SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 41
CENÁRIO ECONÔMICOCENÁRIO ECONÔMICO
CENÁRIO ECONÔMICOCENÁRIO ECONÔMICO
Economista: Igor MoraisEconomista: Igor Morais
CENÁRIO ECONÔMICOCENÁRIO ECONÔMICO
PRINCIPAIS QUESTÕES ATUAIS SOBRE A ECONOMIAPRINCIPAIS QUESTÕES ATUAIS SOBRE A ECONOMIA
1.1. Há risco de nova queda na atividade econômica mundial?Há risco de nova queda na atividade econômica mundial?
CENÁRIO ECONÔMICOCENÁRIO ECONÔMICO
HÁ RISCO DE NOVA QUEDA NA ATIVIDADE ECONÔMICA MUNDIAL?HÁ RISCO DE NOVA QUEDA NA ATIVIDADE ECONÔMICA MUNDIAL?
100100
Ponto máximoPonto máximo
de produçãode produção
(pico)(pico)
Ponto mínimoPonto mínimo
de produçãode produção
(vale)(vale)
Gostaríamos de poderGostaríamos de poder
antecipar essesantecipar esses
pontos, conhecidospontos, conhecidos
como:como: turning pointsturning points..
Indicadores AntecedentesIndicadores Antecedentes
(CLI – composite leading indicators)(CLI – composite leading indicators)
CENÁRIO ECONÔMICOCENÁRIO ECONÔMICO
HÁ RISCO DE NOVA QUEDA NA ATIVIDADE ECONÔMICA MUNDIAL?HÁ RISCO DE NOVA QUEDA NA ATIVIDADE ECONÔMICA MUNDIAL?
100100
Indicadores AntecedentesIndicadores Antecedentes
(CLI – composite leading indicators)(CLI – composite leading indicators)
ExpansãoExpansão
DesaceleraçãoDesaceleração
RecessãoRecessão
RecuperaçãoRecuperação
•EUA, UK, Alemanha,EUA, UK, Alemanha,
França, Itália,França, Itália,
Canadá, JapãoCanadá, Japão
•BRICBRIC
Dez/2008Dez/2008
CENÁRIO ECONÔMICOCENÁRIO ECONÔMICO
HÁ RISCO DE NOVA QUEDA NA ATIVIDADE ECONÔMICA MUNDIAL?HÁ RISCO DE NOVA QUEDA NA ATIVIDADE ECONÔMICA MUNDIAL?
100100
Indicadores AntecedentesIndicadores Antecedentes
(CLI – composite leading indicators)(CLI – composite leading indicators)
RecuperaçãoRecuperação
•JapãoJapão
•BrasilBrasil
•RússiaRússia
•Canadá, França,Canadá, França,
Alemanha, Itália, EUA,Alemanha, Itália, EUA,
UK, China, ÍndiaUK, China, Índia
Jun/2009Jun/2009
CENÁRIO ECONÔMICOCENÁRIO ECONÔMICO
HÁ RISCO DE NOVA QUEDA NA ATIVIDADE ECONÔMICA MUNDIAL?HÁ RISCO DE NOVA QUEDA NA ATIVIDADE ECONÔMICA MUNDIAL?
100100
Indicadores AntecedentesIndicadores Antecedentes
(CLI – composite leading indicators)(CLI – composite leading indicators)
Dez/2009Dez/2009
ExpansãoExpansão
•EUA, UK, Alemanha,EUA, UK, Alemanha,
França, Itália,França, Itália,
Canadá, JapãoCanadá, Japão
•BRICBRIC
CENÁRIO ECONÔMICOCENÁRIO ECONÔMICO
HÁ RISCO DE NOVA QUEDA NA ATIVIDADE ECONÔMICA MUNDIAL?HÁ RISCO DE NOVA QUEDA NA ATIVIDADE ECONÔMICA MUNDIAL?
100100
Indicadores AntecedentesIndicadores Antecedentes
(CLI – composite leading indicators)(CLI – composite leading indicators)
Jun/2010Jun/2010
•CanadáCanadá
•EUAEUA
•BrasilBrasil
•JapãoJapão
•AlemanhaAlemanha
•RússiaRússia
•FrançaFrança
•ItáliaItália
•ChinaChina
•índiaíndia
ExpansãoExpansão
PicoPico
DesaceleraçãoDesaceleração
CENÁRIO ECONÔMICOCENÁRIO ECONÔMICO
PRINCIPAIS DESAFIOS NO FUTUROPRINCIPAIS DESAFIOS NO FUTURO
Fonte: The economist
 As elevadas dívidas nos paísesAs elevadas dívidas nos países
desenvolvidos:desenvolvidos:
Necessidade de ajuste fiscal;Necessidade de ajuste fiscal;
Famílias devem elevar a poupançaFamílias devem elevar a poupança
Endividamento % do PIB
(2008)
0 100 200 300 400 500
Rússia
Índia
Brasil
China
Canadá
Alemanha
Estados Unidos
Itália
França
Suíça
Coréia do Sul
Espanha
Grã-bretanha
Japão
Empresas
Famílias
Governo
CENÁRIO ECONÔMICOCENÁRIO ECONÔMICO
Fonte: The economist/CBO.gov.* Mantida pelo público.
 Solução dos problemas fiscais eSolução dos problemas fiscais e
financeiros nos países europeus:financeiros nos países europeus:
Bancos alavancados;Bancos alavancados;
Déficit orçamentário impõeDéficit orçamentário impõe
necessidade de controle de gastos enecessidade de controle de gastos e
aumento de impostos;aumento de impostos;
 As elevadas dívidas nos paísesAs elevadas dívidas nos países
desenvolvidos:desenvolvidos:
Necessidade de ajuste fiscal;Necessidade de ajuste fiscal;
Famílias devem elevar a poupançaFamílias devem elevar a poupança
Déficit Orçamentário – EUA
(US$ bilhões)
PRINCIPAIS DESAFIOS NO FUTUROPRINCIPAIS DESAFIOS NO FUTURO
1,349
980
650
539
475
480
521
525
542
649
687
?Om2009
2010
2011
2012
2013
2014
2015
2016
2017
2018
2019
2020
Dívida/PIB* = 53%Dívida/PIB* = 53%
= US$ 7,5 trilhões= US$ 7,5 trilhões
Dívida/PIB = 66% =Dívida/PIB = 66% =
US$ 14,3 trilhõesUS$ 14,3 trilhões
2011-20202011-2020
Déficit total deDéficit total de
US$ 6 trilhõesUS$ 6 trilhões
CENÁRIO ECONÔMICOCENÁRIO ECONÔMICO
1950
0 5 10 15 20 25
15-19
20-24
25-29
30-34
35-39
40-44
45-49
50-54
55-59
60-64
65-69
70-74
75-79
80-84
85-89
90-94
95-99
100+
Fonte: The economist
 Solução dos problemas fiscais eSolução dos problemas fiscais e
financeiros nos países desenvolvidos:financeiros nos países desenvolvidos:
Bancos alavancados;Bancos alavancados;
Déficit orçamentário impõeDéficit orçamentário impõe
necessidade de controle de gastos enecessidade de controle de gastos e
aumento de impostos;aumento de impostos;
O desafio do envelhecimento daO desafio do envelhecimento da
população.população.
 As elevadas dívidas nos paísesAs elevadas dívidas nos países
desenvolvidos:desenvolvidos:
Necessidade de ajuste fiscal;Necessidade de ajuste fiscal;
Famílias devem elevar a poupançaFamílias devem elevar a poupança
População x idade – Zona do Euro
PRINCIPAIS DESAFIOS NO FUTUROPRINCIPAIS DESAFIOS NO FUTURO
CENÁRIO ECONÔMICOCENÁRIO ECONÔMICO
2010
0 5 10 15 20 25 30
15-19
20-24
25-29
30-34
35-39
40-44
45-49
50-54
55-59
60-64
65-69
70-74
75-79
80-84
85-89
90-94
95-99
100+
Fonte: The economist
 Solução dos problemas fiscais eSolução dos problemas fiscais e
financeiros nos países desenvolvidos:financeiros nos países desenvolvidos:
Bancos alavancados;Bancos alavancados;
Déficit orçamentário impõeDéficit orçamentário impõe
necessidade de controle de gastos enecessidade de controle de gastos e
aumento de impostos;aumento de impostos;
O desafio do envelhecimento daO desafio do envelhecimento da
população.população.
 As elevadas dívidas nos paísesAs elevadas dívidas nos países
desenvolvidos:desenvolvidos:
Necessidade de ajuste fiscal;Necessidade de ajuste fiscal;
Famílias devem elevar a poupançaFamílias devem elevar a poupança
População x idade – Zona do Euro
PRINCIPAIS DESAFIOS NO FUTUROPRINCIPAIS DESAFIOS NO FUTURO
CENÁRIO ECONÔMICOCENÁRIO ECONÔMICO
2050
0 5 10 15 20 25
15-19
20-24
25-29
30-34
35-39
40-44
45-49
50-54
55-59
60-64
65-69
70-74
75-79
80-84
85-89
90-94
95-99
100+
Fonte: The economist
 Solução dos problemas fiscais eSolução dos problemas fiscais e
financeiros nos países desenvolvidos:financeiros nos países desenvolvidos:
Bancos alavancados;Bancos alavancados;
Déficit orçamentário impõeDéficit orçamentário impõe
necessidade de controle de gastos enecessidade de controle de gastos e
aumento de impostos;aumento de impostos;
O desafio do envelhecimento daO desafio do envelhecimento da
população.população.
 As elevadas dívidas nos paísesAs elevadas dívidas nos países
desenvolvidos:desenvolvidos:
Necessidade de ajuste fiscal;Necessidade de ajuste fiscal;
Famílias devem elevar a poupançaFamílias devem elevar a poupança
População x idade – Zona do Euro
PRINCIPAIS DESAFIOS NO FUTUROPRINCIPAIS DESAFIOS NO FUTURO
CENÁRIO ECONÔMICOCENÁRIO ECONÔMICO
PRINCIPAIS QUESTÕES ATUAIS SOBRE A ECONOMIAPRINCIPAIS QUESTÕES ATUAIS SOBRE A ECONOMIA
1.1. Há risco de nova queda na atividade econômica mundial?Há risco de nova queda na atividade econômica mundial?
 O cenário é difuso, com os emergentes apresentando melhor dinâmicaO cenário é difuso, com os emergentes apresentando melhor dinâmica
2.2. O Brasil pode crescer 5% ao ano?O Brasil pode crescer 5% ao ano?
 Estaríamos mais próximos de uma “acomodação” na demanda mundialEstaríamos mais próximos de uma “acomodação” na demanda mundial
CENÁRIO ECONÔMICOCENÁRIO ECONÔMICO
2.3%
3.1%
3.8%
5.9%
média FHC média em 19
anos
média Lula melhores 3
anos do lula
-0.5%
4.7%
5.3%
4.4%
2.1%
3.4%
0.0% 0.2%
4.3%
1.3%
2.6%
1.2%
5.7%
3.1%
3.9%
6.1%
5.1%
-0.2%
6.0%
1992
1993
1994
1995
1996
1997
1998
1999
2000
2001
2002
2003
2004
2005
2006
2007
2008
2009
2010
Fonte: IBGE/FMI/OECD
Evolução do PIB do BrasilEvolução do PIB do Brasil
(Var.% ao ano)(Var.% ao ano) Melhor resultadoMelhor resultado
em 2 décadas:em 2 décadas:
3,8%<PIB<5,9%3,8%<PIB<5,9%
144
189
283
298
média FHC média em
19 anos
média Lula melhores 3
anos do lula
3.4 3.4
3.7
4.8
média FHC média em
19 anos
média Lula melhores 3
anos do lula
7.17
10.07
14.89
15.53
média FHC média em
19 anos
média Lula melhores 3
anos do lula
Exportações mundiaisExportações mundiais
(US$ trilhões)(US$ trilhões)
PIB mundialPIB mundial
(var.% média)(var.% média)
Investimento DiretoInvestimento Direto
(US$ bilhões)(US$ bilhões)
O MODELO DE CRESCIMENTO ESCOLHIDO – AJUDA EXTERNAO MODELO DE CRESCIMENTO ESCOLHIDO – AJUDA EXTERNA
CENÁRIO ECONÔMICOCENÁRIO ECONÔMICO
2,63%
2,94%
5,72%
6,73%
5,37%
0,84%
1,72%
2,65%
4,09%
1970
1972
1974
1976
1978
1980
1982
1984
1986
1988
1990
1992
1994
1996
1998
2000
2002
2004
2006
2008
Fonte: Unctad
Participação do Brasil no fluxo mundial de IEDParticipação do Brasil no fluxo mundial de IED
O MODELO DE CRESCIMENTO ESCOLHIDO – AJUDA EXTERNAO MODELO DE CRESCIMENTO ESCOLHIDO – AJUDA EXTERNA
MoratóriaMoratória
PrivatizaçõesPrivatizações
MédiaMédia
Podemos contar com o investimentoPodemos contar com o investimento
direto mas, não em magnitudedireto mas, não em magnitude
CENÁRIO ECONÔMICOCENÁRIO ECONÔMICO
24.6 25.7
30.9
40.8
45.0 45.7
49.4
62.3
67.3
78.6
99.1
2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 2019 2020
Fonte: BCB
O volume de créditoO volume de crédito
aumentou 8% ao anoaumentou 8% ao ano
(2 vezes o PIB).(2 vezes o PIB).
O MODELO DE CRESCIMENTO ESCOLHIDO – CRÉDITOO MODELO DE CRESCIMENTO ESCOLHIDO – CRÉDITO
É possível manter esseÉ possível manter esse
ritmo de expansão?ritmo de expansão?
Crédito / PIBCrédito / PIB
(%)(%)
R$ 612 biR$ 612 bi
R$ 1,52 trilhãoR$ 1,52 trilhão
R$ 5,3 trilhõesR$ 5,3 trilhões
114
365
2003-2010 2011-2020
Evolução do créditoEvolução do crédito
(R$ bilhões média ano)(R$ bilhões média ano)
??
CENÁRIO ECONÔMICOCENÁRIO ECONÔMICO
Fonte: PNAD2008.
O MODELO DE CRESCIMENTO ESCOLHIDO – CRÉDITOO MODELO DE CRESCIMENTO ESCOLHIDO – CRÉDITO
13.434 10.573
6.571
2.560 945
TTNT
Até R$ 830 + de 830 a
R$ 1.245
+ de 1.245 a
R$ 2.490
+ de 2.490 a
R$ 4.150
+ de 4.150 a
R$ 6.225
Mais de R$
6.225
Pessoas acima de 10 anos porPessoas acima de 10 anos por
classe de rendimentoclasse de rendimento
(em 1.000)(em 1.000)
R$ 745R$ 745
ComprometimentoComprometimento
da rendada renda
R$ 1.125R$ 1.125 R$ 1.811R$ 1.811 R$ 3.133R$ 3.133 R$ 4.778R$ 4.778 R$ 14.098R$ 14.098
 Há um elevado comprometimento da rendaHá um elevado comprometimento da renda
 reduz espaço para aumentos significativos no crédito;reduz espaço para aumentos significativos no crédito;
Baixa taxa de poupança das famíliasBaixa taxa de poupança das famílias  limita disponibilidade de recursos para investimentolimita disponibilidade de recursos para investimento
CENÁRIO ECONÔMICOCENÁRIO ECONÔMICO
11.858
1.908 1.403
112 226
PF + Auditoria +
Fiscalização
P&D Reforma Agrária INMETRO INPI
1,99 milhão de
servidores
1,1%
3,6%
5,6%
População PIB Gasto
108
158
2003 2009
O MODELO DE CRESCIMENTO ESCOLHIDO – GASTO PÚBLICOO MODELO DE CRESCIMENTO ESCOLHIDO – GASTO PÚBLICO
Fonte: Servidor.gov.br
Gasto com pessoal da União
(R$ bilhões - IPCA)
Var.% média ao ano
(entre 2003 e 2009)
1,93 milhão de
servidores
 41 contratações por dia41 contratações por dia
 Para cada 350 servidoresPara cada 350 servidores
contratados em 6 anos, apenas 1 foicontratados em 6 anos, apenas 1 foi
na função “Pesquisador”na função “Pesquisador”
Contratações - União
(entre 2003 e 2009)
 Em 2003, cada brasileiroEm 2003, cada brasileiro
destinava R$ 2,46/dia para sustentardestinava R$ 2,46/dia para sustentar
os gastos com pessoal.os gastos com pessoal.
