Toxêmia gravídica

1.674 visualizações

Publicada em

Compreende um conjunto de problemas que só acontece durante a gravidez, depois da 20ª semana. Ela engloba desde os casos leves de hipertensão arterial e o inchaço no início da gestação até os quadro de pré-eclâmpsia, eclampsia e síndrome HELLP.

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.674
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
76
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Toxêmia gravídica

  1. 1. Toxêmia Gravídica 2014.1 Allan Sabóia, Gleiciane Serqueira e Jessica Soares
  2. 2. Conhece a Toxêmia gravídica? E Doença Hipertensiva Especifica da gravidez (DHEG)?
  3. 3. Toxêmia Gravídica • O feto as vezes libera proteínas na circulação materna, que provoca uma resposta imunológica na gestante, que agride as paredes dos vasos sanguíneos, causando vasoconstricção e aumento da P.A. • A Toxêmia Gravídica é a doença mais importante em Obstetrícia, sendo uma das principais responsáveis por mortes maternas e fetais.
  4. 4. Toxêmia Gravídica • Compreende um conjunto de problemas que só acontece durante a gravidez, depois da 20ª semana. Ela engloba desde os casos leves de hipertensão arterial e o inchaço no início da gestação até os quadro de pré-eclâmpsia, eclampsia e síndrome HELLP.
  5. 5. Sua principal característica é tríade: • A hipertensão Arterial que é classificada na gravidez por medidas da P.A igual ou superior a 140 X 90mmHg; • Proteinúria com presença de 300 mg ou mais de proteínas excretadas na urina coletada em 24h; • Edema.
  6. 6. Fatores de Risco • Estar na primeira gravidez; • Ser diabética com problemas vasculares; • Ter obesidade; • Ser portadora de hipertensão arterial crônica; • Ter problemas renais; • Estar abaixo dos 15 ou acima dos 35 anos de idade; • Ter gestações múltiplas (gêmeos, trigêmeos ou mais); • Ser da raça negra; • Histórico familiar de Toxêmia gravídica (mãe, irmã, filha, avó, tia, etc.)
  7. 7. Categorias da hipertensão na Gestação • Hipertensãocrônica: Estado hipertensivo preexistente à prenhez ou ocorrido antes de 20 semanas, e ainda presente decorridas 6-12 semanas do pós-parto. • Pré-eclâmpsia: Síndrome multissistêmica caracterizada por hipertensão e proteinúria surgida após 20 semanas.
  8. 8. Categorias da hipertensão na Gestação • Hipertensão transitória (gestacionaloutardia): Elevação da PA > 140/ 90 mmHg, sem proteinúria, após 20 semanas de gestação (entre 20 e 50% desenvolvem pré-eclâmpsia). • Eclampsia: Presença de convulsão em mulheres com pré- eclâmpsia.
  9. 9. Categorias da hipertensão na Gestação • Hipertensãosuperajuntada: Presença de proteinúria em mulher com hipertensão antes de 20 semanas, aumento subitâneo da proteinúria já presente no início da gestação, ou de hipertensão e desenvolvimento da síndrome HELLP e mulher com hipertensão crônica que desenvolveu cefaléia, escotomas visuais ou dor epigástrica.
  10. 10. Fisiopatologia Alterações Vasculares • Hipertensão; • Disfunção Endotelial; • Edema; Alteração Hepática* • Rotura do fígado; • enzimas hepáticas; *Particularmente na sidrome de Hellp
  11. 11. Fisiopatologia Alterações Cerebrais • Convulsão; • Edema; • Necrose Hemorrágica ou Hemorragia difusa; • Descolamento da Retina. Alteração Sanguínea • Hemoconcentração; • Trombocitopenia*
  12. 12. Fisiopatologia Alterações Renais • Retenção de água e sódio; • Edema; • do Fluxo Plasmático Renal; • Filtração; • ácido úrico; • Proteinúria. Alteração Uteroplacentárias • do fluxo sanguíneo uteroplacentário; • Infartos placentários; • Estrogênio; • Hiperatividade uterina.
  13. 13. Condutas de Enfermagem • O parto é a única forma de tratar pré-eclâmpsia e a eclâmpsia de forma definitiva; • O ideal é que se retarde o parto até o feto estar suficientemente desenvolvido para nascer com segurança. • O Repouso da mãe em DLE a maior parte do tempo; • o Controle diário da P.A, se possível mais de uma vez ao dia;
  14. 14. Condutas de Enfermagem • Avaliar o crescimento ponderal e a vitalidade do feto semanalmente; • Encaminhar para Hospitalização para tratamento adequado e monitoramento, quando necessário. • Ausculta do BCF • o Controle do peso diariamente (valorizar o ganho de peso de 1 Kg por semana como piora); • o Não fazer uso de diuréticos;
  15. 15. Condutas de Enfermagem • Em caso de eclampsia, para além das oportunas medidas para combater as crises convulsivas, deve-se optar sempre pela realização prematura do parto, normalmente através da prática de uma cesariana. Eclampsia
  16. 16. Obrigado

×