O que é e Como Montar uma Oficina Pedagógica?

54.397 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
5 comentários
24 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
54.397
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
11
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1.019
Comentários
5
Gostaram
24
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O que é e Como Montar uma Oficina Pedagógica?

  1. 1. Oficina é um trabalho estruturado com grupos, independentemente do número de encontros. Este trabalho se centraliza em torno de uma questão, cuja elaboração acontece em um contexto social.
  2. 2. O planejamento de uma oficina pode contemplar as etapas propostas a seguir: antes (organizando as idéias), durante (vivendo a oficina propriamente dita) e depois da oficina (avaliando o acontecido e propondo novas oficinas, quando for o caso).
  3. 3. 1º momento: antes da oficina 1. ANÁLISE DA DEMANDA (planejamento) - Fatores Externos - Fatores Internos 1.1 - PRÉ ANÁLISE 1.2 - ENQUADRE
  4. 4. 1º momento: antes da oficina 1. ANÁLISE DA DEMANDA (planejamento): Ao se planejar uma oficina deve ser feita uma análise de fatores externos e internos, que contribuem e delineiam sua possibilidade de existência e desenvolvimento. Esses fatores são relacionados à instituição (fatores externos) e aos participantes (fatores internos).
  5. 5. 1.a -Fatores Externos • - Possibilidade da instituição- o que é possível realizar, tanto do ponto de vista financeiro como do ponto de vista ideológico. • - O que já foi feito – a história, dentro da instituição, relacionada àquele tema em particular, os sucessos e os fracassos. • - Compromisso da instituição – o quanto a instituição se compromete com o trabalho de determinado tema, e seus desdobramentos (por exemplo, uma oficina que se desdobra em palestras, ou pesquisas, ou peça de teatro, etc.
  6. 6. 1.b – Fatores Internos • • -Necessidade dos participantes – essa necessidade pode ser percebida pelos próprios participantes, ou pela instituição, ou pelos dois. É claro que quando ambos percebem a necessidade de trabalhar um determinado tema, o desenvolvimento de oficinas torna-se mais fácil -Características dos participantes (idade, sexo, instrução, experiências, etc.) – possibilita que a coordenação construa um mapa prévio dos participantes e infira algumas questões. Por exemplo, quando se trata de um tema educativo e o nível de instrução dos participantes é muito heterogêneo em relação àquele tema particular, isso deve ser levado em conta no planejamento da oficina propriamente dita. • -Receptividade dos participantes – por toda análise anterior é possível prever como será a receptividade dos participantes em relação a determinado tema.
  7. 7. 1. 1 - PRÉ ANÁLISE - Após a análise da demanda faz-se uma pré análise do grupo: analisa-se o que o grupo já sabe, precisa e quer saber em relação ao tema. O que ele consegue compreender e assimilar a respeito do tema. É um momento de diagnóstico da questão (o tema e o grupo) em vários aspectos. 1. 2 - ENQUADRE - É a definição de quem é o participante, do número de participantes, do local, horário, recursos logísticos disponíveis e número de encontros. Definir o enquadre possibilita preparar uma estrutura para o trabalho, dentro das condições existentes.
  8. 8. 2º momento: início da oficina 1. - ACOLHIMENTO • disposição para receber todas as manifestações dentro de determinado tempo e tema. • são usadas várias técnicas, de acordo com a especificidade e fase do grupo. • sugere-se que não sejam usadas técnicas que necessitem de contato físico. • caso de vários encontros as estratégias de acolhimento serão avaliadas de acordo com o trabalho realizado pelo grupo, no encontro anterior . • -Objetivo (porque): sensibilizar para que o grupo aconteça. • -Meta (para quê): assimilação, elaboração de conhecimentos e mudanças de atitudes.
  9. 9. As técnicas e a sua utilização no grupo: • Favorecem comunicação. a sensibilização, a expressão e a • Possibilitam a expansão do conhecimento e abertura de interação no grupo. • Estão conectadas ao processo grupal, à reflexão central do grupo. • Possibilitam a passagem do nível lúdico para o reflexivo. A técnica por si só não tem sentido, não constrói; ela é meio, não fim .
  10. 10. 3º momento: desenvolvimento da oficina 1. TEMA – escolher o tema de acordo com a demanda do próprio grupo e com demanda da instituição. Quem vai desenvolver o tema: a coordenação se sente apta para isso ou é necessário também um especialista nessa oficina propriamente dita? 1.a - Como - é a sensibilização – cena de filme, música, textos, (história, piada, poesia) ilustração (charge, cartazes). Tem o objetivo de motivar, preparar os participantes para determinado tema. A sensibilização parte da experiência para chegar à assimilação de conteúdos e possíveis mudanças. É interessante, nesse momento, dividir o grupo em alguns subgrupos, para favorecer a integração. A atividade pode ser verbal, gráfica ou cênica. A coordenação deve ficar atenta ao que é exposto (verbal e não verbal), para eventuais intervenções e reestruturações.
  11. 11. A flexibilidade na condução do grupo é importante e tem que existir ao trabalhar em grupo, porque trabalhar com grupo operativo pressupõe acolher, respeitar o conhecimento do outro, possibilitar discussões e elaborar conceitos através das experiências que emergem. CONSTRUÇÃO DE CONHECIMENTO DE FORMA COLETIVA E SOCIALIZADA
  12. 12. 4º momento: final da oficina 1. Avaliação do Encontro pelos participantes. Pode ser feito de várias formas – verbal, gráfica, cênica, proporcionando leitura individual e coletiva do acontecido. Essa avaliação indica rumos para os próximos encontros de grupo (caso tenha sido planejado mais de um encontro).
  13. 13. 5º momento: após a oficina 1 . Avaliação do Encontro - pela coordenação. Devem ser avaliados como o grupo se desenvolveu, se houve mecanismos de defesa e como a coordenação conduziu o grupo. AFONSO, L. (org.) Oficinas em dinâmica de grupo: um método de intervenção psicossocial. Belo Horizonte: Edições do Campo Social, 2000, pp.28-55.
  14. 14. OFICINA 1º MOMENTO ANTES ANÁLISE DA DEMANDA -INSTITUIÇÃO: HISTÓRIA, POSSIBILIDADES, COMPROMISSO -PARTICIPANTES:NECESSIDADE, CARACTERÍSTICAS, RECEPTIVIDADE. PRÉ-ANÁLISE O QUE O GRUPO JÁ SABE O QUE PRECISA, O QUE DÁ CONTA. ENQUADRE QUANTOS PARTICIPANTES, CARACTERÍSTICAS DOS PARTICIPANTES, RECURSOS DISPONÍVEIS, LOCAL, HORÁRIO. 2º MOMENTO INÍCIO ACOLHIMENTO SENSIBILIZAR PARA QUE O GRUPO ACONTEÇA. - ASSIMILAÇÃO, ELABORAÇÃO DE CONHECIMENTOS E MUDANÇAS DE ATITUDES. 3º MOMENTO MEIO 4º MOMENTO FIM TEMA QUAL QUEM COMO AVALIAÇÃO PELOS PARTICIPANTES.

×