 Em 2009, R$ 3,33/dia.Em 2009, R$ 3,33/dia.
CENÁRIO ECONÔMICOCENÁRIO ECONÔMICO
13.067
8.760
3.385 3.139 2.367
Auditor fiscal
do trabalho ou
da Receita
Doutor em
P&D
Técnico em
P&D - Mestre
Analista de
Reforma
Agrária
Médico 20hs
Anvisa
O MODELO DE CRESCIMENTO ESCOLHIDO – GASTO PÚBLICOO MODELO DE CRESCIMENTO ESCOLHIDO – GASTO PÚBLICO
Fonte: Servidor.gov.br
 Para cada pesquisador no governo, háPara cada pesquisador no governo, há
outrosoutros 4,54,5 na atividade de Reforma ena atividade de Reforma e
Desenvolvimento agrário.Desenvolvimento agrário.
 Há mais “anistiados políticos” que aHá mais “anistiados políticos” que a
soma das pessoas que trabalham nosoma das pessoas que trabalham no
INMETRO e INPIINMETRO e INPI
Trabalhadores na União por função
425
935
901
1.377
2.042
6.140
6.762
DACTA
INPI
INMETRO
Pesquisadores
Anistiados
Reforma agrária
Meio Ambiente
e IBAMA
 Salário de auditorSalário de auditor  50% maior que um50% maior que um
doutor pesquisador.doutor pesquisador.
Um analista de reforma agrária ganhaUm analista de reforma agrária ganha
30% mais que um médico30% mais que um médico
Salário em início de carreira
(R$/mês)
CENÁRIO ECONÔMICOCENÁRIO ECONÔMICO
PRINCIPAIS QUESTÕES ATUAIS SOBRE A ECONOMIAPRINCIPAIS QUESTÕES ATUAIS SOBRE A ECONOMIA
1.1. Há risco de nova queda na atividade econômica mundial?Há risco de nova queda na atividade econômica mundial?
 O cenário é difuso, com os emergentes apresentando melhor dinâmicaO cenário é difuso, com os emergentes apresentando melhor dinâmica
2.2. O Brasil pode crescer 5% ao ano?O Brasil pode crescer 5% ao ano?
 Estaríamos mais próximos de uma “acomodação” na demanda mundialEstaríamos mais próximos de uma “acomodação” na demanda mundial
 Sim, desde que:Sim, desde que:
O cenário externo seja “benigno”O cenário externo seja “benigno”
O crédito continue a avançar na mesma velocidadeO crédito continue a avançar na mesma velocidade
O governo continue a elevar os “gastos correntes”O governo continue a elevar os “gastos correntes”  pessoal e encargospessoal e encargos
3.3. E como fica a infraestrutura?E como fica a infraestrutura?
CENÁRIO ECONÔMICOCENÁRIO ECONÔMICO
-
1.000
2.000
3.000
4.000
5.000
6.000
7.000
- 5.000 10.000 15.000 20.000 25.000 30.000
US$[2000]/habitantes
kWh/habitantes
Brasil 2009
Brasil 2019
Chile
Argentina
Portugal
Grécia
Espanha
Itália
França
Alemanha
Reino Unido
Serão necessáriosSerão necessários
investimentos parainvestimentos para
construir 3,5 usinas doconstruir 3,5 usinas do
tamanho de Belo Monte.tamanho de Belo Monte.
A NECESSIDADE DE INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURAA NECESSIDADE DE INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA
Fonte: EPE/MME
Consumo per capita de eletricidade versus PIB per capitaConsumo per capita de eletricidade versus PIB per capita
 Deve custar entre R$Deve custar entre R$
20 e R$ 30 bilhões.20 e R$ 30 bilhões.
 Será a 2ª maior usinaSerá a 2ª maior usina
do Brasil.do Brasil.
Usina de Belo MonteUsina de Belo Monte
 Pelo menos 5 anosPelo menos 5 anos
para entrar empara entrar em
funcionamento.funcionamento.
CENÁRIO ECONÔMICOCENÁRIO ECONÔMICO
276
13,544
21,798
mil km mil veíc. mil hab.
1980
1981
1982
1983
1984
1985
1986
1987
1988
1989
1990
1991
1992
1993
1994
1995
1996
1997
1998
1999
2000
2001
2002
2003
2004
2005
2006
2007
2008
A NECESSIDADE DE INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURAA NECESSIDADE DE INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA
Fonte: ANTT. *considera o nº total de veículos automotores e a população acima de 20 anos.
Evolução hab/veículos*Evolução hab/veículos*
5,5
6,3
3,1
2,2
618
8,555
18,428
mil km mil veíc. mil hab.
Adicional na décadaAdicional na década
Os 618 mil km queOs 618 mil km que
foram asfaltadosforam asfaltados
conseguiram manterconseguiram manter
a relação veic/km ema relação veic/km em
13,513,5
59,659,6
milhões demilhões de
hab. e 10,8hab. e 10,8
milhões demilhões de
veículosveículos
4,2
78 milhões de hab.78 milhões de hab.
e 18,4 milhões dee 18,4 milhões de
veículosveículos
Adicional na décadaAdicional na década
100 milhões de100 milhões de
hab. e 32 milhõeshab. e 32 milhões
de veículosde veículos
14
veíc/km 19,5
veíc/km
CENÁRIO ECONÔMICOCENÁRIO ECONÔMICO
276
13,544
21,798
mil km mil veíc. mil hab.
1980
1981
1982
1983
1984
1985
1986
1987
1988
1989
1990
1991
1992
1993
1994
1995
1996
1997
1998
1999
2000
2001
2002
2003
2004
2005
2006
2007
2008
A NECESSIDADE DE INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURAA NECESSIDADE DE INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA
Fonte: ANTT. *considera o nº total de veículos automotores e a população acima de 20 anos.
Evolução hab/veículos*Evolução hab/veículos*
5,5
6,3
3,1
2,2
618
8,555
18,428
mil km mil veíc. mil hab.
Adicional na décadaAdicional na década
4,2
Adicional na décadaAdicional na década
100 milhões de100 milhões de
hab. e 32 milhõeshab. e 32 milhões
de veículosde veículos
123 milhões de123 milhões de
hab. e 55 milhõeshab. e 55 milhões
de veículosde veículos
544
22,565 22,872
mil km mil veíc. mil hab.
Adicional na décadaAdicional na década
14
veíc/km 19,5
veíc/km
25
veíc/km
CENÁRIO ECONÔMICOCENÁRIO ECONÔMICO
420,680
328,763
156,962
45,629
Até 2019 Até 2029 Até 2039 Até 2049
A NECESSIDADE DE INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURAA NECESSIDADE DE INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA
Fonte: ANTT. *IBGE, evolução da população acima de 20 anos (em 1.000).
Cenário 1: Mantendo a relação 25 veíc/kmCenário 1: Mantendo a relação 25 veíc/km
Total de km a serem construídosTotal de km a serem construídos
(considera apenas o crescimento da população)(considera apenas o crescimento da população)
Com R$ 500
mil o custo/km
 R$ 21 bi/anoR$ 21 bi/ano
 R$ 16,4 bi/anoR$ 16,4 bi/ano
 R$ 7,8 bi/anoR$ 7,8 bi/ano
 R$ 2,3 bi/anoR$ 2,3 bi/ano
21,264
18,462
8,814
2,562
Até 2019 Até 2029 Até 2039 Até 2049
População adicionalPopulação adicional
projetada*projetada*
CENÁRIO ECONÔMICOCENÁRIO ECONÔMICO
420,680
328,763
156,962
45,629
Até 2019 Até 2029 Até 2039 Até 2049
A NECESSIDADE DE INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURAA NECESSIDADE DE INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA
Cenário 1: Mantendo a relação 25 veíc/kmCenário 1: Mantendo a relação 25 veíc/km
Cenário 2: Reduzindo lentamente essa relação para 16 veíc/km até 2027Cenário 2: Reduzindo lentamente essa relação para 16 veíc/km até 2027
1,158,667 1,229,304
244,565
71,095
 R$ 21 bi/anoR$ 21 bi/ano
 R$ 16,4 bi/anoR$ 16,4 bi/ano
 R$ 7,8 bi/anoR$ 7,8 bi/ano
 R$ 2,3 bi/anoR$ 2,3 bi/ano
Com R$ 500
mil o custo/km
 R$ 58 bi/anoR$ 58 bi/ano
 R$ 61 bi/anoR$ 61 bi/ano
 R$ 12 bi/anoR$ 12 bi/ano
 R$ 3,6 bi/anoR$ 3,6 bi/ano
Total de km a serem construídosTotal de km a serem construídos
(considera apenas o crescimento da população)(considera apenas o crescimento da população)
Fonte: ANTT. *IBGE, evolução da população acima de 20 anos (em 1.000).
21,264
18,462
8,814
2,562
Até 2019 Até 2029 Até 2039 Até 2049
População adicionalPopulação adicional
projetada*projetada*
CENÁRIO ECONÔMICOCENÁRIO ECONÔMICO
4.4%
10.3%
3.5%
1.2%
9.0%
Nº de vôos Nº de
passageiros
PIB Pop pass/pop
A NECESSIDADE DE INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURAA NECESSIDADE DE INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA
Fonte: Infraero
Evolução % média/anoEvolução % média/ano
(2003-2009)(2003-2009)  Em 2003, 35,6 milhões de pessoasEm 2003, 35,6 milhões de pessoas
viajaram (2 em cada 10 habitantes)viajaram (2 em cada 10 habitantes)
 Em 2009, 64 milhões (3,3 emEm 2009, 64 milhões (3,3 em
cada 10).cada 10).
 Em 2003, foram 882 mil vôos no BrasilEm 2003, foram 882 mil vôos no Brasil
 100/hora100/hora
 Em 2009, 1,1 milhão de vôosEm 2009, 1,1 milhão de vôos
 130/hora130/hora
 Necessidade de abrir novas rotasNecessidade de abrir novas rotas
 Aquisição de mais aeronavesAquisição de mais aeronaves
 Contratação de pessoal qualificadoContratação de pessoal qualificado
 Investimento em tecnologia deInvestimento em tecnologia de
controle do espaço aéreocontrole do espaço aéreo
 Aumentar a capacidade dosAumentar a capacidade dos
aeroportosaeroportos
ImplicaçõesImplicações
 4,7 milhões de passageiros4,7 milhões de passageiros
novos/anonovos/ano
CENÁRIO ECONÔMICOCENÁRIO ECONÔMICO
0.48 0.33 0.11
(0.11)
Até 2019 Até 2029 Até 2039 Até 2049
A NECESSIDADE DE INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURAA NECESSIDADE DE INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA
Fonte: Infraero. *IBGE, evolução da população acima de 20 anos (em 1.000).
21,264
18,462
8,814
2,562
Até 2019 Até 2029 Até 2039 Até 2049
População adicionalPopulação adicional
projetada*projetada*Adicional de passageiros/anoAdicional de passageiros/ano
(em milhões)(em milhões)
Será necessário construir 1Será necessário construir 1
aeroporto como o de Belém aaeroporto como o de Belém a
cada 2 anoscada 2 anos
Cenário 1: mantém a atual relação passageiros/populaçãoCenário 1: mantém a atual relação passageiros/população
CENÁRIO ECONÔMICOCENÁRIO ECONÔMICO
0.48 0.33 0.11
(0.11)
Até 2019 Até 2029 Até 2039 Até 2049
A NECESSIDADE DE INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURAA NECESSIDADE DE INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA
Fonte: Infraero. *IBGE, evolução da população acima de 20 anos (em 1.000).
21,264
18,462
8,814
2,562
Até 2019 Até 2029 Até 2039 Até 2049
População adicionalPopulação adicional
projetada*projetada*Adicional de passageiros/anoAdicional de passageiros/ano
(em milhões)(em milhões)
Cenário 1: mantém a atual relação passageiros/populaçãoCenário 1: mantém a atual relação passageiros/população
Cenário 2: aumenta essa relação em 5% ao ano até 2023.Cenário 2: aumenta essa relação em 5% ao ano até 2023.
Será necessário construir 1Será necessário construir 1
aeroporto/ano como o do Galeãoaeroporto/ano como o do Galeão
no Riono Rio
Custo de um aeroporto
 R$ 500 milhões
Projeção de investimento/anoProjeção de investimento/ano
(R$ milhões)(R$ milhões)
4.82
3.07
0.22
(0.21)
Cenário 1 Cenário 2
Até 2019 500 4,970
Até 2029 337 3,163
Até 2039 117 231
Até 2049 (111) (219)
CENÁRIO ECONÔMICOCENÁRIO ECONÔMICO
PRINCIPAIS QUESTÕES ATUAIS SOBRE A ECONOMIAPRINCIPAIS QUESTÕES ATUAIS SOBRE A ECONOMIA
1.1. Há risco de nova queda na atividade econômica mundial?Há risco de nova queda na atividade econômica mundial?
 O cenário é difuso, com os emergentes apresentando melhor dinâmicaO cenário é difuso, com os emergentes apresentando melhor dinâmica
2.2. O Brasil pode crescer 5% ao ano?O Brasil pode crescer 5% ao ano?
 Estaríamos mais próximos de uma “acomodação” na demanda mundialEstaríamos mais próximos de uma “acomodação” na demanda mundial
 Sim, desde que:Sim, desde que:
O cenário externo seja “benigno”O cenário externo seja “benigno”
O crédito continue a avançar na mesma velocidadeO crédito continue a avançar na mesma velocidade
O governo continue a elevar os “gastos correntes”O governo continue a elevar os “gastos correntes”  pessoal e encargospessoal e encargos
3.3. E como fica a infraestrutura?E como fica a infraestrutura?
 Teríamos diversos “gargalos” logísticos e de produçãoTeríamos diversos “gargalos” logísticos e de produção
 Os investimentos necessários vão de R$ 27,5 bi/ano a R$ 69 bilhões/anoOs investimentos necessários vão de R$ 27,5 bi/ano a R$ 69 bilhões/ano
CENÁRIO ECONÔMICOCENÁRIO ECONÔMICO
PRINCIPAIS QUESTÕES ATUAIS SOBRE A ECONOMIAPRINCIPAIS QUESTÕES ATUAIS SOBRE A ECONOMIA
4.4. De onde virão os recursos?De onde virão os recursos?
CENÁRIO ECONÔMICOCENÁRIO ECONÔMICO
8
13
18
23
28
33
38
8 13 18 23 28 33 38
Poupança/PIB
Investimento/PIB
O nível de poupançaO nível de poupança
do Brasil nãodo Brasil não
sustenta osustenta o
crescimento atualcrescimento atual
BrasilBrasil
CanadáCanadá
Reino UnidoReino Unido
