Dst

4.837 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.837
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
72
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Dst

  1. 1. Doenças Sexualmente Transmissíveis - DST
  2. 2. Agentes bacterianos de DST Treponema pallidum : sífilis ( cancro duro) Chlamydia trachomatis : 1. uretrite não gonocócica -UNG; 2. linfogranuloma venéreo - LGV Haemophilus ducreyi : cancro mole Neisseria gonorrhoeae : gonorréia
  3. 3. Outros agentes Gardnerella vaginalis : vaginose Klebsiella granulomatis: granuloma inguinal Candida albicans : vaginite Trichomonas vaginalis : vaginite Ureaplasma urealyticum : uretrite Mycoplasma hominis : vaginose e cervicite
  4. 4. Agentes virais de DST Herpes simplex 1 e 2 – herpes genital Papiloma virus (HPV) – verrugas genitais e displasias HIV - AIDS Virus da hepatite B – hepatite
  5. 5. Treponema pallidumAs manifestações clínicas variam com o estágio da sífilis. • Sífilis primária. • Período de incubação: 21 dias ( pode variar de 3- 90 dias ) • Cancro duro, linfadenopatia regional
  6. 6. Treponema pallidum• Sífilis secundária: • exantema, febre, lesão de mucosas linfadenopatia, alopécia, cefaléia, meningite incubação 2 a 12 semanas ( ou até 6 meses)
  7. 7. Treponema pallidum• Sífilis terciária:• cardiovascular- 10 a 30 anos• neurosífilis • assintomática • meningite siflítica aguda• tabes dorsalis • 10- 20 anos• goma 1- 46 anos
  8. 8. Sífiliscongênita
  9. 9. Diagnóstico microbiológico Bacterioscópido direto do cancro duro: Campo escuro, Fontana TribondeauCULTURA ?Inoculação experimental- coelho
  10. 10. Diagnóstico microbiológico Testes sorológicos Ag não treponêmicos Ag treponêmicosVDRL. RPR (cardiolipina) MHA-TP(microaglutinação) + + FTA-ABS(IFI) Novos testes : ELISA Anticorpos- IgM e IgG
  11. 11. Neisseria gonorrhoeae ( gonococos )• Uretrite , endocervicite, proctite,conjuntivite, faringite, oftalmia neonatorum• Complicações: • endometrites, salpingites, bartolinites ,prostatites, epididimite, artrite, dermatite,endocardite e meningite.
  12. 12. GonorréiaBlenorragia
  13. 13. Diagnóstico Laboratórial da blenorragia (gonorréria)• Bacterioscópico pelo Gram em mulheres 50%de sensibilidade• Cultura e isolamento em meios específicos -Agar chocolate e suplementos (Tayer Martin)• Identificação bioquímica automatizada ounão• IFD, pesquisa de beta-lactamase• Técnicas moleculares , sondas de DNA ouPCR
  14. 14. Espécies de Clamídias
  15. 15. Chlamydia trachomatis• Linfogranuloma venéreo(LGV):• Doença de Nicolas Favre, boubão, “mula”.• Sorotipos L1, L2, L3• Período de incubação: 1 - 3 semanasdiscreta lesão genital - de curta duração• linfadenopatia inguinal ( uni ou bilateral)• Danos tardios provocados no tecido queperdeu a drenagem linfática e evolui parasupuração de material purulento.
  16. 16. LGVLGV + cancro mole
  17. 17. Diagnóstico Laboratorial do Linfogranuloma venéreo- LGVO diagnóstico é basicamente clínico!• Detecção do agente pela pesquisa de anticorpos• Imunofluorescencia direta IFD• Reação de Fixação do complemento > 1:64• Isolamento em células McCoy.• Reação em Cadeia da Polimerase ( PCR )
  18. 18. Chlamydia trachomatisInfecção na mulher: cervicite purulenta, UNG,friabilidade do cervix, dor e sangramento no coito,corrimento vaginal crônico, piúria, disúria edor no baixo ventreComplicações:endometrite e salpingite, gravidez ectópica,e esterilidade. Oftalmia neonatorum.No homem: UNG, uretrite pós- gonocócica,complicações :epididimite, proctite, esterilidade e artrite.
  19. 19. Haemophilus ducreyi (bacilo Ducreyi )Cancróide ou cancro molePeríodo de incubação: de 4-7 diasÚlcera genital de bordos moles, recoberta comexudato purulentoVárias lesões com reação inflamatória pequenae dolorosas
  20. 20. Diagnóstico Laboratorial do Cancro Mole• Bacterioscópico das lesões: Gram• Cultura Agar chocolate+ suplementos+ 3µg vancomicina• Reação intradérmica de ITO
  21. 21. Clue cellVaginoses
  22. 22. Gardnerella vaginalis Vaginose bacteriana “vaginite inespecífica” mais frequente Bactérias envolvidas: Gardnerella vaginalis, Mobilluncus spp, Mycoplasma hominis, Bacteróides spp, Bifidobacterium sppInfecções em outros sítios:• infecção materna uterina, intra-amniótica, endometrite pós-parto• infecção neonatal-oral, aspirado gástrico, pus conjuntival, meningite• infeção urinária ( ambos os sexos)bacteremia ( + frequente em mulher )
  23. 23. Diagnóstico Laboratorial davaginose bacteriana  4,5pH vaginal  4,5Odor desagradável c/KOH a 10%• Ausência ou diminuição de lactobacilos eleucócitos e presença de Clue Cells.• Grande quantidade de bacilos Gram variáveis• Cultura em meio seletivo• Sonda de DNA
  24. 24. Herpes simplex• Causa mais comum de úlcera genital em paísesindustrializados• Surtos de herpes genital são causados por HSV2• Aumentam-se os casos de herpes genital por HSV
  25. 25. Papiloma vírus
  26. 26. Papiloma vírus humano ( HPV ): • Cerca de 70 tipos infectam humanos • Doença viral frequente • tropismo cutâneo, regiões não genitais ( verrugas benignas) • tropismo cutâneo ou mucoso em área genito- urinário. • Incubação de 1 semana a 1 ano !• Alguns tipos de HPV possuem potencialoncogênico , principalmente os que causam lesõesgenitais/orais;• Tipos + frequentes:16 ,18, 31, 33, 35, 39, 51, 58,72, 73.
  27. 27. Importância do diagnóstico precoce e das DST• Prevenir infecção no parceiro sexual• Prevenir complicações• Identificar a mãe/neonato de alto risco• Iniciar terapeutica adequada• Identificar parceiro assintomático infectado
  28. 28. Incidência das DST ↑ liberdade sexual existência de parceiros múltiplos diminuição das campanhas educativas automedicação Importância da AIDS

×