SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 15
Baixar para ler offline
BRONQUIOLITE
Informações Científicas para Leigos
Uma Doença Sazonal
Com a chegada do outono e a diminuição das
temperaturas, médicos alertam para o aumento da
circulação do vírus sincicial respiratório (VSR).
Embora muito comum e inofensivo para adultos, ele
é causa de 65% das internações de bebês
prematuros e pode causar complicações em recém-
nascidos.
Causada por Vírus
» É tipicamente causada por vírus respiratório,
sendo o Vírus Sincicial Respiratório (VRS) o
mais importante, respondendo por 50-80% dos
casos. Outros agentes relevantes são: rinovírus,
metapneumovírus humano, parainfluenza tipo 3,
influenza, adenovírus e coronavírus.
A idade mais Suscetível
» Bronquiolite é mais comum em crianças menores de 2 anos. A
maioria dos casos se resolve espontaneamente. Cerca de 3% dos
bebês têm problemas mais graves e precisam ser hospitalizados.
» A idade com maior risco de
contaminação e complicações é após os
quatro meses, pois o sistema imunológico
ainda encontra-se em desenvolvimento.
» O Vírus Sincicial Respiratório (VRS) causa uma reação inflamatória
nos bronquíolos causando um edema na parede destas estruturas e
induzindo a formação de plugs de secreção.
Como o Vírus Age
Sintomas
Os sinais e sintomas mais freqüentes são:
» Coriza, Tosse seca, eventualmente seguidas
de Vômitos, Irritabilidade, Falta de apetite
(inclusive interrupção de mamadas por causa da falta de
ar) e Febre (temperatura superior a 37,8º).
» Em aproximadamente 24 a 48 horas os
sintomas costumam piorar muito.
Sintomas
Sinais de Piora Clínica:
» Taquipnéia – frequência respiratória elevada:
» em crianças menores de 2 meses: FR* maior que 60/min
» em crianças de 2 a 12 meses: FR maior que 50/min
» em crianças de 1 a 5 anos: FR maior que 40/min
» Sibilância – chiado no peito,
» Tiragem intercostal**
» Batimentos de asas do nariz (https://goo.gl/oePfVT)
* FR = Frequência respiratória
** Tiragem = https://goo.gl/7sBsQG
https://goo.gl/6hnjak
Sintomas
Sinais de Piora Clínica:
» Em menores de 6 semanas também pode ocorrer
apnéia (parada respiratória).
» Há cianose* dependendo do grau de oxigenação
do sangue.
* CIANOSE = Falta de oxigênio
Observe as extremidades azuladas
Confirmação Diagnóstica:
» A doença é de diagnóstico clínico, isto é, não depende
do resultado de exames laboratoriais nem de radiografias.
» A pesquisa de vírus respiratórios em secreção
de nasofaringe pode ser útil na confirmação
diagnóstica, mas nem sempre está disponível e
pode apresentar resultado falso negativo
dependendo do método utilizado.
Confirmação Diagnóstica:
» O Diagnóstico diferencial inclui:
» Asma, principalmente por ocasião do primeiro
episódio. Esta em geral é diagnosticada
posteriormente com a recorrência dos sintomas.
» Pneumonias bacterianas, reações pulmonares
alérgicas, processos aspirativos (corpo estranho,
pneumonite química)
» Refluxo gastroesofágico
» Fibrose cística, e outras doenças mais raras.
Tratamento
» A maioria dos pacientes com bronquiolite viral aguda
apresenta a forma leve da doença, sendo tratada em
nível ambulatorial.
» Cerca de 1 a 3% necessitam hospitalização e,
destes, até 15% podem exigir cuidados em unidade de
terapia intensiva pediátrica.
» Os antibióticos não devem ser prescritos, exceto
para casos que apresentem infecção bacteriana
coexistente.
Oxigenioterapia
Tratamento
» O uso de corticóides na bronquiolite é controverso e
seu papel precisa ser elucidado.
» O uso de nebulização (inalação) incluindo β2-
agonistas ou adrenalina pode ser tentado, com
avaliação da resposta dos pacientes individualmente,
suspendendo sua prescrição se não houver melhora
clínica.
» O tratamento universalmente aceito e de eficácia comprovada é:
(1) Hidratação vigorosa e em casos específicos, (2) oxigenioterapia.
Oxigenioterapia
Quem deve receber a Vacina?
» A vacina Palivizumabe está indicada para crianças
menores de seis semanas de idade, em recém-nascidos
pré-termo e naqueles portadores de displasia
broncopulmonar (DBP), cardiopatias congênitas graves e
imunodeficiências.
» O número de doses é de até cinco e para as crianças
cujo nascimento ocorre dentro do período de aplicação,
poderá ser necessário um número menor de 5 doses (a
profilaxia finda ao término do período de aplicação).
Embalagem do Palivizumabe
Quem deve receber a Vacina?
» Crianças menores de 1 ano de idade, que nasceram
prematuras com idade gestacional menor ou igual a 28
semanas.
» Crianças menores de 2 anos de idade, com doença pulmonar
crônica da prematuridade.
» Crianças menores de 2 anos de idade, com doença cardíaca
congênita, com repercussão hemodinâmica.
» Crianças menores de 1 ano de idade, que nasceram
prematuras com idade gestacional entre 29 e 31 semanas e 6
dias, e com menos de 6 meses no início da sazonalidade (abril).
Embalagem do Palivizumabe