EUAEUA
FrançaFrança
Coréia do SulCoréia do Sul
AlemanhaAlemanha
JapãoJapão
ChinaChina
Poupamos ePoupamos e
investimos comoinvestimos como
um paísum país
desenvolvidodesenvolvido
DE ONDE VIRÃO OS RECURSOS?DE ONDE VIRÃO OS RECURSOS?
Poupança e investimento/PIBPoupança e investimento/PIB
(Vários países)(Vários países)
África do SulÁfrica do Sul
EstôniaEstônia
RússiaRússia
IndonésiaIndonésia
CENÁRIO ECONÔMICOCENÁRIO ECONÔMICO
DE ONDE VIRÃO OS RECURSOS?DE ONDE VIRÃO OS RECURSOS?
Poupança e investimento/PIBPoupança e investimento/PIB
(Brasil)(Brasil)
14%
15%
16%
17%
18%
19%
20%
21%
22%
23%
13% 14% 15% 16% 17% 18% 19%
Poupança/PIB
Investimento/PIB
20042004
20002000
20082008
Poupança = 22% do PIBPoupança = 22% do PIB
Investimento = 23% do PIBInvestimento = 23% do PIB
Aumentar o nível deAumentar o nível de
investimento em 4investimento em 4
p.pp.p  23% do PIB23% do PIB
implica emimplica em
“encontrar” R$ 2,2“encontrar” R$ 2,2
trilhões nostrilhões nos
próximos 10 anospróximos 10 anos
CENÁRIO ECONÔMICOCENÁRIO ECONÔMICO
PRINCIPAIS QUESTÕES ATUAIS SOBRE A ECONOMIAPRINCIPAIS QUESTÕES ATUAIS SOBRE A ECONOMIA
4.4. De onde virão os recursos?De onde virão os recursos?
 O Brasil não tem uma taxa de poupança que seja compatível com os investimentosO Brasil não tem uma taxa de poupança que seja compatível com os investimentos
necessários para crescer 5% ao anonecessários para crescer 5% ao ano
5.5. Como o mundo vê o Brasil?Como o mundo vê o Brasil?
 Precisamos de investimento estrangeiro para financiar o crescimentoPrecisamos de investimento estrangeiro para financiar o crescimento
CENÁRIO ECONÔMICOCENÁRIO ECONÔMICO
TEMOS BAIXA COMPETITIVIDADE EM VÁRIOS INDICADORESTEMOS BAIXA COMPETITIVIDADE EM VÁRIOS INDICADORES
World Economic Forum
IMD
World Bank
Heritage
Transparency
International
United Nations
Development Programme
Mastercard
OECD
•Global CompetitivenessGlobal Competitiveness
IndexIndex
•Overall CompetitivenessOverall Competitiveness
RankingRanking
•Ease of Doing BusinessEase of Doing Business
IndexIndex
•Index of EconomicIndex of Economic
FreedomFreedom
•Corruption PerceptionCorruption Perception
IndexIndex
•Human DevelopmentHuman Development
IndexIndex
•Worldwide Centers ofWorldwide Centers of
Commerce IndexCommerce Index
•Programme for InternationalProgramme for International
Student Assessment (PISA)Student Assessment (PISA)
64 (134)64 (134)
43 (55)43 (55)
43 (55)43 (55)
97 (157)97 (157)
80 (180)80 (180)
70 (177)70 (177)
56 (75)56 (75)
52 (57)52 (57)
InstituiçãoInstituição ÍndiceÍndice Posição do BrasilPosição do Brasil PerformancePerformance
Fonte: World Economic Forum/2010
CENÁRIO ECONÔMICOCENÁRIO ECONÔMICO
ÍNDICE DE COMPETITIVIDADE GLOBAL - BRASILÍNDICE DE COMPETITIVIDADE GLOBAL - BRASIL
 Cooperação nasCooperação nas
relações empregado-relações empregado-
empregador:empregador: 87º87º..
Flexibilidade naFlexibilidade na
determinação dedeterminação de
salários:salários: 110º110º..
Rigidez doRigidez do
emprego:emprego: 96º96º..
Práticas dePráticas de
contratação econtratação e
demissão:demissão: 118º118º
Eficiência do mercadoEficiência do mercado
de trabalhode trabalho
 CapacidadeCapacidade
para inovação:para inovação: 28º28º..
Incentivos doIncentivos do
governo para agoverno para a
produção deprodução de
tecnologiastecnologias
avançadas:avançadas: 60º60º..
DisponibilidadeDisponibilidade
de cientistas ede cientistas e
engenheiros:engenheiros: 60º60º..
Utilidade dasUtilidade das
patentes:patentes: 59º59º
InovaçãoInovação
 Qualidade deQualidade de
infraestruturainfraestrutura
geral:geral: 81º81º..
Qualidade dasQualidade das
estradas:estradas: 106º106º..
Qualidade deQualidade de
infraestruturainfraestrutura
ferroviária:ferroviária: 86º86º..
Qualidade daQualidade da
infraestrutura dosinfraestrutura dos
portos:portos: 127º127º..
Qualidade daQualidade da
infraestrutura doinfraestrutura do
transporte aéreo:transporte aéreo:
89º89º..
Qualidade doQualidade do
oferta de energiaoferta de energia
elétrica:elétrica: 55º55º..
Educação e treinamentoEducação e treinamento
de qualidadede qualidade
InfraestruturaInfraestrutura
Qualidade do sistemaQualidade do sistema
educacional:educacional: 103º103º..
Qualidade no ensino deQualidade no ensino de
matemática e ciências:matemática e ciências:
123º123º..
Qualidade de gestãoQualidade de gestão
escolar:escolar: 66º66º..
Fonte: World Economic Forum/2010
CENÁRIO ECONÔMICOCENÁRIO ECONÔMICO
PRINCIPAIS QUESTÕES ATUAIS SOBRE A ECONOMIAPRINCIPAIS QUESTÕES ATUAIS SOBRE A ECONOMIA
4.4. De onde virão os recursos?De onde virão os recursos?
 O Brasil não tem uma taxa de poupança que seja compatível com os investimentosO Brasil não tem uma taxa de poupança que seja compatível com os investimentos
necessários para crescer 5% ao anonecessários para crescer 5% ao ano
 Precisamos de investimento estrangeiro para financiar o crescimentoPrecisamos de investimento estrangeiro para financiar o crescimento
 O Brasil é muito mal classificado pelas instituições internacionaisO Brasil é muito mal classificado pelas instituições internacionais
 Esse cenário é distinto do discurso “bola da vez”Esse cenário é distinto do discurso “bola da vez”
O investidor pode estar interessado em investir em ativos, ganhar retornos eO investidor pode estar interessado em investir em ativos, ganhar retornos e
sair, e não em construir plataforma de “exportação”.sair, e não em construir plataforma de “exportação”.
5.5. Como o mundo vê o Brasil?Como o mundo vê o Brasil?
6.6. E o mercado interno?E o mercado interno?
CENÁRIO ECONÔMICOCENÁRIO ECONÔMICO
Como aproveitar o Bônus
Demográfico?
Investimento em educação
e infraestrutura.
Gerando empregos de
qualidade e
aumentando a
capacidade produtiva
64%
71%
67%
58%
1980
1983
1986
1989
1992
1995
1998
2001
2004
2007
2010
2013
2016
2019
2022
2025
2028
2031
2034
2037
2040
2043
2046
2049
73%
49%
45%
56%
TEMOS UMA IMPORTANTE “JANELA” DE OPORTUNIDADE - BRASILTEMOS UMA IMPORTANTE “JANELA” DE OPORTUNIDADE - BRASIL
 Porém, o envelhecimentoPorém, o envelhecimento
da população será rápido, eda população será rápido, e
demandará desafios como ademandará desafios como a
reforma na previdência.reforma na previdência.
População Potencialmente Ativa (PPA)
versus
Razão de Dependência (RD)
RD (jovens+idosos)/PPA
 A evolução demográfica éA evolução demográfica é
um forte indicativo de que oum forte indicativo de que o
mercado interno podemercado interno pode
continuar “puxando” ocontinuar “puxando” o
crescimento na próximacrescimento na próxima
década;década;
Fonte: IBGE.
Haverá mais pessoas emHaverá mais pessoas em
idade produtiva queidade produtiva que
idosos e crianças.idosos e crianças.
PPA (15-64 anos)
2023
CENÁRIO ECONÔMICOCENÁRIO ECONÔMICO
PRINCIPAIS QUESTÕES ATUAIS SOBRE A ECONOMIAPRINCIPAIS QUESTÕES ATUAIS SOBRE A ECONOMIA
4.4. De onde virão os recursos?De onde virão os recursos?
 O Brasil não tem uma taxa de poupança que seja compatível com os investimentosO Brasil não tem uma taxa de poupança que seja compatível com os investimentos
necessários para crescer 5% ao anonecessários para crescer 5% ao ano
 Precisamos de investimento estrangeiro para financiar o crescimentoPrecisamos de investimento estrangeiro para financiar o crescimento
 O Brasil é muito mal classificado pelas instituições internacionaisO Brasil é muito mal classificado pelas instituições internacionais
 Esse cenário é distinto do discurso “bola da vez”Esse cenário é distinto do discurso “bola da vez”
O investidor pode estar interessado em investir em ativos, ganhar retornos eO investidor pode estar interessado em investir em ativos, ganhar retornos e
sair, e não em construir plataforma de “exportação”.sair, e não em construir plataforma de “exportação”.
5.5. Como o mundo vê o Brasil?Como o mundo vê o Brasil?
6.6. E o mercado interno?E o mercado interno?
 Temos uma década para ficar rico, antes de envelhecerTemos uma década para ficar rico, antes de envelhecer
7.7. Como o Rio Grande do Sul se insere nesse cenário?Como o Rio Grande do Sul se insere nesse cenário?
CENÁRIO ECONÔMICOCENÁRIO ECONÔMICO
75,3
73,0
RS Brasil
1,8
1,9
RS Brasil
12,0
16,2
RS Brasil
64,0
68,7 69,1
64,4
1991
1996
2000
2001
2002
2003
2004
2005
2006
2008
2009
2010
2015
2020
2025
2030
2035
2040
56,2
45,5 44,7
55,2
O RIO GRANDE DO SUL ENVELHECERÁ MAIS RÁPIDO...O RIO GRANDE DO SUL ENVELHECERÁ MAIS RÁPIDO...
 Isso se deve, principalmente, aoIsso se deve, principalmente, ao
fato que o RS, em relação ao Brasil,fato que o RS, em relação ao Brasil,
tem:tem:
População Potencialmente Ativa (PPA)
versus
Razão de Dependência (RD)
 O “bônus demográfico” do RSO “bônus demográfico” do RS
ocorrerá muito antes do Brasil;ocorrerá muito antes do Brasil;
PPA RD
2015
Taxa bruta de natalidade
(2008 – por mil hab)
Taxa de fecundidade total
(2008 – por mulher)
Esperança de vida ao nascer
(2008 – em anos)
Fonte: IBGE/PNAD2008.
 menor taxa de natalidade;menor taxa de natalidade;
menor taxa de fecundidade;menor taxa de fecundidade;
maior esperança de vida aomaior esperança de vida ao
nascer.nascer.
CENÁRIO ECONÔMICOCENÁRIO ECONÔMICO
64,0
68,7 69,1
64,4
1991
1996
2000
2001
2002
2003
2004
2005
2006
2008
2009
2010
2015
2020
2025
2030
2035
2040
56,2
45,5 44,7
55,2
O RIO GRANDE DO SUL ENVELHECERÁ MAIS RÁPIDO...O RIO GRANDE DO SUL ENVELHECERÁ MAIS RÁPIDO...
População Potencialmente Ativa (PPA)
versus
Razão de Dependência (RD)
 O “bônus demográfico” do RSO “bônus demográfico” do RS
ocorrerá muito antes do Brasil;ocorrerá muito antes do Brasil;
PPA RD
2015
 A maior razão de dependênciaA maior razão de dependência
se deverá, principalmente, pelose deverá, principalmente, pelo
aumento da população idosa.aumento da população idosa.
Índice de Envelhecimento (IE)
(número de idosos para cada 100 crianças)
Fonte: IBGE.
ConseguiremosConseguiremos
ficar ricos antesficar ricos antes
de ficarmosde ficarmos
velhos?velhos?
 Isso se deve, principalmente, aoIsso se deve, principalmente, ao
fato que o RS, em relação ao Brasil,fato que o RS, em relação ao Brasil,
tem:tem:
 menor taxa de natalidade;menor taxa de natalidade;
menor taxa de fecundidade;menor taxa de fecundidade;
maior esperança de vida aomaior esperança de vida ao
nascer.nascer.
118 124
BR RS
34
50
BR RS
27
40
BR RS
13 19
BR RS
1991 2010 2015 2040
CENÁRIO ECONÔMICOCENÁRIO ECONÔMICO
CONSIDERAÇÕES FINAISCONSIDERAÇÕES FINAIS
 CÉNÁRIO INTERNACIONALCÉNÁRIO INTERNACIONAL
Uma nova configuração com crescimento pró-emergentes.Uma nova configuração com crescimento pró-emergentes.
Destaque: oportunidades nas exportaçõesDestaque: oportunidades nas exportações
Desafio: conciliar esse cenário com a necessidade de reformas estruturaisDesafio: conciliar esse cenário com a necessidade de reformas estruturais
 BRASILBRASIL
Temos uma “janela” de crescimento importante nos próximos anos.Temos uma “janela” de crescimento importante nos próximos anos.
Destaque: Mercado internoDestaque: Mercado interno
Desafio: redução de desigualdades, investir na qualificação da educação, reformasDesafio: redução de desigualdades, investir na qualificação da educação, reformas
estruturais, controle do gasto público, aumento da poupança e foco em tecnologiaestruturais, controle do gasto público, aumento da poupança e foco em tecnologia
 RIO GRANDE DO SULRIO GRANDE DO SUL
Pode-se aproveitar dessa “janela” de crescimento dos próximos anos.Pode-se aproveitar dessa “janela” de crescimento dos próximos anos.
Destaque: consolidação da matriz industrialDestaque: consolidação da matriz industrial  novos investimentosnovos investimentos
Desafio: ajuste das contas públicas, investimento em infra-estrutura, desafio dasDesafio: ajuste das contas públicas, investimento em infra-estrutura, desafio das
exportações e resgatar posição de destaque no cenário nacionalexportações e resgatar posição de destaque no cenário nacional

