SlideShare uma empresa Scribd logo

Resumo Cultura do Ágora - HCA

Resumo da Disciplina de História e Cultura das Artes relativo ao módulo 1 - Educação para o Ver e Cultura do Ágora

1 de 3
Baixar para ler offline
1
 HCA
        Resumo para primeiro teste




                                                                                                                                Página
        Dylan Bonnet | 2258



A EDUCAÇÃO DO VER – INTRODUÇÃO À HCA:

          A Arte está presente em toda a História da Humanidade, desde as origens à atualidade e em todas as sociedades, pois
parece corresponder a finalidades e necessidades vitais. A Arte apresenta-se ao Homem como alimento espiritual e como
companheiro inseparável. Eles justificam-se mutuamente.
          O Homem usa a Arte como talismã que o defende contra as forças inevitáveis da natureza, através de uma sintonia
estabelecida pela própria com os deuses e a Mãe Natureza. Ela dá-se a ver como forma de diálogo com os deuses e consigo
próprio (quando produz arte em busca do prazer, quando se quer passar uma mensagem, deixar uma marca – deixa de se
orientar para os deus para se dirigir para o Homem). Aparece como meio de satisfação de necessidades estéticas na procura da
plenitude (através do uso do modelo da sociedade – do cânone).
          A Arte também permite que o Homem seja mais humano, mais tolerável (Sem Homem não há Arte e sem Arte não há
Homem).
          Procura-se que a Obra permaneça continuamente no tempo, que adote uma forma de legado para as gerações
futuras, um património estético.
                                                           
          Até à época contemporânea, a Obra de Arte teve um caráter estável e permanente: quadro de cavalete, figurativo e
acabado, sendo que hoje a própria se apresenta com mutável, numa sociedade onde tudo é descartável e as tendências
mudam de dia para dia e com elas mudam também os conceitos artísticos, que podem ser inacabados e deixar asas à
imaginação do observador. Desde os finais do século XIX que as pinturas vêm a ser salpicadas com traços de subjetividade e
do abstrato – já não se trata do que se vê, mas sim do que se sente. Progressivamente, novos suportes vão surgindo,
ultrapassando-se a clássica tela ou parede para se irem inserindo novos materiais; com isso, veio também a emergir o Novo
Conceito de Arte: aquela que não tem limites e que desconstrói qualquer cânone. A própria noção de Arte é posta em
causa.
          Os anos ‘60/’70 trazem contestação e manifestação que provocam ruturas nas tradições seculares, propondo novas
formas de arte – arte com mensagens, que chegam a chocar, mas não anulou a necessidade do artista em ter um público que
dê sentido social à obra.
          Pode-se concluir que o Homem está condenado à produção artística e que a arte é parte integral e integradora do
Homem e da sua especificidade cultural.


A CULTURA DO ÁGORA:

        Contextualização Histórico-Cultural:

         A Arte Grega está inserida num contexto histórico-cultural com tradições milenares; tem influências micénicas,
cretenses, cicládicas e egípcias. É uma arte original (os gregos foram pioneiros na representação do Homem em mármores e à
escala com uma perfeição notável, foram também os primeiros a criar templos inovadores), portadora de valores técnicos,
estéticos e éticos.
         A Civilização Grega é o berço da cultura ocidental e rege-se sobre valores como a racionalidade, o antropomorfismo
e o idealismo (cânone). Atingiu o seu apogeu nos séculos V-IV a.C..
         Digamos que esta cultura nasce com a conciliação de condições diversas que permitiram harmonizar o Homem com o
Mundo:
         Condições Naturais: o clima seco e quente evoca a boa disposição, e o solo pobre leva a que se procure noutros
lugares, incitando o comércio. Por seu lado o Mar Mediterrâneo apresenta-se como elo de ligação com outros mundos, permitindo
que se tragam descobertas e que se comercialize.
         Condições Étnicas: o povo grego resultou do cruzamento de vários povos: micénicos, cretenses, cicládicos e egípcios;
o que inspirou o povo grego nos seus primórdios.
2
 HCA
        Resumo para primeiro teste




                                                                                                                                      Página
        Dylan Bonnet | 2258

         Condições Sociais e Económicas: o crescimento da população leva a que se desenvolva o comércio e as descobertas.
Terra produtora de vinho e azeite, a Grécia Antiga, cria cerâmicas que transportarão os produtos e que terão como “rótulos” os
feitos dos gregos, servindo como propaganda da cultura.

        Qualidades estéticas dos Gregos:
        ›Racionalismo;                                                         ›Antropomorfismo;
        ›Clareza (objetivo);                                                   ›Idealismo/Realismo (tal e qual);
        ›Harmonia (matemática);                                                ›Rigor;
        ›Proporção (matemática);                                               ›Equilíbrio;
        ›Ritmo (movimento);                                                    ›Naturalismo;
        ›Belo/Útil;                                                            ›Sentido Coletivo
        ›Superioridade/Dignidade (querer melhor, com                           ›Padrões de Beleza/Cânones.
         respeito pelo próx.);

        Os gregos notabilizaram-se na Arquitetura, com a aplicação de critérios matemáticos e geométricos, que se
traduziam na rigorosa proporcionalidade das ordens (dórica, jónica e coríntia); pela harmonia entre as formas estruturais e a
decoração aplicada; pela procura do equilíbrio, naturalismo e idealismo visual e verdade visual. O templo representa a
medida, o modelo da Cultura Grega – o cânone.
        As acrópoles da Antiga Grécia eram construídas no ponto mais elevado das cidades, serviam originalmente como
proteção contra invasores de cidades inimigas, e eram quase sempre cercadas por muralhas.
        Os gregos criaram várias obras de arte para enfeitar templos, para celebrar vitórias em batalhas, as pessoas
famosas e os mortos, e como oferendas aos deuses.