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...José Alexandre Pires de Almeida
 
Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...
Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...
Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...Alexandre Naime Barbosa
 
Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica
Doença Pulmonar Obstrutiva CrônicaDoença Pulmonar Obstrutiva Crônica
Doença Pulmonar Obstrutiva CrônicaAmanda Thomé
 
1. pneumonias (06 jan2015)
1. pneumonias (06 jan2015)1. pneumonias (06 jan2015)
1. pneumonias (06 jan2015)Mônica Firmida
 
Raio x pós graduação
Raio   x pós graduaçãoRaio   x pós graduação
Raio x pós graduaçãoIapes Ensino
 
Insuficiência cardíaca 2017
Insuficiência cardíaca 2017Insuficiência cardíaca 2017
Insuficiência cardíaca 2017pauloalambert
 
DPOC - Doenca Pulmonar Obstrutiva Cronica
DPOC - Doenca Pulmonar Obstrutiva CronicaDPOC - Doenca Pulmonar Obstrutiva Cronica
DPOC - Doenca Pulmonar Obstrutiva CronicaAna Hollanders
 
VMNI-Ventilação Mecânica Nao Invasiva
VMNI-Ventilação Mecânica Nao Invasiva VMNI-Ventilação Mecânica Nao Invasiva
VMNI-Ventilação Mecânica Nao Invasiva Gilmar Roberto Batista
 

Mais procurados (20)

Aula sobre DPOC
Aula sobre DPOCAula sobre DPOC
Aula sobre DPOC
 
DPOC
DPOCDPOC
DPOC
 
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
 
Pneumonia
PneumoniaPneumonia
Pneumonia
 
Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...
Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...
Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...
 
Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica
Doença Pulmonar Obstrutiva CrônicaDoença Pulmonar Obstrutiva Crônica
Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica
 
Asma na Infância
Asma na InfânciaAsma na Infância
Asma na Infância
 
Bronquite[1]
Bronquite[1]Bronquite[1]
Bronquite[1]
 
Bronquiolite
BronquioliteBronquiolite
Bronquiolite
 
1. pneumonias (06 jan2015)
1. pneumonias (06 jan2015)1. pneumonias (06 jan2015)
1. pneumonias (06 jan2015)
 
Aula: Asma
Aula: AsmaAula: Asma
Aula: Asma
 
Apresentação pneumonia
Apresentação pneumoniaApresentação pneumonia
Apresentação pneumonia
 
Raio x pós graduação
Raio   x pós graduaçãoRaio   x pós graduação
Raio x pós graduação
 
Insuficiência cardíaca 2017
Insuficiência cardíaca 2017Insuficiência cardíaca 2017
Insuficiência cardíaca 2017
 
Asma
AsmaAsma
Asma
 
Insuficiencia respiratória na infancia
Insuficiencia respiratória na infanciaInsuficiencia respiratória na infancia
Insuficiencia respiratória na infancia
 
Pneumonia
Pneumonia Pneumonia
Pneumonia
 
DPOC - Doenca Pulmonar Obstrutiva Cronica
DPOC - Doenca Pulmonar Obstrutiva CronicaDPOC - Doenca Pulmonar Obstrutiva Cronica
DPOC - Doenca Pulmonar Obstrutiva Cronica
 
VMNI-Ventilação Mecânica Nao Invasiva
VMNI-Ventilação Mecânica Nao Invasiva VMNI-Ventilação Mecânica Nao Invasiva
VMNI-Ventilação Mecânica Nao Invasiva
 
