EJA e Mundo do Trabalho: na perspectiva de uma formação integrada
Trabalho: uma relação simbiótica é possível... <ul><ul><li>Dimensão ontológica. </li></ul></ul><ul><ul><li>Como princípio ...
Como pode ser educativo algo que é explorado e, na maior parte das vezes, se dá em condições de não escolha ?
Como produzem a existência? Quais são seus desejos e expectativas? Que projetos de vida manifestam?
Talvez seja na educação profissional e  tecnológica que os vínculos entre a educação, território e desenvolvimento se torn...
Decreto nº 2.208/97 Uma “tsunami” na educação
Os “frutos” do neoliberalismo PROEP PLANFOR
A política de educação profissional no governo LULA
<ul><li>A adoção da inclusão social como eixo das políticas públicas. </li></ul>
Destaque nas políticas da área social.
Foco nas questões de diversidade,  inclusão e desenvolvimento socioeconômico e cultural  nas políticas educacionais.
E foi assim que começou...  <ul><li>A Orientação Estratégica do Governo Federal constante no Plano Plurianual 2004-2007 te...
Educação Profissional como política pública <ul><li>O tratamento a ser dado à educação profissional, anunciado pelo Minist...
Decreto nº 5.154/2004 <ul><li>Revogação do Decreto n. 2.208/97 , restabelecendo-se a  possibilidade de integração curricul...
<ul><li>Art. 1º  Os arts. 37, 39, 41 e 42 da Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, passam a vigorar com a seguinte reda...
Lei nº 12.061, de 27 de outubro de 2009 <ul><li>Art. 1º  O inciso II do art. 4o da Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996...
Algumas Políticas de integração entre a EJA e a EP
<ul><li>Decreto nº. 5.478, de 24/06/2005 : Programa de Integração da Educação Profissional ao Ensino Médio na Modalidade d...
Princípios <ul><li>Inclusão da população em suas ofertas educacionais; </li></ul><ul><li>Inserção orgânica da modalidade E...
Modalidades de oferta <ul><ul><li>1- Cursos técnicos integrados ao ensino médio na modalidade de jovens e adultos; </li></...
“ Toda sociedade vive porque consome; e para consumir depende da produção. Isto é, do trabalho. Toda sociedade vive porque...
Os oprimidos, nos vários momentos de sua libertação, precisam reconhecer-se como homens, na sua vocação ontológica e histó...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Palestra sobre EJA e o Mundo do trabalho e as Políticas Atuais

15.638 visualizações

Publicada em

Palestra sobre EJA e o Mundo do trabalho e as Políticas Atuais

Publicada em: Educação
0 comentários
5 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
15.638
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
149
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
530
Comentários
0
Gostaram
5
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Palestra sobre EJA e o Mundo do trabalho e as Políticas Atuais

