SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 1
Baixar para ler offline
O mar do Norte, verde e cinzento, rodeava Vig, a ilha, e as espumas varriam os rochedos
escuros. Havia nesse começo de tarde um vaivém incessante de aves marítimas, as águas
engrossavam devagar, as nuvens empurradas pelo vento sul acorriam e Hans viu que se estava
formando a tempestade. Mas ele não temia a tempestade e, com os fatos inchados de vento,
caminhou até ao extremo do promontório2
.
O voo das gaivotas era cada vez mais inquieto e apertado, o ímpeto3
e o tumulto cada vez
mais violentos e os longínquos espaços escureciam. A tempestade, como uma boa orquestra,
afinava os seus instrumentos.
Hans concentrava o seu espírito para a exaltação4
crescente do grande cântico marítimo.
Tudo nele estava atento como quando escutava o cântico do órgão da igreja luterana5
, na igreja
austera6
, solene, apaixonada e fria.
Para resistir ao vento, estendeu-se ao comprido no extremo do promontório. Dali via de
frente o inchar da ondulação cada vez mais densa como se as águas se fossem tornando mais
pesadas.
Agora as gaivotas recolhiam a terra. Só a procelária7
abria rente à vaga o voo duro.
À direita, as longas ervas transparentes, dobradas pelo vento, estendiam no chão o caule fino.
Nuvens sombrias enrolavam os anéis enormes e, sob uma estranha luz, simultaneamente
sombria e cintilante, os espaços se transfiguravam. De repente, começou a chover.
A família de Hans morava no interior da ilha. Ali, o rumor marítimo só em dias de temporal,
através da floresta longínqua, se ouvia.
Mas ele vinha muitas vezes até à pequena vila costeira e, esgueirando-se pelas ruelas,
caminhava ao longo do cais, ao lado de botes e veleiros, atravessava a praia e subia ao extremo
do promontório. Ali, no respirar da vaga, ouvia o respirar indecifrado da sua própria paixão.
Nesse dia, quando ao cair da noite entrou em casa, Hans curvou a cabeça. Pois aos catorze
anos já tinha quase a altura de um homem e, em Vig, as portas de entrada são baixas.
Assim é desde o tempo antigo das guerras quando os invasores que ocupavam a ilha
penetravam nas casas de cabeça erguida mas exigiam que a gente da ilha se curvasse para os
saudar. Então, os homens de Vig baixaram o lintel8
das suas portas para obrigarem o vencedor
a baixar a cabeça.
Sophia de Mello Breyner Andresen, Histórias da Terra e do Mar, Lisboa, Texto Editora, 1990, pp. 75-77.
Acesso ao conto
https://www.yumpu.com/pt/document/read/12694280/saga-texto-integral

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A Menina do Mar - Joana Gomes
A Menina do Mar - Joana GomesA Menina do Mar - Joana Gomes
A Menina do Mar - Joana GomesBe Alvito
 
A Saga - ficha de vocabulário
A Saga - ficha de vocabulárioA Saga - ficha de vocabulário
A Saga - ficha de vocabulárioLina Claro
 
Leandro, o rei da helíria
Leandro, o rei da helíriaLeandro, o rei da helíria
Leandro, o rei da helíriaTeresa Maia
 
Saga vocabulário -soluções
Saga  vocabulário -soluçõesSaga  vocabulário -soluções
Saga vocabulário -soluçõesLina Claro
 
Ficha de verificaço de leitura - História da Gaivora e do Gato que a ensinou ...
Ficha de verificaço de leitura - História da Gaivora e do Gato que a ensinou ...Ficha de verificaço de leitura - História da Gaivora e do Gato que a ensinou ...
Ficha de verificaço de leitura - História da Gaivora e do Gato que a ensinou ...Cristina Leitão
 
O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá - Primavera
O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá - PrimaveraO Gato Malhado e a Andorinha Sinhá - Primavera
O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá - PrimaveraMargarida Santos
 
