SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 25
Os diversos
gêneros textuais
em sala de aula
Maria Cecília Silva de Amorim
cissa24@gmail.com
Em dupla:
Conversem sobre a imagem.
Criem para ela uma legenda.
Ler e expor para todos.
A imagem fala por si própria?
Poderia estar ligada a um gênero textual? Como?
Falando sobre a teoria dos gêneros textuais
Leitura e vídeo
A barraca e as estrelas...
Sherlock Holmes e seu fiel escudeiro Dr. Watson acamparam durante uma
viagem. Depois de dormir por algumas horas Holmes acordou, cutucou Watson e
perguntou:
- Olhe para cima e diga-me o que você está vendo, Watson?
- Hum... Eu vejo milhões de estrelas, Holmes...
- E o que você conclui disso, Watson?
Watson pensa por um momento e responde:
- Bem, sob o aspecto astronômico isso me mostra que existem milhões de galáxias
e, potencialmente, bilhões de estrelas. Astrologicamente posso ver que Saturno
está em leão. Quanto às horas posso deduzir que são 3h15 da madrugada.
Meteorologicamente eu entendo que teremos um lindo dia amanhã.
Teologicamente vejo nessa imensidão todo o poder de Deus e sinto toda a nossa
insignificância...
Watson ficou em silêncio por alguns segundos e depois perguntou:
- E você, Holmes, o que você vê?
- Eu vejo que eles roubaram a nossa barraca, Watson...
Muitas vezes deixamos de ver o principal e o mais óbvio em nossos negócios,
carreiras e funções, fixando-nos nas questões periféricas.
“...leitores iniciantes, que devem ser ensinados acerca das expectativas
perante cada gênero textual.” (FERRO apud SOUZA, p. 140,2011)
• Os textos, embora diferentes entre si, possuem pontos
em comum, pois podem se repetir no conteúdo, no
tipo de linguagem, na estrutura. Quando eles
apresentam um conjunto de características
semelhantes, seja na estrutura, conteúdo ou tipo de
linguagem, configura-se o gênero textual, que pode
ser definido como as diferentes maneiras de organizar
as informações linguísticas, destacando que isso
acontecerá de acordo com:
• A finalidade do texto;
• O papel dos interlocutores;
• A situação.
Não podemos definir a
quantidade de gêneros
textuais existentes. Por que
isso acontece? Graças à sua
natureza. Com que objetivo
eles foram criados? Para
satisfazer a determinadas
necessidades de comunicação.
Assim sendo, podem aparecer
ou desaparecer de acordo com
a época ou as necessidades
dos povos. Por isso, podemos
afirmar que gênero textual é
uma questão de uso.
Texto e sua função Gêneros orais e escritos
1 Narrar Conto maravilhoso; fábula; lenda; narrativa de aventura; narrativa mítica; biografia;
romance; novela; conto; crônica; adivinhação; piada, etc.
2 Relatar Relato de experiência; relato de viagem; diário; testemunho, autobiografia;
curriculum vitae; notícia; reportagem; etc.
3 Argumentar Textos de opinião; carta de leitor; debate, discurso de defesa (advogado, p. ex.);
editorial; ensaio; etc.
4 Expor Texto expositivo (livro didático), exposição oral (uma aula); seminário; palestra;
entrevista de especialista; verbete; resumos; resenha; relatório; etc.
5 Instruir Manual de instrução; receita; regulamento; regras de jogo; etc.
Ler para aprender a escrever!
História do lenhador
É dito que um vigoroso lenhador num dia conseguiu
derrubar 70 árvores, ao passo que o máximo que
haviam derrubado eram 72 árvores. No dia seguinte,
querendo entrar para a história, acordou um pouco
mais cedo, trabalhou duro, mas cortou apenas 68
árvores. No dia imediato, acordou ainda mais cedo,
esforçou-se ainda mais, almoçou correndo e cortou
apenas 60 árvores. Assim, desgostoso e desolado,
sentou-se à beira do refeitório. Um velho lenhador, já
