SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 16
Grayceane Gomes
Assistente social
CAPS ad Paraipaba
Saúde Mental e reforma psiquiátrica
Processo de desistitucionalização dos pacientes com
transtornos mentais provenientes de diversas causas.
Perspectiva de tratamento que vislumbre os aspectos
biopsicossociais envolvidos no contexto da
dependência química.
Intervenção em meio aberto como a mais indicada na
busca de uma ressignificação da vida dos sujeitos, que
muitas vezes, estão com a vida centrada no uso de
substâncias psicoativas.
Tratamento no CAPS AD
O processo de tratamento envolve:
Acolhimento:
 Socialização inicial de informações para adesão dos
usuários.
Aspectos médicos:
 Diagnóstico da patologia;
 Administração de medicação;
 Acompanhamento da evolução do paciente.
Tratamento no CAPS AD
Aspectos psicológicos:
 Atendimento terapêutico para tratar questões
psicológicas.
Aspectos Sociais:
 Participação da família no tratamento;
 Inserção nos equipamentos sociais.
 Perspectiva de reinserção social.
Reinserção Social
É o determinante da recuperação integral do paciente
e pressupõe a recuperação das perdas e a criação e/ou
fortalecimento de uma rede de apoio.
É um processo longo, gradativo e dinâmico, pois
implica numa revisão de estigmas sociais
estabelecidos, no resgate da cidadania e na retomada
de hábitos sociais saudáveis.
Reinserção Social
Avaliação social para conhecer a realidade do usuário
para estabelecimento de seu Plano Terapêutico Singular.
Aspectos analisados nesta avaliação:
 Vida pessoal e familiar;
 Vida funcional;
 Vida econômica;
 Vida sociocomunitária;
 Vida espiritual.
Reinserção Social
É necessário conhecer a totalidade da vida do usuário,
seus meios de convívio, suas habilidades e perspectiva
de vida.
Promoção de atendimento dialógico com os usuários
e seus familiares, a partir da socialização de
informações e solicitação de opiniões para que o
tratamento se adeque as identificações do paciente.
Reinserção Social
Construção de um PROJETO DE VIDA para
estabelecer mudanças de hábitos sociais.
Aspectos que envolvem o projeto:
 Familiares;
 Profissionais;
 Médicos e psicológicos;
 Espirituais;
 Econômicos.
Objetivos da intervenção do
Assistente Social
Promover a universalização dos direitos sociais dos
usuários, através da identificação dos recursos que
possibilitem a defesa de tais direitos.
Intervir na realidade social dos usuários, a fim de
identificar as expressões da questão social
relacionadas ao processo de uso de substâncias
psicoativas, para assim buscar formas de mudança da
situação social vivida por essas pessoas, a partir da
integração em atividades sociais e laborais.
Atribuições gerais
Coordenação, elaboração, supervisão e avaliação de
estudos, programas e projetos na área de Serviço
Social;
Assessoria, consultoria e direção de serviços técnicos
em Serviço Social;
Planejamento, organização e administração de
benefícios e serviços sociais.
Atribuições principais
Encaminhamento de providências e prestação de
orientação social aos pacientes e seus familiares, bem
como a população, quanto aos serviços e direitos
sociais (em âmbito interdisciplinar e intersetorial) que
garantam a melhoria dos aspectos psicossociais
destes.
Planejamento, execução e avaliação de pesquisas que
possam contribuir para a análise da realidade social e
para subsidiar ações de intervenção junto aos usuários
do serviço;
Atribuições principais
Realização de estudos socioeconômicos com os
usuários para fins de benefícios e serviços sociais a
que tenham direito;
Prestação de informações e pareceres sobre a matéria
de Serviço Social;
Realização de ações que possibilitem a identificação
de novas atividades de trabalho, lazer e relações
interpessoais, a fim de desenvolver a autonomia e
melhorar as relações sociais e familiares.
Atribuições principais
Buscar manter a família esclarecida sobre os aspectos
biopsicossociais que perpassam a dependência
química para estabelecer novas relações
interfamiliares que tragam mudanças na vida em
sociedade, no trabalho e previna recaídas;
Participação nas atividades multidisciplinares:
 Visitas domiciliares;
 Grupos;
 Ações socioeducativas;
 Avaliações e atendimentos individuais.
Desafios e Possibilidades
Intervenção pautada nos aspectos do projeto ético-
político profissional;
Garantir um bom atendimento, diante os recursos
mínimos disponibilizados para a intervenção;
Estabelecer um diálogo reflexivo com os usuários,
para um melhor entendimento de mundo e da sua
situação.
Há um tempo em que é preciso abandonar as roupas
usadas, que já tem a forma do nosso corpo, e
esquecer os nossos caminhos, que nos levam sempre
aos mesmos lugares. É o tempo da travessia: e, se
não ousarmos fazê-la, teremos ficado, para sempre,
à margem de nós mesmos.
Fernando Pessoa
Referências
BRASIL. As redes comunitária e de saúde no
atendimento aos usuários e dependentes de substâncias
psicoativas: módulo 6. 4. ed. Brasília: Secretaria Nacional
de Políticas sobre drogas, 2011.
BRASIL. Lei no
8.662, de 7 de junho de 1993. Dispõe sobre a
profissão de Assistente Social e dá outras providências.
Brasília: [s/n], [s/d]. Disponível em:
<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8662.htm>.
Acesso em: 30 mar. 2013.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Anexo 8-profissão-de-serviço-social
Anexo 8-profissão-de-serviço-socialAnexo 8-profissão-de-serviço-social
Anexo 8-profissão-de-serviço-socialRosane Domingues
 
