O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.

Jb news informativo nr. 2103

41 visualizações

Publicada em

.

Publicada em: Arte e fotografia
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Jb news informativo nr. 2103

  1. 1. JB NEWS Filiado à ABIM sob nr. 007/JV Editoria: Ir Jeronimo Borges Academia Catarinense Maçônica de Letras Academia Maçônica de Letras do Brasil – Arcádia de B. Horizonte Loja Templários da Nova Era nr. 91(Florianópolis) - Obreiro Loja Alferes Tiradentes nr. 20 (Florianópolis) - Membro Honorário Loja Harmonia nr. 26 (B. Horizonte) - Membro Honorário Loja Fraternidade Brazileira de Estudos e Pesquisas (J. de Fora) -Correspondente Loja Francisco Xavier Ferreira de Pesquisas Maçônicas (P. Alegre) - Correspondente O JB News está sendo editado em Maceió participando da XLV CMSB 2016 Saudações, Prezado Irmão! Índice do JB News nr. 2.103– Maceió (AL) - terça-feira, 5 de julho de 2016 Bloco 1 -Almanaque Bloco 2 -IrZelito Magalhães – A Amazônia Pede Socorro Bloco 3 -IrFowler Theodoro Braga Filho – O Traje Maçônica e a “cor” Preta Bloco 4 -IrLuiz Silva Cavalcanti – A Taça Sagrada Bloco 5 -IrDangler Travassos Guimarães – Corpo Físico e Espírito – Vida e Morte Bloco 6 -IrAntônio Mantovani Filho – A Caridade Maçônica Bloco 7 - Destaques JB – Breviário Maçônico - Versos do Irmão Raimundo Corado (Barreiras – BA)
  2. 2. JB News – Informativo nr. 2.103 – Maceió (AL) terça-feira, 5 de julho de 2016 Pág. 2/24 Capa da obra Philosophiae naturalis principia mathematica  649 - É eleito o Papa Martinho I.  1687 - Publicação dos Philosophiae Naturalis Principia Mathematica (Princípios Matemáticos de Filosofia Natural), por Sir Isaac Newton.  1811 - Independência da Venezuela, sendo o primeiro país da América do Sul a fazê-lo de Espanha.  1833 - Almirante Charles John Napier derrota a esquadra portuguesa de Dom Miguel I na Batalha do Cabo de São Vicente (1833).  1890 - Luís Gomes, no Rio Grande do Norte, é elevada a categoria de cidade. Nesta edição: Pesquisas – Arquivos e artigos próprios e de colaboradores e da Internet – Blogs - http:pt.wikipedia.org - Imagens: próprias, de colaboradores e www.google.com.br Os artigos aqui publicados não refletem necessariamente a opinião deste informativo, sendo plena a responsabilidade de seus autores. 1 – ALMANAQUE Hoje é o 187º dia do Calendário Gregoriano do ano de 2016– (Lua Nova) Faltam 179 para terminar este ano bissexto Dia da Independência da Venezuela, da Argélia e de Cabo Verde Se o Irmão não deseja receber mais o informativo ou alterou o seu endereço eletrônico, POR FAVOR, comunique-nos pelo mesmo e-mail que recebeu a presente mensagem, para evitar atropelos em nossas remesssas diárias. Obrigado. Colabore conosco para evitar problemas na emissão de nossas mala direta diária. EVENTOS HISTÓRICOS (fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki) Aprofunde seu conhecimento clicando nas palavras sublinhadas
  3. 3. JB News – Informativo nr. 2.103 – Maceió (AL) terça-feira, 5 de julho de 2016 Pág. 3/24  1914 - O aviador Eduardo Pacheco Chaves fez o primeiro voo entre São Paulo e Rio de Janeiro, em 4 horas e 40 minutos.  1922 - Levante dos 18 do Forte de Copacabana.  1924 - Levante Revolucionário em São Paulo que culmina na criação da Coluna Prestes.  1946 - O estilista Louis Réard exibiu em uma piscina de Paris sua mais nova criação: o biquíni[1] .  1951 - William Shockley inventa o transistor.  1954 - Elvis Presley grava seu primeiro sucesso, "That's All Right".  1959 - O presidente da Indonésia, Sukarno, dissolve o Parlamento.  1962 - Independência da Argélia.  1962 - É fundada a cidade de cândido sales na bahia.  1964 - A soprano Maria Callas fez sua última apresentação. Ela interpretou Tosca, de Giacomo Puccini, em Londres.  1970 - O jornalista e apresentador Flávio Cavalcanti estreia o programa homônimo, na Rede Tupi.  1975 - Independência de Cabo Verde.  1981 - Um petroleiro da Companhia Vale do Rio Doce, ancorado no Rio Grande do Sul, causou um desastre ambiental derramando cerca de 120 mil barris de petróleo no mar.  1982 - A Seleção Brasileira de Futebol é eliminada da Copa do Mundo.  1994  A Organização das Nações Unidas apresentou um plano para tentar conter a Guerra da Bósnia, na ex-Iugoslávia.  A BBC de Londres, rede estatal de rádio e TV, recebeu autorização para transmitir uma programação internacional via satélite.  2001 - Os policiais civis da Bahia iniciaram uma greve que durou 13 dias, durante os quais houve saques a lojas e supermercados.  2005 - Anúncio do fim do Ballet Gulbenkian.  2006 - Através de um referendo, os habitantes de Montenegro votaram pela separação do país da República da Sérvia. 1779 Assume o governo da capitania de Santa Catarina o brigadeiro Francisco de Barros Moraes Araújo Teixeira Omem, substituindo o coronel Francisco Antonio da Vei9ga Cabral da Câmara. 1824 Assume o cargo de juiz de fora da capital catarinense o Dr. Antônio Pereira Barreto Pedrozo. 1909 Nasce, em Florianópolis, Victor Antonio Peluso Júnior. Doutor em Geografia, professor emérito da Universidade Federal de Santa Catarina, tem alentada obra publicada. Foi membro do Conselho Estadual de Cultura. Presidente do Instituto Histórico e Geográfico de Santa Catarina e membro da Academia Catarinense de Letras. 1755 Grande Loja de França aceita que os Mestres tenham o direito de supervisionar as Lojas Simbólicas 1802 Fundação na Bahia da Loja Virtude e Razão. 1948 O escritor e Irmão Monteiro Lobato, autor do Sítio do Pica-pau Amarelo, morreu em São Paulo aos 66 anos, vítima de um espasmo cerebral. históricos de santa Catarina Extraído de “Datas Históricas de Santa Catarina” do Jornalista Jali Meirinho e acervo pessoal Fatos maçônicos do dia Fonte: O Livro dos Dias 20ª edição (Ir João Guilherme) e acervo pessoal
  4. 4. JB News – Informativo nr. 2.103 – Maceió (AL) terça-feira, 5 de julho de 2016 Pág. 4/24 Irmão Zelito Magalhães (*) A Amazônia Pede Socorro Durante a XX Conferência da Confederação da Maçonaria Simbólica do Brasil (CMSB) realizada em Curitiba (PR) no ano de 1991, foi aprovado o MANIFESTO À NAÇÃO, que dizia na sua abertura: “Como maçons, preocupa-nos o advento no estrangeiro de planos para a internacionalização da Amazônia” Ao longo de vinte e tantos anos de pesquisas sobre ações geradas pela ARTE REAL em defesa da Amazônia, apenas uma detectamos. A Grande Loja Maçônica do Estado do Rio de Janeiro, no ano de 2014, divulgou através de seu Grão-Mestre uma mensagem-denúncia sob o título - “A Amazônia e a Cobiça Internacional” da qual transcrevemos o seguinte trecho: “Ora em tramitação no Congresso o projeto de concessões que representará, na verdade, a entrega da exploração mineral existente no subsolo amazônico – quantidades consideráveis de bauxita e manganês, enfim, uma infinidade de bens que há muito tempo são motivos de cobiça de poderosos grupos internacionais” Nosso irmão Francisco Batista Torres de Melo, General de Brigada do Exército e ex comandante de tropas no Amazonas, chegou a dizer em entrevista ao jornal O Povo (Fortaleza) edição de 30- 04-1995: “A sagrada unidade nacional está sendo ameaçada pelos países, principalmente pelos Estados Unidos, megalomaníacos auto proclamadores tutores do mundo”. Possivelmente uma resposta ao que chegou a dizer Al Gore, vice presidente dos EUA, 1989: “Ao contrário do que os brasileiros pensam, a Amazônia não é deles, mas de todos nós” No ano de 