UUUURRRRIIIIEEEELLLL
oooouuuu
LLLLAAAABBBBIIIIRRRRIIIINNNNTTTTOOOO
Drama Existencialista
Texto de:
JULIO CARRARA
Escrita e...
Julio CarraraJulio CarraraJulio CarraraJulio Carrara UrielUrielUrielUriel 1111
PERSONAGENS:
URIEL
DAVID VELHO
DAVID JOVEM
...
Julio CarraraJulio CarraraJulio CarraraJulio Carrara UrielUrielUrielUriel 2222
(Quando o público entra no espaço, deverá s...
Julio CarraraJulio CarraraJulio CarraraJulio Carrara UrielUrielUrielUriel 3333
o próprio lençol, dentro da sua cela na pen...
Julio CarraraJulio CarraraJulio CarraraJulio Carrara UrielUrielUrielUriel 4444
URIEL
As pessoas acreditam somente no óbvio...
Julio CarraraJulio CarraraJulio CarraraJulio Carrara UrielUrielUrielUriel 5555
URIEL
(Casual.) Sou o seu desejo.
(Cessa mú...
Julio CarraraJulio CarraraJulio CarraraJulio Carrara UrielUrielUrielUriel 6666
tentativa adolescente de mostrar para o meu...
Julio CarraraJulio CarraraJulio CarraraJulio Carrara UrielUrielUrielUriel 7777
DAVID VELHO
Eu a desejava, eu a amava - ant...
Julio CarraraJulio CarraraJulio CarraraJulio Carrara UrielUrielUrielUriel 8888
URIEL
Voltei para lhe dizer que você deve a...
Julio CarraraJulio CarraraJulio CarraraJulio Carrara UrielUrielUrielUriel 9999
momento certo eu voltarei. E quando voltar ...
Julio CarraraJulio CarraraJulio CarraraJulio Carrara UrielUrielUrielUriel 10101010
DAVID VELHO
Voltei a tocar violino. Há ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

17. uriel

0 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
0
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
0
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

17. uriel

  1. 1. UUUURRRRIIIIEEEELLLL oooouuuu LLLLAAAABBBBIIIIRRRRIIIINNNNTTTTOOOO Drama Existencialista Texto de: JULIO CARRARA Escrita em 2003
  2. 2. Julio CarraraJulio CarraraJulio CarraraJulio Carrara UrielUrielUrielUriel 1111 PERSONAGENS: URIEL DAVID VELHO DAVID JOVEM CENÁRIO: Uma casa de espelhos, dessas que se encontram em parques de diversões. No interior desta casa de espelhos está o consultório de um psiquiatra, estilizado, com um divã e uma cadeira ao lado dele.
  3. 3. Julio CarraraJulio CarraraJulio CarraraJulio Carrara UrielUrielUrielUriel 2222 (Quando o público entra no espaço, deverá sentir-se preso num labirinto de uma casa de espelhos. A direção deve criar um clima claustrofóbico através dos ruídos, da luz, de um cheiro forte de éter, etc. Para os ruídos sonoros sugiro um som irritante de um cardiógrafo e de uma respiração ofegante de um paciente em estado terminal. As três personagens, David Jovem, David Velho e Uriel já estão em cena, imóveis, atrás dos espelhos. Luz vai caindo em resistência enquanto o som do cardiógrafo aumenta até o black-out. No escuro ouve-se uma música sinistra. O tempo do black-out deve ser longo até a plateia sentir-se incomodada. Pequenas luzes de várias lanternas criam uma coreografia psicodélica. Uma suave luz azul sobe em resistência. No proscênio, sentado de costas em uma cadeira está David, que olha o seu reflexo no espelho. Lentamente vira-se para frente, ao mesmo tempo em que um foco de luz sobe em resistência sobre ele.) DAVID VELHO Meu nome é David. Na Faculdade de Medicina era mais conhecido como Chilli, por causa da minha pele avermelhada, herança dos meus avós irlandeses. Mas nem a Faculdade e nem meu apelido vem ao caso agora. Não agora. (Pausa.) Há um bom tempo, eu exerci a função de psiquiatra - o verdadeiro orgulho da família, diga-se de passagem. E, ao contrário daquilo que algumas pessoas imaginam, não existe nada mais complexo do que o cérebro humano. Vejo-o como um vasto labirinto escuro, uma grotesca casa de espelhos; talvez aqueles