Scfv 6 a 15 anos apresentacao (1)
Scfv 6 a 15 anos apresentacao (1)Scfv 6 a 15 anos apresentacao (1)
Scfv 6 a 15 anos apresentacao (1)Joelson Honoratto
 
Apresentação reordenamento SCFV CRAS Nioaque-MS 11 11-2013
Apresentação reordenamento SCFV  CRAS Nioaque-MS 11 11-2013Apresentação reordenamento SCFV  CRAS Nioaque-MS 11 11-2013
Apresentação reordenamento SCFV CRAS Nioaque-MS 11 11-2013Cristina de Souza
 
Oficina de serviço social elaboração de relatórios e laudos.
Oficina de serviço social   elaboração de relatórios e laudos.Oficina de serviço social   elaboração de relatórios e laudos.
Oficina de serviço social elaboração de relatórios e laudos.Rosane Domingues
 
Apresentação do caps
Apresentação do capsApresentação do caps
Apresentação do capsAdriana Emidio
 
Serviço social de grupo
Serviço social de grupoServiço social de grupo
Serviço social de grupoCarol Alves
 
Cartilha paif 2016- articulação necessária na proteção social básica
Cartilha paif   2016- articulação necessária na proteção social básicaCartilha paif   2016- articulação necessária na proteção social básica
Cartilha paif 2016- articulação necessária na proteção social básicaRosane Domingues
 
CRAS e CREAS- Quem faz o que.
CRAS e CREAS- Quem faz o que.CRAS e CREAS- Quem faz o que.
CRAS e CREAS- Quem faz o que.Rosane Domingues
 
Programa de Redução de Danos da cidade de Pelotas, RS
Programa de Redução de Danos  da cidade de Pelotas, RSPrograma de Redução de Danos  da cidade de Pelotas, RS
Programa de Redução de Danos da cidade de Pelotas, RSGabriela Haack
 
Modelos assistenciais terapêuticos direcionados ao idoso vs2
Modelos assistenciais terapêuticos direcionados ao idoso vs2Modelos assistenciais terapêuticos direcionados ao idoso vs2
Modelos assistenciais terapêuticos direcionados ao idoso vs2Anna Paula Tenorio
 

Mais procurados (20)

Anexo 8-profissão-de-serviço-social
Anexo 8-profissão-de-serviço-socialAnexo 8-profissão-de-serviço-social
Anexo 8-profissão-de-serviço-social
 
Scfv 6 a 15 anos apresentacao (1)
Scfv 6 a 15 anos apresentacao (1)Scfv 6 a 15 anos apresentacao (1)
Scfv 6 a 15 anos apresentacao (1)
 
Apresentação reordenamento SCFV CRAS Nioaque-MS 11 11-2013
Apresentação reordenamento SCFV  CRAS Nioaque-MS 11 11-2013Apresentação reordenamento SCFV  CRAS Nioaque-MS 11 11-2013
Apresentação reordenamento SCFV CRAS Nioaque-MS 11 11-2013
 
Paif e scfv
Paif e scfvPaif e scfv
Paif e scfv
 
Oficina de serviço social elaboração de relatórios e laudos.
Oficina de serviço social   elaboração de relatórios e laudos.Oficina de serviço social   elaboração de relatórios e laudos.
Oficina de serviço social elaboração de relatórios e laudos.
 