8ºc trabalho saga
8ºc trabalho saga8ºc trabalho saga
8ºc trabalho sagaLurdes
 
Leandro, rei da helíria
Leandro, rei da helíriaLeandro, rei da helíria
Leandro, rei da helíriaanatss
 
Leandro rei da heliria caracterização das personagens2
Leandro rei da heliria   caracterização das personagens2Leandro rei da heliria   caracterização das personagens2
Leandro rei da heliria caracterização das personagens2Belmira Baptista
 
Conto da Ilha Desconhecida - Ficha de Leitura
Conto da Ilha Desconhecida - Ficha de LeituraConto da Ilha Desconhecida - Ficha de Leitura
Conto da Ilha Desconhecida - Ficha de Leiturae- Arquivo
 
A Fada Oriana Capitulos I e II
A Fada Oriana Capitulos I e IIA Fada Oriana Capitulos I e II
A Fada Oriana Capitulos I e IISlidesDoCostume
 
Sintese funcoes sintaticas
Sintese funcoes sintaticasSintese funcoes sintaticas
Sintese funcoes sintaticasarmindaalmeida
 
Rosa Minha Irmã Rosa ver1.pptx
Rosa Minha Irmã Rosa ver1.pptxRosa Minha Irmã Rosa ver1.pptx
Rosa Minha Irmã Rosa ver1.pptxpaulodomingos42
 
À BEIRA DO LAGO DOS ENCANTOS
À BEIRA DO LAGO DOS ENCANTOSÀ BEIRA DO LAGO DOS ENCANTOS
À BEIRA DO LAGO DOS ENCANTOSIlda Oliveira
 
Chocolate à chuva alice vieira
Chocolate à chuva   alice vieiraChocolate à chuva   alice vieira
Chocolate à chuva alice vieiramafaldagrego
 

Mais procurados (20)

Resumo saga
Resumo sagaResumo saga
Resumo saga
 
A Menina do Mar - Joana Gomes
A Menina do Mar - Joana GomesA Menina do Mar - Joana Gomes
A Menina do Mar - Joana Gomes
 
O gato malhado
O gato malhadoO gato malhado
O gato malhado
 
Teste saga
Teste saga Teste saga
Teste saga
 
A Saga - ficha de vocabulário
A Saga - ficha de vocabulárioA Saga - ficha de vocabulário
A Saga - ficha de vocabulário
 
Leandro, o rei da helíria
Leandro, o rei da helíriaLeandro, o rei da helíria
Leandro, o rei da helíria
 
Saga vocabulário -soluções
Saga  vocabulário -soluçõesSaga  vocabulário -soluções
Saga vocabulário -soluções
 
Ficha de verificaço de leitura - História da Gaivora e do Gato que a ensinou ...
Ficha de verificaço de leitura - História da Gaivora e do Gato que a ensinou ...Ficha de verificaço de leitura - História da Gaivora e do Gato que a ensinou ...
Ficha de verificaço de leitura - História da Gaivora e do Gato que a ensinou ...
 
Ppt saga
Ppt sagaPpt saga
Ppt saga
 
O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá - Primavera
O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá - PrimaveraO Gato Malhado e a Andorinha Sinhá - Primavera
O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá - Primavera
 
8ºc trabalho saga
8ºc trabalho saga8ºc trabalho saga
8ºc trabalho saga
 
Leandro, rei da helíria
Leandro, rei da helíriaLeandro, rei da helíria
Leandro, rei da helíria
 
Leandro rei da heliria caracterização das personagens2
Leandro rei da heliria   caracterização das personagens2Leandro rei da heliria   caracterização das personagens2
Leandro rei da heliria caracterização das personagens2
 
Conto da Ilha Desconhecida - Ficha de Leitura
Conto da Ilha Desconhecida - Ficha de LeituraConto da Ilha Desconhecida - Ficha de Leitura
Conto da Ilha Desconhecida - Ficha de Leitura
 
A Fada Oriana Capitulos I e II
A Fada Oriana Capitulos I e IIA Fada Oriana Capitulos I e II
A Fada Oriana Capitulos I e II
 
Sintese funcoes sintaticas
Sintese funcoes sintaticasSintese funcoes sintaticas
Sintese funcoes sintaticas
 