sem vigor físico, mas experiente, ficou com pena do
jovem e chegando ao seu lado, perguntou: - Meu
filho, quanto tempo você separou para afiar o
machado?
RECEITA DE INVENTAR PRESENTES
Colher braçadas de flores
Bambus folhas e ventos
E as cores do arco-íris
Quando pousam no horizonte
Juntar tudo por um instante
Num caldeirão de magia
E então inventar um pássaro louco
Um novo passo de dança
Uma caixa de poesia.
Roseana Murray e Elvira Vigna. Receitas de Olhar. São Paulo: FTD, 1997.
Disponível em : http://arquivoabc.blogspot.com.br/2013_04_01_archive.html
TESOURO ESCONDIDO
O dono de um pequeno comércio, amigo do grande poeta
Olavo Bilac, abordou-o na rua.
- Sr. Bilac, estou precisando vender o meu sítio, que o
Senhor tão bem conhece. Será que o senhor poderia redigir
o anúncio para o jornal?
Olavo Bilac apanhou o papel e escreveu:
"Vende-se encantadora propriedade, onde cantam os
pássaros ao amanhecer no extenso arvoredo, cortada por
cristalinas e límpidas águas de um ribeirão. A casa banhada
pelo sol nascente, oferece a sombra tranquila das tardes,
na varanda".
Meses depois, encontra-se o poeta com o homem, e
pergunta-lhe se havia sido bem sucedido na venda do sítio,
o que para sua surpresa respondeu o homem:
- Nem pense mais nisso, disse o homem.
Quando li o anúncio é que percebi a maravilha que tinha!
Olavo Bilac
• As capacidades de linguagem, segundo Dolz, Pasquier
& Bronckart (1993) e Dolz & Schneuwly (1998), seriam
de três tipos:
a) as capacidades de ação, isto é, o reconhecimento do
gênero e de sua relação com o contexto de produção e
mobilização de conteúdos;
b) as capacidades discursivas, isto é, o reconhecimento do
plano textual geral de cada gênero, os tipos de discurso
e de sequência mobilizados;
c) as capacidades linguístico-discursivas, isto é, o
reconhecimento e a utilização do valor das unidades
linguístico-discursivas inerentes a cada gênero para a
construção do significado global do texto.
“É crucial, portanto, comprometer-se com uma educação
leitora, que priorize o percurso que o aluno realiza para
construir e reconstruir o significado do texto, bem como a
ampliação de seu repertório textual, linguístico e estético.”
(FERRO apud SOUZA, p. 135,2011)
Para responder com
pesquisa:
Então o que é:
Intertexto?
Contexto?
Pretexto?
Hipertexto?
Devemos organizar as transposições dos gêneros textuais para o
ensino tendo em vista um ensino em espiral. O ensino espiral, ao
contrário do linear em que se trabalha com um “tipo de texto” e
depois vai passando a outro e outro “subindo degraus” em
dificuldades, é aquele em que um mesmo gênero pode ser trabalhado
em qualquer série, variando apenas a forma de abordagem, isto é, o
aprofundamento e enfoque dado. A diferença de um nível escolar para
outro está nas dimensões ensináveis desse gênero, que vão
progredindo em complexificação, sendo aprofundadas de acordo com
o avanço do aluno.
Referência Bibliográfica
Gêneros Textuais. Disponível em:
http://www.mundoeducacao.com/redacao/genero-textual.htm. Acesso em 22 de
jan. de 2015.
Gêneros Textuais e as possibilidades de produção textual. Disponível em:
http://blogdoenem.com.br/generos-textuais/. Acesso em 22 de jan. de 2015.
SOUZA, Renata Junqueira e, FEBA, Berta Lúcia Tagliari (orgs.). Leitura literária
na escola: reflexões e propostas na perspectiva do letramento. Campinas, SP:
Mercado de letras.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Plano de aula modernismo no Brasil
Plano de aula modernismo no BrasilPlano de aula modernismo no Brasil
Plano de aula modernismo no Brasil
lmsmalengo
 