DPOC
DPOCDPOC
DPOC
 

Semelhante a Bronquiolite

Lactente sibilante 2014 husp
Lactente sibilante 2014 huspLactente sibilante 2014 husp
Lactente sibilante 2014 huspAmilcare Vecchi
 
Assistência de enfermagem às infecções respiratórias agudas.
Assistência de enfermagem às infecções respiratórias agudas.Assistência de enfermagem às infecções respiratórias agudas.
Assistência de enfermagem às infecções respiratórias agudas.Cleiton Ribeiro Alves
 
Pneumonia-afebril-do-lactente.ppt
Pneumonia-afebril-do-lactente.pptPneumonia-afebril-do-lactente.ppt
Pneumonia-afebril-do-lactente.pptLavniaSantana4
 
fisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress.pptx
fisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress.pptxfisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress.pptx
fisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress.pptxRaqueli Viecili
 
IVAS diagnóstico e tratamento
IVAS diagnóstico e tratamentoIVAS diagnóstico e tratamento
IVAS diagnóstico e tratamentoLorena de Assis
 
A sistematizacao da assitencia de enfermagem em um paciente com bronquite
A sistematizacao da assitencia de enfermagem em um paciente com bronquiteA sistematizacao da assitencia de enfermagem em um paciente com bronquite
A sistematizacao da assitencia de enfermagem em um paciente com bronquiteSarinha Sousa
 
Aprim sp2e 3-ebserh
Aprim sp2e 3-ebserhAprim sp2e 3-ebserh
Aprim sp2e 3-ebserhIsmael Costa
 
Coqueluche
Coqueluche  Coqueluche
Coqueluche blogped1
 
fisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress (1).pptx
fisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress (1).pptxfisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress (1).pptx
fisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress (1).pptxRaqueli Viecili
 
Tuberculose e Dengue
Tuberculose e DengueTuberculose e Dengue
Tuberculose e DengueIsmael Costa
 
Diretrizes+brasileiras+em+pneumonia+adquirida+na+comunidade+em
Diretrizes+brasileiras+em+pneumonia+adquirida+na+comunidade+emDiretrizes+brasileiras+em+pneumonia+adquirida+na+comunidade+em
Diretrizes+brasileiras+em+pneumonia+adquirida+na+comunidade+emArquivo-FClinico
 
Pneumonias na infância: Pneumonias Adquiridas na Comunidade
Pneumonias na infância: Pneumonias Adquiridas na ComunidadePneumonias na infância: Pneumonias Adquiridas na Comunidade
Pneumonias na infância: Pneumonias Adquiridas na Comunidadeblogped1
 
Aprimore sp3-unirio
Aprimore sp3-unirioAprimore sp3-unirio
Aprimore sp3-unirioIsmael Costa
 
Assistência à criança nas disfunções respiratórias e cardiovasculares
Assistência  à criança nas disfunções respiratórias e cardiovascularesAssistência  à criança nas disfunções respiratórias e cardiovasculares
Assistência à criança nas disfunções respiratórias e cardiovascularesTércio David
 
Sinusite Bacteriana Aguda
Sinusite Bacteriana AgudaSinusite Bacteriana Aguda
Sinusite Bacteriana Agudablogped1
 

Semelhante a Bronquiolite (20)

Lactente sibilante 2014 husp
Lactente sibilante 2014 huspLactente sibilante 2014 husp
Lactente sibilante 2014 husp
 
Apresentação bronquiolite
Apresentação bronquioliteApresentação bronquiolite
Apresentação bronquiolite
 
Assistência de enfermagem às infecções respiratórias agudas.
Assistência de enfermagem às infecções respiratórias agudas.Assistência de enfermagem às infecções respiratórias agudas.
Assistência de enfermagem às infecções respiratórias agudas.
 