Rosa Minha Irmã Rosa ver1.pptx
Rosa Minha Irmã Rosa ver1.pptxRosa Minha Irmã Rosa ver1.pptx
Rosa Minha Irmã Rosa ver1.pptx
 
Menina do mar
Menina do marMenina do mar
Menina do mar
 
À BEIRA DO LAGO DOS ENCANTOS
À BEIRA DO LAGO DOS ENCANTOSÀ BEIRA DO LAGO DOS ENCANTOS
À BEIRA DO LAGO DOS ENCANTOS
 
Chocolate à chuva alice vieira
Chocolate à chuva   alice vieiraChocolate à chuva   alice vieira
Chocolate à chuva alice vieira
 

Semelhante a O mar do Norte e a tempestade crescente

Histórias da Terra e do Mar
Histórias da Terra e do MarHistórias da Terra e do Mar
Histórias da Terra e do MarFilipa Julião
 
cavaleiro-dinamarca.pdf
cavaleiro-dinamarca.pdfcavaleiro-dinamarca.pdf
cavaleiro-dinamarca.pdfIsabel Palmela
 
O cavaleiro da dinamarca versão cat
O cavaleiro da dinamarca versão catO cavaleiro da dinamarca versão cat
O cavaleiro da dinamarca versão catMariana
 
O cavaleiro da dinamarca versão cat
O cavaleiro da dinamarca versão catO cavaleiro da dinamarca versão cat
O cavaleiro da dinamarca versão catIsabel Ribeiro
 
10 a transformação do homem na era da regeneração
10 a transformação do homem na era da regeneração10 a transformação do homem na era da regeneração
10 a transformação do homem na era da regeneraçãosidneyjorge
 
O cavaleiro da dinamarca versão cat
O cavaleiro da dinamarca versão catO cavaleiro da dinamarca versão cat
O cavaleiro da dinamarca versão catpartilhando
 
«Saga», Sophia de Mello Breyner Andresen.pptx
«Saga», Sophia de Mello Breyner Andresen.pptx«Saga», Sophia de Mello Breyner Andresen.pptx
«Saga», Sophia de Mello Breyner Andresen.pptxssuserf30d0a1
 
teste de português 8_ano.docxSAGA.docx NEE.docx
teste de português 8_ano.docxSAGA.docx NEE.docxteste de português 8_ano.docxSAGA.docx NEE.docx
teste de português 8_ano.docxSAGA.docx NEE.docxm00
 
Razão e Sensibilidade e os Monstros Marinhos
Razão e Sensibilidade e os Monstros MarinhosRazão e Sensibilidade e os Monstros Marinhos
Razão e Sensibilidade e os Monstros MarinhosAdriana Sales Zardini
 
ARES DA MINHA SERRA
ARES DA MINHA SERRAARES DA MINHA SERRA
ARES DA MINHA SERRAtedesign2011
 
Descoberta e exploração da costa ocidental africana
Descoberta e exploração da costa ocidental africanaDescoberta e exploração da costa ocidental africana
Descoberta e exploração da costa ocidental africanaSusana Simões
 
«Saga», de Sophia de Mello Breyner Andresen.pptx
«Saga», de Sophia de Mello Breyner Andresen.pptx«Saga», de Sophia de Mello Breyner Andresen.pptx
«Saga», de Sophia de Mello Breyner Andresen.pptxSandraCouto20
 

Semelhante a O mar do Norte e a tempestade crescente (20)

Histórias da Terra e do Mar
Histórias da Terra e do MarHistórias da Terra e do Mar
Histórias da Terra e do Mar
 
Saga
SagaSaga
Saga
 
A saga B
A saga BA saga B
A saga B
 
Saga C
Saga CSaga C
Saga C
 
Saga A
Saga ASaga A
Saga A
 
Saga A
Saga ASaga A
Saga A
 
cavaleiro-dinamarca.pdf
cavaleiro-dinamarca.pdfcavaleiro-dinamarca.pdf
cavaleiro-dinamarca.pdf
 