Concordância Nominal
Concordância NominalConcordância Nominal
Concordância Nominal
Angela Santos
 
Coerência e coesão textual
Coerência e coesão textualCoerência e coesão textual
Coerência e coesão textual
ISJ
 

Mais procurados (20)

Plano de aula modernismo no Brasil
Plano de aula modernismo no BrasilPlano de aula modernismo no Brasil
Plano de aula modernismo no Brasil
 
Escolas literarias - 2º ano
Escolas literarias -  2º anoEscolas literarias -  2º ano
Escolas literarias - 2º ano
 
Conjunções
ConjunçõesConjunções
Conjunções
 
Concordância Nominal
Concordância NominalConcordância Nominal
Concordância Nominal
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
A retextualização
A retextualizaçãoA retextualização
A retextualização
 
Gêneros textuais orais e escritos
Gêneros textuais orais e escritosGêneros textuais orais e escritos
Gêneros textuais orais e escritos
 
Coerência e coesão textual
Coerência e coesão textualCoerência e coesão textual
Coerência e coesão textual
 
Frase, Oração e Periodo.
Frase, Oração e Periodo.Frase, Oração e Periodo.
Frase, Oração e Periodo.
 
Redação Nota Mil ENEM - SALIJO
Redação Nota Mil ENEM - SALIJORedação Nota Mil ENEM - SALIJO
Redação Nota Mil ENEM - SALIJO
 
Resenha crítica
Resenha crítica Resenha crítica
Resenha crítica
 
Genero resenha
Genero resenhaGenero resenha
Genero resenha
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagem Figuras de linguagem
Figuras de linguagem
 
Gêneros literários
Gêneros literáriosGêneros literários
Gêneros literários
 
Figuras de Linguagem
Figuras de LinguagemFiguras de Linguagem
Figuras de Linguagem
 
Fatores de textualidade
Fatores de textualidadeFatores de textualidade
Fatores de textualidade
 
Características do anúncio publicitário
Características do anúncio publicitárioCaracterísticas do anúncio publicitário
Características do anúncio publicitário
 
Pressuposto e subentendido
Pressuposto e subentendidoPressuposto e subentendido
Pressuposto e subentendido
 
Semântica
SemânticaSemântica
Semântica
 
Coesão Referencial
Coesão ReferencialCoesão Referencial
Coesão Referencial
 

Semelhante a Gêneros textuais na prática

Tipologia e gêneros textuais
Tipologia e gêneros textuaisTipologia e gêneros textuais
Tipologia e gêneros textuais
Marcia Oliveira
 
Esopo bilbiografia, fábula, importância lingua
Esopo bilbiografia, fábula, importância linguaEsopo bilbiografia, fábula, importância lingua
Esopo bilbiografia, fábula, importância lingua
Jomari
 
PLANO DIDÁTICO ANUAL LITERATURA 1º ANO ENSINO MÉDIO
PLANO DIDÁTICO ANUAL LITERATURA 1º ANO ENSINO MÉDIOPLANO DIDÁTICO ANUAL LITERATURA 1º ANO ENSINO MÉDIO
PLANO DIDÁTICO ANUAL LITERATURA 1º ANO ENSINO MÉDIO
IFMA
 
Texto - definições
Texto - definiçõesTexto - definições
Texto - definições
Ingridd Lopes
 
teoriadaliteratura-100703164724-phpapp01.pptx
teoriadaliteratura-100703164724-phpapp01.pptxteoriadaliteratura-100703164724-phpapp01.pptx
teoriadaliteratura-100703164724-phpapp01.pptx
MarluceBrum1
 
Aula 08 português.text.marked
Aula 08   português.text.markedAula 08   português.text.marked
Aula 08 português.text.marked
HELIO ALVES
 

Semelhante a Gêneros textuais na prática (20)

Tipologia e gêneros textuais
Tipologia e gêneros textuaisTipologia e gêneros textuais
Tipologia e gêneros textuais
 
FORMAÇÃO DO SEGUNDO CICLO NO MUNICÍPIO DE PONTES E LACERDA
FORMAÇÃO DO SEGUNDO CICLO NO MUNICÍPIO DE PONTES E LACERDAFORMAÇÃO DO SEGUNDO CICLO NO MUNICÍPIO DE PONTES E LACERDA
FORMAÇÃO DO SEGUNDO CICLO NO MUNICÍPIO DE PONTES E LACERDA
 
Esopo bilbiografia, fábula, importância lingua
Esopo bilbiografia, fábula, importância linguaEsopo bilbiografia, fábula, importância lingua
Esopo bilbiografia, fábula, importância lingua
 
LEITURA: Aspectos Teóricos e Práticos
LEITURA: Aspectos Teóricos e PráticosLEITURA: Aspectos Teóricos e Práticos
LEITURA: Aspectos Teóricos e Práticos
 