Pneumonia-afebril-do-lactente.ppt
Pneumonia-afebril-do-lactente.pptPneumonia-afebril-do-lactente.ppt
Pneumonia-afebril-do-lactente.ppt
 
Cachumba
CachumbaCachumba
Cachumba
 
Cachumba
Cachumba Cachumba
Cachumba
 
Infecções Respiratórias Virais na Sazonalidade e o Impacto para o Prematuro
Infecções Respiratórias Virais na Sazonalidade e o Impacto para o PrematuroInfecções Respiratórias Virais na Sazonalidade e o Impacto para o Prematuro
Infecções Respiratórias Virais na Sazonalidade e o Impacto para o Prematuro
 
fisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress.pptx
fisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress.pptxfisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress.pptx
fisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress.pptx
 
IVAS diagnóstico e tratamento
IVAS diagnóstico e tratamentoIVAS diagnóstico e tratamento
IVAS diagnóstico e tratamento
 
Influenza
InfluenzaInfluenza
Influenza
 
A sistematizacao da assitencia de enfermagem em um paciente com bronquite
A sistematizacao da assitencia de enfermagem em um paciente com bronquiteA sistematizacao da assitencia de enfermagem em um paciente com bronquite
A sistematizacao da assitencia de enfermagem em um paciente com bronquite
 
Aprim sp2e 3-ebserh
Aprim sp2e 3-ebserhAprim sp2e 3-ebserh
Aprim sp2e 3-ebserh
 
Coqueluche
Coqueluche  Coqueluche
Coqueluche
 
fisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress (1).pptx
fisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress (1).pptxfisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress (1).pptx
fisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress (1).pptx
 
Tuberculose e Dengue
Tuberculose e DengueTuberculose e Dengue
Tuberculose e Dengue
 
Diretrizes+brasileiras+em+pneumonia+adquirida+na+comunidade+em
Diretrizes+brasileiras+em+pneumonia+adquirida+na+comunidade+emDiretrizes+brasileiras+em+pneumonia+adquirida+na+comunidade+em
Diretrizes+brasileiras+em+pneumonia+adquirida+na+comunidade+em
 
Pneumonias na infância: Pneumonias Adquiridas na Comunidade
Pneumonias na infância: Pneumonias Adquiridas na ComunidadePneumonias na infância: Pneumonias Adquiridas na Comunidade
Pneumonias na infância: Pneumonias Adquiridas na Comunidade
 
Aprimore sp3-unirio
Aprimore sp3-unirioAprimore sp3-unirio
Aprimore sp3-unirio
 
Assistência à criança nas disfunções respiratórias e cardiovasculares
Assistência  à criança nas disfunções respiratórias e cardiovascularesAssistência  à criança nas disfunções respiratórias e cardiovasculares
Assistência à criança nas disfunções respiratórias e cardiovasculares
 
Sinusite Bacteriana Aguda
Sinusite Bacteriana AgudaSinusite Bacteriana Aguda
Sinusite Bacteriana Aguda
 

Mais de Fabricio Batistoni (20)

Lavagem Nasal
Lavagem NasalLavagem Nasal
Lavagem Nasal
 
Lavagem Nasal 2
Lavagem Nasal 2Lavagem Nasal 2
Lavagem Nasal 2
 
Febre
FebreFebre
Febre
 
Tosse
TosseTosse
Tosse
 
Lavagem Nasal
Lavagem NasalLavagem Nasal
Lavagem Nasal
 
Prevenção de Acidentes
Prevenção de AcidentesPrevenção de Acidentes
Prevenção de Acidentes
 
ASMA na infância
ASMA na infânciaASMA na infância
ASMA na infância
 
Vacinação contra Covid-19
Vacinação contra Covid-19Vacinação contra Covid-19
Vacinação contra Covid-19
 
Saltos de desenvolvimento
Saltos de desenvolvimentoSaltos de desenvolvimento
Saltos de desenvolvimento
 
Consumo de Mel em Crianças
Consumo de Mel em CriançasConsumo de Mel em Crianças
Consumo de Mel em Crianças
 
Dislalia 2020
Dislalia 2020Dislalia 2020
Dislalia 2020
 
Introdução alimentar
Introdução alimentarIntrodução alimentar
Introdução alimentar
 
Dor de crescimento
Dor de crescimentoDor de crescimento
Dor de crescimento
 
Fica muito doente
Fica muito doenteFica muito doente
Fica muito doente
 
TDAH, Dislexia e Discalculia
TDAH, Dislexia e DiscalculiaTDAH, Dislexia e Discalculia
TDAH, Dislexia e Discalculia
 
TDAH para Educadores
TDAH para EducadoresTDAH para Educadores
TDAH para Educadores
 
TDAN mitos e verdades
TDAN mitos e verdadesTDAN mitos e verdades
TDAN mitos e verdades
 
Desenvolvimento da linguagem
Desenvolvimento da linguagemDesenvolvimento da linguagem
Desenvolvimento da linguagem
 