2007, foi publicado o livro de Zelito Magalhães - “Amazônia, a Cobiça do Mundo” sob os auspícios do Banco do Nordeste do Brasil. A publicação é o resultado de vários anos de pesquisa em que o autor aborda sobre as incalculáveis riquezas do maior patrimônio verde da humanidade. Riquezas que vêm sendo exploradas principalmente por inescrupulosos estrangeiros que delas se apossaram há mais de século. O livro reserva um capítulo à queimada de florestas e derrubada diária de árvores centenárias equivalente a oito campos de futebol. A exploração de suas reservas naturais e minerais, etc. complementam o histórico. O interesse maior de Zelito é que brasileiros da maior parte do Brasil, notadamente das regiões do eixo amazônico, tenham a oportunidade de conhecer uma publicação de tamanha envergadura. Só assim poderão se inteirar, de maneira mais consciente, de que a Amazônia pede socorro. Desta forma, conclamamos as Potências Maçônicas, respectivas Academias de Letras e congêneres a se engajarem na cruzada que vimos pregando a favor da soberania do maior patrimônio florestal da humanidade. Aproveitamos o ensejo para colocarmo-nos à disposição das Grandes Lojas do Brasil que se dignarem tirar nova edição da referida obra, devendo a renda destinar-se às ações sociais das mesmas. Matriz do material gráfico será encaminhado a quem interessar possa. Contatos do autor: E-mail: Zelito.magalhaes@hotmail.com Tels. (85) 9 9617 2124 e (85) 3282 4025 (*) Perfil do autor. Zelito Nunes Magalhães é jornalista e escritor cearense. Idealizador e um dos fundadores da Academia Maçônica de Letras do Estado do Ceará, ocupando a Cadeira nº 8. Fundou o Museu Maçônico da Imagem e do Som . Membro da Academia Brasileira Maçônica de Artes Ciências e Letras. Premiado pela Academia Cearense de Letras com o ensaio “O Romance Cearense, origem e evolução” Ex presidente da Associação Cearense de Imprensa. 2 –A Amazônia Pede Socorro Zelito Magalhães
  5. 5. JB News – Informativo nr. 2.103 – Maceió (AL) terça-feira, 5 de julho de 2016 Pág. 5/24 Irmão Fowler Theodoro Braga Filho, Loja Apóstolos Paulistas, São Paulo-SP, publicado na Revista A Trolha de nº 88, Ano XXIII de Fevereiro de 1994 in “Dádivas Maçônicas” do Ir Adalberto Rigueira Viana O traje maçônico e a “cor” preta Temos ouvido muita controvérsia em torno deste assunto. Alguns Irmãos, defendem que o traje maçônico correto é o terno escuro, de preferência preto ou azul marinho, especialmente em Sessões Magnas, sendo tolerado o uso do Balandrau Outros irmãos defendem a ideia de que tanto em Sessões Mangas, quanto Econômicas, pode-se usar apenas o Balandrau e, no caso de ternos são aceitáveis o uso daqueles de cores claras. Em nossa Potência, o uso do terno escuro foi tornado obrigatório pelo Grão-Mestrado. Apenas isto bastaria para que não houvesse polêmica em torno deste assunto. Entretanto, como uma das obrigações do maçom é a busca da verdade, procuramos em pesquisa, não só em torno do tipo de traje, mas principalmente, o uso da “cor” preta. A origem do Balandrau Segundo nosso irmão José Castellani, Balandrau designa a antiga vestimenta, com capuz e mangas largas, abotoada na frente; designa também, certo tipo de roupa usada por membros de confraria, geralmente religiosa. Embora, alguns autores insistam em afirmar que o Balandrau não é veste maçônica, o seu uso, na realidade remonta a primeira das associações de ofício organizadas (cujo conjunto hoje é chamado Maçonaria de Ofício ou Operativa), a dos “Collegia Fabrorum” criada no século VI a.C em Roma; segundo Steinbrenner, em !História da Maçonaria” os collegiatti quando se deslocavam pela Europa, seguindo as legiões de soldados romanos, para reconstruir o que fosse sendo destruído pelos conquistadores, portavam uma túnica negra; à semelhança deles, os membros das confrarias operativas dos Franco-maçons medievais (do século XIII em diante)m quando viajavam para outras cidades, outros feudos e outros países, usavam um Balandrau negro. Ainda sobre este assunto, nos lembra o irmão Walter Pacheco Jr que oo uso do Balandrau teve início nas funções do Primeiro Experto, durante os trabalhos de Iniciação em que atendia o profano na Câmara das Reflexões. Em um ponto ambos os irmãos têm opiniões coincidentes: o Balandrau é uma veste talar, ou seja, deve-se estender até os talões, ou calcanhares. A “cor” preta Inicialmente é preciso dizer que não existe cor preta. O preto é sim, ausência de cor. O tema cores é amplo, profundo e não caberá aqui a colocação das teorias acerca do assunto, pois não é este o objetivo deste trabalho. Podemos dizer que o branco, também, não é uma cor. Ele é sim, composto por cores primárias. Leonardo da Vinci, Isaac Newton e Kepler entre outros formularam Teorias a respeito das cores, em tratados mundialmente conhecidos, particularmente as Teorias de Newton. Entretanto em 1820 foi publicado o “Esboço de uma Teoria das Cores” de nosso irmão J. W. von Goethe, trabalho que levou 100 anos para ser escrito. Esta obra é, ainda em nossos tempos, considerada como o março inicial a respeito do entendimento das cores, quer seja no aspecto físico, ótico, espiritual, sensorial, enfim um tratado que até hoje incomoda. Sua Teoria confrontava-se diretamente com as de Newton, principalmente pelas dificuldades de comparações práticas relativas às Teorias de Newton. Mas, antes de chegarmos às colocações de Goethe, vamos procurar mostrar algumas razões do porquê da cor preta em nossos trajes. Cor é energia e luz. Nosso olho percebe as nuances de cores 3 – O Traje Maçônico e a “cor” preta Fowler Theodoro Braga Filho
  6. 6. JB News – Informativo nr. 2.103 – Maceió (AL) terça-feira, 5 de julho de 2016 Pág. 6/24 ou tecnicamente a nossa visão cromática, pela freqüência das mesmas. O olho humano está limitado para perceber as emissões luminosas compreendidas entre 400 milimicrons e 700 milimicrons. Podemos classificar a radiação solar como abaixo: Ondas curtas – alta frequência; infra-vermelhos – acima de 700 milimicrons; Luz visível – entre 700 e 400 milimicrons; raios ultra-violetas – de 200 a 380 milimicrons; raios cósmicos – baixa freqüência. Dentro da luz visível temos os dois ext5remos: Vermelho – com 718,5 milimicrons; viol,ETA –de 393,4 a 486,1 milimicrons. Podemos observar que o violeta é a cor de mais baixa freqüência, dentro do espectro visível. Entretanto, como preto é ausência de cor não está nesta escala. Mas, sendo o violeta a cor que mais de aproxima do preto, e sendo o violeta a cor que delimita nossa acuidade visual na baixa freqüência, conclui-se que o preto é ausência de cor, pois absorve todas as outras cores. O preto como “absorvente” de radiações Várias são as ciências e filosofias que estudam as radiações, físicas ou espirituais. Fisicamente temos um exemplo bastante prático do uso do preto como absorvente de radiações: os tanques de combustíveis de uma refinaria. Para os gases combustíveis como metano, propano e outros, que não devem ser aquecidos, os tanques são pintados na cor branca, pois esta reflete a luz solar evitando o aquecimento. Nesses tanques, inclusive, existem aspersores de água em seu topo, para caso necessário efetuar um resfriamento forçado. Em contrapartida, existem fluidos que para manterem viscosidade suficiente para serem transportados (óleo lubrificante por exemplo), necessitam manter uma temperatura mínima. Nestes casos os tanques são pintados de preto para absorverem