Slide plano de intervençao social ok

5.461 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.461
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
93
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Slide plano de intervençao social ok

  1. 1. FACULDADE ANHANGUERA POLO SOBRADINHO DF PEQUENOS REBELDES FUTUROS TALENTOS Curso : Serviço Social Disciplina: Planos e Projetos de Intervenção Social Professor EAD: Ana Lucia A. Antônio Acadêmicas: Maria Neide R. da silva Santos RA 205441 Maria Cleuza dos Santos RA 202697 Maria do Socorro Gadelha RA 202590 Alceny Paulina L. .Lourenço. RA 202624 Fátima Maria de Souza Squarcio RA: 202457 BRASILIA, DE JUNHO DE 2013 01
  2. 2. Sumario Descrição acadêmica----------------------------------------------------------------------------------01 Sumario-------------- ------------------------------------------------------------------------------------02 Projeto Pedagógico------------------------------------------------------------------------------------03 Histórico da Escala------------------------------------------------------------------------------------04 Projeto de Intervenção Social-----------------------------------------------------------------------05 Publico Alvo--------------------------------------------------------------------------------------------06 Objetivo Geral-----------------------------------------------------------------------------------------07 Objetivo Especifico-----------------------------------------------------------------------------------08 Metodologia--------------------------------------------------------------------------------------------09 Resultados Esperados--------------------------------------------------------------------------------10 Cronograma--------------------------------------------------------------------------------------------11 Cronograma Financeiro-----------------------------------------------------------------------------12 Referências---------------------------------------------------------------------------------------------13 02 s
  3. 3. PROJETO PEDAGÓGICO Representa a alma e a identidade de uma instituição. Sua construção precisa envolver os atores escolares no desafio de responder os questionamentos. Para tanto, é necessário adotar uma postura democrática nas relações escolares e caminhar rumo ao convívio participativo que permita um entrosamento e comprometimento coletivo frente ao desafio de encontrar respostas para tal questionamento. Mas, além da participação e das relações democráticas a educativa que almeja a ruptura que velhos padrões e a busca por melhorias qualitativas exige também ousadia como explicita (Veiga 2007: 12, 15,) Assim a construção coletiva do projeto pedagógico visa além da pronuncia reflexões, propor mudanças e estabelecer um comprometimento de diálogo. Pazeto (2000) 03
  4. 4. É o instrumento que define o “ser” da escola, a sua identidade, o modelo pedagógico que é aplicado, os objetivos, a metodologia do ensino, o perfil do aluno que deseja formar, o perfil dos educadores, as estratégias de avaliação dos processos de ensino e aprendizagem, contemplando a diversidade em todos os seus aspectos: sociais, culturais, políticos, econômicos, de gênero, geração e etnia. “O projeto representa a oportunidade de a direção, a coordenação pedagógica, os professores e a comunidade tomarem sua escola nas mãos, definir seu papel estratégico na educação das crianças e jovens, organizar suas ações, visando atingir os objetivos a que se propõe. É o ordenador, o norteador da vida escolar”. Quando os professores e a comunidade se reúnem para pensar organizadamente sobre o seu fazer, é o começo de uma atividade coletiva que quase certamente terá a “escrita” do projeto pedagógico da escola como resultado. A identidade da escola é definida pela sua vinculação às questões inerentes à sua realidade, ancorando-se na temporalidade e saberes próprios dos estudantes, na memória coletiva que sinaliza futuros, na rede de ciência e tecnologia disponível na sociedade e nos movimentos sociais.
  5. 5. Histórico da escola A escola classe 16 foi inaugurada em 06 agosto de 2009 e recebeu a denominação de escola classe Nova Colina por questão de administração sua denominação foi alterada para escola classe de Sobradinho DF, através da portaria nº 196 publicada no DODF Nº 163 DE 24 DE AGOSTO DE 2010. Atende-se modalidade de educação infantil e ensino fundamental. Funciona no período matutino e vespertino com aproximadamente 690 alunos, foi construída para atender alunos residentes em nova Colina e demais comunidade próximas a Nova Colina inclusive alunos residentes em chacras da redondeza e o acampamento sem terra. É uma clientela heterogenia. Atende crianças oriundas de lares desestruturados com pais autônomos ou desempregados e famílias que enfrentam vários problemas, casos de violência física, psicológica e sexual, uso e abuso de drogas. 04
