírito militar.  A Legião Portuguesa Organização armada para defender o regime e combater o consumismo.
  • 13. Feitas através de: - Livros escolares; - Imprensa, rádio e televisão; -Mocidade Portuguesa. Salazar controlava assim tudo e todos, por isso se diz que governou em Ditadura
  • 14.  Construção e reparação de estradas e pontes;  Melhoramento e apetrechamento dos portos e aeroportos;  Tomou-se iniciativas para a irrigação e electrificação do país. Construíram-se numerosas barragens.  Construção de bairros para trabalhadores, hospitais, estádios e escolas. Estas medidas permitiram intensificar a industrialização, reduzir o desemprego e desenvolver o turismo.
  • 15. Apesar destas medidas, Portugal não recuperou do atraso em que se Canadá encontrava face aos outros países, por isso aumentou a emigração para a E.U.A. França e para a Alemanha. Havai Bermudas Brasil Os açorianos tinham outros destinos, partiam para o Brasil, e nesta altura, principalmente para os Estados Uni- dos da América e Canadá.
  • 16. A partir de 1945, quando os países democráticos europeus saíram vencedores da 2ª Guerra Mundial, Salazar viu-se forçado por pressões internacionais a permitir que os seus adversários participassem na vida do país. Pela primeira vez em vinte anos, marcou eleições onde a oposição podia intervir. Contudo, não lhe deu condições para sair vitoriosa: -Não tinham liberdade de fazer campanha política; -Listas de eleitores falseadas; -Não havia fiscalização no momento da contagem dos votos.
  • 17. Em 1958, nas eleições para a Presidência da República, Humberto Delgado conseguiu ter muitos votos e foi uma ameaça ao candidato da União Nacional, Américo Tomás. Em 1965, o “General Sem Medo”, Humberto Delgado foi assassinado pela PIDE.
  • 18. Nos anos 60 cresceram os movimentos de contestação ao regime: greves, revoltas e manifestações envolveram militares e civis, nomeadamente estudantes e alguns católicos.
  • 19. 1868 – Salazar, gravemente doente, foi substituído por Marcelo Caetano na presidência do Conselho de Ministros. No início abrandou a actuação da polícia política e a censura. Porém, passado pouco tempo, este deu continuidade ao salazarismo.
  • 20. A partir do fim da 2ª Guerra Mundial, os povos colonizados pelos países europeus obtiveram a pouco e pouco a sua independência de uma forma pacífica ou através da luta armada. Os povos das colónias portuguesas vendo que outros tinham obtido a liberdade, também a quiseram. Porém, Salazar recusava admitir tal hipótese.
  • 21.  1961 – Início da guerra em Angola.  1963 – Início da guerra na Guiné.  1964 – Em Moçambique, a FRELIMO iniciou a luta armada contra Portugal.
  • 22. Durante 13 anos, Portugal travou uma luta desgastante nestes três territórios – Guerra Colonial. Morreram mais de oito mil soldados portugueses e cerca de vinte e oito mil ficaram feridos ou mutilados. Esta guerra só terminou com a mudança de regime português em 25 de Abril de 1974.