07. o anjo maldito

233 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
233
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
22
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

07. o anjo maldito

  1. 1. OOOO AAAANNNNJJJJOOOO MMMMAAAALLLLDDDDIIIITTTTOOOO Monólogo Texto de: JULIO CARRARA Escrita em 1997
  2. 2. Julio CarraraJulio CarraraJulio CarraraJulio Carrara O Anjo MalditoO Anjo MalditoO Anjo MalditoO Anjo Maldito 1111 PERSONAGEM: ANJO MALDITO, um rapaz de 17 anos, que atende por esse apelido. ÉPOCA: Atual CENÁRIO: O piso que reveste o assoalho do palco é um grande tabuleiro de xadrez. Algumas peças do jogo como um cavalo preto, um rei preto, uma rainha branca, um bispo branco e uma torre preta. As peças deverão ser construídas com espuma e deverão ser bem leves. O ator irá contracenar com essas peças, pois cada peça representa um personagem da história. Cada peça, aos poucos, vai sendo eliminada do jogo até o Anjo Maldito dar “xeque-mate” no Rei. OBSERVAÇÃO: O Anjo Maldito é assassinado por um cliente durante um programa e durante a agonia, sua vida inteira lhe vem à mente através de “flashes”, onde a realidade e a memória se confundem.
  3. 3. Julio CarraraJulio CarraraJulio CarraraJulio Carrara O Anjo MalditoO Anjo MalditoO Anjo MalditoO Anjo Maldito 2222 CENA 1 (O pano se abre lentamente. Uma forte contraluz vermelha sobe em resistência. Um rapaz está na parte superior central do palco de costas para a plateia, completamente nu. Lentamente começa a pegar suas roupas que estão espalhadas no chão e vai se vestindo. Primeiro põe uma sunga preta, depois uma calça jeans toda esfarrapada e um colete, deixando aparecer nitidamente seu físico. Depois de vestido, vira-se de frente para o público e caminha para o centro do palco. Foco central sobe em resistência. vemos em seu rosto uma expressão angustiada e irada ao mesmo tempo. É um personagem extremamente bonito. Sua face é angelical e ao mesmo tempo demoníaca.) ANJO MALDITO (Apresenta-se.) Meu nome é... (Põe a mão na cabeça, tentando se lembrar.) Não me lembro. Esqueci o meu nome... Todos me conhecem por “anjo maldito”. Ganhei esse apelido de uma professora quando tava na terceira série da escola. Desde que me conheceu, ela nunca foi com a minha cara e vivia me maltratando. Até que um dia eu não agüentei e mandei ela tomar no cu. (Ri histericamente.) A vaca me mandou pra diretoria e na presença da diretora, se referiu a mim como “o anjo maldito”, que levava todos os alunos pro mau caminho. Eu perguntei o porquê desse apelido e ela me respondeu que eu parecia um anjo. Mas que via o demônio em pessoa quando olhava pro fundo dos meus olhos. Me achava traiçoeiro e por isso não gostava de mim. E a partir deste dia, ninguém mais me chamou pelo meu nome de batismo. (Anda pelo ambiente.) Moro aqui neste buraco. O aluguel é barato e dá pra bancar sem problema e posso trazer quem quiser aqui prum programinha. Mas aqui me sinto como um prisioneiro... E não adianta fugir. Pra onde quer que eu vá, vou tá sempre preso no meu passado... A única coisa que me falta na vida é poder
  4. 4. Julio CarraraJulio CarraraJulio CarraraJulio Carrara O Anjo MalditoO Anjo MalditoO Anjo MalditoO Anjo Maldito 3333 me libertar dessas sombras que me atormentam e que não me deixam em paz um segundo sequer. (Pega um maço de cigarros que está jogado em um canto qualquer. Acende um. Fuma. Suas mãos estão trêmulas e ele está muito nervoso. Solta a fumaça, que se espalha lentamente. Fica olhando para ela e parte de sua vida lhe vem à mente.) Parece que foi ontem toda a desgraça que caiu sobre minha cabeça... (Narra a cena e vai participando dela.) Minha mãe tava na cozinha, fazendo seus trabalhos de dona-de-casa e meu pai chegando do boteco, bêbado pra caralho. Sempre que ele chegava desse jeito, eu corria pro meu quarto e ficava espiando por uma fresta da porta, sem que eles percebessem. Minha mãe começou a discutir com ele porque não agüentava mais trabalhar como uma escrava, lavando, cozinhando, passando