espelhos de parques de diversões, que além de nos confundir, nos deixam abobalhados quando imaginamos que estamos chegando a algum lugar e percebemos que ainda mal nos deslocamos. Mesmo assim, eu estava mergulhado naquilo que chamamos de processo. Estava em processo de estudo e não me lembro de ter algum dia trabalhado tão a finco em um paciente. Nem mesmo no caso do Homem-Machado, um indivíduo que, sem motivo aparente, chacinara toda a família com um machado de cortar lenha. E quando era interrogado, jurava que quem tinha feito o serviço era uma criatura zumbi que vivia na floresta. Após alguns meses de tentativas frustradas, de tentar descobrir alguma coisa, o homem havia se suicidado com
  4. 4. Julio CarraraJulio CarraraJulio CarraraJulio Carrara UrielUrielUrielUriel 3333 o próprio lençol, dentro da sua cela na penitenciária de segurança máxima. Caso interessante... Mas nem de longe, tão envolvente quanto o caso dela... (Foco de luz refletindo a imagem de Uriel atrás de um dos espelhos.) DAVID VELHO Uma mulher que imaginava ser uma espécie de escolhida dos deuses. Tentarei simplificar o possível, ao que chamo hoje de minha “viagem alucinante”. (David Velho gira em torno de si mesmo, como num ritual de butoh. Luz em resistência baixa. Ouve-se no áudio uma música ritualística. Depois de um tempo rodando, David Velho para, senta-se no divã e continua a confissão.) DAVID VELHO Ela não era só dona de todo o charme que alguém poderia imaginar, não. Havia algo mais... Havia um mundo estranho oferecido atrás de seus olhos estranhamente negros. Seu corpo voluptuoso era algo como que tirado do Olimpo. Sua boca generosa raramente sorria; e quando sorria parecia um convite. Adorava ver os seus cabelos espalhados em meu divã. Em uma das nossas sessões fiz uma simples pergunta que mudaria todo o rumo da minha vida. Perguntei-lhe o que mais lhe causava medo. E ela me respondeu que só temia... VOZ FEMININA EM OFF, ECOANDO ...o óbvio!!! (Muda luz. David Velho entra num dos espelhos e observa a cena. David Jovem sentado na cadeira e Uriel deitada no divã.) DAVID JOVEM O óbvio? Seja mais clara.
  5. 5. Julio CarraraJulio CarraraJulio CarraraJulio Carrara UrielUrielUrielUriel 4444 URIEL As pessoas acreditam somente no óbvio. Acreditam somente naquilo que seus cérebros podem aceitar. Nada é óbvio. As pessoas mudam. As circunstâncias mudam. E as pessoas são capazes de tudo, se movidas por amor ou ódio. DAVID JOVEM Se você sabe tudo, a respeito de tudo, então o que faz aqui no meu consultório? (Black-out seco. Música. Luz sobe em resistência e desta vez é David jovem quem está deitado no divã enquanto Uriel diz todo o texto girando em torno dele e sempre o encarando.) URIEL (Com força.) Pago para provar que você não sabe nada. Você somente conhece aquilo que lhe convém. Só aceita aquilo que é, dentro dos padrões, algo denominado normal, correto. Você nunca sentiu vontade de se matar? Nunca se afastou a tempo antes de matar alguém que você amasse? Nunca ouviu os tambores soarem dentro de si como numa festividade de morte? Nunca se sentiu pronto para cair sobre quatro patas e uivar alucinadamente para em seguida correr mais velozmente que o próprio som? São coisas que vocês têm medo de aceitar. Medo de ouvir o grito que deixam estancado dentro da garganta. Medo de acreditar naquilo que não é óbvio. Então, quem somos nós para punir um assassino? Ele terminou aquilo que temos medo de terminar. Ouviu o que temos medo de ouvir: O GRITO. Você nunca se envergonhou de si mesmo? Nunca se lamentou por algo que fez que não era dentro dos padrões, algo denominado correto? DAVID JOVEM (Perturbado, quase gritando.) Quem é você?