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O Mundo e o Brasil: Cenários Focalizados na Crise e Pós-Crise Econômica – um ...
O Mundo e o Brasil: Cenários Focalizados na Crise e Pós-Crise Econômica – um ...O Mundo e o Brasil: Cenários Focalizados na Crise e Pós-Crise Econômica – um ...
O Mundo e o Brasil: Cenários Focalizados na Crise e Pós-Crise Econômica – um ...Macroplan
 
Destrinchando - Dívida Pública (2017)
Destrinchando - Dívida Pública (2017)Destrinchando - Dívida Pública (2017)
Destrinchando - Dívida Pública (2017)Marcelo Soares
 
Crise Financeira e Crise Económica
Crise Financeira e Crise EconómicaCrise Financeira e Crise Económica
Crise Financeira e Crise EconómicaJosé Augusto
 
Retrato das desigualdades na Europa - 1995/2018 (concl)
Retrato das desigualdades na Europa - 1995/2018 (concl)Retrato das desigualdades na Europa - 1995/2018 (concl)
Retrato das desigualdades na Europa - 1995/2018 (concl)GRAZIA TANTA
 
Salários e impostos – sua evolução no século XXI
Salários e impostos – sua evolução no século XXISalários e impostos – sua evolução no século XXI
Salários e impostos – sua evolução no século XXIGRAZIA TANTA
 
Boletim 35 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 35 - Grupo de conjuntura econômica da UFESBoletim 35 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 35 - Grupo de conjuntura econômica da UFESeconomiaufes
 
Apresentação de 2013 - Professora Denise
Apresentação de 2013 - Professora Denise Apresentação de 2013 - Professora Denise
Apresentação de 2013 - Professora Denise cesforma
 
Minifaz Mantega O Brasil E A Crise Mundial
Minifaz  Mantega O Brasil E A Crise MundialMinifaz  Mantega O Brasil E A Crise Mundial
Minifaz Mantega O Brasil E A Crise MundialBeatriz Diniz
 
Estratégia vencer em meio a crise
Estratégia vencer em meio a criseEstratégia vencer em meio a crise
Estratégia vencer em meio a criseCarlos Rocha
 
O presidente que o brasil precisa
O presidente que o brasil precisaO presidente que o brasil precisa
O presidente que o brasil precisaFernando Alcoforado
 
Economia de Formiga MG 2017
Economia  de Formiga MG 2017 Economia  de Formiga MG 2017
Economia de Formiga MG 2017 Ranaths NEVES
 
Boletim 25 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 25 - Grupo de conjuntura econômica da UFESBoletim 25 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 25 - Grupo de conjuntura econômica da UFESeconomiaufes
 
Análise de conjuntura - O Brasil e a crise - Maio de 2009
Análise de conjuntura - O Brasil e a crise - Maio de 2009Análise de conjuntura - O Brasil e a crise - Maio de 2009
Análise de conjuntura - O Brasil e a crise - Maio de 2009Aloizio Mercadante
 

Mais procurados (17)

O Mundo e o Brasil: Cenários Focalizados na Crise e Pós-Crise Econômica – um ...
O Mundo e o Brasil: Cenários Focalizados na Crise e Pós-Crise Econômica – um ...O Mundo e o Brasil: Cenários Focalizados na Crise e Pós-Crise Econômica – um ...
O Mundo e o Brasil: Cenários Focalizados na Crise e Pós-Crise Econômica – um ...
 
Destrinchando - Dívida Pública (2017)
Destrinchando - Dívida Pública (2017)Destrinchando - Dívida Pública (2017)
Destrinchando - Dívida Pública (2017)
 
Crise Financeira e Crise Económica
Crise Financeira e Crise EconómicaCrise Financeira e Crise Económica
Crise Financeira e Crise Económica
 
Retrato das desigualdades na Europa - 1995/2018 (concl)
Retrato das desigualdades na Europa - 1995/2018 (concl)Retrato das desigualdades na Europa - 1995/2018 (concl)
Retrato das desigualdades na Europa - 1995/2018 (concl)
 
Salários e impostos – sua evolução no século XXI
Salários e impostos – sua evolução no século XXISalários e impostos – sua evolução no século XXI
Salários e impostos – sua evolução no século XXI
 
Boletim 35 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 35 - Grupo de conjuntura econômica da UFESBoletim 35 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 35 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
 
Slide - Trab. Economia Brasileira
Slide - Trab. Economia BrasileiraSlide - Trab. Economia Brasileira
Slide - Trab. Economia Brasileira
 
Apresentação de 2013 - Professora Denise
Apresentação de 2013 - Professora Denise Apresentação de 2013 - Professora Denise
Apresentação de 2013 - Professora Denise
 
Minifaz Mantega O Brasil E A Crise Mundial
Minifaz  Mantega O Brasil E A Crise MundialMinifaz  Mantega O Brasil E A Crise Mundial
Minifaz Mantega O Brasil E A Crise Mundial
 
09. panorama comex mg set2010
09. panorama   comex mg set201009. panorama   comex mg set2010
09. panorama comex mg set2010
 
Estratégia vencer em meio a crise
Estratégia vencer em meio a criseEstratégia vencer em meio a crise
Estratégia vencer em meio a crise
 
O presidente que o brasil precisa
O presidente que o brasil precisaO presidente que o brasil precisa
O presidente que o brasil precisa
 
Economia de Formiga MG 2017
Economia  de Formiga MG 2017 Economia  de Formiga MG 2017
Economia de Formiga MG 2017
 
Eco latam
Eco latamEco latam
Eco latam
 
Apresentação ministro Guido Mantega - novas medidas brasil maior
Apresentação ministro Guido Mantega - novas medidas brasil maiorApresentação ministro Guido Mantega - novas medidas brasil maior
Apresentação ministro Guido Mantega - novas medidas brasil maior
 
Boletim 25 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 25 - Grupo de conjuntura econômica da UFESBoletim 25 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 25 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
 
Análise de conjuntura - O Brasil e a crise - Maio de 2009
Análise de conjuntura - O Brasil e a crise - Maio de 2009Análise de conjuntura - O Brasil e a crise - Maio de 2009
Análise de conjuntura - O Brasil e a crise - Maio de 2009
 

Semelhante a Cenário Econômico - Desafios Brasil e Rio Grande do Sul

Gustavoloyola 100525082203-phpapp02
Gustavoloyola 100525082203-phpapp02Gustavoloyola 100525082203-phpapp02
Gustavoloyola 100525082203-phpapp02arianh
 
Apresentação sobre Reforma Tributária - Ministério da Fazenda
Apresentação sobre Reforma Tributária - Ministério da FazendaApresentação sobre Reforma Tributária - Ministério da Fazenda
Apresentação sobre Reforma Tributária - Ministério da FazendaRoberto Dias Duarte
 
Momento Atual III
Momento Atual IIIMomento Atual III
Momento Atual IIIWORKRESULT
 
Cenários econômicos Brasil 2016
Cenários econômicos Brasil 2016Cenários econômicos Brasil 2016
Cenários econômicos Brasil 2016Wagner Gonsalez
 
Apresentação igor
Apresentação igorApresentação igor
Apresentação igorIgor Morais
 
Apresentação Setrans Pernambuco 2011
Apresentação Setrans Pernambuco 2011Apresentação Setrans Pernambuco 2011
Apresentação Setrans Pernambuco 2011pontodepauta.com.br
 
IX Fórum Nacional de Seguro de Vida e Previdência Privada - Marcos Lisboa
IX Fórum Nacional de Seguro de Vida e Previdência Privada - Marcos LisboaIX Fórum Nacional de Seguro de Vida e Previdência Privada - Marcos Lisboa
IX Fórum Nacional de Seguro de Vida e Previdência Privada - Marcos LisboaCNseg
 
PR - 2012 - kpmg - cenário econômico: perspectivas e oportunidades para o brasil
PR - 2012 - kpmg - cenário econômico: perspectivas e oportunidades para o brasilPR - 2012 - kpmg - cenário econômico: perspectivas e oportunidades para o brasil
PR - 2012 - kpmg - cenário econômico: perspectivas e oportunidades para o brasilDelta Economics & Finance
 
De salvador-à-grécia-o-sistema-da-dívida-pública-salvador-24.11.2015
De salvador-à-grécia-o-sistema-da-dívida-pública-salvador-24.11.2015De salvador-à-grécia-o-sistema-da-dívida-pública-salvador-24.11.2015
De salvador-à-grécia-o-sistema-da-dívida-pública-salvador-24.11.2015Daniel Pousa
 
reforma-da-previdencia-19.05.2019
 reforma-da-previdencia-19.05.2019 reforma-da-previdencia-19.05.2019
reforma-da-previdencia-19.05.2019Pablo Mereles
 
Gb2011 mailson nóbrega_tendênciasconsultoria
Gb2011 mailson nóbrega_tendênciasconsultoriaGb2011 mailson nóbrega_tendênciasconsultoria
Gb2011 mailson nóbrega_tendênciasconsultoriaGalvabrasil
 
Apresentação do Prof Alberto Borges Matias
Apresentação do Prof Alberto Borges Matias Apresentação do Prof Alberto Borges Matias
Apresentação do Prof Alberto Borges Matias GrupoSimus Simus
 
Carta de Conjuntura - Janeiro de 2015 - Da crise financeira ao “novo normal”
Carta de Conjuntura - Janeiro de 2015 - Da crise financeira ao “novo normal”Carta de Conjuntura - Janeiro de 2015 - Da crise financeira ao “novo normal”
Carta de Conjuntura - Janeiro de 2015 - Da crise financeira ao “novo normal”Fundação de Economia e Estatística
 
FGV / IBRE - Anatomia da Desaceleração Recente da Economia
FGV / IBRE - Anatomia da Desaceleração Recente da EconomiaFGV / IBRE - Anatomia da Desaceleração Recente da Economia
FGV / IBRE - Anatomia da Desaceleração Recente da EconomiaFGV | Fundação Getulio Vargas
 

Semelhante a Cenário Econômico - Desafios Brasil e Rio Grande do Sul (20)

Gustavoloyola 100525082203-phpapp02
Gustavoloyola 100525082203-phpapp02Gustavoloyola 100525082203-phpapp02
Gustavoloyola 100525082203-phpapp02
 
Apresentação Seminário Economia
Apresentação Seminário EconomiaApresentação Seminário Economia
Apresentação Seminário Economia
 
2016: O ano da recuperação?
2016: O ano da recuperação? 2016: O ano da recuperação?
2016: O ano da recuperação?
 