roupa pra fora, enquanto ele, que estava desempregado, não ia procurar emprego e pegava toda a grana dela pra gastar em bebida no boteco da esquina. (Desesperado.) O desgraçado começou a xingar minha mãe, apertava seu braço com força, dava chutes, murros nela, que gritava de dor. (Cada vez mais alucinado.) Eu não podia fazer nada. Não tinha metade da força dele e se eu enfrentasse o infeliz, ele iria me encher de porrada. A única coisa que fiz foi chorar. Chorar e mais nada! No meio da briga, o filho da puta empurrou minha mãe com tanta força e ela caiu pra trás, batendo a cabeça na quina da mesa. Quando ele percebeu o que tinha feito, saiu correndo e só pude ouvir o barulho do carro saindo em disparada. Saí do meu quarto pra ver o que tinha acontecido com a minha mãe. Cheguei perto dela e ela estava caída no chão,
  5. 5. Julio CarraraJulio CarraraJulio CarraraJulio Carrara O Anjo MalditoO Anjo MalditoO Anjo MalditoO Anjo Maldito 4444 sem se mexer enquanto um sangue negro que saía de sua cabeça jorrava e escorria pelo chão. (Põe a cabeça da mãe em seu colo. É a rainha branca. Olha para ela. Uma luz especial sobe em resistência sobre o rapaz, que fala como um menino de doze anos.) Mãe, levanta... Oh, mãe, não brinca comigo... (Vai se desesperando ao ver que ela não se move.) Mãe, fala comigo! Fala comigo, mãe. (Chacoalha-a.) Mãe!!! Não, mãe! Nããããããoooo!!!!!!! (Contorcendo-se.) Não adiantava mais nada. Ela tava morta! Morta! (Aproxima-se do centro do palco. Está diante do caixão de sua mãe.) Quando vi minha mãe no caixão, fiz um juramento diante de seu corpo. (Jurando, com ira.) Mãe, sua morte vai ser vingada. Juro por tudo que é mais sagrado que vou matar seu assassino. E não vou sossegar enquanto isso não acontecer, nem que pra isso eu tenha que descer até às profundezas do inferno! (Luz especial desce em resistência. A ira do rapaz chega ao ápice.) Eu vou te encontrar, velho de uma figa e vou te matar. Quero te ver sangrar como um porco e vou ter o prazer de cuspir na tua cara. Você tirou a vida de quem eu mais amava neste mundo. Eu nunca vou te perdoar. (Grita com todas as suas forças.)
  6. 6. Julio CarraraJulio CarraraJulio CarraraJulio Carrara O Anjo MalditoO Anjo MalditoO Anjo MalditoO Anjo Maldito 5555 Nunca!!!!!!!!! (Desaba no chão num sofrimento profundo.) CENA 2 ANJO MALDITO (Narrando.) Depois do enterro, saí correndo do cemitério sem que ninguém me visse. Corri, corri, corri. Sem rumo, sem destino, pra onde Deus ou o Diabo quisesse me levar. Queria voar, como um anjo. Pra bem longe, onde ninguém pudesse me encontrar... Voltei pra casa com a esperança de encontrar com “aquele que se dizia meu pai”. Eu tava pronto pra cumprir meu juramento, mas ele havia desaparecido, sem deixar nenhuma pista sobre seu paradeiro. Não aguentava mais ficar naquela casa onde reinava a maldição. Quando chegou a noite, não tinha aonde dormir. Fiquei perambulando pelas ruas com a intenção de enganar o sono, mas ele me venceu e acabei dormindo num banco gelado da praça da República... Lá pelas quatro da madrugada, um andarilho me acordou e me levou debaixo do Minhocão, onde ele vivia. No dia seguinte, fui com ele fazer malabares no semáforo. Na segunda semana, ele construiu pra mim uma caixa de engraxate e fui engraxar sapatos no Centro. Fiquei três anos nesta vida até que não agüentando mais, larguei essa vida e me enfiei na noite. Arrumei um trampo numa boate num show chamado “A Noite dos Leopardos”. Lembro como se fosse hoje: com uma máscara de leopardo, um chicote e uma capa, pisei no palco pela primeira vez... (O rapaz vira-se de costas e põe a capa e a máscara. Segura um chicote e inicia seu show. Faz um “strip-tease”, colocando em prática todo o seu charme e sensualidade. Bate com o chicote no chão e dança ao som de uma música de “strip-tease”. Acaricia o corpo, deixando a plateia, enlouquecida. Passa a mão no pênis e movimenta os quadris simulando o ato sexual. Os gritos da plateia ainda ecoam no seu ouvido.)