calor da radiação solar. No campo da astronomia, temos os chamados buracos negros. De todas as teorias conhecidas até hoje, temos uma única certeza: trata-se de uma região negra onde toda a matéria, radiação (independentemente e sua frequência) é absorvida. Do lado esotérico temos várias fontes que empregam as cores como radiações benéficas, pois nada na Natureza é imóvel. Mesmo nos reinos vegetal e animal, cada qual tem a sua vibração e cada vibração a sua cor. Até alguns anos atrás a ciência não conseguia provar isto. Hoje temos a Máquina Kirlian, com a qual podemos obter fotografias das “auras” das pessoas, plantas e objetos. E, estas auras são coloridas. A cromoterapia utiliza as cores para ”curar”. Foi utilizada na era de ouro da Grécia e no antigo Egito, nos Templos de Heliópolis na Babilônia e nas antigas civilizações da India e China. Hoje sabemos que a cor pode curar, acalmar ou irritar. Dependerá de sua freqüência. No Espiritismo de Kardec sempre se utilizararm os passes magnéticos. Magnetismo também é método em frequências e, a cor também é medida em freqüência. Logo podemos afirmar que o passe magnético também emite cor. E como atuam os passes magnéticos em nosso corpo? Da mesma maneira que atuam as cores no processo de cromoterapia, os passes atuam nos chacras ou centros de força. Os mesmos chacras do kundalini hindu. Segundo o espiritismo e a cromoterapia (Tubal Kachan), os chacras são os: a) Básico – Localiza-se na base da espinha dorsal, Capta a força primária e serve para reativação dos demais centros. Cores básicas: roxo e laranja forte. b) Genésico – Localiza-se na região da púbis. Regula as atividades ligadas ao sexo. No espiritismo não é recomendada a energização deste chacra. c) Esplênico – Localiza-se na região do baço. Regula a circulação dos elementos vitais cósmicos que, após circularem, se eliminam pela pele, refletindo-se na aura. Cores básicas: amarelo, roxo e verde. d) Gástrico – Localiza-se no plexo solar, influi sobre as emoções e a sensibilidade e sua apatia produz disfunções vegetativas. Cores básicas: roxo e verde. e) Cardíaco – Localiza-se no coração. Regula emoções e sentimentos. A reativação expande os sentimentos, influi na circulação e sua manipulação é delicada. Cores básicas: rosa e dourado brilhante. f) Laríngeo – Localizado na região da garganta, regula as atividades ligadas ao uso da fala. Cores básicas: prata e azul. g) Frontal – Localizado na fronte, também conhecido entre algumas filosofias como a Terceira visão. Regula as atividades inteligentes, influi no desenvolvimento da vidência. Tem ligação com a glândula hipófise. Cores básicas: roxo, amarelo e azul.
  7. 7. JB News – Informativo nr. 2.103 – Maceió (AL) terça-feira, 5 de julho de 2016 Pág. 7/24 h) Coronário – Localiza-se na parte superior, no cérebro e tem ligação com a epífise. É o chacra da ligação com o mundo espiritual. Cores básicas: branco e dourado. Voltemos à “cor” preta. Em nossas reuniões, dentro do Templo, muitas são as vibrações emanadas de todos os nosso Irmãos sejam eles Oficiais ou não, Principalmente durante a abertura do Livro da lei temos a formação da Egrégora. Este é um momento em que todos nós emitimos radiações e, ao usarmos a veste preta, estaremos absorvendo todas estas energias, reativando todos os nossos chacras. Se examinarmos a ritualística, veremos vários pontos importantes. Em uma Iniciação, por que o recipiendário não está nem nu nem vestido? Entre outras razões, para que tenha seus chacras totalmente expostos para que emita e receba toda a sorte de vibrações. Como está com os olhos vendados, sua percepção estará em todos os seus sentidos. Receberá fortemente todas as expressões sonoras, odores e nossas vibrações. Obviamente cada um reagirá segundo a sua própria vibração. Mas ninguém passará indiferente! Ainda sobre a “cor” preta em nossos trabalhos: nossas Bolsas de Propostas, têm seu interior negro. Assim, nada do que ali for depositado, “sairá”, somente nossos VV.`. MM.`. ao seu conteúdo têm conhecimento, em primeira instância. E nosso traje? Como vimos anteriormente, na abertura deste trabalho, grande é a controvérsia do uso ou não do terno ou na ausência deste, o Balandrau. Se examinarmos com cuidado o que foi exposto sobre os chacras, podemos concluir em termos de traje, que o ideal esotericamente (ou misticamente) falando é o terno preto, com camisa branca, sapatos e meias pretas e luvas brancas. O preto é oposto do branco. O preto absorve e o branco reflete. Quando usamos o terno preto, permanecem a descoberto, nossos principais chacras: frontal, laríngeo e coronário. Assim poderemos emitir, receber e refletir vibrações diretamente em nossos principais centros de força, pois estes estarão a descoberto. Em contrapartida, nossos chacras mais sensíveis (fisicamente), como o esplênico, gástrico, básico, coronário e genésico estarão cobertos pela cor preta, protegidos de enviar para o ambiente radiações não positivas durante nossos trabalhos. Cabe neste momento uma pergunta: Todos nós durante os trabalhos irradiamos apenas boas radiações? Infelizmente a resposta é não. Cabe tão somente a nós, esta vigilância. Podemos e devemos sempre reservar alguns minutos no Átrio, preparando-nos espiritualmente para nossa reunião Se adentrarmos ao Templo, munidos de sentimentos inferiores, estaremos contribuindo para que não haja Harmonia, não ocorra um trabalho Justo e Perfeito... Ainda no campo psíquico, lembramos de Helena Blavatsky e Rudolf Steiner seu marido, que criaram verdadeira escola em que a ideia é o elemento primário no surgimento da cor. Segundo Steiner: “Com Goethe aprendemos que a beleza da core uma projeção da beleza interior do ser humano”. Voltando a Goethe, ele mesmo diz em seu “Esboço de uma Teoria das Cores”:... “Foi exposto detalhadamente como cada cor produz um efeito específico sobre o homem, revelando assim sua presença tanto na retina como na alma. Deduz-se daí que a cor pose ser usada para determinados fins sensíveis, morais e estéticos. É compreensível que a cor seja também passível de interpretação mística, uma vez que o esquema em que se pode representar a diversidade cromática sugere circunstâncias primárias, tanto à mente humano quanto à Natureza; não há dúvida de que podem empregar-se nas relações suas relações como linguagem nesses casos em que se queira expressar circunstâncias primárias que não se destacam na mente com forças e características idênticas. O matemático aprecia o valor a utilidade Dio triângulo, inclusive o fenômeno cromático, de sorte que por duplicação e entrelaçamento se obtém o antigo e misterioso hexágono. Quando se aprenda inteiramente a marcha divergente do amarelo e do azul, e particularmente a exaltação até o vermelho, significando que dois opostos se aproximam entre si e terminam por fundir-se numa nova entidade, desenvolver-se-á indubitavelmente um conceito místico peculiar, cabendo atribuir a essas duas entidades separadas e antagônicas um significado espiritual, e ao vê-las produzir abaixo o verde, e o vermelho acima, não se deixará de evocar respectivamente os engenhos terrestres e celestiais dos elohim. Mas não nos exponhamos ao risco de que nos tachem de místicos, sobretudo levando em conta que, se nossa teoria das cores tiver uma acolhida favorável, não deixarão de surgir as aplicações e interpretações alegóricas, simbólicas e místicas de acordo com o espírito de nossa época”.