    ›   Período Arcaico e Clássico:

         Escultura:
         Pouco depois de meados do século VII a. C., os gregos começaram a esculpir em mármore grandes figuras de homens.
Assim os gregos adotaram o método egípcio de execução e também, em grande medida, o sistema egípcio de proporções.
         As semelhanças na pose e na técnica são óbvias; as diferenças de estilo e função são mais subtis, mas extremamente
importantes. O escultor egípcio fazia uma figura realista de um homem; a estátua grega é mais abstrata. Pois, para os gregos uma
estátua desse gênero não deveria parecer-se apenas com um homem mas também ser um belo objeto em si mesmo. Assim
fizeram dela uma peça de beleza ao impor três elementos de composição à representação da forma humana: simetria, repetição
exata de formas e uso das mesmas formas em diferentes escalas.
         Esse tipo de estátua (uma figura nua masculina em posição hirta e frontal, com o peso igualmente distribuído sobre
ambas as pernas) é chamado de Kouros (plural Kouroi), palavra que significa “homem jovem”.

          Já no início do séc. V a.C., a busca do artista grego pela superação da rigidez das estátuas, o mármore mostrou-se um
material inadequado: pesado demais, quebrava-se sob o seu próprio peso, quando determinadas partes do corpo não estavam
apoiadas. Para solucionar o problema, os escultores da era clássica começaram a utilizar o bronze, liga metálica que, além
de ser mais resistente que o mármore, permitia criar figuras que expressassem melhor a ideia de movimento. É introduzido um
novo conceito, o contrapposto, tratando-se de uma postura em que o corpo se apoia sobre uma perna, enquanto a outra aparece
ligeiramente fletida (ex: Doríforo, de Policleto). Desta forma a escultura passa a poder exprimir-se através do corpo, prescindindo
do mítico sorriso arcaico e ganhando uma expressão de contemplação. No final do século, Fídias entra em cena e o seu talento
é glorificado através dos relevos das métopas, dos frisos e dos frontões do Pártenon. Ele consegue atingir os pilares da forma
clássica: naturalismo, equilíbrio e serenidade.
          O cânone de Policleto era que a estátua tivesse: a harmonia das partes anatómicas, um ligeiro movimento dos
ombros e quadris, altura do corpo igual a sete vezes a da cabeça.
          Auriga – estátuas dos vencedores do JO.
3
 HCA
        Resumo para primeiro teste




                                                                                                                                      Página
        Dylan Bonnet | 2258

         Arquitetura:
         Na arquitetura grega, as edificações que despertam maior interesse são os templos, construídos não para reunir pessoas
em seu interior para o culto religioso, mas para servir de residência dos deuses
         A característica mais evidente dos templos gregos é a simetria entre o pórtico da entrada – o pronau – e os fundos – o
opistódomo. O núcleo do templo grego era formado pelo pronau, pelo naus (recinto onde se situava a imagem da divindade) e
pelo opistódomo. Esse núcleo era cercado pelo peristilo (colunata ou conjunto de coluna).
                                                             As colunas do templo sustentavam um entablamento horizontal,
                                                   formados por três partes: a arquitrave, o friso e a cornija. As colunas e o
                                                   entablamento eram construídos segundo os modelos da ordem dórica ou a
                                                   ordem jônica.
                                                             A ordem dórica era simples e maciça. A ordem jônica sugeria mais
                                                   leveza e era mais ornamentada.
                                                             Os templos gregos eram cobertos por um telhado descendente no
                                                   sentido das laterais. Dessa posição do telhado resultava um espaço triangular
                                                   sobre a cornija, tanto no pórtico de entrada quanto no dos fundos. Esse espaço
triangular, denominado frontão, era ricamente ornamentado com esculturas. Além dos frontões, as métopas e os frisos (ver
imagem da página anterior) também eram decorados com esculturas que geralmente descreviam cenas épicas e elementos da
mitologia grega.
         Destacam-se templos como o Pártenon – templo dórico e o Templo de Atena Nike – santuário complexo que devia
receber várias funções religiosas.

        Cerâmica:
        Os gregos fabricavam vasos com decoração pintada para servir a quatro finalidades: como recipientes para armazenar
bebidas e mantimentos; como equipamento para refeições festivas; como recipientes de uso decorativo e, por fim, como vasos
especiais para ser usado em rituais (tais como, o casamento).
        As pinturas dos vasos representam pessoas e as suas atividades quotidianas e cenas da mitologia grega.
        Parra – folha de vinha (numa cerâmica representa o seu aspeto comercial)

    ›   Período Helenístico:

        O período helenístico vai do século IV a. C. até o século II a. C. O termo “helenística” refere-se à cultura iniciada sob o
poder de Alexandre e seguida até o domínio da Grécia pelos romanos em 146 a. C.

        Escultura:
        O conjunto escultórico do século IV a. C. apresenta traços bem característicos. Um deles era a representação, sob forma
humana, de conceitos e sentimentos, como a paz, o amor, a liberdade, a vitória, entre outros. Outro traço marcante foi o
surgimento do nu feminino, pois, nos períodos arcaico e clássico, representava-se a figura feminina sempre vestida.
        A outra conquista do período helenístico foi a representação não de uma só figura, mas de grupos que ao mesmo tempo
sugerem mobilidade e a preocupação com o belo em todos os ângulos.