  7. 7. Julio CarraraJulio CarraraJulio CarraraJulio Carrara O Anjo MalditoO Anjo MalditoO Anjo MalditoO Anjo Maldito 6666 ...e naquela mesma noite, rolou a minha primeira trepada. Uma coroa me deu uma boa grana pra foder com ela. Eu falei pra ela que ainda não conhecia nenhuma mulher e ela me disse: (Pega a torre preta e faz uma voz feminina.) “Adoro meninos da sua idade, que ainda cheiram a leite. Vocês são os melhores amantes do mundo. Vou te ensinar tudinho... de A até o Z.” (Noutro tom.) Me levou até o seu apê, me jogou na cama, arrancou toda a minha roupa e bateu uma punheta pra mim. Puxava meu cabelo, me arranhava, gemia alto e falava sacanagens no meu ouvido. Como uma leoa no cio, pediu que eu enterrasse a pica o mais depressa possível nela. Fiz como ela pediu... A velha tinha um apetite do caralho. Quando sentiu que eu ia gozar, tirou o cacete de dentro dela, deu mais uma mamada, engoliu o meu leitinho e ficou brincando com o meu pau. Depois dela, vieram outras, outras e mais outras... A grana era alta. Eu tinha por obrigação satisfazer todo mundo... (Muda o tom.) Um dia, quando voltava pra casa, um cara parou o carro e me ofereceu uma carona. Eu conhecia ele de vista e aceitei. Eu tava cansado. Mas o pior foi quando aceitei ir até a casa dele pra tomar umas cervejas e fumar uns beck. Ele pediu para eu passar a noite lá, porque ele tinha acabado de se separar da mulher e precisava de alguém para desabafar. Ficou umas duas horas falando da puta da mulher dele, da puta da vida dele, da puta que o pariu... Fomos dormir tarde. Ele foi pro seu quarto e eu fiquei num colchão na sala. (Deita-se no piso.) No meio da noite, eu acordei com aquele desgraçado em cima de mim, me encoxando.
  8. 8. Julio CarraraJulio CarraraJulio CarraraJulio Carrara O Anjo MalditoO Anjo MalditoO Anjo MalditoO Anjo Maldito 7777 (Pega o cavalo preto e põe em cima do seu corpo. Luz especial. O rapaz fica apavorado.) O que é isso? Sai de cima de mim. Você só disse que queria conversar comigo, seu sacana, filho da puta. (Consegue se levantar e tenta fugir. só tenta, porque o homem o agarra. O desespero do rapaz vai aumentando.) Me solta. Você tá me machucando. Tire essas mãos nojentas de cima de mim. Você não vai me comer. (Caminha com dificuldade, indo até o centro do palco. O homem faz com que ele fique “de quatro”. O rapaz tenta resistir, mas o homem muito mais forte do que ele, baixa a sunga do rapaz. este chora.) Não faz isso, porra... (O rapaz estremece o corpo. O homem penetrou nele. este grita muito e vai estremecendo à medida que o homem o enraba. A cena é tensa. Nesta cena deverá ser utilizado efeito de luz: o “strobo” é o mais indicado para deixar a cena em câmera lenta. A dor do rapaz é imensa. O homem chega ao ápice de seu prazer. O rapaz rola pelo chão. está quase desmaiando. Black-out rápido.) CENA 3 ANJO MALDITO Depois deste dia, nunca mais fui o mesmo. Nunca mais consegui dormir tranqüilo. Fechava os olhos e via aquela cena. Nunca mais consegui me olhar direito no espelho. Acho que aquele anjinho que ainda existia em mim, morreu, fazendo com que eu me transformasse definitivamente num demônio. (Pega algumas pedras de crack e se droga. Entra em cena uma mulher, representada pelo bispo branco. Anjo Maldito dirige-se para ela, com o olhar alucinado.)