GÊNEROS TEXTUAIS
GÊNEROS TEXTUAISGÊNEROS TEXTUAIS
GÊNEROS TEXTUAIS
 
FORMAÇÃO DO SEGUNDO CICLO NO MUNICÍPIO DE PONTES E LACERDA
FORMAÇÃO DO SEGUNDO CICLO NO MUNICÍPIO DE PONTES E LACERDAFORMAÇÃO DO SEGUNDO CICLO NO MUNICÍPIO DE PONTES E LACERDA
FORMAÇÃO DO SEGUNDO CICLO NO MUNICÍPIO DE PONTES E LACERDA
 
Apostila redacaodiscursiva fcc
Apostila redacaodiscursiva fccApostila redacaodiscursiva fcc
Apostila redacaodiscursiva fcc
 
Ot 23 08-2010[1]
Ot 23 08-2010[1]Ot 23 08-2010[1]
Ot 23 08-2010[1]
 
FACELI - D1 - Zilda Maria Fantin Moreira - Linguagem Jurídica - AULA 09
FACELI - D1 - Zilda Maria Fantin Moreira  -  Linguagem Jurídica - AULA 09FACELI - D1 - Zilda Maria Fantin Moreira  -  Linguagem Jurídica - AULA 09
FACELI - D1 - Zilda Maria Fantin Moreira - Linguagem Jurídica - AULA 09
 
relato pessoal 8º ano
relato pessoal 8º anorelato pessoal 8º ano
relato pessoal 8º ano
 
PLANO DIDÁTICO ANUAL LITERATURA 1º ANO ENSINO MÉDIO
PLANO DIDÁTICO ANUAL LITERATURA 1º ANO ENSINO MÉDIOPLANO DIDÁTICO ANUAL LITERATURA 1º ANO ENSINO MÉDIO
PLANO DIDÁTICO ANUAL LITERATURA 1º ANO ENSINO MÉDIO
 
Estudo das palavras (aula 5)
Estudo das palavras (aula 5)Estudo das palavras (aula 5)
Estudo das palavras (aula 5)
 
Compreensão de textos
Compreensão de textosCompreensão de textos
Compreensão de textos
 
Texto - definições
Texto - definiçõesTexto - definições
Texto - definições
 
AULA_2_Literatura_Uma_introduo.pptx
AULA_2_Literatura_Uma_introduo.pptxAULA_2_Literatura_Uma_introduo.pptx
AULA_2_Literatura_Uma_introduo.pptx
 
Os miseráveis
Os miseráveisOs miseráveis
Os miseráveis
 
O TREM DE FERRO QUE PASSA A ORALIDADE: uma análise que aborda a estética oral...
O TREM DE FERRO QUE PASSA A ORALIDADE: uma análise que aborda a estética oral...O TREM DE FERRO QUE PASSA A ORALIDADE: uma análise que aborda a estética oral...
O TREM DE FERRO QUE PASSA A ORALIDADE: uma análise que aborda a estética oral...
 
Aula 2 - Tipos Textuais Língua portuguesa
Aula 2 - Tipos Textuais Língua portuguesaAula 2 - Tipos Textuais Língua portuguesa
Aula 2 - Tipos Textuais Língua portuguesa
 
teoriadaliteratura-100703164724-phpapp01.pptx
teoriadaliteratura-100703164724-phpapp01.pptxteoriadaliteratura-100703164724-phpapp01.pptx
teoriadaliteratura-100703164724-phpapp01.pptx
 
Aula 08 português.text.marked
Aula 08   português.text.markedAula 08   português.text.marked
Aula 08 português.text.marked
 

Mais de Maria Cecilia Silva

Mais de Maria Cecilia Silva (20)

Oficina contação de histórias virtuais itumbiara
Oficina contação de histórias virtuais itumbiaraOficina contação de histórias virtuais itumbiara
Oficina contação de histórias virtuais itumbiara
 
Ler e contar histórias: reverberações do mestrado
Ler e contar histórias: reverberações do mestradoLer e contar histórias: reverberações do mestrado
Ler e contar histórias: reverberações do mestrado
 
Ensino remoto: desafios e possibilidades
Ensino remoto: desafios e possibilidadesEnsino remoto: desafios e possibilidades
Ensino remoto: desafios e possibilidades
 