  8. 8. JB News – Informativo nr. 2.103 – Maceió (AL) terça-feira, 5 de julho de 2016 Pág. 8/24 irmão Luiz Silva Cavalcante, Rio de Janeiro-RJ, publicado na Revista A Trolha de nº 247 de maio de 2007. in “Dádivas Maçônicas” do Ir Adalberto Rigueira Viana in “Dádivas Maçônicas do Ir Adalberto Rigueira Viana A Taça Sagrada Felix qui potuit rerum cognoscere causas – Feliz aqueles de pode conhecer as causas das coisas - Virgílio, in Geórgicas, II, 489 a.C. O sentido da passagem da “Taça Sagrada”, na Cerimônia da Iniciação, transcende a idéia mais simples de confundir o Recipiendário ou de aplicar um trote e, quem quer que o entenda como uma farsa, deve mais atentar para a diferença entre o que seja ritualística e liturgia, ou seja, do ensino maçônico baseado na ciência velada por alegorias e ilustrada pelos símbolos, da teatralização cerimonial, a dramatização do mistério maçônico. A Taça Sagrada, da boa ou da má sorte – lembra-nos o Ritual de Aprendiz - é a taça da vida humana onde a felicidade e seus revezes podem predominar ou alternar-se, de tal forma que desfrutados os prazeres que ela ofereça, dever-se-á “esgotar o amargo dos seus restos” ou, que sorvido todo o seu fel e, em qualquer dos casos, indo até o amargo fim, com cármica resignação, sempre poder-se-á também pedir a Deus, o Cósmico e Supremo Arquiteto do Universo, em quem nos extremos momentos da vida depositamos nossas esperanças, que “nos dê a coragem de aceitar o que não puder ser modificado, força para tentar mudar o que possa ser mudado e a sabedoria de saber distinguir uma coisa da outra”. É o morrer para o vício e renascer para a virtude, importando menos quantas sejam as quedas do que quantos sejam os esforços para o reerguimento. É o mistério da fé em que residiria a sabedoria do justo... Não será assim, por acaso, que viajaremos por três ou por “n” mais “k” vezes a mercê de toda sorte de tormentos e perigos e que mediante a lição aprendida na cerimônia data, sempre retornaremos das viagens da vida retemperados e tão intensos quanto possível, ao erro, à ignorância e aos preconceitos. Sabe Deus, o Supremo Arquiteto dos Mundos, cujos desígnios são insondáveis, que inspiração instilou na consciência de quem com messiânica proficiência compilou o manual iniciático, criando r ordenando suas passagens, pois até Seu Filho, o Mestre Maior, pediu ao Pai que afastasse de si o amargo cálice. 4 – A Taça Sagrada Luiz Silva Cavalcanti
  9. 9. JB News – Informativo nr. 2.103 – Maceió (AL) terça-feira, 5 de julho de 2016 Pág. 9/24 irmão Dangler Travassos Guimarães, Varginha –MG, publicado na Revista A Trolha de nº 199, Ano XXXIII, maio de 2003. in “Dádivas Maçônicas” do Ir Adalberto Rigueira Viana Corpo físico e espírito Vida e morte... Este assunto por ser de suma importância, deve ser melhor pesquisado pelos Maçons estudiosos que se esforçam em busca da verdade, pois conhecendo melhor sobre a vida e o “fantasma” da morte, poderá valorizar mais sua própria vida e de seus semelhantes, se aprimorando pela Gnose e se preparando para a construção do TEMPLO IDEAL em seu timo. Isto é, sua melhor espiritual. Compreendendo que este estudo é puramente científico, nada tendo a ver com qualquer uma das religiões, podendo pelo contrário, ajudá-los a conduzir seus fiéis no caminho da verdade que muito evoluirá a humanidade. A criatura humana é formada pela associação de espírito (corpo astral) e matéria (corpo físico), sendo o espírito o principal por ter uma vida eterna e formado de um corpo fluídico de vibração muito mais suave que a material (outra dimensão). Sua criação realizou-se no absoluto à imagem e semelhança de Deus, de onde saiu para percorrer mundos mais inferiores em busca de sua própria evolução, escalando vários reinos até chegar ao reino hominal, encarnando em um dos planetas primitivos onde as criaturas começam seus primeiros passos, vivendo por instintos, para depois pode seguir para um planeta considerado como “escola”, como o é a própria Terra, onde terá oportunidade de aprender a boa convivência com seus semelhantes para ir seguindo gradativamente conforme seu preparo, para outros planetas mais evoluídos, onde se enquadrem conforme seus entendimentos que lhe proporcionarão melhora em suas vibrações. O corpo físico, o material, é de uma vibração mais pesada, porém transitório e por si inerte, mas animado pelo espírito, durante uma pequena temporada em que dele se serve para ajudar sua evolução, depois será descartado, voltando às suas origens, ao pó que era e tem dupla serventia para o espírito: 1ª. – Servir de cárcere para o espírito a fim de na Terra suportar e cumprir a missão que lhe for dada com o objetivo de redimir dívidas de vidas pregressas, e poder obter o aprendizado terreno; 2ª – Serve também de esponja, sugando as toxinas que se formam pela má conduta do espírito, as quais se impregnam no corpo, ocasionando distúrbios e doenças que conhecemos por diversos nomes dados pela nomenclatura médica. Se não fossem praticados mais hábitos pela humanidade, não haveriam essas doenças que tanto nos dão preocupações e sofrimentos, obrigando-nos a recorrer aos cuidados médicos e tratamentos com remédios a base de químicas, o que nos faz crer que a criatura de bons princípios nunca estará sujeita a doenças de espécie alguma, porém em futuro, quando a humanidade estiver mais aperfeiçoada, não precisará desses tratamentos atuais ou de cirurgias que curam agredindo o corpo físico, mas, sim com tratamentos específicos energéticos,pois somos energias (espíritos) e nosso corpo físico já se alimenta em parte com energias vindas do Sol e do centro da terra, captados pelos Chakras que possuímos espalhados pelo corpo (assunto detalhado em o livro “Maçonaria e Alta Espiritualidade, às fls. 290). As energias recebidas entram pelos chakras inferiores e vão se afinando ao passarem por outros, até chegarem ao Chakra superior, o Coronário, que fica no alto da cabeça que de início é em forma de uma depressão, mas à proporção que a pessoa vai se espiritualizando, com comportamentos 5 – Corpo Físico e Espírito – Vida e Morte Dangler Travassos Guimarães
  10. 10. JB News – Informativo nr. 2.103 – Maceió (AL) terça-feira, 5 de julho de 2016 Pág. 10/24 mais aprimorados, essa depressão toma uma forma de elevação, uma aura que vai ficando transparente, luminosa, que pode ser vista por quem tenha vidência (uma sensibilidade visual), não vista pelos olhos de carne; mas pelo olho de Siva (invisível) que se localiza entre as sobrancelhas, uma terceira visão;. Depois da missão cumprida bem ou mal, o espírito descarta seu corpo material, como nos desfazemos das roupas velhas que jogamos fora, o qual volta às suas origens, uma metamorfose que costumam denominar de “morte” e o espírito prossegue livre na sua caminhada procura de Luz que o elevará a Planos mais felizes, atingido conforme o merecimento, não devendo ninguém temer essa hora do desenlace, pois apenas estará voltando ao seu lar, a espiritualidade, como quem tenha saído para uma missão profissional, ao término, volta para casa ao aconchego familiar. Ragon responde a uma sua própria pergunta, a mesma que a maioria estará fazendo por não ter o mínimo de conhecimento quanto ao que se sucederá após a “morte” do corpo físico: “De efeito que ela era, torna-se uma causa, isto é, uma decomposição, os elementos que formaram o corpo físico, ao se tornarem livres, retornam aos elementos análogos para produzirem novas transformações. A alma, de acordo com a opinião da antiguidade, volta a essa imensa fonte de vida”. Os egípcios na antiguidade já tinham a idéia formada quanto à “morte das criaturas”, e se pronunciavam dizendo que “a morte é a porta da vida”. Os espíritos sendo criação do Grande Arquiteto do Universo, seus filhos são portanto todos parte Dele, conforme as próprias palavras de JESUS: “Vós sois deuses, o que eu faço, podeis também e muito mais ainda”. Mas para ter esse poder, será necessário a lapidação da Pedra Bruta que todos