Imunoterapia
ImunoterapiaImunoterapia
Imunoterapia
 
Melatonina e sono
Melatonina e sonoMelatonina e sono
Melatonina e sono
 

Último

1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obrasosnikobus1
 
Aula sobre ANSIEDADE & Cuidados de Enfermagem
Aula sobre ANSIEDADE & Cuidados de EnfermagemAula sobre ANSIEDADE & Cuidados de Enfermagem
Aula sobre ANSIEDADE & Cuidados de EnfermagemCarlosLinsJr
 
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTALDEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTALCarlosLinsJr
 
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdfA HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdfMarceloMonteiro213738
 
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdfPLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdfHELLEN CRISTINA
 
CCIH NO CC.pdf comissao da CCIH NO CENTR CIRURGICO
CCIH NO CC.pdf comissao da CCIH NO CENTR CIRURGICOCCIH NO CC.pdf comissao da CCIH NO CENTR CIRURGICO
CCIH NO CC.pdf comissao da CCIH NO CENTR CIRURGICOTHIALYMARIASILVADACU
 
Técnica Shantala para bebês: relaxamento
Técnica Shantala para bebês: relaxamentoTécnica Shantala para bebês: relaxamento
Técnica Shantala para bebês: relaxamentoPamelaMariaMoreiraFo
 
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999vanessa270433
 
os-principios-das-leis-da-genetica-ou-mendelianas.ppt
os-principios-das-leis-da-genetica-ou-mendelianas.pptos-principios-das-leis-da-genetica-ou-mendelianas.ppt
os-principios-das-leis-da-genetica-ou-mendelianas.pptfernandoalvescosta3
 
Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções.pdf
Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções.pdfAromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções.pdf
Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções.pdfanalucia839701
 
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteina
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteinaaula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteina
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteinajarlianezootecnista
 
avaliação pratica. pdf
avaliação pratica.                           pdfavaliação pratica.                           pdf
avaliação pratica. pdfHELLEN CRISTINA
 
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdfAULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdfLviaParanaguNevesdeL
 
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfDengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfEduardoSilva185439
 

Último (14)

1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
 
Aula sobre ANSIEDADE & Cuidados de Enfermagem
Aula sobre ANSIEDADE & Cuidados de EnfermagemAula sobre ANSIEDADE & Cuidados de Enfermagem
Aula sobre ANSIEDADE & Cuidados de Enfermagem
 
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTALDEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
 
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdfA HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
 
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdfPLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdf
 
CCIH NO CC.pdf comissao da CCIH NO CENTR CIRURGICO
CCIH NO CC.pdf comissao da CCIH NO CENTR CIRURGICOCCIH NO CC.pdf comissao da CCIH NO CENTR CIRURGICO
CCIH NO CC.pdf comissao da CCIH NO CENTR CIRURGICO
 
Técnica Shantala para bebês: relaxamento
Técnica Shantala para bebês: relaxamentoTécnica Shantala para bebês: relaxamento
Técnica Shantala para bebês: relaxamento
 
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999
 
os-principios-das-leis-da-genetica-ou-mendelianas.ppt
os-principios-das-leis-da-genetica-ou-mendelianas.pptos-principios-das-leis-da-genetica-ou-mendelianas.ppt
os-principios-das-leis-da-genetica-ou-mendelianas.ppt
 
Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções.pdf
Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções.pdfAromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções.pdf
Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções.pdf
 
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteina
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteinaaula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteina
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteina
 
avaliação pratica. pdf
avaliação pratica.                           pdfavaliação pratica.                           pdf
avaliação pratica. pdf
 
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdfAULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
 
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfDengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
 