  6. 6. PROJETO DE INTERVENÇAO SOCIAL Justificativa: A referida escola é uma escola nova em processo de organização e adequação das reais necessidades da comunidade escolar. Tendo como maior dificuldade enfrentada o quadro de recursos humanos. Em vista das dificuldades analisadas faz se necessário a contratação de profissionais; Assistente Social e Pedagogo, através de contrato simplificado de acordo com a lei de licitação: 8.666/93. E poderá se adequar e esta modalidade para outras escola do DF. 05
  7. 7. No cotidiano das salas de aulas é possível perceber nos alunos certa dificuldade de aprendizagem. Perante tal situação o diagnostico é importante para que possam ser utilizados na solução dessas dificuldades, no contexto da reflexão sobre o processo de ensino aprendizagem, atento as características do aluno quanto ao professor, já que ambos são peças – chaves para compreender o contexto de aprendizagem escolar. Nos dias atuais muito tem se falado das dificuldades: indisciplina, timidez, agressividade, problemas emaciais conjuntivos sociais e ideológicos. Enfrenta complexas questões sociais que o conhecimento pedagógico não consegue enfrentar sozinho precisando de outros saberes como do Assistente Social. Desta forma há necessidade deste profissional na educação para intervir, mediar através de um trabalho interdisciplinar. Diante dos dados apresentado desta escola a intervenção do um Assistente Social, e um pedagogo se faz necessário para o desenvolvimento das habilidades e do caráter dos alunos , na formação do individuo para um futuro melhor. .
  8. 8. Publico alvo: alunos de escolas publicas e particulares na faixa etária entre 4 e 12 anos de idade, indiretamente os pais e responsáveis. Objetivo geral superar o defasagem escolar, compreender os fatores externos que interferem no processo de defasagem escolar. Fortalecer–lhe a identidade bem como situa-la com a realidade que está sendo vivenciada na sociedade. Objetivo especifico: implantar a figura de Assistentes Sociais e pedagogos nas escolas públicas e particulares é primordial se realizando através de contrato simplificado visando facilitar o processo de aprendizagem, trabalhar com o agente dificultador para a construção do processo do aprendiz. Compreender a complexidade dos múltiplos fatores envolvidos nesse processo. . Contratação no mínimo um psicopedagogo, um Assistente Social graduado para exercer a função inerente a ela, em cada escola pública ou particular.
  9. 9. Metodologia: Construir um espaço favorável que facilitasse a fala, a escuta onde se sentisse acolhidos e compreender de forma mais diretas as dificuldades apreendidas. Diagnosticar, intervir e prevenir problemas de aprendizagem tendo como enfoque o aluno, a pre-escola e também atuar para procurar evitar ações de bullying Aulas de reforços, atividades esportivas, atividades lúdicas envolvendo arte cultura, terapia de grupo com familiares e uma equipe multidisciplinar. O Assistente Social vai atuar na mediação de conflitos e no Encaminhamento de problemas de aprendizagem que envolvem a articulação com a família e o acompanhamento do estudante em seu ambiente social. Aulas de reforço e atividades diversas três vezes por semana em horário contrario as aulas. Promover as atividades facilitando o aprendizado dos alunos com defasagem nas disciplinas e possíveis dificuldades. Atuar de forma preventiva e terapêutica compreendendo os processos que ocorrem dentro do que está inserido. Resultados esperados: superação de defasagem escolar, socialização e participação escolar, redução dos índice de violência nas escolas, discriminação, uso e abuso de drogas, prostituição e gravidez precoce.
  10. 10. Plano de ação estratégia Período Elaborar o perfil socioeconômico e cultural da comunidade escolar Aplicar questionário entre pais, funcionários e professores sobre necessidades da escola 1º semestre de 2014 Atingir 80 % da participação das famílias nas reuniões escolar com Promover palestras, oficinas, com as famílias e alunos, CRAS, Conselho Tutelar, posto de saúde etc Diminuir o índice de defasagem escolar Realizar diagnostico e elab. projetos para elevar a auto estima aluno Uma vez ao ano Aumentar o índice de aprovação Aplicar atividades lúdicas e aula de reforço semestral 2º semestre 2014 continua Diminuir o índice de bullying Dinâmica e oficinas em na escola conjunto relacionadas as diversidades e Inclusão continua Aumentar o índice de aprovação escolar Sempre que for necessário Realizar diagnostico de alunos com défice de aprendizagem
  11. 11. Quantidade Custo mensal Total 01 Assistente Social 3.900,00 3.900,00 01 Pedagogo 4.500,00 4.500,00 Insumos diversos 3.000,00 11.400,00 Referencias PRADO, M. E. B. Brito. Pedagogia de projetos: fundamentos e implicações. In: Freire 1980. ARROYO 1995. CRUZ 1887, PATTO 1996. SOUZA D 1991 , ALMEIDA, M. E. Bianconcini de; MORAN, José Manuel (Org.). Integração das tecnologias na educação. Brasília: Ministério da Educação. Disponível em: DALMÁS, Ângelo. Planejamento participativo na escola – elaboração, acompanhamento e avaliação. Petrópolis: Vozes, 1994. FREIRE, Paulo. Conscientização. São Paulo: Moraes, 1980. GANDIN, Danilo. Planejamento como prática educativa. São Paulo: Loyola, 1990. MELO, Sônia Maria Martins de. Orientação educacional: do consenso ao conflito. São Paulo: Papirus, 1994. Slid TEMA 04 planos e projetos de intervenção

×