FEBRAFAR Abr09
FEBRAFAR Abr09FEBRAFAR Abr09
FEBRAFAR Abr09
 
Apresentação sobre Reforma Tributária - Ministério da Fazenda
Apresentação sobre Reforma Tributária - Ministério da FazendaApresentação sobre Reforma Tributária - Ministério da Fazenda
Apresentação sobre Reforma Tributária - Ministério da Fazenda
 
Momento Atual III
Momento Atual IIIMomento Atual III
Momento Atual III
 
Cenários econômicos Brasil 2016
Cenários econômicos Brasil 2016Cenários econômicos Brasil 2016
Cenários econômicos Brasil 2016
 
Apresentação igor
Apresentação igorApresentação igor
Apresentação igor
 
Conjuntura economica fernandoferrari
Conjuntura economica fernandoferrariConjuntura economica fernandoferrari
Conjuntura economica fernandoferrari
 
Apresentação Setrans Pernambuco 2011
Apresentação Setrans Pernambuco 2011Apresentação Setrans Pernambuco 2011
Apresentação Setrans Pernambuco 2011
 
IX Fórum Nacional de Seguro de Vida e Previdência Privada - Marcos Lisboa
IX Fórum Nacional de Seguro de Vida e Previdência Privada - Marcos LisboaIX Fórum Nacional de Seguro de Vida e Previdência Privada - Marcos Lisboa
IX Fórum Nacional de Seguro de Vida e Previdência Privada - Marcos Lisboa
 
PR - 2012 - kpmg - cenário econômico: perspectivas e oportunidades para o brasil
PR - 2012 - kpmg - cenário econômico: perspectivas e oportunidades para o brasilPR - 2012 - kpmg - cenário econômico: perspectivas e oportunidades para o brasil
PR - 2012 - kpmg - cenário econômico: perspectivas e oportunidades para o brasil
 
De salvador-à-grécia-o-sistema-da-dívida-pública-salvador-24.11.2015
De salvador-à-grécia-o-sistema-da-dívida-pública-salvador-24.11.2015De salvador-à-grécia-o-sistema-da-dívida-pública-salvador-24.11.2015
De salvador-à-grécia-o-sistema-da-dívida-pública-salvador-24.11.2015
 
reforma-da-previdencia-19.05.2019
 reforma-da-previdencia-19.05.2019 reforma-da-previdencia-19.05.2019
reforma-da-previdencia-19.05.2019
 
Gb2011 mailson nóbrega_tendênciasconsultoria
Gb2011 mailson nóbrega_tendênciasconsultoriaGb2011 mailson nóbrega_tendênciasconsultoria
Gb2011 mailson nóbrega_tendênciasconsultoria
 
Apresentação do Prof Alberto Borges Matias
Apresentação do Prof Alberto Borges Matias Apresentação do Prof Alberto Borges Matias
Apresentação do Prof Alberto Borges Matias
 
Carta de Conjuntura - Janeiro de 2015 - Da crise financeira ao “novo normal”
Carta de Conjuntura - Janeiro de 2015 - Da crise financeira ao “novo normal”Carta de Conjuntura - Janeiro de 2015 - Da crise financeira ao “novo normal”
Carta de Conjuntura - Janeiro de 2015 - Da crise financeira ao “novo normal”
 
ME.pptx
ME.pptxME.pptx
ME.pptx
 
FGV / IBRE - Anatomia da Desaceleração Recente da Economia
FGV / IBRE - Anatomia da Desaceleração Recente da EconomiaFGV / IBRE - Anatomia da Desaceleração Recente da Economia
FGV / IBRE - Anatomia da Desaceleração Recente da Economia
 
Panorama economico
Panorama economicoPanorama economico
Panorama economico
 

Mais de Igor Morais

criptomoeda setembro 2018
criptomoeda setembro 2018criptomoeda setembro 2018
criptomoeda setembro 2018Igor Morais
 
criptomoeda - agosto 2018
criptomoeda - agosto 2018criptomoeda - agosto 2018
criptomoeda - agosto 2018Igor Morais
 
criptomoeda - julho de 2018
criptomoeda - julho de 2018criptomoeda - julho de 2018
criptomoeda - julho de 2018Igor Morais
 
criptomoeda - junho de 2018
criptomoeda - junho de 2018criptomoeda - junho de 2018
criptomoeda - junho de 2018Igor Morais
 
criptomoeda - maio de 2018
criptomoeda - maio de 2018criptomoeda - maio de 2018
criptomoeda - maio de 2018Igor Morais
 
criptomoeda_0418
criptomoeda_0418criptomoeda_0418
criptomoeda_0418Igor Morais
 
A economia brasileira em 2015
A economia brasileira em 2015A economia brasileira em 2015
A economia brasileira em 2015Igor Morais
 
Sinborsul sinmetal
Sinborsul sinmetalSinborsul sinmetal
Sinborsul sinmetalIgor Morais
 
Indústria do Rio Grande do Sul: morte anunciada?
Indústria do Rio Grande do Sul: morte anunciada?Indústria do Rio Grande do Sul: morte anunciada?
Indústria do Rio Grande do Sul: morte anunciada?Igor Morais
 
Desafios Brasil e Rio Grande do Sul
Desafios Brasil e Rio Grande do SulDesafios Brasil e Rio Grande do Sul
Desafios Brasil e Rio Grande do SulIgor Morais
 
O que você faria se fosse Presidente por um dia?
O que você faria se fosse Presidente por um dia?O que você faria se fosse Presidente por um dia?
O que você faria se fosse Presidente por um dia?Igor Morais
 
A economia Brasileira em ano de Copa e Eleições
A economia Brasileira em ano de Copa e EleiçõesA economia Brasileira em ano de Copa e Eleições
A economia Brasileira em ano de Copa e EleiçõesIgor Morais
 

Mais de Igor Morais (19)

criptomoeda setembro 2018
criptomoeda setembro 2018criptomoeda setembro 2018
criptomoeda setembro 2018
 
criptomoeda - agosto 2018
criptomoeda - agosto 2018criptomoeda - agosto 2018
criptomoeda - agosto 2018
 
criptomoeda - julho de 2018
criptomoeda - julho de 2018criptomoeda - julho de 2018
criptomoeda - julho de 2018
 
criptomoeda - junho de 2018
criptomoeda - junho de 2018criptomoeda - junho de 2018
criptomoeda - junho de 2018
 
criptomoeda - maio de 2018
criptomoeda - maio de 2018criptomoeda - maio de 2018
criptomoeda - maio de 2018
 
criptomoeda_0418
criptomoeda_0418criptomoeda_0418
criptomoeda_0418
 
Sinborsul2019
Sinborsul2019Sinborsul2019
Sinborsul2019
 
Blockchain
BlockchainBlockchain
Blockchain
 
Ai 20018
Ai 20018Ai 20018
Ai 20018
 
Sinplast2015
Sinplast2015Sinplast2015
Sinplast2015
 
A economia brasileira em 2015
A economia brasileira em 2015A economia brasileira em 2015
A economia brasileira em 2015
 
RS: e agora?
RS: e agora?RS: e agora?
RS: e agora?
 
Igor ciee
Igor cieeIgor ciee
Igor ciee
 
Sinborsul sinmetal
Sinborsul sinmetalSinborsul sinmetal
Sinborsul sinmetal
 
Capitulo 1
Capitulo 1Capitulo 1
Capitulo 1
 
Indústria do Rio Grande do Sul: morte anunciada?
Indústria do Rio Grande do Sul: morte anunciada?Indústria do Rio Grande do Sul: morte anunciada?
Indústria do Rio Grande do Sul: morte anunciada?
 
Desafios Brasil e Rio Grande do Sul
Desafios Brasil e Rio Grande do SulDesafios Brasil e Rio Grande do Sul
Desafios Brasil e Rio Grande do Sul
 
O que você faria se fosse Presidente por um dia?
O que você faria se fosse Presidente por um dia?O que você faria se fosse Presidente por um dia?
O que você faria se fosse Presidente por um dia?
 
A economia Brasileira em ano de Copa e Eleições
A economia Brasileira em ano de Copa e EleiçõesA economia Brasileira em ano de Copa e Eleições
A economia Brasileira em ano de Copa e Eleições
 