Apresentação do caps
Apresentação do capsApresentação do caps
Apresentação do caps
 
Serviço social de grupo
Serviço social de grupoServiço social de grupo
Serviço social de grupo
 
Cras paif
Cras paifCras paif
Cras paif
 
Suas, cras, creas
Suas, cras, creasSuas, cras, creas
Suas, cras, creas
 
Caps
CapsCaps
Caps
 
Caps slide
Caps slideCaps slide
Caps slide
 
Cartilha paif 2016- articulação necessária na proteção social básica
Cartilha paif   2016- articulação necessária na proteção social básicaCartilha paif   2016- articulação necessária na proteção social básica
Cartilha paif 2016- articulação necessária na proteção social básica
 
Eixos norteadores do scfv
Eixos norteadores do scfvEixos norteadores do scfv
Eixos norteadores do scfv
 
CRAS e CREAS- Quem faz o que.
CRAS e CREAS- Quem faz o que.CRAS e CREAS- Quem faz o que.
CRAS e CREAS- Quem faz o que.
 
Programa de Redução de Danos da cidade de Pelotas, RS
Programa de Redução de Danos  da cidade de Pelotas, RSPrograma de Redução de Danos  da cidade de Pelotas, RS
Programa de Redução de Danos da cidade de Pelotas, RS
 
Serviços do CRAS
Serviços do CRASServiços do CRAS
Serviços do CRAS
 
Perguntas e respostas Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos
Perguntas e respostas Serviço de Convivência e Fortalecimento de VínculosPerguntas e respostas Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos
Perguntas e respostas Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos
 
Modelo parecer social
Modelo  parecer socialModelo  parecer social
Modelo parecer social
 
Modelos assistenciais terapêuticos direcionados ao idoso vs2
Modelos assistenciais terapêuticos direcionados ao idoso vs2Modelos assistenciais terapêuticos direcionados ao idoso vs2
Modelos assistenciais terapêuticos direcionados ao idoso vs2
 
Apresentação saude mental 1
Apresentação saude mental 1Apresentação saude mental 1
Apresentação saude mental 1
 

Semelhante a O trabalho do assistente social no caps ad

Serviço social e alcoolismo
Serviço social e alcoolismoServiço social e alcoolismo
Serviço social e alcoolismoCarol Alves
 
Intervenção Psicossocial (1).pptx
Intervenção Psicossocial (1).pptxIntervenção Psicossocial (1).pptx
Intervenção Psicossocial (1).pptxPregadorJonasKoncept
 
Ajudar As Pessoas Idosas A Viver De Forma Mais SaudáVel
Ajudar As Pessoas Idosas A Viver De Forma Mais SaudáVelAjudar As Pessoas Idosas A Viver De Forma Mais SaudáVel
Ajudar As Pessoas Idosas A Viver De Forma Mais SaudáVela20061577
 
gqrs_lar_estrutura_residencial_idosos_Processos-Chave.pdf
gqrs_lar_estrutura_residencial_idosos_Processos-Chave.pdfgqrs_lar_estrutura_residencial_idosos_Processos-Chave.pdf
gqrs_lar_estrutura_residencial_idosos_Processos-Chave.pdfestrelacadente5
 
O sentido do cuidar para familiares de pessoas com transtorno mental: um estu...
O sentido do cuidar para familiares de pessoas com transtorno mental: um estu...O sentido do cuidar para familiares de pessoas com transtorno mental: um estu...
O sentido do cuidar para familiares de pessoas com transtorno mental: um estu...Creudenia Freitas Santos
 
PSF PROGRAMA E SAUDE DA FAMILIA.ppt
PSF PROGRAMA E SAUDE DA FAMILIA.pptPSF PROGRAMA E SAUDE DA FAMILIA.ppt
PSF PROGRAMA E SAUDE DA FAMILIA.pptLucianaSousa469679
 
aulaacs-130630213326-phpapp02.pptx
aulaacs-130630213326-phpapp02.pptxaulaacs-130630213326-phpapp02.pptx
aulaacs-130630213326-phpapp02.pptxdalhasilva
 
V18n1 07redução de danos
V18n1 07redução de danosV18n1 07redução de danos
V18n1 07redução de danosvenanciom
 