nós ainda somos, construindo o “Templo Ideal” em nosso interior o que, dependendo de cada um, demandará outras reencarnações de aprendizagem pelos diversos mundos e planos porque na vida tudo segue uma ordem natural com início, meio e fim, que nunca deve ser turbada, obedecendo o previsto pela Natureza e principalmente pela Divindade e nada devendo ser extrapolado, nem sofrer qualquer intervenção extra, e caso isso venha a acontecer poderá haver uma reação cuja intensidade será conforme o dano causado,pois tudo deve ser mantido dentro do maior respeito possível, porque essa marcha das coisas está ligada ao progresso da criação em geral para a evolução, proporcionando a possibilidade de uma aproximação com a perfeição. Para falar sobre a “morte” tão discutida e fantasiada por algumas das religiões, se torna necessário falar também algo sobre a Vida, que para nós são assuntos correlacionados, pois sem a vida não existira essa suposta ”morte” e por essa forte razão passamos a fazer uma pequena explicação sobre vida. Nós que estamos na Terra apenas por uma ligeira passagem para o aprendizado, mantemos dois tipos de vida, a eterna que é própria do espírito e a temporária, a do tempo em que o espírito se encontra preso ao Corpo Físico, material, uma dádiva do Criador, o que ninguém, sob hipótese alguma, temos o direito de abreviar, devendo,pelo contrário, zelar pelo seu próprio corpo físico que lhe foi dado como empréstimo para ajudar sua evolução a fim de atingir um comportamento que lhe dê uma posição melhor no plano espiritual,objetivo de todos nós. Razão de sermos fundamentalmente contrários ao homicídio, suicídio e da mesma forma à eutanásia, sendo a vida na Terra um “empréstimo temporário”, não pertencendo a ninguém, portanto, ninguém tem o direito de abreviá-la. Com o desenlace (morte) o corpo físico que era animado pelo espírito, é desintegrado voltando às suas origens, não existindo neste caso nada que se pareça com a morte, que é o fim de alguma coisa. encontramos na Gênesis que o corpo físico é formado por quatro elementos inertes e opostos, terra e ar, e fogo e água que, ligado a um quinto elemento, o sopro (espírito), lhe são dados os movimentos, cuja ligação se procede pelo Cordão Fluídico que liga o espírito ao perispírito e este ao corpo material, não sendo a ligação direta por o espírito ser de uma vibração muito mais suave que a do corpo físico. Por este Cordão é que o espírito transmite o comando e a movimentação ao corpo físico e este, por sua vez, munido dos cinco sentidos, visão, audição, tato, olfato e paladar, capta as sensações recebidas do exterior transmitindo-as ao espírito. O rompimento deste Cordão Fluídico (que os orientais chamam de “Cordão de Prata”, por sua aparência ser semelhante à luz do luar), paralisa o intercâmbio havido entre o espírito e Corpo Física ficando este inerte, se desintegrando e voltando às suas origens, não havendo entretanto “morte” de espécie alguma, mas sim início de novos ciclos, quanto ao espírito, volta à sua vida verdadeira, e eterna, com mais facilidade de locomoção, por não estar preso ao pesado fardo da matéria.
  11. 11. JB News – Informativo nr. 2.103 – Maceió (AL) terça-feira, 5 de julho de 2016 Pág. 11/24 Depois de cumprir suas missões, o espírito não mais se utiliza da matéria pesada, indo para planos onde encontrará (caso esteja em boas condições) muita felicidade e alegria pelo reencontro com entes queridos e de outras encarnações anteriores, recebendo deles todo apoio necessário para o prosseguimento em sua caminhada eterna, mas para esse feliz gozo é necessário que tenha tido um procedimento de honestidade e fraternidade para com seus semelhantes, amando ao próximo, praticando o bem e respeitando não só aos Irmãos, como principalmente aos desígnios da Divindade. Combatendo seu “Eu interior” e dando forças ao “Eu superior”, construindo em seu interior o Templo Ideal, Istoé, sua própria evolução galgando um futuro Plano melhor na vida eterna, livrando-se dos sofrimentos, conseqüências de mal proceder. Hoje a humanidade está mais evoluída e muitos em busca da Verdade, mas ainda muito desnorteada procurando meios diversos para a “salvação”, como religiões e ou outras instituições filosóficas que também usam métodos de lapidação do espírito, como a própria Maçonaria, o que realmente é um bom sinal, cujos efeitos dependem somente do interesse e dedicação de cada um. Acontece que quanto maior o entendimento e o conhecimento adquirido, a criatura terá sobre seus ombros maior responsabilidade em seus atos e palavras, dedicando-se mais ao socorro a seus semelhantes e respeitando-os como gostaria de ser respeitado, ajudando e perdoando principalmente aos seus algozes que são sempre os mais carentes de conhecimentos espiritualizados. O suicídio é a pior coisa que pode acontecer para o espírito. É um ato de covardia para fugir aos desígnios que trouxe ao nascer e que teria de ser cumprido até o fim, enfrentando males de natureza correspondente aos seus erros pretéritos. Da mesma forma, deve lutar pela sua sobrevivência dando o melhor tratamento possível ao seu corpo físico, passando com resignação pelas provas por mais que sejam sofridas, um meio de depuração e qualquer interrupção causará graves prejuízos por agravas suas dívidas, uma revolta e demonstração de falta de fé, pois o Criador jamais daria uma cruz mais pesada que a criatura pudesse suportar. Existem várias maneiras de se cometer o suicídio: - Não cuidando da saúde de seu Corpo Físico e ou agredindo-o com golpes mortais; - Não sanando qualquer doença que porventura adquira que afete seu corpo físico, etc.; - Não se alimentando com o necessário para sua manutenção, sem gula que também é prejudicial à saúde; - Usando tóxicos como o fumo, álcool e entorpecentes; - Desobedecendo o direito de repouso do Corpo Físico, perdendo noites em claro ou extrapolando em trabalhos exaustivos, etc,... As conseqüências da maior parte dessas infrações não são percebidas em curto prazo, sempre se apresentando quando o corpo já estiver pedindo socorro. A eutanásia, embora tenha intuito de sanar sofrimentos de um enfermo em fase terminal, também não tem qualquer tipo de justificativa que mereça crédito porque ninguém tem o direito de interferir nos desígnios de Deus. Por mais sofrido que nos pareça é remédio que evita males maiores, é purgação das toxinas espirituais criadas pelo seu mal proceder nesta ou em encarnações anteriores. Portanto, essa prática é pelo desconhecimento dos desígnios que a criatura terá de passar pela Justiça Divina pura, límpida e equilibrada, nunca falhando, uma ajuda àqueles que estão enveredando pelos caminhos do crime e do pecado, porque todos os erros que cometemos causarão desvios para um caminho mais árduo, principalmente quando somos rebeldes não dando importância aos avisos vindos e quanto maior for o conhecimento maior será a responsabilidade adquirida. A filosofia maçônica induz o Obreiro à prática do Bem, para proporcionar à humanidade uma vida mais reta e sadia espiritualmente, ficando o Maçom com maior responsabilidade por ter o dever de sempre procurar a Verdade e praticar o bem e, nessa procura, fatalmente encontrará a resposta às perguntas: O que é a “morte”? Ela existe? É uma metamorfose? Passagem de um estágio para outro? Hoje pelos meios científicos mais evoluídos a esse respeito, temos oportunidades de tirar essas dúvidas dando segurança de que a morte não existe de fato e que sendo a vida eterna, prosseguiria na mesma marcha em direção à evolução. Basta uma mediação sincera dentro de um bom raciocínio para chegar a um bom termo, mas ainda são necessários estudos e pesquisas científicas que nos são dados pelo Plano Superior nosso assistente, ajudando a desvendarmos por meios diversos o que de fato existe, uns diretamente e outros através de comunicações mediúnicas psicografadas encontradas na grande variedade de obras já existentes ou outros meios convincentes e fidedignos.