Cenário Econômico - Desafios Brasil e Rio Grande do Sul

  • 1. CENÁRIO ECONÔMICOCENÁRIO ECONÔMICO CENÁRIO ECONÔMICOCENÁRIO ECONÔMICO Economista: Igor MoraisEconomista: Igor Morais
  • 2. CENÁRIO ECONÔMICOCENÁRIO ECONÔMICO PRINCIPAIS QUESTÕES ATUAIS SOBRE A ECONOMIAPRINCIPAIS QUESTÕES ATUAIS SOBRE A ECONOMIA 1.1. Há risco de nova queda na atividade econômica mundial?Há risco de nova queda na atividade econômica mundial?
  • 3. CENÁRIO ECONÔMICOCENÁRIO ECONÔMICO HÁ RISCO DE NOVA QUEDA NA ATIVIDADE ECONÔMICA MUNDIAL?HÁ RISCO DE NOVA QUEDA NA ATIVIDADE ECONÔMICA MUNDIAL? 100100 Ponto máximoPonto máximo de produçãode produção (pico)(pico) Ponto mínimoPonto mínimo de produçãode produção (vale)(vale) Gostaríamos de poderGostaríamos de poder antecipar essesantecipar esses pontos, conhecidospontos, conhecidos como:como: turning pointsturning points.. Indicadores AntecedentesIndicadores Antecedentes (CLI – composite leading indicators)(CLI – composite leading indicators)
  • 4. CENÁRIO ECONÔMICOCENÁRIO ECONÔMICO HÁ RISCO DE NOVA QUEDA NA ATIVIDADE ECONÔMICA MUNDIAL?HÁ RISCO DE NOVA QUEDA NA ATIVIDADE ECONÔMICA MUNDIAL? 100100 Indicadores AntecedentesIndicadores Antecedentes (CLI – composite leading indicators)(CLI – composite leading indicators) ExpansãoExpansão DesaceleraçãoDesaceleração RecessãoRecessão RecuperaçãoRecuperação •EUA, UK, Alemanha,EUA, UK, Alemanha, França, Itália,França, Itália, Canadá, JapãoCanadá, Japão •BRICBRIC Dez/2008Dez/2008
  • 5. CENÁRIO ECONÔMICOCENÁRIO ECONÔMICO HÁ RISCO DE NOVA QUEDA NA ATIVIDADE ECONÔMICA MUNDIAL?HÁ RISCO DE NOVA QUEDA NA ATIVIDADE ECONÔMICA MUNDIAL? 100100 Indicadores AntecedentesIndicadores Antecedentes (CLI – composite leading indicators)(CLI – composite leading indicators) RecuperaçãoRecuperação •JapãoJapão •BrasilBrasil •RússiaRússia •Canadá, França,Canadá, França, Alemanha, Itália, EUA,Alemanha, Itália, EUA, UK, China, ÍndiaUK, China, Índia Jun/2009Jun/2009
  • 6. CENÁRIO ECONÔMICOCENÁRIO ECONÔMICO HÁ RISCO DE NOVA QUEDA NA ATIVIDADE ECONÔMICA MUNDIAL?HÁ RISCO DE NOVA QUEDA NA ATIVIDADE ECONÔMICA MUNDIAL? 100100 Indicadores AntecedentesIndicadores Antecedentes (CLI – composite leading indicators)(CLI – composite leading indicators) Dez/2009Dez/2009 ExpansãoExpansão •EUA, UK, Alemanha,EUA, UK, Alemanha, França, Itália,França, Itália, Canadá, JapãoCanadá, Japão •BRICBRIC
  • 7. CENÁRIO ECONÔMICOCENÁRIO ECONÔMICO HÁ RISCO DE NOVA QUEDA NA ATIVIDADE ECONÔMICA MUNDIAL?HÁ RISCO DE NOVA QUEDA NA ATIVIDADE ECONÔMICA MUNDIAL? 100100 Indicadores AntecedentesIndicadores Antecedentes (CLI – composite leading indicators)(CLI – composite leading indicators) Jun/2010Jun/2010 •CanadáCanadá •EUAEUA •BrasilBrasil •JapãoJapão •AlemanhaAlemanha •RússiaRússia •FrançaFrança •ItáliaItália •ChinaChina •índiaíndia ExpansãoExpansão PicoPico DesaceleraçãoDesaceleração
  • 8. CENÁRIO ECONÔMICOCENÁRIO ECONÔMICO PRINCIPAIS DESAFIOS NO FUTUROPRINCIPAIS DESAFIOS NO FUTURO Fonte: The economist  As elevadas dívidas nos paísesAs elevadas dívidas nos países desenvolvidos:desenvolvidos: Necessidade de ajuste fiscal;Necessidade de ajuste fiscal; Famílias devem elevar a poupançaFamílias devem elevar a poupança Endividamento % do PIB (2008) 0 100 200 300 400 500 Rússia Índia Brasil China Canadá Alemanha Estados Unidos Itália França Suíça Coréia do Sul Espanha Grã-bretanha Japão Empresas Famílias Governo
  • 9. CENÁRIO ECONÔMICOCENÁRIO ECONÔMICO Fonte: The economist/CBO.gov.* Mantida pelo público.  Solução dos problemas fiscais eSolução dos problemas fiscais e financeiros nos países europeus:financeiros nos países europeus: Bancos alavancados;Bancos alavancados; Déficit orçamentário impõeDéficit orçamentário impõe necessidade de controle de gastos enecessidade de controle de gastos e aumento de impostos;aumento de impostos;  As elevadas dívidas nos paísesAs elevadas dívidas nos países desenvolvidos:desenvolvidos: Necessidade de ajuste fiscal;Necessidade de ajuste fiscal; Famílias devem elevar a poupançaFamílias devem elevar a poupança Déficit Orçamentário – EUA (US$ bilhões) PRINCIPAIS DESAFIOS NO FUTUROPRINCIPAIS DESAFIOS NO FUTURO 1,349 980 650 539 475 480 521 525 542 649 687 ?Om2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 2019 2020 Dívida/PIB* = 53%Dívida/PIB* = 53% = US$ 7,5 trilhões= US$ 7,5 trilhões Dívida/PIB = 66% =Dívida/PIB = 66% = US$ 14,3 trilhõesUS$ 14,3 trilhões 2011-20202011-2020 Déficit total deDéficit total de US$ 6 trilhõesUS$ 6 trilhões
  • 10. CENÁRIO ECONÔMICOCENÁRIO ECONÔMICO 1950 0 5 10 15 20 25 15-19 20-24 25-29 30-34 35-39 40-44 45-49 50-54 55-59 60-64 65-69 70-74 75-79 80-84 85-89 90-94 95-99 100+ Fonte: The economist  Solução dos problemas fiscais eSolução dos problemas fiscais e financeiros nos países desenvolvidos:financeiros nos países desenvolvidos: Bancos alavancados;Bancos alavancados; Déficit orçamentário impõeDéficit orçamentário impõe necessidade de controle de gastos enecessidade de controle de gastos e aumento de impostos;aumento de impostos; O desafio do envelhecimento daO desafio do envelhecimento da população.população.  As elevadas dívidas nos paísesAs elevadas dívidas nos países desenvolvidos:desenvolvidos: Necessidade de ajuste fiscal;Necessidade de ajuste fiscal; Famílias devem elevar a poupançaFamílias devem elevar a poupança População x idade – Zona do Euro PRINCIPAIS DESAFIOS NO FUTUROPRINCIPAIS DESAFIOS NO FUTURO
  • 11. CENÁRIO ECONÔMICOCENÁRIO ECONÔMICO 2010 0 5 10 15 20 25 30 15-19 20-24 25-29 30-34 35-39 40-44 45-49 50-54 55-59 60-64 65-69 70-74 75-79 80-84 85-89 90-94 95-99 100+ Fonte: The economist  Solução dos problemas fiscais eSolução dos problemas fiscais e financeiros nos países desenvolvidos:financeiros nos países desenvolvidos: Bancos alavancados;Bancos alavancados; Déficit orçamentário impõeDéficit orçamentário impõe necessidade de controle de gastos enecessidade de controle de gastos e aumento de impostos;aumento de impostos; O desafio do envelhecimento daO desafio do envelhecimento da população.população.  As elevadas dívidas nos paísesAs elevadas dívidas nos países desenvolvidos:desenvolvidos: Necessidade de ajuste fiscal;Necessidade de ajuste fiscal; Famílias devem elevar a poupançaFamílias devem elevar a poupança População x idade – Zona do Euro PRINCIPAIS DESAFIOS NO FUTUROPRINCIPAIS DESAFIOS NO FUTURO
  • 12. CENÁRIO ECONÔMICOCENÁRIO ECONÔMICO 2050 0 5 10 15 20 25 15-19 20-24 25-29 30-34 35-39 40-44 45-49 50-54 55-59 60-64 65-69 70-74 75-79 80-84 85-89 90-94 95-99 100+ Fonte: The economist  Solução dos problemas fiscais eSolução dos problemas fiscais e financeiros nos países desenvolvidos:financeiros nos países desenvolvidos: Bancos alavancados;Bancos alavancados; Déficit orçamentário impõeDéficit orçamentário impõe necessidade de controle de gastos enecessidade de controle de gastos e aumento de impostos;aumento de impostos; O desafio do envelhecimento daO desafio do envelhecimento da população.população.  As elevadas dívidas nos paísesAs elevadas dívidas nos países desenvolvidos:desenvolvidos: Necessidade de ajuste fiscal;Necessidade de ajuste fiscal; Famílias devem elevar a poupançaFamílias devem elevar a poupança População x idade – Zona do Euro PRINCIPAIS DESAFIOS NO FUTUROPRINCIPAIS DESAFIOS NO FUTURO
  • 13. CENÁRIO ECONÔMICOCENÁRIO ECONÔMICO PRINCIPAIS QUESTÕES ATUAIS SOBRE A ECONOMIAPRINCIPAIS QUESTÕES ATUAIS SOBRE A ECONOMIA 1.1. Há risco de nova queda na atividade econômica mundial?Há risco de nova queda na atividade econômica mundial?  O cenário é difuso, com os emergentes apresentando melhor dinâmicaO cenário é difuso, com os emergentes apresentando melhor dinâmica 2.2. O Brasil pode crescer 5% ao ano?O Brasil pode crescer 5% ao ano?  Estaríamos mais próximos de uma “acomodação” na demanda mundialEstaríamos mais próximos de uma “acomodação” na demanda mundial
  • 14. CENÁRIO ECONÔMICOCENÁRIO ECONÔMICO 2.3% 3.1% 3.8% 5.9% média FHC média em 19 anos média Lula melhores 3 anos do lula -0.5% 4.7% 5.3% 4.4% 2.1% 3.4% 0.0% 0.2% 4.3% 1.3% 2.6% 1.2% 5.7% 3.1% 3.9% 6.1% 5.1% -0.2% 6.0% 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 Fonte: IBGE/FMI/OECD Evolução do PIB do BrasilEvolução do PIB do Brasil (Var.% ao ano)(Var.% ao ano) Melhor resultadoMelhor resultado em 2 décadas:em 2 décadas: 3,8%<PIB<5,9%3,8%<PIB<5,9% 144 189 283 298 média FHC média em 19 anos média Lula melhores 3 anos do lula 3.4 3.4 3.7 4.8 média FHC média em 19 anos média Lula melhores 3 anos do lula 7.17 10.07 14.89 15.53 média FHC média em 19 anos média Lula melhores 3 anos do lula Exportações mundiaisExportações mundiais (US$ trilhões)(US$ trilhões) PIB mundialPIB mundial (var.% média)(var.% média) Investimento DiretoInvestimento Direto (US$ bilhões)(US$ bilhões) O MODELO DE CRESCIMENTO ESCOLHIDO – AJUDA EXTERNAO MODELO DE CRESCIMENTO ESCOLHIDO – AJUDA EXTERNA
  • 15. CENÁRIO ECONÔMICOCENÁRIO ECONÔMICO 2,63% 2,94% 5,72% 6,73% 5,37% 0,84% 1,72% 2,65% 4,09% 1970 1972 1974 1976 1978 1980 1982 1984 1986 1988 1990 1992 1994 1996 1998 2000 2002 2004 2006 2008 Fonte: Unctad Participação do Brasil no fluxo mundial de IEDParticipação do Brasil no fluxo mundial de IED O MODELO DE CRESCIMENTO ESCOLHIDO – AJUDA EXTERNAO MODELO DE CRESCIMENTO ESCOLHIDO – AJUDA EXTERNA MoratóriaMoratória PrivatizaçõesPrivatizações MédiaMédia Podemos contar com o investimentoPodemos contar com o investimento direto mas, não em magnitudedireto mas, não em magnitude
  • 16. CENÁRIO ECONÔMICOCENÁRIO ECONÔMICO 24.6 25.7 30.9 40.8 45.0 45.7 49.4 62.3 67.3 78.6 99.1 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 2019 2020 Fonte: BCB O volume de créditoO volume de crédito aumentou 8% ao anoaumentou 8% ao ano (2 vezes o PIB).(2 vezes o PIB). O MODELO DE CRESCIMENTO ESCOLHIDO – CRÉDITOO MODELO DE CRESCIMENTO ESCOLHIDO – CRÉDITO É possível manter esseÉ possível manter esse ritmo de expansão?ritmo de expansão? Crédito / PIBCrédito / PIB (%)(%) R$ 612 biR$ 612 bi R$ 1,52 trilhãoR$ 1,52 trilhão R$ 5,3 trilhõesR$ 5,3 trilhões 114 365 2003-2010 2011-2020 Evolução do créditoEvolução do crédito (R$ bilhões média ano)(R$ bilhões média ano) ??
  • 17. CENÁRIO ECONÔMICOCENÁRIO ECONÔMICO Fonte: PNAD2008. O MODELO DE CRESCIMENTO ESCOLHIDO – CRÉDITOO MODELO DE CRESCIMENTO ESCOLHIDO – CRÉDITO 13.434 10.573 6.571 2.560 945 TTNT Até R$ 830 + de 830 a R$ 1.245 + de 1.245 a R$ 2.490 + de 2.490 a R$ 4.150 + de 4.150 a R$ 6.225 Mais de R$ 6.225 Pessoas acima de 10 anos porPessoas acima de 10 anos por classe de rendimentoclasse de rendimento (em 1.000)(em 1.000) R$ 745R$ 745 ComprometimentoComprometimento da rendada renda R$ 1.125R$ 1.125 R$ 1.811R$ 1.811 R$ 3.133R$ 3.133 R$ 4.778R$ 4.778 R$ 14.098R$ 14.098  Há um elevado comprometimento da rendaHá um elevado comprometimento da renda  reduz espaço para aumentos significativos no crédito;reduz espaço para aumentos significativos no crédito; Baixa taxa de poupança das famíliasBaixa taxa de poupança das famílias  limita disponibilidade de recursos para investimentolimita disponibilidade de recursos para investimento
  • 18. CENÁRIO ECONÔMICOCENÁRIO ECONÔMICO 11.858 1.908 1.403 112 226 PF + Auditoria + Fiscalização P&D Reforma Agrária INMETRO INPI 1,99 milhão de servidores 1,1% 3,6% 5,6% População PIB Gasto 108 158 2003 2009 O MODELO DE CRESCIMENTO ESCOLHIDO – GASTO PÚBLICOO MODELO DE CRESCIMENTO ESCOLHIDO – GASTO PÚBLICO Fonte: Servidor.gov.br Gasto com pessoal da União (R$ bilhões - IPCA) Var.% média ao ano (entre 2003 e 2009) 1,93 milhão de servidores  41 contratações por dia41 contratações por dia  Para cada 350 servidoresPara cada 350 servidores contratados em 6 anos, apenas 1 foicontratados em 6 anos, apenas 1 foi na função “Pesquisador”na função “Pesquisador” Contratações - União (entre 2003 e 2009)  Em 2003, cada brasileiroEm 2003, cada brasileiro destinava R$ 2,46/dia para sustentardestinava R$ 2,46/dia para sustentar os gastos com pessoal.os gastos com pessoal.  Em 2009, R$ 3,33/dia.Em 2009, R$ 3,33/dia.