O cavaleiro da dinamarca versão cat
O cavaleiro da dinamarca versão catO cavaleiro da dinamarca versão cat
O cavaleiro da dinamarca versão cat
 
O cavaleiro da dinamarca versão cat
O cavaleiro da dinamarca versão catO cavaleiro da dinamarca versão cat
O cavaleiro da dinamarca versão cat
 
10 a transformação do homem na era da regeneração
10 a transformação do homem na era da regeneração10 a transformação do homem na era da regeneração
10 a transformação do homem na era da regeneração
 
O cavaleiro da dinamarca versão cat
O cavaleiro da dinamarca versão catO cavaleiro da dinamarca versão cat
O cavaleiro da dinamarca versão cat
 
Sines em "Os portos maritimos de Portugal e ilhas adjacentes", de Adolpho Lou...
Sines em "Os portos maritimos de Portugal e ilhas adjacentes", de Adolpho Lou...Sines em "Os portos maritimos de Portugal e ilhas adjacentes", de Adolpho Lou...
Sines em "Os portos maritimos de Portugal e ilhas adjacentes", de Adolpho Lou...
 
«Saga», Sophia de Mello Breyner Andresen.pptx
«Saga», Sophia de Mello Breyner Andresen.pptx«Saga», Sophia de Mello Breyner Andresen.pptx
«Saga», Sophia de Mello Breyner Andresen.pptx
 
teste de português 8_ano.docxSAGA.docx NEE.docx
teste de português 8_ano.docxSAGA.docx NEE.docxteste de português 8_ano.docxSAGA.docx NEE.docx
teste de português 8_ano.docxSAGA.docx NEE.docx
 
Ppt cavaleiro
Ppt cavaleiroPpt cavaleiro
Ppt cavaleiro
 
Razão e Sensibilidade e os Monstros Marinhos
Razão e Sensibilidade e os Monstros MarinhosRazão e Sensibilidade e os Monstros Marinhos
Razão e Sensibilidade e os Monstros Marinhos
 
a tragédia de Nyemburg.docx
a tragédia de Nyemburg.docxa tragédia de Nyemburg.docx
a tragédia de Nyemburg.docx
 
ARES DA MINHA SERRA
ARES DA MINHA SERRAARES DA MINHA SERRA
ARES DA MINHA SERRA
 
Descoberta e exploração da costa ocidental africana
Descoberta e exploração da costa ocidental africanaDescoberta e exploração da costa ocidental africana
Descoberta e exploração da costa ocidental africana
 
«Saga», de Sophia de Mello Breyner Andresen.pptx
«Saga», de Sophia de Mello Breyner Andresen.pptx«Saga», de Sophia de Mello Breyner Andresen.pptx
«Saga», de Sophia de Mello Breyner Andresen.pptx
 

Mais de Filipa Julião

Cartaz regras da BE 2020 - 2021
Cartaz regras da BE 2020 - 2021Cartaz regras da BE 2020 - 2021
Cartaz regras da BE 2020 - 2021Filipa Julião
 
Regimento contingencia be_1_ceb (3)
Regimento contingencia be_1_ceb (3)Regimento contingencia be_1_ceb (3)
Regimento contingencia be_1_ceb (3)Filipa Julião
 
Uma esplanada sobre mar
Uma esplanada sobre mar Uma esplanada sobre mar
Uma esplanada sobre mar Filipa Julião
 
História Trágico-Marítima
História Trágico-MarítimaHistória Trágico-Marítima
História Trágico-MarítimaFilipa Julião
 
História Trágico-Marítima
História Trágico-MarítimaHistória Trágico-Marítima
História Trágico-MarítimaFilipa Julião
 
Era uma vez uma praia atlântica
Era uma vez uma praia atlânticaEra uma vez uma praia atlântica
Era uma vez uma praia atlânticaFilipa Julião
 
Poemas biblioteca AEPAL
Poemas biblioteca AEPALPoemas biblioteca AEPAL
Poemas biblioteca AEPALFilipa Julião
 