Aula palestra sobre ler e contar - Centro universitário Uni cathedral
Aula palestra sobre ler e contar - Centro universitário Uni cathedralAula palestra sobre ler e contar - Centro universitário Uni cathedral
Aula palestra sobre ler e contar - Centro universitário Uni cathedral
 
Mulheres escritoras: cenário digital e a contação de histórias
Mulheres escritoras: cenário digital e a contação de históriasMulheres escritoras: cenário digital e a contação de histórias
Mulheres escritoras: cenário digital e a contação de histórias
 
Projeto de extensão Unidos pela histórias: poster Conpeex 2021
Projeto de extensão Unidos pela histórias: poster Conpeex 2021Projeto de extensão Unidos pela histórias: poster Conpeex 2021
Projeto de extensão Unidos pela histórias: poster Conpeex 2021
 
Comunidade de prática a/r/tográfica: era uma vez um grupo de estudos que se u...
Comunidade de prática a/r/tográfica: era uma vez um grupo de estudos que se u...Comunidade de prática a/r/tográfica: era uma vez um grupo de estudos que se u...
Comunidade de prática a/r/tográfica: era uma vez um grupo de estudos que se u...
 
A contação de histórias na cena
A contação de histórias na cenaA contação de histórias na cena
A contação de histórias na cena
 
Circuito de saberes sobre o ensino remoto - Relato de Experiência
Circuito de saberes sobre o ensino remoto - Relato de ExperiênciaCircuito de saberes sobre o ensino remoto - Relato de Experiência
Circuito de saberes sobre o ensino remoto - Relato de Experiência
 
Estado da arte da pesquisa
Estado da arte da pesquisaEstado da arte da pesquisa
Estado da arte da pesquisa
 
Autobiografia: proposta de produção textual
Autobiografia: proposta de produção textualAutobiografia: proposta de produção textual
Autobiografia: proposta de produção textual
 
A ARTE DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS NO FOCO DA CENA: DISCUSSÃO INICIAL SOBRE UMA ...
A ARTE DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS NO FOCO DA CENA: DISCUSSÃO INICIAL SOBRE UMA ...A ARTE DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS NO FOCO DA CENA: DISCUSSÃO INICIAL SOBRE UMA ...
A ARTE DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS NO FOCO DA CENA: DISCUSSÃO INICIAL SOBRE UMA ...
 
Congresso Internacional de Literatura Infantil e Juvenil - CelliJ
Congresso Internacional de Literatura Infantil e Juvenil - CelliJCongresso Internacional de Literatura Infantil e Juvenil - CelliJ
Congresso Internacional de Literatura Infantil e Juvenil - CelliJ
 
Arte e educação na cena: Repercussões de um projeto didático
Arte e educação na cena: Repercussões de um projeto didáticoArte e educação na cena: Repercussões de um projeto didático
Arte e educação na cena: Repercussões de um projeto didático
 
Comunicação oral no II Seminar - Arte de contar histórias no foco da cena
Comunicação oral no II Seminar - Arte de contar histórias no foco da cenaComunicação oral no II Seminar - Arte de contar histórias no foco da cena
Comunicação oral no II Seminar - Arte de contar histórias no foco da cena
 
Seminarios integrados de pesquisa - Aproximações investigativas de duas pesq...
Seminarios integrados de pesquisa  - Aproximações investigativas de duas pesq...Seminarios integrados de pesquisa  - Aproximações investigativas de duas pesq...
Seminarios integrados de pesquisa - Aproximações investigativas de duas pesq...
 
Seminario performances em Arte Educação
Seminario performances em Arte EducaçãoSeminario performances em Arte Educação
Seminario performances em Arte Educação
 
Seminarios integrados de_pesquisa: entrelugares em arteducação
Seminarios integrados de_pesquisa: entrelugares em arteducaçãoSeminarios integrados de_pesquisa: entrelugares em arteducação
Seminarios integrados de_pesquisa: entrelugares em arteducação
 
Metodologia de pesquisa em Arte: entrelugares, saberes-fazeres
Metodologia de pesquisa em Arte: entrelugares, saberes-fazeresMetodologia de pesquisa em Arte: entrelugares, saberes-fazeres
Metodologia de pesquisa em Arte: entrelugares, saberes-fazeres
 