  12. 12. JB News – Informativo nr. 2.103 – Maceió (AL) terça-feira, 5 de julho de 2016 Pág. 12/24 Para evitar suposições errôneas, deverá ser feita busca na grande quantidade de obras já editadas, o que principalmente o Maçom tem maior obrigação de investigar como nas demais ciências, para sua própria evolução cultural e espiritual, cujos estudos nada têm a ver com qualquer religião, coisa científica que nos está sendo proporcionada pelo Plano Maior. Só não vê aquele que não quiser tirar as vendas de seus olhos, que como desculpa mal arranjada alega que esse estudo é contrário aos seus princípios religiosos, o que nada tem a ver. “Temos visto religiões que pelos seus dogmas têm combatido novos conhecimentos científicos e, no final das contas, acabam dando “mão à palmatória” reconhecendo a verdade conseguida pelas ciências, pois as religiões além de não deverem ter política partidária, também não devem se negar aos princípios científicos provados por quem de maiores conhecimentos e competência, pois estes são trazidos para o bem da humanidade. Devendo as religiões estarem de mãos dadas comas ciências em busca do bem de seus fiéis e da humanidade em geral. A ciência procura fazer seu papel com pesquisas para dar conforto, saúde e bem-estar ao ser humano, luta para desenvolver o progresso material para uma vida melhor de todos, enquanto a função das religiões é dirigida à religação do homem a Deus. Trabalham em campos completamente opostos, mas têm sido cientistas perseguidos por “supostos religiosos” pelas suas novas descobertas que com muita razão chocavam com alguns dogmas. A vida, para a grande maioria da humanidade que acredita na existência de um Ser Superior, Criador de todo o Universo e de tudo que nele existe material e imaterial, inclusive os animados e os inanimados componentes de todos os reinos, deve ter conhecimento que Ele,pela grande sabedoria, grande amor e perfeição ímpar, vem dando assistência para a evolução que deve ser processada, proporcionando tudo que possa melhor acelerar o engrandecimento de toda Sua criação. Vida é energia que deve ser sempre renovada e ativada para o progresso do Universo em seu todo e a Glória de Deus, Criador. É uma rotina na procura de evolução que deve cada vez mais se preparar a fim de produzir a Luz Divina fluidora da energia grandiosa para alegria e maior satisfação do Pai, por isso falar sobre vida em geral não é muito simples, teria de ser um grande tratado, o que não seria próprio nesta oportunidade para os leitores e Aprendizes que, na certa, além de enfadonho passaria a causar incompreensões e confusões nas suas mentes; portanto. Nos limitaremos a um breve e despretensioso trabalho sobre a vida do ser humano. A vida existe em todas as espécies de reinos, a começar pelos reinos mais inferiores como o mineral, vegetal e animal. Sendo a vida humana classificada por nós como sendo a mais importante, por a ela pertencermos, mas todas as demais também são de grande importância, se levarmos em conta que umas dependem de todas as outras dos diversos reinos. Na verdade, a vida humana inicia com a sua criação no Absoluto em forma muito rústica e para seu progresso desce aos reinos mais inferiores para de lá recomeçar em seu no percurso de volta, seguindo de estágio em estágio, na sua preparação até chegar ao “Reino Hominal”, em um todos Planetas Primitivos, onde se mantém até adquirir pelo menos um pouco de raciocínio para depois prosseguir estagiando de planeta em planeta de diferentes vibrações, o que apenas depende do esforço e aprendizado de cada um, numa escalada evolutiva. Acontece que também existem, além dos planetas habitados, as “Cidades Astrais” formadas para abrigar criaturas em desenvolvimento, sendo cada cidade com seus programas evolutivos e que não se diferenciam da vida das pessoas que existem aqui neste Planeta Terra, possuindo todos os recursos como escolas, hospitais e muito t5rabalho a desenvolver, inclusive, dispõem de um pântano que pode ser equiparado aos lixões existentes nas periferias de todas as cidades na Terra. Nestes pântanos, as criaturas mais endividadas por passados trevosos se imergem atolando na lama curadora com a propriedade de sugar as toxinas daqueles que procederem mal. Além dessa lama, revoam grandes aves que poderão ser mal comparadas às águias ou mesmo aos urubus, sobrevoando sobre as cabeças dos ali imersos, fazendo pousos sobre as criaturas e com seus bicos longos e aguçados beliscam-lhes sugando as toxinas,ocasião que as criaturas dão gritos lancinantes como exprimindo a dor que sentem. Pelo livre arbítrio, é que as criaturas decidem na escolha de encarnar nos Planetas Escolas para passarem por provas e expiações ou a imersão nesses pântanos das cidades astrais, sendo nestas últimas mas rápida a limpeza de suas toxinas, embora mais sofrida que as provas nos planetas.
  13. 13. JB News – Informativo nr. 2.103 – Maceió (AL) terça-feira, 5 de julho de 2016 Pág. 13/24 Os que escolhem as provas nos planetas, pelo livre arbítrio, recebem segundo a lei do Karma uma missão a desempenhar. Algumas vezes são muito doloridas, sabendo que Deus é de infinito amor e não pune nenhuma de Sua criação, apenas oferece oportunidade para que saiam das trevas sofridas, ajudando e dando forças para que todos, sem discriminação ou preferência, possam caminhar em uma estrada de mais luz, nessa trajetória que têm pela frente na Vida Eterna. A lapidação nos pântanos das cidades astrais, embora seja mais dolorida, muitos lhes dão preferência objetivando um progresso mais rápido e poder chegar o quanto antes em planetas de vida mais afortunada, embora ainda não sejam de muita evolução, como os “Planetas das Regenerações” ou mesmo os “Paraisos”, ambos de vida mais tranqüila, onde o bem é muito maior que o mal, sem vícios e paixões inferiores. Pelo exposto, se prova que a “morte” não existe,mas sim muitos estágios, não existindo também o tão falado e temidos por alguns de menores conhecimentos, o “inferno”, que foi idealizado por religiosos bem-intencionados, para ameaça aos infratores às Leis divinas, com a melhor das intenções, que talvez naquela, época tivesse sido uma boa solução para incentivar escolherem agir, com o bem. Os povos que mais se dedicaram a esses conhecimentos, embora à margem da ciência, foram os egípcios que chegaram a afirmar que a “morte” é a porta para a vida” e os hindus que eram por excelência os mais espiritualizados, mesmo em épocas de mais atraso neste planeta. Portanto, a vida neste Planeta Terra é temporária, apenas durante um determinado tempo necessário ao cumprimento de uma missão, passando por provas, não vindo ninguém aqui para gozos, mas para encara como missão para seu aprimoramento espiritual e adquirir capacidade para prosseguir em terrenos mais firmas e de melhores propósitos, pois todos iniciam realmente do começo que como início sempre é mais difícil, mas formando base sólida para vencer futuros obstáculos que porventura possam surgir. Nós teremos ainda pela frente uma grande escala, porque apenas subimos um pequeno degrau, onde estamos aprendendo ainda a firmar os primeiros passos, para depois seguirmos firmemente na Augusta Caminhada que temos pela eternidade, O Grande Arquiteto do Universo vem sabiamente dando aos poucos esses conhecimentos e normas para um viver e conviver melhor, nos iluminando com gradativos conhecimentos científicos e filosóficos, intuindo para a criação de instituições religiosas com a finalidade de religar o Microcosmo com o Macrocosmo, isto é, a criação ao Criador, cujos seus responsáveis ensinem boas normas aprimorando o espírito de seus fiéis,por outro lado, intui da mesma forma a formação de instituições filosóficas, como a própria Maçonaria, a Rosa-Cruz e muitas outras que existiram e existem.. Queridos Irmãos! Devemos prosseguir na busca da Verdade, que ainda se encontra muito distante de todos nós, e por essa razão requer muito esforço e dedicação às pesquisas. Mas com esse esforço, estaremos lapidando a Pedra Bruta que deverá ser usada na construção do Templo Ideal, em nosso interior. Não queremos que acreditem no que aqui foi dito, mas é necessário que pesquisem para depois formar sua própria idéia. Não queremos polemizar, porque discussão não leva a lado algum, respeitando as opiniões de todos por mais estranha que nos pareçam, mas sim, apenas estamos alertando, pois a coisa não é tão fácil assim, mas com os novos conhecimentos não será tão difícil como parece Lembrem-se de que O Divino Mestre Jesus nos disse: “Faça que te ajudarei” e em reforço, afirmou: Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará.