  1. 1. EJA e Mundo do Trabalho: na perspectiva de uma formação integrada
  2. 2. Trabalho: uma relação simbiótica é possível... <ul><ul><li>Dimensão ontológica. </li></ul></ul><ul><ul><li>Como princípio educativo. </li></ul></ul>
  3. 3. Como pode ser educativo algo que é explorado e, na maior parte das vezes, se dá em condições de não escolha ?
  4. 4. Como produzem a existência? Quais são seus desejos e expectativas? Que projetos de vida manifestam?
  5. 5. Talvez seja na educação profissional e tecnológica que os vínculos entre a educação, território e desenvolvimento se tornem mais evidentes e os efeitos de sua articulação, mais notáveis. (PDE,2007)
  6. 6. Decreto nº 2.208/97 Uma “tsunami” na educação
  7. 7. Os “frutos” do neoliberalismo PROEP PLANFOR
  8. 8. A política de educação profissional no governo LULA
  9. 9. <ul><li>A adoção da inclusão social como eixo das políticas públicas. </li></ul>
  10. 10. Destaque nas políticas da área social.
  11. 11. Foco nas questões de diversidade, inclusão e desenvolvimento socioeconômico e cultural nas políticas educacionais.
  12. 12. E foi assim que começou... <ul><li>A Orientação Estratégica do Governo Federal constante no Plano Plurianual 2004-2007 tem como ponto de partida a Estratégia de Desenvolvimento de Longo Prazo composta de três grandes objetivos que refletem o seu conjunto: </li></ul><ul><ul><li>Inclusão social e redução das desigualdades sociais ; </li></ul></ul><ul><ul><li>Crescimento com geração de emprego e renda ambientalmente sustentável e redutor das desigualdades regionais e </li></ul></ul><ul><ul><li>Promoção e expansão da cidadania e fortalecimento da democracia . </li></ul></ul>
  13. 13. Educação Profissional como política pública <ul><li>O tratamento a ser dado à educação profissional, anunciado pelo Ministério da Educação ao início do Governo Lula, seria de reconstruí-la como política pública e </li></ul><ul><ul><li>corrigir distorções de conceitos e de práticas decorrentes de medidas adotadas pelo governo anterior, que de maneira explícita dissociaram a educação profissional da educação básica, aligeiraram a formação técnica em módulos dissociados e estanques, dando um cunho de treinamento superficial à formação profissional e tecnológica de jovens e adultos trabalhadores. (Brasil, MEC, 2005) </li></ul></ul>
  14. 14. Decreto nº 5.154/2004 <ul><li>Revogação do Decreto n. 2.208/97 , restabelecendo-se a possibilidade de integração curricular entre a educação básica e a educação profissional </li></ul>
  15. 15. <ul><li>Art. 1º Os arts. 37, 39, 41 e 42 da Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, passam a vigorar com a seguinte redação: </li></ul><ul><li>Art. 37 </li></ul><ul><li>§ 3o A educação de jovens e adultos deverá articular-se, preferencialmente, com a educação profissional, na forma do regulamento.” (NR) </li></ul>Lei nº 11.741, de 16 de julho de 2008
  16. 16. Lei nº 12.061, de 27 de outubro de 2009 <ul><li>Art. 1º O inciso II do art. 4o da Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, passa a vigorar com a seguinte redação: </li></ul><ul><li>“ Art. 4º </li></ul><ul><li>II - universalização do ensino médio gratuito; </li></ul><ul><li>Art. 2º O inciso VI do art. 10 da Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, passa a vigorar com a seguinte redação: </li></ul><ul><li>Art. 10. </li></ul><ul><li>VI - assegurar o ensino fundamental e oferecer, com prioridade, o ensino médio a todos que o demandarem, respeitado o disposto no art. 38 desta Lei; </li></ul>
  17. 17. Algumas Políticas de integração entre a EJA e a EP
  18. 18. <ul><li>Decreto nº. 5.478, de 24/06/2005 : Programa de Integração da Educação Profissional ao Ensino Médio na Modalidade de Educação de Jovens e Adultos. </li></ul><ul><li>Decreto nº 5.840, de 13/07/2006 : Programa Nacional de Integração da Educação Profissional à Educação Básica na modalidade de Educação de Jovens e Adultos - PROEJA revoga o anterior e amplia a abrangência do Programa para toda a educação básica. </li></ul>PROEJA: Base Legal
  19. 19. Princípios <ul><li>Inclusão da população em suas ofertas educacionais; </li></ul><ul><li>Inserção orgânica da modalidade EJA integrada à educação profissional nos sistemas educacionais públicos; </li></ul><ul><li>A ampliação do direito à educação básica, pela universalização do ensino médio; </li></ul><ul><li>Trabalho como princípio educativo; </li></ul><ul><li>A pesquisa como fundamento da formação; </li></ul><ul><li>As condições geracionais, de gênero, de relações étnico-raciais como fundantes da formação humana e dos modos como se produzem as identidades sociais </li></ul>
  20. 20. Modalidades de oferta <ul><ul><li>1- Cursos técnicos integrados ao ensino médio na modalidade de jovens e adultos; </li></ul></ul><ul><ul><li>2- Cursos de formação Inicial e continuada integrados ao ensino médio na modalidade de jovens e adultos; </li></ul></ul><ul><ul><li>3- Cursos de formação Inicial e continuada integrados ao ensino fundamental na modalidade de jovens e adultos; </li></ul></ul>
  21. 21. “ Toda sociedade vive porque consome; e para consumir depende da produção. Isto é, do trabalho. Toda sociedade vive porque cada geração nela cuida da formação da geração seguinte e lhe transmite algo da sua experiência, educa-a. Não há sociedade sem trabalho e sem educação.” Leandro Konder, 2000 .
  22. 22. Os oprimidos, nos vários momentos de sua libertação, precisam reconhecer-se como homens, na sua vocação ontológica e histórica de SER MAIS (...) Paulo Freire, 1970

×