Oficina Recursos para contação de histórias online
Oficina Recursos para contação de histórias onlineOficina Recursos para contação de histórias online
Oficina Recursos para contação de histórias online
 

Último

Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestreFilosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
LeandroLima265595
 
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
azulassessoria9
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Eró Cunha
 

Último (20)

Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
Novena de Pentecostes com textos de São João Eudes
Novena de Pentecostes com textos de São João EudesNovena de Pentecostes com textos de São João Eudes
Novena de Pentecostes com textos de São João Eudes
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestreFilosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
 
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da CapivaraPré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
 
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth RochaQuando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
 
INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOS
INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOSINTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOS
INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOS
 
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdfVIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfMESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
 
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdfMissa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
 
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!
 
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
 

Gêneros textuais na prática

  • 1. Os diversos gêneros textuais em sala de aula Maria Cecília Silva de Amorim cissa24@gmail.com
  • 2. Em dupla: Conversem sobre a imagem. Criem para ela uma legenda. Ler e expor para todos.
  • 3. A imagem fala por si própria? Poderia estar ligada a um gênero textual? Como?
  • 4. Falando sobre a teoria dos gêneros textuais Leitura e vídeo
  • 5. A barraca e as estrelas... Sherlock Holmes e seu fiel escudeiro Dr. Watson acamparam durante uma viagem. Depois de dormir por algumas horas Holmes acordou, cutucou Watson e perguntou: - Olhe para cima e diga-me o que você está vendo, Watson? - Hum... Eu vejo milhões de estrelas, Holmes... - E o que você conclui disso, Watson? Watson pensa por um momento e responde: - Bem, sob o aspecto astronômico isso me mostra que existem milhões de galáxias e, potencialmente, bilhões de estrelas. Astrologicamente posso ver que Saturno está em leão. Quanto às horas posso deduzir que são 3h15 da madrugada. Meteorologicamente eu entendo que teremos um lindo dia amanhã. Teologicamente vejo nessa imensidão todo o poder de Deus e sinto toda a nossa insignificância... Watson ficou em silêncio por alguns segundos e depois perguntou: - E você, Holmes, o que você vê? - Eu vejo que eles roubaram a nossa barraca, Watson... Muitas vezes deixamos de ver o principal e o mais óbvio em nossos negócios, carreiras e funções, fixando-nos nas questões periféricas.
  • 6. “...leitores iniciantes, que devem ser ensinados acerca das expectativas perante cada gênero textual.” (FERRO apud SOUZA, p. 140,2011)
  • 7.
  • 8.
  • 9. • Os textos, embora diferentes entre si, possuem pontos em comum, pois podem se repetir no conteúdo, no tipo de linguagem, na estrutura. Quando eles apresentam um conjunto de características semelhantes, seja na estrutura, conteúdo ou tipo de linguagem, configura-se o gênero textual, que pode ser definido como as diferentes maneiras de organizar as informações linguísticas, destacando que isso acontecerá de acordo com: • A finalidade do texto; • O papel dos interlocutores; • A situação.
  • 10. Não podemos definir a quantidade de gêneros textuais existentes. Por que isso acontece? Graças à sua natureza. Com que objetivo eles foram criados? Para satisfazer a determinadas necessidades de comunicação. Assim sendo, podem aparecer ou desaparecer de acordo com a época ou as necessidades dos povos. Por isso, podemos afirmar que gênero textual é uma questão de uso.
  • 11.
  • 12.