Bronquiolite

  • 2. Uma Doença Sazonal Com a chegada do outono e a diminuição das temperaturas, médicos alertam para o aumento da circulação do vírus sincicial respiratório (VSR). Embora muito comum e inofensivo para adultos, ele é causa de 65% das internações de bebês prematuros e pode causar complicações em recém- nascidos.
  • 3. Causada por Vírus » É tipicamente causada por vírus respiratório, sendo o Vírus Sincicial Respiratório (VRS) o mais importante, respondendo por 50-80% dos casos. Outros agentes relevantes são: rinovírus, metapneumovírus humano, parainfluenza tipo 3, influenza, adenovírus e coronavírus.
  • 4. A idade mais Suscetível » Bronquiolite é mais comum em crianças menores de 2 anos. A maioria dos casos se resolve espontaneamente. Cerca de 3% dos bebês têm problemas mais graves e precisam ser hospitalizados. » A idade com maior risco de contaminação e complicações é após os quatro meses, pois o sistema imunológico ainda encontra-se em desenvolvimento.
  • 5. » O Vírus Sincicial Respiratório (VRS) causa uma reação inflamatória nos bronquíolos causando um edema na parede destas estruturas e induzindo a formação de plugs de secreção. Como o Vírus Age
  • 6. Sintomas Os sinais e sintomas mais freqüentes são: » Coriza, Tosse seca, eventualmente seguidas de Vômitos, Irritabilidade, Falta de apetite (inclusive interrupção de mamadas por causa da falta de ar) e Febre (temperatura superior a 37,8º). » Em aproximadamente 24 a 48 horas os sintomas costumam piorar muito.
  • 7. Sintomas Sinais de Piora Clínica: » Taquipnéia – frequência respiratória elevada: » em crianças menores de 2 meses: FR* maior que 60/min » em crianças de 2 a 12 meses: FR maior que 50/min » em crianças de 1 a 5 anos: FR maior que 40/min » Sibilância – chiado no peito, » Tiragem intercostal** » Batimentos de asas do nariz (https://goo.gl/oePfVT) * FR = Frequência respiratória ** Tiragem = https://goo.gl/7sBsQG https://goo.gl/6hnjak
  • 8. Sintomas Sinais de Piora Clínica: » Em menores de 6 semanas também pode ocorrer apnéia (parada respiratória). » Há cianose* dependendo do grau de oxigenação do sangue. * CIANOSE = Falta de oxigênio Observe as extremidades azuladas
  • 9. Confirmação Diagnóstica: » A doença é de diagnóstico clínico, isto é, não depende do resultado de exames laboratoriais nem de radiografias. » A pesquisa de vírus respiratórios em secreção de nasofaringe pode ser útil na confirmação diagnóstica, mas nem sempre está disponível e pode apresentar resultado falso negativo dependendo do método utilizado.
  • 10. Confirmação Diagnóstica: » O Diagnóstico diferencial inclui: » Asma, principalmente por ocasião do primeiro episódio. Esta em geral é diagnosticada posteriormente com a recorrência dos sintomas. » Pneumonias bacterianas, reações pulmonares alérgicas, processos aspirativos (corpo estranho, pneumonite química) » Refluxo gastroesofágico » Fibrose cística, e outras doenças mais raras.
  • 11. Tratamento » A maioria dos pacientes com bronquiolite viral aguda apresenta a forma leve da doença, sendo tratada em nível ambulatorial. » Cerca de 1 a 3% necessitam hospitalização e, destes, até 15% podem exigir cuidados em unidade de terapia intensiva pediátrica. » Os antibióticos não devem ser prescritos, exceto para casos que apresentem infecção bacteriana coexistente. Oxigenioterapia
  • 12. Tratamento » O uso de corticóides na bronquiolite é controverso e seu papel precisa ser elucidado. » O uso de nebulização (inalação) incluindo β2- agonistas ou adrenalina pode ser tentado, com avaliação da resposta dos pacientes individualmente, suspendendo sua prescrição se não houver melhora clínica. » O tratamento universalmente aceito e de eficácia comprovada é: (1) Hidratação vigorosa e em casos específicos, (2) oxigenioterapia. Oxigenioterapia
  • 13.
  • 14. Quem deve receber a Vacina? » A vacina Palivizumabe está indicada para crianças menores de seis semanas de idade, em recém-nascidos pré-termo e naqueles portadores de displasia broncopulmonar (DBP), cardiopatias congênitas graves e imunodeficiências. » O número de doses é de até cinco e para as crianças cujo nascimento ocorre dentro do período de aplicação, poderá ser necessário um número menor de 5 doses (a profilaxia finda ao término do período de aplicação). Embalagem do Palivizumabe
  • 15. Quem deve receber a Vacina? » Crianças menores de 1 ano de idade, que nasceram prematuras com idade gestacional menor ou igual a 28 semanas. » Crianças menores de 2 anos de idade, com doença pulmonar crônica da prematuridade. » Crianças menores de 2 anos de idade, com doença cardíaca congênita, com repercussão hemodinâmica. » Crianças menores de 1 ano de idade, que nasceram prematuras com idade gestacional entre 29 e 31 semanas e 6 dias, e com menos de 6 meses no início da sazonalidade (abril). Embalagem do Palivizumabe