        Arquitetura:
        A casa: novo luxo na vida privada
        No período helenístico, as casas ganham mais espaço e se tornam mais valorizadas. Os pátios da maioria das casas
eram adornados com graciosos peristilos (galeria de colunas isoladas, em torno de um edifício ou de um pátio). Muitas paredes
simulavam aplicações de mármore e belos mosaicos revestiam os pisos.

         O teatro: o ator torna-se protagonista
         Nas criações dramáticas, tal como na vida, o ênfase passou a recair mais sobre o indivíduo do que sobre o grupo;
no teatro, isso significava mais atenção ao ator do que ao coro.

Recomendados

Módulo 1 – a cultura da ágora
Módulo 1 – a cultura da ágoraMódulo 1 – a cultura da ágora
Módulo 1 – a cultura da ágoraTLopes
 
Cultura do mosteiro tempo e espaço
Cultura do mosteiro    tempo e espaçoCultura do mosteiro    tempo e espaço
Cultura do mosteiro tempo e espaçoAna Barreiros
 
Módulo 2 escultura romana
Módulo 2   escultura romanaMódulo 2   escultura romana
Módulo 2 escultura romanaCarla Freitas
 
Módulo 3 contexto histórico regular
Módulo 3   contexto histórico regularMódulo 3   contexto histórico regular
Módulo 3 contexto histórico regularCarla Freitas
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A cultura do palacio
A cultura do palacioA cultura do palacio
A cultura do palacioAna Barreiros
 
A arquitetura gótica
A arquitetura góticaA arquitetura gótica
A arquitetura góticaAna Barreiros
 
Módulo 2 a cultura do senado
Módulo 2   a cultura do senadoMódulo 2   a cultura do senado
Módulo 2 a cultura do senadoTLopes
 
MÓDULO 1 - HCA.pdf
MÓDULO 1 - HCA.pdfMÓDULO 1 - HCA.pdf
MÓDULO 1 - HCA.pdfjosepinho
 
Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte gregacattonia
 
Arte do Renascimento - Pintura
Arte do Renascimento - PinturaArte do Renascimento - Pintura
Arte do Renascimento - PinturaCarlos Vieira
 
01 cultura da catedral
01 cultura da catedral01 cultura da catedral
01 cultura da catedralVítor Santos
 
O aparecimento da arte gotica
O aparecimento da arte goticaO aparecimento da arte gotica
O aparecimento da arte goticaAna Barreiros
 
Exame do Módulo 5 de HCA - Proposta de correção
Exame do Módulo 5  de HCA - Proposta de correçãoExame do Módulo 5  de HCA - Proposta de correção
Exame do Módulo 5 de HCA - Proposta de correçãoteresagoncalves
 
Templo da deusa niké
Templo da deusa nikéTemplo da deusa niké
Templo da deusa nikéAna Barreiros
 
Escultura e pintura românica
Escultura e pintura românicaEscultura e pintura românica
Escultura e pintura românicaAna Barreiros
 
Módulo 1 escultura grega regular
Módulo 1   escultura grega regularMódulo 1   escultura grega regular
Módulo 1 escultura grega regularCarla Freitas
 
Arquitetura romana i
Arquitetura romana iArquitetura romana i
Arquitetura romana iAna Barreiros
 
Modelo grego parte 1
Modelo grego parte 1Modelo grego parte 1
Modelo grego parte 1cattonia
 

Mais procurados (20)

A cultura do palacio
A cultura do palacioA cultura do palacio
A cultura do palacio
 
O românico
O românicoO românico
O românico
 
A arquitetura gótica
A arquitetura góticaA arquitetura gótica
A arquitetura gótica
 
Módulo 2 a cultura do senado
Módulo 2   a cultura do senadoMódulo 2   a cultura do senado
Módulo 2 a cultura do senado
 
Arquitetura grega
Arquitetura gregaArquitetura grega
Arquitetura grega
 
MÓDULO 1 - HCA.pdf
MÓDULO 1 - HCA.pdfMÓDULO 1 - HCA.pdf
MÓDULO 1 - HCA.pdf
 
Arquitetura Romana
Arquitetura RomanaArquitetura Romana
Arquitetura Romana
 
Cultura da catedral
Cultura da catedralCultura da catedral
Cultura da catedral
 
Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
 
Arte do Renascimento - Pintura
Arte do Renascimento - PinturaArte do Renascimento - Pintura
Arte do Renascimento - Pintura
 
01 cultura da catedral
01 cultura da catedral01 cultura da catedral
01 cultura da catedral
 
Ceramica grega
Ceramica gregaCeramica grega
Ceramica grega
 
O aparecimento da arte gotica
O aparecimento da arte goticaO aparecimento da arte gotica
O aparecimento da arte gotica
 
Exame do Módulo 5 de HCA - Proposta de correção
Exame do Módulo 5  de HCA - Proposta de correçãoExame do Módulo 5  de HCA - Proposta de correção
Exame do Módulo 5 de HCA - Proposta de correção
 
Templo da deusa niké
Templo da deusa nikéTemplo da deusa niké
Templo da deusa niké
 
Escultura e pintura românica
Escultura e pintura românicaEscultura e pintura românica
Escultura e pintura românica
 