  9. 9. Julio CarraraJulio CarraraJulio CarraraJulio Carrara O Anjo MalditoO Anjo MalditoO Anjo MalditoO Anjo Maldito 8888 E aí, gatinha? Tá a fim de um programinha? Venha aqui com o papai, vou realizar todas as suas fantasias e pra você eu faço de graça. Faço o que você quiser. (Abraça a mulher.) Me abraça... Isso, sua cadelinha. Assim é que eu gosto. Bela menina! (Geme e se masturba. de repente, seus movimentos que eram suaves, passam a ser fortes.) Não é qualquer uma que tem o privilégio de estar nos meus braços, sabia? Você tem um cheiro maravilhoso. Vou te dar prazer como nunca dei a nenhuma outra mulher. (Mais brutal.) Vou fazer com que você sinta tudo o que eu senti naquela maldita noite... (Penetra violentamente na garota. Ele grita por ela e ao mesmo tempo por ele. Seus movimentos são idênticos do homem que o estuprou. A cena se repete só que agora o rapaz é o violador. Vai diminuindo seus movimentos até parar. Repete a mesma marca do trecho de seu estupro. Black-out rápido.) Ao mesmo tempo em que estava feliz ao ver ela sangrando, gritando e me implorando pra parar, eu me via no lugar dela. Sentia toda a dor dela... (Flashes do Anjo Maldito sendo assassinado por uma gangue. Ele pula na estrutura de sustentação do teto e atravessa-o todo. Ao chegar à outra extremidade, fica pendurado de cabeça para baixo, como um morcego. Depois de um tempo, salta do teto e cai no inferno.) Finalmente eu te encontrei seu assassino... Já tava na hora de acertarmos as contas, não é mesmo?
  10. 10. Julio CarraraJulio CarraraJulio CarraraJulio Carrara O Anjo MalditoO Anjo MalditoO Anjo MalditoO Anjo Maldito 9999 (Seu pai, representado pelo rei preto, está frente a frente com ele.) Eu jurei vingança diante do corpo da minha mãe e vou cumprir meu juramento, nem que isso seja a última coisa que eu faça na porra dessa vida... (Pega um revólver e aponta para o pai.) Ajoelha, seu desgraçado. Você acabou de cavar sua sepultura. (Súplica do pai, que só ele escuta.) Cala a boca... Morrer é pouco pra você. Fique onde tá. Não se mexa... Você vai morrer de qualquer jeito. Sua súplica é inútil... Mas eu vou dar um tempinho para que você possa rezar um “Pai-Nosso”, se é que você sabe rezar, né, seu bosta?... (Tempo.) Um... Pai Nosso, que estais no Céu... Dois... Santificado seja o Vosso nome... Três... Venha a nós o Vosso Reino... A gente se encontra no inferno... Seja feita a Vossa vontade. (Atira.) Xeque-mate. (O rapaz ao ver o cadáver, começa a rir. Um riso macabro, que começa baixinho e vai crescendo, crescendo, crescendo até chegar numa altura infernal. Em seguida esse riso se transforma num choro de um bebê recém-nascido. O garoto está ajoelhado, de cabeça baixa. Levanta a cabeça lentamente e ainda ajoelhado, estende as mãos para o céu; a plenos pulmões.) Eu tô livre!!! (Dá um suspiro, aliviado.)
  11. 11. Julio CarraraJulio CarraraJulio CarraraJulio Carrara O Anjo MalditoO Anjo MalditoO Anjo MalditoO Anjo Maldito 10101010 Finalmente me libertei do meu passado. Finalmente voltarei a ter paz na minha vida. O demônio que existia em mim, morreu com o assassino de minha mãe... Eu sou um anjo... Um anjo bendito. Agora o que me resta é alçar voo. Pra bem longe deste lugar e dessas lembranças horríveis... (Uma suave luz azul dá lugar à luz vermelha. Uma forte neblina invade a cena. O Anjo tem um sorriso angustiado, enquanto grossas lágrimas escorrem pela sua face. A cena deve sugerir mistério e poesia. Black-out.) FIM Agosto/1997

×