  14. 14. JB News – Informativo nr. 2.103 – Maceió (AL) terça-feira, 5 de julho de 2016 Pág. 14/24 Irmão Antônio Mantovani Filho, Curitiba-PR, publicado na Revista A Trolha de nº 201 – Ano XXXIII, julho de 2003. in “Dádivas Maçônicas” do Ir Adalberto Rigueira Viana A Caridade Maçônica Quando éramos estudante (fz tanto tempo), nosso professor de Filosofia sempre dizia: “Não adianta os senhores criarem teorias recheadas de palavras difíceis ou pensamente profundamente elaborados: a Verdade encontra-se na simplicidade”. Somente hoje entendemos a beleza desta afirmação! A Maçonaria é uma criação tão perfeita que somente podemos compreendê-la se não quisermos complicar seu significado. Por outras palavras: não devemos dar a esta sublime entidade conotações que somente a desvirtuam. Em minha Loja-mãe determinado irmão afirmou várias vezes: “Maçonaria, para mim, é uma religião!”. E queria convencer a todos disto, até que, num determinado dia, após ofender um irmão sem qualquer motivo aparente, jogou o Avental no chão e retirou-se para nunca mais voltar. Mas, que religião é esta que permite a ofensa gratuita? Somente porque nossa sociedade assenta-se nos pilares da Fraternidade, do Perdão e do Amor Fraterno devemos considerá-la uma religião? Há muitos anos, quando representamos nossa Oficina na Soberana Assembléia, umr irmão Deputado, apresentou maravilhosa explanação a respeito de “Maçonaria e Política” terminando por exortar as Lojas para que voltasse a ser uma entidade política como no passado. Sendo orador nato, suas palavras vibrantes faziam os ideais aflorarem, entretanto uma dúvida nos acometeu: será a Maçonaria uma entidade politico-partidária? Alguma vez, em sua história, as leis maçônicas estruturaram uma sociedade político-partidária? Deveriamos chamá-la de Partido Maçônico? Recentemente, um irmão a quem respeitamos muito solicitou seu Quite Placet, pois estaria insatisfeito em virtude da nossa Loja não promover nenhuma campanha beneficente, nenhuma distribuição de cestas básicas, e nem mostra para os profanos os trabalhos sociais que foram criados ou as entidades sociais presididas por Maçons. Oh! Grande Arquiteto do Universo!Como é difícil entender o seu seja a Maçonaria! Para tanto, devo ficar lendo Rituais e Leis? Devo pesquisar sua história? É necessário pensar alguns meses na imensa biblioteca do Xico Trolha? Ou devo seguir aquele ensinamento de meu professor e procurar a Verdade na simplicidade? Há alguns anos, após escrevermos um opúsculo sobre as primeiras instruções aos Aprendizes-Maçons, procuramos algum tema para escrever novo livro,pois nosso geriatra Irmão Maurílio José Pinto nos cobra atividades intelectuais para podermos envelhecer com padrão de vida. Discorrermos sobre ritualística ou liturgia, nem pensar: de maneira alguma temos a pretensão de nos ombrearmos com os luminares Xico Trolha, José Castellani e tantos outros pesquisadores! Devassar a história maçônica? Sabemos que não somos historiadores e não temos capacidade. Optamos, então, por um campo que conhecemos e estudamos há muitas décadas: a Filosofia. Isto, porque a Constituição de todas as Potências afirma peremptoriamente:a Maçonaria é uma escola de Moral! 6 – A Caridade Maçônica Antônio Mantovani Filho
  15. 15. JB News – Informativo nr. 2.103 – Maceió (AL) terça-feira, 5 de julho de 2016 Pág. 15/24 Se é uma escola deve ensinar. E se deve ensinar princípios morais,é porque colima a reforma espiritual do homem de modo que ele interaja na sociedade em que vive não só através do trabalho comunitário mas, principalmente, através do exemplo. Não é função da maçonaria promover campanhas sociais, mas ensinar aos seus adeptos que eles devem, em sua vida profana, ser os criadores de campanhas beneficentes. Também não é função de nossa sociedade promover debates políticos ou lutar por conquistas sociais, mas criar fomentadores de mudanças sociais que promovam a Igualdade de oportunidades entre os homens e a aplicação da Justiça. É por isto que não concordamos ser a Maçonaria uma entidade filantrópica ou progressista. Os clubes de serviço são inumeráveis, as entidades de voluntários estão presentes em todos os hospitais, creches, Apaes e asilos. Desta formas, a Maçonaria como entidade social torna-se desnecessária. Mas o que falta no mundo são líderes imbuídos de sentimentos espirituais, desligados dos interesses materiais, que se proponham lutar por uma sociedade mais justa. Nossa Sublime Ordem é uma instituição que surgiu em 1356, calcada em Verdades morais e religiosas de luminares do passado, com a finalidade de proteger seus afiliados e familiares. Numa época em que “o homem era o lobo do homem”, a necessidade de se unir para proteção mutua deu ensejo à formação das sociedades de trabalhadores. Sociedades fechadas dentro das quais se praticava a solidariedade com base no amor fraterno. Porém, em sua Perfeição, a Maçonaria sabe que os homens são muito diferentes entre si, e que é mais eficaz tornar cada adepto num líder que crie seu grupo de trabalho no mundo profano, do que constituir um grupo de trabalho formado por Maçons; Por outras palavras: a função primordial da Maçonaria é selecionar e educar homens probos, ensinando-lhes os princípios de moral e amor fraterno, para que eles possam agir no mundo profano como condutores de homens, como Mestres das Verdades Eternas. E, por entender a Maçonaria dentro destes parâmetros, é que dou plena e total razão ao pensamento do querido e sempre presente Irmão Xico Trolha: cabe à Maçonaria preparar moralmente homens para atuar no mundo profano visando a construção de uma sociedade mais humana e justa, principalmente através do exemplo mas, ao mesmo tempo, devem os Maçons unirem-se cada vez mais para mútua ajuda e proteção. Por outras palavras, o Tronco de Beneficência se constitui num aprendizado e numa necessidade: é uma escola que ensina aos Maçons praticar a Caridade dentro de sua casa, com seus irmãos, para depois aplicar seus ensinamentos entre os profanos, ao mesmo tempo em que, segundo a tradição, serve para suprir as carências da família maçônica, mormente das cunhadas viúvas e dos sobrinhos órfãos. Jamais, de maneira alguma, a Maçonaria é uma entidade filantrópica profana ou uma agremiação política! Muito menos se constitui numa religião.