  6. 6. Julio CarraraJulio CarraraJulio CarraraJulio Carrara UrielUrielUrielUriel 5555 URIEL (Casual.) Sou o seu desejo. (Cessa música.) DAVID JOVEM Escute. Suponhamos, apenas suponhamos que você esteja certa. Diga- me então o que devo fazer para me aceitar. Você tem razão. Eu não me aceito. Não aceito em harmonia o bem e o mal que habitam dentro de mim. Não aceito o profundo bem e sumo mal, como você mesma já disse antes. Tento esquecer certas coisas que já fiz antes, mas não posso. Tampouco posso aceitar o lobo que habita dentro das minhas entranhas. Gostaria de recomeçar, viver em harmonia comigo mesmo, fazer tudo de modo diferente. Mas não tenho equilíbrio. Um lado sempre grita mais alto que o outro. (Música. Perturbação de David Jovem que grita desesperado. Uriel faz um jogo com ele através dos espelhos que distorcem seus reflexos como num retrato expressionista, tentando fazê-lo enxergar a si mesmo. A música chega ao ápice enquanto Uriel entra num dos espelhos e desaparece. Luz cai em resistência sobre David Jovem, que cai estatelado no divã. Foco sobe lentamente em resistência sobre David Velho que sai do espelho.) DAVID VELHO Agora eu havia me transformado em paciente, mas nada mais importava. Não importava realmente quem era quem naquele jogo do inferno... (Pausa. David Velho caminha entre os espelhos.) DAVID VELHO (Off – Gravação.) Sentia lágrimas escorrendo em minha boca. Um gosto salgado, quente. Lembrei-me uma vez quando engoli a água do mar, numa
  7. 7. Julio CarraraJulio CarraraJulio CarraraJulio Carrara UrielUrielUrielUriel 6666 tentativa adolescente de mostrar para o meu irmão mais velho, que se ele podia ir até a balsa localizada a alguns metros da costa, eu também podia. Tentativa fracassada... DAVID VELHO ELA me colocou em seu colo, me ofereceu o seu corpo quente, sorriu e disse: (Foco em Uriel atrás do espelho que segura David Jovem nos braços.) URIEL Não posso ajudá-lo, David. Não sou a vida. E somente ela poderá fazer alguma coisa a você. Não cabe a mim intervir. (Uriel sai.) DAVID JOVEM (Olhando para David Velho, que diz a mesma frase só com o movimento dos lábios, sem som.) E ela se foi, deixando atrás de si aquele cheiro agridoce, junto aos meus soluços. (Apaga o foco de David Jovem.) DAVID VELHO No caminho de volta pra casa, parei em um bar e consumi muito mais que poderia suportar, como se na garrafa houvesse a solução para o meu problema; como se dentro da mesma garrafa existisse ao menos uma resposta para as milhares de perguntas que eu precisava fazer... (Foco em Uriel atrás do espelho, como a Vênus, de Botticelli.)
  8. 8. Julio CarraraJulio CarraraJulio CarraraJulio Carrara UrielUrielUrielUriel 7777 DAVID VELHO Eu a desejava, eu a amava - antiético, é claro. Mas eu realmente desejava que toda a ética e ciência do mundo fossem de mãos dadas para o inferno... Ela era minha deusa, uma deusa pagã. Era como se ela tivesse o poder de absolver os meus pecados ou simplesmente, aceitá-los. Eu a desejava como um condenado deseja a guilhotina e hoje posso compreender essa sensação. (Apaga-se o foco de Uriel.) DAVID VELHO Nunca mais a veria. Nunca mais ouviria a sua voz rouca me dizendo palavras certeiras e me revirando a alma ao avesso. Isso talvez fosse bom. Eu poderia voltar a ser o mesmo covarde de sempre ruminando minhas idéias limitadas e considerando-me um gênio da racionalidade. (Pausa.) DAVID VELHO Uma mão gelada tocou meu ombro. Virei-me bruscamente. Minha voz morreu na garganta. DAVID VELHO (Off – Gravação.) Ela estava na minha frente: o olhar passivo, os lábios entreabertos... Tudo o que consegui dizer após segundos que pareceram durar horas foi: (David Velho diante de Uriel que finalmente sai do espelho.) DAVID VELHO Você voltou? (Música melancólica.)