Módulo 1 escultura grega regular
Módulo 1   escultura grega regularMódulo 1   escultura grega regular
Módulo 1 escultura grega regular
 
Arquitetura romana i
Arquitetura romana iArquitetura romana i
Arquitetura romana i
 
A pólis de atenas
A pólis de atenasA pólis de atenas
A pólis de atenas
 
Modelo grego parte 1
Modelo grego parte 1Modelo grego parte 1
Modelo grego parte 1
 

Destaque

Ai módulo .5 estrutura_familiar_dinâmica_social
Ai  módulo .5 estrutura_familiar_dinâmica_socialAi  módulo .5 estrutura_familiar_dinâmica_social
Ai módulo .5 estrutura_familiar_dinâmica_socialteresagoncalves
 
Exame mód.1 mv - critérios
Exame   mód.1 mv - critériosExame   mód.1 mv - critérios
Exame mód.1 mv - critériosteresagoncalves
 
Proposta Correção - mód IV
Proposta Correção  - mód IVProposta Correção  - mód IV
Proposta Correção - mód IVteresagoncalves
 
Programa historia a 10_11_12
Programa historia a 10_11_12Programa historia a 10_11_12
Programa historia a 10_11_12Ana Cristina F
 
Exame módulo I - hca - rep. - proposta de correção
Exame módulo I - hca - rep. - proposta de correçãoExame módulo I - hca - rep. - proposta de correção
Exame módulo I - hca - rep. - proposta de correçãoteresagoncalves
 
Teste de avaliação
Teste de avaliaçãoTeste de avaliação
Teste de avaliaçãoJoão Couto
 
Ficha formativa Cultura do Mosteiro
Ficha formativa Cultura do MosteiroFicha formativa Cultura do Mosteiro
Ficha formativa Cultura do MosteiroAna Barreiros
 
Exame mod 2 - 2.ª versão - proposta de correção
Exame mod 2  - 2.ª versão - proposta de correçãoExame mod 2  - 2.ª versão - proposta de correção
Exame mod 2 - 2.ª versão - proposta de correçãoteresagoncalves
 

Destaque (11)

Ai módulo .5 estrutura_familiar_dinâmica_social
Ai  módulo .5 estrutura_familiar_dinâmica_socialAi  módulo .5 estrutura_familiar_dinâmica_social
Ai módulo .5 estrutura_familiar_dinâmica_social
 
Exame mód.1 mv - critérios
Exame   mód.1 mv - critériosExame   mód.1 mv - critérios
Exame mód.1 mv - critérios
 
Proposta Correção - mód IV
Proposta Correção  - mód IVProposta Correção  - mód IV
Proposta Correção - mód IV
 
Exame módulo 1 de HCA
Exame módulo 1 de HCAExame módulo 1 de HCA
Exame módulo 1 de HCA
 
Programa historia a 10_11_12
Programa historia a 10_11_12Programa historia a 10_11_12
Programa historia a 10_11_12
 
Exame módulo I - hca - rep. - proposta de correção
Exame módulo I - hca - rep. - proposta de correçãoExame módulo I - hca - rep. - proposta de correção
Exame módulo I - hca - rep. - proposta de correção
 
Teste romanos
Teste romanosTeste romanos
Teste romanos
 
Teste de avaliação
Teste de avaliaçãoTeste de avaliação
Teste de avaliação
 
Ficha formativa Cultura do Mosteiro
Ficha formativa Cultura do MosteiroFicha formativa Cultura do Mosteiro
Ficha formativa Cultura do Mosteiro
 
Exame mod 2 - 2.ª versão - proposta de correção
Exame mod 2  - 2.ª versão - proposta de correçãoExame mod 2  - 2.ª versão - proposta de correção
Exame mod 2 - 2.ª versão - proposta de correção
 
Teste 1 hist 2.º periodo
Teste 1 hist 2.º periodoTeste 1 hist 2.º periodo
Teste 1 hist 2.º periodo
 

Semelhante a Resumo Cultura do Ágora - HCA

Semelhante a Resumo Cultura do Ágora - HCA (20)

Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
 
artegregaesculturaarquiteturapintur.pptx
artegregaesculturaarquiteturapintur.pptxartegregaesculturaarquiteturapintur.pptx
artegregaesculturaarquiteturapintur.pptx
 
Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
 
Arte grega
Arte grega  Arte grega
Arte grega
 
artegregaesculturaarquiteturapintura
artegregaesculturaarquiteturapinturaartegregaesculturaarquiteturapintura
artegregaesculturaarquiteturapintura
 
Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
 
Renascimento (2)
Renascimento (2)Renascimento (2)
Renascimento (2)
 
A arte na Grécia
A arte na GréciaA arte na Grécia
A arte na Grécia
 
Arte grega 1
Arte grega 1Arte grega 1
Arte grega 1
 
Escultura grega classica
Escultura grega classica Escultura grega classica
Escultura grega classica
 
Renascimento 2013 7º
Renascimento  2013  7ºRenascimento  2013  7º
Renascimento 2013 7º
 
Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
 
Arte Grega.ppt
Arte Grega.pptArte Grega.ppt
Arte Grega.ppt
 
Portefólio de Historia
Portefólio de HistoriaPortefólio de Historia
Portefólio de Historia
 
História da arte grega e romana
História da arte grega e romanaHistória da arte grega e romana
História da arte grega e romana
 