  • 13. Texto e sua função Gêneros orais e escritos 1 Narrar Conto maravilhoso; fábula; lenda; narrativa de aventura; narrativa mítica; biografia; romance; novela; conto; crônica; adivinhação; piada, etc. 2 Relatar Relato de experiência; relato de viagem; diário; testemunho, autobiografia; curriculum vitae; notícia; reportagem; etc. 3 Argumentar Textos de opinião; carta de leitor; debate, discurso de defesa (advogado, p. ex.); editorial; ensaio; etc. 4 Expor Texto expositivo (livro didático), exposição oral (uma aula); seminário; palestra; entrevista de especialista; verbete; resumos; resenha; relatório; etc. 5 Instruir Manual de instrução; receita; regulamento; regras de jogo; etc.
  • 14. Ler para aprender a escrever!
  • 15. História do lenhador É dito que um vigoroso lenhador num dia conseguiu derrubar 70 árvores, ao passo que o máximo que haviam derrubado eram 72 árvores. No dia seguinte, querendo entrar para a história, acordou um pouco mais cedo, trabalhou duro, mas cortou apenas 68 árvores. No dia imediato, acordou ainda mais cedo, esforçou-se ainda mais, almoçou correndo e cortou apenas 60 árvores. Assim, desgostoso e desolado, sentou-se à beira do refeitório. Um velho lenhador, já sem vigor físico, mas experiente, ficou com pena do jovem e chegando ao seu lado, perguntou: - Meu filho, quanto tempo você separou para afiar o machado?
  • 16. RECEITA DE INVENTAR PRESENTES Colher braçadas de flores Bambus folhas e ventos E as cores do arco-íris Quando pousam no horizonte Juntar tudo por um instante Num caldeirão de magia E então inventar um pássaro louco Um novo passo de dança Uma caixa de poesia. Roseana Murray e Elvira Vigna. Receitas de Olhar. São Paulo: FTD, 1997. Disponível em : http://arquivoabc.blogspot.com.br/2013_04_01_archive.html
  • 17. TESOURO ESCONDIDO O dono de um pequeno comércio, amigo do grande poeta Olavo Bilac, abordou-o na rua. - Sr. Bilac, estou precisando vender o meu sítio, que o Senhor tão bem conhece. Será que o senhor poderia redigir o anúncio para o jornal? Olavo Bilac apanhou o papel e escreveu: "Vende-se encantadora propriedade, onde cantam os pássaros ao amanhecer no extenso arvoredo, cortada por cristalinas e límpidas águas de um ribeirão. A casa banhada pelo sol nascente, oferece a sombra tranquila das tardes, na varanda". Meses depois, encontra-se o poeta com o homem, e pergunta-lhe se havia sido bem sucedido na venda do sítio, o que para sua surpresa respondeu o homem: - Nem pense mais nisso, disse o homem. Quando li o anúncio é que percebi a maravilha que tinha! Olavo Bilac
  • 18. • As capacidades de linguagem, segundo Dolz, Pasquier & Bronckart (1993) e Dolz & Schneuwly (1998), seriam de três tipos: a) as capacidades de ação, isto é, o reconhecimento do gênero e de sua relação com o contexto de produção e mobilização de conteúdos; b) as capacidades discursivas, isto é, o reconhecimento do plano textual geral de cada gênero, os tipos de discurso e de sequência mobilizados; c) as capacidades linguístico-discursivas, isto é, o reconhecimento e a utilização do valor das unidades linguístico-discursivas inerentes a cada gênero para a construção do significado global do texto.
  • 19. “É crucial, portanto, comprometer-se com uma educação leitora, que priorize o percurso que o aluno realiza para construir e reconstruir o significado do texto, bem como a ampliação de seu repertório textual, linguístico e estético.” (FERRO apud SOUZA, p. 135,2011)
  • 20. Para responder com pesquisa: Então o que é: Intertexto? Contexto? Pretexto? Hipertexto?
  • 21.
  • 22.
  • 23.
  • 24. Devemos organizar as transposições dos gêneros textuais para o ensino tendo em vista um ensino em espiral. O ensino espiral, ao contrário do linear em que se trabalha com um “tipo de texto” e depois vai passando a outro e outro “subindo degraus” em dificuldades, é aquele em que um mesmo gênero pode ser trabalhado em qualquer série, variando apenas a forma de abordagem, isto é, o aprofundamento e enfoque dado. A diferença de um nível escolar para outro está nas dimensões ensináveis desse gênero, que vão progredindo em complexificação, sendo aprofundadas de acordo com o avanço do aluno.
  • 25. Referência Bibliográfica Gêneros Textuais. Disponível em: http://www.mundoeducacao.com/redacao/genero-textual.htm. Acesso em 22 de jan. de 2015. Gêneros Textuais e as possibilidades de produção textual. Disponível em: http://blogdoenem.com.br/generos-textuais/. Acesso em 22 de jan. de 2015. SOUZA, Renata Junqueira e, FEBA, Berta Lúcia Tagliari (orgs.). Leitura literária na escola: reflexões e propostas na perspectiva do letramento. Campinas, SP: Mercado de letras.