UFCD - 6579 Cuidados na Saúde Mental
UFCD -  6579 Cuidados na Saúde MentalUFCD -  6579 Cuidados na Saúde Mental
UFCD - 6579 Cuidados na Saúde MentalNome Sobrenome
 
Processo seletivo 2014 2º semestre(19maio14)
Processo seletivo 2014   2º semestre(19maio14)Processo seletivo 2014   2º semestre(19maio14)
Processo seletivo 2014 2º semestre(19maio14)ACSHospitais
 
Palestra Reinserção Social Semana Cultural Ep Porto 2009
Palestra Reinserção Social Semana Cultural Ep Porto 2009Palestra Reinserção Social Semana Cultural Ep Porto 2009
Palestra Reinserção Social Semana Cultural Ep Porto 2009Dianova
 
Projeto intervenção saude mental
Projeto intervenção saude mentalProjeto intervenção saude mental
Projeto intervenção saude mentalCristiane Dactes
 
Ajudar as Pessoas Idosas a Viver de Forma Mais Saudável - Modelos de Promoção...
Ajudar as Pessoas Idosas a Viver de Forma Mais Saudável - Modelos de Promoção...Ajudar as Pessoas Idosas a Viver de Forma Mais Saudável - Modelos de Promoção...
Ajudar as Pessoas Idosas a Viver de Forma Mais Saudável - Modelos de Promoção...carbgarcia
 
Educação para a Saúde
Educação para a SaúdeEducação para a Saúde
Educação para a SaúdeCatarina Regina
 

Semelhante a O trabalho do assistente social no caps ad (20)

Serviço social e alcoolismo
Serviço social e alcoolismoServiço social e alcoolismo
Serviço social e alcoolismo
 
Intervenção Psicossocial (1).pptx
Intervenção Psicossocial (1).pptxIntervenção Psicossocial (1).pptx
Intervenção Psicossocial (1).pptx
 
Ajudar As Pessoas Idosas A Viver De Forma Mais SaudáVel
Ajudar As Pessoas Idosas A Viver De Forma Mais SaudáVelAjudar As Pessoas Idosas A Viver De Forma Mais SaudáVel
Ajudar As Pessoas Idosas A Viver De Forma Mais SaudáVel
 
gqrs_lar_estrutura_residencial_idosos_Processos-Chave.pdf
gqrs_lar_estrutura_residencial_idosos_Processos-Chave.pdfgqrs_lar_estrutura_residencial_idosos_Processos-Chave.pdf
gqrs_lar_estrutura_residencial_idosos_Processos-Chave.pdf
 
SAUDE COLETIVA
SAUDE COLETIVASAUDE COLETIVA
SAUDE COLETIVA
 
O sentido do cuidar para familiares de pessoas com transtorno mental: um estu...
O sentido do cuidar para familiares de pessoas com transtorno mental: um estu...O sentido do cuidar para familiares de pessoas com transtorno mental: um estu...
O sentido do cuidar para familiares de pessoas com transtorno mental: um estu...
 
Samuel_Programa_atividade_fisica
Samuel_Programa_atividade_fisicaSamuel_Programa_atividade_fisica
Samuel_Programa_atividade_fisica
 
PSF PROGRAMA E SAUDE DA FAMILIA.ppt
PSF PROGRAMA E SAUDE DA FAMILIA.pptPSF PROGRAMA E SAUDE DA FAMILIA.ppt
PSF PROGRAMA E SAUDE DA FAMILIA.ppt
 
SlidesdoPSF.ppt
SlidesdoPSF.pptSlidesdoPSF.ppt
SlidesdoPSF.ppt
 
aulaacs-130630213326-phpapp02.pptx
aulaacs-130630213326-phpapp02.pptxaulaacs-130630213326-phpapp02.pptx
aulaacs-130630213326-phpapp02.pptx
 
V18n1 07redução de danos
V18n1 07redução de danosV18n1 07redução de danos
V18n1 07redução de danos
 
UFCD - 6579 Cuidados na Saúde Mental
UFCD -  6579 Cuidados na Saúde MentalUFCD -  6579 Cuidados na Saúde Mental
UFCD - 6579 Cuidados na Saúde Mental
 
Processo seletivo 2014 2º semestre(19maio14)
Processo seletivo 2014   2º semestre(19maio14)Processo seletivo 2014   2º semestre(19maio14)
Processo seletivo 2014 2º semestre(19maio14)
 