GréCia
GréCiaGréCia
GréCia
 
GréCia
GréCiaGréCia
GréCia
 
Civilização grega blogue
Civilização grega blogueCivilização grega blogue
Civilização grega blogue
 
Aula 3 art em
Aula 3   art emAula 3   art em
Aula 3 art em
 
Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
 

Mais de Dylan Bonnet

A Cultura do Salão
A Cultura do SalãoA Cultura do Salão
A Cultura do SalãoDylan Bonnet
 
A Cultura do Palácio: Renascimento
A Cultura do Palácio: RenascimentoA Cultura do Palácio: Renascimento
A Cultura do Palácio: RenascimentoDylan Bonnet
 
Resumo Cultura do Gótico - Hisatória da Cultura e das Artes
Resumo Cultura do Gótico - Hisatória da Cultura e das ArtesResumo Cultura do Gótico - Hisatória da Cultura e das Artes
Resumo Cultura do Gótico - Hisatória da Cultura e das ArtesDylan Bonnet
 
A cultura académica em portugal
A cultura académica em portugalA cultura académica em portugal
A cultura académica em portugalDylan Bonnet
 
Resumos filosofia 11
Resumos filosofia 11Resumos filosofia 11
Resumos filosofia 11Dylan Bonnet
 

Mais de Dylan Bonnet (6)

A Cultura do Salão
A Cultura do SalãoA Cultura do Salão
A Cultura do Salão
 
A Cultura do Palácio: Renascimento
A Cultura do Palácio: RenascimentoA Cultura do Palácio: Renascimento
A Cultura do Palácio: Renascimento
 
Resumo Cultura do Gótico - Hisatória da Cultura e das Artes
Resumo Cultura do Gótico - Hisatória da Cultura e das ArtesResumo Cultura do Gótico - Hisatória da Cultura e das Artes
Resumo Cultura do Gótico - Hisatória da Cultura e das Artes
 
O livro de kells
O livro de kellsO livro de kells
O livro de kells
 
A cultura académica em portugal
A cultura académica em portugalA cultura académica em portugal
A cultura académica em portugal
 
Resumos filosofia 11
Resumos filosofia 11Resumos filosofia 11
Resumos filosofia 11
 

Último

Explique o modelo de determinação social da saúde proposto por Dahlgren e Whi...
Explique o modelo de determinação social da saúde proposto por Dahlgren e Whi...Explique o modelo de determinação social da saúde proposto por Dahlgren e Whi...
Explique o modelo de determinação social da saúde proposto por Dahlgren e Whi...excellenceeducaciona
 
CONCEITOS BÁSICOS DA GEOGRAFIAGEOGRAFIAGEOGRAFIA
CONCEITOS BÁSICOS DA GEOGRAFIAGEOGRAFIAGEOGRAFIACONCEITOS BÁSICOS DA GEOGRAFIAGEOGRAFIAGEOGRAFIA
CONCEITOS BÁSICOS DA GEOGRAFIAGEOGRAFIAGEOGRAFIAHenrique Pontes
 
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...excellenceeducaciona
 
A) Comportamento treino-instrução. B) Comportamento de apoio social. C) Compo...
A) Comportamento treino-instrução. B) Comportamento de apoio social. C) Compo...A) Comportamento treino-instrução. B) Comportamento de apoio social. C) Compo...
A) Comportamento treino-instrução. B) Comportamento de apoio social. C) Compo...apoioacademicoead
 
Considerando a Teoria da Autodeterminação abordada no livro da disciplina, de...
Considerando a Teoria da Autodeterminação abordada no livro da disciplina, de...Considerando a Teoria da Autodeterminação abordada no livro da disciplina, de...
Considerando a Teoria da Autodeterminação abordada no livro da disciplina, de...apoioacademicoead
 
Reprodução nos Animais - 2.º ciclo 5.º ano
Reprodução nos Animais - 2.º ciclo 5.º anoReprodução nos Animais - 2.º ciclo 5.º ano
Reprodução nos Animais - 2.º ciclo 5.º anoMariaJoão Agualuza
 
Considere a imagem abaixo: Fonte: ROSA, Tomás Amado. No âmbito do Direito, a...
Considere a imagem abaixo:  Fonte: ROSA, Tomás Amado. No âmbito do Direito, a...Considere a imagem abaixo:  Fonte: ROSA, Tomás Amado. No âmbito do Direito, a...
Considere a imagem abaixo: Fonte: ROSA, Tomás Amado. No âmbito do Direito, a...azulassessoriaacadem3
 
Vários modelos foram propostos para estudar os determinantes sociais e a tram...
Vários modelos foram propostos para estudar os determinantes sociais e a tram...Vários modelos foram propostos para estudar os determinantes sociais e a tram...
Vários modelos foram propostos para estudar os determinantes sociais e a tram...Prime Assessoria
 
A) Cite inicialmente as três dimensões do desenvolvimento sustentável e estab...
A) Cite inicialmente as três dimensões do desenvolvimento sustentável e estab...A) Cite inicialmente as três dimensões do desenvolvimento sustentável e estab...
A) Cite inicialmente as três dimensões do desenvolvimento sustentável e estab...excellenceeducaciona
 
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...excellenceeducaciona
 
4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...
4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...
4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...apoioacademicoead
 
Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento
Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento
Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento Mary Alvarenga
 
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...azulassessoriaacadem3
 
a) Tendo como base as competências de um conselho de saúde, a afirmação "... ...
a) Tendo como base as competências de um conselho de saúde, a afirmação "... ...a) Tendo como base as competências de um conselho de saúde, a afirmação "... ...
a) Tendo como base as competências de um conselho de saúde, a afirmação "... ...Prime Assessoria
 