Países lusofonos e a estranha boca de zeze boca doce (1)
Países lusofonos e a estranha boca de zeze boca doce (1)Países lusofonos e a estranha boca de zeze boca doce (1)
Países lusofonos e a estranha boca de zeze boca doce (1)Filipa Julião
 
Regulamento marcador2012 2013
Regulamento marcador2012 2013Regulamento marcador2012 2013
Regulamento marcador2012 2013Filipa Julião
 
Catalogo da exposição enxara
Catalogo da exposição enxaraCatalogo da exposição enxara
Catalogo da exposição enxaraFilipa Julião
 
Catalogo da exposição2
Catalogo da exposição2Catalogo da exposição2
Catalogo da exposição2Filipa Julião
 
Catalogo da exposição2
Catalogo da exposição2Catalogo da exposição2
Catalogo da exposição2Filipa Julião
 
Listas de obras metas curriculares 12 13 existencias na be aepal 4. ano
Listas de obras metas curriculares 12 13 existencias na be aepal 4. anoListas de obras metas curriculares 12 13 existencias na be aepal 4. ano
Listas de obras metas curriculares 12 13 existencias na be aepal 4. anoFilipa Julião
 
Lista de obras metas curriculares 2 .º ano existências na be 12 13 aepal
Lista de obras metas curriculares 2 .º ano existências na be 12 13 aepalLista de obras metas curriculares 2 .º ano existências na be 12 13 aepal
Lista de obras metas curriculares 2 .º ano existências na be 12 13 aepalFilipa Julião
 
Lista 3.º ano metas curriculares existências na be 12 13 aepal
Lista 3.º ano metas curriculares existências na be 12 13 aepalLista 3.º ano metas curriculares existências na be 12 13 aepal
Lista 3.º ano metas curriculares existências na be 12 13 aepalFilipa Julião
 

Mais de Filipa Julião (20)

Dia Mundial da Poesia
Dia Mundial da PoesiaDia Mundial da Poesia
Dia Mundial da Poesia
 
Cartaz regras da BE 2020 - 2021
Cartaz regras da BE 2020 - 2021Cartaz regras da BE 2020 - 2021
Cartaz regras da BE 2020 - 2021
 
Regimento contingencia be_1_ceb (3)
Regimento contingencia be_1_ceb (3)Regimento contingencia be_1_ceb (3)
Regimento contingencia be_1_ceb (3)
 
10 de junho
10 de junho10 de junho
10 de junho
 
Uma esplanada sobre mar
Uma esplanada sobre mar Uma esplanada sobre mar
Uma esplanada sobre mar
 
Diário I (p. 87)
Diário I (p. 87)Diário I (p. 87)
Diário I (p. 87)
 
História Trágico-Marítima
História Trágico-MarítimaHistória Trágico-Marítima
História Trágico-Marítima
 
História Trágico-Marítima
História Trágico-MarítimaHistória Trágico-Marítima
História Trágico-Marítima
 
Era uma vez uma praia atlântica
Era uma vez uma praia atlânticaEra uma vez uma praia atlântica
Era uma vez uma praia atlântica
 
Poemas biblioteca AEPAL
Poemas biblioteca AEPALPoemas biblioteca AEPAL
Poemas biblioteca AEPAL
 
Países lusofonos e a estranha boca de zeze boca doce (1)
Países lusofonos e a estranha boca de zeze boca doce (1)Países lusofonos e a estranha boca de zeze boca doce (1)
Países lusofonos e a estranha boca de zeze boca doce (1)
 
Países lusofonos
Países lusofonosPaíses lusofonos
Países lusofonos
 
Regulamento marcador2012 2013
Regulamento marcador2012 2013Regulamento marcador2012 2013
Regulamento marcador2012 2013
 
Catalogo da exposição enxara
Catalogo da exposição enxaraCatalogo da exposição enxara
Catalogo da exposição enxara
 
Jogo de observação
Jogo de observaçãoJogo de observação
Jogo de observação
 
Catalogo da exposição2
Catalogo da exposição2Catalogo da exposição2
Catalogo da exposição2
 