  16. 16. JB News – Informativo nr. 2.103 – Maceió (AL) terça-feira, 5 de julho de 2016 Pág. 16/24 (as letras em vermelho significam que a Loja completou ou está completando aniversário) GLSC - http://www.mrglsc.org.br Data Nome Oriente 01.07.1977 Alferes Tiradentes, nr. 20 Florianópolis 07.07.1999 Solidariedade Içarense, nr. 73 Içara 07.07.2005 Templários da Nova Era, nr. 91 Florianópolis 10.07.2007 Obreiros da Maravilha, nr. 96 Maravilha 12.07.1980 XV de Novembro, nr. 25 Imbituba 21.07.1993 Liberdade Criciumense, nr. 55 Criciuma 28.072006 Anhatomirim, nr. 94 Florianópolis 31.07.1975 Obreiros de Hiram, nr. 18 Xanxerê 31.07.2007 Acácia Palhocense, nr. 97 Palhoça GOB/SC – http://www.gob-sc.org.br/gobsc Data Loja Oriente 02.07.01 Renovação - 3387 Florianópolis 03.07.78 Flor da Acácia - 2025 Itajaí 08.07.10 Lealdade - 3058 Florianópolis 13.07.01 Frat. Alcantarense - 3393 Biguaçú 14.07.2006 Acadêmica Razão e Virtude nr. 3786 (Rito Moderno) Brusque - SC 17.07.02 Colunas da Serra - 3461 Joinville 17.02.02 Mestres da Fraternidade-3454 Florianópolis 17.07.97 Compasso das Águas -3070 São Carlos 23.07.1875 Luz e Caridade - 327 São Francisco do Sul 26.07.05 Frat. Acad. Ciência e Artes - 3685 Jaraguá do Sul 29.07.96 Estrela Matutina - 2965 Florianópolis Lojas Aniversariantes de Santa Catarina Mês de julho 7 – Destaques (Resenha Final)
  17. 17. JB News – Informativo nr. 2.103 – Maceió (AL) terça-feira, 5 de julho de 2016 Pág. 17/24 GOSC https://www.gosc.org.br Novidade ‘’O pintor sempre inicia sua criação numa tela branca. O professor apaga as anotações deixadas na lousa para escrever uma nova aula. Da mesma forma precisamos apagar da mente as situações e comportamentos inúteis do passado. Se tudo não estiver completamente limpo e claro, como assimilar novas tendências e virtudes? Verifique os traços antigos que ainda permanecem na tela mental e transforme-os, definitivamente. Então haverá novidade no novo século.’’ José Aparecido dos Santos TIM: 044-9846-3552 E-mail: aparecido14@gmail.com Visite nosso site: www.ourolux.com.br "Tudo o que somos é o resultado dos nossos pensamentos". Data Nome da Loja Oriente 04/07/1999 Giuseppe Garibaldi Florianópolis 04/07/2002 Léo Martins São José 11/07/2009 Universitária Luz de Moriah Chapecó 11/07/2009 Passos dos Fortes Xaxim 12/07/2006 Colunas Da Concórdia Concórdia 18/07/2003 Ardósia do Vale Rio do Sul 21/07/1973 Silêncio de Elêusis Chapecó 22/07/1981 Acácia da Ilha Florianópolis 24/07/2013 Triângulo Força e União Cocal do Sul 25/07/1995 Gitahy Ribeiro Borges Florianópolis 26/07/1980 União da Fronteira São Miguel do Oeste 27/07/1981 Arquitetos do Oriente Xanxerê 27/07/2009 Luz da Acácia Capivari de Baixo
  18. 18. JB News – Informativo nr. 2.103 – Maceió (AL) terça-feira, 5 de julho de 2016 Pág. 18/24 CONVOCAÇÃO e CONVITE O Secretário da Loja, que subscreve, convoca todos os Irmãos do quadro, com base no inciso V do Artº 116 do Regulamento Geral da Federação e convida todos os demais Irmãos, para a 44ª Sessão da A.R.L.S. “Alvorada da Sabedoria” nº 4.285 em conjunto com a A.R.L.S. Cavaleiros da Luz, nº 3657, dia 26 de JULHO, TERÇA-FEIRA, quando teremos uma Loja de Mesa (Jantar Ritualístico) no ritual britânico (Royal Festive Board). Será realizado em comemoração ao solstício de verão (no hemisfério norte) ocorrido em 20 de junho e comemoração dos 299 anos de fundação (em 24 de junho) da Grande Loja de Londres e Westminster. Cardápio: ovelha/carneiro, pão ázimo, vinho tinto e água. A Loja de Mesa será no Salão da Epagri, sede social da Associação dos Funcionários da Epagri, situado na Servidão Caminho do Porto, Itacorubi (entrada da Cidasc, seguindo a Servidão, segunda entrada à direita). Programação: 20:00 h: início do evento. Traje: maçônico completo. Convites a R$ 100,oo. Não serão vendidos convites após dia 24 de julho. Os convites poderão ser adquiridos com os Irs.: Marcos de Oliveira: tel. 9111 0090; Paulo Velloso: tel. 8408 2446; Lima: tels. 9911 0343 ou 9155 0343; Marcos Vinicius: tel. 9980 9355 Ruben Luz da Costa: tel. 9972 5934; Ir.’. João F.R. Baggio, Secretário Wisdom Dawn Lodge
  19. 19. JB News – Informativo nr. 2.103 – Maceió (AL) terça-feira, 5 de julho de 2016 Pág. 19/24 XLV CMSB – Maceió Está sendo realizada em Maceío a 45ª (LXV) Assembleia da Comfederação Simbólica Maçônica do Brasil que irá até o dia 6 de julho com o baile de encerramento no Centro de Convemnções. A delegação de Santa Catarina tem uma delegação bem epressiva com 53 pessoas. Veja alguns registros fotográficos: Abertura Oficial no Cnetro de Convenções de Maceió
  20. 20. JB News – Informativo nr. 2.103 – Maceió (AL) terça-feira, 5 de julho de 2016 Pág. 20/24 Parcial da abertura da LXV CMSB
  21. 21. JB News – Informativo nr. 2.103 – Maceió (AL) terça-feira, 5 de julho de 2016 Pág. 21/24 Grão-Mestres e Assessores da GLSC Cunhadas no chá realizado no Iate Clube Pajuçara.
  22. 22. JB News – Informativo nr. 2.103 – Maceió (AL) terça-feira, 5 de julho de 2016 Pág. 22/24 Ir Marcelo Angelo de Macedo, 33∴ MI da Loja Razão e Lealdade nº 21 Or de Cuiabá/MT, GOEMT-COMAB-CMI Tel: (65) 3052-6721 divulga diariamente no JB News o Breviário Maçônico, Obra de autoria do saudoso IrRIZZARDO DA CAMINO, cuja referência bibliográfica é: Camino, Rizzardo da, 1918-2007 - Breviário Maçônico / Rizzardo da Camino, - 6. Ed. – São Paulo. Madras, 2014 - ISBN 978-85.370.0292-6) BREVIÁRIO MAÇÔNICO – 5 de julho INQUIETUDE A inquietude faz parte do comportamento psicológico dos seres humanos; o seu lado positivo é notado pelo interesse na procura da verdade. A Maçonaria, incentivando o interesse pelo estudo, provoca uma permanente inquietude em seus adeptos. No momento em que cessar esse interesse “nervoso” surgirá o marasmo que leva ao desinteresse e à apatia, inimigos contundentes da evolução. O movimento é produzido por essa inquietude e faz com que a Loja não adormeça e o maçom conquiste cada vez mais o conhecimento universal. Quando um maçom “adormece”, ou seja, abandona a sua Loja, é um elo que se destaca da Cadeia de União, enfraquecendo-a. Esse desinteresse poderá ser corrigido, havendo interesse “político” da Loja, que tudo enfrentará para trazer de volta a ovelha extraviada. O pior que pode suceder é quando uma Loja adormece, quando os Irmãos se desgarram e a Loja “abate colunas”; já existe uma “vontade política” destacada, a não ser que a alta administração envide esforços para evitar o acidente; no entanto, são casos raros. Em geral, o poder central não envida qualquer esforço para evitar o “sono” da Loja. Cada maçom deve estar sempre Vigilante para que a sua Loja jamais abata colunas, pois a primeira vitima será ele próprio, o maçom relapso. Cada Loja deve estar sempre alerta para que nos momentos difíceis tenha a capacidade para conclamar seus adeptos parta uma reação vitoriosa. Breviário Maçônico / Rizzardo da Camino, - 6. Ed. – São Paulo. Madras, 2014, p. 205.
  23. 23. JB News – Informativo nr. 2.103 – Maceió (AL) terça-feira, 5 de julho de 2016 Pág. 23/24 HEI, CADÊ VOCÊ? -uma busca fatigante e infindável- Autor: Raimundo A. Corado Barreiras, 31 de março de 2016. Procura-se um político ilibado; Na escala retilínea da sucessão; Que não esteja sendo investigado; Nem envolvido com corrupção. Estamos falando de lideranças; Donde viriam a ética e a moral; Nunca, jamais, a desconfiança; Nem a podridão social. Mas, o que vemos senhores? Deputados e Senadores; Em putrefação política. O estado é de decomposição; E a nossa linha de sucessão; Termina e não vence a crítica.
  24. 24. JB News – Informativo nr. 2.103 – Maceió (AL) terça-feira, 5 de julho de 2016 Pág. 24/24

×