  • 19. CENÁRIO ECONÔMICOCENÁRIO ECONÔMICO 13.067 8.760 3.385 3.139 2.367 Auditor fiscal do trabalho ou da Receita Doutor em P&D Técnico em P&D - Mestre Analista de Reforma Agrária Médico 20hs Anvisa O MODELO DE CRESCIMENTO ESCOLHIDO – GASTO PÚBLICOO MODELO DE CRESCIMENTO ESCOLHIDO – GASTO PÚBLICO Fonte: Servidor.gov.br  Para cada pesquisador no governo, háPara cada pesquisador no governo, há outrosoutros 4,54,5 na atividade de Reforma ena atividade de Reforma e Desenvolvimento agrário.Desenvolvimento agrário.  Há mais “anistiados políticos” que aHá mais “anistiados políticos” que a soma das pessoas que trabalham nosoma das pessoas que trabalham no INMETRO e INPIINMETRO e INPI Trabalhadores na União por função 425 935 901 1.377 2.042 6.140 6.762 DACTA INPI INMETRO Pesquisadores Anistiados Reforma agrária Meio Ambiente e IBAMA  Salário de auditorSalário de auditor  50% maior que um50% maior que um doutor pesquisador.doutor pesquisador. Um analista de reforma agrária ganhaUm analista de reforma agrária ganha 30% mais que um médico30% mais que um médico Salário em início de carreira (R$/mês)
  • 20. CENÁRIO ECONÔMICOCENÁRIO ECONÔMICO PRINCIPAIS QUESTÕES ATUAIS SOBRE A ECONOMIAPRINCIPAIS QUESTÕES ATUAIS SOBRE A ECONOMIA 1.1. Há risco de nova queda na atividade econômica mundial?Há risco de nova queda na atividade econômica mundial?  O cenário é difuso, com os emergentes apresentando melhor dinâmicaO cenário é difuso, com os emergentes apresentando melhor dinâmica 2.2. O Brasil pode crescer 5% ao ano?O Brasil pode crescer 5% ao ano?  Estaríamos mais próximos de uma “acomodação” na demanda mundialEstaríamos mais próximos de uma “acomodação” na demanda mundial  Sim, desde que:Sim, desde que: O cenário externo seja “benigno”O cenário externo seja “benigno” O crédito continue a avançar na mesma velocidadeO crédito continue a avançar na mesma velocidade O governo continue a elevar os “gastos correntes”O governo continue a elevar os “gastos correntes”  pessoal e encargospessoal e encargos 3.3. E como fica a infraestrutura?E como fica a infraestrutura?
  • 21. CENÁRIO ECONÔMICOCENÁRIO ECONÔMICO - 1.000 2.000 3.000 4.000 5.000 6.000 7.000 - 5.000 10.000 15.000 20.000 25.000 30.000 US$[2000]/habitantes kWh/habitantes Brasil 2009 Brasil 2019 Chile Argentina Portugal Grécia Espanha Itália França Alemanha Reino Unido Serão necessáriosSerão necessários investimentos parainvestimentos para construir 3,5 usinas doconstruir 3,5 usinas do tamanho de Belo Monte.tamanho de Belo Monte. A NECESSIDADE DE INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURAA NECESSIDADE DE INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA Fonte: EPE/MME Consumo per capita de eletricidade versus PIB per capitaConsumo per capita de eletricidade versus PIB per capita  Deve custar entre R$Deve custar entre R$ 20 e R$ 30 bilhões.20 e R$ 30 bilhões.  Será a 2ª maior usinaSerá a 2ª maior usina do Brasil.do Brasil. Usina de Belo MonteUsina de Belo Monte  Pelo menos 5 anosPelo menos 5 anos para entrar empara entrar em funcionamento.funcionamento.
  • 22. CENÁRIO ECONÔMICOCENÁRIO ECONÔMICO 276 13,544 21,798 mil km mil veíc. mil hab. 1980 1981 1982 1983 1984 1985 1986 1987 1988 1989 1990 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 A NECESSIDADE DE INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURAA NECESSIDADE DE INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA Fonte: ANTT. *considera o nº total de veículos automotores e a população acima de 20 anos. Evolução hab/veículos*Evolução hab/veículos* 5,5 6,3 3,1 2,2 618 8,555 18,428 mil km mil veíc. mil hab. Adicional na décadaAdicional na década Os 618 mil km queOs 618 mil km que foram asfaltadosforam asfaltados conseguiram manterconseguiram manter a relação veic/km ema relação veic/km em 13,513,5 59,659,6 milhões demilhões de hab. e 10,8hab. e 10,8 milhões demilhões de veículosveículos 4,2 78 milhões de hab.78 milhões de hab. e 18,4 milhões dee 18,4 milhões de veículosveículos Adicional na décadaAdicional na década 100 milhões de100 milhões de hab. e 32 milhõeshab. e 32 milhões de veículosde veículos 14 veíc/km 19,5 veíc/km
  • 23. CENÁRIO ECONÔMICOCENÁRIO ECONÔMICO 276 13,544 21,798 mil km mil veíc. mil hab. 1980 1981 1982 1983 1984 1985 1986 1987 1988 1989 1990 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 A NECESSIDADE DE INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURAA NECESSIDADE DE INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA Fonte: ANTT. *considera o nº total de veículos automotores e a população acima de 20 anos. Evolução hab/veículos*Evolução hab/veículos* 5,5 6,3 3,1 2,2 618 8,555 18,428 mil km mil veíc. mil hab. Adicional na décadaAdicional na década 4,2 Adicional na décadaAdicional na década 100 milhões de100 milhões de hab. e 32 milhõeshab. e 32 milhões de veículosde veículos 123 milhões de123 milhões de hab. e 55 milhõeshab. e 55 milhões de veículosde veículos 544 22,565 22,872 mil km mil veíc. mil hab. Adicional na décadaAdicional na década 14 veíc/km 19,5 veíc/km 25 veíc/km
  • 24. CENÁRIO ECONÔMICOCENÁRIO ECONÔMICO 420,680 328,763 156,962 45,629 Até 2019 Até 2029 Até 2039 Até 2049 A NECESSIDADE DE INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURAA NECESSIDADE DE INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA Fonte: ANTT. *IBGE, evolução da população acima de 20 anos (em 1.000). Cenário 1: Mantendo a relação 25 veíc/kmCenário 1: Mantendo a relação 25 veíc/km Total de km a serem construídosTotal de km a serem construídos (considera apenas o crescimento da população)(considera apenas o crescimento da população) Com R$ 500 mil o custo/km  R$ 21 bi/anoR$ 21 bi/ano  R$ 16,4 bi/anoR$ 16,4 bi/ano  R$ 7,8 bi/anoR$ 7,8 bi/ano  R$ 2,3 bi/anoR$ 2,3 bi/ano 21,264 18,462 8,814 2,562 Até 2019 Até 2029 Até 2039 Até 2049 População adicionalPopulação adicional projetada*projetada*
  • 25. CENÁRIO ECONÔMICOCENÁRIO ECONÔMICO 420,680 328,763 156,962 45,629 Até 2019 Até 2029 Até 2039 Até 2049 A NECESSIDADE DE INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURAA NECESSIDADE DE INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA Cenário 1: Mantendo a relação 25 veíc/kmCenário 1: Mantendo a relação 25 veíc/km Cenário 2: Reduzindo lentamente essa relação para 16 veíc/km até 2027Cenário 2: Reduzindo lentamente essa relação para 16 veíc/km até 2027 1,158,667 1,229,304 244,565 71,095  R$ 21 bi/anoR$ 21 bi/ano  R$ 16,4 bi/anoR$ 16,4 bi/ano  R$ 7,8 bi/anoR$ 7,8 bi/ano  R$ 2,3 bi/anoR$ 2,3 bi/ano Com R$ 500 mil o custo/km  R$ 58 bi/anoR$ 58 bi/ano  R$ 61 bi/anoR$ 61 bi/ano  R$ 12 bi/anoR$ 12 bi/ano  R$ 3,6 bi/anoR$ 3,6 bi/ano Total de km a serem construídosTotal de km a serem construídos (considera apenas o crescimento da população)(considera apenas o crescimento da população) Fonte: ANTT. *IBGE, evolução da população acima de 20 anos (em 1.000). 21,264 18,462 8,814 2,562 Até 2019 Até 2029 Até 2039 Até 2049 População adicionalPopulação adicional projetada*projetada*
  • 26. CENÁRIO ECONÔMICOCENÁRIO ECONÔMICO 4.4% 10.3% 3.5% 1.2% 9.0% Nº de vôos Nº de passageiros PIB Pop pass/pop A NECESSIDADE DE INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURAA NECESSIDADE DE INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA Fonte: Infraero Evolução % média/anoEvolução % média/ano (2003-2009)(2003-2009)  Em 2003, 35,6 milhões de pessoasEm 2003, 35,6 milhões de pessoas viajaram (2 em cada 10 habitantes)viajaram (2 em cada 10 habitantes)  Em 2009, 64 milhões (3,3 emEm 2009, 64 milhões (3,3 em cada 10).cada 10).  Em 2003, foram 882 mil vôos no BrasilEm 2003, foram 882 mil vôos no Brasil  100/hora100/hora  Em 2009, 1,1 milhão de vôosEm 2009, 1,1 milhão de vôos  130/hora130/hora  Necessidade de abrir novas rotasNecessidade de abrir novas rotas  Aquisição de mais aeronavesAquisição de mais aeronaves  Contratação de pessoal qualificadoContratação de pessoal qualificado  Investimento em tecnologia deInvestimento em tecnologia de controle do espaço aéreocontrole do espaço aéreo  Aumentar a capacidade dosAumentar a capacidade dos aeroportosaeroportos ImplicaçõesImplicações  4,7 milhões de passageiros4,7 milhões de passageiros novos/anonovos/ano
  • 27. CENÁRIO ECONÔMICOCENÁRIO ECONÔMICO 0.48 0.33 0.11 (0.11) Até 2019 Até 2029 Até 2039 Até 2049 A NECESSIDADE DE INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURAA NECESSIDADE DE INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA Fonte: Infraero. *IBGE, evolução da população acima de 20 anos (em 1.000). 21,264 18,462 8,814 2,562 Até 2019 Até 2029 Até 2039 Até 2049 População adicionalPopulação adicional projetada*projetada*Adicional de passageiros/anoAdicional de passageiros/ano (em milhões)(em milhões) Será necessário construir 1Será necessário construir 1 aeroporto como o de Belém aaeroporto como o de Belém a cada 2 anoscada 2 anos Cenário 1: mantém a atual relação passageiros/populaçãoCenário 1: mantém a atual relação passageiros/população
  • 28. CENÁRIO ECONÔMICOCENÁRIO ECONÔMICO 0.48 0.33 0.11 (0.11) Até 2019 Até 2029 Até 2039 Até 2049 A NECESSIDADE DE INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURAA NECESSIDADE DE INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA Fonte: Infraero. *IBGE, evolução da população acima de 20 anos (em 1.000). 21,264 18,462 8,814 2,562 Até 2019 Até 2029 Até 2039 Até 2049 População adicionalPopulação adicional projetada*projetada*Adicional de passageiros/anoAdicional de passageiros/ano (em milhões)(em milhões) Cenário 1: mantém a atual relação passageiros/populaçãoCenário 1: mantém a atual relação passageiros/população Cenário 2: aumenta essa relação em 5% ao ano até 2023.Cenário 2: aumenta essa relação em 5% ao ano até 2023. Será necessário construir 1Será necessário construir 1 aeroporto/ano como o do Galeãoaeroporto/ano como o do Galeão no Riono Rio Custo de um aeroporto  R$ 500 milhões Projeção de investimento/anoProjeção de investimento/ano (R$ milhões)(R$ milhões) 4.82 3.07 0.22 (0.21) Cenário 1 Cenário 2 Até 2019 500 4,970 Até 2029 337 3,163 Até 2039 117 231 Até 2049 (111) (219)
  • 29. CENÁRIO ECONÔMICOCENÁRIO ECONÔMICO PRINCIPAIS QUESTÕES ATUAIS SOBRE A ECONOMIAPRINCIPAIS QUESTÕES ATUAIS SOBRE A ECONOMIA 1.1. Há risco de nova queda na atividade econômica mundial?Há risco de nova queda na atividade econômica mundial?  O cenário é difuso, com os emergentes apresentando melhor dinâmicaO cenário é difuso, com os emergentes apresentando melhor dinâmica 2.2. O Brasil pode crescer 5% ao ano?O Brasil pode crescer 5% ao ano?  Estaríamos mais próximos de uma “acomodação” na demanda mundialEstaríamos mais próximos de uma “acomodação” na demanda mundial  Sim, desde que:Sim, desde que: O cenário externo seja “benigno”O cenário externo seja “benigno” O crédito continue a avançar na mesma velocidadeO crédito continue a avançar na mesma velocidade O governo continue a elevar os “gastos correntes”O governo continue a elevar os “gastos correntes”  pessoal e encargospessoal e encargos 3.3. E como fica a infraestrutura?E como fica a infraestrutura?  Teríamos diversos “gargalos” logísticos e de produçãoTeríamos diversos “gargalos” logísticos e de produção  Os investimentos necessários vão de R$ 27,5 bi/ano a R$ 69 bilhões/anoOs investimentos necessários vão de R$ 27,5 bi/ano a R$ 69 bilhões/ano
  • 30. CENÁRIO ECONÔMICOCENÁRIO ECONÔMICO PRINCIPAIS QUESTÕES ATUAIS SOBRE A ECONOMIAPRINCIPAIS QUESTÕES ATUAIS SOBRE A ECONOMIA 4.4. De onde virão os recursos?De onde virão os recursos?