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...azulassessoriaacadem3
 
1. Encontre um Livro Didático de Língua Portuguesa, que seja para o 1º, 2º ou...
1. Encontre um Livro Didático de Língua Portuguesa, que seja para o 1º, 2º ou...1. Encontre um Livro Didático de Língua Portuguesa, que seja para o 1º, 2º ou...
1. Encontre um Livro Didático de Língua Portuguesa, que seja para o 1º, 2º ou...azulassessoriaacadem3
 
Elabore uma apresentação em PowerPoint em que você possa definir como a teolo...
Elabore uma apresentação em PowerPoint em que você possa definir como a teolo...Elabore uma apresentação em PowerPoint em que você possa definir como a teolo...
Elabore uma apresentação em PowerPoint em que você possa definir como a teolo...azulassessoriaacadem3
 
SOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIM
SOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIMSOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIM
SOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIMHisrelBlog
 

Último (20)

Explique o modelo de determinação social da saúde proposto por Dahlgren e Whi...
Explique o modelo de determinação social da saúde proposto por Dahlgren e Whi...Explique o modelo de determinação social da saúde proposto por Dahlgren e Whi...
Explique o modelo de determinação social da saúde proposto por Dahlgren e Whi...
 
CONCEITOS BÁSICOS DA GEOGRAFIAGEOGRAFIAGEOGRAFIA
CONCEITOS BÁSICOS DA GEOGRAFIAGEOGRAFIAGEOGRAFIACONCEITOS BÁSICOS DA GEOGRAFIAGEOGRAFIAGEOGRAFIA
CONCEITOS BÁSICOS DA GEOGRAFIAGEOGRAFIAGEOGRAFIA
 
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
 
A) Comportamento treino-instrução. B) Comportamento de apoio social. C) Compo...
A) Comportamento treino-instrução. B) Comportamento de apoio social. C) Compo...A) Comportamento treino-instrução. B) Comportamento de apoio social. C) Compo...
A) Comportamento treino-instrução. B) Comportamento de apoio social. C) Compo...
 
Considerando a Teoria da Autodeterminação abordada no livro da disciplina, de...
Considerando a Teoria da Autodeterminação abordada no livro da disciplina, de...Considerando a Teoria da Autodeterminação abordada no livro da disciplina, de...
Considerando a Teoria da Autodeterminação abordada no livro da disciplina, de...
 
Reprodução nos Animais - 2.º ciclo 5.º ano
Reprodução nos Animais - 2.º ciclo 5.º anoReprodução nos Animais - 2.º ciclo 5.º ano
Reprodução nos Animais - 2.º ciclo 5.º ano
 
Considere a imagem abaixo: Fonte: ROSA, Tomás Amado. No âmbito do Direito, a...
Considere a imagem abaixo:  Fonte: ROSA, Tomás Amado. No âmbito do Direito, a...Considere a imagem abaixo:  Fonte: ROSA, Tomás Amado. No âmbito do Direito, a...
Considere a imagem abaixo: Fonte: ROSA, Tomás Amado. No âmbito do Direito, a...
 
SANTO AMARO NO LAR VALE FORMOSO _
SANTO AMARO NO LAR VALE FORMOSO         _SANTO AMARO NO LAR VALE FORMOSO         _
SANTO AMARO NO LAR VALE FORMOSO _
 
Vários modelos foram propostos para estudar os determinantes sociais e a tram...
Vários modelos foram propostos para estudar os determinantes sociais e a tram...Vários modelos foram propostos para estudar os determinantes sociais e a tram...
Vários modelos foram propostos para estudar os determinantes sociais e a tram...
 
A) Cite inicialmente as três dimensões do desenvolvimento sustentável e estab...
A) Cite inicialmente as três dimensões do desenvolvimento sustentável e estab...A) Cite inicialmente as três dimensões do desenvolvimento sustentável e estab...
A) Cite inicialmente as três dimensões do desenvolvimento sustentável e estab...
 
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
 
Atividade sobre o anacronismo na HIstoria
Atividade sobre o anacronismo na HIstoriaAtividade sobre o anacronismo na HIstoria
Atividade sobre o anacronismo na HIstoria
 
4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...
4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...
4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...
 
Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento
Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento
Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento
 
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
 
a) Tendo como base as competências de um conselho de saúde, a afirmação "... ...
a) Tendo como base as competências de um conselho de saúde, a afirmação "... ...a) Tendo como base as competências de um conselho de saúde, a afirmação "... ...
a) Tendo como base as competências de um conselho de saúde, a afirmação "... ...
 
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
 
1. Encontre um Livro Didático de Língua Portuguesa, que seja para o 1º, 2º ou...
1. Encontre um Livro Didático de Língua Portuguesa, que seja para o 1º, 2º ou...1. Encontre um Livro Didático de Língua Portuguesa, que seja para o 1º, 2º ou...
1. Encontre um Livro Didático de Língua Portuguesa, que seja para o 1º, 2º ou...
 
Elabore uma apresentação em PowerPoint em que você possa definir como a teolo...
Elabore uma apresentação em PowerPoint em que você possa definir como a teolo...Elabore uma apresentação em PowerPoint em que você possa definir como a teolo...
Elabore uma apresentação em PowerPoint em que você possa definir como a teolo...
 
SOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIM
SOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIMSOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIM
SOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIM
 

Resumo Cultura do Ágora - HCA

  • 1. 1 HCA Resumo para primeiro teste Página Dylan Bonnet | 2258 A EDUCAÇÃO DO VER – INTRODUÇÃO À HCA: A Arte está presente em toda a História da Humanidade, desde as origens à atualidade e em todas as sociedades, pois parece corresponder a finalidades e necessidades vitais. A Arte apresenta-se ao Homem como alimento espiritual e como companheiro inseparável. Eles justificam-se mutuamente. O Homem usa a Arte como talismã que o defende contra as forças inevitáveis da natureza, através de uma sintonia estabelecida pela própria com os deuses e a Mãe Natureza. Ela dá-se a ver como forma de diálogo com os deuses e consigo próprio (quando produz arte em busca do prazer, quando se quer passar uma mensagem, deixar uma marca – deixa de se orientar para os deus para se dirigir para o Homem). Aparece como meio de satisfação de necessidades estéticas na procura da plenitude (através do uso do modelo da sociedade – do cânone). A Arte também permite que o Homem seja mais humano, mais tolerável (Sem Homem não há Arte e sem Arte não há Homem). Procura-se que a Obra permaneça continuamente no tempo, que adote uma forma de legado para as gerações futuras, um património estético.  Até à época contemporânea, a Obra de Arte teve um caráter estável e permanente: quadro de cavalete, figurativo e acabado, sendo que hoje a própria se apresenta com mutável, numa sociedade onde tudo é descartável e as tendências mudam de dia para dia e com elas mudam também os conceitos artísticos, que podem ser inacabados e deixar asas à imaginação do observador. Desde os finais do século XIX que as pinturas vêm a ser salpicadas com traços de subjetividade e do abstrato – já não se trata do que se vê, mas sim do que se sente. Progressivamente, novos suportes vão surgindo, ultrapassando-se a clássica tela ou parede para se irem inserindo novos materiais; com isso, veio também a emergir o Novo Conceito de Arte: aquela que não tem limites e que desconstrói qualquer cânone. A própria noção de Arte é posta em causa. Os anos ‘60/’70 trazem contestação e manifestação que provocam ruturas nas tradições seculares, propondo novas formas de arte – arte com mensagens, que chegam a chocar, mas não anulou a necessidade do artista em ter um público que dê sentido social à obra. Pode-se concluir que o Homem está condenado à produção artística e que a arte é parte integral e integradora do Homem e da sua especificidade cultural. A CULTURA DO ÁGORA: Contextualização Histórico-Cultural: A Arte Grega está inserida num contexto histórico-cultural com tradições milenares; tem influências micénicas, cretenses, cicládicas e egípcias. É uma arte original (os gregos foram pioneiros na representação do Homem em mármores e à escala com uma perfeição notável, foram também os primeiros a criar templos inovadores), portadora de valores técnicos, estéticos e éticos. A Civilização Grega é o berço da cultura ocidental e rege-se sobre valores como a racionalidade, o antropomorfismo e o idealismo (cânone). Atingiu o seu apogeu nos séculos V-IV a.C.. Digamos que esta cultura nasce com a conciliação de condições diversas que permitiram harmonizar o Homem com o Mundo: Condições Naturais: o clima seco e quente evoca a boa disposição, e o solo pobre leva a que se procure noutros lugares, incitando o comércio. Por seu lado o Mar Mediterrâneo apresenta-se como elo de ligação com outros mundos, permitindo que se tragam descobertas e que se comercialize. Condições Étnicas: o povo grego resultou do cruzamento de vários povos: micénicos, cretenses, cicládicos e egípcios; o que inspirou o povo grego nos seus primórdios.
  • 2. 2 HCA Resumo para primeiro teste Página Dylan Bonnet | 2258 Condições Sociais e Económicas: o crescimento da população leva a que se desenvolva o comércio e as descobertas. Terra produtora de vinho e azeite, a Grécia Antiga, cria cerâmicas que transportarão os produtos e que terão como “rótulos” os feitos dos gregos, servindo como propaganda da cultura. Qualidades estéticas dos Gregos: ›Racionalismo; ›Antropomorfismo; ›Clareza (objetivo); ›Idealismo/Realismo (tal e qual); ›Harmonia (matemática); ›Rigor; ›Proporção (matemática); ›Equilíbrio; ›Ritmo (movimento); ›Naturalismo; ›Belo/Útil; ›Sentido Coletivo ›Superioridade/Dignidade (querer melhor, com ›Padrões de Beleza/Cânones. respeito pelo próx.); Os gregos notabilizaram-se na Arquitetura, com a aplicação de critérios matemáticos e geométricos, que se traduziam na rigorosa proporcionalidade das ordens (dórica, jónica e coríntia); pela harmonia entre as formas estruturais e a decoração aplicada; pela procura do equilíbrio, naturalismo e idealismo visual e verdade visual. O templo representa a medida, o modelo da Cultura Grega – o cânone. As acrópoles da Antiga Grécia eram construídas no ponto mais elevado das cidades, serviam originalmente como proteção contra invasores de cidades inimigas, e eram quase sempre cercadas por muralhas. Os gregos criaram várias obras de arte para enfeitar templos, para celebrar vitórias em batalhas, as pessoas famosas e os mortos, e como oferendas aos deuses. › Período Arcaico e Clássico: Escultura: Pouco depois de meados do século VII a. C., os gregos começaram a esculpir em mármore grandes figuras de homens. Assim