Palestra Reinserção Social Semana Cultural Ep Porto 2009
Palestra Reinserção Social Semana Cultural Ep Porto 2009Palestra Reinserção Social Semana Cultural Ep Porto 2009
Palestra Reinserção Social Semana Cultural Ep Porto 2009
 
Livr grupo-recanto
Livr grupo-recantoLivr grupo-recanto
Livr grupo-recanto
 
Aula1
Aula1Aula1
Aula1
 
Projeto intervenção saude mental
Projeto intervenção saude mentalProjeto intervenção saude mental
Projeto intervenção saude mental
 
Ajudar as Pessoas Idosas a Viver de Forma Mais Saudável - Modelos de Promoção...
Ajudar as Pessoas Idosas a Viver de Forma Mais Saudável - Modelos de Promoção...Ajudar as Pessoas Idosas a Viver de Forma Mais Saudável - Modelos de Promoção...
Ajudar as Pessoas Idosas a Viver de Forma Mais Saudável - Modelos de Promoção...
 
Educação para a Saúde
Educação para a SaúdeEducação para a Saúde
Educação para a Saúde
 
Saúde Mental
Saúde MentalSaúde Mental
Saúde Mental
 

Mais de Alinebrauna Brauna (20)

Pnab
PnabPnab
Pnab
 
Orientacoes coleta analise_dados_antropometricos
Orientacoes coleta analise_dados_antropometricosOrientacoes coleta analise_dados_antropometricos
Orientacoes coleta analise_dados_antropometricos
 
Livro completo senad5
Livro completo senad5Livro completo senad5
Livro completo senad5
 
Radis 131 web
Radis 131 webRadis 131 web
Radis 131 web
 
Copia de radis_129_23maio2013
Copia de radis_129_23maio2013Copia de radis_129_23maio2013
Copia de radis_129_23maio2013
 
O que são conferências 21.05.2012
O que são conferências 21.05.2012O que são conferências 21.05.2012
O que são conferências 21.05.2012
 
Pmaq
PmaqPmaq
Pmaq
 
Pmaq
PmaqPmaq
Pmaq
 
Violência sexual contra crianças e adolescentes
Violência sexual contra crianças e adolescentesViolência sexual contra crianças e adolescentes
Violência sexual contra crianças e adolescentes
 
Todo sentimento
Todo sentimentoTodo sentimento
Todo sentimento
 
Suas os desafios da assistencia social
Suas   os desafios da assistencia socialSuas   os desafios da assistencia social
Suas os desafios da assistencia social
 
Slides infanto completo
Slides infanto completoSlides infanto completo
Slides infanto completo
 
Saúde mental
Saúde mentalSaúde mental
Saúde mental
 
O papel do cuidador e seus aspectos psicossociais
O papel do cuidador e seus aspectos psicossociaisO papel do cuidador e seus aspectos psicossociais
O papel do cuidador e seus aspectos psicossociais
 
Mpcda
MpcdaMpcda
Mpcda
 
Histórico sobre o eca
Histórico sobre o ecaHistórico sobre o eca
Histórico sobre o eca
 
Politica de ad
Politica de adPolitica de ad
Politica de ad
 
Perguntas e-respostas-crack
Perguntas e-respostas-crackPerguntas e-respostas-crack
Perguntas e-respostas-crack
 
Palestra álcool
Palestra álcoolPalestra álcool
Palestra álcool
 
O que é violência sexual
O que é violência sexualO que é violência sexual
O que é violência sexual
 