  • 31. CENÁRIO ECONÔMICOCENÁRIO ECONÔMICO 8 13 18 23 28 33 38 8 13 18 23 28 33 38 Poupança/PIB Investimento/PIB O nível de poupançaO nível de poupança do Brasil nãodo Brasil não sustenta osustenta o crescimento atualcrescimento atual BrasilBrasil CanadáCanadá Reino UnidoReino Unido EUAEUA FrançaFrança Coréia do SulCoréia do Sul AlemanhaAlemanha JapãoJapão ChinaChina Poupamos ePoupamos e investimos comoinvestimos como um paísum país desenvolvidodesenvolvido DE ONDE VIRÃO OS RECURSOS?DE ONDE VIRÃO OS RECURSOS? Poupança e investimento/PIBPoupança e investimento/PIB (Vários países)(Vários países) África do SulÁfrica do Sul EstôniaEstônia RússiaRússia IndonésiaIndonésia
  • 32. CENÁRIO ECONÔMICOCENÁRIO ECONÔMICO DE ONDE VIRÃO OS RECURSOS?DE ONDE VIRÃO OS RECURSOS? Poupança e investimento/PIBPoupança e investimento/PIB (Brasil)(Brasil) 14% 15% 16% 17% 18% 19% 20% 21% 22% 23% 13% 14% 15% 16% 17% 18% 19% Poupança/PIB Investimento/PIB 20042004 20002000 20082008 Poupança = 22% do PIBPoupança = 22% do PIB Investimento = 23% do PIBInvestimento = 23% do PIB Aumentar o nível deAumentar o nível de investimento em 4investimento em 4 p.pp.p  23% do PIB23% do PIB implica emimplica em “encontrar” R$ 2,2“encontrar” R$ 2,2 trilhões nostrilhões nos próximos 10 anospróximos 10 anos
  • 33. CENÁRIO ECONÔMICOCENÁRIO ECONÔMICO PRINCIPAIS QUESTÕES ATUAIS SOBRE A ECONOMIAPRINCIPAIS QUESTÕES ATUAIS SOBRE A ECONOMIA 4.4. De onde virão os recursos?De onde virão os recursos?  O Brasil não tem uma taxa de poupança que seja compatível com os investimentosO Brasil não tem uma taxa de poupança que seja compatível com os investimentos necessários para crescer 5% ao anonecessários para crescer 5% ao ano 5.5. Como o mundo vê o Brasil?Como o mundo vê o Brasil?  Precisamos de investimento estrangeiro para financiar o crescimentoPrecisamos de investimento estrangeiro para financiar o crescimento
  • 34. CENÁRIO ECONÔMICOCENÁRIO ECONÔMICO TEMOS BAIXA COMPETITIVIDADE EM VÁRIOS INDICADORESTEMOS BAIXA COMPETITIVIDADE EM VÁRIOS INDICADORES World Economic Forum IMD World Bank Heritage Transparency International United Nations Development Programme Mastercard OECD •Global CompetitivenessGlobal Competitiveness IndexIndex •Overall CompetitivenessOverall Competitiveness RankingRanking •Ease of Doing BusinessEase of Doing Business IndexIndex •Index of EconomicIndex of Economic FreedomFreedom •Corruption PerceptionCorruption Perception IndexIndex •Human DevelopmentHuman Development IndexIndex •Worldwide Centers ofWorldwide Centers of Commerce IndexCommerce Index •Programme for InternationalProgramme for International Student Assessment (PISA)Student Assessment (PISA) 64 (134)64 (134) 43 (55)43 (55) 43 (55)43 (55) 97 (157)97 (157) 80 (180)80 (180) 70 (177)70 (177) 56 (75)56 (75) 52 (57)52 (57) InstituiçãoInstituição ÍndiceÍndice Posição do BrasilPosição do Brasil PerformancePerformance Fonte: World Economic Forum/2010
  • 35. CENÁRIO ECONÔMICOCENÁRIO ECONÔMICO ÍNDICE DE COMPETITIVIDADE GLOBAL - BRASILÍNDICE DE COMPETITIVIDADE GLOBAL - BRASIL  Cooperação nasCooperação nas relações empregado-relações empregado- empregador:empregador: 87º87º.. Flexibilidade naFlexibilidade na determinação dedeterminação de salários:salários: 110º110º.. Rigidez doRigidez do emprego:emprego: 96º96º.. Práticas dePráticas de contratação econtratação e demissão:demissão: 118º118º Eficiência do mercadoEficiência do mercado de trabalhode trabalho  CapacidadeCapacidade para inovação:para inovação: 28º28º.. Incentivos doIncentivos do governo para agoverno para a produção deprodução de tecnologiastecnologias avançadas:avançadas: 60º60º.. DisponibilidadeDisponibilidade de cientistas ede cientistas e engenheiros:engenheiros: 60º60º.. Utilidade dasUtilidade das patentes:patentes: 59º59º InovaçãoInovação  Qualidade deQualidade de infraestruturainfraestrutura geral:geral: 81º81º.. Qualidade dasQualidade das estradas:estradas: 106º106º.. Qualidade deQualidade de infraestruturainfraestrutura ferroviária:ferroviária: 86º86º.. Qualidade daQualidade da infraestrutura dosinfraestrutura dos portos:portos: 127º127º.. Qualidade daQualidade da infraestrutura doinfraestrutura do transporte aéreo:transporte aéreo: 89º89º.. Qualidade doQualidade do oferta de energiaoferta de energia elétrica:elétrica: 55º55º.. Educação e treinamentoEducação e treinamento de qualidadede qualidade InfraestruturaInfraestrutura Qualidade do sistemaQualidade do sistema educacional:educacional: 103º103º.. Qualidade no ensino deQualidade no ensino de matemática e ciências:matemática e ciências: 123º123º.. Qualidade de gestãoQualidade de gestão escolar:escolar: 66º66º.. Fonte: World Economic Forum/2010
  • 36. CENÁRIO ECONÔMICOCENÁRIO ECONÔMICO PRINCIPAIS QUESTÕES ATUAIS SOBRE A ECONOMIAPRINCIPAIS QUESTÕES ATUAIS SOBRE A ECONOMIA 4.4. De onde virão os recursos?De onde virão os recursos?  O Brasil não tem uma taxa de poupança que seja compatível com os investimentosO Brasil não tem uma taxa de poupança que seja compatível com os investimentos necessários para crescer 5% ao anonecessários para crescer 5% ao ano  Precisamos de investimento estrangeiro para financiar o crescimentoPrecisamos de investimento estrangeiro para financiar o crescimento  O Brasil é muito mal classificado pelas instituições internacionaisO Brasil é muito mal classificado pelas instituições internacionais  Esse cenário é distinto do discurso “bola da vez”Esse cenário é distinto do discurso “bola da vez” O investidor pode estar interessado em investir em ativos, ganhar retornos eO investidor pode estar interessado em investir em ativos, ganhar retornos e sair, e não em construir plataforma de “exportação”.sair, e não em construir plataforma de “exportação”. 5.5. Como o mundo vê o Brasil?Como o mundo vê o Brasil? 6.6. E o mercado interno?E o mercado interno?
  • 37. CENÁRIO ECONÔMICOCENÁRIO ECONÔMICO Como aproveitar o Bônus Demográfico? Investimento em educação e infraestrutura. Gerando empregos de qualidade e aumentando a capacidade produtiva 64% 71% 67% 58% 1980 1983 1986 1989 1992 1995 1998 2001 2004 2007 2010 2013 2016 2019 2022 2025 2028 2031 2034 2037 2040 2043 2046 2049 73% 49% 45% 56% TEMOS UMA IMPORTANTE “JANELA” DE OPORTUNIDADE - BRASILTEMOS UMA IMPORTANTE “JANELA” DE OPORTUNIDADE - BRASIL  Porém, o envelhecimentoPorém, o envelhecimento da população será rápido, eda população será rápido, e demandará desafios como ademandará desafios como a reforma na previdência.reforma na previdência. População Potencialmente Ativa (PPA) versus Razão de Dependência (RD) RD (jovens+idosos)/PPA  A evolução demográfica éA evolução demográfica é um forte indicativo de que oum forte indicativo de que o mercado interno podemercado interno pode continuar “puxando” ocontinuar “puxando” o crescimento na próximacrescimento na próxima década;década; Fonte: IBGE. Haverá mais pessoas emHaverá mais pessoas em idade produtiva queidade produtiva que idosos e crianças.idosos e crianças. PPA (15-64 anos) 2023
  • 38. CENÁRIO ECONÔMICOCENÁRIO ECONÔMICO PRINCIPAIS QUESTÕES ATUAIS SOBRE A ECONOMIAPRINCIPAIS QUESTÕES ATUAIS SOBRE A ECONOMIA 4.4. De onde virão os recursos?De onde virão os recursos?  O Brasil não tem uma taxa de poupança que seja compatível com os investimentosO Brasil não tem uma taxa de poupança que seja compatível com os investimentos necessários para crescer 5% ao anonecessários para crescer 5% ao ano  Precisamos de investimento estrangeiro para financiar o crescimentoPrecisamos de investimento estrangeiro para financiar o crescimento  O Brasil é muito mal classificado pelas instituições internacionaisO Brasil é muito mal classificado pelas instituições internacionais  Esse cenário é distinto do discurso “bola da vez”Esse cenário é distinto do discurso “bola da vez” O investidor pode estar interessado em investir em ativos, ganhar retornos eO investidor pode estar interessado em investir em ativos, ganhar retornos e sair, e não em construir plataforma de “exportação”.sair, e não em construir plataforma de “exportação”. 5.5. Como o mundo vê o Brasil?Como o mundo vê o Brasil? 6.6. E o mercado interno?E o mercado interno?  Temos uma década para ficar rico, antes de envelhecerTemos uma década para ficar rico, antes de envelhecer 7.7. Como o Rio Grande do Sul se insere nesse cenário?Como o Rio Grande do Sul se insere nesse cenário?
  • 39. CENÁRIO ECONÔMICOCENÁRIO ECONÔMICO 75,3 73,0 RS Brasil 1,8 1,9 RS Brasil 12,0 16,2 RS Brasil 64,0 68,7 69,1 64,4 1991 1996 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2008 2009 2010 2015 2020 2025 2030 2035 2040 56,2 45,5 44,7 55,2 O RIO GRANDE DO SUL ENVELHECERÁ MAIS RÁPIDO...O RIO GRANDE DO SUL ENVELHECERÁ MAIS RÁPIDO...  Isso se deve, principalmente, aoIsso se deve, principalmente, ao fato que o RS, em relação ao Brasil,fato que o RS, em relação ao Brasil, tem:tem: População Potencialmente Ativa (PPA) versus Razão de Dependência (RD)  O “bônus demográfico” do RSO “bônus demográfico” do RS ocorrerá muito antes do Brasil;ocorrerá muito antes do Brasil; PPA RD 2015 Taxa bruta de natalidade (2008 – por mil hab) Taxa de fecundidade total (2008 – por mulher) Esperança de vida ao nascer (2008 – em anos) Fonte: IBGE/PNAD2008.  menor taxa de natalidade;menor taxa de natalidade; menor taxa de fecundidade;menor taxa de fecundidade; maior esperança de vida aomaior esperança de vida ao nascer.nascer.
  • 40. CENÁRIO ECONÔMICOCENÁRIO ECONÔMICO 64,0 68,7 69,1 64,4 1991 1996 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2008 2009 2010 2015 2020 2025 2030 2035 2040 56,2 45,5 44,7 55,2 O RIO GRANDE DO SUL ENVELHECERÁ MAIS RÁPIDO...O RIO GRANDE DO SUL ENVELHECERÁ MAIS RÁPIDO... População Potencialmente Ativa (PPA) versus Razão de Dependência (RD)  O “bônus demográfico” do RSO “bônus demográfico” do RS ocorrerá muito antes do Brasil;ocorrerá muito antes do Brasil; PPA RD 2015  A maior razão de dependênciaA maior razão de dependência se deverá, principalmente, pelose deverá, principalmente, pelo aumento da população idosa.aumento da população idosa. Índice de Envelhecimento (IE) (número de idosos para cada 100 crianças) Fonte: IBGE. ConseguiremosConseguiremos ficar ricos antesficar ricos antes de ficarmosde ficarmos velhos?velhos?  Isso se deve, principalmente, aoIsso se deve, principalmente, ao fato que o RS, em relação ao Brasil,fato que o RS, em relação ao Brasil, tem:tem:  menor taxa de natalidade;menor taxa de natalidade; menor taxa de fecundidade;menor taxa de fecundidade; maior esperança de vida aomaior esperança de vida ao nascer.nascer. 118 124 BR RS 34 50 BR RS 27 40 BR RS 13 19 BR RS 1991 2010 2015 2040
  • 41. CENÁRIO ECONÔMICOCENÁRIO ECONÔMICO CONSIDERAÇÕES FINAISCONSIDERAÇÕES FINAIS  CÉNÁRIO INTERNACIONALCÉNÁRIO INTERNACIONAL Uma nova configuração com crescimento pró-emergentes.Uma nova configuração com crescimento pró-emergentes. Destaque: oportunidades nas exportaçõesDestaque: oportunidades nas exportações Desafio: conciliar esse cenário com a necessidade de reformas estruturaisDesafio: conciliar esse cenário com a necessidade de reformas estruturais  BRASILBRASIL Temos uma “janela” de crescimento importante nos próximos anos.Temos uma “janela” de crescimento importante nos próximos anos. Destaque: Mercado internoDestaque: Mercado interno Desafio: redução de desigualdades, investir na qualificação da educação, reformasDesafio: redução de desigualdades, investir na qualificação da educação, reformas estruturais, controle do gasto público, aumento da poupança e foco em tecnologiaestruturais, controle do gasto público, aumento da poupança e foco em tecnologia  RIO GRANDE DO SULRIO GRANDE DO SUL Pode-se aproveitar dessa “janela” de crescimento dos próximos anos.Pode-se aproveitar dessa “janela” de crescimento dos próximos anos. Destaque: consolidação da matriz industrialDestaque: consolidação da matriz industrial  novos investimentosnovos investimentos Desafio: ajuste das contas públicas, investimento em infra-estrutura, desafio dasDesafio: ajuste das contas públicas, investimento em infra-estrutura, desafio das exportações e resgatar posição de destaque no cenário nacionalexportações e resgatar posição de destaque no cenário nacional