os gregos adotaram o método egípcio de execução e também, em grande medida, o sistema egípcio de proporções. As semelhanças na pose e na técnica são óbvias; as diferenças de estilo e função são mais subtis, mas extremamente importantes. O escultor egípcio fazia uma figura realista de um homem; a estátua grega é mais abstrata. Pois, para os gregos uma estátua desse gênero não deveria parecer-se apenas com um homem mas também ser um belo objeto em si mesmo. Assim fizeram dela uma peça de beleza ao impor três elementos de composição à representação da forma humana: simetria, repetição exata de formas e uso das mesmas formas em diferentes escalas. Esse tipo de estátua (uma figura nua masculina em posição hirta e frontal, com o peso igualmente distribuído sobre ambas as pernas) é chamado de Kouros (plural Kouroi), palavra que significa “homem jovem”. Já no início do séc. V a.C., a busca do artista grego pela superação da rigidez das estátuas, o mármore mostrou-se um material inadequado: pesado demais, quebrava-se sob o seu próprio peso, quando determinadas partes do corpo não estavam apoiadas. Para solucionar o problema, os escultores da era clássica começaram a utilizar o bronze, liga metálica que, além de ser mais resistente que o mármore, permitia criar figuras que expressassem melhor a ideia de movimento. É introduzido um novo conceito, o contrapposto, tratando-se de uma postura em que o corpo se apoia sobre uma perna, enquanto a outra aparece ligeiramente fletida (ex: Doríforo, de Policleto). Desta forma a escultura passa a poder exprimir-se através do corpo, prescindindo do mítico sorriso arcaico e ganhando uma expressão de contemplação. No final do século, Fídias entra em cena e o seu talento é glorificado através dos relevos das métopas, dos frisos e dos frontões do Pártenon. Ele consegue atingir os pilares da forma clássica: naturalismo, equilíbrio e serenidade. O cânone de Policleto era que a estátua tivesse: a harmonia das partes anatómicas, um ligeiro movimento dos ombros e quadris, altura do corpo igual a sete vezes a da cabeça. Auriga – estátuas dos vencedores do JO.
  • 3. 3 HCA Resumo para primeiro teste Página Dylan Bonnet | 2258 Arquitetura: Na arquitetura grega, as edificações que despertam maior interesse são os templos, construídos não para reunir pessoas em seu interior para o culto religioso, mas para servir de residência dos deuses A característica mais evidente dos templos gregos é a simetria entre o pórtico da entrada – o pronau – e os fundos – o opistódomo. O núcleo do templo grego era formado pelo pronau, pelo naus (recinto onde se situava a imagem da divindade) e pelo opistódomo. Esse núcleo era cercado pelo peristilo (colunata ou conjunto de coluna). As colunas do templo sustentavam um entablamento horizontal, formados por três partes: a arquitrave, o friso e a cornija. As colunas e o entablamento eram construídos segundo os modelos da ordem dórica ou a ordem jônica. A ordem dórica era simples e maciça. A ordem jônica sugeria mais leveza e era mais ornamentada. Os templos gregos eram cobertos por um telhado descendente no sentido das laterais. Dessa posição do telhado resultava um espaço triangular sobre a cornija, tanto no pórtico de entrada quanto no dos fundos. Esse espaço triangular, denominado frontão, era ricamente ornamentado com esculturas. Além dos frontões, as métopas e os frisos (ver imagem da página anterior) também eram decorados com esculturas que geralmente descreviam cenas épicas e elementos da mitologia grega. Destacam-se templos como o Pártenon – templo dórico e o Templo de Atena Nike – santuário complexo que devia receber várias funções religiosas. Cerâmica: Os gregos fabricavam vasos com decoração pintada para servir a quatro finalidades: como recipientes para armazenar bebidas e mantimentos; como equipamento para refeições festivas; como recipientes de uso decorativo e, por fim, como vasos especiais para ser usado em rituais (tais como, o casamento). As pinturas dos vasos representam pessoas e as suas atividades quotidianas e cenas da mitologia grega. Parra – folha de vinha (numa cerâmica representa o seu aspeto comercial) › Período Helenístico: O período helenístico vai do século IV a. C. até o século II a. C. O termo “helenística” refere-se à cultura iniciada sob o poder de Alexandre e seguida até o domínio da Grécia pelos romanos em 146 a. C. Escultura: O conjunto escultórico do século IV a. C. apresenta traços bem característicos. Um deles era a representação, sob forma humana, de conceitos e sentimentos, como a paz, o amor, a liberdade, a vitória, entre outros. Outro traço marcante foi o surgimento do nu feminino, pois, nos períodos arcaico e clássico, representava-se a figura feminina sempre vestida. A outra conquista do período helenístico foi a representação não de uma só figura, mas de grupos que ao mesmo tempo sugerem mobilidade e a preocupação com o belo em todos os ângulos. Arquitetura: A casa: novo luxo na vida privada No período helenístico, as casas ganham mais espaço e se tornam mais valorizadas. Os pátios da maioria das casas eram adornados com graciosos peristilos (galeria de colunas isoladas, em torno de um edifício ou de um pátio). Muitas paredes simulavam aplicações de mármore e belos mosaicos revestiam os pisos. O teatro: o ator torna-se protagonista Nas criações dramáticas, tal como na vida, o ênfase passou a recair mais sobre o indivíduo do que sobre o grupo; no teatro, isso significava mais atenção ao ator do que ao coro.