  9. 9. Julio CarraraJulio CarraraJulio CarraraJulio Carrara UrielUrielUrielUriel 8888 URIEL Voltei para lhe dizer que você deve aproveitar o tempo que lhe resta. Voltei, porque você me deseja. Alguns me desejam, outros me temem. Alguns me veem assim como você me vê: bela, desejável... Outros me veem como uma velha amaldiçoada... Tenho vários nomes, desde a indesejável até a inevitável. A vida lhe oferece chances. A vida é curta. Passageira. A morte, não. Você deve viver a vida de forma mais suave, sem cobranças, sem perguntas, sem medos e sem violações. Se você não parar imediatamente de se punir, sua estadia será amarga. Não julgue. Não se machuque. Saiba que até mesmo o artista, o pintor, o músico, o poeta, tem suas almas dilaceradas. Talvez para eles, a vida até seja mais cheia de perguntas que a sua própria vida de Homem da Ciência. Eles amam e esta é a condenação. Se as pessoas pararem de amar serão condenadas da mesma forma, mas será infinitamente pior. Sem amor, não há inspiração. Sem amor, não há vida. Quando todos pararem para aceitar o inaceitável de forma mais suave e redescobrirem que tudo na vida é passageiro, exceto o amor, talvez eu deixe de existir. Quando as pessoas desarmarem seus arsenais eu me despedirei dos meus irmãos: a fome, a dor, a ambição, o medo e a doença. Restarão apenas a vida e a luz... (Pausa. Uriel acaricia os cabelos de David Velho.) URIEL Alguns imaginam que a morte acontece quando o corpo para e o cérebro apaga, mas quantos mortos ainda caminham sobre a Terra? A morte nada mais é que a falta de esperança, a falta de vontade de viver. Eis aí mais uma das intermináveis faces encobertas da morte. A mudança deve começar dentro de cada um. De você agora... Como disse antes, infelizmente não sou a vida. Mas você ainda vive - portanto, mexa-se, tente, tente quantas vezes for necessário tentar. Nunca desista de você. Aceite-se, ame-se, respeite-se da forma que você foi feito. Aprimore o seu lado bom e respeite seu lado denominado ruim. Lembre-se: é perigoso denominar o que é bom ou ruim, pois o que é bom para você, pode ser ruim para o outro e vice-versa... No
  10. 10. Julio CarraraJulio CarraraJulio CarraraJulio Carrara UrielUrielUrielUriel 9999 momento certo eu voltarei. E quando voltar espero não parecer tão desejável. Apenas aceitável... (Uriel entra num dos espelhos e desaparece. Fim da música melancólica.) DAVID VELHO Suas últimas palavras soaram muito distantes. Eu estava caindo literalmente no sono. Era como se meu cérebro recusasse aceitar tudo aquilo como realidade. As limitações do cérebro, claro. (Alternar os focos em David Velho e David Jovem atrás do espelho.) DAVID JOVEM Acredito que ela desapareceu. Provavelmente por causa da existência de algumas coisas que nosso cérebro simplesmente rejeita. DAVID VELHO Prefiro acreditar que foi um sonho; que eu a queria tanto, que acabei sonhando com algo que se assemelhasse com a realidade. DAVID JOVEM Poderia ter sido imaginação minha... apenas um desejo... DAVID VELHO O que me choca até hoje, não é me sentir diferente... DAVID JOVEM Quando digo diferente, refiro-me a um desejo inabalável de fazer o melhor por mim mesmo.
  11. 11. Julio CarraraJulio CarraraJulio CarraraJulio Carrara UrielUrielUrielUriel 10101010 DAVID VELHO Voltei a tocar violino. Há anos ele estava esquecido dentro do armário. Há anos, eu havia me esquecido do prazer que ele me oferecia. (David Velho toca o violino.) DAVID JOVEM Nem tampouco me choquei, ao sentir a necessidade de adotar uma criança, que hoje está entre as coisas que mais amo no mundo. Meu pequeno Eddie... DAVID VELHO Na verdade o que me choca... é me olhar no espelho e ver meus cabelos brancos. E sem conseguir esquecer àquela noite em que sonhei com Uriel. (David Velho lentamente deita-se no divã e fecha os olhos. O som do cardiógrafo vai cessando aos poucos até indicar a sua morte. Uma suave luz azulada, de corredor, sobe em resistência revelando a entrada de Uriel. Ela aproxima-se de David Velho, estende as mãos e pega na mão do psiquiatra. Ele abre os olhos e sorri ao vê-la. Fecha os olhos novamente e esboça um sorriso. Uriel estende novamente as mãos e tira David Jovem de trás do espelho trazendo-o para junto de si. O rapaz, enfeitiçado, sorri para ela. Em seguida olha para o cadáver de David Velho, ou seja, para si mesmo. Volta-se para Uriel e beija-lhe apaixonadamente. Ela fica acariciando o rosto do rapaz por um bom tempo. Logo em seguida, ambos entram lentamente no espelho e desaparecem. Foco sobre David Velho que jaz no divã. Depois de um tempo, foco desce em resistência até o black-out final.) FIM Dezembro/2003

×