O trabalho do assistente social no caps ad

  • 2. Saúde Mental e reforma psiquiátrica Processo de desistitucionalização dos pacientes com transtornos mentais provenientes de diversas causas. Perspectiva de tratamento que vislumbre os aspectos biopsicossociais envolvidos no contexto da dependência química. Intervenção em meio aberto como a mais indicada na busca de uma ressignificação da vida dos sujeitos, que muitas vezes, estão com a vida centrada no uso de substâncias psicoativas.
  • 3. Tratamento no CAPS AD O processo de tratamento envolve: Acolhimento:  Socialização inicial de informações para adesão dos usuários. Aspectos médicos:  Diagnóstico da patologia;  Administração de medicação;  Acompanhamento da evolução do paciente.
  • 4. Tratamento no CAPS AD Aspectos psicológicos:  Atendimento terapêutico para tratar questões psicológicas. Aspectos Sociais:  Participação da família no tratamento;  Inserção nos equipamentos sociais.  Perspectiva de reinserção social.
  • 5. Reinserção Social É o determinante da recuperação integral do paciente e pressupõe a recuperação das perdas e a criação e/ou fortalecimento de uma rede de apoio. É um processo longo, gradativo e dinâmico, pois implica numa revisão de estigmas sociais estabelecidos, no resgate da cidadania e na retomada de hábitos sociais saudáveis.
  • 6. Reinserção Social Avaliação social para conhecer a realidade do usuário para estabelecimento de seu Plano Terapêutico Singular. Aspectos analisados nesta avaliação:  Vida pessoal e familiar;  Vida funcional;  Vida econômica;  Vida sociocomunitária;  Vida espiritual.
  • 7. Reinserção Social É necessário conhecer a totalidade da vida do usuário, seus meios de convívio, suas habilidades e perspectiva de vida. Promoção de atendimento dialógico com os usuários e seus familiares, a partir da socialização de informações e solicitação de opiniões para que o tratamento se adeque as identificações do paciente.
  • 8. Reinserção Social Construção de um PROJETO DE VIDA para estabelecer mudanças de hábitos sociais. Aspectos que envolvem o projeto:  Familiares;  Profissionais;  Médicos e psicológicos;  Espirituais;  Econômicos.
  • 9. Objetivos da intervenção do Assistente Social Promover a universalização dos direitos sociais dos usuários, através da identificação dos recursos que possibilitem a defesa de tais direitos. Intervir na realidade social dos usuários, a fim de identificar as expressões da questão social relacionadas ao processo de uso de substâncias psicoativas, para assim buscar formas de mudança da situação social vivida por essas pessoas, a partir da integração em atividades sociais e laborais.
  • 10. Atribuições gerais Coordenação, elaboração, supervisão e avaliação de estudos, programas e projetos na área de Serviço Social; Assessoria, consultoria e direção de serviços técnicos em Serviço Social; Planejamento, organização e administração de benefícios e serviços sociais.
  • 11. Atribuições principais Encaminhamento de providências e prestação de orientação social aos pacientes e seus familiares, bem como a população, quanto aos serviços e direitos sociais (em âmbito interdisciplinar e intersetorial) que garantam a melhoria dos aspectos psicossociais destes. Planejamento, execução e avaliação de pesquisas que possam contribuir para a análise da realidade social e para subsidiar ações de intervenção junto aos usuários do serviço;
  • 12. Atribuições principais Realização de estudos socioeconômicos com os usuários para fins de benefícios e serviços sociais a que tenham direito; Prestação de informações e pareceres sobre a matéria de Serviço Social; Realização de ações que possibilitem a identificação de novas atividades de trabalho, lazer e relações interpessoais, a fim de desenvolver a autonomia e melhorar as relações sociais e familiares.
  • 13. Atribuições principais Buscar manter a família esclarecida sobre os aspectos biopsicossociais que perpassam a dependência química para estabelecer novas relações interfamiliares que tragam mudanças na vida em sociedade, no trabalho e previna recaídas; Participação nas atividades multidisciplinares:  Visitas domiciliares;  Grupos;  Ações socioeducativas;  Avaliações e atendimentos individuais.
  • 14. Desafios e Possibilidades Intervenção pautada nos aspectos do projeto ético- político profissional; Garantir um bom atendimento, diante os recursos mínimos disponibilizados para a intervenção; Estabelecer um diálogo reflexivo com os usuários, para um melhor entendimento de mundo e da sua situação.
  • 15. Há um tempo em que é preciso abandonar as roupas usadas, que já tem a forma do nosso corpo, e esquecer os nossos caminhos, que nos levam sempre aos mesmos lugares. É o tempo da travessia: e, se não ousarmos fazê-la, teremos ficado, para sempre, à margem de nós mesmos. Fernando Pessoa
  • 16. Referências BRASIL. As redes comunitária e de saúde no atendimento aos usuários e dependentes de substâncias psicoativas: módulo 6. 4. ed. Brasília: Secretaria Nacional de Políticas sobre drogas, 2011. BRASIL. Lei no 8.662, de 7 de junho de 1993. Dispõe sobre a profissão de Assistente Social e dá outras providências. Brasília: [s/n], [s/d]. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8662.htm>. Acesso em: 30 mar. 2013.