Catalogo da exposição2
Catalogo da exposição2Catalogo da exposição2
Catalogo da exposição2
 
Listas de obras metas curriculares 12 13 existencias na be aepal 4. ano
Listas de obras metas curriculares 12 13 existencias na be aepal 4. anoListas de obras metas curriculares 12 13 existencias na be aepal 4. ano
Listas de obras metas curriculares 12 13 existencias na be aepal 4. ano
 
Lista de obras metas curriculares 2 .º ano existências na be 12 13 aepal
Lista de obras metas curriculares 2 .º ano existências na be 12 13 aepalLista de obras metas curriculares 2 .º ano existências na be 12 13 aepal
Lista de obras metas curriculares 2 .º ano existências na be 12 13 aepal
 
Lista 3.º ano metas curriculares existências na be 12 13 aepal
Lista 3.º ano metas curriculares existências na be 12 13 aepalLista 3.º ano metas curriculares existências na be 12 13 aepal
Lista 3.º ano metas curriculares existências na be 12 13 aepal
 

Último

As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no textoMariaPauladeSouzaTur
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfmarialuciadasilva17
 
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxProva de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxJosAurelioGoesChaves
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaeliana862656
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãodanielagracia9
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxHenriqueLuciano2
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxAntonioVieira539017
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURADouglasVasconcelosMa
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.HildegardeAngel
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 

Último (20)

As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no texto
 
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
 
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxProva de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escrita
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetização
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 

O mar do Norte e a tempestade crescente

  • 1. O mar do Norte, verde e cinzento, rodeava Vig, a ilha, e as espumas varriam os rochedos escuros. Havia nesse começo de tarde um vaivém incessante de aves marítimas, as águas engrossavam devagar, as nuvens empurradas pelo vento sul acorriam e Hans viu que se estava formando a tempestade. Mas ele não temia a tempestade e, com os fatos inchados de vento, caminhou até ao extremo do promontório2 . O voo das gaivotas era cada vez mais inquieto e apertado, o ímpeto3 e o tumulto cada vez mais violentos e os longínquos espaços escureciam. A tempestade, como uma boa orquestra, afinava os seus instrumentos. Hans concentrava o seu espírito para a exaltação4 crescente do grande cântico marítimo. Tudo nele estava atento como quando escutava o cântico do órgão da igreja luterana5 , na igreja austera6 , solene, apaixonada e fria. Para resistir ao vento, estendeu-se ao comprido no extremo do promontório. Dali via de frente o inchar da ondulação cada vez mais densa como se as águas se fossem tornando mais pesadas. Agora as gaivotas recolhiam a terra. Só a procelária7 abria rente à vaga o voo duro. À direita, as longas ervas transparentes, dobradas pelo vento, estendiam no chão o caule fino. Nuvens sombrias enrolavam os anéis enormes e, sob uma estranha luz, simultaneamente sombria e cintilante, os espaços se transfiguravam. De repente, começou a chover. A família de Hans morava no interior da ilha. Ali, o rumor marítimo só em dias de temporal, através da floresta longínqua, se ouvia. Mas ele vinha muitas vezes até à pequena vila costeira e, esgueirando-se pelas ruelas, caminhava ao longo do cais, ao lado de botes e veleiros, atravessava a praia e subia ao extremo do promontório. Ali, no respirar da vaga, ouvia o respirar indecifrado da sua própria paixão. Nesse dia, quando ao cair da noite entrou em casa, Hans curvou a cabeça. Pois aos catorze anos já tinha quase a altura de um homem e, em Vig, as portas de entrada são baixas. Assim é desde o tempo antigo das guerras quando os invasores que ocupavam a ilha penetravam nas casas de cabeça erguida mas exigiam que a gente da ilha se curvasse para os saudar. Então, os homens de Vig baixaram o lintel8 das suas portas para obrigarem o vencedor a baixar a cabeça. Sophia de Mello Breyner Andresen, Histórias da Terra e do Mar, Lisboa, Texto Editora, 1990, pp. 75-77. Acesso ao conto https://www.yumpu.com/pt/document/read/12694280/saga-texto-integral